Universidade Federal de Lavras. Departamento de Administração e Economia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Lavras. Departamento de Administração e Economia"

Transcrição

1 Universidade Federal de Lavras Departamento de Administração e Economia Proposta para criação do Grupo PETI-AP Programa de Educação Tutorial em Administração Pública Edital PRG No. 21/2013 Programa de bolsa institucional de ensino e aprendizagem- submodalidade ensino/educação tutorial - PETI Curso de Bacharelado em Administração Pública modalidade presencial

2 SUMÁRIO 1. DADOS PRELIMINARES JUSTIFICATIVAS Relação entre o Projeto Pedagógico Institucional da UFLA e a proposta de criação do grupo PETI-AP Aproximação de currículos com desenvolvimento científico, cultural, artístico e tecnológico Breve histórico do Departamento de Administração e Economia O curso de graduação em Administração Pública modalidade presencial Relação entre a formação do profissional em Administração Pública e o projeto de criação do PETI-AP Relação entre os cursos de pós-graduação oferecidos no DAE e o projeto de criação do PETI-AP OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos específicos ESTRATÉGIAS DE AÇÃO Definição de Espaço Físico Atividades de Ensino, Pesquisas e Extensão Projeto Piloto de Avaliação do Curso de Administração Pública Modalidade Presencial e Redução da Evasão e Retenção de Discentes Outras Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão Primeiro Ano de Atuação Seleção de Tutor(a) Seleção de Discentes Membros do PETI-AP Planejamento e Organização Acompanhamento e Avaliação das Atividades Resultados Esperados Cronograma de Atividades DIFERENCIAIS DA PROPOSTA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO I

3 1. DADOS PRELIMINARES Título: Proposta para criação do Grupo PETI-AP Programa de Educação Tutorial em Administração Pública Coordenador: Dany Flávio Tonelli (professor DAE-UFLA) Bloco 1 do DAE, SALA 202 TEL: (35) Tipo da Proposta: Programa de Educação Tutorial Institucional - PETI Edital: EDITAL PRG N. 21/2013 Instituição: UFLA - Universidade Federal de Lavras Código da IES e-mec: 592 Início Previsto: 07/2013 Número de vagas pleiteadas para bolsistas: 10 Dados da Pró-Reitoria de Graduação Nome do Órgão: Pró-Reitoria de Graduação Sigla: PRG Nome do(a) Pró-Reitor(a): Profª. Soraya Alvarenga Botelho Telefone: (35) Cursos Escopo de Grupo PET que mais se identifica com a proposta: ( ) Abrangência Institucional ( ) Interdisciplinar ( ) Grande área do conhecimento ( x ) Curso específico 3

4 Caracterização da Proposta Área de Conhecimento: ( ) Ciências Exatas e da Terra ( ) Ciências Biológicas ( ) Engenharias ( ) Ciências da Saúde Ciências Agrárias ( x ) Ciências sociais aplicadas ( ) Ciências Humanas ( ) Linguística, Letras e Arte Temas: Administração Pública Resumo da Proposta A proposta foi elaborada de forma coletiva por professores do curso de Administração Pública modalidade presencial. O objetivo é promover a formação profissional, interdisciplinar, ética e cidadã e desenvolver ações e práticas com alto padrão de qualidade e excelência, baseada na indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, por meio de atividades que favoreçam a construção de consciência social, humanística e crítica. As ações e metodologias propostas pressupõem o protagonismo dos alunos, que ao serem colocados diante de desafios, são estimulados a buscar soluções de forma reflexiva e crítica, o que contribui para que o curso de Administração Pública alcance o que se prevê no seu projeto pedagógico, de formar profissionais autônomos, críticos e hábeis do ponto de vista sociopolítico e técnico, preparados para contribuir ativamente na transformação positiva da sociedade. No projeto são apresentadas estratégias de ação do grupo, as quais envolvem atividades burocráticas (seleção de discentes membros do PET, planejamento e organização) e atividades de ensino, pesquisa e extensão (com o a descrição de diversas ações e práticas previstas, devidamente refletidas e articuladas com os demais objetivos). As formas de controle e avaliação dessas atividades, baseadas nas normas estabelecidas pelo MEC, também são descritas, enfatizando a necessidade dessa etapa para a melhora e manutenção da qualidade nas atividades desenvolvidas. Finalmente, destacam-se quais resultados são esperados e os diferenciais da proposta. Palavras-Chave: Gestão Pública; Protagonismo do Discente; Atividades Orientadas por Problemas Sociais. Informações Relevantes para Avaliação da Proposta: Uma primeira versão dessa proposta concorreu internamente no último edital de seleção dos programas PETs do MEC. Para a construção da primeira versão, houve um trabalho coletivo dos professores vinculados ao curso de administração pública, conforme consta no documento anexado (ANEXO 1). 4

5 2. JUSTIFICATIVAS Nessa parte procura-se fundamentar os pressupostos que justificam, motivam e proporcionam a criação de um grupo PET em Administração pública (PETI-AP), para atender a demandas do curso de Administração Pública modalidade presencial, no Departamento de Administração e Economia (DAE), da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Essa primeira seção estrutura-se em subtópicos, onde se discute a relação entre a criação do PETI-AP com o Projeto Pedagógico da UFLA, com a formação do profissional em Administração Pública e com a estrutura de pós-graduação existente. 2.1 Relação entre o Projeto Pedagógico Institucional da UFLA e a proposta de criação do grupo PETI-AP O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) da Universidade Federal de Lavras (UFLA, 2012) constitui-se num instrumento de orientação das ações educacionais capazes de proporcionar a concretização das metas e objetivos relacionados ao ensino, pesquisa e extensão estabelecidos no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) (UFLA, 2010). São elas: formar e qualificar profissionais, docentes e pesquisadores comprometidos com a ética e cidadania, por meio da oferta de ensino presencial e a distância de alta qualidade na graduação, na pós-graduação lato sensu e na pós-graduação stricto sensu; gerar conhecimento científico e tecnológico de alta qualidade, estimular e viabilizar a formação de grupos de pesquisa voltados para o desenvolvimento sustentável da sociedade, dentro dos padrões éticos estabelecidos pelas leis brasileiras; e,incrementar a relação bidirecional entre universidade e sociedade, com vistas a produzir e difundir o conhecimento científico e tecnológico gerado pela UFLA, no âmbito regional, estadual, nacional e internacional, por meio de publicações e ações extensionistas que promovam o desenvolvimento cultural, socioeconômico e ambiental da sociedade (UFLA, 2010). A UFLA tem preocupação em articular as atividades de ensino, pesquisa e extensão buscando promover a formação cujas atividades curriculares transcendam a tradição das disciplinas. A defesa da prática como parte inerente, integrante e constituinte do questionamento sistemático, crítico e criativo e, da pesquisa como atitude cotidiana, como principio cientifico e educativo, está presente na própria concepção de prática educativa prevista na organização do PDI e, consequentemente no Projeto Pedagógico do curso de Administração Pública. Isto porque, as diretrizes da UFLA, expressas no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), orientam Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e Projeto Pedagógico do Curso (PPC). O projeto para criação do Grupo PET- AP tem a preocupação de estar consoante com as diretrizes da UFLA para que ele possa desempenhar papel relevante na melhoria do processo de formação em nível de graduação do Curso de Administração Pública, através da articulação de atividades de ensino, pesquisa e extensão, atendendo demandas da sociedade acadêmica e não-acadêmica. A proposta de criação do PETI-AP valorizará ações voltadas para beneficiar o aluno do Curso de Administração Pública ao longo da sua formação, bem como ações que promovam aproximação da universidade com a sociedade, criando vinculo entre as partes, adquirindo conhecimento por meio da experiência prática e comprometendo-se com os princípios éticos de formação cidadã. Dentro desta reflexão apresentada, torna-se pertinente, também, ressaltar que qualidade em uma Instituição do ensino Superior (por meio de suas atividades de ensino, pesquisa e extensão) está intimamente ligada a um processo de avaliação e reajuste de natureza sistêmica, que traz a responsabilidade de prestar contas voluntariamente à sociedade das atividades desenvolvidas. Na busca de um ensino superior inovador e sintonizado com as necessidades do país, a UFLA, tem procurado cada vez mais acompanhar este segmento a fim de oferecer uma proposta de trabalho compromissada com a execução de um projeto educacional de qualidade com participação democrática e efetiva de diferentes segmentos sociais. 5

6 Em face disto a UFLA desencadeou, a partir do ano de 2004, o processo de avaliação institucional (por meio de uma Comissão Própria de Avaliação- CPA), não apenas para atender à uma exigência oficial, mas sobretudo por reconhecer a avaliação como subsídio/oportunidade de aperfeiçoamento de sua missão pedagógica e social e também como forma de assegurar a necessária prestação de contas à sociedade. O programa de autoavaliação institucional da UFLA prevê avaliação sistemática permanente, visando, entre outras coisas, ter foco nos processos coletivos, e não na avaliação do indivíduo; utilizar, com o maior grau de integração possível, métodos qualitativos e quantitativos de avaliação e criar uma cultura de avaliação em toda a instituição, focalizada na constante melhoria e renovação de suas atividades; Fornecer à gestão institucional, ao poder público e à sociedade uma análise crítica e contínua da eficiência, eficácia e efetividade acadêmica da universidade. Segundo o mesmo princípio, avaliar significa um contínuo repensar de seus fins e propósitos, é uma espécie de retrato contínuo, sendo importante ferramenta para o planejamento e a gestão universitária. Avaliar pressupõe mudança, sempre no sentido de reconstruir a identidade da universidade e do seu papel junto à sociedade. Nesse contexto, o PETI-AP pode contribuir não apenas como espaço formador da consciência crítica e do saber técnico, mas também produzindo, por meio de ensino-pesquisa-extensão informação valiosa para a avaliação do curso de Administração Pública modalidade presencial. Isso pode se dar por meio de um projeto permanente de avaliação e análise do perfil dos estudantes, dos motivos da evasão ou retenção discente, dos motivos das taxas de reprovação, da relação entre o curso e as necessidades da sociedade, entre outras coisas, contribuindo para a atualização do curso e para a maior congruência entre objetivos realizados e objetivos expressos no projeto pedagógico do curso e projeto pedagógico institucional. A proposta de criação de um grupo do Programa de Educação Tutorial no Curso de Administração Pública busca ampliar a gama de experiência na formação acadêmica e cidadã do discente e se baseia no entendimento de que sua criação será um grande estimulador e fator de avanço na busca dos objetivos do Projeto Pedagógico do curso. A inserção do grupo PETI-AP dentro do curso de Administração Pública, permitirá que a capacidade individual do discente e coletiva (pela percepção da responsabilidade coletiva e do compromisso social), se disseminem para os discentes do curso em geral modificando e ampliando a perspectiva educacional de toda comunidade. Este processo pode promover uma interação dinâmica com o projeto pedagógico do curso Aproximação de currículos com desenvolvimento científico, cultural, artístico e tecnológico A concepção de extensão universitária e de pesquisa da UFLA, é vista como um processo educativo, cultural e científico que articula o ensino à pesquisa e à extensão de forma indissociável, com vistas a viabilizar a relação transformadora entre universidade e sociedade. Cada vez mais a universidade está empenhada em incrementar a relação bidirecional entre universidade e sociedade, com vistas a produzir e difundir o conhecimento científico e tecnológico gerado, no âmbito regional, estadual, nacional e internacional, por meio de publicações e ações que promovam o desenvolvimento cultural, socioeconômico e ambiental da sociedade. A Pró-Reitoria de Extensão e Cultura tem estimulado a incorporação do maior número de docentes, técnico-administrativos e, principalmente, os estudantes nas ações de extensão. As atividades de extensão são diversificadas e envolvem projetos de divulgação de novas tecnologias nas diferentes áreas do conhecimento da UFLA. Os cursos de qualificação profissional são ministrados pelos alunos de graduação, sob a supervisão de um professor, e o cursinho pré-universitário, também ministrado pelos alunos sob a supervisão de técnicos administrativos/docentes é oferecido, gratuitamente, a estudantes oriundos do ensino público. 6

7 Essas atividades possibilitam à UFLA exercer sua contribuição social e, aos alunos, além da flexibilização curricular, a consolidação como cidadãos preocupados com o bem comum. A atuação da extensão está também focada nos núcleos/grupos de estudos. Esses núcleos estão disseminados pelos diferentes departamentos da UFLA e envolvem inúmeras áreas de conhecimento. Eles atuam por meio de reuniões periódicas e também na promoção de vários eventos que possibilitam também a flexibilização curricular e que contribuam para a sua qualificação profissional. As empresas juniores vinculadas à PROEC constituem uma importante vertente de interação Universidade Comunidade. Elas contribuem para a divulgação de novas tecnologias e possibilitam o desenvolvimento de habilidades de empreendedorismo (UFLA, 2010). A Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (INCUBACOOP) é vinculada à Coordenadoria de Desenvolvimento Tecnológico e Social (CODETS) da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura. A Incubadora é apoiada pela PROEC em seus projetos de extensão, que envolvem a incubação de cooperativas populares, assessoria a empreendimentos de economia solidária, a associações e grupos de trabalhadores. Essas atividades possibilitam o exercício de cidadania de toda a comunidade engajada no processo de incubação de empreendimentos de economia solidária, principalmente os estudantes da UFLA que têm a oportunidade de exercerem atividades profissionais em prol da inclusão social e da geração de trabalho e renda. Os docentes da UFLA participam de inúmeras palestras, mesas-redondas e debates em todo o país. A participação dos professores nesses eventos amplia a visibilidade da UFLA e possibilita a divulgação das tecnologias geradas pela universidade. As ações são exercidas pelas inúmeras atividades na comunidade, envolvendo vários setores, com vistas a promover ações transformadoras da sociedade, pela difusão do conhecimento científico e tecnológico no âmbito regional, estadual, nacional e internacional, por meio de publicações e ações extensionistas que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento cultural, socioeconômico e ambiental da sociedade (UFLA, 2010). A UFLA possui também forte envolvimento com a atividade de pesquisa, o que proporciona avanços no conhecimento científico e no desenvolvimento de novas tecnologias e processos em áreas estratégicas para o desenvolvimento do País. As ações e atividades de pesquisa são divulgadas como artigos científicos, conferências, publicações em congressos e boletins técnico-científicos. A UFLA conta atualmente com 65 grupos de pesquisa que desenvolvem em torno de 350 linhas de pesquisa que compõem os projetos isolados e programas especiais. A competência nessa área concretiza-se em razão de um corpo de docentes e de pesquisadores altamente qualificados, envolvidos nas atividades de ciência, tecnologia, inovação e na formação de recursos humanos. Isso pode ser comprovado pela capacidade da instituição em captar recursos junto às agências de fomento para aplicação em ciência, tecnologia e inovação (UFLA, 2012). A UFLA possui vários programas de iniciação científica, instituídos em 1985, dentre eles destacam-se o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq e PIBIC/FAPEMIG, o Programa Institucional Voluntário de Iniciação Científica PIVIC/UFLA, e o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq, que têm como objetivo estimular estudantes do ensino superior ao desenvolvimento e à transferência de novas tecnologias e inovação. Além desses programas, que são voltados aos alunos do ensino superior, a UFLA conta com o Programa de Bolsas de Iniciação Científica Júnior (BIC-Júnior) que atende aos estudantes do ensino médio vinculados às escolas públicas estaduais. A UFLA também investe em inovação tecnológica e proteção ao conhecimento e apoia novos empreendimentos de base tecnológica. O Nintec, Núcleo de Inovação Tecnológica, é o órgão responsável pela gestão dessa política na universidade. A instituição mantém cinco revistas científicas (Ciência e Agrotecnologia, Cerne, Coffee Science, INFOCOMP Journal of Computer Science e Organizações Rurais e 7

8 Agroindustriais), além das séries Textos Acadêmicos, Boletim Técnico e Boletim de Extensão, publicados pela Editora UFLA Breve histórico do Departamento de Administração e Economia O Departamento de Administração e Economia da UFLA esteve presente desde os primeiros momentos em que se configurou uma estrutura departamental da Universidade Federal de Lavras, a qual, na época, ainda era Escola Superior de Agricultura de Lavras (ESAL). No seu início, na década de 1970, a sua denominação era Departamento de Ciências Sociais. Em 1973, entretanto, tornou-se Departamento de Economia Rural, contanto apenas com 5 professores. Nos primeiros anos de existência já apresentava vocação para o ensino, a pesquisa e a extensão, uma vez que ocupou um importante papel como referencial de difusão de métodos e técnicas de contabilidade rural para a região do sul de Minas Gerais. Os primeiros cursos, de graduação em Tecnólogo em Administração Rural, juntamente com o mestrado em Administração Rural foram implantados em No ano de 1980, o Departamento de Economia Rural tornou-se Departamento de Administração e Economia (DAE), motivado pela busca de ampliação de sua missão e espectro de atuação. Em 1994, a ESAL foi transformada em Universidade Federal de Lavras, e desde então, segue no desenvolvimento e expansão contínuos dos serviços prestados à sociedade. A UFLA construiu sua história ao longo do tempo exercendo com eficácia seu papel social no ensino, pesquisa, extensão e na prestação de serviços em áreas estratégicas para toda nação, com ênfase para as ciências agrárias. Desde então o DAE consolidou-se como um importante centro de formação de recursos humanos de grande capacidade técnica, habilidade crítica e visão global, contando com diversos cursos de graduação e de pós-graduação. Atualmente, o DAE mantém os cursos presenciais de graduação em Administração e em Administração Pública (noturno), graduação à distância em Administração Pública, mestrado e doutorado acadêmico em Administração e mestrado profissional em Administração Pública. Os docentes do DAE/UFLA são vinculados a vários grupos de pesquisa, dentre os quais pode-se destacar aqueles registrados no CNPq que têm como instituição principal a UFLA: Administração Pública e Gestão Social; Estrutura, Dinâmica e Gestão de Cadeias Produtivas; Gênero e Diversidade em Movimento; Grupo de Estudos em Redes, Estratégia e Inovação; Laboratório de Estudos Transdisciplinares em Administração; Marketing e Comportamento do Consumidor; Núcleo de Estudos em Organizações, Gestão e Sociedade; e Núcleo de Pesquisa e Apoio à Agricultura Familiar. Nesses grupos, vários docentes desenvolvem projetos ligados à área pública e podem fazer grandes contribuições ao PETI- AP. Além do envolvimento com as atividades de pesquisa ressalta-se também o envolvimento dos docentes com a extensão. Vários professores do DAE possuem projetos de extensão registrados relacionados com a administração pública, sendo muitos destes desenvolvidos em órgãos como secretarias e conselhos municipais. Alguns temas são: inovação tecnológica no campo, educação no transito, diagnóstico e assessoria organizacional, comunicação, educação ambiental, entre outros. Além dos projetos, outras atividades como cursos, palestras, atividades culturais e visita técnica também são realizados com frequência. Um lema histórico da UFLA permanece no DAE, que é o de aliar ciência e prática, na busca de transformação positiva da sociedade por meio da formação humanista, da justiça social, da formação cidadã, com o firme compromisso com a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. O projeto de criação do PETI-AP procura reafirmar essa história por meio da valorização da formação técnica, crítica, global, por meio do foco de atuação voltado para os interesses da sociedade no campo da gestão pública. Entende-se que essa atuação reforce 8

9 a vocação já consolidada do DAE, especialmente nas áreas de desenvolvimento rural, mas também amplie o espectro de contribuição para as diversas áreas das políticas públicas, especialmente aquelas ligadas a dilemas sociais como, por exemplo, os vividos por grupos em condição de vulnerabilidade social e econômica O curso de graduação em Administração Pública modalidade presencial A Câmara de Graduação da UFLA recomendou a criação do curso de graduação em Administração Pública modalidade presencial, na 16ª Reunião do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão (CEPE) em 18 de novembro de O Conselho Universitário da UFLA (CUNI) homologou a criação do curso com a Resolução CUNI Nº 059 em 2 de dezembro de O projeto pedagógico do curso de graduação em Administração Pública modalidade presencial, está sendo elaborado com a participação dos membros integrantes do colegiado do curso e do Núcleo Docente Estruturante (NDE). Os trabalhos da comissão norteiam-se pelas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, RESOLUÇÃO N0 4, DE 13 DE JULHO DE 2005, uma vez que as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Administração Pública encontram-se em fase de homologação (Parecer CNE/CES Nº 266/2010). O Projeto Pedagógico do curso de Bacharelado em Administração Pública é o documento que direciona de forma específica e singular o funcionamento do curso, determinando suas prioridades e estabelecendo estratégias de trabalho. As estratégias e metodologias de trabalho utilizadas contribuem para um ensino de graduação voltado para a construção do conhecimento, pautado por uma estrutura flexível. A flexibilidade é um elemento indispensável à estruturação curricular, de modo a atender tanto às demandas da sociedade moderna quanto àquelas que direcionam a uma dimensão criativa e libertária para existência humana. Neste contexto, a atual flexibilização curricular é condição necessária à efetivação de um projeto de ensino de qualidade. No projeto pedagógico, dois elementos guardam forte sinergia com esse projeto de criação do PETI-AP: a busca da interdisciplinaridade e a busca por integração teoria e prática. No que diz respeito à interdisciplinaridade, ela é entendida como qualquer esforço de combinação entre diferentes disciplinas, tendo em vista a compreensão de um objeto por meio de uma síntese resultante da multiplicidade de perspectivas adotadas. Ela não nega a existência das disciplinas, mas busca conciliar domínios de diferentes áreas de forma complementar e cooperativa, buscando fornecer subsídios na resposta aos desafios da complexidade social. Ela é um processo que envolve a participação dos docentes na reformulação do processo de ensino-aprendizagem, cujo produto final está em permanente construção. No curso de Administração Pública modalidade presencial, a interdisciplinaridade é continuamente buscada em sala de aula e permanentemente discutida fora dela. Entretanto, como o curso ainda é recente, ainda faltam espaços próprios onde se permita aos discentes pensar o contexto da gestão pública, seus desafios e suas possibilidades inter e transdisciplinares. Nesse sentido, o PETI-AP supriria a necessidade de conciliar as disciplinas da estrutura curricular do curso, de diferentes áreas do conhecimento, ministradas por docentes de formação variada, favorecendo a autonomia do aluno na construção de saberes sob múltiplas perspectivas, as quais o levam a pensar de modo flexível e a construir uma síntese que transcende os saberes compartimentados. O segundo elemento elencado como meta no projeto pedagógico é a integração teoria e prática. A articulação entre teoria e prática possibilita que os alunos se envolvam com problemas reais, tomem contato com seus diferentes aspectos e influenciem nas soluções, aplicando conhecimentos teóricos adquiridos ao longo do curso. Nesse processo, o aluno deixa de ser mero receptor de informações para se tornar sujeito da produção de conhecimento. A prática constitui uma das dimensões para a produção de conhecimentos, 9

10 permitindo ao aluno analisar, sob a orientação de princípios teóricos e metodológicos, diferentes objetos de estudo. A inclusão de aspectos práticos no curso de Administração Pública pode ser fortemente beneficiada pela atuação do grupo PETI-AP. Por meio de projetos que coloquem em foco os desafios da gestão pública em diversos campos da atuação dos governos e de entidades de interesse público é possível aproximar a universidade das demandas da sociedade, permitindo a discentes e docentes o desenvolvimento de uma forte noção acerca da necessidade cidadã de enfrentamento desses desafios. As atividades complementares desenvolvidas pelos alunos também permitem a integração entre teoria e prática, principalmente aquelas ligadas à pesquisa e extensão. Muitas dessas atividades possibilitam a interação mais próxima com a realidade do campo de trabalho onde os alunos irão atuar, permitindo maior envolvimento com sua área de atuação e as diferentes atividades nela realizadas. Nesse sentido, como parte dessa proposta de criação do PETI-AP, pretende-se valorizar uma abordagem de ensinoaprendizagem baseada em resolução de problemas, o que possibilita ao estudante utilizar sua experiência teórica e vivencial adquirida no enfrentamento dos problemas e dilemas da sociedade. 2.2 Relação entre a formação do profissional em Administração Pública e o projeto de criação do PETI-AP O projeto pedagógico do curso de Administração pública modalidade presencial da UFLA valoriza um perfil de egresso que atenda a dois conjuntos de habilidades que, segundo Coelho (2008) são indispensáveis. O primeiro é de habilidades técnicas. A administração pública vista como prática de introdução e adaptação de tecnologias de gestão, exigindo conhecimentos e habilidades técnicas relacionadas com planejar, estruturar, liderar e controlar. A aplicação disso no cotidiano profissional é indispensável. Por exemplo, à medida que os municípios desenvolvem novos papéis, funções ou ditames administrativos, sob a forma de regras de financiamento ou de mudanças introduzidas por partidos políticos, movimentos sociais, entre outras coisas, as habilidades gerenciais passam a ser cada vez mais requisitadas. Há, portanto, a necessidade de perceber que diversos atores governamentais e não governamentais se transformam e criam um contexto que exige cada vez maior preparo técnico. O segundo conjunto é de habilidades sociopolíticas. Ele é necessário para o aperfeiçoamento dos mecanismos de democracia, de controle social, de elaboração de políticas públicas, de avaliação da efetividade delas, de prospecção de necessidades sociais, entre outras coisas. Esse segundo conjunto de habilidades é indispensável, pois é ele que molda o diferencial que o profissional de administração pública tem em relação a outros profissionais da administração geral. Para Coelho (2008), a preocupação está no o desafio da universidade de formar profissionais de administração pública que desenvolvam de forma equilibrada e indissociável esses dois conjuntos de habilidades técnica e sociopolítica. Há, entretanto, um problema de contradição: ou se forma um profissional muito hábil do ponto de vista técnico, mas pouco preparado do ponto de vista sociopolítico, ou o contrário. Certamente, um meio para procurar atender ao propósito do projeto pedagógico do curso de Administração Pública modalidade presencial da UFLA está na utilização de espaços de formação complementar, como é o caso do PETI-AP. Por meio da abordagem voltada para a resolução de problemas (problem driven), onde o que define a base de atuação do grupo são os problemas reais da sociedade e não os paradigmas teóricos (DAVIS E MARQUIS, 2005). Assim, se procura conciliar a vivência cotidiana com o arcabouço teórico, proporcionando condições de também conciliar o desenvolvimento de habilidades técnicas simultaneamente e indissociavelmente com as habilidades sociopolíticas, além da visão crítica, as quais são tão necessárias para o futuro gestor público. Isso se dá por meio do aprofundamento da reflexão acerca dos problemas que 10

11 cercam o universo da gestão pública e de sua natureza inter e transdisciplinar, especialmente relacionadas com o desenvolvimento da capacidade de elaboração de políticas públicas efetivas no enfrentamento dos dilemas relacionados com desigualdades sociais, econômicas e regionais. Desta forma, o PETI-AP, promoverá o desenvolvimento de habilidades e resolução de problemas e pensamento crítico entre os participantes, gerando a oportunidade dos estudantes tornarem-se cada vez mais independentes em relação a administração de suas necessidades de aprendizagem. 2.3 Relação entre os cursos de pós-graduação oferecidos no DAE e o projeto de criação do PETI-AP A UFLA, busca, por meio de sua política de ensino, formar e qualificar profissionais, docentes e pesquisadores comprometidos com a ética e cidadania, por meio da oferta de ensino presencial e a distância de alta qualidade na graduação, na pós-graduação lato sensu e na pós-graduação stricto sensu (UFLA, 2010). A graduação não deve restringir-se à perspectiva de uma profissionalização estrita, especializada. Há que propiciar a aquisição de competências de longo prazo, o domínio de métodos analíticos, de múltiplos códigos de linguagens, enfim, uma qualificação intelectual de natureza suficientemente ampla e abstrata para construir, por sua vez, base sólida para a aquisição continua e eficiente de conhecimento específicos (FORGRAD, 2002, p. 196 citado por ENRICONDE E GRILLO, 2006).A pós-graduação, por sua vez, constitui um mecanismo propulsor da institucionalização e consolidação da pesquisa científica nas universidades. Ela cumpre, portanto, uma importante missão social no sentido de formar recursos humanos de alto nível, contribuindo para a solução de problemas econômicos, sociais e tecnológicos do país (GOMES E VILELA, 2003, P. 38). Enquanto a graduação está associada ao aprendizado de um conjunto de conhecimentos e informações e sua aplicação em diversas áreas, a pós-graduação se preocupa com o ensino dos meios pelos quais aquele conjunto de conhecimentos é elaborado e como ocorre sua disseminação e produção. Desta forma, a integração entre graduação e pós-graduação é fundamental. O ensino e a pesquisa de pós-graduação permitem ao docente manter-se atualizado em suas áreas de atuação e aplicar o conhecimento de fronteira não só em sua produção científica, como também no ensino de graduação. Além disso, o contato com docentes que atuam na pós-graduação coloca o discente da graduação em contato próximo com a produção de conhecimento e oferece-lhe a oportunidade de participar efetivamente de atividades de pesquisa. Nesse processo, as atividades de ensino e pesquisa e retroalimentam e se completam na formação acadêmica do discente e nas atividades de ensino e pesquisa do docente. O ensino de graduação, desde de seu início, tem que deixar de ser transmissão e aquisição de conhecimentos e de informações para transformar-se no locus por excelência da construção e produção de conhecimento, onde o discente possa atuar como sujeito da aprendizagem. O discente tem, portanto que aprender a observar a realidade com um olhar atento, fazer questionamentos, utilizar métodos adequados, desconstruir o concreto em suas múltiplas facetas e reconstruí-lo em suas múltiplas determinações. Criação do PETI-AP é um importante espaço para despertar no discente a curiosidade, o gosto pelo fazer científico, oferecendo-lhe o instrumental básico-epistemológico teórico e metodológico (MULS, 2003, p. 73), sobretudo, o contato coma realidade de sua área de saber, de modo a iniciá-lo na pesquisa,e por ela ter paixão, criando condições para sua continuidade e aprofundamento na pós-graduação. Grande parcela das pós-graduações e das atividades de pesquisa no Brasil está concentrada nas universidades públicas, federais e estaduais. Sem dúvida, essa é uma das principais razões pelas quais essas universidades se destacam nos indicadores de qualidade do ensino de graduação. O grande desafio atualmente é alargar a ponte que 11

12 integra graduação e pós-graduação. Nesse sentido, a criação do PETI-AP pode contribuir para aproximação entre o curso de graduação e os cursos de pós-graduação ofertados pelo Departamento de Administração e Economia (mestrado e doutorado em Administração e Mestrado Profissional em Administração Pública). O programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Lavras (PPGA/UFLA) foi criado em 1975, com a oferta do curso de Mestrado em Administração Rural. No ano de 2001, após 26 anos de existência, o programa passou por um profundo processo de reestruturação pedagógica, o que exigiu a redefinição de suas áreas de concentração/linhas de pesquisa. O Mestrado em Administração Rural foi, então, transformado em Mestrado em Administração e foi criado o primeiro Doutorado em Administração ofertado por uma IES localizada fora das capitais brasileiras. Essa mudança provocou a ampliação da visibilidade do programa em âmbito regional e nacional; o aumento da produção intelectual; a ampliação do número de vagas e do processo de captação de recursos por meio de projetos de pesquisa financiados por agências de fomento; a titulação e a inserção de novos doutores em administração que imprimiram uma nova filosofia de trabalho, bem como a melhoria da infraestrutura de pesquisa, ensino e inserção social do programa. O PPGA/UFLA tem como objetivo central formar mestres e doutores que, levando em consideração referenciais teórico-metodológicos inovadores, sejam capazes de: a) resolver problemas técnico-científicos no campo das ciências administrativas; b) desenvolver processos educacionais que promovam o desenvolvimento humano de qualidade e ações pedagógicas inovadoras; c) fundamentar as suas condutas em padrões éticos e socialmente responsáveis. Desde 1983 o PPGA é filiado à Associação Nacional dos Programas de Pós- Graduação e Pesquisa em Administração, a ANPAD. Desde a sua criação, o PPGA tem mantido diversos convênios com universidades estrangeiras e nacionais e o seu corpo docente destaca-se pela produção intelectual. O Curso de Mestrado Profissional em Administração Pública teve início em 2011 e destina-se a portadores de diploma de curso superior que, preferencialmente, exercem ou pretendem exercer atividades gerenciais em instituições públicas ou em instituições sociais de caráter público não estatal. O curso tem por objetivo a qualificação de pessoal de nível superior visando ao exercício de atividades profissionais em Administração Pública. Espera-se, assim, qualificar pesquisadores e servidores públicos federais, estaduais e municipais, além de capacitar profissionais de instituições sociais de caráter público não estatal para atuarem como gestores no âmbito das relações entre Estado e sociedade e profissionalizar o quadro de pessoal das instituições públicas e sociais, com vistas a contribuir para o desenvolvimento institucional e para a eficiência administrativa do setor público e da sociedade civil organizada no Brasil. Diversos projetos desenvolvidos no âmbito do PPGA apresentam relação com temáticas da administração pública, como desenvolvimento territorial, políticas públicas, gestão social, entre outros. O fato de o PETI-AP estar inserido nesse contexto configura-se como um importante apoio especialmente para atividades relacionadas com o ensino e a pesquisa. Isso pode contribuir, uma vez que o PETI-AP, quando criado, passa a contar com o apoio de uma variada experiência que deve auxiliar substancialmente por meio da possibilidade de inserção em grupos de pesquisa e de cooperação recíproca em projetos de pesquisa e extensão. Concluindo as justificativas, o projeto de criação do PETI-AP apresenta coerência tanto com o PPI e o PDI como com os objetivos expressos no Manual de Orientações básicas (SESU, 2006, p. 7-8), os quais estão centrados na promoção da formação ampla e de qualidade acadêmica do graduando, por meio da viabilização de ações que: estimulem a integração do ensino, pesquisa e extensão; desenvolvam novas práticas e experiências pedagógicas 12

13 conscientizem o aluno em relação ao seu papel na sociedade, bem como no seu curso e de sua universidade; fomentem novas estratégias de desenvolvimento e modernização do ensino superior; envolvam os discentes em atividades onde aprendem fazendo ; promovam, junto aos discentes, discussões de temas éticos, sociopolíticos, científicos e culturais. 3. OBJETIVOS Segundo a Portaria MEC nº 976, de 27 de julho de 2010, no seu artigo 2º, os grupos de PET, entre outros objetivos, devem: desenvolver atividades acadêmicas em padrões de qualidade de excelência, mediante grupos de aprendizagem tutorial de natureza coletiva e interdisciplinar; contribuir para a elevação da qualidade da formação acadêmica dos alunos de graduação; estimular a formação de profissionais e docentes de elevada qualificação técnica, científica, tecnológica e acadêmica; formular novas estratégias de desenvolvimento e modernização do ensino superior no país; estimular o espírito crítico, bem como a atuação profissional pautada pela cidadania e pela função social da educação superior; introduzir novas práticas pedagógicas na graduação; contribuir para a consolidação e difusão da educação tutorial como prática de formação na graduação; contribuir com a política de diversidade na instituição de ensino superior, por meio de ações afirmativas em defesa da equidade socioeconômica, étnico-racial e de gênero. Tendo essas atribuições como referencial norteador para a atuação os grupos PETs, nessa seção, elencam-se alguns objetivos (geral e específicos) dessa proposta, que envolve a criação do grupo PETI-AP. 3.1 Objetivo Geral Promover a formação profissional, interdisciplinar, ética e cidadã e desenvolver ações e práticas com alto padrão de qualidade e excelência, baseada na indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, por meio de atividades que favoreçam a construção de consciência social, humanística e crítica. 3.2 Objetivos específicos O grupo PETI-AP deve ser capaz de: planejar e executar ações que contribuam com a formação técnica, científica, sociopolítica, humanística, cidadã, ética e crítica de discentes interessados nas problemáticas da Administração Pública; realizar estudos/pesquisas/extensão que permitam a exploração de aspectos trans e interdisciplinares relacionados com temáticas de interesse, gerando conhecimento científico e tecnológico, bem como viabilizar a formação de grupos de pesquisa e extensão voltados para o desenvolvimento socioambiental sustentável; conceber e executar projetos relacionados com a melhoria do ensino de graduação no curso de Administração Pública, fortalecendo os mecanismos de ensino aprendizagem, com vistas à redução das taxas de evasão, retenção e reprovação; 13

14 estimular o desenvolvimento de novas metodologias e tecnologias de apoio ao ensino-aprendizagem, que despertem o interesse dos discentes em atuar como líderes com espírito crítico e de forma autônoma. promover a pluralidade, desenvolvendo ações que visem a redução da discriminação social, de gênero e de cor, valorizando a diversidade de ideias, ideais, religiões e filosofias, contribuindo ativamente para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária; disseminar ideias e práticas desenvolvidas, criando um canal de troca de experiências com a comunidade acadêmica e com a sociedade, contribuindo para colocar o DAE e a UFLA em evidência no contexto acadêmico e não-acadêmico; desenvolver atividades que promovam aproximação entre o programa e diferentes espaços sociais, estimulando a consciência do papel do discente/curso/ufla perante a sociedade. Por meio dos objetivos propostos, o PETI-AP estará alinhado com a missão institucional da universidade, uma vez que buscará manter e promover a integração e excelência no ensino, na pesquisa e na extensão, formando cidadãos (com princípios éticos de formação humanista) e profissionais qualificados, produzindo conhecimento científico e tecnológico de alta qualidade e disseminando a cultura acadêmica, o conhecimento científico e tecnológico na sociedade. Desta forma, o PET contribuirá com a UFLA na manutenção de seu compromisso institucional com a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, com os princípios da autonomia universitária, com o ensino público e gratuito, com a gestão democrática, com o desenvolvimento social, econômico e ambiental de nosso país, com a valorização humana e profissional dos docentes, discentes e técnicos administrativos. 4. ESTRATÉGIAS DE AÇÃO 4.1 Definição de Espaço Físico Espera-se da UFLA, por meio de seus órgãos competentes, a oferta de espaço físico apropriado à realização das atividades do PETI-AP e auxiliar a aquisição de materiais, softwares e outros equipamentos objetivando o sucesso acadêmico dos estudantes, bem como apoiar a participação do grupo em congressos e eventos relacionados ao Programa, sendo de responsabilidade do diretor de cada unidade acadêmica a criação desse espaço. A Universidade Federal de Lavras possui uma área total de 600 hectares e uma área construída de m2, com 17 Departamentos Didático-científicos. Para uso compartilhado, a UFLA possui 102 salas de aula (nos pavilhões 1, 2, 3, 4, 5, e 6), 165 laboratórios temáticos, sendo 8 laboratórios de informática e 26 anfiteatros. Desses anfiteatros, destacam-se o Salão de Convenções, com 234 lugares, o Auditório da Biblioteca Central, com 120 lugares, e o Auditório do Departamento de Agricultura, com 160 lugares. Também poderá ser utilizada a estrutura da Biblioteca Central, com salas para estudos individuais e em grupo, 109 computadores e 133 computadores portáteis disponíveis para empréstimos e acervo bibliográfico com mais de exemplares de livros, teses, dissertações e monografias, folhetos técnicos e títulos de periódicos com fascículos. Também para uso compartilhado, o Departamento de Administração e Economia possui dois anfiteatros (com 52 e 70 lugares), salas de aulas, salas de reunião e centro de documentação, com espaço para leitura, estudo e convivência, internet própria e acervo de mais de títulos. Estão disponíveis ainda os recursos audiovisuais da UFLA e do DAE, como retroprojetores, projetores de multimídia, telões, computadores e caixas de som, e internet wireless gratuita em todo o campus, disponibilizada pela UFLA. 14

15 No que se refere ao espaço exclusivo para a realização das atividades do PETI-AP, o DAE deve fornecer sala, de tamanho adequado, que pode ser destinada a essa finalidade. Também devem estar disponíveis dois computadores completos (com CPU, monitor, teclado e mouse), com acesso à internet, uma impressora e uma linha telefônica exclusiva para o PETI-AP. O DAE poderá também fornecer o material necessário para a adequada realização das atividades do grupo, principalmente nos primeiros meses. Inicialmente, não está prevista a necessidade de apoio logístico, o que pode ocorrer esporadicamente. Nesses casos, a UFLA deve conceder tal apoio. O PETI-AP contará ainda com as bolsas institucionais para custear as atividades do grupo. De maneira complementar, poderá ser solicitado apoio financeiro para aquisição de outros materiais necessários ao seu funcionamento do PETI-AP, como já previsto no edital PRG N. 21/2013. Considera-se, contudo, que o PETI-AP possui todas as condições necessárias para dar início ao seu funcionamento, incluindo o espaço físico e apoio material e logístico. 4.2 Atividades de Ensino, Pesquisas e Extensão As atividades de ensino, pesquisa e extensão a serem realizadas pelo PETI-AP deverão sempre contemplar a indissociabilidade entre esses três aspectos, o que permite a formação técnica e cidadã dos petianos e demais atores que participarem das atividades, assim como a produção e difusão de novos conhecimentos e metodologias. Além disto, serão estimuladas utilização de metodologias existentes, com enfoque participativo, adequadas ao contexto, que estimulem o diálogo e que levem em consideração o conhecimento prévio dos atores envolvidos. O conhecimento dos sistemas de interesse em uma comunidade ou conjunto de atores sociais e a detecção dos temas convergentes geram a necessidade de diálogo entre saberes. A participação dos atores é condição de legitimidade de atividades de ensino, pesquisa e extensão. Substituem-se as ações de intervenção unilateral por ações com os atores. Como existe uma enorme diversidade de valores e visões de mundo entre diferentes grupos de atores é importante que o pesquisador-extensionista leve em conta esta diversidade e, em seguida, dedique-se a encontrar as zonas de convergência de interesses (CANUTO, 1998). A utilização de metodologia dinâmica e participativa no PETI-AP pode ocorrer através de diálogos, palestras, seminários e oficinas, buscando o envolvimento dos estudantes e sua integração nas atividades de ensino, pesquisa e extensão propostas. Elas buscarão levar em conta as especificidades de cada petiano, na construção e na execução do planejamento, orientando- se pela pedagogia de problematização e libertação de Paulo Freire. Desta forma, privilegia-se, assim, a construção de sujeitos conscientes dos seus direitos e deveres em uma sociedade plural. Na medida em que aponta instrumentos para que os agentes populares de transformação sejam capazes de viver, ao longo de sua ação, essa dinâmica do concreto na relação ação-reflexão, atentando para uma reflexão acompanhada de uma prática, ou seja, apráxis. Dessa forma, a utilização de metodologias adequadas ao contexto para promover a aproximação entre o pesquisador-extensionista e a realidade contribuem tanto para sua formação, valorização dos atores envolvidos, assim como para tomada de decisões mais assertivas. Salienta-se que o uso de metodologias participativas requer uma mudança na postura dos agentes externos, adequando o conhecimento científico ao contexto cultural local. Alguns exemplos de metodologias científicas com enfoque participativo (Alencar e Gomes, 1998) seriam: Pesquisa ação, estratégia de intervenção planejamento participativo; Diagnósticos participativos (Diagnósticos Rápido Participativos - DRP, Diagnóstico Rápido Rural Participativo - DRRP, Diagnóstico Organizacional Participativo - DOP). No que se refere a possibilidades de práticas participativas no ensino cabe ressaltar o esforço de Paulo 15

16 Freire em discutir e disseminar a necessidade de se valorizar o aprender a aprender, como saber necessário a prática educativa (FREIRE, 1996). A utilização de metodologias participativas vai ao encontro ao pressuposto de identificação de ações orientado por problemas sociais (problem driven) e não por paradigmas teóricos (paradigm driven) (DAVIS e MARQUIS, 2010). Isso permite maior reflexividade entre a necessidade de ampla formação do aluno e o contexto social de atuação do PETI-AP, favorecendo o pleno desenvolvimento humano, autônomo, crítico e cidadão Projeto Piloto de Avaliação do Curso de Administração Pública Modalidade Presencial e Redução da Evasão e Retenção de Discentes Inicialmente, está prevista a concepção de um projeto de ensino-pesquisa-extensão com o objetivo de avaliar o curso de administração e reduzir a evasão e retenção discentes matriculados no curso de Administração Pública modalidade presencial. A UFLA produz relatórios que tratam desses aspectos, porém, ainda há pouco aprofundamento das informações geradas, o que tornam as ações para sua redução restritas. Hoje, a Comissão de Elaboração do Projeto Pedagógico do curso de Administração Pública modalidade presencial, o Colegiado e o Núcleo Docente Estruturante do mesmo curso possuem uma proposta de criar mecanismos de avaliação do curso, incluindo a avaliação de docentes, das disciplinas e conteúdos programáticos e dos discentes. Essas avaliações seriam feitas por meio de questionários e grupos focais e forneceriam uma importante fonte de dados para o levantamento das principais deficiências apresentadas em diferentes aspectos do curso, assim como poderia identificar as principais dificuldades enfrentadas pelos alunos que poderiam os levar a reprovações nas disciplinas, trancamentos de matrícula e abandono do curso. Essa representaria a primeira fase do projeto, caracterizando-se como um diagnóstico. Após essa pesquisa inicial, serão desenvolvidas atividades de extensão no campus universitário da UFLA, envolvendo os discentes e docentes do curso de Administração Pública modalidade presencial. As atividades previstas nessa etapa constituem minicursos, palestras, visitas técnicas, exibição e debate de filmes/documentários e oficinas, conforme descrito abaixo. Esses eventos poderão contribuir com a formação dos docentes, ao incluir temas nas áreas nas quais eles encontrem maiores dificuldades e ainda aqueles que despertam maior interesse. Esses eventos poderão ser abertos à participação de discentes matriculados em outros cursos, assim como à sociedade como um todo, sendo ofertados de acordo com a demanda. Como o curso de Administração Pública presencial é preferencialmente noturno, muitas atividades poderão ser oferecidas aos finais de semanas e durantes o período de férias. Ao fim de cada evento poderá ser aplicado um pequeno questionário para verificar a satisfação dos participantes, assim como identificar possíveis temas que podem ser aprofundados em eventos futuros. Com relação às atividades ligadas ao ensino, principalmente com relação ao ensino na graduação em Administração Pública, pretende-se que os dados coletados no diagnóstico possam fornecer importantes informações que subsidiarão a construção de um relatório de avaliação do curso de Administração Pública, assim como de suas disciplinas individualmente. Esse relatório irá propor melhorias e adequações nos conteúdos programáticos e metodologias de ensino e avaliação adotadas pelos professores, assim como sugestões de adequações na estrutura curricular, como a sugestão de novas disciplinas eletivas. Dessa forma, poderá incentivar melhorias no ensino da graduação, a partir da perspectiva dos alunos. Ainda ligado às atividades de ensino, poderão ser organizados eventos destinados aos professores, como debates sobre metodologias de ensino e avaliação, de modo a fomentar discussões a respeito de práticas desenvolvidas em sala de aula que podem trazer bons resultados. A proposta inicial é de que esse ciclo ocorra semestralmente. Ao final de cada semestre deve ser realizado novo diagnóstico, constituinte da etapa de pesquisa. No início 16

17 do semestre, a partir dos resultados obtidos, podem ser iniciadas as atividades ligadas à extensão e ao ensino. A execução desse projeto ocorreria de maneira cíclica, buscando incentivar um processo de melhoria contínua no curso de Administração Pública modalidade presencial. Tal proposta poderá ainda fornecer a elevação da qualidade da formação dos estudantes de graduação, a diminuição da evasão e promoção do sucesso acadêmico e, a partir do seu aperfeiçoamento, fornecer uma metodologia para avaliação de cursos que possa ser adotada em outros cursos e instituições. O PETI-AP poderá expandir esse projeto aos outros cursos da Universidade Federal de Lavras, inclusive os cursos a distância e os de pós-graduação. Em seguida, ele pode ser revisado e adequado a novas realidades, como a das escolas públicas de ensino fundamental, expandindo a atuação do PETI-AP também a essas instituições, permitindo a transferência da metodologia desenvolvida. No Plano de Atividades para o primeiro ano do PETI-AP, está prevista a execução de dois ciclos do Projeto Piloto proposto. Eles ocorrerão conforme o cronograma exposto no Quadro Outras Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão Além das atividades descritas no projeto piloto, os petianos participação das seguintes atividades: Planejamento, organização e execução de mini eventos: atuação conjunta entre os petianos e o tutor, contribuindo para a formação técnico, sociopolítica e crítica dos petianos, dos demais estudantes de graduação, prioritariamente do curso de Administração Pública e da própria sociedade. Isso se daria por meio da organização de minicursos, palestras, visitas técnicas, exibição e debate de filmes/documentários e oficinas, de preferência em parceria com grupos de pesquisa e/ou outros grupos de interesse da Universidade. Como os eventos possuem caráter inter e transdisciplinar, os petianos terão contato não somente em sua área, mas também em outras áreas do conhecimento. Contribui-se, dessa forma, para a formação dos petianos e demais participantes dos eventos, inclusive favorecendo a melhora de seu desempenho acadêmico, em aspectos técnico-científicos, pessoais e socioambientais. Além disso, como os Projetos Pedagógicos dos Cursos de Administração, Administração Pública modalidade presencial e Administração Pública modalidade a distância exigem a participação em atividades complementares para integralização desses cursos, os participantes desses eventos poderão utilizar os certificados de participação nas atividades promovidas pelo PET com essa finalidade. Organização, planejamento e execução de atividades internas de aprimoramento: entre os objetivos do PET estão a busca de ampla formação acadêmico-profissional, de modo condizente com o estágio atual de desenvolvimento do conhecimento. Com o intuito de contribuir para o alcance desse objetivo, propõe-se realizar atividades internas, com a presença ou não de convidados externos, como, por exemplo, mesas redondas, produção conjunta de textos, atividades em língua inglesa e leitura e discussão de textos jornalísticos. Tais atividades poderão apresentar como resultados a produção de artigos, trabalhos de conclusão de curso, assim como, em integração com o programa pós-graduação em administração, permitir a colaboração dos petianos nas dissertações e teses produzidas no programa. Promover e externalizar o trabalho do grupo. Deixar o trabalho do PETI-AP transparente para a comunidade, seja ela acadêmica ou não. Algumas possibilidades de atuação com esse objetivo são por meio de apresentações semestrais, site do PETI-AP, informativo PETI-AP e participação em eventos. Constitui-se apresentação semestral, a divulgação dos resultados obtidos e dos problemas encontrados, na forma de seminário aberto a convidados, como docentes, discentes, funcionários e membros da comunidade externa. De modo mais amplo, acredita-se que o site do 17

18 PETI-AP seja essencial para a promoção das atividades e para a prática da transparência. O informativo PETI-AP pode ser constituído como um jornal onde o grupo exponha assuntos de interesses transversais, acerca das questões técnicas, sociopolíticas e críticas que são atuais e demonstram o caráter interdisciplinar do conhecimento em Administração Pública e de que se requer do profissional da área. A participação em eventos também será estimulada para a divulgação das atividades realizadas no âmbito do PET para a comunidade acadêmica de modo geral. Participações dessa natureza também representam oportunidades para a troca de experiências e para a formação acadêmica e profissional dos petianos. Além disso, a transferência da metodologia de avaliação de cursos e de redução da evasão e retenção de discentes para outros cursos e para escolas públicas também representará importante meio de externalização das atividades do PET. Alguns temas de interesse da Administração Pública são inerentes à área, por exemplo, os paradigmas de gestão pública, transparência e accountability, novas ferramentas de gestão pública, arranjos institucionais de gestão pública, gestão de pessoas no serviço público, políticas públicas, gestão municipal, descentralização na gestão pública, entre outros. Entretanto, cabe ressaltar que os problemas devem ter respaldo nas necessidades sociais e não apenas no interesse intrínseco da área. Esse é um pressuposto básico desse projeto, que considera as questões de ordem social como norteadoras das ações do grupo. O histórico da universidade na promoção de atividades científica, cultural, artística e tecnológica favorece ainda mais o trabalho do PET para aproximação do currículo de graduação em administração pública com o desenvolvimento destas atividades. Nesse sentido o PETI-AP buscará realizar vários eventos e atividades relacionados ao ensino, pesquisa e extensão, tais como, workshops, cursos, palestras, leitura e debates de textos, visitas técnica, oficinas, congressos, encontros, atividades culturais, exposições e projetos. Algumas possibilidades estão descritas no Quadro 1. Os encontros promovem o fluxo das trocas, ideias, conversas e debates que surgem das construções coletivas de conhecimento, promovendo a interação, compartilhando e (re)criando conhecimento e construindo novas formas de cooperação a partir dessa dinâmica. A exibição de documentários busca aprimorar o senso crítico dos alunos petianos e da comunidade acadêmica, quanto aos diversos temas de cunho político, socioambiental e histórico tratados nos filmes. Objetiva-se também desenvolver o olhar crítico dos acadêmicos para as questões levantadas em cada documentário, através da reflexão e debate entre os participantes. Através das palestras é realizada reflexão de temas da atualidade. Elas buscam orientar os alunos petianos e a sociedade, tanto para a formação de conceitos, quanto para possíveis aplicações dos mesmos em atividades de ensino, pesquisa e extensão. A Leitura e debates de textos visam a compreensão do propósito dos textos e dos autores, o desenvolvimento de uma postura crítica sobre os temas abordados e a atenção às demandas da atualidade. Por meio dos projetos de pesquisa, os petianos entram em contato com o conceito de pesquisa, a estrutura de um projeto, o estudo das metodologias de pesquisa e com o desenvolvimento coletivo de um projeto de pesquisa que tenha como foco as temáticas desenvolvidas no PET. As atividades culturais favorecem as trocas, as ideias, as conversas promovendo a interação. Os Workshops criam condições para o encontro de pessoas interessadas num mesmo tema, que se reúnem para discutir o assunto, onde são convidadas algumas personalidades importantes do assunto, com o objetivo de se fazer uma exposição ou mostra de trabalhos. 18

19 Oficinas buscam auxiliar os participantes a utilizarem as técnicas e promover diálogos para transformá-los em produtores de conhecimento e agentes de transformação. A visita técnica para atualização científica e/ou acadêmica visa contribuir com a formação profissional do petiano e demais participantes, por meio da observação de atividades práticas e situações reais desenvolvidas. QUADRO 1: Eventos e atividades de ensino, pesquisa e extensão Atividade Conteúdo Metodologia Duração Minicurso Motivação no setor público Teoria e prática (utilização de estudos de 3hs caso) Minicurso Desenvolvimento Sustentável em Teoria e prática (utilização de estudos de 3hs âmbito municipal caso) Palestra Gestão de redes públicas de Apresentação Expositiva em anfiteatro 1h virtual cooperação Palestra Desenvolvendo cultura empreendedora Apresentação Expositiva em anfiteatro 1h na administração pública Palestra Tendências na administração pública Apresentação Expositiva em anfiteatro 1h virtual Palestra Logística na administração pública Apresentação Expositiva em anfiteatro 1h Visita Conhecer o funcionamento do setor de Visita ao local, acompanhada por 2h técnica patrimônio da UFLA servidor do setor Oficinas Eleições processo eleitoral e Teoria e prática 2hs ferramentas para conhecer e acompanhar seu candidato Exposição Valorizar espaços de convivência da Apresentação destas fotografias por 1h de fotografias cidade de Lavras que podem ser desfrutados pela comunidade lavrense (praças, parques, museus, meio de painéis, datashow Leitura e debates de textos Leitura e debates de textos Encontros Workshops Atividades culturais Projetos de pesquisa Projetos de extensão monumentos, paisagens, etc) Indicadores de desenvolvimento para o gestor público Orçamento Participativo: Mitos e Verdades Promover discussão sobre os desafios da Administração Pública Brasileira Licitações e contratos na administração pública Valorizar talentos dos docentes e discentes do curso de administração pública Reflexão sobre potencialidades e limitações da gestão resíduos sólidos urbanos em lavras Promover reflexão sobre desenvolvimento socioambiental em escolas de Lavras Leitura de texto e discussão da temática Leitura de texto e discussão da temática Utilização de debates, palestras e conferências Teoria e prática (utilização de casos, editais) Apresentação dos talentos identificados Pesquisa qualitativa Pesquisa ação Os Projetos de extensão têm importante papel de estreitar as relações entre a sociedade e a própria universidade, entre teoria e prática. Busca benefício de ambas as partes no final do processo, promovendo conhecimento por meio da experiência prática. Os minicursos são eventos de curta duração que visam apresentar uma visão geral de um tópico de pesquisa e/ou temática que seja de interesse dos petianos e/ou da comunidade de forma prática e didática. Com isso, o ouvinte tem a oportunidade de aprender sobre novo assunto vinculado à sua área de atuação e pode também extrair elementos que pode aplicar em seus estudos e/ou atividades. A Exposição de fotografias/vídeos é uma atividade que pode envolver vídeos, imagens fotográficas e digitais, por meio de registros e/ou mapeamentos na interseção entre arte, cotidiano e espaços socioculturais e ambientais, a partir de registros de percursos 2hs 2hs 8hs 2hs 2hs 19

20 urbanos ou rurais. Os artistas podem dar visibilidade às suas vivências e reflexões sobre a temática em questão, apresentando diferentes cartografias do cotidiano. 4.3 Primeiro Ano de Atuação Seleção de Tutor(a) A seleção interna do tutor foi realizada de modo consensual entre os professores atuantes nas disciplinas obrigatórias de administração pública, seguindo as instruções da portaria do MEC nº 976, de 27 de julho de 2010 e o Manual de Orientações Básicas do Programa de Educação Tutorial PET (MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SESU, 2006). Nesses documentos se pressupõe que o tutor de grupo PET deve atender aos seguintes requisitos: pertencer ao quadro permanente da instituição, sob contrato em regime de tempo integral e dedicação exclusiva; ter título de doutor; não acumular qualquer outro tipo de bolsa (NÃO SE APLICA NESSE MOMENTO, PORÉM SERÁ CONSIDERADO QUANDO FUTURAMENTE A PROPOSTA FOR SUBMETIDA AO MEC); comprovar atuação efetiva em cursos e atividades da graduação nos três anos anteriores à solicitação de ingresso (COMO O CURSO É RECENTE E NÃO HÁ TURMAS FORMADAS, ESSE CRITÉRIO TAMBÉM NÃO SE APLICA); comprovar atividades de pesquisa e de extensão nos três anos anteriores à solicitação de ingresso; comprometer-se a dedicar carga horária semanal mínima de oito horas às atividades do grupo, sem prejuízo das atividades de aula da graduação; adequar-se a um perfil que inclua: o vida acadêmica destacada, com experiência na orientação de alunos em diversos níveis; o visão interdisciplinar e experiência em áreas que envolvam a tríade universitária: pesquisa, ensino e extensão; o visão ampla do curso de graduação; o desenvolvimento de atividades ligadas à melhoria da qualidade de ensino do curso; o bom relacionamento com os corpos docente e discente; o identificação com a filosofia e os objetivos do PET; o desempenho satisfatório de acordo com os requisitos do programa, no item avaliação do tutor ; o assinar o Termo de Compromisso; o atuação efetiva em cursos e atividades da graduação será aferida a partir de disciplinas oferecidas, orientações de iniciação científica ou de trabalhos de conclusão de curso e participação em conselhos acadêmicos. Segundo a mesma portaria, a atuação efetiva em cursos e atividades da graduação será aferida a partir de disciplinas oferecidas, orientação de iniciação científica, atuação em programas ou projetos de extensão, orientação de trabalhos de conclusão de curso e participação em conselhos acadêmicos. A comprovação das atividades será feita através do Currículo Lattes do CNPq e a UFLA definirá os procedimentos da seleção Seleção de Discentes Membros do PETI-AP 20

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura Ministério da Educação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Programa de Educação Tutorial - PET Edital de seleção de bolsistas de graduação Edital n 013 PROGRAD/2015

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade?

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade? Informações do Questionário Programa Autoavaliação Institucional - UFSM - 2014 Questionário Questões Gerais Descrição do Programa A aplicação do instrumento de autoavaliação é fundamental para toda instituição

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais