Caixa Geral de Depósitos, SA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caixa Geral de Depósitos, SA"

Transcrição

1 164 Relatório e Contas 2011 CGD Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) Pro forma Pro forma ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões, imparidade e amortizações Ativo líquido Ativo líquido Ativo líquido Caixa e disponibilidades em bancos centrais Disponibilidades em outras instituições de crédito Ativos financeiros detidos para negociação Outros ativos financeiros ao justo valor através de resultados Ativos financeiros disponíveis para venda ( ) Ativos financeiros com acordo de recompra ( ) Aplicações em instituições de crédito ( ) Crédito a clientes ( ) Derivados de cobertura Ativos não correntes detidos para venda ( ) Propriedades de investimento Outros ativos tangíveis ( ) Ativos intangíveis ( ) Investimentos em filiais, associadas e empreendimentos conjuntos ( ) Ativos por impostos correntes Ativos por impostos diferidos Outros ativos ( ) Total do ativo ( ) (*) Inclui a atividade em Portugal e das Sucursais de França, Londres, Espanha, Luxemburgo, Nova Iorque, Ilhas Caimão, TimorLeste, Zhuhai e Financeira Exterior (Madeira). (a) Estas Notas encontramse desenvolvidas no Anexo às Demonstrações Financeiras.

2 CGD Relatório e Contas Balanços Individuais (Cont.) (EUR) PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas (a) Pro forma Pro forma Recursos de bancos centrais Passivos financeiros detidos para negociação Recursos de outras instituições de crédito Recursos de clientes e outros empréstimos Responsabilidades representadas por títulos Passivos financeiros associados a ativos transferidos Derivados de cobertura Provisões Passivos por impostos correntes Passivos por impostos diferidos Outros passivos subordinados Outros passivos Total do passivo Capital Reservas de reavaliação 25 ( ) ( ) ( ) Outras reservas e resultados transitados Resultado do exercício 25 ( ) Total do capital próprio Total do passivo e do capital próprio O Técnico Oficial de Contas Maria Fátima O. Melo F. Sanchas O Conselho de Administração Presidente: Fernando Manuel Barbosa Faria de Oliveira VicePresidente: José Agostinho Martins de Matos Vogais: António do Pranto Nogueira Leite, Norberto Emílio Sequeira da Rosa, Rodolfo Vasco Castro Gomes Mascarenhas Lavrador, Nuno Maria Pinto de Magalhães Fernandes Thomaz, João Nuno de Oliveira Jorge Palma, Eduardo Manuel Hintze da Paz Ferreira, Pedro Miguel Duarte Rebelo de Sousa, Álvaro José Barrigas do Nascimento

3 166 Relatório e Contas 2011 CGD Demonstrações dos Resultados Individuais (*) Notas (a) Pro forma (EUR) Juros e rendimentos similares Juros e encargos similares 26 ( ) ( ) MARGEM FINANCEIRA Rendimentos de instrumentos de capital Rendimentos de serviços e comissões Encargos com serviços e comissões 28 ( ) ( ) Resultados de ativos e passivos financeiros avaliados ao justo valor através de resultados 29 ( ) Resultados de ativos financeiros disponíveis para venda Resultados de reavaliação cambial 29 ( ) Resultados de alienação de outros ativos Outros resultados de exploração PRODUTO BANCÁRIO Custos com pessoal 33 ( ) ( ) Gastos gerais administrativos 35 ( ) ( ) Amortizações do exercício 12 e 13 ( ) ( ) Provisões líquidas de reposições e anulações Correções de valor associadas ao crédito a clientes e valores a receber de outros devedores (líquidas de reposições e anulações) 21 ( ) ( ) Imparidade de outros ativos financeiros líquida de reversões e recuperações 21 ( ) ( ) Imparidade de outros ativos líquida de reversões e recuperações 21 ( ) ( ) resultado ANTES DE IMPOSTOS ( ) Impostos sobre lucros Correntes 15 ( ) ( ) Diferidos Resultado do Exercício ( ) Número médio de ações ordinárias emitidas Resultado por ação (Euros) (0,31) 0,06 (*) Inclui a atividade em Portugal e das Sucursais de França, Londres, Espanha, Luxemburgo, Nova Iorque, Ilhas Caimão, TimorLeste, Zhuhai e Financeira Exterior (Madeira). (a) Estas Notas encontramse desenvolvidas no Anexo às Demonstrações Financeiras. O Técnico Oficial de Contas Maria Fátima O. Melo F. Sanchas O Conselho de Administração Presidente: Fernando Manuel Barbosa Faria de Oliveira VicePresidente: José Agostinho Martins de Matos Vogais: António do Pranto Nogueira Leite, Norberto Emílio Sequeira da Rosa, Rodolfo Vasco Castro Gomes Mascarenhas Lavrador, Nuno Maria Pinto de Magalhães Fernandes Thomaz, João Nuno de Oliveira Jorge Palma, Eduardo Manuel Hintze da Paz Ferreira, Pedro Miguel Duarte Rebelo de Sousa, Álvaro José Barrigas do Nascimento

4 CGD Relatório e Contas Demonstrações Individuais do Rendimento Integral (Milhares de euros) Alterações no justo valor de ativos financeiros disponíveis para venda Variações no exercício Ajustamentos de reclassificação da reserva de justo valor para resultados Reconhecimento de imparidade no exercício Alienação de ativos financeiros disponíveis para venda Efeito fiscal Benefícios a empregados amortização do impacto de transição Variação ocorrida no exercício Efeito fiscal Benefícios a empregados ganhos e perdas atuariais Variação ocorrida no exercício Efeito fiscal Variações cambiais Outros Total do rendimento integral do exercício reconhecido em reservas Resultado líquido do exercício Total do rendimento integral do exercício 2011 ( ) (46 668) (33 457) (10 096) (856) ( ) ( ) ( ) Pro forma 2010 ( ) ( ) (33 457) (37 136) (3 971)

5 168 Relatório e Contas 2011 CGD Demonstrações dos Fluxos de Caixa Individuais (Milhares de euros) ATIVIDADES OPERACIONAIS Fluxos operacionais antes das variações nos ativos e passivos Juros, comissões e outros proveitos equiparados recebidos Juros, comissões e outros custos equiparados pagos Recuperação de capital e juros Pagamentos a empregados e fornecedores Pagamentos e contribuições para fundos de pensões e outros benefícios Outros resultados ( ) ( ) (22 425) ( ) ( ) (90 737) (Aumentos) diminuições nos ativos operacionais: Créditos sobre instituições de crédito e clientes Ativos detidos para negociação e outros ativos avaliados ao justo valor através de resultados Outros ativos ( ) ( ) (89 977) ( ) Aumentos (diminuições) nos passivos operacionais: Recursos de outras instituições de crédito e bancos centrais Recursos de clientes e outros empréstimos Outros passivos ( ) ( ) Caixa líquida das atividades operacionais antes dos impostos sobre lucros Impostos sobre lucros Caixa líquida das atividades operacionais (17 944) (1 529) atividades de investimento Rendimentos de filiais e associados Rendimentos de ativos financeiros disponíveis para venda Aquisições de investimentos em filiais e associadas, líquidas de alienações Aquisições de ativos financeiros disponíveis para venda, líquidas de alienações Aquisições de ativos tangíveis e intangíveis, líquidas de alienações Caixa líquida das atividades de investimento ( ) ( ) ( ) ( )

6 CGD Relatório e Contas Demonstrações dos Fluxos de Caixa Individuais (Cont.) (Milhares de euros) ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Juros de passivos subordinados Juros de responsabilidades representadas por títulos Emissão de passivos subordinados, líquida de reembolsos Emissão de responsabilidades representadas por títulos, líquidas de reembolsos Aumento de capital Dividendos distribuídos Caixa líquida das atividades de financiamento Aumento (diminuição) líquido de caixa e seus equivalentes Caixa e seus equivalentes no início do período Efeitos da alteração da taxa de câmbio em caixa e seus equivalentes Variação líquida de caixa e seus equivalentes Caixa e seus equivalentes no fim do período (72 398) ( ) ( ) ( ) ( ) (86 452) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

7 170 Relatório e Contas 2011 CGD Demonstrações das Alterações nos Capitais Próprios Individuais Reservas de avaliação Capital Reservas de Reservas por Imobilizado Total justo valor imp. diferidos Saldos em 31 de dezembro de ( ) (80 404) Impacto decorrente da alteração da política contabilística relativa ao reconhecimento de perdas e ganhos atuariais associados a responsabilidades com benefícios pósemprego (Nota 2.3) Saldos em 31 de dezembro de 2009 pro forma ( ) (80 404) Distribuição do resultado do exercício de 2009: Transferência para reservas e resultados transitados Distribuição de dividendos Outros movimentos registados diretamente nos capitais próprios: Valorização de ativos financeiros disponíveis para venda (47 841) (40 607) Amortização do impacto de transição para NCA relativo a benefícios pósemprego Reconhecimento de ganhos e perdas atuariais em responsabilidades com benefícios pósemprego Variações cambiais em Sucursais Outros Total de ganhos e perdas do exercício reconhecidos nos capitais próprios (47 841) (40 607) Aumento do Capital Social Resultado do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2010 pro forma ( ) ( ) Distribuição do resultado do exercício de 2010: Transferência para reservas e resultados transitados Outros movimentos registados diretamente nos capitais próprios: Valorização de ativos financeiros disponíveis para venda ( ) ( ) Amortização do impacto de transição para NCA relativo a benefícios pósemprego Reconhecimento de ganhos e perdas atuariais em responsabilidades com benefícios pósemprego Variações cambiais em Sucursais Reclassificações entre outras reservas e resultados transitados Outros Total de ganhos e perdas do exercício reconhecidos nos capitais próprios ( ) ( ) Aumento do Capital Social (98 573) (98 573) Resultado do exercício Saldos em 31 de dezembro de ( ) ( )

8 CGD Relatório e Contas Demonstrações das Alterações nos Capitais Próprios Individuais (Cont.) Outras reservas e resultados transitados (Milhares de euros) Reserva Legal Outras reservas Resultados transitados Total Resultado do exercício Total (22 699) ( ) ( ) ( ) (22 699) (70 912) ( ) ( ) (40 607) (24 382) (24 382) (24 382) (3 971) (3 971) (3 971) (1 245) (1 245) (1 245) (24 382) (24 382) (51 547) ( ) (23 993) (23 993) (23 993) (856) (856) (856) (2 011) (26 004) ( ) (1 427) (1 427) ( ) ( ) (26 004) ( )

9 172 Relatório e Contas 2011 CGD Balanços Consolidados Pro forma Pro forma ATIVO Notas (a) Ativo bruto Imparidade e amortizações Ativo líquido Ativo líquido Ativo líquido Caixa e disponibilidades em bancos centrais Disponibilidades em outras instituições de crédito Aplicações em instituições de crédito ( ) ( ) Ativos financeiros ao justo valor através de resultados Ativos financeiros disponíveis para venda ( ) Ativos financeiros com acordo de recompra Investimentos associados a produtos Unitlinked Derivados de cobertura com reavaliação positiva Investimentos a deter até à maturidade ( ) ( ) Crédito a clientes ( ) Ativos não correntes detidos para venda ( ) Propriedades de investimento Outros ativos tangíveis ( ) Ativos intangíveis ( ) Investimentos em associadas Ativos por impostos correntes Ativos por impostos diferidos Provisões técnicas de resseguro cedido Outros ativos ( ) Total do ativo ( ) (a) Estas Notas encontramse desenvolvidas no Anexo às Demonstrações Financeiras.

10 CGD Relatório e Contas Balanços Consolidados (Cont.) (EUR) PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas (a) Pro forma Pro forma Recursos de instituições de crédito e bancos centrais Recursos de clientes e outros empréstimos Responsabilidades para com subscritores de produtos Unitlinked Responsabilidades representadas por títulos Passivos financeiros ao justo valor através de resultados Derivados de cobertura com reavaliação negativa Provisões para benefícios dos empregados 25 e Provisões para outros riscos Provisões técnicas de contratos de seguros Passivos por impostos correntes Passivos por impostos diferidos Outros passivos subordinados Outros passivos Total do passivo Capital Reserva de justo valor 30 ( ) ( ) ( ) Outras reservas e resultados transitados Resultado do exercício atribuível ao acionista da CGD 30 ( ) Capital próprio atribuível ao acionista da CGD Interesses minoritários Total do capital próprio Total do passivo e do capital próprio O Técnico Oficial de Contas Maria Fátima O. Melo F. Sanchas O Conselho de Administração Presidente: Fernando Manuel Barbosa Faria de Oliveira VicePresidente: José Agostinho Martins de Matos Vogais: António do Pranto Nogueira Leite, Norberto Emílio Sequeira da Rosa, Rodolfo Vasco Castro Gomes Mascarenhas Lavrador, Nuno Maria Pinto de Magalhães Fernandes Thomaz, João Nuno de Oliveira Jorge Palma, Eduardo Manuel Hintze da Paz Ferreira, Pedro Miguel Duarte Rebelo de Sousa, Álvaro José Barrigas do Nascimento

11 174 Relatório e Contas 2011 CGD Demonstrações dos Resultados Consolidados (EUR) Notas (a) Pro forma Juros e rendimentos similares Juros e encargos similares 32 ( ) ( ) Rendimentos de instrumentos de capital MARGEM FINANCEIRA ALARGADA Rendimentos de serviços e comissões Encargos com serviços e comissões 34 ( ) ( ) Resultados em operações financeiras 35 ( ) Outros resultados de exploração PRODUTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA MARGEM TÉCNICA DA ACTIVIDADE DE SEGUROS Prémios, líquidos de resseguro Resultados em investimentos afectos a contratos de seguros Custos com sinistros, líquidos de resseguro 37 ( ) ( ) Comissões e outros proveitos e custos associados à atividade de seguros 37 ( ) ( ) PRODUTO DA ACTIVIDADE BANCÁRIA E SEGURADORA Custos com pessoal 38 ( ) ( ) Outros gastos administrativos 40 ( ) ( ) Depreciações e amortizações 16 e 17 ( ) ( ) Provisões líquidas de anulações 25 ( ) ( ) Imparidade do crédito líquida de reversões e recuperações 41 ( ) ( ) Imparidade de outros ativos líquida de reversões e recuperações 41 ( ) ( ) Resultados em empresas associadas Outros custos e proveitos, líquidos resultado ANTES DE IMPOSTOS E DE INTERESSES MINORITÁRIOS ( ) Correntes 19 ( ) ( ) Diferidos ( ) Resultado consolidado do exercício, do qual: ( ) Interesses minoritários 31 ( ) ( ) resultado CONSOLIDADO ATRIBUÍVEL AO ACCIONISTA DA CAIXA ( ) Número médio de ações ordinárias emitidas Resultado por ação (Euros) (0,48) 0,28 (a) Estas Notas encontramse desenvolvidas no Anexo às Demonstrações Financeiras. O Técnico Oficial de Contas Maria Fátima O. Melo F. Sanchas O Conselho de Administração Presidente: Fernando Manuel Barbosa Faria de Oliveira VicePresidente: José Agostinho Martins de Matos Vogais: António do Pranto Nogueira Leite, Norberto Emílio Sequeira da Rosa, Rodolfo Vasco Castro Gomes Mascarenhas Lavrador, Nuno Maria Pinto de Magalhães Fernandes Thomaz, João Nuno de Oliveira Jorge Palma, Eduardo Manuel Hintze da Paz Ferreira, Pedro Miguel Duarte Rebelo de Sousa, Álvaro José Barrigas do Nascimento

12 CGD Relatório e Contas Demonstrações Consolidadas do Rendimento Integral (Milhares de euros) Alterações no justo valor de ativos financeiros disponíveis para venda Variações no exercício Ajustamentos de reclassificação da reserva de justo valor para resultados Reconhecimento de imparidade no exercício Alienação de ativos financeiros disponíveis para venda Efeito fiscal Variações cambiais Variação no exercício Ajustamentos de reclassificação da reserva cambial para resultados Reconhecimento de imparidade no exercício em ativos financeiros disponíveis para venda Unidades de participação em moeda estrangeira Alienação de ativos financeiros disponíveis para venda Unidades de participação em moeda estrangeira Reconhecimento de resultados cambiais no âmbito da operação de aquisição de controlo da Partang, SGPS Efeito fiscal Benefícios pósemprego ganhos e perdas atuariais Variação no exercício Efeito fiscal Outros Total do rendimento integral do exercício reconhecido em reservas ( ) (47 059) (1 500) (8 492) (8 083) ( ) Pro forma ( ) (18 841) (35 984) (38 300) (7 318) (8 904) Resultado líquido do período ( ) Total do rendimento integral do exercício, do qual: Interesses minoritários ( ) (68 134) (57 970) Total do rendimento integral do exercício atribuível ao acionista da CGD ( )

13 176 Relatório e Contas 2011 CGD Demonstrações dos Fluxos de Caixa Consolidados (Milhares de euros) atividades OPERACionais Fluxos operacionais antes das variações nos ativos e passivos Juros, comissões e outros custos equiparados recebidos Juros, comissões e outros custos equiparados pagos Prémios recebidos (seguros) Indemnizações pagas (seguros) Recuperação de capital e juros Pagamentos a empregados e fornecedores Pagamentos e contribuições para fundos de pensões e outros benefícios Outros resultados (Aumentos) diminuições nos ativos operacionais: Créditos sobre instituições de crédito e clientes Ativos detidos para negociação e outros ativos avaliados ao justo valor através de resultados Outros ativos Aumentos (diminuições) nos passivos operacionais: Recursos de outras instituições de crédito e bancos centrais Recursos de clientes e outros empréstimos Outros passivos Caixa líquida das atividades operacionais antes dos impostos sobre lucros Impostos sobre lucros Caixa líquida das atividades operacionais ( ) ( ) ( ) (39 410) ( ) ( ) (60 045) ( ) ( ) ( ) (98 960) ( ) ( ) ( ) (92 788) ATIVIDADES DE investimento Rendimentos de instrumentos de capital Aquisições de filiais e associadas, líquidas de alienações Aquisições de ativos financeiros disponíveis para venda, líquidas de alienações Aquisições de ativos tangíveis, intangíveis e propriedades de investimento, líquidas de alienações Caixa líquida das atividades de investimento ( ) ( ) ( ) ( )

14 CGD Relatório e Contas Demonstrações dos Fluxos de Caixa Consolidados (Cont.) (Milhares de euros) atividades DE FINANCiamento Juros de passivos subordinados Juros de responsabilidades representadas por títulos Dividendos pagos de ações preferenciais Emissão de passivos subordinados, líquida de reembolsos Emissão de responsabilidades representadas por títulos, líquida de reembolsos Aumento de Capital Dividendos distribuídos Caixa líquida das atividades de financiamento (64 298) ( ) (10 366) ( ) ( ) ( ) (81 409) ( ) (9 226) ( ) ( ) ( ) ( ) Aumento (diminuição) líquido de caixa e seus equivalentes ( ) Caixa e seus equivalentes no início do período Efeitos da alteração da taxa de câmbio em caixa e seus equivalentes Variação líquida de caixa e seus equivalentes Caixa e seus equivalentes no fim do período ( )

15 178 Relatório e Contas 2011 CGD Demonstrações das Alterações nos Capitais Próprios Consolidados Outras reservas e resultados transitados Capital Reservas de justo valor Outras reservas Resultados transitados Total Saldos em 31 de dezembro de ( ) ( ) Impacto decorrente da alteração da política contabilística relativa ao reconhecimento de perdas e ganhos atuariais associados a responsabilidades com benefícios pósemprego (Nota 2.3) ( ) ( ) Saldos em 31 de dezembro de 2009 (pro forma) ( ) ( ) Distribuição do lucro do exercício de 2009: Transferência para reservas e resultados transitados Distribuição ao Estado Outros movimentos registados diretamente nos capitais próprios: Valorização de ativos financeiros disponíveis para venda ( ) (4 953) (4 953) Reconhecimento de ganhos e perdas atuariais em responsabilidades com benefícios pósemprego Variações cambiais Outros (8 412) (8 412) Total de ganhos e perdas do exercício reconhecidos nos capitais próprios ( ) Aumento de Capital Alterações no perímetro do Grupo Registo de opções de venda para aquisição de interesses minoritários Partang (83 089) (83 089) Aquisição de ações preferenciais emitidas pela Caixa Geral Finance Dividendos de ações preferenciais e outros dividendos pagos a interesses minoritários Reclassificações entre Reservas e Resultados Transitados (22 977) Resultado do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2010 (pro forma) ( ) ( ) Distribuição do lucro do exercício de 2010: Transferência para reservas e resultados transitados Outros movimentos registados diretamente nos capitais próprios: Valorização de ativos financeiros disponíveis para venda ( ) Alteração de políticas contabilísticas no reconhecimento de perdas e ganhos atuariais associadas a responsabilidades com benefícios pósemprego (IAS 19) Variações cambiais (11 785) (11 785) Outros (4 834) (4 834) Total de ganhos e perdas do exercício reconhecidos nos capitais próprios ( ) Aumento de Capital ( ) ( ) Alterações no perímetro do Grupo Registo de opções de venda para aquisição de interesses minoritários Partang Aquisição de ações preferenciais emitidas pela Caixa Geral Finance Dividendos de ações preferenciais e outros dividendos pagos a interesses minoritários Reclassificações entre Reservas e Resultados Transitados (6 082) Resultado do exercício Saldos em 31 de dezembro de ( ) ( )

16 CGD Relatório e Contas Demonstrações das Alterações nos Capitais Próprios Consolidados (Cont.) (Milhares de euros) Resultado do exercício Subtotal Interesses minoritários Total ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) (8 412) (7 318) (18 068) (8 904) (83 089) (83 089) (14 439) (14 439) (17 597) (17 597) ( ) ( ) (1 188) ( ) (11 785) (4 834) (3 249) (8 083) ( ) ( ) (67 808) (67 808) ( ) ( ) (26 767) (26 767) ( ) ( ) ( ) ( )

Banco Comercial Português

Banco Comercial Português Ativo Ativo Bruto 2017 Imparidades e amortizações 2016 Caixa e disponibilidades em bancos centrais 2,144,795-2,144,795 2,618,275 Disponibilidades em outras instituições de crédito 1,113,371-1,113,371 421,850

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR 1.º SEMESTRE DE 2016 O BIM - Internacional de Moçambique, S.A., com o intuito de manter informados os senhores Clientes e o público em geral da evolução da sua actividade,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 Demonstrações Financeiras Intercalares Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 2017 Índice Demonstração dos resultados Balanço Demonstração das alterações dos capitais próprios Demonstração

Leia mais

BANCO MOÇAMBICANO DE APOIO AOS INVESTIMENTOS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR DE Relatório e Contas Intercalar de 2017

BANCO MOÇAMBICANO DE APOIO AOS INVESTIMENTOS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR DE Relatório e Contas Intercalar de 2017 Relatório e Contas Intercalar de 2017 30 de Junho de 2017 Principais Indicadores Indicadores 30 de Junho de 2017 30 de Junho de 2016 Financeiros (Balanço) Activo Total 1.508.989 1.891.672 Créditos à Clientes(Liquido)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 115.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Divulgação de Informação Financeira Conforme Circular n.º 026/B/2012/DSB-AMCM ÍNDICE 1. ARTIGO 75º DO RJSF (REGIME JURÍDICO DO SISTEMA FINANCEIRO)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS >> Voltar ao índice ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS O presente documento apresenta um conjunto de modelos de demonstrações financeiras e um modelo de divulgação com os ajustamentos de transição

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1.º TRIMESTRE DE 2010 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1.º TRIMESTRE DE 2010 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1.º TRIMESTRE DE 2010 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

Estes e outros indicadores da Demonstração de Resultados podem observar-se no 1º dos mapas que se seguem.

Estes e outros indicadores da Demonstração de Resultados podem observar-se no 1º dos mapas que se seguem. Estimados Clientes Constituindo um imperativo legal de publicação, no site do Banco, sublinha-se que as contas de fecho do 1º semestre de 2017 mostram que, pela primeira vez nos últimos anos, o Banco apurou

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Relatório Econômico 2015

Relatório Econômico 2015 Índice 2 Relatório de Auditoria... 4 Balanço... 8 Demonstração de Resultados... 12 Receitas e Despesas Reconhecidas e Demonstrações... 16 Demonstração de Fluxos de Caixa... 20 Índice 3 1 Relatório de Auditoria

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 30 DE SETEMBRO DE 2010 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 30 DE SETEMBRO DE 2010 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 30 DE SETEMBRO DE 2010 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 2 Enunciado (PARTE 1) Relativamente à sociedade Gere Mais & Mais, S.A, conhecem-se os seguintes elementos de Dezembro de N: Balanço simplificado Elementos patrimoniais activos Edifício + terreno

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

COMUNICADO. O Resultado Líquido Consolidado da CGD em 2002 atingiu 665 milhões de euros, sendo superior ao de 2001 em 1,7%.

COMUNICADO. O Resultado Líquido Consolidado da CGD em 2002 atingiu 665 milhões de euros, sendo superior ao de 2001 em 1,7%. CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. Pessoa colectiva nº 500 960 046 Sede: Av. João XXI, nº 63, Lisboa Capital social: EUR 2 450 000 000 Matriculada na C.R.C. de Lisboa sob o nº 2900/930902 COMUNICADO ACTIVIDADE

Leia mais

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre 2012 Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre Elementos mínimos previstos na IAS 34 de acordo com o Artigo 10º do Regulamento da CMVM nº5/2008 Glintt Global Intelligent Technologies, S.A.

Leia mais

ANEXO II ENTIDADES DE CRÉDITO PRIMEIRO RELATÓRIO FINANCEIRO SEMESTRAL CORRESPONDENTE AO ANO DE 2017

ANEXO II ENTIDADES DE CRÉDITO PRIMEIRO RELATÓRIO FINANCEIRO SEMESTRAL CORRESPONDENTE AO ANO DE 2017 ANEXO II ENTIDADES DE CRÉDITO PRIMEIRO RELATÓRIO FINANCEIRO SEMESTRAL CORRESPONDENTE AO ANO DE 2017 DATA DE ENCERRAMENTO DO PERIÓDO 30/06/2017 I. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação Social: Domicílio Social:

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS Anexo à Instrução nº 4/96 VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS 1. ELEMENTOS PARA PUBLICAÇÃO OFICIAL 1.1. Balanço de situação, relativo à actividade global, evidenciando os resultados provisórios, reportado

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO

NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO Anexo à Instrução nº 23/2004 NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO Tendo em vista facilitar o preenchimento dos modelos de reporte da situação analítica, prestam-se os seguintes esclarecimentos: 1. Os itens

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

Anexo à Instrução 17/96

Anexo à Instrução 17/96 Anexo à Instrução 17/96 SOCIEDADES EMITENTES OU GESTORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE

Leia mais

IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda

IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda Relatório e contas Exercício findo em 31 de Dezembro de 2007 (contas individuais) IPI Itaúsa Portugal Investimentos SGPS,

Leia mais

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax:

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax: FamiGeste 2 SGPS, SA Relatório e Contas 2007 FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º 1200-195 Lisboa Tel: 21 3243680 Fax: 21 3431600 1 ÍNDICE Página Índice 2 Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 1 Enunciado (PARTE 1) Só uma alínea do grupo está correcta, inteiramente correcta, ou mais correcta. Refira qual e apresente nota justificativa sumária no anexo para resolução. 1 Em Portugal,

Leia mais

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria)

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) Anexo III Taxonomia M - SNC (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) 1 11 Caixa 2 12 Depósitos à ordem 3 13 Outros depósitos bancários 4 14 Outros 5 211 Clientes - Clientes c/c 6 212 Clientes

Leia mais

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos financeiros respeitantes à remuneração

Leia mais

BPI Gestão de Activos Sociedade Gestora Fundos de Investimento Mobiliário, S.A. Demonstrações Financeiras em 30 de Junho de 2016

BPI Gestão de Activos Sociedade Gestora Fundos de Investimento Mobiliário, S.A. Demonstrações Financeiras em 30 de Junho de 2016 BPI Gestão de Activos Sociedade Gestora Fundos de Investimento Mobiliário, S.A. Demonstrações Financeiras em 30 de Junho de 2016 (Contas não auditadas) BPI GESTÃO DE ACTIVOS - SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS

Leia mais

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS)

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS) SONAE INDÚSTRIA - SGPS, S.A. - Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia, Portugal Capital Social: 700 000 000 Matriculada na C. R. C. da Maia sob o nº 1067 Pessoa Colectiva nº 500 204 128

Leia mais

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas BA Fábrica de Vidros BARBOSA & ALMEIDA, SA Sociedade com o Capital Aberto ao Investimento do Público Sede: Av. Vasco da Gama, 8001 - Aldeia Nova - Avintes - Vila Nova de Gaia Matriculada na Conservatória

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras (IAS 1) Conjunto de D.F. Balanço - Contabilidade Financeira II 2008/ 2009 1º Semestre 2 1 Demonstrações Financeiras

Leia mais

Situação Patrimonial e Financeira Março 2017 Banco de Cabo Verde

Situação Patrimonial e Financeira Março 2017 Banco de Cabo Verde Situação Patrimonial e Financeira Março 2017 Banco de Cabo Verde BALANÇO - I TRIMESTRE 2017 Milhares de escudos Rubricas Activo Bruto Imparidade e amortizações Activo líquido 31-03-2017 Activo líquido

Leia mais

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016 2 "Efficiency is doing the thing right. Effectiveness is doing the right thing." Peter Drucker Eficiência é fazer uma coisa bem. Eficácia é fazer a coisa certa. Peter Drucker 3 4 Entidade N.º de ações

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda

IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda Relatório e contas Exercício findo em 31 de Dezembro de 2006 (contas individuais) IPI Itaúsa Portugal Investimentos SGPS,

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus atingem 10,2 milhões de euros no 1º trimestre de 2017

Proveitos Operacionais da Reditus atingem 10,2 milhões de euros no 1º trimestre de 2017 Proveitos Operacionais da Reditus atingem 10,2 milhões de euros no 1º trimestre de 2017 Proveitos Operacionais de 10,2 milhões de euros (vs. 12,1 milhões de euros) EBITDA de 1,3 milhões de euros (vs. 2,0

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira dos primeiros nove meses

Leia mais

2012 Relatório e Contas. Demonstrações Financeiras Individuais e Notas às Contas

2012 Relatório e Contas. Demonstrações Financeiras Individuais e Notas às Contas 2012 Relatório e Contas Demonstrações Financeiras Individuais e Notas às Contas 2012 Relatório e Contas Demonstrações Financeiras Individuais e Notas às Contas Índice Relatório e Contas 2012 Banco Espírito

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração do Fluxo de Caixa 7 Demonstração das Mutações

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017.

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. Hotel Ibis Budget Manaus Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 ATIVOS 30/06/2017 31/12/2016 PASSIVOS

Leia mais

IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda

IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda Relatório e contas Exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 (contas individuais) IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ATLÂNTICO EUROPA SGPS, S.A. Relatório e Contas

ATLÂNTICO EUROPA SGPS, S.A. Relatório e Contas ATLÂNTICO EUROPA SGPS, S.A. Relatório e Contas 1º Semestre 2014 Relatório Intercalar 1º Semestre 2014 ÍNDICE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 3 NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 8 Relatório Intercalar

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas

Demonstrações Financeiras Consolidadas Demonstrações Financeiras Consolidadas 31 de dezembro de 2016 Fevereiro 2017 Este relatório contém 74 páginas Demonstrações Financeiras Consolidadas CONTEUDO Pag I Demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Banco Comercial do Atlântico, S.A

Banco Comercial do Atlântico, S.A Balanço em 31/12/2011 Activo Valor antes de Provisões, Imparidade e Amortizações Provisões, Imparidade e Amortizações Valor Liquido Caixa e disponibilidades em bancos centrais 9.726.628.736 9.726.628.736

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2016 - BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Sociedade, S. A.

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Sociedade, S. A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Sociedade, S. A. ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do primeiro semestre de

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

PARCAIXA, SGPS, SA RELATÓRIO CONTAS

PARCAIXA, SGPS, SA RELATÓRIO CONTAS PARCAIXA, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2013 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o NIPC nº 508 659 558 Sede Social: Av. João XXI, n.º 63-1000-300 Lisboa. Capital Social integralmente

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

setembro 2015 Informação financeira auditada

setembro 2015 Informação financeira auditada Apresentação de Resultados 1S2015 setembro 2015 Informação financeira auditada Agenda 1. Síntese 1S2015 2. Funding e Liquidez 3. Qualidade do Crédito 4. Capital 5. Resultados 6. Sumário Apêndice: Balanço

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Toyota Caetano Portugal Caetano Auto CV. Caetano Renting

Toyota Caetano Portugal Caetano Auto CV. Caetano Renting Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2016 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Análise consolidada Neste primeiro

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ACTIVO 2012 2011 PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS 2012 2011 DISPONIBILIDADES 142,881,801 121,846,458 DEPÓSITOS APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Depósitos à ordem 355,298,564

Leia mais

relatório e contas volume 2 Demonstrações Financeiras

relatório e contas volume 2 Demonstrações Financeiras relatório e contas volume 2 Demonstrações Financeiras Consolidadas relatório e contas volume 2 Demonstrações Financeiras Consolidadas 01 02 Índice 5 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Versão : 2. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Versão : 2. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 Em cumprimento da alínea a) do art. 4º do Aviso nº15/07 de 12 de Setembro do Banco Nacional de Angola e após analise e aprovação do Conselho de Administração do BFA Banco de Fomento Angola, procedemos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

Reconciliação do Imposto do Exercício e do Imposto Corrente Exercício 2008 Movimentação noutras Rubricas do Capital Próprio Total Operações na D.R. Reavaliação Outras n n - 1 n n - 1 n n - 1 n n - 1 I

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas 2016 Nota Introdutória 2016 foi um ano para reflexão e reorganização da associação. Candidatámos diversos projetos, planeámos outros e nos destaques gostaríamos de notar:

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Divulgação de Informação Financeira Conforme Circular n.º 026/B/2012/DSB-AMCM 30 de Junho de 2017 ÍNDICE 1. ARTIGO 76º DO REGIME JURÍDICO DO

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

Análise Económica e Financeira

Análise Económica e Financeira A n á l i s e e c o n ó m i Análise Económica e Financeira c a e f i n a n c e i r a Relatório e Contas 2012 Página 90 Síntese de resultados Página 91 Evolução da conta de exploração As demonstrações financeiras

Leia mais

INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Exercício de (valores não auditados)

INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Exercício de (valores não auditados) Finibanco Holding INFORMAÇÃO CONSOLIDADA Exercício de 2005 (valores não auditados) Finibanco - Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 100.000.000 Matriculado

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas Aos Nossos Associados e Associadas Destaques Estratégicos A CONCEITOS DO MUNDO Associação para a Promoção dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Sustentável, é uma associação

Leia mais

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 Índice: Índice... 2 1.Enquadramento... 3 1.1.Apreciação Geral... 3 2.Atividades Realizadas... 3 2.1Conclusão da

Leia mais

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Proveitos Operacionais de 120 milhões de euros (+ 6,4%) EBITDA de 11,5 milhões de euros (vs. 11,7 milhões de euros) Margem EBITDA 9,5% (vs. 10,4%)

Leia mais

BPI VIDA E PENSÕES COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2013 acompanhadas da Certificação Legal das Contas e Relatório de Auditoria BPI VIDA E PENSÕES - COMPANHIA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras REAL VIDA SEGUROS, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 e 2010 (Montantes expressos em Euros) Nº de Identificação Fiscal: 502245140 ACTIVO Valor Bruto Imparidade, depreciações / amortizações ou ajustamentos

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE E ACTIVO DISPONIBILIDADES 144 564 297 142.881,801 APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Operações no Mercado Monetário Interfinanceiro Operações de compra de títulos de terceiros

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora 1 Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa dinheiro e cheques no estabelecimento da bancos conta saldos das contas bancárias que a movimento movimenta clientes valores a receber dos clientes

Leia mais

Demonstração dos Resultados por Naturezas

Demonstração dos Resultados por Naturezas Demonstração dos Resultados por Naturezas Período findo em 31 de Dezembro de 2015 PERÍODOS RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS 2015 2014 Variância Vendas e serviços prestados 951.735,35 940.108,95 1,24% Subsídios,

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS).

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS). SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS). Porto, Portugal, 21 Abril 2003 (Tradução para português do original em inglês)

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2017 2016 Passivo e patrimônio líquido 2017 2016 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 50.383 78.050 Fornecedores 22.725 23.096 Contas

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar limitações da análise tradicional. A necessidade deste

Leia mais

Relatório e Contas 2010

Relatório e Contas 2010 Relatório e Contas 2010 Volume 2 Demonstrações Financeiras Consolidadas Relatório e Contas 2010 Volume 2 Demonstrações Financeiras Consolidadas I. Demonstr ações financeir as Demonstração dos resultados

Leia mais

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016 Venda de 2% do BFA Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI 11 Novembro 2016 Impacto da venda de 2% nas contas consolidadas do BPI Em 7 de Outubro de 2016

Leia mais