h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador - 2012 / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre bruno.nobre@iade."

Transcrição

1 Projecto Integrador / 2013 Bruno Nobre Cláudia Pernencar USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA h=p://bjork.com/# v 1

2 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA v h=p://www.sound.philips.com/ows/ USER EXPERIENCE PENSAR A INTERFACE GRÁFICA A PARTIR DA EXPERIÊNCIA EXPERIÊNCIA PASSADA: Favorece a compreensão da forma; Através da associação, certas formas só podem ser compreendidas se já as conhecermos. 2

3 USER EXPERIENCE PENSAR A INTERFACE GRÁFICA A PARTIR DA EXPERIÊNCIA h=p://vimeo.com/ v GUI DESIGN DE INTERAÇÃO E DESIGN DE INTERFACES Interfaces digitais DESIGN DE INTERAÇÃO DESIGN DE INTERFACES UFlizadores DESIGNER DEVELOPER DESIGNER 3

4 GUI ELEMENTOS QUE DEFINEM O DESIGN DE INTERAÇÃO Movimento Uma interação é um hpo de comunicação que pressupõem movimentos; Espaço Os objetos no espaço 2D podem movem- se para o espaço 3D, pois a perspechva cria, no lado X a altura, no Y a largura e no eixo Z a profundidade contudo; Tempo Todas as interações ocorrem durante um período. Podem ser instantâneas ou ser mais demorosas, dependo do hpo de comunicação. O tempo digital por vezes, não é o tempo humano; Saffer, D. " Designing for interactions. " New Riders, Berkeley, 2007, p: 44-52" " GUI ELEMENTOS QUE DEFINEM O DESIGN DE INTERAÇÃO Aparência Está relacionado com contextos culturais e variáveis como a proporção, a estrutura, o tamanho, a forma, o peso e a cor; Textura Pode ser considerada como parte da aparência mas, a sensação que o objecto transmite é uma pista para o Uhlizador para o modo como deve ser manipulado. Som Possui muitas variáveis. É uma pequena parte dos projetos e é importante, especialmente quando falamos em determinados hpos de alertas nos disposihvos. Saffer, D. " Designing for interactions. " New Riders, Berkeley, 2007, p: 44-52" " 4

5 GUI DESIGN DE INTERFACES Preocupações ao nível do layout que o Designer não pode descurar: A imagem mantêm- se a mesma? O formato é fixo ou móvel? Uhliza- se a grelha com uma coluna ou com duas? GUI DESIGN DE INTERFACES Alguns dados imprescindíveis que o Designer deve ter em conta relafvamente ao target a que se desfna a aplicação? Quem são os Uhlizadores e qual a informação que o Designer tem sobre eles? Que hpo de comportamento assumem? Quando é que interagem? Se é num espaço público ou privado Qual a intensidade da interação? Mais à noite ou de dia? Qual a razão da uhlização de determinada aplicação? Que valor acrescentado traz o conteúdo da mesma para o Uhlizador? 5

6 GUI DESIGN DE INTERFACES Ao criar a forma ou aparência de um objecto está a dar início ao Processo do Design. Bernard, C. & Summers, S. Dynamic Prototyping with Sketchflow in Expression Blend. Person Educahon, Inc., 2010, p: GUI DESIGN DE INTERFACES ELEMENTOS DO FLUXO DE UMA INTERFACE Sistema de grelhas; Tipografia; Cor (Psicologia da cor); Forma dos objetos (Psicologia da forma); A representação dos sistemas pictóricos; Animações; Audio. 6

7 GUI DESIGN DE INTERFACES SISTEMA DE GRELHAS Ajuda os Designers na organização da informação: Divide a área de ecrã em colunas e linhas incluindo o espaço em branco que as separa. São sugestões de trabalho, não devem ser interpretadas como guidelines rígidas com excepção do Design para aplicações mobile e tablet; Podem deixar elementos visuais tais como imagens, barras de ferramentas e espaços de trabalho, para criar grandes blocos que combinam com estruturas de colunas e linhas; Torna- se padrão no Design de Interfaces. GUI DESIGN DE INTERFACES SISTEMA DE GRELHAS v Em 2009 ganhou 2 prémidos: * Melhor site informahvo - People's Voice Award; * Melhor uhlização de vídeo - TED (Technology Entertainment Design ) Conference. 7

8 GUI DESIGN DE INTERFACES SISTEMA DE GRELHAS ipad Screenshots Revista Ipsilon e Wired GUI DESIGN DE INTERFACES PSICOLOGIA DA FORMA PROXIMIDADE: Os elementos tendem a agrupar- se de acordo com a distância a que se encontram uns dos outros. Elementos que estão mais perto tendem a ser percebidos como um grupo. SEMELHANÇA: Eventos semelhantes agrupam- se entre si. Pode ocorrer por: intensidade, cor, tamanho, forma, etc. 8

9 GUI DESIGN DE INTERFACES PSICOLOGIA DA FORMA CLAUSURA: O princípio de que uma forma se completa e se fecha sobre si mesma, formando uma figura delimitada. Este conceito relaciona- se a um fechamento visual. Necessidade de completar visualmente um objecto incompleto. CONTINUIDADE: Há uma tendência na nossa percepção de seguir uma direcção e ligar os elementos de modo a que pareçam con nuos ou a fluir para uma direcção específica. GUI DESIGN DE INTERFACES PSICOLOGIA DA FORMA PREGNÂNCIA: Todas as formas tendem a ser percebidas pelo seu carácter mais simples. É o princípio da simplificação natural da percepção. Quanto mais simples, mais facilmente é assimilada. baixa pregnância alta pregnância 9

10 GUI DESIGN DE INTERFACES PSICOLOGIA DA FORMA SIMETRIA: Em termos uma composição, as simétricas transmitem formalismo, enquanto que as assimétricas transmitem informalidade e dinamismo. CONTRASTE: É o factor mais primário da percepção de um objecto: Delimita do fundo; O contraste pode criar dishnção e ênfase. GUI DESIGN DE INTERFACES PSICOLOGIA DA FORMA ipad Screenshot Revista Ipsilon 10

11 GUI DESIGN DE INTERFACES PSICOLOGIA DA COR GUI DESIGN DE INTERFACES COR h=p://colorschemedesigner.com/ v 11

12 GUI DESIGN DE INTERFACES TIPOGRAFIA Algumas considerações: Hierarquia percep vel; Preferência por fontes sem serifas. Ler o texto (não fazer só Copy/Paste). GUI DESIGN DE INTERFACES TIPOGRAFIA alistapart.com v 12

13 GUI DESIGN DE INTERFACES SISTEMAS PICTÓRICOS ACROBAT CONNECT GUI DESIGN DE INTERFACES SISTEMAS PICTÓRICOS h=p://www.youtube.com/watch?v=- qmmdgonqw4 v 13

14 GUI DESIGN DE INTERFACES ANIMAÇÕES v h=p://www.jimcarrey.com/ GUI DESIGN DE INTERFACES - AUDIO ipad Screenshots Revista Wired 14

15 GUI DESIGN DE INTERFACES - AUDIO h=p://lights.elliegoulding.com/ v GUI DESIGN DE INTERFACES PROCESSO DO DESIGN DO SKETCH AO DESIGN 15

16 GUI DESIGN DE INTERFACES PROCESSO DO DESIGN Mood board Método uhlizado pelos Designers que ajuda a projetar uma ideia. Pode ser um conjunto de colagens de fotografias, desenhos, recortes e ou amostras de tecido. Por norma não verbaliza o conceito; Concept board Fase posterior ao Mood board, onde o conceito deve estar definido aos níveis da cor, elementos gráficos e aspectos formais; Story board Um dra só com imagem e sem cor, que permite perceber o desenrolar da ação. Buxton, B. " Skecthing user experience. " Morgan Kaufmann, San Francisco, 2007, p: " GUI DESIGN DE INTERFACES PROCESSO DO DESIGN 16

17 GUI DESIGN DE INTERFACES PROCESSO DO DESIGN DESENHAR A IDEIA INTERATIVA - METODOLOGIA Program Label Current Program Create Program Change Program Override Program Set Time/Date Clock Date Figure 145: Paper Interface to a Programmable Climate Control System The basic interface is made up of buttons and circular dials, and displays. The concept is that the user would interact directly on the screen by means of a touch screen. Figure 143: A Simple Finger Exercise One can create and experience an interactive paper interface in two minutes with nothing more than Post-it notes and a pen. Push a button to go to a particular page. Push the wrong button and return to the first page. 372 Buxton, B. " Skecthing user experience. " Morgan Kaufmann, San Francisco, 2007, p: " GUI DESIGN DE INTERFACES PROCESSO DO DESIGN DESENHAR A IDEIA INTERATIVA - METODOLOGIA Buxton, B. " Skecthing user experience. " Morgan Kaufmann, San Francisco, 2007, p: " 17

18 GUI DESIGN DE INTERFACES DO SKETCHING AO PROTÓTIPO Sketching inicial - Através de simples esboços é possivel ao Designer transmihr as ideias e ou conceitos do projecto. Nesta fase pode incluir pequenos detalhes que permitem caracterizar as possíveis tarefas do Uhlizador; Sketching dinâmico - Depois do Sketching inicial, experimentar algumas funcionalidades de navegação acompanhadas por animações básicas. Começam os primeiros testes de viabilidade das ideias e se algo não funcionar, o melhor é redesenhar; Bernard, C. & Summers, S. " Dynamic Prototyping with Sketchflow in Expression Blend. " Person Education, Inc., 2010, p: " " GUI DESIGN DE INTERFACES DO SKETCHING AO PROTÓTIPO ProtóFpo do Sketching - A construção dos cenários das tarefas, consiste na fase final. O Designer deve subshtuir os elementos com eshlo de esboço por algo mais trabalhado ao pormenor (Processo Digital), definindo igualmente o sistema de interacção entre os conteúdos de forma a compreender o fluxos das tarefas que o Uhlizador tem de fazer. Bernard, C. & Summers, S. " Dynamic Prototyping with Sketchflow in Expression Blend. " Person Education, Inc., 2010, p: " " 18

19 GUI DESIGN DE INTERFACES DO SKETCHING AO PROTÓTIPO WIREFRAME GUI DESIGN DE INTERFACES DO SKETCHING AO PROTÓTIPO WIREFRAME não é Design! 19

20 GUI DESIGN DE INTERFACES NÃO ESQUECER CONSISTÊNCIA E UNIDADE. Deve- se estabelecer um sistema de grelha e eshlos para o texto e gráficos; Dessa forma consegue- se ritmo e unidade ao longo de todas as páginas; A consistência gráfica reforça o senhdo de síao e ajuda à rápida idenhficação dos diversos elementos; GUI DESIGN DE INTERFACES NÃO ESQUECER HIERARQUIA VISUAL Estrutura uma hierarquia visual forte e consistente. 20

21 GUI DESIGN DE INTERFACES v h=p://www.mplusma=ers.hk/inkart/ GUI DESIGN DE INTERFACES - REFERÊNCIAS Layout h=p://tutorialblog.org/grid- systems- in- web- design/ h=p://grid.mindplay.dk h=p://www.designbygrid.com/ h=p://www.thegridsystem.org/ Tipgrafia h=p://hpografos.net/indice.html h=p://ilovetypography.com/ 21

22 GUI DESIGN DE INTERFACES - REFERÊNCIAS Tendências h=p://designmodo.com/responsive- design- examples/ h=p://www.computerarts.com.pt/tendenciaswebdesign2011/ h=p://webdesignledger.com/hps/web- design- trends- in h=p://www.creahveapplicahons.net h=p://www.fubiz.net/ h=p://factorymagazine.com/ h=p://www.smashingmagazine.com/ GUI DESIGN DE INTERFACES - REFERÊNCIAS Bernard, C. & Summers, S. Dynamic Prototyping with Sketchflow in Expression Blend. Person Educahon, Inc., 2010, p: 24-25; Buxton, B. Skecthing user experience. Morgan Kaufmann, San Francisco, 2007; Heller, E. A psicologia das cores. Barcelona, Editorial Gustavo; Plaisant, C. & Shneiderman, B. Designing the user interface. Person Higher Educahon, 5th Edihon, Boston, 2010; Saffer, D. Designing for interacaon: CreaAng smart applicaaons and clever devices. Berkeley CA: New Riders & Aiga

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt O que é? Digital Signage é um tipo de painel informativo tipicamente colocado em espaços públicos, usados normalmente

Leia mais

Arquitectura de Informação

Arquitectura de Informação Arquitectura de Informação Saul Wurman, criou o termo em 1976. Foi usado para design impresso: mapas guias e atlas. Posteriormente para layouts e outros campos do design. Morville e Rosenfeld, autores

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DESIGN DIGITAL (L5023)

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

TIPOGRAFIA. Seguem-se alguns exemplos de tipografia forte, fraca, de oportunidade e e ameaçadoras para as respectivas empresas.

TIPOGRAFIA. Seguem-se alguns exemplos de tipografia forte, fraca, de oportunidade e e ameaçadoras para as respectivas empresas. TIPOGRAFIA As letras, tal como as árvores aparecem por elas próprias e quando as letras se juntam, lutam por espaço, pelo direito de serem reconhecidas, de serem lidas - Erik Spiekermann A tipografia é

Leia mais

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 1 Wireframes Desenho de Iteração Henrique Correia Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Sistemas Hipermédia - 1º ano Mestrado Ensino da Informática 11 de Outubro de 2011 2 Wireframes Introdução

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Prototipação Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Prototipar...... desenvolver e testar interfaces antes

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Prototipagem Digital II Área Científica: Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo: 2008/2009 Semestre:

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Design de Interacção - IxD

Design de Interacção - IxD Design de Interacção - IxD Formadores: Bruno Nobre e Cláudia Pernencar PORQUÊ FAZER ESTA FORMAÇÃO? Só uma parceria próxima entre o Design, a Tecnologia e o Utilizador permite obter soluções adequadas,

Leia mais

Teoria de Gestalt aplicada a IHM

Teoria de Gestalt aplicada a IHM Teoria de Gestalt aplicada a IHM José Gustavo de Souza Paiva Introdução [1] Gestalt: teoria de estudo de como os seres humanos percebem as coisas Percepção: visão de TODO, e não de PONTOS ISOLADOS Relações,

Leia mais

Mobile UI / UX Design

Mobile UI / UX Design CURSO INTENSIVO Mobile UI / UX Design Mobile UI/UX Design #Lisboa Duração total: 124h 100h : Curso Intensivo prático 16h : 1 Workshop intensivo à escolha Investimento: 255 x 4 (sem juros) (Pronto Pagamento

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Projecto de Design Multimédia I Área Científica Design de Comunicação Ciclo de Estudos 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo 2008/2009 Semestre

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

Metodologia Projectual?

Metodologia Projectual? Metodologia Projectual? > Metodologia é a parte da lógica que estuda os métodos das diversas ciências, segundo as leis do raciocínio > estudar e enumerar as tarefas de forma a que o projecto seja feito

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Assunto: Apresentação da Core Factor

Assunto: Apresentação da Core Factor Assunto: Apresentação da Core Factor Índice A. Breve apresentação da empresa... 3 1. Sobre nós... 3 2. Serviços... 3 3. Objectivos... 3 4. Parcerias... 4 B. Contactos... 8 1. Pessoas... 8 2. Empresa...

Leia mais

EMPRESAS. FORMAÇÃO 16h para PME S das áreas criativas

EMPRESAS. FORMAÇÃO 16h para PME S das áreas criativas EMPRESAS FORMAÇÃO 16h para PME S das áreas criativas ENQUADRAMENTO 1.1. DESIGNAÇÃO DA AÇÃO Adobe MUSE CC 2014 páginação WEB para esktop e dispositivos móveis. 1.2. PÚBLICO-ALVO - PME s das áreas criativas

Leia mais

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Apresentação, Fluxo de Desenvolvimento e Arquitetura da Informação Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Programa Digital Creative Design

Programa Digital Creative Design Programa Digital Creative Design Digital Creative Design # Porto 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento : 5% de

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE DESIGN GRÁFICO. Planificação anual

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE DESIGN GRÁFICO. Planificação anual Agrupamento de Escolas Júlio Dantas 1515 ESCOLA SECUNDÁRIA JÚLIO DANTAS LAGOS (00312) CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE DESIGN GRÁFICO Disciplina: sign Gráfico - 10ºH Professores: Mara Taquelim, Rui Calmeiro.

Leia mais

ultimate design and technology.

ultimate design and technology. ultimate design and technology. -- Do it or do not. There is no try. yoda, 1980 4 DIGITAL IMPULSE DIGITAL IMPULSE 5 estas são as nossas raízes. -- Quando dizemos que somos de um sítio, o verbo não poderia

Leia mais

psicologia da percepção visual

psicologia da percepção visual psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicologia da Gestalt Natureza e conceitos fundamentais Princípios da estruturação perceptiva Pregnância Fechamento Atitude

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

SOLUÇÕES DE COMUNICAÇÃO DIGITAL

SOLUÇÕES DE COMUNICAÇÃO DIGITAL SOLUÇÕES DE COMUNICAÇÃO DIGITAL ID empresas Criamos Quebramos canais e o target. barreiras de comunicação e dogmas para eficazes inovar entre o marketing as comunicação digital, multimedia. tanto em webcomo

Leia mais

Memorial Descritivo. Portfólio Acadêmico Online

Memorial Descritivo. Portfólio Acadêmico Online Faculdade de Tecnologia SENAC Memorial Descritivo Portfólio Acadêmico Online Projeto Integrador do Módulo 1 Produção Multimídia Por Irene Coelho 09 de maio de 2014 Sumário 1. Introdução pág.01 2. Objetivos

Leia mais

Usabilidade e Arquitectura de Informação

Usabilidade e Arquitectura de Informação Usabilidade e Arquitectura de Informação a construção da experiência do utilizador O que é a Usabilidade O que é a Arquitectura de Informação Como pensar a web A experiência do utilizador Pensar como um

Leia mais

Manual do Aluno Plataforma de e-learning Moodle

Manual do Aluno Plataforma de e-learning Moodle Manual do Aluno Plataforma de e-learning Moodle i Índice Índice de Figuras 3 Introdução 4 Parte I - Acesso à Plataforma 5 1 - Entrar na Plataforma 6 1.1 - Alterar a senha 7 Parte II - Utilização da Plataforma

Leia mais

1. Introdução ao Multimédia

1. Introdução ao Multimédia Multimédia 1. Introdução ao Multimédia Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Multi vem do latim multus e significa numeroso ou múltiplo. Media é o plural da palavra latina medium

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

IPHONE 3G: OPTIMUS GARANTE PRIMEIRA OFERTA MUNDIAL EM PRÉ-PAGO

IPHONE 3G: OPTIMUS GARANTE PRIMEIRA OFERTA MUNDIAL EM PRÉ-PAGO Sonaecom Direcção de Comunicação Institucional R. Henrique Pousão, nº 432 3º 4460-841 Senhora da Hora Tel: 93 100 2000 Fax: 93 100 2204 / 22 957 2204 E-mail: comunicacao@sonae.com Website: www.sonae.com

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Teoria da Gestalt. Teoria da Forma

Teoria da Gestalt. Teoria da Forma Teoria da Gestalt Teoria da Forma O Que é a Gestalt? Trata- se de uma corrente da psicologia que surge na Alemanha no início do século XX. Não existe uma tradução precisa para Gestalt, mas uma das palavras

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 2010 MULTIMÉDIA 1 GIPE - Gabinete de Inovação Pedagógica Comunicar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Como fazer uma página WEB

Como fazer uma página WEB Como fazer uma página WEB Pontos a ter em conta na criação de uma página web. 1. O posicionamento 2. O crescimento 3. O ponto de vista do cliente 4. As operações mais frequentes 5. A análise da concorrência

Leia mais

GAiN Brasília 2014. Palestra Webwriting. Bem-vindos

GAiN Brasília 2014. Palestra Webwriting. Bem-vindos Palestra Webwriting Bem-vindos sou Consultor de Comunicação e Marketing Digital para a Petrobras desde 1997; produzi o padrão brasileiro de redação online, Padrões Brasil e-gov: Cartilha de Redação Web,

Leia mais

V.2 Dispositivos de Interacção

V.2 Dispositivos de Interacção Melhor e Pior? V.2 DISPOSITIVOS DE INTERACÇÃO HCI, Cap.2 (pags. 59-97) Alan Dix 2 Resumo Aula Anterior Sumário o Importância, características e guia de estilos dos manuais o Manuais convencionais o Princípios

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Plano de Comunicação Interna Bosch Inovação Ref. 4060 01

Plano de Comunicação Interna Bosch Inovação Ref. 4060 01 Projecto Plano de Comunicação Interna Local Aveiro Requerente Bosch 1 INTRODUÇÃO Exmos. Srs., Centrada na criação e desenvolvimento de aplicações e plataformas digitais que promovam a interactividade,

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Sobre o que é este curso? Definições de Design de Interação Características Atividade 1 - Foco

Leia mais

Estilos de Interação

Estilos de Interação Universidade Federal Fluminense Mestrado em Computação Interação Humano-Computador Prof Ana Cristina Adrielle Aparecida da Silva Linha de Comando Estilos de Interação A interação realizada por linha de

Leia mais

digital creative design curso

digital creative design curso digital creative design Lisboa digital creative design O QUE É? Um Digital Creative Designer tem a capacidade de materializar a sua criatividade nas várias plataformas digitais. Tem de ter capacidade de

Leia mais

Microsoft Outlook Live @EDU Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Microsoft Outlook Live @EDU Centro Universitário Belas Artes de São Paulo Tecnologia da Informação Suporte Email: suporte@belasartes.br Site: www.belasartes.br Microsoft Outlook Live @EDU Centro Universitário Belas Artes de São Paulo O Microsoft Outlook Live @EDU é uma suíte

Leia mais

Programa Digital Creative Design

Programa Digital Creative Design Programa Digital Creative Design Digital Creative Design # Lisboa 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento : 5% de

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

REBELDES Com Causa Direitos reservados Brivo Comunicação 2014

REBELDES Com Causa Direitos reservados Brivo Comunicação 2014 REBELDES Com Causa Direitos reservados Brivo Comunicação 204 O Conceito Com Causa O reposicionamento da Reserva se baseia na identificação que a marca já possui com o tema Causas Sociais, enfatizando projetos

Leia mais

digital creative design curso

digital creative design curso digital creative design Porto digital creative design O QUE É? Um Digital Creative Designer tem a capacidade de materializar a sua criatividade nas várias plataformas digitais. Tem de ter capacidade de

Leia mais

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA V Profa. Dra Deusa Maria R. Boaventura ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUGESTÃO DE

Leia mais

Manual de Normas Gráficas. COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade

Manual de Normas Gráficas. COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade Manual de Normas Gráficas COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade > Índice A Marca 05 Identidade 06. Logótipo 08. Versões 09. Margem de Segurança 10. Dimensão Mínima 11. A Cor 12 Suportes

Leia mais

Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo

Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo Extensão de Arquivo Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo de arquivo salvo tem sua extensão.doc,.ppt,.xls...

Leia mais

Programa Mobile Development (ios7 & 8)

Programa Mobile Development (ios7 & 8) Programa Mobile Development (ios7 & 8) Mobile Development # Lisboa 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento : 5%

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft OneNote 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Alterne entre a entrada por toque

Leia mais

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP)

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) 1. O que é Mapa Mental (Mind Map) é um diagrama usado para representar palavras, idéias, tarefas ou outros itens ligados a um conceito central e dispostos

Leia mais

Análise sobre projeto Passo Certo

Análise sobre projeto Passo Certo UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO UNIVERSIDADE VIRTUAL SISTEMAS E MÍDIAS DIGITAIS Disciplina de Cognição e Tecnologias Digitais Professor Dr. José Aires de Castro Filho Análise sobre projeto Passo

Leia mais

DWEB. Design para Web. Diagramação Web. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. Diagramação Web. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Diagramação Web Medita estas coisas; ocupate nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. 1 Timóteo 4:15 Contatos Carlos

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

O design de IHC. Jair C Leite. Jair C Leite

O design de IHC. Jair C Leite. Jair C Leite O design de IHC ERBASE EPOCA 2009 2010 Arquitetura e Engenharia Civil Idealiza, Concebe, Desenha Planeja e executa o projeto; realiza cálculos; gerencia recursos, custos e prazos. Design Industrial exemplos

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 RESUMO

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 RESUMO RESUMO RESUMO PESQUISA Avaliar actuais activos digitais (website, redes sociais, dinâmica de conteúdos, métricas). Identificar público alvo. Perceber o seu perfil e interesses. Definir personas Identificar

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

A Internet 7 Criação de Páginas Web

A Internet 7 Criação de Páginas Web 7 - Criação de Páginas Web A Internet A Internet Empresas, instituições e pessoas individuais estão cada vez mais interessadas não só em aceder ao imenso manancial de informação disponibilizado pela Internet

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES ADOBE MUSE CC

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES ADOBE MUSE CC ONE TOONE CURSOS PARTICULARES ADOBE MUSE CC Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design e Comunicação, apresentando

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica pixlr Manual e Guia de exploração da pixlr para utilização em contexto de Educação Visual e

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Tecnologias Avançadas de Multimédia

Leia mais

Sumário. Documentos básicos do Word. 1 Como explorar o Microsoft Word 2013 3. Parte 1

Sumário. Documentos básicos do Word. 1 Como explorar o Microsoft Word 2013 3. Parte 1 Introdução...xiii A quem este livro se destina... xiii Como este livro está organizado... xiii Como baixar os arquivos de prática... xiv Suporte técnico... xvi Parte 1 Documentos básicos do Word 1 Como

Leia mais

tabela referencial de valore$ para freela$ em de$ign

tabela referencial de valore$ para freela$ em de$ign tabela referencial de valore$ para freela$ em de$ign 2013/2014 DESIGN imagem: rokas darulis EM EUFACO FREELA proposta a tabela referencial de valores para freelas em design do design & chimarrão surge

Leia mais

Composição Gráfica. é a relação entre os diferentes elementos gráficos que fazem parte de um documento;

Composição Gráfica. é a relação entre os diferentes elementos gráficos que fazem parte de um documento; Composição gráfica alguns conceitos LAYOUT : é a relação entre os diferentes elementos gráficos que fazem parte de um documento; é a apresentação física do design de um documento e o planeamento da sua

Leia mais

Conceito de cidade digital

Conceito de cidade digital Reflexão sobre o uso de sistemas CRM e SIG para suporte ao conceito de cidade digital Jorge Xavier, Luis Borges Gouveia, Joaquim Borges Gouveia Energaia, Universidade Fernando Pessoa, Universidade de Aveiro

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Porto, 2 de Novembro de 2001

Porto, 2 de Novembro de 2001 Macmoda Personator Porto, 2 de Novembro de 2001 Agenda O e-commerce está na Moda? Opinião de Clientes Projecto Fashion Me O Personator Loja Virtual Macmoda O e-commerce está na Moda? O mercado está em

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: DESENHO A ANO: º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO Este guia pretende ajudar os professores e os alunos na criação de guiões de pesquisa de informação. Os guiões de pesquisa podem ser mais ou menos detalhados,

Leia mais

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca 01 - introdução O logótipo é um elemento de identificação da instituição e não tanto um mero elemento gráfico, por isso não deve ser alterado

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Aspectos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais Imagens computacionais e programas que

Leia mais

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz Manual do Utilizador PowerPoint 2013 Carlos Diniz Índice 1. Acerca do PowerPoint 2013... 3 1.1. Principais caraterísticas do PowerPoint 2013... 3 2. Trabalhar no interface do PowerPoint 2013... 3 2.1.

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais