Business Intelligence no contexto de uma PME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Business Intelligence no contexto de uma PME"

Transcrição

1 Raquel Raposo Amarante Business Intelligence no contexto de uma PME Relatório de Estágio apresentado à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gestão Coimbra, Julho de 2014

2 Raquel Raposo Amarante Business Intelligence no contexto de uma PME Mestrado em Gestão Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra Entidade de Acolhimento: Grupo Aníbal Oliveira Cristina Supervisora Profissional: Doutora Susana Faria Orientador Académico: Prof. Doutor Rui Lourenço Coimbra, Julho de 2014

3 Só os que se arriscam a ir longe demais são capazes de descobrir o quão longe se pode ir. T.S. Eliot iii

4 Dedicatória Longe estava eu de imaginar que 2014 ficaria marcado para sempre na minha vida como o ano em que terminei eu os meus estudos e terminou ele a sua passagem por aqui, como que numa tentativa caprichosa de me fazer lembrar, para sempre, que a razão da sua existência era, também, eu. Estes anos enquanto estudante universitária em geral, e este relatório em particular são dedicados a ele. São uma forma de expressar o profundo respeito, a extrema admiração e a incalculável gratidão que terei para com ele, para todo o sempre. Para o meu querido avô. iv

5 Agradecimentos O presente relatório comporta em si dois marcos. Por um lado, marca o término do meu percurso enquanto academista. Por outro, marca o início do resto da minha vida enquanto pessoa, enquanto cidadã. Comecei menina, termino mulher. E nas entrelinhas desta jornada, existe um conjunto de pessoas a quem preciso de expressar o meu agradecimento, imortalizando neste documento a gratidão que sinto. Antes de qualquer outra coisa, um agradecimento aos meus pais. Devo-lhes tudo aquilo que tenho nesta vida, e a minha gratidão para com eles estender-se-á até ao fim da minha existência. Obrigada, por um dia me terem idealizado. Depois disso, bastou apenas fazerem o que melhor sabem: amar e educar. À Sofia, meu apoio incondicional nas horas em que o stress e o cansaço tentavam apoderar-se de mim. Foste a pessoa que assistiu ao crescimento deste relatório, desde a sua idealização à sua escrita efetiva, e estiveste sempre na primeira fila. Por isso, e por toda a força, coragem e incentivo que me deste, o meu muito obrigada. Ao meu Orientador Académico, Professor Doutor Rui Lourenço. Primeiro por um dia ter aceite o meu convite para embarcar em conjunto nesta aventura e, segundo por, desde então, ter demonstrado sempre a máxima disponibilidade, profissionalismo e prontidão, aliadas à máxima exigência e rigor. As qualidades que lhe reconheci no âmbito da unidade curricular que me lecionou criaram a simbiose perfeita e, por isso, aqui deixo um agradecimento especial, pela paciência e o apoio prestados. Ao Grupo Aníbal Oliveira Cristina que me acolheu nesta jornada, me possibilitou o acesso a um ambiente de trabalho funcional e prazeroso e me permitiu ter o primeiro contacto com o mundo do trabalho e as responsabilidades que a ele estão inerentes. Em especial à Marta Silva, responsável pelo Departamento de Recursos Humanos (DRH) e à Susana Faria, responsável pelo Departamento de Administração e Contabilidade (DAC) e minha Supervisora Profissional, pela forma gentil e prestável com que sempre me trataram e me fizeram sentir parte integrante durante o tempo em que estive na empresa. v

6 Resumo No atual ambiente cada vez mais desafiante que envolve os negócios, torna-se fundamental para as empresas o acesso a mais e melhor informação, na tentativa de conhecer bem esse ambiente que as rodeia. O objetivo é, portanto, a maximização do conhecimento através do planeamento cuidado, e da gestão criteriosa da informação e dos dados disponíveis. O recurso a sistemas Business Intelligence (BI) e às suas ferramentas têm mostrado eficiência no que respeita à necessidade das empresas se manterem constantemente atualizadas, rentabilizando o seu tempo e melhorando os seus processos, através da tomada de decisão mais consciente e direcionada. O presente relatório decorre da realização do Estágio Curricular realizado no Grupo Aníbal Oliveira Cristina (AOC) de 16 de Setembro a 7 de Fevereiro de 2014, com vista à obtenção do grau de Mestre. Nele é dado ênfase ao Business Intelligence, fazendo a ponte entre aquilo que o desenvolvimento tecnológico tem permitido, nomeadamente o aumento exponencial do volume de dados, o acesso a informação relevante para tomada de decisão em tempo real e a aliança entre as aplicações de BI e os dispositivos móveis, e a forma como esse desenvolvimento pode ser aplicado à realidade de uma Pequena e Média Empresa (PME). No caso concreto do Grupo AOC, a experiência de Estágio permitiu compreender efetivamente que esta ligação é possível, ainda que de forma limitada, através da utilização, pela empresa, de uma ferramenta de BI de baixo custo e baixa complexidade para efetuar determinadas análises, nomeadamente o Microsoft Excel. vi

7 Abstract In today's increasingly challenging environment surrounding business, it is critical for organizations the access to more and better information in an attempt to better understand that environment. The aim is, therefore, to maximize the knowledge through careful planning and careful management of the available information and data. The use of Business Intelligence (BI) systems and tools is showing efficiency as the organizations need to keep constantly updated, maximizing their time and improving their processes, by taking more focused and conscious decisions. This report is the result of an Internship conducted at Grupo Aníbal Oliveira Cristina, from September 16 to February 7, 2014, and the purpose is to obtain Master degree. Emphasis is given to Business Intelligence, building a bridge between what the technological development has allowed until now, in particular the exponential increase of the data volume, the access to relevant information for decision making in real time and the alliance between BI applications and mobile devices, and how this development can be applied to the reality of a Small and Medium Enterprise (SME). In the specific case of Grupo AOC, this Internship experience definitely allowed to understand that this link is possible, however in a restricted way, through the use, by the company, of a low cost and low complexity BI tool to perform some analyzes, namely Microsoft Excel. vii

8 Índice 1. Introdução O Business Intelligence O Conceito de BI Evolução Histórica Arquitetura de um Sistema de BI Ambiente de Fonte de Dados Ambiente de Movimentação de Dados Ambiente de Data Warehouse Ambiente de Servidores Mid-tier Ambiente de Análise ao Negócio (Aplicações Front-end) O Valor Acrescentado do BI Benefícios Potenciais Custos Associados Alternativas de BI para as PME Outros Obstáculos e/ou Limitações Potenciais Criação de Valor: O Diferencial Benefícios-Custos Novos Desafios e Tendências Big Data Analytics Real Time Business Intelligence (RTBI) Mobile Business Intelligence (MBI) Conclusão O Estágio Objetivos Iniciais A Entidade de Acolhimento Software Utilizado Principais Tarefas Realizadas Reconstituição dos Dados de Suporte ao Relatório de Gestão Aplicação do Modelo Altman Z-Score de Análise Financeira Correção de Saldos de Fornecedores Autoformação sobre o Suplemento Excel da Arentia para o PHC Desenvolvimento de uma Folha Excel de Análise dos Custos de Estrutura Parametrização do PHC para Produção da IES Declaração Anual: Anexo A Análise Crítica e Conclusões Referências Bibliográficas viii

9 Índice de Figuras Figura 1 Evolução dos Sistemas de Informação na Origem do BI... 7 Figura 2 Arquitetura de um Sistema de BI... 9 Figura 3 Espetro de Benefícios do BI Figura 4 Os 3 V s do big data Figura 5 Cronograma de Atividades Realizadas Figura 6 Áreas de Negócio do Grupo AOC Figura 7 Processos de Suporte e Departamentos do Grupo AOC Figura 8 Diagrama da Arquitetura dos Sistemas de Informação Figura 9 Exemplo de Funções do Suplemento Excel da Arentia para o PHC Figura 10 Exemplo de Anotações numa Folha de Cálculo Excel ix

10 1. Introdução O presente relatório surge no âmbito da frequência no último ano do Mestrado em Gestão e respetiva opção pela variante profissional, visando a obtenção do grau de Mestre pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. O Estágio Curricular, realizado genericamente na área da Gestão e Informática de Gestão, decorreu no Grupo Aníbal Oliveira Cristina, estendendo-se entre 16 de Setembro e 7 de Fevereiro de A temática escolhida para o relatório, Business Intelligence (BI), pode enquadrar-se hoje na realidade de qualquer empresa. Este termo compreende uma diversidade de aplicações e ferramentas que auxiliam não só ao acesso a dados como também à sua análise, retirando informação útil que irá permitir às empresas tomar decisões de qualidade, no ambiente competitivo que caracteriza os mercados nos dias de hoje. É uma área com margem de expansão, acompanhando a ideia de que vivemos cada vez mais num mundo inteligente. A escolha deste tema surge da utilização permanente durante o Estágio do Microsoft Excel, considerado pela Microsoft como uma ferramenta de self-service BI 1. O intuito é mostrar aquilo que o BI é na sua generalidade e a forma como essa noção se pode aplicar, de facto e na prática, à realidade das Pequenas e Médias Empresas (PME). Este relatório está dividido em duas grandes partes: A primeira diz respeito ao BI e comporta em si a componente teórica subjacente à temática escolhida. Conta com várias secções, em que se define o seu conceito, a sua evolução histórica, são elencados os diversos componentes que fazem parte da sua arquitetura mais típica, inumerados os seus potenciais benefícios, custos e obstáculos, sugeridas alternativas com vista à diminuição dos referidos custos, percebida a forma como 1 1

11 pode criar valor para uma empresa e ainda referenciados os principais novos desafios decorrentes das tendências verificadas nos últimos anos na área do BI. A segunda pretende descrever a componente prática diretamente associada ao Estágio Curricular, sendo listados os principais objetivos do mesmo, apresentada a entidade de acolhimento, a sua atividade e evolução ao longo dos anos, descrito o software utilizado no decorrer do Estágio e explicadas as atividades centrais realizadas durante o mesmo. O relatório termina com uma análise crítica onde serão explicadas as conclusões resultantes da conjugação entre aquilo que foi o trabalho de investigação referente ao tema teórico e a componente prática, materializada pela experiência de Estágio na entidade de acolhimento. 2

12 2. O Business Intelligence Na primeira parte dar-se-á enfoque à temática do Business Intelligence (BI), desde o surgimento do seu conceito, passando pela evolução histórica por detrás da sua origem, até chegar à descrição da sua atual forma arquitetónica mais típica. Será de igual forma analisado o valor que a sua implementação cria e/ou acrescenta às organizações, bem como serão questionados os obstáculos colocados a essa implementação. Por último, apresentarse-ão alguns dos desafios que têm surgindo, e também as tendências mais percetíveis num curto-médio prazo O Conceito de BI Ter-se-á que recuar ao passado século para perceber a origem efetiva do termo Business Intelligence. Segundo Chee et al. (2009, p. 96), foi no ano de 1989 que Howard Dresner, na altura investigador e analista de BI no Gartner Group 2, cunhou este termo, referindo-se a ele como "uma ampla categoria de software e soluções para reunir, consolidar, analisar e fornecer acesso a dados de uma forma que permite que os usuários das empresas tomem melhores decisões de negócio". Não obstante este facto, o conceito de BI foi utilizado cerca de trinta anos antes, pelo investigador da IBM 3, Hans Peter Luhn que, em 1958, define business como um conjunto de atividades desenvolvidas para um qualquer fim, seja ciência, tecnologia, comércio, indústria, lei, governo, defesa, etc. (Luhn, 1958, p. 314). O mesmo autor define também intelligence como "a capacidade de apreender as inter-relações dos fatos apresentados de tal forma a orientar a ação em direção a um objetivo desejado" (Luhn, 1958, p. 314). O BI tem sido então, ao longo dos anos, definido por inúmeros autores que tentam captar a essência e explicar a amplitude do significado por detrás do termo. Considerando as múltiplas definições que se podem encontrar, fruto das pesquisas de um leque de diferentes

13 autores que, de alguma forma, se dedicaram a estudos que envolvem este termo, Chee et al. (2009) defendem a existência de três pontos de vista sobre os quais o conceito de BI tem sido descrito. São encontradas definições que têm em conta uma abordagem de gestão, e focam o conceito de BI em termos de um processo de recolha de dados, a partir de fontes internas e externas, e de análise dos mesmos, a fim de gerar informações relevantes com vista a uma melhor tomada de decisão. Outras que seguem uma abordagem tecnológica, concentrando a definição do termo nas ferramentas e tecnologias que permitem a gravação, recuperação, manipulação e análise da informação. Por último, as que respeitam uma abordagem de produto, descrevendo o BI como o resultado/produto de uma detalhada análise aos dados do negócio, bem como das práticas de análise utilizando ferramentas de BI. De acordo com o que é analisado neste estudo, e tendo em conta as categorias consideradas anteriormente, segundo Chee et al. (2009) o conceito que cobre transversalmente todas as abordagens e, como tal, o mais completo em termos de alcance e abrangência, pertence a Turban et al. (2007) que definem o BI como um termo genérico que engloba ferramentas, arquiteturas, bases de dados, armazéns de dados, gestão de desempenho, metodologias, e assim por diante, todos integrados num pacote de software unificado Evolução Histórica Na década de 1960, as primeiras aplicações informáticas foram desenvolvidas para fins científicos e para o processamento de transações (Watson, 2009). Estas transações, de cariz exclusivamente operacional, denominam-se de Sistemas de Processamento de Transações 4 (TPS) e caracterizam-se pelo seu baixo nível de complexidade, e pela sua alta 4 Transaction Processing Systems (TPS) 4

14 frequência. Nessa altura, a informação que se gerava nos relatórios era ínfima e muito limitada, servindo apenas propósitos operacionais. Não demorou muito tempo até que o amadurecimento da tecnologia, as necessidades das empresas, e a visão dos estudiosos pioneiros levasse ao aparecimento das primeiras aplicações de apoio à decisão. Assim, a conjuntura auxiliou na disseminação e propagação desta ideia e apareceram os Sistemas de Informação de Gestão 5 (MIS) (Watson, 2009). O objetivo destes sistemas, destinados a um nível de gestão intermédio, é disponibilizar a informação dos TPS para a tomada de decisão, acrescentando em relação aos últimos algum reporte de dados, embora muito limitado. O conteúdo gerado era demasiado extenso, com a agravante de não ser suficientemente útil aos gestores (Arnott & Pervan, 2005). Importa também fazer referência aos modelos de simulação e otimização, associados aos Métodos Científicos de Gestão 6 (MS/OR), que têm o propósito científico de encontrar soluções ótimas para problemas muito repetidos e que já estão catalogados, seguindo assim um processo sistemático, na tentativa de apoiar tomada de decisão. Isto porque, é através da conjugação destes dois tipos de sistemas (MIS e MS/OR) que, no espaço de tempo entre o final dos anos 60 e o início dos anos 70, surgiu uma nova área emergente à qual se deu o nome de Sistemas de Apoio à Decisão 7 (SAD) (Watson, 2009). Estes sistemas, utilizados sobretudo por gestores de nível intermédio para a tomada de decisões já mais complexas, são definidos por Turban et al. (2007) como um sistema de informação que combina modelos e dados numa tentativa de resolver os problemas semiestruturados e não-estruturados com o envolvimento intensivo do utilizador. Ou seja, através destes sistemas os gestores já podem identificar, avaliar e optar utilizando, quer os modelos matemáticos, quer os dados facultados por outros sistemas, quer ainda a informação que é introduzida pelo próprio decisor. 5 Management Information Systems (MIS) 6 Management Science/Operations Research (MS/OR) 7 Decision Support Systems (DSS) 5

15 Com o passar do tempo, o apoio à decisão foi sofrendo alterações tendo-se desenvolvido, na década de 80, outras aplicações denominadas de Sistemas de Informação Executiva 8 (EIS). Watson (2009, p. 509) considera que este é um sistema que fornece aos executivos o acesso facilitado a informação interna e externa que é relevante para a definição dos seus fatores críticos de sucesso (FCS). As grandes novidades decorrentes destes sistemas recaem sobretudo no aparecimento do apoio mais ao nível estratégico, e num maior foco para a análise e monitorização dos dados. Apesar disso, estes sistemas não oferecem ainda recursos de análise suficientes para os gestores conseguirem explicar, diagnosticar e compreender de forma clara os dados que lhe são apresentados. Além disso, não permitem prever os efeitos das decisões internas que tomam, nem perceber o impacto de outras situações que possam ser impostas à organização por forças exteriores. Olszak & Ziemba (2007) dizem que, nos últimos anos, os Sistemas de Informação (SI) anteriormente referidos têm vindo a sofrer uma desatualização, já que as suas principais funcionalidades originais perderam relevância. Estes sistemas nem sempre correspondem às expectativas de quem toma decisões, não conseguindo lidar com aspetos referentes à integração dos dados, interpretação eficaz desses dados em diversos contextos, ou descoberta de relações de interdependência entre os mesmos. Posto isto, e por forma a conseguir reagir com rapidez às constantes mudanças observadas no mercado, urgia o aparecimento de sistemas que fossem capazes de levar a cabo análises mais completas às organizações e aos ambientes que as rodeiam. Surgem então os Sistemas de BI (BI), na sequência dos rápidos progressos tecnológicos e do aparecimento da Internet. Olszak & Ziemba (2007) referem que estes são sistemas mais capazes de enfrentar as exigentes necessidades das organizações contemporâneas. Essas capacidades incluem a recolha, integração, agregação e análise multidimensional dos dados provenientes de várias fontes de informação. Fornecem então informações adequadas, credíveis e atualizadas, no que respeita às atividades empresariais. A Figura 1 mostra a 8 Executive Information Systems (EIS) 6

16 evolução no tempo dos vários sistemas já mencionados, em termos do nível de complexidade. Figura 1 Evolução dos Sistemas de Informação na Origem do BI Adaptado de Olszak & Ziemba (2007) Mais recentemente, os Sistemas de BI sofreram uma evolução, agregando agora em si uma componente analítica. Para uns, essa introdução transformou por completo a noção que se tinha de BI até então, e fazem questão de diferenciar esta nova área, denominando-a de Business Analytics (BA). É o caso da Gartner, que faz a distinção entre os dois termos no seu glossário, afirmando que BI é Já o BA é definido como um um termo abrangente que inclui as aplicações, infraestruturas e as ferramentas e melhores práticas que permitem o acesso e a análise de informações para melhorar e otimizar decisões e desempenho (Gartner, 2013). conjunto de soluções usadas para construir modelos de análise e simulações para criar cenários, compreender realidades e prever estados futuros. BA inclui data 7

17 mining, análise preditiva, análise aplicada e estatística, e é entregue ao consumidor na forma de uma aplicação adequada ao mesmo (Gartner, 2013). Desta forma, nesta versão que separa os termos, entende-se que a grande diferença reside no facto do BI estar associado fundamentalmente à visualização dos dados e monitorização de indicadores de performance 9 (KPI) (ver secção ), enquanto o BA parte desse ponto e vai mais além, permitindo ao utilizador a análise e interpretação desses dados, ou seja, pressupõe um acompanhamento quantitativo e qualitativo da informação produzida (Gnatovich, 2006). Por outro lado, autores como Chen, Chiang, & Storey (2012), defendem que os dois conceitos podem ser considerados sinónimos e que devem até ser usados como um único termo unificado, considerando o BI indissociável da sua componente analítica. Para vincar essa ideia, surge então o termo Business Intelligence and Analytics (BI&A) Arquitetura de um Sistema de BI De acordo com Chaudhuri, Dayal, & Narasayya (2011, p. 88), um sistema de BI define-se como um conjunto de tecnologias que apoiam as decisões das empresas e que se destinam a permitir que gestores consigam tomar melhores e mais rápidas decisões. Na mesma linha de ideia, Costa & Santos (2012, p. 3) referem-no como um sistema que integra um conjunto de ferramentas e tecnologias, normalmente utilizadas para extrair, integrar, analisar e disponibilizar informação com qualidade, de forma a apoiar os gestores das organizações no processo de tomada de decisão. Esse apoio prestado às empresas em geral, e à sua necessidade de gerir a informação em particular, é feito a três níveis, segundo Olszak & Ziemba (2007). Ao nível estratégico, um sistema de BI torna possível estabelecer objetivos com precisão e acompanhar a realização desses objetivos estabelecidos. 9 Key Performance Indicators (KPI) 8

18 Ao nível tático, estes sistemas permitem otimizar ações futuras e modificar aspetos organizacionais, financeiros ou tecnológicos de desempenho da empresa de forma adequada, a fim de ajudar as empresas a alcançar os seus objetivos estratégicos de forma mais eficaz. Por fim, ao nível operacional, os sistemas de BI são utilizados para executar análises ad hoc e responder a perguntas relacionadas com questões referentes às atividades da entidade. A Figura 2 representa um sistema de BI. A arquitetura sugerida é fruto de uma adaptação feita considerando três autores: Watson & Wixom (2007), Chaudhuri et al. (2011) e Costa & Santos (2012). Desta forma, nesta arquitetura são consideradas duas grandes atividade, pelas quais se repartem cinco grandes camadas, correspondentes a cinco ambientes diferentes. Em cada uma, são explicitados os diferentes elementos que as compõem. Figura 2 Arquitetura de um Sistema de BI Adaptado de (Costa & Santos, 2012), (Chaudhuri et al., 2011) e (Watson & Wixom, 2007) 9

19 Inicialmente e de uma forma muito genérica, como afirmam Watson & Wixom (2007), o BI é um processo que inclui duas grandes atividades primárias: entrada de dados e saída de dados. A primeira atividade, entrada de dados, também referida pelos autores como Data Warehousing, sugere comportar em si as três primeiras camadas da arquitetura descrita acima. Ou seja, de uma forma sumária, envolve a transferência de dados a partir de um conjunto de sistemas de origem, para um armazém de dados integrado. Os dados que são extraídos das fontes de dados são, posteriormente, transformados para que tenham significado e apoiem a tomada de decisão. Ainda dentro desta atividade é importante referir os metadados, que desempenham um papel chave no armazenamento de dados. Assim, os metadados descrevem os valores dos campos, os tamanhos, os intervalos, as definições dos campos, os proprietários dos dados, o período de latência e os processos de transformação. [ ] proporcionam transparência à medida que os dados se movem a partir das fontes em direção ao armazém de dados e aos utilizadores finais (Watson & Wixom, 2007, p. 96). Por outro lado, a segunda grande atividade, saída de dados, diz respeito às duas últimas camadas descritas na Figura 2. Esta atividade é apelidada pelos autores de Business Intelligence, referindo-se a aplicativos que acedem aos dados do data warehouse para, posteriormente, executar relatórios corporativos, OLAP, consulta e análise preditiva (Watson & Wixom, 2007, p. 97). Esta visão, explicada pelos referidos autores de forma muito simples e pouco exaustiva, serve apenas para compreender a ideia do fluxo de dados, nomeadamente a sua forma de entrada e saída, por detrás da complexa arquitetura de um sistema de BI. Seguidamente serão descritas de forma mais aprofundada, e por outros autores, as várias camadas que constituem a arquitetura representada na Figura 2, bem como serão definidos todos os elementos que compõem cada um dos ambientes, para claro entendimento de todo o processo e de todos os conceitos subjacentes. 10

20 Ambiente de Fonte de Dados Primeiramente, o ambiente de fonte de dados comporta todas as origens dos dados que vão suportar o sistema (Costa & Santos, 2012). Os dados provenientes de várias fontes, internas e/ou externas à organização, são integrados numa Base de Dados Operacional (BDO). Aqui são então registados os dados relativos às operações decorrentes do normal funcionamento das empresas e que tem que ser registado: dados dos clientes, dados dos produtos, registos de encomendas, entregas, faturas, recibos, etc. Estas bases de dados são alimentadas pelos TPS (ver secção 2.2.), e encarregam-se então da integração dos dados. Estes dados chegam à BDO vindos de múltiplas fontes, de forma desintegrada e com um nível de redundância enorme, tendo que se proceder à filtragem/limpeza, organização e estruturação dos mesmos, garantindo o seu armazenamento eficiente Ambiente de Movimentação de Dados Posteriormente, no ambiente de movimentação de dados, realiza-se o processo de Extract, Transform, Load (ETL). Este procedimento utiliza ferramentas apropriadas que fazem a extração e o tratamento dos dados, provenientes das fontes anteriormente mencionadas. Depois procede-se à transformação dos dados, feita através da sua manipulação, que pode ser maior ou menor consoante a origem desses dados. Esta transformação tem em vista a uniformização dos dados para um formato que possa ser carregado. Finalmente efetua-se o dito carregamento dos dados para o repositório de dados, nomeadamente o Data Warehouse (DW). Este processo de carregamento pode acontecer com mais ou menos frequência, dependendo das necessidades de cada empresa (Costa & Santos, 2012) Ambiente de Data Warehouse De seguida, surge o ambiente de Data Warehouse. Contrariamente à BDO, o DW comporta em si o mesmo conjunto de dados oriundos de diferentes fontes, mas que passaram pelo processo de ETL e que, como tal, já estão integrados, com um nível de 11

21 redundância mínimo, ou seja, consolidados. Um exemplo típico desta diferença é que na BDO pode ser guardada apenas a última versão de um determinado dado/valor, enquanto num DW é guardado o histórico da evolução desse dado/valor. O DW é geralmente acedido através de Data Marts (DM). Estes são como subconjuntos do DW, que servem para aceder a pontos específicos do DW e responder a questões particulares de diferentes utilizadores. (Costa & Santos, 2012). Apesar de anteriormente já ter sido mencionado, atingindo esta fase, é importante reforçar o papel dos metadados. Esta é uma ferramenta essencial na gestão do DW quando chega o momento de converter os dados em informação efetiva e com valor para o negócio. São os repositórios de metadados que, no fundo, conferem valor aos dados Ambiente de Servidores Mid-tier Imediatamente a seguir, o ambiente de servidores mid-tier, é a fase onde é possível, através do acesso ao DW ou DM, trabalhar os dados recorrendo a ferramentas (ver Figura 2) que permitam gerar informação relevante para a tomada de decisão e disponibilizar essa informação aos gestores (Costa & Santos, 2012). Assim, os autores consideram: Os sistemas On-Line Analytical Processing (OLAP), que são suportados pelo DW e possibilitam fazer uma análise aos dados sobre diversas perspetivas, criando um panorama multidimensional que, posteriormente, é utilizado para gerar relatórios, planos de otimização, modelagens, e outro tipo de análises. Para perceber a diferença, estes sistemas surgem em contraponto com os sistemas On-line Transaction Processing (OLTP), cuja tarefa é o processamento e monitorização dos dados relativos às operações decorrentes do normal funcionamento das empresas, por forma a gerar relatórios de caracter operacional. A técnica de data mining, que permite uma análise exaustiva dos dados de maneira a construir modelos preditivos e descortinar possíveis padrões existentes, extraindo conhecimento e auxiliando na resposta a questões específicas. 12

22 Os servidores de relatórios, que representam uma componente de software que permite a definição, eficiente execução e a emissão de relatórios a pedido de diferentes utilizadores/interfaces a partir de, por exemplo, análises OLAP Ambiente de Análise ao Negócio (Aplicações Front-end) Por último, o ambiente de análise ao negócio, ou simplesmente aplicações frontend, que permitem a apresentação da informação de diversas formas, como dashboards, tabelas, gráficos, consultas ad hoc e outras ferramentas iterativas de análise multidimensional. Esta informação possibilita uma análise mais intuitiva e compreensível que permite avaliar e acompanhar o desempenho do negócio através da monitorização de indicadores de performance (KPI) definidos pela empresa (Costa & Santos, 2012). Os KPI são, segundo Turban et al. (2011), um dos elementos chave inerentes à abordagem de Business Performance Management (BPM) que os autores definem como um conjunto integrado de processos, metodologias, métricas e aplicações criadas para impulsionar o desempenho financeiro e operacional global de uma empresa, através da monitorização e gestão da performance. Os KPI são então medidores do desempenho de um processo ou da performance de uma empresa, tendo em conta os objetivos estratégicos traçados. Através dos dashboards, interfaces que organizam e apresentam a informação aos utilizadores de forma a facilitar a sua leitura e análise, os sistemas de BI utilizam os KPI no intuito de averiguar a situação atual dos negócios relativamente aos objetivos estabelecidos. Tratando-se de indicadores, os valores dos KPI estão permanentemente a alterar-se e o seu acompanhamento deve ser feito de uma forma continuada, sendo esse o papel dos dashboars. Assim, perante as informações obtidas através destas aplicações, cabe aos gestores a responsabilidade de tomar decisões perante os cenários encontrados. 13

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio http://www.uniriotec.br/~tanaka/sain tanaka@uniriotec.br Visão Geral de Business Intelligence Evolução dos Sistemas de Informação (computadorizados) 1950 s:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Luciano Ramos Coordenador de Pesquisas de Software IDC Brasil A América Latina enfrenta

Leia mais

Uma peça estratégica para o seu negócio

Uma peça estratégica para o seu negócio Uma peça estratégica para o seu negócio INFORMAÇÃO GERAL DA EMPRESA CASO DE SUCESSO EM IMPLEMENTAÇÃO BI PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundada em 1997, Habber Tec é uma empresa especializada na oferta de soluções

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Sistema de Business Intelligence no suporte à Gestão Estratégica. Resumo

Sistema de Business Intelligence no suporte à Gestão Estratégica. Resumo Sistema de Business Intelligence no suporte à Gestão Estratégica Caso prático no comércio de equipamentos eletrónicos Sérgio Costa 1, Maribel Yasmina Santos 2 1) Centro de Investigação ALGORITMI, Universidade

Leia mais

Dashboards dinâmicos para executivos

Dashboards dinâmicos para executivos dos produtos SAP Soluções SAP Crystal SAP Crystal Dashboard Design Objetivos Dashboards dinâmicos para executivos Transforme dados complexos em dashboards atraentes e interativos Transforme dados complexos

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Governança do BI O processo geral de criação de inteligência começa pela identificação e priorização de

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA

BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA Marcio Rodrigo Teixeira e Mehran Misaghi Instituto Superior Tupy (IST) / Sociedade Educacional de Santa Catarina (SOCIESC) Campus Boa Vista, Joinville,

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a otimização da seleção e recrutamento, a correta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a avaliação

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

BusinessRX para Consultores ou Diretores Financeiros

BusinessRX para Consultores ou Diretores Financeiros Business Report expert BusinessRX para Consultores ou Diretores Financeiros Descubra como obter sucesso com o BusinessRX e a modelação de mapas de gestão inteligentes e interativos, que podem ajudá-lo

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE

Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Teoria de Negócios... 5 3. Profi ssionais de BI... 6 4. Verdades e Mitos

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 06 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 278 à 285 1 AULA 06 APOIO ÀS DECISÕES DE E BUSINESS 2 E business e Apoio

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI Matriz: Av. Caçapava, 527 CEP 90.460-130 Tecnopuc: Av. Ipiranga, 6681 Prédio 32 Sala 109 CEP 90.619-900 Porto Alegre - RS, Brasil Contate-nos: +55 (51) 3330.7777 contato@dbccompany.com.br www.dbccompany.com.br

Leia mais

Alternativas de Integração de Dados Gerenciando Valor e Qualidade

Alternativas de Integração de Dados Gerenciando Valor e Qualidade Soluções para Possibilitar Relacionamentos Duradouros com Clientes Alternativas de Integração de Dados Gerenciando Valor e Qualidade Utilizando uma abordagem regulada para incorporar serviços de qualidade

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral Sistemas de Apoio à Decisão Vocabulário e conceitos Vista geral Decisão A escolha de uma entre várias alternativas Processo de tomada de decisão (decision making) Avaliar o problema Recolher e verificar

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

Acelere a sua jornada à nuvem

Acelere a sua jornada à nuvem Boletim técnico Acelere a sua jornada à nuvem Arquitetura de nuvem convergente da HP Índice Uma nova computação para a empresa... 2 Evolua a sua estratégia de TI para incluir serviços da nuvem... 2 A nova

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

O Desenvolvimento de Sistemas de Informação como campo privativo do Administrador

O Desenvolvimento de Sistemas de Informação como campo privativo do Administrador O Desenvolvimento de Sistemas de Informação como campo privativo do Administrador Com o advento da Escola Clássica da Administração, Taylor e Fayol proporcionaram para o mundo corporativo um método científico

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais