EMPRESAS LOCAIS FRENTE À NOVA CONCORRÊNCIA: A BUSCA DE ESTRATÉGIAS QUE LEVEM A VANTAGENS COMPETITIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESAS LOCAIS FRENTE À NOVA CONCORRÊNCIA: A BUSCA DE ESTRATÉGIAS QUE LEVEM A VANTAGENS COMPETITIVAS"

Transcrição

1 ANAIS DO II EGEPE, p , Londrina/PR, Novembro/2001 (ISSN ) EMPRESAS LOCAIS FRENTE À NOVA CONCORRÊNCIA: A BUSCA DE ESTRATÉGIAS QUE LEVEM A VANTAGENS COMPETITIVAS Emílio Araújo Menezes (UFSC) Galileu Limonta Maia (Faculdades Maringá) Resumo A globalização dos mercados é uma realidade, acentuando-se nos últimos vinte anos a partir da evolução das tecnologias de informação e pelo amadurecimento dos mercados de países desenvolvidos. Pequenas empresas nacionais passam a disputar o mercado local com empresas multinacionais que possuem habilidades desenvolvidas em ambientes altamente competitivos. Este trabalho procurou apresentar estratégias ao pequeno empreendedor e em especial a do associativismo, como forma destes sobreviverem e sobressaírem-se perante as grandes redes nacionais e internacionais. Para tanto foram realizadas pesquisas de dados secundários e também de dados primários através do instrumento Pesquisa de Mercado. Foi estudada uma pequena rede associativa do ramo comercial do Noroeste do Paraná. O resultado final mostrou que a união entre empresas visando objetivos comuns é uma poderosa ferramenta para sobreviver em mercados cada vez mais competitivos, mas para tanto cada empresa deve buscar também seu aprimoramento individual, contribuindo para que a rede torne-se mais forte, desenvolvendo cada vez mais o espírito de grupo. 1. INTRODUÇÃO Nos últimos vinte anos segundo Gonçalves (1999), o processo de globalização dos mercados tomou impulso devido principalmente a expansão extraordinária dos fluxos internacionais de bens, serviços e capitais, pelo amadurecimento dos mercados nos países desenvolvidos levando ao acirramento da concorrência e pela maior integração entre os sistemas econômicos nacionais. Empresas domésticas passam a disputar mercado com organizações multinacionais que desenvolveram habilidades em ambientes de grande concorrência. Segundo Bassi (2000), somente do estado de São Paulo, após a invasão internacional fecharam mais de supermercados. Tal movimento não se restringe apenas ao segmento supermercadista, setores como o de materiais de construção também apresentam sinais do fenômeno com a chegada das redes

2 Anais do II EGEPE Londrina Paraná francesas Leroy Merlyn, Castorama e das americanas Home Depot e ACE, com grandes lojas especializadas na comercialização de materiais de construção. Deste modo tais redes multinacionais passam a ameaçar a sobrevivência do varejo regional, pois as mesmas segundo Bassi (2000), são detentoras de tecnologias de comercialização em nível mundial, possuem fontes de captação de recursos financeiros a taxas menores do que as praticadas no mercado nacional e também por atuarem em nível internacional, seu poder de negociação com os fornecedores e públicos próximos é maior quando comparado ao das pequenas empresas locais, além da sua experiência em atuar em mercados maduros mais competitivos. Este trabalho apresenta procedimentos e sugestões, extraídas da literatura e da pesquisa realizada junto a rede associativa, que podem auxiliar as pequenas empresas domésticas a competirem pró-ativamente em mercados cada vez mais internacionalizados. 2. REFERÊNCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO As discussões feitas neste tópico procuram fornecer elementos tanto para análise das questões apresentadas, como também para o desenvolvimento dos objetivos pretendidos. É traçado um quadro conceitual e analítico em torno das principais questões da sobrevivência das pequenas empresas frente a concorrência das grandes empresas nacionais e internacionais, apresentando o associativismo como uma das principais estratégias a ser empregada. Nesse sentido, o presente tópico divide-se em três fases. Na primeira fase trata-se da Globalização, enfatizando a influência que este fenômeno vem trazendo as organizações locais. Já a Segunda fase aborda as Estratégias para a Pequena Empresa, abordando-se desde estratégias internas formadas pelas capacidades internas da empresa e estratégias externas buscando-se capacidades junto a terceiros. E por fim, procura-se abordar o Associativismo como forma de adquirir vantagem competitiva. 2.1 GLOBALIZAÇÃO A globalização pode ser definida segundo Gonçalves, Baumann, Prado e Canuto apud Gonçalves (1999, p. 24): como a integração de três processos distintos, que têm ocorrido ao longo dos últimos vinte anos, e afetam as dimensões financeira, produtivo-real, comercial e tecnológica das relações econômicas internacionais. Esses processos são: a expansão extraordinária dos fluxos internacionais de bens, serviços e capitais; o acirramento da concorrência nos mercados internacionais; e a maior integração entre os sistemas econômicos nacionais. A globalização toma impulso segundo Diehl (1997), a partir do pós-guerra (1943), sob o comando da economia norte-americana, mas pode-se dizer que este fenômeno já manifestava-se desde o século XIV com o advento das grandes navegações, passando pelo surgimento da máquina a vapor no século XVIII, que a partir da revolução industrial

3 Anais do II EGEPE Londrina Paraná transforma o processo produtivo começando a gerar excedentes, sendo necessário a busca de novos mercados para a sua colocação. Esta realidade acentua-se nos últimos vinte anos. Impulsionada, segundo Bassi (2000,p.44), pelo neoliberalismo, á partir da queda do Muro de Berlim e o desaparecimento do comunismo, com a fragmentação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Agora a guerra pelos mercados toma lugar das ações militares, cada vez mais restritas e isoladas. O que isto tudo tem a ver com o negócio do seu Manoel? Aquele descendente de portugueses, simpático e de fartos bigodes que há anos comercializa secos e molhados na sua mercearia do bairro. Ele não tem pretensões de acessar mercados internacionais, vender seus produtos além fronteiras, está voltado sim a atender ao consumidor da vizinhança nas pequenas compras de reposição, compras quase que diárias. Estaria então o seu Manoel a margem do processo de globalização? De modo algum, a globalização de negócios internacionais não influencia apenas os grandes negócios, empresas como Carrefour (grande rede varejista francesa), famosa pela sua atuação com lojas de Hipermercados, segundo Correa (2000,p.77), passou a operar a partir de novembro de 1999, também sob a marca Champion, sendo 130 supermercados de vizinhança, são lojas menores, focadas sobretudo na área de perecíveis. Desde modo, mesmo o seu Manoel não tendo pretensões internacionais, as empresas multinacionais começam a atuar no seu mercado, tendo agora de competir com empresas que desenvolveram e aperfeiçoaram habilidades em mercados distantes e mais exigentes. Bassi (2000,p.203), afirma que, somente no estado de São Paulo, após esta invasão internacional, já se fecharam mais de supermercados. Silberfeld & Hage apud Gonçalves (1999,p.172), também destacam o assunto: (...) o que se prognostica para o mercado brasileiro de supermercados é o acirramento da luta por espaço, com o compatível incremento da concorrência sem, todavia, observar-se a correspondente redução de preços. Esta disputa não se limitará aos grandes centros. Será efetuada em todas as principais regiões econômicas do País, sem perdoar os estabelecimentos do interior dos estados que, até pouquíssimo tempo, estavam à margem dessa disputa. Mesmo com o novo padrão de concorrência imposta aos pequenos empreendedores, ainda há formas de sobreviver e crescer neste ambiente cada vez mais hostil, este assunto será enfocado com maior profundidade nos tópicos seguintes. Enfim a globalização é um fenômeno mundial e irreversível, que extrapola simplesmente aspectos de importação e exportação, produtos são produzidos em módulos por toda a parte do mundo aproveitando as especialidades de cada pais, tornando-se produtos mundiais. Ela atinge indiscriminadamente pequenas e grandes empresas, é preciso então entendê-la para transformar ameaças em oportunidades e sobreviver neste ambiente cada vez mais competitivo.

4 Anais do II EGEPE Londrina Paraná ESTRATÉGIAS PARA AS PEQUENAS EMPRESAS. Algumas pessoas podem até pensar que Estratégia é algo somente a ser implementado em grandes corporações, mas Michel Porter entrevistado por Garcia (1999,p.14), comenta que as pequenas empresas devem perceber o ambiente competitivo com clareza e delimitar e proteger uma posição que possa defender e não apenas depender da inércia do mercado. Rodrigues (1999,p.3), buscando explicar o que vêm a ser estratégia inicia abordando a competitividade, em que desde o início dos tempos os seres vivos lutam pela sobrevivência e manutenção da espécie, quando duas espécies qualquer lutam pelo seu sustento da mesma forma, mais cedo ou mais tarde uma acaba deslocando a outra. Associando-se então a competição comercial, o autor afirma que as empresas somente sobrevivem em mercados altamente competitivos, quando adquirem uma vantagem única, diferenciando-se da concorrência. Levando então a necessidade de utilizar-se de imaginação e lógica para formulação de estratégias que sobreponha o adversário. Gimenez (2000,p.17), afirma que existe uma grande literatura sobre estratégia, mas nenhuma definição universalmente aceita, sendo que (...) o termo é usado muitas vezes sem as necessárias clarificações, o que dificulta o desenvolvimento de abordagens integradoras no estudo de estratégia organizacional. Mesmo assim o autor, procura conceituar estratégia pela visão de Mintzberg como sendo um conjunto de diretrizes conscientemente deliberadas que orientam as decisões organizacionais. E pela visão de Ansoff como um processo, controlado, consciente e formal de integração entre uma empresa e seu ambiente, acompanhado pela alteração dos aspectos dinâmicos internos da empresa. Porter (1989,p.01), utiliza o termo estratégia competitiva e a define como sendo a busca de um posição competitiva favorável em uma indústria, a arena fundamental onde ocorre a concorrência. A estratégia competitiva visa a estabelecer uma posição lucrativa e sustentável contra as forças que determinam a concorrência na indústria. A seguir apresenta-se genericamente dois tipos básicos de estratégias que a pequena empresa pode utilizar para sobreviver e crescer em mercados altamente competitivos, são elas Estratégias Internas (1) e Externas (2-A e 2-B), conforme observa-se na figura a seguir.

5 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Fornecedor Transportador /Financeira Empresa Concorrente Concorrente Concorrente Logística Interna Operações Logística Externa Marketing & Vendas Serviços Atividades Primárias Figura 1: Modelo geral de estratégias - formas genéricas de conseguir vantagem competitiva, adaptado da cadeia de valores genéricos de Porter (1989,p.35). Assim a sub-figura 1, representa o universo das Estratégias Internas, onde busca-se a vantagem competitiva através das capacidades internas. A sub-figura 2-A, demonstra o universo das Estratégias Externas relacionadas a cadeia logística, buscando-se a vantagem competitiva através a integração entre fornecedores, empresas e distribuição. Já a sub-figura 2-B, apresenta o universo das Estratégias Externas relacionadas a formação de alianças entre concorrentes, como forma de agregar valor ao cliente obtendo-se vantagem competitiva.

6 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Estratégias Internas. A apresentação das Estratégias Internas, estão centradas principalmente nas três estratégias competitivas genéricas apontadas por Porter (1989), ou seja estratégia de liderança de custo, estratégia de diferenciação e estratégia de foco Estratégia de Liderança de Custo A estratégia de liderança de custo dá-se através, segundo Porter (1989,p.11), de empresas que atuam em grandes mercados e atendem a vários segmentos, visando menores custos perante seus concorrentes. Sendo que as fontes dessas vantagens variam, podendo ir desde a busca de economias de escala, tecnologia patenteada, acesso preferencial a matériasprimas, aumento da eficiência, padrão de utilização da capacidade, localização entre outros. Montgomery & Porter (1998,p.52), apontam também, alguns fatores necessários para conquistar vantagem competitiva através da liderança de custo como sendo: (...) gerentes para fazer o que for necessário para reduzir custos; transferir a produção para um país onde os salários sejam baixos; construir novas instalações ou consolidar fábricas antigas para ganhar em economia de escala; ou focalizar operações até o menor subconjunto econômico de atividades. Porter (1989), ressalta que muitas vezes as organizações na busca da liderança de custo ou redução de custo, ficam restritas aos custos de fabricação, deixando de lado os custos com marketing, serviços, logística e atividades de apoio. Para conseguir a liderança de custo deve-se considerar a organização como um todo, em que cada departamento deve trabalhar não só para redução do seu custo, mas também para a redução do custo total da empresa. Segundo o mesmo autor (1989,p.89), Uma empresa conta com uma vantagem de custo, se seu custo cumulativo da execução de todas as atividades de valor for mais baixo do que os custos dos concorrentes. Torna-se necessária a manutenção da vantagem, quanto maior a dificuldade da concorrência em copiar, maior a vantagem de custo da empresa. Assim a Estratégia de Liderança de Custos, pode ser eficaz principalmente em mercados onde os consumidores são muito sensíveis a preço, mas vale lembrar que a procura por custos sempre menores não deve comprometer a imagem do produto, dando oportunidades a atuação dos concorrentes Estratégia em Diferenciação. Busca-se uma vantagem competitiva pela percepção do cliente que o produto/serviço contém característica únicas e valiosas perante os concorrentes. Porter (1989,p.147), diz que A diferenciação resultante de ações coordenadas em muitas atividades de valor será em geral mais duradoura, que exige mudanças enormes no comportamento dos concorrente para que possam imitá-la.

7 Anais do II EGEPE Londrina Paraná A diferenciação surge segundo o autor (1989,p.113), de cada etapa da cadeia de valores da empresa, a qualidade da matéria-prima, pode afetar a qualidade do produto final, a logística externa, pode proporcionar um diferencial sobre a concorrência, com entregas rápidas, equipe de vendas educada pode oferecer uma melhor apresentação do produto. Enfim qualquer atividade da cadeia de valor pode tornar-se um diferencial. A diferenciação permite a organização a cobrança de um preço superior a concorrência e também pode conseguir maior fidelidade do cliente. Mas vale ressaltar que o custo extra da diferenciação não pode exceder os benefícios, tanto no preço como na fidelização Estratégia de Enfoque ou Foco. Esse tipo de estratégia busca identificar segmentos específicos de consumidores, tanto pela sua localização geográfica como pelas suas características, pode-se após a determinação do segmento aplicar tanto uma abordagem de liderança de custo como a diferenciação. Buscando tirar o melhor proveito do nicho de mercado selecionado. Existem algumas exigências para que a estratégia seja bem sucedida, Kotler & Armstrong (1998,p.169), as apresentam como sendo: Mensurabilidade, o segmento deve oferecer condições de medição quanto ao seu tamanho, poder aquisitivo e perfis dos consumidores. Acessibilidade, os produtos e apelos publicitários devem chegar até os clientes de forma concentrada. Substancialidade, o segmento de mercado deve ter um número suficiente de compradores que o torne lucrativo. E Operacionalidade, muitas vezes identificase diversos segmentos, mas a organização não tem estrutura suficiente para atender a todos, deve-se pois planejar e atender os segmentos possíveis. Vale ressaltar que a Estratégia de Enfoque vai além da segmentação de mercado que restringe-se as atividades de marketing, ela envolve toda a cadeia de valor da organização, podendo atender a vários segmentos, mas a ampliação dos segmentos atendidos pode levar a perda de eficiência em cada segmentos Estratégias Externas Para facilitar o estudo das Estratégias Externas, foram divididas em Estratégias Externas voltadas a cadeia logística e Estratégias Externas voltadas a alianças com concorrentes, dedicando-se neste capítulo um tópico especial para sua discussão Estratégias Externas Voltadas a Cadeia Logística. Anteriormente as organizações segundo Christopher (1999), buscavam possuir o maior número de fornecedores possíveis, com o único objetivo de conseguir sempre o melhor preço, não importando se a cada aquisição o fornecedor fosse diferente. Vale ressaltar que ainda hoje encontra-se esse tipo de relacionamento, mas em mercados cada vez mais competitivos sua prática vem sendo gradativamente substituída.

8 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Surge então segundo o mesmo autor,um novo modelo de relacionamento entre fornecedores, empresa, canais e consumidores, busca-se um relacionamento de longo prazo, em que antes apenas um ganhava, agora os dois ganham. Sendo a parceria substituta da desconfiança na busca da criação de valor para o cliente. Em alguns momentos da relação, para que ocorram ganhos, a empresa o fornecedor ou o canal terão que alterar seus custos ou executar investimento em benefício da cadeia. A Transportadora Mercúrio após assinar um contrato com a Dell Computers, realizou investimentos na ordem de 20 milhões de reais, para garantir a vantagem competitiva do seu parceiro, ou seja vendas diretas aos consumidores, onde a Mercúrio comprometesse a entregar os computadores em qualquer localidade do Brasil no prazo máximo de dois dias. Tanto Porter (1989,p.47) como Christopher (1999,p.112), afirmam ser a informação um dos fatores primordiais para o sucesso da estratégia, e que isto vem se tornando possível graças ao surgimento de modernos sistemas de informação, que integram toda a cadeia logística. Bassi (2000,p.174) apresenta outros fatores como estabilidade, continuidade, transparência e mútuo compromisso, como necessários para o sucesso da estratégia. Não esquecendo-se da necessidade de um alto grau de confiança nesse processo de compartilhamento de informações. Assim conclui-se que as mudanças ambientais estão levando as organizações a reverem suas estratégias, as organizações disputam mercados não apenas com empresas concorrente, mas sim com toda a sua cadeia logística, onde uma melhor qualidade da matériaprima pode ser o diferencial de toda cadeia, percebido pelo consumidor na sua ponta. Atitudes de desconfiança estão dando lugar a parcerias surgindo troca de informações antes nunca imagináveis, o fornecedor passa a ser visto não mais como um oponente que deve ser vencido, mas sim como um parceiro que contribui para o sucesso da empresa Estratégias Externas Voltadas a Alianças com Concorrentes. Anteriormente buscou-se apresentar de forma genérica algumas estratégias que podem levar as pequenas empresas a sobressaírem-se em seus mercados, visando atender a um dos objetivos deste trabalho. A seguir busca-se apresentar outras formas de associativismo, como forma de adquirir capacidades inexistentes ou pouco desenvolvidas dentro da organização, para vencer os desafios dos ambientes globalizados. Devido a importância e extensão do assunto, dedica-se o tópico quatro deste capítulo para a discussão do assunto. 2.4 ASSOCIATIVISMO Com o acirramento da guerra dos mercados surge o associativismo como forma de adquirir competências essenciais e sustentáveis, melhorando a competitividade das organizações. Autores como Lorange & Roos, apud Rodrigues (1999,p.124), afirmam ser esta a modalidade de negócios do futuro, sendo utilizadas como atalho para a competitividade e para o mercado. Ferreira & Bettoni (1994,p.10), apresentam a definição para associativismo empresarial, como:

9 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Todo tipo de associação que pode existir entre duas ou mais empresas. Podendo ocorrer entre pequenas empresas concorrentes e empresas do mesmo ramo que através da ação coletiva buscam reduzir custos e obter ganhos de competitividade através da maior escala de produção. O associativismo ou alianças surgem como um estratégia para aproveitar oportunidades ou enfrentar ameaças, em que isoladamente a organização não pode aproveitar ou competir. Parte-se então para a união de empresas até mesmo concorrentes para compartilhar pontos fortes e minimizar fraquezas, entregando maior valor ao consumidor final Formas de associativismo. Existem diversas formas de alianças, busca-se apresentar um quadro geral dos tipos de alianças entre empresas concorrentes ou não, dando-se especial atenção a formação das Redes de Pequenas e Médias Empresas Joint ventures. A Joint Ventures apresenta-se como uma forma de associação entre empresas concorrentes ou não, em que caracteriza-se pela formação de uma nova entidade, sem a perda da personalidade jurídica das formadoras. Churchill, Jr. & Peter (2000,p.78), a definem como um acordo empresarial em que duas ou mais organizações compartilham a direção de um empreendimento. Afirmando que as joint ventures podem beneficiar organizações que sejam fortes em algumas áreas mas fraca em outras, sendo as fraquezas supridas pelos parceiros Fusão. Ocorre quando duas ou mais empresas fundem-se surgindo uma nova organização, objetivando economia de escala, facilidades de comercialização, podendo até influenciar o mercado. Fusão é definida por Bassi (2000,p.164), como sendo operações em que duas empresas se unem e desaparecem, formando uma nova, com identidade e gestão próprias. Em que apresentam alguns riscos como, conflitos de cultura organizacional e de poder entre pessoas provenientes das antigas empresa, risco também citado por Kotabe & Helsen (2000,p.260). Assim, as fusões demandam mudanças culturais profundas, principalmente dos funcionários, que passam a interagir num novo ambiente, em que a cooperação é cada vez mais necessária.

10 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Alianças Estratégicas. As Alianças Estratégicas apresentam-se de forma intermediária entre a Fusão e a joint Venture. Não cria uma nova entidade como acontece com a fusão, mas existe um comprometimento maior entre os parceiros, principalmente envolvendo as capacidades essenciais, quando comparadas as Joint Ventures Licenciamento. As organizações podem acessar mercados através da estratégia de licenciamento, em que segundo Kotabe & Helsen (2000,p.253), é uma transação contratual em que a empresa a licenciadora oferece alguns ativos a uma empresa a licenciada em troca de pagamento de royalties 1. Bassi (2000,p.161), complementa afirmando que esta parceria (...) caracteriza-se pelo licenciamento de marca, tecnologia de produto e/ou processo, em razão do qual a licenciada paga royalties. Em que a licenciada atua de forma independente mas não tem imagem própria, pois esta pertence a licenciadora. Para pequenas empresas que não possuem recursos para investimentos em mercados externos, o licenciamento surge como uma boa opção, além de reduzir os riscos de mudanças ambientais, como instabilidades políticas ou econômicas Franchising ou franquias. Este tipo de parceria é definida por Nickels & Wood (1999,p.275), como um arranjo contratual em que uma empresa (o franqueador) licencia o direito de uso de sua marca, produtos e métodos operacionais para uma segunda companhia (o franqueado). Churchill Jr. & Peter (2000,p.303), afirmam ser as franquias mais adequadas para serviços onde pode-se ditar as regras para as operações do dia-a-dia, como hotéis, postos de gasolina, escolas de línguas e informática, academias de ginástica e restaurantes fast-food Central de compras. É definida por Bassi (2000,p.166), como uma parceira estratégica entre empresas, concorrentes ou não, para comprar conjuntamente seus principais insumos e matériasprimas. Ferreira & Bettoni (1994,p.27), comentam ser esta a mais simples das formas de integração comercial e apresentam algumas vantagens decorrentes da sua formação: Melhor condições de negociação junto aos fornecedores. Compras a preços menores. 1 Um percentual de direitos autorais sobre o resultado da exploração comercial do item licenciado.

11 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Eliminação de intermediários. Melhores condições de pagamento. Menores custos de estoque e frete. Acesso a fornecedores que vendem somente grandes lotes Redes de Pequenas Empresas. Casarotto Filho & Pires (1998), a partir de estudos realizados na região italiana da Emília Romagna, calcada num modelo de redes de pequenas empresas, apresenta exemplos bem sucedidos de associativismo, como estratégia de desenvolvimento da pequena e média empresa, frente as ameaças da competição internacional. A experiência dessa região, apesar de ser calcada em redes industriais, pode fornecer subsídios para o desenvolvimento da redes associativas comerciais instaladas na região noroeste do Paraná. Segundo Casarotto Filho & Pires (1998,p.14), num mundo globalizado e altamente competitivo como o atual, só o associativismo e a união são o caminho para as pequenas empresas conseguirem força competitiva. Feser & Bergman (2000), também apresentam o crescimento da estratégia enfatizando sua expansão em regiões da Europa e América do Norte. Mas para que isso ocorra no Brasil, deve haver uma mudança cultural, por parte da população, empresários, políticos e governantes. Amato Neto (2000,p.46) apud Porter (1998), define redes de empresas como sendo o método organizacional de atividades econômicas através de coordenação e/ou cooperação inter-firmas. O mesmo autor estabelece como objetivo principal das redes o fortalecimento das atividades dos seus membros, tanto no aspecto técnico como mercadológico. Já Casarotto Filho & Pires (1998,p.39) salientam que a base das redes é juntar esforços em funções em que se necessita de uma escala maior e maior capacidade inovativa para sua viabilidade competitiva. Uma característica importante das redes de empresas segundo Amato Neto (2000,p.47), é a não obrigatoriedade da existência de laços financeiros entre os membros da rede, cada qual têm independência sobre sua gestão financeira. Mas vale ressaltar, desde que não comprometa o idoneidade financeira do grupo. Ferreira & Bettoni (1994), apresentam algumas áreas em que as redes podem atuar, são elas: compras conjuntas, aquisição de equipamento com utilização comunitária, centrais de serviços, centrais de vendas, implementação de estratégias conjuntas de marketing, negociação conjunta de crédito, treinamento coletivo dos colaboradores, pesquisa e desenvolvimento tecnológico e melhoria da qualidade.

12 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Casarotto Filho & Pires (1998), ressaltam que o simples consórcio entre empresas não é garantia de sucesso. Faz-se necessário a sua inserção em um sistema econômico local, em que além da rede de empresas encontram-se também outros mecanismos de integração, como um centro catalisador de tecnologias, observatórios econômicos, associações empresariais e cooperativas de garantia de crédito. Apresenta-se a seguir duas tabelas sintetizando as principais estratégias internas e externas, e suas respectivas vantagens competitivas adquiridas. Tabela 01. Principais estratégias internas para as pequenas empresas adquirirem vantagens competitivas. Autor Estratégia Vantagem competitiva adquirida Porter LIDERANÇA DE Menor preço de aquisição do produto/serviço para o CUSTO cliente. Porter Diferenciaç ão Percepção pelo cliente que o produto/serviço contém características únicas e valiosas perante o concorrente. Porter Foco Atender a segmentos específicos de clientes que não estão sendo bem atendidos por concorrentes com estratégia de atendimento de massa, podendo-se aplicar tanto uma abordagem de liderança de custo como a diferenciação. Tabela 02. Principais estratégias externas associativas para as pequenas empresas adquirirem vantagens competitivas. Autor Estratégia Vantagem competitiva adquirida Christopher e Porter. Bassi, Churchill Jr & Peter, Kotabe & Helsen, Doz & Hamel. Bassi, Kotabe & Helsen. Doz & Hamel, Harbison & Pekar Jr.,Correa. Kotabe & Helsen,Bassi. Alianças com a cadeia logística Joint Ventures Fusão Alianças Estratégicas Licencia mento Melhor aproveitamento da capacidade produtiva e transportes, além da diminuição dos estoques de produtos acabados e da necessidade de capital de giro, podendo oferecer ao consumidor final produtos a um custo menor. A sinergia adquirida com a criação da nova empresa, podendo-se levar a uma vantagem de custo ou mesmo diferenciação. Economia de escala, levando a liderança de custo. O compartilhamento das capacidades essenciais, pode levar a produtos diferenciados para segmentos específicos. Para a licenciadora permite expansão dos mercados com menores custos. Nickels & Wood, Churchill Jr & Peter, Araujo. Franquia s Para o franqueado a possibilidade de capitalizar uma fórmula de negócio já vencedora.

13 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Bassi, Ferreira & Bettoni, Renato & Oiticica. Casarotto & Pires, Amato Neto, Bureth; Wolf; Zanfei, Weber & Stam. Central de Compras Redes de Empresas Colabora para o oferecimento ao cliente de produtos com menor preço final ao cliente. Proporcionam ganhos de escala e também maior capacidade inovativa, fortalecendo as atividades dos seus membros, tanto no aspecto técnico como mercadológico, podendo-se adotar tanto uma abordagem de custo, como diferenciação ou também de foco. (ver tabela 1) 3. PROCEDIMENTOS REQUERIDOS PARA DESENVOLVIMENTO DO ASSOCIATIVISMO PARA EMPREENDEDORES DOMÉSTICOS NA BUSCA DE VANTAGENS COMPETITIVAS. A partir das estratégias apresentadas num momento anterior e suas respectivas vantagens competitivas alcançadas, aliadas aos estudos exploratórios e descritivos junto aos empreendedores formadores da rede associativa em estudo, leva propor uma sistemática para o desenvolvimento da ferramenta associativismo para empreendedores domésticos. O presente trabalho propõem uma sistemática para formação de redes associativas para pequenas e médias empresas domésticas, do setor comercial da região noroeste do Paraná.

14 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Passo Um: empresário ou empresários percebem novas ameaças/oportunidades no ambiente em que a empresa está inserida. Passo Dois: Passa-se a convidar os empresários que possuam problemas e perfil empresarial semelhantes, e preferencialmente estejam Passo Três: na primeira reunião passa-se a discutir as vantagens competitivas que poderão ser adquiridas com o uso da estratégia do associativismo. Como atrativo para a reunião poderá ser servido no final uma jantar para os participantes. Passo Quatro: compromisso da alta administração ou empresários com a estratégia do associativismo, com reconhecimento dos seus benefícios. Passo Cinco: formação do grupo de interessados com a criação de uma comissão ou diretoria provisória, definição de algumas regras de funcionamento como programação de novas reuniões, definição de um préperfil de quem deve compor o grupo inicial de parceiros.(geralmente ações associativas bem sucedidas ocorrem entre empresas do mesmo ramo ou setor). Passo Seis: no início do trabalho em grupo, procura-se implementar ações de resultados a curto prazo (tipo compra Passo Sete: preparação Passo Oito: consolidação Passo Nove: acompanhamento dos associados para inicial da associação, através trabalharem em grupo da formalização jurídica, de continuo da associação, através de pessoas e local próprio para sua entidades que conheçam o instalação, com móveis e verificando se os objetivos associativismo, busca-se a equipamentos, como também filosofia do ganha-ganha pelos resultados obtidos no continuam os mesmos da época em detrimento da ganhaperde. curto prazo, passando a Não desistir nas Figura 2 Modelo geral implementar dos 9 ações passos de médio necessários e da formação para formação do grupo, se de há rede primeiras dificuldades. associativa. longo prazo. Fonte: Adaptado de Ferreira & Bettoni (1994).

15 Anais do II EGEPE Londrina Paraná CONCLUSÕES A associação de empresas é uma estratégia que leva as organizações a adquirir vantagens competitivas, pois passam a oferecer produtos de marcas conhecidas, através do acesso a fornecedores indisponíveis para a empresa individualmente, devido ao volume de compra. Também passam a estar presente de forma mais intensa na mídia através das campanhas publicitárias realizadas pela rede, ocupando um melhor posicionamento na mente do consumidor. Através da compra conjunta passam a comprar em lotes maiores, conseguindo preços e condições de pagamentos melhores, possibilitando a oferta de preços mais atraentes ao cliente. Conclui-se também que a simples inserção da empresa na rede não é garantia de melhores resultados, cabe a cada organização buscar também melhorias internas, como redução do seu custo total, educação da equipe de colaboradores, atualização tecnológica, assim o fortalecimento individual de cada componente pode levar a resultados melhores de todo o grupo. A inserção da rede de empresas em um sistema econômico local, também é fator decisivo para o seu sucesso, interagindo com instituições de pesquisa, cooperativas de crédito, associações empresariais como forma de oferecer maior valor ao cliente. Por fim, este artigo mostrou uma ligação de estratégias adotadas pela organização com a obtenção de vantagens competitivas, mostrou também que o crescimento do associativismo, através da rede de empresas doméstica, fortalece o poder de negociação, e consegue desempenho mais adequado da organização. Portanto torna-se necessário o aprimoramento individual de cada participante da rede para que a sinergia seja atingida e mesmo em mercados altamente competitivos com criatividade, inovação e utilização de ferramentas adequadas as organizações podem sobreviver e crescer. FONTES BIBLIOGRÁFICAS Obras Citadas AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidade para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas: Fundação Vanzolini, p. ARAUJO, A. G. Fome de mercado. Revista Marketing Best, São Paulo: n p. 20, BASSI, E. Empresas locais e globalização: guia de oportunidades estratégicas para o dirigente nacional. São Paulo: Cultura, p. BURETH, A; WOLF. S; ZANFEI, A. The two faces of learning cooperating: the evolution and stability of inter-firm a greements in the european eletronics infustry. SSRN Electronic Paper Collection. Julho, Disponível em: <http://papers.ssrn.com/>. acesso 08/02/01.

16 Anais do II EGEPE Londrina Paraná CASAROTTO FILHO, N; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. São Paulo: Atlas, p. CHURCHILL Jr., G. A; PETER, J. P. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo: Saravia, p. CHRISTOPHER, M. O marketing da logística: otimizando processos para aproximar fornecedores e clientes. São Paulo: Futura, p. CORREA. C. Inimigo íntimo. Revista Exame, São Paulo: n. 715, p. 108, DIEHL, I. Globalização: a revolução do fim do século. Revista Redes. Santa Cruz do Sul:. v. 2, p , julho de DOZ, Y. L; HAMEL, G. A vantagem das alianças: a arte de criar valor através das parcerias. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. FERREIRA, M. S; BETTONI, C.. Como constituir alianças estratégicas e associativismo econômico. Curitiba: SEBRAE/FAE/CDE, p. GARCIA, M. N. A solução para os negócios de qualquer organização. Revista Marketing Best, São Paulo: n. 322, p. 14, GIMENEZ, F. A. P. O estrategista na pequena empresa. Maringá [ s.n.], p. GONÇALVES, R. Globalização e desnacionalização. São Paulo: Paz e Terra, p. KOTABE, M; HELSEN, K. Administração de marketing global. São Paulo: Atlas, p. KOTLER, P; ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. Rio de Janeiro: Printice-Hall do Brasil Ltda, p. MONTGOMERY, C. A; PORTER. M. E. (Org.). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, p. NICKELS, W. G; WOOD, M. B. Marketing: relacionamento, qualidade, valor. Rio de Janeiro: LTC, p. PORTER, M. E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, p. RENATO, C.; OTTICICA, D. O contra-ataque do pequeno varejo. Gazeta Mercantil, Rio de Janeiro, 16 fev. 2001, Caderno Empresas & Carreiras, p. C-5. RODRIGUES, S. B. (Org.). Alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo: Atlas, p. WEVER, E; STAM, E. Clusters of high technology SMEs: the dutch case. Regional Studies, Cambridge: junho, Disponível em: <http:www.proquest.umi.com/pqlink/>. Acesso em 18 de janeiro de 2001.

17 Anais do II EGEPE Londrina Paraná Obras Consultadas BENZ, P. A. A mercearia da esquina, a economia globalizada e a legitimidade do poder. Revista do Instituto de Pesquisas e Estudos, Bauru: n º 25, p , julho de ENRIGHT, M. J. Regional clusters and multinational enterprises: independence, dependence, or interdependence? White Plains. Hong Kong: summer Disponível em: <http://www.proquest.uni.com/pqlink/>. Acesso em 20 de janeiro de DRUCKER, P. Entrevistas de exame. Revista Exame.,Entrevista concedida a Clayton Netz e Sandra Carvalho, maio de Disponível em: <http://www2.uol.com.br/exame/drucjer.html>. Acesso em 10 de dezembro de MARTINEZ, C. Corretor faz a ponte entre o varejo e a indústria. Gazeta Mercantil, São Paulo, 12 fev. 2001, p. C-1. NETZ, C. A virtude da paranóia. Revista Exame, abril de Disponível em: <http://www2.uol.com.br/exame/33capa.html>. Acesso em 10 de dezembro de POLONIO, W. A. Manual das sociedades cooperativas. São Paulo: Atlas, p. SALLUM Jr., B. Globalização e desenvolvimento: a estratégia brasileira nos anos 90. Novos Estudos Cebrap, São Paulo: n. 58, p , novembro de STEMBERG, R. & TAMASY, C. Munich as Germany s no. 1 high technology region: empirical evidence, theorical explanations and role of small firm/large firm relationships. Regional Studies, Cambridge: junho, Disponível em: <http://www.proquest.umi.com/pqlink/>. Acesso em 18 janeiro 2001.

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais 2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 05/02/2016 www.boscotorres.com.br

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais