UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO MESTRADO MULTIDISCIPLINAR E PROFISSIONAL EM DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO MESTRADO MULTIDISCIPLINAR E PROFISSIONAL EM DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO SOCIAL"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO MESTRADO MULTIDISCIPLINAR E PROFISSIONAL EM DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO SOCIAL ELISALDO SANTOS SILVA INTELIGÊNCIA EM SEGURANÇA PÚBLICA: UMA REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO E SUAS PRÁTICAS. A INTERSEÇÃO ENTRE SAÚDE E SEGURANÇA PÚBLICA: UM ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO, REABILITAÇÃO E REINSERÇÃO DE POLICIAIS MILITARES ADICTOS Salvador 2014

2 2 ELISALDO SANTOS SILVA INTELIGÊNCIA EM SEGURANÇA PÚBLICA: UMA REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO E SUAS PRÁTICAS. Dissertação apresentada ao Mestrado Multidisciplinar e Profissional em Desenvolvimento em Gestão Social, da Universidade Federal da Bahia, como requisito final para a obtenção do título de Mestre. Orientadora: Prof.ª Dr.ª Tânia Maria Diederichs Fisher. Salvador 2014

3 3 Escola de Administração - UFBA S586 Silva, Elisaldo Santos. Inteligência em segurança pública: uma reflexão sobre a gestão e suas práticas / Elisaldo Santos Silva f. Orientadora: Profa. Dra. Tânia Maria Diederichs Fischer. Dissertação (mestrado) Universidade Federal da Bahia, Escola de Administração, Salvador, Segurança pública Administração. 2. Policias Formação profissional. 3. Serviços de inteligência. 4. Administração policial Recursos de informação. 5. Policias Segurança no trabalho. I. Universidade Federal da Bahia. Escola de Administração. II. Título. CDD 363.1

4 4 ELISALDO SANTOS SILVA INTELIGÊNCIA EM SEGURANÇA PÚBLICA: UMA REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO E SUAS PRÁTICAS. Área de Concentração: Desenvolvimento e Gestão Social Linha de Pesquisa: Gestão Do Desenvolvimento Territorial, Interorganizações e Tecnologias Sociais. Dissertação apresentada como requisito para obtenção do grau de Mestre em Desenvolvimento em Gestão Social, Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia UFBA. Salvador-BA, 17 de outubro de Banca Examinadora Prof.ª Dr.ª Tânia Maria Diederichs Fisher Orientadora Doutora em Administração pela Universidade de São Paulo (1984) Professora do Mestrado em Gestão Social - UFBA Universidade Federal da Bahia. Prof.ª Dr. Julio Cesar de Sá da Rocha Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil (2001) Professor do Mestrado profissional em Segurança Pública, Justiça e Cidadania da UFBA Universidade Federal da Bahia. Prof.ª Dr.ª Márcia Esteves de Calazans Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil (2009) Pós-Doutorado em Violência, Democracia e Segurança Cidadã, pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia - INCT/CNPq Professora no Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Cidadania da Universidade Católica do Salvador Líder do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Violência, Democracia, Controle Social e Cidadania./CNPq, Salvador, Brasil. Prof.ª Me. Lucélia Oliveira Almeida Mestre em Segurança Pública, Justiça e Cidadania pela Universidade Federal da Bahia, Brasil (2013) Profissional da área da Atividade de Inteligência em Segurança Pública Secretaria da Segurança Pública da Bahia.

5

6 5 Ao companheiro de vida, amigo que recebeu o maior aditivo pela descarga de aflições, inquietações, Manoel Canário Jr. À minha irmã Anamira. Ao meu filho Antonio Eduardo. Aos meus pais Antonio e Maria. À minha sogra Ilse. À minha família e amigos. Com todo meu amor e reconhecimento. AGRADECIMENTOS

7 6 À Nossa Senhora Virgem Maria, minha protetora, meu anjo da guarda. O Pai e o Filho reconhecem esta posição e a eles minha estima, pois não sou uma pessoa religiosa. Sou uma pessoa de fé. E assim, a todos meus Santos e Orixás. A Antonio e Maria que me concederam a vida e apresentaram-me princípios, ensinaram-me ética, proporcionaram-me educação sem a qual não teria alcançado maturidade para seguir esta jornada; A Antonio Eduardo por ser um pedaço de mim, e que eu lhe seja uma de suas fontes de exemplos; A Manoel Canário Júnior por tudo que representa; Às amigas, mais que amigas, o time feminino, Ana Cláudia, Ana Cristina, Elisângela Cardoso, Evanira Costa, Lucélia Almeida, Luciana Valverde, Natascha Cravo pela atenção, carinho, apoio na leitura do trabalho e suas contribuições de conteúdo e de gramática. A ordem alfabética foi para evitar quaisquer ciúmes, pois cada uma em seu jeito de ser e contribuir, o meu Obrigado de coração. Aos colegas de trabalho, o time masculino, Alexinaldo Mota, Antonio Rosado, Antonio Vinícius, Ivo Tourinho, Luiz Augusto, João Ricardo, Ricardo Cruz pela compreensão e apoio ao longo deste trabalho; À minha orientadora Tânia Fischer por sua confiança e parceria no desenvolver deste trabalho; À Banca Examinadora, Me. Lucélia Almeida, Dr.ª Márcia de Calazans e Dr. Júlio da Rocha pela confiança ao trabalho; Aos colegas de profissão, da área da Inteligência, principalmente, os policiais de Porto Alegre Gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos - DIPAC/GIE/CH/PC-RS, Brasília SENASP e ABIN, e de Recife - Coordenação de Inteligência da Polícia Civil, que muito acolheram, auxiliaram e contribuíram para a realização deste trabalho. Pelo princípio do sigilo preservo o nome de cada um, na certeza de tê-los todos resguardados pelo objetivo que move esta dissertação. À minha família sobrinhos, irmãos, sogra, cunhados, cunhadas, tios, tias, primos, primas; Aos colegas de turma nesta jornada intelectual; À Marcela, secretária de curso, por sua presença no melhor desenvolver das atividades acadêmicas; A meu irmão Edson (in memóriam) por suas palavras de entusiasmo e conforto.

8 7 Cada homem é, ao mesmo tempo, um ente individual e, um ente social. Como indivíduo, distingue-se de todos os outros homens; e, porque se distingue, opõe-se lhes. Como sociável, parecese com todos os outros homens; e, porque se parece, agrega-se-lhes. Fernando Pessoa.

9 8 SILVA, Elisaldo Santos. Inteligência em Segurança Pública: Uma Reflexão sobre a Gestão e suas Práticas. 113 f. il Dissertação (Mestrado) Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, RESUMO Este trabalho tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o trabalho de Inteligência no Brasil, discutindo a questão da proteção do agente de inteligência e do modus operandi. Estabelece um olhar sobre a Inteligência em Segurança Pública no âmbito da gestão pública e suas práticas. Tomou-se como percurso metodológico, a observação participante, o que propiciou um contato intersubjetivo com os policiais civis durante a Residência Social vivenciada nos Estados do Rio Grande do Sul, Brasília e Pernambuco, para conhecer as práticas exitosas por eles desenvolvidas para a execução da ISP. Envolve a discussão sobre a amplitude da Atividade de Inteligência voltada para a prática da Segurança Pública em um contexto socialdemocrático voltado para a valorização do cidadão. A partir da revisão bibliográfica, deu-se o conhecimento do marco histórico da Inteligência e suas especificidades no campo de sua prática e gestão. É apresentado como preocupação central, a necessidade de proteção do agente de inteligência, haja vista que tanto a exposição deste como do modus operandi como das informações obtidas e o conhecimento produzido, poderão comprometer a sua finalidade. Das observações e vivências experimentadas através da Residência Social nos Estados já citados, verificou-se uma lacuna importante no campo da proteção ao agente de inteligência e do modus operandi tanto na bibliografia levantada quanto na prática da ISP. É sabido que a Atividade de Inteligência produz, através de ações legalizadas e realizadas por seus agentes, conhecimento para auxiliar no processo decisório dos gestores e aplicações de ações em políticas públicas que favoreçam a Sociedade em vários campos, em destaque no da Segurança Pública, bem como, direcionar a Investigação Policial para o caminho que identifique autoria e materialidade criminal contribuindo com o Judiciário. Dessa maneira, a ausência de mecanismos de proteção constatada, expressa a necessidade de sensibilizar gestores dos Poderes Legislativo e Executivo para uma cultura protetiva, como princípio básico para garantir a segurança de todo sistema da ISP, de sua função legal e social e, acima de tudo, de seus agentes. Palavras-Chave: Inteligência Policial. Segurança Pública. Gestão.

10 9 SILVA, Elisaldo Santos. Inteligência em Segurança Pública: Uma Reflexão sobre a Gestão e suas Práticas. 113 f. il Dissertação (Mestrado) Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, ABSTRACT This work aims to present a reflection on the work of Intelligence in Brazil, discussing the issue of protection of the intelligence agent and modus operandi. Establishes a look at the Public Security Intelligence in the context of public management and its practices. Was taken as a methodological approach, participant observation, which allowed an intersubjective contact with police officers during the Social Housing lived in the states of Rio Grande do Sul, Brasilia and Pernambuco, to learn about successful practices developed by them for the implementation of ISP. Involves discussion of the breadth of Intelligence Activity directed towards the practice of Public Security in a social democratic context for the appreciation of the citizens. From the literature review, was given the knowledge of the historical landmark of Intelligence and its specificities within his field of practice and management. It is presented as a central concern, the need for protection of the intelligence agent, considering that both the exposure of this as the modus operandi as the information obtained and the knowledge produced may compromise their purpose. Observations and experiences experienced by Social Housing in the already cited, there was a major gap in the field of protection of intelligence agent and modus operandi in both the bibliography and in practice the ISP. It is known that the activity of Intelligence produces, through legalized and actions performed by its agents, knowledge to assist in decision making of managers and equity investments in public policies that promote the Society in various fields, especially in the Public Safety and as direct the police investigation to identify the path that authorship and materiality contributing to the criminal courts. Thus, the absence of mechanisms of protection observed, expressed the need to sensitize managers of the Legislative and Executive for a protective culture as a basic principle to ensure the safety of the whole system of the ISP, its legal and social function, and above all of its agents. Keywords: Police Intelligence. Public Safety. Management.

11 10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Segurança Pública X Segurança Privada Tabela 2 Ações da Sociedade Brasileira para a Segurança Pessoal e Familiar Tabela 3 Distinções comparativas entre a AI e INP Tabela 4 Quadro Comparativo entre os Princípios formulados por Ferro Jr e a DNISP... 51

12 11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABIN ACADEPOL AI AIn BCS CPP CVLI DIP DNISP DPT ESG EUA GIE IBGE INFOSEG InP IP ISP MJ PFSISPP RONDESP RP RSISN SBT SDS/PE SENASP SEVAP SFICI SI SISBIN Agência Brasileira de Inteligência Academia de Polícia Civil Atividade de Inteligência Agente de Inteligência Base Comunitária de Segurança Código de Processo Penal Crimes Violentos Letais Intencionais Departamento de Inteligência Policial Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública Departamento de Polícia Técnica Escola Superior de Guerra Estados Unidos da América Gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Rede de Informações de Segurança Pública Investigação Policial Inquérito Policial Inteligência em Segurança Pública Ministério da Justiça Fortalecimento do Sistema Estadual de Inteligência de Segurança Pública de Pernambuco Companhia de Rondas Especiais Radiopatrulhamento Segurança Nacional Sistema Brasileiro de Televisão Secretaria de Defesa Social do Pernambuco Secretaria Nacional da Segurança Pública Serviço de Valorização Profissional Serviço Federal de Informações e Contrainformações Superintendência de Inteligência Sistema de Brasileiro de Inteligência

13 12 SISP SNI SSP SPP SUSP TSPD Subsistema de Inteligência em Segurança Pública Serviço Nacional de Informações Secretaria de Segurança Pública Segurança de Políticas Públicas Sistema Único de Segurança Pública Traga Seu Próprio Dispositivo

14 13 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO SEGURANÇA PÚBLICA PÚBLICO E PRIVADO SEGURANÇA PÚBLICA E DIREITOS HUMANOS SEGURANÇA PÚBLICA: UMA APROPRIAÇÃO DA ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA A CONDIÇÃO HUMANA NA ISP SEGUNDO PENSAMENTOS FILOSÓFICOS E ANTROPOLÓGICOS ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA EM SEGURANÇA PÚBLICA UMA POLÍTICA PÚBLICA OS RAMOS DA INTELIGÊNCIA EM SEGURANÇA PÚBLICA INTELIGÊNCIA CONTRAINTELIGÊNCIA OPERAÇÕES AMBIENTE DE INTELIGÊNCIA E A PUBLICIZAÇÃO DOS AGENTES E DOS MODUS OPERANDI GESTÃO PÚBLICA, GESTÃO DA SEGURANÇA E INTELIGÊNCIA PÚBLICA GESTÃO DA SEGURANÇA E INTELIGÊNCIA PÚBLICA Breve Histórico da Defesa Nacional e da Atividade de Informação RESIDÊNCIA SOCIAL E PRÁTICAS EXITOSAS EM SEGURANÇA PÚBLICA RESIDÊNCIA SOCIAL NO RIO GRANDE DO SUL RESIDÊNCIA SOCIAL NO DISTRITO FEDERAL RESIDÊNCIA SOCIAL EM PERNAMBUCO INTELIGÊNCIA EM SEGURANÇA PÚBLICA NA BAHIA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

15 14 1. INTRODUÇÃO A área da Segurança Pública, ao longo das décadas, vem sendo problematizada, diante do aumento da sensação de insegurança instaurada entre os cidadãos e a prestação de serviço público ineficaz. O Estado, frente a estas expressões e do aumento da violência e da criminalidade, busca adequar uma nova política de controle desta onda através da prevenção e precaução na redução de danos e gerenciamento de riscos (atuarialismo), por meio da diminuição das oportunidades criminogênicas e do fortalecimento dos controles situacionais informais. Entretanto, estas ações não conseguem dar resultados e soluções desejáveis para a sensação de segurança que a sociedade busca. A Gestão atual em Segurança Pública emerge nas instituições policiais como recurso do Estado para os administradores reconhecerem as demandas da área de Segurança Pública e construir ações estratégicas, operacionais ou administrativas no sentido de resolver problemas, diminuir indicadores de violência, melhorar o desempenho global de instituições, aprimorarem o trabalho das Polícias, de maneira a serem respeitados os direitos humanos e atingir resultados mais eficientes e melhor enquadrados, no que tange à necessidade social. Por estes parâmetros, a Segurança Pública permanece na incerteza de se fazer uma gestão competente. Uma boa iniciativa dos Estados foi de estruturarem, nos órgãos da Segurança Pública, a atividade de Inteligência em Segurança Pública ISP, objetivando a manutenção do fluxo sistemático de conhecimentos, para o Processo Decisório de Segurança Nacional/Segurança Pública, na a melhor prestação dos serviços de políticas públicas. A partir deste cenário, tornaram-se necessários recursos humanos especializados, com capacitação contínua, para a produção de conhecimento, infraestruturas adequadas, modus operandi diferenciado e atualizado, entre outros. Apesar de o Estado disponibilizar este instrumento para melhorar a prestação de serviços do Sistema de Segurança Pública; surgem questionamentos: de que

16 15 forma a atividade de ISP é realizada? Dá forma com é realizada, a ISP tem alcançado seus propósitos? Assim, por cinco anos, acompanhando a trajetória da atividade de Inteligência em Segurança Pública - ISP, na Polícia Civil do Estado da Bahia, mas precisamente no Departamento de Inteligência Policial DIP e na Superintendência de Inteligência SI, e, dentro destes cinco anos, realizando um maior aprofundamento, quando da imersão no mestrado em Desenvolvimento em Gestão Social, promovido pela Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia EA/UFBA, pude ampliar minhas pesquisas buscando respostas em outras instituições policiais civis nos Estados do Rio Grande do Sul, Brasília e Pernambuco, observando práticas exitosas de cada um deles para a execução da ISP. Neste ininterrupto acompanhamento na trajetória da atividade de Inteligência em Segurança Pública, pelas Polícias Civis ora mencionadas, em consonância às leituras empreendidas, surge a inquietação sobre o que se protege ou quer proteger como a efetivação da Inteligência em Segurança Pública. Foi ainda observada a preocupação de vários autores e agentes de inteligência que o primordial é a proteção da informação e do conhecimento produzidos. Mas, onde encontrar a mesma preocupação com aquele que produz o conhecimento e realiza o modus operandi para coleta das informações? Percebe-se que ainda existem caminhos a percorrer para se fazer uma atividade de ISP completa e protegida. Uma vez conhecida a importância da temática e as motivações que movem o pesquisador, o estudo traz como reflexão a questão de investigação, em que medida a ausência de práticas exitosas na gestão protetiva da atividade de Inteligência em Segurança Pública tem impactado na proteção de seus agentes de inteligência, do modus operandi, do sistema como um todo, nos resultados da produção do conhecimento para a tomada de decisões pelos gestores? Este trabalho estabelece como objetivo geral mapear práticas da gestão exitosa de gerenciamento da atividade de Inteligência em Segurança Pública no Brasil, para a redução de incidentes devido a não proteção, segurança e vigilância de seu corpo humano (Agentes de Inteligência - AIn) voltados à produção do conhecimento, para tomada de decisões pelos gestores, e do modus operandi (procedimentos, tecnologias, e sistemas). Para consecução da proposta deste trabalho, delineia-se como objetivos específicos descrever a não proteção, segurança e vigilância dos agentes de inteligência e do modus operandi, e, promover a conscientização nas Instituições que trabalham com Inteligência em Segurança Pública - ISP, para a prática desta proteção, segurança e vigilância imprescindíveis, para se realização de uma atividade de ISP segura e completa.

17 16 Para subsidiar o estudo, a temática suscita dos pressupostos de Segurança Pública, Inteligência em Segurança Pública, Gestão Pública, Políticas Públicas, bem como um breve apontamento da Reforma do Estado e das Agências Reguladoras da Atividade de Inteligência. De forma contumaz, a Residência Social realizada como pesquisa no aprofundamento prático na abordagem do tema é a parte essencial para a fundamentação deste trabalho no estudo de caso. Neste sentido, atentando para esta inquietação, quanto a não devida proteção à ISP, foram coletados dados, informações e a produzir conhecimento que aqui são relatados em sete capítulos mais a considerações finais, refletindo sobre a gestão da Inteligência em Segurança Pública e suas práticas, bem como apresentando formas de contrainteligência na prática de ações protetivas dos agentes de inteligência e do modus operandi. Assim, a dissertação está organizada da seguinte forma. Introdução, como primeiro capítulo de apresentação. Segurança Pública, no segundo capítulo, com perguntas norteadoras como o que é Segurança Pública? Quem realiza e para quem é realizada a Segurança Pública? Como é realizada a Segurança Pública? Qual Segurança Pública queremos? O terceiro capítulo aborda como é estruturada, quais os ramos da Inteligência em Segurança Pública. No quarto capítulo, ISP, propriamente dita, terá uma abordagem filosófica, antropológica e como instrumento de política pública. O quinto capítulo o cerne da questão, trabalhando com o ambiente de inteligência e a publicização dos agentes e do modus operandi. O sexto capítulo na abordagem da Residência Social e as práticas exitosas encontradas nos Estados visitados. Para compilar todo trabalho, o sétimo e último capítulo com a conclusão e apresentação de propostas relevantes. Que fique claro que esta produção não esgota o entendimento sobre Contrainteligência na ISP, na proteção dos agentes de inteligência e do modus operandi, nem é mera criticidade à literatura existente. O que se busca é ampliar a visão, pela reflexão, de lidar com este instrumento de Políticas Públicas para o melhor gerir social e de sua instituição. Creio que, o cuidado que se deve ter em relação à ISP é enfraquecido por conta de um histórico ditatorial militar do qual a Inteligência em Segurança Pública deriva, posto que antes não se falava em Serviço de Inteligência, mas sim em Serviço de Informação. O Serviço de Informações era usado pelo Estado através das Forças Armadas para reprimir, coibir, inibir, destruir forças adversárias como políticos, grupos partidários, pessoas, organizações, instituições, qualquer forma de oposição ao Governo e não qualquer forma de inquietação, desordem social, insegurança pública.

18 17 A partir das mudanças sociopolíticas que foram se erguendo ao longo dos tempos, as práticas governamentais permaneceram as mesmas em relação aos usos dos instrumentos estatais, sobretudo na área da Segurança Pública. A ISP como um deles continuou a exercer o papel de suporte para os interesses de Governo e não da Sociedade como uma política pública eficaz. Desta forma, o cuidado que se deve ter, a proteção que se deve empregar, a Contrainteligência que deve existir para a prática de garantia, segurança e vigilância dos métodos, procedimentos, tecnologias (equipamentos e sistemas) e de seu corpo humano (agentes de inteligência - AI) voltados à produção do conhecimento científico, para tomada de decisões pelos gestores, foi tudo posto de lado e apenas priorizada a proteção da informação e do conhecimento produzido. Diante a não existência de uma literatura que respondesse ao problema, a Residência Social, como estudo de caso, foi a parte mais importante para a confecção deste trabalho. Por conseguinte, a análise bibliográfica ampliou e trousse mais fundamentos para este objeto de estudo.

19 18 2. SEGURANÇA PÚBLICA O que é Segurança Pública? Quem realiza e para quem é realizada a Segurança Pública? Como é realizada a Segurança Pública? Qual Segurança Pública queremos? Estes questionamentos, dentre outros, movem a concepção da Segurança Pública nos dias atuais. Muito se discute o tema, na atualidade, face às atrocidades cometidas por uma pequena parcela de policiais, em relação ao aumento da criminalidade, pelo descaso e omissão do Estado e da Sociedade quanto à constante marginalização dos excluídos. Pelas questões socioeconômicas, culturais, étnicas, políticas a Segurança Pública foi apontada para responder, sozinha, contra a criminalidade e a violência, contra a pobreza, como se esta fosse o mal social e dela saíssem todos os pontos negativos de uma sociedade. Diante alguns estudos já realizados como a teoria das janelas quebradas, ficou constatado que a pobreza não é e nunca foi causa de violência e criminalidade, mas é a parte renegada do Estado e da maioria da Sociedade que não reconhecem pobres como parte integrante deste todo, mas excluídos, marginalizados destituídos de qualquer direito. A teoria das janelas quebras, uma pesquisa norte americana, será vista mais adiante, em maiores detalhes, quando da apresentação do capítulo 6, no ponto 6.1 GESTÃO DA SEGURANÇA E INTELIGÊNCIA PÚBLICA, página (86). Dentro do contexto de Segurança Pública tem os profissionais, policiais membros da sociedade que ingressam nas corporações para combater a criminalidade de forma inteligente, científica, técnica, preventiva, precavida, respeitando os direitos humanos e fundamentais e, caso necessário, reprimindo-a para manutenção da ordem pública. Entretanto, poucos acabam usando do poder de polícia conferido pelo Estado, para realizar justiça, acusar, aplicar pena, a qual, na maioria das vezes é empregada com o pecado mortal.

20 19 Em contra partida, temos uma Segurança Pública e uma Sociedade que não atentam para o profissional da área, para o cidadão policial. A situação de mazela, de descuido, de desrespeito que o Estado, através de seus governos, coloca seus policiais, na maioria das vezes, ou quase nunca é questionada, observada, inquirida pela Sociedade civil, para um reenquadramento sócio-profissional. O policial trabalha com o mínimo de segurança, estando a todo instante desprotegido, vulnerável em face da criminalidade, do crime organizado que tem, como um dos objetivos, aniquilar qualquer profissional da área. Porém, o que fica em evidência, em primeiro plano, são as atrocidades cometidas por alguns policiais que maculam a Instituição, agridem a Sociedade. Por isso, todo o Sistema da Segurança Pública é elevado a um contexto de despreparo, repúdio, insegurança por parte da sociedade civil que, com base nos direitos humanos, distorce todo um contexto de direito cidadão. A sociedade civil que tem uma atuação complementar as ações do Estado, quando este não se faz presente por seus governos, falha também, por não entender, observar e acionar o Estado quando este não dá reais condições de segurança, preparo para seus agentes exercerem suas funções policiais em prol da sociedade e dele mesmo, já que ele, o agente profissional da Segurança Pública, faz parte dessa sociedade. Infelizmente as discussões levantadas pela sociedade civil, como extremada posição de acusadora ao usar direitos humanos, para combater atos levianos de uma pequena parte de profissionais da Segurança Pública, acabam perdendo o foco no contexto e de propor melhores empreendimentos para o combate à violência, à criminalidade, assegurando a todas as vítimas do sistema o direito de se ter direitos humanos. Policial e cidadão, qual a diferença de um para o outro? A mera questão do exercício de representatividade do Estado. Nem todo cidadão é policial, mas o inverso é verdadeiro. Por este ponto é que o policial também é vítima. Todo este levantamento sobre responsabilidades, vítimas do sistema é para se ter uma ampliação de se trabalhar Segurança Pública para toda a sociedade, pela observância dos direitos humanos, de políticas públicas. Os direitos humanos, de início, parecem afastados da realidade dos policiais e apenas reforço de direitos para criminosos. Enquanto que, para o Estado, políticas públicas é algo distante da Segurança Pública. Para assegurar direitos humanos e fundamentais, deveres, responsabilidades, políticas públicas, o Estado, a exemplo da Bahia, contava com quatro Secretarias, no final do século passado, e oferecia serviços públicos como prisão, detenção, correção, através das Polícias Administrativa e Judiciária pertencentes à Secretaria de Polícia e Segurança Pública. Esta

21 20 forma de oferta de serviços públicos, de segurança pública, assegurar direitos não foi e não é eficiente. Conforme dados coletados do site da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, a ideia estabelecida de polícia advém de origem grega politeia, e que ao ser transcrita para o latim politia passou a ter o mesmo sentido que era o de governo de uma cidade, administração, forma de governo. Com o passar dos tempos o vocábulo polícia passou a ter outra definição, mais específica quanto a representação das ações de governo ao exercício de suas funções de tutela da ordem jurídica, na garantia da ordem pública, onde a sociedade tinha a sensação de segurança e a criminalidade sabia que existia o Estado interventor, controlador. No Brasil a ideia de polícia surge com a sua colonização, por volta de 1530, quando as terras de Portugal foram divididas em capitanias hereditárias. Martim Afonso de Souza regente administrativo era ainda aquele que promovia a Justiça e promulgava os serviços de ordem pública a exemplo de assegurar as terras de Portugal e todas as que conquistasse. Era o Estado liberal português presente na colonização brasileira através da repressão pela força de uma Polícia. Quanto à estrutura deste instrumento de manutenção da ordem pública, Martim Afonso de Souza segue o mesmo modelo português, no qual as funções de Polícia e Justiça completavam-se. Tinha-se então o Alcaide-Mor, como juiz ordinário, ao qual lhe eram conferidas atribuições militares e policiais. É interessante como, naquela época, a função militar era associada à policial. Existia o entendimento de que militar era para guerra, para o confronto armado, e que, a todo custo, extinguisse qualquer conflito e, sendo assim, a policial se investia dessa função, pois, naquele tempo, as terras de Portugal estavam sendo delimitadas, conquistadas e outras nações como a francesa, holandesa e inglesa a cobiçavam. Não se tinha contingente para compor duas estruturas diferenciadas, militar e policial para combater os invasores, as forças adversas aos interesses portugueses. Além do Alcaide-Mor, completavam o quadro da Polícia o Alcaide-Pequeno, o qual era responsável pelas diligências noturnas, nas quais poderiam ocorrer prisões, este alcaide é hoje a figura do Delegado de Polícia. O Mor é o que se pode correlacionar de Chefe de Polícia. Tinham ainda os Quadrilheiros, homens que se ligavam aos Alcaides-Pequenos, auxiliando-os no cumprimento dos deveres de polícia, o Escrivão da Alcaidaria e os Mineirinhos, oficiais de justiça.

22 21 Quanto à estrutura policial, quase nada mudou das capitanias hereditárias para os dias atuais. As funções permanecem as mesmas, porém em relação à nomenclatura dos papeis não se pode dizer o mesmo. Por D. João VI, em 10 de maio de 1808, foi criado o cargo de Intendente Geral de Polícia da Corte, e seu primeiro nomeado foi Paulo Fernandes Viana. Em 1810, a 25 de maio, Fernandes Viana cria, através de um instrumento administrativo, Aviso, o Corpo Comissário de Polícia, porém este corpo só se tornara realidade em novembro de 1825, através de uma Portaria do Intendente Geral de Polícia, Francisco Alberto Teixeira de Aragão. Como já expressado, poucas foram as mudanças no se realizar Segurança Pública, se bem que, ao certo, àquela época e até antes de 1988, existia Segurança Pública o que não existia, e ainda não existe, era uma Segurança de Políticas Públicas, uma Secretaria capaz de prover políticas públicas para melhor se realizar segurança pública. Como visto, as funções militares e policiais eram cumulativas a um mesmo instituto, ao mesmo operador. Porém, com a promulgação do Código de Processo Criminal do Império, de 1841, a organização foi descentralizada. Morre o cargo de Intendente Geral de Polícia e elevasse o de Chefe de Polícia, ocupado por Euzébio de Queiroz Coutinho Matoso Câmara, em O que se tem de novo neste sistema é que, em cada Província e na Corte, tem-se o estabelecimento de uma Chefia de Polícia auxiliada por delegados e subdelegados de polícia, instituída pela lei de Chefatura de Polícia datada de 03 de dezembro de Em 1842, através do Regulamento 120, são definidas as atribuições de Polícia Administrativa e Judiciária sob a chefia do Ministério da Justiça. Em 1871, a 20 de setembro, através da Lei 2033 e regulamentada pelo Decreto 4824 de 22 de novembro do mesmo ano, é então reformado o Sistema adotado pela Lei 261 que separa Justiça de Polícia, criando Secretarias distintas. Tem-se então a criação do Inquérito Policial. Por este histórico, o qual pode ser encontrado em várias instituições de Segurança Pública do Brasil como a de São Paulo, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, pode-se perceber que, antes da concepção de Segurança Pública, muito ainda persiste no ordenamento administrativo do Estado no se prestar segurança pública. O histórico institucional do Governo da Bahia alude que: Os serviços da administração pública da esfera e competência do Governo da Bahia eram distribuídos por quatro secretarias no final do século passado. Uma dessas secretarias era a de Polícia e Segurança Pública, à qual pertenciam os serviços com a

23 22 polícia administrativa e judiciária, a força policial do Estado e o regime penitenciário, correcional e detentivo, e com as prisões em geral. Em 1930, (Dec. n 7.066/01 nov.), funde-se a outras secretarias, passando a denominar-se Secretaria do Interior, Justiça, Instrução, Polícia, Segurança, Saúde e Assistência Pública (grifo nosso). Em 1931, (Dec. n 7.284/03, maio) volta à denominação anterior. Em 1935 (Dec. n 9.479/24, abr.) passa a denominar-se Secretaria da Segurança Pública. Neste enunciado do histórico institucional da Secretaria que se funde para realizar Segurança Pública é muito mais conveniente que ela mesma sozinha, pois a partir desse quadro pode ser percebido que Segurança Pública não dá para se fazer isolada é preciso uma integração de ações humanas, funções estatais que propiciem a construção de políticas públicas que coadunem em um realizar de serviços públicos coesos de relevância social e que fixe na sociedade a sensação de segurança, de paz, tranquilidade. Segundo Leeds (2013, p. 135): A segurança pública, de todas as arenas de políticas públicas, é a mais difícil de mudar. Com exceção da mudança nominal e simbólica do papel da polícia, deixando de ser responsável pela segurança nacional e assumindo a responsabilidade da segurança pública ou seja, de protetora do Estado passou a proteger os cidadãos. Com a Constituição Federal de 1988, a qual necessita de reforma política, ao Estado cabe a responsabilidade de assegurar proteção aos cidadãos, através da Segurança Pública. No art. 144, da referida Constituição, houve uma manutenção da responsabilidade primária da Polícia com a Segurança Pública na esfera estadual, preservando a estrutura hierárquica da Polícia Militar e o seu papel ostensivo na manutenção da ordem no patrulhamento das ruas. À Polícia Civil foi mantida a função investigativa. Com o passar dos tempos, cada instituição procurou se estabelecer na sociedade como partes dissociadas, mesmo dentro da mesma Secretaria de Estado, como se uma não dependesse da outra e que ambas não tivessem que realizar Segurança Pública, concomitantemente, de forma integrada para obtenção de resultados duradouros. Cada instituição passou a estabelecer suas próprias regras, culturas, identidades dificultando a integração que se precisa para realizar uma Segurança Pública de qualidade, além do contato Intersetorial do Estado. Antes de compreender a atividade de Segurança Pública - SP, vamos realizar uma abordagem sobre os conceitos dos termos que a compõem, Segurança e Público(a), para uma melhor explanação do tema.

24 PÚBLICO E PRIVADO O termo Público, que aparece ligado a Segurança, depreende-se dele, segundo Oliveira (2012), é caracterizado pelo: Fato de possuir uma diversidade conceitual ao longo da história. O uso do termo é, normalmente, designado ao que é estatal, ou seja, a ligação com o Estado é a primeira ideia recorrente. Essa ligação é entendida quando a origem do termo mostra que os verbos publicar. Deriva do Latim publicu, ou seja, tornar público e de publicus, relativo ao povo além de populus, povo. Assim, sendo o Estado responsável, tradicionalmente, pelo bem-comum o termo normalmente está relacionado a ele. (OLIVEIRA, 2012, p. 44). Pela primeira abordagem de Oliveira (2012) em relação ao termo público a ele se relaciona ou associa-se o termo segurança, a qual conforme a Constituição Federal 1988, em seu art. 144, estabelece que a segurança pública, dever do Estado (grifo nosso), direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade (grifo nosso) das pessoas e do patrimônio [...]. Segundo a Ministra Ellen Gracie (2008) a garantia da ordem pública revela-se na necessidade de assegurar a credibilidade das instituições públicas no tocante ao princípio da transparência e disseminando visibilidade de políticas públicas na persecução criminal. Para Taranta (2008, p. 05) a ordem pública consiste ainda em agrupado dos princípios fundamentais, refletidos em normas de direito privado, subjacentes ao sistema jurídico que o Estado e a sociedade estão fundamentalmente interessados em que predominem sobre as convenções privativas. Já incolumidade está voltada para a segurança e tranquilidade de um número indeterminado de pessoas. Versa em um complexo de condições, garantidas pela ordem jurídica, necessárias para a segurança da vida, da integridade pessoal e da saúde. A incolumidade pertence a toda sociedade e ao mesmo tempo não pertence a ninguém. Como destaca Nucci (2011), devemos conferir à garantia da ordem pública um significado realmente concreto, distante de ilações ou presunções de gravidade abstrata de qualquer infração penal, sendo, desta forma, a manutenção da ordem pública versa pela garantia de afastamento temporário do réu do ceio da sociedade, observando a repercussão social e maneira destacada da execução do crime, pelas condições pessoais negativas do autor e envolvimento deste com quadrilha, bando ou organização criminosa. O dever do Estado está para os entes União, Estados, Municípios e o Distrito Federal, e que cabe a estas pessoas políticas o poder de polícia.

25 24 O dever estatal no poder de polícia, conforme estipulado pelo art. 78 do CTN, reforça o significado do termo público. Considera-se poder de polícia (grifo nosso) a atividade pública que, limitando ou disciplinando direito, interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de interesse público (grifo nosso) concernente à segurança (grifo nosso), à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranquilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos. (CTN, art. 78). Ora, se o poder de polícia compete ao Estado, seja ele Federal, Estadual, Municipal ou Distrito Federal, e que a Segurança Pública é um exercício exclusivo deles não sendo possível sua delegação, concessão a terceiros, como a segurança privada é cabível? A esta pergunta, tem-se resposta no ordenamento jurídico brasileiro, na lei Nº /83 que dispõe sobre segurança privada aquela onde confere segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição e funcionamento das empresas particulares que exploram serviços de vigilância e de transporte de valores, e dá outras providências. (MINISTÉRIO DA JUSTIÇA). O Estado não delega a atribuição da investigação policial como os procedimentos investigatórios, a persecução criminal, apenas oportunizam particulares para que possam realizar serviço de vigilância. Aos que a praticam segurança privada são chamados de vigilantes. Conforme o art. 10 da lei 7.102/83, - são consideradas como segurança privada as atividades desenvolvidas em prestação de serviços com a finalidade de: (Art. 10, caput alterado, incisos e parágrafos incluídos pela Lei nº 8.863, de 28/03/1994). I - proceder à vigilância patrimonial das instituições financeiras e de outros estabelecimentos, públicos ou privados, bem como a segurança de pessoas físicas; II - realizar o transporte de valores ou garantir o transporte de qualquer outro tipo de carga; 1º - Os serviços de vigilância e de transporte de valores poderão ser executados por uma mesma empresa. 2º - As empresas especializadas em prestação de serviços de segurança, vigilância e transporte de valores, constituídas sob a forma de empresas privadas, além das hipóteses previstas nos incisos do caput deste artigo, poderão se prestar ao exercício das atividades de segurança privada a pessoas; a estabelecimentos comerciais, industriais, de prestação de serviços e residências; a entidades sem fins lucrativos; e órgãos e empresas públicas. 3º - Serão regidas por esta lei, pelos regulamentos dela decorrentes e pelas disposições da legislação civil, comercial, trabalhista, previdência e penal, as empresas definidas no parágrafo anterior. 4º - As empresas que tenham objeto econômico diverso da vigilância ostensiva e do transporte de valores, que utilizem pessoal de quadro funcional próprio, para execução dessas atividades, ficam obrigadas ao cumprimento do disposto nesta lei e demais legislações pertinentes. (MINISTÉRIO DA JUSTIÇA). Desta forma, Segurança Pública difere de Segurança Privada por vários pontos entre eles, conforme tabela que segue:

26 25 Tabela 1 Segurança Pública X Segurança Privada Segurança Pública Segurança Privada Constituição Federal Ordenamento Jurídico Para todos (público) Para poucos (quem paga) Ampla Restrita Instrumento de Política Pública Ferramenta Fonte: Residência Social do autor e pesquisa documental. (2014). Perceber a diferença entre a Segurança Pública da Privada realça o Público do Privado, onde o primeiro atende aos interesses da sociedade coletiva, enquanto que o segundo atende interesses particulares. Em outra comparação tem-se ainda a realização da segurança individual, aquela que é realizada pelo indivíduo para assegurar-se de situações fortuitas, porém para cada cidadão, a depender de sua classe social, a disposição de meios será diferente para manter-se seguro, conforme tabela abaixo: Tabela 2 Ações da Sociedade Brasileira para a Segurança Pessoal e Familiar Classe A [Elite] Blindar o carro Comprar colete a prova de bala Instalar equipamentos eletrônicos de segurança Classe Pobre Chamar por Deus Mudar hábitos Cotidianos Chaves e cadeados Contratar segurança particular No sentido de vida, o lar vira um refúgio e, ao mesmo tempo, uma prisão. Fonte: (SECCO apud COSTA, 2005, p. 166). Pelas interpretações das tabelas apresentadas fica clara a distinção entre público e privado e que atende as definições apresentadas segundo Paoliello (2007), apud Oliveira (2012) de que a dinamicidade do processo histórico produziu leituras de contextos diferentes levando a compreensão de público como coletivo, uma ideia de popular, democrático opondose à esfera privada, indivualista. Já Oliveira (2012, p. 44), em relação ao que pensa Arendt (2010):

27 26 poder estatal. O termo público denota dois fenômenos, que, segundo a autora, são correlatos, mas não idênticos. Em primeiro lugar, significa que tudo o que parece público pode ser visto e ouvido por todos e tem a maior divulgação possível. Em segundo lugar, Arendt (2010) esclarece que o termo público significa o próprio mundo, na medida em que é comum a todos nós e diferentes do lugar que possuímos nele. Nesse sentido, Arendt (2010) defende que o mundo ao mesmo tempo separa e relaciona os homens entre si. Assim, no domínio público, enquanto mundo comum, somos reunidos na companhia uns dos outros, mas, ao mesmo tempo, separados entre si. De qualquer forma, para o exercício do público ou do privado houve a inserção do Habermas (2003) elucida que as categorias público e privado são de origem grega e nos foram transmitidas ao longo da Idade Média, dentro dos preceitos do direito romano. Nesse viés histórico, as categorias de público e privado só passaram a ter uma efetiva aplicação processual jurídica com o surgimento do Estado moderno. (OLIVEIRA, 2012, p. 45). Para a concepção de privado a este se associa o termo propriedade particular, individual que: Para Locke (1998) o que é privado está relacionado intimamente com o caráter da propriedade individual, que começa com a concepção de trabalho do corpo do homem e com a obra de suas mãos. Assim, para Locke (1998) a propriedade individual só existe por meio do trabalho, de qualquer tipo, no sentido de usufruir de seus benefícios. (OLIVEIRA, 2012, p. 46). Sendo assim, a compreensão do termo público é direcionada ao que se apresenta como direitos comuns tutelados pelo Estado, para uma determinada sociedade, posto que poderá ser diferente em relação às sociedades de diferentes culturas. Cabe ao Estado ofertar serviços públicos para a sociedade e, entre eles, está a Segurança Pública para assegurar proteção, na reunião de providências reconhecidas pelo Estado contra danos ou prejuízos causados por terceiros, prevenção, e precaução antecipandose a fatos desconhecidos ou não com intuito destes não se consolidarem. Para Milaré (2005) prevenção e precaução são ações antecipadas no tempo para evitar resultados danosos. Entretanto, a prevenção é mais ampla de forma a antecipar-se para evitar qualquer dano, enquanto que a precaução é direcionada a casos concretos. Quando uma pessoa sai com guarda-chuva em dia de sol em uma localidade tropical, a chuva poderá ocorrer a qualquer momento e ainda leva com sigo um colete salva-vidas, caso chova e essa chuva seja um dilúvio, ela terá proteção, pois saiu de forma preventiva, antecipando-se a fato inesperado. Ela não irá se afogar por estar com o colete. Quando a

28 27 pessoa sai em um dia nublado, sabendo que irá chover e leva seu guarda-chuva, ela antecipase a um momento difícil, porém conhecido, precavendo-se. Em relação à Segurança Pública, quando o Estado, através de seus governos, realiza prevenção, quer atentar para as janelas quebradas, onde os reparos de todas as janelas farão com que os cidadãos sintam a presença do Estado e passem a respeitar os lugares, os espaços, os seus semelhantes, as relações sociais, econômicas, políticas. Desta forma é que se deve pautar-se a Segurança de Políticas Públicas, precavendo e prevenindo ações que anulem ou torne o mínimo possível os danos causados por atos e/ou fatos que atentem contra a sociedade. 2.2 SEGURANÇA PÚBLICA E DIREITOS HUMANOS A Segurança Pública, como já vista, dá-se na esfera pública extensiva a todos da sociedade, como poder de polícia prestado e regulado pelo ente público Federal, Estadual, Municipal ou pelo Distrito Federal, oferecendo serviço público como proteção, prevenção e precaução da salvaguarda da ordem pública e garantia do exercício da cidadania e da democracia, além de agir na investigação criminal, na apuração de fatos que o Estado não teve como impedir. Enquanto que para prover escolta e vigilância patrimonial e de pessoas poderá ser a segurança privada, mediante o quanto estabelecido pela lei 7.102/83. Cunha (2013) define Segurança Pública como: A preservação da integridade física e patrimonial dos indivíduos, nos termos dos ensinamentos de José Afonso da Silva (2000, p. 756), que assim a define: é uma atividade de vigilância, prevenção e repressão de condutas delituosas. Segundo a Constituição, a segurança pública é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. (CUNHA, 2013, p. 4). De forma restrita, o conceito apresentado por Silva (2000) apud Cunha (2013) não corresponde à realidade social vigente, pois o exercício da repressão por si só já não gera mais efeitos positivos no exercício da Segurança Pública. O tema Segurança Pública, ao longo dos tempos, está em um processo de bastante discussão no meio acadêmico, da sociedade e das instituições que a realizam, devido a sua complexidade para prover atividades, atribuições em face da realidade social vigente, do avança tecnológico e do conhecimento científico a serem empregados contra a criminalidade e a violência. Segurança Pública hoje é muito mais do que mero assunto de cunho exclusivo da justiça criminal. É algo que permeia e transpassa por várias áreas transversais, institucionais

29 28 que tem a necessidade de se envolver com outros atores, com outras áreas para uma reflexão de como obter soluções para os conflitos sociais. Segurança Pública não deve ser tratada por um único plano, o policial, mas a ele deve se processar o cultural, o social, o econômico, o educacional dentre outros, para a neutralização ou uma redução significativa da violência, da criminalidade, visando a manutenção da ordem pública e a promoção da paz social. Várias são as tentativas para a neutralização ou redução da violência, da criminalidade, como o incremento de novas viaturas, aumento do quadro de policiais, melhorias no armamento e equipamentos de proteção policial, bem como a realização de cursos, treinamentos, simpósios, seminários de qualificação, capacitação com temas diversos para a formação contínua do policial e sua melhor atuação na sociedade. Entretanto, muito ainda se tem de soluções equivocadas e distantes da realidade social, onde não há diálogos, mas discussões sem fundamentos. Hodiernamente é recorrente falar de segurança pública no Brasil, todos têm uma solução mágica, um remédio milagroso, uma pedra filosofal, vai desde a defesa do endurecimento das penas, através de constitucionalização da punição capital (estas que causam frenesi e êxtase na grande massa, quando pronunciadas por pit bulls populistas, que se arvoram, choram e gritam: bandido bom é bandido morto) até aqueles que advogam pelo abrandamento ou extinção de crimes, como a liberação das drogas. Falam de segurança pública da mesma maneira pueril que falam de futebol, todos sabem o que fazer, onde mexer, o que está falando. (CATSRO e RONDON FILHO, 2009, p. 31). Bem, parece que estas ações ainda não surtiram efeitos desejados, uma vez que a criminalidade e a violência, especificamente, contra a vida pelos CVLIs Crimes Violentos Letais Intencionais não diminuíram. Ora, o que é necessário para que a instituição policial passe a dar maiores resultados? A real atribuição das Polícias não é a elucidação criminal, o resultado que se espera de quem ou com quem praticou o crime, como praticou entre outros questionamentos não é solução para a extinção ou redução da violência, mas apenas uma resposta à sociedade de que o Estado solucionou o crime e que haverá reparação do dano causado, como se, caso tenha sido crime contra a vida, ela tivesse um preço estimado. Não é esta a Segurança Pública que a sociedade quer. Mas é a que o Estado oferece e muito mal. Para Balestreri (1998, p. 4) se queremos, um dia, viver uma verdadeira cultura de cidadania e direitos humanos, precisamos ir além da acusação, somando esforços pela construção de um novo modelo de segurança pública.

30 29 Sendo assim, dentro deste modelo de Segurança Pública cabível, deve estar o real papel do Estado em fazer com que o crime não ocorra e que a sociedade viva em um ambiente harmonioso, tranquilo, de paz. Pode ser utópico ou ideológico, mas soluções existem para a tranquilidade de uma sociedade não violenta, não criminal, e que, segundo Balestreri (1998, p. 4), estas soluções se darão por meio da parceria, portanto, entre a comunidade que se expressa através de suas organizações e a polícia, é fundamental para que alcancemos um patamar democrático mais pleno. Para Castro e Randon Filho (2009, p. 31) a violência continua com as acachapantes taxas de crescimento, mantendo as pessoas prisioneiras de seus próprios medos e traumas, prejudicando a melhoria da qualidade de vida de todos, pelo constante clima de insegurança. Na virada do século 20 para o século 21, a partir de 1984, podemos observar um contexto de crise das instituições formais de controle social. Escândalos envolvendo políticos, juízes, ministros. Casos de malversação de dinheiro público envolvendo ONGs, sindicatos e até a mídia. Sequestro relâmpago, pedofilia, desvio de dinheiro público, expansão territorial desordenada, favelização, organização de grupos de criminosos para a prática de tráfico de drogas, que ficaram conhecidos como crime organizado ou narcotráfico. Esses grupos, aproveitando a favelização e a posição geograficamente estratégica desses locais, ali se "encastelaram". No vazio da ausência dos serviços essenciais do Estado, criaram práticas assistencialistas com objetivo claro de estabelecer um "poder paralelo", onde ditavam as próprias regras, decidiam quem ficava, quem saia; prendiam, julgavam e sentenciavam num só ato (tribunal do tráfico). Novamente, a pergunta que se faz é "o que fazer (para acabar com a violência)? (CRAVO, 2012). O Estado, há tempos, vem perdendo espaço para a criminalidade, onde ele, por sua vez, acaba sendo violento e gerando a criminalidade, ao passo que deixa de lado o processo civilizatório, onde não exerce sua função de tutor na oferta e fiscalização de necessidades básicas ao cidadão como educação, saúde, trabalho, lazer, infraestrutura dentre outras que incluam o sujeito no seio da sociedade, das questões sociais como sujeito social, político. Evidencia-se então que o Estado ao não exercer uma Segurança Pública de qualidade acaba arruinando-a ao passo que gera mais desconfortos sociais pela prática de escândalos políticos como fraude nas urnas eleitorais, desvio de verba pública, nepotismo, dentre outros crimes, como os citados por Cravo (2012), que maculam o ente público e dão vazão ao crime organizado se estabelecer nas repartições públicas, nas periferias urbanas e contagiarem toda a sociedade. Para Balestreri (1998, p. 04), herdamos, contudo, do passado autoritário, práticas policiais muitas vezes incompatíveis com o espírito democrático. Essa instituição tão nobre e necessária é, ainda, muitas vezes conspurcada pela ação de gente que não entendeu sua dignidade e importância.

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES Armando Luís do Nascimento Universidade Federal de Pernambuco Pesquisador do Núcleo de Estudos

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua aumenta nos últimos anos e a resposta da gestão pública é a violência,

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 73 Data 28 de março de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Normas de Administração Tributária Ementa: SIMPLES NACIONAL. MONITORAMENTO

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Elisabeth Gomes elisabeth.gomes@sbgc.org.br Diretora de relações com o governo - SBGC 2º Fórum de Gestão

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS Bruno Marques da SILVA 1 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise história e objetiva sobre as adaptações que as

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

LEI N 2.284/07 DE 14 DE SETEMBRO DE 2007.

LEI N 2.284/07 DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. 1 LEI N 2.284/07 DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. Altera, em parte, a Lei Municipal nº 2.231, de 24 de julho de 2006, que DISPÕE SOBRE A REORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS DENISE LUCENA CAVALCANTE Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa. Doutora pela PUC/SP Mestre pela UFC. Procuradora

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

2.3 Solução de Consulta SRRF08/Disit nº 127, de 27 de abril de 2009:

2.3 Solução de Consulta SRRF08/Disit nº 127, de 27 de abril de 2009: ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA. ENQUADRAMENTO. ANEXO IV. A atividade de monitoramento eletrônico de sistemas de segurança constitui serviço de vigilância.

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

LEI Nº 5 649. Art. 2º A Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo tem as seguintes atribuições:

LEI Nº 5 649. Art. 2º A Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo tem as seguintes atribuições: LEI Nº 5 649 Cria a Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o regulamento do Núcleo de Direitos Humanos das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades Ponta

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais