Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010 Suplemento especial - Não pode ser vendido separadamente OS FATOS SOB UMA NOVA ABORDAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010 Suplemento especial - Não pode ser vendido separadamente OS FATOS SOB UMA NOVA ABORDAGEM"

Transcrição

1 Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010 Suplemento especial - Não pode ser vendido separadamente OS FATOS SOB UMA NOVA ABORDAGEM

2 Uma releitura dos grandes momentos O papel (no sentido de função) de um jornal é mais do que informar. Está entre suas premissas retratar e documentar a história, seja de uma Nação, Estado ou mesmo de uma cidade. O Nacional, há 85 anos, percorre o cotidiano de Passo Fundo revelando ao leitor fatos e personagens que fazem a vida do município. Por vezes, esses acontecimentos acabam caindo no esquecimento. Ficam guardados, porém, nas páginas, mesmo que amareladas, do documento chamado jornal. Foi pensando tanto nos leitores mais antigos quanto nos jovens que O Nacional buscou em seus arquivos fatos que marcaram épocas. Para os primeiros, a ideia é fazer reviver o momento, reescrito com uma nova visão por jornalistas que não vivenciaram o período, mas que buscaram a informação direto com personagens das estórias. Para os mais jovens, o objetivo é mostrar como assuntos latentes foram tratados à época, revelando que a tecnologia evoluiu bastante, mas que as notícias continuam basicamente as mesmas. A jornalista Daniela Wiethölter revisitou os arquivos da década de 1980 para retratar os movimentos sociais efervescentes que marcaram o período. Em seguida, Glenda Mendes traz o primeiro transplante de coração realizado no interior do Estado. Quem não lembra do serial killer Adriano da Silva? Pois o jornalista Bruno Todero relembrou a passagem do criminoso pela região. Ainda na editoria policial, Jorge Cabeludo foi outro bandido que marcou época. Quem mostra o tema é a repórter Natália Fávero. E para encerrar este especial, nada como relembrar os velhos bailes de debutantes ou o baile do perfume como chegou a ser denominado por décadas. Natália Arend e Juliana Schneider relembram com nostalgia este glamour. MC- Rede Passo Fundo de Jornalismo Ltda Rua Silva Jardim, 325 A - Bairro Annes CEP Caixa postal 651 Fone: Passo Fundo RS 2 - Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010 Diretor Presidente: Múcio de Castro Filho Diretor Executivo: Múcio de Castro Neto Editora Chefe: Zulmara Colussi Projeto gráfico e diagramação: Pablo Tavares O Nacional não se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados e não devolve originais, publicados ou não. Múcio de Castro Conselho Editorial Múcio de Castro Filho Clarice Martins da Fonseca de Castro Milton Valdomiro Roos Antero Camisa Junior Dárcio Vieira Marques Paulo Sérgio Osório Valentina de Los Angeles Baigorria Múcio de Castro Neto Contatos Circulação: Comercial: Redação: Administrativo: Fones Geral: (54) Redação: (54) Assinaturas: (54) Classificados: (54) Sucursal em Porto Alegre: GRUPO DE DIÁRIOS - Rua Garibaldi, 659, conj. 102 Porto Alegre-RS. Representante para Brasília: CENTRAL COMUNICAÇÃO. Representante para São Paulo e Rio de Janeiro: TRÁFEGO PUBLICIDADE E MARKETING LTDA Avenida treze de maio, sala Rio de Janeiro RJ. Não nos responsabilizamos pelos conceitos e opiniões emitidos em colunas e notas assinadas ou matérias pagas. Não devolvemos originais, publicados ou não. Filiado à

3 Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

4 Greves marcam os anos 1980 Multidões foram às ruas para demonstrar o seu descontentamento contra o panorama caótico da economia. A cobertura das manifestações ocupou significativo espaço nas páginas de ON, como a da histórica greve dos professores em 1987, a dos bancários e a suspensão das atividades da UPF O s anos 1980, embora conhecidos como a década perdida por causa da estagnação econômica e da inflação descontrolada, não foi um período de retrocesso em outros campos. Marcado por uma intensa participação popular, foi nesse período que aconteceu a retomada das grandes manifestações em massa após a repressão da ditadura militar. Uma época em que pipocaram muitas greves pelo país afora, envolvendo diversos setores e segmentos da sociedade. Segundo dados do Núcleo de Pesquisas da Universidade Estadual de Campinas. Em 1986, houve 2 mil greves no país, em 1989 foram 4 mil paralisações. Na educação, as paralisações do magistério foram marcadas por uma intensa participação popular que resultaram em mais de 90 dias sem aulas. O setor financeiro também foi foco de reivindicações, com grandes greves que pararam o sistema bancário em todo o país por vários dias. Uma crise na UPF (Universidade de Passo Fundo) também abalou a instituição, causando a revolta dos alunos e professores. A UPF chegou a fechar as portas. Passo Fundo foi palco de luta dessas e de outras categorias em vários momentos. Algumas delas se solidificaram no tempo e foram retratadas com ampla cobertura pelo jornal O Nacional. 4 - Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010 Por Daniela Wiethölter

5 Redemocratização X desespero social Os anos 1980 foram marcados pela luta pela redemocratização, mas também foram acompanhados por uma forte crise econômica que culminou em desespero social. Forças políticas, que operavam na clandestinidade durante a ditadura militar, foram efervescendo e conquistando novos adeptos. Naquele momento, o regime de governo também perdia legitimidade, resultado, em grande parte, da crise econômica, da dívida externa, dos resultados negativos dos choques do petróleo, dos baixos salários e do alto índice de desemprego e inflação. Esse cenário político e econômico influenciou diversas categorias, que, em pequenas ou grandes proporções, criaram bandeiras de lutas nacionais e regionais em todo o Brasil. Segundo o professor do mestrado em História da Universidade de Passo Fundo, João Carlos Tedesco, as lutas foram as mais variadas. Essa década foi rica em experiências políticas mais duradouras ou, então, mais aglutinadoras, porém, temporárias, diferenciadas e reveladoras. Eram lutas de sujeitos ocultos, de desejos sociais e grupais, de vozes sufocadas por vários anos de repressão, explica. Os movimentos de esquerda, liderados pelos partidos PCB, PCdoB e AP foram os principais articuladores da retomada da busca pelos direitos sociais. Um movimento muito expressivo foi o das Diretas Já, que tomou conta do Brasil. Tanto nas capitais como em cidades menores, multidões foram às ruas pedir eleições diretas para presidente da República, direito que foi retomado somente em 1989, após 29 anos sem a participação popular na escolha do governante do país. Após anos de repressão e veto a qualquer negociação, os movimentos sociais ressurgiram como entidades de mediação política. Sindicatos, partidos e entidades se mobilizaram. Surgiram as centrais sindicais (CGT, CUT, Força Sindical) e inúmeros movimentos no campo social e democrático: de mulheres, negros, índios, ambientalistas, desempregados ou estudantes. Se, por um lado, esse foi um Essa década foi rica em experiências políticas mais duradouras ou, então, mais aglutinadoras, porém, temporárias, diferenciadas e reveladoras. Eram lutas de sujeitos ocultos, de desejos sociais e grupais, de vozes sufocadas por vários anos de repressão Professor João Carlos Tedesco Nas páginas de O Nacional, a manchete Estamos em greve foi repetida em diversos momentos. As histórias de luta dos professores, bancários e estudantes foram retratadas desde as primeiras mobilizações, durante as acirradas negociações e na retomada das atividades. As reivindicações eram praticamente as Lorivan Figueiredo tempo em que a nação brasileira viu renascer a democracia pelas mãos de seu povo, o panorama caótico da economia fez da década de 1980 um tempo de desesperança e de perdas, de desmobilizações e descrença das massas, principalmente no campo político-institucional. O desemprego, as perdas salariais e o aumento sucessivo dos preços dos produtos de primeira necessidade abatiam milhares de pessoas. A inflação chegou a níveis nunca vistos, cerca de 330% ao ano. Diante desse cenário, as mais diversas categorias resolveram sair às ruas para demonstrar todo o seu descontentamento com a situação. Na pauta de reivindicações, a recuperação imediata das perdas salariais acumuladas nos últimos anos, reajustes salariais mensais de acordo com o índice real de inflação, congelamento real dos preços, combate à recessão e ao desemprego. Estamos em greve mesmas: reposição salarial e melhores condições de trabalho, explica o professor Tedesco. Em 1985, duas grandes greves aconteceram em Passo Fundo: do magistério e dos bancários. Os professores ficaram parados por 60 dias, maior greve registrada pela categoria até aquele ano. Movimento liderado pelo professor Lorivan Figueiredo, diretor do Cpers/Sindicato no período entre 1984 e 1987, pela primeira vez o magistério foi maciçamente para as ruas, promovendo grandes atos públicos. Nas assembleias regionais, o antigo Cine Pampa lotava. Participamos também das assembleias realizadas no Gigantinho, em Porto Alegre, quando enviamos dezenas de ônibus para a Capital, lembra o ex-dirigente do Cpers. Entre as reivindicações, os grevistas pediam o pagamento do acordo firmado em 1980 com a categoria e ainda a realização de eleições para a direção das escolas. Jair Soares, então governador do Estado, negava atender as exigências dos professores e o magistério rejeitava uma a uma as propostas do governo. Após dois meses de paralisação e seis tentativas de acordo, o magistério encerrou a greve com a garantia da antecipação de 2,5 salários mínimos e a não punição dos grevistas dias de greve do magistério dias de greve do magistério de julho - Primeira greve geral dos trabalhadores 28 de agosto - Nasce a Central Única dos Trabalhadores 1984 Todo o país se mobiliza em torno da campanha Diretas já. Os trabalhadores de todo o país deflagraram greve geral de 24 horas contra o arrocho salarial e o desemprego 1985 A Nova República começa com defeitos graves e inflação ascendente. Intensifica-se a reivindicação por reforma agrária. Professores fazem 60 dias de greve 28 de agosto - Dia Nacional de Lutas - Bancários param por dois dias, com a maior adesão da categoria Uma década de protestos 1986 Plano Cruzado congela os preços no pico e os salários são congelados na média. O plano resulta em demissões de milhares de bancários e fechamento de centenas de agências. Bancários cruzam os braços em um dia de paralisação Na UPF, diretórios acadêmicos promovem o primeiro boicote às mensalidades, o que leva ao fechamento temporário da universidade 1987 Ano começa com a maior greve do magistério, totalizando 97 dias sem aulas. Alunos da Universidade boicotam novamente o pagamento das mensalidades e instituição suspende as atividades 1988 Alunos da UPF realizam nova greve e professores estaduais fazem nove dias de greve 1989 Eleições diretas para a Presidência da República. Início da reestruturação produtiva no universo do trabalho. Professores param 42 dias Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

6 Editorial ON O Nacional também publicou, entre as dezenas de reportagens, um editorial em apoio à greve do magistério. Assinado pelo diretor do jornal, Múcio de Castro Filho, o texto dizia: O professorado tem batalhado para encontrar um lugar ao sol, para receber uma justa compensação do seu labor. Nada demais, nada em exagero é pleiteado. Apenas busca justiça para o trabalho que desenvolve no dia a dia ensinando, indicando caminhos, buscando a criação de uma mentalidade sã, visando tornar o jovem útil nos tempos futuros. Em outra parte do texto, o diretor de ON fala sobre a importância do diálogo entre os grevistas e o governo estadual: É necessário que haja compreensão e entendimento entre as partes (Estado e professorado) processando-se um diálogo para encontrar um divisor comum, compensando a ambos. A maior greve da história Em 1987, mais uma greve na educação. Foram 96 dias de paralisação. A grande maioria dos professores estaduais aderiu ao movimento, exigindo praticamente as mesmas reivindicações das greves anteriores. Lorivan Figueiredo relata que os professores iniciaram a greve já com a disposição de resistir até a garantia de todas as reivindicações. Pedro Simon era então o governador do Rio Grande do Sul. O governo estava muito intransigente e demorava dias para negociar. Ele pretendia resolver o problema com o cansaço dos professores, e nós fomos muito determinados, e não cedemos, conta o ex-dirigente. Luz nas trevas Muitas manifestações e atos públicos aconteceram durante a greve de Uma passeata, porém, realizada simultaneamente em todo o Estado, destacou-se entre as demais. Intitulada Luz nas Trevas, professores realizaram uma caminhada silenciosa pelas ruas de Passo Fundo. A manifestação aconteceu no dia 29 de maio de Com velas, lamparinas, candelabros e lampiões confeccionados artesanalmente, centenas de professores saíram em caminhada da então 7ª Delegacia Regional de Educação, hoje 7ª Coordenadoria Regional de Educação, em direção ao centro da cidade. Segundo o professor Figueiredo, o objetivo era iluminar o governador para que encontrasse uma solução para o impasse com o magistério. Nossa organização foi perfeita. Eram apenas as luzes e o som de um tambor. Não foi necessário barulho, batucada, gritaria. Simplesmente caminhamos em silêncio, à luz das velas, mostrando para a comunidade que o que os professores queriam era ser ouvidos pelo governo e que nossas reivindicações fossem aceitas, relata. Estudantes, que apoiavam as reivindicações dos professores, participaram dessa caminhada, além de outras manifestações e assembleias. 6 - Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010

7 Estudantes montam sala de aula Nos três meses da greve, milhares de alunos da rede estadual foram prejudicados. Sem aulas, os estudantes perderam conteúdos e tiveram que avançar janeiro adentro para recuperar os dias letivos perdidos. Os alunos do terceiro ano do ensino médio tinham ainda a preocupação com as provas dos vestibulares e de encerrar o ano letivo antes do prazo das matriculas das universidades. No entanto, apesar de todas essas preocupações, os estudantes apoiaram os professores. Com o slogan Queremos os professores de volta, mas com a barriga cheia, cerca de 80 alunos do Instituto Cecy Leite Costa protestaram a favor da greve dos professores no ano de A manifestação, que fechou a Avenida Presidente Vargas na manhã do dia 14 de abril daquele ano chamou a atenção da comunidade e da imprensa. ON acompanhou o fato e publicou uma reportagem no dia seguinte. Montamos uma estrutura completa de sala de aula na calçada em frente da escola, relata o empresário André Bolner, presidente do grêmio estudantil da época. Os estudantes apoiavam as reivindicações dos professores, mas não suportavam mais a falta das aulas. Era uma posição muito complicada. A gente queria aula, mas não acabar com o processo de discussão dos professores com o governo, lembra Bolner. Vencidos pelo cansaço Greve normalmente durava 30 dias, aquela passou dos três meses. O governo não negociava, os pais nos pressionavam e os alunos cobravam pela volta às aulas. Então, tudo isso começou a criar um desgaste interno muito grande e os professores resolveram encerrar a greve mesmo sem ter atingido todos os objetivos, relata o professor Figueiredo. Na década, outras duas greves aconteceram. Em 1988, foram nove dias de paralisação e em 1989, mais 42 dias sem aulas. Apesar da sequência de greves, o ex-dirigente do Cpers destaca que os anos 1980 foram importantes para a categoria. Era um momento econômico extremamente complicado e estávamos acumulando muitas perdas, mas conseguimos avançar em muitos direitos, como a participação da comunidade escolar no gerenciamento das escolas, a reposição salarial, a convocação de concursados, a inclusão de novos benefícios, como o difícil acesso, e a garantia do plano de carreira, explica. Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

8 Bancos fechados Eugênio Ari Sturm Na categoria dos bancários, o movimento sindical também ganha força no início dos anos 1980, mas só em 1983, com a abertura política, os trabalhadores ficaram mais à vontade para protestar. Uma greve geral, envolvendo cerca de 2 milhões de trabalhadores em todo o país, resultou no surgimento da CUT (Central Única dos Trabalhadores). A mobilização também culminou no movimento pelas Diretas Já. Para a categoria, a CUT foi essencial, pois passou a organizar as mobilizações. Em Passo Fundo, a categoria engajou-se nas lutas nacionais em diversos momentos. As greves de 1985, 1986 e 1987 tiveram ampla participação dos bancários. Naquele período, o presidente do Sindicato dos Bancários era Eugênio Ari Sturm, hoje corretor de imóveis. Ele relata que a principal reivindicação de todas as greves era redução da jornada de trabalho sem redução de salários, o pagamento das horas extras e dos reajustes trimestrais devido ao processo inflacionário. Em 1985, quando o governo implantou o Plano Cruzado, a categoria foi fortemente afetada. As privatizações, fusões e terceirizações de serviços causaram um grande impacto e uma drástica redução dos postos de trabalho no setor. No país foram milhares de demissões. Na região de Passo Fundo, 180 bancários perderam seus empregos, como relatou o ex-presidente à reportagem de ON no dia 5 de setembro de Uma semana depois, a categoria realizou a primeira greve depois da ditadura. A mobilização paralisou durante dois dias as agências da cidade. A greve foi um marco para a categoria, pela adesão expressiva e pela retomada do movimento sindical, conta Sturm. O ex-sindicalista lembra que para evitar o acesso dos bancários ao local de trabalho, os trabalhadores organizavam comissões de esclarecimento que tentavam sensibilizar os colegas para aderir ao movimento e ainda explicar para a comunidade os motivos da greve. A Brigada Militar resguardava a manifestação. Os grevistas levantavam faixas nas entradas dos bancos, impedindo o acesso para o local de trabalho, relembra o exsindicalista. Apesar de a ditadura ter acabado anos antes, o clima ainda era tenso. Segundo Sturm, durante as greves, a Brigada Militar esteve sempre presente e após muitos dirigentes eram convocados a prestar esclarecimentos ao Exército e à Polícia Federal. Nunca tivemos nenhum confronto violento, mas eles estavam sempre a postos, resguardando a segurança dos bancos, relata. Para o sindicalista, a década dos anos 1980 foi importante para a categoria conquistar novos direitos trabalhistas, mas também foi quando aconteceu o maior número de demissões. A categoria foi perdendo a força. Hoje não conseguimos tanta participação popular, pois o número de bancários foi drasticamente reduzido com a informatização dos serviços e o fechamento de várias agências, analisa o ex-bancário. 8 - Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010

9 A Universidade de Passo Fundo também foi manchete do jornal durante os anos A grave crise econômica vivenciada trouxe sérias consequências para a instituição. A hiperinflação achatou os salários dos professores e provocou uma explosão nas mensalidades dos alunos. Sem condições de pagar pelos reajustes, que eram mensais, estudantes boicotaram as mensalidades e uma greve levou o Conselho Universitário a suspender as atividades da instituição em meados de Segundo o padre diocesano Elydo Alcides Guareschi, exreitor da universidade, a crise era vivenciada em todos os setores da economia. A crise não foi nossa, foi da economia do país. O país estagnou e na universidade aconteceu o mesmo. As mensalidades aumentavam mês a mês, 10%, 20%, 30%, o que causava a indignação dos alunos. O deputado federal Beto Albuquerque, que então era presidente do Diretório Acadêmico dos Estudantes, liderou a greve dos alunos. Defendíamos que além do debate político e ideológico, as discussões precisavam tratar sobre a vida real do estudante e suas dificuldades dentro da UPF, e nesse período a grande questão eram os altos reajustes das mensalidades, disse o expresidente do DCE. Debates calorosos O clima tenso dentro da universidade provocou diversos conflitos entre a O fechamento da UPF Reitoria, os professores, mas, principalmente, entre os alunos. Guareschi afirma que a situação econômica do país foi a causa de todos os problemas. É claro que o governo jogou o problema sobre as universidades. Eles não assumiam a culpa e diziam que eram os professores e funcionários que queriam ganhar mais e os alunos que não conseguiam pagar os reajustes, relata o exreitor. Foi então que surgiram os conflitos, de um lado os professores do outro os alunos. E a Reitoria no centro dos ataques. O pessoal perdia o raciocínio, entravam em uma verdadeira paranoia. Quando os alunos não frequentavam as aulas, tudo parava, complementa. Albuquerque esteve à frente de muitas dessas manifestações. Paramos a universidade ao longo de 45 dias. Não havia como aceitarmos pagar o aumento que a universidade propunha. Foram dias de muito tumulto. Nós chegamos a invadir a Reitoria. Eu, pessoalmente, travei um debate, que, infelizmente, ficou pessoal contra o padre Alcides, relembra o exdirigente do DCE. O movimento estudantil entrou na Justiça e uma liminar suspendeu os 128% de aumento aplicado naquele semestre. O ex-reitor também recorda desses momentos de tensão. Os alunos não imaginavam outra alternativa fora a greve para chamar atenção para suas reivindicações. Foram várias paralisações, às vezes, só de um dia, mas algumas de mais tempo e com adesão maior dos estudantes, conta Guareschi. As tentativas de negociação resultaram em fracasso, graças à intransigência do presidente do DCE. Alcides Guareschi, em nota à imprensa publicada no jornal O Nacional de 9 de junho de 1987 Eu, pessoalmente, travei um debate, que, infelizmente, ficou pessoal contra o padre Alcides. Beto Albuquerque, ex-presidente do DCE O caminho do entendimento Sem retornar às aulas e com o movimento dos estudantes aumentando a cada dia, a Reitoria acatou uma das reivindicações dos alunos: a realização de uma auditoria. As conclusões do estudo, publicadas em O Nacional, mostraram a existência de falhas administrativas e contábeis. Além disso, a direção convidou os estudantes a participar do Conselho Diretor da UPF, medida que foi essencial para amenizar os conflitos. Chamamos todos para um debate aberto. Apresentamos a realidade financeira da universidade e todos puderam se manifestar. O resultado foi que os alunos perceberam de que não adiantava manter todo aquele radicalismo, relembra o ex-reitor. As atividades foram retomadas no final de julho de 1987, mas os alunos foram obrigados a pagar o reajuste para voltar a frequentar as aulas. Para Albuquerque, as ações na época refletiram em grandes mudanças para os alunos da universidade. A pressão política foi positiva porque conseguimos formalizar um acordo que permitiu uma série de avanços para instituição, mas o grande resultado daqueles embates foi a formação política dos alunos. O ex-reitor concorda: Algumas lideranças estudantis da época eram negativas, mas outras eram realmente preocupadas com a questão social e coletiva dos alunos. Hoje nós não vemos mais esse tipo de jovem, comprometido com as questões sociais. Para o deputado, o atual movimento estudantil precisa resgatar o debate político ideológico. Hoje as coisas estão mais na razão das coisas materiais, não políticas, não ideológicas, explica. Guareschi afirma que o período de crise também foi importante para o amadurecimento da instituição. A universidade começou a aperfeiçoar seu modelo de instituição comunitária. Reformamos o estatuto e trouxemos a comunidade para o centro das discussões. Para os alunos, o momento também foi positivo, porque eles também entenderam que havia um caminho de entendimento e que existiam alternativas mais pacíficas para chegar até os seus objetivos. O confronto não levava a solução dos problemas, finaliza. Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

10 O grande feito da medicina de Passo Fundo O mês era junho de Enquanto centenas de milhares de adolescentes brasileiros tinham os olhos vidrados nos jogos da Copa do Mundo, Itamar de Souza caminhava tateando as paredes de casa por causa de uma insuficiência cardíaca grave, que o fazia sentir-se cansado durante todo o dia. Aos 14 anos, ele já era veterano de uma cirurgia para a troca da válvula mitral do coração, procedimento a que se submeteu aos nove anos. Mas o mais grave de tudo era que a válvula estava se deteriorando, e os médicos haviam dado ao rapaz apenas mais seis meses de vida. Vindo do interior de Ciríaco, estava internado no Hospital São Vicente de Paulo, onde os pais e ele esperavam por uma resposta ou por um milagre que pudesse tirar-lhes da angústia. A equipe médica, então, resolveu dar um grande e ousado passo: um transplante de coração. Mas se a cirurgia fosse realmente marcada, Passo Fundo entraria para a história como a primeira cidade, fora as capitais, a realizar um transplante de coração. E era logo o transplante do órgão que representa sentimentos e está todo envolto de uma simbologia que define vida e morte. Afinal, a sabedoria popular sentencia que a vida chega ao fim quando o coração para de bater Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010 Por Glenda Mendes

11 Sem esmorecer, porém cheios das melhores expectativas, os médicos confirmaram aos pais e ao menino que a melhor opção seria o transplante. E foi assim que a equipe, então liderada pelo medido Luís Sérgio Fragomeni, o Hospital São Vicente de Paulo e Passo Fundo tiveram seu grande marco na história da medicina. Até hoje, a cidade figura como a primeira do interior de um Estado a realizar um transplante de coração e no paciente até então mais jovem do Rio Grande do Sul. Tudo isso aconteceu no dia 15 de junho de O grande feito tomou então a atenção de toda a comunidade passo-fundense. E certamente do jornal O Nacional, na época completando 65 anos de existência. O assunto foi tema de diversas edições, em textos assinados pela jornalista Fátima Trombini, que acompanhou desde o momento que os médicos divulgaram a intenção de realizar a cirurgia até o desfecho da história de Itamar que, infelizmente, morreu em 2 de outubro daquele mesmo ano. Na edição especial de aniversário de ON estava a manchete: Transplante de coração: Cirurgia dramática e revolucionária. No texto, a entrevista concedida por Fragomeni a Fátima contava como estava a preparação da equipe e do hospital para a realização do transplante. O médico explicava que todos os quesitos necessários para a realização do procedimento haviam sido preenchidos pelo hospital e que a emoção de prolongar uma vida era uma constante na vida dos médicos. Nós vivemos diariamente a luta em favor da vida, pois quase que todo dia se realiza esse tipo de cirurgia. Vivemos diariamente a ambiguidade de curar ou perder o paciente. É difícil conviver com isso, mas se aprende com o tempo, declarava Fragomeni à jornalista. O transplante Dias depois, em 15 de junho, aconteceria o transplante. Era uma sexta-feira e o procedimento seria realizado à noite. Momentos antes da cirurgia, Itamar perguntava à equipe médica se, com um novo coração batendo em seu peito, continuaria gostando das mesmas pessoas. A dúvida, segundo os médicos, é a mesma em quase todos os pacientes que sabem que serão submetidos ao transplante. Eram 19h quando a equipe deu início à cirurgia. Horas depois, o novo coração estava lá. Poucos segundos se passaram, mas a apreensão era geral e a expectativa parecia durar horas. A grande dúvida? Se o coração voltaria a bater. Felizmente, a emoção tomou conta da equipe quando. Logo em seguida, o novo coração de Itamar começava bater, dando mostrar de que a cirurgia tinha sido um sucesso. Por volta das 24h, a equipe deu por encerrada a cirurgia. Bastava esperar que o paciente acordasse. No sábado, dia seguinte, 16 de junho, por volta das 10h, Itamar já conversava com médicos e enfermeiros e pedia para assistir ao jogo da Copa do Mundo daquela tarde, quando o Brasil jogaria contra a Costa Rica. Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

12 De volta para casa Com ampla divulgação de ON, Itamar passou 29 dias no hospital, até ser liberado para voltar para casa. Os médicos admitiam: Ganhamos um filho, afirmação que deu título à matéria divulgada no dia 2 de julho. Para poder ir para casa, Itamar precisou aprender como se cuidar. Com carinho e atenção, todos os médicos, enfermeiros e equipe de saúde ensinaram-lhe como deveria se comportar nos próximos meses. E no dia 14 de julho, 29 dias após a cirurgia, Itamar despedia-se de todos, tendo como destino a casa dos pais, em Ciríaco. Infecção que não tinha cura Porém, Itamar viveria menos de três meses. Na noite de 1º de outubro, ele teve de retornar ao Hospital São Vicente de Paulo. Uma grande infecção havia tomado o organismo do menino, que, segundo Fragomeni, tinha contraído o ciclomegalovírus, para o qual não existia tratamento na época. Não resistindo à gravidade, Itamar morreu na madrugada seguinte, deixando tristeza em toda uma comunidade muito esperançosa em sua recuperação. A época, o momento Exatos 20 anos depois, ON procurou o médico Luís Sérgio Fragomeni para relembrar como foi o momento, o que acontecia à época, em que uma equipe de médicos teve como mote salvar a vida de um menino de apenas 14 anos, que buscava esperança e a teve na realização de um transplante. Segundo Fragomeni, o início da década de 1990 favorecia a realização de transplantes. O momento era de difusão das técnicas e Passo Fundo já vinha de uma tradição de cirurgias cardíacas. Aliado a isso, Fragomeni havia passado um ano nos Estados Unidos, na Universidade de Minnesota, especializando-se em transplantes. No mundo, vivia-se a melhora nos resultados desses procedimentos. Por se sempre interessado em transplantes que eu fui aos Estados Unidos e fiquei um ano em Minnesota, só nessa área de transplante de coração e pulmão. Quando voltei para cá, nós nos organizamos aqui em Passo Fundo, no Hospital São Vicente, para fazermos o transplante. Esse era o cenário: nós tínhamos preparado o conhecimento, uma experiência boa em cirurgia cardíaca. Então, foi uma questão só de organização e de tempo. Encontramos esse menino e o hospital estava bem disposto, conta Fragomeni. De acordo com o médico, Itamar foi considerado um receptor inusitado, porque ele era um menino de 14 anos, que já tinha sido operado cinco anos antes do coração em Porto Alegre, onde havia trocado uma válvula, mas houve uma deterioração e ele estava muito mal. Ele estava com insuficiência cardíaca classe 4, que é a mais alta, comenta. Fora das capitais Junto ao caso, que por si só era um estímulo para que se criassem fortes expectativas, era a primeira vez que um transplante seria realizado fora das capitais. Ninguém na época pensou que fora das capitais seriam feitos transplantes, mas nós éramos um centro ativo, como somos hoje. Passo Fundo atualmente, se for comparar cirurgia cardíaca no Estado, eu acho que só perde para o Instituto do Coração de Porto Alegre, avalia. Além disso, segundo Fragomeni, tudo foi resultado de muito estudo e a experiência em cirurgias cardíacas. Não era nenhuma bravata. Foi uma coisa muito bem estudada. Foram anos estudando, só fazendo isso. O pessoal aqui já era experiente e foi só uma forma de organizar como fazer. O hospital disse que estava interessado, porque existe um custo muito elevado. São necessárias diversas pessoas, é multidisciplinar. Esse foi o clima da época, salienta. O caso Fragomeni lembra que o caso de Itamar não era o ideal para a realização do primeiro transplante. Já era um caso complicado, um adolescente, um jovem, que já tinha passado por uma cirurgia cardíaca que complica a situação, Além disso, tem a questão do 12 - Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010

13 tamanho do coração e outros detalhes técnicos, mas foi ele o receptor que precisava com mais urgência, ressalta. Foi assim que, dentro de um cenário cheio de expectativas, não só dos médicos ou familiares, mas de toda a comunidade, que se envolveu com a história, que a cirurgia aconteceu. Nós não tivemos problema algum no transplante. Todos aqueles riscos e dificuldades por ser uma recuperação, por trazer o doador a uma sala contígua, tudo gerava muita expectativa, era muita apreensão, mas estávamos bastante seguros, porque fazíamos já cirurgias em um bom número, com pessoal bem treinado e resultou positivamente, porque o menino recebeu o órgão e não teve problema de rejeição aguda, lembra Fragomeni. O médico conta que quando teve alta, 29 dias depois, Itamar foi para casa bem, medicado, controlado e passado alguns meses ele reinternou. Esse que foi o grande problema, nós perdemos um pouco o controle dele quando foi para casa e ele acabou pegando uma infecção por um vírus que, na época, não tinha tratamento no Brasil, que é o ciclomegalovírus. Ele acabou morrendo em virtude dessa infecção viral e não de rejeição, de infecção por bactérias, que é o grande problema, destaca Fragomeni. Porém, 20 anos depois, o feito ainda é único para Passo Fundo e sempre vai manter a marca de ter sido o primeiro. Sempre terá a lembrança do empenho de uma equipe de médicos audazes, que enxergaram além e deram a Itamar a nova chance que ele queria. Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

14 O rastro de um assassino serial O Nacional acompanhou de perto a saga do maníaco Adriano da Silva, que, em sua curta passagem pela região, deixou um legado de dor e sofrimento para as famílias dos meninos assassinados E ntre os meses de março de 2003 a janeiro de 2004, Passo Fundo passou, talvez, por um dos períodos de maior apreensão e medo em seus 153 anos de história. Boatos de que um assassino serial estaria agindo espalhavam-se pela cidade. Mês a mês, em casos até então tratados como isolados, outro e mais outro menino era morto e violentado em algum ponto da periferia da cidade. A cada novo crime, aquilo que parecia boato ganhava contornos de realidade. Novos relatos chegavam de outras cidades da região, espalhando temor na população. Dez meses se passaram, com um total de 14 meni- nos assassinados ou desaparecidos na região. A polícia insistia que não havia ligação entre os casos. O medo transformou-se em revolta no fatídico 6 de janeiro de 2004, quando um paranaense de nome Adriano da Silva foi preso, assumindo a autoria de 12 homicídios, seis na cidade e outros seis em Soledade, Lagoa Vermelha e Sananduva (mais tarde, mudou o depoimento e assumiu oito crimes). Terminava ali a saga de sangue e dor espalhados pelo homem, apelidado de Monstro; ficava para a história esse triste capítulo da cidade, retratado por O Nacional em mais de uma centena de edições Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010 Por Bruno Todero

15 As várias versões de Adriano Depois da prisão, os repórteres de ON cobriram uma sequência de depoimentos e reconstituições dos crimes, que mobilizaram centenas de pessoas. Na primeira versão apresentada, divulgada na edição de 8 de janeiro, Adriano confessava o assassinato de 12, dos 14 meninos encontrados mortos na região Norte naquela época. O depoimento provocou alvoroço nas autoridades policiais da cidade, já que o criminoso confessava crimes até então atribuídos a outras pessoas. A polícia de toda a região está sendo surpreendida, pois Adriano assumiu a autoria de crimes considerados esclarecidos, com inquéritos policiais encerrados e com pessoas já indiciadas, dizia o jornal. Prova disto é que a prisão de Adriano trouxe a Passo Fundo o delegado João Paulo Martins, então chefe do Departamento Estadual de Investigações Criminais. Foi ele quem concedeu a primeira entrevista coletiva, quando contou detalhes do depoimento do maníaco. Adriano disse à polícia que era procurado desde 2001, quando teria escapado de uma cadeia no Paraná, onde cumpria pena de 27 anos pela morte de um taxista. Desde então, circulou pelo interior gaúcho sob nomes falsos e vivendo de bicos. Com frieza e sem demonstrar, em nenhum momento, arrependimento, confessou os crimes. Ele dizia apenas que o autor dos crimes não era ele, mas outro homem que estava dentro de seu corpo. Disse que teria cometido o primeiro da série de crimes contra meninos em agosto de A vítima escolhida foi Éderson Leite, 12 anos, que vendia rifas na cidade de Lagoa Vermelha. Depois, passou por Soledade, onde matou o menino Douglas de Oliveira Hass, 10 anos, cujo corpo foi escondido sob a churrasqueira de uma casa abandonada e encontrado apenas após a confissão do assassino. Outras três crianças foram mortas naquela cidade na época, mas os crimes foram atribuídos a traficantes. Com o cerco apertando contra ele em Soledade, Adriano mudou-se para Passo Fundo, onde teria chegado no início de 2003, quando passou a frequentar locais como o Parque da Gare, onde se alimentava e dormia com moradores de rua. Mais tarde, alugou uma casa no bairro Santa Marta, região em que aconteceram quatro, dos seis crimes cometidos pelo maníaco na cidade. O fim do horror A prisão de Adriano de Silva foi o encaixe da peça que faltava no quebra-cabeça em que se transformou a sequência de assassinatos de meninos na região. Para se ter uma ideia da importância com que o caso foi tratado nas páginas de O Nacional, das 24 edições publicadas em janeiro de 2004 (mês da prisão), 13 tiveram como manchete principal matérias sobre o criminoso. A partir da prisão de Adriano, em uma forma de resposta à sociedade, o jornal tentou traçar, em uma sequência de reportagens, o perfil do assassino, que começava a ser chamado de maníaco e psicopata. No dia 8 daquele mês, o jornal mostrava na capa a foto dos seis meninos assassinados em Passo Fundo, com um pouco da história de cada um, e outra foto, ao centro, do criminoso. O título, Foram oito meses de horror, deixava evidente o desabafo do editor-chefe do jornal. Recorte da edição de 21/01/2004 Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

16 Vício de matar De acordo com a reportagem de O Nacional, ainda no primeiro depoimento, o maníaco contou aos delegados que só atacava meninos de origem humilde, geralmente encontrados nas ruas, e empregava a mesma técnica para matá-los: atraía os adolescentes até locais desertos com a promessa de que ganhariam dinheiro em troca de pequenos serviços. Chegando ao local escolhido, geralmente previamente, os nocauteava com golpes de muay thai, uma das paixões do assassino serial. Com as vítimas inconscientes, Adriano as estrangulava com pedaços de corda, geralmente náilon. Em pelo menos três, dos nove casos atribuídos a ele, manteve relações sexuais com o cadáver da vítima. A mente criminosa e perversa o traía, já que com isso Adriano estava deixando no corpo dos meninos a prova que a polícia precisava para prendê-lo, o próprio DNA. Em certo depoimento, quando perguntado por um delegado sobre tamanha brutalidade, Adriano teria respondido que sentia uma vontade íntima, um vício de matar. Laudo confirma psicopatia Em março de 2005, O Nacional teve acesso ao laudo psiquiátrico produzido pelo IPF (Instituto Psiquiátrico Forense) do maníaco Adriano da Silva a pedido da Justiça. O diagnóstico concluiu que o assassino serial sofre de transtorno antissocial de personalidade, transtorno de pedofilia e transtorno de necrofilia (atração sexual por cadáveres). O laudo psiquiátrico também afirma que Adriano da Silva tem consciência dos seus atos, mas sua capacidade de discernir o certo ou errado é reduzida. De acordo com os psiquiatras, o maníaco não tem cura e representa perigo à sociedade. Além disso, o laudo do IPF desaconselha internação em manicômio judicial ou qualquer redução de pena, recomendando o completo isolamento do da sociedade em penitenciária de segurança máxima. O laudo ainda alerta para o risco de Adriano da Silva cometer novos delitos, inclusive contra os companheiros de prisão. Os erros da polícia Um detalhe espantoso nesse caso, repercutido também na edição de 8 de janeiro de 2004 e em outras nos dias seguintes, é que Adriano da Silva já havia sido detido pela polícia pelo menos quatro vezes em sua trajetória de crimes pela região, mas em todas acabou liberado. Em uma das ocasiões, o avô do menino Leonardo Dornelles dos Santos, assassinado em novembro do ano anterior, chegou a levar o criminoso para a delegacia, dizendo que ele teria sido visto em companhia do neto antes de desaparecer. Na delegacia, porém, Adriano apresentou a carteira de trabalho do irmão, Gabriel, que residia no Paraná e que não tinha antecedentes criminais. Sem provas, foi liberado. Entrevistado pela reportagem de ON, o avô do menino Leonardo, o policial reformado Gideon Dornelles, afirmou que a polícia havia sido negligente. Esse foi apenas um dos erros cometidos pela investigação. Outro problema determinante foi a falha no Infoseg, o sistema integrado de informações da polícia e do Judiciário. Desde maio de 2003, o governo do Paraná, onde Adriano era foragido da Justiça, deixou de atualizar os dados no sistema. Assim, a condenação do criminoso não aparecia em qualquer pesquisa. O entendimento na época, repercutido no jornal O Nacional, é que, se a foto de Adriano constasse no Infoseg como procurado, ele poderia ter sido identificado antes de cometer todos os crimes. O terceiro erro capital da polícia, que ainda hoje é sustentado por investigadores que trabalharam no caso, foi a prisão de outras pessoas em pelo menos dois casos confessados por Adriano em seu primeiro depoimento. O mais emblemático é o assassinato do menino Volnei Siqueira dos Santos, encontrado morto em um mato da Vila Jardim. A investigação apontou sete adolescentes como os autores do crime. Eles inclusive ficaram detidos por mais de dois meses em centros de detenção de adolescentes infratores do Estado. Depois da confissão do maníaco, as mães dos meninos fizeram um protesto na cidade acusando policiais de terem torturado os suspeitos para que confessassem o crime. Mães dizem que adolescentes foram vítimas da polícia, dizia o jornal em 9 de janeiro de Dois dias depois de preso, Adriano mudou a versão dada no primeiro depoimento e confessou apenas a prática de violência sexual contra Volnei, mas negou o assassinato, apontando os adolescentes presos como os autores do crime. As várias versões dadas pelo maníaco para a sequência de crimes também foram repercutidas na época por O Nacional. No outro caso emblemático, a polícia pediu a prisão de um representante comercial morador de Gravataí, pela morte do menino Jeferson da Silveira, encontrado morto na região da Vila Santa Marta. Sobre os equívocos, os delegados disseram na época que mesmo com a confissão de Adriano, havia dúvidas a respeito dos crimes, por isso pelo menos seis casos seriam mantidos em aberto. As dúvidas deixadas pela polícia foram retratadas nas edições de 10, 11 e 12 de janeiro de Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010

17 Frases retiradas dos julgamentos Ainda não é hora de falar. Vou esperar todos esses processos acabarem Adriano da Silva É aquela história. Dizem que não importa muito o que eu falo. Aquele psiquiatra diz que eu nunca vou estar falando a verdade Adriano da Silva ON suspeitou de ligação entre os casos Na edição de 8 de outubro de 2003, O Nacional publicou, em reportagem de capa, que a polícia estava unificando investigações por suspeitar que o sumiço de três meninos em menos de um mês poderia estar ligado a um mesmo criminoso. Dez dias depois, a capa trazia a notícia de que família de um quarto menino temia que o destino dele, até então desaparecido, fosse o mesmo das outras crianças encontradas mortas. Até então, porém, o nome de Adriano da Silva não era cogitado nem mesmo pela Polícia Civil. A suspeita recaía sobre o representante comercial de Gravataí, que havia sido preso preventivamente como suspeito da morte do menino Jéferson. A investigação também não ligava os quatro casos em sequência (no final de outubro aconteceria outra morte na cidade), ao assassinato do menino Alexandro Silveira, que havia desaparecido em março daquele ano. Só matei em Sananduva. Os outros crimes eu tive que assumir. Fui obrigado, mas não vou falar quem me obrigou. Tenho medo de retaliações contra minha família. Até porque eles disseram que sabem onde moram Adriano da Silva Essa história é um filme com roteiro macabro, cujo ator principal é o réu: a morte travestida de gente Promotor de Justiça, Álvaro Poglia A pena máxima vai asfixiar a liberdade que o réu não merece Promotor Álvaro Poglia Mentir, vagar e corromper está na natureza do réu Promotor Álvaro Poglia Adriano da Silva mentiu quando disse que fazia serviços gerais. A verdadeira profissão dele é matador de crianças Promotor Álvaro Poglia Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

18 Série de julgamentos Após toda a repercussão que teve o caso Adriano da Silva, ON também esteve presente em todos os momentos em que o maníaco retornou à cidade e região, seja para prestar novos depoimentos ou para ser julgado. A cada nova operação para trazê-lo da Penitenciária de Segurança Máxima de Charqueadas (onde está preso desde 2004), uma equipe de reportagem era mobilizada para acompanhar os desdobramentos. Nas primeiras vezes em que pisou na cidade, um forte aparato policial foi necessário para evitar que Adriano fosse linchado pela população e por familiares das vítimas. Em 2006, em um desses momentos de liberdade do assassino serial, os repórteres de ON conseguiram entrevistar Adriano da Silva, que demonstrou toda a frieza que os delegados atribuíam a ele depois que foi preso. Na ocasião, já orientado pelos advogados de defesa, negou envolvimento em todos os crimes registrados em Passo Fundo, assumindo apenas o assassinato do menino Daniel Lourenço, em Sananduva, o último da série de assassinatos. A conversa durou menos de três minutos. Veja o que o Adriano respondeu na época: Você se arrepende de assumir crimes que não cometeu? Nessas alturas, eu me arrependo de tudo. Do que mais você se arrepende? De ter facilitado minha prisão. Se eu soubesse que daria um rolo desse tamanho não tinha facilitado. Você confirma a versão da família, que entregou o Leonardo para uma outra pessoa? Que eu passei para outra pessoa eu não posso confirmar, mas eu entreguei essa criança para uma mulher pensando que era a mãe. Você espera voltar para as ruas algum dia? Sei lá. O Nacional - Quais assassinatos você assume? Adriano da Silva - Eu só assumo o crime que cometi em Sananduva. Você matou somente Daniel Lourenço? Isso mesmo. Por que você assumiu todos os crimes ocorridos na região? Isso eu deixo para responder na hora do júri. Na hora do júri? É. Tem muita coisa errada nessa história Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010

19 A sequência de crimes 16 de agosto de Lagoa Vermelha Vítima: Éderson Leite, 12 anos. O menino saiu de casa para vender rifas da escolinha de futebol e nunca retornou. O corpo só foi encontrado três semanas depois do crime, em uma sanga no interior do município. Na primeira confissão em depoimento à polícia, Adriano disse ter levado Éderson a um lugar ermo, prometendo que compraria um número de rifa. Ali, teria aplicado um golpe na traqueia do menino para que desmaiasse e posteriormente o asfixiou usando um cinto. Condenação: em novembro de 2008, Adriano da Silva foi condenado a 22 anos de reclusão pela morte do menino Éderson. 09 de março de Passo Fundo Vítima: Alexandro Silveira, 13 anos. O menino era engraxate e tinha como ponto principal de clientes a praça Tamandaré. Foi ali que, supostamente, teria conhecido Adriano da Silva. Com a promessa de um trabalho, Alexandro foi levado até uma área deserta do bairro Petrópolis, onde foi estrangulado e violentado. Sua ossada só foi encontrada em 20 de setembro de Familiares o reconheceram pelas roupas e pelo calçado que o menino usava quando sumiu. Condenação: pelo crime, Adriano foi condenado, em 2006, a pena de 21 anos e cinco meses por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver. 19 de abril de Soledade Vítima: Douglas de Oliveira Hass, 10 anos. O menino foi atraído por Adriano até um moinho abandonado, onde foi morto por asfixia mecânica. Em depoimento, o maníaco confessou que transportou o corpo de Douglas em um carrinho de mão até uma casa em construção, onde o criminoso fazia bico de pedreiro. Ali, enterrou o corpo sob a churrasqueira, escondendo com cimento. A ossada de Douglas só foi encontrada pela polícia depois da confissão de Adriano. Condenação: pelo crime, o Tribunal do Júri de Soledade condenou Adriano da Silva a pena de 21 anos e cinco meses de reclusão por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver. 09 de julho de Passo Fundo Vítima: Volnei Siqueira dos Santos, 12 anos. O menino era vendedor de rapaduras na região do bairro Nossa Senhora de Aparecida. Trata-se do caso mais emblemático envolvendo Adriano da Silva. No primeiro depoimento, o maníaco confessou o crime e disse ter violentado o cadáver do menino. Depois, voltou atrás e confessou somente a violência sexual. Sete adolescentes foram presos, confessaram o crime, ficaram 45 dias detidos e foram soltos após revelarem que confessaram sob pressão policial. O DNA de Adriano da Silva foi encontrado no sêmen recolhido das roupas de Volnei. O corpo foi encontrado cinco dias depois do crime, em um mato da Vila Jardim. Condenação: em outubro de 2007, Adriano da Silva foi condenado a 32 anos, dois meses e 15 dias por homicídio duplamente qualificado, atentado violento ao pudor e ocultação de cadáver do menino Volnei. Em 2010, o julgamento foi anulado a pedido da defesa. Um novo júri popular deve acontecer no próximo ano. 14 de setembro de Passo Fundo Vítima: Júnior Reis Loureiro, 10 anos. O menino era índio e costumava ser visto vendendo artesanato em posto de combustíveis localizado às margens da ERS-153, na saída para Ernestina. Foi naquele local que conheceu Adriano da Silva, que o atraiu com a promessa de que venderia os cestos. Adriano caminhou com a vítima por cerca de 500 metros até uma rua deserta, onde o asfixiou e matou. Para dificultar o encontro da vítima, colocou uma tábua sobre o corpo. Em depoimento, disse a polícia que pensou em violentar o cadáver, mas que teve nojo do cheiro do menino. O corpo foi encontrado no dia 22 do mesmo mês. Condenação: em setembro de 2006, Adriano da Silva foi condenado a 29 anos, três meses e 20 dias pelo homicídio duplamente qualificado do menino Júnior. 29 de setembro de Passo Fundo Vítima: Jéferson Borges Silveira, 11 anos. Outro caso que intrigou a polícia, já que um r e p r e s e n t a n t e comercial, de 48 anos, chegou a ser preso pelo crime. Adriano assumiu o crime, mas voltou atrás e afirmou que só tinha mantido relações sexuais com o cadáver. O corpo do menino foi encontrado no dia 3 de outubro, em um mato da perimetral. Ele foi morto por estrangulamento. Condenação: é o único dos casos envolvendo Adriano da Silva que ainda não foi a julgamento, marcado para 6 de outubro de de outubro de Passo Fundo Vítima: Luciano Rodrigues, 9 anos. O menino participava de programas sociais da Secretaria de Cidadania e Assistência Social e teria sido abordado por Adriano da Silva em uma dessas atividades, na Vila Xangrilá. Com a promessa de dinheiro, a vítima foi atraída pelo criminoso e seguiu com ele por mais de 2 quilômetros. O menino foi morto em um antigo campo do quartel, no bairro Nossa Senhora Aparecida. A ossada foi encontrada em 29 de novembro. Condenação: pelo crime, Adriano da Silva foi condenado, em 2006, a 21 anos, dez meses e 20 dias de reclusão, por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver. 31 de outubro de Passo Fundo Vítima: Leonardo Dornelles dos Santos, 8 anos. O menino era morador da Vila Santa Marta, onde costumava frequentar um fliperama. Jogando videogame conheceu Adriano da Silva, que passou a tarde pagando fichas de jogos para alguns meninos. Naquele dia, foi atraído pelo criminoso até um mato, onde foi asfixiado e morto. A ossada foi encontrada no dia 17 de dezembro daquele ano. Condenação: pelo crime, Adriano da Silva foi condenado a 21 anos e oito meses de reclusão. 03 de janeiro de Sananduva Vítima: Daniel Bernardi Lourenço, 14 anos. O menino era vendedor de picolés e foi atraído por Adriano da Silva com uma encomenda de R$ 29 em sorvetes para uma suposta festa. Chegando ao local combinado, foi espancado e violentado sexualmente. O corpo foi localizado no dia do crime, o que deflagrou uma caçada ao então foragido Adriano da Silva, preso três dias depois escondido em um matagal em Maximiliano de Almeida. A perícia comprovou, dias depois, que o sêmen encontrado nas roupas de Daniel era de Adriano. Condenação: Adriano da Silva foi condenado a 24 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado. Mais 23 anos na cadeia Mesmo com a anulação do julgamento no caso Volnei, Adriano da Silva já soma mais de 185 anos de condenação por outros oito assassinatos, entre eles um latrocínio, cometido no Paraná em Isso obriga que ele cumpra a pena máxima estipulada pela legislação brasileira, que é de 30 anos de detenção em regime fechado, já reduzida a progressão de pena de um sexto do tempo a que o réu tem direito. Como já cumpriu sete anos, poderá ser liberado daqui a 23 anos. Contudo, de acordo com a análise de juristas entrevistados por O Nacional, Adriano nunca voltará ao convívio da sociedade, já que deverá ser transferido para algum instituto psiquiátrico assim que cumprir a pena na prisão. Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de

20 20 - Sábado e domingo, 19 e 20 de junho de 2010

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Pimenta no olho, e nada de reajuste salarial

Pimenta no olho, e nada de reajuste salarial Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal do Estado de Mato Grosso BOLETIM SEMANAL De 20 a 24 de outubro de 2014 Pimenta no olho, e nada de reajuste salarial O diretor do SINDIJUFE-MT Pedro

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Casarões da Luciana de Abreu estão há 11 anos em disputa na Justiça Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Coordenação: Debora Diniz Instituições: Universidade de Brasília (UnB) e Anis Instituto de bioética, gênero

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 Este encarte Tendências aborda as manifestações populares que tomaram as grandes cidades brasileiras em junho

Leia mais

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Um adolescente entre 16 e 18 anos de idade, que assalta e mata alguém,

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Enquete. Dia dos Professores

Enquete. Dia dos Professores Enquete Dia dos Professores No dia 15 de outubro será comemorado o dia do professor. Muito se fala que a profissão, apesar de muito importante, perdeu seu glamour e prestígio, sendo incapaz de atrair a

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Lançamento do livro Coragem reúne principais advogados de presos e perseguidos políticos

Lançamento do livro Coragem reúne principais advogados de presos e perseguidos políticos Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de São Paulo Lançamento do livro Coragem reúne principais advogados de presos e perseguidos políticos 31/03/2014 Os 50 anos do golpe militar fazem parte da história

Leia mais

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS Um assunto que volta e meia ocupa as manchetes de jornais do mundo inteiro há décadas é a questão sobre o conflito entre israelenses e palestinos

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 Atualidade em foco Samuel Tosta/ADUFRJ SSind Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 A materialização da violência do Estado A sociedade

Leia mais

Veículo: Editoria: Seu Bolso Dez Minutos

Veículo: Editoria: Seu Bolso Dez Minutos Editoria: Seu Bolso Dez Minutos Concursos devem oferecer 1,9 mil vagas 06 Editoria: Cidade Jornal Agora Dia de Luta Contra a Tuberculose terá programação especial (X) Press-release da assessoria de imprensa

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES FEDERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA, PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES FEDERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA, PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCLARECIMENTOS SOBRE A CONTRA-PROPOSTA APRESENTADA PELA SETEC/MEC NO DIA 18/09/2015. Companheiros (as) do Sinasefe em todo o Brasil, a última Plena de nosso sindicato votou algumas importantes resoluções:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 70 Cerimónia de sanção do projeto

Leia mais

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT)

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) Há dois anos, um grupo de trabalhadores ocupou um local abandonado próximo ao bairro Parque Cuiabá (Mato Grosso). O local era ponto de usuários

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs O plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro ficou lotado durante

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

BANCÁRIOS. Uma História marcada por lutas e conquistas

BANCÁRIOS. Uma História marcada por lutas e conquistas BANCÁRIOS Uma História marcada por lutas e conquistas 1 932 18/04/1932 1ª Greve dos Bancários Iniciada em Santos, formada por funcionários do Banco Banespa que reivindicavam melhorias salariais e das condições

Leia mais

CAPÍTULO 4 Sabe quanto você vai poder pagar? É hora de sentar na mesa com o credor.

CAPÍTULO 4 Sabe quanto você vai poder pagar? É hora de sentar na mesa com o credor. E-BOOK COMO SE PREPARAR PARA A NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS CAPÍTULO 4 Sabe quanto você vai poder pagar? É hora de sentar na mesa com o credor. Com dívidas em quase 20 instituições diferentes, Joana fez uma lista

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. Cohab B

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. Cohab B Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS Cohab B Data: 29/04/2015 Pedro Lima, Gabriel Landal, Lorenzo Silveira e Leonardo Souza. Turma 101 A COHAB

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado CSPCCO

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado CSPCCO REQUERIMENTO Nº, DE 2013 (Do Sr. Fernando Francischini) Requer que seja realizada uma reunião de Audiência Pública para debater alterações na legislação penal em relação a crimes de maus tratos em animais,

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

Só as razões da Ética dão rigor ao jornalismo

Só as razões da Ética dão rigor ao jornalismo 1 www.oxisdaquestao.com.br Só as razões da Ética dão rigor ao jornalismo Texto de CARLOS CHAPARRO Em outubro de 2007, estouraram em jornais e telejornais as primeiras reportagens sobre um suposto escândalo

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

PROJETO Manifestações de Março/2015

PROJETO Manifestações de Março/2015 PROJETO Manifestações de Março/2015 NOTA METODOLÓGICA Tipo de pesquisa: Quantitativa, realizada face a face, com aplicação de questionário estruturado, de cerca de 10 minutos de duração, composto por questões

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

Benefício libera 10 mil presos

Benefício libera 10 mil presos Clipping produzido pelo Instituto de Políticas Públicas de Segurança da Fundação Santo André INSEFUSA 10/04/2006 Benefício libera 10 mil presos Jornal da Tarde, 10 de abril de 2006 - As portas das penitenciárias

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO HQ se lga! i CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO Defender a CONSTITUINTE é um erro! Erro, por que? A direita vai aproveitar uma Constituinte

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Nº 14 - Set/15. PRESTA atenção. egresso

Nº 14 - Set/15. PRESTA atenção. egresso Nº 14 - Set/15 PRESTA atenção egresso! Apresentação Após passar anos dentro de uma penitenciária, finalmente chega o momento de liberdade. Ao mesmo tempo que o corpo é tomado por uma alegria, é também

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente?

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente? REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. ALUNA: KETLY LORRAINY R. DE OLIVEIRA PROFESSORA: MARIA PEREIRA DE CALDAS TEMA: CORRUPÇÃO : O QUE EU POSSO FAZER PARA COMBATE-LA

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro/SASERJ. Tel/fax : 21-25333030 email: saserj@saserj.org.br WWW.saserj.org.

Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro/SASERJ. Tel/fax : 21-25333030 email: saserj@saserj.org.br WWW.saserj.org. Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro/SASERJ Rua Evaristo da Veiga 45, sala 1103/ Centro Tel/fax : 21-25333030 email: saserj@saserj.org.br WWW.saserj.org.br HISTÓRIA DO SASERJ:

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano.

Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano. Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano. Reportagem que chocou o país completou um ano esta semana. O Fantástico mostra o que aconteceu com

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania.

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

LEI SECA de trânsito

LEI SECA de trânsito LEI SECA de trânsito Tire algumas dúvidas sobre a nova Lei Seca no trânsito O jornal Zero Hora, de Porto Alegre, está apresentando em sua edição desta segunda-feira (23) um interessante serviço público.

Leia mais