A fotografia como mídia da recuperação histórica do norte do Paraná 1 Photography as an historical recovery medium of northern Paraná

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A fotografia como mídia da recuperação histórica do norte do Paraná 1 Photography as an historical recovery medium of northern Paraná"

Transcrição

1 A fotografia como mídia da recuperação histórica do norte do Paraná 1 Photography as an historical recovery medium of northern Paraná Paulo César Boni 2 Maria Luisa Hoffmann 3 Resumo: Os registros fotográficos são fontes imprescindíveis para resgatar a identidade de uma sociedade e reconstituir seu passado. Analisá-los é uma forma de perceber indícios deixados em diferentes espaços e tempos culturais. O presente artigo discorre sobre o uso da fotografia como fonte de pesquisa e recuperação histórica do norte do Paraná. Por meio do levantamento de informações e documentos fotográficos, de obras sobre fotografia e a colonização da região e com apoio da história oral o projeto de pesquisa Fragmentos da História do norte do Paraná (décadas de 30 a 60) em textos e imagens prevê a publicação de livros com temáticas segmentadas desse espaço e tempo. O primeiro número abordado neste artigo é Certidões de Nascimento da História, no qual autores narram, com auxilio de fotografias de época, a chegada dos pioneiros, em 1929, e a criação de municípios no eixo Londrina-Maringá. Considerando a importância da fotografia, o próximo número abordará os fotógrafos pioneiros da região; sucessivamente a imprensa e os hotéis históricos. Os autores participam do Grupo de Pesquisa: Comunicação e História, cadastrado no CNPq e certificado pela UEL. O projeto e este artigo reiteram a fotografia como importante estratégia de democratização e divulgação da informação. Palavras-chave: mídia audiovisual; fotografia; história do norte do Paraná; iconografia e iconologia. Abstract: The photographic records are essential sources to recover the identity of a society and rebuild their past. Analyze them is a way of perceiving evidence left at different times and cultural spaces. This article discusses the use of photography as a source of historical research and restoration 1 Trabalho apresentado no GT História da Mídia Audiovisual, VII Encontro Nacional de História da Mídia. 2 Doutor em Ciências da Comunicação pela USP. Coordenador do Mestrado em Comunicação da Universidade Estadual de Londrina (PR). 3 Graduada em Comunicação Habilitação Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (PR). Mestranda em Comunicação pela mesma Instituição. Bolsista da Capes.

2 of northern Paraná. Through the gathering of information and photographic documents, papers about photography and colonization of the region - and with support of oral history - the research project Fragments of the History of northern Paraná (decades from 30 to 60) in text and images predict the publication of books with themes targeted in that space and time. The first number boarded in this article - is the History s Birth Certificates, which authors describe, with the support of photographs, the arrival of the pioneers in 1929, and the establishment of municipalities in the Maringa- Londrina axis. Considering the importance of the photo, the next issue in the next number will be the region's pioneer photographers, the press and the historic hotel, successively. The authors participate in the Research Group: Communications and History, registered in CNPq and certified by UEL. The project and this article confirmed the picture as an important strategy of democratization and dissemination of information. Key-words: audiovisual media; photography; history of northern Paraná; iconography and iconology. Introdução Os registros iconográficos podem ser utilizados como documentos e fontes de pesquisa para o resgate histórico. Nos primeiros anos da colonização do norte do Paraná, infelizmente, não havia ainda a preocupação de registrar os acontecimentos para a posteridade, como ocorre nos dias atuais. Boa parte das fotografias produzidas à época tinha objetivos mercadológicos. A Companhia de Terras Norte do Paraná as encomendava para transformá-las em instrumentos de publicidade, na tentativa de impulsionar a venda de terras para possíveis compradores. Mesmo assim, os fotógrafos pioneiros que quase sempre trabalhavam para a colonizadora tiveram grande importância para a construção da memória da região. Eles retrataram a chegada das primeiras caravanas e dos imigrantes, a vida social e os grandes acontecimentos nas primeiras décadas de colonização. Graças a essas fotografias, foi possível reconstituir com mais precisão os primeiros anos de Londrina, que hoje tem meio milhão de habitantes e 80 anos de história, e outras cidades da região. Para Kossoy (2002), fotografia e memória muitas vezes se confundem. Os registros fotográficos também são fontes para resgatar a identidade de uma sociedade e

3 analisá-los é uma forma de perceber indícios deixados em diferentes espaços e tempos culturais. Kossoy (2002, p.132) afirma que: Quando apreciamos determinadas fotografias nos vemos, quase sem perceber, mergulhando no seu conteúdo e imaginando a trama dos fatos e as circunstâncias que envolveram o assunto ou a própria representação (o documento fotográfico) no contexto em que foi produzido: trata-se de um exercício mental de reconstituição quase que intuitivo. A imagem permite desvendar aspectos que não ficam claros em outras formas de registro. Documentos iconográficos, inclusive, são importantes instrumentos de pesquisa e estudos iconológicos. (BONI, 2007, p.9). Fotografias também ajudam a resgatar a história daqueles que não deixaram documentos escritos ou depoimentos. [...] as imagens que contenham um reconhecido valor documentário são importantes para os estudos específicos [...] pois representam um meio de conhecimento da cena passada e, portanto, uma possibilidade de resgate da memória visual do homem e do seu entorno sociocultural. Trata-se da fotografia enquanto instrumento de pesquisa, prestando-se à descoberta, análise e interpretação da vida histórica. (KOSSOY, 2001, p.55). Lacunas nos registros imagéticos devem ser preenchidas criteriosamente, e quem trabalha com esses registros deve estar atento para o uso criterioso das informações, a procedência das imagens e a confirmação dos dados obtidos. A imagem não se esgota em si mesma. Isto é, há sempre muito mais a ser apreendido além daquilo que é, nela, dado a ler ou a ver. Para o pesquisador da imagem é necessário ir além da dimensão mais visível ou explícita dela. Há, como já disse antes, lacunas, silêncios e códigos que precisam ser decifrados, identificados e compreendidos. (PAIVA, 2002, p.19).

4 De qualquer maneira, não é necessário ser alfabetizado para compreender as informações básicas em uma fotografia. A imagem pode ser manuseada, reproduzida e lida (mesmo que superficialmente) por todos. Por isso, registros imagéticos podem ser consideradas importantes estratégias de democratização e divulgação da informação. Projeto de pesquisa O norte do Paraná começou a ser organizadamente colonizado no início da década de 30. A Companhia de Terras Norte do Paraná (CTNP), constituída em meados da década de 20, havia comprado do governo do estado alqueires paulistas de terras na região e seus primeiros funcionários chegaram ao local onde mais tarde seria a cidade de Londrina em 21 de agosto de 1929, para dar início ao processo de demarcação e venda de terras, bem como montar a infraestrutura mínima necessária para as atividades da companhia. Para a pesquisa proposta pelo projeto, delimitou-se geograficamente como norte do Paraná a extensão de cerca de 100 quilômetros entre as cidades de Londrina e Maringá. Na época da colonização, essa região era conhecida como Norte Novo e a região entre Maringá e Cianorte (corruptela do nome da Companhia de Terras Norte do Paraná) como Norte Novíssimo. Hoje, as mesmas regiões são chamadas de norte e noroeste do estado do Paraná, respectivamente. O recorte temporal se estende do início da década de 30, praticamente o princípio das atividades da CTNP na região - com a colonização de Londrina e desbravamento de algumas áreas rurais (onde hoje estão constituídos os municípios de Cambé, Rolândia, Arapongas, Apucarana, Marilândia do Sul, Jandaia do Sul, Mandaguari, Marialva, Sarandi e Maringá) - à década de 60, momento em que todos esses municípios já estavam emancipados. A partir da década de 40, essas as cidades estavam em franco desenvolvimento devido à multiplicação da área plantada e à explosão do preço do café no mercado internacional, que se prolongou até a primeira metade da década de 60, quando entrou em declínio em razão da superprodução mundial.

