Duas línguas próximas, globais e de futuro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Duas línguas próximas, globais e de futuro"

Transcrição

1 Duas línguas próximas, globais e de futuro Augusto Santos Silva 1 Não tenho competência para avaliar a proximidade entre a língua portuguesa e a língua espanhola do ponto de vista linguístico. Sei apenas que ela existe e faz sentido, abrindo caminho para a intercompreensão dos seus falantes. Não constituirá surpresa, portanto, que, nas regiões fronteiriças, as condições de interação linguística sejam cada vez mais favoráveis. Três das comunidades autónomas espanholas que fazem fronteira com Portugal a Galiza, a Estremadura e a Andaluzia oferecem hoje ensino de português no currículo secundário; e creio que, a breve trecho, o mesmo irá suceder com Castela e Leão, além das Astúrias. O espanhol é uma das línguas estrangeiras mais escolhidas, como opção de aprendizagem, nas escolas básicas e secundárias portuguesas. Na América Latina ocorre facto análogo, designadamente entre Brasil, Uruguai, Paraguai e Argentina. As duas línguas, português e espanhol, são línguas globais, num triplo sentido. São faladas por centenas de milhões de pessoas, em todo o mundo. A sua implementação não está circunscrita a uma dada região, por mais populosa que seja, visto que são faladas no hemisfério Norte e no hemisfério Sul, na Europa, em África, nas Américas e na Ásia. E, finalmente, são línguas com grande dinamismo, quer por razões demográficas, quer como línguas internacionais de comunicação e cultura, que um número crescente de pessoas aprende num número crescente de países. 1 Intervenção no I Simpósio das Línguas Espanhola e Portuguesa no Espaço Ibero-Americano num Contexto de Diversidade Linguística realizado em Madrid em 6 de junho de

2 Hoje, o português é falado, como língua materna, por cerca de 260 milhões de pessoas. Estima-se que, por volta de 2050, o português seja falado por cerca de 380 milhões de pessoas, um terço das quais africanas; e, no fim do século, por cerca de 480 milhões de pessoas, sendo que então a maioria se situará já em África e não no Brasil. O espanhol é hoje falado, como língua materna, por 472 milhões de pessoas; e será provavelmente falado por uns 750 milhões de pessoas em meados do século XXI e por 740 milhões nos fins do século. Entretanto, a força de uma língua não decorre apenas da sua demografia. Baseia-se na qualidade e na diversidade das literaturas que a utilizam e recriam, assim como de outras formas artísticas e culturais, como o teatro, o cinema e o audiovisual, ou a música. Em especial, a diversidade das literaturas latino-americanas, africanas e europeias que se exprimem nas línguas ibéricas é uma das suas maiores riquezas. A língua tem também um valor económico, no sentido em que em torno dela se estrutura uma constelação de bens e serviços, da educação à imprensa, à indústria do livro e a outras atividades criativas. O valor da língua, apurado em percentagem do produto interno bruto, já foi estimado para Espanha e Portugal, e trata-se em ambos os casos de um valor significativo. Este potencial económico tem ainda a ver com o uso como língua de comunicação especializada e de negócios e, por sua vez, reforçase com o peso institucional e político, designadamente o peso associado ao reconhecimento e utilização em organizações internacionais. Finalmente, a projeção de uma língua, no mundo contemporâneo e no próximo futuro, depende também e dependerá cada vez mais da sua afirmação como língua de conhecimento e inovação: a língua em que se exprime a ciência, a língua que circula nas plataformas digitais, a língua em que se arquiva, preserva e difunde o conhecimento, a língua em que se 2

3 anunciam as novas propostas tecnológicas e organizacionais, a língua de comunicação nos novos médias e nas novas redes. Valorizemos, pois, cada uma das nossas línguas como uma língua demograficamente viva, sim, mas também viva como instrumento de comunicação, de conhecimento, de ideias, iniciativas e negócios. Minhas senhoras e senhores: Comecei por assinalar que o espanhol e o português, línguas indo-europeias e línguas românicas, são línguas próximas entre si. Assinalei, depois, que são línguas globais: são duas das línguas mais faladas e internacionalizadas do mundo contemporâneo. Quero agora acrescentar um terceiro aspeto comum. É que ambas as línguas são uma base e uma base fundamental de cooperação internacional e intercontinental. A Conferência Ibero-Americana para a Educação enquadra, desde 1991, um projeto colaborativo assente, ao mesmo tempo, no diálogo entre espaços regionais de dois continentes a Península Ibérica e a América Latina e no diálogo entre duas línguas o espanhol e o português. No âmbito geral desta Conferência e no âmbito específico da Organização Ibero-Americana a Educação, a Ciência e a Cultura, a dupla ancoragem linguística significa, em termos internacionais, uma verdadeira singularidade. A oferta nas escolas secundárias do ensino opcional da outra língua é, aliás, uma responsabilidade assumida por todos os 22 Estados-membros da Conferência Ibero-Americana. Devemos levá-la a sério, porque só retiraremos benefício. Os programas de mobilidade académica, para estudantes, professores e investigadores; o intercâmbio cultural, designadamente no domínio literário, teatral, cinematográfico e 3

4 audiovisual, valorizando as múltiplas culturas que se exprimem em português e espanhol; e a colaboração entre as universidades e centros de investigação que estudam as questões da língua, do conhecimento, das artes e da ciência, são todos caminhos de cooperação eficaz e promissora que a Conferência Ibero-Americana aprecia e deve explorar mais. Este quadro é, objetiva e felizmente, muito mais amplo do que Portugal e Espanha. Mas, na área da língua e da cultura, Portugal e Espanha têm uma responsabilidade própria, porque os Institutos Camões e Cervantes são ainda as estruturas mais experientes e apetrechadas para assegurar difusão internacional sistemática e contínua. A rede de cátedras, leitorados, cursos e escolas, assim como a rede de centros culturais e centros de língua que cada um dos Institutos garante, por todo o mundo, em dezenas e dezenas de países, são recursos incontornáveis para a política pública, a ação diplomática e a sociedade civil. Não há nenhuma razão para não colaborarem mais entre si. No discurso que pronunciou em novembro passado, em Lisboa, na Assembleia da República, por ocasião da sua visita de Estado a Portugal, o Rei de Espanha propôs justamente uma maior cooperação entre o Cervantes e o Camões. Quero dizer que estamos de acordo com esta proposta no plano bilateral. Há todavia uma razão para escolher dizê-lo neste simpósio, organizado pela Secretaria -Geral Ibero-Americana. É que verdadeiramente, já agora e cada vez mais no próximo futuro, o quadro de colaboração é também multilateral, envolvendo o Instituto Internacional da Língua Portuguesa, o organismo da CPLP sedeado em Cabo Verde, a Rede Brasil e outras estruturas de promoção linguística e cultural. Uma ainda maior afirmação global da língua portuguesa e da língua espanhola não implica concorrência, mas sim convergência; não significa diluição, mas sim concertação; não enfraquece uma em favor da outra, mas 4

5 fortalece ambas. É uma responsabilidade de todos os seus falantes, dos países e das organizações respetivas. E, sobretudo, enriquece o nosso lugarcomum que é o mundo, porque multiplica os centros, reduz as unipolaridades, limita as hegemonias e valoriza a diversidade. 5

V Bienal de Culturas Lusófonas Câmara Municipal de Odivelas

V Bienal de Culturas Lusófonas Câmara Municipal de Odivelas V Bienal de Culturas Lusófonas Câmara Municipal de Odivelas Cerimónia de Abertura 4 de maio, 17h00 Centro de Exposições de Odivelas Intervenção de Sua Excelência, Secretário Executivo da CPLP, Senhor Embaixador

Leia mais

Então, quais são os desafios e os combates comuns da francofonia e da lusofonia?

Então, quais são os desafios e os combates comuns da francofonia e da lusofonia? Intervenção do Embaixador de França em Portugal Pascal Teixeira da Silva Na Conferência Francofonia, lusofonia : o mesmo combate? Fundação Gulbenkian, 14-15 de Março de 2013 Senhor Secretário de Estado,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais

O ESPANHOL É UM IDIOMA ESSENCIAL, VIVO E EM CONTÍNUO CRESCIMENTO NOS ÂMBITOS POLÍTICO, SOCIAL, ECONÔMICO E CULTURAL A NIVEL INTERNACIONAL.

O ESPANHOL É UM IDIOMA ESSENCIAL, VIVO E EM CONTÍNUO CRESCIMENTO NOS ÂMBITOS POLÍTICO, SOCIAL, ECONÔMICO E CULTURAL A NIVEL INTERNACIONAL. O ESPANHOL É UM IDIOMA ESSENCIAL, VIVO E EM CONTÍNUO CRESCIMENTO NOS ÂMBITOS POLÍTICO, SOCIAL, ECONÔMICO E CULTURAL A NIVEL INTERNACIONAL. É o sistema mais completo, versátil e de prestígio para avaliar

Leia mais

O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos

O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos SEGIB Criação: 1994 Definição e objetivo: A SEGIB é o órgão permanente de apoio institucional, técnico e administrativo à Conferência Ibero-Americana e tem

Leia mais

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES Mobilidade E COOPERAÇÃO PROGRAMA COMENIUS vai mais além NOS TEUS HORIZONTES O Programa COMENIUS A O Programa setorial Comenius, que integra o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (PALV), visa melhorar

Leia mais

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS)

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois minors,

Leia mais

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança /

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança / Mercado 1º cliente (25% de quota) e 1º fornecedor (cerca de 33%) Mais de 6.000 empresas portuguesas exportam para Espanha Portugal é o 5º cliente de Espanha (7%) e 8º fornecedor (quase 4%) Espanha vende

Leia mais

COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GUARAMIRANGA A LÍNGUA PORTUGUESA NA INTERNET E NO MUNDO DIGITAL

COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GUARAMIRANGA A LÍNGUA PORTUGUESA NA INTERNET E NO MUNDO DIGITAL COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GUARAMIRANGA A LÍNGUA PORTUGUESA NA INTERNET E NO MUNDO DIGITAL CARTA DE GUARAMIRANGA Os participantes do Colóquio Internacional de Guaramiranga sobre o Português na Internet

Leia mais

XV CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE TOLEDO

XV CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE TOLEDO XV CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE TOLEDO Toledo, Espanha, 12 e 13 de julho de 2005 As Ministras e os Ministros de Educação da Ibero-América, reunidos na XV Conferência Ibero-americana

Leia mais

pretendam aperfeiçoar a sua competência linguística.

pretendam aperfeiçoar a sua competência linguística. APOIOS PARA: Estudar Português, cultura portuguesa, realizar investigação sobre língua e ou cultura portuguesas; Difundir a cultura portuguesa no Chile. A) Em Portugal: Estudar e ou fazer investigação

Leia mais

Concurso de 2015 ANEXO X

Concurso de 2015 ANEXO X ANEXO X PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO AUTOMÁTICO 1. Candidatos e beneficiários Podem candidatar-se e beneficiar de apoio os produtores independentes

Leia mais

Concursos 2016 ANEXO X

Concursos 2016 ANEXO X ANEXO X PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO AUTOMÁTICO 1. Candidatos e beneficiários Podem candidatar-se e beneficiar de apoio os produtores independentes

Leia mais

Língua e Literacia(s) no Século XXI Maputo, 4 e 5 de maio de 2017

Língua e Literacia(s) no Século XXI Maputo, 4 e 5 de maio de 2017 Língua e Literacia(s) no Século XXI Maputo, 4 e 5 de maio de 2017 1. Introdução Adquirir e desenvolver as competências de literacia exigidas atualmente pela sociedade, em geral, e pelas universidades,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI PLANO ESTRATÉGICO OUI 2017 2022 Aprovado pala Assembleia geral da OUI 25 de novembro de 2016 INSPIRAÇÃO OUI "Desejo estabelecer, além e livre de toda fronteira, seja esta política, geográfica, econômica,

Leia mais

Comissão para o Intercâmbio Educacional entre os Estados Unidos da América e Portugal

Comissão para o Intercâmbio Educacional entre os Estados Unidos da América e Portugal Registo de Autoridade Arquivística Comissão para o Intercâmbio Educacional entre os Estados Unidos da América e Portugal Identificação Tipo de entidade Entidade coletiva Forma (s) autorizada (s) do nome

Leia mais

Confiança entre as organizações prestadoras de Serviços de Saúde Ibéricos. Cooperação Transfronteiriça

Confiança entre as organizações prestadoras de Serviços de Saúde Ibéricos. Cooperação Transfronteiriça II Cimeira de Líderes Ibéricos em Saúde Sevilha Janeiro 2012 Confiança nos Sistemas de Saúde Ibéricos Confiança entre as organizações prestadoras de Serviços de Saúde Ibéricos. Cooperação Transfronteiriça

Leia mais

BEM-VINDO A UM MUNDO QUE FALA ESPANHOL

BEM-VINDO A UM MUNDO QUE FALA ESPANHOL BEM-VINDO A UM MUNDO QUE FALA ESPANHOL Criado e desenvolvido por: Gerenciado por: O MUNDO FALA ESPANHOL O ESPANHOL É UM IDIOMA ESSENCIAL, VIVO E EM CONTÍNUO CRESCIMENTO NOS ÂMBITOS POLÍTICO, SOCIAL, ECONÔMICO

Leia mais

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Workshop Colaboração entre Moçambique e Portugal nos Sectores Agrícola, Alimentar e Florestal, Maputo, 2 de Junho 2015

Leia mais

Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2016/17

Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2016/17 Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2016/17 Os pedidos de inscrição em unidades curriculares que não constem nesta lista devem passar pela aprovação prévia do respetivo Diretor do Curso.

Leia mais

EUNIC. Redes e (mais) comunicação. Visibilidades

EUNIC. Redes e (mais) comunicação. Visibilidades 05/01/2015 EUNIC. Redes e (mais) comunicação. Visibilidades MOD20.3 PR07/V01 Ação cultural externa - operacionalização do trabalho em rede: o caso do CLP/ Camões I.P. em Praga 1. Contextualização 1.1.

Leia mais

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Agenda Ibérica do Conhecimento e Ensino Superior (AICES)

Agenda Ibérica do Conhecimento e Ensino Superior (AICES) Agenda Ibérica do Conhecimento e Ensino Superior (AICES) 1. Envolvente e objetivos A cooperação Espanha-Portugal nos domínios da ciência e do ensino superior tem evoluído positivamente nos últimos anos.

Leia mais

«Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP» Dia 5 de maio de 2017 SESSÃO SOLENE «POLÍTICAS CULTURAIS E ECONOMIA AUDIOVISUAL NA CPLP»

«Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP» Dia 5 de maio de 2017 SESSÃO SOLENE «POLÍTICAS CULTURAIS E ECONOMIA AUDIOVISUAL NA CPLP» «Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP» Dia 5 de maio de 2017 SESSÃO SOLENE «POLÍTICAS CULTURAIS E ECONOMIA AUDIOVISUAL NA CPLP» Intervenção S. Ex.ª Maria do Carmo Silveira, Secretária Executiva

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA SOBRE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA CULTURA E CIÊNCIA.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA SOBRE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA CULTURA E CIÊNCIA. Decreto do Governo n.º 7/83 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Áustria sobre Cooperação nos Domínios da Cultura e Ciência Decreto do Governo n.º 7/83 de 24 de Janeiro

Leia mais

Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2017/18. Departamento de Jornalismo e Ciências da Comunicação

Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2017/18. Departamento de Jornalismo e Ciências da Comunicação Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2017/18 Departamento de Jornalismo e Ciências da Comunicação 1º Ciclo Licenciatura em Ciências da Comunicação: Jornalismo, Assessoria e Multimédia -

Leia mais

Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português

Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português O grupo da qualidade para o Ensino Superior (GT2) está a aplicar a análise SWOT ao Ensino Superior Português. A análise SWOT é uma ferramenta

Leia mais

COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq

COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq INSTRUMENTOS DE COOPERAÇÃO OPORTUNIDADES INTERNACIONAL DE NO AMBITO DO CNPq COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq Reunião das Sociedades e Associações de Física da América Latina 2 de fevereiro de

Leia mais

IX REUNIÃO DOS MINISTROS DO TURISMO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Declaração de Foz do Iguaçu

IX REUNIÃO DOS MINISTROS DO TURISMO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Declaração de Foz do Iguaçu IX REUNIÃO DOS MINISTROS DO TURISMO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Foz do Iguaçu, 29 de junho de 2017 Declaração de Foz do Iguaçu Os Ministros do Turismo da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL BRASÍLIA, 2007 Copyright Ministério das Relações Exteriores Brasil. Ministério

Leia mais

Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas,

Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas, LANÇAMENTO DA ESTRATÉGIA EUROPEIA PARA O ATLÂNTICO LISBOA, 28 DE NOVEMBRO DE 2011 INTERVENÇÃO DA SENHORA MAMAOT Senhor Primeiro Ministro, Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas,

Leia mais

Princípios Orientadores

Princípios Orientadores Escola de Engenharia Candidatura para a Eleição dos Representantes dos Professores e Investigadores ao Conselho de Escola da Escola de Engenharia da Universidade do Minho 2013-2016 Princípios Orientadores

Leia mais

Alberto Umbelino Gonçalves

Alberto Umbelino Gonçalves CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA Alberto Umbelino Gonçalves Membro Conselho Executivo da CHP A Câmara Hispano Portuguesa de Comércio e Indústria em Espanha (CHP) foi constituída no ano

Leia mais

I PROGRAMA DOCTV CPLP

I PROGRAMA DOCTV CPLP DOSSIER DE IMPRENSA I PROGRAMA DOCTV CPLP I ANTECEDENTES O DOCTV CPLP surge na sequência de experiências bem sucedidas de âmbito nacional DOCTV Brasil e transnacional DOCTV Ibero-América lançadas pelo

Leia mais

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP Díli, 18 de maio de 2016 DECLARAÇÃO DE DÍLI Os Ministros dos Assuntos do Mar da CPLP ou seus representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,

Leia mais

1. ALUNOS DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA

1. ALUNOS DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA 1. ALUNOS DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA 1.1. EXPRESSÃO DA AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA Nível 0-19 1 1º Ciclo (4º Ano) Matemática e Português 20-49 2 50-69 3 70-89 4 90-100 5 1º Ciclo Menção qualitativa 0-49

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2016 FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL INTRODUÇÃO 2/8 Objectivos Estratégicos A FEDRA definiu para o ano de 2016, no Plano de Actividades que foi apresentado aos sócios, três

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO, CIENTÍFICO E CULTURAL

PROJECTO EDUCATIVO, CIENTÍFICO E CULTURAL PROJECTO EDUCATIVO, CIENTÍFICO E CULTURAL A ESAI - Escola Superior de Actividades Imobiliárias é um estabelecimento de ensino superior universitário independente, lançado em 1990 por um conjunto de empresas

Leia mais

CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O seu Aliado no Mercado Ibérico

CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O seu Aliado no Mercado Ibérico CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA O seu Aliado no Mercado Ibérico A Câmara Hispano Portuguesa de Comércio e Indústria em Espanha (CHP) foi constituída no ano de 1970, como uma organização

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (2) - 2012 CLUBE EUROPEU A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

UE e os países de língua portuguesa.

UE e os países de língua portuguesa. UE e os países de língua portuguesa http://dossiers.eurocid.pt/lusofonia Índice Língua Demografia do português UE e língua portuguesa UE e países de língua portuguesa Dossiê eletrónico Língua ( ) todas

Leia mais

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP 2ª CONFERÊNCIA SOBRE O FUTURO DA LÍNGUA PORTUGUESA NO SISTEMA MUNDIAL 30 de outubro2013 Maria João Maia Departamento das Relações Internacionais,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos A livre circulação de trabalhadores é uma liberdade fundamental dos cidadãos da União Europeia (UE) e assume um relevo determinante para o desenvolvimento de um verdadeiro mercado

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL MATRIZ CURRICULAR NOTURNO Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1. Leitura e produção textual I 4 60 2. Introdução a informática 4

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO OLIVAL NO ALENTEJO

CARACTERIZAÇÃO DO OLIVAL NO ALENTEJO Juntos construimos o futuro CARACTERIZAÇÃO DO OLIVAL NO ALENTEJO Proposta para um projecto-piloto piloto transfronteiriço Victor M. C. Dordio DynMed Alentejo O olival no Alentejo no final do século XX

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

III COLÓQUIO DE HUMANIDADES: OLHARES SOBRE A EFLCH E SEU PROJETO PEDAGÓGICO

III COLÓQUIO DE HUMANIDADES: OLHARES SOBRE A EFLCH E SEU PROJETO PEDAGÓGICO III COLÓQUIO DE HUMANIDADES: OLHARES SOBRE A EFLCH E SEU PROJETO PEDAGÓGICO Prof. Dr. Daniel Arias Vazquez Profa. Dra. Marineide de Oliveira Gomes (Direção Acadêmica) APRESENTAÇÃO I Processo de revisão

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre. a Direção-Geral da Educação Ministério da Educação e Ciência

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre. a Direção-Geral da Educação Ministério da Educação e Ciência PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre a Direção-Geral da Educação Ministério da Educação e Ciência e o Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos Negócios Estrangeiros para promover a consolidação

Leia mais

Excelências, Senhoras e Senhores Embaixadores e membros das delegações;

Excelências, Senhoras e Senhores Embaixadores e membros das delegações; Excelências, Senhoras e Senhores Embaixadores e membros das delegações; Caros convidados Senhoras e Senhores, Permitam-me, em primeiro lugar, cumprimentar V. Exªs e agradecer pelo facto de terem aceite

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DE MADRID SOBRE O ENVELHECIMENTO - MIPPA

PLANO DE ACÇÃO DE MADRID SOBRE O ENVELHECIMENTO - MIPPA ONU - ACÇÃO DIREITOS HUMANOS E O ENVELHECIMENTO Lisboa, 12 de ABRIL 2012 PLANO DE ACÇÃO DE MADRID SOBRE O ENVELHECIMENTO - MIPPA ODETE SEVERINO População mundial Outubro 2011: 7 bilhões de Pessoas 893

Leia mais

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2 INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2 Nota introdutória No âmbito da análise SWOT realizada pelo GT2, e com o objectivo de avaliar a validade desta análise, foi preparado pelo GT2 um inquérito dirigido

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO SEMINÁRIO DESAFIO PORTUGAL 2020 EDUCAÇÃO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO: IMPACTO NA ECONOMIA PORTUGUESA

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição da República Portuguesa, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição da República Portuguesa, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 11/98, de 15 de Abril Acordo entre a República Portuguesa e a Roménia para a Cooperação nos Domínios da Educação, Ciência, Cultura, Desporto, Juventude, Turismo e Comunicação Social Nos termos

Leia mais

AYAMONTE-VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

AYAMONTE-VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO -VILA REAL SANTO ANTÓNIO Ayamonte e Vila Real de Santo António mantêm, há mais de dois séculos, uma relação estável e cordial nas diferentes áreas. Comportam-se como cidades irmãs que estão localizadas

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CASCAIS

DECLARAÇÃO DE CASCAIS DECLARAÇÃO DE CASCAIS 30.10.2004 INTRODUÇÃO Considerando a vontade de continuar a estreitar laços e a desenvolver formas de cooperação em matéria de desenvolvimento sustentável e protecção do ambiente

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A FISCALÍA GENERAL DA REPÚBLICA DE CUBA E A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PORTUGUESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A FISCALÍA GENERAL DA REPÚBLICA DE CUBA E A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PORTUGUESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A FISCALÍA GENERAL DA REPÚBLICA DE CUBA E A PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PORTUGUESA A Fiscalía General da República de Cuba e a Procuradoria-Geral da República Portuguesa,

Leia mais

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA CULTURA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Declaração Final

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA CULTURA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Declaração Final VII REUNIÃO DE MINISTROS DA CULTURA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Palácio Nacional de Sintra, Sintra, 18 de junho de 2010 Declaração Final Os Ministros e os representantes dos Ministérios

Leia mais

Colóquio Parlamentar na Assembleia da República promovido pela Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação DISCURSO

Colóquio Parlamentar na Assembleia da República promovido pela Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação DISCURSO Colóquio Parlamentar na Assembleia da República promovido pela Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação DISCURSO Secretário de Estado Adjunto e do Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA

DECLARAÇÃO DE LISBOA DECLARAÇÃO DE LISBOA Os Procuradores Gerais dos Estados Membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), reunidos por ocasião e do XIV Encontro, entre 13 e 14 de Outubro de 2016, na cidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

TRATADO DE AMIZADE, BOA VIZINHANÇA E COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE MARROCOS. Preâmbulo

TRATADO DE AMIZADE, BOA VIZINHANÇA E COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE MARROCOS. Preâmbulo Resolução da Assembleia da República n.º 20/97 Tratado de Amizade, Boa Vizinhança e Cooperação entre a República Portuguesa e o Reino de Marrocos, assinado em Rabat, em 30 de Maio de 1994 Aprova, para

Leia mais

Arco de leituras, autores e obras Resultados dos questionários dos estudantes portugueses: eixos que se cruzam

Arco de leituras, autores e obras Resultados dos questionários dos estudantes portugueses: eixos que se cruzam Arco de leituras, autores e obras Resultados dos questionários dos estudantes portugueses: Luís Filipe Barbeiro Cristina Nobre Maria José Gamboa Susana Margarida Nunes Escola Superior de Educação e Ciências

Leia mais

A Cooperação Portuguesa

A Cooperação Portuguesa FICHA TEMÁTICA A Cooperação Portuguesa Março de 2015 Política de Cooperação para o Desenvolvimento A Cooperação para o Desenvolvimento é um vetor chave da política externa portuguesa, que assenta num consenso

Leia mais

XI CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA CPLP

XI CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA CPLP SECRETARIADO EXECUTIVO COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA XI CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA CPLP (Brasília, 01 de novembro de 2016) DISCURSO DA SECRETÁRIA EXECUTIVA DA CPLP MARIA

Leia mais

INFORMATIVO 2013 UNIVERSIDADES CONVENIADAS COM A UEPB

INFORMATIVO 2013 UNIVERSIDADES CONVENIADAS COM A UEPB INFORMATIVO 2013 UNIVERSIDADES CONVENIADAS COM A UEPB Atualmente, uma das maiores metas das universidades brasileiras é sua inserção no cenário internacional. Dessa forma, a Universidade Estadual da Paraíba,

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República da Polônia (doravante

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 83, DE 24 DE OUTUBRO DE 2016.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 83, DE 24 DE OUTUBRO DE 2016. RESOLUÇÃO UNESP Nº 83, DE 24 DE OUTUBRO DE 2016. Institui a Política de Idiomas da Unesp. O VICE-REITOR NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO", no uso das

Leia mais

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Memorando de Entendimento Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Considerando que a Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa doravante designada por

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Chapecó Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

Ivo Rafael Gomes da Silva

Ivo Rafael Gomes da Silva Curriculum vitae INFORMAÇÃO PESSOAL (Portugal) ivo_rafael@sapo.pt Sexo Masculino Data de nascimento 04/10/1983 Nacionalidade Portuguesa EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 08/10/2013 25/02/2014 Professor de Ensino

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÍNDIA

ACORDO DE COOPERAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÍNDIA Decreto n.º 15/99 Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica entre a República Portuguesa e a República da Índia, assinado em Nova Deli em 3 de Dezembro de 1998 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE AMBIENTE INTERNO: PONTOS FORTES E PONTOS FRACOS GT2 Gestão da Qualidade no Ensino Superior 13.11.2103 / IPAM Porto Introdução Trabalho fruto

Leia mais

Caro amigo Dr. Jaime Gama, Senhor Patriarca de Lisboa, Senhor Núncio Apostólico, Senhora Secretária-Geral, Senhores Embaixadores e Diretores-Gerais,

Caro amigo Dr. Jaime Gama, Senhor Patriarca de Lisboa, Senhor Núncio Apostólico, Senhora Secretária-Geral, Senhores Embaixadores e Diretores-Gerais, Caro amigo Dr. Jaime Gama, Senhor Patriarca de Lisboa, Senhor Núncio Apostólico, Senhora Secretária-Geral, Senhores Embaixadores e Diretores-Gerais, Senhores Professores, Senhores Membros da Comissão Paritária,

Leia mais

Portfolio Europeu de Línguas

Portfolio Europeu de Línguas DIRECÇAO GERAL DE INOVAÇÂO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Portfolio Europeu de Línguas Glória Fischer Centro de Informação Europeia Jacques Delors Janeiro 2005 DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL LÍNGUAS

Leia mais

Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003

Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003 Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003 O Nordeste Português, Bragança e as acessibilidades Do conceito de periferia

Leia mais

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução;

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL em matéria de reforço

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Senhores Presidentes dos Parlamentos Nacionais. Senhoras e senhores profissionais da Comunicação Social

ASSEMBLEIA NACIONAL. Senhores Presidentes dos Parlamentos Nacionais. Senhoras e senhores profissionais da Comunicação Social ASSEMBLEIA NACIONAL DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL, ENGº JORGE PEDRO MAURÍCIO DOS SANTOS, NA 9ª CONFERÊNCIA DOS PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS AFRICANOS Senhor Presidente do PAP, Dr. Roger

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Sessão de Abertura do Seminário A CPLP e a Nova Geografia da Energia Mundial

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Sessão de Abertura do Seminário A CPLP e a Nova Geografia da Energia Mundial INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL Sessão de Abertura do Seminário A CPLP e a Nova Geografia da Energia Mundial Lisboa, IDN, 20 de junho de 2013 Só serão

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2014)477 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Rumo

Leia mais

Congresso Internacional de Línguas e Culturas Lusófonas no Mundo, 28 e 29 de maio de 2013, Sorbonne Nouvelle, Institut du Monde Anglophone, Paris

Congresso Internacional de Línguas e Culturas Lusófonas no Mundo, 28 e 29 de maio de 2013, Sorbonne Nouvelle, Institut du Monde Anglophone, Paris Os desafios e o valor social e cultural da língua portuguesa Mário Filipe Língua com presença particularmente relevante em África e na América do Sul, uma presença multissecular na Europa, mas também presente

Leia mais

Hildizina Norberto Dias

Hildizina Norberto Dias Hildizina Norberto Dias Objectivo Reflectir sobre a relevância da língua portuguesa na economia no mundo da Lusofonia. Partes da reflexão 1. Mundo da Lusofonia; 2. Mercado linguístico; 3. A língua portuguesa

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Intervenção de Sua Excelência Georges Rebelo Pinto Chikoti, Ministro das Relações Exteriores, na Reunião de Alto Nível do Comité

Leia mais

Plano de Atividades 2013

Plano de Atividades 2013 Plano de Atividades Ano de 2013 Plano de Atividades 2013 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência

Leia mais

Dirijo uma palavra de reconhecimento ao professor Emídio Gomes, pelo seu. envolvimento, pessoal e enquanto Presidente da Comissão de Coordenação de

Dirijo uma palavra de reconhecimento ao professor Emídio Gomes, pelo seu. envolvimento, pessoal e enquanto Presidente da Comissão de Coordenação de As minhas primeiras palavras são de reconhecimento, ao senhor Primeiro Ministro, estimado Dr. Pedro Passos Coelho, e restantes membros do Governo, por se terem associado a esta cerimónia, um marco de grande

Leia mais

Estrutura da Prova. Classificação Final

Estrutura da Prova. Classificação Final Estrutura da Prova 1. A Prova (P) é constituída por duas componentes: a) Cultura Geral e Expressão Escrita (CG) - esta parte (escrita) da prova é comum a todos os candidatos e vale 30% da classificação

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Conferência Fulbrigth Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Lisboa, 21 de Outubro Políticas de educação para vencer os desafios mundiais Maria de Lurdes Rodrigues Quero, em primeiro lugar,

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

Segunda-Feira, 23 de outubro de 2017

Segunda-Feira, 23 de outubro de 2017 Segunda-Feira, 23 de outubro de 2017 Recepção Cultural 13:00 14:00 - Credenciamento para a X Assembleia Geral e IX Seminário Internacional do GCUB. Atividade Cultural 14:00 17:00 - X Assembleia Geral do

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 O #Lusofonia (Cardinal Lusofonia) é uma publicação que se enquadra na promoção do conhecimento público sobre as economias dos Países de

Leia mais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Darlinda Moreira Universidade Aberta ProfMat-2003 Santarém A complexidade da realidade social O mundo foi sempre multicultural, sempre coexistiram

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Tendências & Agenda Internacional

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Tendências & Agenda Internacional LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO Tendências & Agenda Internacional PORTO, 13 de outubro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial

Leia mais

CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS

CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS Telf: 234 340 220 * Fax: 234 343 272 * info@aesbernardo.pt * www.aesbernardo.pt Página 1 de 11 OBJETIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objetivos proporcionar

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BISSAU

DECLARAÇÃO DE BISSAU DECLARAÇÃO DE BISSAU Os Ministros da Cultura de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Portugal encontraram-se, em Bissau, nos dias 28 e 29 de Outubro de 2006, a convite do Governo Guineense,

Leia mais

Anexo A Descrição dos Organismos Governamentais para a Política de IC&DT

Anexo A Descrição dos Organismos Governamentais para a Política de IC&DT Anexo A Descrição dos Organismos Governamentais para a Política de IC&DT Adaptado de: http://www.mct.pt/novo/organi.htm a.2 Ministério da Ciência e da Tecnologia Gabinete do Ministro da Ciência e da Tecnologia

Leia mais