Pp. Patrícia Leuck SINDPSICOPp-BR 170

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pp. Patrícia Leuck SINDPSICOPp-BR 170"

Transcrição

1 INTERVENÇÕES PSICOPEDAGÓGICAS PARA AUTISTAS NA PRÁTICA Pp. Patrícia Leuck SINDPSICOPp-BR 170

2 O QUE É INTERVENÇÃO? A intervenção psicopedagógica pode ser de forma preventiva, a qual detecta as dificuldades e promove sugestões metodológicas, orientação vocacional, educacional e ocupacional ou de forma terapêutica. Seja em escolas, identificando alunos com dificuldades ou em hospitais, elaborando diagnósticos das pessoas internadas.

3 Cabe a nós Psicopedagogos, otimizar a aprendizagem através do estímulo, descoberta de potencialidades, reabilitação cognitiva e funções executivas, socialização, treino comportamental através do lúdico,no rendimento escolar, além de investigar, detectar e intervir nas causas que estão levando ao fracasso escolar e os fatores que limitam o aprendizado, na orientação dos familiares quanto as suas posturas e também os profissionais envolvidos diretamente com o aluno autista.

4 MAS O QUE É AUTISMO? O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é transtorno do neurodesenvolvimento infantil caracterizado por dificuldades na interação social, comunicação, comportamentos repetitivos e interesses restritos, podendo apresentar também sensibilidades sensoriais.

5 Mais em homens que em mulheres: 1 mulher para cada 4,2 homens. (Fombonne, 2009; Rice, 2007) A prevalência é estimada em 1 em cada 88 nascimentos. (Centers for Disease Control and Prevention, 2012)

6 No Brasil, os estudos epidemiológicos são escassos. No 1º Encontro Brasileiro para Pesquisa em Autismo (EBPA), Fombonne (2010) estimou uma prevalência de aprox. 500 mil pessoas com autismo em âmbito nacional, baseando-se no Censo de 2000

7 MAS O QUE MUDOU? Antiga Classificação do (DSM - IV) - Autismo ( clássico) - Asperger, (PDD-NOS) -Transtorno Invasivo do Desenvolvimento sem outra especificação. Atual = Classificação = ( DSM - V) - Transtorno do espectro autista (TEA) - Autismo Grave - Autismo Moderado - Autismo Leve

8 AUTISMO LEVE Sinais brandos Poucos sinais Menos comprometimento Melhor comunicação Aprende habilidades com mais facilidade

9 AUTISMO MODERADO Sinais entre os brandos e os intensos Mais sinais que no nível anterior Comprometimento médio

10 AUTISMO SEVERO Sinais mais intensos e frequentes Maior comprometimento Comunicação ausente Grande dificuldade na aprendizagem de habilidades APOIO PERVASIVO MAIOR

11 ABORDAGEM DO TRABALHO PSICOPEDAGÓGICO Como montar as intervenções para meus aprendentes? Que método utilizar com ele? Teach? ABA? PECS? Son Rise? Floortime?

12 Conhecendo um pouco cada um.. Método Teacch O método TEACCH utiliza uma avaliação denominada PEP-R (Perfil Psicoeducacional Revisado) para avaliar a criança e determinar seus pontos fortes e de maior interesse, e suas dificuldades, e, a partir desses pontos, montar um programa individualizado.

13 O TEACCH visa o desenvolvimento da independência do aluno de forma que ele precise do professor para o aprendizado de atividades novas, mas possibilitando-lhe ocupar grande parte de seu tempo de forma independente.

14 Método ABA Os objetivos da intervenção são: 1. Trabalhar os déficits, identificando os comportamentos que a criança tem dificuldades ou até inabilidades e que prejudicam sua vida e suas aprendizagens. 2. Diminuir a freqüência e intensidade de comportamentos de birra ou indesejáveis, como, por exemplo: agressividade, estereotipias e outros que dificultam o convívio social e aprendizagem deste indivíduo.

15 3. Promover o desenvolvimento de habilidades sociais, comunicativas, adaptativas, cognitivas, acadêmicas etc. 4. Promover comportamentos socialmente desejáveis

16 Método PECS O PECS pode ser um sistema de comunicação alternativa (único método) para aqueles que não falam ou um sistema de comunicação aumentativa (suplementar) para aqueles que falam.

17 Método floortime A meta no Floortime é desenvolver a criança dentro dos 6 marcos básicos para a plenitude do desenvolvimento emocional e intelectual do indivíduo. Greenspan descreveu os 6 degraus da escada do desenvolvimento emocional como:

18 noção do próprio eu e interesse no mundo; intimidade ou um amor especial para a relação humana; a comunicação em duas vias (interação); a comunicação complexa; as ideias emocionais e o pensamento emocional..

19 A criança autista tem dificuldades em se mover naturalmente através desses marcos, ou subir esses degraus, devido à reações sensoriais exacerbadas ou diminuídas e/ou a um controle pobre dos comandos físicos

20 Método Son-Rise O Programa Son-Rise é centrado na pessoa com autismo. Isto significa que o tratamento tem início na busca de uma profunda compreensão e genuína apreciação da criança, de como ela se comporta, interage e se comunica, assim como de seus interesses. O Programa Son-Rise descreve isto como o ir até o mundo da criança, buscando fazer a ponte entre o mundo convencional e o mundo desta criança em especial.

21 Com esta atitude, o adulto facilitador vê a criança como um ser único a ser respeitado, não como alguém que precisa ser consertado, e pergunta-se, como eu posso me relacionar e me comunicar melhor com essa criança?. Quando a criança sente-se segura e aceita por este adulto, maior é a sua receptividade ao convite para interação que o adulto venha a fazer.

22 CONSIDERAÇÕES 1. Todo ser humano é passível de sofrer transformações, assim, é preciso uma mudança de concepção acerca da pessoa Autista; 2. Como profissionais intervir e proporcionar condições para que esse individuo se transforme. Não focar no transtorno e sim no processo de ensino

23 3. Tanto nosso aprendente como nós profissionais somos sujeitos suscetíveis de transformações desencadeadas no próprio contexto em que as relações acontecem durante o processo de mediação da experiência de aprendizagem. 4. Mesmo que este processo pareça prolongado, a perseverança e a busca de alternativas possibilitam mudanças.

24 ESTUDO DE CASO: Caso um : autismo severo ( TGD) Caso dois: autismo severo Caso três: Autismo não especificado ( reviravolta no diagnóstico)

25 CONTATOS: Página facebook: Psicopedagoga Patricia Leuck Watts:

PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO

PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO VALERIA OLIVEIRA PSICOPEDAGOGA, PSICANALISTA ORIENTADORA EDUCACIONAL ESPECIALISTA EM NEUROPSICOPEDAGOGIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA. PÓS

Leia mais

As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas

As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas Transtorno do Espectro Autista O autismo é considerado um transtorno do desenvolvimento de causas neurobiológicas. As características

Leia mais

TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA

TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA Mara Cristiane R. Aguila Psicóloga/ Neuropsicóloga Doutoranda em Educação pela Universidad Nacional de Rosário - Argentina Transtorno do espectro autista (TEA) Diferenças

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial, Educação Infantil, Autismo, Interação. 1. Introdução

Palavras-chave: Educação Especial, Educação Infantil, Autismo, Interação. 1. Introdução HABILIDADES DE INTERAÇÃO DE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO NA ESCOLA Bianca Sampaio Fiorini Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Marília. Débora Deliberato Universidade

Leia mais

ESTRUTURA PARA O PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR INDIVIDUAL DE CRIANÇAS COM AUTISMO PDI CONDIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA NO MOMENTO:

ESTRUTURA PARA O PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR INDIVIDUAL DE CRIANÇAS COM AUTISMO PDI CONDIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA NO MOMENTO: ESTRUTURA PARA O PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR INDIVIDUAL DE CRIANÇAS COM AUTISMO PDI Validade: / / a / / IDENTIFICAÇÃO: Criança: Data de Nasc.: Ano letivo: Ano escolar da criança: Responsável: (mãe)

Leia mais

Métodos de trabalho TEA. Mara Cristiane R. Aguila Psicóloga/ Neuropsicóloga Doutoranda em Educação pela Universidad Nacional de Rosário - Argentina

Métodos de trabalho TEA. Mara Cristiane R. Aguila Psicóloga/ Neuropsicóloga Doutoranda em Educação pela Universidad Nacional de Rosário - Argentina Métodos de trabalho TEA Mara Cristiane R. Aguila Psicóloga/ Neuropsicóloga Doutoranda em Educação pela Universidad Nacional de Rosário - Argentina Fonte: Blog Lagarta vira pupa TEACCH Projeto de pesquisa

Leia mais

Programa de apoio ao estudante com. deficiência. Comitê de Inclusão e Acessibilidade

Programa de apoio ao estudante com. deficiência. Comitê de Inclusão e Acessibilidade Programa de apoio ao estudante com deficiência Comitê de Inclusão e Acessibilidade Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) Segundo a CID-10, classificado F84: Transtornos invasivos do desenvolvimento,

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO CASTRO.M.B. 1 ; MARRONI.N.M.O. 2 ; FARIA.M.C.C. 3 ; RESUMO A Síndrome de Asperger é uma desordem pouco comum, ou seja, um grupo de problemas que algumas crianças tem quando

Leia mais

EIXO 2: Práticas pedagógicas e psicopedagógicas na perspectiva da diferença humana

EIXO 2: Práticas pedagógicas e psicopedagógicas na perspectiva da diferença humana TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA: DISCUTINDO O SEU CONCEITO E MÉTODOS DE ABORDAGEM PARA O TRABALHO Ana Clara Gomes Nazari (Universidade Federal de Uberlândia clara_educa@yahoo.combr) Juliano Nazari (Prefeitura

Leia mais

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carmen Lucia Lopes Galvão Universidade Estadual do Rio de Janeiro - lumiar13@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Este estudo buscará refletir sobre o autismo e o papel do educador na

Leia mais

PANLEXIA COMO RECURSO PEDAGÓGICO DENTRO DO PROGRAMA TEACCH NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM AUTISMO E COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

PANLEXIA COMO RECURSO PEDAGÓGICO DENTRO DO PROGRAMA TEACCH NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM AUTISMO E COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PANLEXIA COMO RECURSO PEDAGÓGICO DENTRO DO PROGRAMA TEACCH NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM AUTISMO E COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Elisama de Souza Morais (1); Sandra Beltrão Tavares Costa (2); Raqueliane

Leia mais

ATIVIDADE MOTORA EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

ATIVIDADE MOTORA EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA ATIVIDADE MOTORA EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA Lucimar Ferreira Pires (1); Sandra Beltrão Tavares Costa (2) Universdad de Ciencias Sociales y Empresariales UCES sbtcosta@hotmail.com

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução Inclusão Escolar do Aluno Autista Módulo 1 - Introdução O Que é AUTISMO? Autismo é um conjunto de sintomas (síndrome) que p e r t e n c e à c a t e g o r i a d o s t r a n s t o r n o s d e neurodesenvolvimento.

Leia mais

(Transtornos Globais do Desenvolvimento DSM-IV) Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

(Transtornos Globais do Desenvolvimento DSM-IV) Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas (Transtornos Globais do Desenvolvimento DSM-IV) Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas DSM O que significa? É um manual de critérios diagnósticos dos transtornos mentais de todas

Leia mais

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais.

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais. O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA AUTISMO? O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO (TEA)? Indivíduos com transtorno do espectro do autismo muitas vezes apresentam: Meninos em idade escolar

Leia mais

ESCOLA X AUTISMO PERCEPÇÃO DOS PAIS

ESCOLA X AUTISMO PERCEPÇÃO DOS PAIS ESCOLA X AUTISMO PERCEPÇÃO DOS PAIS Karine da Silva Moreira Enfermeira Universidade Federal do Maranhao- UFMA. karine.preven@hotmail.com Maria Socorro Aquino Silva Terapeuta Ocupacional Unichristus CE.

Leia mais

TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA. DR. ADAILTON TADEU ALVES DE PONTES Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ

TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA. DR. ADAILTON TADEU ALVES DE PONTES Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA DR. ADAILTON TADEU ALVES DE PONTES Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ DEFINIÇÃO E CONCEITUAÇÃO OS TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA SÃO CONSIDERADOS MODERNAMENTE COMO UM

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO ESPECIALIZADO NAPE FACULDADE DE CALDAS NOVAS - UNICALDAS APRESENTAÇÃO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO ESPECIALIZADO NAPE FACULDADE DE CALDAS NOVAS - UNICALDAS APRESENTAÇÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO ESPECIALIZADO NAPE FACULDADE DE CALDAS NOVAS - UNICALDAS APRESENTAÇÃO O NAPE é o Núcleo de Apoio Psicopedagógico Especializado foi criado com o propósito

Leia mais

Lairson de Nascimento Psicopedagogo CRPp Sindical 083

Lairson de Nascimento Psicopedagogo CRPp Sindical 083 Lairson de Nascimento Psicopedagogo CRPp Sindical 083 Psicopedagogo Neuropsicopedagogo Clínico Especialista em Educação Inclusiva. Especialista em Docência do Ensino Superior. Pedagogo Psicanalista Clínico

Leia mais

CONHECENDO O AUTISMO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR COMO RECURSO DE ACOLHIMENTO A DIVERSIDADE

CONHECENDO O AUTISMO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR COMO RECURSO DE ACOLHIMENTO A DIVERSIDADE CONHECENDO O AUTISMO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR COMO RECURSO DE ACOLHIMENTO A DIVERSIDADE Waleria Maria de Sousa Paulino, Larissa Brito da Silva, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira,

Leia mais

INTERVENÇÃO EDUCATIVA

INTERVENÇÃO EDUCATIVA CENTRO DE DESENVOLVIMENTO LUÍS BORGES/DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE COIMBRA UNIDADE DE NEURODESENVOLVIMENTO E AUTISMO INTERVENÇÃO EDUCATIVA Cristina Lobo Teresa São Miguel COMPREENDER O AUTISMO Viana

Leia mais

A psicopedagogia na Argentina: Compreendendo a atuação do psicopedagogo

A psicopedagogia na Argentina: Compreendendo a atuação do psicopedagogo A psicopedagogia na Argentina: Compreendendo a atuação do psicopedagogo IV Congresso de Psicopedagogía escolar. UFU/Nov 2015 OBJETIVO GERAL E TAREFA: Apresentar a atuação da psicopedagogia e seus desafios

Leia mais

INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO I Identificação ASSOCIAÇÃO DE REABILITAÇÃO INFANTIL LIMEIRENSE ARIL INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Entidade Executora: Associação de Reabilitação Infantil Limeirense - ARIL Endereço: Rua Dr.

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Capacitar profissionais através de instrumentos atualizados e inovadores

Leia mais

A música na inclusão de um aluno com TEA sob a ótica DIR- Floor Time

A música na inclusão de um aluno com TEA sob a ótica DIR- Floor Time A música na inclusão de um aluno com TEA sob a ótica DIR- Floor Time Cássia Pinto Ávila p.a.cassia@gmail.com Daniela Vilela de Morais Universidade Vale do Rio Verde prof.daniela.morais@unincor.edu.br Resumo:

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DA FACULDADE ALDETE MARIA ALVES - FAMA 1 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DA FACULDADE ALDETE MARIA ALVES - FAMA 1 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES REGULAMENTO DA SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DA FACULDADE ALDETE MARIA ALVES - FAMA 1 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - Este regulamento tem como finalidade caracterizar

Leia mais

DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM

DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM Os termos distúrbios, transtornos, dificuldades e problemas de aprendizagem tem sido utilizados de forma aleatória, tanto na literatura

Leia mais

O trabalho do psicopedagogo domiciliar para a reabilitação cognitiva e neuroaprendizagem de pessoas com deficiências severas

O trabalho do psicopedagogo domiciliar para a reabilitação cognitiva e neuroaprendizagem de pessoas com deficiências severas O trabalho do psicopedagogo domiciliar para a reabilitação cognitiva e neuroaprendizagem de pessoas com deficiências severas Thaianny Cristine Salles da Silva Psicopedagoga, Neuropsicopedagoga, Especialista

Leia mais

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo (gravewild@yahoo.com.br) APRESENTAÇÃO Fabiano Silva Cruz Graduado em composição e arranjo

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO À PROTEÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO À PROTEÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PROGRAMA DE PROMOÇÃO À PROTEÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA - 2016 - FACULDADE DE TECNOLOGIA ALCIDES MAYA CORPO DIRIGENTE DA MANTENEDORA SOCIEDADE EDUCACIONAL ID Isio Eizerik

Leia mais

TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E INCLUSÃO SOCIAL

TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E INCLUSÃO SOCIAL TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E INCLUSÃO SOCIAL NASCIMENTO, T 1 ; MOYA, P.T 2.; BARILLI, Z. T 1.; SAPATINI, V. G. C 1. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP ² Docente da Faculdade de Apucarana

Leia mais

Eu Sou! Pp. Márcia Gianne de C. F. Alves

Eu Sou! Pp. Márcia Gianne de C. F. Alves Organização Eu Sou! Pp. Márcia Gianne de C. F. Alves Sou Cearense/ moro em Irecê-Ba /Diretora de Mobilização Sindical. Formada em Pedagogia Pela Universidades Estadual Vale do Acaraú Ce. Especialista em

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE BRASÍLIA HIPERATIVIDADE, INSUCESSO ESCOLAR E AÇÕES PEDAGÓGICAS. Dra. Nadia Bossa

CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE BRASÍLIA HIPERATIVIDADE, INSUCESSO ESCOLAR E AÇÕES PEDAGÓGICAS. Dra. Nadia Bossa CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE BRASÍLIA HIPERATIVIDADE, INSUCESSO ESCOLAR E AÇÕES PEDAGÓGICAS Dra. Nadia Bossa Profa. Dra. Nadia Aparecida Bossa Doutora em Psicologia e Educação USP, Mestre em

Leia mais

Regulamento de auxílio as pessoas com transtorno espectro autismo.

Regulamento de auxílio as pessoas com transtorno espectro autismo. Regulamento de auxílio as pessoas com transtorno espectro autismo. Introdução: A Fundação Educacional de Além Paraíba FEAP, implantou este Regulamento para todas as Unidades mantidas pela FEAP, na localidade

Leia mais

TRANSTORNO ESPECTRO AUTISTA (TEA): UM PANORAMA A PARTIR DA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

TRANSTORNO ESPECTRO AUTISTA (TEA): UM PANORAMA A PARTIR DA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL TRANSTORNO ESPECTRO AUTISTA (TEA): UM PANORAMA A PARTIR DA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Mary Jécksam da Conceição Oliveira; Jardiene Manuela Santos da Silva; Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Lidando com as Diferenças - Autismo -

Lidando com as Diferenças - Autismo - Lidando com as Diferenças - Autismo - Lidando com as Diferenças - Autismo - A Inclusão na Escola Autores: Diego C. Garcia, Elaine J. Leon, kelli C.B. Goulart, Leila M. V. Lorente, Maria A. M. Ribeiro,

Leia mais

A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem

A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem crescendo no mundo inteiro, com base no pressuposto

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES CARTILHA DE ORIENTAÇÕES APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de contribuir com os alunos, pais e professores, a fim de superar uma visão simplificada a respeito das necessidades educacionais especiais,

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE BRASÍLIA UM PROJETO PEDAGÓGICO COMPATÍVEL COM O MUNDO ATUAL: CONTRIBUIÇÕES DAS NEUROCIÊNCIAS. Dra.

CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE BRASÍLIA UM PROJETO PEDAGÓGICO COMPATÍVEL COM O MUNDO ATUAL: CONTRIBUIÇÕES DAS NEUROCIÊNCIAS. Dra. CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE BRASÍLIA UM PROJETO PEDAGÓGICO COMPATÍVEL COM O MUNDO ATUAL: CONTRIBUIÇÕES DAS NEUROCIÊNCIAS Dra. Nadia Bossa Profa. Dra. Nadia Aparecida Bossa Doutora em Psicologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 2017

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 2017 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM Rodovia BR-482 (Cachoeiro-Alegre) - Morro Grande Cachoeiro de Itapemirim - ES 28 3526-9000 Ramal 9029 NÚCLEO DE

Leia mais

A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM TEA NA ESCOLA SOB O OLHAR DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO

A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM TEA NA ESCOLA SOB O OLHAR DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM TEA NA ESCOLA SOB O OLHAR DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO Cibelly Aliny Siqueira Lima Freitas Antonia Bruna Ferreira Braga Emerson Alex Lino Dias Letícia Amélia Gonçalves

Leia mais

TG D Fon o t n e t : e : CID 10 1

TG D Fon o t n e t : e : CID 10 1 TG D Fonte: CID 10 TG D /TID Desde 1993, com a CID-10 (OMS) o autismo infantil passa a ser classificado entre os transtornos invasivos do desenvolvimento juntamente com outros cinco transtornos que apresentam

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Psicologia Professor: Edilaine Casaletti edilainecasaletti@yahoo.com.br Período/ Fase: 4º Semestre:

Leia mais

RELATO DO PROCESSO DE INCLUSÃO DE UM ALUNO COM AUTISMO EM UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

RELATO DO PROCESSO DE INCLUSÃO DE UM ALUNO COM AUTISMO EM UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE RELATO DO PROCESSO DE INCLUSÃO DE UM ALUNO COM AUTISMO EM UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Samira Fontes Carneiro Margareth Oliveira Lopes Kelly Adriana Pinheiro

Leia mais

TEMA Tecnologia Assistiva. Facilitadores convidados Cristina Fank Terapeuta Ocupacional Regis Severo - Fisioterapeuta. 30 de abril de 2015

TEMA Tecnologia Assistiva. Facilitadores convidados Cristina Fank Terapeuta Ocupacional Regis Severo - Fisioterapeuta. 30 de abril de 2015 TEMA Tecnologia Assistiva Facilitadores convidados Cristina Fank Terapeuta Ocupacional Regis Severo - Fisioterapeuta 30 de abril de 2015 IBGE 2010 Acessibilidade No Brasil 23,91% da população possui alguma

Leia mais

ROBÔ NAO E O ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS: UMA POSSIBILIDADE TÉCNICA E METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ROBÔ NAO E O ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS: UMA POSSIBILIDADE TÉCNICA E METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ROBÔ NAO E O ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS: UMA POSSIBILIDADE TÉCNICA E METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Daiany Dynia da Silva; Amanda Marcelina da Fonseca; Carolina Gomes de Souza;

Leia mais

3º - A pessoa com Transtorno do Espectro Autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais.

3º - A pessoa com Transtorno do Espectro Autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais. PROJETO DE LEI Nº /2017 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. A Prefeita Municipal de Mossoró, Estado do Rio Grande do Norte, no uso de suas atribuições

Leia mais

I - Apresentação. II - Marcos históricos e normativos SÚMULA: POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

I - Apresentação. II - Marcos históricos e normativos SÚMULA: POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA SÚMULA: POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ste documento foi elaborado pela equipe da Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação e pesquisadores

Leia mais

HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE

HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE AUTORES: Renatha de Carvalho (renathacfisio@gmail.com), Andréa de Jesus Lopes (andrealopesfisio@gmail.com. CER II

Leia mais

POLÍTICA DE ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atendimento à pessoa com Autismo TEA (Transtorno do Espectro Autista)

POLÍTICA DE ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atendimento à pessoa com Autismo TEA (Transtorno do Espectro Autista) POLÍTICA DE ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atendimento à pessoa com Autismo TEA (Transtorno do Espectro Autista) 1. Considerações iniciais: Após a promulgação e aprovação em 27 de dezembro 2012 da

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO VERBO EDUCACIONAL

PÓS-GRADUAÇÃO VERBO EDUCACIONAL PÓS-GRADUAÇÃO VERBO EDUCACIONAL A Verbo Educacional, uma das empresas do Grupo Verbo, oferece aos profissionais de múltiplas áreas do conhecimento a praticidade do ensino a distância aliado a possibilidade

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico aos

Leia mais

O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo

O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo APRESENTAÇÃO P.p Ana Paula Caterino Pedagoga, Psicopedagoga e Mestranda em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana

Leia mais

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo será o 0006-LS e entrará em vigor no 1º semestre letivo de 2018.

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo será o 0006-LS e entrará em vigor no 1º semestre letivo de 2018. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2017 ALTERA MATRIZ CURRICULAR, BEM COMO, EMENTAS E OBJETIVOS DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA: CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF E APROVA

Leia mais

AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR NO ESPECTRO AUTISTA

AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR NO ESPECTRO AUTISTA AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR NO ESPECTRO AUTISTA Caroline de Assis Veríssimo da Paz Aluna do Curso de Fisioterapia Universidade de Ribeirão Preto - UNAERP Campus Guarujá Érica Bertaglia de Paula Professora

Leia mais

dificuldades de Aprendizagem X distúrbio de Aprendizagem

dificuldades de Aprendizagem X distúrbio de Aprendizagem Capacitação Multidisciplinar Continuada Como lidar com as dificuldades de Aprendizagem X distúrbio de Aprendizagem O que é aprendizagem Aprendizagem é um processo de mudança de comportamento obtido através

Leia mais

TRANSTORNO ESPECÍFICO DA APRENDIZAGEM CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO

TRANSTORNO ESPECÍFICO DA APRENDIZAGEM CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO TRANSTORNO ESPECÍFICO DA APRENDIZAGEM CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO Dra Nadia Aparecida Profa. Dra. Nádia Aparecida Doutora em Psicologia e Educação USP, Mestre em Psicologia da

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO PAPEL DO ENFERMEIRO NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO AUTISMO

IDENTIFICAÇÃO DO PAPEL DO ENFERMEIRO NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO AUTISMO IDENTIFICAÇÃO DO PAPEL DO ENFERMEIRO NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO AUTISMO Camila Alves de Melo 1 ; Geovane Mendes Farias 1 ; Gleiciane da Silva Oliveira 1 ; Janaina Fernandes da Silva 1 ; João Emanoel

Leia mais

Reunião de Equipa do CADIn

Reunião de Equipa do CADIn 4. Tabela de Atividades Complementares Data Atividades Complementares 06 Outubro 2011 13 Outubro 2011 Nomeação da orientadora local; Descrição da instituição e dos núcleos Apresentação; Escolha do núcleo;

Leia mais

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico,

Leia mais

A INCLUSÃO DE UM ALUNO AUTISTA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE ENSINO.

A INCLUSÃO DE UM ALUNO AUTISTA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE ENSINO. A INCLUSÃO DE UM ALUNO AUTISTA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE ENSINO. Autor (Germana Sintia Redig de Oliveira) Pós Graduando em Educação Ambiental e Sustentabilidade da Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém/PA.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DO ALUNO AUTISTA Desafios do Professor na Escola Regular

ALFABETIZAÇÃO DO ALUNO AUTISTA Desafios do Professor na Escola Regular SISTEMA DE ENSINO À DISTÂNCIA ALFABETIZAÇÃO DO ALUNO AUTISTA Desafios do Professor na Escola Regular Valessa Nazareth Mattos de Carvalho Oliveira Docente na rede pública de ensino e pós-graduanda em Psicopedagogia

Leia mais

Comunicação Alternativa

Comunicação Alternativa Comunicação Alternativa nos Distúrbios de Linguagem. Palestrantes: Giovanna Franco (2ºano) e Yasmin Muniz (3ºano). Orientadora: Profª Drª Simone Aparecida Lopes-Herrera. Comunicação Alternativa: o Tecnologia

Leia mais

ESSENCE. Early Symptomatic Syndrome Eliciting Neurodevelopmental Clinical Examinations. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento

ESSENCE. Early Symptomatic Syndrome Eliciting Neurodevelopmental Clinical Examinations. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento ESSENCE Early Symptomatic Syndrome Eliciting Neurodevelopmental Clinical Examinations (Gillberg, 2010) A P R E S E N T A Ç Ã O D E : C A R I N E

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DAS ATIVIDADES 2011 MÊS DE MAIO APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS

RELATÓRIO MENSAL DAS ATIVIDADES 2011 MÊS DE MAIO APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS RELATÓRIO MENSAL DAS ATIVIDADES 21 MÊS DE MAIO APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS Técnicos Responsáveis: Diretora administrativa: Marinalva de Souza Farias da Costa Secretaria: Terezinha

Leia mais

Psicopedagogia: Teoria e Prática. Elizabeth Araújo Barbosa Enfermeira, Pedagoga e Psicopedagogia

Psicopedagogia: Teoria e Prática. Elizabeth Araújo Barbosa Enfermeira, Pedagoga e Psicopedagogia XVI Encontro de Psicopedagogia do Ceará CONTRIBUIÇÕES DA PSICOPEDAGOGIA PARA EDUCAÇÃO E SAÚDE Psicopedagogia: Teoria e Prática Elizabeth Araújo Barbosa Enfermeira, Pedagoga e Psicopedagogia A psiquiatria

Leia mais

SABERES NECESSÁRIOS À INCLUSÃO DA CRIANÇA COM AUTISMO NA REDE REGULAR DE ENSINO

SABERES NECESSÁRIOS À INCLUSÃO DA CRIANÇA COM AUTISMO NA REDE REGULAR DE ENSINO SABERES NECESSÁRIOS À INCLUSÃO DA CRIANÇA COM AUTISMO NA REDE REGULAR DE ENSINO Jaíse do Nascimento Souza Centro Infantil Maria Dilma Lacerda de Lima - Parnamirim/RN, jaise.2010@hotmail.com RESUMO O autismo,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Distúrbios neurológicos. Crianças. Aprendizado. Professores.

PALAVRAS-CHAVE Distúrbios neurológicos. Crianças. Aprendizado. Professores. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR GEPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR GEPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR GEPPE IV CONGRESSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR O conhecimento psicopedagógico e suas interfaces:

Leia mais

RESOLUÇÃO 01 /2015 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Autismo.

RESOLUÇÃO 01 /2015 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Autismo. RESOLUÇÃO 01 /2015 Aprova o Curso de Pós-Graduacão Lato Sensu, na modalidade de Especialização, com a denominação de Curso de Especialização em Autismo. O COLEGIADO ACADÊMICO DA FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: QUESTÕES RELACIONADAS AO AUTISMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: QUESTÕES RELACIONADAS AO AUTISMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: QUESTÕES RELACIONADAS AO AUTISMO ANA PAULA DE OLIVEIRA ¹ MORGANA DE FÁTIMA AGOSTINI MARTINS ² SIMONE FÉLIZ COSTA FONTANA ³ JOELSON DA

Leia mais

SEMED São Luis-Ma.

SEMED São Luis-Ma. A LINGUAGEM MUSICAL E O DESENVOLVIMENTO DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS: UM OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL¹ Kátia Regina dos Santos Castro Coordenadora Pedagógica em Educação Infantil SEMED São Luis-Ma Katia.castro4@gmail.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO COGNITIVA DE ALUNOS AUTISTAS A PARTIR DO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Palavras-Chave: Autismo. Avaliação Cognitiva. Educação Inclusiva.

AVALIAÇÃO COGNITIVA DE ALUNOS AUTISTAS A PARTIR DO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Palavras-Chave: Autismo. Avaliação Cognitiva. Educação Inclusiva. AVALIAÇÃO COGNITIVA DE ALUNOS AUTISTAS A PARTIR DO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR Vanessa Queiroz Ferreira- EAUFPA Denise Soares da Silva Alves- EAUFPA Deusa Priscila da Silva Resque- EAUFPA Renata Oliveira

Leia mais

Ações Psicopedagógicas no contexto sócio-educacional e familiar

Ações Psicopedagógicas no contexto sócio-educacional e familiar Quézia Bombonatto Associação Brasileira de Psicopedagogia www.abpp.com.br queziabombonatto@abpp.com.br Ações Psicopedagógicas no contexto sócio-educacional e familiar O que se espera deste conversa: Refletir

Leia mais

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA Liziane Batista Souza Universidade Federal de Santa Maria -UFSM liziane.souza6@gmail.com Danieli Martins Ambrós Universidade Federal de Santa Maria -UFSM danieliambros@yahoo.com.br

Leia mais

Trabalho efectuado por: Cristina Ferreira, Isabel Costa Rego, Nélia Rosa e Rute Magalhães. Professora Responsável: Fátima Paiva Maio 2010

Trabalho efectuado por: Cristina Ferreira, Isabel Costa Rego, Nélia Rosa e Rute Magalhães. Professora Responsável: Fátima Paiva Maio 2010 Universidade Fernando Pessoa Pós Graduação e Formação Especializada em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor ( turma 2) Módulo: Avaliação, Programação e Intervenção na Sala de Aula Trabalho efectuado

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO NAAC

NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO NAAC NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO Universidade de Santa Cruz do Sul Pró-Reitoria de Graduação COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NAP Núcleo de Apoio Pedagógico Núcleo de Apoio Acadêmico Ações Gerais Coordenadora Profª Drª

Leia mais

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 NÃO ACEITO Nº CAAE TÍTULO DO PROJETO SITUAÇÃO 01 07303612.0.0000.5539 PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E DA ATIVIDADE ELETROMIOGRÁFICA

Leia mais

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Forma como construímos a nossa imagem a partir de conceitos que temos de nós mesmos, e de como os outros

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

O Atendimento Psicopedagógico dentro das Escolas de Educação Infantil. A Psicopedagogia Positiva e Afetividade na Aprendizagem

O Atendimento Psicopedagógico dentro das Escolas de Educação Infantil. A Psicopedagogia Positiva e Afetividade na Aprendizagem O Atendimento Psicopedagógico dentro das Escolas de Educação Infantil. A Psicopedagogia Positiva e Afetividade na Aprendizagem Isabel Prata Psicopedagoga Mato Grosso do Sul Educação Infantil? Creche? Berçário?

Leia mais

Curso de capacitação. Alfabetização e Neurociências da aprendizagem Estratégias Pedagógicas na Mediação e Inclusão Escolar

Curso de capacitação. Alfabetização e Neurociências da aprendizagem Estratégias Pedagógicas na Mediação e Inclusão Escolar Curso de capacitação Alfabetização e Neurociências da aprendizagem Estratégias Pedagógicas na Mediação e Inclusão Escolar Alfabetização e Neurociências do aprendizado Estratégias Pedagógicas na Inclusão

Leia mais

08/06/2015. Método para aprendizagem das crianças autistas no ensino fundamental

08/06/2015. Método para aprendizagem das crianças autistas no ensino fundamental Método para aprendizagem das crianças autistas no ensino fundamental Transtorno Global de Desenvolvimento. Manifesta-se antes dos 3 anos. Causado por disfunção neurológica. Estima-se que 70 milhões de

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 3 SEGUNDO PROFESSOR DE TURMA 11) Considerando os

Leia mais

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO DE INDIVÍDUOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO DE INDIVÍDUOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO DE INDIVÍDUOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA GT6 Educação, Inclusão, Gênero e Diversidade. Neuza Maria Vieira 1 Sandra Rosa Baldin 2 RESUMO O transtorno do espectro autista

Leia mais

A ARTE E O BRINCAR MELHORANDO A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MENTAL INFANTIL

A ARTE E O BRINCAR MELHORANDO A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MENTAL INFANTIL A ARTE E O BRINCAR MELHORANDO A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MENTAL INFANTIL MACHADO, Roberta Ismael Lacerda (1). BEZERRA, Tatiana Patrícia Teixeira (2) SILVA, Rossana Seixas Maia (3) 1. Universidade Federal da

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO TUTOR DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERFIL PROFISSIONAL DO TUTOR DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL PROFISSIONAL DO TUTOR DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Área profissional: Educação Segmento tecnológico: Educação a Distância Qualificação profissional: Tutor de Cursos de Educação a Distância

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

Avaliação e Diagnóstico das Perturbações do Neurodesenvolvimento

Avaliação e Diagnóstico das Perturbações do Neurodesenvolvimento Avaliação e Diagnóstico das Perturbações do Neurodesenvolvimento Duração da Formação Destinatários Local Datas 28 horas presenciais Estudantes e profissionais da área da saúde e da educação Auditório do

Leia mais

Palavras-chave: Atendimento Educacional Especializado; Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade; Prática Pedagógica.

Palavras-chave: Atendimento Educacional Especializado; Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade; Prática Pedagógica. INVESTIGAÇÃO DE INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO REALIZADO COM CRIANÇAS DIAGNOSTICADAS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE Grazielle Franciosi da Silva

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Provas para obtenção do grau de Mestre em Necessidades Educativas Especiais Domínio Cognitivo e Motor O CONTRIBUTO DA UNIDADE DE ENSINO ESTRUTURADO NO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Autonomia e Qualidade de Vida para Autistas. Estratégias, sugestões e confecções de materiais

Autonomia e Qualidade de Vida para Autistas. Estratégias, sugestões e confecções de materiais Autonomia e Qualidade de Vida para Autistas Estratégias, sugestões e confecções de materiais A INSTITUIÇÃO O Centro de Atendimento Educacional Especializado Wlamir Carlos de Oliveira Projeto Fênix Educação

Leia mais

OS DESAFIOS DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM TEA (AUTISMO): PARCERIA ENTRE SALA REGULAR E SALA DE RECURSOS

OS DESAFIOS DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM TEA (AUTISMO): PARCERIA ENTRE SALA REGULAR E SALA DE RECURSOS OS DESAFIOS DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM TEA (AUTISMO): PARCERIA ENTRE SALA REGULAR E SALA DE RECURSOS Profa. de Sala de Recursos - Rosemeire Estremeira Profa. da Sala Regular - Paula Bete Orientadora

Leia mais

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO 1º Ano / 1º Semestre / 1º Período Epistemologia e História da Psicologia I Estatística Instrumentos e Projetos de Pesquisa em Psicologia I Metodologia de Pesquisa @ Neurofisiologia

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM LEITURA E ESCRITA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO: ESTRATÉGIAS E DIFICULDADES DOS PROFESSORES

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM LEITURA E ESCRITA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO: ESTRATÉGIAS E DIFICULDADES DOS PROFESSORES DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM LEITURA E ESCRITA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO: ESTRATÉGIAS E DIFICULDADES DOS PROFESSORES Glaucea Valéria Batista Vitor (PIBIC//UENP) glauceacp95@hotmail.com

Leia mais

Plano de Atendimento Individualizado. Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014

Plano de Atendimento Individualizado. Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014 Plano de Atendimento Individualizado Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014 Atendimento Pedagógico Especializado Deve ser assegurado para

Leia mais

ARTETERAPIA O AUTISMO E A ARTE

ARTETERAPIA O AUTISMO E A ARTE A GERA BENEFÍCIOS COGNITIVOS E SOCIAIS AOS AUTISTAS! Meu objetivo em todos os portfólios de AUTISMO e EDUCAÇÃO é elencar as famílias de pessoas autistas alternativas, que irão ajudar seus filhos a levar

Leia mais

Prefeitura Municipal de Presidente Prudente

Prefeitura Municipal de Presidente Prudente ORIENTAÇÃO TÉCNICA EDUCAÇÃO INCLUSIVA SOLICITAÇÃO DE TUTORIA a) Para quem serve e o que faz o tutor? Conforme estabelece a Resolução SEDUC nº 02/2009 e outras orientações técnicas enviadas anteriormente

Leia mais

ESTUDO DE CASO: EQUOTERAPIA COM UMA CRIANÇA PORTADORA DE DISTÚRBIO AUTISTA ATÍPICO

ESTUDO DE CASO: EQUOTERAPIA COM UMA CRIANÇA PORTADORA DE DISTÚRBIO AUTISTA ATÍPICO ESTUDO DE CASO: EQUOTERAPIA COM UMA CRIANÇA PORTADORA DE DISTÚRBIO AUTISTA ATÍPICO Grubits Freire, H. B. Programa de Equoterapia da Universidade Católica Dom Bosco PROEQUO-UCDB Campo Grande / MS - Brasil

Leia mais