MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ DE OLERÍCOLAS, FLORES E ORNAMENTAIS ABCSEM/ABRASEM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ DE OLERÍCOLAS, FLORES E ORNAMENTAIS ABCSEM/ABRASEM"

Transcrição

1 MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ DE OLERÍCOLAS, FLORES E ORNAMENTAIS ABCSEM/ABRASEM Data: 04 de dezembro de 2015 Horário: das 10:00h às 12:00h Local: sede da ABCSEM Participantes: Alécio / Syngenta; Adriana Pontes/Gerthe; Carlos Eduardo de Oliveira e Silva /Incotec; Vitor Muller/Agristar; Ana Paula/Flortec; Robert/Sakata; Marcelo / ABCSEM. Pauta: 1. IN-16/2015; 2. IN 50/ IN 29/2013; 4. Revisão da IN-01 Material Importado destinado à Pesquisa Científica; 5. Revisão Decreto 5.153; 6. Acompanhamento e Discussão da Norma específica de Hortícolas; 7. Processos ARPs - Centros Colaboradores; 8. Registro de Defensivos Minor Crops (INC 01/2010 e IN36/2009); 9. Tratamento de Sementes; 10. Reunião Agronômica e Instituto Agronômico de Campinas. 11. Padrões de Pragas Nocivas e Toleradas CSM; 12. Amostragem de Sementes e Mudas Importadas; 13. Estações Quarentenárias; 1.IN-16/2015 Ações /Status Estabelece os requisitos fitossanitários para a importação de sementes, de diferentes espécies e países, destinadas à propagação. PRÓXIMOS PASSOS MAPA/ABRASEM: aprofundar estudos sobre o potencial econômico das pragas que não possuem registro de ocorrência no Brasil, e que não estão na lista de pragas quarentenárias ausentes. MAPA/ABRASEM: Verificar produtos relacionados a nível de gênero, caso a caso, para posterior individualização em espécie. MAPA/ABRASEM: Buscar correlações entre Origens/Pragas: Estabelecer lista de prioridades de pragas /origens estabelecer critérios para priorização;

2 Harmonizar protocolos de diagnóstico relativos a pragas/origens; Avaliar os tratamentos disponíveis para vírus, fungos, nematóides e bactérias para eventual inclusão da DA2. MAPA/ABRASEM: acompanhar o tema para identificar algum possível problema na implementação da norma, durante os 18 meses. MAPA/ABRASEM: disponibilizar mais informações a respeito do Projeto de redução do risco fitossanitário associado a semente a partir da Implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade de Sementes. PEST LIST DATABASE ABRASEM/MAPA: Estabelecer uma lista de pragas prioritárias a serem trabalhadas para o Brasil; ABRASEM: Compartilhar dados e referencias das listas de pragas que estão sendo elaboradas pela ISF e ASTA; ABRASEM: Listar ARPs prioritárias e aportar informações junto a ONPF com o objetivo de melhorar os processos de Analises de Riscos de Pragas; MAPA/ABRASEM: Criar grupo de trabalho para discutir a proposta de estabelecimento de ARP por gênero botânico a partir dos resultados obtidos no WG Phyto SAA. PEQUENOS LOTES ABRASEM/MAPA: Apoiar a iniciativa de trabalho do GT da ISTA (documento); ABRASEM/MAPA: Trabalhar em conjunto (MAPA-Industria) para ter um olhar mais atencioso ao capitulo da proposta de NIMF que trata de pequenos lotes; ABRASEM/MAPA: Compartilhar com o MAPA o Position Paper que esta sendo trabalhado dentro do sub-grupo Phyto da SAA a respeito de pequenos lotes após a sua conclusão; ABRASEM/MAPA: Mapear e compartilhar as informações e programar um próximo encontro como esse para discutir o assunto. 2.IN 50/2006 Estabelece as Normas para Importação e Exportação de Sementes e de Mudas O Grupo de trabalho da ABCSEM após diversas reuniões revisou a norma e, em atendimento a demanda do Coordenador de Sementes e Mudas do MAPA, desenvolveu uma normativa voltada para a praticidade, reduzindo requerimentos e prazos, revisando processos e adotando como base conceitual para as importações o sistema eletrônico LI Licenciamento de Importação da Receita Federal/SISCOMEX. Atualmente a norma encontra-se no Comitê de Legislação da ABRASEM, para apreciação e após revisão será encaminhada como proposta do setor ao MAPA 3.IN 29/2013 Estabelece os procedimentos e os critérios para emissão do Certificado Fitossanitário - CF e do Certificado Fitossanitário de Reexportação - CFR, por solicitação de exportador.

3 O Grupo de trabalho da ABCSEM após diversas reuniões revisou a norma, excluindo obrigatoriedades tais como: Tradução juramentada, Declaração de intenção de reexportação, entre outros. Atualmente a norma encontra-se no Comitê de Legislação da ABRASEM, para apreciação e após revisão será encaminhada como proposta do setor ao MAPA 4.IN01/98 Norma para importação de material destinado a pesquisa científica. A normativa no ano de 2014 foi colocada em processo de revisão através de consulta pública (Portaria 59/14) e dentre as propostas encaminhadas pela ABCSEM, destaca-se a separação do material de origem autorizada, cujos requerimentos passariam a ser emitidos pelos Estados, reduzindo o tempo de análise e emissão para 15 dias úteis. A ABCSEM, solicitou também um tratamento diferenciado para o trânsito de pequenas quantidades de material para pesquisa, nivelamento de protocolos de análise, avaliação agronômica e VCU. Atualmente a Norma encontra-se no MAPA e ainda não foi publicada. 5.DECRETO 5.153/2004 Aprova o Regulamento da Lei nº , de 5 de agosto de 2003, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas - SNSM, e dá outras providências. Em 2014, a ABCSEM juntamente com a ABRASEM, revisaram novamente o decreto, o qual em suma ficou formatado remetendo muitos procedimentos a serem definidos através de Normas Específicas. Atualmente o DECRETO encontra-se no departamento jurídico do MAPA. 6.NORMA ESPECÍFICA Em 2015, a ABCSEM através de seu grupo de trabalho, iniciou o processo de revisão da norma e em 2016 encaminhará à Coordenação de Sementes e Mudas do Ministério. Para efetivação da norma específica após sua redação final, necessita-se da aprovação do DECRETO 5153, o qual encontra-se no departamento jurídico do MAPA. 7.PROCESSOS DE ANÁLISE DE RISCOS DE PRAGAS E CENTROS COLABORADORES Análise do cruzamento de espécies e origens contempladas em IN s específicas e outras, tais como a IN16/2015, versus a necessidade do setor; Acompanhamento dos processos de ARP s em andamento a pedido dos associados; Busca de alternativas de agilização do processo de ARP s (Projeto de ARP da Holanda - ornamentais); Acompanhamento da conclusão dos requisitos para importação de bulbos de lírio do Chile, o qual está em fase final; Estabelecimento de convênio entre MAPA e EMBRAPA para análise e emissão de pareceres quanto aos relatórios feitos pelos centros colaboradores;

4 Desenvolvimento pelo MAPA de Sistema online para abertura de processos, relatórios, onde todos os participantes do processo terão acesso ao Sistema, onde solicitações de ARP s sem relatórios dos Centros Colaboradores, não terão andamento. 8.REGISTRO DE DEFENSIVOS MINOR CROPS Mais de 350 minor crops foram incluídas na bula de inseticidas, herbicidas, fungicidas, acaricidas e bactericidas pelo governo brasileiro em Os registros resultaram em mais de 700 indicações de alvos biológicos a serem controlados pelos defensivos e na definição de mais de 500 Limites Máximos de Resíduos (LMR). As inclusões permitirão ao produtor proteger a produção com mais eficiência e segurança. Reunião realizada com o diretor de registro da ANVISA, em dezembro/2015 sobre a problemática causada pela disseminação na mídia de forma incompleta sobre os resultados do programa PARA. 9.TRATAMENTO DE SEMENTES Elaboração de ofício questionando o MAPA sobre a posição quanto a importação e comercialização de sementes tratadas no exterior com produtos químicos não registrados no Brasil; Realização de reuniões com a indústria de químicos para o registro de produtos para tratamento de Sementes de hortaliças; Reunião conjunta com a Diretoria do DFIA e ANVISA para a priorização de registros de produtos para tratamento de Sementes que estão na fila há anos; Reunião com a comissão nacional de hortaliças e flores da CNA para atuação política e emissão de ofícios em apoio ao registro de produtos para tratamento de Sementes. 10.AMOSTRAGEM DE SEMENTES E MUDAS IMPORTADAS Após uma série de reuniões entre ABCSEM e o MAPA sobre o desgaste que o processo de coleta de amostras em excesso vem trazendo, o MAPA, através da FFA Mariana Teixeira, compreendendo a questão, vem trabalhando numa normativa para retirada de amostras para análises de fitossanidade, levando em consideração a experiência e metodologia aplicada em outros países. 11.REUNIÃO AGRONÔMICA E INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS. Acompanhamento ao INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS IAC em reunião com o laboratório Agonômica para tratar de amostragem e metodologias de análise, onde destacou-se o interesse do IAC, de como são estabelecidas as metodologias de análise para a realização dos testes e quais pragas analisar. 12.PADRÕES E PRAGAS NOCIVAS E TOLERADAS CSM Foram realizadas duas consultas públicas nos útimos 4 anos para estabelecimento de novos padrões de qualidade para Sementes de hortaliças, onde a ABCSEM encaminhou sua proposta e até a presente data o MAPA não publicou e nem possui perspectiva a curto prazo de publicação dos novos padrões a serem exigidos.

5 13.ESTAÇÕES QUARENTENÁRIAS Inauguração de estação quarentenária da SGS em dezembro/2015 na cidade de Piracicaba/SP, para Sementes e plantas in vitro; Sem manifestações. Sem mais, Marcelo R. Pacotte Secretário Executivo ABCSEM

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ OFO

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ OFO Data: 01 de dezembro de 2016 (quinta-feira). Horário: das 14:00h às 16:00h Local: ABCSEM MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ OFO Participantes: Mariana Ceratti/Projeto Agro, Inês / CGO, Eloir / Feltrin, Luciana

Leia mais

A Defesa fitossanitária Brasileira e o Comércio Internacional de Material Propagativo: Análise Empresarial

A Defesa fitossanitária Brasileira e o Comércio Internacional de Material Propagativo: Análise Empresarial Workshop: Trânsito Internacional de Material Propagativo A Defesa fitossanitária Brasileira e o Comércio Internacional de Material Propagativo: Análise Empresarial Eng.ª Agr.ª Adriana Pontes Vice-Presidente

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

Ofício n.º 011/2013 Campinas, 27 de fevereiro de 2013.

Ofício n.º 011/2013 Campinas, 27 de fevereiro de 2013. Ofício n.º 011/2013 Campinas, 27 de fevereiro de 2013. AO DR. NATANIEL DINIZ NOGUEIRA GERENTE DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA Assunto: Apresentação Secretário Executivo

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a emissão do Termo de Conformidade para sementes importadas.

Assunto: Esclarecimentos sobre a emissão do Termo de Conformidade para sementes importadas. Ofício n.º 041/2009 Campinas, 18 de junho de 2009. A/C: SR. NATANIEL DINIZ NOGUEIRA GERENTE DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA Av. dos Andradas, 1220 - Centro - Belo Horizonte/MG

Leia mais

Comércio Internacional de Sementes e Mudas

Comércio Internacional de Sementes e Mudas Comércio Internacional de Sementes e Mudas CAMILA DOS SANTOS VIEIRA AUDITORA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIA SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS SEFIA/DDA/SFA-PR Panorama do Estado do Paraná - 2017

Leia mais

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas Departamento de Sanidade Vegetal DSV Análise de Risco de Pragas Análise de risco de pragas Organização Mundial do Comércio OMC Acordo sobre Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SPS) Convenção

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 2 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 2 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 2 DE ABRIL DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha.

Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha. Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha. Foto: http://www.projetoreca.com.br/site/?page_id=98 Cósam de Carvalho Coutinho Diretor Departamento de Sanidade Vegetal DSV/SDA/MAPA I Simpósio

Leia mais

NIMF N 19 DIRETRIZES SOBRE LISTAS DE PRAGAS REGULAMENTADAS (2003)

NIMF N 19 DIRETRIZES SOBRE LISTAS DE PRAGAS REGULAMENTADAS (2003) NIMF N o 19 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF N 19 DIRETRIZES SOBRE LISTAS DE PRAGAS REGULAMENTADAS (2003) Produzido pela Secretaria da Convenção Internacional para a Proteção dos

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE PREVENÇÃO À MONILÍASE NO ESTADO DA BAHIA

AÇÕES DE EDUCAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE PREVENÇÃO À MONILÍASE NO ESTADO DA BAHIA AÇÕES DE EDUCAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE PREVENÇÃO À MONILÍASE NO ESTADO DA BAHIA Joaquim Raimundo Nunes Marinho - Engº Agrº Fiscal Federal Agropecuário MAPA/SFA-BA/UTRA-ITABUNA PERÍODO DE 2001 A 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data da sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data da sua publicação. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

Leia mais

Novas Normas para Importação de Sementes e Mudas

Novas Normas para Importação de Sementes e Mudas Novas Normas para Importação de Sementes e Mudas Escopo Importação e exportação de sementes com fins comerciais, para uso próprio, para VCU ou para ensaios de adaptação (Revoga a IN 50/2006 a partir de

Leia mais

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro

Leia mais

Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores e plantas ornamentais

Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores e plantas ornamentais Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores e plantas ornamentais Eng. Agrônoma Ana Paula Sá Leitão IBRAFLOR / Flortec Holambra SP Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 25, DE 27 DE JUNHO DE 2017

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 25, DE 27 DE JUNHO DE 2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 25, DE 27 DE JUNHO DE 2017 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Ofício 026/2010. Campinas, 15 de ABRIL de 2010.

Ofício 026/2010. Campinas, 15 de ABRIL de 2010. Ofício 026/2010 Campinas, 15 de ABRIL de 2010. À ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS ABRASEM ILMO SR. JOSÉ AMÉRICO PIERRE RODRIGUES SUPERINTENDENTE EXECUTIVO Assunto: Encaminhamento das proposições

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 00, DE 00 DE xxxx DE, Art. 2º. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 00, DE 00 DE xxxx DE, Art. 2º. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 00, DE 00 DE xxxx DE, 2016 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II,

Leia mais

Uma rápida visão da cadeia produtiva de hortaliças no Brasil

Uma rápida visão da cadeia produtiva de hortaliças no Brasil II CONFERÊNCIA NACIONAL DEFESA AGROPECUARIA. Uma rápida visão da cadeia produtiva de hortaliças no Brasil Maio 28,2010 ESALQ 1973 CONSULTORIA PROJETO ESPECIAL QUEM É A ABCSEM? - ABCSEM ABCSEM - Defesa

Leia mais

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES RNC

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES RNC II WORKSHOP DFIA ABCSEM REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES RNC 19 de julho de 2017 Campinas - SP Virgínia Arantes Ferreira Carpi Coordenadora de Sementes e Mudas CSM/DFIA/SDA Temas abordados Institucional;

Leia mais

Art. 1º Fica Aprovada a Norma Técnica para a utilização da Permissão de Trânsito de Vegetais PTV desta Instrução Normativa.

Art. 1º Fica Aprovada a Norma Técnica para a utilização da Permissão de Trânsito de Vegetais PTV desta Instrução Normativa. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 DOU de 25/08/2016 (nº 164, Seção 1, pág. 6) O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA,

Leia mais

1 Instrução Normativa nº. 01 de 15 de dezembro de Seção 1. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO

1 Instrução Normativa nº. 01 de 15 de dezembro de Seção 1. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO TEMÁRIO: 1 Instrução Normativa nº. 01 de 15 de dezembro de 1998. Seção 1. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 1, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1998. O Ministro

Leia mais

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS XXXVI CICLO DE REUNIÕES CONJUNTAS DA CSM/PR SEMENTES DESAFIOS PARA O FUTURO ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS 20 de junho de 2017 Foz do Iguaçu - PR Virgínia Arantes Ferreira Carpi Coordenadora

Leia mais

Programação: Campinas, 16 de dezembro de 2011.

Programação: Campinas, 16 de dezembro de 2011. Campinas, 16 de dezembro de 2011. Programação: 14:00h - Abertura da reunião pelo Presidente da ABCSEM - Luís Eduardo Rodrigues; 14:10h - Participação especial do presidente da ABRASEM, Narciso Barison,

Leia mais

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL Júlio César Garcia Fiscal Federal Agropecuário LASO/LANAGRO/MG José Maurício Pereira Fiscal Federal Agropecuário UTRA/LRV/SDFA/MG Piracicaba/SP

Leia mais

PORTARIA N 97, DE 17 DE MARÇO DE ANEXO PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA N, DE DE DE 2010

PORTARIA N 97, DE 17 DE MARÇO DE ANEXO PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA N, DE DE DE 2010 ANEXO PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA N, DE DE DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ-RIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Portaria SDA/MAPA 59/2014 (D.O.U. 05/05/2014)

Portaria SDA/MAPA 59/2014 (D.O.U. 05/05/2014) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI SISLEGIS Portaria em consulta pública (Válida até 04/06/2014) Portaria SDA/MAPA 59/2014 (D.O.U. 05/05/2014) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

MERCADO DE FLORES E MUDAS ORNAMENTAIS NO Brasil e DF

MERCADO DE FLORES E MUDAS ORNAMENTAIS NO Brasil e DF MERCADO DE FLORES E MUDAS ORNAMENTAIS NO Brasil e DF Dra. Loiselene Carvalho da Trindade Eng. Agrônoma, Fitopatologista EMATER-DF Perfil do setor de Plantas Ornamentais no Brasil 8248 produtores 14.992

Leia mais

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL. André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL. André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA Convenção Sobre Diversidade Biológica Art. 8 Conservação in situ

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO DE DIRETORIA. Participantes: Renata Cintra/Syngenta; Mariana Ceratti/Projeto Agro; Marcelo / ABCSEM e Fabiana / ABCSEM.

MEMÓRIA DA REUNIÃO DE DIRETORIA. Participantes: Renata Cintra/Syngenta; Mariana Ceratti/Projeto Agro; Marcelo / ABCSEM e Fabiana / ABCSEM. CEP 13070091 CAMPINAS/SP Fone/Fax: (19) 32436472 MEMÓRIA DA REUNIÃO DE DIRETORIA Data: 16 de outubro de 2012 (terçafeira). Horário: das 14:00h às 18:00h Local: ABCSEM Participantes: Renata Cintra/Syngenta;

Leia mais

Rede de Análise de Risco de Pragas Rarp ( ) Pest Risk Analysis Network. Marcelo Lopes-da-Silva Pesquisador Embrapa

Rede de Análise de Risco de Pragas Rarp ( ) Pest Risk Analysis Network. Marcelo Lopes-da-Silva Pesquisador Embrapa Rede de Análise de Risco de Pragas Rarp (2009-2012) Pest Risk Analysis Network Marcelo Lopes-da-Silva Pesquisador Embrapa Objetivos da RARP Criação de uma base de dados BRASILEIRA que forneça subsídios

Leia mais

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Patrícia Ferrari Andreotti Coordenação de Pesquisa Clínica em Medicamentos e Produtos Biológicos - COPEC Superintendência

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Da natureza e finalidade Art. 1º - A Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) é instância de caráter consultivo e deliberativo da Direção Médica

Leia mais

O Mercado de Folhosas: Números e Tendências. Paulo Koch Marcelo Pacotte Steven Udsen Raissa Angelini

O Mercado de Folhosas: Números e Tendências. Paulo Koch Marcelo Pacotte Steven Udsen Raissa Angelini O Mercado de Folhosas: Números e Tendências Paulo Koch Marcelo Pacotte Steven Udsen Raissa Angelini Quem Somos Sociedade civil sem fins lucrativos, fundada em 1970, que representa, assiste, orienta e une

Leia mais

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 PROCEDIMENTO PR 6.01 Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 CÓPIA CONTROLADA 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 29/07/2014 01 03/12/2015 02 Adequações

Leia mais

Controle Administrativo no Comércio Exterior

Controle Administrativo no Comércio Exterior Seminários DECEX 2017 Controle Administrativo no Comércio Exterior Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX 25 de Abril de 2017 Controle Administrativo Visão Geral Natureza do Controle Administrativo

Leia mais

associados da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS

associados da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS ABCSEM CNPJ-43.195.312/0001-00 MEMÓRIA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DE 05 DE DEZEMBRO DE 2013 Aos cinco dias do mês de dezembro do ano de dois mil e treze

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

Fiscalização de Agrotóxicos e Afins no Estado de São Paulo

Fiscalização de Agrotóxicos e Afins no Estado de São Paulo Fiscalização de Agrotóxicos e Afins no Estado de São Paulo Jaguariúna, SP Junho de 2009 Davi Carvalho de Souza Engenheiro Agrônomo Fiscal Federal Agropecuário BRASIL LEGISLAÇÃO FEDERAL DE AGROTÓXICOS Lei

Leia mais

REUNIÃO CÂMARA SETORIAL DE FIBRAS NATURAIS CRISE NA COCONICULTURA BRASILEIRA DIAGNÓSTICO DE CAUSAS, IMPACTOS À CADEIA PRODUTIVA E SOLUÇÕES PROPOSTAS

REUNIÃO CÂMARA SETORIAL DE FIBRAS NATURAIS CRISE NA COCONICULTURA BRASILEIRA DIAGNÓSTICO DE CAUSAS, IMPACTOS À CADEIA PRODUTIVA E SOLUÇÕES PROPOSTAS REUNIÃO CÂMARA SETORIAL DE FIBRAS NATURAIS CRISE NA COCONICULTURA BRASILEIRA DIAGNÓSTICO DE CAUSAS, IMPACTOS À CADEIA PRODUTIVA E SOLUÇÕES PROPOSTAS Sumário Executivo Diagnóstico de Causas Impactos à Cadeia

Leia mais

Funcionamento dos Grupos de Trabalho. Câmara Técnica de Planejamento Institucional - CTPI

Funcionamento dos Grupos de Trabalho. Câmara Técnica de Planejamento Institucional - CTPI Funcionamento dos Grupos de Trabalho Câmara Técnica de Planejamento Institucional - CTPI 25ª reunião Uberlândia, 19 de março de 2014 DeIvan Bispo Parasocieadecivilcbh@googlegroups.com, GT-São Marcos, CBH

Leia mais

LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS

LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS Bárbara França Dantas Pesquisadora da Embrapa Semiárido De acordo com FERNANDA YONEYA (O Estado de São Paulo de 21 de setembro de 2011), mesmo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS LEGISLAÇÃO E REGISTRO DE DEFENSIVOS PARA GRAMADOS Prof. Dr. Carlos Gilberto Raetano FCA/UNESP Campus de Botucatu Depto. Produção Vegetal Defesa Fitossanitária Raetano@fca.unesp.br LEGISLAÇÃO - AGROTÓXICOS

Leia mais

REVISÃO DA RDC Nº 39/2008, QUE DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIOS CLÍNICOS COM MEDICAMENTOS NO BRASIL

REVISÃO DA RDC Nº 39/2008, QUE DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIOS CLÍNICOS COM MEDICAMENTOS NO BRASIL PROPOSTA DE RDC REVISÃO DA RDC Nº 39/2008, QUE DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIOS CLÍNICOS COM MEDICAMENTOS NO BRASIL COPEC/SUMED 26 DE FEVEREIRO DE 2015 PROPOSTA DE RDC INFORMAÇÕES

Leia mais

Controle Administrativo no Comércio Exterior

Controle Administrativo no Comércio Exterior Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP Controle Administrativo no Comércio Exterior RAFAEL ARRUDA DE CASTRO Coordenador de Normas Operacionais e Assuntos Econômicos Departamento de Operações

Leia mais

NIMF Nº4 REQUISITOS PARA O ESTABELECIMENTO DE ÁREAS LIVRES DE PRAGAS (1995)

NIMF Nº4 REQUISITOS PARA O ESTABELECIMENTO DE ÁREAS LIVRES DE PRAGAS (1995) NIMF Nº 4 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF Nº4 REQUISITOS PARA O ESTABELECIMENTO DE ÁREAS LIVRES DE PRAGAS (1995) Produzida pela Secretaria da Convenção Internacional para a Proteção

Leia mais

Certificação Fitossanitária Internacional

Certificação Fitossanitária Internacional Certificação Fitossanitária Internacional Certificação Fitossanitária Internacional I Workshop: A importância do Fiscal Federal Agropecuário para a competitividade do Agronegócio no Vale do São Francisco.

Leia mais

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal José Eduardo Vieira de Moraes ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal São Paulo, 25 de agosto de 2014 Desafios Por que Precisamos das

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MANEJO DA FERRUGEM E RESISTÊNCIA NO CULTIVO DA SOJA

MANEJO DA FERRUGEM E RESISTÊNCIA NO CULTIVO DA SOJA BOAS PRÁTICAS PARA MANEJO DA FERRUGEM E RESISTÊNCIA Phakopsora pachyrhizi MANEJO DA FERRUGEM E RESISTÊNCIA NO CULTIVO DA SOJA 1. Cumprir o Vazio Sanitário, sem prorrogações! >> OBRIGATÓRIO. Portaria ADAB

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N. 32/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N. 32/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N. 32/2015 TRÂNSITO INTERNACIONAL DE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA RAFAEL RIBAS OTONI Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional VIGIAGRO São Paulo-SP 23-FEV-2016 Contexto

Leia mais

EMBRAPA RECURSOS GENÉTICOS E BIOTECNOLOGIA EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

EMBRAPA RECURSOS GENÉTICOS E BIOTECNOLOGIA EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO EMBRAPA RECURSOS GENÉTICOS E BIOTECNOLOGIA EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO EDITAL Nº 06/2016 O Chefe Geral da Unidade Recursos Genéticos e Biotecnologia,

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE MINERAÇÃO DA CNI

COMISSÃO ESPECIAL DE MINERAÇÃO DA CNI 5ª reunião ordinária da Comissão Especial de Mineração da CNI. Data: 03/9/2009 Atualização das ações da CNI: Área jurídica atualização sobre ações judiciais e apresentação de parecer da Superintendência

Leia mais

Resultados compilados do 2º Workshop de Planejamento Estratégico

Resultados compilados do 2º Workshop de Planejamento Estratégico Av. Papa Pio XII, 847 Jd. Chapadão Campinas / SP CEP 13070-091 Fone/Fax: (19) 3243-6472 www.abcsem.com.br Resultados compilados do 2º Workshop de Planejamento Estratégico - 2008 VISÃO A ABCSEM é uma Associação

Leia mais

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas Secretaria de Defesa Agropecuária Luís Eduardo Pacifici Rangel

Leia mais

SUB-STANDARD REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA DAUCUS CAROTA (CENOURA) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES

SUB-STANDARD REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA DAUCUS CAROTA (CENOURA) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES MERCOSUL/GMC/RES N 40/07 SUB-STANDARD 3.7.47. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA DAUCUS CAROTA (CENOURA) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS Regulamenta o funcionamento dos Colegiados dos Cursos Superiores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus

Leia mais

NIMF Nº 10 REQUISITOS PARA O ESTABELECIMENTO DE LUGARES DE PRODUÇÃO LIVRES DE PRAGAS E LOCAIS DE PRODUÇÃO LIVRES DE PRAGAS (1999)

NIMF Nº 10 REQUISITOS PARA O ESTABELECIMENTO DE LUGARES DE PRODUÇÃO LIVRES DE PRAGAS E LOCAIS DE PRODUÇÃO LIVRES DE PRAGAS (1999) NIMF Nº 10 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF Nº 10 REQUISITOS PARA O ESTABELECIMENTO DE LUGARES DE PRODUÇÃO LIVRES DE PRAGAS E LOCAIS DE PRODUÇÃO LIVRES DE PRAGAS (1999) Produzido

Leia mais

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes.

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes. MERCOSUL/GMC/RES N 37/07 SUB-STANDARD 3.7.5. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA LYCOPERSICON ESCULENTUM (TOMATE), SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N 92/96) TENDO

Leia mais

Sumário. Visão Geral do Programa Brasileiro de OEA

Sumário. Visão Geral do Programa Brasileiro de OEA PARTE 1: Sumário Visão Geral do Programa Brasileiro de OEA PARTE 2: Projeto Piloto Estrutura Administrativa Centro OEA Lançamento do módulo OEA-Segurança Próximos Passos Quem são os Operadores Econômicos?

Leia mais

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 17, DE 29 DE MAIO DE 2009 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, art.

Leia mais

b) comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas - DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos

b) comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas - DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº1, DE 23 DE JANEIRO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014 Publicado no Diário Oficial Estado de São Paulo - Caderno Executivo I (Poder Executivo, Seção I), edição n 124 (243) do dia 24/12/2014 Página: 64. DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro

Leia mais

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003.

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO REGRAS E FLUXO PARA LICITAÇÕES E COMPRAS PÚBLICAS CAMPUS SÃO PAULO - CAPES PROAP E PNDP

MANUAL DE ORIENTAÇÃO REGRAS E FLUXO PARA LICITAÇÕES E COMPRAS PÚBLICAS CAMPUS SÃO PAULO - CAPES PROAP E PNDP MANUAL DE ORIENTAÇÃO REGRAS E FLUXO PARA LICITAÇÕES E COMPRAS PÚBLICAS - CAPES PROAP E PNDP 2017 São Paulo, 12 de abril de 2017. Prezado secretário e coordenador de programa de pós-graduação, A Portaria

Leia mais

I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Dispõe sobre a atividade e a Responsabilidade Técnica na produção de sementes e mudas florestais e ornamentais. A CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA FLORESTAL, DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA

Leia mais

Mesa Redonda 2 Intercâmbio de Germoplasma Tema 2 - Acesso ao Germoplasma pelas Empresas Privadas

Mesa Redonda 2 Intercâmbio de Germoplasma Tema 2 - Acesso ao Germoplasma pelas Empresas Privadas 6º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas 1 a 4 de agosto de 2011 Búzios, RJ Mesa Redonda 2 Intercâmbio de Germoplasma Tema 2 - Acesso ao Germoplasma pelas Empresas Privadas Eng. Agr. D.S. Ivo

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 12 DE MAIO DE 2017

PORTARIA Nº 72, DE 12 DE MAIO DE 2017 PORTARIA Nº 72, DE 12 DE MAIO DE 2017 Altera a Portaria DENATRAN nº 15, de 18 de janeiro de 2016. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas

Leia mais

O Mercado de Folhosas: Números e Tendências. Steven Udsen

O Mercado de Folhosas: Números e Tendências. Steven Udsen O Mercado de Folhosas: Números e Tendências Steven Udsen Quem Somos Sociedade civil sem fins lucrativos, fundada em 1970, que representa, assiste, orienta e une empresas relacionadas à comercialização

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2015

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2015 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2015 Regulamenta a Transferência Interna, externa e Ingresso de Portador de Diploma nos cursos de graduação da Faculdade Guanambi. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS Mariana Barreto Eng. Agr. MSc. Assessora da Diretoria Sinop-MT, 24 de novembro de 2015 QUEM SOMOS Fundada em 1972,

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para Importação e Exportação de Sementes e de Mudas, anexas a esta Instrução Normativa.

.Art. 1º Aprovar as Normas para Importação e Exportação de Sementes e de Mudas, anexas a esta Instrução Normativa. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA Nota Técnica nº 134-02 SJ-CFM Interessado: Comissão de Licitação da Prefeitura de Campinas SP Assunto: Registro de empresa fabricante de órteses e próteses Ref.: Protocolo

Leia mais

Escola Superior de Teologia Faculdades EST

Escola Superior de Teologia Faculdades EST Escola Superior de Teologia Faculdades EST REGULAMENTO DAS NORMAS DE PROJETOS DE EXTENSÃO São Leopoldo, 2012. Regulamento das Normas de Projetos de Extensão Pró-Reitoria de Ensino e Extensão CAPÍTULO I

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA-GERAL SG SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA SEPROD DEPARTAMENTO DE PRODUTOS DE DEFESA DEPROD

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA-GERAL SG SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA SEPROD DEPARTAMENTO DE PRODUTOS DE DEFESA DEPROD MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA-GERAL SG SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA SEPROD DEPARTAMENTO DE PRODUTOS DE DEFESA DEPROD DIVISÃO DE EXPORTAÇÃO/IMPORTAÇÃO OBJETIVO Apresentar, aos participantes do Seminário

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.6.2013 COM(2013) 429 final 2013/0201 (CNS) C7-0232/1 Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que define as regras e os procedimentos que permitem à Gronelândia participar no sistema

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE AGROTÓXICOS, RECEITUÁRIO AGRONÔMICO, COMERCIALIZAÇÃO E USO Aspectos técnicos e legais

LEGISLAÇÃO DE AGROTÓXICOS, RECEITUÁRIO AGRONÔMICO, COMERCIALIZAÇÃO E USO Aspectos técnicos e legais LEGISLAÇÃO DE AGROTÓXICOS, RECEITUÁRIO AGRONÔMICO, COMERCIALIZAÇÃO E USO Aspectos técnicos e legais 1. Sem dúvida a questão precisa ser atacada na PROPRIEDADE, o que requer ASSISTÊNCIA TÉCNICA qualificada.

Leia mais

Descarte de resíduos ligados ao tratamento industrial de sementes

Descarte de resíduos ligados ao tratamento industrial de sementes Descarte de resíduos ligados ao tratamento industrial de sementes Palestrante: José Soto Veiga Gerente do Seedcare Institute LATAM/BR Syngenta Prot. Cultivos LTDA XXXV Ciclo da CSM-PR GETS: Grupo de Estudos

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

PORTARIA Nº 1478/GR, DE 21 DE JULHO DE 2016.

PORTARIA Nº 1478/GR, DE 21 DE JULHO DE 2016. Regulamenta a solicitação da flexibilização de jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos em educação do Instituto Federal de Alagoas e dá outras providências. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Controle Administrativo no Comércio Exterior São Paulo, 18 de setembro de 2013 Controle administrativo 1. O que é o controle administrativo? 2. Aspectos

Leia mais

Fabricia Soriani ABEMEL

Fabricia Soriani ABEMEL CAMARA SETORIAL 28ª REUNIÃO ORDINÁRIA 12/09/13 Fabricia Soriani ABEMEL abemel@abemel.com.br joelma@abemel.com.br DEMANDAS AO MAPA 1- PNCR PNCR mel O PNCR é um programa federal de controle governamental,

Leia mais

MARKETING / DESIGN. Manual Operativo Rótulos

MARKETING / DESIGN. Manual Operativo Rótulos MARKETING / DESIGN Manual Operativo Rótulos Curitiba Abril/2000 MANUAL Marketing / Designer O QUE O PROGRAMA OFERECE Á SUA EMPRESA Os serviços oferecidos pelo programa são para o nivelamento e sintonia

Leia mais

ABNT NBR 16156:2013 Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Requisitos para atividade de manufatura reversa

ABNT NBR 16156:2013 Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Requisitos para atividade de manufatura reversa ABNT NBR 16156:2013 Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Requisitos para atividade de manufatura reversa Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 As importações de vegetais, seus produtos, derivados e partes, subprodutos,

Leia mais

Quem são os Operadores Econômicos?

Quem são os Operadores Econômicos? Quem são os Operadores Econômicos? São todos os participantes da cadeia logística internacional, mas apenas estes podem ser OEA: Importadores; Exportadores; Transportadores; Agente de carga; Depositários;

Leia mais

NIMF N 13 DIRETRIZES PARA A NOTIFICAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADES E AÇÕES DE EMERGÊNCIA (2001)

NIMF N 13 DIRETRIZES PARA A NOTIFICAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADES E AÇÕES DE EMERGÊNCIA (2001) Diretrizes para a notificação de não conformidade e ações de emergência NIMF N 13 NIMF N 13 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF N 13 DIRETRIZES PARA A NOTIFICAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADES

Leia mais

DEFINE FORMULÁRIO DE RECEITA AGRONÔMICA INFORMATIZADA E REGULAMENTA A IMPRESSÃO : E UTILIZAÇÃO DO RECEITUÁRIO PERSONALIZADO

DEFINE FORMULÁRIO DE RECEITA AGRONÔMICA INFORMATIZADA E REGULAMENTA A IMPRESSÃO : E UTILIZAÇÃO DO RECEITUÁRIO PERSONALIZADO Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Espírito Santo Av. César Hilal, 700-1º andar - Bento Ferreira - Vitória - ES CEP 290-522-232 Tel.: (27) 3334-9900 FAX: (27) 3324-3644 CEEA DEFINE

Leia mais

SUMED/ANVISA. Processo de Reestruturação. Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos

SUMED/ANVISA. Processo de Reestruturação. Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos SUMED/ANVISA Processo de Reestruturação Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos Objetivos da reestruturação Uniformizar e aprimorar os procedimentos administrativos e técnicos; Promover

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 192/DGAC, DE 14 DE MARÇO DE 2002 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre os Procedimentos para Celebração

Leia mais

Receituário Agronômico. Aspectos legais e a fiscalização

Receituário Agronômico. Aspectos legais e a fiscalização Receituário Agronômico Aspectos legais e a fiscalização CONFEA / CREA O CONSELHO FEDERAL Órgão regulador das profissões. A ele compete baixar as Resoluções e demais normativos que dão corpo ao exercício

Leia mais

16 Produção de Sementes e Comercialização

16 Produção de Sementes e Comercialização 16 Produção de Sementes e Comercialização Luciene Fróes Camarano de Oliveira Sérgio Utino Cláudio Bragantini Lídia Pacheco Yokoyama 480 Qual é o tipo de grão mais comercializado no Brasil? O tipo de grão

Leia mais

1 Instrução Normativa nº. 50, de 29 de dezembro de Seção 1. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 50, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

1 Instrução Normativa nº. 50, de 29 de dezembro de Seção 1. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 50, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS - Edifício BARACAT Sala 1601/1608 Brasília DF CEP 70.309-900 Fones/Fax: (061) 3226-9022 / 3226-8806 /3226-9990 e-mail: abrasem@abrasem.com.br TEMÁRIO: 1 Instrução

Leia mais

Codex Alimentarius. 5º módulo.

Codex Alimentarius. 5º módulo. Codex Alimentarius 5º módulo CCAB Comitê do Codex Alimentarius do Brasil CCAB CCAB foi criado em 1980; Coordenação e a Secretaria Executiva responsabilidade do INMETRO; Ponto de Contato MRE. Membros do

Leia mais