Inglês CURSO OBJETIVO. FGV (1ª Fase) Maio/2000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inglês CURSO OBJETIVO. FGV (1ª Fase) Maio/2000"

Transcrição

1 Inglês Triple Killing in Coffee Shop Stirs Deth Penlty Dete By JOHN FILES 01. WASHINGTON, Fe. 19 Feerl prosecutors re pressing for the eth penlty ginst mn chrge with murering three employees t Strucks coffee shop here in July 1997, clering the wy for the city s first eth penlty cse in nerly 30 yers. 02. In n outline issue this week, the prosecutors si they wnte to press cpitl chrge ecuse the efennt hs history of violent crime. They si he shows no remorse n poses continuing thret. 03. Crl D. Cooper, 30, hs een chrge with the three killings in the ffluent Georgetown section of the city. The oies of Emory Allen Evns, 25; Mry Citrin Mhoney, 24; n Aron Dvi Goorich, 18, were foun y nother Strucks employee. 04. The cse gine ntionl ttention ecuse it hppene in one of the city s fshionle neighorhoos, 34-squre-lock re northwest of owntown Wshington known for rs, resturnts, outiques n nrrow resientil streets of expensive town houses. Georgetown is home to memers of Congress, Secretry of Stte Meleine K. Alright n other mjor politicl figures, s well s Georgetown University, ut not to gret el of crime or violence. 05. Attorney Generl Jnet Reno ecie to seek the eth penlty for Mr. Cooper with vice from Wilm A. Lewis, the Unite Sttes ttorney for the District of Columi. A eth penlty review pnel t the Justice Deprtment concurre. 06. Kenneth L. Winstein, ssistnt Unite Sttes ttorney, in 35-pge ocument, cite Mr. Cooper s continuing pttern of criminl conuct, incluing rme roeries ting to 1989 n possession of firerms n rugs ting to 1988; lunering of money otine from roeries; n threts to murer witnesses n lw enforcement officers. 07. The cse move to feerl court in August with 48-count inictment ginst Mr. Cooper, chrging him with crimes from 1993 to His tril is to strt on My 2 in Unite Sttes District Court in Wshington. 08. The lst person execute in the city ws Roert E. Crter, 28, n unemploye lorer electrocute on April 27, 1957, for killing n unrme, off-uty police officer. The lst tril in cpitl cse ws in The city repele the eth penlty in Resients vote overwhelmingly in the 1992 election to reject provision tht woul hve reinstte the eth sentence. 10. City officils, mny of whom re oppose to the 1 ecision to mke this cpitl cse, criticize Ms. Reno for ignoring the views of the city s resients n urge tht the city e llowe to hnle the sitution with some utonomy. If Mr. Cooper were prosecute uner locl jurisiction, the mximum sentence he coul receive woul e life in prison without the possiility of prole. 11. Elenor Holmes Norton, the city s elegte to Congress, wrote to Ms. Lewis: The Cooper cse is essentilly locl homicie mtter with feerl chrges tcke on. If the District h locl prosecutor, she coul not sk for the eth penlty. The ppliction of the hrshest n most controversil penlty in our lw shoul not epen on whether the U.S. ttorney or loclly chosen prosecutor litigtes the cse. Where the locl jurisiction of txpying citizens is eprive of locl prosecutor, the U.S. ttorney hs specil oligtion to respect locl lw. 12. Ms. Norton si in n interview tht serious equl protection questions re rise when high-profile cse is chosen for the eth penlty. She si it is isturing tht, with out 300 homicies in the city in yer, most of them in poor neighorhoos, feerl officils chose to elevte cse from the most glmorous prt of Wshington. 13. Myor Anthony A. Willims si he gree with the ttorney generl on the nee for hrsh penlties, incluing life in prison without prole. But, he e, I o not support the eth penlty. 14. Ms. Norton n Amnesty lnterntionl USA hve rwn comprisons to 1995 triple murer t McDonl s in Southest Wshington. Kenneth J. Mrshll plee guilty n receive 80 yers to life in prison. The New York Times, Suny, Ferury 20, 2000 Voculário principl o texto referente às questões to stir = provocr, incitr eth penlty = pen e morte prosecutors = promotores púlicos chrge with = cuso e employees = empregos, funcionários to cler the wy = rir o cminho nerly = quse, proximmente outline = resumo, esoço to issue = pulicr efennt = réu to pose continuing thret = fzer um meç constnte ffluent = próspero

2 fshionle = elegnte neighorhoo = vizinhnç nrrow = estreito mjor = importnte s well s = em como gret el of = muito ttorney = vogo to seek for = solicitr, peir vice = precer, conselho review = revisão rme roeries = ssltos à mão rm to te = tr firerms = rms e fogo lunering of money = lvgem e inheiro to otin = oter, conseguir threts = meçs to murer = mtr, ssssinr witness = testemunh tril = julgmento unemploye = esemprego lorer = operário off-uty = e folg officer = utorie to repel = revogr, nulr overwhelmingly = esmgormente provison = cláusul to reinstte = restelecer city officils = utories municipis to urge = incentivr, cogir to llow = permitir to hnle = lir com to e prosecute = ser processo to receive = receer prole = liere conicionl mtter = ssunto chrges = cusções the hrshest = mis rígi (sever) whether = se txpying citizens = ciãos que pgm impostos interview = entrevist to rise = levntr to e chosen = ser escolhio out 300 homicies = cerc e 300 homicíios most of = miori e myor = prefeito to = crescentr to support = poir to ple guilty = eclrr-se culpo TRIPLE KILLING IN COFFEE SHOP STIRS DEATH PENALTY DEBATE 1 Which of the following is not stte or implie in the rticle s reson why feerl prosecutors re seeking the eth penlty for the Strucks coffee-shop murers? ) Feerl lw llows murer to e punishe y eth. ) The ccuse hs murere efore. c) The ccuse oesn t feel sorry for wht he i. ) The ccuse is too ngerous to e llowe to live. e) The ccuse hs een ngerous criminl for mny yers. O texto, em momento lgum, firm que o cuso hvi ssssino lguém ntes o crime triplo que cometeu. 2 Which of the following oes the rticle mention s conflict ssocite with the Strucks coffee-shop murers? ) Though most inhitnts of Wshington re ginst the eth penlty, feerl prosecutors re in fvor of it. ) Though the U.S. Attorney Generl is in fvor of the eth penlty, the U.S. Secretry of Stte is ginst it. c) If the murer h occurre in nother city, it woul not hve cuse such scnl. ) If the victims of the killings h een lck inste of white, the crime woul not hve een so importnt. e) Though the locl Wshington prosecutor is in fvor of the eth penlty, the feerl prosecutor is ginst it. No prágrfo 9, lê-se que... cie repeliu pen e morte... e que em 1992 votou esmgormente contr um projeto que resteleceri sentenç e morte. 3 c Accoring to the informtion in the rticle, Georgetown ) hs ltely een experiencing n increse in violent crime. ) is the site of mny importnt politicl institutions. c) is normlly sfe plce to live. ) is rich neighorhoo in n essentilly poor city. e) ws the scene of only one murer in No prágrfo 4, lê-se...georgetown não é um lugr e muitos crimes ou violênci. 4 The person most responsile for ttempting to impose the eth penlty in the Strucks coffee-shop murers cse is ) Kenneth L. Winstein ) Meleine K. Alright c) Wilm A. Lewis ) Jnet Reno e) Elenor Holmes Norton No prágrfo 5, lê-se que... procuror Jnet Reno eciiu peir pen e morte pr o Sr. Cooper com o precer e Wilm A. Lewis, procuror o istrito e Columi. 2

3 5 e Accoring to the informtion in the rticle, in the city of Wshington, which of the following is most likely true? ) City officils re rrely in greement with feerl officils. ) City officils know etter thn feerl officils how to el with violent crime. c) The feerl government my not interfere in the opertions of the city government. ) The feerl government is introucing new legisltion to reuce the power of the city government. e) Certin city lws o not gree with certin feerl lws. No prágrfo 11, lê-se que...o vogo os Estos Unios tem origção especil e respeitr s leis locis. 6 Accoring to the informtion in the rticle, which of the following is true out ccuse murerer Crl D. Cooper n convicte murerer Kenneth J. Mrshll? ) Both my e execute for murer. ) Crl D. Cooper my e execute for murer, ut Kenneth J. Mrshll will not e. c) Both committe their murers in Georgetown, ut only Crl D. Cooper will e trie uner feerl lw. ) Crl D. Cooper s crime ws more monstrous, n for tht reson he will e execute. e) Kenneth J. Mrshll escpe the eth penlty through the help of Amnesty Interntionl USA, which ws not the cse with Crl D. Cooper. No prágrfo 14, lê-se que...mrshll eclrou-se culpo e receeu um sentenç e 80 nos e prisão. 7 Accoring to the informtion in the rticle, wht is the significnce of Roert E. Crter? ) He ws execute for murer in 1972 in Wshington. ) He electrocute Wshington police officer in c) He ws the lst person trie for murer in Wshington. ) He ws the lst person in Wshington to ie ecuse of the eth penlty. e) He is symol of the inility of cpitl punishment to eter crime. No prágrfo 8, lê-se que... últim pesso execut n cie (Wshington) foi Roert Crter... 8 In Prgrph 10, the sitution in the sentence City officils... urge tht the city e llowe to hnle the sitution with some utonomy most likely refers to ) the unpopulrity of the eth penlty in Wshington. ) Crl D. Cooper s murer tril n the controversy 3 surrouning it. c) the legliztion of the eth penlty in Wshington. ) the hiring of Wshington prosecutor who is inepenent of feerl jurisiction. e) the possiility of putting Crl D. Cooper on tril in city outsie of Wshington. No prágrfo 10, situção refere-se o julgmento por ssssinto e Crl Cooper e controvérsi que o cerc. 9 You cn infer from the informtion in Prgrph 11 tht Elenor Holmes Norton thinks tht the feerl prosecutors in the Strucks coffee-shop murers cse ) re wrong in seeking the eth penlty. ) hve no respect for poor people. c) shoul work in prtnership with locl Wshington prosecutors inste of cting lone. ) re seeking the eth penlty ecuse they re ignornt of locl lw. e) woul not seek the eth penlty if the victims of the crime h een poor. No prágrfo 11, Elenor H. Norton firm que o cso é locl e que, se o istrito tivesse um promotor própri, el não poeri peir pen cpitl. 10 e Accoring to the informtion in the rticle, if Crl D. Cooper were trie uner locl Wshington lw inste of feerl lw, ) his cse woul proly ttrct little ttention outsie of Wshington. ) he woul hve etter chnce of eing juge innocent. c) he woul receive light sentence. ) his chnces of receiving fir tril woul e etter. e) the worst sentence he coul receive woul e life in prison. No prágrfo 10, lê-se que... pen máxim que o ssssinto receeri seri prisão perpétu. George Ryn in Cu SEVEN HOURS WITH FIDEL HAVANA 01. How i George Ryn, the vunculr governor of Illinois, get on in Cu? The nswer is tht, s the first Americn governor to go there in 40 yers, he i rther well. Mr Ryn elieves the Americn emrgo hs file; s he put it, isolting Cu is not in the est interests of Illinois or in the est interests of the Unite Sttes. On the other hn, he certinly oes not elieve in mollycoling Fiel Cstro, Cu s

4 leer, or in conceling his own emocrtic ies. 02. No sooner h Mr Ryn rrive t his Hvn hotel thn he steppe out of his For Grn Mrquis (impressively new-fngle, for Cu) n we into the crow of onlookers to shke hns. The governor tol the story to the presient of the Ntionl Assemly, explining tht his nturl impulse ws to tret the crow like voters. He then e, Mye they cn e voters somey, Mr Presient t which point ll memers of the press were rpily ushere out of the room y nxious Cun officils. 03. After privte meeting with smll group of issients, Mr Ryn tol Cun n Americn journlists tht siclly... the prolem with Cu is Fiel Cstro. When ske y Cun out the criticism he my enure t home for speking out ginst the Americn emrgo, the governor shot ck, It s free country. I cn sy whtever I wnt. He tol his Cun hosts fter tour of chilren s hospitl tht the hospitl woul e shut own if it were in Illinois. 04. Mr Ryn s js t the regime i not isqulify him n selecte memers of his elegtion from sevenhour uience with Mr Cstro, in which he, n occsionlly they, rnge over everything from sell to humn rights. The governor mnge to get one concession from the presient or, more surprisingly, Sentor Jesse Helms mnge to extrct one. At Mr Helms s request, seven-yer-ol Cun oy ws llowe to fly ck to the Unite Sttes with the elegtion to receive tretment for liver isese in North Crolin, where he hs reltives. 05. The trip ws lso fille with tlk of potentil tre etween Cu n Illinois. Tht ws the point of it. The smll ut influentil nti-cu loy, se primrily in Mimi, t lst hs counterweight in the shpe of mi-west frmers (n relte griusinesses) who hve een hit y low prices. The privte groups represente in the governor s elegtion tell the story: John Deere, Cterpillr, Archer Dniels Miln, the Illinois Corn Growers Assocition. 06. The Illinois House of Representtives ws the first stte legislture to pss unnimous resolution clling for Congress to lift the n on the elivery of foo n meicine to Cu, country tht imports roughly $800m yer in foo proucts, some from s fr wy s New Zeln. Americn frmers, closer n more efficient, reckon they coul quickly gin much of tht mrket. Frmers hve long compline tht they crry isproportionte shre of the cost of Americ s foreign policy. The Agriculture Deprtment reckons tht foo emrgoes roun the gloe cost them $1.2 illion yer. 07. Mr Ryn is not lone. Erlier this utumn, the Sente vote to tck n menment on to the nnul griculturl ppropritions ill tht woul hve ene ll prohiitions on the sle of foo n meicine 4 n require congressionl pprovl for ny such snctions in the future. The menment, sponsore y John Ashcroft, Repulicn from Missouri, n supporte y iprtisn colition of other frm-elt sentors, rn into nti-cstro fury in the House n ws left out of the finl frm ill. But the sme sentors hope to pss it s seprte mesure t the en of Octoer n to try to persue the House gin next yer. These ctions suggest silent seismic shift in thinking towrs Cu, sys Philip Peters, vice-presient of the Lexington Institute n former Stte Deprtment officil in the Regn n Bush ministrtions. 08. Any chnge in the emrgo will hve to come from Wshington. But the trip hs one Mr Ryn no hrm in Illinois. Locl frmers feel they re eing listene to, n locl Ltinos mostly seem to hve pprove of the trip (the complints cme from Flori). There is still some out s to how Cu woul ever py for ll those imports from Illinois, if they ppere; the regime is s esperte for hr currency s ever. But Illinois is t lest stning rey, t the he of the line, for the y when the gtes open. THE ECONOMIST OCTOBER 30TH 1999 Voculário principl o texto referente às questões nswer = respost to elieve = creitr to fil = flhr the est = os melhores interests = interesses on the other hn = por outro lo to mollycole = suproteger no sooner thn = tão logo que to step out = sir crow = multião onlookers = espectores to shke hns = pertr s mãos to tret = trtr to = crescentr mye = tlvez to point = pontr, inicr press = imprens to usher out = ser levo pr for officils = utories meeting = reunião to enure = pssr por ginst = contr to shoot ck = revir free = livre to wnt = querer hosts = nfitriões to shut own = fechr to rnge from to = vrir e humn rights = ireitos humnos to mnge = conseguir

5 request = peio to llow = permitir to fly ck = vor e volt liver isese = oenç hepátic reltives = prentes trip = vigem to fill = preencher tlk = convers tre = comércio Tht ws the point of it = Este foi o ponto (crucil) isso ( vigem) smll = pequen t lst = finlmente counterweight = contrpeso shpe = formto mi-west = meio-oeste frmers = gricultores, fzeneiros to hit = tingir low prices = preços ixos to lift the n = cr com proiição elivery = entreg foo = limentos meicine = reméio roughly $ 800 m yer = proximmente US$ 800 milhões por no s fr wy s = tão istnte qunto closer = mis próximo to reckon = reconhecer, mitir quickly = rpimente to gin = gnhr long = há muito tempo to complin = reclmr shre = prte foreign policy = polític extern lone = sozinho erlier this utumn = no começo este outono ill = cont, projeto, lei sle = ven to require = exigir pprovl = provção to sponsor = ptrocinr the sme = os mesmos to hope = esperr mesure = mei to try = tentr gin = novmente shift = munç towrs = em relção ny chnge = qulquer munç to o no hrm = não fzer ml to feel = sentir mostly = principlmente to seem = precer out = úvi still = in ssim ever = lgum vez to pper = precer hr currency = moe forte s ever = como sempre 5 t lest = pelo menos rey = pronto gtes = portões to open = rir 11 e SEVEN HOURS WITH FIDEL Accoring to the informtion in the rticle, which of the following ws most likely George Ryn s min purpose in visiting Cu? ) To secure humn-rights reforms. ) To meet n tlk with Fiel Cstro. c) To set up ilterl U.S/Cu inustril greement. ) To reserch the effects of the Americn emrgo on the Cun economy. e) To explore the possiility of inititing commerce etween Cu n the stte of Illinois. No prágrfo 5, lê-se que...est foi rzão vigem. 12 Accoring to the informtion in the rticle, which of the following is unique spect of George Ryn s trip to Cu? ) He visite Cu even though it is illegl for Americns to o so. ) He is the first Unite Sttes governor to visit tht isln in four eces. c) He negotite US$1.2-illion tre el with the Cun government. ) He is the first Unite Sttes governor to spek to Fiel Cstro in 40 yers. e) Though he is governor of Illinois, he visite Cu s representtive of severl usinesses. No prágrfo 1, lê-se que...como primeiro governor ir Cu em 40 nos c One of the first things George Ryn i when he rrive t his hotel in Hvn ws to ) rent cr. ) hve meeting with Fiel Cstro. c) shke the hns of the people roun him. ) criticize the Cstro regime. e) visit chilren s hospitl. No prágrfo 2, lê-se que...ele se irigiu à multião e espectores pr lhes pertr s mãos. 14 e In Prgrph 2, when George Ryn sys, Mye they cn e voters one y, Mr Presient, ) he is referring to Americn emocrcy uner Presient Clinton. ) he is inicting his support for Fiel Cstro s

6 emocrtic reforms. c) he is lmenting the sence of prty politics in Cu. ) he is clling ttention to the corruption in Cun politics. e) he is implying tht Cu hs no free n emocrtic elections. Tlvez sejm eleitores um i implic izer que Cu não tem eleições emocrátics e livres. 15 Accoring to the informtion in the rticle, in which of the following wys is the Illinois House of Representtives unique? ) It is the first stte legislture to sen governor to Cu. ) It is the only stte legislture tht mintins ties with Cu. c) It is the first stte legislture to ship foo n meicine to Cu. ) It is the first stte legislture officilly to request n en to the prohiition ginst shipping foo n meicine to Cu. e) It is the only reltively pro-cstro stte legislture in the Unite Sttes. No prágrfo 6, lê-se que...illinois foi o primeiro esto cr com proiição e envir limentos e reméios Cu. 16 c Which of the following est escries George Ryn s opinion of the chilren s hospitl tht he visite in Cu? ) He thought it ws comprle to chilren s hospitls in Illinois. ) He hope tht one y the chilren woul e well gin. c) He thought tht the hospitl ws isgrce. ) He thought tht the hospitl ws etter thn nothing. e) He ttriute the hospitl s conitions to the Americn emrgo. No prágrfo 3, lê-se que...o hospitl seri fecho se fosse loclizo em Illinois. 17 c Accoring to the informtion in the rticle, Americn frmers elieve tht ) the Unite Sttes government will soon llow Cu to uy Americn griculturl proucts. ) Americn griculturl prices will remin stle if Cu is llowe to tre with the Unite Sttes. c) they re losing money ecuse of the Unite Sttes government s foreign policy. ) even if llowe to tre with the Unite Sttes, 6 Cu will never e significnt mrket for Americn griculturl proucts. e) the Unite Sttes government shoul insist on rel emocrcy in Cu efore llowing tre with tht country to tke plce. No prágrfo 6, lê-se que...os gricultores reclmm há muito tempo que poerim gnhr muito o merco (cuno). 18 In Prgrph 7, the sentence Mr Ryn is not lone most likely mens tht George Ryn is not the only ) Americn who hs gone to Cu. ) governor whose stte hve lost money ecuse of the Americn emrgo. c) politicin who hs criticize Fiel Cstro. ) politicin who voctes the en of the Americn emrgo ginst Cu. e) Americn sening humnitrin i to Cu. Nos prágrfos 1 e 7, lê-se que...mr. Ryn creit que o emrgo mericno flhou e que não é só ele que pens ssim. 19 You cn infer from the informtion in the rticle tht mny Unite Sttes sentors elieve tht the Americn emrgo ginst Cu ) hs outlive whtever usefulness it once h. ) is gret rrier ginst the spre of Communism. c) will finlly ring own Fiel Cstro s government. ) shoul e left s it is. e) is symol of Americn emocrcy t work. O texto como um too e, prticulrmente, no prágrfo 7, lev à conclusão e que o emrgo contr Cu urou emis, qulquer que tenh sio su utilie. 20 e You cn infer from the informtion in the rticle tht even if Americn frmers coul sell their proucts to Cu, ) it is outful tht Cuns woul wnt to uy them. ) there woul still e no mrket for Cun goos in the Unite Sttes. c) the low prices these proucts woul receive woul iscourge such usiness. ) it is outful tht Fiel Cstro woul llow these proucts to enter the country. e) it is outful tht Cu woul hve the money to py for them. No prágrfo 8, lê-se que...in existe lgum úvi como Cu pgri pels importções e Illinois.

7 Históri 21 Os legislores tiverm importânci funmentl pr pzigur crise socil que se teu sore Atens. Sólon, o seguno legislor, relizou, em 594.C., váris munçs qunto o critério e prticipção no poer. Entre els poemos estcr: ) trnsformção os costumes e trições (trnsmitis orlmente) em leis escrits; ) ivisão cie em trint grupos e emos; c) reserv os ireitos políticos pr queles que tinhm cpcie e se rmr como hoplits; ) o fim o monopólio e poer político os eupátris; e) crição o Conselho o Areópgo pr ser o gurião s leis. A reform e Sólon em Atens, mis o que suprimir escrvião por ívis, teve como principl mérito estelecer um regime político censitário, no qul riquez móvel (inheiro) os mercores ricos foi equipr à riquez imóvel (terrs) ristocrci. Com isso, oligrqui teniense sofreu um mplição, pono fim o monopólio os eupátris. 22 e Os romnos enominvm e árros os povos que vivim for e sus fronteirs, não tinhm seus costumes nem estvm sumetios às sus leis. Entre os vários grupos e árros que esrticulrm o poer o Império Romno e se possrm e su prte ocientl, estcvm-se os germnos. Sore sociee germânic, é incorreto firmr que: ) vivi o pstoreio e gricultur e susistênci; ) su vi socil er regulment pelos costumes (ireito consuetuinário); c) instituição o Comittus sev-se em um relção pessol e e lele entre o chefe guerreiro e seus solos; ) er um sociee primitiv, não conheci o Esto; e) er um sociee monoteíst. Os germnos erm politeísts. Su religião, que vlorizv s virtues guerreirs, compreeni numerosos euses e euss, so chefi e Wotn, corresponente o Oin os escninvos (vikings). 23 Os reinos árros que emergirm estruição o Império Romno tiverm curt urção. O reino os ostrogoos e o os vânlos form conquistos pelo Império Bizntino. O reino os visigoos cou estruío pelos áres. A heptrqui sistem e governo e 7 reis, que só existiu n Inglterr nglosxônic terminou sujug pelos normnos. Apens o Reino Frnco eitou rízes e estruturou-se n Gáli. (Mello e Cost. Históri Antig e Meievl) O texto refere-se o períoo compreenio entre os séculos: ) II e III.C.; ) III e V.C.; c) III e VI; ) V e XI; e) II e VIII. O texto á lgums pists pr se encontrr respost: Reconquist e Justinino (século VI), empreeni pelo Império Bizntino; expnsão áre n Europ (século VIII); conquist Inglterr pelos normnos (século XI); e estruturção o Reino Frnco ( prtir o século VI). Note-se que o século XI correspone o fim Alt Ie Méi, crcterizo pelo início crise feul. Os.: A Heptrqui Anglo-Sxônic não é um governo e sete reis, ms um conjunto e sete reinos inepenentes. 24 A unificção Gáli eu-se so o controle e: ) Clóvis, insti merovíngi; ) Crlos Mgno, insti crolíngi; c) Crlos Mgno, inicior insti merovíngi; ) Crlos Mrtel, insti cpetíngi; e) Filipe, o Belo, insti crolíngi. A unificção s trios frncs eu-se com o rei Clóvis, que tizou su insti em homengem seu vô Meroveu. 25 O surgimento o lslmismo permitiu à Arái: ) consolir um unie polític e religios, fortleceno- e possiilitno expnsão e seu Império; ) o fortlecimento e propgção primeir religião politeíst moern; 7

8 c) utonomi os iversos Clifos e, portnto, ifusão e fortlecimento e seus interesses comerciis e religiosos; ) centrlizr os iversos Clifos e, portnto, expnsão o politeísmo islâmico por too o Meiterrâneo; e) unificr pens religiosmente região, permneceno, portnto, os interesses comerciis os iversos Clifos em conflito. O islmismo, funo por Momé, foi responsável pel unificção polític e religios Arái. A prtir e então, so liernç os clifs e seno-se nos preceitos Guerr Snt, os áres relizrm um importnte expnsão militr, religios e culturl. Os. Ao contrário o que o enuncio á entener, o Império Áre somente se formou pós unificção proporcion pelo islmismo. 26 c Sore formção o solutismo n Frnç, é incorreto firmr que: ) seus nteceentes situm-se, tmém, nos reinos e Filipe Augusto, Luís IX e Filipe IV, entre os séculos Xll e XIV. ) fez-se necessári nesse processo centrlizção os exércitos, os impostos, justiç e s questões eclesiástics; c) olição soerni os nores feuis não teve um importnte ppel nesse contexto; ) Guerr os Cem Anos foi funmentl nesse processo; e) urnte esse processo linç com urguesi fez-se necessári pr conter e controlr resistênci e nores feuis. A norez feul constituiu o principl empecilho o fortlecimento o poer rel n Frnç, entro o processo que culminri n insturção o solutismo, urnte Ie Moern. Assim, foi e funmentl importânci o poio urguesi nscente o rei, no ecorrer Bix Ie Méi, pr que o monrc puesse eliminr utonomi (e não soerni ) os senhores feuis. 27 Lei tentmente s firmções ixo, sore expnsão mrítim e comercil moern, e ssinle lterntiv corret. I. O ppel pioneiro n expnsão mrítim e comercil moern foi os Píses Iéricos, teno Portugl inicio o feito. II. O ppel pioneiro n expnsão mrítim e comercil 8 moern foi os Píses Iéricos, teno Espnh inicio o feito. III. As conquists espnhols em Áfric (Ilhs Cnáris), urnte o século XIV, emonstrrm forç lnvencível Arm às emis nções européis. IV. A Revolução e Avis foi um mrco nteceente funmentl pr ess expnsão. V. Brtolomeu Dis, nvegor português, foi o responsável pel pssgem pelo sul Áfric e pel cheg às Ínis. ) Apens s firmções I, III e V estão correts; ) Apens s firmções I e IV estão correts; c) Apens s firmções II e V estão correts; ) Apens s firmções I, IV e V estão correts; e) Apens s firmções III, IV e V estão correts. A firmção II é fls porque primzi expnsão mrítim coue Portugl. A firmção III é fls porque o episóio Invencível Arm está ssocio à tenttiv invsão Inglterr por prte esqur luso-espnhol e Felipe II, em A firmção V está err porque cheg às Ínis foi reliz por Vsco Gm. 28 e N ciênci, n litertur e n pintur, representrm o Renscimento moerno (séculos XV e XVl), respectivmente: ) Kepler, Anré Vesálio e Relis; ) Copérnico, Shkespere e Morus; c) Lvoisier, Cervntes e Goy; ) Newton, Ruens e Vinci; e) Anré Vesálio, Cmões e Rfel. O elg Anré Vesálio é consiero o Pi Antomi Moern ; Cmões imortlizou-se com o poem épico Os Lusís ; Rfel notilizou-se como o pintor e Mons. Os três pertencem o Renscimento os séculos XV e XVI. 29 c Os 14 pontos presentos pelo presiente nortemericno Woorow Wilson, em jneiro e 1918, refletem lguns ojetivos pr pz n Europ pós Grne Guerr. Entre eles estcou-se : ) eterminção inepenênci Hungri, Polôni, Iugoslávi e Tchecoslováqui; ) utorizção pr que os frnceses pssssem controlr Síri, e os ingleses, controlr Mesopotâmi e Plestin; c) correção o episóio que tinh perturo pz munil por muito tempo e eterminv evolução o território Alsáci-Loren à Frnç; ) incorporção Eslováqui à Repúlic Tchec;

9 e) eterminção e que Bulgári ceesse pr Romêni, Iugoslávi e Gréci, mior prte os territórios nexos urnte s guerrs lcânics. A conquist Alsáci-Loren pelos lemães, n Guerr Frnco-Prussin ( ), teve como conseqüênci o revnchismo frncês, um os ftores que conuzirm à I Guerr Munil. Em seu progrm e 14 Pontos pr um pz just, o presiente nortemericno Wilson propôs restituição Alsáci- Loren à Frnç, o que foi concretizo pelo Trto e Verslhes. 30 Em ril e 1917, o líer olchevique Lenin, exilo em Zurique (Suíç), voltou à Rússi lnçno s Teses e Aril. Nesse progrm político é incorreto firmr que Lenin propunh /o: ) formção e um Repúlic e sovietes; ) concessão à efes ncionl, no totl poio o governo provisório; c) ncionlizção os ncos e s propriees privs; ) reconstituição Interncionl; e) controle proução pelos operários. Em ril e 1917, Rússi encontrv-se so precári utorie e um Governo Provisório lierl, fvorável à mnutenção o pís n I Guerr Munil. Lenin, que lierri Revolução Bolchevique e outuro e 1917, er fvorável um pz em sepro com Alemnh e à sustituição o Governo Provisório por um utorie revolucionári socilist mrxist. 31 Operção Conor foi o nome o o plno integro e repressão os opositores s iturs militrescivis implnts n Améric Ltin urnte os nos 60 e 70. Este opertivo trnsncionl, os serviços e inteligênci e s polícis polítics, foi responsável por muits prisões ilegis, torturs, seqüestros e esprecimentos e ciãos e iferentes píses este continente. Prticiprm tivmente Operção Conor os seguintes píses: ) Argentin, Brsil, Chile, Prgui e Urugui; ) Argentin, Bolívi e Chile; c) Bolívi, Chile, Prgui e Urugui; ) Argentin, Brsil, Bolívi, Chile, Peru e Prgui; e) Brsil, Bolívi, Chile e Prgui. O texto trt e um coro não-oficil os governos militres Argentin, Brsil, Chile, Prgui e Urugui, com o ojetivo e colorr uns com os outros pr eliminção e opositores políticos 9 (consieros suversivos ) que estiverm nos píses vizinhos. 32 Lei tentmente s firmções ixo sore Glolizção e os Blocos Econômicos e ssinle lterntiv corret: I. esgregção o muno soviético e, portnto, o loco socilist reforçou polític e ieologicmente os princípios o lierlismo. II. remoção s rreirs lfnegáris e o fim s iverss forms e protecionismo reforçrm tenênci unificção os mercos. III. mior potênci Comunie Econômic Européi é Inglterr. IV. em 1994, o presiente Clinton conseguiu que o Congresso mericno provsse crição e um merco comum NAFTA, reforçno s ligções comerciis entre o Cná e os Estos Unios. V. n Améric o Sul foi crio o MERCOSUL com intenção e eliminr os empecilhos à circulção e proutos, pessos e cpitis entre o Brsil, o Urugui, Argentin e o Chile. ) Apens II, III e IV estão correts; ) Apens I e II estão correts; c) Apens II, IV e V estão correts; ) Apens III, IV e V estão correts; e) Apens I, III e V estão correts. A firmção III é fls porque mior potênci União Européi (e não Comunie Européi ) é Alemnh. A firmção IV é fls porque o NAFTA foi crio em 1989 e inclui o México, lém os Estos Unios e Cná. A firmção V é fls porque o Mercosul é um trto e nturez comercil in limito à circulção e mercoris; lém isso, o Chile é pens memro conssultivo e lterntiv não consierou o Prgui, que integr o Mercosul. Os.: A firmção II é sujeit resslvs, pois in não ocorreu o fim s iverss forms e protecionismo (os Estos Unios e União Européi são os exemplos mis óvios e protecionismo nos is e hoje) e unificção os mercos represent tulmente um tenênci regionl e não glol. 33 Em ezemro e 1987, pós écs e impsses ns relções entre soviéticos e norte-mericnos, foi ssino em Wshington, entre Ronl Regn e Mikhil Gortchev, um coro que estipulv: ) o esenvolvimento mútuo e um complexo sistem tecnológico vnço em efes e

10 mísseis nucleres; ) retir os conselheiros soviéticos Nicrágu; c) ju econômic norte-mericn no cmpo tecnológico e iotecnologi à URSS; ) escelerção corri rmmentist, por prever estruição os mísseis tômicos; e) retir o contingente militr norte-mericno o Afegnistão. A scensão e Mikhil Gortchev o poer n URSS (1985) eu início o processo que levri o fim Guerr Fri, em 1991, com extinção própri União Soviétic. O rnmento s tensões entre s us superpotêncis, grçs à ertur sinliz por Gortchev, permitiu que os ois governos puessem concretizr um série e coros visno encerrr corri nucler. 34 e A reconstrução Europ, pós s guerrs npoleônics, foi irecion pelo Congresso e Vien. É incorreto firmr que ele esteleceu : ) crição e um pcto militr interncionl (Snt Alinç) pr intervir one houvesse mnifestções revolucionáris; ) evolução os territórios conquistos pel Frnç, ese Revolução; c) esorigção e pgmento e inenizção pelos frnceses por terem ocupo territórios e outros píses; ) resturção monrqui os Bouron n Frnç; e) utonomi Itáli e Alemnh, iviis e sumetis à hegemoni húngr. O Congresso e Vien, funmento nos princípios Legitimie, Resturção e Intervenção, eciiu mnter Itáli e Alemnh iviis em iversos Estos, ms so hegemoni ustríc. 35 O princípio o Uti possietis esteve presente como se à solução os conflitos e fronteir entre Portugl e Espnh no século XVIII. O resulto efetivo ess negocição foi o Trto e Mri (1750), que efiniu, no cso rsileiro, limites territoriis muito próximos os tuis. Foi o principl rticulor esse trto/princípio: ) Diego e Menonç Corte Rel; ) Frncisco Pereir Coutinho; c) Luís Antônio e Sous; ) Alexnre e Gusmão; e) João VI. O iplomt luso-rsileiro Alexnre e Gusmão, com se no princípio romno o uti possietis (ireito erivo posse), conseguiu que Espnh ceitsse incorporção, o Brsil, e um enorme território situo oeste o Meriino e Toresilhs. Dess form, o Brsil prticmente quiriu su configurção tul com lgums exceções, s quis mis importnte é o Acre. 36 e Entre s munçs opers no Brsil pel intervenção o Mrquês e Poml estão /o: ) crição Compnhi Gerl o Grão-Prá e Mrnhão, explorção iret s mins e imnte e o incentivo à mplição os colégios jesuíticos; ) expulsão Compnhi e Jesus, extinção s cpitnis hereitáris e reução os impostos coloniis; c) explorção iret s mins e imnte, extinção Compnhi Gerl o Grão-Prá e Mrnhão e crição o Esto o Mrnhão; ) poio e finncimento Compnhi e Jesus, reução e impostos coloniis e extinção Compnhi Gerl o Grão-Prá e Mrnhão; e) incentivo às instlções mnuftureirs n Colôni, expulsão Compnhi e Jesus e crição Compnhi Gerl o Grão-Prá e Mrnhão. O espotismo esclrecio português, crio pelo mrquês e Poml, repercutiu no Brsil trvés e lgums meis reformists, como expulsão os jesuíts, instlção e mnufturs e crição e compnhis e comércio estins estimulr o Renscimento Agrícol n Colôni. 37 e A propgção s iéis repulicns, ntiportuguess e feertivs (...) gnhou ímpeto com presenç no Recife e Ciprino Brt, vino Europ, one representv Bhi ns Cortes. É importnte ressltr (...) o ppel imprens n veiculção e crítics e proposts polítics (...). Os Anrs, que tinhm psso pr oposição epois s meis utoritáris e D. Pero, lnçrm seus tques trvés e O Tmoio; Ciprino Brt e Frei Cnec comterm monrqui centrliz, respectivmente n Sentinel Liere e no Tífis Pernmucno. (Boris Fusto, Históri o Brsil) A conjuntur expost no texto cim refere-se à emergênci : ) Reelião Prieir; ) Cngem; c) Bli; ) Sin; e) Confeerção o Equor. 10

11 Em oposição à formção, no Brsil inepenente, e um monrqui cujo centrlismo er grvo pelo utoritrismo e D. Pero I, ecloiu em Pernmuco, em 1824, um movimento e cráter repulicno, lierl, feertivo e seprtist, liero por Ciprino Brt e Frei Cnec, entre outros. Prí, Cerá e Rio Grne o Norte erirm à reelião, que receeu o nome e Confeerção o Equor. Esse movimento foi urmente reprimio por D. Pero I. 38 c O certo o funing lon, entre o presiente Cmpos Sles e Cs Rothschil, representou pr economi rsileir: ) s conições necessáris pr o primeiro investimento inustril o pís; ) um recomoção ívi rsileir com os EUA, que permitiu susiir por mis lguns nos os cfeicultores pulists; c) um novo empréstimo e suspensão mortizção o éito té 1911; ) o fim o ciclo e epenênci em relção os nqueiros ingleses, com o perão ívi e mortizção os juros té 1930; e) um polític eflcionári que estilizou o pís pels écs seguintes. Cmpos Sles, seguno presiente civil Repúlic Velh, renegociou ívi extern rsileir com os nqueiros lonrinos, oteno um empréstimo e 10 milhões e lirs esterlins e mortóri ívi extern rsileir por 13 nos (os três primeiros sem qulquer pgmento e os ez seguintes pens com quitção os juros). 39 Lei tentmente s firmções ixo, sore o Tenentismo, e ssinle lterntiv corret. I. O Movimento Tenentist ( ) oteve, o longo e su mrch e sul o norte o pís, mplo poio populr, estcno-se esão e operários nrquists e socilists à mrch. II. Os únicos soreviventes o Levnte o Forte e Copcn (1922) form os tenentes Antônio Siqueir Cmpos e Euro Gomes, que se tornou, écs epois, ministro Aeronáutic Ditur Militr. 11 III. O Tenentismo representou um escontentmento s cms méis urns com polític excluente s oligrquis cfeeirs. IV. É no cmpo o chmo Movimento Tenentist que emerge o mito o Cvleiro Espernç, triuío Luís Crlos Prestes, comnnte e importnte colun que percorreu 25 mil quilômetros trvés e 13 Estos o pís. V. Os tenentes tinhm um plno clro e ojetivo pr tom o poer e o estelecimento e um nov orem socil com mpl prticipção populr. ) Apens s firmções I, III e V estão correts; ) Apens s firmções li, III e IV estão correts; c) Apens s firmções li, III e V estão correts; ) Apens s firmções I, III e IV estão correts; e) Apens s firmções III, IV e V estão correts. A proposição I é fls porque Colun Prestes (que é pens um s mnifestções tenentists, se em que mis significtiv) não contou com mplo poio populr. A firmção V é fls porque os tenentes erm reformists ms tmém elitists, e sus proposts erm stnte vgs. Os.: Siqueir Cmpos e Euro Gomes, por serem oficiis, tornrm-se soreviventes fmosos o levnte os 18 o Forte; ms houve tmém um solo rso que soreviveu, liás ileso (os ois oficiis form grvemente ferios). 40 Pereno o terreno n lut moiliztóri, os golpists militres e civis ceitrm um solução e compromisso prov no Congresso: insturção o regime prlmentrist. Entre os is 5 e 7 e setemro, Jngo retornou Brsíli, prestou jurmento como presiente Repúlic e iniciou um governo extremmente tenso e instável. (Egr Luiz e Brros. O Brsil e ) Est per e terreno n lut moiliztóri, à qul o texto se refere, é: ) mpl prticipção os trlhores no comício Centrl o Brsil, em poio às meis ncionlists proposts pelo presiente Jngo; ) enomin Ree Leglie, lier por Leonel Brizol, com poio e outros governores e o III Exército, pel posse constitucionl e Jngo; c) mpl prticipção e iferentes setores sociis progressists n Mrch Fmíli com Deus pel Liere n efes o prlmentrismo, como um sí control pr posse e Jngo; ) rticulção e Tncreo Neves com prlmentres, riclizno-os contr os militres e civis golpists, em prol polític propost por Jngo; e) poio e, simultnemente, prlisção, por 72 hors, e trlhores cie e o cmpo pel posse e Jngo. A Ree Leglie, lier pelo governor gúcho Leonel Brizol, moilizou populção no sentio e grntir posse e seu cunho João Goulrt e evitr um possível golpe militr já em 1961.

12 Geogrfi 41 Oserve com tenção os píses ixo: Píses o Grupo I Píses o Grupo li Somáli Dinmrc Eritréi Portugl Buruni Irln Moçmique Estos Unios Afegnistão Bélgic 42 Brsil 1994 Fonte: Revist Vej, 10/02/1999, p. 54. Seguno clssificção ONU, os píses o Grupo I presentm crcterístics oposts às o grupo li, que estão inics n lterntiv: Grupo I Grupo II ) conflitos políticos, estilie polític econômicos e religio- econômic e sos. religios. ) ixíssims ensies elevs ensies emográfics. emográfics. c) os 5 menores PIBs os 5 miores PIBs per cpit o muno. per cpit o muno. ) esnutrição crônic. elevo consumo e cloris. e) clim esértico preo- clim tempero oceâminnte. nico preominnte. Levno-se em consierção que questão exige um respost com se num clssificção ONU, lterntiv corret é, porque s crcterístics que iferencim os ois grupos e píses tomm como critério o nível e esenvolvimento econômico presento por eles. Assim, o grupo I é formo por píses pores, one relção PIB/per cpit é crític e esnutrição crônic é o specto mis mrcnte. O grupo II, por su vez, present um melhor relção PIB/per cpit, ms não necessrimente melhor o muno. Neste grupo, o consumo e cloris é elevo, o prão limentr muito lto e sunutrição prticmente inexistente. Certmente encontrm-se entre os píses esse grupo Alemnh e o Jpão, por exemplo. Fonte: Grç Mri Lemos Ferreir. Atls Geográfico, S. P., Moern, 1998, p. 23. N figur cim, I e li representm espcilizção: ) o consumo ncionl e soj e lrnj ) proução ncionl e trigo e cfé. c) s áres exportors e soj e cfé. ) o consumo ncionl e trigo e lrnj. e) proução ncionl e uv e lgoão. O mp I ilustr proução ncionl e trigo, com estque pr tricionl proução o Prná e o Rio Grne o Sul e, em menor proporção, e Snt Ctrin, São Pulo, Mins Geris, Mto Grosso o Sul e Goiás. O mp II ilustr proução ncionl e cfé, com estque pr Mins Geris, São Pulo, Espírito Snto, Prná, Ronôni e Bhi. 12

13 43 O sistem grícol enomino Agricultur Irrig ou e Jringem, prtico principlmente no Sueste Ási, present: ) rizicultur nos vles os rios e encosts / mão-eor numeros / grne suivisão s pequens propriees / cuios mnuis com solo e plnts. ) monocultur o chá ns plnícies fluviis / mecnizção / grne suivisão s pequens propriees / seleção e sementes e mus. c) rizicultur nos vles os rios e encosts / mecnizção / seleção e sementes e mus / proução pr o merco externo. ) plntção e seringueirs ns plnícies e encosts / mão-e-or numeros / grnes propriees / proução pr o merco externo. e) monocultur o chá ns plnícies fluviis / pequen mecnizção / grnes propriees / proução pr o merco interno e externo. A gricultur e jringem é um sistem grícol e proução utilizo em inúmers nções o Sueste Asiático por se encixr com fcilie ns conições socioeconômics esses píses. Cultiv-se o rroz, principl limento s populções locis, proveitnose ese s encosts té os vles e rios; terr sofre grne ivisão pr r guri um enorme populção; os gricultores por serem em grne número, eicm-se o trlho com extremos cuios mnuis os solos e plnts. 44 O termo Oceni costum ser uso pr ientificr s terrs emerss loclizs entre os ocenos Ínico e Pcífico. Sore els poe-se firmr que: ) As ilhs Polinési, Melnési e Micronési são constituís, preominntemente, por píses que completrm su inepenênci polític n éc e ) A Polinési tem sio áre mis utiliz pelos EUA pr relizção e testes tômicos, como os éc e 1970, que estruírm o Atol e Mururo. c) Um trço culturl comum n Oceni é complet ptção s comunies ntivs os prões europeus e norte-mericnos estelecios com ocupção colonil, prtir o século XVI. ) Austráli, Nov Zelâni e Ppu-Nov Guiné são consiers píses inepenentes, pesr e terem como chefe e Esto rinh Eliseth li, o Reino Unio, ou lguém inico por el. e) Em comprção os outros continentes, Oceni present o mior número e possessões o tipo colonil, exemplo o Hví, Titi e Tong, controls pelos Estos Unios. 13 A Oceni, ou Novíssimo Continente, é constituí por um porção continentl, ocup n su totlie pel Austráli, e por um vsto rquipélgo suiviio em Polinési, Melnési e Micronési, em que o Jpão, Inonési, os Estos Unios, Nov Zelâni, Austráli, lém Frnç e o Reino Unio, têm inúmers possessões. Os pequenos Estos soernos, n su miori constituíos por pequenos rquipélgos, otiverm inepenênci pós Segun Guerr Munil. O Hví é um Esto mericno e Polinési Frnces, território Ultrmr Frncês, foi, em 1995, plco e testes nucleres. A Austráli, Nov Zelâni e Ppu-Nov Guiné, que se tornou inepenente Austráli em 1976, são memros Commonwelth Comunie Britânic s Nções, e, portnto, têm como chefe e Esto Rinh Eliseth II. 45 Estruturção o espço comum oserv n mior prte os territórios inígens o Brsil: Nesse esquem, os lgrismos II e IV corresponem, n orem, os seguintes espços: ) Mt us pr cç e colet. / Crição e nimis e pequeno e grne porte. ) Roçs fmilires prouzis seguno o sistem e coivr. / Mt us pr cç e colet. c) Alementos pequenos. / Roçs entremes por vegetção ntiv (cpoeir). ) Roçs entremes por vegetção ntiv (cpoeir). / Roçs fmilires prouzis pelo sistem e coivr. e) Crição e nimis e pequeno e grne porte. / Conjunto e leis circunno s roçs coletivs. Num esquemtizção genéric os territórios inígens rsileiros, poem-se ientificr qutro espços e uso específico, que são (prtino-se e su áre centrl ou nucler pr o perímetro externo): I. lemento; II. roçs fmilires, em que prátic coivr, ou sej, o emprego o fogo pr limpez o terreno, é comum; III. roçs entremes por vegetção ntiv, em áres e cpoeir; e IV. (n porção mis extern) mt us pr cç e colet.

14 46 As legens os mps referem-se à proução e o fluxo e: ) trigo e rroz. ) milho e trigo. c) rroz e cn-e-çúcr. ) soj e trigo. e) soj e rroz. O primeiro mp retrt proução e o fluxo o trigo, cerel que se pt melhor os clims temperos e ocup, portnto, s áres e píses como Chin e Íni, cuj proução está volt pr o consumo interno, e píses europeus, os EUA, Cná, Austráli, nos quis proução, lém e tener o merco interno, está volt pr exportção, como se poe oservr pelos fluxos. O seguno mp retrt proução e rroz, estcno-se o leste Ási. Por concentrr, justmente, o mior consumo e mior proução, os fluxos ocorrem perceptivelmente entro o próprio leste siático, pr tener à lt emn, teno-se como miores proutores e consumiores esse prouto Chin e Íni. continu inicno o município e São Pulo, comprtivmente, como o e mior ínice e crescimento inustril. ) Nos últimos nos, não houve munçs n tenênci istriuição geográfic s inústris no pís. e) A Região Noreste, entro tul polític econômic, foi que não se eneficiou com instlção e novs inústris e trnsformção. A ruric inústris e trnsformção inclui um mpl gm e inústris, ese s e ens e proução (pes, ou e se) como, por exemplo, sierúrgics, químics, petroquímics, mecânics e outrs, té s inústris e ens e consumo (uráveis e não-uráveis), como utomoilístic, eletrooméstic, têxtil, limentíci etc. Esss inústris procurm se concentrr em áres urns por cus proximie o merco consumior, o cesso fácil os trnsportes e mãoe-or unnte. As tenttivs governmentis e escentrlizção, movis pel questão mientl, vêm surtino efeitos pens moestos. A lterntiv A está corret, porque se entene que expressão em su quse totlie implique que hj exceções, ou sej, que lgums inústris estejm for e áres urnizs, como é o cso s olris, s meireirs, s fárics e crvão vegetl, e ppel e celulose, e cl e té mesmo e pequens inústris e lticínios. É importnte lemrr que lterntiv B contém um firmção que foi vereir urnte écs, ms o que está ocorreno tulmente é um intens escentrlizção, com o movimento s inústris pr for s áres metropolitns, como comprov o crescimento e áres inustriis em Snt Ctrin, no oeste e São Pulo, em Goiás etc. Oserve-se que há imprecisão tnto n lterntiv A qunto n B: n A fl-se em quse totlie, n B em concentrção, sem que se iniquem s qunties em questão. 48 c 47 A nálise istriuição geográfic s inústris no Brsil permite firmr que: ) As inústris e trnsformção estão loclizs, em su quse totlie, ns áres urnizs. ) As inústris e ens e consumo uráveis estão concentrs ns regiões metropolitns. c) A tenênci n concentrção geográfic inústri 14

15 A prtir representção gráfic cim e os conhecimentos geris sore os Estos Unios, vle consierr que áre ssinl pelo(s) lgrismo(s): ) 1 correspone o comércio eletrônico e à tivie e iotecnologi e Settle, que, ese os nos 80, vem pereno populção pr região inustril o Noreste o pís. ) 3 correspone o vle o Silício n Clifórni, see H.P., Yhoo e outrs empress, que juntmente com Região Noreste constituem s us regiões inustriis mis ntigs o pís. c) 6 e 7 englo s regiões inustriis o Esto o Texs, e elevo inmismo econômico e e trção e fluxo populcionl e outrs regiões o pís. ) 8 e 9 são exemplos e regiões inustriis ntigs que hoje são consiers e economi estgn, especilmente evio à grne per e populção pr o Noreste e o Sun Belt. e) 11 e 12 são regiões inustriis moerns que, grçs o tecnopolo e Boston, têm trío mão-eor especiliz s porções Norte e Centrl o pís. O Texs, pertencente o chmo Sun Belt, é um os Estos mis ricos e esenvolvios os EUA. As cies e Dlls e Austin concentrm tecnologi e pont, e o Esto é fmoso pelo esenvolvimento eroespcil. A região e Settle, no Noroeste os EUA, concentr principlmente inústri eronáutic; o Noreste mericno vem cmino sus tivies econômics pr o setor e serviços. Assim, inústri moern os EUA cminh pr o suoeste. Um os ftores mrcntes glolizção econômic é trnsncionlizção s empress, em usc otimizção e seus processos proutivos e e circulção. Os fluxos e cpitis tenem ser crreos pr s regiões que oferecem melhores conições e expnsão e lucros, como ofert unnte e mão-e-or qulific e rt, impostos e trifs reuzios, presenç e infrestrutur e proução (energi, trnsportes e inústri e se) e e merco consumior com poer quisitivo. Além isso, constitui tmém um ftor mrcnte multipolrizção ssoci à formção e locos econômicos regionis como UE, NAFTA, APEC, MERCOSUL, visno o fortlecimento interno pr umentr cpcie competitiv extern. Como legislção e os coros entre os píses integrntes esses locos ificultrm-lhes um ção isol, estrtégi empresril tem e se equr ess nov relie, gino e form integr. 50 Brsil Prticipção s fontes e energi no consumo ncionl em 1973 e 1994 (%) 49 A nálise o tul processo e glolizção no muno e ção s empress giolizs permite estelecer que, e moo gerl, ) s empress não pensm mis em estrtégis por pís, ms sim em estrtégis por regiões e locos econômicos. ) s empress procurm, c vez mis, fortlecer os Estos Ncionis pr poerem competir nos mercos muniis. c) no processo e trocs interncionis, s grnes empress procurm fortlecer s orgnizções suprncionis, como OMC (Orgnizção Munil o Comércio) e ção os Estos Ncionis. ) s polítics neolieris vêm fvoreceno o crescimento s pequens empress n competição o merco interncionl. e) interncionlizção economi tem feto somente s empress situs no loco enomino e píses emergentes. A prtir o gráfico e os conhecimentos geris sore o lnço energético rsileiro nos nos inicos, poese firmr que: ) A sustituição o petróleo pelo crvão minerl, como insumo energético no Sul e SE, explic reução o primeiro e o crescimento oro o seguno. ) O progrm ncionl e sustituição gsolin pelo álcool explic por que o consumo os erivos e cn-e-çúcr foi o que mis cresceu no períoo, em termos comprtivos. c) O esgotmento s principis jzis petrolífers o gloo e ix proução ncionl inferior 20% emn são s principis justifictivs posição secunári o petróleo no no e ) A que centu o consumo e lenh é um ecorrênci o processo celero e urnizção, e eletrificção rurl e e su sustituição, ns resi- 15

16 êncis, pelo gás liquefeito e petróleo (GLP). e) O slto verifico no consumo e energi hiráulic está relciono os investimentos receios pelo Esto, que optou pens por ess fonte, rejeitno o petróleo e energi nucler, por serem nocivos o miente. A prtir os nos 70, o processo esenvolvimentist oto pelo governo promoveu implntção e um mtriz energétic com se n energi hiráulic, no petróleo, no crvão minerl e ns fontes lterntivs como álcool comustível e energi nucler. O ojetivo er promover expnsão infr-estrutur que lvncv os setores mis inâmicos proução e poir o rápio crescimento urno e e sus tivies. A lterntiv é fls, pois o crvão minerl não é tão utilizo no Sueste. N lterntiv, o Proálcool não tingiu seus propósitos. A lterntiv c é fls, pois proução ncionl e petróleo é superior 60% emn. N lterntiv e, o governo investe em setores energéticos como petróleo e energi nucler. A lterntiv é corret, pois inâmic econômic recente o pís lev um iversificção e emprego e fontes energétics. 51 A cominção corret entre miente climático, processos erosivos e forms e relevo resultntes ess interção está conti n lterntiv: mien- processo exó- exemplos e te climá- geno preomi- forms e tico nnte relevo ) tropicl intemperismo topos rre- (quente químico s onos ns e águs fluviis áres e serrs úmio) e pluviis e plnltos ) ário intemperismo cmpos e e químico mior uns e inselsemi- que ção ergs surgios ário eólic pós peiplnção c) tropicl intemperismo vles em U e (quente físico ecor- epressões e úmio rente s v- interplnáltics rições térmics ) frio intemperismo topos rreone seco químico mior os ns áres que ção e serrs e eólic plnltos e) ário e intemperismo vles em U e semi- químico s epressões ário águs fluviis interplnáltics e pluviis Em mientes com clims quente e úmio, s águs tenem presentr centuo ppel no processo erosivo, ou sej, no processo e esgste que á origem novs forms e relevos mmelonres ( mei lrnj ). As águs pluviis e fluviis exercem trnsformções físics ou mecânics, e tmém trnsformções químics. Soretuo no seguno cso, s águs contriuem n issolução e rochs, o mesmo tempo em que poem tmém colorr no trnsporte e mteriis ou seimentos. N Região Sueste o Brsil, áre clssific como Plnltos e Serrs o Atlântico Leste e Sueste por Jurnir Ross, ou o omínio os Mres e Morros por Aziz N. A Ser, é exemplo este tipo e processo erosivo ocsiono por águs em clims quentes, presentno forms escrps e rreons. Contuo, em mientes preominntemente secos, escssez e águ tene ressltr os gentes físicos, tis como tempertur, o vento e pressão tmosféric. Tl conição inviiliz tos s outrs lterntivs, que ssocim clims úmios intemperismo físico ou clims secos intemperismo químico. ATENÇÃO: Oserve ilustrção seguinte pr responer às questões 52 e Assinle lterntiv que complet n orem corret s lcuns o texto. A coertur vegetl esenh n figur cim pertence à clssificção o iom terrestre enomino... que inclui... e

17 Mnchs e vris extensões vegetção ntiv em estque são encontrs em vários Estos o Brsil, ms su principl áre e ocorrênci locliz-se n Região... em áres e Clim.... ) Svns / Cerros / Ctings / Centro-Oeste / Tropicl, com verões úmios e invernos secos. ) Estepes / Cmpos / Cerros / Noreste / Tropicl Semi-Ário. c) Svns / Cerros / Ctings / Sueste / Tropicl Úmio, com chuvs em istriuís urnte o no. ) Estepes / Cmpos / Cerros / Centro-Oeste / Tropicl, com verões secos e invernos chuvosos. e) Prris / Cmpos / Ctings / Noreste / Tropicl Semi-Ário. Típics e mientes zon intertropicl, s Svns são formções vegetis com preomínio e rustos com cules retorcios, folhs pequens e grne ocorrênci e espécies rsteirs. As árvores, quno surgem, presentm-se com pequeno e méio porte, gerlmente isperss. Tl formção vegetl é comum às áres e clim tropicl com lternânci e estções chuvos e sec, ou verão úmio e inverno seco. A figur present n questão é um tenttiv e se representr ess formção vegetl. Em lgums áres, soretuo nquels com períoos e estigem mis prolongos, poem surgir xerófits, no Brsil chms e Cting. As Svns, conhecis no Brsil como Cerros, são normlmente encontrs n região Centro-Oeste, emor possm surgir tmém em outrs regiões one lternânci e estções chuvos e sec sej tmém comum. As estepes são típics e mientes normlmente mis secos, sem um estção pronuncimente úmi. As prris e os cmpos ocorrem normlmente em áres e temperturs mis mens. 53 A ilustrção questão nterior correspone um os vinte e cinco hot spots e ioiversie, ou sej, os ecossistems mis meços o plnet. Ds 10 mil espécies e plnts que compõem su vegetção, são enêmics (que só existem nquele locl). São exemplos e impctos mientis cusos por tivies econômics que têm coloco so meç este importnte omínio nturl: ) Extinção e espécies nimis e contminção s águs e os solos por grotóxicos, cuss por grimpos e pel proução grícol intensiv nos minifúnios. ) Erosão celer os solos, outror ásicos e ricos em nutrientes, cus por queims sucessivs pr formção e pstos e exportção e meirs e lei como pero e o jcrná. c) Destruição mete s florests ciculifolis que corim região e su respectiv fun regionl, em rzão e tivies extrtivs pretóris. ) Destruição e mts cilires e morte e espécies nimis evio queims e implntção e projetos gropecuários seos n monocultur e grãos. e) Extinção e mete florest pluvil que crcterizv esse ecossistem, em como o fogmento s respectivs espécies nimis, evio à proução e crvão vegetl e implntção e hirovis como Prná-Prgui. A questão iscute os impctos mientis cusos por tivies econômics no Cerro, entre s quis implntção e projetos gropecuários pr proução e grãos, que se utiliz o esmtmento e s queims n ertur s áres e cultivo, eliminno té mesmo s mts cilires, o que compromete qulie s águs e centu erosão os solos e o ssoremento os rios. N lterntiv, contminção águ e os solos por grotóxicos não poe ser cus pelos grimpos, e proução grícol é reliz em grnes propriees. N lterntiv, os solos o cerro são ácios e pores em nutrientes. Em c, s florests ciculifolis não são crcterístics o Cerro. N lterntiv e, florest pluvil não crcteriz o Cerro. 54 c Dispensr um trtmento equo o lixo é mior importânci n tulie, consierno-se que, em 1996, proução e lixo sólio coleto em São Pulo foi e proximmente 350 kg/pesso, enqunto, em Wshington, tingiu cifr e kg/pesso. Sore ess prolemátic está corret seguinte firmção: ) Nos terros snitários os píses suesenvolvios o lixo é compcto com ju e trtores, o que fcilit o seu futuro reproveitmento e minimiz o risco e contminção os lençóis e águs suterrânes. ) A incinerção o lixo urno tem sio consier melhor lterntiv tnto pr os píses pores como pr os ricos, porque evit proliferção e insetos e contminção o solo e s águs. c) Mis e 70% o lixo rsileiro é eposito céu erto, cusno poluição s águs suterrânes, pois lixivição provoc pel chuv lier sustâncis que poem ser nocivs à populção. ) A grne proução e emlgens plástics e one wy levou píses como Jpão, Alemnh e Estos Unios nonrem o processo e reciclgem esse lixo inorgânico, em rzão os elevos gstos e energi nesse processo. 17

18 e) A intens proução e mercoris ger pelo cpitlismo crretou os píses o Sul um prolem pouco verifico entre os o Norte: um enorme proução e lixo urno que poe provocr oençs e grves conseqüêncis pr o meio miente. O lixo é um os grnes prolems mientis tulie. A urnizção e utilizção e emlgens plástics são responsáveis pel proução c vez mior e lixo. Isso serve como elemento e comprção entre os iferentes estágios econômicos os píses. É o cso proução e lixo em São Pulo e Wshington, como pont o texto. A lterntiv é fls, pois compctção o lixo inviiliz o reproveitmento e poe contminr o solo em cso e má impermeilizção os terrenos e terro. Qunto à lterntiv, incinerção e lixo ger poluição tmosféric. N lterntiv, píses como Jpão e Estos Unios otm reciclgem o lixo. N lterntiv e, os píses o norte germ grnes qunties e lixo. No Brsil, mior prte o lixo é espej em epósitos céu erto, o que provoc poluição em vários níveis. Assim, é corret lterntiv C. 55 A evolução emográfic no ecorrer os séculos XIX e XX permite tecer váris consierções: I O reltivo equilírio entre nscimentos e mortes foi rompio nos píses esenvolvios, já no século psso, e posteriormente nos píses suesenvolvios, como resulto s trnsformções provocs pelo processo e inustrilizção e urnizção. II A mortlie no muno suesenvolvio eclinou pós Segun Guerr Munil, ms os ínices e mortlie infntil in são muito elevos. III Os ínices e espernç e vi o nscer já são equivlentes entre os píses suesenvolvios inustrilizos e os e inustrilizção clássic. IV Um crcterístic mrcnte s últims écs foi reução o número e filhos nos píses esenvolvios cpitlists e socilists, trnsformção que não foi lcnç pelos píses emergentes. São vereirs pens s firmções: ) I e II. ) I e III. c) li e III. ) III e IV. e) II e IV. Sore populção munil, frse I é vereir pois urnizção rompe o equilírio reltivo entre ntlie e mortlie iminuino s txs e ntlie e mortlie evio à munç e comportmento s populções urns. A frse II tmém é vereir, pois com o fim Segun Guerr, técnics simples e rts e snemento ásico, tingirm populções em c vez mis píses, muito emor mortlie infntil in sej lt. A frse III é fls pois existem in grnes iferençs nos ínices e espernç e vi o nscer entre os píses esenvolvios e suesenvolvios. N frse IV, píses emergentes como o Brsil, tiverm significtiv iminuição o número e filhos. 56 Os ínios estão constntemente se recuperno mortne cus pelo contto com o rnco. Após os primeiros conttos houve elevção ns txs e mortlie evio epiemis, ms tmém por cus o puro extermínio, como conteceu o longo hístórí o Brsil. Ms, em segui, ssistimos um recuperção emográfic, em prte porque os soreviventes gor estão imunizos e em prte porque, e lgum form, crescer numericmente psse ser um priorie pr o grupo. (Apt. entrevist e Mrt Azeveo, especilist Unicmp em emogrfi inígen. ln Jornl O Esto e São Pulo, 16/04/2000, p. A8) Assinle lterntiv que confirm s iéis o texto cim e o complement com os corretos: ) Um grne crescimento emográfico os grupos inígens está ocorreno pens no Prá e em Mto Grosso, pelo fto e se concentrr, nesses ois Estos, mior prte os ínios conhecios no Brsil. ) A históri emográfic populção inígen é esconheci, pois, em 500 nos e ocupção o território rsileiro, os censos emográficos nunc presentrm levntmentos oficiis esses grupos, ficno isso crgo e especilists. c) Dizim o longo colonizção européi no pís, populção inígen, que já somou mis e cinco milhões e hitntes, não recuperou seu crescimento nturl no finl o século XX, representno pens 10% populção rsileir. ) A populção inígen está cresceno um ritmo superior o méi rsileir, evio o mior cesso às vcins que reuzirm mortlie infntil e o nmento, emor moroso, emrcção e regulrizção e sus terrs. e) O elemento mis importnte pr entener recuperção numéric populção inígen é o processo e regulmentção e sus terrs, que se iniciou n Primeir Repúlic, com o Brão o Rio Brnco, e já teneu mis e 80% os principis grupos. 18

19 O texto o Jornl O Esto e S. Pulo, refere-se à recuperção emográfic populção inígen no Brsil, evio, em prte, à imunizção e, em prte, à priorie o grupo em crescer numericmente. A lterntiv está incorret, pois restringe o crescimento os estos o Prá e Mto Grosso, firmno que esses estos concentrm mior prte os ínios conhecios no Brsil. A lterntiv está incorret, pois iz que os censos emográficos nunc presentrm levntmentos oficiis populção inígen. A lterntiv c está incorret, pois contriz o texto presento, o firmr que populção inígen não recuperou seu crescimento. A lterntiv e está incorret, pois firm que o processo e regulmentção s terrs inígens se report à Primeir Repúlic e já teneu mis e 80% os grupos. A lterntiv confirm o texto o firmr que o crescimento populção inígen é superior o crescimento méio populção rsileir, lém e pontr s cuss esse fto I 36% 56% 76% II 64% 44% 24% Fonte: FIBGE N tel cim, os lgrismos I e li representm, respectivmente, inâmic populção: ) I - urn; II - rurl. ) I - empreg no setor secunário; li - empreg no setor primário. c) I - economicmente tiv; II - esempreg. ) I - empreg no setor terciário; li - empreg no setor primário. e) I - e nos; li - e 0 19 nos. A lterntiv está corret, pois present o crescimento populção urn e o ecréscimo populção rurl, refletino o rápio processo e urnizção no Brsil ns últims écs. Munil, iviirm o território lemão em três zons e ocupção: norte-mericn, germânic e russ. ) A cie e Berlim, locliz n ex-repúlic Democrátic Alemã e regime socilist foi ivii em ois setores: o ocientl cpitlist, e economi e merco, e o orientl socilist, e economi esttl. c) A que o muro e Berlim em 1989 possiilitou reunificção Alemnh, ms, o contrário o que se previ, tl fto enfrqueceu su conição e potênci munil, evio à xenofoi e à ção e grupos neonzists. ) A Alemnh Ocientl comnou o processo e reunificção o território germânico no finl éc e 1980, sem ltos custos, pois Alemnh Orientl figurv entre os píses europeus mis inustrilizos e e elev ren per cpit. e) A ex-repúlic Feerl Alemã e ex-repúlic Democrátic Alemã constituírm o centro o conflito entre EUA e ex-urss urnte Guerr Fri, seno primeir lig o Pcto e Vrsóvi e segun, à OTAN. A ivisão Alemnh foi um os principis mrcos pr o início Guerr Fri. Divii em zons (mericn, frnces, ritânci e soviétic), o setor soviético converte-se o socilismo, integrno-se posteriormente o Pcto e Vrsóvi, constituino Repúlic Democrátic Alemã, enqunto os outros setores mntém estrutur cpitlist e ligm-se à Orgnizção o Trto o Atlântico Norte (OTAN). Esses setores formm Repúlic Feerl Alemnh, cuj recuperção econômic trnsformou, novmente, num grne potênci econômic (3º o muno, pós EUA e Jpão). Ain no contexto Guerr Fri, cie e Berlim, n Alemnh Orientl, simolizou too o confronto o muno ipolr e ivisão Europ entre o Ociente (Cpitlist) e o Leste (Socilist), com construção o Muro e Berlim, iviino cie entre os ois Munos. Su erru em 1989 significou reunificção Alemnh e própri erroc o socilismo, porém com ltos custos econômicos e sociis, em especil pr o lo orientl, com o fechmento e empress osolets e flênci e lguns setores econômicos que não conseguirm compnhr moernie o lo ocientl, levno o crescimento o esemprego e s migrções pr o lo ocientl. 58 Derrot ns us guerrs muniis, Alemnh esteve ivii por qurent nos. A respeito s munçs ns fronteirs lemãs, é correto firmr que: ) Os coros e Potsm, no finl Segun Guerr 59 A Áfric é c vez menos visível. Dirímos que esertou o muno ou o muno esqueceu. Gostmos el, ms virmos o rosto. Não compreenemos mis n o que se pss nesse continente. 19

20 (p. Gilles Lpouge. Jornl O Esto e São Pulo. 2/04/2000.p. A 27.) Assinle lterntiv que interpret corretmente s iéis o texto cim: ) Anono pel União Européi e pelos EUA, o Cná constitui hoje mior fonte e recursos pr Áfric, inclusive interceeno no BIRD pr o perão e su ívi extern. ) A Áfric esertou o muno ese Conferênci os Píses Não-Alinhos em Bnung, ocsião em que os píses e su porção meriionl posicionrm-se contr o cpitlismo e o socilismo. c) A Frnç e os Estos Unios pssrm controlr Áfric Setentrionl porque est região é mis pore o continente e que tem mior número e conflitos rmos. ) Após o fim Guerr Fri, per e interesse político e lgums nções fricns que erm isputs pelo loco cpitlist e socilist levou, nos nos 90, um nono o continente, principlmente chm Áfric Negr. e) A Áfric é c vez menos visível porque fome, miséri e s seits religioss contriuírm pr reuzir su tx e crescimento emográfico, em torno e 3%, pr menos e 1% o no. O continente fricno constitui, entro Nov Orem Econômic Munil, um zon e exclusão e e poucos trtivos pr os investimentos glois, pois o ixo poer quisitivo, o restrito merco e consumo, lém os inúmeros conflitos e origens vris, fstm qulquer possiilie e reversão tul o quro e grve crise econômic e socil. Tl situção piorou com o fim Guerr Fri, quno o término o conflito entre s grnes potêncis (EUA e URSS) significou retir ju econômic, polític e militr pr os grupos, sempre rivis, que poivm um ou outr potênci. O grvmento crise e os conflitos é mis expressivo n Áfric Negr (Somáli, Etiopi, Eritréi, Serr Leo etc), emor não exclu Áfric Brnc, o norte, one proximie Europ, o Oriente Méio, e conjuntmente presenç e importntes jzis e petróleo (Líi e Argéli) in tornm um áre estrtégic. A própri ju humnitári ONU (Orgnizção s Nções Unis) tem sio c vez mis restrit, n intervenção em iversos conflitos triis e n solução os prolems grvos pelos péssimos inicores sociis (lts txs e ntlie, mortlie, nlfetismo etc). 60 Povos o Oriente Méio Cerc e 24 milhões e- - - I lutm pr tornr inepenente seu território, reprtio entre Irque, Irã, Turqui e Síri, Os II form os grnes pereores o conflito entre ráes e isrelenses em 1948, pois, e morores região, pssrm ser refugios. Um recurso nturl presente nesss áres e conflito é III I, II e III corresponem : ) Drusos / Lineses/ Petróleo. ) Curos / Líios / Águ. c) Drusos / Plestinos / Gás nturl. ) Curos / Plestinos / Petróleo. e) Sírios-Lineses / Jorninos / Águ. Os curos lutm pel inepenênci o seu território, hoje reprtio entre Irque, Irã, Turqui, Síri e Armêni. Os plestinos form os grnes pereores o conflito entre áres e isrelenses em 1948, pssno e morores refugios n Plestin. A principl riquez o Oriente Méio é o petróleo, encontro n região o Golfo Pérsico. N lterntiv, os rusos vivem no Líno, que foi invino por trops isrelenses e síris no finl éc e 70. N lterntiv, Líi está no continente fricno. Em c, os rusos vivem no Líno. Em e, os sírios e lineses possuem território próprio, os plestinos, e não os jorninos, form os grnes pereores o conflito áre-isrelense. 20

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal esolução s tivies complementres Físic F Grvitção universl p. 7 err possui pens um stélite nturl, Lu. Pesquise pr responer. ) Quis os períoos e rotção e e trnslção Lu em torno err? b) Por que err é possível

Leia mais

Exame Nacional de 2006 1. a chamada

Exame Nacional de 2006 1. a chamada 1. Muitos os estuntes que usm mochils trnsportm irimente peso mis pr su ie. 1.1. Pr evitr lesões n colun verterl, o peso e um mochil e o o mteril que se trnsport entro el não evem ultrpssr 10% o peso o

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

GEOGRAFIA. Observe o mapa abaixo.

GEOGRAFIA. Observe o mapa abaixo. GEOGRAFIA e Oserve o mp ixo. Ap. Folh S. Pulo, 99 / Le Mone, 996. Apens em píses e ix ren, ) existem cpitis e rogs. ) ocorre lvgem e inheiro. c) há istriuição e rogs. ) contece trânsito e rogs. e) ocorre

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A]

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A] . (Ufrgs 0) Assinle lterntiv ue preenche corretmente s lcuns no fim o enuncio ue segue, n orem em ue precem. Três esfers metálics iêntics, A, B e C, são monts em suportes isolntes. A esfer A está positivmente

Leia mais

MÉTODOS MATEMÁTICOS 2 a Aula. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta

MÉTODOS MATEMÁTICOS 2 a Aula. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta MÉTODOS MATEMÁTICOS Aul Clui Mzz Dis Snr Mr C. Mlt Introução o Conceito e Derivs Noção: Velocie Méi Um utomóvel é irigio trvés e um estr cie A pr cie B. A istânci s percorri pelo crro epene o tempo gsto

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO

PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO REVITALIZAÇÃO NAVEGAÇÃO COMPETITIVA NO NO MÉDIO CURSO IRRIGAÇÃO COM TECNOLOGIA MODERNA INTEGRAÇÃO DO DO SÃO SÃO FRANCISCO COM RIOS INTERMITENTES REFORÇO HÍDRICO

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO HORÁRIO E ULS 2º SEMESTRE E 2016 1.º PERÍOO ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN 101 INTROUÇÃO À FILOSOFI: ÉTI FIL

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402 HORÁRIO E ULS 1º SEMESTRE E 2015 1.º PERÍOO TURMS e : SL 1401 TURMS e : SL 1402 ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial Capítulo 8 Educador: Franco Augusto EUA: Processo histórico Colônia de povoamento (Reino Unido, em especial a Inglaterra) A ocupação da costa do Atlântico foi baseada

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRDO EM EMPRESRIL CLIENTE UFPE - QUDRNTE D ESTUDO NÁLISE DE RISCO Emitido em: 28/06/2013 SUMÁRIO 1. LISTGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLSSIFICÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICÇÃO FTORES

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

Retomada dos conceitos

Retomada dos conceitos etom os conceitos rofessor: s resoluções estes exercícios estão isponíveis no lno e uls este móulo. onsulte tmbém o nco e uestões e incentive os lunos usr o imulor e Testes. 1 N esc figur, os egrus istm

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

Lista de Recuperação de Geografia 2013

Lista de Recuperação de Geografia 2013 1 Nome: nº 9ºano Manhã Prof: Francisco Castilho Lista de Recuperação de Geografia 2013 Conteúdo da recuperação: Europa: industrialização e agropecuária, economia dos países europeues, Ásia: divisão regional,

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Disciplina: Língua Portuguesa Nome da professora: Cleidil do C. G. A. Peixoto tipos de substantivos adjetivos e locuções adjetivas. tempos e modos verbais pontuação tipos de pronomes. uso do porquê artigos

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA OWAlifetime OWAconsult Resistênci o fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA 2 As norms europeis As Norms Europeis Hrmonizs sobre o Fogo são um conjunto e norms que form ceits por toos os píses Comunie Econômic

Leia mais

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic Portuguese Lesson 1 Welcome to Lesson 1 of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Matemática. 2 log 2 + log 3 + log 5 log 5 ( ) 10 2 log 2 + log 3 + log. 10 log. 2 log 2 + log 3 + log 10 log 2 log 10 log 2.

Matemática. 2 log 2 + log 3 + log 5 log 5 ( ) 10 2 log 2 + log 3 + log. 10 log. 2 log 2 + log 3 + log 10 log 2 log 10 log 2. Mtemátic Aotno-se os vlores log = 0,30 e log 3 = 0,48, riz equção x = 60 vle proximmente: ), b),8 c) 4 ),4 e),67 x = 60 log x = log 60 x. log = log (. 3. ) x = x = log + log 3 + log log 0 log + log 3 +

Leia mais

GEOGRAFIA 11ª QUESTÃO

GEOGRAFIA 11ª QUESTÃO GOGRFI 11ª QUSTÃO Os pontos e, indicados na figura abaixo, são de grande importância para o escoamento da produção econômica de países como a ulgária, Romênia, Ucrânia e mesmo para a Rússia, no inverno,

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português

Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Cigana Às vezes uma história não tem fim Às vezes acho que nós poderíamos ser apenas amigos Porque eu sou

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own All I can ever be to you, is a darkness that we knew And this regret I got accustomed to Once it was so right When we were at our high, Waiting for you in the hotel

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO DE ARAUCÁRIA 06 smed@rucri.pr.gov.br 1 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Municipl de Educção CME de Arucári, crido nos termos d Lei Municipl nº 1.527/04, de 02 de novembro de 04, é o órgão

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11 RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 9// PROFESSORES: CARIBE E MANUEL O slário bruto mensl de um vendedor é constituído de um prte fi igul R$., mis um comissão de % sobre o

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

VI.1.1 DIFUSÃO EM FASE LÍQUIDA: 1- SOLUTO NÃO ELETROLÍTICO EM SOLUÇÕES LÍQUIDAS DILUÍDAS: EQUAÇÃO DE Wilke e Chang (1955):

VI.1.1 DIFUSÃO EM FASE LÍQUIDA: 1- SOLUTO NÃO ELETROLÍTICO EM SOLUÇÕES LÍQUIDAS DILUÍDAS: EQUAÇÃO DE Wilke e Chang (1955): VI.. IFUSÃO EM FSE LÍQUI: - SOLUTO NÃO ELETROLÍTICO EM SOLUÇÕES LÍQUIS ILUÍS: EQUÇÃO E Wilke e Chang (955): 0 B B 8 M 7,4 0 T V B IFUSIVIE. O SOLUTO( ) NO SOLVENTE B 0,6 b 0,5 cm 2 s ; T TEMPERTUR O MEIO

Leia mais

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening )

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web Barueri, / / 2009 Trimestre: 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) NOTA: ACTIVITY ONE: Put the verses in order according to what

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

QUESTÃO 01. O lado x do retângulo que se vê na figura, excede em 3cm o lado y. O valor de y, em centímetros é igual a: 01) 1 02) 1,5 03) 2

QUESTÃO 01. O lado x do retângulo que se vê na figura, excede em 3cm o lado y. O valor de y, em centímetros é igual a: 01) 1 02) 1,5 03) 2 PROV ELBORD PR SER PLICD ÀS TURMS DO O NO DO ENSINO MÉDIO DO COLÉGIO NCHIET-B EM MIO DE. ELBORÇÃO: PROFESSORES OCTMR MRQUES E DRINO CRIBÉ. PROFESSOR MRI NTÔNI C. GOUVEI QUESTÃO. O ldo x do retângulo que

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARREIRAS DE AUDITORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL E AUDITORIA-FISCAL DO TRABALHO

CAPÍTULO I DAS CARREIRAS DE AUDITORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL E AUDITORIA-FISCAL DO TRABALHO PROJETO DE LEI Dispõe sobre a remuneração das Carreiras de uditoria da Receita Federal do rasil e uditoria-fiscal do Trabalho, de que trata a Lei n o 10.910, de 15 de julho de 2004; das Carreiras do anco

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência Estratégia de Leitura Elementos de Referência Reference devices ou elementos de referência Ao ler textos sobre qualquer assunto, em qualquer área de conhecimento, todo leitor percebe uma relação de REFERÊNCIA

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA Vestiulndo We Pge www.vestiulndowe.com.r UNIVERSIDDE FEDERL DE JUIZ DE FOR PROV DE IOLOGI- VESTIULR 2007 ERT 01) O esquem ixo ilustr de form sintétic o processo de formção de gmets (meiose) de um indivíduo

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo.

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo. The case of the missing ring Script: part three A transcrição abaixo não é uma cópia fiel do áudio. Apresentadora: Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning English. Série 1 o caso da aliança

Leia mais

Inglês LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Inglês LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES Mtemátic Inglês PROVA DISCURSIVA 2ª SÉRIE ALUNO: 2º Bimestre Inglês Mtemátic Questões Professores: Neydiwn PC Professor: Richrd 01-05 01-05 01-08 DATA: 20/05/16 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES 1. Este cderno

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Trabalho de Compensação de Ausência

Leia mais

O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO... 111

O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO... 111 O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO... 111 O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO: O CASO DE VILAMOURA, ALGARVE, EM PORTUGAL, E S. SEBASTIÃO, COSTA

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

TEMA: Trânsito Portugal Brasil Portugal

TEMA: Trânsito Portugal Brasil Portugal CONGRESSO INTERNACIONAL DOS 150 ANOS DO GRÊMIO LITERÁRIO PORTUGUÊS Universidde Federl do Prá Bibliotec do Grêmio Literário Português 08, 09 e 10 de novembro de 2017 TEMA: Trânsito Portugl Brsil Portugl

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais