Manual do Mutirão Carcerário 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do Mutirão Carcerário 2014"

Transcrição

1 Manual do Mutirão Carcerário 2014 Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 1

2 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO II. VARAS CRIMINAIS 1. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES DO SISTEMA DO MUTIRÃO PARA A SECRETARIA DA REGULARIZAÇÃO CADASTRAL Dados Pessoais do Réu Migração do Réu Vinculação Prontuário SAP Atualização da Situação do Réu Vinculação de Advogado/Defensor Público Atualização da Classe/Assunto DA REGULARIZAÇÃO PROCESSUAL PROCEDIMENTOS DO MAGISTRADO INTIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DA DEFESA PETICIONAMENTO POR ADVOGADO OU DEFENSOR PÚBLICO Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 2

3 I. APRESENTAÇÃO Em consonância com os rumos do Judiciário Nacional, o Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe, sempre comprometido com o ideal de prestação jurisdicional célere e eficaz, vem implementando estratégias internas, bem como seguindo orientações da Resolução Conjunta nº. 01, de 29 de setembro de 2009 CNJ/CNMP, com a finalidade de zelar pelo cumprimento dos princípios constitucionais da razoável duração do processo e da legalidade estrita da prisão. Neste contexto, os Conselhos Nacional de Justiça e do Ministério Público idealizaram o procedimento do Mutirão Carcerário, visando à revisão dos processos com réus presos (provisórios ou definitivos), das medidas de segurança e das internações de adolescentes em conflito com a lei, empreendendo-se maior celeridade aos feitos criminais e zelando pelos princípios constitucionais de Liberdade e Dignidade da Pessoa Humana. O Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe, com intuito de unificar e organizar os trabalhos a serem realizados no Mutirão Carcerário, através da Resolução nº.005/2010, publicada em 30 de junho de 2010, regulamentou os procedimentos a serem efetuados pelas serventias com competência criminal de 1º e 2º grau. Durante os trabalhos realizados no Mutirão Carcerário nos anos anteriores, verificou-se a necessidade de que rotinas fossem preestabelecidas, a fim de uniformizar os procedimentos, organizar os trabalhos e, por conseguinte, imprimir maior celeridade na análise, cumprimento e alimentação dos dados no sistema, sanando, assim, dificuldades ora detectadas. Considerando que um dos objetivos do GMF (Grupo de Monitoramento e Fiscalização), previsto na Resolução nº 96/2009 do CNJ, é planejar e coordenar os mutirões carcerários para Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 3

4 verificação das prisões provisórias e processos de execução penal, os trabalhos no Mutirão Carcerário 2014 serão coordenados e fiscalizados por tal grupo, que terá o condão de auxiliar e fiscalizar as atividades desenvolvidas, bem como realizar as inspeções nos estabelecimentos penais, conforme previsão do art. 5º da Resolução nº. 005/2010 TJ/SE. As atividades terão inicio no dia 20 de julho ou, não havendo expediente forense, no primeiro dia útil subsequente, obedecendo à lista disponibilizada no relatório gerencial Processos com Réus Presos Mutirão Carcerário do sistema de controle de processual, criado especificamente para este fim, onde constarão todos os processos submetidos à análise pelo Juízo competente, indicados pelo Grupo, com base na população carcerária existente no 20º dia do mês de julho. Com a finalidade de coordenação, e em obediência ao que dispõe o art.2º, caput, da Resolução nº. 005/2010-TJ/SE, as rotinas aqui estabelecidas deverão ser obrigatoriamente seguidas, a fim de assegurar a organização dos trabalhos. Assim, este manual é dirigido a todos aqueles que participam de forma direta e/ou indireta do Mutirão Carcerário 2014, fornecendo-lhes orientações acerca das rotinas a serem seguidas para o sucesso do procedimento. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 4

5 II. VARAS CRIMINAIS 1. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES 20 de Julho - Início do Mutirão Carcerário através da coleta de dados fornecidos pela Secretaria de Estado da Justiça (Sejuc) e pelo os contidos no Sistema de Controle Processual deste Poder; 20 de Julho a 19 de Outubro - Período no qual o GMF realizará o cruzamento dos dados coletados, verificando as pendências cadastrais e solicitando, pontualmente, às Secretarias dos Juízos Criminais as regularizações necessárias e, caso necessário, a revisão pelo magistrado, de ofício, acerca das prisões; 20 de Outubro - Data inicial que seja efetuado o movimento de conclusão em todos os processos inseridos no Mutirão Carcerário, com a conseqüente entrega dos mesmos ao gabinete; 20 de Outubro a 14 de Novembro - Período no qual o magistrado deve analisar, de ofício, os processos incluídos no Mutirão Carcerário, reavaliando a regularidade das prisões, com o conseqüente envio através do relatório eletrônico específico. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 5

6 2. DO SISTEMA DO MUTIRÃO PARA A SECRETARIA As atividades serão controladas através de relatório gerencial Processos com Réus Presos Mutirão Carcerário criado com este fim específico, disponibilizado no Sistema de Controle Processual. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 6

7 No sistema consta o Processo, Movimentação Rápida, Localização, Réus Presos, Vincular Movimento (Decisão/Despacho), Situação, Enviar ao GMF, Status, Observações. Processo: número do processo onde há réu(s) preso(s); Movimentação Rápida: link que direcionará o usuário à tela de movimentação, permitindo movimentos de cartório somente para os processos com localização Secretaria e, da mesma forma, movimento de gabinete para aqueles com localização Juiz. Caso o usuário não tenha perfil de gabinete, o sistema bloqueará a movimentação, como já o faz normalmente. Localização: local onde o processo se encontra (Secretaria, Juiz, Promotor, Advogado/Defensor, Delegacia, etc). Esta informação é visualizada por todos os usuários, Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 7

8 proporcionando o acompanhamento do cumprimento dos prazos anteriormente especificados para as atividades do Mutirão Carcerário. Réus Presos: neste campo aparecerão apenas os réus com situação de preso, mesmo que no processo existam outros réus soltos. Vincular Movimento (Decisão/Despacho): De uso exclusivo do gabinete, deverá ser selecionado a decisão ou despacho proferido pelo magistrado referente à análise da prisão do(s) réu(s). Situação: Movimento de uso exclusivo do magistrado, devendo ser utilizado somente quando o processo estiver com localização Juiz e após análise da regularidade da prisão do réu. O seu conteúdo será explicado em momento oportuno desta rotina. Enviar ao GMF: Movimento de uso exclusivo do magistrado, devendo ser utilizado somente quando o processo estiver com localização Juiz e após o preenchimento do campo Situação. Referido movimento desloca o processo ao GMF para análise das atividades desenvolvidas pelo magistrado quanto aos objetivos do Mutirão Carcerário. Status: neste campo será informado o estado em que se encontra o processo dentro dos trabalhos do Mutirão Carcerário, podendo conter as seguintes informações: Em análise: processo ainda sendo analisado pela unidade jurisdicional e consequentemente não enviado ao GMF; Devolvido: processo enviado pela competência, analisado pelo GMF e devolvido em decorrência da inobservância das regras previstas neste manual; Observações: Em caso de devolução do processo pelo GMF, neste campo aparecerá o motivo do retorno à vara e/ou comarca competente. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 8

9 Os processos enviados eletronicamente ao GMF sairão do relatório em comento e retornarão, apenas, no caso de devolução para eventuais correções Em nenhum momento o GMF intervirá na decisão do Magistrado. 3. REGULARIZAÇÃO CADASTRAL Inicialmente, para o êxito dos trabalhos do Mutirão Carcerário, faz-se necessário a regularização e saneamento dos processos criminais detectados pelo GMF pelos servidores da secretaria do Juízo. Todos os feitos listados pelo GMF, bem como aqueles que forem incluídos posteriormente no Mutirão Carcerário, face a atualização da lista de trabalhos, deverão ter seus cadastros analisados e, se for o caso, regularizados. A referida regularização cadastral envolve: dados pessoais do(s) réu(s); migração do réu; vinculação dos feitos; prontuário SAP; atualização da situação prisional do réu; vinculação do(s) advogado(s) constituído(s) ou Defensor Público; e, por fim, deverá o servidor adequar o processo se for o caso, às regras das Tabelas Processuais Unificadas, estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça DOS DADOS PESSOAIS DO RÉU No momento da distribuição/cadastro dos processos criminais são detectados, frequentemente, inúmeros erros ou omissões referentes ao cadastro das partes, muitas vezes gerados pela precariedade dos dados constantes nos inquéritos policiais ou até pela supressão de Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 9

10 uma única letra ou sobrenome que, posteriormente, poderá prejudicar uma eficaz consulta de antecedentes realizada pelo nome da parte. Diante da constatação de que o nome do réu ou qualquer parte cadastrada está incorreto, deverá o servidor utilizar-se da ferramenta de Alteração de Nome da Parte, localizada em cartório processo crime Alt. Nome Parte, de uso exclusivo do Escrivão/Diretor de Secretaria. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 10

11 No tocante aos demais dados (nome de pai, mãe, número de documento, endereço, dentre outros), caso necessário, deverão ser feitas as atualizações devidas. Para tanto, basta clicar em cima do nome do réu ou seguindo no módulo Cartório >> Processo Crime >> Alteração, que abrirá a janela abaixo demonstrada. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 11

12 3.2. MIGRAÇÃO DO RÉU Pode acontecer, também, por algum lapso no momento da distribuição, ter sido efetuado cadastros diversos para o mesmo réu. Para tanto, deverá enviar para conforme modelo abaixo, solicitando a migração do réu entre o processo principal e seu(s) dependente(s). Observa-se frequentemente tal situação quando, por exemplo, no Pedido de Prisão Preventiva apenas se conhecia o apelido do réu e, ao chegar o Inquérito Policial para distribuição, possui o nome completo do mesmo. Todavia, ao invés de vincular aquela parte e alterar o nome, o usuário cadastra nova parte, comprometendo, futuramente, a migração da situação prisional do réu para a ação principal. De: Para: Assunto: MUTIRÃO CARCERÁRIO - Migração de Réu Mensagem: Processo nº xxxxxxxxxx Dependente(s) nº xxxxxx Descrição: xxxxxxxxx Att, xxxxxxxxxxxxx Diretor(a) de Secretaria/Escrivão(a) 3.3. VINCULAÇÃO Outra situação possível é a não vinculação de processos, ou seja, não distribuíram, por algum lapso, o Inquérito Policial vinculado ao Auto de Prisão em Flagrante, por exemplo. Nesse Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 12

13 caso, também, irá comprometer futuramente a migração da situação prisional do réu para o feito mais relevante, qual seja, a ação penal, devendo a secretaria enviar para conforme modelo a seguir. De: Para: Assunto: Mensagem: MUTIRÃO CARCERÁRIO - Vinculação Processo nº xxxxxxxxxx Dependente(s) nº xxxxxx Descrição: xxxxxxxxx Att, xxxxxxxxxxxxx Diretor(a) de Secretaria/Escrivão(a) 3.4. PRONTUÁRIO SAP É de fundamental importância a vinculação do prontuário SAP em TODOS os processos que possuam réu(s) preso(s), em cumprimento ao determinado no art. 299, 2º e 3º da Consolidação Normativa Judicial ATUALIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PRISIONAL DO RÉU A atualização da situação do réu, através da confecção e/ou cumprimento de documento relevante (mandado de prisão, alvará de soltura e contramandado), deverá ser seguida Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 13

14 de certidão e movimento de conclusão para que o magistrado finalize o processo na competência e envie a informação ao GMF VINCULAÇÃO DE ADVOGADO/DEFENSOR PÚBLICO A regularização cadastral dos processos do Mutirão Carcerário inclui a vinculação do advogado ou defensor público, visto que, ao final, com a decisão do magistrado pela concessão ou não da liberdade, os patronos serão necessariamente intimados. Deverá o servidor verificar se os advogados/defensores públicos estão devidamente vinculados ao processo, ou ainda se o profissional cadastrado é o atual procurador, considerando a possibilidade de ter havido revogação, com nova procuração nos autos. Essa regularização é importante para assegurar a correta e obrigatória intimação dos patronos acerca da decisão proferida no mutirão. Para incluir o Advogado/Defensor Público, clica-se em cima do nome do réu, o que abrirá um campo que possibilita a inclusão do nome do patrono, gravando-se posteriormente a informação. Já no caso de alteração do nome do Advogado/Defensor Público, clica-se no ícone com a imagem de um lápis, situado ao lado do nome do advogado já cadastrado, e efetua-se a alteração, conforme abaixo. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 14

15 ATENÇÃO!!! Os processos inseridos na lista do mutirão carcerário que estiverem com carga/vista deverão ser devolvidos em 48 horas, mediante expedição de ato ordinatório solicitando a devolução no prazo mencionado para análise ATUALIZAÇÃO DA CLASSE/ASSUNTO Deverá o servidor observar se a classe e assunto estão cadastrados nos moldes estabelecidos pelo Conselho Nacional de Justiça através das Tabelas Processuais Unificadas - TPU. Através do mesmo caminho de alteração, há campo para modificar e atualizar a classe processual do feito. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 15

16 Eventual alteração no cadastro, ensejará a impressão de nova capa para o processo. É de grande importância que, tanto a secretaria quanto o Gabinete, utilizem os meios disponibilizados para efetuar busca de dados ou informações sobre os réus de maneira rápida, por exemplo, os Sistemas INFOJUD, INFOSEG. O sistema do INFOSEG é de uso exclusivo do magistrado. Caso ainda não possua a senha para o sistema, deverá o Juiz preencher o formulário de cadastro, acessando o endereço eletrônico encaminhando-o posteriormente ao Setor de Tecnologia deste Tribunal. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 16

17 O sistema do INFOJUD pode ser utilizado pelo magistrado ou servidor por ele indicado, sendo obrigatório que este possua certificação digital para o acesso. Neste caso, somente o juiz poderá enviar para solicitando o acesso para o cadastramento. 4. REGULARIZAÇÃO PROCESSUAL Os processos inseridos no mutirão carcerário deverão ser saneados pela secretaria, que promoverá as seguintes medidas. Cumprimento de despachos; Juntadas de documentos, petições ou qualquer outro expediente; Expedição de certidões e ofícios; Conclusão ou averiguação da necessidade de impulso processual por meio de ato ordinatório; Quaisquer outras diligências necessárias ao andamento do feito. Se a regularização depender de diligência a ser efetivada por outro juízo ou órgãos externos, deverá a secretaria fazer constar o caráter de URGÊNCIA, por se tratar de processo com réu preso. Processo pendente de guia de execução: observar se foi efetuado o envio dos ofícios obrigatórios, quais sejam, ofício ao TRE, ofício ao Instituto de Identificação, ofício ao DESIPE (quando o réu estiver preso) e Ofício à secretaria de Segurança Pública (quando o réu estiver solto). Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 17

18 A secretaria deverá observar se há alguma peça, mandado, ofício, aviso de recebimento, guia de tramitação ou qualquer documento para juntada, cadastramento ou autuação, seja em razão do Mutirão Carcerário ou não, observando as regras abaixos. Pedido Rotina Prisão preventiva Cadastrar processo na classe PEDIDO DE PRISÃO PREVENTIVA. Prisão temporária Cadastrar processo na classe PEDIDO DE PRISÃO TEMPORÁRIA Busca e Apreensão Cadastrar processo na classe PEDIDO DE BUSCA E APREENSÃO CRIMINAL. Quebra de sigilo telefônico, dados, bancário, etc Cadastrar processo na classe PEDIDO DE QUEBRA DE SIGILO DE DADOS E/OU TELEFÔNICO Liberdade Provisória Cadastrar processo na classe LIBERDADE PROVISÓRIA Revogação de prisão Deverá ser juntado nos autos. Em caso de deferimento deverá ser utilizado o movimento Despacho/Decisão >> Revogação >> Prisão. Antes da distribuição do processo principal: Cadastrar processo na classe RELAXAMENTO DE PRISÃO Relaxamento de flagrante Depois da distribuição do processo principal: Fazer juntada nos autos. Em caso de deferimento deverá ser utilizado o movimento Despacho/Decisão Revogação Prisão. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 18

19 Finalizada a regularização cadastral e processual dos processos objeto do Mutirão Carcerário, deverá a secretaria remeter os autos ao gabinete ou, nos casos de processos já julgados, enviar a Guia de Execução Eletrônica para a 7ª Vara Criminal, observando as regras dispostas nos artigos 335 a 347 da Consolidação Normativa Judicial da Corregedoria-Geral da Justiça, alterados pelo Provimento 015/2010-CGJ. Nos casos de enviar os autos ao gabinete, a secretaria deverá, para este fim, inserir registro específico de conclusão, com o seguinte texto: Faço estes autos conclusos em razão do Mutirão Carcerário, bem como movimentá-lo no Sistema de Controle Processual, especificando no complemento do movimento, EM RAZÃO DO MUTIRÃO CARCERÁRIO. 5. PROCEDIMENTOS DO MAGISTRADO Através do relatório Processos com Réus Presos Mutirão Carcerário, o magistrado terá acesso à lista dos processos com réus que tiveram sua prisão efetuada até o dia vinte de julho do ano corrente. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 19

20 Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 20

21 A coluna de movimentação processual permitirá que o juiz, analisando a regularidade da prisão, realize os movimentos de gabinete, quais sejam: decisão/despacho e julgamento O campo localização será automaticamente alterado, de acordo com os movimentos lançados no Sistema de Controle Processual, podendo o magistrado visualizar a tramitação dos processos inseridos no Mutirão Carcerário, controlando os prazos e gerindo os trabalhos realizados. No sistema disponibilizado exclusivamente para a realização dos trabalhos do Mutirão Carcerário, haverá uma coluna denominada Situação, que estará habilitada apenas quando for lançado o movimento de conclusão e a localização for juiz. Será utilizada pelo magistrado para informar qual a fase do processo e se houve concessão de benefício para o réu em questão, após a prolação da decisão. ATENÇÃO!! A situação retro mencionada deverá ser alimentada por réu. Caso o processo possua mais de um réu preso e o Juiz coloque a situação apenas de um, o sistema não deixará que o processo seja enviado ao GMF como analisado. O magistrado poderá optar pelas seguintes situações: Preliminar benefício concedido Preliminar Prisão regular Instrução benefício concedido Instrução prisão regular Sentenciado benefício concedido Sentenciado expedida guia de execução Sentenciado prisão regular Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 21

22 Adolescente internação regular Adolescente benefício concedido Preliminar medida de segurança regular Preliminar medida de segurança benefício concedido Instrução medida de segurança regular Instrução medida de segurança benefício concedido Sentenciado - medida de segurança regular Sentenciado - medida de segurança beneficio concedido Erro na alimentação réu solto Erro de alimentação réu foragido Duas das situações acima mencionadas merecem esclarecimento: Erro na alimentação réu solto: utilizado nos casos em que for constatado pela secretaria, quando da regularização do processo, que o réu, apesar de estar com situação de preso no sistema, está solto. Erro na alimentação réu foragido: utilizado nos casos em que for constatado pela secretaria, quando da regularização do processo, que o réu, apesar de estar com situação de preso no sistema, está foragido. Após proferir despacho, o Magistrado acessará o relatório referente ao Mutirão Carcerário no controle gerencial do Sistema de Controle Processual para selecionar o movimento do despacho referente à análise da prisão do(s) réu(s) e a situação, ou seja, a fase processual e providência decidida e enviar o processo, virtualmente, ao GMF. Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 22

23 Atenção!!!! Será selecionado somente a decisão/despacho referente à análise da prisão em mutirão carcerário. O magistrado clicará em vincular para migrar o despacho/decisão referente à análise da prisão do(s) réu(s). Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 23

24 Com a inserção do despacho e escolha da situação individualizada de todos os réus, o magistrado acionará o botão enviar (habilitado apenas para o juiz) para que o feito seja encaminhado ao sistema do GMF para análise e, se for o caso, finalização do mesmo no Mutirão Carcerário. Quando da análise pelo GMF, poderá o processo ser devolvido à competência, caso se verifique a inobservância das regras deste manual e legislação vigente. A coluna status avisará ao magistrado a situação do processo no mutirão carcerário, informando dois tipos de situações: Em análise (processos inseridos no mutirão, ainda não analisados pelo magistrado); Devolvido (processos devolvidos pelo GMF às varas para correção). Quando ocorrer a devolução do processo à Vara, o GMF justificará o envio, expondo as razões no campo observações. A análise dos processos pelo magistrado competente deverá ser realizada até o dia 14 de novembro ou, não havendo expediente forense normal, até o primeiro dia útil subsequente, com o envio do relatório final de atividades realizadas durante o Mutirão Carcerário para o GMF, conforme dispõe o art. 8º da Resolução 005/2010-TJ/SE. O relatório final de atividades será virtual, extraído a partir do envio ao GMF da situação de todos os processos submetidos ao mutirão. 6. INTIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DA DEFESA Conforme art. 7º, in fine, da Resolução 005/2010-TJ/SE, após a decisão prolatada, deverá o Ministério Público e a Defesa ser intimada, observando-se que, no caso de o réu ser Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 24

25 representado por Defensor Público ou Dativo (nomeado pelo Juiz), a intimação será pessoal. Por outro lado, os advogados serão intimados das decisões através da publicação no Diário de Justiça. 7. PETICIONAMENTO PELA DEFESA O peticionamento pela Defesa, referente ao Mutirão Carcerário, visando a concessão da liberdade do réu, não acarretará a mudança da localização do processo, assegurado o trâmite especificado neste manual, uma vez que a regularidade da prisão será devidamente apreciada, independente de manifestação das partes. Todavia, tratando-se de matérias urgentes, não relacionadas com a análise da regularidade da prisão, a secretaria deverá realizar a juntada, com imediato movimento de conclusão dos autos. Aracaju, 20 de julho de 2014 GRUPO DE MONITORAMENTO E FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CARCERÁRIO Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 25

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aracaju-SE, junho de 2015 1 SUMÁRIO I - APRESENTAÇÃO... 3 II - PROCEDIMENTO NO SISTEMA INFORMATIZADO... 3 III - DO REGISTRO DA SITUAÇÃO

Leia mais

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação A Defensoria Pública do Estado, por meio de sua Assessoria de Convênios, comunica que desenvolveu sistema denominado Sistema de Solicitação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU Dispõe sobre a criação da Central de Alvarás de Soltura e disciplina os procedimentos administrativos para o encaminhamento, cumprimento e execução dos alvarás de soltura eletrônicos.

Leia mais

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual do Servidor (2º Grau) Versão 2.0 Diretoria da Tecnologia da Informação 1 DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual

Leia mais

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto 1. Introdução O projeto do Mutirão Carcerário, iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2008 a partir da vigência da Resolução Conjunta nº 01/2009 do CNJ/CNMP e Resolução nº 89/2009 do CNJ,

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual do Servidor de Secretaria Versão 1.0 Diretoria da Tecnologia da Informação 1 DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual

Leia mais

COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL

COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL ANEXO I COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL Manual explicativo voltado à realização da carga postal, nos termos da Resolução 9/212/TJSE, e do Convênio nº 5/212, junto à Procuradoria Federal e Procuradoria Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

INDICE. Sistema VEC Vara das Execuções Criminais /Implementação da Resolução 46 CNJ

INDICE. Sistema VEC Vara das Execuções Criminais /Implementação da Resolução 46 CNJ Versão 1.0.4 INDICE 1 OBJETIVO... 2 2 CADASTRO DE ROTEIRO DE PENAS... 3 3 CADASTRO DE HABEAS CORPUS... 8 4 CADASTRO DE MANDADO DE SEGURANÇA... 16 5 SOBRE A MOVIMENTAÇÃO DO PROCESSO... 22 6 CADASTRO DE

Leia mais

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE 1 ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Elaborado por: Gerência de Sistemas Judiciais Informatizados (GEJUD). Atualizada em: 23/03/2015.

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para organizar e realizar sessões de julgamento.

Estabelecer critérios e procedimentos para organizar e realizar sessões de julgamento. Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR) Integrante da Comissão de Gestão Estratégica (COGES) Chefe do Poder Judiciário do

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o processo judicial eletrônico no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR

Leia mais

P r a t i c i d a d e no envio e recebimento das Vistas pelos Promotores;

P r a t i c i d a d e no envio e recebimento das Vistas pelos Promotores; Resumo Este documento contém orientações sobre como utilizar o sistema SAJPG5 para gerar Vistas ao Ministério Público do Estado de São Paulo através do conceito de Intimações Eletrônicas - Portal. Principais

Leia mais

CPM - Controle de Prisões e Mandados

CPM - Controle de Prisões e Mandados Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba CPM - Controle de Prisões e Mandados BNMP Banco Nacional de Mandado de Prisão BNMP Banco Nacional de Mandado de Prisão Página 1 Versão 1.0 Controle de Versões do

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

ATO CONJUNTO TRT GP-CRT N.º 8/2015

ATO CONJUNTO TRT GP-CRT N.º 8/2015 ATO CONJUNTO TRT GP-CRT N.º 8/2015 Estabelece os parâmetros gerais para inclusão dos processos físicos no Cadastramento de Liquidação e Execução (CLE) do PJe-JT no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

PORTAL DE SERVIÇOS Processo Eletrônico

PORTAL DE SERVIÇOS Processo Eletrônico danielvermersch@tjrj.jus.br PORTAL DE SERVIÇOS Processo Eletrônico Ano 2014 Sumário 1. Acesso ao Portal de Serviços 2. Perfis de Usuários 3. Portlets 4. Consultas Processuais 5. Distribuição Eletrônica

Leia mais

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS Partindo de levantamentos realizados no questionário da

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010*

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 17.ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de se implementar

Leia mais

CARTILHA DISTRIBUIÇÃO E ATENDIMENTO GERAL

CARTILHA DISTRIBUIÇÃO E ATENDIMENTO GERAL CARTILHA DISTRIBUIÇÃO E ATENDIMENTO GERAL CADASTRO E ALTERAÇÃO DE PROCESSOS - CLASSES E ASSUNTOS DO CNJ Aracaju, agosto de 2015. 1 SUMÁRIO 1. Introdução...3 1.1. Classes Processuais...3 1.2. Assuntos Processuais...5

Leia mais

CARTILHA. Principais mudanças contidas na versão 1.7.1.0

CARTILHA. Principais mudanças contidas na versão 1.7.1.0 CARTILHA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO Principais mudanças contidas na versão 1.7.1.0 Belo Horizonte 2015 Corregedoria-Geral de Justiça SUMÁRIO 1. Introdução 2. Perfil de Advogado 3. Módulo de Procuradoria

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou?

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? O Conselho Superior da Justiça do Trabalho editou a nova Resolução 136/2014, revogando a Resolução 94/2012 que regulamenta o sistema PJe-JT

Leia mais

I Art. 285, 1º, 2º e 3º - Diretrizes Gerais Judiciais.

I Art. 285, 1º, 2º e 3º - Diretrizes Gerais Judiciais. MA UAL DE ORIE TAÇÃO CUSTAS JUDICIAIS Versão: 1.1 - data 25/02/11 I Art. 285, 1º, 2º e 3º - Diretrizes Gerais Judiciais. a) Cálculo da atualização monetária Esgotado o prazo legal estabelecido para o recolhimento

Leia mais

Guia do Usuário. Guia do Usuário

Guia do Usuário. Guia do Usuário Guia do Usuário APRESENTAÇÃO...1 I ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES...2 Do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 Do Acesso e utilização do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 II. ESPECIFICAÇÕES GERAIS DO CNA

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe da Central de Assessoramento Criminal DIGITAR DOCUMENTOS Analisado por: Escrivão/RE da Central de Assessoramento Criminal Aprovado por: ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI MANUAL DE JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.1 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 OBJETIVOS...4 OBSERVAÇÕES...5 USUÁRIOS...5 1. ACESSO AO SISTEMA...6 2. SISTEMA

Leia mais

CREDENCIAMENTO DO ADVOGADO AO PORTAL DO ADVOGADO - SERVIÇOS DO PROCESSO ELETRÔNICO

CREDENCIAMENTO DO ADVOGADO AO PORTAL DO ADVOGADO - SERVIÇOS DO PROCESSO ELETRÔNICO CREDENCIAMENTO DO ADVOGADO AO PORTAL DO ADVOGADO - SERVIÇOS DO PROCESSO ELETRÔNICO 1 1. Introdução O presente manual tem por objetivo orientar a todos os Técnicos Judiciários/Escrivães/Chefes de Secretaria,

Leia mais

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA Guia do Usuário APRESENTAÇÃO A Constituição Federal, art. 227, e a Lei 8.069/90 - Estatuto da Criança e do Adolescente, art. 19, elevaram o direito de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária

Leia mais

SIDAP - Sistema Integrado de Distribuição e Acompanhamento Processual

SIDAP - Sistema Integrado de Distribuição e Acompanhamento Processual SUMÁRIO 1. SOBRE A RESOLUÇÃO 46 MOVIMENTO DO CNJ 2. CONSULTA E CADASTRO DE MOVIMENTOS DO PROCESSO 2.1 CONSULTAR MOVIMENTOS CADASTRADOS 2.2 CADASTRAR MOVIMENTOS MANUAIS 3. GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE MOVIMENTOS

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

CONTROLE E EXPEDIÇÃO ELETRÔNICA DE MANDADOS DE PRISÃO E ALVARÁS DE SOLTURA VERSÃO 2014.1

CONTROLE E EXPEDIÇÃO ELETRÔNICA DE MANDADOS DE PRISÃO E ALVARÁS DE SOLTURA VERSÃO 2014.1 CONTROLE E EXPEDIÇÃO ELETRÔNICA DE MANDADOS DE PRISÃO E ALVARÁS DE SOLTURA VERSÃO 2014.1 Diretoria de Modernização Judiciária - DIMOJ Página 1 ÍNDICE 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 2. NOÇÕES BÁSICAS... 6 2.1.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS 2 SUMÁRIO SEÇÃO 1 - FLUXO DAS VARAS QUE NÃO POSSUEM CENTRAL DE MANDADOS... 03 1. CUMPRIMENTOS (PERFIS DE ANALISTA E TÉCNICO

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL COMARCA DE RIO BRANCO

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL COMARCA DE RIO BRANCO RELATÓRIO DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL COMARCA DE RIO BRANCO Abril de 2015 Apresentação A Correição Ordinária, prevista no art. 40, 2º, da Lei Estadual nº 221/2010, tem como precípua

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência

ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência Dezembro/2012 Sumário 1. Introdução... 4 2. Conteúdo... 4 3. Premissas... 4 4. Alterações de impacto global... 5 i. Comportamento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA SAJPG5 PROCESSOS EM PAPEL E PROCESSOS DIGITAIS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA SAJPG5 PROCESSOS EM PAPEL E PROCESSOS DIGITAIS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA SAJPG5 PROCESSOS EM PAPEL E PROCESSOS DIGITAIS ORIENTAÇÕES GERAIS No decorrer do ano de 2012/2013 o Plano PUMA implantou sistema único em todo o Estado. Tal sistema abrange área

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Dispõe sobre a implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo eletrônico no Poder Judiciário do Estado de Goiás. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, por seu Órgão Especial, no exercício

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

Guia Rápido do PJe Para Advogados

Guia Rápido do PJe Para Advogados TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA Guia Rápido do PJe Para Advogados Belo Horizonte 2014 Sumário 1. Introdução 2. Requisitos mínimos 3. Cadastramento no sistema

Leia mais

Peticionar Inquérito e Outros Documentos

Peticionar Inquérito e Outros Documentos Peticionar Inquérito e Outros Documentos Este manual se destina a orientar a Polícia Civil a realizar o Peticionamento de Inquéritos e Outros Documentos (exceto Auto de Prisão em Flagrante) para o Tribunal

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 14/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 14/2015-CM PROVIMENTO N. 14/2015-CM Estabelece a rotina de realização das Audiências de Custódia junto à 11ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso das suas atribuições,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO SERVIDOR 1ºGRAU MÓDULO 4 Sumário 1 Processo3 11 Consulta3 111 Consulta de Processo3 112 Localização Tarefa21 113 Retificação

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 3 /2012 Disciplina a utilização do Sistema de Informações Eleitorais no âmbito do TRE/RJ e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DA ASSESSORIA JURÍDICA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DA ASSESSORIA JURÍDICA Parecer nº 09/2014-CGJ/CE Referência: 8502259-92.2013.8.06.0026 Assunto: ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DA ASSESSORIA JURÍDICA EXPEDIÇÃO DE ALVARÁ DE SOLTURA EM

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DO JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.0 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 USUÁRIOS...4 1. ACESSO AO SISTEMA...5 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...7 3. TELA INICIAL

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA. Guia Rápido do PJe Para Advogados

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA. Guia Rápido do PJe Para Advogados TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA Guia Rápido do PJe Para Advogados Belo Horizonte 2015 Sumário 1. Introdução 2. Requisitos mínimos 3. Cadastramento no sistema

Leia mais

Publicação de Peças Eletrônicas na Consulta Processual Pública

Publicação de Peças Eletrônicas na Consulta Processual Pública 1 Publicação de Peças Eletrônicas na Consulta Processual Pública CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Elaborado por: Gerência de Sistemas Judiciais Informatizados (GEJUD) e 34ª Vara Cível de BH. Atualizada

Leia mais

Tribunal Regional Federal da 1 a Região

Tribunal Regional Federal da 1 a Região Tribunal Regional Federal da 1 a Região Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais e-proc Manual do Usuário 1 1. Disposições Provisórias O Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta os critérios a serem observados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região para operacionalização do Sistema de Investigação de Movimentações

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL Autores: Henrique Baltazar Vilar dos Santos Fábio José Guedes de Sousa Sumário: 1. Início do processo:... 2 a. Recebimento de Processo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Guia Rápido do PJe Para Advogados

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Guia Rápido do PJe Para Advogados TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Guia Rápido do PJe Para Advogados Porto Alegre 2015 SUMÁRIO Introdução... 3 Requisitos mínimos... 3 Cadastramento no sistema... 3 Visão geral

Leia mais

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial.

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial. Proposto por: GERIR A ENTREGA DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL Equipe da Vara Empresarial Analisado por: RAS da Vara Empresarial Aprovado por: Juiz de Direito da Vara Empresarial 1 OBJETIVO Relacionar recomendações

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe de Vara Cível Analisado por: Chefe de Serventia Judicial Aprovado por: Juiz de Direito 1 OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0 Sistema Nacional de Bens Apreendidos Manual do Usuário Versão 1.0 Brasília, 2009 ÍNDICE I. SOBRE O SISTEMA NACIONAL DE BENS APREENDIDOS... 3 1.1- SNBA Versão 1.0... 3 1.2- Habilitação e Perfis de Acesso...

Leia mais

Material de apoio. Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES.

Material de apoio. Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Material de apoio Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Material de apoio Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Portaria

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA

DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA SETOR DE REGISTRO DIPLOMAS - SRD MANUAL DE ENVIO DE PROCESSOS MÓDULO SOLICITANTE - SICP Versão 2 CUIABÁ-MT Setembro / 2014 1 ÍNDICE GERAL APRESENTAÇÃO...03 INSTRUÇÕES

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a auto-intimação eletrônica de advogados no âmbito dos Juizados Especiais Federais na 2 a Região. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA FEDERAL

Leia mais

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência CAP. XII - 1 CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Subseção I Competência 1. O Plantão Judiciário destina-se exclusivamente: 1 a) ao conhecimento dos pedidos de habeas corpus

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Pará Secretaria de Informática MANUAL CENTRAL DE CERTIDÕES

Tribunal de Justiça do Estado do Pará Secretaria de Informática MANUAL CENTRAL DE CERTIDÕES Tribunal de Justiça do Estado do Pará Secretaria de Informática MANUAL CENTRAL DE CERTIDÕES Sistema desenvolvido pela Secretária de Informática- TJE/PA Belém/PA Agosto de 2012 SUMÁRIO 1 - Apresentação...3

Leia mais

Introdução Funcionalidades por perfil Advogado e Jus Postulandi Adicionar defensoria representante de uma parte Adicionar procuradoria representante

Introdução Funcionalidades por perfil Advogado e Jus Postulandi Adicionar defensoria representante de uma parte Adicionar procuradoria representante 1 Introdução Funcionalidades por perfil Advogado e Jus Postulandi Adicionar defensoria representante de uma parte Adicionar procuradoria representante de uma parte Detalhes do processo Representante processual

Leia mais

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 38/2012 Dispõe sobre o envio, por meio eletrônico, através do Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e em andamento de processos físicos que tramitam na primeira instância

Leia mais

Finalmente, esclarecemos que será mantido o limite de dois usuários por cada serventia, imposto pelo Provimento CGJ nº 23/2010.

Finalmente, esclarecemos que será mantido o limite de dois usuários por cada serventia, imposto pelo Provimento CGJ nº 23/2010. Informamos que a Coordenação da REDE INFOSEG estabeleceu novas normas de segurança para a concessão de acesso e cadastramento de usuários no referido programa. Desta forma, existe a necessidade de que

Leia mais

Sequência de Atividades:

Sequência de Atividades: Passo a passo para demonstração da forma de inserção do inteiro teor das sentenças no sistema SIDAP-PRODESP. Sequência de Atividades: I) Acessar o Menu Acompanhamento / Sentenças / Cadastro de Sentenças,

Leia mais

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES Agrupadores JUIZ E SEUS ASSISTENTES»Processos com pedido liminar ou de antecipação de tutela não apreciado GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE DIRETOR E SEUS ASSISTENTES»Processos com Petições Avulsas»Processos

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2013 Visitas Orientadas 72 Horas Obrigatórias Visitas Justiça

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

SISTEMAS Á DISPOSIÇÃO DA PRIMEIRA INSTÂNCIA

SISTEMAS Á DISPOSIÇÃO DA PRIMEIRA INSTÂNCIA 0 SISTEMAS Á DISPOSIÇÃO DA PRIMEIRA INSTÂNCIA 1. APOLO Descrição: Sistema de acompanhamento processual. Usuários: Juízes, servidores, advogados e partes de processos distribuídos nas Comarcas. Objetivo:

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

TRE-RS. Guia de Referência para Advogados

TRE-RS. Guia de Referência para Advogados TRE-RS Guia de Referência para Advogados JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL GUIA DE REFERÊNCIA PARA ADVOGADOS Porto Alegre Maio/2014 SECRETARIA JUDICIÁRIA DO TRE-RS Organização

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO RESOLUÇÃO Nº 221/2011 Regulamenta as atividades da Central de Atendimento, a forma de assinatura eletrônica e a utilização do meio eletrônico para a prática de atos processuais e dá outras providências.

Leia mais

MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau

MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau Equipe de elaboração: DESEMBARGADOR RICARDO ANTONIO MOHALLEM TRT 3ª REGIÃO JUÍZA GISELA AVILA LUTZ TRT 1º REGIÃO ANTONIO CARLOS DOS SANTOS TRT 7ª REGIÃO NADJA MARIA PRATES

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DE SERVIDORES DE CORREGEDORIA Versão 1.2 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 USUÁRIOS... 5 1. ACESSO AO SISTEMA... 6 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:... 8 2.0

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS AVULSOS - SISDOC. Manual do Sistema v3.1

SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS AVULSOS - SISDOC. Manual do Sistema v3.1 SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS AVULSOS - SISDOC Manual do Sistema v3.1 JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS AVULSOS 1- Introdução O Sistema

Leia mais

COMUNICADO. Melhorias efetuadas no Sistema de 1ª Instância Cível Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

COMUNICADO. Melhorias efetuadas no Sistema de 1ª Instância Cível Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo COMUNICADO Melhorias efetuadas no Sistema de 1ª Instância Cível Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo São Paulo, 02 de Maio de 2012. Ao Cartório Cível: Levamos ao conhecimento dessa Diretoria que

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL 1. Visão Geral do Projeto Visando dinamizar ainda mais o julgamento dos processos de competência do Tribunal de

Leia mais

ESCRITÓRIO DIGITAL. Guia do Sistema. Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital

ESCRITÓRIO DIGITAL. Guia do Sistema. Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital ESCRITÓRIO DIGITAL Guia do Sistema Conselho Nacional de Justiça - Brasília, maio de 2015 http://wwwh.cnj.jus.br/escritoriodigital Introdução sobre a nova ferramenta digital Com as diversas soluções tecnológicas

Leia mais

MANUAL DE PETICIONAMENTO DE MANDADO DE SEGURANÇA PARA O 2º GRAU NO PJe-JT. Autor: TRT 5ª REGIÃO

MANUAL DE PETICIONAMENTO DE MANDADO DE SEGURANÇA PARA O 2º GRAU NO PJe-JT. Autor: TRT 5ª REGIÃO MANUAL DE PETICIONAMENTO DE MANDADO DE SEGURANÇA PARA O 2º GRAU NO PJe-JT Autor: TRT 5ª REGIÃO Informações iniciais! A distribuição de um mandado de segurança no PJe-JT é simples e se resume ao preenchimento

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO SERVIDOR 1ºGRAU MÓDULO 1 Sumário 1 Acesso ao Sistema...3 2 Quadro de Aviso...4 3 Menu...8 3.1 Audiência...8 3.1.1 Tempo

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO ADVOGADO E DO PROCURADOR MÓDULO 3 Sumário 1 Painel do Advogado/Procurador3 11 Aba Processos 3 111 Aba Pendentes de Manifestação

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

Memorando nº 08/2015 Em 07 de Maio de 2015

Memorando nº 08/2015 Em 07 de Maio de 2015 DESTINATÁRIO (S): ASSUNTO: Aos Senhores Magistrados e Servidores das Varas com competência Criminal, Juizado Especial Criminal e de Execução de Penas e Medidas Alternativas Instrução Normativa Conjunta

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis

Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis BPM Day Serra Gaúcha 2013 Carolina Möbus Volnei Rogério Hugen O Poder Judiciário De acordo com o fundamento do Estado, o Poder Judiciário tem a Missão

Leia mais

Conteúdo. Juízes Titulares das Varas Digitais COORDENADORIA DAS VARAS DIGITAIS JUIZ COORDENADOR: RICARDO GOMES FAÇANHA

Conteúdo. Juízes Titulares das Varas Digitais COORDENADORIA DAS VARAS DIGITAIS JUIZ COORDENADOR: RICARDO GOMES FAÇANHA Conteúdo 1. Para distribuir uma ação nova:... 3 2. Como protocolar uma petição nas varas digitais... 4 3. Dicas Úteis... 5 4. Materialização do processo digital... 7 5. Consulta do Processo... 7 6. Responsabilidade...

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO MAGISTRADO 1ºGRAU MÓDULO 4 Sumário 1 Detalhamento 3 11 Aba Processo 4 12 Aba Assunto 8 13 Aba Partes 9 14 Aba Documentos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 03/2012 (consolidado com o Provimento CRE/RJ nº 01/2015) Disciplina a utilização do Sistema de Informações

Leia mais

1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO. 1.1 Resolução nº 65 do CNJ. 1.2 Conversão do Número do Processo. 1.3 Novos ícones

1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO. 1.1 Resolução nº 65 do CNJ. 1.2 Conversão do Número do Processo. 1.3 Novos ícones 1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO 1.1 Resolução nº 65 do CNJ 1.2 Conversão do Número do Processo 1.3 Novos ícones 1 Tela Antiga Tela Nova 2 2. NOVIDADES DA VISUALIZAÇÃO DAS FILAS DE TRABALHO 2.1

Leia mais

Manual Projudi Perfil Promotor Juizados Especiais

Manual Projudi Perfil Promotor Juizados Especiais Acesso: Manual Projudi Perfil Promotor PERFIL PROMOTOR Informar nome do Usuário e Senha de acesso ao sistema. 1 O promotor deve clicar na promotoria em que estiver habilitado 2 Área do Promotor: Nesta

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3a REGIÃO. Gabinete da Presidência ORDEM DE SERVIÇO GP N. 2, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2015. outras providências.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3a REGIÃO. Gabinete da Presidência ORDEM DE SERVIÇO GP N. 2, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2015. outras providências. ORDEM DE SERVIÇO GP N. 2, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2015. Regulamenta a prestação de serviços durante o período de recesso previsto na Lei n. 5.010/66 e dá outras providências. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

Setor de Administração Federal Sul (SAFS), Quadra 8 - Lote 1, Bloco A, sala 510 Brasília DF 70.070-600 Telefone: (61) 3043.4005

Setor de Administração Federal Sul (SAFS), Quadra 8 - Lote 1, Bloco A, sala 510 Brasília DF 70.070-600 Telefone: (61) 3043.4005 Peticionamento avulso Manual de uso Versão - 1.0 Data - 09/05/2013 70.070-600 Telefone: (61) 3043.4005 Sumário 1. Histórico de Alterações...3 2. Nomenclaturas...4 3. Visão Geral...5 4. Atores envolvidos...5

Leia mais

PROVIMENTO Nº 01/2012

PROVIMENTO Nº 01/2012 PROVIMENTO Nº 01/2012 EMENTA: Dispõe sobre os requisitos mínimos de segurança que deverão existir nos alvarás judiciais e dá outras providências. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Jones Figueirêdo

Leia mais

Cadastro de Pessoa Jurídica

Cadastro de Pessoa Jurídica Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Cadastro de Pessoa Jurídica CADASTRAMENTO NO NOVO SISTEMA Novembro/2012 2 Índice 1 Introdução 03 2 Entrando no sistema de cadastro 03 3 Cadastramento eletrônico

Leia mais