Reforma fiscal angolana Imposto sobre aplicação de capitais Imposto do selo Imposto de consumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.pwcinforfisco.pt Reforma fiscal angolana Imposto sobre aplicação de capitais Imposto do selo Imposto de consumo"

Transcrição

1 Reforma fiscal angolana Imposto sobre aplicação de capitais Imposto do selo Imposto de consumo Março de 2012

2 Índice Imposto sobre a Aplicação de Capitais 3 Imposto do Selo 6 Imposto de Consumo 9 Presente em Portugal há mais de 50 anos, a PwC é constituída por uma rede mundial de firmas independentes entre si que prestam serviços profissionais de Auditoria, Advisory (Consulting e Deals) e Fiscalidade, tendo por objectivo acrescentar valor aos seus clientes. Com 26 partners e cerca de 800 colaboradores permanentes distribuídos pelos escritórios de Lisboa e Porto, a PwC Portugal sempre se distinguiu pela elevada qualidade dos serviços orientados por indústria que presta. A firma portuguesa mantém ainda uma estreita colaboração com a Cidade da Praia na República de Cabo Verde e tem uma joint-venture com a PwC África Central, para o desenvolvimento da sua actividade em Angola. As firmas da network PwC contam com mais de 169,000 profissionais distribuídos por 158 países que trabalham em conjunto e partilham ideias, experiência e soluções para desenvolverem novas perspectivas e uma assessoria efectiva. PwC 2

3 Imposto de Aplicação de Capitais Por diploma publicado com data de 30 de Dezembro de 2011, foram introduzidas alterações ao Código do IAC com entrada em vigor reportada a 1 de Janeiro de As alterações são aplicáveis aos pagamentos de rendimentos efectuados em data posterior a 1 de Janeiro de 2012, excepto quanto a juros dos bilhetes e obrigações do tesouro e dos títulos do BNA, em que as alterações se aplicam aos títulos adquiridos após a sua entrada em vigor. Secção A Incidência Estão compreendidos nesta secção os juros de empréstimos ou de aberturas de crédito e os juros de mora. Presume-se que os mútuos e aberturas de crédito vencem juros a uma taxa anual mínima de 6%, salvo prova em contrário. Liquidação e taxas O IAC desta secção é liquidado pelo titular do rendimento, ou pelo devedor, se o titular não estiver localizado em Angola. A taxa aplicável é 15%. Territorialidade São sujeitos a IAC os rendimentos que forem pagos por entidades residentes em Angola (incluindo um estabelecimento estável de entidade não residente) ou que forem atribuídos a entidades localizadas no País (incluindo, igualmente, um estabelecimento estável), ou, ainda, se forem garantidos por bens localizados em Angola. Isenções Beneficiam de isenção de IAC os rendimentos auferidos por instituições financeiras e cooperativas, quando sujeitos a Imposto Industrial (II), os juros das vendas a crédito dos comerciantes e os juros dos empréstimos sobre apólices de seguros de vida, feitos por sociedades de seguros. PwC 3

4 Imposto de Aplicação de Capitais Secção B A tabela abaixo apresenta os factos tributários e as taxas desta secção, sendo de notar que alguns factos não eram anteriormente tributados, designadamente os juros de depósitos, títulos do BNA, títulos e obrigações do tesouro e as mais-valias mobiliárias. Facto Taxa Juros de depósitos à ordem ou a prazo 10% Juros de obrigações 10% Títulos do BNA, Títulos do Tesouro e Obrigações do Tesouro Títulos referidos no ponto anterior com maturidade igual ou superior a 3 anos 10% 5% Juros de suprimentos 10% Juros de créditos em conta corrente 15% Lucros distribuídos 10% Emissão de acções com reserva de preferência na subscrição Mais-valias na alienação de acções ou outros títulos, desde que obtidos fora de actividade comercial e por tal não sujeitos a II ou IRT Royalties, incluindo aluguer de equipamento industrial, comercial ou científico 10% 10% 10% Indemnizações para suspensão da actividade 15% Prémios de jogo 15% Outros rendimentos de aplicação de capitais 15% PwC 4

5 Imposto de Aplicação de Capitais Liquidação O imposto é sujeito a retenção na fonte a efectuar pela entidade a quem incumba o pagamento dos rendimentos, devendo ser entregue até ao final do mês seguinte, com excepção dos rendimentos de mais-valias e dos decorrentes da emissão de acções com reserva de preferência na subscrição, cuja liquidação incumbe ao titular do rendimento. Territorialidade i d Estão sujeitos ao IAC desta secção os rendimentos pagos por uma entidade residente em Angola (incluindo um estabelecimento estável) ou recebidos por uma entidade residente em Angola (também incluindo um estabelecimento estável). Isenções Estão isentos de IAC: Os lucros distribuídos por uma entidade residente em Angola a um sócio também residente nesse território, sujeito a Imposto Industrial, desde que detenha no capital social da entidade que dis-tribui os lucros uma participação não inferior a 25% por um período superior a um ano anterior à distribuição dos lucros; Os juros de instrumentos de poupança aprovados pelo Ministro das Finanças (a isenção cessa a partir de capital de 500 mil AKZ) e os juros de contas-poupança habitação. PwC 5

6 Imposto do Selo Foi publicado o Código do Imposto do Selo (CIS) e Tabela anexa, por diploma de 30 de Dezembro de 2011, com entrada em vigor a 1 de Janeiro de 2012, prevendo-se contudo a publicação de regulamentação para garantir a sua efectiva aplicação. Com o CIS procede-se a uma profunda reforma deste imposto, através da supressão de muitos factos tributários que se encontravam obsoletos e com a definição mais clara de normas de incidência, idê i de liquidação, id sobre o encargo do imposto e sobre isenções e obrigações acessórias. Como única forma de arrecadação do imposto prevê-se agora a liquidação por meio de verba e o pagamento por meio de guia até ao final do mês seguinte, e estabelece-se a necessidade de apresentação de uma declaração anual relativamente ao imposto liquidado e o registo discriminado na contabilidade. Atribuem-se isenções pessoais de imposto para o Estado e seus organismos, e também para as instituições públicas de previdência e segurança social, associações de utilidade pública e instituições religiosas, excepto quando actuem no âmbito de actividades empresariais. Indicamos a seguir as principais regras de incidência, as taxas, isenções e regras de liquidação e encargo, discriminadas por factos sujeitos a imposto. Aquisição onerosa ou gratuita de bens imóveis Aquisição onerosa ou gratuita do direito de propriedade ou de figuras parcelares desse direito, sobre imóveis, bem como a resolução, invalidade ou extinção, por mútuo consenso, dos respectivos contratos. Entendemos que a taxa indicada será rectificada para 0,3%. O imposto deve ser liquidado pelo notário ou entidade pública e é suportado pelo adquirente. Arrendamento e subarrendamento Neste caso entendemos que a taxa será rectificada para 0,4%. A taxa incide sobre a renda ou o seu aumento convencional correspondente a um mês, devendo o imposto ser liquidado pelo arrendatário ou subarrendatário e é suportado pelo locador ou sublocador. Em caso de prorrogação do contrato, é devido novo imposto. Entradas de capital Incide uma taxa de 0,1% sobre o capital social das sociedades, no momento da sua constituição ou aumento, quer o capital seja realizado em dinheiro ou em espécie. Não se consideram actos de constituição de sociedade quaisquer alterações do acto constitutivo ou dos estatutos de uma sociedade de capi-tais, designadamente a sua transformação ou a alteração do seu objecto social. Escritos de contratos Incide o imposto de 300 AKZ sobre os escritos dos contratos, sendo que, no caso de contratos de trabalho, quem liquida e suporta o imposto é o empregador. Garantias das obrigações As garantias das obrigações, designadamente o aval, a caução, a garantia bancária autónoma, a fiança, a hipoteca, o penhor e o seguro-caução, são sujeitas a Imposto do Selo em função do prazo: Garantias de prazo inferior a um ano (0,3%); Garantias de prazo igual ou superior a um ano (0,2%); Garantias sem prazo ou de prazo igual ou superior a cinco anos (0,1%). É considerada nova operação a prorrogação do prazo da garantia. O imposto é liquidado pela entidade concedente da garantia e é suportado pela entidade obrigada à sua apresentação. Não são tributadas em Imposto do Selo as garantias materialmente acessórias de contratos especialmente tributados pela Tabela, desde que constituídas no mesmo dia da obrigação garantida, ainda que em título diferente. Operações aduaneiras É devida a taxa de 1% sobre o valor aduaneiro da importação, a liquidar pelo Serviço Nacional das Alfândegas e depositado na Conta Única do Tesouro, até ao dia 15 do mês seguinte. PwC 6

7 Imposto do Selo Operações financeiras O Imposto do Selo passa a incidir sobre a utilização do crédito e já não sobre a abertura de crédito. As taxas variam em função do prazo de crédito, conforme abaixo: Crédito de prazo igual ou inferior a um ano, por cada mês ou fracção (0,5%); Crédito de prazo igual ou superior a um ano (0,4%); Crédito de prazo igual ou superior a cinco anos (0,3%). Em caso de prorrogação do prazo deve corrigir-se a taxa aplicável em conformidade. O crédito a habitação, o crédito utilizado sob a forma de conta corrente, descoberto bancário ou qualquer outra forma em que o prazo de utilização não seja determinado ou determinável, bem como os juros cobrados pelas instituições financeiras, as comissões por garantias prestadas e as outras comissões ou contraprestações por serviços financeiros, são igualmente sujeitos a imposto, a taxas que pensamos virão ainda a ser objecto de declaração de rectificação. Como regra geral, o imposto é liquidado pela entidade que concede o crédito e cobra os juros e comissões, sendo suportado pelo mutuário ou devedor dos juros e comissões. Estão isentos de imposto, designadamente: A utilização de crédito, juros e comissões, relativos a créditos concedidos até ao prazo máximo de 5 dias, o micro crédito, os créditos concedidos no âmbito de contas jovem e contas terceira idade, e outras com diferente designação mas igual propósito, cujo montante não ultrapasse, em cada mês, Kz; Os créditos derivados d da utilização de cartões de crédito quando o reembolso à entidade emitente do cartão for efectuado sem que haja lugar ao pagamento de juros nos termos contratualmente definidos; Os créditos, juros e comissões, relacionados com exportações, quando devidamente documentados com os respectivos Despachos Aduaneiros; Os juros provenientes de Bilhetes de Tesouro e de Títulos do Banco Central; As comissões de subscrição, depósito ou resgate de unidades de participação em fundos de investimento, bem como as que constituem encargos de fundos de pensões; As comissões cobradas na abertura e utilização de quaisquer contas de poupança; As operações de tesouraria intra-grupo e os suprimentos, sujeito a determinadas condições. Operações de locação A locação financeira de bens imóveis e a locação financeira ou operacional de bens móveis corpóreos é sujeita a imposto à taxa de 0,3% e 0,4%, respectivamente. O imposto incide sobre o valor da contraprestação e é liquidado pelo locador e suportado pelo locatário. PwC 7

8 Imposto do Selo Seguros Os seguros de companhias nacionais são sujeitos a Imposto do Selo, variando a taxa conforme o ramo: Caução 0,3%; Marítimo e fluviais 0,3%; Aéreo 0,2%; Mercadorias transportadas 0,1%; Outros 0,3%; Comissões de mediação 0,4%. O imposto é liquidado pela seguradora e suportado pelo segurado ou mediador. Estão igualmente sujeitos a imposto os seguros efectuados no estrangeiro cujo risco tenha lugar em Angola. São isentos de imposto os prémios e comissões relativos a seguros do ramo Vida, seguros de acidentes de trabalho, seguros de saúde e seguros agrícolas ou pecuários, bem como os prémios por resseguros tomados a empresas que operem em Angola. Títulos de crédito/recibo As letras e livranças estão sujeitas à taxa de 0,1%,, sendo na verba de títulos de crédito incluídos os recibos de quitação emitidos pelo efectivo recebimento dos créditos dos comerciantes, que são tributados à taxa de 1%, a suportar pelo credor. Outros factos sujeitos a imposto Além dos factos referidos, a Tabela prevê ainda a tributação de cheques, apostas de jogo, licenças, livros dos comerciantes, actos notariais, operações de reporte, trespasses, entre outros. PwC 8

9 Imposto de Consumo Com a publicação do Decreto Legislativo Presidencial nº 7/11 de 30 de Dezembro, cuja entrada em vigor ocorreu a 1 de Janeiro de 2012, foi significativamente alterado o Imposto de Consumo, alargando-se significativamente sua base de incidência a diversas prestações de serviços até agora não previstas. Clarifica-se que é o prestador do serviço o sujeito passivo do imposto, quer nos serviços que passam, agora, a integrar o âmbito de sujeição a imposto, quer nas operações de fornecimento de água e energia e nas prestações de serviços de telecomunicações, de hotelaria e demais actividades conexas ou similares. Cabe ao sujeito passivo liquidar o imposto correspondente no processamento das facturas ou documentos equivalentes, momento em que o imposto se torna devido e exigível, prevendo agora a lei, expressamente, a faculdade de repercutir o imposto aos adquirentes dos bens e serviços sujeitos a tributação. Quando os serviços sujeitos a Imposto de Consumo, sejam prestados por entidades não residentes, a liquidação id competirá às entidades d adquirentes destes serviços, que sejam residentes em Angola e estejam sujeitas a Imposto Industrial. Descrição Taxa Serviços de telecomunicações 5 Consumo de água 5 Consumo de energia 5 Locação de áreas especialmente preparadas para recolha ou estacionamento colectivo de veículos Locação de máquinas ou outros equipamentos, bem como os trabalhos efectuados sobre bens móveis corpóreos Locação de áreas preparadas para conferências, colóquios, exposições, publicidade ou outros eventos Serviços de consultoria, compreendendo designadamente a consultoria jurídica, fiscal, financeira, contabilística, informática, de engenharia, arquitectura, economia, imobiliária, serviços de auditoria, revisão de contas e advocacia Serviços fotográficos, de revelação de filmes e tratamento de imagens, serviços de informática e construção de páginas de internet Serviços portuários e aeroportuários e serviços de despachantes; 5 Serviços de segurança privada 5 Serviços de hotelaria e similares 10 Serviços de turismo e viagens promovidos por agências de viagens ou operadores turísticos equiparados 10 Acesso a espectáculos ou eventos culturais, artísticos ou desportivos; 5 Serviços de gestão de cantinas, refeitórios, dormitórios, imóveis e condomínios 5 Transportes rodoviário, marítimo, ferroviário e aéreo de cargas e contentores, inclusive armazenagem relaciona-da com estes transportes, bem como transportes de passageiros, desde que realizados exclusivamente em território nacional. 5 PwC 9

10 Contactos Portugal Lisboa Palácio Sottomayor Rua Sousa Martins, Lisboa Portugal Tel: Fax: Porto O Porto Bessa Leite Complex Rua António Bessa Leite, Porto Portugal Tel: Fax: Jaime Esteves Tax Lead Partner - Portugal pwc.com Susana Claro Tax Partner - Portugal Pedro Calixto Tax Partner - Angola Jorge Laires Senior Tax Manager - Portugal PwC 10

11 Esta comunicação é de natureza geral e meramente informativa, não se destinando a qualquer entidade ou situação particular, e não substitui aconselhamento profissional adequado ao caso concreto. A PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. não se responsabilizará por qualquer dano ou prejuízo emergente de decisão tomada com base na informação aqui descrita. PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda Todos os direitos reservados. Neste documento PwC refere-se a PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. que pertence à rede de entidades que são membros da PricewaterhouseCoopers International Limited, cada uma das quais é uma entidade legal autónoma e independente. This communication is of an informative nature and intended for general purposes only. It does not address any particular person or entity nor does it relate to any specific situation or circumstance. PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. will not accept any responsibility arising from reliance on information hereby transmitted, which is not intended to be a substitute for specific professional business advice PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. All rights reserved. In this document, PwC refers to PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. which is a member firm of PricewaterhouseCoopers International Limited, each member firm of which is a separate legal entity.

Reforma Fiscal Angolana

Reforma Fiscal Angolana Reforma Fiscal Angolana Impostos sobre aplicação de capitais Imposto de selo Imposto de consumo improve knowledge Luanda 2012 Imposto de Aplicação de Capitais Por diploma publicado com data de 30 de Dezembro

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento:

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento: 2012 Reforma Fiscal Estimado Cliente, O presente documento tem por finalidade dar a conhecer a publicação no Suplemento do Diário da República, I Série Nº 252 de 30 de Dezembro de 2011, onde foram divulgados,

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES. Quem está isento? Que operações estão isentas?

QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES. Quem está isento? Que operações estão isentas? QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES Quem está isento? Que operações estão isentas? QUEM TEM QUE PAGAR O IMPOSTO DO SELO VALOR TRIBUTÁVEL DOS IMÓVEIS QUANDO É DEVIDO O PAGAMENTO? TAXAS Verba da

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

Angola Tax Alert 2-2012

Angola Tax Alert 2-2012 29 de Fevereiro de 2012 Tax Alert Angola Tax Alert 2-2012 Reforma Fiscal Imposto sobre a Aplicação de Capitais, Imposto do Selo e Imposto de Consumo Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Aprova a revisão

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS Distribuição de dividendos está sujeita a Imposto sobre a Aplicação de Capitais

Leia mais

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro Construir o Futuro 18 de Fevereiro de 2015 Agenda A Administração Geral Tributária Procedimento de inspecção fiscal e contencioso O Grande Contribuinte Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do

Leia mais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais Liza Helena Vaz AICEP/ AIP/AIDA/ANEMM/APIA Agenda Tributação em Cabo Verde Aspectos fiscais do investimento português em Cabo Verde

Leia mais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais 13 de Março de 2012 Miguel Garoupa Puim AERLIS Agenda Tributação em Moçambique Aspectos fiscais do investimento português em Moçambique

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 33/VII/2008. de 8 de Dezembro

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 33/VII/2008. de 8 de Dezembro ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 33/VII/2008 de 8 de Dezembro Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 174º da Constituição, o seguinte: Artigo 1º Aprovação É aprovado

Leia mais

Calendário fiscal 2014

Calendário fiscal 2014 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Página 519 a 524, ANEXO A - Que refere o artigo 1.º, do Código do Imposto de Selo

Página 519 a 524, ANEXO A - Que refere o artigo 1.º, do Código do Imposto de Selo Página 519 a 524, ANEXO A - Que refere o artigo 1.º, do ANEXO A Que refere o artigo 1.º N.º Actos/Documentos/Contractos/Operações/Títulos Taxa 1 Aquisição onerosa ou gratuita do direito de propriedade

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO Anexo à Instrução nº 1/96 VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO A Abatimentos e devoluções - Mercadorias Acções, compra/venda de (ver em Investimento) Aceitação/entrega de notas com movimentação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas Anexo à Instrução nº 1/96 VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS 0. CÓDIGOS ESPECIAIS CÓDIGOS Operação desconhecida abaixo do limiar Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

Tax News Flash nº 6/2014 Os impostos peça a peça

Tax News Flash nº 6/2014 Os impostos peça a peça 24 de Outubro de 2014 Tax News Flash nº 6/2014 Os impostos peça a peça Decreto Legislativo Presidencial n.º 3/14, de 21 de Outubro Alterações ao Código do Imposto do Selo Foi publicado, no Diário da República

Leia mais

Calendário fiscal 2015

Calendário fiscal 2015 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni.

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni. Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01 de Outubro de 2015 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do imposto do Selo (CIS)

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do imposto do Selo (CIS) Diploma: Código do imposto do Selo (CIS) Artigo: Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA 1.º, n.º 1, 4.º, 42.º, n.º 3 e Verba 22 da Tabela Geral do Imposto do Selo (TGIS) Apólice de seguro de responsabilidade civil

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto Definição do conceito fiscal de prédio devoluto A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

Organismos. de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos

Organismos. de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos Organismos de Investimento Colectivo (OIC) O novo regime dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC) representa uma oportunidade para planear novos investimentos e reaquacionar as actuais estruturas.

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Tax Services. Reforma Fiscal O que já chegou? E o que aí vem?

Tax Services. Reforma Fiscal O que já chegou? E o que aí vem? Tax Services Reforma Fiscal O que já chegou? E o que aí vem? Reforma Fiscal - Indice O que já chegou em 2012 - Imposto sobre a Aplicação de Capitais (IAC) - Imposto do Selo (IS) - Imposto do Consumo (IC)

Leia mais

Reforma Tributária Angola

Reforma Tributária Angola Reforma Tributária em Angola Reforma Tributária Angola Foi aprovado pela Assembleia Nacional no passado dia 30 de Dezembro um importante conjunto de diplomas no âmbito do projecto de reforma do sistema

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO (5.ª Edição) Actualização N.º 1 Códigos Tributários Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 1 Texto da Lei EDITOR: EDIÇÕES

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Apuramento do resultado fiscal em SNC

Apuramento do resultado fiscal em SNC www.pwcacademy.pt Apuramento do resultado fiscal em SNC Lisboa, 23 e 29 de Novembro Academia da PwC Lisboa, 7ª edição Esta formação reúne conteúdos para a atribuição de créditos, nos termos previstos no

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

O SNC e os juízos de valor Auditoria e estimativa

O SNC e os juízos de valor Auditoria e estimativa www.pwc.com/pt O SNC e os juízos de valor Ana Catarina Vieira Universidade de Coimbra Agenda 1. Overview 2. Auditoria fiscal e a estimativa 3. Conclusão (planeamento ) 2 Overview 3 Overview Conceito tradicional

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição Art.º 1022.º do Código

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 LEGAL FLASH I ANGOLA Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 I. REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 A SESSÃO DE HOJE DEVERÁ DAR RESPOSTA A CINCO QUESTÕES-CHAVE SOBRE O NOVO REGIME 1 2 3 4 5 O que é o RJFDE? Quais

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à Ordem 19.1. Depósitos à Ordem 17.2. Depósitos a Prazo 19.2. Depósitos a Prazo

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

Conheça a Reforma Tributária por dentro e por fora Principais alterações

Conheça a Reforma Tributária por dentro e por fora Principais alterações Conheça a Reforma Tributária por dentro e por fora Principais alterações Nota introdutória A aprovação de um pacote legislativo que altera os principais códigos fiscais angolanos é o corolário da primeira

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Incentivos financeiros e benefícios fiscais 2012/2013

Incentivos financeiros e benefícios fiscais 2012/2013 www.pwc.pt/academy Incentivos financeiros e benefícios fiscais 2012/2013 Academia da PwC Os benefícios fiscais assumem hoje grande importância na gestão global das empresas, sendo reconhecidamente uma

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Aprovação da nova Lei do Investimento Privado em Angola Lei nº 14/15, de 11 de Agosto Investimento Privado Para efeitos da presente Lei, considera-se

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

A reforma fiscal em Angola

A reforma fiscal em Angola www.pwc.com/pt A reforma fiscal em Angola O projecto executivo para a reforma tributária Abril de 2012 Agenda 14h30 - Check in 15h00 - Enquadramento da reforma - Jaime Esteves 15h20 - Investimento privado

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS

FICHA DOUTRINÁRIA. Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS Diploma: Artigo: Assunto: Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS FICHA DOUTRINÁRIA Isenção do imposto do selo prevista na parte final do n.º 1 do artigo 8.º do Estatuto Fiscal Cooperativo Processo:

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto * Na sequência do Decreto-Lei n.º 183/2003, de 19 de Agosto, que alterou o Estatuto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião)

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião) REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE GOUVEIA (S. PEDRO E S. JULIÃO) PREÂMBULO A Lei nº 73/2013, de 3 de Setembro, veio estabelecer o regime financeiro das Autarquias Locais e das

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO De acordo com o disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 41.º da Lei n.º 98/97, de 26 de Agosto, compete ao Tribunal de Contas, no âmbito do parecer sobre a Conta Geral

Leia mais