5 Em seus primeiros anos de vida (década de 30) e no auge de sua juventude (décadas de 40, 50 e 60), a região estava atenta ao seu rápido crescimento e enriquecimento e pouco se preocupou em resgatar e preservar sua memória e patrimônio histórico. Apenas na década de 1970, com a diversificação das atividades econômicas e, principalmente, com a consolidação do ensino (fundação da Universidade Estadual de Londrina, da Universidade Estadual de Maringá, e de diversas faculdades isoladas, integradas e centros universitários) e da pesquisa é que a história da região e a preservação de seu patrimônio histórico, arquitetônico, artístico e cultural começou a ser pensado, pesquisado, resgatado, publicado e conservado com planejamento e seriedade. A história da história não se deve preocupar apenas com a produção histórica profissional, mas com todo um conjunto de fenômenos que constituem a cultura histórica, ou melhor a mentalidade histórica de uma época. (LE GOFF, 2003, p.48). O projeto de pesquisa Fragmentos da História do Norte do Paraná (décadas de 30 a 60) em textos e imagens pretende levantar informações e documentos fotográficos da região norte do estado do Paraná, das décadas de 30 a 60, organizá-los e publicá-los. Este projeto dá continuidade e amplia a área de abrangência de projetos anteriores semelhantes sobre a história de Londrina nas décadas de 30 e 40, desenvolvidos na Universidade Estadual de Londrina. Enquanto as pesquisas anteriores eram desenvolvidas, foi criado o Grupo de Pesquisa: Comunicação e História, cadastrado no CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e certificado pela UEL. O fortalecimento do Grupo de Pesquisa: Comunicação e História, com docentes e discentes produtivos nesta área e, agora, com parcerias informais com museus e centros de estudo da região, contemplará a interdisciplinaridade com diversos cursos de graduação e pós-graduação, oferecendo orientações de Iniciação Científica, de TCCs (Trabalho de Conclusão de Curso) e Monografias, bem como a possibilidade da geração de subprojetos pertinentes à temática. A partir da segmentação da pesquisa em objetos específicos, com o intuito de aprofundar estudos e contribuições, foi determinado o primeiro tema: o início da

6 colonização das cidades da região. Este objeto foi pesquisado, organizado, sistematizado e resultou no livro Certidões de Nascimento da História: o surgimento de municípios no eixo Londrina Maringá. Em termos acadêmicos, o projeto se justifica pela escassez de pesquisas e publicações sobre este período da história do norte do Paraná, pela fragmentação de estudos pontuais e, mais ainda, pela não disponibilização total do pouco material existente à consulta pública, posto que muitas publicações, documentos e fotografias estão em mãos de particulares. Além disso, considera-se a possibilidade de entrevistar e coletar documentos inéditos de fontes vivas, visto que o povoamento da região é recente e alguns dos pioneiros ainda moram nas cidades por eles desbravadas. Certidões de Nascimento da História Lançado em 21 de agosto de 2009, o livro Certidões de Nascimento da História: o surgimento de municípios no eixo Londrina-Maringá divulga os primeiros resultados deste projeto de pesquisa. O livro resgata os primeiros anos das cidades de Londrina, Rolândia, Arapongas, Apucarana, Cambé, Mandaguari e Maringá. Importantes fontes de pesquisa foram utilizadas, como, por exemplo, o acervo do Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss que possui aproximadamente 50 mil peças entre fotografias, álbuns fotográficos, negativos de vidro, negativos flexíveis, slides, filmes de 16mm e 35mm, quadros, discos, depoimentos gravados de pioneiros de diversas profissões em fitas K-7 e vídeo. A coleção de filmes de 16 mm foi produzida por Hikoma Udihara nas décadas de 40 a 60. Já algumas das coleções fotográficas que integram o acervo foram produzidas no início da colonização. Essas fotografias receberam cuidados especiais, foram diagnosticadas ao chegarem ao museu, higienizadas, quando necessário, e acondicionadas em equipamentos específicos. Dentre as coleções destacam-se as fotografias de José Juliani, fotógrafo oficial da Companhia de Terras Norte do Paraná, as de Theodor Preising e também as de George Craig Smith, pioneiro que chegou a Londrina e registrou as primeiras imagens da região. Em 1929, por exemplo, Smith fotografou (Figura 1) a clareira

7 aberta na mata com a chegada da primeira caravana, da qual fazia parte, e os dois primeiros ranchos de palmito. Figura 1 - A primeira fotografia de Londrina Fotografia: George Craig Smith Acervo: Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss Outras importantes fontes de pesquisa foram os acervos da Gerência de Patrimônio Histórico da prefeitura municipal de Maringá e do Museu da Bacia do Paraná, que pertence à Universidade Estadual de Maringá (UEM). O Museu recebeu, por doação, todo o acervo da

8 Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, composto de fotografias (Figura 2) e aparelhos topográficos e, posteriormente, recebeu também peças dos pioneiros da cidade. Figura 2 Início da colonização - tronco de peroba extraído da mata de Maringá (1939) Fotografia: Autor desconhecido Acervo: Museu da Bacia do Paraná/UEM A pesquisadora Cássia Popolin, buscando informações sobre o fotógrafo pioneiro de Rolândia Hans Kopp, encontrou sua filha, Anita, que mantém o acervo do pai identificado e organizado em caixas. A história do fotógrafo foi resgatada e descobriu-se que, ao contrário do que se pensava, Kopp não era alemão e sim austríaco. Após participar da Primeira Guerra Mundial, ele aprendeu a fotografar e embarcou para o Brasil, permanecendo em Ibituva (SP). Em 1935, mudou-se com a família para Jacarezinho, mas atraído pelas notícias da excelente qualidade da terra nos novos municípios que estavam se formando no

9 norte do estado, adquiriu uma propriedade de sete alqueires na Gleba Cafezal. Derrubou a mata e começou a construir sua casa (Figura 3) e a formar a primeira roça de arroz. Mais tarde montou uma máquina de beneficiar arroz e também plantou café. Anita lembra que apesar do trabalho na lavoura, Hans Kopp nunca deixou de fotografar. Ele usava negativos de vidro e tinha um laboratório em casa para revelação das imagens. Figura 3 Casa de Hans Kopp na Gleba Cafezal Fotografia: Hans Kopp Acervo da família A pesquisadora Mônica Costa digitalizou parte do acervo de fotografias que estavam sendo deterioradas pelo tempo em Apucarana. Expostas em quadros, essa imagens aguardam a construção de um local destinado para manter parte da memória do município. Em Cambé, onde o acervo já está organizado, a pesquisa reuniu mestrando e historiadores com o intuito de enriquecer o artigo denominado Cambé: os germânicos de Danzig fundaram Nova Dantzig. Em Mandaguari, a busca por informações e registros imagéticos levou os pesquisadores até os fotógrafos pioneiros que ainda trabalham na cidade, como, por exemplo,

10 Akimitsu Yokoyama, que fotografou o surgimento das ruas, da infraestrutura (Figura 4) e os grandes acontecimentos da antiga Lovat. Figura 4 - A chuva era um empecilho para o transporte de mercadorias e passageiros Fotografia: Akimitsu Yokoyama Acervo: Família de Akimitsu Yokoyama Elas [as imagens] oferecem acesso a aspectos do passado que outras fontes não alcançam. Seu testemunho é particularmente valioso em casos em que os textos disponíveis são poucos e ralos, o caso da economia informal, por exemplo, [...] ou as mudanças na sensibilidade. (BURKE, 2004, p.233). Larissa Sato localizou em Arapongas a professora Maria Edna Grassano, que ao lecionar para alunos nas primeiras décadas da cidade, solicitou que levassem para a escola fotografias do acervo de suas famílias (Figura 5). A professora mantém esse acervo,

11 maior parte sem identificação de fotógrafo, mas com conteúdo riquíssimo para recuperar e preservar o nascimento e desenvolvimento da cidade dos pássaros. Figura 5 O pioneiro Mário Rodrigues e família, em 1936 Fotografia: Autor desconhecido Acervo: Maria Edna Grassano No artigo sobre Maringá, os autores explicam a mudança de propriedade da CTNP, que passou a ser chamada Companhia Melhoramentos Norte do Paraná (CMNP), e a divisão da cidade em Maringá Velho e Maringá Novo. Já no artigo que descreve os primeiros anos de Londrina, as autoras buscaram dissipar dúvidas quanto a informações sobre datas e acontecimentos, divergentes em diferentes (e escassas) publicações sobre a cidade. Além disso, para a pesquisa foram utilizados depoimentos de pioneiros, fotografias do jornal Paraná Norte, um periódico que circulou de outubro de 1934 a 1942, e matérias jornalísticas de jornais locais. A figura 6, por exemplo, retrata a inauguração da pedra fundamental do colégio Hugo Simas, e o médico Lauro Castro Beltrão afirmou, em entrevista à Folha de Londrina, no dia 21 de junho de 2007, ser uma das últimas testemunhas do evento. ''Eu não fui aluno [...], eu fui testemunha da sua construção, sou aquele menino de boné nas fotografias sobre o evento, que aparece junto de outros meninos maiores''. Apesar de ser curitibano,

12 Beltrão está no norte do Paraná desde a infância. Foi professor e um dos fundadores da Universidade Estadual de Londrina. Ele tinha entre quatro e cinco anos no dia da colocação da pedra fundamental do colégio. Figura 6 - Dia 11 de julho de 1936, o então prefeito Willie Davids assentou simbolicamente a pedra fundamental do edifício, inaugurado em 14 de julho de 1937 Fotografia: José Juliani Acervo: Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss O pesquisador e jornalista Widson Schwartz, em seu artigo sobre a Companhia de Terras Norte do Paraná, trouxe informações ainda inéditas e extremamente relevantes para a história de Londrina. Por ter pesquisado por décadas a história da região e ter entrevistado dezenas de pioneiros, Widson relatou com detalhes fatos que definiram os rumos da cidade. Ele foi agraciado, em 2004, com o título de Cidadão Honorário de Londrina, e, é considerado mais que um pesquisador, uma verdadeira fonte de pesquisa. A ele foi

13 outorgada liberdade poética de escrever e referenciar em seu texto. A publicação, organizada pelo Prof. Dr. Paulo César Boni, conta com 10 artigos e com a participação de 13 autores. Outras publicações Para este projeto, a fotografia como fonte de recuperação histórica da região é tão importante que, num segundo momento, a temática será os fotógrafos pioneiros. Hans Kopp, Akimitsu Yokoyama, José Juliani, George Craig Smith, Theodor Preising e outros fotógrafos serão pesquisados. Neste recorte, o projeto vai recuperar vida e obra daqueles que, consciente ou inconscientemente, produziram centenas de fotografias que hoje são consideradas documentos importantíssimos para a recuperação da história da região. Num terceiro momento, a temática será os hotéis históricos, infraestrutura imprescindível à época para receber os potenciais compradores de terras, os profissionais liberais que vinham prestar serviços especializados e de ofícios, que vinham tentar a vida na região. E assim, sucessivamente, a ferrovia e suas estações ferroviárias, as primeiras escolas e as primeiras igrejas. Com a previsão de consolidar uma ou duas publicações a cada ano, o projeto objetiva democratizar os conhecimentos obtidos, ampliar as oportunidades de pesquisa dentro da instituição e incentivar outros projetos de recuperação histórica e de registros imagéticos em outras universidades e centros de estudo do país. Considerações finais O projeto de pesquisa Fragmentos da História do Norte do Paraná (décadas de 30 a 60) em textos e imagens estuda, contextualiza e organiza a história das

14 transformações urbanas econômicas e sociais da região. Por meio de documentos imagéticos e da iconologia, resgata aspectos desconhecidos da vida dos pioneiros, do surgimento dos primeiros hotéis, armazéns e escolas, infraestruturas que possibilitaram o desenvolvimento da região e de Londrina, considerada hoje a 3ª maior cidade do sul do país. Certidões de Nascimento da História é a primeira das publicações previstas pelo projeto. No livro, pesquisadores e historiadores trabalharam em conjunto para decifrar os enigmas das imagens e, por meio delas, decifrar lacunas e recuperar parte da história. A fotografia, considerada documento, é tida como fonte de pesquisa, informação e emoção. A partir da recuperação e da digitalização de acervos, inéditos ou não, buscou-se interpretar os mesmos, relacionando-os a informações impressas ou orais e conhecimentos de diferentes áreas. Grande parte dos registros imagéticos importantes da região já se perdeu. Muitas vezes seus donos não se deram conta da importância do material que tinham em mãos, outras vezes não souberam guardá-las adequadamente. Além de utilizar os acervos pessoais encontrados para a pesquisa, o projeto busca conscientizar os proprietários sobre a importância da armazenagem apropriada das fotografias e incentiva-os a doar seus acervos aos museus, preparados para tratá-los com o devido cuidado. Como afirma Kossoy (2002, p.57), é por detrás da aparência registrada pela fotografia que se esconde o enigma que se pretende decifrar. Nessas circunstâncias, as fotografias ganham status de documento e fonte de pesquisa para recuperar o passado, multiplicar os olhares e descobrir como era a vida nesta época; ver como as pessoas vestiam, pensavam e agiam. Neste sentido, o projeto incentiva pesquisadores e os próprios agentes formadores e transformadores da história da região a abrirem os baús, revirarem as caixas de sapatos e chapéus abarrotadas de fotografias e explorarem a história oral para deixar um legado histórico às futuras gerações. Referências bibliográficas

15 BONI, Paulo César. Fincando estacas! a história de Londrina (década de 30) em textos e imagens. Londrina: Edição do autor, A fotografia como mídia visual da recuperação histórica de Londrina. Domínios da Imagem, Londrina, ano 1, n.2, maio de 2008, p BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. Bauru: Edusc, KOSSOY, Boris. Fotografia e história. São Paulo: Ateliê Editorial, Realidades e ficções na trama fotográfica. Cotia: Ateliê Editorial, LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, PAIVA, Eduardo França. História e imagens. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA

Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido).

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA Suele França Costa, Nara Rubia Martins, Carlos Eduardo de Quadro, Juliana Eliza Viana, Douglas Almeida Silva, Rafael de Paula

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

MUSEU VIRTUAL DA EDUCAÇÃO EM ANÁPOLIS: PRESERVANDO SEU CONTEXTO EDUCACIONAL. Curso de Pedagogia, Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas, UEG.

MUSEU VIRTUAL DA EDUCAÇÃO EM ANÁPOLIS: PRESERVANDO SEU CONTEXTO EDUCACIONAL. Curso de Pedagogia, Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas, UEG. MUSEU VIRTUAL DA EDUCAÇÃO EM ANÁPOLIS: PRESERVANDO SEU CONTEXTO EDUCACIONAL Fernanda Vasconcelos Silva Souza 1,4, Mirza Seabra Toschi 2,4, Marlene Santos da Silva 3,4, 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Coleção Particular. Veiga Cabral. (Versão Pesquisador)

Coleção Particular. Veiga Cabral. (Versão Pesquisador) Coleção Particular Veiga Cabral (Versão Pesquisador) Rio de Janeiro 2015 Ficha Técnica Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal da Casa Civil Prefeito Eduardo Paes Secretário Guilherme

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas

Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas Margarida M. Krohling Kunsch Introdução No âmbito de uma sociedade cada vez mais complexa, reserva-se à comunicação um papel de crescente

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO CUNI Nº 085, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2011. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Lavras, no uso de suas atribuições regimentais, e tendo em vista o que foi deliberado

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Helton Andrade Canhamaque/UFES heltongeoufes@hotmail.com Júlio de Souza Santos/UFES juliogeoufes@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho em questão

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS BATISTA¹, Paloma Priscila Bispo, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias-PROBEX 2013

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA Soraia Cristina Cardoso Lelis soraia@aromata.com.br Escola de Educação Básica da UFU Relato de Experiência Palavras-chave: Patrimônio Histórico, Artes

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais.

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais. Projeto Bolsa Escola pública e Universidade na Alfabetização Faculdade Morumbi Sul E.E. Prof.ª Maria JAnnuzzi Mascari Série: 4ª série H PIC Professor Responsável: Tiago Aquilano Aluna Pesquisadora: Milena

Leia mais

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1

As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 As Múltiplas Faces De Um Prédio Histórico 1 Bruno Rafael dos SANTOS 2 Amanda Barbosa LEMES 3 Ana Cristina Herrero de MORAIS 4 Cezar Augusto MOREIRA 5 Debora Cristina dos SANTOS 6 Drieli Costa LOPES 7 Jéssica

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

A evolução dos transportes em Maringá nos registros fotográficos de Kenji Ueta 1

A evolução dos transportes em Maringá nos registros fotográficos de Kenji Ueta 1 A evolução dos transportes em Maringá nos registros fotográficos de Kenji Ueta 1 Beatriz Fontana ASSUMPÇÃO 2 Paulo César BONI 3 Resumo: Maringá, no norte do Paraná, fundada em 1947, recebeu colonizadores

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

VIII SIMPÓSIO DE ESTUDOS JURÍDICOS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BARÁO DE MAUÁ

VIII SIMPÓSIO DE ESTUDOS JURÍDICOS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BARÁO DE MAUÁ VIII SIMPÓSIO DE ESTUDOS JURÍDICOS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BARÁO DE MAUÁ I - Sobre o Simpósio A investigação acadêmica se manifesta pela busca do conhecimento científico, franqueando

Leia mais

PROJETO DE MONITORIA 2014

PROJETO DE MONITORIA 2014 PROJETO DE MONITORIA 2014 Centro Universitário SENAC: CAS Curso: Bacharelado em Publicidade Disciplina: Teorias da Comunicação Professor responsável: Mônica Rodrigues da Costa Período letivo: 2º Período

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

ACERVO FOTOGRÁFICO DO MUSEU HISTÓRICO DE LONDRINA

ACERVO FOTOGRÁFICO DO MUSEU HISTÓRICO DE LONDRINA ACERVO FOTOGRÁFICO DO MUSEU HISTÓRICO DE LONDRINA Aryane Kovacs Fernandes 1 Juliana Souza Belasqui 2 RESUMO O acervo fotográfico do Museu Histórico de Londrina Pe. Carlos Weiss é cuidado com o objetivo

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP. Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL

APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP. Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL O IEL Cursos de graduação (506 alunos): Letras diurno Letras

Leia mais

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA Larissa Alves de Oliveira 1 Eixos Temáticos 4. Educação Superior e Práticas educacionais Resumo O Programa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Rua Adualdo Batista, 1550 Parque Iracema Fortaleza Ceará CEP: 60.824-140 Fone: (85) 3218.7020 www.cogerh.com.

TERMO DE REFERÊNCIA. Rua Adualdo Batista, 1550 Parque Iracema Fortaleza Ceará CEP: 60.824-140 Fone: (85) 3218.7020 www.cogerh.com. TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM PRODUÇÃO DE VÍDEO PARA ROTEIRIZAÇÃO, EDIÇÃO, GRAVAÇÃO DE LOCUÇÕES PROFISSIONAIS E MONTAGEM DE MATRIZ DE DVD COM MENU DE OPÇÕES DE ACESSO A CONTEÚDOS

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Graciane Rodrigues Rocha (*), Juliana Rodrigues Rocha, Caroline

Leia mais

GUIA TURÍSTICO POR UM DIA um Brasil para carioca ver

GUIA TURÍSTICO POR UM DIA um Brasil para carioca ver GUIA TURÍSTICO POR UM DIA um Brasil para carioca ver Ana Beatriz Frazão Ribeiro 1 Resumo: Em conformidade com o programa definido pelo Departamento de História do Colégio Pedro II, os temas da pesquisa

Leia mais

Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1

Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1 Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1 Tiago Zenero de SOUZA 2 Bruce THORSON 3 Francisco Rolfsen BELDA 4 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), Bauru,

Leia mais

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário O Núcleo de Audiovisual e Documentário do CPDOC convida alunos inscritos regularmente em cursos

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

Fundação Romi. Centro de Documentação

Fundação Romi. Centro de Documentação Fundação Romi Centro de Documentação Neste espaço os mais importantes períodos da história barbarense são pontuados, partindo dos povos primitivos, passando pela fundadora, a cana-de-açúcar, os impactos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 AGOSTO 2015 1 APRESENTAÇÃO O Museu da Energia de Itu, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, integra a Rede Museu da Energia composta por mais dois núcleos

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PRÁXIS DOS PROFESSORES DO ENSINO DA ARTE

ALGUNS ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PRÁXIS DOS PROFESSORES DO ENSINO DA ARTE 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos ALGUNS ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PRÁXIS DOS PROFESSORES DO ENSINO DA ARTE Bruna de Souza Martins 96 Amanda Iark 97 Instituto

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Estudo do grande colisor de hádrons

Estudo do grande colisor de hádrons Estudo do grande colisor de hádrons Felipe BERNARDO MARTINS 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do Curso Técnico em Manutenção Automotiva. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO 1268 PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO Rodrigo Rodrigues Menegon, Sérgio Augusto Gouveia Júnior, Marcia Regina Canhoto Lima, José Milton Lima Universidade Estadual Paulista

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM Laboratório de Comunicação Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação 2005 2 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 03 II. OBJETIVOS... 03 III. CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS...

Leia mais

Experiencia aprobada especialmente por el Comité de Selección de OMEP para su publicación electrónica:

Experiencia aprobada especialmente por el Comité de Selección de OMEP para su publicación electrónica: Experiencia aprobada especialmente por el Comité de Selección de OMEP para su publicación electrónica: Construcción de un proyecto educativo en el Museo de Arte: pensando la mediación cultural para la

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade)

Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Manifestação da CPEU Identificação Projeto Institucionalizado a quem

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

o uso da fotografia para a recuperação de fragmentos históricos de Londrina

o uso da fotografia para a recuperação de fragmentos históricos de Londrina o uso da fotografia para a recuperação de fragmentos históricos de Londrina 1 2 o uso da fotografia para a recuperação de fragmentos históricos de Londrina 3 4 Editor de texto e fotografia: Paulo César

Leia mais

O trabalho infantil hoje e em diferentes épocas: Uma nova Abordagem para o Ensino. de História nas Séries Iniciais

O trabalho infantil hoje e em diferentes épocas: Uma nova Abordagem para o Ensino. de História nas Séries Iniciais O trabalho infantil hoje e em diferentes épocas: Uma nova Abordagem para o Ensino de História nas Séries Iniciais Jaqueline Lesinhovski Talamini 1 Os professores das séries iniciais encontram muitas vezes

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais