Revista Espaço Acadêmico, nº 89, outubro de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Espaço Acadêmico, nº 89, outubro de 2008 http://www.espacoacademico.com.br/089/89rosa.pdf"

Transcrição

1 Revista Espaço Acadêmico, nº 89, outubro de Origens sociais, estratégias de ascensão e recursos mobilizados nos trajetos escolares de universitários da Casa de Estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Ederson Helio Antunes da Rosa * Os principais objetivos deste artigo consistem na apresentação de parte dos resultados preliminares de uma pesquisa sobre as estruturas de capitais no sistema de ensino superior, cujo tema central é a inserção de estudantes menos favorecidos economicamente nos cursos de maior prestígio na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (a partir daqui denominada como UFRGS). O foco principal da análise é descrever os percursos dos discentes em dois momentos: antes e depois do vestibular. Pretende-se, assim, compreender a relação dos efeitos das origens sociais no acesso à universidade e a manutenção dentro da instituição universitária com a política de assistência estudantil Assim, o objetivo do trabalho é de analisar de que forma, contando com quais recursos e em quais condições estes estudantes lograram sua inserção na universidade em cursos de prestígio e, concomitante, analisar as práticas às quais se dedicaram a fim de conquistarem estas posições e o que contavam como recursos válidos enquanto investimentos no sistema de ensino. Em outras palavras, tomando por referência a família nuclear de origem dos estudantes (pai e mãe, incluso irmãos), privilegia-se a análise dos investimentos colocados em prática: os bens econômicos ou, mais especificamente, as profissões e a renda familiar e os recursos educacionais, além da etnia do estudante e, ainda, como última vertente analítica, que atravessa as três anteriores, são ainda abordadas as proveniências sócio-territoriais dos estudantes. Através da observação das trajetórias dos estudantes procura-se dar resposta a questões como: qual a origem social destes moradores das Casas de Estudante? Que capitais sócioeducacionais detêm os seus familiares? Quais são as condições sociais e familiares que tornam possíveis e inteligíveis esses destinos escolares? Como hipótese inicial de trabalho foi pressuposto que os estudantes de graduação das Casas de Estudante fizeram prioritariamente um investimento no seu trajeto escolar, percurso este que mobilizou acúmulos de variada ordem (econômico, cultural, social) como tática de ascensão, o qual resultou na aprovação no concurso vestibular da UFRGS. Em outras palavras, que a inclinação para a inserção no sistema de ensino universitário pode ser determinada pela inserção em redes sociais onde as estratégias escolares são valorizadas como a principal forma de manutenção e/ou fortalecimento da posição social. O trabalho se justifica pelo fato do estudo de trajetórias (em um recorte temporal) contribui para a análise de aspectos relativos às estruturas institucionais do sistema de ensino superior que sofreram uma expansão com a abertura de novos cursos, no Rio Grande do Sul e análogo ao Brasil. Ou seja, o estudo ora proposto visa investigar as lógicas e sentidos atribuídos à educação, com a análise de trajetórias sociais. Busca-se apreender os condicionantes e os efeitos de um campo de práticas cujas lógicas, as condições de existência e o funcionamento constituem uma das dimensões do problema com o qual a pesquisa se defronta. * Bacharel em Ciências Sociais/UFSM. Discente do PPG em Ciência Política Mestrado/UFRGS (Bolsista Capes).

2 O enfoque empírico deve, neste sentido, permitir que se selecione um grupo de indivíduos cujo traço comum é terem construído sua trajetória em função da inserção no sistema de ensino superior em cursos concorridos. Assim, os cursos intencionalmente recortados são: Medicina, Ciências Sociais e Jurídicas Direito, Engenharia Elétrica e Engenharia Metalúrgica. A taxa de candidato vaga, respectivamente, no concurso vestibular do ano de 2007 foi de: 36,28; 22,13; 7,65 e, por último, 6,89. Como instrumento de coleta dos dados, utilizou-se de questionário com entrevista tópica, sendo suas questões semi-abertas. O explicitamento da finalidade da pesquisa foi colocado em primeiro plano desde o início da abordagem com os estudantes, tentando dialogar numa perspectiva que fosse percebida e interpretada pelos pesquisados e, pela minha parte, reduzir as distorções que do encontro resultam, pelo que pode ser dito, pelas censuras e as incitações que encorajaram a problematizar. O estudo baseia-se, portanto, num corpus formado por cinco entrevistas. Sem pretender nem poder responder a todas as questões de modo cabal e completo no espaço deste artigo, opta-se pela apresentação de alguns aspectos pertinentes e relevantes do grupo estudado, com a finalidade principal de abrir o debate e colaborar de forma teórica e metodológica. Todos os estudantes residem no alojamento da Casa de Estudante da UFRGS. Mantido pela instituição o referido alojamento têm em suas dependências 389 estudantes de graduação e pós-graduação. Para morar no estabelecimento é preciso que o estudante tenha uma renda per capita de no máximo dois salários mínimos e ser oriundo de fora de Porto Alegre ou sua região metropolitana. Dos cinco entrevistados, notou-se uma homogeneidade no que se refere à região do estado do Rio Grande do Sul. Pois todos são oriundos de municípios do interior do Rio Grande do Sul, com população superior a 45 mil habitantes. Uma vez que com as infra-estruturas que as cidades-pólo têm, como é o caso aqui, estas podem ser altamente preservadas em contraponto a multiplicação de estabelecimentos nas periferias desafortunadas. Os estudantes são provenientes das zonas de colonização, compreendendo a região da Serra e Planalto do Rio Grande do Sul. Um fator a ser notado é de que nenhum dos entrevistados se declarou afro-descendente, refletindo a probabilidade de um branco ingressar nos bancos escolares do ensino superior que hoje é, no Brasil, 137 vezes superior a de um negro. E se colocarmos os cursos aqui examinados, creia-se que esta cifra irá ser maior ainda 1. O percentual de negros com diploma universitário no Brasil equivale ao dos Estados Unidos dos anos 40, quando leis segregacionistas estaduais impediam negros de freqüentar, como alunos, universidades para brancos. Equivale ao percentual de negros com diploma na África do Sul, durante o apartheid (PNAD, 2005). Esta emergência de democratização do ensino de terceiro grau decorre, em maior ou menor grau, primeiro, pela expansão do aparelho escolar do ensino fundamental e do ensino médio a setores socialmente mais amplos. Um segundo fator é derivado do processo de urbanização e diversificação da economia gaúcha, com a constituição de uma classe média com uma relativa posse de capital cultural (Bourdieu, 1983). Esta posse permite galgar os postos antes vinculados somente a uma restrita parcela populacional, além de redefinir e reafirmar a identidade étnica dos grupos oriundos de colônias de imigração do Rio Grande do Sul. 1 No concurso vestibular 2008 a UFRGS terá uma modalidade de inserção pelas cotas, sejam elas a descendentes africanos oriundos de escola pública, ou a estudantes de escola pública somente, a qual gerou polêmica e debates acalorados dentro da instituição. 2

3 No que se refere ao sexo dos entrevistados, todos são masculinos, o que pode ser destacado pelo fato das profissões mais tradicionais e, portanto, mais rentosas, onde se concentrarem os homens. Como afirma Establet e Boudelot (1992) em estudo realizado na França, as meninas têm as melhores notas, no entanto, como os símbolos da seleção e da competição escolares são a matemática, a física e a tecnologia, estas atraem mais os garotos. "As garotas têm tendência a subestimar suas competências nas áreas de conotação tradicionalmente masculina, quando estão na presença de garotos" (ESTABLET e BOUDELOT, 1992: 68). Assim, a aversão das jovens a se engajar nas áreas hegemonicamente reconhecidas coloca em jogo os traços culturais do modelo oferecido às mulheres: interesse mais reduzido pelo conhecimento racional da natureza, menor interiorização dos valores de competição, mais forte incerteza quanto ao investimento profissional em carreiras de prestígio. Enfim, pensei em fazer (o curso) de medicina porque me recompensaria em termos econômicos o meu esforço (estudante de medicina). Até pensei em fazer matemática, mas daí seria professor, isso é uma profissão das mulheres (estudante de engenharia elétrica). O magistério não te recompensa como a carreira do direito (estudante de direito). Os trajetos escolares no ensino fundamental foram todos realizados no ensino público, sendo que no ensino médio dos cinco alunos, três realizaram em escolas particulares, com bolsa de ensino total durante os seus três anos. Esses três que usaram a educação privada, dois obtiveram o auxílio de gratuidade por estudarem em escolas de internato católico, para a formação eclesiástica. Já outro, que usufruiu do ensino particular, conseguiu a mesma bolsa por intermédio de um parente próximo, que trabalhava no colégio onde cursou seus estudos. Todo o grupo de estudantes investigado nunca sofreu reprovação ao longo da escolaridade básica (ensino fundamental e médio). Aos que fizeram seus estudos em instituições privadas, a manutenção a esta era derivada de uma obtenção de notas altas, sendo a reprovação uma das formas de perder a bolsa. Para me manter na escola tinha que ter a nota boa, senão voltava para casa (estudante de direito). A nossa vida era muito rígida, horário para estudar, comer e rezar (no ensino médio de escola confessional católica) (estudante de medicina). A idade escolar de entrada na UFRGS a todos os estudantes foi tardia, não foi nem no primeiro e nem no segundo vestibular que se obteve a aprovação, um custo social de espera e dedicação. Nas trajetórias dos cinco estudantes, três eram oriundos de outros cursos, mais fáceis de passar (estudante de engenharia metalúrgica), seja na UFRGS ou em outra instituição privada. Uma ampla maioria utilizou de cursos pré-vestibular, os cursinhos, por um período de um ano ou usava grupos de estudos para não precisar pagar o pré-vestibular. Saía do emprego e ia direto ao cursinho, era exaustivo (estudante de engenharia elétrica). Bah, não era fácil. Aula de noite, o trabalho de dia, final de semana era folgar do serviço e estudar e estudar (estudante de direito). A escolha pela UFRGS 2 deveu-se, primordialmente, ao seu caráter público e gratuito e a política de assistência estudantil a todos os entrevistados. Esta mesma afirmação foi feita aos irmãos dos alunos, os quais fizerem ou faziam algum curso, seja na UFRGS, ou outra instituição pública. O que confere aos dados um maior significado. Comecei até a fazer um curso na particular, com o Fies (Programa de Financiamento de Ensino), mas vi que eu iria enrolar uma corda no pescoço com aquela dívida (estudante de engenharia elétrica). Pra minha irmã eu falei: o melhor é a UFRGS, melhores professores, 2 A UFRGS é a segunda maior universidade federal do país, com prestígio e conceituação. Seu vestibular é altamente seletivo, ainda maior este número de seleção nos cursos dos estudantes aqui analisados. 3

4 melhor estrutura que lá no interior, até mesmo se fazer um curso para professora, pois há mestrado, doutorado (estudante de medicina). Já aos seus irmãos, as escolhas dos cursos foram pulverizadas, seja na área da saúde, ciências humanas ou ciências exatas, mas a maioria (três dos cinco casos) com cursos com menor densidade de candidato/vaga ou outro caso que decidiu cursar engelharia civil, quando o irmão cursava engenharia elétrica. No caso do irmão ser do sexo feminino - dois casos estas optaram por cursos da área da educação. Os dois casos onde os irmãos não tinham feito um curso superior, um optou pelo funcionalismo público com a sua estabilidade de emprego e outro fez um curso técnico e trabalha na área. A profissão dos pais dos entrevistados se restringia a ocupações de vendedor do comércio varejista e um serviço gerais do funcionalismo público de escola estadual (no caso dos dois em vida). Nos outros três casos, teve-se a falência do pai ou não convivência com o mesmo, sendo apenas uma das mães ainda casada com o esposo pai do estudante. O grau de instrução dos pais da maioria era o ensino fundamental incompleto, apenas um tinha terminado o ensino médio e outro tinha abandonado o mesmo. Já a profissão das mães era de costureira, professora do ensino fundamental (dois casos, ambas já aposentadas), uma funcionária de escola estadual e uma vendedora do comércio varejista. Ou seja, todas estavam inseridas no mercado de trabalho formal, sendo das cinco mães, três eram profissionais da área da educação. O que dava uma seguridade nas escolhas, motivações e inserção dentro do sistema de ensino, desde precocemente. E as outras duas mães, uma como costureira, outra com a profissão de vendedora, vinculam suas profissões em gostos e estilos de vida, aquela ajuda para escolher o produto, o bom trato com o gosto ou as disposições sociais e intelectuais herdadas da convivência e familiaridade com o ethos da classe dominante. O grau de instrução das mães não passava do ensino fundamental, sendo três com o mesmo completo. O que se nota em grande maioria dos casos é o desaparecimento da figura paterna, um aspecto também ressaltado por Bourdieu (1986) e deste conjuntamente com Monique Saint Martin (1987), em especial quanto a estrutura de família de origem e o peso relativo que cabe a mãe (ou a sua linhagem) nessa estrutura (BOURDIEU e SAINT MARTIN, 1987: 33). Análogo a esta forma, Sérgio Miceli (1979), em estudo sobre o recrutamento dos intelectuais brasileiros entre o interregno de 1920 a 1945, onde o autor sublinha o papel mais presente da mãe, a morte ou a falência do pai, o absenteísmo patriarcal como fatores que determinam o surgimento de intelectuais e a inserção dos filhos no sistema de ensino superior. Outro fator a ser ressaltado, é a taxa de fecundidade, pois o maior número de irmãos dos cinco estudantes eram dois, ou seja, perfazendo no máximo três irmãos no grupo familiar. Com a limitação de nascimentos que é uma forma de numerus clausus, é uma tática à passagem pela porta estreita que dá acesso aos melhores cargos, advindos de uma admissão na carreira universitária. A vida familiar enquanto matriz norteadora e catalisadora de recursos à sua prole: A renúncia da prolificidade, escolhendo a reprodução restrita e seletiva, vivendo de forma mesquinha. [tal qual às estratégias de ascensão postas em prática pela pequena burguesia francesa] (BOURDIEU, 1979: 296). A renda familiar dos cinco entrevistados não passava de cinco salários mínimos, sendo três com renda total de quatro salários mínimos nacionais. Segundo os dados do Perfil e representações dos estudantes de Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003), estudo realizado no ano de 2002, o intervalo de classe para renda familiar de até três salários mínimos é a menor entre todos os estudantes, perfazendo apenas 6,9 por cento, enquanto que mais de 4 a 6 salários mínimos era de 17 por cento, sendo que o maior intervalo 4

5 fica na renda familiar de 7 a 10 salários mínimos, com 25, 2 por cento3. Assim, estes estudantes moradores da Casa de Estudante se enquadrariam nos 23,9 por cento de estudantes, tomando em conta que esses dados não estão estratificados em cursos, pois os cursos de Medicina, Direito e Engenharia Elétrica e Engenharia Metalúrgica teriam a sua clientela uma fonte de sustento mais elevada comparado aos cursos de Licenciatura e Bacharelado da instituição, a clientela a usar mais a política de assistência estudantil da Casa de Estudante. Os cincos alunos relataram que em seus trajetos escolares tiveram a ajuda, o empenho, as dicas, os macetes, seja de profissionais da área educacional (na pesquisa se objetivou três mães profissionais da educação) ou de profissionais da área escolhida, usando de recursos da rede de sociabilidade: busca de apoio e recursos de parentes abonados, ou de instituições religiosas, relações de amizade e conhecidos das informações para com a UFRGS. Seja a de que havia Casa de Estudante onde não se paga aluguel, nem água, nem luz ; ou do RU [Restaurante Universitário] que cobra R$ 0,50 o almoço ou a janta. Em todos os casos, os relatos são de boa vontade cultural em aprender, de ter disciplina no estudo, hora para ler, hora para se divertir (estudante de direito). A disciplina escolar, é, antes de tudo, uma disciplina temporal e, se consideramos que o trabalho pedagógico tem por objetivo substituir o corpo selvagem [...] por um corpo habituado, ou seja, temporalmente estruturado [...] (BOURDIEU, 1972: 296). Concluindo, o esforço de compreender as condições e os processos sociais e culturais em que os estudantes constituíram a sua alocação no sistema de ensino leva em consideração o princípio de classificação, legitimação e definição que estes mesmos têm para com a educação. A inserção no sistema de ensino em cursos de prestigiados pode ser atribuída por uma forte implantação de seus investimentos para se inserir dentro da instituição educacional. Isto se atesta do ponto de vista recente com a escolha de seu respectivo curso de graduação com alta taxa de candidato/vaga, a escolha da UFRGS e a realização de pré-vestibular, por exemplo; ou numa perspectiva diacrônica, de toda a sua trajetória escolar nos ensinos primário e médio, sendo três casos com a passagem pelo ensino médio privado com bolsa. Estas estratégias, que não se confessam jamais como tais - a ambição escolar, como analogia à taxa de fecundidade ou até a escolha do cônjuge, retraduzem a ambição/disposição à ascese para a ascensão e/ou manutenção de sua classe social. O valor da educação no mercado de trabalho é em grande parte posicional, ou seja, quem tem mais educação tende a levar vantagem, mesmo que seus conhecimentos e competências não sejam especificamente requeridos ou adequados para determinados empregos. Em outros termos, as estratégias colocadas em ação nesta sorte de mercado do sistema de ensino superior não podem ser analisadas, bem entendido, fora das dinâmicas sociais muito mais amplas que lhes emprestam sentido e determinam, em boa parte, as suas chances de sucesso, prolongamento e manutenção no sistema de ensino. A planificação da inserção no ensino superior, a antecipação da existência, não vivendo um dia após o outro de forma onírica como é o caso das classes populares, tem como sentido de que a escolarização é uma oportunidade a ser agarrada, e de que se modelam os estudantes pelo percurso escolar para além da escolaridade obrigatória. Onde a inclinação para a inserção 3 Estudo que foi usado como fonte de pesquisa, com informações apenas para caracterizações descritivas, pois já estão agregados os dados, não podendo ser feito o processamento e aplicação de outros testes estatísticos com os dados individualizados, além de que, já de antemão, fica explícito que este mesmo trabalho toma como sua a preocupação dos alunos e/ou seus responsáveis (como desvendar o infortúnio ou aprovação no vestibular) e também a utilização nas lutas corporativas e políticas e ideológicas entre o sistema de ensino público e o sistema de ensino privado, ou seja, tendo outros objetivos, critérios idiossincráticos, utilização e validade prática parcial dos dados recolhidos. 5

6 escolar em cursos tradicionais de direito, medicina e engenharias pode ser determinada pela inserção em redes sociais onde as estratégias escolares são valorizadas como a principal forma de manutenção e/ou fortalecimento da sua posição social. Referências: BOUDELOT, Christian e ESTABLET, Roger. Allez les filles! Paris: Seuil, BOURDIEU, Pierre. La distinction. Critique sociale du jugement. Paris: Minuit, Homo Academicus. Paris: Minuit, Esquisse d une théorie de la pratique. Genève: Droz, Futuro de Classe e causalidade do provável. In: CATANI, Afrânio e NOGUEIRA, Maria Alice. Escritos de Educação. Pierre Bourdieu. São Paulo: Vozes, BOURDIEU, Pierre e SAINT MARTIN, Monique de. Agrégation et segregation des grandes écoles et le champ du pouvoir. In: Actes de la recherche en sciense sociales, nº 69, setembro 1987, p BOURDIEU, Pierre; BOLTANSKI, Luc e SAINT MARTIN, Monique de. As estratégias de Reconversão. In: Durand, José Carlos (Org.). Educação e Hegemonia de Classe - as funções ideológicas da escola. São Paulo: Zahar, MICELI, Sérgio. Intelectuais e classe dirigente no Brasil ( ). São Paulo: Diefel, Fontes utilizadas: IBGE. Pnad síntese dos indicadores. Brasília: IBGE, UFRGS. Perfil e representações dos estudantes de Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS,

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

SUCESSO NO VESTIBULAR FAVORECIMENTO ECONÔMICO E CULTURAL NO ÊXITO ESCOLAR

SUCESSO NO VESTIBULAR FAVORECIMENTO ECONÔMICO E CULTURAL NO ÊXITO ESCOLAR SUCESSO NO VESTIBULAR FAVORECIMENTO ECONÔMICO E CULTURAL NO ÊXITO ESCOLAR Tulyana Coutinho Bento Pereira (bolsista do PIBIC/CNPq), Guiomar de Oliveira Passos (Orientadora, Depto. de Serviço Social UFPI)

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem?

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem? FIES + P ROUNI A UNA, uma Instituição que faz diferença no tempo e no espaço que está inserida, que participa da comunidade e sabe da sua importância na formação de profissionais e de cidadãos, oferece

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP)

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) Pretendemos apresentar aqui os dados de um estudo exploratório, que é a primeira fase de

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Edital de Seleção de Bolsistas para o Projeto Vale do Jequitinhonha 2012. Edital de 07 outubro de 2011.

Edital de Seleção de Bolsistas para o Projeto Vale do Jequitinhonha 2012. Edital de 07 outubro de 2011. Edital de Seleção de Bolsistas para o Projeto Vale do Jequitinhonha 2012. Edital de 07 outubro de 2011. ADVJ Associação de Desenvolvimento do Vale do Jequitinhonha - abre edital para seleção de bolsistas

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PS 2014

PERGUNTAS FREQUENTES PS 2014 1) Como funciona o vestibular da UFPA? PERGUNTAS FREQUENTES PS 2014 A partir do Processo Seletivo 2014 (PS 2014), a UFPA passa a adotar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) como única fase do vestibular.

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ)

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) Sumário Executivo Avaliação Econômica do Programa Mais Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) O objetivo deste documento é descrever os resultados da avaliação de impacto realizada para o Programa

Leia mais

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Entre cursos com maior reprovação estão pedagogia, jornalismo e turismo. Falta de leitura e hábitos gerados pela internet são fatores motivadores.

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Política de Bolsas e Financiamentos

Política de Bolsas e Financiamentos Política de Bolsas e Financiamentos Queremos receber bons estudantes e torná-los excelentes alunos. Olhando para o futuro, também queremos que eles sejam os melhores profissionais do mercado. Sabemos que

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 GRAZIELLA MORAES SILVA 2 O debate sobre ações afirmativas no Brasil é geralmente tratado como uma questão

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 Este encarte Tendências aborda as manifestações populares que tomaram as grandes cidades brasileiras em junho

Leia mais

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 1. FIES O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

Equidade e Eficiência na Educação

Equidade e Eficiência na Educação Equidade e Eficiência na Educação Marcelo Neri Centro de Políticas Sociais /IBRE, REDE e EPGE Fundação Getulio Vargas O PAC Educacional recém-lançado pelo Governo Federal tenta colocar o tema educação

Leia mais

Objetivo construção de um cenário

Objetivo construção de um cenário Objetivo Levantar informações junto aos professores de Educação Física e aos diretores / vice diretores das escolas públicas brasileiras, de modo a permitir o mapeamento e a construção de um cenário sobre

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Prof. Dr. Daltro José Nunes Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática

Prof. Dr. Daltro José Nunes Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Prof. Dr. Daltro José Nunes Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Ações Afirmativas: Beneficiar Grupos Sociais - Candidatos de Escolas Publicas - Negros, Índios... Novo Paradigma:

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA

REFORMA UNIVERSITÁRIA Comentários da Profa. Dra. MARIA BEATRIZ LUCE (Coord. Núcleo Política Gestão Educação - UFRGS e membro CNE/ Brasil) Conferência DESAFIOS DA REFORMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ACESSO, EXPANSÃO E RELAÇÕES

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira O PULO DO GATO Luiz Carlos Bresser-Pereira Entrevista publicada em Synthesis no.3, maio 1992; 4-9. Melhorar de vida tem sido uma preocupação do homem desde o século X, na Idade Média, quando a invenção

Leia mais

TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS

TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS MUZZETI, Luci Regina - FCL/CAr-UNESP GT: Sociologia da Educação /n.14 Agência Financiadora:.

Leia mais

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos Samile Andréa de Souza Vanz 1 Glória Isabel Sattamini Ferreira 2 Patrícia Mallman Souto Pereira 3 Geraldo Ribas Machado 4 Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho

Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho SEMINFO/UFS/ITA 2012 Leonardo Nogueira Matos Outubro de 2012 Leonardo Nogueira Matos (DCOMP/UFS) Perfil do egresso dos cursos de

Leia mais

ANEXO II - QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL

ANEXO II - QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL ANEXO II - QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL Processo Seletivo Faculdade AMEC Trabuco 2005.1 Este questionário, que compõe o material de inscrição, tem o objetivo exclusivo de coletar dados socioculturais dos

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

Política de Bolsas e Financiamentos

Política de Bolsas e Financiamentos Política de Bolsas e Financiamentos Queremos receber bons estudantes e torná-los excelentes alunos. Olhando para o futuro, também queremos que eles sejam os melhores profissionais do mercado. Sabemos que

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOCIO-ECONÔMICO

QUESTIONÁRIO SOCIO-ECONÔMICO QUESTIONÁRIO SOCIO-ECONÔMICO SAE/Nº. Nome: Nº. de matrícula: Curso: Endereço: Contato: Fone Fixo ( ) Celular ( ) E-mail: PREZADO (A) ALUNO (A) ESTE QUESTIONÁRIO TEM COMO OBJETIVO CONHECER OS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação População conhece pouco a atual lei de cotas, mas acha que os partidos que não cumprem a lei deveriam ser punidos A maioria da população

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

Crédito Estudantil Ibmec

Crédito Estudantil Ibmec Crédito Estudantil Ibmec Queremos receber bons estudantes e torná-los excelentes alunos. Olhando para o futuro, também queremos que eles sejam os melhores profissionais do mercado. Sabemos que ter uma

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO Adriana Rosa da Silva Rodrigues - Enfermeira do Núcleo de Apoio ao Estudante - NAE. Érika Correia Silva - Psicóloga

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Anexo II. Perfil do egresso

Anexo II. Perfil do egresso Anexo II Dimensão 2 - A política para o ENSINO, a pesquisa, a pós- graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os Perfil do egresso A UNEMAT se organiza e planeja para

Leia mais

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 O Programa Universidade para Todos (Prouni) foi criado pelo Governo Federal em 2004 e tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais

Leia mais

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 4PRACOUT03 CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Alan Leite Moreira (1); Patrícia Roque Lemos (1); Profª. Vilma

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

História. Perfil Sócioeconômico e Cultural dos Vestibulandos e Ingressados: 2000-2003

História. Perfil Sócioeconômico e Cultural dos Vestibulandos e Ingressados: 2000-2003 Perfil Sócioeconômico e Cultural dos Vestibulandos e Ingressados: 2000-2003 História 1 Em que tipo de estabelecimento de ensino você cursou (ou cursa) o Ensino Médio? Todo em escola pública 41,8 40,6 44,7

Leia mais

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil O valor da educação Um aprendizado para a vida Relatório do Brasil A pesquisa O valor da educação é uma pesquisa do consumidor independente sobre tendências globais de educação realizada para o HSBC. O

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDOS INTEGRAL VESTIBULAR 2016 1

SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDOS INTEGRAL VESTIBULAR 2016 1 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR ( ) Nº Inscrição: ENEM ( ) Nº Inscrição: CURSO Administração ( ) Economia ( ) Engenharia ( ) DADOS DO CANDIDATO Nome: Data de Nascimento: / / Cidade Estado Idade: Sexo: feminino

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável?

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Dezembro de 2009 Por Vítor Wilher Essa é uma pergunta que parece atordoar todos aqueles minimamente preocupados com

Leia mais

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um 1. Introdução Tomo consciência de mim, originalmente, através do outro: deles recebo a palavra, a forma e o tom que servirão à formação original da representação que terei de mim mesmo. (BAKHTIN, 1992,

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA RESIDIR NA CASA DO ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO - CEU SEMESTRE DE 2014/2 EDITAL Nº 002/2014 UNEMAT

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA RESIDIR NA CASA DO ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO - CEU SEMESTRE DE 2014/2 EDITAL Nº 002/2014 UNEMAT PROCESSO DE SELEÇÃO PARA RESIDIR NA CASA DO ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO - CEU SEMESTRE DE 2014/2 EDITAL Nº 002/2014 UNEMAT DIRETORIA POLÍTICO, PEDAGÓGICO E FINANCEIRO A, por intermédio da DIRETORIA POLÍTICO,

Leia mais

Informações Gerais. Candidatos Inscritos: 13.641. Candidatos Aprovados: 1.518. Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99

Informações Gerais. Candidatos Inscritos: 13.641. Candidatos Aprovados: 1.518. Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99 Informações Gerais Candidatos Inscritos: 13.641 Candidatos s: 1.518 Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99 Taxa de Matrícula (Matriculados/Inscritos): 11,13% 1. 1. Sexo / 41. 37. Situacao 41. 37. Situacao

Leia mais

RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA

RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA UFGInclui. BASTOS, Rachel Benta Messias (8ªt. Doutorado FE/UFG;rachelbenta@hotmail.com) RESENDE, Anita

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

FACULDADE DECISION DE NEGÓCIOS

FACULDADE DECISION DE NEGÓCIOS FACULDADE DECISION DE NEGÓCIOS A DECISION é uma Instituição Educacional e possui parceria pioneira e exclusiva com a FGV FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, desde 1993, já tendo participado na ormação de mais de

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCLUSÃO SOCIAL VESTIBULAR 2009/2 CACOAL/RO 2009 INTRODUÇÃO Sabendo de seu compromisso social, a Facimed criou o Programa de Inclusão

Leia mais

ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO

ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO INSCRIÇÕES DE 23 DE MAIO A 10 DE JUNHO EXCLUSIVAMENTE NO SITE: http://sistemasenem2.inep.gov.br/inscricao PROVAS 22 E 23 DE OUTUBRO; INÍCIO DAS PROVAS 13h00 DURAÇÃO:

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO ENSINO RELIGIOSO RESUMO EXECUTIVO PROSARE, ANO 2007 1. Instituição Grupo de Pesquisa Discriminação, Preconceito, Estigma: minorias étnicas e religiosas,

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais