ESTRATÉGIA DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE ENEI VERSÃO DE JULHO DE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIA DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE ENEI VERSÃO DE JULHO DE 2014"

Transcrição

1 ESTRATÉGIA DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE ENEI VERSÃO DE JULHO DE 2014

2 ÍNDICE' Sumário'Executivo'...'5 Enquadramento'...'8 Capítulo'I' 'Visão'...'10 1.1'D'Articulação'da'Estratégia'de'Investigação'e'Inovação'com'a'Europa'2020'...'11 1.2'D'Articulação'da'ENEI'com'as'Estratégias'Regionais'e'Sectoriais'...'13 Capítulo'II' 'Diagnóstico'...'15 2.1'-'Posição'Competitiva'de'Portugal'no'Panorama'Europeu'e'Internacional'...'16 2.2' 'Análise'SWOT'...'21 Capítulo'III' 'Prioridades'...'27 3.1'-'Objetivos'Estruturantes'...'27 3.2'D'Prioridades'Estratégicas'Inteligentes'...'30 Capítulo'IV' 'A'articulação'das'políticas'públicas'ENEI'policy'mix'...'50 4.1'D'As'seis'políticas'públicas'do'policy'mix'...'50 4.2'D'O'policy'mix'de'cada'prioridade'estratégica'inteligente'...'54 4.3'D'O'policy'mix'da'ENEI''como'resposta'aos'desafios'e'objetivos'identificados'...'61 4.4'D'O'policy'mix'da'ENEI''como'resposta'aos'objetivos'estruturantes'...'63 4.5'D'O'policy'mix'da'ENEI''e'a'sua'interligação'com'o' Portugal'2020 '...'64 4.6'D'Plano'de'Ação'...'65 Capítulo'V' 'Monitorização'e'Avaliação'...'74 5.1'D'Monitorização'...'74 5.2'D'Avaliação'...'88 Capítulo'VI' 'Governação'...'89 6.1'D'Princípios'da'Governação'...'89 6.2'D'Modelo'da'Governação'...'90 6.3'D'Programas'Estratégicos'...'92 6.4'D'Comunicação'e'Difusão'...'92 Anexo'A' 'Metodologia'...'93 1'D'Abordagem'teórica'...'93 2'D'Governação'...'95 3'D'Programa'de'Trabalhos'e'calendarização'...'95 4'D'Validação'das'Prioridades'Temáticas'...'105 Anexo'B' 'Prioridades'Estratégicas'inteligentes'...'106 Anexo'C' 'Análise'SWOT' 'Diagnóstico'do'Sistema'Nacional'de'Investigação'e'Inovação'...'107 2

3 ÍNDICE'DE'FIGURAS' Figura'1$EstratégiasEuropeiaseTransnacionais...12 Figura' 2 $ Articulação aos níveis sectorial, regional e nacional da Estratégia de I&I para uma Especialização Inteligente...13 Figura'3$OrganogramadoSistemadeI&IPortuguêsem Figura'4$EvoluçãodopesodasFontesdeFinanciamentodoSistemadeI&I...16 Figura'5$Estruturadeespecializaçãoprodutiva...18 Figura'6$EvoluçãodoPIBnoperíodo2000$ Figura'7$Matrizdealinhamentodasprioridadesestratégicasaonívelnacionalcomasdasregiõesporestádiode desenvolvimentodotema...48 Figura'8$Matrizdealinhamentodasprioridadestemáticasaonívelnacionalcomasdasregiões...49 Figura'9$SistemademonitorizaçãodaENEI...75 Figura'10$OrganogramadaENEI...91 Figura'11$Paísesutilizadosnobenchmarking,do,SistemadeI&Inacional...96 Figura'12 Questõesdassessõesdebrainstormingestruturado(auscultaçãoaosstakeholders) Figura'13$Distribuiçãodaparticipaçãodosstakeholdersnoseventos Figura'14$Distribuiçãodosstakeholders,porsectorinstitucional

4 ÍNDICE'DE'TABELAS' Tabela'1$OsquatropilaresdaVisãodaENEIpara Tabela'1$OsquatropilaresdaVisãodaENEIpara Tabela'2$ForçaseFraquezas,OportunidadeseAmeaçasdoSistemadeI&I$AnáliseSWOT...21 Tabela'3$ConclusãodaanáliseSWOT:potencialdevalorizaçãoeconstrangimentosaabordar...25 Tabela'4$EixoTemático1:TecnologiasTransversaisesuasAplicações...32 Tabela'5$EixoTemático2:IndústriaseTecnologiasdeProdução...35 Tabela'6$EixoTemático3:Mobilidade,EspaçoeLogística...36 Tabela'7$EixoTemático4:RecursosNaturaiseAmbiente...38 Tabela'8$EixoTemático5:Saúde,Bem$EstareTerritório...45 Tabela'9$Policy4mixdaEstratégiaNacionaldeInvestigaçãoeInovaçãoparaumaEspecializaçãoInteligente...52 Tabela'10$Opolicy4mixemcadaprioridadeestratégicainteligente...55 Tabela' 11 $ Relevância das Políticas do Policy4mix para os Desafios e Estrangulamentos em cada Prioridade Estratégicaporgraudeimportância...60 Tabela'12$Respostadopolicy4mixaosconstrangimentosdecorrentesdaanáliseSWOT...61 Tabela'13$Opolicy4mixcomorespostaaosobjetivosestruturantes...64 Tabela'14 OPolicy4mixeasuaexpressãonosprogramasdosdomíniostemáticosdoPortugal Tabela'16$IndicadoresPrincipaisdeResultadosdeMonitorizaçãoENEI...76 Tabela'17'$IndicadoresdeResultadosENEIparacadaMedidadasPolíticas...76 Tabela'18$IndicadoresdeRealizaçãodoPlanodeAçãodaENEI...80 Tabela'19$Auscultaçãoastakeholders,Fase1(Diagnóstico)...97 Tabela'20$EixosTemáticosdasPrioridadesEstratégicasInteligentes Tabela'21$Auscultaçãoaosstakeholders,fasedeprioridades

5 SUMÁRIO'EXECUTIVO' AEstratégiaNacionaldeInvestigaçãoeInovaçãoparaumaEspecializaçãoInteligente(ENEI)éparteintegranteda Estratégiamultinível deportugal.aestratégiadeinvestigaçãoeinovaçãodeportugalcontempla,paraalémda nacional,asseteestratégiasregionaiseascomponentesdealinhamentointer$estratégiasaosníveistemáticoede articulaçãodepolíticas(policy4mix)econtémumespaçodegovernaçãocomum. AENEIresultadeumacooperaçãofecundaepioneiraentreoMinistériodaEconomiaeoMinistériodaEducaçãoe Ciência, consubstanciada num Grupo de Trabalho $ composto pelo IAPMEI $ Agência para a Competitividade e Inovação,I.P,aFCT FundaçãoparaaCiênciaeaTecnologia,apoiadospelaAdI AgênciadeInovaçãoepela AutoridadedeGestãodoCOMPETE nomeado,a3dejulhode2013,pordespachoconjuntodossecretáriosde EstadodoEmpreendedorismo,CompetitividadeeInovaçãoedaCiência.Estacooperaçãointerministerialalargou$ sedeummodoprofícuoaoutrosministérios,principalmentedaagriculturaedomar(gabinetedaministraedos Secretários de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar, das Florestas e do Desenvolvimento Regional, e ainda da Direção$Geral da Política Marítima (DGPM)); do Ministério do Ambiente, Energia e Ordenamento do Território (Secretário de Estado da Energia), e da Justiça (INPI Instituto Nacional da Propriedade Industrial, I.P.). Em paralelo e de modo continuado, existiu cooperação e articulação com as ComissõesdeCoordenaçãodeDesenvolvimentoRegional(CCDR)eosGovernosdasRegiõesAutónomas. A construção da ENEI está significativamente centrada sobre a contribuição dada nas Jornadas de Reflexão Estratégica pelos stakeholders,, oriundos em partes iguais da Academia e das Empresas,, que, em sessões de brainstormingestruturadoportema,refletiramsobreduasquestõesfundamentais:umasobreascapacidadesque emergemparaapromoçãodesinergiasquepotenciemacriaçãodoconhecimento,ainovaçãoeaprogressãonas diversascadeiasdevalordecadatema,eaoutrasobreasmedidaseinstrumentosdepolíticaamobilizarpara uma intervenção pública eficiente. Cerca de meio milhar de atores participaram no total de 21 sessões. Os referidosstakeholdersforamselecionadosdeacordocomcritériospré$definidos,comvistaaumarepresentação equilibrada das diferentes dimensões (mérito no tema, área central de atividade, dimensão de empresa e geracional atuaisefuturaslideranças). Uma estratégia de médio prazo para o Sistema Nacional de Investigação e Inovação (SI&I) corresponde a uma necessidadesentidaportodososatoresestakeholders.aestratégiaidentificaasgrandesapostasemtornodas quaisoinvestimentodeveráserpreferencialmentedirecionado,maximizandoosbenefíciosdeumaintervenção coordenadanosdiferentesespaçoscomqueosistemaseinterliga,sejamestesoespaçoeuropeudeinvestigação, ointernacional,ouasgrandesiniciativasdecooperaçãocomospaísesdeexpressãooficialportuguesa,oespaço ibero$americano, mediterrânico, entreoutros. Paraalémda oportunidadedeconstruir uma estratégia alinhada temporalmentecomamaioriadosgrandesprogramaseestratégiaseuropeiasde2014$2020,nomeadamentea Europa 2020, cumpre$se a condicionalidade ex$ante relativa ao Acordo de Parceria entre Portugal e a União Europeia. AsgrandesapostasdaEstratégiaestãoconstruídassobrevantagensestratégicasinteligentes,quesãotemascom especialização científica, tecnológica e económica, nos quais Portugal já detém vantagens comparativas e competitivas,ouquerevelarampotencialdeemergircomotais.estestemascruzamquerasdisciplinascientíficas, nocasodaciência,querossectoreseconómicos,nocasodainovação.cadatema,paraoseudesenvolvimento, temnecessidadedeinvestigação,desdeadecaráctermaisfundamentalquebuscaarespostaaquestõesaprovar cientificamente, até ao desenvolvimento experimental, para a resolução de problemas concretos através da aplicação do conhecimento já existente. Ao centrar$se sobre as atividades, organiza$se a exploração de novos domínioseaaplicaçãodenovastecnologiascomaplicaçãoamúltiplossectoresdaatividadeeconómica. 5

6 A visão para 2020 é a que Portugal deve consolidar ou fazer emergir a sua liderança na economia verde, na economia digital, e na economia azul através da utilização e desenvolvimento das vantagens adquiridas em tecnologias de informação e de comunicação e em novos materiais, e da exploração sustentável dos recursos endógenosnomeadamentedomar,florestais,minerais.enfâseserádadaaosgrandesdesafiossocietaiscomoas alteraçõesclimáticas,paramitigaçãodosriscos,abiodiversidade,aágua,eoenvelhecimento. Avisãoassentaem quatropilaresfundamentais: Tabela'1'$OsquatropilaresdaVisãodaENEIpara2020' EconomiaDigital Portugalpaísdeciênciae decriarvidade Intensificaracapacidade tecnológicadaindústria Valorizarosrecursos endógenos diferenciadores Portugalcomoactor europeuemtic Exploraracapacidade existenteemenergia, BiotecnologiaeSaúde Esrmularasindustrias culturaisecriarvas ValorizaraIdenrdade nacionaleoturismo Reforçaraintensificação tecnológicadaindústria Inserçãonascadeiasde valorinternacionais Exploraçãodacapacidade existenteemnovos materiais Desenvolvimentodas capacidadesem Automóvel,Aeronáurcae EspaçoeemTransportes elogísrca Desenvolvimentode produtosinovadoresde elevadovalor$ acrescentadoeeco$ sustentados EconomiadoMar, Floresta,Recursos MineraisedoAgro$ alimentar ComorespostaaosdesafiosidentificadosnoDiagnósticodoSistemadeInvestigaçãoeInovação$Desafios,forçase fraquezas rumoa2020, elaborado pela FCT em 2013, foram identificados cinco objetivos estruturantes ecinco eixos temáticos que agrupam as 15 prioridades estratégicas inteligentes onde Portugal revela vantagens competitivasexistentesoupotenciais. Osobjectivosestruturantessão:1.Apromoçãodopotencialdabasedeconhecimentoscientíficosetecnológicos; 2.OfomentodacooperaçãoentreasinstituiçõesdeI&Dpúblicaseprivadaseentreempresas,comoreforçoda políticadeclusterizaçãoeapromoçãodatransferênciaecirculaçãodoconhecimento,paramelhoriadonívelde intensidade tecnológica e de conhecimento dos bens e serviços produzidos; 3. A aposta em bens e serviços transacionáveis e com valor acrescentado, bem como a internacionalização das empresas e a diversificação de mercados;4.ofomentodoempreendedorismo,promovendoacriaçãodoempregoeaqualificaçãoderecursos humanos;5.atransiçãoparaumaeconomiadebaixoteordecarbono. Os cinco eixos temáticos, que englobam as 15 prioridades estratégicas inteligentes, são: 1. Tecnologias TransversaiseSuasAplicações(Energia;TecnologiasdeInformaçãoeComunicação;MateriaiseMatérias$primas); 2. Indústrias e Tecnologias de Produção (Tecnologias de Produção e Indústrias de Produto; Tecnologias de Produção e Indústrias de Processo); 3. Mobilidade, Espaço e Logística (Automóvel, Aeronáutica e Espaço; Transportes,MobilidadeeLogística);4.RecursosNaturaiseAmbiente(Agroalimentar;Floresta;EconomiadoMar; ÁguaeAmbiente)e5.Saúde,Bem$EstareTerritório(Saúde;Turismo;IndústriasCulturaiseCriativas;Habitat). Asprioridadesestratégicasinteligentestêmcaracterísticastransversais,queexploramonovoconhecimentoeas aplicaçõesdetecnologiasàsatividadeseconómicas,nomeadamenteatravésdoconhecimentomutidisciplinareda exploraçãodesinergiasentresectoresquemobilizamasmesmasbasestecnológicas,oudecomponentes,oude organização,maximizandoaexploraçãodacadeiadevalor. AENEIenglobaumconjuntodeseispolíticaspúblicasarticuladas(policy4mix):políticaderecursoshumanos;de I&D;deI&D+I;deempreendedorismoeinovação;deinovação,edeinternacionalizaçãoemI&Deinovação.As políticasdecontexto,queatuamsobretodaaenvolventedosi&i,foramigualmenteconsideradas.esteconjunto depolíticasdevesermobilizadonumalógicasistémicadepotenciamentomútuo,englobandomedidasdepolítica comumacomponentedefinanciamentoououtras,nomeadamenteasdecarácterregulamentar.cadaumadas 6

7 quinzeprioridadesestratégicasinteligentestemumpolicy4mixespecíficodeacordocomassuasnecessidadesde desenvolvimentoeestádiodematuridade,assimcomocomassuascaracterísticas. AgovernaçãodaENEIestábaseadanumalógicainterministerial,explorandoascomplementaridadesdaspolíticas, apoiadaporconselhosdeconsultaedeavaliação,sendooprimeirocompostopelosatoresnacionaisrelevantes,e o segundo de natureza internacional, por individualidades de reconhecido mérito para avaliação e acompanhamentodaestratégia.podemserdefinidosprogramasestratégicos,combasenoalinhamentotemático, através de iniciativas institucionais ou de atores organizados, para a prossecução das prioridades estratégicas inteligentesedopolicy4mix,comvistaalcançaravisãodefinidapara

8 ENQUADRAMENTO' No atual quadro de transformação das economias, em virtude de uma crise económico$financeira que anulou muitos dos progressos obtidos nos últimos anos, a Europa estabeleceu uma estratégia ambiciosa até 2020, baseada em três prioridades quesereforçam mutuamente:1) obter um crescimento' inteligente $ desenvolver uma economia baseada no conhecimento e na inovação; 2) e um' crescimento' sustentável $ promover uma economiamaiseficienteemtermosdeutilizaçãodosrecursos,maisecológicaemaiscompetitiva;3)etambém umcrescimento'inclusivo$fomentarumaeconomiacomníveiselevadosdeempregoqueasseguraacoesãosocial eterritorial. 1 NocentrodavisãodaEuropapara2020estáoobjetivodeliderançanatecnologia,inovaçãoecompetitividade económica, noespaçomundial.destemodo, odesenvolvimentodeestratégiasdeinvestigaçãoeinovaçãoque favoreçamumaespecializaçãointeligentenoquadrodascompetênciaseoportunidadesespecíficasdosterritórios, constituiumpotencialdeenormerelevânciaestratégicanoespaçoeuropeu. Portugalobservounaúltimadécadaumaevoluçãopositiva,tendooSistemaNacionaldeInvestigaçãoeInovação (SI&I) completado um ciclo de crescimento e amadurecimento, contendo todos os elementos necessários e abrangendotodasassuasdimensões,comcapacidadesecompetênciasreconhecidas(fct,2013:12 2 ).Odesafio queatualmentesecolocaéodaconsolidaçãodosistemaeoreforçodassuasinterações,aomesmotempoquese promove a sua eficácia política, através de uma visão partilhada e agregadora. Pretende$se, assim, reforçar a qualidade do SI&I e mobilizar as suas competências e capacidades científicas, técnicas e de inovação para o desenvolvimento de novos produtos e serviços, para a melhoria de produtos e processos, e para o reforço da inovação organizacional. Visa$se, ainda, contribuir para um desenvolvimento económico eco sustentável e intensivo em tecnologia e conhecimento, bem como a criação de emprego, e um melhor e mais inteligente posicionamentocompetitivodaeconomiaportuguesanomercadointernacional. Destaforma,odesafiocolocadoaPortugalparaaconcepçãoeimplementaçãodeumaEstratégiadeInvestigação e Inovação tem como objetivo colmatar lacunas amplamente identificadas em termos de inexistência de articulação de políticas, programas e atores sectoriais e territoriais, e de identificação clara de uma visão e estratégiadei&iparaportugalnumhorizontedemédioprazo.aaprovaçãodestaestratégiairápossibilitari)a existência de um quadro estável e favorável ao desenvolvimento das atividades de I&I e a consolidação da excelência dos seus recursos e infraestruturas, ii) a definição de prioridades de especialização inteligente e de agregação de competências/recursos na geração de conhecimento e valor económico e social, valorizando e integrandoossistemasregionaisdei&i,iii)oestímuloàtransferênciaegestãodoconhecimentonumaperspetiva deinovaçãoaberta,iv)oapoioàinternacionalizaçãoepromoçãodaliderançainternacionaldosi&i,ev)adifusão daculturacientífica,deinovaçãoedefomentodoespíritoempresarialnoconjuntodasociedade. Atravésdeumamploprocessodeauscultaçãodeatores,procurou$sei)identificaraexcelênciaeinovaçãoparaa criaçãodevaloreempregoapartirdageraçãodeconhecimento;ii)identificaropotencialdeinvestimentoecriar sinergias em áreas onde, em cada território, têmmaioresvantagenscompetitivas,explorandooportunidadese tendências emergentes; iii) consolidar o Sistema de I&I, acumulando massa crítica e estimulando o desenvolvimentoderedes,bemcomoapostandonadivulgaçãoevalorizaçãodoconhecimento,porformaadar 1 2 FCT, Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação. Desafios, forças e fraquezas rumo a Lisboa, https://www.fct.pt/esp_inteligente/diagnostico.phtml.pt. 8

9 resposta aos atuais desafios societais, tornando os territórios mais ricos, coesos e competitivos. Em síntese, pretende$sequeaestratégiapossibiliteumatransformaçãoestruturalbaseadanaexcelência,nacompetitividade, na inovação e na especialização da economia, em espaços múltiplos e interrelacionados, valorizando as competênciaseosrecursosdosterritórios,eintroduzindointeligênciaeeficiêncianumaescalanacional. AEstratégiaNacionaldeInvestigaçãoeInovaçãoparaumaEspecializaçãoInteligente(ENEI)éapresentadaemseis capítulos.emanexo,éapresentadaafundamentaçãometodológicacomadescriçãodoprocessodeformulação seguido,assimcomoafundamentaçãodasprioridadestemáticaseaanáliseswot.nocapítulo1descreve$sea visãoparaopaísem2020,queambicionaumportugalmaisintensivoemconhecimento,competitivo,criativoe internacionalizado, orientado para uma economia baseada em produtos e serviços transacionáveis ou internacionalizáveis e intensivos em conhecimento. Esta Estratégia tem um papel determinante nesta visão, enquantomotordoreforçodascapacidadesecompetênciasdeinvestigaçãoeinovaçãoedaintensificaçãodas sinergiasnosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovação.estecapítuloincluitambémaarticulaçãodaestratégia comaeuropa2020ecomaspolíticasnacionais,europeiasetransnacionaisnaáreadai&dedainovação,com destaqueparaoportugal2020,quemobilizaosfundoseuropeusdaspolíticasdecoesão,eohorizonte2020. Nocapítulo2,apresenta$seumsumáriododiagnósticodasituaçãoatual,referindoaevoluçãopositivaobservada na última década no Sistema Nacional de Investigação e Inovação (SI&I), os estrangulamentos sistémicos que importaresolver,easoportunidadespararesponderaosdesafiosdopaísnospróximosanos. Ocapitulo3identificaosobjetivosestruturantesqueestaEstratégiasepropõeatingir,bemcomoasprioridades estratégicas inteligentes definidas e escolhidas, derivadas da especialização e potencial científico, tecnológico e económico, organizadas por 5 eixos temáticos: 1) Tecnologias transversais e suas aplicações; 2) Indústrias e tecnologiasdeprodução;3)mobilidade,espaçoelogística;4)recursosnaturaiseambientee5)saúde,bem$estar eterritório.emcadaeixoéapresentadoparacadatema,deformasintética,avisãopara2020,odiagnóstico,as vantagens competitivas do país, os principais documentos e estratégias de política pública existentes, as áreas ondeportugalapresentamaiorpotencialdeinovaçãoecrescimentoeosprincipaistópicos.estecapítulotermina comoalinhamentodasprioridadestemáticasdasregiõescomasprioridadesnacionais. Ocapítulo4apresentaopolicy4mixdenaturezaglobaletemática,assimcomoomodocomesterespondeaos desafiosidentificadosnaanáliseswoteaosobjetivosidentificados.finalmenteéapresentadooplanodeação para cada uma das medidas de política escolhidas. Segue$se o capítulo 5, onde está descrito o sistema de monitorizaçãodaeneieasdiferentesfasesdoprocessodeavaliação,parapossibilitaroseuacompanhamentoe alteração de percurso, caso necessário, através de uma bateria de indicadores e de metodologias sólidas de avaliação independente, bem como as opções para comunicação e difusão pública da mesma e dos seus resultados. O capítulo 6 define o modelo de governação nacional, cooperativo e partilhado com três níveis: 1) o de coordenação e orientação política governamental, 2) o de aconselhamento e avaliação, incluindo um Conselho ConsultivoeumComitéInternacionaldeAvaliaçãoEstratégicaqueiráaferiraformacomoaestratégiaestáaser implementada,nomeadamentenoqueserefereàeficáciadaexecuçãodamesmaeàanálisedosseusresultados eimpactes,e3)ooperacionalatravésdeumsecretariadotécnicoexecutivodeimplementação.estemodelode governaçãoarticula$secomasregiões,numalógicamultinível. NoAnexoAéapresentadaametodologiautilizadanasdiferentesfasesdeelaboraçãodaEstratégia,descrevendoa abordagem teórica escolhida, e os procedimentos associados a cada fase, incluindo a auscultação aos stakeholders. O Anexo B descreve em detalhe a análise realizada sobre os resultados dos brainstorming estruturadoscomosstakeholders,oriundostantodaacademia,comodomundoempresarialnacional. Em anexo encontra$se ainda a Análise SWOT realizada ao Sistema Nacional de Investigação e Inovação, apresentadapublicamenteemmaiode

10 CAPÍTULO'I' 'VISÃO'' AvisãodaEstratégiapara2020,apontaparaumPortugalmaiscompetitivo,criativoeinternacionalizado,comuma economiabaseadaemprodutostransacionáveiseserviços,deelevadaintensidadeemconhecimento,atravésdo reforçodascapacidadesdeinvestigaçãoedassinergiasnosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovação. Estesistemacompletouumciclodecrescimentoeamadurecimento,dispondodetodososelementosnecessários, comcapacidadesecompetênciasreconhecidas (FCT, 2013: 12 3 ). OPortugalmoderno,assentenosseusvalores fundamentais e culturais, tem odesafiodereforçaraqualidadedoseusistemadeinvestigação,enquantoque mobiliza as suas competências e capacidades científicas e de inovação para a geração de riqueza, através do desenvolvimentodenovosprodutos,serviçoseprocessos,amelhoriadosjáexistentes,eoreforçodainovação organizacional,paraumdesenvolvimentoeconómicoesocialeco$sustentável,combaseematividadesintensivas em tecnologia e/ou conhecimento. Centrada sobre os vantagens estratégicas inteligentes, tal desiderato é alcançadoporumdesenvolvimentoequilibradodetodosostiposdeinvestigaçãoquenumprazomaiscurtoou mais longo, contribuem para a geração de riqueza e de desenvolvimento económico e social, quer seja a de naturezamaisfundamental,queavançaoconhecimentosemdesígniodeuso,ouaquelaquesimultaneamente acrescenta mais conhecimento e resolve problemas concretos, quer ainda a investigação aplicada geradora de inovação. A visão para 2020, que emergiu do processo de auscultação aos principais atores, salienta a necessidade de exploraropotencialendógenoedoconhecimentoexistenteedereforçarasustentabilidadedosistemadei&i comoprodutordeconhecimentodeexcelência. A'visão'2020'para'o'Sistema'de'I&I:' Portugaldeveconsolidaroufazeremergirasualiderançanaeconomiaverde,naeconomiadigital,enaeconomia azul através da utilização e desenvolvimento das vantagens adquiridas em tecnologias de informação e de comunicaçãoeemnovosmateriais,edaexploraçãosustentáveldosrecursosendógenosnomeadamentedomar, Florestais,Minerais.Enfâseserádadaaosgrandesdesafiossocietaiscomoasalteraçõesclimáticas,paramitigação dosriscos,abiodiversidade,aágua,eoenvelhecimento. Estavisãoassentaemquatropilaresfundamentais(Error'Reference'source'not'found.): Pilar1: Consolidar e reforçar a posição de Portugal como ator relevante europeu na economia digital, suportada pelas capacidadesinstaladasemtecnologiasdeinformaçãoecomunicação,querepresentamumativoestratégicode mudança. Pilar2: PotenciaroposicionamentodePortugalcomopaíscomcapacidadecientíficaelevadaecomoprodutorculturale criativoatravés:i)doaproveitamentodacapacidadeexistenteemenergia,biotecnologiaesaúde,estimulandoa liderançanacionalemnichosdemercado;ii)daexploraçãoevalorizaçãodasindústriasculturaisecriativas,que desenvolvemetransformamaidentidadenacional,emarticulaçãocomacapacidadeeopotencialdoturismo. 3 FCT, Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação. Desafios, forças e fraquezas rumo a Lisboa, https://www.fct.pt/esp_inteligente/diagnostico.phtml.pt. 10

11 Pilar3: Reforçaraintensificaçãotecnológicadaindústrianacionaldoprodutoedoprocesso,sustentadaemtecnologias sofisticadas, com inserção nas cadeias de valor global e com a exploração da elevada capacidade existente e liderançaemnovosmateriais. OdesenvolvimentodastecnologiasassociadasaossectoresAutomóvel,AeronáuticaeEspaço,edascapacidades emtransporteselogística. Pilar4: Valorizarosrecursosnacionaisendógenosdiferenciadores,atravésdoalargamentodasuabasedoconhecimento edaexploraçãosustentáveldaspotencialidadesexistentesparaodesenvolvimentodeprodutosinovadoreseco$ sustentadosedeelevadovaloracrescentado,designadamente dosrecursosassociadosàeconomiadomar,da Floresta,dosRecursosMineraisedoAgro$Alimentar. Tabela'1$OsquatropilaresdaVisãodaENEIpara2020' EconomiaDigital Portugalpaísdeciênciae decriarvidade Intensificaracapacidade tecnológicadaindústria Valorizarosrecursos endógenos diferenciadores Portugalcomoactor europeuemtic Exploraracapacidade existenteemenergia, BiotecnologiaeSaúde Esrmularasindustrias culturaisecriarvas ValorizaraIdenrdade nacionaleoturismo Reforçaraintensificação tecnológicadaindústria Inserçãonascadeiasde valorinternacionais Exploraçãodacapacidade existenteemnovos materiais Desenvolvimentodas capacidadesem Automóvel,Aeronáurcae EspaçoeemTransportes elogísrca Desenvolvimentode produtosinovadoresde elevadovalor$ acrescentadoeeco$ sustentados EconomiadoMar, Floresta,Recursos MineraisedoAgro$ alimentar 1.1'D'ARTICULAÇÃO'DA'ESTRATÉGIA'DE'INVESTIGAÇÃO'E'INOVAÇÃO'COM'A'EUROPA'2020' AsEstratégiasdeInvestigaçãoeInovaçãoparaumaespecializaçãointeligentecontribuemdeformaparticularpara osvetoresdocrescimentointeligentedaeuropa2020,cujaagendaseconcretizaatravésdarealizaçãodauniãode Inovação (Ao nível da União' da' Inovação destaca$se a consecução dos seus 34 compromissos assumidos em termos europeus e nacionais. Os objetivos principais são (i) o de manter a Europa como produtor mundial de excelênciaemciência,(ii)aexistênciadeumcontextoeuropeueficazparaaexploraçãodoconhecimentoatravés da redução dos bloqueios existentes, e, ainda,(iii) a conclusão do Espaço Europeu de Investigação para a livre circulaçãodepessoaseconhecimento,cominstituiçõesdeinvestigaçãoeinfraestruturassólidaseprogramasde financiamentonacionaisabertosàcooperação.avisãodauniãodainovaçãoinsere$senoprocessodeconstrução deum SistemaEuropeudeInvestigaçãoeInovação,comumcontextomaishomogéneo,níveisdefragmentação maisreduzidos,eumamaiorconcentraçãodemassascríticas. Refira$se,ainda,ainiciativa Umapolíticaindustrialparaaeradaglobalização naqualsereassumeoobjetivoda Europaseposicionarcomolíderanívelinternacional,tendoparataldedesenvolverumabaseindustrialsólida, inovadora,competitivaediversificada,numquadrodemaioreficiênciaenergéticaenautilizaçãodosrecursos. Figura'1). 11

12 Ao nível da União' da' Inovação destaca$se a consecução dos seus 34 compromissos assumidos em termos europeusenacionais 4.Osobjetivosprincipaissão(i)odemanteraEuropacomoprodutormundialdeexcelência emciência,(ii)aexistênciadeumcontextoeuropeueficazparaaexploraçãodoconhecimentoatravésdaredução dosbloqueiosexistentes,e,ainda,(iii)aconclusãodoespaçoeuropeudeinvestigaçãoparaalivrecirculaçãode pessoaseconhecimento,cominstituiçõesdeinvestigaçãoeinfraestruturassólidaseprogramasdefinanciamento nacionaisabertosàcooperação.avisãodauniãodainovaçãoinsere$senoprocessodeconstruçãodeum Sistema EuropeudeInvestigaçãoeInovação,comumcontextomaishomogéneo,níveisdefragmentaçãomaisreduzidos, eumamaiorconcentraçãodemassascríticas. Refira$se,ainda,ainiciativa Umapolíticaindustrialparaaeradaglobalização 5 naqualsereassumeoobjetivoda Europaseposicionarcomolíderanívelinternacional,tendoparataldedesenvolverumabaseindustrialsólida, inovadora,competitivaediversificada,numquadrodemaioreficiênciaenergéticaenautilizaçãodosrecursos. Figura'1$EstratégiasEuropeiaseTransnacionais Europa''2020' UniãodaInovação Juventudeemmovimento AgendaDigitalparaaEuropa UmaEuropaeficienteemtermosderecursos Umapolírcaindustrialparaaeradaglobalização ComodesenvolvimentodaEstratégiadaEuropa2020iniciou$seumprocessodeprogramação,sincronizadoatrês níveis:1)oeuropeu,comadefiniçãodauniãodainovação,dohorizonte2020,comoinstrumentoprivilegiadoda políticadei&idauniãoeuropeia,doquadroestratégicocomum,quemobilizaosfundoseuropeusestruturaise de Investimento (FEEI) para o período 2014$2020, onde a I&D e a Inovação são áreas relevantes, e de outros programasepolíticasdefinanciamento,quepodemcontribuirparaestedomínio,comoapolíticaagrícolacomum (PAC),oProgramaparaaCompetitividadedasEmpresasedasPequenaseMédiasEmpresas(COSME),oPrograma Erasmus+eoProgramaLIFE;2)oTransnacionaldestacando$seosProgramastransfronteiriçosetransnacionais, nomeadamente a estratégia do Espaço Atlântico; 3) o dos Estados$Membro, com o desenvolvimento ao nível nacionaleregionaldeestratégiasdeinvestigaçãoeinovaçãoparaaespecializaçãointeligente,cruzandoestascom as estratégias sectoriais. A coincidência do período de programação favorece a articulação na formulação das estratégiasqueocorremaosmúltiplosníveis,emboracomgrausdematuraçãodiferenciados. A definição de uma Estratégia de Investigação e Inovação, com prioridades temáticas e objetivos a atingir claramente identificados e com elevado grau de apropriação pelos atores relevantes, potencia o impacte da participaçãoportuguesanosprogramaseuropeuseinternacionaisdei&d&iemaximizaassinergiasaalcançarnas 4 Espaços'de'Cooperação' Programálca:' Atlânrco,Macaronesia, Mediterrâneo,EspaçoLusófono, EspaçoIberoamericano 5 12

13 arenaseuropeiaseinternacionais,contribuindoparaadefiniçãodasagendaseparaoseualinhamentocomas prioridadesterritoriais/transversais.talcoordenaçãoreduzosriscosassociadosaumapossívelfragmentaçãoe desarticulaçãodosrecursos,comumafracaabsorçãodaparticipaçãonessesprogramaspelosagenteseconómicos e eventual drenagem dos mesmos. Pretende$se assim contrapor um policy4mix coordenado, para evitar a fragmentação das políticas, com possível divergência de racionais e visões estratégicas, aos diferentes níveis, e eventuaisconflitosnosinstrumentosemaplicação. A Estratégia de Investigação e Inovação é, assim, fundamental para uma eficaz participação portuguesa no Programa Horizonte 2020, e demais programas europeus e internacionais de I&I, bem como no Portugal 2020, constituindoumacondicionalidadeex$antenoâmbitoquerdoacordodeparceriaquerdaoperacionalizaçãodos apoios dos FEEI, em especial na temática Competitividade e Internacionalização. De referir igualmente as potencialidadesdaarticulaçãodaestratégiacomtrêsprogramasdecooperaçãotransnacionalfundamentaispara Portugal, designadamente com o Programa Transnacional do Espaço do Atlântico interligado com a Estratégia NacionalparaoMar,comvistaamaximizaraexploraçãodosbenefíciosdaEconomiaAzul;comoProgramade CooperaçãoTransfronteiriçaPortugal/Espanha,potenciandooEspaçoIbériconocontextoeuropeuemundial;e, ainda,comosprogramasdosudoesteeuropeu e do Mediterrâneo, espaços com os quais partilhamos desafios societais,culturaiseeconómicos. Considerados coletivamente pelo Estado Português e pelosstakeholders auscultados como ativo estratégico da maiorrelevância,osespaçoslusófonoeiberoamericanosãoespaçosdecolaboraçãojáexistentesqueimporta fortalecer,equeestãoenraizadosnahistória,culturaeeconomia. 1.2'D'ARTICULAÇÃO'DA'ENEI'COM'AS'ESTRATÉGIAS'REGIONAIS'E'SECTORIAIS' A Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente de Portugal articula a Estratégia NacionalcomasseteEstratégiasRegionaisdeInvestigaçãoeInovaçãoparaumaEspecializaçãoInteligente.Estas estratégiasarticulam$seaindacomasestratégiassectoriaisdefinidas.afigura2esquematizaestaarticulação. Figura' 2 $ Articulação aos níveis sectorial, regional e nacional da Estratégia de I&I para uma Especialização Inteligente Estratégia Nacional(ENEI) Estratégias Regionais Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Açores Madeira Estratégias Sectoriais Mar Energia Turismo Agro$AlimentareFlorestas (...) Aarticulaçãoentreonívelnacionaleonívelregionalnasestratégiasépotenciadapelainterligaçãodostemasque atravessamoterritório,cujaunidadeecoerênciaéalcançadaatravésdasligaçõesqueseestabelecementreos produtoresdoconhecimentoe/ouexploradoresdeste,localizadosemdiferentespartesdoterritório(proximidade temática), assim como pela coerência geográfica da intervenção, quando as interações se realizam maioritariamentedentrodolimitegeográficodaregião(proximidadegeográfica). 13

14 De facto, a proximidade geográfica é conhecida pelos seus efeitos difusores, quando existe co$localização de atividadeseconómicasecientíficasinter$relacionadas,porquefavoreceaabsorçãoecirculaçãorápidaeeficazdo conhecimentoedosrecursoshumanos. Aproximidadetemática,porsuavez,éeficazparaacriaçãodemassascríticasemredeeparaaintegraçãodas cadeiasdevalornacionaiseinternacionais/globais.aproximidadetemáticaéfundamentalparacomplementara lógicadeconhecimentolocalizado,pois,casosejaapenasestaadominante,corre$seoriscodequebrarasligações emrede,previamenteestabelecidasnosistema,entrecentroseindustriasdotadosdecompetênciasespecificas com localizações em espaços territoriais diferenciados, contribuindo para o efeito perverso de destruir competênciasemtópicosoudesestruturarcadeiasdevalor. Asduaslógicassãocomplementareseasprioridadesapresentadasnestaestratégiaclaramenteidentificamotipo deproximidadequemelhorseadequaacadacaso.assim,aarticulaçãopassapelacoordenaçãoderecursosede politicasnadimensãocorretaparacadacaso,quandosãomaximizadasasexternalidadeseaeficácia. Por um lado, existem temas e cadeias de valor que cruzam regiões e sectores e que devem ser abordados de acordo com o princípio da proximidade temática. Por exemplo, a cadeia de valor do automóvel, aeronáutica e espaço,ouosrecursosendógenoscomoaflorestaeomar.existem,poroutrolado,temaseprioridadesqueestão confinadosaumaáreacomcontornosgeográficosmaisoumenosprecisos,casoemqueaproximidadegeográfica édeespecialrelevância.sãoexemplodosúltimos,osdistritosindustriaisexistentesnonorteecentrodopaís, comootêxtileocalçado,ouaindústriadosmoldeseassuasligaçõescomasinstituiçõesdei&ddaregião. Aescolhadeproximidadecomocritérionãodeve,noentanto,serexclusiva,dadoqueespecificidadesregionais, cujo apoio deve ser regional, podem necessitar de apoio de redes nacionais, tal como, inversamente, temas predominantementenacionais,comoomar,podemtercomponentesclaramenteregionais. Naproximidadetemáticaincluem$seasestratégiasnacionaissectoriais,namaioriadoscasosjáaprovadas,ecuja componente de investigação e de inovação deve estar intimamente relacionada e coordenada com a ENEI. As prioridadestemáticasidentificadasaonívelnacionalforamanalisadasàluzdosobjetivosdessasestratégias(ver documentos de diagnóstico temático), e com participação efetiva da maioria dos ministérios no trabalho de auscultaçãoedeanálise. 14

15 CAPÍTULO'II' 'DIAGNÓSTICO' Naúltimadécada,aeconomiaportuguesa,incorporandoasorientaçõesemanadasdaEstratégiadeLisboa,emais recentementedaestratégiaeuropa2020,conheceualgumasevoluçõesrelevantesquetêmvindoacontribuirpara a consolidação e reforço qualitativo do Sistema Nacional de Investigação e Inovação (SI&I), assim como para a mudança do perfil de intensidade tecnológica e de conhecimento da economia, assistindo$se ao aumento do investimento em torno de atividades com maior potencial de criação de valor acrescentado e ao reforço do posicionamentodopaísnomercadointernacional. Apesardaevoluçãopositiva,adegradaçãodaconjunturainternacionalenacionalnofinaldadécada,veiocolocar novos desafios que reforçam a necessidade da definição e implementação de uma Estratégia Nacional de InvestigaçãoeInovação,consensualizadaemtermospolíticosedeterritório,porformaapotenciarmaioreficácia eeficiêncianaação. Nestecontexto,aFigura3apresentaumorganogramasimplificadodoSistemadeI&IPortuguêsem2012,ondese apresentamosprincipaisatores/sectoresdosistema,numalógicalinear.assim,porexemplo,asinstituiçõesde transferênciadetecnologiaincluemdiferentestiposdeorganizações.poroutrolado,asrelaçõescomplexasem termos de ligações entre as suas componentes permeiam todo o sistema, não estando, assim, delineadas. Os clusters,porexemplo,estãoassociadosaconjuntosdeconexõesentreváriascomponentes. Figura'3$OrganogramadoSistemadeI&IPortuguêsem2012 Origem dos fundos Orçamento de Estado Fundos Europeus Empresas Coordenação política Primeiro Ministro Assembleia República Conselho Nacional de C&T Conselho Nacional de E&I Ministérios Ministerio Agricultura, Mar, Ambiente, Ordenamento Território Ministério da Economia e Emprego Ministério da Educação e Ciência Ministério dos Negócios Estrangeiros Ministério da Defesa Ministério da Saúde Organizações intermédias Financiamento /programas IAPMEI Agência de Inovação (AdI) Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) QREN Compete e POPH Fundação Calouste Gulbenkian Espaço intermédio Centros tecnológicos (8) Instituto de Novas Tecnologias Instituições de transferência de tecnologia Centros e Institutos Ciência Centros e Institutos (IPSFL) Centros de Financiamento FCT (293) Laboratórios Associados (26) Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) Fundação Champalimaud Instit. de Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) Lab. N. de Energia e Geologia (LNEG) Universidades (P priv.) +Inst. Politécnicos (P 15+39) (19)=Escolas (19) Instituto Nacional de Investigação Científica e Tropical (IICT) Instituto Hidrográfico (IH) Instituto Nacional de Saude Dr. Ricardo Jorge Empresas (1,883) Unidades de execução público privadas Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) Laboratório Nacional de Engenharia Civil Instituto Tecnologico Nuclear (IST/ITN) Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses Fonte:FCT, FCT,2013.DiagnósticodoSistemadeInvestigaçãoeInovação.Desafios,forçasefraquezasrumoa2020.Lisboa 15

16 NopresentecapítuloserãoreferenciadososprincipaiselementosdediagnósticoatualdoSistemaNacionaldeI&I, resultantedamatrizswotnacional.nestaanálise,serãoaindaidentificadososprincipaisdesafiosqueamédio prazo(numhorizontede2020)secolocamaportugaleàssuasregiõesnutsiiemmatériadei&i. 2.1'-'POSIÇÃO'COMPETITIVA'DE'PORTUGAL'NO'PANORAMA'EUROPEU'E'INTERNACIONAL' Nadécadade2000$2010,PortugalmanteveasuaapostanaaceleraçãodoesforçoemI&Dnomeadamenteno respeitanteàafetaçãoderecursos,oquepermitiualargardeformasignificativaasuabasecientíficaetecnológica. OSistemaNacionaldeInvestigaçãoeInovaçãocresceuaumataxamédiaanualde8%,emtermosderecursos humanosefinanceiros,revelandoumatendênciafavorávelemindicadorescomoadespesaemi&d(di&d)em percentagem do PIB e o número de diplomados pelo Ensino Superior em áreas científicas e tecnológicas, em permilagemdapopulaçãonafaixaetáriados20$29anos.estaevoluçãofoiemlargamedidadeterminadapelos atores mais dinâmicos do SI&I, nomeadamente as instituições semi$públicas que atuam como mediadoras dos atorestradicionais.contudo,apesardocrescimentoregistado,aconvergênciacomauniãoeuropeia(ue)continua aserumametaporalcançar(em2011,oinvestimentoemi&drepresentavacercade75%damédiadaue). Noperíodoemanálise,oSI&Ibeneficioudetransformaçõesrelevantesnaestruturademobilizaçãoderecursos.A composição do sector público e semi$público modificou$se substancialmente, com a consolidação das universidades,dosseuscentroseinstitutosdeinvestigação,tornando$seestasinstituiçõesapartemaisdinâmicae visíveldosector.emsentidoinverso,assinala$seopesomarginaldosectorestado,queregistouumcrescimento médio anual negativo de 4,3%, com a queda significativa do peso dos Laboratórios de Estado em execução de atividadesdei&d(entre2000e2010oseupesopassoude23,9%para7,5%) 7.Porseuturno,osectorempresarial foi$seaproximandonocentrodosistema,passandoaserumatormaisdeterminantenaexecuçãoefinanciamento dasatividadesdei&d,emboranofimdadécadacontinuearevelarumaparticipaçãoinsuficientenamobilização derecursosdosistema,seseconsideraraconfiguraçãotípicadospaísesmaisdesenvolvidos. Neste percurso salientam$se, assim, os sectores Ensino Superior e Empresas que, enquanto executores, consolidamasuaposiçãodeprotagonistasdosi&i,enquantoosectorestadovêasuaatuaçãoquasecircunscrita aopapeldefinanciador(cercade45%em2010,umvalorquerepresentaumpontopercentualacimadosector empresas)$figura4. Figura'4$EvoluçãodopesodasFontesdeFinanciamentodoSistemadeI&I Fonte:FCT, Éderealçar,noentanto,quenocumprimentodasuamissão,osLaboratóriosdeEstadotambémincorporamebeneficiamdeI&Dproduzida noutrossectores. 8 FCT,2013.DiagnósticodoSistemadeInvestigaçãoeInovação.Desafios,forçasefraquezasrumoa2020.Lisboa. 16

17 Consideradonatotalidade,oSI&Imanifestaumadensidadedeatores,edeinteraçõesentreestes,queoaproxima dos sistemas mais desenvolvidos e proporciona condições determinantes para a melhoria do desempenho inovadordasempresas. O sistema caracteriza$se, ainda, por uma concentração nas três regiões de maior tradição de localização das atividadesdei&i Lisboa,CentroeNorte,emboradenoteumcrescimentoassinalávelemtodasasregiõesdopaís. Oaumentodacapacidadecientíficadebasedosistema,tantoemtermosderecursoshumanoscomofinanceirose estruturais,comoefeitodemassacriado,possibilitouumcrescimentosignificativodosresultadosdosistema.em particular, a produção científica registou taxas de crescimento médio anual na ordem dos 14%, tendo quase triplicado. Uma análise mais aprofundada do SI&I revela que se verificou uma concentração do investimento em quatro grandesobjetivossocioeconómicos:promoçãodaprodutividadeedastecnologiasindustriais;promoçãogeraldo conhecimento; transportes, telecomunicações e outras infraestruturas; e saúde. As ciências da engenharia e tecnologia,nomeadamenteasdastecnologiashorizontais,destacam$sepeloseupesoaoníveldamobilizaçãode recursos, quer humanos quer financeiros, em larga medida derivado do peso do sector das empresas nestas tecnologias. Noquedizrespeitoaoperfildaproduçãocientífica,quandoconsideradomaisdetalhadamente,manifesta$seasua diversificação por região (NUTS II), contribuindo cada uma, de forma específica, para o conjunto da produção nacional: o Norte tem um maior número de publicações na Ciência dos Materiais; o Centro e Lisboa, em EngenhariaEletrotécnicaeElectrónica;oAlentejo,nasCiênciasdoAmbiente;oAlgarveeosAçores,naBiologia MarinhaeAquática;aMadeira,naFísicaAplicada. O perfil de especialização da produção científica portuguesa, caracterizado de acordo com a distribuição das publicações por domínios científicos em comparação com a União Europeia (27), revela uma elevada especializaçãonasciênciasdomar,paraalémdeumaespecializaçãorelevanteemambienteebiologia. ApesardetodooesforçonacionalrealizadoemI&I,évisívelqueosresultadosdenaturezaeconómicaassociados nãorefletem,ainda,oprocessodetransformaçãoobservadoaolongodasúltimasdécadas.paracomeçar,onível atingido no esforço de patenteamento continua a ser muito baixo face à média europeia. Como principais obstáculosaodesenvolvimentodeatividadesdeinovaçãoidentificam$seoníveldecustosedefinanciamento,a pardeestratégiasempresariaisqueaindavalorizampoucoosfatoresimateriaisdacompetitividade,assimcomo,a níveldemercado,aincertezaeodomíniodasempresasestabelecidas. Mesmoassim,odinamismodosectordeI&Deoaumentodacapacidadedeinovaçãodasempresascontribuíram paraumataxadecoberturapositivadabalançadepagamentostecnológica(pelaprimeiravezem2007),comuma contribuição da venda de serviços de I&D ao estrangeiro e uma redução da importação de tecnologia, dada a maiorcapacidadedeproduzirtecnologiaendogenamente. EmrelaçãoàmédiadaUniãoEuropeia,Portugalapresentaumamaiorpercentagemdeempresascominovaçãode serviçoseprocessoseumamenorpercentagemdeempresascominovaçãodebensecomintroduçãodenovos produtos no mercado. As atividades de inovação mais comuns no País são a aquisição de maquinaria, equipamentoesoftware,aformaçãoparaatividadesdeinovaçãoearealizaçãodeatividadesdei&dintramuros. Identifica$se uma baixa percentagem de empresas com aquisição externa de I&D e com aquisição de outros conhecimentosexternos(tantoemportugalcomonauniãoeuropeia). Comparativamenteaosseus parceiros europeus, e segundo os últimos dados do Innovation, Union, Scoreboard 2013, Portugal apresenta$se assim como um Inovador Moderado, o que significa que ainda tem um longo caminhoapercorrerparaalcançaraseconomiaseuropeiasmaisinovadoras.nesteâmbito,refira$setambémas dificuldadesdeinterligaçãoentreosdiferentesintervenientesnoprocessodeinovaçãoequeacabaporserefletir nabaixaincorporaçãodoconhecimentonotecidoeconómicoereduzidatradução,emvalor,dosresultadosda I&D,visíveisdesignadamentenoaindabaixopesodasatividadesintensivasemtecnologiaouconhecimento. 17

18 Contudo, um conjunto relevante de empresas vivenciando de forma crescente níveis mais intensos de concorrência internacional, em cenário de fortes constrangimentos no mercado nacional e de degradação da economiaeuropeia,temreforçadooinvestimentoemfatoresimateriaisdecompetitividade,comosejamai&d,as capacidades de organização e gestão, as questões relacionadas com o design e as marcas, com a qualidade, o ambienteeaeficiênciaenergética,eaintroduçãodetic. Efetivamente, o reconhecimento internacional, a qualidade, a inovação e o valor acrescentado dos produtos e serviços $ assim como das respetivas cadeias de valor $, assumem$se cruciais para Portugal, numa pequena economia muito aberta ao exterior. Este foi um dos elementos estratégicos de base às opções assumidas em matériadefundosestruturaisnoperíodo2007$2013,equesetraduziunumaclaraorientaçãodosapoiospúblicos paraaconsolidaçãodosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovação,paraoaumentodaproduçãotransacionável e internacionalizável e das exportações, e para o reforço da presença das instituições portuguesas em redes e plataformasinternacionaisdeconhecimento. Emsequência,vêm$seobservandoalgunssinaispositivosdealteraçãonoperfildeespecializaçãodaeconomia.A Figura5refleteaevoluçãoqualitativadoperfiltecnológicodaindústriaentre1986e2008,evidenciadaatravésdo aumentodoempregoematividadesmaisintensivasemtecnologia. Figura'5$Estruturadeespecializaçãoprodutiva Fonte:MEE, Aindaassim,aeconomiaportuguesaapresentaumperfildeespecializaçãocombasenoValorAcrescentadoecom base no Emprego, em atividades de baixa ou média intensidade tecnológica, particularmente concentradas no NorteenoCentrodoPaís.Aestruturaprodutivaapresentaumaelevadaconcentraçãonosectordosserviços,dos quaisapenascercade40%sãointensivosemconhecimento.aindústriatransformadoracentra$sesobretudoem sectores de baixa$média tecnologia, embora alguns destes sectores registem elevados níveis de sofisticação 9 MEE,2013.CompetitividadeeInternacionalizaçãodaEconomiaPortuguesa.DiagnósticoProspetivo,Lisboa. 18

19 tecnológica, como é o caso dos têxteis e do calçado. Salienta$se que a indústria transformadora beneficia da especialização científica nacional em várias áreas, tais como Ciência dos Materiais Compósitos, Ciência dos Biomateriais, Engenharia Química, Engenharia da Indústria Transformadora, Engenharia Industrial, Investigação Operacionaleoutras(FCT,2013) 10. Acresceaindaaexistênciadeumtecidoempresarialformadoporumapercentagemmuitoelevadadeempresas depequenadimensãoecompoucaapetênciacolaborativaeassociativa,aindamuitocentradasnaproduçãonão transacionávelenomercadointerno,poucoprodutivasecomfracacapacidadedecriaçãodevaloracrescentadoe a persistência de fragilidades nos domínios da organização e gestão por parte das empresas, destacando$se o diminutorecursoevalorizaçãodaformaçãoprofissional,eatendênciaaprivilegiarosinvestimentosmateriais. Apesardolegadodeimpulsionadoresdocomérciointernacional,asempresasportuguesasregistamaindauma fracaintensidadeexportadora.defacto,apósaentradanauniãoeuropeia,opesodasexportaçõesdaeconomia portuguesanopibmanteve$se,atéhábempoucotempo,emtornodos30%.estapercentagemrefleteumritmo insuficiente de inserção nos mecanismos do mercado interno e da globalização, bem como dificuldades na especializaçãodeprodutosenadiversificaçãodemercados,eevidenciandoumamaiorapetênciapelasatividades não transacionáveis dirigidas à procura interna. Embora seja de assinalar uma alteração positiva no nível de internacionalizaçãodaeconomiaportuguesa. Não obstante, a atual estrutura das exportações nacionais, dirigidas maioritariamente aos nossos parceiros europeuseemparticularaespanha,assume$secomoumafragilidade,principalmentetendoemcontaasatuais perspetivasdecrescimentodestesmercados. Refira$se ainda alguma dificuldade no posicionamento estratégico do País no mercado internacional, oscilando entre a opção pelos baixos custos de produção e a opção pela valorização dos produtos suportada por fatores competitivos avançados. As empresas e as fileiras industriais nacionais vêem$se, muitas vezes, pressionadas concorrencialmente por cima e por baixo ficando entre dois grupos diferenciados, isto é, de um lado, as empresas do mundo mais desenvolvido vocacionadas para produtos de gama média$alta e alta suportados por fatorescompetitivosavançadosedotadasdeorganizaçõescomerciaiseporoutroladoempresasdepaísesque produzemnasgamasmédiaemédia/baixacombaseembaixoscustosdeprodução(nomeadamentesalariais). 11 Paraalémdasdificuldadesdepenetraçãonosmercadosinternacionais,asempresasenfrentamainda(etambém na sequência do atual ciclo económico) dificuldades acrescidas na obtenção de financiamento a perceção de riscomantém$seelevadaeacapacidadederecursoaoutrasformasdefinanciamento,quenãoosfinanciamentos bancários,édiminuta. Orientadocomumaatuaçãodapolíticapúblicadeclusterização,iniciadaem2008,queidentificoualgunssetores compotencialdecrescimentoeimpactesobreaeconomia,opaísdeuosprimeirospassosnumaestratégiade focalização em atividades com maior intensidade tecnológica, na valorização dos setores denominados tradicionais enaapostaemdomínioscompotencial,comoomar,asaúde,oturismoouaenergia.aavaliação independente desta iniciativa revelou resultados positivos em matéria de cooperação e inovação, mas também recomendou a introdução de alterações que reforcem o compromisso em termos de resultados dos Clusters reconhecidos,assimcomomaiorambiçãopolíticaemmatériadeprioridadesdeapoio 12. Refira$se,ainda,oesforçosignificativo,nosúltimosanos,efetuadonaintroduçãoeutilizaçãodasTIC,emespecial naadministraçãopública,doqualresultaramimportantesmais$valiasparacidadãoseempresas,comadiminuição doscustosdecontextoecomganhosprocessuaisedesimplificaçãosignificativos(porexemplo,noqueconcerne 10 FCT,2013.DiagnósticodoSistemadeInvestigaçãoeInovação.Desafios,forçasefraquezasrumoa2020.Lisboa. 11 MEE,2013.CompetitividadeeInternacionalizaçãodaEconomiaPortuguesa.DiagnósticoProspectivo.Lisboa,MEE. 12 Em2008foiformalizadooEnquadramentodasEstratégiasdeEficiênciaColectiva(EEC),doqualresultouoreconhecimento,emJunhode 2009, de 19 EEC. Este primeiro ciclo de reconhecimento terminou em 2012, estando à data de elaboração desta Estratégia, em curso de definição,combasenaavaliaçãoentretantoefectuada,deumnovociclodereconhecimento. 19

20 ao cumprimento das obrigações fiscais, na criação de diversos centros de atendimento multisserviço que aumentaram a proximidade com os cidadãos, ou na agilização de processos fundamentais para a dinamização económica, como a criação de empresas ou o licenciamento industrial). O elevado nível de disponibilização de serviçoson4linenaadministraçãopúblicaeaboaadesãodotecidoempresarialàsmedidasdoe4governmentsão reveladorasdavaliaedosucessodasmesmas. Noâmbitodaenergia,aexcessivadependênciaenergéticadopetróleotemvindoasermitigadapelapriorização do investimento em energias renováveis para a produção de eletricidade, onde o País apresenta uma boa performancefaceaosseuscongénereseuropeus. OTurismoassumeumadimensãorelevanteemtermosdevaloracrescentadoeemprego,representandotambém um eixo de exportações onde a economia portuguesa surge numa posição favorável. Beneficia do património natural, associado ao património cultural e arquitectónico, que contribuíram igualmente para a valorização do sectoreparaoaumentodaqualidadeevariedadedosserviçosprestados. Não obstante os sinais positivos de evolução, a economia portuguesa continua a apresentar importantes debilidadesestruturaisquecondicionamoseudesempenhoequeserevelamnaevoluçãoquaseanémicadopib naúltimadécada. Éinevitávelnestaanálisedediagnóstico,destacaracriseeconómico$financeirainternacionalde2008$2009,que evidenciou as fragilidades existentes no domínio da governação económica e monetária da União Europeia, incapazdeconteracrisedasdívidassoberanas,queafetaramsobretudoospaísesdacoesão,comoportugal.os problemas estruturais do País, o crescimento voltado para dentro e a debilidade competitiva de muitos segmentosdotecidoempresarial,apardosmovimentosespeculativosedaposterioradoçãodefortesmedidasde consolidação das contas públicas, conduziram a uma degradação, sem precedentes nas últimas décadas, do desempenho da economia portuguesa, cujas consequências sobre a estrutura produtiva estão ainda longe de poderserdeterminadas$figura6. 20

21 Figura'6$EvoluçãodoPIBnoperíodo2000$2013 Fonte:MEE, Esta conjuntura económica fortemente desfavorável, marcada pelo Programa de Ajustamento Estrutural a que Portugalsesubmeteuem2011,constitui,assim,umadasprincipaisameaçasàimplementaçãodeumaestratégia de especialização inteligente, designadamente pela quebra dos estímulos que advêm da procura interna, pela contração do investimento (público e privado) com grande impacte no processo de modernização da Administração Pública e na capacidade financeira do SI&I (instituições científicas e entidades de suporte empresarial), e pelo aumento do desemprego que, para além dos custos sociais subjacentes, desvaloriza e desmotivaapopulaçãoativaereduzoseupotencial,designadamentepelafugadecompetências. Neste contexto, há que realçar o recente equilíbrio obtido na balança corrente e de capital, tradicionalmente deficitária.amanutençãodesteresultadodepende,pois,daformacomoasempresasportuguesasconseguirem darrespostaàcrise.nestesentido,torna$sedeterminanteaprossecuçãodeumaestratégiadeinternacionalização sustentada,queevoluaparaumaeconomiadeexportaçãodebenseserviçosdealtovaloracrescentado,naquala I&DeaInovaçãoseassumamcomofatoresdeterminantes. 2.2' 'ANÁLISE'SWOT' Como resultado do diagnóstico efetuado nos pontos anteriores, apresenta$se uma sistematização das Forças, Fraquezas,AmeaçaseOportunidadesidentificadasdeformacomum(Tabela2). Tabela'2$ForçaseFraquezas,OportunidadeseAmeaçasdoSistemadeI&I$AnáliseSWOT Forças' Existênciadeinfraestruturasdesuporteàinovaçãoquesetraduzemem Fraquezas' Fracocrescimentoeconómicoassociadoaumaperdade dinamismoeafortesassimetriasintrarregionais. 13 MEE,2013.CompetitividadeeInternacionalizaçãodaEconomiaPortuguesa.DiagnósticoProspectivo.Lisboa,MEE. 21

22 acréscimosdeinvestimentoemi&dcomvisibilidadeinternacional. FortalecimentodecapacidadeemI&Dnasempresas. CrescentecentralidadedasempresasematividadesdeI&D,com algumasgrandesempresasincluídasnoeuindustrialr&d Investment, Scoreboard. Existênciadeclustersestratégicosemsegmentoscompetitivos,tais como:sectoragroalimentar,indústriasdebaseflorestal,eoemergente doautomóveledasinteraçõescomaeronáuticaeespaço,comelevado potencialdecrescimentoemtermosdecriaçãodeemprego, exportaçõesevolumesdenegócio. Estruturaeconómicaregionalcomáreasdeespecializaçãotradicionais capazesdeadaptarasuadiversidadeamúltiplossectoresdeatividade. Evoluçãofavoráveldaeconomiaportuguesaemmatériade internacionalização,registandodesempenhosexportadoresmais dinâmicos. Competitividadeturísticacaracterizadaporumpatrimóniohistórico, cultural,naturalepaisagísticodiversificadoerelevante.riquezados recursosendógenoseaumentodacapacidadehoteleira. Disponibilidadederecursosnaturaiseenergéticosendógenos(hídricos, eólicos,solares,termais,geológicos,florestais,biológicos,mineraisnão metálicos)significativosparaaproduçãodeenergiarenovável. Posicionamentogeoestratégicocomcapacidadedeboainserçãonas redescomerciaistranseuropeiaseexistênciadepotenciallogísticoem localizaçõesprivilegiadas. Existênciadecapacidadeequalidadenoensinosuperiorpara formação/qualificaçãodequadrosemáreasrelevantes. Ambientefavorávelàcriaçãodeatividadesempresariaiselogísticas, comdestaqueparaossetoresdaaltaemédiatecnologia. AumentodautilizaçãodeTICedeinfraestruturasdetelecomunicações. Crescimentosustentadodaproduçãocientíficanacionalemtodosos domínioscientíficosetecnológicos,evidenciandoumperfilde especializaçãocientíficaemdeterminadasáreas,porcomparaçãocoma UE27. CrescimentodosresultadosdeInvestigaçãoeespecializaçãocientífica emáreascompotencialemergenteeáreascomcapacidadedei&d instalada. SI&Icomtodososcomponentesessenciaispresenteseexistênciade interligaçõesentreeles. Melhorfuncionamentodasestruturasimplementadorasdasfunçõesdo policy4makingedaprogramação,dogovernoedaadministraçãocentral, maiorflexibilidadeinstitucionaleumamelhorafetaçãodosrecursos, baseadaemavaliaçõesinternacionaisdeprojetosedeinstituições. NúmerosignificativodeinstituiçõesdeI&Dclassificadascomo excelentesporavaliaçãointernacional. BoasinfraestruturasdeI&D,compesocrescentedasinfraestruturas electrónicas(eciência). Elevadataxadedesemprego,emespecialdejovens qualificadosedificuldadesdereintegraçãodos desempregadosdelongaduração. Baixoníveldequalificaçãodapopulaçãocomimpacto diretonosbaixosníveisdeprodutividade. Capacidadereduzidadotecidoeconómicoemabsorver populaçãoqualificada. Desajusteentreascompetênciasproduzidasnosistema educativoeasnecessidadesdomercado. Debilidadescolaborativasentreasinstituiçõesde investigaçãoeasempresas. Debilidadesnofinanciamentodasempresasparasuporteà inovação,àinternacionalizaçãoeaoempreendedorismo. Tecidoempresarialconstituídoporunidadesdereduzida dimensãocomreduzidotrabalhoemrede,queproduzem bens/serviçosdebaixaoumédia/baixaintensidadeem tecnologia. InvestimentoinsuficienteemI&D Ausênciadeestratégiaspromocionaisdaregiãoanível internacionalquefixevisitantes,nosectordoturismo. Elevadadependênciaenergéticaassociadaaumbaixo índicedeeficiênciaenergéticaecomelevadosdesperdícios nossectoresdaconstruçãoeindústria. BaixautilizaçãodasTICpelasfamíliaseempresasefraca incorporaçãonoprocessoprodutivo. Lacunasaoníveldarededeinfraestruturaslogísticaseda sualigaçãoàsredesdetransportesedacapacidadede ofertadeserviçosavançadosàsempresas. Dificuldadedecaptaçãodeinvestimentointernoeexterno parasectoresemergentesedéficeaoníveldagestãoedos serviçosdeapoioàsempresas. Reduzidaarticulaçãoentreossectoresagroalimentar, aquacultura,biotecnologiaseturismo,comfraca incorporaçãodeproduçãoregionalnosconsumosda hotelariaeturismo,particularmentenaregiãodoalgarve Subsistênciadedebilidadesestruturaisnaorientação exportadora. Burocraciaecomplexidadeadministrativa. FracagovernaçãoearticulaçãodaspolíticasdeI&D. Escassaatividadedeavaliação(ex4ante,ínterim,ex4post)de políticasedeprogramasnacionais. Mecanismosdeplaneamento,amúltiplosníveis,comfraca articulaçãoaonívelnacional. Reduzidoimpactomundialdaproduçãocientífica portuguesa. Númeroinsuficientedepatentesnacionais. Oportunidades Políticaeuropeiadeestímuloaocrescimentointeligente,sustentávele inclusivo:horizon2020,cosme,fundosestruturais, InternacionalizaçãodoSistemaNacionaleRegionalde'Inovaçãocom umamaiortendênciaparaadiversificaçãodasfontesdefinanciamento ài&d. Potencialdossectoresesistemasprodutivosnacionaiseregionaisna promoçãodeumcrescimentointeligente,impulsionandoasexportações eadiversificaçãodeatividades. Valorizaçãodosrecursosendógenosatravésdopotencialturísticode Portugal. PotencialdedesenvolvimentoeinternacionalizaçãodasPMEatravésde umavalorizaçãodaproduçãoregionaleexpansãoanovosmercados. Potencialdedesenvolvimentodeumclustermarítimo,aproveitandoos recursosexistentesesectorescomplementares. Ameaças' Manutençãodefortesrestriçõesdefinanciamentoàs empresas. Elevadoscustosdecontexto,nomeadamenteemtermos energéticos. Riscodedesinvestimentonaqualificaçãooriginadopela faltaderecursosdasempresasefamíliasepelasaídade quadrosqualificadosparaoexterior. Investimentoinsuficiente,intensificando$seafraca presençadecapitaisestrangeirosemportugalbemcomoa transferênciadecentrosdedecisãoparaoexterior. Fracoplaneamentoestratégicoaoníveldeinfraestruturas delogística. Fortedependênciadosectordoturismoafatoresexternos. Envelhecimentoacentuadodapopulaçãoebaixastaxasde natalidadecadavezmenoscompensadaspelosfluxos 22

23 Exploraçãodeplataformaseinfraestruturaslogísticasquepotenciemo sectordostransporteseserviçoscomplementares. AumentodapenetraçãodaInternetdebandalargaedautilizaçãodas TIC Apostanoensinotécnicoenaarticulaçãodossistemasdeensinoe formaçãoprofissionalemregimedual alternandooambienteemsala comoambientedetrabalho. Potencialenergéticoparadesenvolvimentodeenergiasrenováveise maioreficiênciaenergética. Potencialdeaproveitamentodetecnologiaslimpasesustentáveis,eco eficientese,ainda,responderàcrescenteprocuradeprodutos biológicos. Fomentodoempreendedorismocomocontributoparaadinamização económicaereintegraçãonomercadodetrabalho. Existênciadeindústriasculturaisecriativasrelevantesnotecido empresarial. Aprofundamentodasrelaçõespolíticasecomerciaiscomnovosespaços económicos. Áreasdenegócioemergentesrelacionadascomaprestaçãodeserviços sociaisedesaúdedecorrentesdoenvelhecimentodapopulação. Crescentepercentagemdeempresascomatividadesdeinovação indiciandoumamaiorcapacidadetecnológicaendógenaeuma crescenteapropriaçãoderecursosfinanceirosehumanos. Potencialdecrescenteespecializaçãoemserviçosintensivosde conhecimentoeconsolidaçãodabasecientíficadopaís. Especializaçãocientíficacoincidentecomáreasdeespecialização económica. Especializaçãoeconómicacomelevadopotencialparaaexploraçãode significativaseconomiasdeescala,degamaedeváriostiposdesinergias eexternalidadespositivas,privilegiandoatransferênciade conhecimentoeoupgradetecnológico,emalgunsclustersdaindústria transformadora. Vantagemcompetitivaemrecursosnaturaisderivadadeuma plataformacontinentalcomdimensão18vezessuperioraoterritório. Portugal,dadaasuadimensão,tempotencialidadesdelaboratóriode experimentação(e.g.test4bed) Capacidadecrescentedasentidadesdosistemacientíficoemcompetir internacionalmenteemconsórciosdeprojetosdeinvestigação,oucomo prestadorasdeserviços,edesoluções'tecnológicasnomercado europeu.' Espaçoeuropeudecolaboraçãopotenciadordaparticipaçãodas empresasemprojetosdei&d. migratórios. Riscodedesinvestimentopúblico,pormotivosde constrangimentoorçamental,nosdomíniosdai&i. Progressivoesgotamentodapossibilidadedeuma utilizaçãocontinuadadosrecursosnaturaisàmargemde umquadrodedesenvolvimentosustentável. Crescentepressãocompetitivarelacionadacomo crescimentodenovosespaçoseconómicos(alargamento europeuepaísesasiáticos). ManutençãodaperdacompetitivadePortugalnoespaço europeuporincapacidadedevalorizaçãoeconómicado conhecimento,traduzidanamanutençãodeumaeconomia especializadaematividadesdebaixaoumédia/baixa intensidadedetecnologiae/ouconhecimentocomforte concorrênciaecomfracacirculaçãodeconhecimentono sistema. Níveiselevadosdecustosdecontextoparaaatividade económica,especialmenteaoníveldaadministração pública. Eventualincumprimentorelativamenteàsmissõesdo EstadoporreduçãodaexecuçãodeI&Dnoslaboratóriosdo Estado. Concentraçãodasfontesdefinanciamentonacionaisnum númeroreduzidodeatores Regiõesinsularesultraperiféricascomreduzidadimensão domercadolocaleausênciademassacríticadossistemas deidt+i Dodiagnósticoefetuado,tendopresenteacaracterizaçãodoperfildeI&IdePortugaledassuasregiõesNUTSII, sobressaemumconjuntodeconstrangimentosedesafiosqueirãoconstituirabasedereflexãoparaadefinição dasprioridadeseopçõesestratégicas. AanáliseSWOTestáfocadanasprioridadestemáticasdefinidasnoâmbitodaResoluçãodoConselhodeMinistros nº33/2013de20demaio,paraodomíniodacompetitividadeeinternacionalizaçãoquesealinhamdiretamente comoobjetivodoexercíciodeespecializaçãointeligenteparaainovação,equesãoasseguintes: 1. Reforço das Capacidades de Investigação e Inovação e Desenvolvimento das ligações e sinergias entre Empresas e Instituições de I&D (Reforçar a oferta e a procura de conhecimento, tecnologia e serviços especializados) 2. Incentivoaoinvestimentoempresarialeminovação,criatividade,internacionalizaçãoeformação 23

24 Reforço'das'Capacidades'de'Investigação'e'Inovação'e'Desenvolvimento'das'ligações'e'sinergias'entre' Empresas'e'Instituições'de'I&D' Aestenível,aanáliseSWOTdestacacomooportunidades,acrescentepercentagemdeempresasqueapresenta capacidade tecnológica endógena e ainda a criação de uma estratégia nacional de investigação e inovação, as quais são potenciadas pela generalidade das forças, donde se destacam a existência de Clusters e de infraestruturas de suporte à Inovação, de conhecimento científico em áreas relevantes, do fortalecimento da capacidade de I&D nas empresas e da existência de quadros altamente qualificados em importantes áreas de conhecimento. Aoníveldasdebilidadesquedificultamouquepodemlevaraodesaproveitamentodasoportunidadesexistentes, destacam$se o investimento ainda insuficiente em I&D e a colaboração entre instituições de investigação e empresas, aspetos que dificultam o aproveitamento da crescente especialização em serviços intensivos em tecnologiae/ouconhecimentoedaconsolidaçãodabasecientíficadopaís.refira$seaindaacapacidadereduzida do tecido económico em absorver população qualificada, sendo que a integração de quadros qualificados é efetivamenteumaformadepotenciaraligaçãodasempresasàsinfraestruturascientíficas,grandepartedasquais sãosimultaneamenteestabelecimentosdeensinosuperior. No que respeita ao impacto das forças nas ameaças, poder$se$á concluir que o crescimento relevante dos resultados de investigação e especialização científica em áreas com potencial emergente e em áreas com capacidadedei&dinstalada,poderácontribuirparareduziraespecializaçãodaeconomiaematividadesdebaixa ou média/baixa intensidade tecnológica, desde que se promova a circulação do conhecimento no sistema de inovação e a transferência daqueles resultados para o tecido empresarial. A este nível, o crescimento da capacidade de I&D nas empresas e o desenvolvimento de Clusters estratégicos em segmentos competitivos, permitemitigarapressãosobreosistemadecorrentedareduçãodosrecursosafetosàsinfraestruturascientíficas, potenciando as atividades colaborativas entre instituições de investigação e empresas. Para tal, deverão ser desenvolvidaspoliticasqueconduzamaumcrescentefinanciamentodoi&dporpartedasempresas,tendoem vistaasuavalorizaçãoeconómicanoâmbitodassuasestratégiasempresariais. Das vulnerabilidades que poderão contribuir para potenciar as ameaças, destaca$se o insuficiente nível de investimentoemi&d,eoaindabaixoníveldecolaboraçãoentreasinstituiçõesdeinvestigaçãoeasempresas, aumentandooimpactonegativodeumareduçãoderecursoshumanosefinanceirosassociadosàsinfraestruturas deciênciaetecnologiaedasfragilidadesdeumaeconomiaespecializadaematividadesdebaixaoumédia/baixa intensidadedetecnologia. Destaforma,oincentivoaocrescimentodoinvestimentoemI&Dporpartedasempresasemarticulaçãocomas infraestruturasdeciênciaetecnologia,assume$secomoumalinhadedesenvolvimentoclaramenteprioritária,sob penadeexporasdebilidadesexistentesàsameaçasidentificadasedestassetraduzirem$senaefetivadestruição devalornaeconomia. Incentivo'ao'investimento'empresarial'em'inovação,'criatividade,'internacionalização'e'formação' Aestenível,opotencialdossectoresesistemasprodutivosnacionaiseregionaisnapromoçãodeumcrescimento inteligentepodebeneficiarcomacrescentecapacidadedei&dnasempresas,principalmentequandoassociadaa Clusters competitivos, e a uma crescente vocação internacional da economia. A capacidade crescente das empresas ao nível da inovação surge reforçada também pela existência de quadros qualificados em áreas relevantesepelacrescenteutilizaçãodasticnosprocessosdenegócioenaorganizaçãointernadasempresas. As lacunas ao nível da constituição do tecido empresarial português nomeadamente o peso significativo de unidadesdereduzidadimensão,oreduzidotrabalhoemredeeaprevalênciadaproduçãodebens/serviçosde baixaoumédia/baixaintensidadedetecnologiae/ouconhecimento,sãoentravesaoaproveitamentodopotencial de desenvolvimento e internacionalização das PME. Por outro lado, o ainda insuficiente investimento em I&D 24

25 poderáporemcausaopotencialcriadopelocrescimentodonumerodeempresascomatividadesdeinovaçãoque indiciamumamaiorcapacidadetecnológicaendógena. Asdificuldadesdetetadasnacaptaçãodeinvestimento,principalmenteoexterno,sãoigualmentemitigadorasdas oportunidadesidentificadas,àsquaisurgerespondercomacriaçãodeumenquadramentocompetitivoduradouro (infraestruturas, custos de contexto, política fiscal, qualificação de Recursos Humanos, etc ) que promova a atraçãodoinvestimento,principalmentenasregiõesmaisdesfavorecidas. A promoção de políticas de clusterização com envolvimento transversal, por exemplo na dinamização de tecnologiastransversaisdelargoespectro(comênfasenastecnologiasdeproduçãoenacapacidadeadquiridaem TIC),tempotencialparaminimizareultrapassarasdebilidadesestruturaisexistentesaoníveldaarticulaçãodos sectores. É aliás no desenvolvimento destas politicas que se verifica o maior potencial de impacto sobre as principais ameaças diagnosticadas, nomeadamente a concentração de atividades de baixa ou média/baixa intensidadedetecnologiaeafracacirculaçãodeconhecimentonosistema. Por fim, assinala$se a importância da integração de quadros qualificados nas empresas e a valorização da qualificaçãocomofatordesucessoprofissionalepessoal.esteesforçodeveseracompanhadopelaadequaçãodas competências às necessidades dos mercados, e à promoção do I&D e da ligação das empresas ao sistema científico, como forma de promover a inovação e a evolução do tecido empresarial para atividades de maior intensidadetecnológica. Como conclusão da análise SWOT, apresentam$se de seguida os pontos que traduzem um maior potencial de valorizaçãobemcomoosprincipaisconstrangimentosaabordar,paraodesenvolvimentodaspoliticasdei&ino âmbitodaenei(tabela3). Tabela'3$ConclusãodaanáliseSWOT:potencialdevalorizaçãoeconstrangimentosaabordar Potencial' Constrangimentos' Existênciadequadrosqualificadosemáreasrelevantes Lacunasnaadequaçãodascompetênciasnaformaçãoe qualificação,àsnecessidadesdomercado Dificuldadeematrairereterrecursoshumanosaltamente qualificados Reduzidapresençadedoutoradosnasempresas Capacidadereduzidadotecidoeconómicoemabsorver populaçãoqualificada NúmerosignificativodeunidadeseinstituiçõesdeI&D excelentes CrescentefinanciamentodoI&Dporpartedas empresas IntensidadedeI&DdoPIBabaixodamédiaeuropeia DispersãoemultiplicidadedeatoresdosistemadeI&D ReduzidacontrataçãodeserviçosdeI&Debaixo financiamentoempresarial Existênciadeboasinstituiçõesdeintermediação Boacirculaçãodeconhecimentoedecolaboração entreempresaseinstituiçõesdei&demdeterminados sectoresetemas Debilidadescolaborativasentreinstituiçõesdeinvestigaçãoe empresas Deficientecapacidadedeincorporaçãonotecidoeconómico dosresultadosdei&d Fracorecursoaosistemadeproteçãodainovação(patentes, licenças,marcas) Crescenteespecializaçãoemserviçosintensivosem conhecimento CapacidadedeexportaçãodeserviçosdeI&Dede assistênciatécnica Insuficientecapacidadedegeraçãodeempreendedorismo qualificadoedepotenciarasoportunidadesdenegóciomais dinâmicoeemdomíniosdeinovação Dificuldadesdefinanciamentoefracorecursoainstrumentos financeiroscomoocapitalderisco,business,angels, 25

26 Potencial' ExistênciadeClustersedeinfraestruturasdesuporteà Inovaçãoemáreasrelevantes. Crescimentorelevantedosresultadosdeinvestigação eespecializaçãocientíficaemáreascompotencial emergente ViragemprogressivadasentidadesdoSI&Iparaos mercadosinternacionais Potencialdossectoresesistemasprodutivosnacionais eregionaisnapromoçãodeumcrescimento inteligentecomcrescentevocaçãointernacional Constrangimentos' Tecidoempresarialcompesosignificativodeunidadesde reduzidadimensão,semtrabalhoemredeecomprodução debens/serviçosdebaixaoumédia/baixaintensidadede tecnologia Dificuldadesnacaptaçãodeinvestimento,principalmenteo externo Fracacirculaçãoevalorizaçãoeconómicadeconhecimento nosistema Deficiênciasaoníveldaorganizaçãoegestãoapardeuma insuficiênciainserçãoemredesdecooperação EscassezdecompetênciasdeInternacionalizaçãodeI&Dnas empresas Baixoníveldeintensidadetecnológicaedeconhecimentodas exportações Dificuldadedelançamentoepenetraçãodemarcasno mercadointernacional 26

27 CAPÍTULO'III' 'PRIORIDADES' 3.1'-'OBJETIVOS'ESTRUTURANTES' Em2020,Portugaldeveserumaeconomiamaiscompetitiva,sustentável,criativaeinternacionalizada,atravésdo aumento do conhecimento e da intensidade de tecnologia dos vários sectores e do conjunto da economia, do aumentodopesodasatividadesprodutorasdebenseserviçostransacionáveisedaorientaçãoexportadoradas empresasportuguesas,assimcomodamelhoriadeeficiênciadascondiçõesdecontextoàatividadeempresarial. As vantagens estratégicas inteligentes são as vantagens identificadas nos temas com especialização científica, tecnológicaeeconómica,nosquaisportugaljádetémvantagenscomparativasecompetitivas,ouquerevelaram potencialdeemergircomoportadorasdessamudançaestrutural. Tendo em vista a maximização dessas vantagens para a concretização da visão, a ENEI identificou objetivos estruturantes,resultantesdasanálisesdediagnósticorealizadasaosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovação, visando a redução dos seus bloqueios e fragilidades, e a exploração das oportunidades identificadas. Estes objetivos foram norteadores da discussão realizada com os stakeholders, nos diferentes Eixos Temáticos, identificadoscomovantagensestratégicasinteligentesnacionais. A análise SWOT, elaborada com base nos vários diagnósticos temáticos, permite identificar cinco objetivos estruturantes: I. Apromoçãodopotencialdabasedeconhecimentoscientíficosetecnológicos; II. O fomento da cooperação entre as instituições de I&D públicas e privadas e entre empresas, com o reforçodapolíticadeclusterizaçãoeapromoçãodatransferênciaecirculaçãodoconhecimento,para melhoriadoníveldeintensidadetecnológicaedeconhecimentodosbenseserviçosproduzidos; III. A aposta em bens e serviços transacionáveis e com valor acrescentado, a internacionalização das empresaseadiversificaçãodemercados; IV. O fomento do empreendedorismo, promovendo a criação do emprego e a qualificação de recursos humanos; V. Atransiçãoparaumaeconomiadebaixoteordecarbono. I.'A'promoção'do'potencial'da'base'de'conhecimentos'científicos'e'tecnológicos' Este objetivo visa consolidar e reforçar a base de conhecimentos científicos e tecnológicos, fomentando a investigaçãocientíficaetecnológicadeexcelênciaeoreconhecimentointernacionaldascapacidadesdopaís.deve apostar$se em novos domínios com potencial face aos desafios societais que se colocam ao país (desemprego, envelhecimento, migração, mudanças climáticas, proteção de recursos naturais) e nas denominadas KET (Key, Enabling, Technologies), em especial face ao seu potencial de transformação da indústria, designadamente em setoresconsideradosmaistradicionais. É, ainda, necessário apostar na internacionalização do Sistema Nacional de Investigação e Inovação, através da cooperação além fronteiras, da captação de cientistas e da participação em Programas e redes internacionais, reforçandoasuacompetitividade. Efetivamente,noâmbitodosdiagnósticosefetuados,foiidentificadoograndepotencialexistentenosistemade investigaçãoearelevânciadasuacontribuiçãoparaotecidoeconómico.contudo,éaindainsuficienteaaplicação doconhecimentoproduzidonaeconomia. 27

28 AcapacitaçãodosistemadeI&D,aapostacontinuadanaexcelência,easuaorientaçãoparaostemasprioritários, sãocondiçõesimportantesquecontribuemparaodesenvolvimentoeconómicoesocialdopaís. Existe ainda um conjunto de áreas tecnológicas conhecidas cuja aplicação transversal tem vindo a melhorar o desempenhodeoutrossectores.porexemplo,aexcelentecapacidadeemticquetemproduzidobonsresultados emváriossectoresdeatividade. Nesteâmbitoimportasalientarqueapromoçãodatransferênciaedaexploraçãodoconhecimentonosistema nacionaldei&iéumdesafiocentral,comimportantesimpactosaníveldodesenvolvimentoeconómicoesocietal, Noentanto,oSI&Iapresentaimportantesbloqueiosnaproteçãoecomercializaçãodoconhecimento,nãosóa nível das instituições de I&D e das empresas, mas também ao nível das entidades de interface, havendo que reforçar o seu papel enquanto dinamizadores e facilitadores da transferência e valorização de conhecimento, nomeadamente pelo recurso aos sistemas de proteção da propriedade industrial ou intelectual. Em particular, importa promover a cultura de propriedade industrial a nível, por exemplo, de competências técnicas e especializadassobreasespecificidadesdosistema,daqualidadeeenforcementdaspatentes 14 O perfil de especialização científica de Portugal pode contribuir para a resiliência dos sectores de baixa e média/baixaintensidadetecnológicaeparaodesenvolvimentodesectoresemergentesesectorescommaiores níveis de intensidade de tecnologia e/ou conhecimento, através, por exemplo, de formação oferecida pelas instituiçõesdei&dnasáreasdosclustersindustriais,decandidaturasconjuntasaofinanciamentodeprojetosde I&D, de outros tipos de parcerias entre as entidades do sistema nacional de I&I (FCT, 2013: 244), do empreendedorismoacadémico,edoapoioàproteçãoevalorizaçãodoconhecimentonasinstituiçõesdei&d,que inclua incentivos e orientações concretas para a valorização de patentes e para a identificação proactiva de problemasnaempresaquecarecemdesoluções. O sistema de I&I necessita de uma ligação mais estreita às necessidades do mercado, com mecanismos e incentivosclarosparaaindústriaprocurarativamentesoluçõesnosagentesdosistemaetambémcomumamaior adequação do financiamento aos tempos necessários para a introdução de novos produtos ou serviços no mercado.éassimcentraldesenvolverumapolíticadegestãodoconhecimento,queintegrepolíticashorizontaise políticasespecíficasdirecionadasàsorganizaçõesacadémicaseàsempresas. Neste âmbito, a aposta no reforço de competências e capacitação dos recursos humanos, surge como um importanteinstrumentoparaainovaçãonosmodelosdenegócioatuaisefuturosimpondo$secomoumfatorde competitividade de grande relevância. Finalmente, deverá promover$se a inserção de recursos humanos altamente qualificados no sistema de I&I, através da criação de emprego científico, procurando valorizar esses recursoseoinvestimentoemformação/investigaçãojárealizado,quesãodegranderelevânciaparaaexcelênciae capacitaçãocientíficaetecnológicadosistema. II.'O'fomento'da'cooperação'entre'as'instituições'de'I&D'públicas'e'privadas'e'entre'empresas,'com'o' reforço'da'política'de'clusterização'e'a'promoção'da'transferência'e'circulação'do'conhecimento,'para' melhoria'do'nível'de'intensidade'tecnológica'e'de'conhecimento'dos'bens'e'serviços'produzidos' Obaixoníveldequalificaçãodapopulação,comimpactodiretonosbaixosníveisdeprodutividade,assimcomoa capacidadereduzidadotecidoeconómicoemabsorverpopulaçãoqualificadaforamigualmenteidentificadosnos diagnósticosefetuados.oreforçodacompetitividadedasempresas,porincorporaçãodevaloreconhecimento surge,então,comoprioridade. No contexto dos diagnósticos efetuados, foram também identificadas como falhas as debilidades colaborativas entre as instituições de investigação e as empresas, o desajuste entre as competências produzidas no sistema educativoeasnecessidadesdomercado,eumtecidoempresarialconstituídoporunidadesdereduzidadimensão 14 RelatóriodasconclusõesdoWorkshopdereflexãoestratégicaINOVAR:Protegerecomercializaroconhecimento. 28

29 comreduzidotrabalhoemrede,queproduzembens/serviçosdebaixaintensidadeemtecnologia.paracontornar esta falha, pretende$se aumentar os níveis de agregação, cooperação e a interação económica e científica. A clusterizaçãosurgeaquicomouminstrumentodepolíticadegranderelevância,poispermiteagregarempresase entidadesemtornodecadeiasdevalor,potenciandoredeseplataformascolaborativasfacilitadorasdesinergias intraeintersetoriaisedavalorizaçãoeconómicadoconhecimento. A subcontratação e a co$promoção no âmbito do I&D podem ser utilizadas como formas de intensificação da cooperaçãoentreasinstituiçõesdeinvestigaçãoeasempresas,incentivandoodesenvolvimentodeprojetosde investigaçãoemcontextoempresarial. Noquadrodesteobjetivo, devem ser identificadas medidas que permitam uma transferência de conhecimento commaioresníveisdeeficiênciaeeficácia. III.'A'aposta'em'bens'e'serviços'transacionáveis'e'com'valor'acrescentado,'a'internacionalização'das' empresas'e'a'diversificação'de'mercados' Noâmbitodosdiagnósticosefetuadosfoiidentificadocomopontofraco,asubsistênciadedebilidadesestruturais na orientação exportadora. Desta forma, há que identificar as áreas e formas de atuação mais relevantes para incentivarainternacionalizaçãodaspmeatravésdeumavalorizaçãodosprodutoseexpansãoanovosmercados. Para tal, deverá fomentar$se a participação das empresas no processo de obtenção de conhecimento (aumentando o investimento privado em I&D e Inovação), aumentando o peso das atividades intensivas em tecnologiaeconhecimento,emespecialemsetorestransacionáveiseinternacionalizáveis,quecontribuamparaa alteraçãodoperfilcompetitivoeparaumcrescimentosustentáveldasexportações. Com esse fim, será pertinente fomentar o estabelecimento de parcerias estratégicas com outras entidades ou empresas estrangeiras, que permitam posicionar as empresas nacionais em redes de prestação de serviços ou produçãodebensdedimensãoglobalcomfortebasenacionalelocal. Outra das falhas identificadas nos diagnósticos foi a ausência de estratégias promocionais da região a nível internacionalquefixemvisitantes,comespecialrelevâncianosectordoturismo.nesteâmbito,foidefinidacomo necessidadeapromoçãodeestratégiasdecaptaçãodeprocurainternacionaldeatraçãoefidelizaçãoturística.'' Oturismoé,cadavezmais,umaatividadetransversalsuportadaporumacadeiadevalormuitovastaeprofunda deprodutos locais parasatisfazerprocuras globais,ondeseintegrammúltiploselementos,muitaparaalémda viagem,alojamentoerestauração,comoacultura,opatrimónio,ocomércio,oscuidadosdesaúde,asegurança,a qualidadedoambiente,entreoutros. IV.'O'fomento'do'empreendedorismo,'promovendo'a'criação'do'emprego'e'a'qualificação'de'recursos' humanos' APromoçãodoempreendedorismo(partilhaderisco,experiênciaseapoioanovasideias)surgecomoumfator importanteparacombateraelevadataxadedesemprego,emespecialdejovensqualificadosedificuldadesde reintegraçãodosdesempregadosdelongaduração. Oespíritoempresarialcontribuiparaacriaçãodeempregoeparaamodernizaçãoecrescimentodaeconomia, promovendoumanovageraçãodeempresárioscomatividadesdealtovaloracrescentadoedirigidasaomercado global.cadavezmais,sãoasempresasrecém$criadasepequenas,enãoasgrandes,asmaiorescriadorasdenovos postosdetrabalho.asnovasiniciativasempresariaisaumentamaprodutividade,namedidaemquefazemsubira pressãocompetitiva,forçandoasoutrasempresasareagirmedianteomelhoramentodaeficáciaouaintrodução dainovação. A promoção do espírito empreendedor e do empreendedorismo deve assentar em três eixos de intervenção: melhoriadascompetências,incluindoqualificaçãoetreino,apostandonavalorizaçãodosrecursoshumanos(e.g. 29

30 noâmbitodeinstituiçõesdeensinosuperior),oacessoaofinanciamentonomeadamenteonecessárioàcriaçãoe dinamizaçãodenovosnegóciosqueexploremosresultadosdainovaçãoeodesenvolvimentoderedesdesuporte aosempreendedoresquecriemcondiçõesdeassistênciaesuportenosprimeirosanosdevida.poroutrolado, existeumarelaçãointrínsecaeholísticaentreempreendedorismoeinovação. V.'A'transição'para'uma'economia'de'baixo'teor'de'carbono.' Este objetivo visa o desenvolvimento sustentável, apostando nas energias renováveis e no incremento da eficiênciaenergética,minimizandoadependênciaexternaepromovendoatransiçãoparaumaeconomiadebaixo carbonobemcomooincentivoaumagestãootimizadadosrecursosnaturais,comdestaqueparaaáguaeparao mar,paraareduçãoderesíduoseparaareciclagem.atemáticadetransiçãoparaumaeconomiadebaixoteorde carbonoemtodosossectoresaparececomorespostaàfortedependênciaexternanaproduçãodeenergiaede combustíveisfósseis. Oagravamentodosproblemasambientaisàescalaglobaltendeageraroportunidadeseconómicasparasectores, empresas e empreendedores que sejam capazes de propor novos produtos, processos e soluções. Há uma tendência internacional de crescimento da chamada economia verde, em termos de riqueza produzida e de empregogerado.naatualidade,osestadoseaspolíticaspúblicastendemaincentivaraeconomiaverde,através de diferentes mecanismos (fiscais, regulamentares, investimentos), assim como penalizações de atividades, produtoseprocessoscommaiorimpactoambiental,estimulandoossectorespúblicoeprivadoainterviremcada vezmaisnestedomínio. Um dos principais desafios estratégicos nesta temática é a redução dos consumos e custos associados ao funcionamentodasempresas eàgestão da economia doméstica, libertando recursos para dinamizar a procura internaenovosinvestimentos.contudo,areflexãosobreatransiçãoparaumaeconomiaverdenãopodeserfeita semacautelaroseucaráctertransversal/sectorial:mar,mobilidade,turismo,agroalimentar,saúde,entreoutros. Assim, o contributo transversal do Sistema de I&D é crucial para este processo de alteração de paradigma industrial. 3.2'D'PRIORIDADES'ESTRATÉGICAS'INTELIGENTES'' Asprioridadesestratégicasinteligentescombinamasvantagenscompetitivaseascomparativas,comaquelaspara as quais o País tem potencial de crescimento. A opção por prioridades estratégicas inteligentes visa evitar centrar a definição estratégica apenas em vantagens comparativas ou competitivas, dado que as existentes tenderiam a perpetuar a atual estrutura produtiva da economia, centrada em sectores de baixa e média/baixa intensidadetecnológica(lock4inestrutural). Atravésdosdiagnósticosnacionaiseregionaisrealizadosforamidentificadosossectoreseconómicos,osdomínios científicoseastecnologiasemqueportugalé,oupoderáviraser,competitivo.estestemasforamposteriormente objectodeumprocessodeauscultaçãoastakeholdersacadémicoseempresariaisquediscutiram,emsessõesde brainstorming estruturado, as vantagens competitivas e a visão a 2020 de cada tema, bem como as recomendações de medidas e instrumentos de política pública de carácter genérico ou específico, durante os mesesdeoutubroenovembrode2013. Asprioridadesestratégicasinteligentesforamescolhidasporpossuíremcaracterísticastransversais,queexploram as aplicações de tecnologias às atividades económicas, nomeadamente os temas ou atividades que potenciam múltiplossectoresouclusters,explorandosinergiasentreossectoresqueutilizamasmesmasbasestecnológicas, oudecomponentes,oudeorganização,maximizandoaexploraçãodacadeiadevalor.docruzamentodasáreas de especialização identificadas,emergiramtemasqueforamcolocadosàdiscussãodosstakeholders. A identificação dos temas resultou da síntese das capacidades existentes e potenciais ao nível da estrutura produtivaedabaseconhecimentocientíficoetecnológicodopaís,comumconjuntodecaracterísticasassociadas 30

31 aumaespecializaçãointeligente,e,ainda,comocruzamentocomasprioridadesdefinidaspelauniãoeuropeia paraoprograma$quadrohorizonte2020ecomasdiferentesestratégiasnacionaisetransnacionaisqueopaístem definidas.ascaracterísticasconsideradasforamasseguintes: 1. Potencialeconómicodossectores/fileiras 2. Potencialparaacriaçãoderecursosqualificadoseemprego 3. Horizontalidadetecnológicaetecnologiasgenéricas 4. Exploraçãodavariedaderelacionada 5. Massacríticaoupotencialemergente 6. Consistência(coerênciaentretemas) 7. Exploraçãodosgrandesdesafiossocietais 8. Exploraçãodosrecursosnacionais 9. Abrangêncianacional/transnacional 10. Posicionamentoestratégico,europeueinternacional Os temas identificados são 15, que foram organizados em cinco eixos temáticos que apresentam lógicas ou objetivossocietaiscomunsouafins.estaagregaçãotemáticarevelou$seeficaznomododeauscultaçãoetambém pelofactoderevelaremrelaçõesdensasentrecadacluster.oscincoeixostemáticossãoosseguintes: 1.'TECNOLOGIAS'TRANSVERSAIS'E'SUAS'APLICAÇÕES' Energia TecnologiasdeInformaçãoeComunicação Matérias$primaseMateriais 2.'INDÚSTRIAS'E'TECNOLOGIAS'DE'PRODUÇÃO' TecnologiasdeProduçãoeIndústriasdeproduto TecnologiasdeProduçãoeIndústriasdeprocesso 3.'MOBILIDADE,'ESPAÇO'E'LOGÍSTICA' Automóvel,AeronáuticaeEspaço Transportes,MobilidadeeLogística 4.'RECURSOS'NATURAIS'E'AMBIENTE' Agro$alimentar Floresta EconomiadoMar ÁguaeAmbiente 5.'SAÚDE,'BEMDESTAR'E'TERRITÓRIO' Saúde Turismo IndústriasCulturaiseCriativas Habitat 31

32 Paracadatemadoscincoseixos,apresenta$seumresumodoresultadodaanálisedediagnósticorealizadaedas jornadasdereflexão,comaidentificaçãodasvantagenscompetitivasepotencialdeinovação,assimcomoavisão coletivaqueemergiudessadiscussão.sãoaindaidentificadas,emtermossucintos,ascaracterísticaseconómicas, científicasetecnológicasdecadatema,semprequepossível,eosprincipaistópicos. Tabela4aTabela8.Emanexo,encontram$seosdocumentosdoprocessodeauscultação(diagnósticoestratégico etópicosidentificadosevalidados,erelatóriodaauscultação). Tabela'4$EixoTemático1:TecnologiasTransversaisesuasAplicações Eixo'1'D'Energia', Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Portugaleficiente,autoeeco$sustentadoemenergia,atravésdaexploraçãodeumconjuntodiferenciado degrandespotencialidades,queincluemi&demáreaschave,novasfontesdeenergiarenovávelcombase emrecursosendógenos. Atorrelevantedacooperaçãonoespaçolusófono,comfornecimentodebenseserviçostransacionáveis emnichosespecíficos/cadeiasdevalor. O setor da energia destaca$se pelo impacto significativo e papel que desempenha em todos os outros setores, no desenvolvimento sustentável, e nos desafios societais identificados no âmbito do Horizonte Portugaléespecializado,emtermosdevaloracrescentadoeemrelaçãoàmédiaeuropeia,ematividades económicasdosetordaenergia,designadamente Fabricaçãodecoque,produtospetrolíferosrefinados, combustívelnucleareaglomeradoscombustíveis e Eletricidade,gás,vapor,águaquenteefria.Esteé umdossetoresdaeconomiaportuguesacomumráciodeprodutividademaiselevado,emrelaçãoàmédia europeia(fct,2013;dadosrelativosa2011).temtambémreveladoumgrandedinamismoaváriosníveis, taiscomonaproduçãodeenergiaelétricaapartirdefontesdeenergiarenováveis,particularmenteeólica, hídricaefotovoltaica.osvaloresrelativosàsfonteseólicaehídricaquaseduplicaramentre2008e2011, enquanto a produção de energia elétrica a partir de energia fotovoltaica tem vindo a crescer exponencialmente,emboraoseupesonaproduçãonacionaldeenergiasemantenhamuitoreduzido. Acontribuiçãodasenergiasrenováveisparaoconsumofinaldeeletricidadeera,em2011,de53%,um crescimento de 19 pontos percentuais face a 2008, sendo de destacar o crescimento significativo das contribuiçõesdasenergiashídricapara25%eeólicapara19%. Aspolíticasdeincentivoàsenergiasrenováveiseosenormesinvestimentosnestaáreatraduzem$sena redução significativa da dependência energética de Portugal face ao exterior entre 2005 e Esta dependência é particularmente a nível de petróleo, gás natural e carvão, atendendo à escassez de produçãonacionalderecursosenergéticosendógenosfósseis. Capacidade de integrar fontes de energia renovável em grande escala, explorando um conjunto diferenciadodegrandespotencialidades,queincluemfontesdeenergiaeólica,particularmenteoffshore (mar)edebiomassa. Relaçõesprivilegiadasdecooperaçãonalusofonia,emquepaísescomooBrasil,AngolaeMoçambique serãofuturosfornecedoresenergéticosestratégicosdaue. Capacidadededesenvolvimentodesoftwareparaaeficiênciaenergética. Utilizaçãoótimadasinfraestruturasdeenergia. Capacidade de capitalizar o esforço desenvolvido na Internet das Coisas nas áreas de smart, grids, sistemasdeaor(assessment,of,the,resilience),,smart,homes,,smart,appliances,,tics,redes,telemetriae sistemasdegestão. Investigaçãoedesenvolvimentotecnológicoembiocombustíveis,mobilidadeelétrica,energiasrenováveis earmazenamentodeenergia. Integração disciplinar que visa a produção de soluções interessantes para os sistemas de energia, traduzidos, por exemplo, num grande dinamismo no volume de produção científica do domínio da EnergiaeCombustíveis. Existemaindavantagenscompetitivasnosectordaenergiaaníveldaespecializaçãodocapitalhumanoe dacapacidadedeformaçãoderecursoshumanos. PlanoNacionaldeAçãoparaaEficiênciaEnergéticaePlanoNacionaldeAçãoparaasEnergiasRenováveis. 32

33 Potencial'de' Inovação Tópicos' Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterização,nomeadamentedoPolodeCompetitividade etecnologiadaenergiaedoclusterdaeconomiadomar. Procura de soluções armazenamento e gestão, conducentes a uma utilização mais racional, amiga do ambienteeeficientedosrecursosenergéticospelasfamíliasepelasempresas Háumelevadopotencialdeinovaçãoematividadesdecooperaçãonoespaçolusófono,particularmente nobrasil,emangolaemoçambiqueparaaexploraçãosustentáveldepetróleoegásnatural. Exploração e produção inteligente de Recursos Energéticos Offshore Não$Renováveis (nomeadamente campos petrolíferos digitais e sistemas submarinos de Produção Inteligente e Ambientalmente Sustentável). Utilização da biomassa para redes locais de calor, em conjugação com o solar térmico, e promover o aproveitamentodoknow,howemenergiaoffshore(mar). Exploração do conhecimento resultante do investimento realizado no desenvolvimento das energias renováveis,eficiênciaenergética,mobilidadeelétrica,egestãoecontroloavançadodasredeselétricas. Fornecimentodebenseserviçostransacionáveisemnichosespecíficos/cadeiasdevalor,comumaaposta naprestaçãodeserviçosaoexteriorenodesenvolvimentodenovosmodelosdenegócioenovosserviços. Manutençãodamini/microgeração. Síntesedecombustíveissintéticos. Resoluçãodosproblemasdemobilidade. Armazenamentocomsoluçõesreversíveis. OtimizaçãodaProduçãoeTransportedeEnergiaeComplementaridadenasuaGestão(Renováveis;Não Renováveis; Novos Combustíveis e Hidrogénio, Pilhas de Combustível, Fusão Nuclear; Captura e ArmazenamentodeCO2;GestãodeSistemasdeEnergiaemTempoReal;SistemasdeArmazenamentode Energia) Utilização Final da Energia, Eficiência Energética e seus Impactos (Smart, Cities; NZEB, Net4Zero, Energy, Buildings; Energia nos Transportes; Padrões de Consumo e Comportamento dos Consumidores; DistribuiçãodeEletricidadeedeGásNatural;MudançasClimáticas) AplicaçõesdeNovasTecnologiaseRedesEnergéticasInteligentes(TICs;Smart,Grids) Integração do mercado europeu de energia (Modelização; Planeamento; Novos Modelos de Mercados; Regulação) Eixo'1'D'Tecnologias'de'Informação'e'Comunicações', Visão''' Portugal como líder na economia digital. As TIC são um ativo estratégico transversal da sociedade contemporâneaparaaafirmaçãodalínguaportuguesaedeportugalnomundo,paraoreforçodacoesão nacionaleparaodesenvolvimentosustentadodopaís. OpotencialdasTIC,quercomoáreacientíficaetecnológicaquercomosectordeatividadeeconómicoe sociocultural, permite a Portugal afirmar$se, a curto e médio prazo, como líder no contexto europeu e mundial.. Características'' Setor económico com crescimento significativo em termos internacionais, representando 6% do VAB e 3,7%doVolumedenegóciose1,6%dopessoalaoserviçodosetorempresarial(INE,2011),emPortugal. As TIC, enquanto domínio científico$tecnológico e enquanto setor de atividade económica, constituem referênciacentralnamobilizaçãoderecursosnosistemanacionaldei&deinovação. Vantagens' competitivas' PortugaldispõederecursosTIC(consolidados,emdesenvolvimentoeemergentes)commaiormaturidade emassacrítica(nãosóemtermosdecapacidadecientíficaetecnológica,comoemtermosdecapacidade deinovaçãoedeintervençãodasempresas). As equipas de I&D portuguesas têm qualidade científica reconhecida, no 7ºPQ, nas seguintes áreas: Internet e Redes do Futuro; Robótica e sistemas cognitivos; TIC de confiança, seguras e fiáveis (Trustworthy,ICT);TICparaaeficiênciaenergética;TICparaaeducação;TICparaasempresas;Bibliotecas Digitais;TICparaaSaúde;Sistemasintegrados;TICparaostransporteseInternetdasCoisas. DespesaemI&Ddopaísconcentra$seemáreasTIC( Engenhariaeletrotécnica,eletrónicaeinformática e Ciênciasdacomputaçãoedainformação ). Disciplinas científicas relacionadas com as TIC estão entre as que mais contribuem para a produção científicaetecnológicaemportugal. As empresas portuguesas são atores chave na mobilização de recursos para a I&D em TIC e revelam 33

34 crescentecapacidadedeatuaçãonosmercadosanívelglobal. Bom sistema de ensino superior com oferta de formação com qualidade comparável aos melhores desempenhoseuropeus. Excelentecoberturaterritorialdebandalargarápidaeultrarrápida. InfraestruturaseletrónicasdeapoioàC&Tquegarantemaconectividaderápidaeultrarrápidadopaísà Europa e ao Mundo, com meios potentes de computação distribuída para aplicações científicas, e disponibilizam acesso direto e aberto a repositórios institucionais de informação científica (nacionais e internacionais). Flexibilidade e capacidade de adaptação dos portugueses e disponibilidade para uso experimental da tecnologia. Opaístemcondiçõesparaserlaboratóriodeexperimentação(test4bed). Inserção'nas' Políticas' Públicas Potencial'de' Inovação Tópicos' LivroVerdeparaaSociedadedeInformaçãoemPortugaleAgendaPortugalDigital. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloPolode CompetitividadeeTecnologiadasTICE. TecnologiasdaLínguaPortuguesa,TecnologiaparaGovernoEletrónico(e4Government),Tecnologiapara plataformas logísticas, Tecnologias de Informação e Comunicação para Turismo, Tecnologias de Informação para Assisted, Living e Saúde, Internet, of, Jobs, Tecnologias para e4banking, Cidades e TransportesInteligentes. RegulamentaçãoincluindoprincípiosjurídicoseéticosnautilizaçãoedivulgaçãoTIC. PromoçãodaInternetdoFuturo(Internet,das,Coisas$IoT;Redessemfios;ComunicaçõeseRedeseÓticas; Ciber$segurança;ImpactodasRedesSociais) InfraestruturasdeBaseEletrónica(Eletrónica;Hardware;ArquivoseColeçõesdigitais) ModelizaçãoeSimulaçãodeSoftware EngenhariadeComponenteseSensores Robots interaçãohomem/máquina AgendaDigitalee4Government Cloud,Computing e Parallel,Computing Novosmodelosdenegóciodigital Nanoebio$electrónica SistemasAvançadoseComplexosdeEngenharia AplicaçõesMóveis LigaçãoaosMedia LigaçãoaoTurismoeLazer Eixo'1'D'MatériasDPrimas'e'Materiais', Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Portugal, país com uma ótima utilização dos seus recursos minerais, garantindo um aprovisionamento sustentáveleresponsável,baseadoemtecnologiaseco$eficientes. Terliderançaemprodutoscombaseemmateriaiscompósitosenovosmateriais,explorandoigualmente aplicaçõesemindústriastradicionaiseintensivasemtecnologiaeconhecimento. Sector das indústrias extrativas em renascimento com a valorização sustentável das matérias$primas. Matérias$primas de base para sectores dominantes em que Portugal tem especialização económica, nomeadamente na pasta de papel e papel, produtos petrolíferos, cerâmica, cortiça, têxteis e calçado. Sectordebiocombustíveisemergente. Existênciaderecursosmineraisdegrandediversidadegeológico$mineiranaplataformacontinentalcom potencial económico, desde quartzo, feldspato, lítio, cobre, zinco, tungsténio, antimónio, berílio, germânio,ferro,ouro,prata,volfrâmio,estanho,índio,elementosdasterrasraras,elementosdogrupo deplatinaecaulino,utilizadosnasindústriasdecerâmica,vidro,cimento,produçãodepapel,automóvel, aeroespacialeeletrónica,àsrochasornamentais(mármores,calcáriosegranitos). Existênciaderecursosminerais(cobre,zinco,ouro,cobalto,outrosmetais)edehidratosdemetanono fundodomar. 34

35 Resíduosmineirosemetalúrgicosacumuladossuscetíveisdecontermetaispreciososeoutrosmetaiscom valoreconómico. Potencialdeexploraçãoemprofundidade(abaixodos500m)comrecursoanovastecnologias,tantodo subsoloterrestrecomonosubsolomarinho. Eficiente exploração e uso de matérias$primas com recurso a novos processos eco$eficientes e de re$ engenhariadeprocessosprodutivos. Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação Tópicos' EstratégiaNacionalparaosRecursosGeológicos RecursosMinerais. Potencial de inovação decorrente das ações de clusterização desenvolvidas, nomeadamente pelos ClustersHabitatSustentávelePedraNatural. Potencial de exploração do vasto conhecimento científico e tecnológico de materiais para o desenvolvimentodenovosprodutos Novosmateriaiscompósitosenano Novasaplicaçõesdemateriaisexistentes,nomeadamenteasetoresdeindustriatradicionais Desenvolvimento de Tecnologias Inovadoras para Recursos Minerais Sustentáveis (Utilização de Novos Materiais; Processamento de Minérios e Minerais; Tecnologias Eco$inovadoras; Recursos Minerais Escassos;Materiaisparatecnologiasenergéticaspoucointensivasemcarbono) Produção Sustentável de Matérias$primas e Materiais Derivados da Floresta (Pasta de Papel; Madeira; Cortiça;ReduçãodeResíduoseAproveitamentodeBiomassa;MonitorizaçãoAmbiental;Reutilizaçãode Resíduos) Aplicação de Tecnologias Avançadas Matérias$primas e Materiais (Eficiência de Recursos através da AplicaçãodasTICs;NovosMateriais) AplicaçãodeNovosMateriaisàsIndústriasTradicionais Uso Eficiente, Seguro e Sustentável da Produção Industrial de Recursos (Alternativas para Matérias$ primas Críticas; Eficiência na Exploração e Uso de matérias$primas; Exploração de Matérias$primas na TerraenoMar;ExploraçãodeTerrasRaras) Tabela'5$EixoTemático2:IndústriaseTecnologiasdeProdução Eixo'2'D'Tecnologias'de'Produção'e'Indústrias'de'Processo, Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação PortugalcomumaIndústriadeProcessoem2020quecombinetecnologiasavançadasetransversaisde formaintensiva,tendoemvistaodesenvolvimentodeprocessosmaiseficientes,emtermosdeutilização derecursosedeeficiênciaenergética,naperspetivadodesignadocrescimento verde ecomumgrau maiselevadodesimbiosedeprocessostecnológicos,comodesenvolvimentodasuamaiorintegraçãono quadrodascadeiasdevalornacionaiseeuropeias. Portugal apresenta especialização em várias indústrias de processo, nomeadamente na petroquímica, pasta e papel, têxteis, tintas e vernizes entre outras. De destacar a liderança mundial na indústria do papel. O cimento, os gases industriais e as tintas e vernizes apresentam igualmente índice de especialização significativo.especializaçãocientífica(e.g.engenhariaquímica,eengenhariasdeprodução). ExistênciadeRecursosHumanosqualificadosecompetênciaseminvestigaçãoeinovaçãocomaplicação naindústriadeprocessos. Boas escolas de engenharia e de cultura tecnológica com características de adaptabilidade e de flexibilidade.boaintegraçãonasredeseuropeias. EstratégiadeFomentoIndustrialparaoCrescimentoeEmprego2014$2020. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepelosPolos decompetitividadedastecnologiasdeproduçãoe Engineering,&,Tooling. Existepotencialparaacréscimodeintegraçãodeprocessosaolongodacadeiadevalornamesmafileira ouentrefileiras. A otimização de utilização de recursos naturais e de matérias$primas constituirá crescentemente um 35

36 elementocentralparacontribuirparaumcrescimentoverdequeseráeleprópriofontedeinovaçãoede valorizaçãoeconómicadosprocessos. Tópicos' Aumento da Competitividade das Indústrias de Processo (Cimento, Pasta de Papel, Química, Farmacêutica, )(IntegraçãodaCadeiadeValor;Processosprodutivosmaiseficientes;Degradabilidade dosprodutos;reduçãodeemissõeseresíduos;eficiênciaenergética) QuímicaVerde(Reutilizaçãodeprodutosematérias$primaseeficiênciaenergética;ProcessosQuímicos Eficientes) BiotecnologiaIndustrial IndústriaFarmacêutica Eixo'2'D'Tecnologias'de'Produção'e'Indústrias'de'Produto, Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação Portugalcomumaindústriacompetitiva,decrescimentosustentado,baseadanumsistemaenergético eficiente, com produtos inovadores de elevado valor acrescentado e que explore as vantagens da SimbioseIndustrial atravésdaarticulaçãodefileiraseprocessostecnológicos. Indústria caracterizada por sectores de indústria tradicional competitivos, com boa incorporação de tecnologiaedesign(calçado,têxtil,entreoutros),incluindoaoníveldastecnologiasdeprodução Potencialdefertilizaçãocruzadaeexploração:Água,ReutilizaçãodeResíduos,EnergiaeTIC. CentralidadedePortugalnoEspaçoAtlântico. Recursosendógenos(Clima,Mar,Cortiça,Produtosagroalimentares,Azeite,entreoutros). Qualidade e flexibilidade dos recursos humanos, nomeadamente das escolas de engenharia. Boa interligaçãoentreuniversidades,institutosdei&d,organismosdeinterfaceeindústria. IndustriadotadadecapacidadedeexploraçãodotrinómioEnergia/Eficiência/Renováveis. MarcaPortugal reconhecidanosmercados. Flexibilidade,customizaçãoefornecimentodesoluçõesintegradas. EstratégiadeFomentoIndustrialparaoCrescimentoeEmprego2014$2020. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepelosPolos decompetitividadedastecnologiasdeproduçãoe Engineering,&,Tooling. Tecnologias da Produção, de Informação e Comunicação e de Eficiência Energética para potenciar reduçãodecustosemelhoriasnodesempenhoemcadeiasdevalorglobais. Tópicos' Promoção do Crescimento Industrial Sustentável Baseado em Produtos de Alto Valor Acrescentado e Conteúdo Tecnológico (Incorporação de design, novos materiais e TICs; Integração produto$serviço; Customizaçãodeprodutos) Fábricas do Futuro (Tecnologias de Produção e Instrumentação) (Sistemas de Produção Flexíveis e Reconfiguráveis,InteligenteseAdaptativos,ColaborativoseemRede,eparaCustomizaçãoemMassa; Novas Tecnologias de Produção; Tecnologias para a Gestão do Ciclo de Vida dos Produtos; Eficiência EnergéticaeMinimizaçãodeImpactosAmbientaisnaProduçãoIndustrial) Tabela'6$EixoTemático3:Mobilidade,EspaçoeLogística Eixo'3' 'Automóvel,'Aeronáutica'e'Espaço, Visão''' Portugalcomumapresençareforçadaemcadeiasglobaisdefornecimentodasindústriasautomóvele aeroespacial, centrada na valorização e exploração do conhecimento, na flexibilidade e numa melhor articulação entre os stakeholders do sistema de I&I, através da dinamização de transferência de conhecimentoentreauniversidadeeaindústriaedeprojetosmobilizadoresqueintegremcadeiasde valor dos sectores automóvel e aeroespacial e também de sectores transversais, como TIC, Energia e TecnologiasdeProdução. NoEspaço:participaçãomaisativanosprogramasdaESAedaUEeodesenvolvimentodasligaçõescom abaseindustrialconstruída,apartirdeumamaiorespecializaçãonacionalevalorizaçãodaexcelência científicasnaáreadoespaçoedasuaexploraçãosocioeconómica 36

37 Características'' Vantagens' competitivas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação Tópicos' Osectorautomóvelapresentaumpesosignificativonasexportaçõesenoempregonacionais,noqual são determinantes as grandes unidades de montagem existentes no país, fruto de investimento estrangeiro,geradorasdeimportantesefeitosdearrastamentosobreaeconomiaeasquaiscontribuíram paraodesenvolvimentodetodaumaindústriadecomponentesassociadaaosector. Especializaçãonacionalnafabricaçãodecomponenteseacessóriosparaveículosautomóveis. Sectoraeronáuticocomgrandesempresas,comreconhecimentointernacional,naáreadeserviçosde manutençãoeengenhariaaeronáutica,eapresençadeumdosmaioresfabricantesmundiaisdeaviões. Osectorespacialcaracteriza$seporumacomunidadedeempresaseunidadesdeinvestigaçãocientífica com tecnologias inovadoras, integrados em programas espaciais europeus. Recursos humanos qualificadosecapacidadetécnicainstalada,nomeadamenteemciênciasbásicas. Os três sectores são predominantemente constituídos por PME com problemas de escala de fornecimento. Sector automóvel: Sinergias significativas entre empresas de grande dimensão e pequenas e médias empresas (PME), num contexto de tradição no sector, de conhecimento acumulado, de capacidade técnica instalada $ onde os recursos humanos qualificados e com elevado grau de adaptabilidade desempenham um papel fundamental $, de PME com capacidade de adaptação às diferentes característicaseexigênciasdosmercadoscombasenaflexibilidadenaproduçãodeencomendascom sériesdepequenaemédiadimensão. Noseuconjunto,ossectoresautomóveleaeronáuticotêmcapacidadedeatraçãodeinvestimentodireto estrangeiro, contando com a presença em Portugal de grandes multinacionais, beneficiando da estabilidade sociocultural e política existente em Portugal, relativamente a regiões concorrentes, de transferência de conhecimento entre os dois sectores, e da capacidade instalada de investigação e desenvolvimentoemdomíniosrelevantes,taiscomoengenharia,físicaematemática. Posiçãogeoestratégicaparaaplicaçõesdosectorespacial(e.g.EstaçõesTerrestresemSantaMariados Açores)epotenciadoresdeutilizaçãoemmúltiplossectorescomomonitorizaçãoderecursosnaturais (incluindo recursos hídricos, oceanos e coberto florestal), agricultura, ordenamento do território, transportes e logística, passando pela proteção civil, segurança dos cidadãos, produção de energia e defesanacional.portugalapresenta$secomoumelodeligaçãoprivilegiadocomospaísesquesustentam economiasemdesenvolvimentonoscontinentesafricanoesul$americano(e.g.copernicuseáfrica). "PlanodeAçãoparapromoverautilizaçãodeimagensdesatéliteeinformaçãoderivadanoâmbitodas competênciasespecíficasdosorganismoseserviçosdaadministraçãopública". Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloPolode CompetitividadeeTecnologiadasIndústriasdaMobilidade. Exploraçãodacapacidadedealavancagemdasgrandesempresasedasoportunidadesdetransferência de conhecimento e tecnologia entre os sectores automóvel e aeroespacial e entre empresas e instituiçõesdosistemadeinvestigaçãoeinovação,atravésdatransversalidadedoconhecimentogerado (e.g.componentesmetálicos,softwareesimulação,engenhariadedesenvolvimentoedeproduto),da integração de cadeias de valor, de ferramentas tecnológicas comuns e da investigação em domínios científicos relevantes nos quais Portugal é especializado, em comparação com a média europeia, tais comoengenhariaindustrial,robótica,engenhariadaindústriatransformadora,termodinâmicaeciência dos materiais $ compósitos e multidisciplinar. Existem também importantes oportunidades a explorar atravésdeligaçõesentreesteseoutrossectores,taiscomotic,materiais,energia,recursosnaturaise ambiente,tecnologiasdeproduçãoemar. MaximizaçãodaexploraçãodaspotencialidadesdeinvestigaçãoedeinovaçãodasAgênciasEuropeias (ESAeESO)comendogeneizaçãotecnológicaeapoioaoempreendedorismo. Sustentabilidade e Inovação da Produção Automóvel e dos seus Componentes (Novos Meios de Transporte;BaixoCarbonoeVerdes;NovosCombustíveis) Desenvolvimento de Tecnologias Avançadas Aplicadas ao Automóvel, Aeronáutica e Espaço (TIC e eletrónica;óticaelasers;robótica;automaçãoecontrolo;materiaisavançados;conceçãodemódulos deveículosautomóveisedeaeronaves) Desenvolvimento da Industria de Componentes (Têxtil Técnico; Borracha; Moldes e Plásticos; Vidro; ComponentesMetálicos;NovosMateriais;Sensores;Revestimentos) Serviços Intensivos em Conhecimento (Aquisição, Pré$processamento e Acesso aos Dados; Telemetria; ModelaçãoparaProduçãodeInformação;Conceçãodemódulos) Desenvolvimento de Subsistemas para a Indústria Aeronáutica e Espacial (Sistemas de Navegação; 37

38 HardwareEspacial;Conceçãodemódulosparaaindústriaaeronáutica) ' Eixo'3' 'Transportes,'Mobilidade'e'Logística', Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação Tópicos' Portugal com cidades e territórios mais competitivos (smart, cities), com base em modelos de cooperação,conectividadeefacilitaçãodalogísticaedostransportesnumaescalaeuropeiaeglobal. Portugal tem ativos únicos em termos de portos (representam 80% do tráfego internacional de mercadorias). Preferênciadotransportepormeiorodoviárioemdetrimentodoferroviário,efracaconectividadecomo restodaeuropa. Rede logística pouco integrada nos canais de distribuição e nas cadeias de distribuição internas e internacionais. PosiçãogeoestratégicaemtermosdetransportemarítimocompotencialdecriaçãodeumHubAtlântico nos Açores e de Hubs especializado no Continente com potencial de maior integração nas cadeias europeiasemundiaisdetransporte. Redelogísticaeficientenoconsumo. Competênciascientíficasemtecnologiaseinfraestruturas(e.g.Telecomunicações,gestãoemodelosde redesviárias,portuáriaseaeroportuárias). Empresastecnológicasedeserviçosavançadoscompotencialdeclusterização. PlanoNacionaldePolíticadeOrdenamentodoTerritório(PNPOT);PlanoNacionaldosTransportes Interligação e conectividade dos meios de transportes e ganhos de eficiência energética, ao nível da organizaçãoegestãoedelogística,nomeadamentenalogísticaassociadaàprodução. ExploraçãodascapacidadesdeI&DexistentesemTIC,aplicadasa,redesdegestãodeinteroperabilidade e multimodalidade no âmbito dos Transportes e da Logística, incluindo a dimensão de eficiência energética. Gestão de Infraestruturas Portuárias (Gestão de Infraestruturas Aeronáuticas; Armazenamento; Software;Infraestruturas;Fluxosdepessoas;Exploraçãodenovosnegócios) Desenvolvimento de Novos Meios de Transporte Sustentáveis de Mercadorias (Via Ferrovia; Via Marítima;SustentabilidadedoTransporteRodoviário) Transportes Seguros e Sustentáveis (Multi$modal e Mobilidade; Segurança; Construção de Veículos LimposeSilenciosos;MobilidadeeEspaçoUrbano) Sistemas de Transportes Inteligentes e Logística (Comunicações; Sistemas de Informação e Controle; InterfacesInteligentes;Gestãodefluxos;SistemadePagamentos;InvestigaçãoOperacional) EstandardizaçãoeCertificação NovasPoliticasPúblicasdeTransportes(Segurança;Modelização;TransportesPúblicoseÁreasUrbanas) Tabela'7$EixoTemático4:RecursosNaturaiseAmbiente Eixo'4' 'AgroDalimentar' Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Serlíderemprodutosquesedestaquempelaqualidadeorganolepticanutricionalesegurançaalimentar apostando nas características únicas e diferenciadoras dos produtos nacionais, que constituem uma vantagem para o mercado diferenciado que privilegia a saúde e o bem$estar, baseados numa forte componente de investigação e desenvolvimento, com reconhecimento e valorização pelos mercados externos. A fileira do Agroalimentar encontra$se em expansão, sendo importante para a economia portuguesa (representa cerca de 4,1% do PIB, com uma quota de 8,4% nas exportações e responsável por praticamente 12% do emprego total). No período 2007$2012, a taxa de crescimento média anual das exportaçõesdocomplexoagroalimentarfoide7,9%,superioràdototaldaeconomia(3,4%). Existênciadeespecializaçãocientíficaeeconómicanosectoredeprodutosespecificamentenacionais cujaqualidadesebaseiaemi&detecnologiasinovadoras(e.g.hortícolas,frutas,carne/enchidos,vinho e azeite) e de empresas que estão recetivas em trabalhar com investigadores ou em consórcio com 38

39 centrosdeinvestigaçãoparaaresoluçãodeproblemasexistentese/ouparaodesenvolvimentodenovos produtosacolocarnomercado. Existência de condições edafoclimáticas apropriadas para a especialização em produtos de qualidade, tendoporbaseadietamediterrânica patrimónioculturalimaterialdahumanidadedaunesco(com fortessinergiascomoturismo) EmpresastecnologicamenteavançadasedotadasdesistemasdegestãobaseadasemTIC. Interligação' com'outros' temas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação Estetematemumaancoragemelevadacomrelacionamentocomamaioriadostemasprioritárioscomo sejaeixo4comafloresta,águaeambienteeeconomiadomar.eixo1 TecnologiasTransversaisesuas Aplicações com as TIC, a Energia e os Materiais e Matérias$Primas; as Tecnologias de Produção e InstrumentaçãonaIndústriadeProcesso,doEixo2 IndústriaseTecnologiasdeProdução;oTurismoea Saúde,doEixo5 Saúde,Bem$estareTerritório. Garantir a autossuficiência em valor no setor agroalimentar em 2020, produzindo e processando os alimentos(génerosalimentíciosealimentosparaanimais)deummodosustentável. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloPolode CompetitividadeeTecnologiaAgroindustrial. Potenciar a diferenciação pela excelência através da I&D e Inovação nomeadamente pela aposta no desenvolvimentos de alimentos funcionais (com benefícios para a saúde) e tendo também em conta nichosdemercadocomnecessidadesnutricionaisespecíficasepelaapostanaautenticidadeequalidade deprodutostradicionaisportuguesesedesenvolvimentodenovosconceitosdealimentaçãoportuguesa mais saudável, original e conveniente. Investigar, no sentido de tirar o melhor e maior partido do binómiodastecnologiasdeconservação/embalagemparaobtermosprodutosalimentaressustentáveis dopontodevistaambientaleadequadosàsexigênciasdosconsumidores. Omelhoramentogenéticodeespéciesvegetaiseanimaisconstituiumdomínioqueapresentaelevado potencial de investigação contribuindo para a recuperação de espécies adaptadas às condições edafoclimáticasdopaíseparaamelhoriadepráticasdeculturas. Tópicos' Eixo'4' 'Floresta, Produção de alimentos saudáveis com base em agricultura sustentável (azeite, mel, produção de proteínas,áreasrurais,água,vinho,biodiversidade,eficiênciaemenergiaereduçãoereaproveitamento deresíduos,segurança/rastreabilidade) Organização eco$sistémica do espaço rural (Transporte e Distribuição; Floresta e áreas rurais; Uso da terra e organização social; Incêndios, impactos e combate à desertificação; Tratamento de resíduos; Biodiversidade;Embalagensinteligentes;Alimentoscustomizados) Engenharia Alimentar e Tecnologias Avançadas (Biotecnologia; Biologia Sintética; Engenharia Tecnológica) Vinho ExploraçãodasligaçõesdaAlimentaçãocom:Saúde,EconomiadoMar,Turismo Visão''' Características'' Promoçãodaprodução,doaumentodaprodutividadedospovoamentosjáinstalados,daexistênciade novasáreasplantadasequereduzamoriscodeincêndioedeataquesdepragasdosespaçosflorestais, através do aumento da resiliência dos povoamentos, com o apoio de modelos de produção florestal apoiadosemciênciaetecnologiasavançadas. Aumentaracapacidadeprodutivaflorestaldoterritórioportuguês,garantindoagestãosustentáveldos recursoseousomúltiplodosespaçosflorestais.emsimultâneomelhoraraorganizaçãoequalidadedo sectorprimárioflorestal,tantonaproduçãocomonacapacidadeecompetênciadosseusagentes. Osespaçosflorestaisocupammaisde2/3doterritórioeaflorestapropriamenteditacercade35,4%. A estrutura fundiária fragmentada da floresta portuguesa tem sido um fator inibidor ao seu desenvolvimento.alémdisso,apropriedadedaflorestaportuguesaéessencialmenteprivada. A exploração da floresta nas suas diversas dimensões (económicas, sociais e ambientais) é realizada aquém do seu potencial. Alguns riscos, como os incêndios, as pragas, e os impactos das alterações climáticas podem agravar este diferencial. Em paralelo, o aparecimento de outras aplicações para os recursosflorestais,nomeadamenteasrelacionadascomaproduçãodeenergia,colocanovosdesafiosà qualidadedagestãodafloresta. Fileira tradicional da economia com peso económico no PIB e nas exportações (12% em 2012), com elevadaespecializaçãoecompetitividade,dotadadegrandesempresasglobaisquecontribuemparaa 39

40 internacionalizaçãoeprestígiodamarcaportugal.recursosendógenosespecíficoscomoacortiça. Apesardosprogressosverificadosnasúltimasdécadas,observa$seumadiscrepânciaimportanteentrea criaçãodeconhecimentoesuacirculaçãoevalorizaçãoeconómica. Vantagens' competitivas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Interligação' com'outros' temas' Potencial'de' Inovação' Tópicos' Aptidão natural do país para a produção florestal. O país dispõe de povoamentos bem instalados, adaptadoseprodutivosbemcomodeumafileirabemdesenvolvidanaáreadafloresta. Aflorestaportuguesaémuitoricaetemumenormevalorassociado.Alémdosusosdiretosdafloresta (vendadeprodutoscomoamadeira,cortiçaeresina)háqueconsiderarovalorquepodesergeradocom a exploração de mel, frutos, cogumelos ou ervas aromáticas e o valor associado ao pastoreio, caça, pesca,recreiooulazerbemcomoovalordasfunçõesmenoscontabilizadasdafloresta(proteçãodosolo, derecursoshídricos,sequestrodecarbonoouaproteçãodapaisagemebiodiversidade.estima$sequeo valorlíquidodaflorestasejasuperiora1.100milhõesdeeuros. Indústrias florestais com elevada capacidade empresarial e elevado potencial de valorização dos produtosdoecossistemaflorestal. A fileira florestal dispõe de recursos humanos qualificados bem como de competências científicas significativas. EstratégiaNacionalparaasFlorestas(emrevisão). Áreatransversalcominterligaçãocomamaioriadasprioridadesescolhidas,comooEixo1:Tecnologias TransversaiseSuasAplicações(EnergiaeMateriaiseMatérias$primas);Eixo2:Indústriasdeprocesso; Eixo4:RecursosNaturaiseAmbiente(Agroalimentar)eEixo5:Saúde,Bem$EstarETerritório(Saúdee Turismo) Potencialdemelhoriadaproduçãoeprodutividadeflorestal:melhoramentodeespécies,adequaçãodos povoamentosàscondiçõesedafoclimáticas,adaptaçãoeresiliênciadospovoamentosfaceásalterações climáticas. Também através de melhoria da fitossanidade florestal: controlo de pragas; redução da incidênciadedoenças. Diversificação de espécies para a produção de madeira. Métodos de mitigação e recuperação pós$ incêndios.diversificaçãodeusosemercadosdeprodutosdebaseflorestalincluindonovosprocessose metodologias.valorizaçãoderesíduosedesubprodutosdafloresta.produçãodeenergia. Novosmodelosdegestãodoterritório;Modelosalternativosdegovernançaparaestruturasfundiárias diversas. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloPolode CompetitividadeeTecnologiadasIndústriasdeBaseFlorestal. Exploração do crescimento verde e da bioeconomia: investigação ao nível da biodiversidade e das espécies,damicrobiologia,deformasmaiseficientesdeaproveitamentodeenergia,desoluçõesparaa reciclagemesustentabilidadedasindústriasenvolvidas. Identificação e exploração de valores múltiplos associados à floresta. Valorização de serviços de ecossistemasprestadospelasflorestas. DesenvolvimentoEco$sistémicodaFloresta(MelhoramentodasEspéciesFlorestais;GestãoSustentávele Planeamento de Recursos; Uso do solo; Água; Prevenção e Deteção de Incêndios; Monitorização e Avaliação do desempenho Ambiental; Prevenção e Tratamento de Pragas e Doenças dos Recursos Florestais;EficiênciaEnergéticaeOtimizaçãodosProcessosdeCorte,Extração,PreparaçãoouRechegae OtimizaçãodeProcessosdeFabrico) ProduçãoSustentáveldeMatérias$primaseMateriaisProdutosDerivadosdaFloresta(PastadePapel; Madeira; Cortiça; Outros produtos: resina, pinhão, castanha, alfarroba, óleos essenciais; Redução de ResíduoseAproveitamentodeBiomassa;MonitorizaçãoAmbiental;ReutilizaçãodeResíduos) Eixo'4' 'Economia'do'Mar'D'Recursos'Alimentares'Marinhos'(Pesca'e'Aquicultura)' Visão''' Características' Valorização e diferenciação do pescado português e dos produtos nacionais sustentáveis da pesca através do conhecimento científico das espécies com maior potencial de valorização e garantia de sustentabilidadeambientalatravésdaaplicaçãodetecnologiasinovadoras. Umdosconsumosdepescadomaiselevadosdomundo,principalmentedebacalhau.Acapturanãoé suficiente para satisfazer o consumo interno. Capturas muito diversificadas descarregadas em lota. Tecidoempresarialdepequenadimensãoepredominantementeartesanal.Condiçõesnaturaisadversas 40

41 acertotipodeaquicultura. Vantagens' competitivas Inserção'nas' Políticas' Públicas Potencial'de' Inovação' Tópicos' Diversidade do pescado e capacidade científica sobre este, com competências e infraestruturas adequadas. Organizaçãoaglutinadorada FileiradoPescado comatividadeimportantejuntodosdecisorespolíticos. Acoordenaçãodepolíticasdomar,aarticulaçãodaEstratégiaNacionalparaoMar2013$2020coma EstratégiaMarítimaEuropeiaparaaÁreadoAtlântico(EMEAA)ecomaEstratégiadeInvestigaçãoe Inovação para uma Especialização Inteligente é uma vantagem competitiva a potenciar em toda a extensão. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloPolode CompetitividadeeTecnologiaAgroindustrialeClusterdaEconomiaeConhecimentodoMar. Exploraçãoemelhoriademétodosdepescaemateriaisautilizarnaspescarias,deformaatorná$lasmais sustentáveis redes fabricadas com materiais biodegradáveis, equipamentos que permitam conhecer melhor os cardumes ou fundos, melhoria dos procedimentos a bordo para uma melhor seleção e acondicionamentodopescado,comvistaàsuavalorização,logona1ªvenda.novasformasdeutilização ecomercializaçãodomesmopescado. EconomiadoMar$RecursosAlimentaresMarinhos:Pesca,aquicultura,in4landeoff4shore,eindústriado pescado;saliculturaesegurançaalimentar Capacidadedeprevisãoemodelaçãoeanálisedadinâmicadepopulações Desenvolvimentotecnológicodasartesdepesca Análise de aspetos socioeconómicos, importância do setor no desenvolvimento da economia de base regionalelocal,diversificaçãoparaoutrasatividadeseconómicasnacomunidade Tecnologias e processos de diversificação das espécies produzidas $ novos tipos de alimento; uso de robóticaebiotecnologia Combateaorganismospatogénicosedoenças(aquicultura) Potenciar a economia verde (eficiência de recursos; valorização de subprodutos e embalagens inteligentes) Aumentodovaloracrescentadodosprodutosnumaproduçãoorientadaparaomercado(indústriado pescado);análisedapreferênciadoconsumidoredevalorizaçãodaimagemdoprodutoedamarcade origem(aquiculturaeindústriadopescado).segurançaalimentar Novastecnologiaseserviçosparadesenvolvimentodeprodutoseprocessos Demonstraçãodemodelosdenegócioinovadoresepadrõescomportamentais Eixo'4' 'Economia'do'Mar'D'Sistemas'Naturais'e'Recursos'Energéticos'Renováveis' Visão'' Características' Vantagens' competitivas Inserção'nas' Políticas' Maximizaroconhecimento,avalorizaçãoeaexploraçãodosecossistemas,dosrecursosvivosenãovivos marinhos e energéticos do Oceano, de forma sustentável, tendo por base o desenvolvimento de tecnologiastransversais,comimpactopositivonosváriossectoresdaeconomiadomar. Portugal desfruta de uma localização geoestratégica e acesso ao ambiente marinho e marítimo de qualidade e dimensão. Tem um clima ameno e recursos naturais, incluindo elevada biodiversidade marinhaediversidadedeecossistemas.noentanto,azonacosteiraésuscetívelàsalteraçõesclimáticas. Mão$de$obraqualificadaeacustocompetitivo,queremtermosdeI&Dquereconómico,associadaaum tecidoempresarialcomapetênciaparaainovação. Liderançanoprocessodeimplementaçãodaredenatura2000eáreasmarinhasprotegidasnoaltomare nooceanoprofundo. Temdiversidadegenéticanosseusrecursosmarinhoscomvaloresúnicosedistintivos. Boacapacidadeinstaladaemáreastecnológicastransversaisnabasedodesenvolvimentotecnológicoe no desenvolvimento de produtos de elevado valor acrescentado. Nomeadamente em biotecnologias, recursos marinhos e energias offshore numa ótica de desenvolvimento; Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica (TICE) com reflexos na monitorização e vigilância marítima. E,ainda, detém competênciasconsolidadasemenergiasrenováveis Acoordenaçãodepolíticasdomar,aarticulaçãodaEstratégiaNacionalparaoMar2013$2020,coma Estratégia Marítima Europeia para a Área do Atlântico (EMEAA) e com a Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente é uma vantagem competitiva a potenciar em toda a 41

42 Públicas Potencial'de' Inovação' Tópicos' extensão. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloCluster daeconomiaeconhecimentodomaredopolodecompetitividadeetecnologiadaenergia. Novasalternativasdeproduçãodeenergiarentáveisesustentáveis.Sistemasdealertaparadesastras naturais(e.g.inundações,tsunamis,erosão). Economia do Mar $ Sistemas Naturais e Recursos Energéticos Renováveis: Recursos naturais (BiodiversidadeeClima;Oceano Atmosfera;AlteraçõesClimáticas)eRecursosenergéticosrenováveis (Vento;Ondas;Salinidade;Marés,Biomassa) Dinâmicadosecossistemas,modelação,biodiversidademarinhaeindicadoresdeBomEstadoAmbiental Tecnologias de monitorização, in4situ e detecção remota por satélite e por plataformas aerotransportadas,emapeamentodosrecursos Sistemasdeapoioàdecisãoemcasodeacidentesdepoluição Potenciararesiliênciadosecossistemas Mitigaçãoeadaptaçãoàsalteraçõesclimáticas Novosmodelosdegovernaçãoedesignaçãodeáreasmarinhasprotegidas,nazonacosteiraenoalto mar,inclusivé Ordenamentodoespaçomarítimo Novosmodelossocio$económicos Modelosdeprevisãooceanográficaeinteraçãooceano$atmosfera Eixo'4' 'Economia'do'Mar' 'Recursos'do'Mar'Profundo Visão'' Características' Vantagens' competitivas Inserção'nas' Políticas' Públicas Potencial'de' Inovação' Tópicos' ExploraçãosustentáveldosnovosrecursosdoMarprofundoportuguêsparamaximizaropotencialde desenvolvimentodaeconomiaazul. Portugalpossuiatualmenteumazonaeconómicaexclusiva(ZEE)quecorrespondeacercade18vezesa sua área terrestre. São conhecidos recursos naturais associados aos campos hidrotermais submarinos dosaçores:osjazigosdesulfuretosmaciços,ricosemcobre,zinco,chumbo,ouro,prata,outrosmetais, utilizadosnofabricodeumavariedadedebensdeconsumo(telemóveis,automóveis,painéissolares, aviões,etc)eosmicrorganismos,fontedebiomoléculascommuitasaplicaçõesindustriaissobretudona indústriaalimentar,cosméticaefarmacêutica.outrosexemplossãoosnóduloseascrostasmetalíferas (ricasemcobalto,níquel,cobre)entreportugalcontinentaleamadeiraeoshidratosdegás(metano) cominteresseeconómicocomoalternativaaoscombustíveisfósseis(petróleo,gásnatural). Competênciasnodomíniodossistemasrobóticos(projeção,construçãoeoperacionalização),sistemas de geração de energia, da acústica para detecção remota, do desenvolvimento de modelos para monitorizaçãoambientalcompotencialaplicaçãonoestudoeexploraçãosustentáveldooceano. Especialização científica no domínio da engenharia dos oceanos que poderá sustentar a exploração económica. Competências em sistemas robóticos (projeção, construção e operacionalização), dos sistemas de geração de energia, da acústica para caracterização remota, do desenvolvimento de modelos para monitorizaçãoambiental. Competênciasembiotecnologiamarinhapodemmaximizaraexploraçãodacadeiadevalor. Acoordenaçãodepolíticasdomar,aarticulaçãodaEstratégiaNacionalparaoMar2013$2020,coma Estratégia Marítima Europeia para a Área do Atlântico (EMEAA) e com a Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente é uma vantagem competitiva a potenciar em toda a extensão. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloCluster daeconomiaeconhecimentodomarepolosdecompetitividadeetecnologiadaenergiaetecnologias daprodução. Explorar as potencialidades do mar profundo nas Pesca de mar profundo, Biotecnologia Marinha, Recursosmineraisenergéticosenãoenergéticos. Economia do Mar $ Recursos do Mar profundo: Biotecnologia marinha; Mineração; Pesca de mar profundo;recursosenergéticosnãorenováveis(hidrocarbonetos;gásnatural) Mapeamentoderecursosbiológicoseminerais(seabed,mapping) 42

43 Desenvolvimentodetecnologiasdemonitorização(robótica,sensores,instrumentação,plataformasde investigação,nanotecnologia) Exploração dos recursos (Biomedicina, engenharia de tecidos, farmacêutica, produção de enzimas) e patentes Desenvolvimentodenovosserviçosnomar,incluindoTIC Sustentabilidadeeresiliênciadosecossistemas Modelosdegovernaçãoeinstrumentosdegestão Eixo'4' 'Economia'do'Mar' 'Portos,'Logística,'Transportes,'Construção'Naval'e'Obras'Marítimas Visão'' Características' Vantagens' competitivas Inserção'nas' Políticas' Públicas Potencial'de' Inovação' Tópicos' OMarcomoumdesígnionacionalparaumtransportemarítimoeco$eficientenumespaçomarítimosem fronteiras,paraacapitalizaçãodaindústrianavaleaintegraçãodalogísticaportuárianalogísticaglobal. Sectortradicionaldeatividadeeconómica Competências em ciências do mar (engenharia oceânica). Capacidade para potenciar a indústria naval para a exploração económica do mar, relacionada com a construção de protótipos de plataformas oceânicas multiusosoffshore, construção de navios especializados, inovadores, reciclagem de navios e conversãonavalparaumtransporteeco$eficiente. Conhecimentosobreosrequisitosparaaconstruçãodoespaçomarítimoeuropeusembarreiras. Acoordenaçãodepolíticasdomar,aarticulaçãodaEstratégiaNacionalparaoMar2013$2020,coma Estratégia Marítima Europeia para a Área do Atlântico (EMEAA) e com a Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente é uma vantagem competitiva a potenciar em toda a extensão. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloCluster daeconomiaeconhecimentodomar. Colocar o transporte marítimo como eixo de intervenção dos Clusters Marítimos, como sistemas dinâmicosdedesenvolvimento,empreendedorismoeinovaçãoentreosseusmembrosenaexploração demercadosnacionaiseinternacionais. OtimizaçãodosprocessosdeinspeçãoportuáriaatravésdasTIC. ExportaroconceitoeaoperacionalizaçãodaJanelaÚnicaLogística.Capitalizaraindústriadaconstrução navalemaximizaranáuticaderecreio. EconomiadoMar$Portos,logística,transportes,construçãonavaleobrasmarítimas:NovosMeiosde Transporte; Transportes de Baixo Carbono; Transportes Inteligentes; Portos; Construção e Reparação Naval;GestãodeFluxos(transportes,mobilidadeelogística);Obrasmarítimas Auto$estradasdoMar Plataformasmultiusonomarereduçãodosconflitosdeusosnoespaçomarinho Adaptaçãodasembarcaçõesanovasexigênciasdecertificaçãoambientaleoutras Diversificaçãodaconstruçãoereparaçãonavaisparaapoioaosectordasenergiasrenováveisnomar, reciclagemdenavioseanálisedeciclodevida Novasembarcaçõesparaanáuticaenichosdemercado Desenvolvimento tecnológico transversal para observação, avaliação, inspeção e segurança: TIC e robótica,plataformas,instrumentação,sistemasautomáticoseautónomos Sinergiasentreáreastecnológicas,aeronáuticaeaeroespacial Qualidadecertificadanotransporteedistribuiçãodosrecursosalimentaresmarinhos Desenvolvimento de infraestruturas hidráulicas (utilização de processos naturais) e adaptação das infraestruturasàsalteraçõesclimáticas Desenvolvimento de soluções técnicas inovadoras adaptadas à realidade económica, geofísica e ecológicadolitoralnacional Eixo'4' 'Economia'do'Mar' 'Cultura,'Turismo,'Desporto'e'Lazer Visão'' Características' Vantagens' competitivas OMarcomofatoridentitárioculturalesocialdePortugal SectoremergentecomnecessidadesdeafirmaçãodaMarcaPortugal/MarPortugal AlocalizaçãodePortugal,asuadiversidadepaisagística,oambiente,oclima,ainterfacemar/terra,o património e a cultura marítima e ribeirinha da sociedade. São conhecidas oportunidades para a 43

44 afirmaçãodaidentidadeturístico$culturaldopaís. Inserção'nas' Políticas' Públicas Potencial'de' Inovação' Tópicos' Acoordenaçãodepolíticasdomar,aarticulaçãodaEstratégiaNacionalparaoMar2013$2020,coma Estratégia Marítima Europeia para a Área do Atlântico (EMEAA) e com a Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente é uma vantagem competitiva a potenciar em toda a extensão. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloCluster daeconomiaeconhecimentodomar. InvestigaçãoInterdisciplinar EconomiadoMar$Cultura,turismo,desportoelazer:DesportoeLazer;TurismoBalnear;Turismode Saúde;Cruzeiros;Eco$Turismo Avaliaçãodemercadosnicho,desenvolvimentoeinovaçãotecnológicaparacentrosnáuticos,marinase promoçãodasfuturasmotorizações Redeseclusters$análisedapotenciaçãodovaloracrescentado Desenvolvimentolocaleregionaldanáutica,eco$turismoeligaçãoaosrecursosendógenos Áreasmarinhasprotegidasenovosmodelosdegestão Literaciadomar Eixo'4' 'Água'e'Ambiente' Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Interligação' com'outros' temas' Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação' Tópicos Portugalcomoreferêncianarespostaaosdesafiosrelacionadoscomaconservaçãodabiodiversidadeea gestãosustentáveldosrecursosnaturaiseecossistemas,comcapacidadesfaceaoconhecimentodetido noâmbitodagestãodaáguaparaproporeconcretizarmedidasdemelhoriadegestãoedeeficiênciana adaptaçãoàsalteraçõesclimáticasdediversasatividades. Portugal apresenta consideráveis índices de especialização científica, a nível europeu, em áreas relacionadascomotemaáguaeambiente.aáguaéumadasatividadeseconómicasemqueportugalse distinguepelaelevadaespecialização,comumíndicedeespecializaçãocombasenovaloracrescentado (Portugal/UE26) superior a 2, sendo esta posição de destaque e que é reforçada pela especialização científica,tecnológicaeeconómicareconhecida. AscapacidadesdeI&DTnacionaisaliadasaosrecursosendógenos(e.g.,biodiversidade),especificidade climática e posicionamento geográfico estratégico conferem potencial para progredir preservando o ambienteeosrecursosnaturais. As competências em sistemas de informação, nomeadamente na capacidade de monitorização desenvolvidascomastecnologiasdeinformaçãoecomunicações(tic),paraalémdainfraestruturação existentepermitiramaportugaldistinguir$sepela(i)qualidadenagestãodeabastecimentodeáguae saneamento com elevada cobertura nacional, (ii) reconhecida capacidade instalada em I&D na descontaminação e recuperação de solos, (iii) gestão de risco ambiental e (iv) gestão sustentável de ecossistemas. Áreatransversalcominterligaçãocomamaioriadasprioridadesescolhidas,comooEixo1:Tecnologias TransversaiseSuasAplicações(Energia.TecnologiasdeInformaçãoeComunicações,Materiaise Matérias$primas);Eixo2:Indústriasdeprocesso;Eixo4:RecursosNaturaiseAmbiente(Agro$alimentar, Floresta,EconomiadoMar)eEixo5:Saúde,Bem$EstarETerritório(SaúdeeTurismo) Existênciadeestratégiasnacionais,nomeadamenteaEstratégiaNacionaldeConservaçãoda Biodiversidade. Suporteatecnologiasdemonitorizaçãocusto$eficazeseotimizaçãodeinfraestruturas,ametodologias inovadoras para avaliação de serviços de ecossistemas e a detecção remota por satélite. Gestão integradadoriscoemrecursoshídricos,incluindoemcenáriosdealteraçõesclimáticasnomeadamente eventosextremos. RecursosHídricos(Estadodasmassasdeágua;Planeamento,gestãointegradaegovernança;Utilizações daágua;riscosassociadosafenómenosextremos;monitorização,modelaçãoesistemasdeinformação eapoioadecisão) Resíduos (Redução na fonte; Planeamento, gestão integrada e governança; Sistemas e tecnologias de tratamentoevalorização;monitorizaçãoesistemasdeinformaçãoeapoioàdecisão) Solos (Sistemas e tecnologias de descontaminação e valorização; Planeamento, ordenamento e 44

45 governança;riscosassociadosaouso;monitorizaçãoesistemasdeinformaçãoeapoioàdecisão) Ecossistemas (Avaliação de serviços de ecossistemas; Metodologias e tecnologias de restauro e valorização;planeamento,ordenamentoegovernança;monitorizaçãoesistemasdeinformaçãoeapoio àdecisão Tabela'8$EixoTemático5:Saúde,Bem$EstareTerritório Eixo'5' 'Saúde, Visão''' Portugalcomoatorrelevanteemtecnologiasmédicas,emturismodesaúdeenaprestaçãodeserviços inovadores,atravésdaexploraçãoedesenvolvimentodascompetênciasexistentesemtermosdei&de daqualidadedosserviçosdesaúdepública Características'' Sector em expansão com crescente capacidade de desenvolvimento de novos produtos, tecnologias e soluçõesbaseadasemtecnologiasdeinformaçãoecomunicações,designadamentecomorespostaaos desafiosdoenvelhecimento. Existência de massa crítica e de competências científicas e tecnológicas e recursos humanos e infraestruturaisdequalidade. Vantagens' competitivas' Interligação' com'outros' temas' Potencial'de' Inovação Tópicos' Capacidadeadaptativaeadesãoàexperimentaçãodenovosprodutosesoluções.Desenvolvimentode tecnologiasmédicasassociadasàstic Qualidade da investigação básica e do sistema de cuidados. Infraestruturas de qualidade ligadas à mobilidadeeaoturismo. Eixo 1: TIC e Matérias$primas e Materiais; Eixo 2: Indústria de produto e de processo; Eixo 4 Agro$ alimentar;eixo5:turismoehabitat Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloPolode CompetitividadeeTecnologiadaSaúde. Medicinatranslacional,experimentaçãodenovastecnologiasedesoluçõesavançadas,interligadascom asnanotecnologiasebiomateriais,etecnologiasdeinformação. Portugalcompotencialidadeparasetornarlaboratórioparausodesoluçõesinovadorasparaasaúde baseadasnoconhecimento. EnvelhecimentoeVidaActiva(Demência;CuidadosdeSaúde;Turismo) Doenças (Neuro$degenerativas; Autoimunes, reumático, infeção e diabetes; Cardiovasculares; Cancro; Visão;EpidemiologiaeInvestigaçãoSocioeconómica) BiomateriaseNanomedicina TecnologiasMédicas(DiagnósticoeTratamento;AplicaçãodasTICàSaúde) BiotecnologiaeSaúde(Microbiologia;ProdutosFarmacêuticos) InvestigaçãoTranslacional SaúdeeBem$estar(Alimentação;Desporto;Turismo) Eixo'5' Turismo, Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Portugal como destino turístico de excelência, baseado no mosaico de identidades, com serviços de qualidade,intensivosemconhecimentoecentradonascaraterísticasespecíficasdopaís,comoahistória, cultura,tradições,ehospitalidade. Sectortradicional,comrelevâncianaeconomianacional(representa9.2%doPIBe8%doEmprego),em forteexpansãoecompotencialidadesdecrescimento. SectordeespecializaçãonacionalemtermosdeVABedeempregoedepublicaçõescientíficas. Diversidadeculturalepatrimonial(reconhecidapelaUNESCO) Climaegeografia. Boainfraestruturaçãobaseadaemsistemasinteligentes. CapacidadeemTecnologiasdeInformação. CozinhaMediterrânea. 45

46 CuidadosdeSaúde. Inserção'nas' Políticas' Públicas' Potencial'de' Inovação Tópicos' PlanoEstratégicoNacionaldoTurismo(PENT) Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepelosPolos decompetitividadeetecnologiadoturismo,agroindustrial,dasticeedaeconomiaeconhecimentodo Mar. ElevadopotencialdeexploraçãodascapacidadesemTICedoconhecimentosocialehumanístico Exploração da Herança Cultural (Património Material e Imaterial) (Investigação etnológica e turismo; Investigação arqueológica e turismo; Património construído e turismo; Espaço lusófono e turismo; Diásporaportuguesaeturismo;IndústriasCriativaseMedia) Diversificação da Oferta de Turismo e dos Serviços Associados (Turismo de Eventos; Turismo Cultural, DesportivoeReligioso;TurismodeSaúde;TurismodaNatureza:ÁreasRuraiseBiodiversidade;Turismo dehabitação;turismoinduzidoporatividadescientíficas) IntegraçãodaCadeiadeValordoTurismo(Agro$alimentar;CozinhaMediterrânicaPortuguesa;Sistemas de Transportes Públicos Inteligentes; Saúde e Política de Saúde; Desenvolvimento de Aplicações AvançadasTICaoTurismo) Eixo'5' 'Industrias'Culturais'e'Criativas, Visão''' Características'' Vantagens' competitivas' Potencial'de' Inovação Tópicos' Portugalcomoumprodutorculturalcredívelereconhecidonacionaleinternacionalmente,atravésda afirmaçãodamarcaportugalnumcontextoglobal. Atividadeemergentecomgrandepotencialdecrescimentoedevalorizaçãoeconómicaecultural. Identidadenacional(histórica,cultural,linguísticaetecnológica). Qualidadedaarquiteturaedodesignnacional,edamoda,reconhecidosinternacionalmente. Produtos das indústrias culturais com potencial de internacionalização, através do fortalecimento de sectoresligadosàproduçãolinguísticaehistórica. CapacidadetecnológicaederecursoshumanosdoPaís. PotencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidaspeloClusterdasIndústrias CriativasnaRegiãoNorte. DesenvolvimentodasindústriasbaseadasemI&Dnomeadamenteemciênciassociaisehumanidadese tecnologiasdeinformação. Capacidadedevalorizaçãoaceleradadenovosprodutoscompotencialdeinternacionalização Valorizaçãodosprodutosedosespaços(Moda:Vestuário,Calçado,TêxtilTécnico,Joalharia,Couros, Cortiça,Customizaçãodeprodutos;Arquitetura;Design) Produção,distribuiçãoepromoçãodeconteúdosculturaisecriativos(Música;CinemaeVídeo;Rádioe TV;Atividadesdeediçãoecriaçãoliterária;Artesperformativaseartesvisuais) PreservaçãoeValorizaçãodoPatrimónioCultural,tangíveleintangível Publicidade TIC:ConteúdosDigitaiseServiçosdeSoftware(Jogos;NovasTecnologiasparaasArteseLínguas; SoftwareEducacional;AplicaçõesdeTecnologiaàPreservaçãoeValorizaçãodaHerançaCultural; TecnologiaelectrónicaeaModa) Indústriasculturaisecriativas,promoçãodeeventoseTurismo Eixo'5' 'Habitat, Visão''' Características'' Portugal líder na fileira habitat com exploração da capacidade inovadora e de internacionalização, particularmente em materiais, produtos, serviços e soluções integradas, potenciando as sinergias do Habitat e a eco$inovação (e.g. construção, cortiça, cerâmica, madeira, pedra, metais, domótica). PotenciaroHabitatatravésdainterligaçãocomaSaúde,TIC,Energia,FlorestaeTurismo,paraageração desoluçõesinovadoras. A economia portuguesa é especializada em vários sectores do cluster do Habitat, tanto a nível de 46

47 emprego como de valor acrescentado, em relação à média europeia, destacando$se as seguintes atividadeseconómicas(fct,2013;dadosrelativosa2011):promoçãoimobiliáriaeconstrução;têxteis; Madeira; Produtos minerais (argamassas, vidro plano, tijolos e telhas, rochas ornamentais e cerâmica parausodoméstico;vidrodeembalagemecristalaria,azulejos,ladrilhos,mosaicos,placasdecerâmica, cerâmica para usos sanitários e cimento); Mobiliário, incluindo colchoaria; reservatórios e recipientes metálicos; ferramentas (incluindo moldes); portas e janelas em metal; cutelaria; tintas e vernizes (atividadeintensivaemtecnologia);aparelhosnãoelétricosparausodoméstico(atividadeintensivaem tecnologia). ' Vantagens' competitivas' Potencial'de' Inovação Tópicos' CapacidadeclaradeinovaçãonafileiradoHabitat,comprodutosúnicosecomexcelentespropriedades, que se destacam a nível internacional. Em particular, os sectores transformadores e na fileira de materiais acrescentam um valor significativo às matérias$primas e recursos nacionais, através de um domínio forte dos processos tecnológicos. Destaca$se a capacidade existente e fundamental em diferenciar os nossos produtos através da eco$inovação (inovação centrada na sustentabilidade em materiais,produtos,serviços,esoluçõesintegradas). As PME beneficiam de uma cultura industrial com capacidades que são claramente um bem transacionável. Por outro lado, o tecido industrial dispõe de infraestruturas e recursos humanos com boascompetênciasaníveldagestãocorrenteeaníveldagestãodainovação. Os serviços de construção, em particular, têm afirmação internacional e um papel fundamental a desempenharnestacadeiadevalor. Verifica$setambémumrazoávelconhecimentodosmercadosecapacidadedeadaptaçãoadiferentes culturas e contextos. Há uma imagem externa de tradição e qualidade do sector, com pergaminhos reconhecidos na construção civil e na arquitetura e com empresas e produtos de relevo a nível internacional. Potencialdeinovaçãodecorrentedasaçõesdeclusterizaçãodesenvolvidas,nomeadamentepeloCluster HabitatSustentável. Aespecializaçãoeconómicaéacompanhadaporelevadosíndicesdeespecializaçãoaníveleuropeuda produçãocientíficanacionalemconstruçãoetecnologiadeconstruçãoeemváriosramosdaciênciados materiais, particularmente compósitos (3º lugar a nível nacional), cerâmica (6º) e biomateriais (7º), sendoaindadereferirostêxteis(13º),opapeleamadeira(39º)epelículaserevestimentos(40º).o ramo multidisciplinar da engenharia/ciência dos materiais tem vindo a ocupar posições cimeiras no panorama nacional, em termos do número de publicações referenciadas internacionalmente, tendo aumentadoasuaproduçãocientíficaem42%entreosperíodos2000$2005e2005$2010. Ocruzamentodaespecializaçãoeconómicaecientíficatraduznumelevadopotencialdeinovaçãoem cada domínio científico e no desenvolvimento de soluções de forma interdisciplinar, integrando, por exemplo, áreas do conhecimento como materiais, engenharia civil, arquitetura, engenharia mecânica, geologia,entreoutras. Asgrandesempresas,particularmenteasquejásedestacamanívelinternacional,encontram$senuma posiçãoprivilegiadaparaexplorarestasoportunidades. Asustentabilidadeéumconceitochaveeumfatordinâmicoparaaestratégiacoletiva,constituindo$se como uma oportunidade de diferenciação na inovação, envolvendo ganhos significativos em competitividadeequotasdemercado.estenovoparadigmadedesenvolvimentoéabrangenteparatoda afileiradohabitatevaiaoencontrodostemasfocaisdaagendaeuropeia,comoaeconomiadebaixo carbono,ousoeficientederecursos,aeliminaçãoouvalorizaçãodosresíduos,aeficiênciaenergéticaou aindarespondendoadesafiossocietaisrelacionadoscomoambienteeasalteraçõesclimáticas. Novos Métodos de Produção Sustentável e Eficiente (Resíduos; Redução de Impactos Ambientais; Produçãoflexível) DesenvolvimentodeMateriaiseAplicaçõesInovadoras(Cortiça;NovosMateriais/MateriaisAvançados; Cerâmica e Vidro; Cutelaria; Madeira e Mobiliário; Construção; Papel; TICs; Têxteis Lar; Tintas e Revestimentos;ProdutosMetálicos) ' 47

48 Alinhamento'temático'' O alinhamento temático das prioridades selecionadas ao nível nacional está patente na matriz construída em parceriacomasseteregiõesportuguesas,quecruzacadaumdoscincoeixosedos15temas,comasprioridades estratégicas inteligentes específicas de cada região, conferindo uma visão global e abrangente à presente Estratégia. Namatrizforamdefinidosdoisníveisdedesenvolvimentoqueotemaapresentaanívelnacionaleemcadaregião $consolidadoeemergente.foidefinidocomoníveldedesenvolvimentoconsolidado,aqueleondeportugale/oua região tem posicionamento competitivo revelado através da capacidade instalada e grau de especialização científica,tecnológicaeeconómicanoquadroeuropeu.foidefinidocomoníveldedesenvolvimentoemergente, aquele onde Portugal e/ou a região demonstra potencial de criação de novas vantagens e que pode ser propiciador de mudança estrutural da economia. Cada uma das sete regiões identificou as suas prioridades estratégicas,numaescalade1a5(1mínimae5máxima). Figura'7$Matrizdealinhamentodasprioridadesestratégicasaonívelnacionalcomasdasregiõesporestádiode desenvolvimentodotema' DeacordocomaFigura7,ostemasconsideradoscomoconsolidados,comprioridademáximade5$4,nummaior númeroderegiões,sãooturismoeastecnologiasdeinformaçãoedacomunicação.namesmalógica,ostemas 48

49 consideradoscomoconsolidadosemenosreferenciados,noconjuntodasregiões,porquemaisconcentrados,são o Habitat e as Tecnologias de Produção e Indústria de Produto, e os Materiais e as Matérias$Primas, com prioridadeelevada(5$4)emapenasduasregiões. No que se refere aos temas considerados como emergentes, com uma prioridade máxima de 5$4, num maior número de regiões, destacam$se a Economia do Mar, as Industrias Culturais e Criativas, o Agroalimentar, e o Turismo.. AFigura8agregaostemasemergenteseconsolidadosparapossibilitarumaleituraconjuntadasprioridadese revelaqueseistemassãoprioritáriosparatodasasregiões,mascomdiferentesníveisdeprioridade:aeconomia domar,oturismoastic,asaúde,eindustriasculturaisecriativas.destesseistemasdestaca$seoturismo,com umnívelmaiselevadodeprioridadeestratégicanoconjuntodasregiões,seguidodaeconomiadomaredastic. Figura'8$Matrizdealinhamentodasprioridadestemáticasaonívelnacionalcomasdasregiões Asprioridadesestratégicasinteligentessãodesenvolvidaseconcretizadasatravésdopolicy4mixqueestabeleceas políticas, medidas e instrumentos que permitem orientar e coordenar a intervenção pública e privada. Neste contexto,estasmatrizesrepresentamoquadroreferencialquepermitealigaçãoentreasprioridadestemáticase aidentificaçãoecombinaçãodasescolhas,odesenhodeprogramasestratégicoseamobilizaçãodosdiferentes instrumentosdopolicy4mix,emcadaregiãoeanívelnacional. 49

50 CAPÍTULO'IV' 'A'ARTICULAÇÃO'DAS'POLÍTICAS'PÚBLICAS'ENEI'POLICY'MIX' Aarticulaçãodaspolíticaspúblicas(policy4mix),identificadascomoamelhorcombinaçãoparaodesenvolvimento da ENEI, compreende a combinação das políticas e instrumentos que visam a prossecução dos objetivos estruturantesedoscincoeixostemáticos,queincluemas15prioridadesestratégicasinteligentesselecionadas.as políticasvisam,ainda,alcançaravisãodefinidaparaaenei,bemcomoosobjetivoseoscompromissosdefinidos emtermosdeumcrescimentointeligenteesustentávelnaeuropa2020.opolicy4mixderivadasanterioresfases deformulaçãodaestratégia,nomeadamentedaauscultaçãoaosstakeholderseaosorganismosresponsáveispela implementaçãodaspolíticaspúblicas,bemcomodosdiagnósticosnacionaleregionaisefetuados. O policy4mix estrutura$se em seis domínios de política, e num conjunto adicional de políticas designadas de contexto com impacte na eficiência e eficácia do sistema de I&I. As políticas identificadas cobrem as várias dimensõesdosistemadei&i,dosrecursoshumanos,àinovaçãoeàinternacionalização,passandopelai&d(quer na sua vertente pública quer empresarial), pelo reforço e alargamento da densidade sistémica e clusterização entreosdiferentesatoresdosistema(i&d+i)epelofomentodoempreendedorismodeinovação. Adefiniçãodosgruposdepolíticasemqueéopolicy4mixéapresentado,resultadeumaarticulaçãoentreuma lógica de alinhamento com a estrutura de governação em Portugal, designadamente a nível das entidades responsáveispelaorientaçãoeimplementaçãodaspolíticas,eumalógicadeenquadramentocomosobjectivos estruturantes, com os objectivos e compromissos definidos em termos de um crescimento inteligente e sustentável na Europa 2020, acima referidos, com as prioridades estratégicas inteligentes e com os constrangimentosidentificadosnaanáliseswot,paraportugal.estalógicaprevaleceunacriaçãodosgruposde políticasdeempreendedorismodeinovaçãoeinternacionalização,atendendoàsuaparticularrelevância. No entanto, é de salientar que embora o policy4mix seja, apresentado numa lógica linear $ da formação à comercializaçãoeaocontexto contemplaumaabordagemsistémica,ouseja,prevêainterligaçãodasmedidas depolíticaparaque,emconjunto,promovamaconvergênciadeefeitos,maximizemosbenefíciosaalcançare potenciem a consecução dos objetivos e da visão da Estratégia, reduzindo os possíveis impactos divergentes resultantesdaaplicaçãodasdiferentespolíticasdemodoautónomo. 4.1'D'AS'SEIS'POLÍTICAS'PÚBLICAS'DO'POLICY'MIX' Opolicy4mixpretendenãosóestabeleceriniciativastransversaisdemelhoriadecontexto(político,organizacional e de eficiência sistémica), mas também responder de forma integrada às diferentes especificidades e graus de maturidadequerdascadeiasdevalorassociadasacadaumdostemasprioritários,querdossistemasregionaise nacionaldeinvestigaçãoeinovação.assim,eemtermosglobais: Apolítica'de'recursos'humanosvisaoapoioàformação,capacitaçãoecontrataçãoderecursoshumanoscom vistaàsuaintegraçãoematividadesdei&d.estapolíticadestaca$sepelasuatransversalidadeerelevância, designadamentenoreforçodascapacidadesdeformaçãodoutoraledetécnicosaltamenteespecializadosea suaintegraçãonasunidadesdei&d,queranívelinstitucional,queraoníveldasempresasparaamelhoriada internacionalização e competitividade do SI&I e para a atração do investimento estrangeiro. Aposta$se na formação aos níveis técnico$profissional, superior e de pós$graduação para potenciar uma economia mais intensivaemconhecimentoetecnologia,eparaumamelhoradequaçãoentreofertadeformaçãoprofissional especializada e pós$graduada e as necessidades da atividade económica, tendo presente as diferentes especificidades e desafios em termos de inovação e internacionalização. A criação de emprego científico, 50

51 promovendo a inserção dos recursos humanos altamente qualificados nas empresas e no sector público, desempenhaumpapelfulcralnoesforçodevalorizaçãodessesrecursosenodeassegurarasustentabilidade dosistemadei&i.estamedidaéfundamentalparaacaptaçãodecientistaseparaobviaraperdadosmais qualificadosedoinvestimentorealizado,nasdécadaspassadas,emformaçãodepós$graduação/investigação. Destaca$se,ainda,anecessidadedereconheceraimportânciaqueaterceiramissãodasuniversidadesedos institutos públicos têm nos percursos individuais e institucionais, premiando também esse trabalho na valorização do percurso académico e científico, a par dos outputs científicos (publicações) e tecnológicos (patentes),atravésdeumarevisãodosestatutosdascarreirasdocentesedeinvestigaçãoconsentâneacom esseobjetivo. Comapolítica'de'I&Dvisa$seconsolidarosistemadeI&D,promovendoasuacompetitividadeinternacional atravésdapromoçãodaexcelência,dacriaçãodemassascriticas,doaumentodeinvestimentoempresarial em I&D e do aumento da produção científica de qualidade nas prioridades estratégicas de especialização inteligente.conformereferenciadonodiagnóstico,asprioridadestemáticasregistamníveisdiferenciadosem termosdematuridadedai&ddesenvolvidaemportugal(queraonívelpúblico,querempresarial).comotal, pretende$se continuar a reforçar os domínios em que Portugal já apresenta excelência internacional, e conquistar massa crítica e visibilidade em domínios emergentes que constituem aposta estratégica de Portugal.Estãoprevistascincomedidasquedeformacomplementarirãointervirsobreacriaçãodemassa críticaei&ddeexcelênciainternacional,eficiênciaecapacitaçãodasinfraestruturascientíficasetecnológicas e reforço do investimento empresarial em I&D. Em articulação com o domínio de política I&D+I, serão acionadasaçõesvisandoadivulgaçãodoconhecimentocientíficoetécnico,aexperimentaçãoeavalorização do conhecimento, nomeadamente através de plataformas digitais de transferência e comercialização do conhecimento. A política' de' I&D+I' tem como principal objetivo reforçar as medidas que promovam a cooperação, a transferência e a circulação de conhecimento entre Instituições de I&D e o sector empresarial, visando a criação de produtos de maior valor acrescentado. A promoção da cooperação e da transferência de conhecimentoedetecnologiaéfundamentalparaqueasempresaspossamexplorarasvantagensdai&d, desenvolvida no País, de modo a responder às necessidades e desafios do mercado e da sociedade. O fortalecimentodaproteçãodoconhecimentoedasuacomercializaçãoéumaprioridadequevisaeliminarum dosprincipaisestrangulamentosidentificadosanívelnacionaleemcadaregiãoemparticular.estapolítica incluiapolíticadeclusterização,oapoioaprojetosmobilizadoresdecooperação,acriaçãodecompetências em comercialização do conhecimento e a sua inserção nas redes internacionais de compra e venda de tecnologia, entre outras. Os estímulos à clusterização e criação de redes, à co$promoção, à demonstração, disseminação e difusão de conhecimentos, são, desta forma, linhas de ação comuns e pertinentes para os vários temas prioritários. De salientar a continuação da política de clusters, que constitui um dos meios privilegiadosparareforçaracooperaçãoeocapitalcientíficoetecnológiconoterritório,nãosóporfacilitaras relações e a articulação entre as várias entidades do sistema de I&I, mas também porque potencia a exploração de sinergias entre atividades económicas relacionadas. Esta política a adotar, visa consolidar e avaliarosclustersjáempromoção,eoseuimpactoemtermosdecontribuiçãoparaatividadescadavezmais intensivas em conhecimento, bem como para a ascensão, integração, ou fecho das cadeias de valor, e a coordenaçãoporpartedosdecisoreseasatividadesdesenvolvidasnoâmbitodospoloseclusters. A política' de' empreendedorismo' de' inovação' é de importância central no policy4mix,' e' visa aumentar a criação de empresas com produtos ou serviços inovadores de alto valor acrescentado e potenciar o seu crescimentoeinternacionalização.assim,promoverummaiornúmerodenovasempresasinovadorascom elevadocrescimentoeestimularacriatividadeeasuasustentabilidadeéumaprioridade.portugalapresenta um défice em matéria de criação de empresas em domínios qualificados, sendo necessária uma atuação multidisciplinar que envolva iniciativas transversais de estímulo ao espírito empresarial, mas sobretudo de apoioanovasideiasdenegócio,envolvendocoachingeapoiofinanceiroàsfasesiniciaisdevidadestetipode empresas mais tecnológicas. As cinco medidas previstas neste domínio de política, pretendem intervir de forma coordenada nestes diferentes níveis do ecossistema do empreendedorismo, através de estímulos ao 51

52 empreendedorismo qualificado e do apoio à criação de novas empresas inovadoras e à promoção do seu crescimento.arequalificaçãoeespecializaçãodasestruturasdeapoioeacontinuidadenoapoioainiciativas coletivas e a redes de dinamização de empreendedorismo são também alvo de atuação. O apoio ao empreendedorismotecnológicoteráparticularexpressãoemdomíniosemergentes,comtransversalidadeem relaçãoaoutrostemasprioritários,ondeháespaçoparacrescimentoevalorizaçãoeconómica,quernopaís, queranívelinternacional. A política' de' inovação, dirigida às empresas, promove a criação e/ou comercialização de novos ou melhoradosbens,serviçosouprocessos,comvistaaoupgradedoperfildeespecializaçãoprodutivadopaíse àcriaçãodevaloracrescentado.estaétransversaledeforterelevância,dadoodiagnósticodeumaeconomia defracoconteúdoinovadorecombaixorecursoafatoresimateriaisdecompetitividade$nãoobstantealguns sectores/nichosseapresentarematualmentefortementeancoradosnainovaçãoecompetindoaumaescala mundial.oobjetivoéreforçarascapacidadesdasempresasprodutorasdebenseserviçostransacionáveis, privilegiandoaincorporaçãodevaloracrescentadonacional.estãoprevistasseismedidasqueirãoatuarde forma complementar e sistémica ao nível do reforço do investimento em inovação, da cooperação e da transferênciadetecnologia.adinamizaçãoeoinvestimentoemfatoresdecompetitividadedeverábasear$se tambémnacooperaçãoempresarialenacriaçãoecirculaçãodoconhecimento,comrelevoparaaexploração económicadosresultadosdai&danívelnacionaleeuropeu. Finalmente, a política' de' internacionalização' em' I&D' e' em' Inovação visa aumentar o grau de internacionalizaçãodosistemanacionaldei&i,nomeadamenteatravésdapromoçãodainserçãoemrededas empresas, com vista ao aumento das exportações e à entrada em novos mercados. Deverá, ainda, (i) promover$se a participação nas organizações internacionais de que Portugal é membro, (ii) reforçar$se a participaçãoemprogramas,nomeadamentenohorizonte2020,e(iii)favorecer$seasaçõescoordenadasde cooperaçãoempresarialedei&d,bemcomoaspolíticaspúblicasparaainternacionalizaçãonosdomíniosda especializaçãointeligente. Para além destas, o policy, mix integra um conjunto de políticas' de' contexto, cuja aplicação potencia as sinergias, dinamiza o sistema de I&I e reduz os custos de contexto, favorecendo uma maior eficiência e eficácia ao sistema. Com especial relevância, menciona$se o public, procurementou seja a utilização das compraspúblicascomoinstrumentodeestímuloeapoioàinovaçãodoladodaprocura.salienta$seainda, pelasuaimportância,asimplificaçãodosprocessosadministrativoseregulamentaresassociadosàspolíticas dei&dedeinovação.acresceodesenvolvimentodaspolíticasdifusorasdaeco$inovaçãoedaeco$eficiência, bem como da economia digital e da promoção da cultura científica, tecnológica e industrial, cuja implementação favorece o desenvolvimento das capacidades de I&D e de inovação, contribuindo para um desenvolvimentoeconómicodebaixoteordecarbono,intensivoemconhecimentoesustentável. OconjuntodaspolíticasemedidasdepolíticadaEstratégiadeEspecializaçãointeligenteestásistematizadona Tabela9. Tabela'9$Policy4mixdaEstratégiaNacionaldeInvestigaçãoeInovaçãoparaumaEspecializaçãoInteligente Política'de'Recursos'Humanos' 1 Ofertadeformaçãopós$graduada,particularmentedoutoralepós$doutoral,nomeadamenteemambienteempresarial 2 Oferta de formação profissional de nível médio e superior, nomeadamente ajustada às necessidades em inovação da economia 3 PromoçãodainserçãoemobilidadederecursoshumanosaltamentequalificadosnosistemadeI&I,atravésdoemprego altamentequalificado 4 Valorização nas carreiras docentes e de investigação do sector público, da componente de colaboração com o sector empresarial,atravésdarevisãodosrespetivosestatutos Política'de'I&D' 5 CriaçãodemassacríticaemI&Decapacitaçãodasinstituiçõeseinfraestruturascientíficase/outecnológicas 52

53 6 PromoçãodeProgramasdeI&Ddeexcelência,reconhecidainternacionalmente,nomeadamenteemtemasprioritários deespecializaçãointeligente 7 IncentivosfiscaisàI&D 8 FomentodoinvestimentoempresarialemI&Dpromovendoasrespetivascompetênciasinternas 9 CriaçãoeacessopartilhadoarepositóriospúblicoscominformaçãosobreosistemadeI&I Política'de'I&D+I:'Reforço'de'ligações'entre'Instituições'de'I&D'e'o'sector'empresarial'e'proteção'do'conhecimento' 10 Promoçãodacooperação,transferênciaecirculaçãodeconhecimentoentreInstituiçõesdeI&Deosetorempresarial 11 Aprofundarapolíticadeclusterizaçãoexplorandoaintegraçãodecadeiasdevalor 12 Promoçãodaproteçãoecomercializaçãodoconhecimento Política'de'empreendedorismo'de'inovação' 13 Estímulo à criatividade, ao espírito empreendedor e às novas ideias de negócio com vista à promoção do empreendedorismoqualificado 14 Apoioàcriaçãodenovasempresas,nomeadamentecompotencialdeinternacionalização 15 Promoçãodofinanciamentoàinovaçãoemempresas,incluindo,entreoutros,capitalderiscoebusiness,angels 16 Apoioainiciativascoletivasearedesdedinamizaçãodeempreendedorismo 17 Requalificaçãoefocalizaçãodasestruturasdeapoioaodesenvolvimentodaatividadeempreendedora Política'de'Inovação' 18 Promoção do investimento de natureza inovadora e qualificada com potencial de exportação, designadamente para a produçãodebenseserviçostransacionáveisecomelevadaincorporaçãodevaloracrescentadonacional 19 Promoçãodacooperaçãoempresarialparaainovação,nomeadamenteatravésderedese,clusters 20 Incentivosfiscaisàinovação 21 Promoçãodoinvestimentoemfatoresimateriaisdacompetitividadeeinovação,nomeadamenteatravésdoaumentoda capacidadedei&d+idasempresas 22 Promoçãodatransferênciadoconhecimento,nomeadamenteatravésdavalorizaçãodosresultadosdeprojetosdeI&DT comelevadopotencialinovadoreconómico(h2020efundosestruturais) 23 Apoioàproduçãoedifusãodeinformação,àcirculaçãodeconhecimentoeàsboaspráticasemI&D+I Política'de'Internacionalização'em'I&D'e'Inovação' 24 PromoçãodainternacionalizaçãoemI&Dedaarticulaçãoentrepolíticasnacionaiseinternacionais 25 Promoçãodeatividadesdeprospeção,conhecimentoeacessoanovosmercados 26 Capacitaçãodasempresasnosdomíniosdainternacionalizaçãoereforçodasuaparticipaçãonosmercadosinternacionais 27 Promoçãodacooperaçãoempresarialparaainternacionalização,nomeadamenteatravésderedeseclusters, 28 PromoçãoexternadamarcaPortugal,dasmarcascoletivasedosrecursosendógenos Políticas'de'contexto'' 29 Promoçãodopublic,procurementcomoinstrumentodeinovaçãonoplaneamentoeorientaçãodascompraspúblicas 30 PolíticaFiscal 31 MelhoriadaeficiênciaeeficácianosistemadeapoioàI&D+Iincluindoasimplificaçãodosprocessosadministrativose regulamentares 32 Promoçãodaeco$inovaçãoeeco$eficiência 33 Promoçãodaeconomiadigital 34 Divulgaçãoepromoçãodaculturacientífica,tecnológicaeindustrial(cidadãos,públicoespecializado) ' 53

54 Existem nesta tabela do policy4mix medidas de política que têm um carácter normativo, como é o caso das Medida4ou3e,outras,queatuamdemododiferenciadosobreoladodaofertaoudaprocura.Portugaltem maiortradiçãonaaplicaçãodepolíticasdoladodaoferta.aspoliticasdeofertasãoaquelasquepromovemde mododiretoodesenvolvimentodascapacidadesdosatoresdosistemaequesãoamaioriadasapresentadasno policy4mix.deassinalar,aimportânciaqueaspolíticasdoladodaprocuratêmno policy4mix,aopromoverem através da aquisição ou de estímulos normativos através da legislação que estimule comportamentos de consumidores,exigênciasdestandardizaçãoedesegurançaouaindadeeficiênciaenergética,quepromovemde modoindiretoodesenvolvimentodasatividadesdei&dedeinovação.poroutrolado,estetipodepolíticasestáa assumir um papel cada vez mais importante no Espaço Europeu, desde o Relatório Aho de As políticas destinadas a estimular a procura de I&D e inovação que estão previstas na tabela acima, são estas: M.11 Aprofundarapolíticadeclusterizaçãoexplorandoascadeiasdevalor;M.29apromoçãodo public,procurement comoinstrumentodeinovaçãonoplaneamentoeorientaçãodascompraspúblicas;promoçãodaecoeficiênciae eco$inovaçãonasmedidasdecarácternormativo,edaeconomiadigital. 4.2'D'O'POLICY'MIX'DE'CADA'PRIORIDADE'ESTRATÉGICA'INTELIGENTE' A visão, especificidades, oportunidades, vantagens competitivas, potenciais de inovação e estádios de desenvolvimentoquecaracterizamedistinguemcadaprioridadeestratégicaecadaumadassuassub$prioridades (ver anexo B $ Prioridades Estratégicas Inteligentes), identificados no decurso do processo de diagnóstico e de auscultaçãodeatores,implicamdiferentesformasderespostapolíticaaosdesafiosdaestratégiadei&iparaa EspecializaçãoInteligente. Emtermosdepolicy4mix,cadaprioridadeestratégicamobilizaumconjuntoespecíficodeinstrumentosdecada políticadeacordocomassuascaracterísticas,oseuestádiodematuridadeenecessidadesintrínsecas.existem temasondeaênfaseincidesobreaformaçãoderecursoshumanosedaspolíticasdei&d,outrosemquesefoca maisainternacionalizaçãoeainovação,porexemplo. One,size,doesn t,fit,all temumaaplicaçãonopolicy4mix temático,emboraosinstrumentosemedidasdepolíticapossamsergenéricospornatureza, a suamobilização diferenciadaportema. Ogradientedaênfasedecadamixdepoliticasportemaresultoudodiagnósticoefetuado,bemcomodaanálise cuidada das contribuições apresentadas nas sessões temáticas de auscultação dos stakeholders, onde estes expressaramassuasnecessidadeserecomendaçõesquemelhorseajustavamàvisãoproposta(tabela10eas prioridadestemáticasassumemumacombinaçãodepolíticasespecífica,comdiferentesgrausdeintensidadeem termos de necessidades em formação, I&D ou de inovação. As políticas de I&D+I são centrais no policy4mix da estratégiaeemcadaumadasprioridades,emboracommenorrelevonoturismoenasaúde.poroutrolado,o mixémaiscentradosobreasnecessidadesamontante,comfortecomponentedepolíticasdeformaçãoedei&d, naeconomiadomar,dadaasuanaturezaemergentenasváriasdimensões,omesmosucedendonastecnologias deinformaçãoedacomunicação,bemcomonasaúdeenasmatérias$primasemateriais.outrostemascomoo Habitat,asIndústriasCulturaiseCriativasrevelamumperfilcomumamaiorcomponentedepolíticasdeinovação edeempreendedorismo. Tabela'11).Assim,ofactodeumadeterminadapolíticanãoestarassinaladaemdeterminadaáreatemáticanão significanaturalmentequeelanãopossaseraplicávelemtermosglobais. ATabela10apresentasumariamenteopolicy4mixparacadaprioridadeestratégicainteligente.Emcadatemaé recordadaavisãopara2020edepoisenunciadasaspolíticasmaisrelevantesequedevemmerecermaioratenção faceàsnecessidadeseaosdesafiospropostos.dadaanaturezatransversaldealgumasmedidasdepolítica,como os incentivos fiscais ou a melhoria dos processos administrativos e de acompanhamento dos programas de

55 financiamento, não são feitas referência às mesmas, assim como não se mencionam, pela mesma razão, as políticasdecontexto.' O conjunto de políticas e de medidas configura a necessidade de definição de programas por prioridade estratégicainteligente,demodoaqueopolicy4mix,sejaadequadamenteoperacionalizadoemobilizadostodosos stakeholdersinteressadosnaprogressãodaprioridadecomvistaàconsecuçãodaestratégia. Tabela'10$Opolicy4mixemcadaprioridadeestratégicainteligente Energia' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Inovação Internacionalização I&I Objetivos'Identificados Maioreficiênciaenergética Maiorutilizaçãodeenergiasrenováveis Menosdependênciadeenergiacomorigemnãonacional' Medidas'de'Política Formaçãopós$graduadacomenvolvimentoempresarial InvestimentoemI&Decriaçãodemassascríticasnomeadamenteemnichosondeopaísapresenta excelência FomentodaligaçãoentreinstituiçõesdeI&Deempresas,sendodeterminantesparaatransferência ecirculaçãodeconhecimentobemcomoparaaconsolidaçãodeclustersexistentes Fomentarumautilizaçãomaisracionaleeficientedosrecursosenergéticos; Apostarnofornecimentodebenseserviçostransacionáveisemnichosespecíficos/cadeiasdevalor, bemcomoemnovosmodelosdenegócio ApoioàparticipaçãonacionalnoH2020 Estímuloàcooperaçãonoespaçolusófono Tecnologias'da'Comunicação'e'da'Informação' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Empreendedorismo deinovação Inovação Internacionalização I&I Objetivos'Identificados Realizaropotencialcientífico,tecnológicoeeconómicodosectorTIC RealizaraAgendaDigital' Medidas'de'Política Matérias'Primas'e'Materiais' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Empreendedorismo Formaçãograduadaepós$graduadaorientadaparaempresas(esuafixação) InvestimentoemI&D FomentodaligaçãoentreinstituiçõesdeI&Deempresas Fomentodeempreendedorismo Promoçãodecapitalderisco Desenvolvimentodeinfraestruturasdigitais(científicas,florestas,georecursos) Valorizaçãodatransferênciadetecnologia(eexperimentação) Promoçãodeacessosamercadosinternacionais Objetivos'Identificados Realizaçãodoelevadopotencialderecursosminerais,utilizandotecnologiaseco$suficientes Maiornúmeroderecursoshumanosgraduadosepós$graduados Explorarespecializaçãocientíficaemciênciadosmateriais Requalificaçãoemnovastecnologias' Medidas'de'Política Formação graduada e pós$graduada orientada para empresas (nomeadamente na área das matérias$primas) InvestimentoemI&D(paraexploraçãoeco$eficienteevalorizaçãoderecursos) FomentodaligaçãoentreinstituiçõesdeI&Deempresas Valorizaçãoeconómicaderesultadosde(I&D) Fomentodaproteçãodapropriedadeintelectual Fomentodoempreendedorismo 55

56 deinovação Inovação Internacionalização I&I Estímulodacolaboraçãoentreempresastradicionaisetecnológicas Aposta em novos materiais para o desenvolvimento de novos produtos e diversificação da sua aplicação,designadamenteemsectoresmaistradicionais Valorizar no exterior o produto nacional (novos materiais, novas aplicações), aumentar as exportaçõeseapresençaemmercadosinternacionais Tecnologias'da'Produção'e'Indústria'de'Produto' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Internacionalização I&I Objetivos'Identificados Umsectorindustrialmaiscompetitivo Maioreficiênciaenergética Maiornúmerodeprodutosinovadoresdealtovaloracrescentado Requalificaçãoemnovastecnologiastransversais' Medidas'de'Política Formaçãograduadaepós$graduadaorientadaparainserçãodepessoalaltamentequalificadoem empresas InvestimentoemI&D(comatençãoànecessidadederecursocrescenteatecnologiastransversais bemcomoàintroduçãonomercadodenovosprodutosbaseadosemi&d) Promoçãodacooperaçãoempresarialparaainovação,nomeadamenteatravésdoapoioapolosde competitividadeintersectorialeintegrandoempresaseentidadesdei&d ApoioàparticipaçãonacionalnoH2020 Apoioàparticipaçãoemplataformaseuropeias Tecnologias'de'Produção'e'Indústria'de'Processo' ' ' Políticas I&D I&D+I Internacionalização I&I Objetivos'Identificados Combinaçãodetecnologiasavançadasetransversais Integraçãodeprocessoseficientesdopontodevistaenergético' Medidas'de'Política Automóvel,'Aeronáutica'e'Espaço' ' Mobilização de instrumentos que permitam a melhor utilização e aproveitamento de recursos endógenosnacionais(matériasprimas,mar,floresta) FomentodaligaçãoentreinstituiçõesdeI&Deempresas Fomentodaproteçãodepropriedadeintelectual Criaçãodeplataformasdecirculaçãodeconhecimentoentreváriostiposdeatoresinstitucionais Articulaçãoentreosdiferentesinstrumentos(nacional+regional),otimizandocomplementaridades eexplorandosinergias Acresceroconhecimentodemercadosdemercadosestratégicos Objetivos'Identificados ' Intensificar a presença do país em cadeias globais de fornecimento das indústrias automóvel e aeroespacial' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Internacionalização I&I Medidas'de'Política Necessidade de formação de recursos humanos especializados (incluindo nível de doutoramento especialmente no sector Espaço), sendo que, no de Aeronáutica, sobressai a necessidade de formaçãodetécnicos.seráimportanteprocurarretençãodetaisrecursoshumanosespecializados pelaindústria. Apoio a projetos que reforcem a presença do país em cadeias globais de produção de conhecimento Valorização e exploração do conhecimento e sua transferência entre diferentes atores institucionais, tendo em atenção a integração com outras áreas de natureza transversal como a Energia,asTICeasTecnologiasdeProdução. FomentodeligaçõesederedesentreempresaseinstituiçõesdeI&D. No sector Espacial a clusterização emerge como um desafio promissor, sendo que no sector Aeronáutica,igualmentehaverámargemparadesenvolvimentodeumcluster. Intensificaçãodapresençadopaísemcadeiasglobaisdefornecimentodasindústriasautomóvele aeroespacial. 56

57 Transportes,'Mobilidade'e'Logística' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Inovação Internacionalização I&I ' ' Agroalimentar' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Inovação Internacionalização I&I Floresta' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Inovação Internacionalização I&I Ainternacionalizaçãoconstituiumdesafiocentralnestaáreaprioritária Necessidadedemelhorconhecimentodemercados,tecnologiaeempresasapresenta$secomoum desafio importante da política de internacionalização em I&D e Inovação no caso dos sectores AutomóveleAeronáutico. Objetivos'Identificados Aumentar a competitividade dos territórios nacionais e das cidades (cooperação, conectividade, logísticaetransportes) Aumentaraeficiênciaderedes Diminuiroimpactoambiental' Medidas'de'Política Formaçãograduadaepós$graduada(orientadaparaalimentarcentrosdeexcelência)' Promoção de interoperabilidade e intermodalidade acrescidas nos transportes além de maior eficiêncianasredesenoimpactoambientalassociado Criaçãodeplataformasdecirculaçãodeconhecimentoentreentidadesdosistemadeinvestigação einovação AfetaçãoderecursosaprojetosdearquiteturaabertaqueincluamPMEs Prioridadedeveráserdadaaodesenvolvimentodeserviçosintegrados' Apoioaprojetosdemonstradoresexportáveis(sustentabilidadeeconómicaeambientaldecidades) Inserção'nas'Políticas'Públicas PlanoNacionaldePolíticadeOrdenamentodoTerritório' Objetivos'Identificados Tornarosectorlíderemnichosdemercadoespecífico,combasenascaracterísticasdiferenciadoras dosprodutosnacionais Integrarmedidaseinstrumentosparaarticulaçãodefileiras,naperspectivadepotenciarrecursos endógenos' Medidas'de'Política Apoioàintegraçãoderecursoshumanosqualificadosemempresas Potenciação da diferenciação de produtos por via da excelência, conferindo notoriedade internacionalemáreasespecíficas FomentodaligaçãoentreinstituiçõesdeI&Deempresas EstímuloàInvestigaçãoeInovaçãonasPMEatravésdeapoioaPoloseClusters(enquantoatoresna inovação,transferênciadetecnologiaepromoçãodeparceriasuniversidade$indústria) Reforço da comprovação da origem, qualidade, singularidade, tradição e autenticidade, potenciando a diferenciação dos produtos endógenos portugueses bem como a criação de uma marcaparaaexportaçãoassociadaataldiferenciação Objetivos'Identificados Maiorcompetitividadedaprodutividadeflorestal Reduzirriscosambientais Maiorutilizaçãodemodelosflorestaisavançados' Medidas'de'Política Formaçãograduadaepós$graduada Projetoscomindústriadeverãoservalorizadosnacarreiradeinvestigação Apoio a projetos envolvendo unidades de I&D e indústria e com ciclos de vida que tenham em contaaespecificidadedaárea Valorizaçãodatransferênciadeconhecimentocomoelementofundamentalepossívelcriaçãode estruturasdedicadasparaesseefeito Promoçãodeprojetosdedemonstração(incluindotodaacadeiadevalor) Apoioaprojetosdemonstradoresexportáveis 57

58 ' ' Economia'do'Mar' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Internacionalização I&I ' ' Água'e'Ambiente' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Inovação Internacionalização I&I ' ' Saúde' ' Inserção'nas'Políticas'Públicas EstratégiaNacionalparaaFloresta' Objetivos'Identificados Valorizaçãoediferenciaçãoderecursosnacionais(pescado,ecossistemasderecursosvivosenão vivos) Transportemarítimosemfronteiras Integraçãodalogísticaportuárianacionalnalogísticaglobal' Marcomofatordeterminantedaidentidadenacional' Medidas'de'Política FormaçãoavançadadeRH,nomeadamenteaníveldedoutoramentosbemcomodeformaçãode Técnicos(devendoserasseguradooenvolvimentodeempresasnosprocessosdeformaçãosempre quenecessário) Especial atenção ao aprofundamento do conhecimento dos recursos marinhos existentes e à disponibilizaçãodedadosnacionaisobtidoscomfundospúblicosemaximizandoasuapartilhae acessoabertonoquadrodeumarededemonitorizarãoconsolidada A área do Mar Profundo deverá merecer especial atenção, mobilizando competências multidisciplinareseabordagemintegradadosdesafiosquesecolocam Responderàinsuficienteinteraçãoentrecentrosdeinvestigaçãoeosectorempresarial Promoção da circulação de conhecimento e de tecnologia proporcionando condições para valorização de recursos vivos marinhos em termos empresariais e a identificação de produtos e serviçoscommercadospotenciais Apoioàpropriedadeintelectual,emparticularpatentes,edesenvolvimentodeumamarcaparao MarPortuguês Participaçãoemparceriasestratégicasinternacionais(tirandopartidodaposiçãogeoestratégicade Portugal) Participaçãoemprojetoseuropeus Inserção'nas'Políticas'Públicas Estratégia Nacional para o Mar e Planos de Ordenamento da Orla Costeira, Lei de Bases do OrdenamentoeGestãodoEspaçoMarítimo' Objetivos'Identificados Conservaçãoegestãosustentáveldosrecursosnaturaiseecossistemas' Conservaçãodabiodiversidade Exploraropotencialdeespecializaçãocientífica,tecnológicaeeconómicadosrecursosendógenos' Medidas'de'Política Formaçãopós$graduada(emparticulardoutoramento)comenvolvimentoempresarialquepossam viraintegrarquadroscomtalperfildeformação. Apoio à criação de repositórios públicos regularmente atualizados e de acesso partilhado e que tenham sido produzidos a partir de resultados derivados de atividades com apoio de fundos públicos Promoção de interfaces' (e reforço de algumas existentes) entre Universidades, Centros de InvestigaçãoeEmpresas' PromoçãodaintegraçãodePMEemprogramasnacionais Os projetos de investigação e inovação que tenham uma forte componente de objetivos de internacionalização e significativo potencial de concretização em produtos inovadores deverão merecerespecialatenção AintegraçãodePMEemprogramasinternacionais(nomeadamenteeuropeus)deveráserapoiada Inserção'nas'Políticas'Públicas EstratégiaNacionalparaaBiodiversidadeePlanosEstratégicos(porex.nosdomíniosdaÁguaedos Resíduos)' Objetivos'Identificados 58

59 ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Empreendedorismo deinovação Inovação Internacionalização I&I Turismo' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Empreendedorismo deinovação Inovação Exploraropotencialemtecnologiasmédicas,turismodesaúde,prestaçãodeserviçosinovadores, desenvolvimentodasaúdepúblicaedainvestigaçãofundamental' PromoverPortugalcomolaboratórioparadesenvolversoluçõesinovadorasparaasaúdebaseadas noconhecimento(desenvolvimentoedemonstração)' Medidas'de'Política A capacitação de recursos humanos e a promoção de inserção de doutorados no mercado de trabalhoconstitueminstrumentosimportantes.' Apoioainvestigaçãofundamentaleainvestigaçãoclínicaedetranslação Asiniciativasdeclusterizaçãojáexistentesnaáreapoderãoserobjetodeapoioásuaconsolidação, naperspetivadeintensificaçãodasredesdecolaboraçãonacionais Apoioàproteçãoecomercializaçãodoconhecimento Apoioaatividadesempreendedorasdeinvestigadores Atransformaçãodeconhecimentocientíficoemprodutose/ouserviçosinovadoresaoserviçoda saúde pública deverá ser apoiada, especialmente em investigação clínica e de translação e em nichosdeespecializaçãoondeportugalécompetitivo Apoioaestratégiadeinternacionalizaçãodacadeiadevalordasaúde,abrangendováriasáreasde intervenção pública (nomeadamente nos domínios do Ensino Superior, Economia e Inovação, e Investigação) Objetivos'Identificados Desenvolvimentodeumaidentidadeinternacionalparaopaís' Maiorenfoqueemconhecimentoeinvestigação' Articulaçãofortecomasregiões' Medidas'de'Política Indústrias'Culturais'e'Criativas' ' ' Políticas RecursosHumanos I&D+I Empreendedorismo deinovação Inovação Internacionalização I&I Habitat' ' Formaçãograduadaepós$graduadadeRecursosHumanosqualificados Apoioàinvestigaçãonoâmbitodaidentidadeedaherançacultural(patrimóniomaterialeimaterial dopaís) Promoçãodeumaagendadeinvestigaçãoparaapoioaodesenvolvimentodaatividadeturística Reforçodaligaçãodecentrosdeconhecimentoaempresaseserviços Medidasdeapoio Apoioaprojetosdemonstradores Criaçãodesistemasdigitaisdesuporteàatividadeturística Promoçãodesistemadegestãodeapoioàatividadeturística,agregandodadosdemonitorizarão disponíveisnopaís Objetivos'Identificados TornarPortugalnumprodutorculturalreconhecidointernacionalmente AfirmaramarcaPortugalnocontextointernacional' Medidas'de'Política Realizaçãodedoutoramentosemambienteempresarialou,pelomenos,envolvendoointeressede empresas ApoioàcolaboraçãoentreUniversidadeseEmpresasdeformaacriarcondiçõesparaacirculação do conhecimento, com destaque para o reforço de redes e intensificação de mecanismos de transferênciadetecnologia Suporteàcriaçãodeumclusternacionaldosector Apoioastart,ups Fomentodoespíritoempreendedor Apoioàcriatividadeeàinovaçãonoâmbitodosector MedidasqueajudemareforçaramarcaPortugaleapercepçãonacionaleinternacionaldaorigem portuguesacomoapresentandoexcelêncianaproduçãodebensculturais Objetivos'Identificados 59

60 ' Políticas RecursosHumanos I&D I&D+I Empreendedorismo deinovação Inovação Internacionalização I&I Reforçodacapacidadedeinovação Reforçodacapacidadedeinternacionalização' Medidas'de'Política Formação graduada e pós$graduada com vista a incrementar a produção de conhecimento e a criaçãodeempregocientíficojovemondenecessário Medidasdeapoioàintegraçãodequadrosqualificadosnosistemaprodutivo Mobilização de competências em várias áreas temáticas conexas de entre as acima indicadas (nomeadamentetic,energia,mobilidade,florestas,saúde,turismo)' Colaboração entre centros de investigação e empresas bem como apoio a transferência de conhecimentoedetecnologia Apoioaclusterização Proteçãoecomercializaçãodoconhecimento,incluindopromoçãodamarcasedesign Fomentodoempreendedorismodebasetecnológica' Apoioaaçõesdedemonstraçãodeboaspráticasnatransferênciadetecnologiaedescale,upparao sectorempresarial Promoçãodeacessoamercadosinternacionais' AAsprioridadestemáticasassumemumacombinaçãodepolíticasespecífica,comdiferentesgrausdeintensidade emtermosdenecessidadesemformação,i&doudeinovação.aspolíticasdei&d+isãocentraisnopolicy4mixda estratégiaeemcadaumadasprioridades,emboracommenorrelevonoturismoenasaúde.poroutrolado,o mixémaiscentradosobreasnecessidadesamontante,comfortecomponentedepolíticasdeformaçãoedei&d, naeconomiadomar,dadaasuanaturezaemergentenasváriasdimensões,omesmosucedendonastecnologias deinformaçãoedacomunicação,bemcomonasaúdeenasmatérias$primasemateriais.outrostemascomoo Habitat,asIndústriasCulturaiseCriativasrevelamumperfilcomumamaiorcomponentedepolíticasdeinovação edeempreendedorismo. Tabela' 11 apresenta uma visão sistematizada e simplificada do policy4mix de cada prioridade estratégica inteligente, onde se assinala a importância que foi dada pelos stakeholders auscultados a uma determinada políticafaceàsrestantes.estatabelafoiconstruídacombasenumaescalade1a4.amaiorintensidadedecor correspondeaumamaiorrelevânciadessapolíticaparaaprioridade,sendoqueaqueladecresceàmedidaquea importância da política para a prioridade diminui. O nível de intensidade de importância resulta da análise da relevânciadadaemcadaprioridadepelosatores.' Asprioridadestemáticasassumemumacombinaçãodepolíticasespecífica,comdiferentesgrausdeintensidade emtermosdenecessidadesemformação,i&doudeinovação.aspolíticasdei&d+isãocentraisnopolicy4mixda estratégiaeemcadaumadasprioridades,emboracommenorrelevonoturismoenasaúde.poroutrolado,o mixémaiscentradosobreasnecessidadesamontante,comfortecomponentedepolíticasdeformaçãoedei&d, naeconomiadomar,dadaasuanaturezaemergentenasváriasdimensões,omesmosucedendonastecnologias deinformaçãoedacomunicação,bemcomonasaúdeenasmatérias$primasemateriais.outrostemascomoo Habitat,asIndústriasCulturaiseCriativasrevelamumperfilcomumamaiorcomponentedepolíticasdeinovação edeempreendedorismo. Tabela' 11 $ Relevância das Políticas do Policy4mix para os Desafios e Estrangulamentos em cada Prioridade Estratégicaporgraudeimportância' 60

61 4.3'D'O'POLICY'MIX'DA'ENEI''COMO'RESPOSTA'AOS'DESAFIOS'E'OBJETIVOS'IDENTIFICADOS' As políticas e as medidas de política da Estratégia visam dar resposta quer aos principais bloqueios, quer às potencialidadesidentificadosnoâmbitododiagnósticodosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovação,demodo aexplorarascapacidadesexistentescomvistaarealizaravisãodeumportugallídernaeconomiaverde,digitale azul,atravésdeumsistemadei&imodernoecompetitivo. ATabela12alinhaaspotencialidadeseosconstrangimentosanteriormenteidentificadosnaAnáliseSWOTeas políticas e respetivas medidas propostas na ENEI, com vista a eliminar os constrangimentos e libertar e desenvolveropotencialexistentenosistemadei&i. Tabela'12$Respostadopolicy4mixaosconstrangimentosdecorrentesdaanáliseSWOT Potencial' Constrangimentos' Políticas' Existênciadequadros qualificadosemáreas relevantes Númerosignificativode unidadeseinstituições dei&dexcelentes Crescente financiamentodoi&d porpartedasempresas Lacunasnaadequaçãodas competênciasnaformaçãoe qualificação,àsnecessidades domercado Dificuldadeematrairereter recursoshumanosaltamente qualificados Reduzidapresençade doutoradosnasempresas Capacidadereduzidadotecido económicoemabsorver populaçãoqualificada IntensidadedeI&DdoPIB abaixodamédiaeuropeia Dispersãoemultiplicidadede atoresdosistemadei&d Reduzidacontrataçãode serviçosdei&debaixo financiamentoempresarial Recursos'Humanos' (M1) Ofertadeformaçãopós$graduada,particularmentedoutorale pós$doutoral,nomeadamenteemambienteempresarial (M2) Ofertadeformaçãoprofissionaldenívelmédioesuperior, nomeadamenteajustadaàsnecessidadeseminovaçãoda economia (M3)'' Promoçãodainserçãoemobilidadederecursoshumanos altamentequalificadosnosistemadei&i,atravésdoemprego altamentequalificado' (M4) Valorizaçãonascarreirasdocentesedeinvestigaçãodosector público,dacomponentedecolaboraçãocomosector empresarial,atravésdarevisãodosrespetivosestatutos' I&D' (M5) CriaçãodemassacríticaemI&Decapacitaçãodasinstituições einfraestruturascientíficase/outecnológicas (M6) PromoçãodeProgramasdeI&Ddeexcelência,reconhecida internacionalmente,nomeadamenteemtemasprioritáriosde especializaçãointeligente' (M7) IncentivosfiscaisàI&D (M8) FomentodoinvestimentoempresarialemI&Dpromovendoas respetivascompetênciasinternas (M9) Criaçãoeacessopartilhadoarepositóriospúblicoscom informaçãosobreosistemadei&i Todas'as'medidas'das'Políticas'de'Contexto 61

62 Potencial' Constrangimentos' Políticas' Existênciadeboas instituiçõesde intermediação Boacirculaçãode conhecimentoede colaboraçãoentre empresaseinstituições dei&dem determinadossectores etemas Crescente especializaçãoem serviçosintensivosem conhecimento Capacidadede exportaçãodeserviços dei&dedeassistência técnica ExistênciadeClusterse deinfraestruturasde suporteàinovaçãoem áreasrelevantes. Crescimentorelevante dosresultadosde investigaçãoe especializaçãocientífica emáreascompotencial emergente Viragemprogressiva dasentidadesdosi&i paraosmercados internacionais Potencialdossectores esistemasprodutivos nacionaiseregionaisna promoçãodeum crescimentointeligente comcrescentevocação internacional Debilidadescolaborativas entreinstituiçõesde investigaçãoeempresas Deficientecapacidadede incorporaçãonotecido económicodosresultadosde I&D Fracorecursoaosistemade proteçãodainovação (patentes,licenças,marcas) Insuficientecapacidadede geraçãode empreendedorismo qualificadoedepotenciaras oportunidadesdenegócio maisdinâmicoeemdomínios deinovação Dificuldadesdefinanciamento efracorecursoainstrumentos financeiroscomoocapitalde risco,business,angels, Tecidoempresarialcompeso significativodeunidadesde reduzidadimensão,sem trabalhoemredeecom produçãodebens/serviçosde baixaoumédia/baixa intensidadedetecnologia Dificuldadesnacaptaçãode investimento,principalmenteo externo Fracacirculaçãoevalorização económicadeconhecimento nosistema Deficiênciasaonívelda organizaçãoegestãoaparde umainsuficiênciainserçãoem redesdecooperação Escassezdecompetênciasde InternacionalizaçãodeI&Dnas empresas Baixoníveldeintensidade tecnológicaedeconhecimento dasexportações Dificuldadedelançamentoe penetraçãodemarcasno mercadointernacional I&D+I' (M10) Promoçãodacooperação,transferênciaecirculaçãode conhecimentoentreinstituiçõesdei&deosectorempresarial (M11)'' Aprofundarapolíticadeclusterizaçãoexplorandoaintegração decadeiasdevalor (M12)'' Promoçãodaproteçãoecomercializaçãodoconhecimento Empreendedorismo'de'Inovação' (M13) Estímuloàcriatividade,aoespíritoempreendedoreàsnovas ideiasdenegóciocomvistaàpromoçãodoempreendedorismo qualificado (M14) Apoioàcriaçãodenovasempresas,nomeadamentecom potencialdeinternacionalização (M15)'' Promoçãodofinanciamentoàinovaçãoemempresas, incluindo,entreoutros,capitalderiscoebusiness,angels (M16) Apoioainiciativascoletivasearedesdedinamizaçãode empreendedorismo (M17) Requalificaçãoefocalizaçãodasestruturasdeapoioao desenvolvimentodaatividadeempreendedora Inovação' (M18) Promoçãodoinvestimentodenaturezainovadoraequalificada compotencialdeexportação,designadamenteparaa produçãodebenseserviçostransacionáveisecomelevada incorporaçãodevaloracrescentadonacional (M19) Promoçãodacooperaçãoempresarialparaainovação, nomeadamenteatravésderedese,clusters (M20) Incentivosfiscaisàinovação (M21)'' Promoçãodoinvestimentoemfatoresimateriaisda competitividadeeinovação,nomeadamenteatravésdo aumentodacapacidadedei&d+idasempresas (M22)'' Promoçãodatransferênciadoconhecimento,nomeadamente atravésdavalorizaçãodosresultadosdeprojetosdei&dtcom elevadopotencialinovadoreconómico(h2020efundos estruturais) (M23) Apoioàproduçãoedifusãodeinformação,àcirculaçãode conhecimentoeàsboaspráticasemi&d+i Internacionalização'em'ID'e'Inovação' (M24) PromoçãodainternacionalizaçãoemI&Dedaarticulação entrepolíticasnacionaiseinternacionais (M25) Promoçãodeatividadesdeprospecção,conhecimentoe acessoanovosmercados (M26)'' Capacitaçãodasempresasnosdomíniosdainternacionalização ereforçodasuaparticipaçãonosmercadosinternacionais (M27)'' Promoçãodacooperaçãoempresarialparaa internacionalização,nomeadamenteatravésderedese clusters, (M28) PromoçãoexternadamarcaPortugal,dasmarcascoletivase dosrecursosendógenos Umdosprincipaisconstrangimentosidentificadosnodiagnósticoprende$secomaadequaçãodascompetências na formação e qualificação às necessidades do mercado, nomeadamente a reduzida capacidade do tecido económico em absorver os recursos humanos altamente qualificados. Desta forma, promover a formação profissional de nível médio e superior que se adeque ao tecido produtivo existente e potencial, bem como a dinamizaçãodaformaçãopós$graduadaemambienteempresarialeainserçãodosquadrosaltamentequalificados constituemaspetosdeterminantesparaosucessodeumapolíticaderecursoshumanosintegradanumaestratégia dereforçodosníveisdecompetitividadeeinovação. 62

63 AoníveldaInvestigaçãoeDesenvolvimento(I&D),váriosdesafiosforamidentificadostaiscomo:i)anecessidade de aumentar a massa crítica e os níveis de excelência das instituições científicas e/ou tecnológicas, de modo a competirem adequadamente no Espaço Europeu de Investigação; ii) a necessidade de crescimento do nível de investimento empresarial, ainda aquém da média da UE; e iii) a conveniência do reforço da coordenação das atividadesdei&dcomosdesafiosdaeconomiaedasociedade.assim,visa$secatalisaracriaçãodemassascríticas eaexcelêncianostemasprioritáriosdeespecializaçãoeapoiaroinvestimentoempresarialemi&d,atravésdo acréscimodasrespetivascompetênciasinternasedadinamizaçãodainterligaçãodasempresascomasinstituições dei&d.apromoçãodacolaboraçãodasentidadesnacionaisemprojetostransnacionaisécrucialparaumamaior sustentabilidadedacompetitividadeeuropeiaeinternacional. OutrodesafioquesecolocaaPortugaléoalavancardopotencialdoconhecimentogeradoparaacriaçãodevalor através do aprofundar da interação entre os centros e institutos de I&D e o sector empresarial para o desenvolvimentodeprodutoseserviçosdealtovaloracrescentado. Aspolíticasdeinovaçãotêmcomoprincipaldesafiopromoveroinvestimentodenaturezainovadoraequalificada compotencialdeexportação.peranteumtecidoempresarialcentradosobreaproduçãodebens/serviçosdebaixa ou média/baixa intensidade de tecnologia, devem ser proporcionadas condições ao investimento em fatores imateriais de competitividade e inovação, nomeadamente através do aumento da capacidade de I&D+I e da transferênciadoconhecimento,edapromoçãodacooperaçãoparaainovação. No que respeita ao empreendedorismo, este pode assumir particular relevância para a alteração do perfil produtivodaeconomiaportuguesa,paraacriaçãodeemprego,eparaadinamizaçãodaprodutividade.apesarda crescenteespecializaçãoemserviçosintensivosemconhecimento,osprojetosempreendedoresqualificadosnão têmaindaumimpactodesejávelnaeconomia.odesafiopassaporaumentaroempreendedorismoqualificadoe potenciar as oportunidades de negócio em domínios de inovação. Orientar o crescimento das empresas portuguesasparaomercadoexternoereforçaroníveldeincorporaçãonacionalnasexportaçõesrepresentao principaldesafioparaaspolíticasdeinternacionalização.éassimfundamentaldotarasempresasdecompetências para a prospeção de novos mercados e promoção da cooperação em matéria de produção, desenvolvimento tecnológico e comercialização em cadeias de atividade económica mais qualificada e organizada. A internacionalizaçãodascapacidadesnacionaisdei&dedeinovação,nomeadamenteatravésdavendadeserviços dei&d,podeserpotenciadaatravésdaexploraçãodemercadospotenciaisfavorecidospelaproximidade,oupela partilhadahistóriaedalíngua. 4.4'D'O'POLICY'MIX'DA'ENEI''COMO'RESPOSTA'AOS'OBJETIVOS'ESTRUTURANTES' O policy4mix apresentado visa a prossecução dos cinco objetivos estruturantes norteadores da Estratégia, identificados no Capítulo III, que privilegiam a promoção do potencial da base do conhecimento científico e tecnológico, o fomento da cooperação das entidades do sistema de I&I e o reforço da clusterização para uma economiaintensivaemconhecimento,assimcomoapromoçãodebenseserviçostransacionáveiscomelevado valoracrescentadoecomelevadopotencialdeexportaçãoeofomentodoempreendedorismonumaeconomia sustentáveledebaixoteoremcarbono. Cada objetivo estruturante é apoiado por uma combinação de políticas com níveis de impacto variável, como constanatabela13.estatabelamostraaintensidadedosefeitosindiretosediretos(defracoaforte)decada políticaparacadaobjetivo,combasenumaanálisequalitativacomparativa.oprimeironívelcorrespondeaoefeito dearrastamento,nãoimediato,decorrentedaadoçãodeumapolítica.osrestantesníveismedemaintensidade dosefeitosimediatos.assim,aanálisesugerequeacombinaçãodaspolíticaséconvergenteecoerentecomos objetivosestruturantes.éimportanteenfatizarque,emmuitoscasos,estasestãorelacionadasentresiepartilham propósitoscomuns,permitindoalcançarcommaioreficiênciaosobjetivospropostos. Noqueserefereàpolíticaderecursoshumanos,dadaasuanaturezaestruturante,osseusefeitosmanifestam$se em todos os objetivos. As medidas ao nível da formação e da inserção e mobilidade de recursos humanos 63

64 altamente qualificados contribuem para a prossecução de todos os objetivos, com efeitos mais diretos no potencial de I&D e no aumento da sistemicidade do sistema de I&D e de inovação. Também na adoção das políticas de Inovação contribui de uma forma transversal para os diferentes objetivos, com maior impacte na apostaembenseserviçostransacionáveisecomvaloracrescentado.aspolíticasdei&deaspolíticasdei&d+i favorecemqueroaumentodopotencialdeproduçãodoconhecimento,querasuacirculação,contribuindoem conjuntoparaostrêsprimeirosobjetivos. Tabela'13$Opolicy4mixcomorespostaaosobjetivosestruturantes AspolíticasdeEmpreendedorismodeinovaçãocontribuemdemododiretonãosóparaapromoçãodacriaçãode novasempresas,mastambémparaadinamizaçãodoempreendedorismomaisqualificadoedacomercializaçãodo conhecimentoproduzido,estandotambémpresentesnoutrosobjetivospelopotencialdetransformaçãodoperfil da economia que lhes é inerente. As políticas de internacionalização em I&D e em inovação favorecem a internacionalização do sistema de I&I, bem como a internacionalização das empresas e a diversificação dos mercados exportadores. A promoção da articulação entre políticas nacionais e internacionais e da cooperação empresarial,atravésderedeseclusters,,contribuitantoparaapromoçãodopotencialdabasedeconhecimentos científicosetecnológicos,comoparaofomentodacooperaçãoentreasinstituiçõesdei&dpúblicaseprivadase comasempresas.oobjetivodeumaeconomiamenosintensivaemteordecarbonoéoreflexodoconjuntodas políticas,tantodeinovação,comodasdecontextoondeaeco$eficiênciaeaeco$inovaçãosãonorteadorasda implementação. 4.5'D'O'POLICY'MIX'DA'ENEI''E'A'SUA'INTERLIGAÇÃO'COM'O' PORTUGAL'2020 ' AformulaçãodasestratégiasnacionaleregionaisdecorreuemparalelocomaformulaçãodoAcordodeParceria propostoporportugalparaoperíodode2014$2020àcomissãoeuropeia Portugal2020,assimcomocomados programas operacionais que o compõem, permitindo deste modo uma fertilização cruzada e o influenciar das 64

65 prioridadesestratégicasedasmedidasdepolíticadaestratégiadeespecializaçãointeligentecomosinstrumentos disponíveisnopróximociclodeprogramação. O perímetro de ação da ENEI contempla a ação dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI), incluídosnoacordodeparceria,easaçõesdaspolíticasnacionaisdecarácteradicional.defacto,existemmedidas decarácternormativoeregulamentarnaeneicujasederesidenoprocessodedecisãopolíticanacional,assim comoemoutrasmedidasdepolíticanacional.assimopolicy4mixdaestratégiacomplementaeésupletivodaação dosfundos.acrescequeoperímetrogeográficodosfeeiestáindexadoaosníveisdedesenvolvimentodecada região, sendo a maioria daqueles fundos aplicados principalmente nas três regiões de convergência e nas duas regiõesultra$periféricas,comumaexpressãomaisreduzidanasduasregiõescomníveisdedesenvolvimentomais próximosounamédiaeuropeia. A capacidade e a qualidade, bem como o reconhecimento internacional da I&D realizada em Portugal, a sua valorização económica e a inovação no Sistema de I&I são vetores essenciais para dar resposta a muitos dos problemas estruturais do país, dado que são potenciadores da competitividade e do crescimento sustentável. Nestesentido,éevidenteaproximidadedaEstratégiadeEspecializaçãoInteligentecomosdesígniosdapolíticade coesãopara2014$20,consubstanciadosnoportugal2020.estealinhamentofaz$se,sobretudoaoníveldodomínio temático Competitividade e Internacionalização, para o qual a presente Estratégia constituiu uma das condicionalidadesex4ante,enoqualseenquadrammuitasdas34medidasdepolíticaprevistas,talcomosepode constatar pela Tabela 14. Outros eixos do Portugal 2020 contribuem ainda para a obtenção dos objetivos estruturanteseprioridadestemáticas,comosejamocapitalhumano,nomeadamenteemtermosdeformaçãoe inserçãonomercadodetrabalho,assimcomoasustentabilidadeeeficiêncianousodosrecursos,umavezquea Estratégiatemcomoprioridadestemascentradossobreosrecursosendógenos,comosejaomareaflorestaeo agro$alimentarouasmatérias$primas. Tabela'14 OPolicy4mixeasuaexpressãonosprogramasdosdomíniostemáticosdoPortugal2020 Políticas' Competitividadee Internacionalização Portugal'2020' 'Domínio'Temático' InclusãoSociale Emprego CapitalHumano RecursosHumanos I&D I&D+I Empreendedorismodeinovação Inovação InternacionalizaçãoemIDeInovação Sustentabilidadee Eficiêncianousode Recursos Contexto 4.6'D'PLANO'DE'AÇÃO'' OPlanodeAção,apresentadonaTabela16,discriminaemcadapolíticaepormedida,osinstrumentosdepolítica emedidasdecarácterregulamentarprevistosnaestratégia.deassinalarqueexistemrepetiçõesdeinstrumentos, nalógicadopolicy4mix,dadoquecontribuem,emsimultâneo,paraaprossecuçãodeváriasmedidas.sempreque talacontece,foipreservadaamesmanumeraçãonessasações. TendoemvistaaexecuçãoeficientedaEstratégiaNacionaldeEspecializaçãoInteligente,importa,emparticular, definiraafetaçãodefundosamobilizareacalendarizaçãodasmedidaseaçõesdepolíticaaimplementar.paraa 65

66 concretização deste plano de ação serão mobilizados diversos fundos, quer provenientes dos instrumentos da políticacomunitária,emespecialdoportugal2020,doprogramahorizonte2020edoprogramacosme,querde recursosnacionais.emfaseposterioràelaboraçãodestedocumento,haveráumadefiniçãomaisdetalhadados montantes a mobilizar pelas diferentes fontes de financiamento e o modo da sua combinação com vista à implementação de Programas Nacionais nas várias prioridades temáticas, tendo em consideração os objetivos complementaresdosdiferentescanaisdeapoiofinanceiro.adicionalmenteprevê$sequeaprogramaçãofinanceira daafetaçãodefundosparaapoioaosdiferentesprogramassejadefinidaemfunçãodeanáliseaestabelecerem sededosórgãosdeacompanhamentodaenei. Deigualmodo,ficaparamomentoposterioradefiniçãodacalendarizaçãodosperíodosdeimplementaçãodas váriasmedidaseaçõesdepolítica. 66

67 Tabela&16:&Ações&das&Medidas&de&Política&& M& Políticas&e&Medidas&de& Política& A& Ações&das&Medidas&de&Política& Interligação&entre&Políticas& &&&&&&&&&Política&de&Recursos&Humanos& Ofertadeformaçãopós3graduada, particularmentedoutoralepós3 doutoral,nomeadamenteem ambienteempresarial Ofertadeformaçãoprofissionalde nívelmédioesuperior, nomeadamenteajustadaàs necessidadeseminovaçãoda economia Promoçãodainserçãoemobilidade derecursoshumanosaltamente qualificadosnosistemadei&i, atravésdoempregoaltamente qualificado 4 Valorizaçãonascarreirasdocentese deinvestigaçãodosectorpúblico, dacomponentedecolaboraçãocom osectorempresarial,atravésda revisãodosrespetivosestatutos 1.1 Formaçãograduadadeterceirociclo(doutoramentoepós3doutoramento),nomeadamenteemtemasprioritários deespecializaçãointeligente,incluindoformaçãoemambienteempresarial 1.2 Programasdoutoraispreferencialmenteemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente 1.3 Formação de nível pós3graduado e profissionalizante de curta duração, em gestão de I&D e inovação, nomeadamenteemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente 2.1 Cursossuperioresdecurtaduração(ISCED5)emtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente Cursos de especialização tecnológica em áreas de competência3chave, nomeadamente em temas prioritários de especializaçãointeligente Ações de formação para capacitação empresarial em gestão de I&D e Inovação, nomeadamente em temas prioritáriosdeespecializaçãointeligente 3.1 InserçãoderecursoshumanosaltamentequalificadosnasentidadesnãoempresariaisdoSI&I 3.2 InserçãoderecursoshumanosaltamentequalificadosnasempresasparaatividadesdeI&I 3.3 Promoção da mobilidade vertical e horizontal para fomentar a transferência de conhecimento e aumento das competênciasdosi&i 4.1 RevisãodoEstatutodeCarreiraDocenteparapremiaracolaboraçãodosdocentescomaeconomia 4.2 RevisãodoEstatutodeCarreiradeInvestigaçãoparapremiaracolaboraçãodosdocentescomaeconomia Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento Política&de&I&D& 5 CriaçãodemassacríticaemI&De capacitaçãodasinstituiçõese infraestruturascientíficase/ou tecnológicas ProgramasdeC&T,nomeadamenteemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente,emáreasemergentesde excelência,promovendoainterdisciplinaridade Criação e reforço de competências científicas e tecnológicas, nomeadamente em temas prioritários de especializaçãointeligente,emáreasemergentesdeexcelência 67

68 Reorganização, consolidação e capacitação da rede nacional de centros de excelência e das infraestruturas científicase/outecnológicas(racionalizaçãodarede,reconhecimento,eficiência) Consolidaçãoepromoçãodecentrosdecompetênciadeinvestigaçãocientíficadeinteresseestratégico,combase noroteironacionaldeinfraestruturasdeinteresseestratégico Fomento da inserção em redes de conhecimento nacionais, europeias e internacionais, e dinamização da participaçãonessasredes,comvistaàcriaçãodemassacríticanaparticipaçãonacional 6 PromoçãodeProgramasdeI&Dde excelência,reconhecida internacionalmente,nomeadamente emtemasprioritáriosde especializaçãointeligente 6.1 ProgramasdeC&Tdeinteresseestratégicodeexcelência,nomeadamenteemtemasprioritáriosdeespecialização inteligente,emáreasemergentesdeexcelência 6.2 ProgramasdeC&T,nomeadamenteemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente 6.3 ProgramasdeI&Dinterdisciplinaressobreaorigem,autenticidadeequalidadedosrecursoseprodutosendógenos 7 IncentivosfiscaisàI&D 7.1 IncentivosfiscaisàI&D PolíticasdeContexto 8 Fomentodoinvestimento empresarialemi&dpromovendoas respetivascompetênciasinternas 8.1 ApoioàI&Dempresarial,nomeadamenteemco3promoçãocomasentidadesnãoempresariaisdoSI&I,incluindo projetosmobilizadoreseestruturantesemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente 8.2 ProgramasdeapoiosimplificadodeestímuloaodesenvolvimentodeatividadesdeI&DnasPME 8.3 CriaçãoedinamizaçãodenúcleosdeI&Inasempresas Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento 8.4 Programasmobilizadoreseestruturantesnoâmbitodeestratégiasdeeficiênciacoletiva 9 Criaçãoeacessopartilhadoa repositóriospúblicoscom informaçãosobreosistemadei&i Acesso partilhado e criação de repositórios públicos com resultados e informação gerada pelos projetos de I&D financiadoscomfundospúblicos Desenvolvimento de plataformas de acesso partilhado com informação sobre recursos, oportunidades, competências,infraestruturasedadosestatísticos Política&de&I&D+I:&Reforço&de&ligações&entre&Instituições&de&I&D&e&o&setor&empresarial&e&proteção&do&conhecimento& 1.1 Formaçãograduadadeterceirociclo(doutoramentoepós3doutoramento),nomeadamenteemtemasprioritários deespecializaçãointeligente,incluindoformaçãoemambienteempresarial PolíticadeRecursosHumanos 10 Promoçãodacooperação, transferênciaecirculaçãode conhecimentoentreinstituiçõesde I&Deosetorempresarial Promoção da mobilidade vertical e horizontal para fomentar a transferência de conhecimento e aumento das competênciasdosi&i ApoioàI&Dempresarial,nomeadamenteemco3promoçãocomasentidadesnãoempresariasdoSI&I,incluindo projetosmobilizadoreseestruturantesemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente Apoio simplificado à valorização de resultados de projetos de I&D nacionais e europeus e aos associados à participaçãonasorganizaçõeseuropeiaseinternacionais,compotencialeconómicoeemtemasdeespecialização inteligente PolíticadeRecursosHumanos PolíticadeI&D PolíticadeInovação 10.2 Apoio simplificado para PME em domínios relevantes, designadamente no âmbito da procura de serviços PolíticadeInovação 68

69 tecnológicos(valesdeinovação) Apoio a candidaturas aos instrumentos existentes no Horizonte 2020: o Instrumento PME e o "Fast Track to Innovation" Programas de disseminação de novos conhecimentos e tecnologias gerados no âmbito da I&D (incluindo boas práticaseaçõesdedemonstração) PolíticadeInovação 10.5 PlataformasdedifusãoedeinteraçãodeinformaçãoeconhecimentonoâmbitodaI&I PolíticadeInovação 10.6 Reforço de redes e de cooperação, nomeadamente das parcerias internacionais em I&D+I, e exploração do seu potencialeconómico 10.7 Estímuloaoempreendedorismopromovidoporinvestigadorese/ouequipasdeinvestigação Políticadeempreendedorismodeinovação 11 Aprofundarapolíticade clusterizaçãoexplorandoa integraçãodecadeiasdevalor 11.1 Dinamização e consolidação de projetos enquadráveis e estruturantes de estratégias de eficiência coletiva, com foconaintegraçãodascadeiasdevalor 12.1 Reforçodopatenteamentoelicenciamentodepropriedadeindustrial PolíticadeInovação 12 Promoçãodaproteçãoe comercializaçãodoconhecimento 12.2 Dinamização,sensibilizaçãoedivulgaçãodoacessoàpropriedadeindustrial,incluindoapoiosaempresasaonível doregistodepropriedadeedepatentes 12.3 Consolidaçãoedinamizaçãodasestruturasdedicadasàproteçãoevalorizaçãodoconhecimento Política&de&empreendedorismo&de&inovação& 13 Estímuloàcriatividade,aoespírito empreendedoreàsnovasideiasde negóciocomvistaàpromoçãodo empreendedorismoqualificado 13.1 Valorizaçãodacriatividade,doriscoedoespíritoempreendedoratravésdeconcursos,prémioseoutrasformasde reconhecimento 13.2 Apoioaoempreendedorismoqualificado,emtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente 13.3 Apoioaoempreendedorismodeinovação,emtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente 14 Apoioàcriaçãodenovasempresas, nomeadamentecompotencialde internacionalização 14.1 Apoioàcriaçãoeàfaseinicialdociclodevidadasempresas,emtemasdeespecializaçãointeligente Promoçãodofinanciamentoà inovaçãoemempresas,incluindo, entreoutros,capitalderiscoe business0angels Apoioainiciativascoletivasea redesdedinamizaçãode empreendedorismo 15.1 Consolidação e promoção de instrumentos de financiamento da inovação, incluindo pré3semente, semente, business0angelsecapitalderisco 15.2 Desenvolvimentodeiniciativasdefinanciamentoquepromovamainovaçãodeprodutoseserviços 10.7 Estímuloaoempreendedorismopromovidoporinvestigadorese/ouequipasdeinvestigação 16.1 Capacitação de redes nacionais e locais de suporte do empreendedorismo (incluindo mentoria, coaching e assistência técnica), envolvendo designadamente infraestruturas de incubação e outras entidades de interface entreempresaserestantesentidadesdosni&i Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento 69

70 16.2 Promoveroapoioainiciativasdepromoçãodoespíritoempresarialedeteçãodenovosnegóciosnoâmbitodas estratégiasdeeficiênciacoletiva 17 Requalificaçãoefocalizaçãodas estruturasdeapoioao desenvolvimentodaatividade empreendedora 17.1 Programasdeapoioaoempreendedorismoeàliderança 17.2 Capacitaçãoerequalificaçãodeinfraestruturasdeincubação,parquestecnológicoseoutrasentidadesrelevantes doecossistemadoempreendedorismo 18 Promoçãodoinvestimentode naturezainovadoraequalificada compotencialdeexportação, designadamenteparaaprodução debenseserviçostransacionáveise comelevadaincorporaçãodevalor acrescentadonacional 18.1 Política&de&Inovação& Apoio ao investimento empresarial inovador e qualificado, incluindo projetos estruturantes, em domínios prioritáriosdeespecializaçãointeligente 18.2 Atraçãodeinvestimentodiretoestrangeirocomforteconteúdoinovador 19 Promoçãodacooperação empresarialparaainovação, nomeadamenteatravésderedese0 clusters 19.1 Dinamização de redes e projetos de cooperação interempresarial em domínios prioritários de especialização inteligente 19.2 Dinamizaçãoeconsolidaçãodeestratégiasdeeficiênciacoletiva 20 IncentivosfiscaisàInovação 20.1 IncentivosfiscaisàInovação PolíticasdeContexto 21.1 ReforçodascapacidadesdeorganizaçãoegestãoedequalificaçãodasestratégiasdasPME 21 Promoçãodoinvestimentoem fatoresimateriaisda competitividadeeinovação, nomeadamenteatravésdo aumentodacapacidadedei&d+i dasempresas 10.2 Apoio simplificado para PME em domínios relevantes, designadamente no âmbito da procura de serviços tecnológicos(valesdeinovação) 21.2 AssistênciatécnicaetecnológicaemdomíniosrelevantesparaasPME Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteção do conhecimento, Políticas de Contexto 21.3 Consolidaçãoereforçodoecossistemadefinanciamento,emrespostaàsnecessidadesdeinovaçãodasempresas 22.1 Apoioaprojetos3pilotoededemonstraçãodeI&D(TRL637) 22 Promoçãodatransferênciado conhecimento,nomeadamente atravésdavalorizaçãodos resultadosdeprojetosdei&dtcom elevadopotencialinovador económico(h2020efundos estruturais) Promoçãodaindustrializaçãodosresultadosdeprojetosinovadores(TRL738),particularmenteemPMEefacilitaro apoioàcaptaçãodecapitalderiscoeempréstimoseuropeusnoâmbitodafase3doinstrumentopme Apoioàsfases depós3demonstraçãoedepré3comercializaçãodosresultadosdei&d,incluindoàintroduçãono mercadodenovosprodutosbaseadosemi&d(trl839) ApoiosimplificadoàindustrializaçãoderesultadosdeprojetosdeI&Deuropeuseaosassociadosàparticipaçãonas OrganizaçõesEuropeiaseInternacionais,compotencialeconómicoeemdomíniosdeespecializaçãointeligente Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento 10.4 ProgramasdedisseminaçãoedifusãodenovosconhecimentosetecnologiasgeradosnoâmbitodaI&D(incluindo Política de I&D+I: Reforço de ligações entre 70

71 boaspráticaseaçõesdedemonstração) Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento 12.1 Reforçodopatenteamentoelicenciamentodepropriedadeindustrial 23.1 Ações de informação e aconselhamento técnico e tecnológico, incluindo a difusão das inovações no tecido económico Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento 23 Apoioàproduçãoedifusãode informação,àcirculaçãode conhecimentoeàsboaspráticasem I&D+I 23.2 Açõesdeprospetivaestratégicademercados,tecnologiaseempresas 10.5 PlataformasdedifusãoedeinteraçãodeinformaçãoeconhecimentonoâmbitodaI&I Política de I&D+I: Reforço de ligações entre Instituições de I&D e o setor empresarial e proteçãodoconhecimento 23.3 Iniciativasdeestímuloà Inovaçãoaberta Política&de&Internacionalização&em&ID&e&Inovação& 24 Promoçãodainternacionalização emi&dedaarticulaçãoentre políticasnacionaiseinternacionais Participação em programas europeus de I&D, nomeadamente valorizando consórcios com liderança nacional no Horizonte2020eEureka Inserçãoeparticipaçãoemredeseplataformasinternacionaisenacionaisdeconhecimento(incluindoplataformas tecnológicas)edeexcelênciacientíficaetecnológica 25 Promoçãodeatividadesde prospeção,conhecimentoeacesso anovosmercados 25.1 Consolidação e reforço do ecossistema de financiamento, em resposta às necessidades de inovação e internacionalização das empresas e facilitar o apoio à captação de capital de risco e empréstimos europeus no âmbitodafase3doinstrumentopme 25.2 Atividadesdeprospeção,conhecimentoeacessoanovosmercados 25.3 Cooperaçãointerempresarialeinserçãoemredesnacionaiseinternacionais 26 Capacitaçãodasempresasnos domíniosdainternacionalizaçãoe reforçodasuaparticipaçãonos mercadosinternacionais 26.1 Capacitaçãoparaainternacionalização,incluindoapoiotécnicoemáreascríticasparaoacessoepermanêncianos mercados 26.2 Apoioaprojetosempresariais,coletivoseindividuais,parainternacionalizaçãodasPME 27 Promoçãodacooperação empresarialparaa internacionalização,nomeadamente atravésderedeseclusters Dinamização na integração em redes e projetos europeus e internacionais, nomeadamente em domínios prioritáriosdeespecializaçãointeligente Consolidação de estratégias de eficiência coletiva através da sua integração nas cadeias de valor globais e no reforçoenosclusterstransnacionais 28 Promoçãoexternadamarca Portugal,dasmarcascoletivasedos recursosendógenos 28.1 AçõescoletivasdepromoçãoexternadamarcaPortugaledasmarcascoletivas 28.2 AçõesdepromoçãodadiferenciaçãoporviadaexcelênciadeI&D,datecnologia,edainovação 28.3 Açõesdevalorizaçãoepromoçãodopatrimónio,incluindoaafirmaçãoturísticadasregiões 71

72 Políticas&de&contexto& 29.1 Açõesdeformaçãodetrabalhadoresemfunçõespúblicas,melhorandoaeficáciaeeficiênciadaadministraçãoe reduzindooscustosdecontexto 29 Promoçãodopublic0procurement comoinstrumentodeinovaçãono planeamentoeorientaçãodas compraspúblicas 29.2 PromoçãodascondiçõesparaodesenvolvimentodomercadodevendadeserviçosdeI&Dedeinovação PolíticadeI&DePolíticadeInovação 29.3 Fomentodautilizaçãodosserviçospúblicoseletrónicos 29.4 Fomentodacomprapúblicadeinovação(CPI)comanálisededesempenhoambientalemtodasasfasesdociclode vidadoproduto,incluindoasoportunidadesdepcp(pre5commercial0procurement)oferecidaspeloh2020epelas OrganizaçõesInternacionaisdequePortugalémembro 30 PolíticaFiscal 30.1 SistemasdeincentivosfiscaisàI&DeàInovação PolíticadeI&DePolíticadeInovação 31.1 Simplificaçãoeagilizaçãodosprocessosadministrativos(desburocratizaçãoedesmaterialização) PolíticadeI&DePolíticadeInovação 31 Melhoriadaeficiênciaeeficáciano sistemadeapoioài&d+iincluindoa simplificaçãodosprocessos administrativoseregulamentares Melhoria do acompanhamento, monitorização e disseminação de informação, valorizando os resultados dos projetos Reforçodascapacidadesinstitucionaisedaeficiênciadasadministraçõesedosserviçospúblicos,designadamente através da promoção de uma administração e serviços públicos desmaterializados e em rede e com recurso a modelosdescentralizadosdeprestaçãodeserviçospúblicos PolíticadeI&DePolíticadeInovação PolíticadeI&DePolíticadeInovação 31.3 Consolidaçãodosinstrumentosdefinanciamentodeapoioàinovaçãonasempresas,promovendoasuaeficiênciae eficácia PolíticadeI&DePolíticadeInovação 32.1 Desenvolvimentoemelhoriadesistemasdetransportesecológicosecombaixoteordecarbono Promoção da mobilidade urbana ecológica e com baixo teor de carbono (planeamento urbano, mobilidade inteligente,mobilidadeelétrica,conversãodeveículos ) Promoção de fontes renováveis de energia, em especial as associadas a tecnologias emergentes ou pouco disseminadas 32 Promoçãodaeco3inovaçãoeeco3 eficiência 32.4 Promover a eficiência energética e material nas empresas (tecnologias e sistemas energeticamente eficientes, sistemasinteligentesdeenergia,produçãodeenergia,sistemasdegestãodeenergia,certificação, ) 32.5 Promoveraeficiênciaenergéticaematerialnasinfraestruturaspúblicas Programasdeadaptaçãoàsalteraçõesclimáticasepararespostaariscosespecíficos(erosãocosteira,resistência sísmica,defesadaflorestafaceaincêndios,fenómenosextremos, ) Valorização de resíduos, reduzindo a produção e deposição em aterro e aumentando a recolha seletiva e a reciclagem 32.8 Açõesdeotimizaçãodagestãoeficientedosrecursosnaturais(hídricos,minerais,biológicos, ) 72

73 32.9 Ações de proteção e reabilitação da biodiversidade e dos solos e promoção de sistemas de serviços ecológicos, nomeadamente através da rede Natura 2000 e de infraestruturas verdes (ordenamento do território, gestão de áreas classificadas, recuperação de ecossistemas de áreas sensíveis, dinamização económica de áreas classificadas, ) Melhoria do ambiente urbano, revitalização de cidades, recuperação e descontaminação de zonas industriais abandonadasereduçãodapoluiçãodoaredoruído 33.1 ReforçodasinfraestruturasTICparaciênciaetecnologia(e3ciência) 33.2 ReforçodasaplicaçõesdeTICnaAdministraçãoPública 33 Promoçãodaeconomiadigital 33.3 Promoçãodaliteraciaequalificaçõeseinclusãodigitais,incluindoanívelempresarial 33.4 Reforçodacapacitaçãoempresarialedeestratégiasempresariaisnodomíniodainovaçãoedainternacionalização comrecursoatic(e.g.comércioeletrónico) 33.5 DinamizaçãoderedeseplataformascomrecursoaTIC 34 Divulgaçãoepromoçãodacultura científica,tecnológicaeindustrial (cidadãos,públicoespecializado) 34.1 Produçãodeconteúdosdeciênciaetecnologiaemdomíniosprioritáriosdeespecializaçãointeligente 73

74 CAPÍTULO)V) )MONITORIZAÇÃO)E)AVALIAÇÃO) UmaboaexecuçãodaENEIpressupõeaadoçãodemetodologiasdemonitorizaçãoeavaliaçãoadequadas,com processos eficazes, calendarização apropriada à medição dos resultados alcançados, diretos e indiretos, e estimação dosimpactos.estasnorteiamacoordenaçãoeagovernaçãoefocagemnosobjetivos,nosmúltiplos níveisdeintervençãoedosatoresdosistemadei&i. A monitorização e a avaliação são componentes essenciais da implementação das políticas e dos programas públicosaopermitirumacompanhamentoalargadodomodocomoosrecursosestãoaseraplicados,justificando peranteasociedadeeoscontribuintesaaplicaçãoderecursosquesãoescassosemedindooimpactoqueestes têmnamelhoriadevidadoscidadãosenodesenvolvimentoeconómicosustentávelbaseadonoconhecimento.a avaliação é por natureza formativa pela sua componente de aprendizagem, permitindo a todos os envolvidos através da análise da história e da medição dos resultados reduzir o erro e identificar os fatores de sucesso. Acresce,queainformaçãoeoconhecimentorecolhidos,têmrelevânciaparaajustaraolongodopercursooplano deação,opolicy'mix,emesmoasprioridadesiniciaisescolhidas.amonitorizaçãoeaavaliaçãosãoaindauma fonteprivilegiadadeconhecimentoparaapoiaraformulaçãodasintervençõespúblicasposteriores. OperímetrodemonitorizaçãoeavaliaçãodaENEIcompreendeoSistemadeInvestigaçãoeInovaçãonoseutodo. Porém,comoPortugaloptouporumaestratégiamultinível,esteperímetroécomplementaraosdasestratégias regionaisquesecentramsobreosdiferentessistemasregionaisdeinvestigaçãoeinovaçãodecadaumadascinco regiõesdocontinenteedasduasregiõesautónomas. MonitorizareavaliaraEstratégiasignifica,assim,acompanharoseuprocessodeexecução,averificaçãoregular dosresultadosdiretoseindiretosalcançados,aologodoperíododeseteanos,eaanálisedosseusimpactostrêsa quatroanosdepoisdasuaconclusão. 5.1)7)MONITORIZAÇÃO)) Osistemademonitorizaçãocompreendemétodosparaacompanharnãosóosresultadosquesevãoalcançando ao longo do tempo, mas também calcular os desvios face às metas estabelecidas, com mecanismos de alerta facilitadoresdealteraçãodepercursoedepropostademedidasalternativas. O sistema de monitorização, que combina um conjunto de métodos qualitativos e quantitativos (ver Figura 9), apresenta uma gestão descentralizada, mas coordenada, pelos órgãos da governação da Estratégia com responsabilidadenestamatéria. Em complemento do sistema de monitorização, e para possibilitar uma eficaz informação, apropriação, e acompanhamentodaestratégiaportodososinteressados,quernopaís,quernoestrangeiro,serádesenvolvida umapáginawebespecíficadaestratégiaenvolvendointerligaçãocomascomponentesnacionaleregional(ver capitulogovernação).asperceçõeseexpectativasdosatoresdosistemaserão,ainda,tidasemconsideração. 74

75 Figura)9ZSistemademonitorizaçãodaENEI Relatórioanual SistemadeMonitorização Relatóriosperiódicos Acompanhamentodas expectajvasepercepções RelatórioBienalde DiagnósjcoaoSistemade I&I PainelENEI Relatóriosde implementaçãodas Prioridades 'Gapanalysis' Relatóriode 'Benchmarking'com10 países 'IndicadoresPrincipais' 'Indicadoresderesultados' 'Indicadoresderealização' Relatóriosanuaissãoumaformaeficazdesintetizartodasasatividadesdesenvolvidasportodososorganismos envolvidos na implementação da ENEI. Estes relatórios são da responsabilidade da Unidade Executiva da ENEI. Complementarmente,serãoelaboradosrelatóriosparacadaumdosprogramas. O acompanhamento das expectativas e perceções dos atores do sistema será efetuado com base em gap) analysis.)estatécnicatemvindoaseraplicadaemváriasestratégiasdeespecializaçãointeligente,nomeadamente nafinlândiaenanoruega.emportugal,oobjectivoélançartrêsquestionáriossobreasexpectativaseonívelde satisfaçãodosstakeholders,nolançamentodaestratégiarealizarzsezáoprimeiro,osegundoem2017,eoúltimo em2020. O estudo Diagnóstico) ao) sistema) de) Investigação) e) Inovação Desafios, Forças e Fraquezas rumo a 2020, elaboradopelafctem2013,foioprimeirotrabalhorealizadoemprofundidadesobreosistemanacionalfeitoem comparaçãocomoutrospaíseseuropeus.operíododeanálisedesterelatórioéoprimeirodecéniodesteséculo (2000Z2010).Esteestudodeveserrepetidocomomesmoformato,ououtroquesejulguemaisadequado,dedois emdoisanos,mantendoacomparaçãocomogrupode10paísesselecionadosparabenchmarking 16.Oobjectivoé terumaanáliseaprofundadasobreaevoluçãodasdiferentescomponentesdosistemaemcomparaçãocomos paísessimilaresparacertificaçãoqueasfraquezasdosistemaestãoaserreduzidaseasoportunidadeseforças potenciadas. OPainel)ENEI)consistenumconjuntodeindicadores)principais)e)adicionais)de)resultados)e)de)indicadores)de) realização selecionados para monitorizar cada uma das dimensões do policy'mix da Estratégia, nomeadamente para atingir os objetivos de expandir e adequar as competências e qualificações; intensificar a excelência e a competitividade do sistema de I&D, densificar e alargar as interações nas redes de conhecimento, mobilizar o empreendedorismo de base inovadora, bem como aumentar a base do sistema de inovação e a sua competitividade,efinalmenteinternacionalizarosfluxoscientíficos,tecnológicosedeinovação. 16 Áustria,Bélgica,Espanha,Finlândia,Holanda,Hungria,Irlanda,Itália,NoruegaeRepúblicaCheca. 75

76 Oconjuntodeindicadoresprincipais,deresultadosederealização,quecompõemopainel,foramescolhidospor seremosmaisadequadosnainterpretaçãoemediçãodapossívelevoluçãodarealidadeobjetodeintervenção. São doze os indicadores principais, maioritariamente indicadores de resultados ou de efeito indireto, e que correspondemacadapolíticaincluídanopolicy'mix,deacordocomatabela15. Tabela)15ZIndicadoresPrincipaisdeResultadosdeMonitorizaçãoENEI Políticas) Indicadores) Fontes)Estatísticas) Recursos)Humanos) I&D) I&D+I) Empreendedorismo)de) Inovação) Inovação) Internacionalização)I&I) Novosdoutorados(ISCED6)por1000habitantes(25Z34) Doutoradosporsectordeexecuçãonototaldosempregados doutorados ProdutividadedeI&DZNúmerodePublicaçõesemC&T/1000 investigadoreseti Produtividadetecnológica NúmerodePatentes/10milhões EURdeDespesadeI&Ddasempresas Percentagem de empresas envolvidas em atividades colaborativasinovadorasportipodeestatutodei&d(comou sematividadedei&d) Númerodecopublicaçãoentreprivadoepúblicopormilhãode habitantes Numerodenovasempresasporintensidadetecnológica Vendas de produtos novos para o mercado e de inovações novasparaasempresasempercentagemdafaturação Contribuição das exportações de produtos de media e alta intensidadetecnológicaparaabalançacomercial FluxosdeentradadeIDEporsectordeintensidadetecnológica NúmerodeParticipaçõesnoPQpor1000investigadores Colaboração internacional em inovação por empresas em percentagem das empresas inovadoras em cada tipo e categoria Eurostat DGEEC DGEEC Eurostat Eurostat DGEEC Eurostat Eurostat Eurostat Eurostat GPPQ/DGEEC Eurostat Cadaumadasmedidasdopolicy'mixtemumindicador)de)resultadosparaacompanhamentodaevoluçãodaação (Tabela16). Tabela)16)ZIndicadoresdeResultadosENEIparacadaMedidadasPolíticas ) Medidas)de)Política) Política)de)Recursos)Humanos) 1 OfertadeformaçãopósZgraduada, particularmentedoutoralepószdoutoral, nomeadamenteemambienteempresarial 2 Ofertadeformaçãoprofissionaldenível médioesuperior,nomeadamenteajustada àsnecessidadeseminovaçãodaeconomia 3 Promoçãodainserçãoemobilidadede recursoshumanosaltamentequalificados Indicadores) 1.1 Númerodedoutoradosnapopulaçãoativa napopulação25z64anos 2.1 PercentagemgraduadosemMatemáticae C&Tnototal(ISCED5Z6) 3.1 RecursosHumanosematividadesdeI&D empercentagemdototaldeemprego Fontes) Estatísticas) Eurostat Eurostat Eurostat 76

77 nosistemadei&i,atravésdoemprego altamentequalificado 4 Valorizaçãonascarreirasdocenteede investigaçãodosetorpúblico,da componentedecolaboraçãocomosector empresarial,atravésdarevisãodos respetivosestatutos Política)de)I&D) 5 CriaçãodemassacríticaemI&De capacitaçãodasinstituiçõese infraestruturascientíficase/ou tecnológicas 3.2 Número de doutorados que mudaram de emprego nos últimos 10 anos em percentagem do número total de doutoradosempregados Eurostat 5.1 DespesaemI&DempercentagemdoPIB Eurostat 5.2 Númerodepublicaçõescientíficascitáveis pormilhãodehabitantes DGEEC 6 PromoçãodeProgramasdeI&Dde excelência,reconhecida internacionalmente,nomeadamenteem temasprioritáriosdeespecialização inteligente 6.1 Percentagemdaspublicaçõescientíficasdo paísqueestános10%daspublicações maiscitadasmundialmente DGEEC 7 IncentivosfiscaisàI&D 7.1 IncentivosfiscaisàI&Dempresarialem percentagemdopib SIFIDE 8 Fomentodoinvestimentoempresarialem I&Dpromovendoasrespetivas competênciasinternas 8.1 DespesaemI&Ddasempresasem percentagemdopib Eurostat 9 Criaçãoeacessopartilhadoarepositórios públicoscominformaçãosobreosistema dei&i 9.1 Percentagemdeempresascominovação deprodutoe/ouprocessoqueconsideraas revistascientíficasepublicaçõestécnicas/ profissionais/comerciaiscomoumafonte deinformaçãodeelevadaimportância paraasuainovação Política)de)I&D+I:)Reforço)de)ligações)entre)Instituições)de)I&D)e)o)setor)empresarial)e)proteção)do)conhecimento) Eurostat(CIS) 10 Promoçãodacooperação,transferênciae circulaçãodeconhecimentoentre InstituiçõesdeI&Deosetorempresarial 11 Aprofundarapolíticadeclusterização explorandoaintegraçãodecadeiasde valor 12 Promoçãodaproteçãoecomercialização doconhecimento Política)de)empreendedorismo)de)inovação) 13 Estímuloàcriatividade,aoespírito empreendedoreàsnovasideiasde 10.1 Percentagemdeempresascominovação deprodutoe/ouprocessoemcooperação comuniversidadesououtrasinstituições doensinosuperior 10.2 FinanciamentoempresarialdeI&Dao sectornãoempresarialempercentagem dadespesadei&ddessessectores 11.1 Percentagemdeempresascominovação deprodutoe/ouprocessoemcooperação comfornecedoresdeequipamento, materiais,componentesousoftware 11.2 Percentagemdeempresascominovação deprodutoe/ouprocessoemcooperação comclientesouconsumidores 12.1 Rendimentodapropriedadeintelectual especializadadeuniversidadeseempresas empercentagemdoinvestimentoemidi 12.2 Submissãodepatentespormilmilhõesdo PIB(emPPCEuros) 13.1 Taxadecriaçãodenovasempresascom altaemédiaaltaintensidadestecnológicas Eurostat(CIS) IPCTN Eurostat(CIS) Eurostat(CIS) Eurostat Eurostat Eurostat 77

78 negóciocomvistaàpromoçãodo empreendedorismoqualificado 14 Apoioàcriaçãodenovasempresas, nomeadamentecompotencialde internacionalização ouserviçosintensivosemconhecimento 15 Promoçãodofinanciamentoàinovaçãoem empresas,incluindo,entreoutros,capital deriscoebusiness9angels 15.1 Investimentoemcapitalderiscoem percentagemdopib Eurostat 16 Apoioainiciativascoletivasearedesde dinamizaçãodeempreendedorismo 17 Requalificaçãoefocalizaçãodasestruturas deapoioaodesenvolvimentodaatividade empreendedora Política)de)Inovação) 18 Promoçãodoinvestimentodenatureza inovadoraequalificadacompotencialde exportação,designadamenteparaa produçãodebenseserviços transacionáveisecomelevada incorporaçãodevaloracrescentado nacional 18.1 Empregoematividadesintensivasem conhecimento(indústriaeserviços)em percentagemdoempregototal Eurostat 19 Promoçãodacooperaçãoempresarialpara ainovação,nomeadamenteatravésde redeseclusters 19.1 Percentagemdeempresascominovação deprodutoe/ouprocessoemcooperação comconcorrentesououtrasempresasdo mesmosectordeatividade 20 IncentivosfiscaisàInovação 20.1 Incentivosàinovaçãoempercentagemdo PIB Eurostat(CIS) IAPMEI 21 Promoçãodoinvestimentoemfatores imateriaisdacompetitividadeeinovação, nomeadamenteatravésdoaumentoda capacidadedei&d+idasempresas 22 Promoçãodatransferênciado conhecimento,nomeadamenteatravésda valorizaçãodosresultadosdeprojetosde I&DTcomelevadopotencialinovador económico(h2020efundosestruturais) 23 Apoioàproduçãoedifusãodeinformação, àcirculaçãodeconhecimentoeàsboas práticasemi&d+i 21.1 Desenvolvimentoextramurosdebense serviçosinovadoresempercentagemdas empresasintroduzindocadaumdesses tiposdeinovação 22.1 Percentagemdeempresascomintrodução deprodutosouprocessosinovadores 22.2 Percentagemdeempresascominovação deprodutoe/ouprocessoqueconsideraos concorrentesououtrasempresasdo mesmosectordeatividadecomouma fontedeinformaçãodeelevada importânciaparaasuainovação Eurostat(CIS) Eurostat(CIS) Eurostat(CIS) Política)de)Internacionalização)em)ID)e)Inovação) 24 PromoçãodainternacionalizaçãoemI&De daarticulaçãoentrepolíticasnacionaise internacionais 24.1 PercentagemdepublicaçõesemcoZautoria internacional DGEEC 24.2 NúmerodecoordenaçõesnoPQ GPPQ 24.3 NúmerodepropostasapresentadasPQpor 1000investigadoresemETI GPPQ 25 Promoçãodeatividadesdeprospeção, conhecimentoeacessoanovosmercados 78

79 26 Capacitaçãodasempresasnosdomíniosda internacionalizaçãoereforçodasua participaçãonosmercadosinternacionais 27 Promoçãodacooperaçãoempresarialpara ainternacionalização,nomeadamente atravésderedeseclusters 28 PromoçãoexternadamarcaPortugal,das marcascoletivasedosrecursosendógenos 26.1 Percentagemdeexportaçõesdeprodutos dealtatecnologianototaldasexportações 27.1 Percentagemdeempresascominovação deprodutoe/ouprocessoemcooperação comumparceironoutropaísdaunião Europeia,daEFTAoucandidatoàUE 28.1 Percentagemdeempresascomintrodução deinovaçõesdemarketing Eurostat Eurostat(CIS) Eurostat(CIS) AmonitorizaçãodaimplementaçãodaEstratégiaéfeitaporumconjuntodeindicadoresderealizaçãoassociados àsdiferentesdimensõesdoplanodeação(tabela17). DadaaarticulaçãoeligaçãoentreaEstratégiadeI&Ieosfundosestruturaispara2014Z2020,muitasdasmetas definidasparaportugalsão,evidentemente,comuns.nestesentido,osistemademonitorizaçãodaestratégiaserá devidamentearticuladocomamonitorizaçãodosprogramaseindicadoresdefinidosparaoportugal)

80 Tabela&17$IndicadoresdeRealizaçãodoPlanodeAçãodaENEI M& Políticas&e&Medidas&de& Política& A& Ações&das&Medidas&de&Política& Indicador&de&Realização&& Indicador&& Fonte&de& Informação& Frequência& do&reporte& &&&&&&&&&Política&de&Recursos&Humanos& 1 Ofertadeformaçãopós$graduada, particularmentedoutoralepós$ doutoral,nomeadamenteem ambienteempresarial Formação graduada de terceiro ciclo (doutoramento e pós$doutoramento), nomeadamente em temas prioritários de especialização inteligente, incluindo formaçãoemambienteempresarial Programas doutorais preferencialmente em temas prioritários de especialização inteligente Formaçãodenívelpós$graduadoeprofissionalizantedecurtaduração,emgestão de I&D e inovação, nomeadamente em temas prioritários de especialização inteligente Nº de formandos em temas prioritários de especializaçãointeligente Nº de doutorados em temas prioritários de especializaçãointeligente NºdeformandosemgestãoI&DeInovação Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual 2 Ofertadeformaçãoprofissional denívelmédioesuperior, nomeadamenteajustadaàs necessidadeseminovaçãoda economia Cursos superiores de curta duração (ISCED 5) em temas prioritários de especializaçãointeligente Cursos de especialização tecnológica em áreas de competência$chave, nomeadamenteemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente Ações de formação para capacitação empresarial em gestão de I&D e Inovação, nomeadamenteemtemasprioritáriosdeespecializaçãointeligente Nºdediplomadosemcursossuperioresdecurta duração de nível ISCED 5, em temas prioritários deespecializaçãointeligente Nº de diplomados em modalidades de ensino e formação profissional, com reforço da formação emcontextodetrabalho N.º de empresas participantes em ações de formaçãoparacapacitaçãoempresarialemi&de Inovação Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual 3 Promoçãodainserçãoe mobilidadederecursoshumanos altamentequalificadosnosistema dei&i,atravésdoemprego altamentequalificado Inserção de recursos humanos altamente qualificados nas entidades não empresariaisdosi&i Inserção de recursos humanos altamente qualificados nas empresas para atividadesdei&i Promoção da mobilidade vertical e horizontal para fomentar a transferência de conhecimentoeaumentodascompetênciasdosi&i Nº de novos investigadores em instituições do SI&Iapoiadas N.ºdedoutoradoscontratadosporempresas Nº de projetos de transferência e utilização do conhecimento Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual 4 Valorizaçãonascarreirasdocente edeinvestigaçãodosetor 4.1 RevisãodoEstatutodeCarreiraDocenteparapremiaracolaboraçãodosdocentes comaeconomia 80

81 público,dacomponentede colaboraçãocomosector empresarial,atravésdarevisão dosrespetivosestatutos 4.2 Revisão do Estatuto da Carreira de Investigação para premiar a colaboração dos investigadorescomaeconomia 5.1 Política&de&I&D& Programas de C&T, nomeadamente em temas prioritários de especialização inteligente, em áreas emergentes de excelência, promovendo a interdisciplinaridade N.º de projetos de C&T apoiados em domínios prioritáriosdeespecializaçãointeligente Sistemade Informação Anual 5 CriaçãodemassacríticaemI&De capacitaçãodasinstituiçõese infraestruturascientíficase/ou tecnológicas Criaçãoereforçodecompetênciascientíficasetecnológicas,nomeadamenteem temas prioritários de especialização inteligente, em áreas emergentes de excelência Reorganização, consolidação e capacitação da rede nacional de centros de excelência e das infraestruturas científicas e/ou tecnológicas (racionalização da rede,reconhecimento,eficiência) Nº de investigadores envolvidos em projetos apoiados de entidades não empresariais do Sistema de I&I, em domínios prioritários de especializaçãointeligente Nºdeinstituiçõesdeinvestigaçãoapoiadas Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Consolidaçãoepromoçãodecentrosdecompetênciadeinvestigaçãocientíficade interesse estratégico, com base no Roteiro Nacional de Infraestruturas de InteresseEstratégico Fomento da inserção em redes de conhecimento nacionais, europeias e internacionais,edinamizaçãodaparticipaçãonessasredes,comvistaàcriaçãode massacríticanaparticipaçãonacional Nº de entidades apoiadas (envolvidas), em infraestruturasdeinteresseestratégico Nº de entidades apoiadas participantes em programaseuropeus Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 6 PromoçãodeProgramasdeI&D deexcelência,reconhecida internacionalmente, nomeadamenteemtemas prioritáriosdeespecialização inteligente Programas de C&T de interesse estratégico de excelência, nomeadamente em temas prioritários de especialização inteligente, em áreas emergentes de excelência Programas de C&T, nomeadamente em temas prioritários de especialização inteligente ProgramasdeI&Dinterdisciplinaressobreaorigem,autenticidadeequalidadedos recursoseprodutosendógenos N.º de projetos de C&T de interesse estratégico apoiados em domínios prioritários de especializaçãointeligente N.º de projetos de C&T apoiados em domínios prioritáriosdeespecializaçãointeligente N.º de projetos de C&T apoiados no âmbito da origem,autenticidadeequalidadedosrecursose produtosendógenos Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual 7 IncentivosfiscaisàI&D 7.1 IncentivosfiscaisàI&D NºdeempresascombenefíciosfiscaisaoI&D Sistemade Informação Anual 8 Fomentodoinvestimento empresarialemi&dpromovendo asrespetivascompetências internas ApoioàI&Dempresarial,nomeadamenteemco$promoçãocomasentidadesnão empresarias do SI&I, incluindo projetos mobilizadores e estruturantes em temas prioritáriosdeespecializaçãointeligente Programasdeapoiosimplificadodeestímuloaodesenvolvimentodeatividadesde I&DnasPME Nº de empresas que cooperam com entidades nãoempresariaisdosi&i N.ºdeempresasapoiadasnoâmbitodeprojetos simplificadosdei&d Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 81

82 8.3 CriaçãoedinamizaçãodenúcleosdeI&Inasempresas Nºdeempresasapoiadasparacriaçãodenúcleos dei&i Sistemade Informação Anual 8.4 Programas mobilizadores e estruturantes no âmbito de estratégias de eficiência coletiva N.º de projetos mobilizadores e estruturantes apoiados Sistemade Informação Anual 9 Criaçãoeacessopartilhadoa repositóriospúblicoscom informaçãosobreosistemadei&i Acessopartilhadoecriaçãoderepositóriospúblicoscomresultadoseinformação geradapelosprojetosdei&dfinanciadoscomfundospúblicos Desenvolvimento de plataformas de acesso partilhado com informação sobre recursos,oportunidades,competências,infraestruturasedadosestatísticos ProjetosdeI&Dfinanciadoscomfundospúblicos, com informação partilhada e divulgada publicamente Nº de plataformas de difusão e interação desenvolvidas Política&de&I&D+I:&Reforço&de&ligações&entre&Instituições&de&I&D&e&o&setor&empresarial&e&proteção&do&conhecimento& Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 1.1 Formação graduada de terceiro ciclo (doutoramento e pós$doutoramento), nomeadamente em temas prioritários de especialização inteligente, incluindo formaçãoemambienteempresarial Nº de formandos em temas prioritários de especializaçãointeligente Sistemade Informação Anual 3.3 Promoção da mobilidade vertical e horizontal para fomentar a transferência de conhecimentoeaumentodascompetênciasdosi&i Nº de projetos de transferência e utilização do conhecimento Sistemade Informação Anual 8.1 ApoioàI&Dempresarial,nomeadamenteemco$promoçãocomasentidadesnão empresarias do SI&I, incluindo projetos mobilizadores e estruturantes em temas prioritáriosdeespecializaçãointeligente Nº de empresas que cooperam com entidades nãoempresariaisdosistemadei&i Sistemade Informação Anual 10.1 Apoio simplificado à valorização de resultados de projetos de I&D nacionais e europeus e aos associados à participação nas Organizações Europeias e Internacionais,compotencialeconómicoeemtemasdeespecializaçãointeligente N.ºdeempresasapoiadasnoâmbitodeprojetos simplificadosdevalorizaçãodei&d Sistemade Informação Anual 10 Promoçãodacooperação, transferênciaecirculaçãode conhecimentoentreinstituições dei&deosetorempresarial ApoiosimplificadoparaPMEemdomíniosrelevantes,designadamentenoâmbito daprocuradeserviçostecnológicos(valesdeinovação) Apoio a candidaturas aos instrumentos existentes no Horizonte 2020: o InstrumentoPMEeo"FastTracktoInnovation" N.ºdeempresasapoiadasnoâmbitodeprojetos simplificadosdeinovação N.º de projetos apoiados para candidaturas ao H2020 Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 10.4 Programas de disseminação de novos conhecimentos e tecnologias gerados no âmbitodai&d(incluindoboaspráticaseaçõesdedemonstração) N.º de projetos apoiados de disseminação de novosconhecimentosetecnologiasnoâmbitoda I&D Sistemade Informação Anual 10.5 Plataformasdedifusãoedeinteraçãodeinformaçãoeconhecimentonoâmbito dai&i Nº de acessos a plataformas de difusão e interação Sistemade Informação Anual 10.6 Reforço de redes e de cooperação, nomeadamente das parcerias internacionais emi&d+i,eexploraçãodoseupotencialeconómico N.ºdeprojetosaprovadosdereforçoderedese decooperação Sistemade Informação Anual 10.7 Estímulo ao empreendedorismo promovido por investigadores e/ou equipas de investigação N.ºdenovasempresasapoiadasprovenientesde spin%offs das entidades não empresariais do SistemadeI&I Sistemade Informação Anual 82

83 11 Aprofundarapolíticade clusterizaçãoexplorandoa integraçãodecadeiasdevalor 11.1 Dinamização e consolidação de projetos enquadráveis e estruturantes de estratégiasdeeficiênciacoletiva,comfoconaintegraçãodascadeiasdevalor NºdeClustersreconhecidoscomplanosdeação emexecução Sistemade Informação Anual 12.1 Reforçodopatenteamentoelicenciamentodepropriedadeindustrial N.º de projetos apoiados de reforço do patenteamentoelicenciamentodapi Sistemade Informação Anual 12 Promoçãodaproteçãoe comercializaçãodoconhecimento 12.2 Dinamização, sensibilização e divulgação do acesso à propriedade industrial, incluindoapoiosaempresasaoníveldoregistodepropriedadeedepatentes N.º de projetos de dinamização, sensibilização e divulgaçãodoacessoàpi Sistemade Informação Anual 12.3 Consolidaçãoedinamizaçãodasestruturasdedicadasàproteçãoevalorizaçãodo conhecimento N.ºdeentidadesapoiadasdedicadasàproteçãoe valorizaçãodapi Sistemade Informação 13 Estímuloàcriatividade,aoespírito empreendedoreàsnovasideias denegóciocomvistaàpromoção doempreendedorismoqualificado Política&de&empreendedorismo&de&inovação& Valorização da criatividade, do risco e do espírito empreendedor através de concursos,prémioseoutrasformasdereconhecimento Apoioaoempreendedorismoqualificado,emtemasprioritáriosdeespecialização inteligente Apoioaoempreendedorismodeinovação,emtemasprioritáriosdeespecialização inteligente Nº de ações de reconhecimento de empreendedoresdesenvolvidas Nºdeideiasdenegóciocomapoio,emtemasde especializaçãointeligente Nºdeideiasdenegócioapoiadas,originadasem projetos de I&D em temas de especialização inteligente Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual 14 Apoioàcriaçãodenovas empresas,nomeadamentecom potencialdeinternacionalização 14.1 Apoio à criação e à fase inicial do ciclo de vida das empresas, em temas de especializaçãointeligente N.º de projetos apoiados de empresas novas e nascentesemtemasdeespecializaçãointeligente Sistemade Informação Anual 15 Promoçãodofinanciamentoà inovaçãoemempresas,incluindo, entreoutros,capitalderiscoe business4angels Consolidação e promoção de instrumentos de financiamento da inovação, incluindopré$semente,semente,business4angelsecapitalderisco Desenvolvimento de iniciativas de financiamento que promovam a inovação de produtoseserviços Estímulo ao empreendedorismo promovido por investigadores e/ou equipas de investigação N.ºdeempresasapoiadasporbusiness4angels e por outras entidades gestoras de instrumentos financeiros Nºdeiniciativas N.ºdenovasempresasapoiadasprovenientesde spin%offs das entidades não empresariais do SistemadeI&I Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual 16 Apoioainiciativascoletivasea redesdedinamizaçãode empreendedorismo Capacitação de redes nacionais e locais de suporte do empreendedorismo (incluindomentoria,coachingeassistênciatécnica),envolvendodesignadamente infraestruturas de incubação e outras entidades de interface entre empresas e restantesentidadesdosni&i Promoveroapoioainiciativasdepromoçãodoespíritoempresarialedeteçãode novosnegóciosnoâmbitodasestratégiasdeeficiênciacoletiva Nº de projetos de capacitação para o empreendedorismo N.º de projetos apoiados de empreendedorismo inseridosemestratégiasdeeficiênciacoletiva Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 17 Requalificaçãoefocalizaçãodas 17.1 Programasdeapoioaoempreendedorismoeàliderança N.ºdeprojetosapoiados Sistemade Anual 83

84 estruturasdeapoioao desenvolvimentodaatividade empreendedora 17.2 Capacitaçãoerequalificaçãodeinfraestruturasdeincubação,parquestecnológicos eoutrasentidadesrelevantesdoecossistemadoempreendedorismo Nº de entidades do ecossistema do empreendedorismoapoiadas Informação Sistemade Informação Anual Política&de&Inovação& 18 Promoçãodoinvestimentode naturezainovadoraequalificada compotencialdeexportação, designadamenteparaaprodução debenseserviçostransacionáveis ecomelevadaincorporaçãode valoracrescentadonacional 18.1 Apoio ao investimento empresarial inovador e qualificado, incluindo projetos estruturantes,emdomíniosprioritáriosdeespecializaçãointeligente 18.2 Atraçãodeinvestimentodiretoestrangeirocomforteconteúdoinovador N.º de empresas apoiadas para introdução de produtosnovosnaempresa N.ºdeempresasdecapitalestrangeiroapoiadas paraintroduçãodeprodutosnovosnomercado Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 19 Promoçãodacooperação empresarialparaainovação, nomeadamenteatravésderedes e4clusters 19.1 Dinamização de redes e projetos de cooperação interempresarial em domínios prioritáriosdeespecializaçãointeligente Nº de projetos coletivos de cooperação empresarial para a Inovação em domínios de especializaçãointeligente 19.2 Dinamizaçãoeconsolidaçãodeestratégiasdeeficiênciacoletiva Nºdeprojetosdinamizadosporclusters Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 20 IncentivosfiscaisàInovação 20.1 IncentivosfiscaisàInovação Nº de empresas com benefícios fiscais em projetosdeinovação Sistemade Informação Anual 21 Promoçãodoinvestimentoem fatoresimateriaisda competitividadeeinovação, nomeadamenteatravésdo aumentodacapacidadedei&d+i dasempresas Reforçodascapacidadesdeorganizaçãoegestãoedequalificaçãodasestratégias daspme ApoiosimplificadoparaPMEemdomíniosrelevantes,designadamentenoâmbito daprocuradeserviçostecnológicos(valesdeinovação) 21.2 AssistênciatécnicaetecnológicaemdomíniosrelevantesparaasPME 21.3 Consolidação e reforço do ecossistema de financiamento, em resposta às necessidadesdeinovaçãodasempresas Nº de PME que beneficiam de apoio para a sua qualificação N.º de PME apoiadas no âmbito de projetos simplificadosdeinovação N.ºdeprojetosapoiadosdeassistênciaTécnicae tecnológicaapme N.º de empresas apoiadas através de instrumentosfinanceiroscomoocapitalderisco Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual Anual 22.1 Apoioaprojetos$pilotoededemonstraçãodeI&D(TRL6$7) N.º de projetos$piloto e de demonstração apoiados Sistemade Informação Anual 22 Promoçãodatransferênciado conhecimento,nomeadamente atravésdavalorizaçãodos resultadosdeprojetosdei&dt comelevadopotencialinovador económico(h2020efundos estruturais) Promoção da industrialização dos resultados de projetos inovadores (TRL 7$8), particularmente em PME e facilitar o apoio à captação de capital de risco e empréstimoseuropeusnoâmbitodafase3doinstrumentopme Apoioàsfasesdepós$demonstraçãoedepré$comercializaçãodosresultadosde I&D,incluindoàintroduçãonomercadodenovosprodutosbaseadosemI&D(TRL 8$9) Nº de empresas apoiadas para a valorização e industrializaçãodosresultadosdoi&d Nº de empresas apoiadas para introduzir novos produtosnomercado Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 10.1 ApoiosimplificadoàindustrializaçãoderesultadosdeprojetosdeI&Deuropeuse aos associados à participação nas Organizações Europeias e Internacionais, com N.ºdeempresasapoiadasnoâmbitodeprojetos Sistemade Anual 84

85 potencialeconómicoeemdomíniosdeespecializaçãointeligente simplificadosdevalorizaçãodei&d Informação 10.4 Programas de disseminação e difusão de novos conhecimentos e tecnologias geradosnoâmbitodai&d(incluindoboaspráticaseaçõesdedemonstração) N.º de projetos apoiados de disseminação e difusãodenovosconhecimentos Sistemade Informação Anual 12.1 Reforçodopatenteamentoelicenciamentodepropriedadeindustrial N.º de projetos apoiados no âmbito da propriedadeindustrial Sistemade Informação Anual 23.1 Açõesdeinformaçãoeaconselhamentotécnicoetecnológico,incluindoadifusão dasinovaçõesnotecidoeconómico N.º de projetos apoiados de informação e aconselhamentotécnicoetecnológico Sistemade Informação Anual 23 Apoioàproduçãoedifusãode informação,àcirculaçãode conhecimentoeàsboaspráticas emi&d+i 23.2 Açõesdeprospetivaestratégicademercados,tecnologiaseempresas 10.5 Plataformasdedifusãoedeinteraçãodeinformaçãoeconhecimentonoâmbito dai&i N.º de projetos apoiados de prospetiva de mercados,tecnologiaseempresas Nº de acessos a plataformas de difusão e interação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 23.3 Iniciativasdeestímuloà Inovaçãoaberta N.ºdeprojetosapoiados Política&de&Internacionalização&em&ID&e&Inovação& 24 Promoçãodainternacionalização emi&dedaarticulaçãoentre políticasnacionaise internacionais Participação em programas europeus de I&D, nomeadamente valorizando consórcioscomliderançanacionalnohorizonte2020eeureka Inserção e participação em redes e plataformas internacionais e nacionais de conhecimento (incluindo plataformas tecnológicas) e de excelência científica e tecnológica Nº de entidades participantes em programas europeusdei&d Nº de entidades participantes participante em programasdei&d Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 25 Promoçãodeatividadesde prospeção,conhecimentoe acessoanovosmercados 25.1 Consolidação e reforço do ecossistema de financiamento, em resposta às necessidadesdeinovaçãoeinternacionalizaçãodasempresasefacilitaroapoioà captação de capital de risco e empréstimos europeus no âmbito da fase 3 do InstrumentoPME 25.2 Atividadesdeprospeção,conhecimentoeacessoanovosmercados N.ºdeempresasapoiadas porbusiness4angels e por outras entidades gestoras de instrumentos financeiros N.º de projetos apoiados de prospeção de mercados Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 25.3 Cooperaçãointerempresarialeinserçãoemredesnacionaiseinternacionais N.º de projetos apoiados de cooperação empresarial para prospeção e acesso a novos mercados Sistemade Informação Anual 26 Capacitaçãodasempresasnos domíniosdainternacionalizaçãoe reforçodasuaparticipaçãonos mercadosinternacionais Capacitaçãoparaainternacionalização,incluindoapoiotécnicoemáreascríticas paraoacessoepermanêncianosmercados Apoioaprojetosempresariais,coletivoseindividuais,parainternacionalizaçãodas PME N.º de projetos apoiados de capacitação para a internacionalização N.ºdePMEapoiadasparaaInternacionalização Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 27 Promoçãodacooperação empresarialparaa 27.1 Dinamização na integração em redes e projetos europeus e internacionais, nomeadamenteemdomíniosprioritáriosdeespecializaçãointeligente Nº de empresas participantes em redes e projetoseuropeus Sistemade Informação Anual 85

86 internacionalização, nomeadamenteatravésderedes eclusters 27.2 Consolidação de estratégias de eficiência coletiva através da sua integração nas cadeiasdevalorglobaisenoreforçoenosclusterstransnacionais Nº de projetos coletivos de cooperação empresarialparaainternacionalização Sistemade Informação Anual 28 Promoçãoexternadamarca Portugal,dasmarcascoletivase dosrecursosendógenos 28.1 AçõescoletivasdepromoçãoexternadamarcaPortugaledasmarcascoletivas AçõesdepromoçãodadiferenciaçãoporviadaexcelênciadeI&D,datecnologia,e dainovação Açõesdevalorizaçãoepromoçãodopatrimónio,incluindoaafirmaçãoturísticadas regiões N.º de projetos apoiados de promoção externa demarcas N.ºdeprojetosapoiadosdepromoçãoexterna N.º de projetos apoiados de promoção externa dopatrimónio Sistemade Informação Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual Anual Políticas&de&contexto& 29 Promoçãodopublic4procurement comoinstrumentodeinovaçãono planeamentoeorientaçãodas compraspúblicas Açõesdeformaçãodetrabalhadoresemfunçõespúblicas,melhorandoaeficáciae eficiênciadaadministraçãoereduzindooscustosdecontexto Promoção das condições para o desenvolvimento do mercado de venda de serviçosdei&dedeinovação 29.3 Fomentodautilizaçãodosserviçospúblicoseletrónicos 29.4 Fomento da compra pública de inovação (CPI) com análise de desempenho ambiental em todas as fases do ciclo de vida do produto, incluindo as oportunidades de PCP (pre%commercial4 procurement) oferecidas pelo H2020 e pelasorganizaçõesinternacionaisdequeportugalémembro Nº de trabalhadores da Administração Publica envolvidos em ações de formação direcionada paraareorganizaçãoemodernização Nº de projetos de disponibilização online de serviçospúblicosapoiados Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 30 PolíticaFiscal 30.1 SistemasdeincentivosfiscaisàI&DeàInovação 31.1 Simplificação e agilização dos processos administrativos (desburocratização e desmaterialização) 31 Melhoriadaeficiênciaeeficácia nosistemadeapoioài&d+i incluindoasimplificaçãodos processosadministrativose regulamentares Melhoria do acompanhamento, monitorização e disseminação de informação, valorizandoosresultadosdosprojetos Reforço das capacidades institucionais e da eficiência das administrações e dos serviçospúblicos,designadamenteatravésdapromoçãodeumaadministraçãoe serviços públicos desmaterializados e em rede e com recurso a modelos descentralizadosdeprestaçãodeserviçospúblicos Consolidação dos instrumentos de financiamento de apoio à inovação nas empresas,promovendoasuaeficiênciaeeficácia 32 Promoçãodaeco$inovaçãoeeco$ eficiência 32.1 Desenvolvimento e melhoria de sistemas de transportes ecológicos e com baixo teordecarbono 32.2 Promoção da mobilidade urbana ecológica e com baixo teor de carbono (planeamento urbano, mobilidade inteligente, mobilidade elétrica, conversão de N.ºdeprojetosapoiados Nº de projetos apoiados de promoção de mobilidadeurbana Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 86

87 veículos ) 32.3 Promoçãodefontesrenováveisdeenergia,emespecialasassociadasatecnologias emergentesoupoucodisseminadas N.ºdeprojetosapoiados Sistemade Informação Anual 32.4 Promoveraeficiênciaenergéticaematerialnasempresas(tecnologiasesistemas energeticamenteeficientes,sistemasinteligentesdeenergia,produçãodeenergia, sistemasdegestãodeenergia,certificação, ) N.ºdeprojetosapoiados 32.5 Promoveraeficiênciaenergéticaematerialnasinfraestruturaspúblicas N.ºdeprojetosapoiados Sistemade Informação Sistemade Informação Anual Anual 32.6 Programas de adaptação às alterações climáticas e para resposta a riscos específicos (erosão costeira, resistência sísmica, defesa da floresta face a incêndios,fenómenosextremos, ) 32.7 Valorização de resíduos, reduzindo a produção e deposição em aterro e aumentandoarecolhaseletivaeareciclagem Nº de projetos apoiados de valorização de resíduos Sistemade Informação Anual Açõesdeotimizaçãodagestãoeficientedosrecursosnaturais(hídricos,minerais, biológicos, ) Ações de proteção e reabilitação da biodiversidade e dos solos e promoção de sistemasdeserviçosecológicos,nomeadamenteatravésdaredenatura2000ede infraestruturas verdes (ordenamento do território, gestão de áreas classificadas, recuperaçãodeecossistemasdeáreassensíveis,dinamizaçãoeconómicadeáreas classificadas, ) Melhoria do ambiente urbano, revitalização de cidades, recuperação e descontaminaçãodezonasindustriaisabandonadasereduçãodapoluiçãodoare doruído 33.1 ReforçodasinfraestruturasTICparaciênciaetecnologia(e$ciência) Nºdeprojetosapoiados Sistemade Informação Anual 33.2 ReforçodasaplicaçõesdeTICnaAdministraçãoPública Nº de projetos de disponibilização online de serviçospúblicosapoiados Sistemade Informação Anual 33 Promoçãodaeconomiadigital Promoção da literacia e qualificações e inclusão digitais, incluindo a nível empresarial Reforçodacapacitaçãoempresarialedeestratégiasempresariaisnodomínioda inovaçãoedainternacionalizaçãocomrecursoatic(e.g.comércioeletrónico) N.ºdeempresasapoiadasparacapacitaçãocom recursoatic Sistemade Informação Anual 33.5 DinamizaçãoderedeseplataformascomrecursoaTIC N.º de projetos apoiados de dinamização de redeseplataformascomrecursoatic Sistemade Informação Anual 34 Divulgaçãoepromoçãodacultura científica,tecnológicaeindustrial (cidadãos,públicoespecializado) 34.1 Produção de conteúdos de ciência e tecnologia em domínios prioritários de especializaçãointeligente N.º de projetos apoiados de difusão de cultura científica Sistemade Informação Anual 87

88 5.2$%$AVALIAÇÃO$$ A avaliação tem como objetivo aferir se e como é que os objetivos da estratégia estão a ser atingidos e surge integradanumprocessomaisalargadoassociadoaosistemademonitorização.acomparaçãodoplaneadocomo executado, o real impacte das realizações e a eficiência e eficácia das políticas e da utilização dos recursos constituem o cerne deste processo, determinante para colocar questões quanto à estratégia traçada, ajudar a identificarproblemaserespetivascausasesugerirsoluçõesatravésdasconclusõeserecomendações. AavaliaçãocentraDseemtrêsgrandesvertentes: Estratégia(aumentaraadequaçãodaestratégiaaosobjetivosaquesepropõe); Operacionalização(aumentaraeficiênciaeaeficáciadaimplementação); Capacitação(aumentaraparticipaçãodosatoresenvolvidos). Aavaliaçãocompreendedoisperíodosdistintos:umameiotermoeoutroexDpost.NaavaliaçãoexDpostprevêDsea inclusãodeumaanálisedeimpacto,comumaabordagemmistaincluindoumacomponentequalitativasobreos estudosdecasoehistóriasdesucessoresultantesdaaplicaçãodaenei,eumacomponentequantitativadecálculo dessesimpactosutilizandomodeloseanálisecontrafactual.emborasemgrandetradiçãoemportugal,aanálise de impacto será feita sobre os resultados das ações e medidas da ENEI sobre Sistema de I&I, a economia, e a sociedade. Paragarantiratransparênciaeindependênciaderesultados,enãoobstanteapossibilidadedeseremefetuados exercícios de avaliação internos por parte do Secretariado Técnico, o plano de avaliação privilegia o recurso$ a$ equipas$externas$mistas$nacionais$e$internacionais(peritosindividuais,empresasespecializadasnodomínioda avaliaçãodepolíticaspúblicasoudomíniostécnicosecientíficosespecializados),quepoderãoutilizardiferentes métodos e técnicas de avaliação. O desenvolvimento da abordagem a ser seguida na avaliação e a escolha de quem a irá realizar será da competência do Comité Internacional da Avaliação Estratégica. O Secretariado Executivoapoiaocomitéemtodooprocessodeavaliação. Sem prejuízo de revisão ou de ajustamento em função designadamente de factos relevantes que resultem do sistemademonitorização,aavaliaçãopoderáconsiderarexercíciosdenaturezaestratégicaetemática. Àsemelhançadosrelatóriosdemonitorização,tambémosrelatóriosresultantesdaavaliaçãodeverãoseralvode divulgaçãopública. 88

89 CAPÍTULO$VI$ $GOVERNAÇÃO$ 6.1$%$PRINCÍPIOS$DA$GOVERNAÇÃO$ AgovernaçãodaENEIéfeitaaonívelnacionalenvolvendotodososatoresrelevantesparaosistemadeI&Iao nível político, de aconselhamento e de operacionalização. Como a Estratégia de Portugal assumida é uma estratégiamultinível,agovernaçãonacionalestáarticuladacomadasregiõesegovernosautónomos,atravésde uma governação multídnível, baseada na cooperação e na vontade de partilha entre os múltiplos atores que intervêmnoprocessocoletivoesistémicododesenvolvimentodasatividadesdeinvestigaçãoedeinovação,assim como num cuidado processo de acompanhamento e avaliação, acima descrito. A articulação é feita ao nível vertical/sectorial dos ministérios com políticas públicas relacionadas com os temas prioritários, e ao nível horizontal das Regiões do Continente e das Regiões Autónomas de Portugal, para que esta seja abrangente e promovaumeficazalinhamentodaspolíticas. Como a ENEI tem uma dimensão transversal e define os caminhos possíveis e desejáveis para uma adequada evoluçãodosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovação,asuagovernaçãoseráorganizadademodoareforçaras interligaçõesepromoveramaximizaçãodascompetênciaseaexploraçãodasvantagensestratégicasinteligentes, com vista a alcançar os objetivos propostos e a visão para Assim, todas as dimensões da produção, circulaçãoeexploraçãodoconhecimentotêmdesertidasemconsideração,tantoemtermosdecoordenaçãode recursoshumanos,deinfraestruturasecompetênciasadquiridasepotenciais,comoemtermosdapromoçãode umaforteinterligaçãoecoordenação. SeguiramDseasrecomendaçõesdoGuiaparaaGovernaçãodaS 3 #Platform(WillemReek,2013) 17,nadefiniçãode um modelo de governação para a Estratégia. ProcurouDse ancorar a governação numa visão clara e partilhada entretodosequeresultoudemodoclaroeefetivodosdiferentesprocessosdeauscultaçãoaosstakeholders. Paramaximizarosbenefíciosdetodos,omododegovernaçãoserácentradonacoordenaçãoemrede,ondeos diferentesatores,quepartilhamconhecimentoeinformação,comoapoioeventualdeumaplataformaespecifica, coordenamosesforçoseosrecursos.otrabalho,aaprendizagemeaconfiançaquetêmvindoaserestabelecidas com a experiência do Grupo de Trabalho na formulação da ENEI, terão vantagem em ser preservadas e aprofundadas. AimplementaçãodaEstratégiaparaaprossecuçãodavisãopara2020passaporuminvestimentocoletivode todososórgãosintervenientesedetodososatorespúblicoseprivadosenvolvidos. Agovernaçãopromove,ainda,umadiferenciaçãodefunçõesnosdiferentesórgãosenvolvidoseumacoordenação quegarantaqueraconsistêncianohorizontetemporal,queraarticulaçãohorizontaleverticaldasabordagense objetivosdasdiferentespolíticas. Acooperaçãoencetadacomoprocessodedesenhodaestratégiaaosdiferentesníveisterritoriais,assimcomoo diálogoabertoenvolvendoosministérioscomresponsabilidadesnaspolíticassectoriais,constituemumatraved mestraparaaconstruçãodomodelodegovernaçãodaestratégia. 17 Reek,W.2013,RIS3GovernanceGuide,October2013, 89

90 6.2$%$MODELO$DA$GOVERNAÇÃO$ Omodelodegovernaçãopropostoenvolveosseguintesníveis: 1. Coordenação política é da competência de uma Comissão Interministerial com a coordenação dos ministérios diretamente envolvidos na prioridade temática Competitividade e Internacionalização e na política regional. A coordenação é efetuada ao nível do policy5mix, articulada com os ministérios com políticasalinhadascomaestratégia. 2. Aconselhamentoestratégico éasseguradoporumórgãoconsultivo,compostopelosprincipaisatores da ecologia do sistema de I&I, que se pronunciará sobre as linhas gerais de desenvolvimento da estratégia. 3. Avaliação é assegurada por um órgão internacional de avaliação estratégica que assegurará a monitorizaçãodasuaimplementaçãoedosseusimpactos. 4. Executivo é assegurado por um Secretariado Executivo, dotado de autonomia para governação horizontal,queasseguraumaeficazcoordenaçãonaexecuçãodopolicy5mixedoplanodeaçãodaenei, bem como as medidas decorrentes das recomendações do Órgão Consultivo e do Órgão de Avaliação Estratégica.Competeaindaaesteórgãoforneceroapoiotécnicoaosórgãosdeaconselhamento.Este secretariado assegura ainda o fluxo de informação entre todos os atores do sistema, bem como a divulgaçãodasatividadesdaestratégia. 5. Poderão ser dinamizados grupos de trabalho de coordenação temática ou Programas Estratégicos, de geometriavariável,aolongodasprioridadestemáticas,paraapoioàfunçãoexecutiva. Omodelodegovernaçãodeverápermitiroadequadocruzamentocomagovernaçãodaprogramaçãonoâmbito dopróximoquadrocomunitário,mascomanecessáriaindependênciaemrelaçãoaeste.nestecontexto,afigura 10apresentaoorganogramadaENEI.$ 90

91 Figura$10DOrganogramadaENEI Ministério) da Saúde Ministério) da Economia) Ministério) da) Educação)e) Ciência Ministério) da) Agricultura) e)do) Mar Ministério) do) Ambiente,) ) Ordenamento)... do) Território)e))Energia Ministério) da Saúde Conselho) Consultivo) Autoridade do) PO)Temático Secretariado)Executivo ENEI Comité) Internacional)de) Avaliação) Estratégica IAPMEI FCT AdI Turismo de) Portugal AICEP Programa)Estratégico TECNOLOGIAS)TRANSVERSAIS) E)SUAS)APLICAÇÕES Programa)Estratégico INDÚSTRIAS)E) TECNOLOGIAS)DE) PRODUÇÃO Programa)Estratégico MOBILIDADE,)ESPAÇO)E) LOGÍSTICA Programa)Estratégico RECURSOS)NATURAIS)E) AMBIENTE Programa)Estratégico SAÚDE,) BEMPESTAR)E)TERRITÓRIO Ensino) Superior Estado IPSFL Empresas Instituições)de) interface A Estratégia será dotada de um sistema de acompanhamento e de avaliação, que terá duas vertentes complementares,compostoporumconselhoconsultivoeumcomitéinternacionaldeavaliaçãoestratégica,com asseguintescaracterísticasemtermosdecomposiçãoedefunções.$ Conselho$Consultivo$$ Este Conselho tem como função determinante pronunciardse sobre as linhas gerais do desenvolvimento da Estratégia, tendo em conta particularmente a diversidade da natureza dos atores institucionais envolvidos e as interfacesesinergiasentreosváriossectoresdasociedadeassociadosàestratégia.esteórgãotemaindacomo funçãooaconselhamentosobreadireçãododesenvolvimentodestaedoseuimpactoaoníveldosistemadei&i, assimcomodeconsensualizaraslinhasmestrasdeimplementaçãodoplanodeação. EsteconselhodevesercompostopormembrosdosdoisConselhosNacionais(CNEIeCNCT)deaconselhamento daspolíticasdeinvestigaçãoedeinovaçãoeporrepresentantesformaisdosprincipaisórgãosdascomponentes quecompõeosistemadei&i.$ 91

92 Comité$Internacional$de$Avaliação$Estratégica$ CompetiráaesteComitéavaliarcomoaestratégiaestáaserimplementadanomeadamentenoqueserefereà eficácia da execução da mesma e à análise dos seus resultados e impactos. Para atingir tal objetivo, a referida Comissão deverá fazer o acompanhamento da Avaliação intermédia e a Avaliação exdpost da Estratégia o que poderáconduziràcorreçãodetrajetóriasqueestejamaserprosseguidas. O Comité será composto por especialistas de reconhecido mérito quer científico, quer empresarial, e de organizações europeias similares, maioritariamente internacionais. Esta composição internacional deriva das características de um sistema de I&I de um pequeno país, onde a proximidade não favorece leituras objetivas, mais distanciadas,emaissistémicasdaevoluçãodosistemaedaestratégia. Cadaumadasregiõesdesenhouummodelodegovernaçãoparaasuaestratégiaregional,compreendendo,na maioriadoscasos,umníveldecoordenaçãodopolicy5mixdaestratégiaregional,umnívelexecutivo,comuma unidadetécnicadeacompanhamentoemonitorizaçãoe,finalmente,umníveldeaconselhamentoestratégico. 6.3$%$PROGRAMAS$ESTRATÉGICOS$ As matrizes de cruzamento das prioridades inteligentes ao nível nacional com as regiões mostra claramente a necessidade de definir programas estratégicos de geometria variável de modo a articular as prioridades aos espaços territoriais. O modelo que se propõe é de programas que podem ser iniciados ao nível top entre as agênciasnacionaiseasregionais,ouresultaremdeum entrepreneurial#discovery#process. Osprogramaspodemterumcomitécomcercade10a15elementoscomosprincipaisstakeholders,deelevado reconhecimento incluindo representantes da ciência pública e das empresas, com um presidente e um coordenador executivo. A operacionalização do programa pode ser feita através de acordo sobre que fases da gestão do programa são feitas em coordenação e aquelas que são justapostas delegadas a uma das agências envolvidas. De acordo com o tema, uma das agências envolvidas servirá de instituição de acolhimento ao programa. Oorçamentodoprogramapodecombinarváriasfontesdefinanciamentopúblicasouprivadas. 6.4$%$COMUNICAÇÃO$E$DIFUSÃO$ DadoqueaimplementaçãodaENEIsevairefletir,comexpressão,aonívelexecutivoeoperacionalnosprogramas nacionaisousupranacionais(casodohorizonte2020),enospodoacordodeparceriaeoutrasintervençõescom enfâse nas temáticas e prioridades dos domínios da competitividade e internacionalização, a comunicação e informaçãoassentanumaplataformawebespecificaqueseconcretizanacooperaçãoentreosváriossítioswebde todasasintervençõesnoâmbitodaenei. EstaabordagemparaalémdepermitirdivulgarasaçõesENEIedosPOTemáticoePORegionaisdoPortugal2020, e na participação no Horizonte 2020, e todas as informações relevantes que mobilizam a prossecução dos objetivosevisãoparaosistemadei&i Podemos,desdejá,consideraradequadosinalizarcomomarcosdecomunicaçãoeinformaçãorelevantessobrea ENEI, os momentos de avaliação, com vista a adequar a estratégia aos objetivos a que se propõe (avaliação estratégica), aumentar a eficiência e eficácia da implementação (avaliação operacional) e incrementar a participaçãodosatoresenvolvidosnosdiferentesníveisdegovernaçãoedosstakeholders. AcomunicaçãoaopúblicoemgeraldoqueéaENEIequalaformadesecumprirseráfeita,preferencialmente, pelos veículos de comunicação e informação dos Programas financiadores tal como acima referido, com meios orçamentados no contexto dos respetivos regulamentos da assistência técnica, na medida do funcionamento e interoperabilidadeentreaplataformawebespecíficaqueincluiráosítioespecíficoeneieasligaçõesaossítiosdos POedosorganismos. 92

93 ANEXO$A$ $METODOLOGIA$ 1$%$ABORDAGEM$TEÓRICA$ Para a promoção de um desenvolvimento sistémico da inovação a nível europeu foi adotado um conceito de especialização inteligente (Smart# Specialisation), desenvolvido por Dominique Foray, no âmbito do grupo 'Knowledge#for#Growth'queaconselhavaoentãoComissárioEuropeuparaaInvestigação.Esteconceitoexploraas economias de aglomeração em áreas escolhidas como prioritárias, por consenso entre os atores (stakeholders) envolvidos, com vista à maximização da eficácia da produção e exploração do conhecimento na promoção do desenvolvimento económico. Philip McCain, Conselheiro do Comissário Europeu para as Políticas Regionais, posteriormente adicionou a dimensãoespaço ao conceito de'smart# specialisation', realçando a importância da denominada investigação baseada no local (place5based# research), na abordagem dos sistemas regionais de inovação. A especialização inteligente centra a escolha das prioridades em temas verticais, que exploram aplicações de tecnologiasàsatividadeseconómicas,comelevadaparticipaçãodosstakeholders,nomeadamenteprivados.essa escolhadeveseroresultadodoentrepreneurial#discovery#process#e#de#self#discovery(rudrick2003,2004),emque se pressupõe que a escolha de prioridades é efetuada em iteração com os empreendedores, para fomentar a descobertadenovasáreasdeinvestimento.asprioridadesdevemsertemaseatividadesqueservemmúltiplos sectoresouclusters,comvariedaderelacionada(goenagaeforay,2013) 18. A$opção$pela$abordagem$de$sistema$de$inovação$ Em Portugal, tradicionalmente as análises não académicas ao sistema tendem a utilizar o conceito de Sistema CientíficoeTecnológicoNacional(SCTN),desenvolvidonaprimeirametadedoséculopassado,quandoamaioria dossistemasdeciênciaetecnologiaeramemergenteseoseugraudecomplexidadebaixo,eomodelolinearde inovaçãodominante.porém,demonstroudsequeainovaçãosegueprincipalmenteummodeloiterativo(klineand Rosenberg, 1986) 19, do qual o modelo linear é uma componente. A evidência produzida pelos estudos da Economia da Inovação demonstrou que o sucesso das inovações depende, em grande medida, de redes de cooperaçãoemtodasasfasesdoprocessodeinovação(freeman,1991) 20.Foiassimdesenvolvidooconceitode SistemaNacionaldeInovaçãoporFreeman(1987) 21,Lundvall(1988) 22 enelson(1993) 23.EsteconceitotornouDse transversal na literatura e é neste momento a abordagem adotada pela maioria dos países da OCDE (OECD, 1997) 24,epelaComissãoEuropeianaspolíticaspúblicasdeinvestigaçãoeinovaçãopelospaíses. 18 Foray,D.,Goenaga,X.,2013.TheGoalsofSmartSpecialisation.S3PolicyBrief01/2013,JRC82213,ENSevilla,EuropeanCommission,Joint ResearchCentre. 19 Kline,S.J.andN.Rosenberg,1986.Anoverviewofinnovation. ThePositiveSumStrategy:Harnessing Technology for Economic Growth. LandauandN.Rosenberg.WashingtonDC,NationalAcademyPress. 20 Freeman,C.,1991."Networkofinnovators:Asynthesisofresearchissues."ResearchPolicy20:499D Freeman,C.,1987.Technologyandeconomicperformance:LessonsfromJapan.London,PinterPublishers. 22 Lundvall,B.DA.,1988.InnovationasaninteractiveprocessDfromuserDproducertothenationalsystemsofinnovation.TechnicalChangeand EconomicTheory.G.Dosi,R.Nelson,G.SilverbergandL.Soete.London,LondonPinterPublishers. 23 Nelson,R.R.,Ed.,1993.NationalInnovationSystems.AComparativeAnalysis.NewYork,OxfordUniversityPress. 24 OECD,1997.Politiquedel'innovationetdelatechnologie:nouveauxfondementsetnouvellesapproches.Paris. 93

94 Assim,oconceitodesistemadeinovaçãoDentendidoaquicomoumconjuntodeelementos,relaçõeseatributos quecontribuiparaaprodução,difusãoeexploraçãodoconhecimentoemnovosprodutos,processoseserviços em benefício da sociedade D foi aplicado nesta análise. Definimos os elementos como os atores que agem e operacionalizamosistema,sejamestespessoasouorganizaçõesouartefactosfísicosetecnológicos,bemcomo instituições,eosistemaderegulaçãolegislativoenormativoe,ainda,astradiçõeseacultura.estascomponentes interligamdseporrelaçõescujascaracterísticasepropriedadesinfluenciamadireçãoeoritmodedesenvolvimento do sistema (Carlsson et al. 2002) 25. O conceito de sistema nacional de inovação salienta a importância das fronteirasnacionaisparadelinearoespaçodeinteraçãodoselementos,definidaspelacultura,história,línguae instituiçõespartilhadas,queintegraosistemadegovernaçãoeaspolíticaspúblicasdosistema.existem,ainda, outraslinhasdefinidorasdefronteirasdosistemaqueforamadicionadasàdelineaçãonacional,comoasectorial (sistemas sectoriais de inovação) (Breschi and Malerba, 1997) 26 e a regional (Cooke et al. 1997) 27, como subsistemasorganizadosprevalecentesnumsistemanacional. Como ponto de partida da análise foi considerado que o sistema nacional de investigação e inovação está integrado e reflete a estrutura da economia, a cultura, e a tradição institucional do país e, ainda, que a sua dinâmicadependedomododefuncionamentodasinstituições,daformulaçãoeimplementaçãodaspolíticas,bem comodoenquadramentoregulamentarelegislativo. ConsiderouDse que uma análise centrada sobre as componentes do sistema de investigação e inovação, nomeadamente dos sectores institucionais tradicionais de execução (Empresas, Estado, Ensino Superior e Instituições Privadas sem Fins Lucrativos) não acrescentaria conhecimento novo e não permitiria identificar os pontosfortesefracos,easoportunidadeseosriscosdosistema(análiseswot),nempermitiriaaanálisedeáreas etemas,queseriamabaseparaafuturaseleçãodasprioridadeseparaodelineamentodasestratégiasnacionale regionais.assim,aopçãofoiderealizaraanáliseswotsobreasfunçõesdosistemadeinovação(bergek,a,etal., 2008; Hekkert, M.P., et al., 2007) 28, definidas como as contribuições de cada componente ou conjunto de componentesparaofuncionamentoglobaldosistemadeinvestigaçãoeinovação.assim,foramselecionadasas seguintes funções do sistema que se consideraram relevantes para esta análise, a saber: (i) a produção do conhecimento; (ii) a mobilização dos recursos; (iii) a circulação do conhecimento através das redes; e (iv) a exploraçãoeutilizaçãodoconhecimento. Importa referir que o conhecimento nesta análise não é só aquele que resulta da investigação que define hipóteseseelaborateoriasparaacompreensãodosfenómenos,mastambémaquelequevisaencontrarsoluções tecnológicas, de design e de organização (conhecimento codificado em publicações e patentes ou tácito, incorporado nas pessoas). Este conhecimento inclui o designado conhecimento social, tal como definido por Mokyr (2005) 29 como o conjunto de todas as partes do conhecimento individual que permite uma maior especialização, profissionalização e experimentação, que a sociedade tem ao seu dispor para promover o crescimentoeconómico. 25 Carlsson,B.,etal.,2002.Innovationsystems:analyticalandmethodologicalissues.ResearchPolicy31:233D Breschi,S.andF.Malerba,1997.SectoralInnovationSystems:Technologicalregimes,Schumpeteriandynamics,andspatialboundaries. SystemsofInnovation:Technologies,institutionsandorganisations.C.Edquist.London,PinterPublishers. 27 Cooke,P.,2002.RegionalInnovationSystems:GeneralFindingsandSomeNewEvidencefromBiotechnologyClusters.TheJournalof TechnologyTransfer27(1):133D Bergek,A.,etal.,2008."Analysingthefunctionaldynamicsoftechnologicalinnovationsystems:Aschemeofanalysis."ResearchPolicy37(3): 407D429. Hekkert,M.P.,etal.,2007,."Functionsofinnovationsystems:Anewapproachforanalysingtechnologicalchange."TechnologicalForecasting andsocialchange74(4):413d Mokyr,J.(2005)."TheIntellectualOriginsofModernEconomicGrowth."TheJournalofEconomicHistory65(2):285D

95 2$%$GOVERNAÇÃO$ O processo de formulação da estratégia nacional de I&I para uma especialização inteligente teve início por iniciativadafundaçãoparaaciênciaeatecnologiaqueconstituiuumgrupodetrabalhointerddepartamental com apoio da Secretaria de Estado da Ciência para a realização do Diagnóstico ao Sistema de I&I e respetiva análiseswot.nesteperíodomaisanalíticoforamestabelecidaspontesdediálogocomasregiõesautónomase Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional e com analistas de inovação e outros ministérios com eventualinteressenaestratégia. EmJulhode2013,foicriadoumGrupodeTrabalho,porDespachoConjuntodosSenhoresSecretáriosdeEstado doempreendedorismo,competitividadeeinovaçãoedaciênciade3dejulhode2013,designandooiapmei AgênciaparaaCompetitividadeeInovação,I.P.eaFCTDFundaçãoparaaCiênciaeaTecnologia,I.P.organismos responsáveis pelo desenvolvimento dos trabalhos conducentes à apresentação da ENEI, coadjuvados por uma equipa técnica constituída por representantes da Agência de Inovação S.A. (ADI) e do Secretariado Técnico do ProgramaOperacionalFatoresdeCompetitividade(COMPETE).EstesorganismosconstituíramDseassimemGrupo detrabalhoeneiquepassouaconduziroprocessodeformulaçãodaenei,demodocooperativo,eaorganização daauscultaçãoaosstakeholders. A opção tomada, que será explicitada no ponto 3.3., foi de dar à voz aos stakeholders que raramente são envolvidos de modo direto no processo de formulação da política pública em Portugal. Assim, em lugar de se constituírem comissões ou grupos de trabalho temáticos de individualidades, a opção foi a de convidar stakeholders selecionados por critérios definidos (ver Guia Metodológico), e com um peso equitativo entre a AcademiaeasEmpresas,paraparticipaçãoemsessõesde brainstormingestruturado. OGrupodeTrabalhoprocurousempreenvolver,nasdiferentesfasesdassuasatividades,osministériossectoriais easccdrs,paraumacoordenaçãoemmétodoaberto. A articulação com os Concelhos Consultivos Nacionais, designadamente com o Conselho Nacional de EmpreendedorismoeInovaçãoecomoConselhoNacionaldeCiênciaeTecnologia,assimcomocomosConselhos CientíficosdaFCT,foirealizadacomoenvolvimentodemembrosdosrespetivosConselhosnasdiferentesfases, incluindoafasedevalidaçãodasprioridadestemáticasidentificadas. A coordenação de nível político processadse através da Comissão Interministerial, criada pela Resolução de ConselhodeMinistrosNº33/2013de20deMaio,bemcomodiretamentepelosrespetivosSecretáriosdeEstado dosorganismosenvolvidosnogrupodetrabalhoenei. 3$%$PROGRAMA$DE$TRABALHOS$E$CALENDARIZAÇÃO$ 3.1$%$Fase$I:$Diagnóstico$ A análise SWOT ao Sistema Nacional de Investigação e Inovação, apresentada no relatório baseadanainvestigaçãoenainovaçãoparaumaespecializaçãointeligentearticuladacomasestratégiasregionais. O diagnóstico é crucial para a identificação de temas potenciais de debate e reflexão estratégica no seio da comunidade científica, das instituições científicas e universidades, assim como junto das empresas e dos organismosnacionaiseregionaisresponsáveispelaformulaçãoeimplementaçãodaspolíticasdeinvestigaçãoede inovação. A análise foi predominantemente feita à primeira década deste século, de 2000 a 2010, sempre que os dados disponibilizadosopermitiram.comoseprocuroucontextualizaraevoluçãodealgumasvariáveisoudeestruturas, nessescasosforamefetuadasanáliseslongitudinais,alargandooperíododeanáliseadécadasanteriores. O Diagnóstico foi feito sempre em benchmarking com 10 países com características semelhantes em várias dimensões. 95

96 Benchmarking,com,outros,países, AanáliseSWOTintegraduascomponentesprincipais,ainternaaosistemaeaexternaquecobrenãosóumaparte nacional,masprincipalmenteumaeuropeiaeinternacional.comaconstruçãodoespaçoeuropeudeinvestigação edauniãodeinovaçãoparaaprossecuçãodaagendaeuropa2020,osistemanacionalécadavezmaisaberto, comosseusrecursoseeficáciacadavezmaiscondicionadospelomodocomoesteseposicionanestesespaços alargados,nomeadamenteemtermosdassuasvantagenscompetitivasedasuavisibilidade. Assim, seguiudse a recomendação do Guia da Comissão Europeia para a definição de uma Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente 30 para a definição de um grupo de países, com os quaisaevoluçãodosistemanacionalfoicomparada,deformasistemática. A escolha deste grupo de países teve em consideração a combinação de vários critérios, nomeadamente a dimensão,querdopaís,querdoseusistemadeinovação,bemcomooesforçofinanceirodomesmo,aparde outrosfatoresdenaturezaeconómica,demográficaougeográfica.ogrupodepaísesselecionadoécompostopor 9EstadosDMembrodaUniãoEuropeia(UE)eumPaísMembroDAssociado,queforamselecionadospeloparticular interessequeapresentamemváriasdimensõesdchaveparaonossopaís.ospaísesselecionadosforamaáustria,$ Bélgica,$Espanha,$Finlândia,$Holanda,$Hungria,$Irlanda,$Itália,$Noruega$e$a$República$Checa$(Figura11) Figura$11DPaísesutilizadosnobenchmarking#do#SistemadeI&Inacional Métodos,e,Técnicas,,, O diagnóstico elaborado teve uma abordagem predominantemente quantitativa, mobilizando conjunto de técnicas recomendadas no Guia da Plataforma S3 do JRCDIPTS, para possibilitar a identificação das forças e

97 fraquezas e também os temas de especialização científica, tecnológica e económica através do cálculo dos respetivosíndicesdeespecialização.foiaindacalculadaavariedaderelacionadaeaconectividade,assimcomo foram identificados os clusters de base económica. A análise de redes foi utilizada na análise da circulação do conhecimento,escorecards#foramaplicadosnaanálisedaevoluçãodasprincipaiscomponentesdapolíticapública comparadacomospaísesdebenchmarking. Auscultação,aos,Stakeholders,Fase,1., A fase de Diagnóstico inicioudse com um workshop com peritos no sistema de inovação em Portugal e com os atoresenvolvidosnaformulaçãodaspolíticaspúblicas,assimcomocomasregiões,eterminoucomumagrande conferênciapúblicadealtonível. Para a preparação e validação da abordagem a seguir no Diagnóstico e Análise SWOT ao sistema nacional de investigação e inovação, a FCT convidou os investigadores portugueses reconhecidos internacionalmente, em termosdepublicaçõesnasáreasdeespecialidadedoscapítulosprevistosparaodiagnóstico,paraapresentarem as suas conclusões sobre cada um dos tópicos. A FCT convidou ainda os Presidentes das CCDR e das Regiões Autónomas para apresentação e discussão dos trabalhos em curso para a preparação das suas estratégias regionais.esteworkshoprealizoudsenoteatrothaliaemlisboa,nosdias11e12dedezembrode2012(tabela 18),tendomarcadooiníciodaiteraçãocomasestratégiasregionaiseiniciadoodiálogoentreaFCTeasRegiões, permitindo estabelecer as pontes do diálogo entre os diferentes níveis (http://www.fct.pt/esp_inteligente/docs/programa_workshop_11e pdf) Aapresentaçãodorelatóriofoiefetuadoa13deMaiode2013emconferênciadealtonível,realizadaemLisboa, na Fundação Champalimaud (Tabela 18). Para essa conferência foram convidados diretores e presidentes de instituiçõespúblicaseprivadasparadebaterasconclusõesdorelatório.oprogramadaconferênciaencontradse disponível na seguinte ligação, pdf,assimcomoosvídeoshttps://educast.fccn.pt/vod/channels/2lnv0qo78l Tabela$18DAuscultaçãoastakeholders,Fase1(Diagnóstico) Data$ Promotor$ Local$ Designação$ Resumo/título$de$intervenção$ 2012/12/11 e 2012/12/12 FCT TeatroThaliaD Lisboa OSistema Nacionalde Investigaçãoe Inovação: Desafios,forças efraquezas rumoa2020 Esteworkshoppretendeuseroprimeiropassopara umaaçãocoordenadaanívelnacionalparaadefinição daenei.foramdiscutidasascaracterísticasdos sistemasnacionaleregionais,incluindoosrecursos humanos,infraestruturasefinanceiros,bemcomoa produçãocientíficaetecnológica,acirculaçãodo conhecimentoproduzidoeasuaexploraçãopelo sistemaprodutivo. Númerodeparticipantes: /05/13 FCT Fundação ChampalimaudD Lisboa Diagnósticodo Sistemade Investigaçãoe Inovação: Desafios,Forças efraquezas rumoa2020 ApresentaçãopúblicaedebatedorelatórioSWOTdo SistemaNacionaldeInvestigaçãoeInovação, elaboradopelafct.estevepresenteacomunidade científicanassuasváriasvertentes(universidades, institutosdeinvestigação,laboratórios,empresas, assimcomoorganizaçõesnacionaiseregionais responsáveispelaelaboraçãoeimplementaçãode políticasdei&d). Númerodeparticipantes:cercade430 ODiagnósticoeAnáliseSWOTaosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovaçãotemcomobaseaanáliseSWOT, complementadacomoutrasdimensõesdiagnosticadas,nomeadamente: 97

98 Análises SWOT das regiões do continente e regiões autónomas, as quais iniciaram também o desenvolvimento de planos regionais de inovação de acordo com os princípios da RIS3, tendo os diagnósticossidoconcluídosnofinaldoprimeirosemestrede2013.foi,ainda,elaboradoumdiagnóstico prospetivosintéticodasregiõesemqueseanalisamastrajetóriasdeconvergênciadasregiõesnoplano nacional e as disparidades inter e intrarregionais, e se efetua, ainda, uma sistematização dos constrangimentosedesafiosdasregiõesresultantesdaabordagemswot.tambémaoníveldasregiões AutónomasdosAçoreseMadeira,foraminiciadosedesenvolvidosexercíciosdediagnósticotendocomo resultadoadefiniçãodeplanosdeaçãoregional. AoníveldoPlanoGlobaldeAvaliaçãodoQRENedosProgramasOperacionais2007D2013,enoâmbitoda Avaliação Estratégica do QREN, foi desenvolvido um trabalho de avaliação específica do contributo do QRENparaainovaçãoeainternacionalizaçãodasempresas,emparticulardasPME,cujoresultadopossui relevânciaparaadefiniçãodosinstrumentosadesenvolvernopróximoperíododeprogramação. Ainda neste âmbito foi desencadeado o estudo de avaliação da implementação das estratégias de eficiência coletiva sustentado na importância da existência de uma política de apoio à clusterização a nível nacional, em estreita ligação com os contextos internacionais. O estudo retira um conjunto de conclusõesrelevantesparaopresenteexercício,comvistaàoperacionalizaçãodeumapolíticanacional declusterizaçãoabrangenteavigorarparaoperíodo2014d2020,alinhadacomasprioridadesnacionais nos domínios da competitividade e inovação e alicerçada em metodologias de identificação de prioridadesdedesenvolvimentoparaosclusters. Foramsistematizadasasconclusõesdosdiferentesdiagnósticos,comoobjetivodeidentificarForças,Fraquezas, AmeaçaseOportunidadescomunsdeondesepudessemretirarsinergiasparaumaestratégiadeâmbitonacional, paraumaanáliseswottãoabrangentequantopossível. Asanálisesdediagnósticorealizadasaosistemanacionaldeinvestigaçãoeinovaçãopermitiramaidentificação dos objetivos estruturantes da estratégia, visando a redução dos bloqueios e fragilidades do sistema, e a exploração das oportunidades identificadas. Estes objetivos foram norteadores da discussão realizada com os stakeholders,nosdiferenteseixostemáticos,identificadoscomovantagensestratégicasinteligentesnacionais. 3.2$%$Fase$II:$Prioridades$Estratégicas$Inteligentes$ Identificação,das,Vantagens,Estratégicas,Inteligentes, A tradição na política tecnológica e de inovação é de utilizar matrizes intersectoriais, ou de interdependências tecnológicas,paraapoiarasatividadesdenaturezahorizontalqueestimulemodesenvolvimentonocontextoda inovação. A especialização inteligente, contudo, propõe um método inovador, que centra a escolha das prioridades em temas verticais, que explorem aplicações de tecnologias às atividades económicas, com uma elevada participação dos stakeholders, nomeadamente privados. O nível de desagregação é, portanto, o da atividade, e não o do sector. São preferenciais como vantagens competitivas, portanto, os temas que sirvam múltiplossectoresouváriosclusters(goenagaeforay,2013).oguiaris3consideraoscruzamentosmatriciais entreespecializaçõescientíficasetecnológicaseaespecializaçãoeconómicadedifícilaplicaçãoecomresultados improváveis. Odesenhodeumaestratégianacionaleregionaldeinvestigaçãoeinovaçãoparaumaespecializaçãointeligente incluiafasedeidentificaçãodetemasâncoraparaaescolhadasvantagens$estratégicas$inteligenteseoscenários prospetivosparaasustentaçãodasuaescolha.aopçãopeladesignaçãodevantagensestratégicasinteligentes tevecomoobjetivoreduziroimpactoindesejáveldefecharportugalnasvantagenscomparadasoucompetitivas, dado que estas tenderiam a perpetuar a atual estrutura produtiva. Assim, e com base numa visão nacional estabelecidapara2020,dequeaeconomiaportuguesadevesermaiscompetitiva,criativaeinternacionalizadae baseadaemprodutostransacionáveiseserviçosintensivosemconhecimento,atravésdoreforçodascapacidades de investigação e inovação, e do aumento das sinergias do sistema nacional de inovação o que implica a dinamizaçãodamudançaestrutural,têmdeserconsideradastambémvantagensportadorasdemudança.assim, 98

99 as vantagens$ estratégicas$ inteligentes foram identificadas com base em evidência científica e de reflexão estratégica,eestãoapoiadas,semprequepossível,emvantagenscomparadas(recursosnaturais)ecompetitivas (demercado). Com os exercícios de diagnóstico efetuados aos diferentes níveis territoriais (nacional e regional) foram identificadasasáreasdeespecializaçãoeconómica,científicaetecnológicadopaísassimcomoasque,embora emergentes,revelamcapacidadedecrescimentoedemudançaestrutural.afctdesenvolveuumametodologia experimental para a identificação dos temas portadores de vantagens estratégicas inteligentes, centrada na síntese das capacidades existentes e potenciais ao nível da C&T e da estrutura produtiva do país, e ainda na verificaçãodequeestestemascontinhamoconjuntodecaracterísticas,queostemasprioritáriosdevemterpara umaespecializaçãointeligente. Ascaracterísticasconsideradassãoasseguintes: 1. Horizontalidade/tecnologiasgenéricas 2. Exploraçãodavariedaderelacionada 3. Massacríticaoupotencialemergente 4. Consistência(coerênciaentretemas) 5. Exploraçãodosgrandesdesafiossocietais 6. Exploraçãodosrecursosnacionais 7. Abrangêncianacional/transnacional 8. Posicionamentoestratégico,europeueinternacional O método desenvolveudse em três fases. Na primeira fase foi elaborada a listagem dos temas, económicos e científicos e tecnológicos, identificados quantitativamente na análise SWOT que são em Portugal dotados de massacrítica,impacto,crescimentoevariedaderelacionada. A segunda fase consistiu na análise de cada uma das características através de um conjunto de critérios de naturezaquantitativaequalitativa:i)capacidadecientíficaepotencialdecrescimento,ii)capacidadetecnológica edeinovação,eiii)capacidadeeconómicaedeempreendedorismo. A terceira fase envolveu uma análise comparativa e de síntese das características de cada Tema. Desta análise resultaram três grupos de igual dimensão para cada característica: grupo de menor desempenho, desempenho intermédioemaiordesempenho. QuandoostemasidentificadosnasegundafaseforamcomunsaváriosClustersTemáticos,realizouDseumasíntese daanálisedosclusterstemáticosenvolvidosnestes temasdeligação.estesnovostemaspoderãosersectores, subdsetores,atividades,domínioscientíficos,tecnologias,aplicaçõesdetecnologiasouconceitos. O resultado final destas três fases é uma listagem hierarquizada de temas horizontais com consistência que interligamastrêsesferas:aeconómica,eascientíficaetecnológica.ostemaspoderãoserimportantesnastrês, ouapenasnumadessasesferas,eterpotencialdecrescimento.ostemascompotencialindiciamanecessidadede intervençãopúblicaparaaresoluçãodelacunas,potenciarocrescimentodetemasemergentes,quepodempor exemplosercruciaisparafortalecimentode pontes entreclustersousectores. Foramidentificados15temasprioritários(inicialmentehaviaum16ºtema,aModa,masestefoiintegradoem outros dois temas comosquaisestárelacionado:asindustriasculturaisecriativaseohabitat), para os quais estavaprevistaarealizaçãodeworkshopsdereflexãoestratégica.dadasascondicionalidadesdetempoeofacto demuitosatoresprincipaistereminteressesestratégicosemmúltiplostemas,ogrupodetrabalhoenei(iapmei, FCT, AdI e COMPETE), após discussão das propostas apresentadas e ponderadas todas as condicionantes, considerouqueostemasâncoradeveriamseragrupadosporeixoscomcoerênciatemáticaeforteinterligação entreestes. 99

100 Foi ainda considerado um objetivo sistémico estruturante identificado na fase de Diagnóstico, como bloqueamentoeumadasprincipaisfraquezasdosistemadeinvestigaçãoeinovaçãonacional:apromoçãoda proteçãoeaexploraçãodoconhecimento. Oscincoeixostemáticoscomarespetivadesagregação,quecorrespondemàsvantagensestratégicasinteligentes nacionais,constamdatabela19. Tabela$19DEixosTemáticosdasPrioridadesEstratégicasInteligentes Eixos$Temáticos$ Temas$Prioritários$ I.$Tecnologias$Transversais$e$suas$Aplicações$ 1.Energia 2.TecnologiasdeInformaçãoeComunicações 3.MateriaiseMatériasDPrimas II.$Indústria$e$Tecnologias$de$Produção$ 4.TecnologiasdeProduçãoeIndústriadeProduto 5.TecnologiasdeProduçãoeindústriadeProcesso III.$Mobilidade,$Espaço$e$Logística$ 6.Automóvel,AeronáuticaeEspaço 7.Transportes,MobilidadeeLogística IV.$Recursos$Naturais$e$Ambiente$ 8.AgroDAlimentar 9.Floresta 10.EconomiadoMar 11.ÁguaeAmbiente V.$Saúde,$Bem%Estar$e$Território$ 12.Saúde 13.Turismo 14.IndústriasCulturaiseCriativas 15.Habitat 3.3$%$Fase$III:$Prospetiva$e$Seleção$de$Prioridades$ O,Processo,de,Auscultação,aos,Stakeholders,fase,Prioridades, O conceito de especialização inteligente baseiadse no conceito desenvolvido por Rudrick (2003, 2004) de entrepreneurial#discovery#process#e#self#discovery.estesconceitosdefendemqueanovapolíticaindustrialdeve promoveruma delegação daescolhadeprioridadesaosempreendedoresparafomentaradescobertadenovas áreas; compete depois aos responsáveis pelo desenho das políticas públicas, em iteração com estes, avaliar o potencialdessasideias,possíveisexternalidadespositivasecomplementaridadesentreredeseclusters,eainda dasvantagenscomparativasparapotenciaressasideias(oecd,2013;goenagaandforay,2013). Existem vários métodos e processos de auscultação dos atores, desde a organização de seminários de apresentação das escolhas, às reuniões com atores# convidados para validação das escolhas realizadas, ou a promoção de auscultação por entrevistas e seminários. DecidiuDse organizar a auscultação dos stakeholders atravésdejornadasdebrainstormingestruturado,cadaumadasquaisagregandotemasqueapresentamlógicas ouobjetivossocietaiscomunsouafins.ametodologiaseguidafoiinspiradapelosmétodosusadospelasagências governamentaiseoutrosagentesnaconstruçãodecenáriose,ainda,nasrecomendaçõesdoguiadaris3. Nestasequência,tornouDsenecessáriodefinirametodologiamaisapropriadaparaaauscultação$dos$atores,em cadatema,paraaveriguardavalidadedecadatemáticaemtermosderesultadosexpectáveisa2020,tendoem atençãooscenáriosdosectorutilizadora2020,osseusimpactosprevisíveis,eaveriguardanecessidadeemodo daintervençãopública. 100

101 Aauscultaçãodosatoresfoifeitaatravésdejornadastemáticasdebrainstormingestruturadoporeixo.Oobjetivo foiodeestimularopensamentocriativoeaexploraçãodenovasligaçõesentretópicos,epromoverumareflexão coletivasobreaimportânciadotemaparaopaíseosobjetivosquesepretendemalcançarem2020.visouainda iniciaroprocessodeinstitucionalizaçãodaparticipaçãoativadosstakeholdersnaconstruçãodaspolíticaspúblicas de investigação e inovação, nomeadamente na identificação coletiva de prioridades e de escolhas e, ainda, a construçãodevisõesedecenáriospartilhados,queéumadasdebilidadesidentificadasnafasedediagnóstico (FCT,2013). Adiscussãofoicentradanacoordenaçãodosrecursosdisponíveishumanosefinanceirosemtornodasáreasde especialização estratégica que contribuam para que Portugal tenha: a) uma economia competitiva, baseada no conhecimento,ecombaixoconteúdoemcarbono;b)umsistemadeinvestigaçãoeinovaçãosólidoecompetitivo, integradonasredesinternacionaisdoconhecimento,correspondendoaosobjetivosestruturantespréddefinidos. Asduasquestõesqueserviramdebaseaobrainstormingestruturadoforamasseguintes(Figura12): Figura$12 Questõesdassessõesdebrainstormingestruturado(auscultaçãoaosstakeholders) Considerandoasvantagens compeäävasdopaís,no contextotemáäcoem discussão,quecapacidades emergemparaapromoçãode sinergiasquepotenciema criaçãodeconhecimento,a inovaçãoeaprogressãonas diversascadeiasdevalor? Quemedidaseinstrumentosde políäcadevemsermobilizados paraumaintervençãopública eficienteeeficazqueresponda àsfalhasquerdemercadoquer insätucionaisequeconcreäze assoluçõesadequadaspara permiärqueportugal correspondaàsmetas2020? Critérios,de,Seleção,dos,Stakeholders, Aideiaoriginaleraaderealizarworkshopstemáticoscomtodososstakeholdersrelevantesquefazemparteda ecologiadosistemanacionaldeinovaçãoparaumavisãoabrangenteediversificadadaestratégia,oriundosdos seguintestiposdeentidades: 1. Universidadeselaboratórioseunidadesexcelentes; 2. Laboratóriospúblicosnotema; 3. Centrostecnológicos,incubadoraseoutrosorganismosdeintermediação; 4. Empresasprivadasepúblicas; 5. Sociedade Civil instituições como as Associações profissionais, de industriais, de produtores, etc.sociedadescientíficas,eong; 6. Organizaçõeseuropeiasetransnacionais,incluindorepresentantesnacionaisemJPI,EraDNETs,e parceriaseuropeias. A partir do momento que a opção tomada foi a da realização da auscultação por Eixo Temático, apenas um número limitado de peritos poderia ser convidado, para garantir a eficácia da sessão de brainstorming. Nessa sequência, foi decidido que a distribuição dos stakeholders a convidar deveria de ser dividida equitativamente entreempresaseosectorpúblicodeinvestigação,comexceçãodoslaboratóriosdeestado,jáqueestessãoparte integrantedoprocessodeformulaçãodaspolíticasnacionais.esteseasrestantesorganizaçõesforamconvidadas 101

102 como observadores. Foi delineado ainda um conjunto de critérios para que os atores fundamentais do tema fossemenvolvidos.oscritériosdeescolhaforamosseguintes: 1. Dirigenteseresponsáveisdelinhasdeinvestigaçãocommaiornúmerodepublicaçõesnotema; 2. Investigadorescommaiornúmerodepublicaçõesnotema; 3. Diretoresdeinstituiçõesemqueotemaéparteintegrantedasuamissãoeplanodeatividades; 4. Representantesnacionaisemredestransnacionaiseuropeiasnotemanomeadamentequandoobjetode programaçãoconjuntaaoníveleuropeu; 5. PMEcomáreasdenegóciorelevantesnotema; 6. Empresas com áreas de negócio relevantes e parte dos rankings nacionais e europeus das mais inovadorasoucommaiorvolumededespesaemi&d; 7. Combinaçãodeempresasdegrandedimensãocommédia; 8. Equilíbrioentrelíderesatuaisefuturaslideranças. Modelo,de,organização,das,Jornadas,, Asjornadasseguiramummodeloorganizativoúnicoquecompreendecincoelementosprincipais,asaber: 1. Comissãoorganizadoraefacilitadoresdediscussão; 2. Listadosprincipaisatoresquedevemparticiparnoevento,daesferaeconómica,científicaetecnológicae daadministraçãonacionaleregional,edasociedadecivil; 3. Documentaçãoadistribuirantecipadamentepelosparticipantes: a. Documento de Diagnóstico Estratégico, contendo a justificação da importância e o potencial estratégicodotemaparaportugalem2020, b. Guia metodológico (comum a quase todos os eventos, à exceção da Economia do Mar e da ProteçãoeExploraçãodoConhecimentos),comaexplicaçãodetalhadadametodologiaaseguir na sessão, assim como as duas perguntas para as quais o stakeholder tem de preparar a sua intervenção.(http://www.fct.pt/esp_inteligente/docs/guiametodologico_enei_porto.pdf). O programa de trabalhos teve sempre a duração de um dia e foi constituído por sessões paralelas dos temas, fazendopartedoeixotemático.emmédia,oobjetivoeraquedeveriamparticiparportema15stakeholdersda componenteacadémicaeoutrostantosdaempresarial,eosrestantesmembrosdosoutrostiposdeinstituiçãojá identificadosanteriormentecomoobservadores.cadadiafoiorganizadoem3partes,duasplenáriaseumacom sessõesparalelas,assim: A$1ª$parteconsistiunasessãodeboasvindas,daapresentaçãodekeynote#speeches,umparacadatema,para contextualizar a temática em termos dos cenários previstos de evolução para 2020, em termos económicos, científicos e tecnológicos, e no caso de existir uma CCDR envolvida, uma apresentação das conclusões da estratégiadeespecializaçãointeligenteregionalparaotema. A2ª$parteexistiramsessõesparalelasportemaembrainstormingdosstakeholders.Antesdoalmoçofoidiscutida aquestãorelacionadacomavisãoa2020easvantagenscompetitivasidentificadasetópicospropostos.depoisdo almoço foi discutida a questão relacionada com as falhas existentes e as medidas e instrumentos de política públicaquedevemserrecomendados. A3ª$parte$foiefetuadaemplenáriooresultadodobrainstorming#pelorelatorcomoapoiodomoderador. NamaioriadoscasosadiscussãodasconclusõesenvolveunodebateosSecretáriosdeEstadodaInovação,da Ciência,eainda,porvezes,osSecretáriosdeEstadoresponsáveisporpolíticassectoriaisrelevantesparaostemas emdiscussão. Auscultação,aos,stakeholders,,Fase,2,Prospetiva,e,Seleção,de,Prioridades, Todo o processo de formulação da ENEI foi apoiado na interação com as Comissões de Coordenação e DesenvolvimentoRegional(CCDR)ecomasRegiõesAutónomas,eosrestantesMinistérios. 102

103 Assessõesdebrainstorming estruturadotiveramlugaremjornadasdereflexãoestratégicaporeixotemático, realizadascomoapoiodasccdrs.asdataselocaisderealizaçãodoseventosconstamda Tabela20. Aseleçãodalocalização das Jornadas de Reflexão para cada eixo teve em consideração a existência de massa crítica de atividade em pelo menos alguns dos temas do Eixo Temático em questão. Para além dos 15 temas prioritários,foiaindaanalisadaanecessidadedeestimularaproteçãoeacomercializaçãodoconhecimento. Tabela$20DAuscultaçãoaosstakeholders,fasedeprioridades Data$ Promotor$ Local$ Designação$ 2013/10/07 Grupode TrabalhoENEI 2013/10/15 Grupode TrabalhoENEIe apoioccdrdn 2013/10/22 Grupode TrabalhoENEIe apoioccdra 2013/11/04 FCTemparceria comadgpmd MAMeoGrupo detrabalho ENEI 2013/11/06 Grupode TrabalhoENEIe apoioccdrc 2013/11/12 Grupode TrabalhoENEIe apoioccdralg 2013/11/19 Grupode TrabalhoENEIe apoioccdrc 2013/01/09 FCTemparceria comoinpieo Grupode TrabalhoENEI ISEG,Lisboa Fundação Cupertinode Miranda,Porto NERE,Évora EscolaSuperior Náutica,Paço dearcos Universidadede Coimbra, Coimbra Universidadedo Algarve,Faro HotelMélia, Aveiro Fundação Portuguesade Comunicações, Lisboa Eixo1DTecnologiasTransversaisesuasAplicações:Energia; TecnologiasdeInformaçãoeComunicação;MateriaiseMatériasD primas Eixo2DIndústriaseTecnologiasdeProdução:Tecnologiasde ProduçãoeIndústriasdeproduto;TecnologiasdeProduçãoe Indústriasdeprocesso Eixo3DMobilidade,EspaçoeLogística:Automóvel,Aeronáuticae Espaço;Transportes,MobilidadeeLogística Eixo4DRecursosNaturaiseAmbiente:EconomiadoMar Workshopdereflexãoestratégica:Investigar,#Investir#e#Inovar#no#Mar# Português# Eixo5DSaúde,BemDEstareTerritório:Saúde;IndústriasCulturaise Criativas;Habitat Eixo4DRecursosNaturaiseAmbiente:ÁguaeAmbiente Eixo5DSaúde,BemDEstareTerritório:Turismo Eixo4DRecursosNaturaiseAmbiente:AgroDalimentar;Floresta WorkshopdeReflexãoEstratégica:Inovar:#Proteger#e#Comercializar#o# Conhecimento# OPresidentedaCCDRdolocalondecadajornadadereflexãotevelugarparticipounaprimeirapartedoprograma, nasessãodeaberturaeapresentouaindaasprincipaisconclusõesdotrabalhorealizadonaregiãorelativasaos temasemdiscussão. 103

104 Para uma maior integração na discussão das políticas sectoriais relevantes para cada prioridade temática, procuroudsesemprequepossívelaparticipaçãodossecretáriosdeestadorespetivosnasessãodeencerramento. Talfoipossívelnosseguinteseixos:Eixo1teveaparticipaçãodoSecretáriodeEstadodaEnergia;oEixo4,tema EconomiadoMar,teveaparticipaçãodoSecretáriodeEstadodoMar,enasessãodostemasAgroDalimentare FlorestasdoSecretáriodeEstadodasFlorestasedoDesenvolvimentoRegional. DadaaimportânciadotemaEconomiadoMareaexistênciadeumaestratégianacional,aEstratégiadoMar,ena sequênciadecolaboraçãoemcursodafctcomadirecçãodgeraldapolíticamarítima(dgpm),foidecididoque estetemaseriadiscutidonumworkshopespecíficoorganizadoemconjuntopelafctepeladgpm,comoapoio dogrupodetrabalhoeneiedasduasestratégias.todaaorganizaçãodoworkshop,bemcomoaproduçãodos documentosforamrealizadosemconjuntoporequipasdasduasorganizações. NostemasAgroDalimentareFlorestasoGrupodeTrabalhocontoucomaparticipaçãonarevisãodosdocumentos Nº 2, Diagnóstico Estratégico, de membros dos Gabinetes dos Secretários de Estado da Alimentação e da InvestigaçãoAgroDAlimentar,edasFlorestasedoDesenvolvimentoRegional. Comofoireferido,oúnicoworkshopdereflexãoestratégicarealizadoparaalémdas15prioridadestemáticasfoi dedicado a um dos principais estrangulamentos sistémicos do Sistema de I&I nacional, a proteção e comercializaçãodoconhecimento.esteworkshopfoitambémresultantedeumacolaboraçãoemcursodafct, nestecasocomoinstitutonacionaldapropriedadeindustrial(inpi),equeteveaindaaparticipaçãodoiapmeie dosrestantesmembrosdogrupodetrabalhodaenei.todaaorganizaçãodoworkshop,bemcomoaprodução dos documentos foram realizados, em conjunto, por equipas daquelas organizações. Na página da FCT estão disponíveis os documentos produzidos para cada tema, assim como o programa de cada evento em Osstakeholdersforamconvidadosaparticiparnoseventos,assimcomoosobservadores.Paracadasessãoestava previstaaparticipaçãode30stakeholders,metadeoriundadosectorprodutivoeaoutrametadedoacadémico. Participaram484stakeholders,comumamédiade30stakeholdersportema.Estevalorfoioestabelecidocomo ideal.emmédiaforamconvidadospelaorganizaçãotrêsatoresparagarantirapresençadecadastakeholder. Aadesãodasempresasaoexercícioédeassinalar,comosepodeconstatarnaFigura13,querepresentammaisde metadedosstakeholderspresentes. Figura$13DDistribuiçãodaparticipaçãodosstakeholdersnoseventos 9% 39% 52% Academia Empresa Observador $ 104

105 Adistribuiçãoporsectorinstitucionaldosstakeholderspresenteséarepresentadanaqueseguedepertoopeso queestessectorestêmnosistemadei&i(figura14). Figura$14DDistribuiçãodosstakeholders#porsectorinstitucional 18% 10% 46% 26% Empresas EnsinoSuperior Estado IPSFL Análise,dos,Resultados,do,Processo,de,Auscultação, Após a realização de cada evento, os relatores apresentaram um relatório sucinto da leitura das principais conclusõesdecadasessão,centradosobreaidentificaçãodavisãocoletivadosparticipantesparaaevoluçãodo temaa2020,assimcomodasprincipaisvantagenscompetitivas paraalavancaravisãoeasrecomendaçõesde políticaparaaresoluçãodasfalhasdemercado,sistémicaseinstitucionaistambémidentificadas. Aanálisedetodaadocumentaçãoproduzidaparacadaeventoedosrelatóriosdosrelatoresedasmensagens escritasdosstakeholdersfoirealizadaporespecialistasnotema,semprequepossível,nomeadamentedafcte das outras organizações que compõem o Grupo de Trabalho, que produziram um resumo analítico, como base numaestruturapréddefinida.estaestruturatemasseguintessecções:avisãodotemapara2020,asvantagens competitivas, os desafios e bloqueios, as interligações identificadas com as outras prioridades temáticas e as recomendaçõesdenaturezapolítica.cadadossierdeprioridadetemática,presentenoanexob,estáorganizado doseguintemodo:asconclusõesanalíticasdetodooprocessodereflexãoconjuntaacimadescrito,ostópicosde cadatemacorrigidospelosstakeholderseodiagnósticoestratégico. 4$%$VALIDAÇÃO$DAS$PRIORIDADES$TEMÁTICAS$ OsdossiersdasprioridadestemáticasforamposteriormentesubmetidosaparecerdosConselhosCientíficosda FCTedosMinistériosquandoostemassãotuteladosdopontodevistasectorial,processoqueaindaseencontra emcurso. AguardaDse a conclusão da redação da ENEI para submeter o primeiro draft a discussão institucional, nomeadamente aos Conselho Nacional de Empreendedorismo e Inovação e Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia,bemcomoaosórgãosformaiscomooConselhodeReitores,asassociaçõesempresariais,etc. Estáaindaprevistaarealizaçãodeconferênciadeapresentaçãodaestratégia,assimcomooutrosconferênciase workshopsparaaprofundamentoemelhoriadaestratégiaagoraproposta. Depois de concluído o processo de validação institucional, a estratégia será colocada em consulta pública 105

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL - ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL - ALENTEJO 2020 PLANO DE ACÇÃO REGIONAL - ALENTEJO 2020 Documento de Referência para a sua Elaboração CCDRAlentejo, 1 de Fevereiro de 2013 INDICE Introdução 1. Principais conclusões da Avaliação Intercalar do INALENTEJO

Leia mais

Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal. Abril de 2014

Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal. Abril de 2014 Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal Abril de 2014 Abril de 2014 ÍNDICE ÍNDICE... 1 O MEMORANDO DE ENTENDIMENTO... 2 METAS DA ESTRATÉGIA EUROPA 2020: PONTO DE SITUAÇÃO...

Leia mais

Cooperar para melhor Competir. Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters

Cooperar para melhor Competir. Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters Cooperar para melhor Competir Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters Índice 03 04 Enquadramento 06 Pólo de Competitividade e Tecnologia Engineering & Tooling 10 Pólo de Competitividade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Programa do XVII Governo Constitucional 2 Índice INTRODUÇÃO... 6 CAPÍTULO I UMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO PARA A PRÓXIMA DÉCADA... 9 I. VOLTAR A ACREDITAR... 9 1. Uma

Leia mais

UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024

UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024 UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024 CINCO DIFERENÇAS QUE FAZEM A DIFERENÇA QUATRO PILARES PARA AFIRMAR PORTUGAL 1º PILAR: VALORIZAR OS NOSSOS RECURSOS 2º PILAR: MODERNIZAR A ATIVIDADE ECONÓMICA E O ESTADO

Leia mais

Governo dos Açores. Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial

Governo dos Açores. Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial Governo dos Açores Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial Dezembro de 2012 Índice Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial... 1 1 - Política

Leia mais

Uma década para Portugal. Relatório

Uma década para Portugal. Relatório Uma década para Portugal Relatório Abril, 2015 GRUPO DE TRABALHO Uma década para Portugal Relatório Abril, 2015 O aumento do potencial de crescimento da economia requer que as instituições públicas promovam

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA 1246-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA Portaria n.º 57-A/2015 de 27 de fevereiro O Decreto-Lei n.º 137/2014,

Leia mais

Guia Inteligente da Inovação nos Serviços

Guia Inteligente da Inovação nos Serviços Coleção de Guias Como apoiar a Política das PME com Fundos Estruturais Guia Inteligente da Inovação nos Serviços Enterprise and Industry 4 3 Coleção de Guias Como apoiar a Política das PME com Fundos

Leia mais

Guia AGENDA 21 Local

Guia AGENDA 21 Local MANUAL Guia AGENDA 21 Local Um desafio para todos GUIA AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO PARA TODOS Manual Novembro de 2007 Título: Guia Agenda 21 Local Um desafio para todos Autoria: Equipa da TTerra Auditoria,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 4898 Diário da República, 1.ª série N.º 176 12 de setembro de 2014 a posição remuneratória da categoria em que os trabalhadores se encontram inseridos. 3 Em caso de falta de identidade, os trabalhadores

Leia mais

PARECER DE INICIATIVA

PARECER DE INICIATIVA PARECER DE INICIATIVA SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS, SOCIAIS E ORGANIZACIONAIS DECORRENTES DO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO (aprovado em Plenário a 13/03/2013) Relator: Conselheiro Manuel Lemos Março

Leia mais

+ 05 : 2013 + Análise contrafactual dos impactos dos incentivos do POE/PRIME na sobrevivência e no crescimento das empresas

+ 05 : 2013 + Análise contrafactual dos impactos dos incentivos do POE/PRIME na sobrevivência e no crescimento das empresas + 05 : 2013 + Análise contrafactual dos impactos dos incentivos do POE/PRIME na sobrevivência e no crescimento das empresas Índice Lista de Siglas e Abreviaturas 1. Introdução 2. Método e dados utilizados

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

Estratégia Nacional. Para a Integração das Comunidades Ciganas 2013-2020

Estratégia Nacional. Para a Integração das Comunidades Ciganas 2013-2020 Estratégia Nacional Para a Integração das Comunidades Ciganas 2013-2020 Resolução do Conselho de Ministros 03 Preâmbulo 09 1 - Enquadramento 11 1.1 Princípios orientadores 13 1.2 Orientações europeias

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 75 17 de abril de 2013 2211 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 51/2013 de 17 de abril O Decreto-Lei n.º 213/2009, de 4 de setembro, instituiu, sob proposta

Leia mais

Junho 2013. Ensaios clínicos em Portugal

Junho 2013. Ensaios clínicos em Portugal Junho 2013 Ensaios clínicos em Portugal Nota introdutória Os ensaios clínicos são, indiscutivelmente, a vertente mais expressiva no processo de investigação de novos medicamentos, nomeadamente em termos

Leia mais

A EmprEgAbilidAdE nas EmprEsAs portuguesas

A EmprEgAbilidAdE nas EmprEsAs portuguesas A Empregabilidade dos Doutorados nas Empresas Portuguesas 2 A Empregabilidade dos Doutorados nas Empresas Portuguesas FICHA TÉCNICA AUTORIA Ana Barroca Advancis Business Services Gonçalo Meireles Advancis

Leia mais

Os sistemas de qualificação e do seu impacto na Aprendizagem ao Longo da Vida

Os sistemas de qualificação e do seu impacto na Aprendizagem ao Longo da Vida DIRECTION DE L'ÉDUCATION DIRECTORATE FOR EDUCATION Os sistemas de qualificação e do seu impacto na Aprendizagem ao Longo da Vida Relatório de Base de Portugal Junho de 2003 The views expressed in the document

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 26.6.2014 L 187/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 651/2014 DA COMISSÃO de 16 de junho de 2014 que declara certas categorias de auxílio compatíveis com o mercado interno, em

Leia mais

Projecto ADD-FORM. Adequação da Oferta Formativa Superior às Necessidades dos Agentes Empregadores (no Espaço Rural)

Projecto ADD-FORM. Adequação da Oferta Formativa Superior às Necessidades dos Agentes Empregadores (no Espaço Rural) Projecto ADD-FORM Adequação da Oferta Formativa Superior às Necessidades dos Agentes Empregadores (no Espaço Rural) Junho 2008 Projecto ADD-FORM Adequação da Oferta Formativa Superior às Necessidades dos

Leia mais

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Parecer de Iniciativa (Aprovado no Plenário de 19 de Novembro de 2008) Relatora: Conselheira Isabel Guerra Lisboa 2008 Índice Nota Prévia........

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH)

CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH) CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH) Ciências Sociais e Humanidades: mais excelência, maior impacte Internacionalização, pluralismo, pluridisciplinaridade, avaliação, disseminação

Leia mais

plano integração III 06/09/27 12:50 Page 1

plano integração III 06/09/27 12:50 Page 1 Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social 1º Plano de Acção para a Integração das Pessoas com Deficiências ou Incapacidade Autoria > Gabinete da Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação, Secretariado

Leia mais

Repensar as cidades de média dimensão****

Repensar as cidades de média dimensão**** Eduardo Brito Henriques** António Oliveira das Neves*** Análise Social, vol. XXIX (129), 1994 (5. ), 1123-1147 Repensar as cidades de média dimensão**** 0. INTRODUÇÃO As alterações que no decurso dos últimos

Leia mais

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL MEI - MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL PELA INOVAÇÃO 5 UMA NOVA AGENDA PARA PROMOVER A INOVAÇÃO EMPRESARIAL NO BRASIL A capacidade

Leia mais

República de Angola Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial. Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017

República de Angola Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial. Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 República de Angola Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 Dezembro 2012 Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 2 ÍNDICE ABREVIATURAS

Leia mais

Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley

Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley 1 O presente estudo foi desenvolvido pela Leadership Business Consulting para o TICE.PT - Pólo das Tecnologias de, aos quais se reservam os direitos de autor. Toda e qualquer referência a este estudo deve

Leia mais

Comunicações e Informações. 2015/C 140/01 Resolução sobre o Programa de Trabalho da Comissão Europeia para 2015... 1

Comunicações e Informações. 2015/C 140/01 Resolução sobre o Programa de Trabalho da Comissão Europeia para 2015... 1 Jornal Oficial da União Europeia C 140 Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 28 de abril de 2015 Índice I Resoluções, recomendações e pareceres RESOLUÇÕES Comité das Regiões

Leia mais

Plano Estratégico para as Migrações 2015-2020

Plano Estratégico para as Migrações 2015-2020 Plano Estratégico para as Migrações R Resolução do Conselho de Ministros O perfil migratório dos países tem mudado significativamente, a um ritmo acelerado, nos últimos anos. O fenómeno da globalização,

Leia mais