Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas"

Transcrição

1 Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Marcos Danella 29/julho/2015

2 Agenda Quem somos Cenários/Diagnósticos de Campo Metodologia Etapa 1 Engajamento do Corpo Diretivo/Gerencial Etapa 2 Realização da Pré Análise de Oportunidades Etapa 3 Realização do Diagnóstico Energético Etapa 4 - Implementação Conclusões

3 Quem somos - Administradores, Engenheiros, 30 anos de atuação em empresas de Distribuição de Energia Elétrica, em diversas áreas: - Operação de Redes de Distribuição - Atendimento, medição, faturamento comercial - Regulamentação comercial e técnica - Gerenciamento de contas de clientes corporativos - Gestão de Programas de Eficiência Energética regulados pela ANEEL - Estruturação de PPP para Iluminação Pública

4 Quem somos - R$ 70 Milhões em Projetos de Eficiência Energética nos Setores Industrial, Comercio, Serviços Públicos

5 Cenários Atual para Empresas de Saneamento Sucessivos aumentos de tarifas de energia elétrica, que já ultrapassam os 40%, trouxeram impactos significativos nos custos operacionais das Empresas A escassez de fontes de água sinaliza para a necessidade de melhoria da eficiência energética e operacional A falta de investimentos em tecnologia e desenvolvimento de métodos mais eficientes de apoio a gestão tem gerado dificuldades para decisões em tempo real e estagnação de desempenho e produtividade

6 Metodologia Construída em etapas, para tornar mais fácil e menor custo a viabilização de um projeto de eficiência energética, operacional e redução de perdas. Apresenta procedimentos, dicas, dificuldades encontradas, cuidados a serem observados, quais os usos de energia devem ser estudados e como avaliar as viabilidades técnica, energética, regulatória e econômica. Baseada em experiência (15 anos) na gestão de Programas de Eficiência Energética em concessionárias de energia para empresas públicas e privadas.

7 Metodologia Engajamento da Direção e Administradores Públicos Pré-Diagnóstico de Oportunidades Ações de Conscientização dos Funcionários Diagnóstico Energético Implementação Medições

8 Etapa 1 Engajamento da Direção e Administradores Públicos Pré-Diagnóstico de Oportunidades Ações de Conscientização dos Funcionários Diagnóstico Energético Implementação Medições

9 Etapa 1 Engajamento do Corpo Diretivo É muito importante e relevante que a Direção coloque em prática as seguintes ações: Dê total apoio as necessidades e decisões dos trabalhos a serem realizados, incluindo o envolvimento e compromisso público com os funcionários; Apoie a realização de programas de treinamentos para os usuários; Busque fontes de financiamento ou mecanismos que permitam a realização de diagnósticos e implantação das medidas propostas; Formalize compromisso de continuidade na implementação de propostas viáveis, considerando critérios previamente acordados.

10 Etapa 1 Ações Imediatas Indicação de 2 (dois) funcionários para treinamento: Curso de 3 meses com acompanhamento da ARES-PCJ/ Público: Engenheiro e Técnico por Formação ou por Prática Três turmas, conforme divisão entregue com pastas: Americana, Campinas e Rio Claro Disponibilização de Central de Suporte: fone Desenvolvimento da Etapa 2 Pré-Diagnóstico de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas: Formação de Multiplicadores para entender como contratar energia elétrica, formatar indicadores operacionais e de perda, como formatar um Pré-Diagnóstico para tomada de decisão

11 Etapa 2 Engajamento da Direção e Administradores Públicos Pré-Diagnóstico de Oportunidades Ações de Conscientização dos Funcionários Diagnóstico Energético Implementação Medições

12 Etapa 2 Realização do Pré-Diagnóstico de Oportunidades de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Realidade: Administradores não têm recursos e tempo para contratação de empresas especializadas em avaliar o potencial de eficiência energética. Entretanto: Avanços dos sistemas de medição, universalização do conhecimento técnico e Uso de ferramentas computacionais de fácil domínio (excel) Permitem que um levantamento prévio de oportunidades possa ser efetuado de forma fácil e prática, por seu próprio pessoal, treinado e acompanhado durante 3 meses!

13 Etapa 2 Realização do Pré-Diagnóstico de Oportunidades de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas O que se deve levantar? 1. Dados das áreas avaliadas (tamanho, produção) 2. Gastos com energia elétrica (composição e históricos de consumo de cada insumo nos últimos 12 meses, pelo menos) 3. Composição da potência elétrica instalada, classificada em motores elétricos, bombas, iluminação e outros usos 4. Avaliação de indicadores operacionais e de perdas 5. Comparação com equipamentos mais eficientes e formulação de ações para melhoria de eficiência operacional e redução de perdas 6. Determinar os potenciais estimados de economia em energia e R$ 7. Calcular e determinar os investimentos (R$) e tempo de retorno simplificado (meses).

14 Formulários para levantamento de campo MÊS DEMANDA ATIVA (kw) DEMANDA CONTRATADA kw HORÁRIO FORA DE PONTA ULTRAPASSAGE M (kw) ENERGIA ATIVA (kwh) 3. CONTAS DE ENERGIA ELÉTRICA (12 MESES) ANÁLISE ENERGÉTICA HORÁRIO DE PONTA ENERGIA REATIVA (kwh) DEMANDA ATIVA (kw) DEMANDA CONTRATADA kw ULTRAPASSAGE M (kw) ENERGIA ATIVA (kwh) ENERG REATIV (kwh SOMAS MÊS ANÁLISE FINANCEIRA HORÁRIO FORA DE PONTA HORÁRIO DE PONTA DEMANDA ATIVA DEMANDA CONTRATADA ULTRAPASS AGEM ENERGIA ATIVA ENERGIA REATIVA DEMANDA ATIVA DEMANDA CONTRATADA ULTRAPASS AGEM ENERGIA ATIVA ENERG REATIV 5.854, , ,18 373, ,93 0, ,79 0,00

15 Formulários para levantamento de campo 4.3 MOTORES ELÉTRICOS Local Analisado Tempo de Uso Área/Poço Detalhe Marca Ano Tipo HP (*) Ultima manut Qtde kw/unid Horas/Dia Dias/Mês Poço 1 - Captação Bomba 1 WEG 1990 abr/15 Poço 1 - Captação Bomba 2 sem registro Poço 1 - Captação Bomba 3 Poço 1 - Recalque Bomba 1 Poço 1 - Recalque Bomba 2 MOTORES ELÉTRICOS - CÁLCULO DE GANHOS DE ENERGIA Atual Proposto Ganho kw kwh/mês Tipo Qtde kw/unid kw kwh/mês kw kwh/mês 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 0,0

16 Formulários para levantamento de campo USO FINAL/ATIVIDADE: AÇÃO: INVESTIMENTO TOTAL R$ ECONOMIA MENSAL R$ TEMPO DE RETORNO (meses) Tarifa Utilizada R$/kWh MOTORES ELÉTRICOS - INVESTIMENTO E RETORNO Investimento Economia Retorno R$/unid R$ R$/mês Meses 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 0,00 0,00 #DIV/0! 7. - DEMONSTRATIVO SIMPLIFICADO DE INVESTIMENTOS E RETORNO

17 Etapa 2 Resultado Esperado: RELATÓRIO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO DE OPORTUNIDADES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, OPERACIONAL E REDUÇÃO DE PERDAS 1. Introdução 2. Caracterização da Empresa e do Sistema Existente 3. Histórico de 12 meses de energia elétrica (kw, kwh e R$ 4. Levantamento preliminar das principais cargas elétricas por áreas, dos indicadores operacionais e de perdas de água tratada 5. Identificação dos principais potenciais de eficiência 6. Demonstrativo de investimentos e retorno previsto 7. Conclusão

18 Etapa 3 Engajamento da Direção e Administradores Públicos Pré-Diagnóstico de Oportunidades Ações de Conscientização dos Funcionários Diagnóstico Energético Implementação Medições

19 Etapa 3 Realização do Diagnóstico Energético Diagnóstico Energético: Conhecer detalhadamente as áreas priorizadas, identificar principais problemas com relação ao uso racional da energia, determinar soluções que, econômica e tecnicamente, melhor se aplicam. Normalmente este trabalho é desenvolvido por empresas de engenharia especializadas Procedimentos já realizados na fase de Pré-Diagnóstico são executados novamente de forma mais detalhada, com medições prolongadas (7 dias ou mais) e análises energéticas e financeiras mais abrangentes.

20 Etapa 3 Realização do Diagnóstico Energético O Relatório de Diagnóstico Energético: Contem informações estruturadas e padronizadas Garante os resultados das oportunidades de eficiência energética, se implementadas de forma correta Garante aos investidores/financiadores que as implementações darão resultados que vão ser usados para pagar os investimentos.

21 Etapa 3 Resultado Esperado: RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO E REDUÇÃO DE PERDAS 1. Introdução 2. Caracterização da Empresa e do Sistema Existente 3. Histórico de 12 meses de energia elétrica (kw, kwh e R$ 4. Levantamento detalhado das cargas elétricas por áreas, dos indicadores operacionais e de perdas de água tratada 5. Identificação dos principais potenciais de eficiência 6. Plano de Medição e Verificação PMV 7. Demonstrativo de investimentos e retorno previsto 8. Resumo Gerencial 9. Conclusão

22 Etapa 4 Engajamento da Direção e Administradores Públicos Pré-Diagnóstico de Oportunidades Ações de Conscientização dos Funcionários Diagnóstico Energético Implementação Medições

23 Etapa 4 Implementação E o Recurso Financeiro? Realidade: Não faltam recursos Faltam BONS projetos É preciso saber PEDIR!

24 Etapa 4 Implementação Serviços Envolvidos: Diagnóstico Energético Especificação Técnica de como deve ser contratado e executado Acompanhamento Técnico da Implementação e Monitoramento de Resultados Plano de Medição e Verificação - PMV, com medições antes e após a implementação das medidas - aferir os resultados planejado Materiais e Equipamentos Mão de Obra de Execução

25 Conclusão Metodologia permiti que os Administradores das Empresas possam desenvolver de forma simples um Pré-Diagnóstico de Oportunidades de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas, a ser utilizado para a tomada de decisões de investimentos. Inovação nessa Metodologia: Os próprios empregados possam ser treinados e preparados para a realização do Pré-Diagnóstico Uso de modelos de planilhas, ofícios, especificações técnicas já desenvolvidos, utilizados e aceitos como fontes confiáveis A possibilidade de financiamentos externos, com base nos Relatórios realizados.

26 Obrigado! Marcos Danella Vivo

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento 2 EDP no Mundo EDP no mundo Video 14 países 11.992 colaboradores Geração: 25.223 MW Canada Estados Unidos Reino Unido Bélgica

Leia mais

Motores Elétricos. Medição e Verificação de Performance. Mário Ramos

Motores Elétricos. Medição e Verificação de Performance. Mário Ramos Motores Elétricos Medição e Verificação de Performance Mário Ramos INTRODUÇÃO A eficiência energética é um conjunto de políticas e ações que tem por objetivo a redução dos custos da energia efetivamente

Leia mais

I WORKSHOP CHAMADA PÚBLICA

I WORKSHOP CHAMADA PÚBLICA I WORKSHOP CHAMADA PÚBLICA SUMÁRIO Programa de Eficiência Energética PEE PEE CEMIG Projetos em Hospitais Chamada Pública de Projetos - CPP Tipos de Investimento Etapas da CPP Portal Eficiência Energética

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL NO SAEMAS SERTÃOZINHO (SP) COM RECURSOS DO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CPFL

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL NO SAEMAS SERTÃOZINHO (SP) COM RECURSOS DO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CPFL PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL NO SAEMAS SERTÃOZINHO (SP) COM RECURSOS DO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CPFL Antonio José Rodrigues Diretor Administrativo 29/julho/2015 NOSSA HISTÓRIA

Leia mais

FENERGIA

FENERGIA FENERGIA 2016 28.11.2016 Eficiência Energética: Cenários e Oportunidades CENÁRIO DE ENERGIA - MUNDO Mudança na demanda de Energia: atual - 2035 Insights» 21 % do consumo mundial atual = China» Crescimento

Leia mais

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia CENTRO SEBRAE DE SUSTENTABILIDADE MISSÃO Gerir e disseminar conhecimentos, soluções xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Utilização da energia solar na atividade agropecuária

Utilização da energia solar na atividade agropecuária Utilização da energia solar na atividade agropecuária Me. Luis Fernando Miyazaki Namba¹ Engenheiro Eletricista pelo Instituto Federal de Goiás, Engenheiro de Segurança do Trabalho pela Faculdade Araguaia

Leia mais

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Programa de Eficiência Energética Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Objetivos: Contribuir para a eficientização de todos os sistemas da Cagece e redução das despesas com energia. Conscientizar

Leia mais

Correção do Fator de Potência dos Consumidores Comerciais

Correção do Fator de Potência dos Consumidores Comerciais e Pro je to s Conselho de Consumidores da Coelce Projeto Especial Correção do Fator de Potência dos Consumidores Comerciais Fortaleza, 9 de outubro de 2000 Preparado por Consultoria e Projetos Elétricos

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética Programa de Eficiência Energética ETAPAS CARGA HORÁRIA OBJETIVOS SENSIBILIZAÇÃO 3 h Sensibilizar quanto ao uso e consumo de Energia Apresentar o programa(benefícios, etapas, custos, relatórios, depoimentos,

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA

PROGRAMA DE MELHORIA Sistema de Abastecimento de Água (SAA) PROGRAMA DE MELHORIA - do planejamento à aplicação real - Engª Priscila Faria CREA-RJ 2006129552 Agosto 2012 Quem Somos? Atendimento a 6.2 milhões de habitantes Planejamento

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gustavo Nogueira Salume Luiz Carlos de Souza Efficientia S.A. Efficientia S.A. gustavo.salume@efficientia.com.br

Leia mais

Tarifa de Energia Elétrica

Tarifa de Energia Elétrica Tarifação - GTD : Tarifa de Energia Elétrica A tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia; R$/kWh; Preço da energia elétrica: formado pelos custos incorridos desde a geração até a sua disponibilização

Leia mais

Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública. Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013

Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública. Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013 Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013 1 InovaFocus Criada em 2008 Áreas de atuação Centros de Operação e Controle Contact Center e Callcenters

Leia mais

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO AESBE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS ESTADUAIS DE SANEAMENTO SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO Tipologias de projeto Rio de Janeiro Março / 2013 Airton S. Gomes - Consultor

Leia mais

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto. Versão 1.1 01/10/2013 Página: 1 de 9 Código do Documento RH-P0XX Política Institucional de Eficiência Autor Aprovação - Operações Karen Ribeiro Operações Gerente Planejamento Adm Aprovação - Jurídico Raimundo

Leia mais

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Gerenciamento de Energia Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas de tarifario Brasileiro: Conceitos Dois modelos de tarifação: Convencional e Horo-Sazonal. Clientes do Grupo

Leia mais

A energia elétrica alternada não pode ser armazenada

A energia elétrica alternada não pode ser armazenada FUNDAMENTOS BÁSICOS A energia elétrica alternada não pode ser armazenada Necessidade de gerar, transmitir, distribuir e suprir a energia elétrica de forma praticamente instantânea Geração no Brasil: essencialmente

Leia mais

Eficiência Energética Cocelpa

Eficiência Energética Cocelpa Eficiência Energética Cocelpa 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Cocelpa Ramo de atividade: Papel e Celulose Localização: Araucária / PR Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda Contratada:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: BANCOS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Modelos de Negócio para Eficiência Energética Iluminação Pública. World Bank Conference Junho de 2016

Modelos de Negócio para Eficiência Energética Iluminação Pública. World Bank Conference Junho de 2016 Modelos de Negócio para Eficiência Energética Iluminação Pública World Bank Conference Junho de 2016 Agenda 1. Exemplo de Projeto de PPP: O caso indiano 2 Departamento de Assessoria em PPPs - IFC Brasil

Leia mais

Iluminação Pública no Brasil

Iluminação Pública no Brasil i l u m i n a ç ã o u r b a n a Iluminação Pública no Brasil Por Marcos Antonio Danella Um quadro da atual situação Este artigo relata as ações e resultados dos projetos de eficiência energética realizados

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS

GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS Alexandre Saron Engenheiro Químico da Cia de Saneamento Básico do Estado de São

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp. SENAI/SC 3 de outubro de 2014

Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp. SENAI/SC 3 de outubro de 2014 Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp SENAI/SC 3 de outubro de 2014 A Sabesp em números Os Números da Sabesp 364 municípios, quase 60% da população urbana de São Paulo Os Números da Sabesp

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

Smart Grid. Redes de Computadores I. Alunos: Gabriel Pelielo Rafael Accácio Rodrigo Moysés. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Smart Grid. Redes de Computadores I. Alunos: Gabriel Pelielo Rafael Accácio Rodrigo Moysés. Universidade Federal do Rio de Janeiro Smart Grid Redes de Computadores I Alunos: Gabriel Pelielo Rafael Accácio Rodrigo Moysés Universidade Federal do Rio de Janeiro 13 de Julho, 2016 Motivação Demanda por energia cresce muito rápido em todo

Leia mais

Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade

Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade Serviços de Água e Esgoto de Joinville Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade 1º ENARMIS 12 e 13 de novembro de 2015 Florianópolis -SC Sobre

Leia mais

GESTÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS MADEIREIRAS José Ângelo Cagnon [1] Ivaldo de Domenico Valarelli [2] Ricardo Martini Rodrigues [3}

GESTÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS MADEIREIRAS José Ângelo Cagnon [1] Ivaldo de Domenico Valarelli [2] Ricardo Martini Rodrigues [3} GESTÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS MADEIREIRAS José Ângelo Cagnon [1] Ivaldo de Domenico Valarelli [2] Ricardo Martini Rodrigues [3} Departamento de Engenharia Elétrica Faculdade de Engenharia de Bauru Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE INVESTIMENTOS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE INVESTIMENTOS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE INVESTIMENTOS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Prof Panesi São Paulo 2017 Sumário INTRODUÇÃO... 1 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO... 3 1) Tempo de Retorno (Tr ) ou Payback... 3 2) Taxa interna de retorno

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO São Cristóvão-SE Janeiro de 217 Painel n. 1/217/UFS 2 Ministério da Educação Universidade Federal de Sergipe Reitor Prof. Dr. Ângelo Roberto

Leia mais

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação

Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social. Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias: Infraestrutura Social Karla Bertocco Trindade Subsecretaria de Parcerias e Inovação Nova Fronteira das Parcerias Parcerias entre Setor Público e Iniciativa Privada - Ferramenta

Leia mais

Governança de TI. O que realmente importa? Clayton Soares

Governança de TI. O que realmente importa? Clayton Soares Governança de TI O que realmente importa? Clayton Soares clayton@clayton.pro.br Curriculo Acadêmico Profissional Cursos e Certificações Agenda Afinal, o que realmente importa? Qual o papel da TI nessa

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial São Paulo - SP 23/10/2012 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 2 - MOTIVAÇÃO TÉCNICA 3 PROCEL INDÚSTRIA 4 - CONCLUSÕES 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

Gerenciamento de Incidente

Gerenciamento de Incidente Gerenciamento de Incidente Neste módulo, iremos apresentar o Processo de Gerenciamento de Incidente, mostrando como pode ser tratado as requisições dos usuários Durante este módulo iremos: Apresentar o

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017 PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan Junho/2017 PLANSAB Metas de universalização: Água : 100% em 2023 Esgoto: 92% em 2033 Perdas: 31% em

Leia mais

AUDITORIA DE DESEMPENHO NAS INDÚSTRIAS EXTRATIVAS

AUDITORIA DE DESEMPENHO NAS INDÚSTRIAS EXTRATIVAS AUDITORIA DE DESEMPENHO NAS INDÚSTRIAS EXTRATIVAS Maridel Piloto de Noronha Diretora de Suporte à Auditoria Tribunal de Contas da União maridelpn@tcu.gov.br Auditoria de desempenho no TCU Contexto histórico

Leia mais

Quem somos e no que acreditamos

Quem somos e no que acreditamos Quem somos Quem somos e no que acreditamos NOSSA ATUAÇÃO Somos uma empresa que propõe soluções em projetos e construções de edificações a partir de diretrizes de eficiência energética e sustentabilidade.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA AUDITORIA ENERGÉTICA SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON CARLOS

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica- ANEEL Resolução n.º 414/2010

Agência Nacional de Energia Elétrica- ANEEL Resolução n.º 414/2010 Agência Nacional de Energia Elétrica- ANEEL Resolução n.º 414/2010 Até a Resolução Normativa n.º 414/2010, o Serviço de Iluminação Pública, em geral, era prestado pelas concessionárias distribuidoras de

Leia mais

Lumina. 3º ENCONTRO TÉCNICO SOBRE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Capacitação da Equipe da Prefeitura. Clara Ramalho Bauru, 19 de março de 2014

Lumina. 3º ENCONTRO TÉCNICO SOBRE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Capacitação da Equipe da Prefeitura. Clara Ramalho Bauru, 19 de março de 2014 3º ENCONTRO TÉCNICO SOBRE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Capacitação da Equipe da Prefeitura Clara Ramalho Bauru, 19 de março de 2014 Apresentação Clara Ramalho: Engenheira Eletricista, pós graduada em Uso Racional

Leia mais

CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA

CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA Versão 2.0 Dirreitos Reservados PROCOBRE 2009 INTRODUÇÃO O custo da energia elétrica é um fator importante na economia de uma familia, comércio e indústria.

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS

TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS 16 TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES):

Leia mais

Implantando Pontos de Função com PSM

Implantando Pontos de Função com PSM Implantando Pontos de Função com PSM Diana Baklizky & Cecília Techy diana@metricas.com.br cecilia@metricas.com.br ti MÉTRICAS R. Domingos de Morais, 2243/36 São Paulo, SP Brasil www.metricas.com.br 1 Agenda

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

Energia solar fotovoltaica:

Energia solar fotovoltaica: Energia solar fotovoltaica: Uma solução para o setor energético brasileiro Raphael Duque Objetivos 1. Desafios do Setor de Energia Elétrica Brasileiro; 2. Uma Solução para o Setor Elétrico Brasileiro;

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA REGIÃO DO VALE ARARANGUÁ. Jorge Luiz Angeloni¹ 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA REGIÃO DO VALE ARARANGUÁ. Jorge Luiz Angeloni¹ 1 (Coordenador da Ação de Extensão) EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA REGIÃO DO VALE ARARANGUÁ Área Temática: Educação Jorge Luiz Angeloni¹ 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Jorge Luiz Angeloni Emerson Silveira Serafim² Lucas

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS Campinas, 09 de Dezembro de 2015 Sumário 1 - Procel Sanear - Atividades Principais 2 - Procel Sanear Rede LENHS 3 Curso

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA A IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS DE USO RACIONAL DE ENERGIA EM INSTITUTOS FEDERAIS

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA A IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS DE USO RACIONAL DE ENERGIA EM INSTITUTOS FEDERAIS 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA A IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS DE USO RACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 817187-4 UNIDADE: PRÉDIO ANEXO PERÍODO:

Leia mais

Programa de Eficiência Energética PEE Light ANEEL

Programa de Eficiência Energética PEE Light ANEEL Programa de Eficiência Energética PEE Light ANEEL Rio de Janeiro, 29 de março de 2015 Antônio Raad LIGHT EM NÚMEROS 1 IBGE (2010) Área de Concessão Estado RJ % População 1 11 MM 16 MM 68% Área¹ 11 mil

Leia mais

Mirredes e Sistemas Híbridos com Energias Renováveis na Eletrificação Rural Ações Celpa. Maio/2011

Mirredes e Sistemas Híbridos com Energias Renováveis na Eletrificação Rural Ações Celpa. Maio/2011 Mirredes e Sistemas Híbridos com Energias Renováveis na Eletrificação Rural Ações Celpa Maio/2011 FRE na Eletrificação Rural Ações Celpa APLICAÇÃO CELPA Consumidores isolados onde o atendimento convencional

Leia mais

Análise de Ponto de Função APF. Aula 02

Análise de Ponto de Função APF. Aula 02 Análise de Ponto de Função APF Aula 02 Agenda Parte 01 Introdução a Métricas de Software Parte 02 A Técnica de APF O que é APF? Objetivos Benefícios Conceitos Básicos Visão Geral dos Procedimentos de Contagem

Leia mais

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade Fórum de Eficiência Energética Agenda Conceito de Esco; Conceito de Contrato de Performance; Potencial Nacional da Indústria

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro e o Programa de Eficiência Energética

Setor Elétrico Brasileiro e o Programa de Eficiência Energética 1 Setor Elétrico Brasileiro e o Programa de Eficiência Energética Setor Elétrico Brasileiro SISTEMA HIDROTÉRMICO Térmicas são complementares às hidrelétricas, baixo custo de transmissão por estarem mais

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE PERFORMANCE - MIP

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE PERFORMANCE - MIP XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Marcelo Costa de Moraes marcelo.costa@energisa.com.br Davir Castro dos Santos davir.santos@energisa.com.br

Leia mais

PIMS da COMPESA. João M. M. da Silva, MSc. Apresentado por. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC.

PIMS da COMPESA. João M. M. da Silva, MSc. Apresentado por. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC. PIMS da COMPESA Apresentado por João M. M. da Silva, MSc Roteiro Sobre a COMPESA Problemas e Desafios Solução Resultados e Benefícios Planos para o Futuro 2 Sobre a COMPESA Companhia Pernambucana de Saneamento

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach Conceito de Biogás É o gás obtido a partir da fermentação anaeróbica de material orgânico: resíduos

Leia mais

REDE BÁSICA DO METRÔ DE SÃO PAULO

REDE BÁSICA DO METRÔ DE SÃO PAULO 10 º SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO CONSERVAÇÃO DE ENERGIA UTILIZAÇÃO DE BENEFÍCIOS LEGAIS COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ APRESENTADORES: DAVID TURBUK MASSARU SAITO REDE

Leia mais

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 ACIJS Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Evolução da tarifa de energia elétrica Fonte: Aneel Tarifa de Energia; IBGE

Leia mais

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015 Agenda: 28/09/2015 8:30 as 9:00 h Recepção dos participantes 9:00 as 11:00 h Eixo: Capacitação e Desenvolvimento 11:00 as 11:30 h Análise de Indicadores

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

Eficiência Energética em Sistemas Motrizes A Experiência da Eletrobrás no Âmbito do PROCEL

Eficiência Energética em Sistemas Motrizes A Experiência da Eletrobrás no Âmbito do PROCEL Eficiência Energética em Sistemas Motrizes A Experiência da no Âmbito do PROCEL São Paulo SP 22/07/2009 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 2 - MOTIVAÇÃO TÉCNICA 3 - PROCEL INDÚSTRIA 4 - RESULTADOS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Samarone Ruas 1 Introdução O aumento dos preços da energia, a consciência ambiental e o número crescente de regulamentações, têm levado as pessoas do mundo da indústria a cada vez

Leia mais

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Agenda 1. A Supervisão do SFN e a importância da Governança Corporativa 2. Prevenção

Leia mais

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone Escola SENAI Comendador Santoro Mirone NÚCLEO DE ENERGIA & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 16 ÁREAS INDUSTRIAIS 22 NÚCLEOS DE TECNOLOGIA ALIMENTOS & BEBIDAS ENERGIA AUTOMAÇÃO & ELETRÔNICA CERÂMICA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA DA CETREL - UMA EXPERIÊNCIA VITORIOSA

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA DA CETREL - UMA EXPERIÊNCIA VITORIOSA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA DA CETREL - UMA EXPERIÊNCIA VITORIOSA Manoel Reis Neiva Engenheiro Civil pela Universidade Federal da Bahia em 1977. Engenheiro Sanitarista e Ambiental pelo International

Leia mais

Tópicos de Hoje. Tributos. Nova Estrutura Tarifária no Brasil. Cálculo do Tempo de Retorno de Investimento

Tópicos de Hoje. Tributos. Nova Estrutura Tarifária no Brasil. Cálculo do Tempo de Retorno de Investimento Tópicos de Hoje Tributos Nova Estrutura Tarifária no Brasil Cálculo do Tempo de Retorno de Investimento 1 Tributos Tributos federais: Programa de Integração Social (PIS) / Contribuição para o Financiamento

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

A Copel Atua em 10 estados

A Copel Atua em 10 estados Copel Distribuição A Copel Atua em 10 estados Copel Holding Copel Geração e Transmissão Copel Renováveis Copel Distribuição Copel Telecomunicações Distribuição 4º maior distribuidora de energia do Brasil

Leia mais

PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras

PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras Carlos Alberto C. Mattar Assessor SRD/ANEEL Rio de Janeiro - RJ 12 de agosto de 2008 1 de 16 Índice Motivações para edição de um módulo específico

Leia mais

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão SOBRE A EQUIPE A equipe da I9Gestão é formada por consultores experientes, altamente qualificados e apaixonados pelo que fazem. SOBRE A I9Gestão A I9Gestão Consultoria & Treinamento é especializada na

Leia mais

METODOLOGIA PARA EFICIENCIA ENERGETICA EM EDIFÍCIOS COM MÉDIA DE 20 ANDARES E 30 ANOS

METODOLOGIA PARA EFICIENCIA ENERGETICA EM EDIFÍCIOS COM MÉDIA DE 20 ANDARES E 30 ANOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA JOÃO PAULO FUMAGALLI METODOLOGIA PARA EFICIENCIA ENERGETICA EM EDIFÍCIOS COM MÉDIA DE 20 ANDARES E 30 ANOS TRABALHO

Leia mais

DADOS DO PEE 2013 CERIS BR e Residencial Refrigeradores, Padrão de Entrada e FLC.

DADOS DO PEE 2013 CERIS BR e Residencial Refrigeradores, Padrão de Entrada e FLC. DADOS DO PEE 2013 CERIS BR e Residencial Refrigeradores, Padrão de Entrada e FLC. Objetivos do Projeto: Promover a eficientização no segmento residencial baixa renda e residencial através da doação de

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS Buenos Aires, 13 de Novembro de 2013 Sumário 1 - Procel Sanear - Atividades Principais 2 - Procel Sanear

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br RECAPITULANDO A MATÉRIA Conceito de energia e eficiência energética; Lei da dissipação da energia; Potência e consumo;

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Programa de Eficiência Energética Schaeffler Brasil Ltda. Programa de Eficiência Energética EnEffPro Guilherme Megda Mafra Engº Ambiental Aproximadamente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO

SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA O PLANO DE SANEAMENTO RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍOIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA GOIÁS Respostas aos Questionamentos e Sugestões Nome: Lara

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL 1 PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Criado em 1985 pelo Ministério das Minas e Energia e da Indústria e Comércio Sua função é promover a

Leia mais

Resumo Expandido. Resumo:

Resumo Expandido. Resumo: Resumo Expandido Título da Pesquisa: Adequação do contrato de energia no sistema de abastecimento de água Palavras-chave: Conservação de Energia Elétrica, Eficiência Energética, Contrato de Energia, Demanda.

Leia mais

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição de energia elétrica. Prof. Thereza Aquino

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição de energia elétrica. Prof. Thereza Aquino A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição de energia elétrica Prof. Thereza Aquino Agenda 1. Introdução Contextualização 2. Objetivo 3. Metodologia 4. Caracterização da situação de uma

Leia mais

Dados de Betim. Setores econômicos. Consumo de Energia. Evolução da População

Dados de Betim. Setores econômicos. Consumo de Energia. Evolução da População OS GANHOS ECONÔMICOS E SOCIAS DO USO DE ENERGIA SOLAR EM CONJUNTOS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE BETIM Geraldo Antunes Secretário de Meio Ambiente de Betim Dados de Betim Setores econômicos Localização:

Leia mais

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Trabalho da disciplina PEA 2200

Trabalho da disciplina PEA 2200 Trabalho da disciplina PEA 2200 EQUIPE DE PROFESSORES: ALBERTO BIANCHI TURMAS: 2 E 4 ELIANE FADIGAS TURMAS: 1 E 3 1º semestre de 2014 Título do trabalho Diagnóstico energético, eficiência energética, substituições

Leia mais

ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Setembro de 2013 2 Introdução: A situação do saneamento básico no Brasil A situação

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica na Prática. Projete, Instale, Otimize!

Energia Solar Fotovoltaica na Prática. Projete, Instale, Otimize! TREINAMENTO Energia Solar Fotovoltaica na Prática Projete, Instale, Otimize! PV HANDS ON O desafio: Dimensionar e Instalar um Sistema Fotovoltaico Real. O Que Você Vai Aprender? - Dimensionar o Sistema

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

Objetivos da Exposição

Objetivos da Exposição 1 Objetivos da Exposição Apresentar aos participantes do Fórum o modelo adotado pela Prefeitura Municipal de Caraguatatuba para gestão da Iluminação Pública seus principais desafios. 15 de setembro 2010

Leia mais

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução Normativa

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS ANEXO VI SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SISTEMA RIO MANSO REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS ANEXO VI SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SISTEMA RIO MANSO REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS ANEXO VI SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SISTEMA RIO MANSO REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO JULHO / 2013 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MECANISMO DE PAGAMENTO...

Leia mais

Aumento de produtividade e melhoria dos aspectos ergonômicos em um posto de trabalho : é possível combiná-los?

Aumento de produtividade e melhoria dos aspectos ergonômicos em um posto de trabalho : é possível combiná-los? Aumento de produtividade e melhoria dos aspectos ergonômicos em um posto de trabalho : é possível combiná-los? Maria da Glória Diniz de Almeida (UERJ) mgloria@uerj.br Haroldo de Oliveira Botelho (UERJ)

Leia mais