Modelagem e Simulação Material 6 Linguagem GPSS (parte 1)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelagem e Simulação Material 6 Linguagem GPSS (parte 1)"

Transcrição

1 Modelagem e Simulação Material 6 Linguagem GPSS (parte 1) Prof. Simão Sirineo Toscani Introdução A primeira versão do GPSS foi lançada em 1961, pela IBM. Originalmente, GPSS significava Gordon s Programmable Simulation System, em homenagem a Geoffrey Gordon, seu criador. Mais tarde, passou a significar General Purpose Simulation System. GPSS sempre foi a principal linguagem de simulação da IBM. Como tal, um grande número de aplicações foram desenvolvidas nestes seus quase 50 anos de existência. A idéia principal que guiou o projeto do GPSS foi a de criar uma ferramenta que pudesse ser usada por não especialistas. Isso motivou a representação dos modelos de forma gráfica. Um modelo GPSS é um diagrama de blocos, por onde fluem transações, que são as entidades temporárias do sistema. Atualmente, as versões disponíveis mais conhecidas são GPPS/H, GPSS World e WebGPSS. Muitas ferramentas de simulação (por exemplo, a linguagem Arena) foram fortemente influenciadas pelo GPSS. Como veremos, a linguagem não é orientada a eventos nem a processos. Na verdade, GPSS lembra uma linguagem tipo data-flow.

2 Blocos GPSS Na linguagem GPSS, um modelo é descrito através de um diagrama de blocos. Existe um conjunto de blocos à disposição do programador, os quais podem ser interconectados para representar um sistema (i.é, para criar um modelo). A figura ao lado mostra os desenhos dos principais blocos, no ambiente WebGPSS. Um dos blocos, chamado GENERATE, é usado para gerar transações As transações são as entidades temporárias do modelo. Um exemplo ASUS STORAGE 2 ; declaração de um ; depósito (recurso) ; com duas unidades GENERATE 360,40 QUEUE CUA,1 ENTER ASUS,1 DEPART CUA,1 ADVANCE 100,15 LEAVE ASUS,1 TERMINATE 1

3 Uma visão inicial As transações fluem pelo diagrama, passando de bloco em bloco. Quando uma transação entra num bloco, a ação correspondente ao bloco é executada. Cada tipo de bloco desempenha uma função específica, que atua sobre as entidades do modelo. A maioria das entidades de um modelo não precisam ser declaradas (são pré-definidas). As informações de saída (estatísticas da execução) são geradas automaticamente pelo GPSS. Cada transação possui (carrega consigo) um conjunto de atributos, que podem ser testados e alterados durante a vida da transação. Quando uma transação entra num bloco, os seus atributos podem ser usados para moldar a ação a ser executada pelo bloco. Entidades do GPSS Entidades básicas Blocos (que formam o diagrama) Transações (que fluem pelo diagrama) Equipamentos Recursos ou facilidades (facilities) Depósitos (storages) Chaves lógicas (logical switches) Estatísticas Filas Tabelas Outras entidades Savevalues Variáveis (expressões) Funções

4 Tipos de blocos Existem blocos para: Criar e destruir transações (GENERATE e TERMINATE) Alterar parâmetros de transações (ASSIGN) Desviar o fluxo de transações (TEST, TRANSFER,...) Fazer uma transação esperar por um período de tempo (ADVANCE) Requisitar/liberar recurso (SEIZE/RELEASE) Requisitar/liberar um depósito (ENTER/LEAVE) Coletar estatísticas (QUEUE, TABULATE,...) Duplicar transações (SPLIT) Encadear transações à filas (LINK) E muitos outros Transações A transação é a única forma de representar uma entidade temporária que se movimenta no sistema (p.ex., pessoa em um supermercado, navio em um porto, mensagem em uma rede, etc.). As transações são criadas pelo bloco GENERATE e se movimentam de bloco em bloco até serem bloqueadas (retidas). Um mesmo bloco pode bloquear (reter) diversas transações. Novas cópias de uma transação podem ser geradas pelo bloco SPLIT. Uma transação sai (é removida) do sistema quando entra num bloco TERMINATE. O bloco TERMINATE possui um operando que é usado para decrementar o contador de FIM_DE_SIMULAÇÃO. Quando o contador atinge zero, a simulação termina. O valor inicial do contador de FIM_DE_SIMULAÇÃO é estabelecido no comando START, que coloca o modelo em funcionamento. Os resultados da simulação são mostrados automaticamente, no final da execução.

5 Barbearia do João em GPSS * Barbearia do João com 3 cadeiras na sala de espera * CAD STORAGE 3 ; 3 cadeiras na sala de espera GENERATE 10,2 TEST LE S$CAD,2,DESISTE ENTER CAD,1 SEIZE BARB LEAVE CAD,1 ADVANCE 12,2 RELEASE BARB DESISTE TERMINATE 1 O resultado da simulação (para um comando START 100) START TIME END TIME BLOCKS FACILITIES STORAGES NAME VALUE BARB CAD DESISTE LABEL LOC BLOCK TYPE ENTRY COUNT CURRENT COUNT RETRY 1 GENERATE TEST ENTER SEIZE LEAVE ADVANCE RELEASE DESISTE 8 TERMINATE FACILITY ENTRIES UTIL. AVE. TIME AVAIL. OWNER PEND INTER RETRY DELAY BARB STORAGE CAP. REM. MIN. MAX. ENTRIES AVL. AVE.C. UTIL. RETRY DELAY CAD CEC XN PRI M1 ASSEM CURRENT NEXT PARAMETER VALUE FEC XN PRI BDT ASSEM CURRENT NEXT PARAMETER VALUE

6 Atributos de uma transação Cada transação possui atributos que podem ser manipulados no bloco onde a transação se encontra. Os atributos de uma transação são: número da transação (identificação única) número do grupo de montagem (assembly set) tempo de criação (mark time) prioridade parâmetros Com exceção dos parâmetros, todos os atributos são inicializados automaticamente quando a transação é criada pelo bloco GENERATE. Sobre os parâmetros: Eles servem para armazenar informações arbitrárias sobre a transação (altura, peso, cor, próxima operação, tempo da operação, etc.) Podem ser manipulados apenas pelo bloco no qual a transação se encontra no momento (bloco onde a transação está executando ). Não podem ser manipulados por outras transações. Blocos que alteram os atributos de uma transação Os blocos que manipulam os atributos de uma transação são: ASSIGN (atribui um valor a um parâmetro) MARK (coloca o tempo atual em um parâmetro) PRIORITY (altera a prioridade da transação) SPLIT (cria cópias da transação; a transação original e as cópias vão constituir um grupo de montagem). Observações: Mark time é o tempo em que a transação foi criada. O tempo de trânsito da transação é o tempo atual (este tempo é referido por C1) menos o mark time da transação (este tempo é referido por M1). A prioridade zero éa menor (mais baixa ou menos urgente) O grupo de montagem (assembly set) é manipulado pelos blocos ASSEMBLE, GATHER e MATCH.

7 Os atributos numéricos do sistema (SNAs) Os SNAs (System Numeric Attributes) podem ser vistos como variáveis implícitas do sistema, que mantêm informações sobre o estado do modelo em execução. Exemplos de SNAs: C1 tempo atual da simulação (relógio da simulação) M1 tempo de trânsito da transação (tempo que transcorreu desde que ela foi criada) Si ocupação atual do depósito i (número de unidades que estão ocupadas) FNi valor da i-ésima função Qi tamanho corrente da fila i QAi tamanho médio da fila i QMi tamanho máximo da fila i RNi um valor aleatório gerado pelo i-ésimo gerador Wi número de transações esperando no i-ésimo bloco do programa Cadeias do GPSS e algoritmo de execução As duas principais cadeias (listas encadeadas) do sistema são as seguintes: Cadeia dos Eventos Correntes (Current Event Chain CEC), que contém as transações a serem movimentadas no tempo atual; Cadeia dos Eventos Futuros (Future Event Chain FEC), que contém as transações a serem movimentadas no tempo futuro (ordenadas pelo tempo em que devem ser movimentadas). Algoritmo de execução: 1. Atualiza o relógio para o tempo da primeira transação da FEC 2. Transfere todas as transações com esse tempo da FEC para a CEC 3. Para cada transação da CEC, repete os dois passos a seguir até que a transação fique retida: 1. Movimenta a transação para o próximo bloco 2. Executa a ação correspondente ao bloco 4. Volta para o passo 1

8 GPSS World Student Version Éa versão gratuita (para estudantes) do GPSS World. O instalador do sistema já está disponibilizado no material da disciplina, no ambiente Moodle. Junto com o sistema de simulação são instalados dois manuais (em inglês): Tutorial Manual de referência Após a instalação do sistema, os passos para construir um modelo e executá-lo são os seguintes: 1. File New Model (abre uma janela de edição para a digitação de um modelo). Após a digitação do modelo, prossegue-se no passo 2 (menu Command) 2. Command Create Simulation (o programa é compilado e o resultado é mostrado na janela JOURNAL); 3. Command START (inializa o contador de fim de simulação e coloca o modelo em execução). A ser continuado (to be continued)

Criando um Modelo Simples

Criando um Modelo Simples Criando um Modelo Simples o objetivo deste capítulo é apresentar alguns módulos do ARENA e construir o primeiro modelo: um pedágio. A figura abaixo mostra o sistema a ser modelado. Para o pedágio são disponíveis

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAMPUS UNIVERSITÁRIO DA REGIÃO DOS VINHEDOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, DA NATUREZA E DE TECNOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS Simulador do Processador Neander

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCar ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCar ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCar ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Disciplina: Simulação de Sistemas Professor: Miguel Antônio Bueno da Costa Mestranda: Carla Roberta Pereira 2009 1. CONHECENDO O AMBIENTE

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Disciplina: Automação em Tempo Real (ELT012) Data: 17/04/2008 Professor: Luiz T. S. Mendes Guia prático para

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Este documento explica como instalar ou atualizar o software do sistema no Fiery Network Controller para DocuColor 240/250. NOTA: O termo Fiery

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS Autodesk 360 é a nuvem da Autodesk, podendo ser acessada pela sua conta da Autodesk Education Community (estudantes) ou Autodesk Academic Resource

Leia mais

PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II

PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II 1) Após abrir o quartus II, clique em CREATE A NEW PROJECT (tela abaixo). Se estiver utilizando windows 7, execute como administrador.

Leia mais

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse Simulação O que é uma simulação? realização da evolução de um sistema estocástico no tempo Como caracterizar

Leia mais

SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS

SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS ARENA SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS LÓGICA & ANIMAÇÃO VERSÃO 3.5 SYSTEMS MODELING CORP. INTRODUÇÃO AO ARENA Tela inicial do Arena Abrindo um novo modelo Para abrir um novo modelo, no menu,

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima Laboratório de Engenharia e Desenvolvimento de Sistemas LEDS/UFOP Universidade Federal de Ouro Preto UFOP GUIA DE INSTALAÇÃO Plataforma Windows Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

&UHDWH±'LVSRVH±3URFHVV±(QWLW\±5HVRXUFH

&UHDWH±'LVSRVH±3URFHVV±(QWLW\±5HVRXUFH $5(1$±$8/$ &UHDWH±'LVSRVH±3URFHVV±(QWLW\±5HVRXUFH )OX[RGD6LPXODomR5HFXUVRV(QWLGDGHV ygxorv%ivlfrvgr$uhqd ygxor&5($7( Cria as entidades para a simulação Campo Name: Identifica e documenta o módulo. Está

Leia mais

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM III

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM III INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM III 2014 1 Partes para fixação retráteis 2 Terminais da alimentação 3 Display LCD 4 Terminais de entrada 5 Teclas A e B 6 Teclas de navegação 7 Cartucho para a colocação

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

ModusOne. ModusOne Client. Version: 5.2

ModusOne. ModusOne Client. Version: 5.2 ModusOne ModusOne Client Version: 5.2 Written by: Product Documentation, R&D Date: February 2013 2012 Perceptive Software. All rights reserved ModusOne é uma marca registrada da Lexmark International Technology

Leia mais

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa? Que tipo de navegadores são suportados? Preciso permitir 'cookies' O que são 'cookies' da sessão? O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

Leia mais

CAPgm MANUAL DE INSTRUÇÕES

CAPgm MANUAL DE INSTRUÇÕES CAPgm MANUAL DE INSTRUÇÕES Introdução O software CAPgm permite-lhe editar dados de CYBER AQUALAND Nx ou CYBER AQUALAND com um computador pessoal. Além de poder fazer várias definições do relógio (local

Leia mais

1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece.

1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece. 1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece. Para acessar o programa através do comando na barra de prompt, basta digitar dutoteccad e

Leia mais

booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues:

booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues: booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues: What would be the impact of additional traffic on car delays? Would adding Simulação

Leia mais

Curso de Capacitação ao Sistema CDV. - GID Desmanches -

Curso de Capacitação ao Sistema CDV. - GID Desmanches - Curso de Capacitação ao Sistema CDV - GID Desmanches - Coordenadoria de Gestão de Desmanches Divisão de Desmanches Conteúdo Módulo 1 Como utilizar o Moodle... 4 Módulo 2 - Acessando o GID CDV... 4 Aula

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes:

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes: Introdução ao SPSS Essa serie de aulas sobre SPSS foi projetada para introduzir usuários iniciantes ao ambiente de trabalho do SPSS 15, e também para reavivar a memória de usuários intermediários e avançados

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

Electrónica Digital 2. Xilinx Webpack

Electrónica Digital 2. Xilinx Webpack Electrónica Digital 2 Xilinx Webpack (ver 5.2) Notas para iniciação (Outubro 2003) António Cunha Prefácio Este texto tem como objectivo introduzir os primeiros conceitos sobre a utilização de um CAD para

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais

Laboratório - Exploração do FTP

Laboratório - Exploração do FTP Objetivos Parte 1: Usar o FTP em um prompt de comando Parte 2: Baixar um arquivo FTP usando WS_FTP LE Parte 3: Usar o FTP em um navegador Histórico/cenário O File Transfer Protocol (FTP) faz parte do conjunto

Leia mais

Access Control Lists - ACL. Treinamento OTRS Help Desk

Access Control Lists - ACL. Treinamento OTRS Help Desk Access Control Lists - ACL Treinamento OTRS Help Desk Sumário Introdução... 3 Seções compõe as ACLs...4 Properties... 4 PropertiesDatabase...4 Possible... 4 PossibleNot... 4 Propriedades... 6 Action...

Leia mais

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 Primeira Edição (Junho de 2000) Esta edição se aplica ao MQSeries Everyplace Versão 1.0 e a todos os

Leia mais

Simulação de Evento Discreto

Simulação de Evento Discreto Simulação de Evento Discreto Simulação de evento discreto As variáveis de estado modificam-se apenas pela ocorrência de eventos Os eventos ocorrem instantaneamente em pontos separados no tempo São simulados

Leia mais

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Material de Apoio SEB - Contas a Pagar Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Conteúdo CONFIGURAÇÃO... 3 Cadastro de Fornecedores... 3 Métodos de Pagamento...

Leia mais

3.1) Baixe os arquivos necessários para preparação neste link: http://www.emumaniacos.com.br/gateway/gw_release_1.1a.zip

3.1) Baixe os arquivos necessários para preparação neste link: http://www.emumaniacos.com.br/gateway/gw_release_1.1a.zip Gateway Manual do Usuario 1.1 (25/08/2013) (atualizado com link para download para nova firmware spoof e multi região) Por Cirino Souza Goulart www.playtronics.com.br facebook.com/lojaplaytronics 1) Conteúdo

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

Aplicativo RockSim 7.0 - Tutorial 4

Aplicativo RockSim 7.0 - Tutorial 4 Aplicativo RockSim 7.0 - Tutorial 4 Objetivos: Aprender a usar o aplicativo RockSim 7.0 para definir uma curva de empuxo própria Calcular a trajetória de minifoguete usando uma curva de empuxo própria

Leia mais

ARENA SOFTWARE APLICAÇÕES EM LOGÍSTICA

ARENA SOFTWARE APLICAÇÕES EM LOGÍSTICA APOSTILA ARENA SOFTWARE APLICAÇÕES EM LOGÍSTICA Adaptado por: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO Original Prof. Dr. Marcone Jamilson Freitas Souza- UFOP 2010 Página 0 1. Introdução No estudo de planejamento,

Leia mais

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL Deinf/Dine4 Versão 1.3 20/05/2013 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 06/11/2007 1.0 Elaboração da primeira versão

Leia mais

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 Este programa permite gerir toda a sua colecção de músicas, vídeos e até mesmo imagens, estando disponível para download no site da Microsoft, o que significa que mesmo quem

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Introdução à aplicação Web

Introdução à aplicação Web Introdução à aplicação Web A aplicação Web SanDisk +Cloud é uma interface com base na Web para aceder ao seu conteúdo e gerir a sua conta. Com a aplicação Web poderá reproduzir música, ver filmes, ver

Leia mais

Instrução para Importação de Certificados Digitais de Servidor Web IIS 6 e IIS 7

Instrução para Importação de Certificados Digitais de Servidor Web IIS 6 e IIS 7 Instrução para Importação de Certificados Digitais de Servidor Web IIS 6 e IIS 7 Instalação da cópia de segurança Instalação da cópia do certificado Instalação do arquivo.pfx Certificado Digital do tipo

Leia mais

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos 1ª ETAPA PROJETO INTEGRADOR (2 pontos na A4) Como discutido em sala de aula, a disciplina de algoritmos I também fará parte do projeto integrador, para cada grupo

Leia mais

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1 Padrão ix Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP Versão 1.2.0.1 Copyright 2000-2014 Padrão ix Sistemas Abertos Ltda. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Desenvolvimento De Sistemas - Lógica De Programação. 1. Lógica de Programação I 1.1 Introdução á Lógica de Programação 1.2 O que é lógica? 1.3 Lógica Matemática 1.4 Lógica de Programação 1.5 Seqüência

Leia mais

3URI0DUFHOR0RUHWWL)LRURQL

3URI0DUFHOR0RUHWWL)LRURQL 6,8/$d 2(2'(/$*(&2387$&,21$/ 3URIDUFHORRUHWWL)LRURQL (;(5&Ë&,26±ž%LPHVWUH Desenhe o modelo para as situações descritas abaixo: $ $FDGHPLD GH *LQiVWLFD, Uma academia recebe alunos em intervalos de tempo

Leia mais

Laboratório 3 Compilador e IDE. Departamento de Sistemas e Informática. Disciplina de Introdução à Programação Ano Lectivo 2006/2007

Laboratório 3 Compilador e IDE. Departamento de Sistemas e Informática. Disciplina de Introdução à Programação Ano Lectivo 2006/2007 Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia Departamento de Sistemas e Informática Laboratório 3 Compilador e IDE Disciplina de Introdução à Programação Ano Lectivo 2006/2007 DSI Escola

Leia mais

Importação de Certificado Servidor Web IIS 6 e IIS 7

Importação de Certificado Servidor Web IIS 6 e IIS 7 Importação de Certificado Servidor Web IIS 6 e IIS 7 Instalação da cópia de segurança Instalação da cópia do certificado Instalação do arquivo.pfx Certificado Digital do tipo A1 Proibida a reprodução total

Leia mais

Instalação do Java SDK (Software Development Kit)

Instalação do Java SDK (Software Development Kit) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos PMR 2300 Computação para Automação 1 o Semestre 2005 Instalação do Java SDK (Software Development

Leia mais

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella Software de Telecomunicações Introdução ao Cinderella Prof RG Crespo Software de Telecomunicações Cinderella : 1/26 Descrição Ambiente de desenvolvimento, que inclui: Editor gráfico em SDL Analisador Simulador

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9 Introdução a linguagem C Estruturas de decisão Introdução à Linguagem C Linguagem compilada. Desenvolvida sobre os paradigmas de programação procedural. Uma das linguagens

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Defesa Civil Gabinete do Secretário

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Defesa Civil Gabinete do Secretário Manual Básico Aplicação UPO Controle e Acompanhamento de Processos e Documentos dos Órgãos do Estado do Rio de Janeiro 1 GLOSSÁRIO 1 - Introdução 03 2 - Identificação do Usuário no PRODERJ 03 3 - Acesso

Leia mais

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva Algoritmos Estruturas Seqüenciais José Gustavo de Souza Paiva 1 Introdução Objetivo básico da computação auxiliar os seres humanos em trabalhos repetitivos e braçais, diminuindo i i d esforços e economizando

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

SIM0101 - Simulação de Eventos Discretos Semana 2-3

SIM0101 - Simulação de Eventos Discretos Semana 2-3 SIM0101 - Simulação de Eventos Discretos Semana 2-3 Introdução à modelagem e simulação com Arena Ricardo Lüders UTFPR Sumário Terminologia 1 Terminologia 2 3 4 Elementos básicos da simulação Variáveis

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1ª Série Programação Estruturada I A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Sincronização de Processos (4) Monitores

Sincronização de Processos (4) Monitores Sincronização de Processos (4) Monitores Monitores (1) Sugeridos por Dijkstra (1971) e desenvolvidos por Hoare (1974) e Brinch Hansen (1975), são estruturas de sincronização de alto nível, que têm por

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Manual Virtual Keyboard

NAPNE / RENAPI. Manual Virtual Keyboard NAPNE / RENAPI Manual Virtual Keyboard Abril de 2009 Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 4 2.1 Vídeo... 4 2.1.1 Performance de Aprendizagem e previsão... 4 3. Escrita... 4 4 Download... 5 4.1 Realizar

Leia mais

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX. Introdução: FERRAMENTAS. Abaixo segue relação de aplicativos utilizados para realizar este roteiro:

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX. Introdução: FERRAMENTAS. Abaixo segue relação de aplicativos utilizados para realizar este roteiro: ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX Introdução: Vimos nas aulas passadas um dos sistemas operacionais atualmente utilizados no mundo, o Windows, mas existem outros sistemas operacionais também,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO. Motor Periférico Versão 8.0

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO. Motor Periférico Versão 8.0 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO Motor Periférico Versão 8.0 1. Apresentação... 3 2. Instalação do Java... 3 2.1 Download e Instalação... 3 2.2 Verificar Instalação... 3 3. Download do Motor Periférico...

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

Sistemas Digitais. Tutorial Placa de Prototipação - Altera

Sistemas Digitais. Tutorial Placa de Prototipação - Altera Sistemas Digitais Tutorial Placa de Prototipação - Altera Monitoria SD 2012.1 Daniel Alexandro/Vanessa Ogg/Gustavo Benevides/Gilliano Ginno/Sidney Marlon Editado por (DARA) Placa Altera 1 Antes de Usar

Leia mais

Manual de Instalação OpenVPN e Sitef

Manual de Instalação OpenVPN e Sitef Todos os instaladores e arquivos necessários são disponibilizados em nosso FTP ( ftp://177.19.236.157 ) exeto modulos e arquivos Software Express ( Sitef, ClientSitef, modulos cartões... ) disponibilizados

Leia mais

#define MAIN_MODULE //define as variáveis e estruturas, e não apenas declara como extern

#define MAIN_MODULE //define as variáveis e estruturas, e não apenas declara como extern /* Simulação de um Sistema de Call Center (para disciplina de Ferramentas de Análise de Desempenho de Sistemas, Mestrado em Redes de Computadores, Unifacs 2004) 1 2004 by Marcos Portnoi Modificações para

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

Mathcad 14 Guia Prático

Mathcad 14 Guia Prático Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Mathcad 14 Guia Prático Mestrando: Delvanei G. Bandeira Jr Orientador: Ivo Barbi, Dr. Ing. Instituto de Eletrônica de Potência

Leia mais

Tutorial de instalação e configuração do utilitário de gerenciamento de chaves pública/privada, para criptografia de arquivos

Tutorial de instalação e configuração do utilitário de gerenciamento de chaves pública/privada, para criptografia de arquivos Tutorial de instalação e configuração do utilitário de gerenciamento de chaves pública/privada, para criptografia de arquivos Este tutorial visa explicar os procedimentos para a instalação do programa

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica What s a Print Manual e Guia de exploração do What s a Print para utilização em contexto de

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PLUGIN GERADOR DE PLUGINS DO TERRAVIEW

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PLUGIN GERADOR DE PLUGINS DO TERRAVIEW MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PLUGIN GERADOR DE PLUGINS DO TERRAVIEW Versão TerraLib/TerraView: 3.6.0 Introdução O plug-in de criação de plug-ins do TerraView foi desenvolvido para auxiliar os programadores

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C Linguagem de Programação I Aula 05 Linguagem C Da Aula Anterior Algoritmos Portugol: aspectos básicos Estruturas repetição e controle Array: vetores e matrizes Nesta Aula Linguagens de Programação A Linguagem

Leia mais

Programação de CPLDs no ambiente ISE 4.2i da Xilinx

Programação de CPLDs no ambiente ISE 4.2i da Xilinx Programação de CPLDs no ambiente ISE 4.2i da Xilinx O presente documento resume os passos necessários para programar um Complex Programmable Logic Device (CPLD) usando o editor de esquema eléctrico e a

Leia mais

Unidade 3: Linguagem de programação

Unidade 3: Linguagem de programação Unidade 3: Linguagem de programação 3.7. Elaborando programas: scripts e funções No programa Scilab podemos criar arquivos contendo comandos que serão executados posteriormente dentro do seu ambiente.

Leia mais

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL 4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL Prof. Cesar da Costa VHDL é uma linguagem para descrever sistemas digitais utilizada universalmente. VHDL é proveniente de VHSIC Hardware

Leia mais