Qualificação Social e Profissional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualificação Social e Profissional"

Transcrição

1 ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2015 Qualificação Social e Profissional Ministério do Trabalho e Previdência Social

2 Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Ministro do Trabalho e Previdência Social Miguel Soldatelli Rossetto Secretário-Executivo Claudio Alberto Castelo Branco Puty Secretário Especial do Trabalho José Lopez Feijóo Secretário de Políticas Públicas de Emprego - SPPE Márcio Alves Borges (substituto) Secretário Nacional de Economia Solidária (Senaes) Paul Israel Singer Secretário de Relações do Trabalho (SRT) Manoel Messias Nascimento Melo Diretora do Departamento de Emprego e Salário (DES) Sinara Alves Ferreira (substituta) Diretor do Departamento de Qualificação Rafael Galvão Diretora do Departamento de Políticas de Trabalho e Emprego para a Juventude (DPTEJ) Ana Lucia de Alencastro Gonçalves (substituta) Diretor do Departamento de Fomento à Economia Solidária (Defes) Manoel Vital de Carvalho Filho Diretor do Departamento de Estudos e Divulgação (DED) Valmor Schiochet copyright Ministério do Trabalho e Previdência Social SPPE - Esplanada dos Ministérios - Bl. F Sede 3º andar - Sala Tel.: Senaes - Esplanada dos Ministérios - Bloco F Sede 3º andar - Sala Tel.: /6534 SRT - Esplanada dos Ministérios - Bloco F Sede 4º andar - Sala Brasília - DF Tel.: /6068 DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Escritório Nacional: rua Aurora, Centro - São Paulo - CEP Tel.: Direção Executiva Presidente: Zenaide Honório - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) Vice-presidente: Luís Carlos de Oliveira - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico de São Paulo Mogi das Cruzes e Região - SP Secretário Executivo: Antônio de Sousa - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico de Osasco e Região - SP Diretor Executivo: Alceu Luiz dos Santos - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas de Máquinas Mecânicas de Material Elétrico de Veículos e Peças Automotivas da Grande Curitiba - PR Diretor Executivo: Bernardino Jesus de Brito - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Energia Elétrica de São Paulo - SP Diretora Executiva: Cibele Granito Santana - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Energia Elétrica de Campinas - SP Diretor Executivo: Josinaldo José de Barros - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Materiais Elétricos de Guarulhos Arujá Mairiporã e Santa Isabel - SP Diretora Executiva: Mara Luzia Feltes - Sindicato dos Empregados em Empresas de Assessoramentos Perícias, Informações, Pesquisas e de Fundações Estaduais do RS Diretora Executiva: Maria das Graças de Oliveira - Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco Diretor Executivo: Paulo de Tarso Guedes de Brito Costa - Sindicato dos Eletricitários da Bahia Diretora Executiva: Raquel Kacelnikas - Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo Osasco e Região - SP Diretor Executivo: Roberto Alves da Silva - Federação dos Trabalhadores em Serviços de Asseio e Conservação Ambiental Urbana e Áreas Verdes do Estado de São Paulo - SP Diretor Executivo: Ângelo Máximo de Oliveira Pinho - Sindicato dos Metalúrgicos do ABC - SP Direção Técnica Diretor técnico: Clemente Ganz Lúcio Coordenadora executiva: Patrícia Pelatieri Coordenadora administrativa e financeira: Rosana de Freitas Coordenador de educação: Nelson de Chueri Karam Coordenador de relações sindicais: José Silvestre Prado de Oliveira Coordenador de atendimento técnico sindical: Airton Santos Coordenadora de estudos e desenvolvimento: Angela Maria Schwengber Equipe técnica: Pedro dos Santos B. Neto Fernando Adura Martins Guilherme Silva Araújo Gustavo Plínio Paranhos Monteiro Rodrigo Fernandes Silva Gustavo Sawaya Amaral Gurgel Laender Valério Batista Paulo Jager Vinícius Bredariol Thomas Gomes Cohen (auxiliar técnico) Edgar Rodrigues Fusaro Geni Marques e Iara Heger (revisão e finalização) Eliana Martins e Vilma Silva Batista (apoio) Projeto gráfico e diagramação: Caco Bisol Ltda. Impressão: Rettec Artes Gráficas e Editora Tiragem: 3 mil exemplares

3 Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda 2015 Livro 4 Qualificação Social e Profissional São Paulo, 2015

4 DIEESE D419a Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda 2015: Qualificação Social e Profissional: livro 4./ Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. São Paulo: DIEESE, p. ISSN Mercado de trabalho 2. Estatística 3. Sistema Público 4. Rendimento 5. Qualificação profissional I. DIEESE II. Ministério do Trabalho e Previdência Social III. Título CDU : 331.5

5 Sumário: Qualificação Social e Profissional Apresentação 9 Notas Explicativas 11 Siglário 12 Capítulo 1 - Aspectos educacionais da população economicamente ativa G1. Evolução da taxa de analfabetismo das pessoas de 14 anos ou mais por faixa etária, segundo sexo 15 G2. Evolução da taxa de analfabetismo das pessoas de 14 anos ou mais por faixa etária, segundo sexo e cor/raça 16 G3. Evolução da taxa de analfabetismo das pessoas de 14 anos ou mais por faixa etária, segundo localização e área do domicílio 17 G4. Média de anos de estudo da população em idade ativa por condição de atividade e condição de ocupação 18 G5. Média de anos de estudo da população economicamente ativa (PEA) por localização e área do domicílio 19 T1. Distribuição da população economicamente ativa (PEA) por escolaridade 20 T2. Distribuição da população economicamente ativa (PEA) por escolaridade, segundo faixa etária 21 G6. Distribuição dos ocupados por escolaridade, segundo jornada de trabalho 22 3

6 Sumário: Qualificação Social e Profissional 4 G7. Distribuição dos ocupados por tempo de permanência no atual trabalho, segundo escolaridade 23 T3. Distribuição dos ocupados por escolaridade, segundo grupamentos de atividade 24 T4. Distribuição dos ocupados por classes de rendimento mensal do trabalho principal segundo escolaridade 25 T5. Evolução do rendimento-hora do trabalho principal dos ocupados por escolaridade 26 T6. Taxa de rotatividade descontada do mercado formal de trabalho por escolaridade 27 T7. Distribuição dos desligamentos e vínculos por escolaridade 28 T8. Evolução da taxa de desocupação por escolaridade 29 T9. Taxa de desemprego da população de 14 anos ou mais por escolaridade 30 Capítulo 2 - Plano Nacional de Qualificação (PNQ) T10. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ 33 T11. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por sexo 35 T12. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por faixa etária 37 T13. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por cor/raça 38 T14. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por escolaridade 39 T15. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por classes de rendimento familiar 40 T16. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por tipo de instituição executora 41 T17. Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por tipo de plano 42 T18. Número de turmas dos cursos do PNQ 43

7 Sumário: Qualificação Social e Profissional T19. Número de turmas dos cursos do PNQ por escolaridade mínima exigida para realização do curso 45 T20. Taxa de evasão dos educandos dos cursos do PNQ por tipo de instituição executora 46 T21. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ 47 T22. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por sexo 49 T23. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por faixa etária 51 T24. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por cor/raça 52 T25. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por escolaridade 53 T26. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por classes de rendimento familiar 54 T27. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por instituição executora 55 T28. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por posição na ocupação 56 T29. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por forma de encaminhamento 57 T30. Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por público prioritário 58 Capítulo 3 - Educação profissional técnica e tecnológica T31. Número de estabelecimentos de educação profissional de nível técnico 61 T32. Número de estabelecimentos e matrículas de educação profissional de nível técnico por dependência administrativa 63 G8. Distribuição dos estabelecimentos de educação profissional de nível técnico por modalidade de oferta, segundo dependência administrativa 64 T33. Número de matrículas de educação profissional de nível técnico 65 5

8 Sumário: Qualificação Social e Profissional T34. Número de matrículas de educação profissional de nível técnico por faixa etária 67 T35. Número de matrículas de educação profissional de nível técnico por cor/raça 69 T36. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível técnico e da PEA por localização e área de domicílio 71 T37. Número de matrículas de educação profissional de nível técnico e da PEA, por localização da escola 72 G9. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível técnico por sexo 73 G10. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível técnico por modalidade de ensino, segundo dependência administrativa 74 T38. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível técnico por eixos tecnológicos 75 G11. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível técnico por sexo, segundo eixos tecnológicos 76 T39. Número de estabelecimentos de educação profissional de nível tecnológico por dependência administrativa 77 T40. Número de estabelecimentos de educação profissional de nível tecnológico por categoria administrativa 78 T41. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível tecnológico por dependência administrativa 79 G12. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível tecnológico por categoria 6

9 Sumário: Qualificação Social e Profissional administrativa 80 T42. Distribuição das matrículas de educação profissional de nivel tecnológico, por áreas gerais 81 T43. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível tecnológico por áreas gerais, segundo dependência administrativa 82 G13. Distribuição das matriculas de educação profissional de nível tecnológico por áreas gerais, segundo sexo 83 G14. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível tecnológico por modalidade de ensino 84 G15. Distribuição das matrículas de educação profissional de nível tecnológico nos principais cursos à distância 85 Glossário 87 Referências bibliográficas 94 7

10

11 Apresentação Esta é a quarta edição do Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda, elaborado pelo DIEESE, por meio de convênio estabelecido com o Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS). Seguindo as publicações anteriores, esta reúne um conjunto de indicadores sobre políticas públicas de emprego, trabalho e renda. Na edição anterior, os livros foram estruturados em um conjunto de seis temas: Mercado de Trabalho (livro I), Intermediação de Mão de Obra (livro II), Seguro-Desemprego (livro III), Qualificação Social e Profissional (livro IV), Economia Solidária e Proger (livro V), Juventude (livro VI). Nesta edição, além dos seis temas citados, foi incorporado um novo livro à publicação, denominado de Indicadores da Agenda de Trabalho Decente, e introduzidos indicadores de microcrédito no livreto de número V. Este livro IV, denominado de Qualificação social e profissional, tem como objetivo apresentar informações sobre escolarização da população economicamente ativa (PEA) e dos ocupados, bem como aspectos relacionados à qualificação profissional no contexto do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda. Para tanto, considerando notadamente os atributos pessoais, os dados elaborados permitem traçar o perfil dos trabalhadores sob o enfoque da inserção no mercado de trabalho, como ocupados ou desempregados, estabelecendo relações entre os indicadores como posição na ocupação, 9

12 Apresentação jornada de trabalho, rendimento e outros, com as dimensões importantes da qualificação social e profissional. A obra é composta de três capítulos. O primeiro tem foco na escolaridade da PEA e dos ocupados, baseados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE, em dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do MTPS, e da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), desenvolvida pelo DIEESE, a Fundação Seade e outras instituições parceiras. O segundo traz estatísticas do Plano Nacional de Qualificação (PNQ), tabuladas a partir de dados da base de Gestão da Qualificação do MTPS, e o terceiro, informações da educação técnica e tecnológica, com base nos dados dos Censos Escolar da Educação Básica e da Educação Superior, realizados pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) anualmente. O DIEESE e o MTPS esperam que esta publicação seja um instrumento importante de consulta para pesquisadores e formuladores de políticas públicas, subsidiando a ação dos diferentes atores sociais. 10

13 Notas Explicativas CONVENÇÕES UTILIZADAS NESTA PUBLICAÇÃO - : quando, pela natureza do fenômeno, não puder existir o dado. 0; 0,0; 0,00 : quando a aplicação dos critérios de arredondamento não permitir alcançar respectivamente 1;0,1; 0,01 NOTAÇÕES, SÍMBOLOS E ABREVIAÇÕES % = Porcentagem nos = Números G = Gráfico T = Tabela Abs. = Absolutos SM = Salário Mínimo h = horas R$ = Reais 11

14 Siglário MTPS - Ministério do Trabalho e Previdência Social ONGs - Organizações Não-Governamentais PEA - População Economicamente Ativa PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego PIA - População em Idade Ativa PlanSeQ - Plano Setorial de Qualificação PlanTeQ - Plano Territorial de Qualificação Pnad - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Pnea - População Não Economicamente Ativa PNQ - Plano Nacional de Qualificação ProEsq - Projetos Especiais de Qualificação Rais - Relação Anual de Informações Sociais Seade - Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados - São Paulo Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sine - Sistema Nacional de Emprego 12

15 Capítulo 1 Aspectos educacionais da população economicamente ativa

16

17 GRÁFICO 1 Evolução da taxa de analfabetismo das pessoas de 14 anos ou mais por faixa etária, segundo sexo Brasil 2009 e 2014 (em %) 29,8 23,8 25,7 22,1 27,7 23,1 5,1 8,3 13,7 0,9 1,5 2,6 0,5 0,9 3,1 1,4 6,4 10,1 2,1 2,8 4,7 7,9 10,3 13,3 3,6 1,2 1,7 2,8 1,5 2, Mulheres Homens Total 14 a 17 anos 18 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 anos ou mais 5,6 9,3 11,7 6,4 9,3 13,5 4,3 2,1 1,3 0,9 7,8 10,9 Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE 15

18 GRÁFICO 2 Evolução da taxa de analfabetismo das pessoas de 14 anos ou mais por faixa etária, segundo sexo e cor/raça Brasil 2009 e 2014 (em %) 42,6 34,6 38,5 32, ,6 20,4 19,5 17,6 15,4 15,3 15, ,7 13,0 13,1 11,1 9,3 7,2 7,8 6,6 7,0 7,0 5,0 3,7 3,8 2,6 3,6 4,2 5,3 4,0 4,3 4,8 2,1 1,1 0,7 1,1 1,9 1,4 2,1 2,8 3,3 5,6 0,5 0,9 1,5 2,0 1,4 1,5 2,5 2,9 0,3 0,6 0,8 0,9 1,1 1, Mulheres negras Homens negros Mulheres não negras Homens não negros 14 a 17 anos 18 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 anos ou mais Fonte: IBGE. Pnad. Elaboração: DIEESE Obs: Pessoas sem declaração de cor/raça foram excluídas

19 GRÁFICO 3 Evolução da taxa de analfabetismo das pessoas de 14 anos ou mais por faixa etária, segundo localização e área do domicílio Brasil 2009 e 2014 (em %) 51,2 44,6 33,9 32,8 28,8 28,0 24,4 22,6 22,9 17,3 18,5 19,1 14,2 14,0 13,8 11,0 11,7 11,5 10,1 4,6 8,3 10,0 5,8 4,7 5,6 5,4 5,8 6,6 8,0 4,2 2,9 0,9 1,8 3,0 1,0 0,4 0,6 2,7 1,1 1,6 3,3 4,3 5,4 1,5 2,5 0,8 1,5 2,7 1,7 1,2 1,6 2,4 0,7 1,0 1,5 2, Metropolitana Não metropolitana Rural Urbana 14 a 17 anos 18 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 anos ou mais Fonte: IBGE. Pnad. Elaboração: DIEESE 17

20 GRÁFICO 4 Média de anos de estudo da população em idade ativa por condição de atividade e condição de ocupação Brasil (em anos de estudo) 8,5 8,7 8,9 9,0 9,2 9,4 9,7 9,8 9,8 9,0 9,2 9,4 9,6 9,7 9,8 9,7 9,8 10,0 10,0 10,2 7,1 7,2 7,4 7,5 7,5 PIA PEA Ocupados Desocupados PNEA Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Obs.: São consideradas apenas as pessoas de 14 anos ou mais

21 GRÁFICO 5 Média de anos de estudo da população economicamente ativa (PEA) por localização e área do domicílio Brasil (em anos de estudo) 10,4 10,6 10,8 10,9 11,0 8,7 8,9 9,1 9,2 9,3 9,9 10,0 10,2 10,3 10,4 6,0 6,0 6,4 6,5 6,6 Metropolitana Não metropolitana Urbana Rural Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Obs.: São consideradas apenas as pessoas de 14 anos ou mais 19

22 TABELA 1 Distribuição da população economicamente ativa (PEA) por escolaridade Brasil e Grandes Regiões 2014 (em %) Escolaridade Sem instrução Norte 8,3 Nordeste 12,5 Sudeste 3,4 Sul 3,5 Centro-Oeste 5,6 Brasil 6,3 Fundamental incompleto 30,4 31,1 22,7 26,7 25,6 26,3 Fundamental completo 9,6 8,7 10,3 12,2 10,4 10,2 Médio incompleto 8,0 6,9 7,1 7,2 7,9 7,2 Médio completo 28,9 27,4 33,1 28,8 28,0 30,3 Superior incompleto 5,0 4,4 6,2 6,7 6,5 5,7 Superior completo 9,5 8,5 17,0 14,5 15,7 13,7 Não determinada 0,4 0,4 0,2 0,4 0,2 0,3 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Total (em mil pessoas) Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Obs.: São consideradas apenas as pessoas de 14 anos ou mais 20

23 TABELA 2 Distribuição da população economicamente ativa (PEA) por escolaridade, segundo faixa etária Brasil 2014 (em %) Escolaridade Faixa etária (em anos) 14 a a a a a a ou mais Sem instrução 0,9 1,3 1,7 3,7 7,3 11,0 22,9 Fundamental incompleto 38,3 14,1 14,9 23,1 29,1 37,6 43,7 Fundamental completo 20,8 9,8 9,3 9,2 11,1 10,2 7,4 Médio incompleto 33,3 14,6 7,6 5,5 4,5 2,7 1,5 Médio completo 5,8 42,3 39,8 34,4 28,1 21,5 12,0 Superior incompleto (1) 12,7 9,2 5,6 3,6 2,5 1,4 Superior completo (2) 4,7 17,1 18,2 15,9 14,3 11,2 Não determinada 0,7 0,5 0,3 0,3 0,2 0,1 (1) Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Total (em mil pessoas) Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Nota: (1) A amostra não comporta desagregação para esta categoria (2) Não há registro dos casos 21

24 GRÁFICO 6 Distribuição dos ocupados por escolaridade, segundo jornada de trabalho semanal Brasil 2014 (em %) 21,6 10,3 25,0 27,0 28,6 14,4 17,7 26,2 26,6 18,8 21,1 16,9 17,8 16,4 12,3 24,5 24,5 18,6 16,7 5,1 38,1 25,4 4,5 28,7 27,8 4,0 21,9 25,4 4,4 25,2 31,2 5,0 16,1 34,7 43,8 22,7 30,5 5,0 4,7 4,1 4,6 25,8 23,5 29,3 23,7 Sem instrução Fundamental incompleto Fundamental completo Médio incompleto Médio completo Superior incompleto Superior completo Não determinada Total Até 30h De 31h a 39h Exatamente 40h De 41h a 44h 45h ou mais 22 Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Obs.: São consideradas apenas as pessoas de 14 anos ou mais

25 GRÁFICO 7 Distribuição dos ocupados por tempo de permanência no atual trabalho, segundo escolaridade Brasil 2014 (em %) 38,1 28,5 15,4 13,2 16,4 12,7 17,0 13,7 15,9 16,2 15,2 14,4 11,1 19,8 12,3 14,8 11,7 14,2 13,0 12,4 11,1 17,0 9,8 12,0 14,0 15,9 10,2 8,7 8,6 12,5 17,2 14,3 6,8 10,2 12,7 9,6 9,5 12,2 7,4 6,4 8,4 9,8 8,2 10,4 9,3 7,6 7,4 4,3 6,6 4,0 5,6 6,0 6,3 4,8 5,7 4,2 4,8 5,6 8,0 2,9 10,4 4,1 3,9 1,7 4,4 Sem instrução Fundamental incompleto Fundamental completo Médio incompleto Médio completo Superior incompleto Superior completo Não determinada Total Até 3 meses De 3 a menos de 6 meses De 6 meses a menos de 1 ano De 1 a menos de 2 anos De 2 a menos de 3 anos De 3 a menos de 5 anos De 5 a menos de 10 anos 10 anos ou mais Fonte: IBGE. Pnad. Elaboração: DIEESE Obs.: São consideradas apenas as pessoas de 14 anos ou mais 23,7 16,0 16,1 38,0 18,2 13,1 30,9 23

26 TABELA 3 Distribuição dos ocupados por escolaridade, segundo grupamentos de atividade Brasil 2014 (em %) Grupamento de atividade Sem Fundamental Fundamental Médio Médio Superior Superior Não Total instrução incompleto completo incompleto completo incompleto completo determinada Em % Em n os abs. Agrícola 22,4 52,1 8,4 4,5 10,0 0,7 1,5 0,3 100, Indústria 3,5 22,9 12,0 7,8 37,9 5,5 10,0 0,3 100, Outras atividades industriais 3,5 15,0 7,3 5,4 41,1 8,2 19,3 (1) 100, Indústria de transformação 3,5 23,4 12,3 8,0 37,7 5,3 9,4 0,3 100, Construção 8,3 43,6 13,7 7,7 20,9 2,1 3,4 0,2 100, Comércio e reparação 3,6 20,7 10,9 9,3 41,0 5,8 8,2 0,3 100, Alojamento e alimentação 5,4 29,3 14,1 10,4 32,6 3,1 4,7 0,3 100, Transporte, armazenagem e comunicação 3,4 26,3 13,4 7,3 36,1 5,1 8,1 0,2 100, Administração pública 2,2 10,0 5,1 3,8 34,3 11,2 33,3 0,2 100, Educação, saúde e serviços sociais 0,9 5,2 3,3 2,9 29,2 10,4 48,1 0,1 100, Serviços domésticos 9,1 45,5 15,2 7,4 20,3 0,9 1,2 0,5 100, Outros serviços coletivos, sociais e pessoais 3,0 17,0 11,0 8,6 38,8 7,2 14,1 0,3 100, Outras atividades 1,5 9,1 6,3 4,6 33,0 12,8 32,5 0,2 100, Atividades maldefinidas (1) 44,5 (1) (1) 20,3 (2) (1) (1) 100, Total 6,6 26,6 10,0 6,7 30,0 5,6 14,2 0,3 100, Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Obs.: Consideradas as pessoas de 14 anos ou mais Nota: (1) A amostra não comporta desagregação para esta categoria (2) Não há registro dos casos 24

27 TABELA 4 Distribuição dos ocupados por classes de rendimento mensal do trabalho principal segundo escolaridade Brasil 2014 (em %) Faixas de rendimento Sem Fundamental Fundamental Médio Médio Superior Superior Não Total instrução incompleto completo incompleto completo incompleto completo determinada Em % Em n os abs. Menos de 1 SM 14,4 42,3 11,0 9,5 17,8 2,9 1,6 0,5 100, Igual a 1 SM 6,9 30,3 11,1 8,8 34,5 4,9 3,3 0,3 100, Mais de 1 SM 3,0 20,1 9,8 5,9 34,2 6,8 19,9 0,2 100, Mais de 1 a 2 SM 4,2 25,7 11,9 7,9 37,3 5,9 6,8 0,3 100, Mais de 2 a 3 SM 2,4 19,2 10,3 5,2 35,9 7,8 19,0 0,2 100, Mais de 3 a 5 SM 1,6 12,2 6,6 3,3 32,3 8,4 35,6 (2) 100, Mais de 5 SM 0,7 5,9 3,7 1,5 19,5 7,2 61,5 (2) 100, Sem rendimento (1) 20,9 47,8 8,7 5,8 12,4 1,9 2,2 0,3 100, Sem declaração 6,3 19,0 8,4 4,1 29,7 6,1 26,3 (2) 100, Total 6,6 26,6 10,0 6,7 30,0 5,6 14,2 0,3 100, Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Nota: (1) Inclusive as pessoas que receberam somente em benefícios (2) A amostra não comporta desagregação para esta categoria Obs.: a) Consideradas as pessoas de 14 anos ou mais b) O valor nominal do salário mínimo no mês de referência da pesquisa (setembro/2013) correspondia a R$ 678,00 25

28 TABELA 5 Evolução do rendimento-hora (1) do trabalho principal dos ocupados segundo por escolaridade Brasil (em R$/hora) Ano Sem Fundamental Fundamental Médio Médio Superior Superior Total instrução incompleto completo incompleto completo incompleto completo determinada ,9 5,2 6,5 5,6 8,3 12,4 25,5 8, ,3 6,7 8,2 7,7 10,7 13,7 29,2 11, ,6 6,9 8,6 7,5 10,8 15,6 30,5 11, ,1 7,3 9,4 7,7 11,8 15,2 34,2 13, ,5 7,1 8,7 7,2 10,6 14,6 31,4 12,4 Índice de diferenças de rendimento-hora (Sem instrução = 100) ,0 131,0 165,6 142,8 210,5 314,3 647,2 226, ,0 107,3 130,9 122,6 170,0 218,0 465,8 181,2 Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Nota: (1) Rendimento-hora a preços do INPC/IBGE em setembro de No cálculo foram excluídos os ocupados com rendimento não declarado ou nulo Obs.: a) São considerados apenas os ocupados de 14 anos ou mais b) O total inclui escolaridade Não determinada 26

29 TABELA 6 Taxa de rotatividade descontada (1) do mercado formal de trabalho, por escolaridade Brasil (em %) Ano Sem Fundamental Fundamental Médio Médio Superior Superior instrução incompleto completo incompleto completo incompleto completo ,3 46,7 41,7 44,0 36,7 27,7 15,4 36, ,0 47,7 42,9 46,0 38,7 30,7 16,0 37, ,6 47,2 43,0 47,7 38,8 28,5 16,6 37, ,2 47,2 43,2 47,7 39,4 29,3 16,8 37, ,6 46,8 43,3 48,6 39,9 29,6 17,5 37, ,3 45,8 42,5 49,4 39,9 30,4 17,3 37,1 Fonte: MTPS. Rais Elaboração: DIEESE Nota: (1) Taxa de rotatividade descontada exclui desligamentos por trasferências, aposentadorias, falecimentos e a pedido do próprio trabalhador Total 27

30 TABELA 7 Distribuição dos desligamentos (1) e vínculos (2) por escolaridade Brasil 2009 e 2014 (em %) Ano Sem Fundamental Fundamental Médio Médio Superior Superior Total instrução incompleto completo incompleto completo incompleto completo Em % Em n os abs Desligamentos 0,8 21,5 15,4 9,8 40,3 3,8 8,3 100, Vínculos 0,6 16,9 13,8 8,0 40,0 4,3 16,3 100, Desligamentos 0,5 14,6 12,1 9,9 49,3 3,4 10,1 100, Vínculos 0,3 12,1 10,8 7,4 46,1 3,8 19,5 100, Fonte: MTPS. Rais Elaboração: DIEESE Nota: (1) Desligamentos ao longo de cada ano (2) Vínculos ativos em 31/12 de cada ano 28

31 TABELA 8 Evolução da taxa de desocupação por escolaridade Brasil (em %) Escolaridade Sem instrução 4,8 4,6 3,6 3,9 3,2 Fundamental incompleto 7,0 5,7 5,2 5,6 5,9 Fundamental completo 9,9 7,8 7,4 7,5 8,0 Médio incompleto 15,4 12,8 12,6 12,1 13,1 Médio completo 9,8 7,7 6,9 7,5 7,9 Superior incompleto 9,7 7,6 7,0 7,3 8,3 Superior completo 3,7 3,4 3,2 3,2 3,7 Total 8,3 6,7 6,2 6,5 6,9 Fonte: IBGE. Pnad Elaboração: DIEESE Nota: (1) Inclui escolaridade não determinada 29

32 TABELA 9 Taxa de desemprego da população de 14 anos ou mais por escolaridade Regiões metropolitanas 2013 (em %) Escolaridade São Paulo Porto Alegre Belo Horizonte Salvador Recife Fortaleza Analfabeto (2) (2) (2) (2) (2) (2) Fundamental incompleto (1) 8,2 7,2 5,8 20,8 13,4 5,5 Fundamental completo 13,3 7,8 8,3 19,4 15,5 8,2 Médio incompleto 21,8 11,4 14,7 29,3 21,8 14,1 Médio completo 10,8 6,1 7,1 17,6 13,3 9,5 Superior incompleto 10,3 6,4 6,9 16,2 11,8 (2) Superior completo 5,6 2,7 3,8 9,0 6,0 (2) Total 10,3 6,4 6,8 18,3 13,0 8,0 Fonte: DIEESE/SEADE, MTPS/FAT e convênios regionais. PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego Elaboração: DIEESE Notas: (1) Inclui alfabetizados sem escolarização (2) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria 30

33 Capítulo 2 Plano Nacional de Qualificação (PNQ) 31

34 32

35 TABELA 10 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Norte Acre (1) Amapá (1) (1) Amazonas (1) Pará (1) Rondônia (1) (1) (1) Roraima (1) (1) 488 (1) (1) Tocantins (1) (1) (1) Nordeste Alagoas (1) (1) Bahia (1) Ceará (1) Maranhão (1) (1) (1) (1) Paraíba (1) Pernambuco (1) (1) Piauí (1) (1) (1) Rio Grande do Norte (1) (1) Sergipe (1) 416 (1) 261 (1) continua 33

36 34 TABELA 10 (conclusão) Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Sudeste Espírito Santo (1) (1) (1) Minas Gerais Rio de Janeiro (1) São Paulo (1) (1) Sul Paraná Rio Grande do Sul (1) (1) Santa Catarina (1) (1) (1) Centro-Oeste Distrito Federal (1) (1) (1) Goiás (1) (1) Mato Grosso (1) (1) Mato Grosso do Sul (1) Brasil Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/2016

37 TABELA 11 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por sexo Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Norte Acre (1) (1) Amapá (1) (1) (1) (1) Amazonas (1) (1) Pará (1) (1) Rondônia (1) (1) (1) (1) (1) (1) Roraima (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Tocantins (1) (1) (1) (1) (1) (1) Nordeste Alagoas (1) (1) (1) (1) Bahia (1) (1) Ceará (1) (1) Maranhão (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Paraíba (1) (1) Pernambuco (1) (1) (1) (1) Piauí (1) (1) (1) (1) (1) (1) Rio Grande do Norte (1) (1) (1) (1) Sergipe (1) (1) (1) (1) (1) (1) continua 35

38 TABELA 11 (conclusão) Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por sexo Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Sudeste Espírito Santo (1) (1) (1) (1) (1) (1) Minas Gerais Rio de Janeiro (1) (1) São Paulo (1) (1) (1) (1) Sul Paraná Rio Grande do Sul (1) (1) (1) (1) Santa Catarina (1) (1) (1) (1) (1) (1) Centro-Oeste Distrito Federal (1) (1) (1) (1) (1) (1) Goiás (1) (1) (1) (1) Mato Grosso (1) (1) (1) (1) Mato Grosso do Sul (1) (1) Brasil Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano. b) No ano de 2010 há 3 registros com sexo não informado e no ano de 2011 há 10 registros tambem sem a informação. c) Foram excluidas as turmas com situação cancelada. d) Data de acesso: 19/02/

39 TABELA 12 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por faixa etária Brasil (em n os absolutos) Faixa etária (em anos) De 15 a (1) 2011 (1) 2012 (1) 2013 (1) De 18 a De 25 a De 30 a De 40 a De 50 a ou mais Sem declaração (1) (1) Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram consideradas as faixas etárias estabelecidas na Base de Gestão da Qualificação c) Foram excluidas as turmas com situação cancelada d) Data de acesso: 19/02/

40 TABELA 13 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por cor/raça Brasil (em n os absolutos) Cor/raça Amarela Branca Indígena Parda Preta Não informada Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

41 TABELA 14 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por escolaridade Brasil (em n os absolutos) Escolaridade Analfabeto Fundamental incompleto Fundamental completo Médio incompleto Médio completo Superior incompleto Superior completo Não informada 3 10 (1) (1) (1) Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

42 40 TABELA 15 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por classes de rendimento familiar Brasil (em n os absolutos) Classes de rendimento familiar (em salários mínimos) Mais de 0,5 a 1, Mais de 1,5 a 2, Mais de 2,0 a 3, Mais de 3,0 a 4, Mais de 4,0 a 5, Mais de 5,0 a 7, Mais de 7,0 a 10, (1) Mais de 10,0 a 15, (1) Mais de 15,0 a 20,0 (1) 3 (1) (1) (1) Mais de 20, (1) 2 Sem rendimento Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Faixas de rendimento familiar apresentadas conforme consta no sistema da Base de Gestão da Qualificação, sendo omitidas as faixas sem registros c) Foram excluidas as turmas com situação cancelada d) Data de acesso: 19/02/2016 e) Sem rendimento inclui aqueles que não declararam rendimento

43 TABELA 16 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por tipo de instituição executora Brasil (em n os absolutos) Instituição executora Associação comunitária/religiosa/grupos de afinidade (1) (1) Centros e institutos federais de educação profissional e tecnológica, escolas públicas profissionais e técnicas federais, estaduais e municipais (1) 313 (1) (1) (1) Entidades empresariais / sistema S - serviços nacionais sociais e de aprendizagem Entidades sindicais - centrais/escolas/institutos/ fundações/centros/ confederações/associações (1) Fundação municipal (1) Fundações/institutos/escolas/outras entidades especializadas em qualificação profissional Instituições de ensino superior - universidades/institutos/faculdades/ fundações/escolas (1) (1) (1) Ongs (entidades não governamentais sem fins lucrativos) Órgãos da administração pública indireta de âmbito federal, estadual e municipal (1) 544 (1) 272 (1) Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

44 42 TABELA 17 Número de educandos inscritos nos cursos do PNQ por tipo de plano Brasil e Grandes Regiões (em n os absolutos) Brasil e Grandes Regiões Plano PlanSeQ (1) (1) Norte PlanTeQ Total PlanSeQ (1) Nordeste PlanTeQ Total PlanSeQ Sudeste PlanTeQ (1) Total PlanSeQ (1) Sul PlanTeQ (1) Total PlanSeQ (1) (1) Centro-Oeste PlanTeQ (1) Total PlanSeQ Brasil PlanTeQ Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos. Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano. b) Para o período a Base de Gestão da Qualificação não possui registros do ProEsQ. c) Foram excluidas as turmas com situação cancelada. d) Data de acesso: 19/02/2016

45 TABELA 18 Número de turmas dos cursos do PNQ Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Norte Acre (1) Amapá (1) (1) Amazonas (1) Pará (1) Rondônia (1) (1) (1) Roraima (1) (1) 21 (1) (1) Tocantins (1) 26 7 (1) (1) Nordeste Alagoas (1) (1) Bahia (1) Ceará (1) 52 Maranhão (1) 308 (1) (1) (1) Paraíba Pernambuco (1) (1) Piauí (1) (1) (1) Rio Grande do Norte (1) (1) Sergipe (1) (1) continua 43

46 44 TABELA 18 (conclusão) Número de turmas dos cursos do PNQ Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Sudeste Espírito Santo (1) (1) (1) Minas Gerais Rio de Janeiro (1) São Paulo (1) (1) Sul Paraná Rio Grande do Sul (1) (1) Santa Catarina (1) (1) (1) Centro-Oeste Distrito Federal (1) (1) (1) Goiás (1) (1) Mato Grosso (1) (1) Mato Grosso do Sul (1) Brasil Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/2016

47 TABELA 19 Número de turmas dos cursos do PNQ por escolaridade mínima exigida para realização do curso Brasil (em n os absolutos) Escolaridade Analfabeto 2010 (1) (1) 2014 (1) Fundamental incompleto Fundamental completo Médio incompleto (1) Médio completo Não informado Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

48 TABELA 20 Taxa de evasão dos educandos dos cursos do PNQ por tipo de instituição executora Brasil (em %) Tipo de instituição executora Associação comunitária/religiosa/grupos de afinidade (1) 2,3 12,9 34,4 (1) Centros e institutos federais de educação profissional e tecnológica, escolas públicas profissionais e técnicas federais, estaduais e municipais (1) 10,5 (1) (1) (1) Entidades empresariais /sistema S - serviços nacionais sociais e de aprendizagem 15,7 13,3 16,4 20,4 41,4 Entidades sindicais - centrais/escolas/institutos/ fundações/centros/ confederações/associações (1) (1) 21,9 27,1 20,7 Fundação municipal (1) 5,7 13,4 14,3 15,2 Fundações/institutos/escolas/outras entidades especializadas em qualificação profissional 3,6 4,4 3,5 11,9 10,0 Instituições de ensino superior - universidades/institutos/faculdades/ fundações/escolas (1) (1) 4,3 30,2 (1) Ongs (entidades não governamentais sem fins lucrativos) 12,1 7,9 10,6 10,4 8,9 Órgãos da administração pública indireta de âmbito federal, estadual e municipal (1) 8,3 (1) 0,0 (1) Total 14,0 8,3 10,3 12,7 19,3 Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano. b) A taxa de evasão foi calculada a partir do quociente entre a quantidade de evadidos e o total de educandos (inscritos, concluintes, desistentes, evadidos, óbitos, trabalhando e situação do educando não informada). c) Foram excluidas as turmas com situação cancelada. d) Data de acesso: 19/02/

49 TABELA 21 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Norte Acre (1) Amapá (1) (1) Amazonas (1) (1) Pará (1) Rondônia (1) (1) (1) Roraima (1) (1) 414 (1) (1) Tocantins (1) 369 (1) (1) (1) Nordeste Alagoas (1) (1) Bahia (1) Ceará (1) 620 Maranhão (1) (1) (1) (1) Paraíba (1) (1) (1) Pernambuco (1) (1) Piauí (1) (1) (1) (1) Rio Grande do Norte (1) (1) Sergipe (1) 294 (1) 250 (1) continua 47

50 48 TABELA 21 (conclusão) Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Sudeste Espírito Santo (1) (1) (1) Minas Gerais Rio de Janeiro (1) São Paulo (1) (1) Sul Paraná Rio Grande do Sul (1) (1) Santa Catarina (1) (1) (1) Centro-Oeste Distrito Federal (1) (1) (1) Goiás (1) (1) Mato Grosso (1) (1) (1) Mato Grosso do Sul (1) Brasil Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/2016

51 TABELA 22 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por sexo Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Norte Acre (1) (1) Amapá (1) (1) (1) (1) Amazonas (1) (1) (1) (1) Pará (1) (1) Rondônia (1) (1) (1) (1) (1) (1) Roraima (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Tocantins (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Nordeste Alagoas (1) (1) (1) (1) Bahia (1) (1) Ceará (1) (1) Maranhão (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Paraíba (1) (1) (1) (1) (1) (1) Pernambuco (1) (1) (1) (1) Piauí (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Rio Grande do Norte (1) (1) (1) (1) Sergipe (1) (1) (1) (1) (1) (1) continua 49

52 TABELA 22 (conclusão) Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por sexo Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação (em n os absolutos) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Sudeste Espírito Santo (1) (1) (1) (1) (1) (1) Minas Gerais Rio de Janeiro (1) (1) São Paulo (1) (1) (1) (1) Sul Paraná Rio Grande do Sul (1) (1) (1) (1) Santa Catarina (1) (1) (1) (1) (1) (1) Centro-Oeste Distrito Federal (1) (1) (1) (1) (1) (1) Goiás (1) (1) (1) (1) Mato Grosso (1) (1) (1) (1) (1) (1) Mato Grosso do Sul (1) (1) Brasil Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) No ano de 2011 há 5 registros tambem sem a informação c) Foram excluidas as turmas com situação cancelada 50 d) Data de acesso: 19/02/2016

53 TABELA 23 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por faixa etária Brasil (em n os absolutos) Faixa etária (em anos) De 15 a 17 (1) (1) (1) (1) 6 De 18 a De 25 a De 30 a De 40 a De 50 a ou mais Não informada (1) 16 8 (1) (1) Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram consideradas as faixas etárias estabelecidas na Base de Gestão da Qualificação c) Foram excluidas as turmas com situação cancelada d) Data de acesso: 19/02/

54 TABELA 24 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por cor/raça Brasil (em n os absolutos) Cor/raça Amarela Branca Indígena Parda Preta Não Informada Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

55 TABELA 25 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por escolaridade Brasil (em n os absolutos) Escolaridade Analfabeto Fundamental incompleto Fundamental completo Médio incompleto Médio completo Superior incompleto Superior completo Não informada (1) 5 (1) (1) (1) Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

56 TABELA 26 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por classes de rendimento familiar Brasil (em n os absolutos) Classes de rendimento familiar (em salários mínimos) Mais de 0,5 a 1, Mais de 1,5 a 2, Mais de 2,0 a 3, Mais de 3,0 a 4, Mais de 4,0 a 5, Mais de 5,0 a 7, Mais de 7,0 a 10, (1) Mais de 10,0 a 15, (1) Mais de 15,0 a 20,0 (1) 3 (1) (1) (1) Mais de 20, (1) 1 Sem rendimento Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/2016 e) Sem rendimento inclui aqueles que não declararam rendimento 54

57 TABELA 27 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por instituição executora Brasil (em n os absolutos) Instituição executora Associação comunitária/religiosa/grupos de afinidade (1) (1) Centros e institutos federais de educação profissional e tecnológica, escolas públicas profissionais e técnicas federais, estaduais e municipais (1) 165 (1) (1) (1) Entidades empresariais /sistema S - serviços nacionais sociais e de aprendizagem Entidades sindicais - centrais/escolas/institutos/ fundações/centros/ confederações/associações (1) (1) Fundação municipal (1) Fundações/institutos/escolas/outras entidades especializadas em qualificação profissional (1) Instituições de ensino superior - universidades/institutos/ faculdades/ fundações/escolas (1) (1) (1) Ongs (entidades não governamentais sem fins lucrativos) Órgãos da administração pública indireta de âmbito federal, estadual e municipal (1) 498 (1) (1) (1) Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos. Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

58 TABELA 28 Número de educandos concluintes dos cursos do PNQ por posição na ocupação Brasil (em n os absolutos) Posição na ocupação Empregados com carteira de trabalho assinada Funcionários públicos estatutários e militares Outros empregados Pequenos e micros produtores (empregadores) (1) Trabalhadores domésticos com carteira de trabalho assinada Trabalhadores domésticos sem carteira de trabalho assinada (1) Trabalhadores na produção para o próprio consumo Trabalhadores não remunerados Trabalhadores por conta própria Desocupados Não informada (1) 5 (1) (1) (1) Total Fonte: MTPS. Base de Gestão da Qualificação. Elaboração: DIEESE Nota: (1) Não há registros de casos. Obs.: a) O universo considerado foi o de turmas iniciadas em cada ano b) Foram excluidas as turmas com situação cancelada c) Data de acesso: 19/02/

Qualificação Social e Profissional

Qualificação Social e Profissional ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2010-2011 Qualificação Social e Profissional Secretaria de Políticas Públicas de Emprego - SPPE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Qualificação Social e Profissional

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Qualificação Social e Profissional ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2 0 0 9 Qualificação Social e Profissional Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. e 2 O O 7

ANUÁRIO DO TRABALHO. e 2 O O 7 ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2 O O 7 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo

Leia mais

Site Sistema PED. Projeto Sistema PED 2012

Site Sistema PED. Projeto Sistema PED 2012 CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO PED E DESENHO DE NOVOS INDICADORES E LEVANTAMENTOS Site Sistema PED Projeto Sistema PED 2012 Meta C: Aprimorar sistema de divulgação e disponibilização das informações

Leia mais

Resultados- Junho OUTUBRO 2011

Resultados- Junho OUTUBRO 2011 Resultados- Junho 2011 - OUTUBRO 2011 Crescimento do volume e receita nominal das vendas; evolução da massa de rendimentos dos ocupados; volume de crédito e inadimplência; dados sobre emprego formal, como

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Intermediação de mão de obra

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Intermediação de mão de obra ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2 0 0 9 Intermediação de mão de obra Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário de Políticas

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Remuneração

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Remuneração ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2016 Remuneração Presidente da República Michel Temer Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira Secretário de Políticas Públicas de Emprego Leonardo

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário mínimo de 2013 será de R$ 678,00

Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário mínimo de 2013 será de R$ 678,00 Nota Técnica Número 118 dezembro 2012 Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário mínimo de 2013 será de Salário mínimo de 2013 será de A partir de 1º de janeiro de 2013, o valor do salário mínimo

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Seguro Desemprego

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Seguro Desemprego ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2 0 0 9 Seguro Desemprego Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário de Políticas Públicas

Leia mais

Roberto Anacleto Subseção DIEESE CNTM/FS 01/08/2017

Roberto Anacleto Subseção DIEESE CNTM/FS 01/08/2017 Informe Conjuntural Junho/2017 Saldo da Movimentação de Emprego no Setor Metalúrgico - Brasil Roberto Anacleto Subseção DIEESE CNTM/FS 01/08/2017 De acordo com dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Intermediação de mão-de-obra

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Intermediação de mão-de-obra SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2 0 0 8 Intermediação de mão-de-obra DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Anuário Sistema Público de Emprego, Trabalho

Leia mais

na Micro e Pequena Empresa Anuário do Trabalho Pequena 2 O O 7 2 O O 7 Empresa CapaSebraeFinal_logo em cima.ind

na Micro e Pequena Empresa Anuário do Trabalho Pequena 2 O O 7 2 O O 7 Empresa CapaSebraeFinal_logo em cima.ind Anuário do Trabalho Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2 O O 7 namicroe Pequena Empresa 2 O O 7 CapaSebraeFinal_logo em cima.ind1 1 09.08.07 12:20:19 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Mercado de Trabalho. Ministério do Trabalho e Previdência Social

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Mercado de Trabalho. Ministério do Trabalho e Previdência Social ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2015 Mercado de Trabalho Ministério do Trabalho e Previdência Social Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Ministro do Trabalho e Previdência

Leia mais

NOTA TÉCNICA Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2014 DIEESE / SICONV nº /2014

NOTA TÉCNICA Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2014 DIEESE / SICONV nº /2014 Nota Técnica do Projeto Desenvolvimento de Instrumentos e Atualização dos Indicadores de Apoio à Gestão de Políticas Públicas de Emprego, Trabalho e Renda. Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2014 DIEESE

Leia mais

Número 106 Dezembro de 2011 Revista e atualizada em Janeiro de Política de Valorização do Salário Mínimo:

Número 106 Dezembro de 2011 Revista e atualizada em Janeiro de Política de Valorização do Salário Mínimo: Número 106 Dezembro de 2011 Revista e atualizada em Janeiro de 2012 Política de Valorização do Salário Mínimo: Considerações sobre o valor a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2012 Breve Histórico da

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

Nota Técnica Número 86 Janeiro de 2010 (revisada e atualizada) Política de Valorização do Salário Mínimo:

Nota Técnica Número 86 Janeiro de 2010 (revisada e atualizada) Política de Valorização do Salário Mínimo: Nota Técnica Número 86 Janeiro de 2010 (revisada e atualizada) Política de Valorização do Salário Mínimo: Considerações sobre o valor a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2010 A Campanha de Valorização

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Seguro Desemprego. Ministério do Trabalho e Previdência Social

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Seguro Desemprego. Ministério do Trabalho e Previdência Social ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2015 Seguro Desemprego Ministério do Trabalho e Previdência Social Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Ministro do Trabalho e Previdência

Leia mais

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa Janeiro de 2017 Número 169 Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa (Atualização das NTs 144 de novembro de 2013 e 156 de março de 2016) 1 Imposto de Renda Pessoa Física:

Leia mais

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa Março de 2016 Número 156 Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa (Atualização das NTs 131, de novembro de 2013 e 144, de Fevereiro de 2015) 1 Imposto de Renda Pessoa Física:

Leia mais

Anuário. Educação. Profissional da. Volume II Bahia

Anuário. Educação. Profissional da. Volume II Bahia da Anuário Educação Profissional da Bahia Volume II - 2012 DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Anuário da Educação Profissional da Bahia (Volume II) Salvador, 2012

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal. 3º Quadrimestre Poder Judiciário

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal. 3º Quadrimestre Poder Judiciário Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal 3º Quadrimestre - 2014 Poder Judiciário Julho de 2015 Pág. 02 Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do DF - poder Judiciário Introdução

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo: valor para 2016 é fixado em R$ 880,00

Política de Valorização do Salário Mínimo: valor para 2016 é fixado em R$ 880,00 Nota Técnica Número 153 - Dezembro de 2015 Atualizada em janeiro de 2016 Política de Valorização do Salário Mínimo: valor para 2016 é fixado em R$ 880,00 Salário mínimo de 2016 é de R$ 880,00 A partir

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio última atualização da pesquisa: 2011 1 2 CARACTERÍSTICAS DOS DOMICÍLIOS 3 ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores CAGED Apresentação A partir deste mês, os Observatórios do Trabalho do DIEESE passam a divulgar a Síntese de Indicadores, com resultados

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

As mudanças metodológicas na PMC e PMS. Número 180 Maio

As mudanças metodológicas na PMC e PMS. Número 180 Maio As mudanças metodológicas na PMC e PMS Número 180 Maio - 2017 As mudanças metodológicas na PMC e PMS Desde janeiro de 2017, as pesquisas conjunturais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal. 3º Quadrimestre Poder Executivo

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal. 3º Quadrimestre Poder Executivo Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal 3º Quadrimestre - 2014 Poder Executivo Março de 2015 Pág. 02 Introdução A arrecadação nos estados e no Distrito Federal em 2014 ocorreu

Leia mais

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal Poder Judiciário 2º Quadrimestre

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal Poder Judiciário 2º Quadrimestre Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal 2014 Poder Judiciário 2º Quadrimestre Novembro de 2014 1 Introdução O segundo quadrimestre de 2014 - período fiscal 1 l que vai de setembro

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua 2012-2017 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017 Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2017 Força de Trabalho no Brasil Pesquisa

Leia mais

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa Março de 2016 Número 156 Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa (Atualização das NTs 131, de novembro de 2013 e 144, de Fevereiro de 2015) 1 Imposto de Renda Pessoa Física:

Leia mais

Nota Técnica Número 133 março O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro

Nota Técnica Número 133 março O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro Nota Técnica Número 133 março 2014 O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro Resultados da Rais 2012 O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro Resultados da Rais 2012 O mercado formal de trabalho brasileiro,

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Indicadores da Saúde do Trabalhador com Base na Rais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Indicadores da Saúde do Trabalhador com Base na Rais ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2016 Indicadores da Saúde do Trabalhador com Base na Rais Presidente da República Michel Temer Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira Secretário de

Leia mais

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 1 Metodologia do trabalho Definição de candidato a MEI: Consideramos como proxy de candidato

Leia mais

Seminário Nacional das Trabalhadoras Domésticas para ampliar direitos e promover a igualdade no mundo do Trabalho

Seminário Nacional das Trabalhadoras Domésticas para ampliar direitos e promover a igualdade no mundo do Trabalho Seminário Nacional das Trabalhadoras Domésticas para ampliar direitos e promover a igualdade no mundo do Trabalho 2014 Estimativa de ocupados por grupamento de atividade econômica e sexo Brasil 2004 e

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

Economia Solidária, Microcrédito e Proger

Economia Solidária, Microcrédito e Proger ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2015 Economia Solidária, Microcrédito e Proger Ministério do Trabalho e Previdência Social Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Ministro do

Leia mais

Número 166 Janeiro de Política de Valorização do Salário Mínimo:

Número 166 Janeiro de Política de Valorização do Salário Mínimo: Número 166 Janeiro de 2017 Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário Mínimo é fixado em R$ 937,00 para 2017 Salário Mínimo é fixado em R$ 937,00 para 2017 A partir de 1º de janeiro de 2017, o

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Mercado de Trabalho

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Mercado de Trabalho ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2016 Mercado de Trabalho Presidente da República Michel Temer Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira Secretário de Políticas Públicas de Emprego Leonardo

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Indicadores da Agenda de Trabalho Decente. Ministério do Trabalho e Previdência Social

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Indicadores da Agenda de Trabalho Decente. Ministério do Trabalho e Previdência Social ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2 0 1 5 Indicadores da Agenda de Trabalho Decente Ministério do Trabalho e Previdência Social Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Ministro

Leia mais

Número 64 Abril de Entendendo o movimento da jornada de trabalho semanal média

Número 64 Abril de Entendendo o movimento da jornada de trabalho semanal média Número 64 Abril de 2008 Entendendo o movimento da jornada de trabalho semanal média Entendendo o movimento da jornada de trabalho semanal média 1 Apresentação Desde o ano passado, o movimento sindical

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Juventude Secretaria de Políticas Públicas de Emprego - SPPE

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Juventude Secretaria de Políticas Públicas de Emprego - SPPE ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2010-2011 Juventude Secretaria de Políticas Públicas de Emprego - SPPE ESCRITÓRIO NACIONAL: Rua Aurora, 957, 1º andar, Centro São Paulo/SP - CEP

Leia mais

Estatísticas do Cadastro Central de Empresas Gerência do Cadastro Central de Empresas

Estatísticas do Cadastro Central de Empresas Gerência do Cadastro Central de Empresas Estatísticas do Cadastro Central de Empresas 2011 Gerência do Cadastro Central de Empresas Data 24/05/2013 Cadastro Central de Empresas - CEMPRE COMPOSIÇÃO Empresas e outras organizações e suas unidades

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Qualificação Profissional e Aprendizagem

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Qualificação Profissional e Aprendizagem ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2016 Qualificação Profissional e Aprendizagem Presidente da República Michel Temer Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira Secretário de Políticas

Leia mais

Número 39 Novembro de Quem são os ocupados que ganham salário mínimo

Número 39 Novembro de Quem são os ocupados que ganham salário mínimo Número 39 Novembro de 2006 Quem são os ocupados que ganham salário mínimo Quem são os ocupados que ganham salário mínimo? 1. Introdução Os debates sobre salário mínimo, com freqüência, suscitam uma questão:

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA. RELEASE Agosto de 2013 DADOS CAGED Contrato nº. 165/2012 SETRE-BA e DIEESE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA. RELEASE Agosto de 2013 DADOS CAGED Contrato nº. 165/2012 SETRE-BA e DIEESE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA RELEASE Agosto de 2013 DADOS CAGED Contrato nº. 165/2012 SETRE-BA e DIEESE Setembro de 2013 EXPEDIENTE DA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE DO GOVERNO DO

Leia mais

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal Poder Judiciário

Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal Poder Judiciário Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do Distrito Federal 2016 Poder Judiciário Maio de 2017 Pág. 02 Boletim de Indicadores Fiscais dos Estados e do DF - poder Judiciário Introdução O panorama 1

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo:

Política de Valorização do Salário Mínimo: Número 166 Janeiro 2017 Atualizada em 11/01 Política de Valorização do Salário Mínimo: Depois de 20 anos, reajuste fica abaixo da inflação (INPC) Salário Mínimo de 2017 é de R$ 937,00 A partir de 1º de

Leia mais

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa Nota Técnica Número 191 Fevereiro 2018 Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa (Atualização das NTs 144 de novembro de 2013, 156 de Março de 2016 e 169 de Janeiro de 2017)

Leia mais

Comércio em 2012 Um balanço dos principais indicadores

Comércio em 2012 Um balanço dos principais indicadores Junho de 2013 Comércio em 2012 Um balanço dos principais indicadores Com o objetivo de subsidiar os dirigentes sindicais para as negociações salariais, a Rede Comerciários do DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Número 15 dezembro Geração de empregos entre janeiro e setembro no setor bancário é 84,2% inferior à observada no mesmo período do ano anterior

Número 15 dezembro Geração de empregos entre janeiro e setembro no setor bancário é 84,2% inferior à observada no mesmo período do ano anterior Número 15 dezembro 2012 Geração de empregos entre janeiro e setembro no setor bancário é 84,2% inferior à observada no mesmo período do ano anterior Geração de empregos entre janeiro e setembro no setor

Leia mais

BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família

BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família No ano do centenário da Declaração do Dia Internacional da Mulher e diante da importância feminina para a categoria comerciária, o DIEESE

Leia mais

Número 13 julho Geração de empregos no setor bancário diminui 83,3% em relação ao mesmo período do ano anterior

Número 13 julho Geração de empregos no setor bancário diminui 83,3% em relação ao mesmo período do ano anterior Número 13 julho 2012 Geração de empregos no setor bancário diminui 83,3% em relação ao mesmo período do ano anterior Geração de empregos no setor bancário diminui 83,3% em relação ao mesmo período do ano

Leia mais

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO 2001-08 No período 2001-08, o total de pessoas ocupadas na agricultura nordestina apresentou um quadro de relativa estabilidade. No entanto, houve

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Seguro-Desemprego

ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Seguro-Desemprego ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2016 Seguro-Desemprego Presidente da República Michel Temer Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira Secretário de Políticas Públicas de Emprego Leonardo

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

MATERIAL SUPLEMENTAR. Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015.

MATERIAL SUPLEMENTAR. Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015. MATERIAL SUPLEMENTAR Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015. EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM - Brasil Equipamento

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Maio de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 JUNHO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - NOVEMBRO DE

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - NOVEMBRO DE PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social 2º Semestre/2011 1 Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Informações Trabalhistas e Previdenciárias de acordo

Leia mais

Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas)

Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas) SUBPROJETO I DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE COMPARATIVA DO MERCADO DE TRABALHO MUNICIPAL E QUALIFICAÇÃO SOCIAL PARA APOIO À GESTÃO DAS POLÍTICAS DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Pesquisa / Estudo

Leia mais

Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas)

Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas) SUBPROJETO III ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas) RELATÓRIO DETALHADO PARA DEFINIÇÃO DE CONTEÚDO GENÉRICO DO ANUÁRIO

Leia mais

Junho de 2016 Juventude: Análise de Indicadores Selecionados do Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda 2015

Junho de 2016 Juventude: Análise de Indicadores Selecionados do Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda 2015 Nota Técnica do Projeto Desenvolvimento de Instrumentos e Atualização dos Indicadores de Apoio à Gestão de Políticas Públicas de Emprego, Trabalho e Renda. Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2014 DIEESE

Leia mais

Análise de indicadores selecionados Un análisis de indicadores selecionados An analysis of selected indicators

Análise de indicadores selecionados Un análisis de indicadores selecionados An analysis of selected indicators Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda 2015 Anuario del Sistema Público de Empleo, Trabajo y Renta 2015 Yearbook of Public Employment, Work and Income System 2015 Análise de indicadores

Leia mais

Alfabetização. Censo Demográfico 2010 Características da população e dos domicílios Resultados do universo

Alfabetização. Censo Demográfico 2010 Características da população e dos domicílios Resultados do universo Alfabetização A alfabetização é o primeiro passo para o acesso à informação escrita e a níveis de educação mais elevados. Assegurar que as crianças frequentem o ensino fundamental nas idades apropriadas

Leia mais

Boletim de Indicadores Fiscais. Estado do Maranhão. Poder Executivo 2º Quadrimestre de 2013

Boletim de Indicadores Fiscais. Estado do Maranhão. Poder Executivo 2º Quadrimestre de 2013 Boletim de Indicadores Fiscais Estado do Maranhão Poder Executivo 2º Quadrimestre de 2013 novembro/2013 Introdução Este boletim tem por objetivo analisar os indicadores da Lei de Responsabilidade Fiscal

Leia mais

Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008

Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008 Termo de Contrato Nº. 65/2009 2009 EXPEDIENTE DA SECRETARIA

Leia mais

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016 Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a junho de 2016 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego No primeiro semestre de 2016 foram fechados 6.785

Leia mais

ANUÁRIO DAS MULHERES Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

ANUÁRIO DAS MULHERES Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas ANUÁRIO DAS MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014-2015 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional

Leia mais

Número 50 Setembro de Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em 2006

Número 50 Setembro de Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em 2006 Número 50 Setembro de 2007 Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em Apresentação Nesta sexta-feira, dia 14 de setembro de 2007, o Instituto Brasileiro

Leia mais

O Retorno da Educaçã. ção no Mercado de Trabalho

O Retorno da Educaçã. ção no Mercado de Trabalho O Retorno da Educaçã ção no Mercado de Trabalho Coordenador: Marcelo Cortes Neri Centro de Políticas Sociais do IBRE/FGV e da EPGE/FGV mcneri@fgv.br 1 Ranking - Município do Rio de Janeiro* Salário 1..Direito

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016 Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016 DEFINIÇÕES A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP/SEPROSP com base em dados do sistema RAIS-CAGED do Ministério do

Leia mais

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 DEFINIÇÕES A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP/SEPROSP com base em dados do sistema RAIS-CAGED do Ministério do

Leia mais

Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas)

Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas) SUBPROJETO III ANUÁRIO DO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA 2009: BASE DE DADOS DE APOIO À GESTÃO DO SPETR Pesquisa / Estudo (Outros produtos específicos de Estudos/Pesquisas) RELATÓRIO DETALHADO

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos - 2016 Data: 24/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de mortos 2016 Estado

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro em 2013 FEVEREIRO DE 2014 RESUMO O país criou 730.687 novos postos de trabalho em 2013, desempenho este 16% menor do que o apresentado em 2012. No

Leia mais

DESEMPENHO DOS BANCOS EM 2012

DESEMPENHO DOS BANCOS EM 2012 DESEMPENHO DOS BANCOS EM 2012 Baixo crescimento do crédito nos bancos privados e elevado provisionamento caracterizaram o desempenho do setor bancário em 2012 NO ano em que o Governo Federal iniciou uma

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012

ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012 ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012 Análise da sub-declaração do recebimento de Benefícios pelo Programa Bolsa Família (PBF) e/ou Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) no Censo Demográfico 2010 MINISTÉRIO

Leia mais

Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década ( ) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008

Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década ( ) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008 Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década (1998-2007) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO ESPÍRITO SANTO Contrato de

Leia mais

Nº 73 agosto de 2014 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2014

Nº 73 agosto de 2014 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2014 Nº 73 agosto de 2014 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2014 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2014 O DIEESE Departamento Intersindical de

Leia mais

Relatório Trimestral de Supervisão das Bases de Dados Desempenho das Atividades: Janeiro a Março de 2006

Relatório Trimestral de Supervisão das Bases de Dados Desempenho das Atividades: Janeiro a Março de 2006 Relatório Trimestral de Supervisão das Bases de Dados Desempenho das Atividades: Janeiro a Março de 2006 Convênio MTE/SPPE/CODEFAT 098/2005 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE SUPERVISÃO DAS BASES DE DADOS E DESEMPENHO

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo:

Política de Valorização do Salário Mínimo: Nota Técnica Número 143 janeiro 2015 Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário Mínimo de 2015 fixado em R$ 788,00 Salário Mínimo de 2015 será de R$ 788,00 A partir de 1º de janeiro de 2015, o

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHONOESTADO DE ESTADO CONTAG CARACTERÍSTICAS GERAIS Rio Grande do Sul TABELA 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil Data 17 / 12 / 2012

Estatísticas do Registro Civil Data 17 / 12 / 2012 Estatísticas do Registro Civil 2011 Data 17 / 12 / 2012 Em 2011, o total de registros foi 2,0% maior que em 2010, indicando a melhoria da cobertura do registro civil de nascimento no País. Houve acréscimo

Leia mais

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011 BAHIA Proteção Previdenciária ria - Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2009 - BRASÍLIA, MAIO DE 2011 1 1. Indicadores de Cobertura Social Cobertura

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

Uberlândia MG. Aspectos Gerais. População Residente do Município de

Uberlândia MG. Aspectos Gerais. População Residente do Município de Aspectos Gerais População Residente do Município de Uberlândia MG BOLETIM DE DADOS DEMOGRÁFICOS I Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômicos-Sociais Uberlândia MG Junho de 2003 BOLETIM DE DADOS

Leia mais

PERFIL DO MAGISTÉRIO

PERFIL DO MAGISTÉRIO PERFIL DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA MEC Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Censo do Professor 97 1 Diretoria de Informações e Estatísticas Educacionais João Batista Ferreira Gomes

Leia mais

PIB 2012 Estado do Tocantins

PIB 2012 Estado do Tocantins PIB 2012 Estado do Tocantins Parceiros: GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SANDOVAL LÔBO CARDOSO Governador do Estado TOM LYRA Vice-governador do Estado JOAQUIM CARLOS PARENTE JUNIOR Secretário JOAQUÍN EDUARDO

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

A OCUPAÇÃO NO COMÉRCIO NO FINAL DO ANO

A OCUPAÇÃO NO COMÉRCIO NO FINAL DO ANO Ano 1 - nº 2 - dezembro 2008 A OCUPAÇÃO NO COMÉRCIO NO FINAL DO ANO O período de festas (Natal e Ano Novo) e o pagamento do 13º salário provocam o aumento das vendas do Comércio no final do ano, elevando

Leia mais

ção: Motivaçõ ções e Metas

ção: Motivaçõ ções e Metas Equidade e Eficiência Educaçã ção: Motivaçõ ções e Metas RANKINGS REGIONAIS MOTIVOS DE EVASÃO Ranking Motivo de Evasão: TRABALHO (Demanda1) TOTAL BRASIL 1,43 0 a 17 anos 1 Minas Gerais 2,27 2 Pernambuco

Leia mais