INTELIGÊNCIA COLETIVA E DELIBERAÇÃO PARTICIPATIVA NA WEB SOCIAL - DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Org. José Viterbo Filho (UFF) Cristiano Maciel (UFMT)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTELIGÊNCIA COLETIVA E DELIBERAÇÃO PARTICIPATIVA NA WEB SOCIAL - DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Org. José Viterbo Filho (UFF) Cristiano Maciel (UFMT)"

Transcrição

1 INTELIGÊNCIA COLETIVA E DELIBERAÇÃO PARTICIPATIVA NA WEB SOCIAL - DESAFIOS E OPORTUNIDADES Org. José Viterbo Filho (UFF) Cristiano Maciel (UFMT)

2 QUESTÃO Como prover sistemas que facilitem a interação de usuários e viabilizem a Inteligência Coletiva na tomada de decisão, via Web Social?

3 WEB Web 1.0: interligação de documentos, páginas e máquinas Web 2.0: interligação de pessoas, organizações e conceitos Produção e publicação de conteúdos WebSocial

4 EVOLUÇÃO DA WEB WEB 3.0 A Web semântica Redes Sociais Tópicos Sociais na Rede WEB 2.0 A Web Colaborativa WEB 1.0 A grande teia da rede 4

5 WEB 1.0 A grande teia da rede 5

6 WEB 2.0 A Web Colaborativa Blogs Wikis Social tagging RSS Feeds Aplicativos Widgets Aplicações Web

7 WEB 2.0: Aplicações Web

8 A WEB é Social! E agora? 8

9 WEB SOCIAL Colaboração Conhecimento Compartilhamento Comunicação Conectadas Quais são os aspectos sociais de uma aplicação? Como modelar tais aspectos? Que implicações eles trazem para os sistemas e para a vida das pessoas?

10 SOFTWARE SOCIAL Software que permite às pessoas se conectarem por meio da Comunicação Mediada por Computador (Gene Smith, 2007)

11 SOFTWARE SOCIAL: ELEMENTOS Identidade identificar cada pessoa no sistema Presença saber quem está online, disponível ou próximo Relacionamentos descrever como dois do sistema estão associados Conversação conversar com outras pessoas por meio do sistema Grupos formar comunidades de interesse

12 SOFTWARE SOCIAL: ELEMENTOS Reputação conhecer o status de outra pesso no sistema (se é um bom cidadão? Se é confiável?) Compartilhamento compartilhar conteúdos significantes para os participantes (como fotos ou vídeos) (Gene Smith, 2007) Recomendação indicar qualidade dos conteúdos disponibilizados

13 Redes Sociais O homem na Web 13

14 COMUNIDADES EM REDES SOCIAIS 14

15 Machu Picchu, símbolo de Comunidade e Dedicaçã 15

16 Comunidades são pequenos agregados, como aldeias, ou grandes agregados, como cidades, tribos e nações. (Koening, 1967) 16

17 17

18 Comunidade COMUNIDADES VIRTUAIS Comunidade Virtual (CV) Concepção do Orkut Abstração Uso das comunidades Virtuais e das Redes Sociais Estatísticas do Brasil em uso de comunidades virtuais 18

19 COMUNIDADES VIRTUAIS Comunidade Virtual: uma extensão das comunidades Aspecto social Inovação tecnológica Oportunidade de comunicação Troca de experiências/conhecimentos As comunidades virtuais não dependem de uma região geográfica, mas de interesses comuns É possível a comunicação através da Internet, na qual os usuários se reúnem e interagem com um mesmo objetivo 19

20 REDES SOCIAIS Representam um conjunto de participantes autônomos, unindo idéias e recursos em torno de valores e interesses compartilhados (Marteleto, 2001). São uma forma de organização caracterizada fundamentalmente pela sua horizontalidade, isto é, pelo modo de interrelacionar os elementos sem hierarquia. 20

21 ANÁLISE DE APLICAÇÕES DA WEB SOCIAL Categoria 21% Não Governamental 79% Governamental Área de Atuação 3% 24% 1% 1% 9% 12% 3% 12% 1% 34% Ecologia Educação Emprego Entretenimento Governo Informática Legislação Negócios Relacionamento Saúde 21

22 ANÁLISE DE APLICAÇÕES DA WEB SOCIAL Componentes Review s Videochat Dow nload Loja Virtual Media Voto Canais Arquivos Jogos Serviços Enquete Contatos Cartoes Galeria Classificados Mural Perguntas Comunicador Flogs Noticias FAQs Video Musica Eventos Recados Chat Blogs Grupos Foruns Mensagem Fotos Informações Perfil 22

23 MOTIVAÇÃO As comunidades virtuais de monitoramento dos meios de comunicação tendem a estabelecer um espaço de negociação para os diferentes sujeitos/grupos da sociedade civil e estimular uma audiência reflexiva e colaborativa. (Bezerra, 2006). 23

24 INTELIGÊNCIA COLETIVA É uma forma de inteligência que emerge da colaboração, coordenação e cooperação de muitos indivíduos 24

25 INTELIGÊNCIA COLETIVA As novas tecnologias de comunicação apoiam a cooperação e colaboração entre um grande número de indivíduos, independentement e de fronteiras geográficas 25

26 INTELIGÊNCIA COLETIVA As capacidades cognitivas dos indivíduos (percepção, ação, planejamento e coordenação, raciocínio, predição, memória, solução de problemas, etc) se juntam para criar uma capacidade cognitiva do grupo muito maior 26

27 TRABALHOS DO WORKSHOP Técnicas de Avaliação de Usabilidade do Tipo Do-It Yourself e seus Impactos no Processo de Desenvolvimento de uma Rede Social na Web Octávio Turra Barbosa, Ana Carolina de Castro Nunes, Ecivaldo Matos SOI Based Video Recommender Systems - Interaction Design Issues and Collective Intelligence Alessandro Da Silveira Dias, Leandro Krug Wives, Isabela Gasparini GovMobile: Uma Proposta para Disponibilizar Dados Abertos Georreferenciados para Governo Eletrônico Evandro Rocha, Miriam Chaves, Rodrigo Santos, Sérgio Rodrigues, Jano Souza Padrões de Projeto e o Estímulo ao Compartilhamento de Experiências Docentes em Redes Sociais Educacionais Alexandre Matos, Edson Pedro Schiehl, Isabela Gasparini, Avanilde Kemczinski Investigando o Uso de Gamificação para Aumentar o Engajamento em Sistemas Colaborativos Lucas Felipe da Cunha, Isabela Gasparini, Carla Diacui Medeiros Berkenbrock An Ontology-Based Tool for Collaborative and Social Sensemaking Ana Cristina Bicharra Garcia, Fernando Pinto, Nayat Sanchez-Pi Do Facebook às Ruas - Comunidades em Interação Luã Marcelo Muriana, Cristiano Maciel, Ana Cristina Bicharra Garcia 27

28 TRABALHOS DO WORKSHOP 28

29 DINÂMICA Personas e designers buscando soluções via Web Social para o problema do transporte na Copa de 2014: inteligência coletiva em ação Materiais Cenário Personas (fichas) Cartolina Post-its de cores e tamanhos diferentes Canetinhas coloridas Folhas de ofício 29

30 ETAPAS Formação dos Grupos (10 min) Etapa 1: Recursos da Web Social (30 min) visão de designer Etapa 2: Necessidades dos Usuários (30 min) visão do persona Etapa 3: Personas em Ação (30 min) visão do persona Etapa 4: Designers Críticos (30 min) visão dos designers Etapa final: Apresentação (20 min) 30

31 PERSONAS De modo simplificado, persona é uma técnica de modelagem de perfis de usuários de sistemas ou produto, representando o público alvo, descrevendo um ou mais personagens com dados e características (NÓBREGA, 2011).

32 PERSONAS No trabalho atual, a metodologia aplicada consiste em usuários assumirem durante a dinâmica os perfis/arquétipos pré-definidos (personas), originalmente criados para outros contextos, que incluem diversas informações como idade, sexo, escolaridade, etc.

33 PERSONA - EXEMPLO (AQUINO, 2008)

34 PERSONAS ESCOLHIDAS CERQUEIRA, T. R. "Personas como método de avaliação um estudo sobre a usabilidade das configurações de privacidade do facebook". Especialização em Engenharia de Sistemas Web (UFMT), Cuiabá, AQUINO, P. PICaP: Padrões e Personas para expressão da diversidade de usuários no projeto de interação. Tese de Doutorado. São Paulo, Disponível em: HOLANDA, K. M. F. de Um Framework de Elaboração de Personas e sua Aplicação para a Elicitação de Requisitos e para a Análise das Interações em Sistemas Sociais.Dissertação de Mestrado. Ceará, Disponível em: <https://uol01.unifor.br/oul/obrabdtdsitetrazer.do?method=trazer&obracodigo= 84431&programaCodigo=83>. FILGUEIRAS, L.; MARTINS, S.; CORREA, D.; OSORIO, A. Personas para Caracterização da Experiência de Uso de Tecnologia pela População Digitalmente Excluída. In Amanda Meincke Melo, Lara Schibelsky Godoy Piccolo, Ismael Mattos Andrade Ávilae Cláudia de Andrade Tambascia (org). Usabilidade, Acessibilidade e Inteligibilidade Aplicadas em Interfaces para Analfabetos, Idosos e Pessoas com Deficiência. CPqD, Campinas, SP, pg LOS%20PUBLICADOS/CAP%CDTULO%20DE%20LIVRO/resultados_worksho p_uai.pdf 34

35 ETAPA 1: RECURSOS DA WEB SOCIAL [30 minutos] Na sua visão de designer, que recursos da Web Social poderiam ser usados neste caso? Registre os recursos e nome da aplicação em uma tabela. Use um post it maior, cor-de-laranja, para cada designer, e cole-o no quadrante superior esquerdo da cartolina: Recurso de Interação e Comunicação Aplicação 35

36 ETAPA 2: NECESSIDADES DOS USUÁRIOS [30 minutos] As personas serão distribuídas aleatoriamente, considerando apenas o sexo das pessoas. Não mostre sua ficha de persona, apenas assuma este papel Na sua visão (considerando o seu persona), que necessidades e potencialidades os usuários teriam para auxiliar neste problema? Registre os dados em uma tabela (use um post-it maior da cor-de-rosa para cada persona), e cole-o no quadrante superior direito da cartolina: Nome do Persona: Necessidades do usuário: - - Potencialidades para ajudar na solução do problema: minutos após ter registrado no post it, cada participante já pode colar seu post it na cartolina 36

37 ETAPA 3: PERSONAS EM AÇÃO [30 minutos] Com base no que foi produzido nas duas etapas anteriores, como seu persona pode contribuir para solucionar o problema na coletividade, usando a Web Social? Registre os dados de todos personas em uma tabela desenhada no quadrante inferior direito da cartolina: Aplicação da Web Social Recurso Ação Nome do Persona 37

38 ETAPA 4: DESIGNERS CRÍTICOS [30 minutos] Com base no que foi produzido nas etapas anteriores, quais os problemas, limitações e desafios da atual Web Social face ao uso dessas para questões de inteligência coletiva? Registre os dados post its pequenos e cole-os no quadrante inferior esquerdo da cartolina 38

39 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS LEIMEISTER, J.M, ; KRCMAR, H. (2005). Evaluation of a systematic design for a virtual patient community. Journal of Computer-Mediated Communication, 10(4), article 6. LEITE, D. A.; ALMEIDA, D.T.S.de; SINGELO JUNIOR, J.C.da S.. Inspeção de Usabilidade em Dispositivos Móveis: Avaliação de Comunidades Virtuais via WAP. Rio de Janeiro, p. Monografia (Graduação em Ciência da Computação), UNISUAM, PREECE, J.,; MALONEY-KRICHMAR, D. (2005). Online communities: Design, theory, and practice. Journal of Computer-Mediated Communication, 10(4), article 1. KRICHMAR, D.M.; PREECE,J. A multilevel analysis of sociability, usability, and community dynamics in an on line health community. ACM-transactions on computer human interaction, vol.12, n.2, June 2005, pages NIELSEN, J. Usability Engineering. Boston: Academic Press, Cambridge, MA, SMITH, G. Social Software Building Blocks Disponível em NÓBREGA, C. Um Framework de Elaboração de Persona Empresa para Suporte na Análise de Valor de Negócio na Aplicação em Sistemas de Redes Sociais. Fortaleza,

40 CRÉDITOS PPTS Javier Reyes. Advertising and Marketing In Social Network Services: Towards the Community Marketing. SIXJUMPS: Stowe Boyd. The Social Web: Why The New Web Matters. https://stoweboyd.backpackit.com/pub/ Vanina Delobelle. Social Media Strategy. Maio

41 Obrigado! 41

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot. Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.com/ 2 Agenda Conceitos Acessibilidade Web Cenários Estudos de

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

Mídias Sociais em Negócios B2B. Marcelo Minutti Twitter: @mminutti

Mídias Sociais em Negócios B2B. Marcelo Minutti Twitter: @mminutti Mídias Sociais em Negócios B2B Marcelo Minutti Twitter: @mminutti Seu setor está atento as oportunidades das mídias sociais? Alguns estão! Existem muitas oportunidades para setores atentos as mídias sociais

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS.

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. Cícero Gonçalves dos Santos Faculdade Sete de Setembro (FASETE), cycero_hsc@hotmail.com Denise Xavier Fortes Faculdade

Leia mais

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Fernanda Maria Pereira Freire ffreire@unicamp.br Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) André Constantino

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação San Luis, 13 y 14 de Novembro de 2014 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS O CoNaIISI é organizado pela rede de

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

WEB 2.0 E MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES POR MEIO DA COLABORAÇÃO

WEB 2.0 E MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES POR MEIO DA COLABORAÇÃO WEB 2.0 E MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES POR MEIO DA COLABORAÇÃO Claudio Zarate Sanavria Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), Campus Nova Andradina claudio.sanavria@ifms.edu.br

Leia mais

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012 Clodis Milene Raquel Sílvia Simone 1 abril a junho de 2013 75 respondentes válidos cursos: graduação pós-graduação stricto sensu pós-graduação lato sensu avulsos

Leia mais

EDITAL Nº 101, DE 21 DE MAIO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC RESULTADO PARCIAL 01 CAMPUS BAMBUÍ - RETIFICAÇÃO

EDITAL Nº 101, DE 21 DE MAIO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC RESULTADO PARCIAL 01 CAMPUS BAMBUÍ - RETIFICAÇÃO EDITAL Nº 101, DE 21 DE MAIO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC RESULTADO PARCIAL 01 CAMPUS BAMBUÍ - RETIFICAÇÃO LISTAGEM DE CLASSIFICADOS: Município: Nome do curso: Nome

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org documento inicial Site preparatório FSM Dacar introdução Neste documento, a Ethymos apresenta uma

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org documento inicial Portal do Fórum Social Mundial introdução Entendemos que um site como do Fórum

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design Disciplina: Departamento: Interface Visual e Tecnológica Planejamento e Configuração - DEPC Carga Horária: 45 h/a Créditos: 03 Professor Responsável: Maria Regina Álvares Correia Dias EMENTA: Estudo dos

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Panorama Projeto STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital. Campinas, 26 de março de 2009

Panorama Projeto STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital. Campinas, 26 de março de 2009 Panorama Projeto STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital Campinas, 26 de março de 2009 STID Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento, conduzido

Leia mais

Sala de aula presencial virtual a sala de aula do futuro?

Sala de aula presencial virtual a sala de aula do futuro? 1 Sala de aula presencial virtual a sala de aula do futuro? Maio de 2005 064-TC-D4 Rui Seabra Ferreira Júnior Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos Unesp rseabra@cevap.org.br Ana Silvia Sartori

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É? Uma Rede de Computadores é formada por um conjunto de equipamentos(módulos processadores - MPs) capazes de trocar informações

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação 1. Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado principalmente a alunos graduados em cursos da área de Educação (Pedagogia

Leia mais

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Também faz parte, como pesquisador, do Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade. Desenvolve pesquisas sobre Realidade Aumentada, Mídias Digitais

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

COLABORE. Um mundo novo de possibilidades

COLABORE. Um mundo novo de possibilidades COLABORE Um mundo novo de possibilidades LUIZ HENRIQUE PROHMANN 24 de Março de 2009 Quem somos nós O Grupo HSBC no mundo A maior empresa do planeta / revista Forbes 2008 A marca mais valiosa do setor bancário

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Erivan de Sena Ramos. Fundação Getúlio Vargas (FGV) Barueri São Paulo Brasil. erivansr@gmail.com

Erivan de Sena Ramos. Fundação Getúlio Vargas (FGV) Barueri São Paulo Brasil. erivansr@gmail.com 288 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Elaboração de uma Persona para o profissional de Análise de Requisitos que pratica UX/UCD/IHC baseado em dados estatísticos provenientes de pesquisas no

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Web Social: Aspectos culturais e interações de estudantes universitários em redes sociais

Web Social: Aspectos culturais e interações de estudantes universitários em redes sociais Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Web Social: Aspectos culturais e interações de estudantes universitários em redes sociais Simone de Assis Alves da Silva Ana Maria Pereira Cardoso AGENDA

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. André Luiz Perin 2 Semestre de 2012 Pastoral Universitária e Escolar Núcleo de Artes e Cultura 1 Palavra da FACET Prof. Carlos Eduardo Santi Diretor

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

WCF 14 X WORKSHOP DE COMPUTAÇÃO DA FACCAMP ANAIS

WCF 14 X WORKSHOP DE COMPUTAÇÃO DA FACCAMP ANAIS WCF 14 X WORKSHOP DE COMPUTAÇÃO DA FACCAMP ANAIS CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Apresentação A comunidade de computação da Faculdade de Campo Limpo Paulista reúne-se uma vez mais para participar do X Workshop

Leia mais

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL Erick Lino Pedro 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS)

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) Joanita Barros 1, Juliana Sousa 2 1 Bibliotecária, Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME/OPAS/OMS),

Leia mais

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CELINA FERREIRA RIBEIRO, FRANCISCO WILLIANS M. PLÁCIDO HIRANO CELINA.RIBEIRO@IFTO.EDU.BR Resumo O Ambiente

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Benchmark Internacional Usabilidade Prefeituras e Boas Práticas de Planejamento e Gestão. Marcelo Barbosa, M.Sc. José Cláudio C.

Benchmark Internacional Usabilidade Prefeituras e Boas Práticas de Planejamento e Gestão. Marcelo Barbosa, M.Sc. José Cláudio C. Benchmark Internacional Usabilidade Prefeituras e Boas Práticas de Planejamento e Gestão Marcelo Barbosa, M.Sc. José Cláudio C. Terra, PhD Brasília, 13 de setembro de 2005 Portais trazem inúmeros benefícios

Leia mais

R.A. MKT. Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design

R.A. MKT. Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design R.A. MKT Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design Soluções em Mídias Sociais, E-Marketing, Branding e Design Principais serviços que realizamos: Criação da Identidade Visual, desde Logo

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Professor Nielsen Castelo Damasceno E-mail: nielsen.castelo@unp.br Web: http://ncdd.com.br Sala de Aula Online Curso Sistemas distribuídos (CH Total

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio?

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? O que é o Facebook? É uma rede social que permite conectar-se com amigos, familiares e conhecidos para trocar informações como fotografias, artigos, vídeos

Leia mais

Tecnologias Web voltadas a Inovação em Produtos e Serviços

Tecnologias Web voltadas a Inovação em Produtos e Serviços Departamento de Ciência da Computação (DCC/UFLA) Prof. André Grützmann andre5@dcc.ufla.br Tecnologias Web voltadas a Inovação em Produtos e Serviços INVESTIR PARA BUSCAR SOLUÇÕES INOVADORAS ATENDER AO

Leia mais

Comunidades de práticas educacionais inovadoras nas redes sociais

Comunidades de práticas educacionais inovadoras nas redes sociais Comunidades de práticas educacionais inovadoras nas redes sociais Características da Web 2.0 Abertura Agregação da Informação Imediatismo Intensidade de foco autodefinida Ubiquidade Envolvimento colaborativo

Leia mais

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE MODELOS E REUTILIZAÇÃO EM ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE Alunos: Felyppe Rodrigues da Silva (Mestrado) Gabriella Castro Barbosa Costa (Doutorado) Professor: Toacy Cavalcante de Oliveira

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Linguagem de Programação Visual Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Historico 50s Interfaces são painel de controles do hardware, usuário são engenheiros; 60-70s Interfaces são programas em linguagens

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REALIDADE AUMENTADA APLICADA A PUBLICIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Ambientes Virtuais de Aprendizagem Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação - STI Curso: - Docência no Ensino Superior 2014 Ambientes Virtuais de Aprendizagem Cuiabá-MT / 2014 E-mail

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO ESPAÇO DE COMUNICAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE PROFESSOR E ALUNOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

AS REDES SOCIAIS COMO ESPAÇO DE COMUNICAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE PROFESSOR E ALUNOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 AS REDES SOCIAIS COMO ESPAÇO DE COMUNICAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE PROFESSOR E ALUNOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Maceió AL Maio 2013 Carloney Alves de Oliveira Universidade Federal de Alagoas (UFAL) carloneyalves@gmail.com

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

Centro Universitário Barão de Mauá Pró- Reitoria de Pós- Graduação, Extensão e Iniciação Científica Programa de Iniciação Científica

Centro Universitário Barão de Mauá Pró- Reitoria de Pós- Graduação, Extensão e Iniciação Científica Programa de Iniciação Científica Centro Universitário Barão de Mauá Pró- Reitoria de Pós- Graduação, Extensão e Iniciação Científica Programa de Iniciação Científica Contribuição da Computação, Informática e Tecnologia da Informação para

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Painel: Inovando nas estruturas acadêmicas e administrativas Profa. Dra. Marta de Campos Maia Marta.maia@fgv.br Agenda As Tecnologias Educacionais e os Nativos

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Autor e Orientador Eduardo Lima Leite 1 (Universidade Federal de Campina Grande, eduardo@cstr.ufcg.edu.br) Resumo: O trabalho

Leia mais

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II PORTAL COLABORATIVO. Raimar van den Bylaardt Gerente de Tecnologia - IBP

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II PORTAL COLABORATIVO. Raimar van den Bylaardt Gerente de Tecnologia - IBP Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II PORTAL COLABORATIVO Raimar van den Bylaardt Gerente de Tecnologia - IBP POR QUE PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS? agregar informações aproximar a oferta e a demanda

Leia mais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais 1 Prof. Omer Pohlmann Filho Prof.. Marco Gonzalez Edicarsia Barbiero José Mauricio Maciel Karen Borges Profª ª Elisa Corrêa dos Santos Jiani Cardoso Convênio

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica 1 Projeto de Software Social ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica Autores: Carlos Alberto Meier Basso Késsia Rita da Costa Marchi Marcelo Rafael Borth Orientador: Prof. Dr. Sérgio

Leia mais

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com Índice Economia Digital Economia Digital Impactos Economia Open Source - Impactos

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

E as Mídias e Redes Sociais? Preciso delas? DÁ#PRA#CONCEITUAR#O#QUE#É#MÍDIA# SOCIAL? Disciplina Informática Básica

E as Mídias e Redes Sociais? Preciso delas? DÁ#PRA#CONCEITUAR#O#QUE#É#MÍDIA# SOCIAL? Disciplina Informática Básica Curso de Administração DÁ#PRA#CONCEITUAR#O#QUE#É#MÍDIA# SOCIAL? Disciplina Informática Básica! [...]% um% grupo% de% aplicações% para% Internet% construídas% com% base% nos% fundamentos% ideológicos% e%

Leia mais

REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Andréa Willa Rodrigues Villarim (Voluntário) Marcelo Pereira Rufino (Bolsista) Larissa Aguiar (Bolsista) Nady Rocha

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: APLICATIVO ANDROID PARA DEFICIENTES VISUAIS REDIGIREM MENSAGENS DE TEXTO NAS TELAS TOUCHSCREEN

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

Obs.: As Disciplinas Optativas de BSI estão listadas na página 7 e as disciplinas de Informática dos demais Cursos estão na página 8.

Obs.: As Disciplinas Optativas de BSI estão listadas na página 7 e as disciplinas de Informática dos demais Cursos estão na página 8. Obs.: As Disciplinas Optativas de BSI estão listadas na página 7 e as disciplinas de Informática dos demais s estão na página 8. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO 1º PERÍODO TURNO : NOITE TURMA

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil

Governo Eletrônico no Brasil Governo Eletrônico no Brasil João Batista Ferri de Oliveira Natal, 18 de Setembro de 2009 II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal Estrutura da apresentação Estrutura organizacional Diretrizes Principais

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais