RS 06 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RS 06 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE"

Transcrição

1

2

3 RS 06 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE Colecção BESart Hannah Collins True Stories (Lisbon 4), 2006 Fotografia em impressão digital 175 x 235cm Edição: 1/3 Courtesy the Artist

4 GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sede Social - Av. da Liberdade, Lisboa - Portugal Capital Social: ,00 euros Mat. Cons. Reg. Com. Lisboa nº 1607 Pessoa Colectiva

5 DA RESPONSABILIDADE SOCIAL À SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO Contactos Núcleo de Responsabilidade Social Paulo Padrão telefone: Cláudia Sousa telefone: Grupo Banco Espírito Santo membro de:

6 RS 06 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE MENSAGEM DO PRESIDENTE A AGENDA DA SUSTENTABILIDADE Da Responsabilidade Social à Sustentabilidade do Negócio C s Compromisso, Concretização e Comunicação Agenda para Estratégia do Grupo BES A SUSTENTABILIDADE NA ACTIVIDADE DO GRUPO BES Criação de riqueza Caracterização do Grupo Criação de valor A Sustentabilidade nas Áreas de Negócio Banca de Particulares Banca de Empresas Gestão de Activos Project Finance UM GRUPO DE CONFIANÇA Colaboradores Clientes Accionistas e Investidores Fornecedores Media UM GRUPO RESPONSÁVEL A Gestão Ambiental na Actividade do Grupo BES Apoio às Comunidades Associações a que o Grupo BES Pertence 66

7 05 ANEXOS Detalhe das Iniciativas de Apoio à Comunidade Detalhe da Metodologia Adoptada para a Elaboração do Relatório Tabela de Correspondência GRI e Global Compact Critérios Adoptados para o Cálculo de Indicadores Glossário Relatório de Verificação 80 ÍNDICE

8 Mensagem do Presidente Com a publicação, pelo quarto ano consecutivo, do Relatório de Sustentabilidade pretendemos demonstrar o empenho assumido com o desenvolvimento sustentável dentro do Grupo BES. Investidores e Analistas Financeiros dão cada vez maior relevo ao desenvolvimento sustentável. É manifesto o entendimento comum sobre as insuficiências das abordagens tradicionais de gestão, monitorização e reporte de longo prazo. A perspectiva financeira não é suficiente para capturar e traduzir o valor do nosso negócio. Nesta óptica, necessitamos de ir para lá do reporte financeiro para relatar o nosso desempenho, em todas as dimensões mais importantes, até porque os problemas relevantes para a comunidade onde nos inserimos são demasiadamente grandes para serem analisados por um único ângulo. Os temas que carecem de soluções e que afectam as comunidades em geral vão desde o aquecimento Global, às epidemias passando pela fome, resíduos tóxicos, água potável e poluição. Em particular, o nosso objectivo na criação de valor sustentável para o Accionista é conseguido através do enfoque sistemático nas necessidades dos nossos Clientes, do comportamento ético e transparente e do reconhecimento, pela comunidade, como Grupo responsável e de confiança. A integridade e a conduta são valores fundamentais para o nosso desempenho e reputação. Em 2006, foi reforçado o Regulamento Interno do Grupo BES a ser divulgado e implementado em Concretizámos a revisão do nosso Código de Conduta, alargámos o âmbito e a implementação a todas as empresas do Grupo BES, que no seu todo contribuem para estruturar e o fazer cumprir de acordo com os princípios do Grupo BES: Verdade, Valor, Saber, Rigor e Transparência. No âmbito do modelo de Corporate Governance foram efectuadas algumas melhorias que visam a adaptação rápida a realidades em permanen- te mutação e antecipação de evoluções futuras. Neste sentido, foi feita uma profunda revisão do Sistema de Controlo Interno do Banco e criada uma Unidade de Prevenção e Detecção de Branqueamento de Capitais, enquadrada organicamente no Departamento de Compliance. Este foi um ano em que se concretizaram alguns factos importantes na estratégia de sustentabilidade do Grupo BES, designadamente, a ampliação da nossa actuação aos países com maiores carências económicas e sociais onde estamos presentes. Em Angola, foi criado o primeiro Fundo de Solidariedade a ser auditado por uma entidade externa independente, cujo objectivo é apoiar projectos na área social que contribuem para a melhoria da qualidade de vida dos Angolanos. No Brasil, continuámos o nosso envolvimento no projecto, do governo brasileiro, de integração social de jovens via mercado de trabalho. Na área de Project Finance foram consolidados os Princípios do Equador financiando um conjunto de projectos que contribuem para o desenvolvimento ambiental e social das Comunidades em que estamos presentes. Neste campo fomos os protagonistas da maior operação de financiamento de parques eólicos e centrais hídricas, celebrada até à data em Portugal e a maior na Europa, no sector da energia. Foi também o ano em que apresentámos ao mercado a linha de Microfinança do Grupo BES, com produtos direccionados para empresas e particulares que permite conciliar as capacidades da instituição financeira do Grupo BES com as aptidões empreendedoras de alguns indivíduos e de determinados segmentos do nosso tecido empresarial, com dificuldades de acesso aos serviços financeiros tradicionais. Sob a assinatura Realizar Mais, designadamente no contributo para o aumento dos conhecimentos básicos financeiros da sociedade portuguesa, iniciámos o Programa de Literacia Financeira que pretende contribuir para responder às carências existentes e incentivar o ensino e aprendizagem da matemática. 06 RELATÓRIO DE GESTÃO

9 Na procura da excelência nas práticas do desenvolvimento sustentável dentro do Grupo BES, este relatório já foi elaborado para cumprir com o nível A+ das directrizes do Global Reporting Initiative G3 (1), incluindo igualmente a adequação aos princípios do Global Compact das Nações Unidas, e desenvolvido com o objectivo de reflectir o feedback dos nossos principais grupos de Stakeholders sobre o Relatório de Sustentabilidade do Grupo BES de Esperamos que, com a leitura deste relatório, seja possível ter uma visão sobre o desempenho do Grupo BES no contexto mais amplo do percurso que estamos a seguir para construir um negócio de longo prazo verdadeiramente sustentável. Assumimos que ainda temos um longo caminho a percorrer para cumprir com os objectivos a que nos propomos. Estamos convictos que com o diálogo estabelecido com os nossos Stakeholders e com o contributo especial dos nossos Accionistas, Clientes e, em particular, dos nossos Colaboradores continuaremos a marcar a diferença. É esta a nossa determinação. Ricardo Espírito Santo Silva Salgado Presidente da Comissão Executiva (1) Versão mais recente do standard GRI lançada em Outubro de BES 06 07

10

11 01 A AGENDA DA SUSTENTABILIDADE Colecção BESart Matt Mullican Untitled (Default Atmosphere) # 12, x 100 cm Impressão digital RS 06

12 1.0 A Agenda da Sustentabilidade O quarto Relatório de Sustentabilidade do Grupo BES, é um dos meios de comunicação do desempenho não financeiro do Grupo, constituindo por si só um compromisso com a interiorização da sustentabilidade e na adopção efectiva de práticas e comportamentos susceptíveis de proporcionar um equilíbrio dinâmico e progressivo na criação de valor para as diversas partes interessadas. Para o Grupo BES, a sustentabilidade é um factor de competitividade aos mais diferentes níveis: comercial, reputação e imagem, mercado de capitais e mercado de trabalho (captação e retenção de talentos). Este relatório reflecte a forma como o Grupo tem vindo a desenvolver e pretende dar continuidade ao progresso deste factor de competitividade. Princípios do Desenvolvimento Sustentável do Grupo BES... O compromisso geral para o desenvolvimento sustentável orienta a nossa acção; O comportamento ético e a integridade pessoal e profissional guiam o desenvolvimento das nossas actividades; A transparência é a nossa exigência; Reconhecemos que o sector financeiro tem um papel determinante para o desenvolvimento ambiental; A criação de valor é o nosso objectivo; O Cliente está no centro das nossas preocupações; O diálogo com as partes interessadas é o ponto de partida do exercício da responsabilidade social; A qualidade e o bem-estar da nossa equipa é a chave do nosso sucesso; A solidariedade é um aspecto incontornável da nossa missão / actuação. Para mais informações consultar: > Responsabilidade Social > Realizar Mais Direcção de Negociação e Compras Fornecedores; Gabinete de Relações com Investidores Accionistas, Investidores e Analistas Financeiros; Departamento de Comunicação Comunidade e Media; O Departamento de Obras e Património (DOP), Project Finance, Departamento de Negociação e Compras (DNC) e Departamento de Comunicação (DC) gerem entre si a questão ambiental, sendo o DOP responsável pelas questões relacionadas com os consumos de energia e água, o DNC pelos consumos de papel e materiais informáticos e respectiva reciclagem, o Project Finance gere a questão ambiental na vertente do investimento e o DC é responsável pelos contactos com a empresa que realiza a medição das emissões de gases com efeito de estufa e respectiva neutralização. A actividade deste núcleo é dinamizada pelo Departamento de Comunicação, o qual reporta directamente à Comissão Executiva e reúne com uma periodicidade aproximadamente trimestral, havendo reuniões extraordinárias do Departamento dinamizador com os representantes das áreas pertinentes para assuntos em agenda. As principias competências do Núcleo de Responsabilidade Social são: - Delinear objectivos estratégicos no âmbito da sustentabilidade; - Definir objectivos, garantir a sua implementação e aferir os resultados alcançados; - Dinamizar a elaboração do relatório de sustentabilidade do Grupo e garantir a sua fidedignidade. Comissão Executiva Núcleo de RSE Departamento de Comunicação Departamento de Negociação e Compras Departamento de Compliance Departamento da Qualidade de Serviço Departamento de Recursos Humanos Departamento de Obras e Património Gabinete de Relações com Investidores Modelo de Governo da Sustentabilidade no Grupo BES A sustentabilidade no Grupo BES é gerida por um núcleo de responsabilidade social constituído por 11 pessoas, que incluem os quadros directivos dos Departamentos que o compõem. O Núcleo trabalha a sustentabilidade da forma como esta temática é encarada pelo Grupo BES em termos de estrutura, ou seja, uma vez que existem diversos Stakeholders, são os diferentes responsáveis directos pelo relacionamento com as várias partes interessadas que desenvolvem as temáticas: Departamento de Qualidade de Serviço Clientes; Departamento de Recursos Humanos Colaboradores; Accionistas Colaboradores Clientes Media Investidores Entidades Reguladoras Fornecedores Associações/ONG s 10 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

13 1.1 Da Responsabilidade Social à Sustentabilidade do Negócio O Grupo BES tem seguido de forma consistente a trajectória da Responsabilidade Social para a Sustentabilidade do Negócio. A sustentabilidade no Grupo tem sido conseguida, essencialmente, pela adopção, por parte das Áreas de Negócio mais relevantes, de um conjunto de medidas, comportamentos e criação de produtos inovadores que contribuem de forma positiva para o desenvolvimento do Grupo e das comunidades que influencia, designadamente em países como Angola e Brasil. Em 2006, o Grupo BES concretizou o seguinte: Criação de Valor (Capítulo 2.2 e Relatório e Contas do Grupo BES 2006 nas pág. 12, 15 e 16) Aumento do capital social do BES de milhões de euros para milhões de euros através da emissão de 200 milhões de novas acções; O exercício de 2006 foi marcado por um forte dinamismo da actividade do Grupo, que se traduziu num aumento de 18,1% dos activos totais para cerca de 85 mil milhões de euros. O resultado do exercício totalizou 420,7 milhões de euros, um crescimento de 50% face ao apurado em 2005, representando uma Rendibilidade dos Capitais Próprios (ROE) de 14,7%; Durante 2006, a cotação da acção do BES registou uma valorização de 27,6% superior à obtida em 2005, que se situou em 2,26%; Os Conselhos de Administração do BES e do BESSA aprovaram o processo de fusão por incorporação da filial espanhola do BES que passará a actuar directamente em Espanha através de uma sucursal. Risco e Transparência (Capítulo 2.2 e Relatório e Contas do Grupo BES 2006 nas pág. 48 a 49 e no Relatório de Corporate Governance na pág. 24) Revisão do Código de Conduta e atribuição da responsabilidade pela supervisão de todo o Código ao Departamento de Compliance. Criação do Regulamento Interno do Grupo BES; O Sistema de Gestão do Risco Operacional foi alvo de um processo de revisão independente, coordenado pelo Departamento de Compliance e realizado com a participação do Departamento de Auditoria Interna. O processo de monitorização do risco de crédito foi estendido ao BESA, sendo objectivo do Grupo a extensão a outras entidades do Grupo BES; Foi realizado um forte investimento na formação no âmbito da Prevenção do Branqueamento de Capitais, destacando-se a realização de um curso de e-learning frequentado por Colaboradores do BES e do BES dos Açores; No âmbito do Acordo Basileia II, o Grupo desenvolveu um conjunto de iniciativas de carácter operacional e de negócio, com o objectivo de conhecer melhor os seus processos, mitigar potenciais riscos e focalizar a política de concessão de crédito na qualidade da actividade e nos comportamentos, praticados pelos seus Clientes. Áreas de Negócio (Capítulo ) Reforço na diversificação da oferta para alguns grupos de Stakeholders com maiores dificuldades de acesso a produtos financeiros: séniores, novos residentes, estudantes, desempregados e desfavorecidos. Como resultado deste empenho, verificou-se um aumento de 54,7% no número de Clientes para o segmento Novos Residentes. Destaca-se, entre outros produtos, a oferta Boas Vindas adequada às necessidades dos primeiros dois anos de permanência dos imigrantes em Portugal; Lançamento da linha de microcrédito, enquadrada numa oferta mais vasta de Microfinança, que abrange serviços e soluções financeiras desenvolvidos para segmentos com necessidades específicas; O Grupo continuou a sua aposta no desenvolvimento do segmento de Pequenas e Médias Empresas e de Micro Empresas. Em 2006, o fundo FAME deixou de ter uma actuação confinada à região algarvia e foi estendido a todo o país; Participação na revisão dos Princípios do Equador e confirmação da sua adesão em Foi feita a revisão e classificação de todos os projectos, incluindo os que ocorreram antes do Grupo ter aderido aos Princípios do Equador. A actividade de Project Finance do Grupo BES foi caracterizada por um forte dinamismo no financiamento a projectos de energias renováveis, com especial realce para o financiamento a parques eólicos e projectos hídricos. Stakeholders (Capítulo 3) Implementação de mecanismos de auscultação de Clientes externos e internos que permitiram implementar um conjunto de medidas que resultaram na redução do índice de reclamações em 0,8 pontos e no aumento do nível de satisfação dos Clientes muito satisfeitos com a qualidade de atendimento. Foi também obtida a certificação ISO 9001:2001 do Internet Banking Empresas; Em Angola foi inaugurado um Balcão Escola (no novo edifício sede) com intervenção importante na formação e integração dos Colaboradores do BES Angola; Com o objectivo de colmatar as deficiências do sistema nacional de saúde angolano, a qualidade dos serviços médicos e de saúde básicos prestados, foi posto à disposição dos Colaboradores do BES Angola um seguro de saúde com cobertura de 100% das despesas de saúde do Colaborador e do seu agregado familiar directo; Criação da Espírito Santo Recuperação de Crédito, ACE (ESRC) com o objectivo de potenciar a visão única do Cliente e de optimizar o processo de recuperação de crédito. Este modelo surgiu numa estratégia de melhoria de serviço face à situação até aí existente condicionando fortemente a eficácia e a eficiência no que respeita à visão única do Cliente. GRUPO BES 06 11

14 Gestão Ambiental (Capítulo 4.1) No âmbito da estratégia de alterações climáticas, o BES decidiu compensar as emissões de gases com efeito de estufa do Congresso Anual do Grupo BES, através do investimento num projecto de produção de electricidade tendo como fonte energética a biomassa. Neutralizou igualmente as emissões do evento Óbidos Vila Natal Banco Espírito Santo, pela distribuição de lâmpadas de baixo consumo aos visitantes do parque temático para substituição das lâmpadas convencionais; O BES obteve a melhor classificação no segmento Banca e ficou classificado na 15ª posição, num universo de 51 empresas, no índice Responsabilidade Climática em Portugal ( ACEGE/Euronatura). Apoio às Comunidades (Capítulo 4.2 e em > Responsabilidade Social > Comunidade e Meio Ambiente) Foi criado em Angola o Fundo de Solidariedade no valor de cerca de 1 milhão de dólares. Este fundo apoia projectos da área social que promovam iniciativas de Solidariedade Social e contribuam para uma melhoria da qualidade de vida dos angolanos. Será o primeiro fundo angolano a ser auditado por uma terceira entidade independente externa; Lançamento do programa Da Matemática à Literacia Financeira, um projecto de comunicação escolar que contribuiu para responder às carências existentes no que respeita ao incentivo e estímulo ao ensino e aprendizagem da matemática, preparando os jovens para a compreensão da informação financeira e para a gestão do seu orçamento pessoal, entre outros; Destacam-se ainda os serviços disponibilizados aos Clientes séniores, os estágios BES up, o Concurso Nacional de Inovação BES, as diversas actividades de Mecenato do Grupo, onde o BES se distingue como Mecenas da Fotografia em Portugal e o envolvimento do BESI, no Brasil, no programa governamental de integração de jovens no mercado de trabalho. Indicadores chave do Grupo BES Indicadores chave /06 Balanço (milhões euros) Activos totais (1) ,1% Activos líquidos ,8% Crédito a clientes ,9% Total de recursos de clientes ,9% Fundos próprios e equiparados ,8% Resultado líquido 280,5 420,7 50,0% Rendibilidade (%) ROE 13,5 14,7 - ROA 0,61 0,81 - Produtividade e Eficiência Custos operativos/activos totais 1,2 1,1-8,3% Activos por colaborador (1) (milhares euros) ,9% Cost to income (%) 56 52,3-3,7 p.p. Ratings A curto prazo Standard&Poor s A2 A2 - Moody s P1 P1 - FITCHRatings F1 F1 - A longo prazo Standard&Poor s A- A- - Moody s A1 A1 - FITCHRatings A+ A+ - Dimensão Número de Clientes (milhões) 1,6 1,7 5,9% Número de Colaboradores ,3% Número de Balcões Social Taxa de rotatividade (%) (2) 36, Formação por Colaborador (horas) (3) 34,5 67,8 - Donativos (milhares de euros) (4) 1 944, ,9 - Patrocínios (milhares de euros) 8 631, ,1 6,1% Ambiental Consumos de Electricidade (Kwh/colaborador) (5) do BES Emissões de CO 2 e (tco 2 e/colaborador) do BES 6,1 5,9-3,3% Consumo de papel por ano (resmas/colaborador) (6) 48,8 48,3-0,1% (1) Activo Líquido + Actividade Asset Management + Outra Desintermediação Passiva + Crédito Securitizado. (2) O valor de 2005 foi calculado de acordo com a metodologia utilizada em 2006 (BES, BESI, ESAF, BEST, BAC e BESSA). (3) O valor de 2005 foi calculado de acordo com as metodologias utilizadas em O âmbito de 2005 engloba o BES e BIC e de 2006 BES, BAC, BEST, BESI, ES Bank, BESSA e ESAF. (4) Os valores de 2005 não são directamente comparáveis com os valores de O âmbito de 2005 engloba BES e BIC e de 2006 BES, BEST, BESI, ES Bank, BESA, BESSA e ESAF. (5) Em 2005 foi calculado por estimativa. Em 2006 são valores reais, exceptuando o mês de Dezembro (estimativa). (6) Inclui papel branco, papel reciclado e impressos finishing para extratação ( BES, BEST e BAC). 12 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

15 Prémios Best Trade Finance Bank - prémio atribuído pela Revista Global Finance. O Banco Espírito Santo foi distinguido pela revista Global Finance como Best Trade Finance Bank em Portugal, um prémio que distingue os melhores Bancos a actuar na área de Trade Finance em 57 Países. De entre os critérios utilizados para a escolha dos melhores Bancos, destacam-se o volume das operações, a presença e cobertura internacional, a estrutura comercial, as plataformas tecnológicas utilizadas e a política de pricing do Banco. Renewable Deal of the year - prémio atribuído pela Project Finance International. A maior operação de financiamento de parques eólicos e centrais hídricas em regime de Project Finance celebrada até à data em Portugal no sector da energia e a maior na Europa em 2006, em cujo processo de estruturação, negociação e contratação o BESI assegurou as funções de documentation bank. Esta operação foi distinguida pela Project Finance International com o Renewable Deal of the Year C s Compromisso, Concretização e Comunicação O programa Realizar Mais constitui a forma mais tangível de actuação do Grupo BES no âmbito da responsabilidade social. Permite concretizar os princípios e a missão do desenvolvimento sustentável num conceito inovador que consiste na divulgação das boas práticas do Grupo potenciando a transparência, a clareza e o diálogo com as partes interessadas. A estratégia de responsabilidade social é expressa através do modelo 3 C s : comprometer, concretizar e comunicar. GRUPO BES 06 13

16 Modelo 3 C s do Grupo BES Compromisso com as partes interessadas (Stakeholders) Comissão Executiva Accionistas e Investidores Colaboradores Clientes Comunidade Fornecedores Concretização Desenvolvimento das acções/planos de RSE Transversal a todas as empresas e departamentos do Grupo BES Comunicação Prestação de Contas e Criação do Efeito de Demonstração Análise de progresso dos compromissos de Sustentabilidade para 2006 Compromisso Prazo Concretização Comunicação Reforçar o modelo de diálogo com os Stakeholders. Traçar uma estratégia mais focada nos processos internos, nomeadamente nos relacionados com a gestão ambiental interna. Implementação de um programa destinado a reforçar a literacia financeira junto dos mais jovens. Associação à criação do primeiro Prémio de Jornalismo de Sustentabilidade. Promoção do empreendedorismo social. Maior disseminação aos Colaboradores de informação na área dos Direitos Humanos e no âmbito do Global Compact. Divulgação de informação aos Colaboradores na área da saúde, nomeadamente relacionada com a prevenção do HIV/SIDA e no domínio do nutricionismo. Formação sobre os Princípios do Equador e definição de uma metodologia de aplicação dos mesmos. Maior capacidade para recolher opiniões dos Colaboradores. Informar e dar a conhecer a actuação em matéria de Desenvolvimento Sustentável, nomeadamente a Clientes. Redução do consumo de papel 2006 Realização de um estudo de materialidade com objectivo de validar quais os aspectos relevantes, identificar os pontos fortes/fracos do relatório de sustentabilidade de 2005 do Grupo BES e recolha de sugestões de melhoria. Em 2006 foi reforçado o diálogo com os Colaboradores através da realização do inquérito de motivação. O estudo de materialidade efectuado, permitiu ao Banco alinhar este documento com as suas expectativas e consequentemente na definição e revisão de algumas estratégias a serem enquadradas no âmbito da sustentabilidadade Definição de um procedimento de gestão de resíduos, para aumentar a recolha selectiva e envio dos resíduos para os destinos mais adequados. Manutenção do processo de levantamento das emissões dos gases destruidores da camada de ozono. Foram efectuadas iniciativas onde se fez a compensação das emissões Este programa foi concretizado durante o ano de 2006 e terá continuidade em Realizou-se a primeira edição e, em 2007, terá lugar a segunda edição Lançamento da linha de microcrédito criada em parceria com a ANDC Foi publicado na intranet do Grupo (BESweb) a Declaração Universal dos Direitos Humanos Publicação na intranet do Grupo do documento " Porque a Sida existe", produzido pela ESUMÉDICA que tem como objectivo sensibilizar e alertar os Colaboradores para esta doença O Grupo em 2006 classificou e reclassificou os seus financiamentos de acordo com o estabelecido pelos Príncipios do Equador. A formação foi adiada porque está em processo a selecção de uma aplicação informática para apoio na classificação dos projectos Foi realizado um inquérito de motivação de Colaboradores Foi um objectivo parcialmente concretizado, e terá continuidade em Em 2006 a adesão ao extracto digital aumentou graças às acções de comunicação efectuadas. Pretende-se dar continuidade a este projecto em O resultado do estudo de materialidade e dos inquéritos realizados fazem parte do conteúdo deste relatório. O procedimento foi comunicado internamente via intranet do Grupo. As iniciativas de compensação foram comunicadas para o exterior. Website do Grupo BES, no Relatório de Sustentabilidade e através dos Media. Website do Grupo BES, no Relatório de Sustentabilidade e através dos Media. Realização de um evento para lançamento público da linha de microfinança. Intranet do Grupo Intranet do Grupo Sensibilização dada às equipas de Project Finance do Grupo sobre os Princípios de Equador n.a. O Relatório foi divulgado na Assembleia Geral Anual do Grupo BES, disponibilizado no site, para além de ter sido enviado por para os diferentes Stakeholders. A Sustentabilidade foi divulgada igualmente na newsletter Valor BES. Comunicações dirigidas aos Clientes 14 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

17 1.3 Agenda para Compromissos do Grupo BES Prazo Políticas Aprofundamento da Estratégia de Sustentabilidade do Grupo BES para enquadrar a crescente actividade internacional; 2008 Definir, divulgar e implementar uma Política Ambiental; 2008 Divulgação do Código de Conduta revisto; 2007 Divulgação e implementação do Regulamento Interno Produtos Continuar o desenvolvimento de produtos para segmentos de particulares com dificuldades de acesso à Banca tradicional; 2009 Implementação da aplicação informática de avaliação de projectos no âmbito dos Princípios do Equador Gestão de Recursos Implementação dos Planos de Contigência; 2007 Adopção de medidas que conduzam à minimização do impacto de emissões de gases com efeito de estufa; 2009 Definir objectivos de redução do consumo de papel e implementar medidas; 2008 Adopção de processos de tratamento de equipamentos obsoletos Comunicação No âmbito do lançamento de produtos ou acções institucionais realizar-se-ão várias iniciativas de comunicação aos Colaboradores como forma de transmissão de conhecimentos prévios do que o Grupo tenciona realizar; 2007 Realização de acções em datas significativas do calendário nacional (Natal, Páscoa, Dia da Mãe, etc.) que, cumulativamente, assinalem a efeméride e motivem os Colaboradores Social Implementação do Fundo de Solidariedade em Angola; 2007 Criar o Subsídio de Apoio Escolar Operacional Definir e implementar mecanismos de consolidação de dados não financeiros do Grupo; 2008 Definir um mecanismo de monitorização da implementação dos Princípios de Conduta para Fornecedores Âmbito do relatório O Relatório de Sustentabilidade, referente ao ano de 2006, foi elaborado de acordo com o novo standard do Global Reporting Initiative (GRI) G3, lançado a 4 de Outubro de 2006 e abrange todas as sociedades do Grupo BES de acordo com o princípio de consolidação (inclui todas as empresas do Grupo sobre as quais o BES detém o controlo). Os indicadores, de uma forma geral reportam os dados das empresas cujas contas consolidam no Grupo BES. Em termos de indicadores sociais o âmbito deste relatório reporta os dados dos colaboradores das seguintes empresas: BES BES Espanha BES dos Açores ES Bank Best BES Investimento ESAF Este âmbito representa 88% dos Colaboradores do Grupo BES e aproximadamente 78% do resultado líquido do Grupo em Em termos ambientais o reporte circunscreve-se ao BES, BES dos Açores e BEST, que representam, em termos de colaboradores, 71% do Grupo. Sempre que o âmbito do indicador é diferente do âmbito do relatório (Grupo BES), o mesmo é referido junto ao indicador ou no anexo da tabela de correspondência GRI. Quando o âmbito diz respeito ao Banco Espírito Santo em Portugal utiliza-se a sigla BES. Este relatório procurou responder a todos os indicadores sociais, ambientais e económicos essenciais (de acordo com o G3), exceptuando aqueles que, pela sua natureza e conteúdo, se tenham revelado irrelevantes (imateriais) para a actividade do Grupo BES. Em anexo é apresentada a tabela de correspondência GRI e as explicações sobre as limitações e omissões referentes a indicadores. GRUPO BES 06 15

18 A leitura do presente relatório deve ser complementada com a leitura do Relatório e Contas do Grupo BES e com a leitura do Relatório de Corporate Governance referentes a Os requisitos 4.1 a 4.10 do GRI G3 são na maioria respondidos pela leitura deste último relatório. Com o objectivo de se dar resposta ao princípio da materialidade, requisito do GRI G3, foi desenvolvido um estudo, junto dos grupos de Stakeholders (partes interessadas) com impacto na actividade e tomada de decisão do Grupo BES, na tentativa de identificar os seus interesses e expectativas em relação ao presente relatório. No anexo 5.2 é descrito com detalhe o estudo de materialidade realizado. O âmbito do relatório de 2006 não iria permitir a comparabilidade com os dados apresentados no Relatório de Sustentabilidade de 2005, pelo que, sempre que possível, foi feita uma nova recolha de dados referentes a 2005, de acordo com os critérios de Para os dados de 2004 não foi possível apresentar os valores de acordo com o critério de 2006, pelo que se optou por não incluir no relatório. Os dados e critérios que prevalecem são os de Em 2007, serão apresentadas séries de dados de três anos de acordo com os novos critérios. Âmbito do Relatório de Sustentabilidade do Grupo BES - Área de Negócio e País Ásia China América Venezuela Canadá EUA Brasil África África do Sul Angola Europa Polónia Irlanda Itália Suiça Inglaterra Alemanha França Espanha Portugal Âmbito Banca de Particulares Fora do âmbito Banca de Empresas Banca de Investimento Gestão de Activos Verificação A informação constante neste Relatório de Sustentabilidade foi verificada por uma entidade independente, a Deloitte & Associados, SROC, S.A. de acordo com o âmbito explicitado no respectivo relatório de verificação, seguindo os princípios definidos pela ISAE 3000 (International Standard on Assurance Engagements 3000). A verificação tem como objectivo reforçar a credibilidade sobre a informação apresentada neste relatório. Acresce ainda a Unidade de Controlo Interno que garante em permanência a fiabilidade do relato interno e reporte externo. 1.4 Estratégia do Grupo BES O Grupo Banco Espírito Santo tem por objectivo central da sua actividade a criação de valor para Clientes, Colaboradores e Accionistas. Entende como primeira e fundamental missão alinhar uma estratégia de reforço constante e sustentado da sua posição competitiva no mercado com um total respeito pelos interesses e bem-estar dos seus Clientes e Colaboradores. Entende que é seu dever permanente contribuir, de forma cada vez mais aprofundada e proactiva, para o desenvolvimento social, cultural e ambiental do País. As práticas pelas quais o Grupo BES se tem orientado são suportadas pelos princípios do desenvolvimento sustentável que têm norteado este Grupo. Reforçar o posicionamento competitivo do Grupo BES em Portugal Ao longo dos últimos anos, o BES tem vindo a consolidar uma abordagem comercial diferenciada para os diversos segmentos de particulares e empresas. Com a integração do BIC no BES, passou a dispor de uma rede única de 605 balcões, à data de 31 de Dezembro de Paralelamente, desenvolveu novas iniciativas de captação de Clientes, onde se destaca o canal Assurfinance. Já no início de 2006, a adopção de uma nova identidade corporativa veio comprovar a capacidade de renovação e reinvenção do Banco Espírito Santo, rejuvenescimento este que é o corolário de um conjunto de acções desenvolvidas nas áreas da qualidade de serviço, segmentação e reforço da conveniência e acessibilidade dos Clientes. O aumento de capital realizado em 2006 de milhões de euros para milhões de euros teve como objectivos essenciais, por um lado, permitir o reforço do posicionamento competitivo em Portugal, nomeadamente através da aquisição de 50% do capital da BES Vida, o que representa uma participação directa no negócio de Banca Seguros, e por outro sustentar uma expansão internacional focada no eixo Atlântico: Península Ibérica, Angola e Brasil. Reforçar o crescimento nos mercados internacionais A expansão internacional do Grupo BES tem sido pautada por critérios de elevada selectividade para os mercados considerados naturais dos seus Clientes particulares e Empresas portuguesas, ou seja, os principais centros de emigração e países de maior grau de afinidade cultural com Portugal, onde as perspectivas de crescimento sejam potenciadoras da criação de valor no Grupo. Em Espanha, o Grupo visa reforçar a sua competitividade no segmento de Banca privada/banca de afluentes e sistematizar uma abordagem ibérica na área de Banca de empresas (especialmente nas médias empresas), em articulação com a actividade de Banca de Investimento. Desta forma, pre- 16 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

19 tende captar o potencial de crescimento da economia espanhola e prestar um apoio integrado e global às empresas portuguesas em Espanha, como também às empresas espanholas com relação comercial ou intenção de investir em Portugal. No mercado angolano, o BES Angola (BESA) pretende reforçar a sua presença local, através da expansão da rede de agências, e desenvolver competências ao nível da Banca de Médias e Grandes Empresas, em articulação com a actividade da Banca de Investimento. Com esta evolução do modelo de negócio, o BES Angola visa abordar as empresas presentes no mercado angolano, bem como as empresas portuguesas que pretendam investir cada vez mais num mercado com elevadas perspectivas de crescimento. No Brasil, o Grupo pretende reforçar a sua posição na Banca de Investimento através do apoio a empresas portuguesas com relações comerciais com o Brasil e a empresas brasileiras que pretendem aceder a mercados europeus. Por outro lado, pretende tirar partido da parceria com o Bradesco e dos pressupostos de crescimento da economia brasileira. Os resultados de 2006 do Grupo BES, são um indicador da capacidade do Grupo vir a alcançar os objectivos apresentados: Clientes: captação de novos Clientes particulares e de 700 novos Clientes empresa; Aumento da quota de mercado para 19% (versus 18% em 2005); Actividade internacional: o produto bancário cresceu 28,2% (versus 7,9% no produto bancário nacional); o resultado líquido da actividade internacional atingiu 93,2 milhões de euros, contribuindo com 22% para o total consolidado; Contenção de custos: os custos totais cresceram 3,5%; no mercado nacional o aumento foi de 1,8%; diminuição do cost to income para 52,3% (56% em 2005). Informação mais detalhada sobre a estratégia e resultados de 2006 do Grupo BES pode ser consultada no Relatório e Contas de 2006 nas pág. 12, 22, 23, 31 e 32, no Relatório de Corporate Governance na pág. 21 e em > Investidor > Informação Financeira. No início de 2006, foram apresentados os seguintes objectivos estratégicos do Grupo BES para o triénio (consultar em > Sobre o BES > Missão e Objectivos Estrategicos): Rendibilidade média dos capitais próprios de 15% durante o período; Crescimento médio anual de 20% nos resultados líquidos, baseado no: a. Crescimento sustentado da actividade doméstica, de forma a aumentar a quota de mercado média para 20%; b. Aumento da contribuição dos resultados líquidos, gerados nas operações internacionais, para 35% do resultado líquido consolidado; Cost to Income (relação entre custos operativos e proveitos) inferior a 50% em Estes objectivos têm como principais pressupostos a recuperação gradual, mas sustentada, do crescimento da economia portuguesa e o crescimento do crédito e dos recursos de Clientes no mercado português. A implementação destes objectivos assenta em cinco pilares fundamentais: Melhoria das perspectivas Crescimento acelerado do PIB e maior crescimento em volume macroeconómicas do negócio do Grupo. Crescimento Orgânico Aumento da taxa de penetração de produtos na actual base de Clientes, adopção de iniciativas de captação de Clientes e Assurfinance. Banca Seguros Aumento da exposição ao negócio de seguros vida através da BES Vida aquisição de 50% da BES Vida (anterior Tranquilidade Vida). Presença Internacional Desenvolvimento e expansão das operações e parcerias internacionais: Espanha, Brasil e Angola. Redução do custo do risco mediante eficiente gestão de riscos. GRUPO BES 06 17

20

21 02 A SUSTENTABILIDADE NA ACTIVIDADE DO GRUPO BES Colecção BESart Matt Mullican Untitled (Default Atmosphere) # 15, x 100 cm Impressão digital RS 06

22 2.0 A Sustentabilidade na actividade do Grupo BES A sustentabilidade depende da continuidade na criação de valor de longo prazo para o Accionista, da minimização e mitigação do risco, do progresso contínuo do negócio e da perseverança na procura da gestão de activos das gerações futuras. No Grupo BES, o diálogo estabelecido com os diferentes grupos de Stakeholders, o acompanhamento das tendências do negócio financeiro, nomeadamente do negócio bancário, a monitorização dos riscos e a realização de benchmarks sobre o desempenho do Grupo, permitem identificar um conjunto de oportunidades e desafios que se reflectem nos processos, e nos procedimentos adoptados, bem como na oferta diversificada de produtos e serviços. Os trabalhos de pesquisa e de investigação desenvolvidos e o enfoque do Grupo na análise dos diferentes sectores industriais e cenários sócio-económicos do país, nomeadamente a desertificação do interior (em especial da região alentejana), a exclusão financeira, a pobreza e o aumento do tempo de reforma têm constituído desafios que possibilitam ao Grupo BES desenvolver uma oferta ajustada por cada área de negócio. Com este intuito foi criada a linha de microfinança desenvolvida para apoiar particulares e o tecido das pequenas e médias empresas. A responsabilidade de cidadania do Grupo BES envolve também a participação na implementação de políticas nacionais que contribuem para o desenvolvimento sustentável de Portugal. Neste contexto, o BES estabelece protocolos com os Organismos Coordenadores do Estado (IAPMEI, Instituto de Turismo de Portugal e Agência Portuguesa para o Investimento), responsáveis pela distribuição de incentivos comunitários. O BES é chamado a complementar, articulando directamente a montagem das operações de financiamento com os Organismos Coordenadores, os projectos de investimento dos promotores. Os aspectos acima referidos, bem como a prevenção do sobre endividamento e o apoio a Clientes em dificuldade financeira, a promoção e disponibilização de fundos éticos e fundos de carbono, o apoio e a promoção à inovação, a avaliação de projectos objecto de financiamento à luz de critérios ambientais e sociais, bem como o apoio a projectos que visam o cumprimento de metas ambientais (nomeadamente no quadro das alterações climáticas), constituem os principais desafios à actividade que o Grupo BES desenvolve. Estes desafios, na sua generalidade, têm vindo a ser endereçados pelo Grupo BES, que tem sabido transformar em oportunidades de desenvolvimento de negócio, seja pela via do aperfeiçoamento dos mecanismos de gestão interna, pela via do desenvolvimento da oferta ou da melhoria da imagem e reputação. Estes aspectos são também aqueles que o Grupo BES considera corresponderem aos seus principais impactos na sustentabilidade. Para além destes, que se prendem em grande medida com a relação com os Stakeholders externos, existem igualmente aspectos relacionados directamente com a gestão de factores internos, que são também importantes do ponto de vista da sustentabilidade. Estes prendem-se com a gestão dos recursos humanos, as condições de trabalho e a gestão ambiental interna. O Grupo BES considera que no plano ambiental o seu impacto é relativamente pouco relevante, sendo mais importante a influência positiva que pode induzir em terceiros, através das actividades como o Project Finance, o Research e a disponibilização de fundos éticos. Este facto, que foi corroborado pelo estudo de materialidade que foi efectuado, não coíbe que o Grupo assuma a sua cota parte de responsabilidade e que dinamize algumas acções que visam melhorar a gestão ambiental interna. Sendo um Grupo com Colaboradores, os aspectos relacionados com a gestão de recursos humanos e condições de trabalho, assumem-se como relevantes na sua generalidade, tal como foi igualmente comprovado pelo estudo de materialidade efectuado. Do ponto de vista dos principais Stakeholders do Grupo BES (que constituíram a base desse estudo), os indicadores do GRI considerados relevantes foram: Não obstante o BES participar no financiamento de políticas públicas, o Banco não intervém nem influencia a elaboração das políticas governamentais. A reputação, o risco e o combate à fraude são temas sensíveis no sector financeiro, pelo que o Grupo BES continua a desenvolver os seus processos e procedimentos que visam a gestão do risco, reputação e transparência no relacionamento com os diferentes grupos de Stakeholders. Tipo de indicador Económico Ambiental Social Indicadores GRI considerados materiais pelos Stakeholders EC1, EC2, EC3, EC6, EC7, EC8 EN11, EN12, EN16, EN26 LA1, LA2, LA4, LA5, LA8, LA10, LA13, LA14 HR1, HR2, HR4, HR5 SO2, SO3, SO4, SO5, SO8 PR1, PR9 Nota: Consultar Anexo 5.3 para complemento das designações dos indicadores. 20 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

23 O modo como são geridos os desafios e oportunidades, bem como os aspectos identificados como relevantes pelos stakeholders e o desempenho obtido, durante o exercício de 2006, incluindo as estruturas e mecanismos de governação para o efeito, são apresentados ao longo deste relatório. A sustentabilidade é um processo dinâmico e o Grupo está consciente que tem um longo caminho a percorrer, não só em Portugal, como também nos países com maiores carências em que opera, nomeadamente Angola e Brasil. 2.1 Criação de riqueza Caracterização do Grupo O Grupo BES desenvolve a sua actividade no sector financeiro (Banca) com posições de destaque em áreas estratégicas de negócio como a Banca de Particulares (Banca de Retalho e Private Banking), Banca de Empresas, Banca de Investimento e Gestão de Activos. Com sede em Lisboa e cotado no Euronext Lisbon, está sujeito à supervisão do Banco de Portugal e da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e internacionalmente pelas entidades que regulam os sectores financeiros nos países onde opera. O Grupo BES está presente nos seguintes índices: PSI 20, Euronext 100, Dow Jones Eurostoxx, Dow Jones Stoxx 600 Banks, FTSE All World Developed. O Grupo Banco Espírito Santo caracteriza-se por: Ser a terceira maior instituição financeira em Portugal (Banco Espírito Santo, S.A.) em termos de activos líquidos totais (59,1 mil milhões de euros em 31 Dez. 06); Ter uma quota média de 19% no mercado bancário português; Ser o segundo maior Banco cotado; Ser o quarto maior Grupo no PSI 20, com uma capitalização bolsista de 6,8 mil milhões de euros em 31 Dez. 06; Ter cerca de 1,7 milhões de Clientes em Portugal e cerca de 45 mil no resto do mundo; Dispor, a data de 31 Dezembro de 2006, de uma rede de retalho de 669 balcões, complementada com 28 Centros Private, 27 Centros de Empresas e 23 plataformas a operar internacionalmente. Para mais informação sobre o Grupo consultar em > Institucional > Sobre o BES > Estrutura do Grupo. GRUPO BES 06 21

24 Presente em 4 continentes e 18 países, 1,78 milhões de Clientes, Colaboradores. Resto Mundo 150 Colaboradores 2,6 milhões de euros Europa Colaboradores 392 milhões de euros Principais Joint Ventures Brasil 137 Colaboradores 5,8 milhões de euros Angola 265 Colaboradores 20,3 milhões de euros BEST BESI Brasil BES Angola Locarent Europ Assistance Principais Unidades BES Vénétie Banca BES BES (Espanha) BES Oriente (Macau) BES Angola (Angola) ES Bank (EUA) BEST BES Açores BES Vénétie (França) 100% 99,75% 79,69% 98,45% 66,00% 57,53% 40,00% Subsidiárias e Associadas Subsidiárias Internacionais Escritórios de Representação Sucursais Financeira Exterior Banca Investimento BESI (Portugal e Espanha) BESI (Brasil) BES (Espanha) Nova Iorque Toronto Madeira BES (Angola) Londres Newark BES Oriente (Macau) Cabo Verde Caracas BES Investimento do Brasil Nassau Rio de Janeiro BES Vénétie (França) Ilhas Caimão São Paulo ES Bank (EUA) Lausana ES plc (Irlanda) Colónia Milão Joanesburgo Xangai Capital de Risco Crédito Especializado Gestão de Activos Seguros 100% 80,00% ES Capital 100% 100% Besleasing e Factoring ESAF SGPS ES Ventures Locarent 89,36% 45,00% 50,00% BES Vida ESAF (Espanha) ESAF (Brasil) 92,50% 80,00% BES Seguros Europ Assistance Actividade Doméstica Resultado líquido Peso no (milhares de euros) Grupo BES Actividade Internacional Resultado líquido (milhares de euros) Peso no Grupo BES Outros 50,00% 25,00% 23,00% ES BES Finance Recuperação (I. Caimão) de Crédito ES Data ES Contact Center ESGEST ESumédica 100% 49,00% 76,64% 100% 24,90% Banca de Particulares % % Banca de Investimento % % Gestão de Activos % % Soc. Emitentes BES Finance (Ilhas Caimão) 100% Empresas que consolidam 22 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

25 2.2 Criação de valor Recordação genérica marcas Top 6 (2006) As instituições financeiras desempenham um papel fundamental na actividade económica das sociedades. Converteram-se em agentes nucleares na potenciação da capacidade de actuação de diversas entidades e no desenvolvimento macroeconómico, constituindo-se em si agentes fundamentais na criação de valor. Este papel é directamente percepcionado pelos principais Stakeholders do Grupo BES (Accionistas, Colaboradores, Clientes e Fornecedores) e indirectamente pelas comunidades onde actua. 1º 2º 3º 4º 5ª 6ª Que anúnciantes se recorda ter visto publicitados, recentemente? Fonte: Marktest, Publivaga Tracking Genérica Acumulado 2006 A criação de valor do Grupo BES reflecte-se essencialmente na criação de valor tangível e intangível para os seus grupos de Stakeholders. A marca Banco Espírito Santo é considerada um dos principais activos do Grupo, encontrando-se no centro da tangibilização da relação com os vários Stakeholders. A consistência da sua notoriedade tem contribuído de forma ímpar para o sucesso da estratégia do Grupo BES. Neste contexto, resulta que a marca e o franchise Banco Espírito Santo explicam e sintetizam uma parte significativa do valor dos activos intangíveis que não se encontram reflectidos nos relatos financeiros. O valor da marca implica o aumento da responsabilidade do Grupo BES no processo de prestação de contas aos seus Stakeholders. Em 2006, num inquérito feito pela Marktest em Portugal, a marca apareceu em 6º lugar no ranking das marcas genéricas mais recordadas e 54,7% responderam de forma positiva relativamente ao BES à questão Que Bancos conhece ou já ouviu falar?. Notoriedade espontânea -1,4 +1,0 +0,4 +0,2 +2,2 +5,0 Percentagem A criação de valor do Grupo BES estende-se também aos Stakeholders com que interage reflectindo-se na dinamização da actividade económica destes. A criação de valor intangível está subjacente à qualidade dos serviços e produtos que comercializa, à disponibilização de recursos aos seus Clientes e ao fluxo de transacções com os seus Fornecedores. O desenvolvimento de novas competências pelos Colaboradores do Grupo BES permite-lhes adquirir o Know-how necessário e acompanhar os novos desafios que são lançados continuamente ao Grupo, contribuindo não só para o aumento do valor tangível como também do seu valor intangível. 49,7 54,7 Criação de valor por grupo de Stakeholder 47,7 46,3 47,3 47,7 47,5 Variáveis / Indicadores /06 Accionistas (1) Dividendos (milhões de euros) 120,0 200,0 66,7% Fonte: Marktest, BASEF ª e 2ª referência à pergunta: Que bancos conhece ou já ouviu falar? Colaboradores Custos com pessoal (milhões de euros) 453,7 478,2 5,4% Custos com formação (milhões de euros) 1,1 1,9 72% Clientes (2) Crédito concedido (mil milhões de euros) 35,5 40,5 14,1% Fornecedores Custos Gerais Administrativos (milhões de euros) 327,2 344,1 5,2% Comunidade Donativos (3) (milhões de euros) 3,1 2,6 - Impostos (4) (milhões de euros) 311,0 70,9 - (1) Em 31 de Dezembro de 2006 o capital social do Banco Espírito Santo era de milhões de euros e encontrava-se representado por 500 milhões de acções ordinárias com o valor nominal de cinco euros cada. No mês de Maio de 2006 o BES efectuou um aumento do capital social de milhões de euros para milhões de euros, através da emissão de 200 milhões de novas acções. (2) Inclui desintermediação passiva e activa. (3) Os valores de 2005 não são directamente comparáveis com os valores de O âmbito de 2005 engloba BES e BIC e de 2006 BES, BEST, BESI, ES Bank, BESA, BESSA e ESAF. (4) O valor apresentado em 2006 não é directamente comparável com No ano de 2006, apenas foram considerados: IRC(*); IVA suportado; Imposto de Selo; Impostos sobre transportes rodoviários, Imposto Municipal sobre imóveis e outros impostos. (*) A informação relativa a IRC respeita ao imposto que se estima suportar relativamente ao exercício de Inclui montantes pagos naquele ano, como pagamentos por conta e pagamentos especiais por conta, e montantes que serão pagos em Maio de Não inclui o imposto referente a 2005 pago em Maio de GRUPO BES 06 23

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

02 Estratégia RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. Relatório de Sustentabilidade _ 16

02 Estratégia RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. Relatório de Sustentabilidade _ 16 OLAFUR ELIASSON 1967, Copenhaga, Dinamarca Série Islandserie, # 34, 2005 Prova por revelação cromogénea 60 x 90 cm Edição única Courtesy Neugerriemschneider, Berlin and Tanaya Bonakdar, New York 02 Estratégia

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Sustentabilidade e mercado de capitais Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Brisa e mercado de capitais Título Brisa 2000-2004 Dividendo por acção Cêntimos

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

BES Soluções Micro Poupança

BES Soluções Micro Poupança BES Soluções Micro Poupança 1 BES Soluções Micro Poupança De acordo com o Inquérito à literacia financeira da população portuguesa 2010 do Banco de Portugal, 48% da população portuguesa não faz poupanças.

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Luis Natal Marques, Gebalis EEM

Luis Natal Marques, Gebalis EEM Luis Natal Marques, Gebalis EEM TÓPICOS I. Porquê Responsabilidade Social (RS)? II. As Empresas de Serviços de Interesse Geral (SIGs) III. Mais valias da Responsabilidade Social nas Empresas de Serviço

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Programas BES Voluntariado e BES Solidariedade

Programas BES Voluntariado e BES Solidariedade Programas BES Voluntariado e BES Solidariedade 1 Programas BES Voluntariado e BES Solidariedade O programa BES Voluntariado foi lançado em 2011 para dinamizar os vínculos entre grupo BES, colaboradores

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES JUNHO DE 2012 CENTRO ESTUDOS NATÁLIA CORREIA PONTA DELGADA CATARINA BORGES AGRADECIMENTOS SECRETARIA REGIONAL

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

BES Crowdfunding promove apoio social através da Internet

BES Crowdfunding promove apoio social através da Internet BES Crowdfunding 1 BES Crowdfunding promove apoio social através da Internet O BES Crowdfunding surge para responder ao aumento dos pedidos de instituições, selecionar projetos com impacto e promover o

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

BRIEFING BRASIL. Parceiro:

BRIEFING BRASIL. Parceiro: BRIEFING BRASIL Parceiro: 1 ÍNDICE 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Apresentação... 3 3.1 Tema 1 Consumo consciente... 3 3.2 Tema 2 - Qualidade e Satisfação no Atendimento ao Cliente... 4 4 Desenvolvimento

Leia mais

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB, tendo como principal objectivo a redução de 20%, até ao ano de 2020, nas emissões de CO2. Formação em Eco condução, novas tecnologias

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização 1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização Faro, 7 de Maio de 2009 Índice Posicionamento AICEP AICEP - Produtos e Serviços Apoios à Internacionalização Posicionamento AICEP Posicionamento

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders.

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders. Notas de apoio à Intervenção inicial do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira, na Conferência Responsabilidade Social e Corporate Governance, organizada, em parceria, pelo GRACE, pela AEM e

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais