É possível realizar donativos ao projeto em jquery.org/donate promovendo a sua evolução.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É possível realizar donativos ao projeto em jquery.org/donate promovendo a sua evolução."

Transcrição

1 10 jquery: A SUA BIBLIOTECA JAVASCRIPT comunicações Ajax, utilitários. Oferece também uma diferenciadora arquitetura baseada em plugins, que lhe confere uma grande extensibilidade. É a biblioteca JavaScript mais popular, tendo cada vez mais um papel central no desenvolvimento web (é também por isso uma web application framework; ver secção 1.4). É totalmente livre 9 e open source (licença MIT), pelo que pode ser usada sem problemas em software livre e proprietário. Fazem parte da família jquery não apenas a biblioteca em si 10, mas também o jquery UI (biblioteca de controlos UI), o jquery Mobile (biblioteca de controlos UI para mobile; ver Capítulo 10) e o QUnit (biblioteca para criar testes JavaScript; consultar qunitjs.com). Os vários projetos são desenvolvidos em open source pela jquery Foundation (ver jquery.org). 1.2 PORQUÊ USAR O jquery? É difícil não recorrer a bibliotecas quando a aplicação/website adquire alguma complexidade. Apesar de ser injusto comparar bibliotecas, visto que cada uma se enquadra num determinado nicho (secção 1.5.2), o jquery adquire cada vez mais importância. Entre os seus pontos fortes figuram (Castledine, et al., 2010; Lindley, 2010): Popularidade (secção 1.2.1) é a biblioteca JavaScript mais popular na sua área; Facilidade de uso (secção 1.2.2) o slogan write less, do more assenta- -lhe que nem uma luva; é simples e versátil, tanto para designers (ver jqueryfordesigners.com), como para programadores web; Compatibilidade (secção 1.2.4) o suporte cross-browser (desktop e mobile) é uma preocupação constante; Estabilidade são feitas melhorias de versão para versão; poucas funcionalidades são adicionadas ou tornadas obsoletas; a retrocompatibilidade é tida em alta consideração (prova disso é a API 2.*.* se manter compatível com a 1.*.*); o facto de ser usado (e por vezes apoiado) pela Microsoft, Dell, Digg, entre outras, promove a sua longevidade; 9 É possível realizar donativos ao projeto em jquery.org/donate promovendo a sua evolução. 10 O jquery, por sua vez, inclui o Sizzle, um motor de seletores DOM (ver secção 2.8).

2 ENQUADRAMENTO 13 Top 1 milhão (48,5%) Top 100 mil (65,6%) Top 10 mil (76,6%) FIGURA 1.3 Uso do jquery nos sites mais visitados Fonte: BuiltWith Trends É também assinalável que a quantidade de usos de jquery tenha ultrapassado 14, em agosto de 2011, a de Flash (Business Wire, 2011). Para isso contribuiu o facto de ser open source, HTML5/CSS3 friendly e assentar numa tecnologia standard da web (JavaScript), fatores de que o Flash não se pode orgulhar. A popularidade do jquery não é uma prova da sua qualidade mas sim uma consequência; a quantidade e a qualidade de websites a ele dedicados (plugins, tutoriais, snippets, etc.) são invejáveis. A Tabela 1.1 enumera alguns a merecer destaque: WEBSITE jquery Learning Center learn.jquery.com Try jquery try.jquery.com Code Academy codecademy.com Code School codeschool.com Stack Overflow stackoverflow.com DESCRIÇÃO O centro oficial de documentação para apredizagem passo a passo; inclui uma introdução ao JavaScript Guia de aprendizagem proposto pela equipa oficial, com vídeos explicativos e exercícios relacionados Aprendizagem diretamente do browser, a partir de lições compassadas e interativas (ver codecademy.com/pt/tracks/jquery) Permite a aprendizagem progressiva através de diversos cursos; tem um aspeto muito moderno Site de perguntas e respostas de programação; tem uma secção dedicada a jquery, com milhares de questões respondidas (ver stackoverflow.com/questions/tagged/jquery) (continua) 14 Com 48% vs. 47%; considerando os top 17 mil sites; mais gráficos em httparchive.org.

3 FUNDAMENTOS 39 </body> </html> Com este simples programa pode chamar-se a atenção para dois conceitos centrais no jquery: o evento document ready (ver secção 2.4) e o objeto $ (ver secção 2.5). É um bom ponto de partida para provar que está tudo em ordem. 2.3 A FILOSOFIA jquery O jquery manipula os elementos da página de forma imperativa (ao contrário de outras, como o AngularJS, que o fazem de forma declarativa). Assim, a sua filosofia assenta em dois pontos-chave (Lindley, 2010): 1) Encontrar elementos na página. 2) Fazer algo com eles (através de métodos). EXEMPLO 2.2 esubuq $('h1').addclass('caixaalta'); // 1) ENCONTRAR ELEMENTOS: $('h1') // 2) FAZER ALGO COM ELES: addclass('caixaalta') É este o raciocínio a ter quando se programa com jquery (com algumas exceções). Estes dois simples passos são assegurados através dos conceitos (centrais no mundo jquery): Função wrapper representa a capacidade de o jquery encontrar elementos; realizada através do símbolo $ (ver secção 2.5); Seletores permitem especificar o que se pretende encontrar na página (ver secção 2.8) (no Exemplo 2.2, o seletor é o 'h1'); Métodos são ações executadas sobre cada um dos elementos que foram encontrados (ver secção 2.6.1); no Exemplo 2.2, o método usado é o addclass(). Não menos importantes, também os seguintes conceitos caracterizam o jquery (e proporcionam facilidade de uso; ver secção 1.2.2): Overloading o mesmo método/função pode ter variações no input (ver secção 2.7);

4 FUNDAMENTOS 43 Invocar uma função mecanismos auxiliares (ver secção 2.6.2) (pouco frequente, com exceção do ajax() e seus derivados); Ex. $.type(obj) ; // SABER TIPO DO OBJETO PASSADO Ler/modificar propriedades (pouco frequente). Ex. $.fx.off = true; // DESATIVAR ANIMAÇÕES Embora o JavaScript considere apenas funções (tipo function) e não métodos, faremos uma distinção concetual e usaremos ambos os termos: método para um processador de objetos e função para um mecanismo auxiliar; usar-se-á o itálico para as funções (ex. ajax()) MÉTODOS Métodos jquery estão orientados a processar elementos da página. Numa instrução do tipo método, o símbolo $ recebe um critério de seleção de elementos da página (seletor) sobre a qual um método atuará (Figura 2.1). Isto parece confuso, mas com a prática, torna-se natural. Todos os elementos DOM 1 - Seletor Seleção de elementos DOM 2 - Método Elementos DOM modificados FIGURA 2.1 Representação de atuação de método jquery É assinalável que as instruções jquery sigam praticamente sempre este formato: $(seletor ) metodo(parametros) ;

5 FUNDAMENTOS 47 Há métodos e funções com um sem fim de overloads, dado que recebem uma série de parâmetros opcionais. Veja-se o caso do get(), para realizar pedidos Ajax por get, em que isto: $.get(url* [, parametros] [, funcaodecallback] [, tipo])... resulta em 9 combinações distintas: $.get(url) $.get(url, funcaodecallback, tipo) $.get(url, parametros, funcaodecallback) $.get(url, parametros, funcaodecallback, tipo)... Desde que respeite a ordem (descrita na API) e os parâmetros obrigatórios (neste caso, apenas o primeiro), o programador pode usar o overload que precisar. O próprio alias jquery ($) tem overloads (ver secção 2.5): é usado para realizar seleções, criar elementos e subscrever o document ready. 2.8 SELECIONAR ELEMENTOS Sendo o jquery uma biblioteca client-side, é natural que a maioria das suas funcionalidades esteja direcionada para a manipulação de elementos gráficos. Se os queremos manipular (apagar, atualizar, colorir, animar, etc.), precisamos de primeiro indicar quais. É aqui que os seletores (conceito central no jquery) entram em cena (Figura 2.2) $('input[type=text]') Obj. jquery , FIGURA 2.2 Exemplo de uma seleção Os seletores são como uma linguagem de filtragem de elementos da página; estão para os elementos da página como os queries de leitura estão para uma BD. Isoladamente, têm pouco ou nenhum interesse (não passam de simples strings), mas a filtragem resultante pode ser manipulada por métodos do jquery ou de plugins (isto porque é do pseudotipo jquery; ver secção ). Um seletor,

6 66 jquery: A SUA BIBLIOTECA JAVASCRIPT O callback do sucesso de um get() (função de Ajax do jquery) recebe os dados, o estado do pedido e o objeto jqxhr (ver secção 7.4): // ASSINATURA DA FUNÇÃO: $.get(url,callbackquandosucesso); $.get('/info/cli.xml', function(dados,estado,jqxhr) { }); // API jquery A API do jquery tem a preocupação de ser o mais coerente possível, promovendo a legibilidade do código e a facilidade em criá-lo ou modificá-lo. Isto é patente na coerência entre os métodos jquery (ver secção 2.6.1). A API do jquery tem os seus limites bem definidos e encontra-se relativamente estabilizada. A descrição oficial (api.jquery.com) categoriza-a conforme a Tabela 2.3: CATEGORIAS DESCRIÇÃO SUBCATEGORIAS Seletores Percorrer Atributos/ CSS Manipulação DOM Animação Eventos Ajax Core Estão na base da API, pois permitem realizar seleções no documento da página (ver secção 2.8.1) Formas de filtrar ou navegar (n)uma seleção (ver secção 2.8.3) Métodos para alterar propriedades de elementos da página (valores, posições, etc.) (Capítulos 3 e 4) Alteração do documento (ex. adicionar parágrafos, apagar divs) (Capítulo 4) Efeitos e um método multiusos de animação (Capítulo 5) Permite subscrever acontecimentos do rato, teclado, browser, etc. (Capítulo 6) Implementação desta tecnologia pelo jquery (Capítulo 7) Agrega funções internas e utilitários práticos (ex. ciclo, parsing de XML, trim, etc.) (ver secção 2.13) TABELA 2.3 Organização da API do jquery Básicos, Hierarquia, Atributo, Formulário, Filtros conteúdo, Filtros filho, Filtros simples, Filtros visibilidade Filtragem, Via árvore, Diversos Atributos, CSS, Dimensões, Deslocamento (offset), Dados Cópia, Inserção à volta/interna/externa, Remoção, Substituição Básicos, Fading, Sliding (deslizamento), Personalizados Browser, Document, Anexação de handlers, Formulários, Teclado, Rato, Pseudotipo Event Gerais, Helpers, Baixo nível, Atalhos (i.e., shorthands) Pseudotipo jquery, Utilitários, Internos, Elemento DOM, Pseudotipo Deferred

7 92 jquery: A SUA BIBLIOTECA JAVASCRIPT ANEXAR ELEMENTOS Anexar elementos (Tabela 4.2) é extremamente comum: é a capacidade de poder inserir elementos dentro de outros já existentes na árvore DOM. CATEGORIA SUBCATEGORIA MÉTODO DESCRIÇÃO Manipulação Inserção interna $('s1').append( ) $().appendto('s1') $('s1').prepend( ) $().prependto('s1') Adiciona elementos à seleção s1 (no fim) Adiciona elementos à seleção s1 (no início) TABELA 4.2 API jquery de anexação de elementos DOM O método mais comum para anexar elementos é o append(): permite anexar novos elementos aos elementos da árvore de forma muito flexível. Os elementos adicionados são colocados como filhos (últimos) de cada um dos elementos da seleção realizada (Figura 4.5). id='bar' $('#bar').append( ) FIGURA 4.5 Exemplo da ação realizada pelo método append( ) Como parâmetros, o append() pode receber uma string com o novo HTML, um objeto do pseudotipo jquery ou um elemento DOM. Vejamos os dois primeiros casos detalhadamente: $( ).append(novohtml) jquery EXEMPLO 4.7 // USANDO O APPEND COM STRING HTML $('#bar').append('<div>teste ao append</div>'); A segunda variação do append() merece um pouco mais de atenção. $( ).append(novoelemento) jquery

8 ANIMAÇÃO 113 Adicionalmente, há que notar que nos efeitos que escondem, os elementos deixam de ocupar espaço na página, mas ainda assim pertencem ao modelo DOM; nos efeitos que mostram, os elementos têm de pertencer ao modelo DOM. Escolher o efeito ideal para esconder/mostrar elementos depende muito da situação em causa. O ideal é testar os vários e escolher o que se adequa. De qualquer forma, o recomendado é usar o par respetivo (Tabela 5.4). Por exemplo: se usou o fadein() para mostrar um elemento, deve usar o fadeout() para escondê-lo. Os efeitos do jquery são estendidos com a suite de plugins jquery UI, que oferece transições de visibilidade, cor e classes, assim como outros easings (ver secção 9.9.1) BÁSICOS Os métodos show() e hide() são os mais comuns para manipular a visibilidade de elementos, pela forma subtil e elegante como o fazem. Transitam simultaneamente a opacidade e as dimensões do objeto até que ele apareça ou desapareça, consoante o caso (Figura 5.1). Para que isto aconteça de forma animada, devem receber o tempo da transição; caso contrário, mostram/escondem de forma imediata (a aproximação é conservadora para que se usem animações quando efetivamente trazem valor acrescentado). FIGURA 5.1 Efeito de show() EXEMPLO 5.3 $('#pessoa').show(); $('#pessoa2').show('slow'); $('input[text]').hide(); $('p.conteudo').toggle(); // MOSTRA O ELEMENTO SEM ANIMAÇÃO // MOSTRA O ELEMENTO COM ANIMAÇÃO // ESCONDE TODOS OS CAMPOS DE TEXTO // ALTERNA O ESTADO DE VISIBILIDADE // DOS PARÁGRAFOS COM A CLASSE conteudo

9 130 jquery: A SUA BIBLIOTECA JAVASCRIPT Uma forma de realizar a associação da Figura 6.1 é usar os próprios atributos do HTML (ex. <button onclick='enviar();'></button>). Contudo, esta forma é muito incorreta, pois mistura JavaScript com HTML (ver secção 1.2.3), dificultando a manutenção e a reutilização de subscritores em vários elementos. O correto é gerir eventos apenas com JavaScript (unobtrusive JavaScript). Ao tratar eventos com jquery devemos realizar o seguinte raciocínio (Figura 6.2): 1) Quem poderá lançar o evento (event firing)? Usamos os conhecidos seletores (ver secção 2.8). 2) Que tipo de evento se quer tratar (event handler attachment)? Usamos um dos métodos do jquery (click(), keydown(), on(), etc.) para o efeito. 3) Como se vai tratar o evento (event handler, listener ou subscriber)? Passamos a esse método uma função que será executada aquando do mesmo. <div id='zonaautores'> 1) Quem irá lançar o evento? $('#zonaautores'). click function(e){ } 2) Que evento se quer tratar? 3) Como se vai tratar o evento? click( function(e) { // TRATAR EVENTO }); FIGURA 6.2 Tratamento de eventos por parte do jquery Na realidade, há pelo menos um evento que já usou (ver secção 2.4): $(document).ready(function() { console.log('bem-vindo'); }); Neste caso, respondendo às questões acima apresentadas: 1) Quem irá lançar o evento: document. 2) Que evento se quer tratar: ready. 3) Como se vai tratar o evento: console.log('bem-vindo').

10 8P PLUGINS Uma das maiores questões ao criar uma biblioteca JavaScript (ou outro tipo de biblioteca) é a definição dos seus limites. Uma biblioteca pode ser muito simples mas apenas focada num tópico (biblioteca micro), ou muito flexível mas pesada (biblioteca macro). Uma arquitetura baseada em plugins permite oferecer flexi- bilidade on demand mantendo uma base simples e robusta. Desde o início que o jquery foi desenvolvido com estas ideias em mente. Acompanhando o seu sucesso comprovado, houve imensos programadores a converter as suas biblio- tecas JavaScript em plugins para o jquery. Hoje, existem milhares de plugins. 8.1 MODELO SUBJACENTE Um plugin (um tipo de add-on) ) pode ser visto como uma especialização. É um dispositivo que se adiciona a uma base comum para que esta estenda as suas capacidades. Plugins são como peças de um puzzle,, cujo fim são as necessidades do programador. Daí que o conjunto de plugins que caracteriza acteriza um projeto possa diferir substancialmente daquele que caracteriza outro (Figura 8.1). Plugin Inline form validation Plugin LoadMask Plugin Tooltipster jquery Plugin Selectize FIGURA jquery e alguns plugins exemplo

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Capacitar o aluno para o trabalho com o framework JQuery. INTRODUÇÃO JQuery é uma biblioteca

Leia mais

jquery André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br

jquery André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br jquery André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br jquery jquery é uma biblioteca em JavaScript; Seu objetivo é simplificar a programação em JavaScript; jquery foi desenvolvida para ser de aprendizado

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA FUNDAMENTOS DO JQUERY

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA FUNDAMENTOS DO JQUERY PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA FUNDAMENTOS DO JQUERY Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Introduzir o framework JQuery Capacitar para a construção de documentos JQuery simples Compreender os mecanismos

Leia mais

JQuery. 2ª Edição Revisada e ampliada. Maurício Samy Silva

JQuery. 2ª Edição Revisada e ampliada. Maurício Samy Silva JQuery A Biblioteca do Programador JavaScript 2ª Edição Revisada e ampliada Maurício Samy Silva $(document).ready(function() { $('.abre-fecha').hide(); $('

Leia mais

jquery Cookbook Comunidade de Desenvolvedores jquery

jquery Cookbook Comunidade de Desenvolvedores jquery jquery Cookbook Comunidade de Desenvolvedores jquery Novatec Authorized Portuguese translation of the English edition of titled jquery Cookbook ISBN 9780596159771 2009, Cody Lindley. This translation is

Leia mais

PROF. DANIELA PIRES. Aplicações para Web. Aplicações para Web - FMU - 2012 - Prof. Daniela Pires

PROF. DANIELA PIRES. Aplicações para Web. Aplicações para Web - FMU - 2012 - Prof. Daniela Pires PROF. DANIELA PIRES Aplicações para Web 1 *Oficialmente: *Uma biblioteca escrita em Javascript *Uma definição melhor: *jquery é uma Biblioteca JavaScript que simplifica a manipulação de um documento HTML

Leia mais

Millennium ECO 2.0 (beta)

Millennium ECO 2.0 (beta) MILLENNIUM NETWORK Millennium ECO 2.0 (beta) Documentação Técnica (draft) 10/2013 Este documento contém as instruções para a utilização da biblioteca Millenium_Eco que se presta à comunicação de aplicativos

Leia mais

Universidade Da Beira Interior

Universidade Da Beira Interior 1 Universidade Da Beira Interior Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Estudo da Tecnologia jquery Tiago Simões m3965 João Pereira m3873 12 De Março de 2011 2 Conteúdo 1. Apresentação da tecnologia...

Leia mais

Trabalho Prático 1 Relatório Final

Trabalho Prático 1 Relatório Final Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Informática Desenvolvimento de Aplicações para a Web Ano lectivo 2012 / 2013 Trabalho Prático 1 Relatório Final Realizado por Antero Pires, n.º 33065

Leia mais

II Semana TI. Curso ASP.NET AJAX. Raphael Zanon Rodrigues zanonr@gmail.com. UNIVEM - Prof. Elvis Fusco

II Semana TI. Curso ASP.NET AJAX. Raphael Zanon Rodrigues zanonr@gmail.com. UNIVEM - Prof. Elvis Fusco II Semana TI Curso ASP.NET AJAX Raphael Zanon Rodrigues zanonr@gmail.com UNIVEM - Prof. Elvis Fusco Apresentação O que é o AJAX? AJAX e o desenvolvedor AJAX para ASP.NET AJAX prático O que é AJAX? AJAX

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -HTML 5: ARMAZENAMENTO DE DADOS (CLIENTE) Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -HTML 5: ARMAZENAMENTO DE DADOS (CLIENTE) Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about. PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -HTML 5: ARMAZENAMENTO DE DADOS (CLIENTE) Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução Compatibilidade Principais características

Leia mais

JQuery. A Biblioteca do Programador JavaScript. 3ª Edição Revisada e ampliada. Maurício Samy Silva. Novatec

JQuery. A Biblioteca do Programador JavaScript. 3ª Edição Revisada e ampliada. Maurício Samy Silva. Novatec JQuery A Biblioteca do Programador JavaScript 3ª Edição Revisada e ampliada Maurício Samy Silva Novatec Copyright 2008, 2010, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Novo projeto com NetBeans A partir de hoje, vamos trabalhar com projetos no NetBeans

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações para Internet Aula 11

Desenvolvimento de Aplicações para Internet Aula 11 Desenvolvimento de Aplicações para Internet Aula 11 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br www.fct.unesp.br/docentes/dmec/olivete jquery Na aula passada: Selecionando atributos Manipulando CSS Inserindo

Leia mais

foi desenvolvida... para criar animações, manipular eventos e desenvolver aplicações AJAX

foi desenvolvida... para criar animações, manipular eventos e desenvolver aplicações AJAX foi desenvolvida... para criar animações, manipular eventos e desenvolver aplicações AJAX é uma biblioteca Java Script crossbrowser desenvolvida para simplificar os scripts que interagem com a linguagem

Leia mais

Keith Wood. Apresentação de Dave Methvin. Novatec

Keith Wood. Apresentação de Dave Methvin. Novatec Keith Wood Apresentação de Dave Methvin Novatec Original English language edition published by Manning Publications Co., Sound View CT.#3B, Greenwich, CT 06830 USA. Copyright 2013 by Manning Publications.

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES JAVASCRIPT

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES JAVASCRIPT ONE TOONE CURSOS PARTICULARES JAVASCRIPT Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design e Comunicação, apresentando

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. JavaScript

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. JavaScript Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES JavaScript Desenvolvimento de Sistemas para WEB Site:

Leia mais

Formação em WEB DESIGN: Projeto 01 - layout (aula 01 & 02*) Em nosso primeiro projeto criaremos um layout para web utilizando um software gráfico.

Formação em WEB DESIGN: Projeto 01 - layout (aula 01 & 02*) Em nosso primeiro projeto criaremos um layout para web utilizando um software gráfico. Formação em WEB DESIGN: O Curso de WebDesign da Imagine School tem duração de 06 meses e se destina a todos aqueles que desejam conhecer o mundo de desenvolvimento para a web. Durante o curso, veremos

Leia mais

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo Desenvolvimento de Sites Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

Guia para Criativos em HTML5 ABRIL

Guia para Criativos em HTML5 ABRIL Guia para Criativos em HTML5 ABRIL Versão 1.2 Criativos em HTML5 referem-se a anúncios que são construídos utilizando tecnologias web nativas, como HTML, CSS e Javascript. HTML5 é a quinta revisão do padrão

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO AO MACROMEDIA DREAMWEAVER MX 2004 O Macromedia Dreamweaver MX 2004 é um software que permite a criação de páginas de Internet profissionais, estáticas

Leia mais

AJAX JSON JQUERY. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

AJAX JSON JQUERY. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) AJAX JSON JQUERY Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) QUAL O OBJETIVO DESTAS TECNOLOGIAS? AJAX AJAX = Asynchronous Javascript and XML Não é uma nova linguagem de programação, apenas uma nova

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES JAVASCRIPT

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES JAVASCRIPT ONE TOONE CURSOS PARTICULARES JAVASCRIPT Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design e Comunicação, apresentando

Leia mais

Programa Front-end & Responsive Web Development

Programa Front-end & Responsive Web Development Programa Front-end & Responsive Web Development Front-end & Responsive Web Development # Porto 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros)

Leia mais

Efeitos 101: Trabalhando com animações e transições

Efeitos 101: Trabalhando com animações e transições Capítulo 8 Efeitos 101: Trabalhando com animações e transições UmadasminhaspartesfavoritasdoCSS3sãoaquantidadedeefeitosqueconseguimos criar apenas com CSS nas nossas páginas combinando algumas propriedades

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

Front-end & Responsive Web Development. curso

Front-end & Responsive Web Development. curso Front-end & Responsive Web Development Porto Front-end & Responsive Web Development O QUE É? Front-end corresponde a toda à parte visual de um site, ou seja, à forma como aparece no ecrã, à estrutura hierárquica

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta quinta edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos o estudo do Windows Mail, um cliente

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Monday, January 23, 12. Introdução sobre Acessibilidade na web

Monday, January 23, 12. Introdução sobre Acessibilidade na web Introdução sobre Acessibilidade na web Acessibilidade na web é o consumo da informação por qualquer pessoa por qualquer tipo de meio de acesso. Para que serve a web? A web serve para compartilhar informação.

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Formulários e JavaScript Como visto anteriormente, JavaScript pode ser usada para

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Do inglês, Cascading Style Sheet, ou folha de estilo em cascata. É uma linguagem

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta sexta e penúltima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes

Leia mais

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET.

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 1 2 Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 3 Por todo o documento subentende-se: todos os seus componentes já anteriormente carregados: imagens,

Leia mais

Até agora aprendemos formas para nomear e processar dados em Javascript.

Até agora aprendemos formas para nomear e processar dados em Javascript. Manipular HTML Recapitulando Até agora aprendemos formas para nomear e processar dados em Javascript. Os tipos de dados primários de que falámos (String, Number e Boolean) são exactamente isso - pequenas

Leia mais

Apiki WP Cursos para Gestores

Apiki WP Cursos para Gestores Apiki WP Cursos Um produto Apiki para você aprender desenvolver em WordPress com quem conhece de verdade e dominar a gestão de sites como nunca. Seis cursos práticos organizados em formações para Desenvolvedores

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE PROJETO DE WEB SITE EAP Estrutura Analitica de Projeto Preparação Estudar as particularidades do serviço e do cliente; Observar projetos semelhantes (Beanchmark); Definir metas e estratégias; Elaborar

Leia mais

SISTEMA PARA PORTAL DE NOTÍCIAS: Jornais, Revistas, Televisão etc

SISTEMA PARA PORTAL DE NOTÍCIAS: Jornais, Revistas, Televisão etc SISTEMA PARA PORTAL DE NOTÍCIAS: Jornais, Revistas, Televisão etc Técnica SEO: Search engine Optimization "INDEXADOR" Web Software para Grandes Portais (Gera todo o conteúdo SEO - Otimizado nas buscas)

Leia mais

O que é o Javascript?

O que é o Javascript? O que é o Javascript? JavaScript é uma linguagem para criação de Home-Pages. Funções escritas em JavaScript podem ser embutidas dentro de seu documento HTML. Com JavaScript você tem muitas possibilidades

Leia mais

Comunicado 108 Técnico

Comunicado 108 Técnico Comunicado 108 Técnico ISSN 1677-8464 Dezembro, 2011 Campinas, SP Fotos: http://dojotoolkit.org e http://jquery.com Análise comparativa das bibliotecas jquery e Dojo Juliana Pereira de Santana 1 Luciana

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

Gestão de Conteúdo de Websites

Gestão de Conteúdo de Websites Gestão de Conteúdo de Websites Sandra Regina da Luz, diretora da DS Consultoria, PhD em administração de empresas pela Flórida Christian University (EUA), Mestre em Administração de Empresas pela USP O

Leia mais

formação em WeB developer

formação em WeB developer formação em WeB developer O Treinamento de Web Developer com duração de 40 semanas (média de 1 ano), ensinará como desenvolver sistemas web de alta performance e interatividade. Através das linguagens

Leia mais

Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos

Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos Sumário Visão geral de novos recursos 2 Instalação, ativação, licenciamento 2 Internet Security 3 Proteção Avançada 4

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO Versão 1.0

MANUAL DE INTEGRAÇÃO Versão 1.0 MANUAL DE INTEGRAÇÃO Versão 1.0 Criando um VA Dentro do sistema do valogi.co, ao tentar subir qualquer aplicativo, o sistema exige que sejam passados dois arquivos: um do tipo imagem e o outro do tipo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -HTML 5: ARMAZENAMENTO DE DADOS (CLIENTE) Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -HTML 5: ARMAZENAMENTO DE DADOS (CLIENTE) Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about. PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -HTML 5: ARMAZENAMENTO DE DADOS (CLIENTE) Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução Compatibilidade Principais características

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

Plone na Plataforma Mobile. Fabiano Weimar dos Santos e Giuseppe Romagnoli

Plone na Plataforma Mobile. Fabiano Weimar dos Santos e Giuseppe Romagnoli Plone na Plataforma Mobile Plone na Plataforma Mobile Plone na Plataforma Mobile Fabiano FabianoWeimar Weimardos dossantos Santos Os amigos me chamam de Os amigos me chamam dexiru Xiru Mestre em Inteligência

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5 JavaScript Diego R. Frank, Leonardo Seibt FIT Faculdades de Informática de Taquara Fundação Educacional Encosta Inferior do Nordeste Av. Oscar Martins Rangel, 4500 Taquara RS Brasil difrank@terra.com.br,

Leia mais

Formatos de Imagem PNG. Universidade Federal de Minas Gerais. Bruno Xavier da Silva. Guilherme de Castro Leite. Leonel Fonseca Ivo

Formatos de Imagem PNG. Universidade Federal de Minas Gerais. Bruno Xavier da Silva. Guilherme de Castro Leite. Leonel Fonseca Ivo Universidade Federal de Minas Gerais Formatos de Imagem PNG Bruno Xavier da Silva Guilherme de Castro Leite Leonel Fonseca Ivo Matheus Silva Vilela Rafael Avelar Alves Belém Belo Horizonte, 5 de maio de

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior Versão 3.2 2010 1. Apresentação Parte I Vivaldo Armelin Júnior Esta é a janela principal do BrOffice Impress. Um programa para edição de apresentações, que é livre, seu código é aberto e ainda... grátis.

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

FICHA DE CATALOGAÇÃO DE REVISTAS DE NOTÍCIAS. Coleção

FICHA DE CATALOGAÇÃO DE REVISTAS DE NOTÍCIAS. Coleção Título: SQL Magazine Notas de Título Feita para Desenvolvedores de Software e DBAs. Descrição Geral: Revista focada em banco de dados, análise, projeto e modelagem. Editor(es): Diretor responsável Gladstone

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax

Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax Página com busca padrão 1 Página com o resultado da busca carregada no local da anterior (o formulário está vazio) Site com Ajax 2 Site usando Ajax para preencher

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade

Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade Google Site Search Folha de Dados Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade google site search para obter mais informações, aceda a: http://www.google.com/enterprise/search/ o

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários)

JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários) Linguagem de Programação para Web JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários) Prof. Mauro Lopes 1-31 23 Objetivos Iremos avançar um pouco mais em nosso estudo sobre o JavaScript. Iremos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Manual de Utilização Site Manager Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Índice 1. Acesso ao Site Manager...3 2. Construção/Alteração do Menu Principal...4 3. Inserção/ Alteração de Conteúdos...7 4. Upload

Leia mais

BURIPACK - DESIGN E INTERFACES WEB

BURIPACK - DESIGN E INTERFACES WEB 1 de 5 BURIPACK - DESIGN E INTERFACES WEB BC 41 LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM JAVASCRIPT E HTML (32h) Ajudar aos alunos no desenvolvimento do raciocínio lógico, a partir da prática em lógica de programação,

Leia mais

YMT REQUISITOS FUNCIONAIS + REFLEXÃO VIABILIDADE TÉCNICA

YMT REQUISITOS FUNCIONAIS + REFLEXÃO VIABILIDADE TÉCNICA REQUISITOS FUNCIONAIS + REFLEXÃO VIABILIDADE TÉCNICA YMT DeCA NTC ANO3 PROJECTO NTC SEM2 RENATO COSTA RICARDO CARVALHO TIAGO FIGUEIREDO MARTIM SANTOS JOÃO ELVAS REQUISITOS FUNCIONAIS 1. Paradigma de interacção

Leia mais

Manual de utilização do Zimbra

Manual de utilização do Zimbra Manual de utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web ( Firefox, Chrome e Internet Explorer ) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário,

Leia mais

jquery Apostila Básica

jquery Apostila Básica jquery Apostila Básica INTRODUÇÃO 3 CAPÍTULO 1 POR ONDE INICIAR 3 CAPÍTULO 2 MEU PRIMEIRO SCRIPT! 4 EXERCÍCIOS...5 CAPÍTULO 3 ADICIONANDO CSS 6 EXERCÍCIOS...7 CAPÍTULO 4 MODIFICANDO APENAS PARTE DO DOCUMENTO

Leia mais

Conceitos de extensões Joomla!

Conceitos de extensões Joomla! capítulo 1 Conceitos de extensões Joomla! Entendendo o que é extensão Extensão pode ser entendida como uma pequena aplicação desenvolvida com regras de construção estabelecidas pelo ambiente Joomla!. É

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Desenvolvimento Web III Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Nesta aula iremos trabalhar a manipulação de banco de dados através

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Keith Wood. Apresentação de Dave Methvin. Novatec

Keith Wood. Apresentação de Dave Methvin. Novatec Keith Wood Apresentação de Dave Methvin Novatec Original English language edition published by Manning Publications Co., Sound View CT.#3B, Greenwich, CT 06830 USA. Copyright 2013 by Manning Publications.

Leia mais

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix.

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. Gerir Clientes no Gestix A Ficha de Cliente Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. O Gestix oferece-lhe diversas formas de conhecer e acompanhar os seus clientes. Explore-o como uma poderosa

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Adaptando o Plone para Plataformas Móveis. Fabiano Weimar dos Santos e Giuseppe Romagnoli

Adaptando o Plone para Plataformas Móveis. Fabiano Weimar dos Santos e Giuseppe Romagnoli Adaptando o Plone para Plataformas Móveis Adaptando o Plone para plataformas móveis Adaptando o Plone para plataformas móveis Fabiano FabianoWeimar Weimardos dossantos Santos Os amigos me chamam de Os

Leia mais