Revista de Estudos de Tecnologia de Informação e Comunicações Número 2, Volume 2 ISSN Centro Universitário Padre Anchieta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista de Estudos de Tecnologia de Informação e Comunicações Número 2, Volume 2 ISSN 2236-9031 Centro Universitário Padre Anchieta"

Transcrição

1 Revista de Estudos de Tecnologia de Informação e Comunicações Número 2, Volume 2 ISSN Centro Universitário Padre Anchieta

2 Revista Ubiquidade

3 Revista Ubiquidade data de publicação Dezembro/2013 Copyright 2013 UniAnchieta Expediente A revista Ubiquidade é uma publicação anual vinculada ao curso de Sistemas de Informação do UniAnchieta, exclusivamente eletrônica, que pretende divulgar contribuições originais, teóricas ou empíricas, relacionadas às áreas de Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) e está aberta para trabalhos científicos de pesquisadores nacionais ou internacionais. O envio de trabalhos para apreciação, assim como o pedido de informações, pode ser feito por meio do endereço Editor. Prof. Ms. Peter Jandl Jr (UniAnchieta) Conselho Editorial. Prof. Dr. Carlos Eduardo Câmara (UniAnchieta) Prof. Dr. Juliano Schimiguel (UniCSul) Prof. Dr. Luiz Gonzaga da Silveira Junior (Unisinos) Prof. Ms. Márcio Henrique Zuchini (USF) Prof. Dr. Mário Mollo Neto (UniAnchieta) Prof. Dr. Ricardo Menezes Salgado (Unifal) Prof. Dr. Vivaldo J. Breternitz (Mackenzie) Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei de 19/02/1998. É permitida a reprodução e distribuição desta obra, desde que para fins educacionais e integralmente mantidas as informações autorais. É vedado seu uso comercial, sem prévia autorização, por escrito, dos autores e da Editora.

4 Editorial... vi Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Introdução Principais conceitos Características de um SIG Diferenças entre SIG e CAD Anatomia interna de um SIG Interface com o usuário Entrada e integração de dados Consulta e manipulação Banco de dados geográficos Saída de dados Aplicações Modelos de utilização de SIG e seus benefícios Nível operacional Nível gerencial Nível estratégico Estudo de uma aplicação SIG em Cajamar Situação da gestão educacional de Cajamar Solução proposta Conclusões Extensões Referências bibliográficas Business Intelligence com open-source (Kameyama&Câmara) Introdução Conceitos Histórico Necessidades da utilização Arquitetura de BI Ambiente open-source Ferramentas utilizadas no BI financeiro Plataforma Pentaho BI Open Suite Etapas do projeto Estudo de caso Volkswagen do Brasil Análise do Caso Volkswagen Estudo de caso Toyota Análise do Caso Toyota Estudo de caso LLUHC Análise do Caso LLUHC Conclusões Referências bibliográficas Implantação do CAPEM (Martins&Jandl) Introdução marketing e spam marketing Spam Diferença entre marketing e spam Código de Autorregulamentação para Prática de Marketing Implantação do CAPEM Pré-Requisitos técnicos do CAPEM Escolha dos Mail Transfer Agents Sendmail Qmail Postfix Configuração dos Mail Transfer Agents Resultados práticos Ambiente de teste iii

5 Ubiquidade 6.2.MTA Postfix MTA Qmail... 7.Conclusões Extensões... 8.Referências bibliográficas... Desempenho de BD (Moraes&Câmara)... 1.Introdução... 2.Vantagens e desvantagens da virtualização Vantagens Desvantagens... 3.O mercado mundial de virtualização Mercado atual da virtualização Futuro do mercado de virtualização Novos Mercados... 4.Pontos críticos da virtualização Consolidação e Eficiência Técnica Escolha de alvos e simplificação da administração Automação de processos Eficiência de custos Segurança... 5.Contribuição para o meio ambiente... 6.Desempenho em ambientes virtualizados Teste de Desempenho Definição Ambiente experimental Análise dos dados... 7.Conclusões Extensões... 8.Referências bibliográficas... Desenvolvimento de Software (Baldan&Jandl)... 1.Introdução... 2.O Android Breve histórico Licenciamento Plataforma Android e Java Deployment... 3.O protótipo do aplicativo de consulta à biblioteca Objetivos do protótipo Visão estrutural WebServices Acesso a dados Detalhes do aplicativo Implementação do protótipo Ambiente de desenvolvimento Resultados Avaliação do protótipo... 5.Conclusões Extensões... 6.Referências bibliográficas... Mapa de Ocorrências (Almeida&Rodella)... 1.Introdução... 2.Tecnologias utilizadas PHP MySQL Google Maps... 3.Diagramas Banco de dados... iv

6 Ubiquidade 3.2.Caso de Uso Diagrama de sequência Funcionalidades do Site Página inicial Cadastro de usuários Cadastro de ocorrências Área Administrativa Relatórios Gráficos Conclusões Extensões Referências bibliográficas Acessibilidade na Internet (Fonseca&Tofanini) Introdução Acessibilidade na web Técnicas para obter-se acessibilidade Princípio 1: Perceptível Princípio 2: Operável Princípio 3: Compreensível Princípio 4: Robusto Tecnologias assistivas Ampliadores de telas Leitores de telas Programas de reconhecimento de voz Teclados alternativos Dispositivos apontadores alternativos Ferramentas de avaliação Aplicação das técnicas Conclusões Referências bibliográficas Migração de dados (Araújo&Saito) Introdução Metodologia de desenvolvimento A necessidade deste aplicativo A plataforma de desenvolvimento O projeto de security acoplado a aplicação O reaproveitamento do projeto Security O projeto de migração de dados Tabelas migradas Diagrama de entidade-relacionamento Telas do aplicativo A realização da migração de dados Conclusões Referências Bibliográficas v

7 Editorial O segundo número da Revista Ubiquidade reune uma coletânea de Trabalhos de Conclusão de Curso do curso de bacharelado em Sistema de Informação do Centro Universitário Padre Anchieta - UniAnchieta - produzidos entre os anos de 2010 e O artigo de abertura, de Gomes & Tabalipa, aborda os Sistemas de Informação Geográfica (SIG), sua conceituação e suas características, além das diferentes áreas em que podem ser aplicados. Inclui também um relato de seu emprego na gestão educacional na cidade de Cajamar-SP. O segundo trabalho, de Kameyama & Câmara, apresenta a ferramenta de Business Intelligence (BI) open source da Pentaho e ilustra como os gestores poderão manter e aumentar as oportunidades de negócio. No terceiro artigo, Martins & Jandl discutem a adoção das boas práticas recomendadas pelo Código de Autorregulamentação para Prática de Marketing (CAPEM) pelos serviços de (Mail Transfer Agent MTA) privativos e públicos existentes. Na sequência, Moraes & Câmara analisam o desempenho de banco de dados em ambientes virtualizados com base em estudos para escolha de ferramentas e a realização extensiva de testes para comprovação da performance, cujos resultados são apresentados e analisados. O artigo de Baldan & Jandl, considerando o uso comum de celulares e tablets, apresenta o desenvolvimento de um aplicativo Android para proporcionar maior facilidados aos estudantes na consulta ao acervo de uma biblioteca e narenovação de seus empréstimos. O sistema desenvolvido também faz uso de WebServices. Em seguida, o trabalho de Almeida & Rodella mostra uma aplicação da API do Google Maps para construção de mapas de ocorrências criminais na forma de uma aplicação web de uso coletivo e grande utilidade social. O artigo de Fonseca & Tofanini trata da acessibilidade na internet, ou seja, com base em algumas regras já existentes, apresenta mecanismos mais apropriados para que pessoas portadoras de alguma deficiência possam navegar mais facilmente pela web. Finalmente Araujo & Saito abordam os apectos construtivos de um aplicativo para realização da migração de dados entre sistemas gerenciadores de banco de dados MS SQLServer e MySQL. Boa leitura! Prof. Ms. Peter Jandl Jr. Editor UniAnchieta vi

8 Sistemas de Informação Geográfica: uma visão geral Geographic Information Systems: a general vision 1 Jaqueline Rodriguez Gomes, UniAnchieta 2 Antônio Rogério Tabalipa, UniAnchieta Resumo Sistemas de Informação Geográfica (SIG) possibilitam a integração, numa única base de dados, de informações geográficas obtidas de dados cartográficos, dados de censo e cadastro urbano e rural, imagens de satélite e modelos numéricos de terreno. Oferecem mecanismos para recuperar, manipular e visualizar estes dados, através de algoritmos de manipulação e análise. Os SIGs lidam com dados que podem ser úteis para uma ampla gama de aplicações. É claro que as necessidades de cada aplicação variam quanto à resolução, nível de detalhamento e estilo de representação. Este trabalho apresenta uma visão geral dos SIGs, mostrando o seu conceito, suas características, as diferentes áreas em que podem ser aplicados e através de um exemplo gestão educacional na cidade de Cajamar - será mostrado como um SIG pode ser útil. Palavras-chave. Sistemas de Informação Geográfica (SIG); gestão educacional. Abstract Geographic Information Systems (GIS) make possible the integration, in an only geographic information, database proceeding from cartographic data, given of census and register in cadastre urban and agricultural, images of satellite and numerical land models. They offer mechanisms to recoup, to manipulate and to visualize these data, through algorithms of manipulation and analysis. The GISs deals with data that can be useful for an ample gamma of applications. It is clearly that the necessities of each application vary how much to the resolution, level of detailing and style of representation. This work presents a general vision of the GISs, showing its concept, its characteristics, the different areas in can be applied and through an example - educational management in the Cajamar city - it will be shown as a GIS can be useful. Keywords. Geographic Information Systems (GIS); educational management. 1.Introdução Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são ferramentas projetadas para gravar, armazenar e analisar grandes volumes de dados espaciais. O termo espaciais se refere a alguma localização física. Sua tecnologia pode trazer enormes benefícios devido à sua capacidade de manipular a informação espacial de forma precisa, rápida e sofisticada. (GOODCHILD, 1993 apud CÂMARA & FREITAS, 1995). Um SIG auxilia na tarefa de tomar decisões, de atualizar mapas, de simular algumas ações que se queiram realizar, etc. Além disso, o banco de dados de um SIG está associado a um modelo do mundo real, que pode ser utilizado para reproduzir certos aspectos da realidade de forma a facilitar o planejamento. São sistemas que utilizam diversas disciplinas da computação, tais como computação gráfica, processamento digital de imagens, bancos de dados, engenharia de software e otimização. Além disso, também utilizam conceitos e técnicas da área de geociências (cartografia, geografia). 1 Bacharel em Sistemas de Informação do Centro Universitário Padre Anchieta-UniAnchieta (Jundiaí-SP). Mestre. Orientador e docente do Curso de Sistemas de Informação do Centro Universitário Padre Anchieta-UniAnchieta (Jundiaí-SP). 2 1

9 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Para cumprir suas funções, os SIGs utilizam diversos recursos de apresentação dos dados, em analogia a cartas, mapas ou plantas. Neste tipo de apresentação (em papel) ou na tela do computador, técnicas de cartografia desenvolvida há centenas de anos são empregadas, de modo a preservar a familiaridade do usuário com os tipos convencionais de visualização de fenômenos naturais ou desenvolvidos pelo homem. O objetivo deste trabalho é fazer uma abordagem das características de um SIG e o estudo de um caso para mostrar os benefícios que o seu uso pode gerar. Neste caso, estaremos usando como exemplo o uso do SIG em prefeituras, em especial na gestão educacional. 2.Principais conceitos 2.1.Características de um SIG SIGs comportam diferentes tipos de dados e aplicações, em várias áreas do conhecimento. Exemplos são: controle cadastral, gerenciamento de serviços de utilidade pública, demografia, cartografia, controle de epidemias, etc. A utilização de SIGs facilita a integração de dados coletados de diversas fontes, de forma transparente ao usuário final conforme Figura 1. As principais características de SIGs são: Integra numa única base de dados informações espaciais de dados cartográficos, dados de censo e cadastro urbano e rural, imagens de satélite, redes e modelos numéricos de terreno. Permite a consulta e a visualização de dados, oferecendo facilidades de filtragem e análise, possibilitando o processamento e análise de informações. Gera relatórios resumidos e provê dados para outros sistemas. Figura 1. Principal funcionalidade de um SIG. Um sistema CAD (projeto auxiliado por computador) é uma ferramenta para capturar dados analógicos em formato legível por máquina. Nas aplicações de CAD, existem muitas vezes regularidades nos objetos que podem ser modeladas. Por contraste, num sistema de geoprocessamento os dados tem poucas simetrias e regularidades que podem ser reproduzidas. Mais ainda, os dados estão sempre georeferenciados, isto é, localizados na superfície terrestre. Em grande parte das aplicações de CAD, os desenhos não possuem atributos descritivos, mas apenas propriedades gráficas (como cor e espessura). Já no SIG, os dados geográficos possuem atributos, o que torna necessário prover os meios de consultar, atualizar e manusear um banco de dados espaciais. Muitos problemas no uso destas ferramentas decorrem do fato de que, por inexperiência, muitos técnicos utilizam um CAD como SIG. 2

10 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) 2.2.Diferenças entre SIG e CAD Uma característica básica e geral num SIG é sua capacidade de armazenar a topologia de um mapa, que faz um SIG se distinguir de um sistema CAD, conforme mostra a Tabela 1. Tabela 1. Diferenças entre SIG e CAD. SIG CAD Os desenhos possuem atributos descritivos, o que Os desenhos não possuem atributos descritivos, possibilita os meios de consultar e atualizar um apenas propriedades gráficas (como cor e espesbanco de dados espaciais. sura). Dados estão como projeção cartográfica, que im- Dados estão como desenhos eletrônicos em papel. põe uma distorção relativa as coordenadas geográficas. Tem poucas simetrias e regularidades que podem Existem regularidades nos objetos. ser reproduzidas. Dados apenas de geometrias. Ex.: podemos representar especificamente as cidades com população maior que 1 milhão de habitantes como círculos pretos, as restantes cidades com um quadrado. Dados apenas gráficos para obter uma visualização no monitor ou para imprimir. Ex.: uma árvore é constituída por uma copa, um poste de iluminação tem um pé e uma lâmpada. Capazes de fazer análises espaciais complexas. Podem produzir mapas de alta qualidade. Tratam dados espaciais como informação. Tratam dados espaciais como gráficos. Imagens raster (fotográficas) e vetoriais (dese- Apenas vetoriais. nhos técnicos de engenharia). Fonte: BALDAM, et al., Anatomia interna de um SIG De uma forma geral, as funções do SIG operam sobre dados em uma área de trabalho em memória principal. Os dados são recuperados dos arquivos em disco (que podem ser controlados por um sistema gerenciador de bases de dados SGBD) e carregados em memória, a partir da definição de uma região geográfica de interesse. A Figura 2 indica o interrelacionamento dos principais componentes de um SIG. Figura 2. Componentes de um Sistema de Informação Geográfica. Fonte: 3

11 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Estes componentes se relacionam de forma hierárquica. No nível mais próximo ao usuário, a interface com o usuário define como o sistema é operado e controlado. No nível intermediário, um SIG deve ter mecanismos de consulta e processamento de dados espaciais. No nível mais interno do sistema, um sistema de gerência de bancos de dados geográficos oferece armazenamento e recuperação dos dados espaciais e seus atributos. 3.1.Interface com o usuário A Figura 3 mostra o processo de tradução do mundo real para o ambiente computacional. Figura 3. Paradigma dos quatro universos. Fonte: No universo do mundo real encontram-se os fenômenos a serem representados: tipos de solo, cadastro urbano e rural, caracterização da forma do terreno, etc. Os objetos são caracterizados através de variações de interesse. Esta variação pode ocorrer em relação ao espaço e/ou ao tempo. Analisando o comportamento do uso do solo em uma determinada área (variável de interesse), porções desta região apresentaram posições diferentes e possuirão, provavelmente, culturas diferentes (café, soja, pastagem, etc) (variação espacial). E em uma mesma posição, o uso do solo poderá sofrer alterações quando avaliado em épocas distintas (variação temporal). No universo conceitual (matemático) pode-se ter tipos de dados geográficos tais como dados temáticos e cadastrais, modelos numéricos de terreno, dados de sensoriamento remoto, etc. No universo de representação as entidades formais definidas no universo conceitual são associadas a diferentes representações geométricas. Aqui respondemos a questões como: Quais são os tipos de dados e algoritmos necessários para representar os modelos? No universo de implementação é onde fazemos escolhas como arquiteturas, linguagens. É neste nível que acontece a codificação e a escolha da estrutura de dados. 3.2.Entrada e integração de dados Existem quatro modos principais de entrada de dados: digitalização em mesa, digitalização ótica, entrada de dados via caderneta de campo e leitura de dados na forma digital conforme mostra a Figura 4 abaixo. Neste último caso, está incluída a importação de dados em outros formatos. A digitalização em mesa é um processo demorado, envolve os passos de: digitalização de linhas, ajuste de nós, geração da topologia e identificação de cada objeto geográfico. Nos melhores sistemas, a topologia é armazenada de forma dinâmica. Deste modo, uma alteração em um nó não implica em ter de gerar novamente toda a topologia do mapa digitalizado. A digitalização ótica por scanners é atualmente a forma de entrada mais utilizada. É necessário o uso de dispositivos de alta qualidade (com pelo menos 600 dpi3) para obter resultados aceitáveis. 3 dots per inch. 4

12 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Historicamente, muitos levantamentos topográficos utilizam cadernetas de campo para armazenar os resultados. Quando se dispõe deste tipo de dado, é fundamental poder inserí-lo no sistema, com as devidas checagem e correções. O advento do GPS (Global Positioning System), sistema de posicionamento geodésico baseado numa rede de satélites, permite a realização de trabalhos de campo com alto grau de estimativa e com registro digital direto. Figura 4. Entrada de dados em um SIG. Atualmente, todos os SIGs de mercado possuem interface para importar dados oriundos de sistemas GPS. No caso de importação de dados digitais, é muito importante aproveitar o investimento já feito por outras instituições no Brasil, na coleta e armazenamento de dados geográficos. As principais fontes de dados são as fitas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), os dados digitais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e outros disponíveis nos formatos DXF (AutoCAD). A integração de dados é fundamental para aplicações como redes, onde deseja-se gerar uma base cartográfica contínua a partir de informações divididas em vários mapas. Poucos sistemas conseguem armazená-las de forma contínua, dando origem a informações que não refletem a realidade e que dificultam a realização de análises e simulações Fontes de dados Existem várias fontes de dados para obtenção de dados espaciais, organizadas em formato raster ou vetorial: Cartografia; Levantamentos geodésicos ou topográficos (levantamento da representação, da forma e da superfície da terra); Sensoriamento remoto (obtenção de informações sobre alvos na superfície terrestre (objetos, áreas, fenômenos); Fotogrametria (determina a forma, dimensões e posição dos objetos contidos numa fotografia); Dados tabulares (cadastro, pesquisas, trabalhos censitários, etc.). É interessante destacar que os dados tabulares podem descrever detalhadamente os elementos geográficos. 5

13 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) 3.3.Consulta e manipulação Os componentes de consulta e manipulação interagem com o SGBD para extrair as informações desejadas pelo usuário. Fazem parte deste módulo as funções de processamento de imagens, consulta e análise espacial. A operação que foi discutida e sugerida para implementação neste trabalho são classificadas como pertencentes ao módulo de manipulação. É nesta etapa que temos a recuperação e a manipulação dos dados disponíveis no banco, tem por objetivo a análise e extração de informações que possam estar implícitas nos dados. Com o auxílio das ferramentas de manipulação de dados geográficos presentes nos SIGs, estes dados são convertidos em novas informações geográficas. As consultas espaciais são formuladas a partir de condições baseadas na localização, na forma e nas relações topológicas dos elementos geográficos. A Figura 5 mostra um exemplo de mapeamento de análise espacial de possíveis terremotos em uma determinada região. Figura 5. Condições de seleção por localização. Fonte: Tomemos um outro exemplo: ao analisar uma região geográfica para atividade agrícola, é necessário escolher as variáveis explicativas (o solo, a vegetação, a geomorfologia, etc) e determinar qual a contribuição de cada uma delas para a obtenção de um mapa resultante. Também seria possível a agregação de dados metereológicos(como temperatura mínima, média e máxima; índices pluviométricos; etc), o que permitiria a condução de análises ainda mais sofisticadas. Alguns exemplos dos processos de análise espacial típicos de um SIG estão apresentados na Figura 6 e na Tabela 2. 6

14 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Figura 6. Tipos de consulta em um SIG. Tabela 2. Exemplo de análise espacial. Análise Pergunta geral Exemplo Condição O que está...? Qual a população desta cidade? Localização Onde está...? Quais as áreas com declividade acima de 20%? Tendência O que mudou...? Esta terra era produtiva há 5 anos atrás? Roteamento Por onde ir...? Qual o melhor caminho pra o metrô? Padrões Qual o padrão...? Qual a distribuição da dengue nesta região? Modelos O que acontece...? Qual o impacto no clima se desmatarmos a mata? De modo geral, um sistema deve ser manipulado ter utilidade para o cliente final, depois de devidamente adaptado às suas necessidades. No caso de uma rede de água, uma questão pode ser: Se injetarmos uma dada porcentagem de cloro na caixa d água de um bairro, qual a concentração final nas casas?. 3.4.Banco de dados geográficos Um banco de dados geográficos é o repositório de dados de um SIG, que armazena e recupera dados geográficos em suas diferentes geometrias (imagens, vetores, grades) conforme Figura 7, bem como as informações descritivas. Figura 7. Banco de dados geográficos e entrada de dados. Adaptado de: 7

15 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) apresenta os dados numa visão independente dos sistemas aplicativos, além de garantir três requisitos importantes: eficiência (acesso e modificações de grandes volumes de dados); integridade (controle de acesso por múltiplos usuários); e persistência (manutenção de dados por longo tempo, independentemente dos aplicativos que acessem o dado). O uso de SGBD permite ainda realizar, com maior facilidade, a interligação de banco de dados já existente com o sistema de Geoprocessamento. A interligação de um SGBD convencional com um SIG dá origem a um ambiente dual: os atributos convencionais são guardados no banco de dados (na forma de tabelas) e os dados espaciais são tratados por um sistema dedicado. A conexão é feita por identificadores de objetos, com isso possibilitando o uso para diversas aplicações. 3.5.Saída de dados Para permitir análises interativas, visualizar resultados de consultas e manipulações, gerar relatórios e mapas, os SIGs possuem um módulo de saída. Nesta etapa temos a ênfase no processo de visualização, permitindo que as múltiplas informações obtidas, quer pela análise exploratória de dados, convencional ou espacial, quer pela análise confirmatória de dados, possam ser lidas, sistematizadas e interpretadas sob diversas formas, tais como mapas, tabelas, gráficos entre outras, dando apoio à compreensão e tomada de decisões por parte dos utilizadores finais. É possível veja uma ilustração deste processo na Figura 8. Figura 8. Saída de dados. Adaptado de: 4.Aplicações As aplicações dos SIGs estão se ampliando cada vez mais, acompanhando a evolução das ferramentas de coleta de dados e as facilidades computacionais em geral. Alguns exemplos são na análise demográfica, no ambiente, na engenharia, na área de marketing, finanças, modelação, operações, logística, administração de terrenos, concordância, serviço ao cliente, seleção do local, procedimentos de emergência e administração de áreas, conforme mostra a Figura 9. Um fenômeno geográfico pode ser analisado de forma e precisão diferentes, dependendo do objetivo da aplicação. Assim sendo, um mesmo conjunto de dados armazenados poderá ter tratamentos distintos. 8

16 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Cada aplicação requer a manipulação de fenômenos geográficos distintos, associados a diferentes características e propriedades que variam no espaço e no tempo. Veja Tabela 3. Figura 9. Tecnologia e aplicações. Adaptado de: Tabela 3. Classificação das aplicações de um SIG. Aplicações Foco Exemplos Sócio-econômi- Uso da terra, seres humacas nos, serviços de utilidade pública, atividades econômicas, etc. Entrada de dados Acompanhamento e incoletas censitárias, maventário de cadastros pas urbanos digitalizados imobiliários rurais ou ur- e fotografias aéreas. banos, aplicações envolvendo serviços de utilidade pública (redes de telefonia, eletricidade, esgotos, transportes), etc. Ambientais Meio ambiente e o uso de Distribuição da vegetação Sensoriamento remoto, recursos naturais. em determinada região, como fotos de satélite ou paisagem rural ou urbana. imagens de radar, junto com amostras coletadas no campo. Gerenciamento Administrações municipais, regionais e nacionais. Planejamento de tráfego Coletas sensitárias, banco urbano, controle de obras de dados. públicas. 9

17 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) 5.Modelos de utilização de SIG e seus benefícios Certos tipos de aplicações (ou usos) de SIGs podem proporcionar economia de recursos ou aumento de receita. Alguns usos podem não ter retorno tangível como financeiro, mas podem proporcionar outros tipos de benefícios, intangíveis, tais como o aprimoramento das decisões, melhores serviços à população e melhor imagem à organização. Mas quais tipos de aplicações têm retorno financeiro? Que tipos podem melhorar a imagem da organização perante a população? As atividades de uma organização podem ser classificadas em níveis, onde em cada um a aplicação de SIGs pode proporcionar resultados diferentes. Os níveis organizacionais típicos são: operacional; gerencial; e estratégico. Segue a descrição da aplicação de SIGs nos diferentes níveis corporativos. 5.1.Nível operacional As atividades de nível operacional são aquelas do dia a dia da organização. Além de rotineiras, geralmente as operações são volumosas e trabalhosas. São exemplos: a compensação de cheques em um banco, uma linha de montagem em uma indústria, processamento de requisições de clientes, etc. O benefício imediato do uso de SIGs no nível operacional é a eficiência proporcionada, ou seja, a execução das atividades que já vêm sendo realizadas manualmente (sem apoio de SIGs), só que de maneira mais eficiente: gastando menos recursos, ganhando produtividade, eliminando custos, além da melhor qualidade na execução das tarefas. 5.2.Nível gerencial Decisões de caráter tático são atividades típicas do nível gerencial. Qual a melhor localização para uma nova filial? Uma questão semelhante no setor governamental seria: qual a região mais carente de um determinado serviço público? O maior benefício de um SIG neste nível é o apoio à melhores decisões. Com as informações que o SIG traz é possível, em médio e longo prazos, a geração de retorno financeiro, melhoria da imagem, e outros. O SIG não toma as decisões. Mas uso de um SIG como uma ferramenta de trabalho facilita a obtenção de informações que levam às boas decisões. 5.3.Nível estratégico É no nível estratégico que se encontram as atividades que contribuem diretamente para o cumprimento dos objetivos fundamentais da organização. São exemplos: o aumento da satisfação dos clientes, a melhoria da imagem da empresa junto a (potenciais) clientes e parceiros, a ampliação das margens de lucro, o crescimento da participação da empresa nos segmentos de mercado em que atua, etc. Os benefícios deste nível referem-se a uma boa imagem, à credibilidade, ao relacionamento com parceiros comerciais (otimização e compartilhamento de custos) e também ao aumento de receita (venda de dados, mapeamento e gerenciamento da arrecadação). 10

18 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) 6.Estudo de uma aplicação As funções de um SIG para prefeituras normalmente relacionam-se como processamento e a análise dos fatos, atividades e objetos urbanos. Transformar informação em riqueza e bem-estar para a sociedade é um dos desejos de todo administrador público. Ao introduzir tecnologias de informação na administração pública, registrando em meio eletrônico, informações relevantes para a gestão municipal, os administradores podem reunir dados que respaldem suas decisões para produzir resultados que repercutam em diversas áreas: otimização de processos, economia de recursos, melhor atendimento aos cidadãos, melhor distribuição de escolas e centros de saúde, etc. Este trabalho apresenta o estudo de um SIG em prefeituras, mais especificamente na gestão do sistema educacional. Neste caso os benefícios são: Nível operacional: melhor distribuição de alunos nas escolas municipais. Nível gerencial: determinação da área de atuação de escolas. Nível estratégico: acompanhamento do índice de satisfação da população por área. 6.1.SIG em Cajamar A Prefeitura que gerencia o município de Cajamar, cidade com 111 mil habitantes, localizada no interior de São Paulo, tem realizado uma gestão profissional de seu sistema educacional, que atende cerca de nove mil alunos. Foi implantado em Cajamar um SIG desenvolvido pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (CPqD) para tornar mais ágil e eficaz os processos de planejamento da rede de ensino municipal. Porém, esses dados não foram disponibilizados para a elaboração deste trabalho. Através das informações dos alunos e das escolas armazenadas no banco de dados de um sistema de informação geográfica, seria possível gerar mapas e através de sua análise visualizar as regiões com maior carência de vagas mais rapidamente, fazendo assim a redimensão da estrutura escolar, para satisfazer as demandas regionais. Como não foi possível obter o banco de dados com as informações da cidade de Cajamar, não foi possível utilizar um SIG para fazer a geração dos mapas. Todos os dados das escolas foram coletados diretamente com a Prefeitura de Cajamar. Com as informações em mãos, foi feito o estudo de cada região, e a simulação manual das áreas com maiores problemas. 6.2.Situação da gestão educacional de Cajamar Hoje em Cajamar existem 23 escolas municipais de ensino fundamental e 28 escolas municipais de ensino infantil. Neste trabalho foi estudada a região central de Cajamar, região essa que compreende cerca de 75 km2 da cidade. Essa é a região mais crítica da cidade, onde se encontram os bairros mais populosos e alguns mais carentes. Em pesquisa realizada, foi observada a população de cada bairro, a quantidade de escolas municipais, a quantidade de alunos matriculados e a quantidade de vagas em cada escola. Foram estudadas as regiões 1, 2, 4 e 5. Na Região 1 existem 59 bairros, com uma população de habitantes. Na Região 2, a menos populosa da cidade, estão localizados 8 bairros, com habitantes. Já a Região 3 tem 30 bairros, onde residem habitantes. A Região 4, a mais populosa do município, é dividida em 21 bairros e possui habitantes. Na Região 5 existem 4 bairros, com uma população de habitantes. 11

19 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) A Tabela 4 relaciona as escolas de ensino fundamental, sua região, a quantidade de alunos matriculados e a quantidade de vagas disponíveis; enquanto a Tabela 5 exibe as mesmas informações para as escolas de ensino infantil. Tabela 4. Escolas de ensino fundamental. Escola Bairro Região Número de Matrículas Vagas Disponíveis Jailson Silveira Leite Vila Abrão Não há vagas Maria Gonçalves Freitas Gonçalves Pq. São Roberto II Não há vagas Profª Lucy Apparecida Jardim Maria Luiza Bertoncini Não há vagas Aline Cristina Santos de Paula Pq. Maria Aparecida Profª Maria Elce Martins Bertelle Jd. Santa Terezinha Marcus Vinicius da Sil- Pq. São Roberto va Batista Não há vagas São Benedito Antonio Pinto de Cam- Jd. Nova Jordanésia pos Profº Antonio Carlos de Jd. Nova Jordanésia Carvalho Região Número de Matrículas Vagas Disponíveis Chácaras Penteado Tabela 5. Escolas de ensino infantil. Escola Bairro Emellyne de Azevedo Aguiar Jardim São João Profº Walter Ribas de Andrade Jardim São João Não há vagas Jailson Silveira Leite Vila Abrão Profª Lucy Apparecida Jardim Maria Luiza Bertoncini Marcelo Antonio R. Pascoal Pq Maria Aparecida Profº Odir Garcia Araú- Jd. Santa Terezinha jo Não há vagas Dirce Eufrásio Brasil Pq. São Roberto Não há vagas Profª Vera Almeida Santos Pq. São Roberto Não há vagas 6.3.Solução proposta A solução proposta é um resultado do trabalho que é recebido ao aplicarmos o SIG utilizando o banco de dados de Cajamar. A Figura 10 e a Tabela 6 ilustram a comparação entre as situações anterior à implementação de um SIG e após sua implementação. 12

20 Sistemas de Informação Geográficos (Gomes&Tabalipa) Segundo a pesquisa realizada, na Região 1 temos duas escolas de ensino fundamental onde não há vagas, e três escolas de ensino infantil, onde em uma não há vagas, mas em outra há 10 vagas e numa terceira há 31 vagas. A escola Jailson Silveira Leite é uma escola de ensino infantil e fundamental. Figura 10. Solução proposta para a gestão educacional em Cajamar. Antes SIG Após SIG Tabela 6. Solução proposta. Região Escolas Vagas Disponíveis Proposta 1 EMEF Não há vagas 1 EMEF 1 EMEI Não há vagas Remanejamento de alunos do EI 1 EMEI 10 vagas 1 EMEFI EF não há vagas / EI : 31 vagas 2 EMEF 1ª = 42 vagas / 2ª : 3 vagas 2 EMEI 1ª : 31 vagas / 2ª : não há vagas 1 EMEFI EF : não há vagas / EI : 14 vagas 2 EMEF 1ª não há vagas / 2ª 55 vagas 2 EMEI Não há vagas 1 EMEF 36 vagas 1 EMEF 29 vagas Remanejamento de alunos 1 EMEI ou 1 EMEFI 1 EMEI Ainda na Região 1, seria necessário mais uma escola de ensino fundamental para suprir as necessidades da região. No caso das escolas de ensino infantil, o ideal seria o remanejamento de alunos da escola situada na Vila Abrão para a situada no Jd. São João onde há carência de vagas. Na Região 2 temos três escolas de ensino fundamental, onde em uma não há vagas, em outra há 42 vagas e numa terceira há apenas 3 vagas. Quanto as escolas de ensino infantil, existem 3, onde em 13

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1 Como melhorar a tomada de decisão slide 1 P&G vai do papel ao pixel em busca da gestão do conhecimento Problema: grande volume de documentos em papel atrasavam a pesquisa e o desenvolvimento. Solução:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Gestão de TI Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Aula passada... Gestão do Conhecimento 08:46 2 Aula de Hoje... BI Apresentação do artigo IT doesn t matter Debate 08:48 3 Caso da Toyota Toyota Motor

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Capítulo 11 APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 11.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO Existem várias maneiras com as quais dados geográficos podem ser distribuídos pela Internet, todas fundamentadas

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 11 OBJETIVOS OBJETIVOS APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB210 GEOPROCESSAMENTO SEGUNDO SEMESTRE DE 2013 PROF. DR. CARLOS ALBERTO

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri. Rodrigo Barrionuevo

Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri. Rodrigo Barrionuevo Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri Rodrigo Barrionuevo O que é Business Intelligence? Plataforma apoio a decisão Online Analytic Process OLAP Reporting & Ad Hoc Query Business

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com. Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.br Sistemas de Informação SE SSD/ SAE Estratégico Tipos de decisão Não

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso de problemas não-rotineiros e

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Agenda A Informal Perspectiva Histórica Modelos de Arquitetura Benefícios para Gestão Caso de Referência Agenda A Informal

Leia mais

MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE

MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE Como a sua empresa estrutura informações estratégicas? Como as decisões são tomadas? São considerados, dados, informações e tendências, de macroambientes? O quanto você conhece

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil dalfovo@furb.br Prof. Dr. Juarez

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

PENTAHO. História e Apresentação

PENTAHO. História e Apresentação PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Curso: Banco de Dados Disciplina: Laboratório de Data Warehouse e Business Intelligence Professor: Fernando Zaidan Unidade 2 2012 Crédito dos Slides: Clever Junior 2 PENTAHO História

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009 Profª. Kelly Business Intelligence (BI) OqueéBI? É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazendo uso de acontecimentos (fatos) e sistemas baseados nos mesmos, apóia a tomada de decisões em negócios;

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais