DESPACHANTE OFICIAL ANTONIO HELDER MATEUS telefones:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESPACHANTE OFICIAL ANTONIO HELDER MATEUS www.heldermateus.com geral@heldermateus.com telefones: 00244 222 100515 00244 222 100529 00244 925485649"

Transcrição

1 O QUE FAZ UM DESPACHANTE OFICIAL? FAQ O Despachante oficial e seus ajudantes podem praticar em nome dos seus representados os actos relacionados com o despacho aduaneiro de bens ou de mercadorias, inclusive de bagagem de viajante, transportados por qualquer via, na importação ou na exportação. A principal função do despachante aduaneiro é a formulação da declaração aduaneira de importação ou de exportação, que nada mais é do que a proposição da destinação a ser dada aos bens submetidos ao controle aduaneiro, indicando o regime aduaneiro a aplicar às mercadorias e comunicando os elementos exigidos pela Alfandega para aplicação desse regime. A verificação da mercadoria, para sua identificação ou quantificação, quando necessária, excepto em casos excepcionais, é realizada na presença do importador ou de seu representante, nesse caso, o despachante oficial, podendo este recebê-la após o seu desembaraço. fonte: wikipédia O QUE PRECISO SABER SOBRE INSPEÇÇÕES PRÉ-EMBARQUE? Conforme é do V/conhecimento a partir do dia 17 de Agosto de 2006 entrou em vigor o Dec.Lei nº 41/06 de 17 de Julho, que define os princípios e as normas jurídicas fundamentais da actividade de Inspecção de mercadorias no País de Exportação antes do respectivo embarque para a República de Angola, designada por Inspecção Pré-Embarque, e que nos merece as seguintes considerações para as quais V. Exas. deverão tomar a máxima atenção: Com a revogação do Dec. 34/02, de 28 de Junho e o Despacho nº 192/02 de 9 de Agosto, as mercadorias que passam a estar sujeitas à obrigação de Inspecção Pré-Embarque (conforme ANEXO 1), passarão a estar sujeitas à mesma independentemente do seu valor, contrariamente ao que acontecia anteriormente, em que a obrigação de Inspecção Pré- Embarque era apenas para mercadorias cujo valor CIF fosse superior a USD para empresas e USD para particulares. Considerando que foi criado um CANAL VERDE para as mercadorias cuja Inspecção Pré- Embarque é facultativa (conforme ANEXO 1), será de todo aconselhável que mesmo para essas seja efectuada a Inspecção Pré-Embarque, já que o seu processo de desalfandegamento em Luanda será mais eficaz. Toda a mercadoria que seja Facultativa a Inspecção Pré-Embarque e que a mesma não tenha sido efectuada, deverão V. Exas. apresentar juntamente com toda a documentação o

2 Formulário da Declaração de Valor Aduaneiro, devidamente preenchido, assinado e carimbado, esse formulário poderá ser obtido junto da Imprensa Nacional. Os Honorários devidos às entidades de Inspecção que processarão as Inspecções Pré- Embarque são por conta do Importador. O valor dos honorários devidos às entidades de Inspecção é de 0,75% do valor FOB, com um mínimo de 250 USD por CRF/FRC. Sempre que a Inspecção Pré-Embarque Obrigatória de determinada mercadoria não se realize no País de procedência, será efectuada uma Inspecção Local, sob pena do pagamento de uma multa que poderá ir de UCF 400 a UCF 8000 (O valor de 1 UCF é variável, é necessário saber o valor do mesmo em cada momento) As Entidades Públicas competentes, nomeadamente, as autoridades sanitárias, policiais e as Alfândegas podem determinar a realização da Inspecção Local das mercadorias, sendo os honorários devidos às entidades de Inspecção pagos pela Entidade solicitadora. A actividade de Inspecção Pré-Embarque, só pode ser realizada por sociedades comerciais que tenham sido devidamente licenciadas pelo Ministério das Finanças, através da Direcção Nacional das Alfândegas e até à presente data apenas estão autorizadas a BIVAC, SGS e COTECNA. Para que futuramente não exista problemas com a importação de mercadorias é necessário logo que as embarquem: Se foi inspeccionado é necessário a apresentação dos documentos finais de embarque à empresa que efectuou a Inspecção (BIVAC/COTECNA/SGS). Os Documentos Finais são: BL, Factura final e Packing List Só depois da apresentação dos Documentos Finais o CRF/FRC poderá ser emitido em Luanda QUAIS SÃO OS DOCUMENTOS QUE DEVO RECEBER DO EXPORTADOR (FORNECEDOR) QUE SÃO NECESSÁRIOS PARA O DESALFANDEGAMENTO DA MINHA MERCADORIA? Documentos necessários para o desalfandegamento da mercadoria, que deverão ser enviados com antecedência pelo Fornecedor / Exportador são: BL 3 Originais e 3 Copias não negociáveis Factura (em Português) carimbada e assinada CNCA / ARC Conselho Nacional de Carregadores de Angola Packing List Certificado Fito Sanitário, para o caso de bens alimentares Documentos Originais (Livrete) para o caso de viaturas usadas

3 Se Máquinas/Automóveis/Motorizadas/Camiões/Atrelados, não se esquecer de mencionar no BL e na Factura o seguinte: Marca e Modelo Ano de fabrico Número de Série / Número de Chassis Se alguma parte do equipamento for desmontado é necessário mencionar no BL. QUAIS OS PRODUTOS TÊM INSPECÇÃO PRÉ-EMBARQUE OBRIGATÓRIA E QUAIS TÊM A FACULTATIVA? Ver o ANEXO 1 QUAIS OS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA DESALFANDEGAR UMA MERCADORIA? BL/ PRETENCE (via marítima) ou CARTA DE PORTE (via aérea), com Bom para Despacho CRF ou DECLARAÇÃO de VALORES (caso isento de inspecção) FACTURA (original da mercadoria em português, assinada e carimbada, cópias e s não são aceites pela Alfândega) CNCA-Conselho Nacional dos Carregadores de Angola ( Se importação por via marítima) CREDENCIAL (a autorizar os trabalhadores do Despachante Oficial a levantar a carga dos terminais) CREDENCIAL (a autorizar os trabalhadores do Despachante Oficial a tratar do carimbo bom para despacho) TERMO DE RESPONSABILIDADE SOBRE O CONTENTOR (Se contentor), excepto para contentores de gupagem. SE ALIMENTOS: Certificado Fito Sanitário Nacional (Trata-se de uma licença prévia de importação no Ministério da Agricultura, Direcção Geral de Serviços veterinários e posteriormente de uma guia de desalfandegamento na Direcção provincial de Serviços Veterinários) a demora é de 24 Horas em cada local. SE A SUA EMPRESA BENEFICIA DE ISENÇÕES: Termo de Responsabilidade autenticado Cópia da Legislação ou Autorização de Isenção Certificação do Ministério de tutela

4 SE É O SEU PRIMEIRO PROCESSO CONNOSCO: Alvará de Importação, registo estatístico e número de contribuinte (empresas) Bilhete de identidade e número de contribuinte (particulares) Contactos (telefones, moradas, , faxes) SE GRUPAGEM E/OU MEIOS CONTENTORIZADOS: BL e Manifesto de Carga SE O CONTENTOR NÃO É PROPRIEDADE DO CLIENTE: Delivery order Boletim de controlo do contentor passado pela Agência de Navegação SE MATERIAL DE TELECOMUNICAÇÕES Apresentar declaração do INACOM QUAIS OS PRODUTOS OU EQUIPAMENTOS NECESSITAM DA OBTENÇÃO DA DECLARAÇÃO DO INACOM? Ver o ANEXO 4 COMO OBTER A DECLARAÇÃO DO INACOM? Para obter a declaração do INACOM, deverá fazer uma carta a solicitar a importação do material em referencia, anexando a cópia do B/L (Via marítima) ou Carta de porte (Via aérea), factura e a documentação da empresa ou pessoal, se importação pessoal. O QUE DEVO SABER SOBRE A IMPORTAÇÃO DE VIATURAS? Apenas devem ser importados para a República de Angola automóveis ligeiros com até 3 anos e pesados com até 5 anos a contar do ano de fabrico. Por exemplo: Ano corrente = 2008 (Ligeiros) Ano corrente = 2006 (Pesados) Esta situação não abrange outros equipamentos rodoviários, pelo que ficam excluídos desta obrigatoriedade os motociclos, reboques, semi-reboques, cisternas, veículos agrícolas (artº 106), ciclomotores e quadriciclos (artº 105º) ou outras viaturas a motor (artº 107º), todos do código de estrada. Os equipamentos rodoviários não classificados como automóveis que dão entrada nas fronteiras do país, estão admitidos a importação, dado que a interdição somente se refere a veículos automóveis.

5 Os veículos usados devem entrar no país com a matrícula de circulação ou exportação do país de origem e fazendo-se acompanhar do certificado de inspecção técnica, obtido no país de origem que aprove o estado técnico do veiculo. As viaturas usadas com um período de vida superior ao estabelecido no decreto presidencial, são consideradas mercadorias proibidas, devendo ser reexportadas ou destruídas nos termos do código aduaneiro, ressalvando-se as excepções previstas no nr.4 do artigo 19º do decreto presidencial 135/10. Não podem ser importados temporariamente veículos que não cumpram com os requisitos estatuídos no referido diploma legal; Excepções para: Veículos importados por organismos internacionais reconhecidos pelo Ministério das Relações Exteriores. Veículos importados pelas Missões Diplomáticas, Repartições Consulares e representações de organismos internacionais sediados em Angola. Veículos usados, com mais de trinta (30) anos de fabrico, importados para fins culturais e de colecção. Veículos herdados, sendo para tal necessário que se certifique que o veículo foi de facto herdado. Veículos usados importados por diplomatas angolanos em fim de missão, que regressem de vez ao país após residirem no estrangeiro, sendo necessário comprovar tal situação. Este benefício será dado apenas uma única vez e deverão provar que os veículos já eram sua pertença antes da conclusão da missão/formação. OBS: Não poderão ser feitos endossos, de e para, os importadores acima citados para poderem beneficiar destas excepções. QUAIS OS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA DESALFANDEGAR VIATURAS Cópia reconhecida do Alvará comercial do Ministério do Comércio e dos transportes, quando se tratar de concessionária a importar pela primeira vez no ano; Factura comercial da mercadoria; Documento comprovativo da propriedade do veículo; Certificado de inspecção técnica que aprove o seu estado técnico, emitido pela entidade competente do país de origem e válido por um período, não inferior a seis meses, anterior a data do embarque; Certificado do Conselho Nacional de Carregadores de Angola; Conhecimento de embarque (B/L) ou Carta de Porte; e Atestado de verificação. OBS 1: Os particulares somente podem importar veículos para uso próprio e estão dispensados da apresentação de Alvará. OBS 2: As empresas não concessionárias e Instituições que pretendam importar viaturas para o seu uso próprio, deverão solicitar a autorização/licenciamento para

6 a importação previamente ao Ministério do Comércio devendo as mesmas justificar e cabimentar o número de veículos desejados. COMO DEVO FAZER UM TERMO DE RESPONSABILIDADE SOBRE O CONTENTOR PARA A LEGALIZAÇÃO DO B/L NA AGÊNCIA? E COMO SOLICITAR O REEMBOLSO DA CAUÇÃO? Ver o ANEXO 3 COMO DEVO FAZER UMA CREDENCIAL PARA AUTORIZAR O DESPACHANTE A TRAMITAR A MINHA MERCADORIA? Ver o ANEXO 2 O QUE DEVO SABER SOBRE O LICENCIAMENTO DE MERCADORIAS? 1. Existem produtos que pela sua natureza, o seu licenciamento carece de uma prévia aprovação por parte de um órgão de tutela, para que possa ser concedida a licença de importação, exportação ou reexportação. Este conjunto de produtos está definido por lei e diz respeito, e diz respeito, nomeadamente e a título exemplificativo, aos produtos de origem animal e vegetal que devem ser previamente aprovados pelos organismos do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas; aos combustíveis, lubrificantes e produtos da mesma família que carecem da aprovação por parte do Ministério dos Petróleos, aos medicamentos pelo Ministério da Saúde, aos explosivos e munições pelo Ministério do Interior, etc. 2. As licenças de importação, exportação e reexportação devem ser requeridas através da submissão de uma versão inicial do Documento Único (DU), que passa a chamar-se DU provisório e que para garantir um elevado padrão de qualidade dos dados constantes do mesmo, o seu preenchimento deve ser feito por um despachante Oficial ou Caixeiro Despachante, que assume a responsabilidade apenas em relação a correcta transcrição dos dados e classificação pautal dos produtos constantes das facturas pro-formas correspondentes a cada DU provisório. O conteúdo das facturas pró-forma e por consequência dos dados constantes da licença, é da responsabilidade do cliente dos importadores que devem passar a validar, bastando para isso a aposição da rubrica de um responsável legal da empresa, ou pessoa mandatada para o efeito, e de carimbo na primeira página de cada factura pró-forma. 3. A licença obtida, caduca de forma automática ao cabo de 60 (Sessenta) dias desde que não se registe, por parte do requerente, a prática de qualquer acto que traduza a intenção de realizar a operação de comércio internacional em causa, nomeadamente: a) Pedido de inspecção pré-embarque;

7 b) Pagamento parcial ou total da mercadoria através de uma instituição bancária nacional; c) Autorização de embarque da mercadoria pelo conselho nacional de carregadores; d) Despacho Aduaneiro processado pelo serviço Nacional das Alfândegas; e) Outros actos praticados pelos importadores ou exportadores, desde que comunicados ao Ministério do Comércio. 4. Os embarques parciais são aceites quando for de todo impossível ou desaconselhável manter o principio uma licença, um embarque consagrado no Nr. 5 do artigo 27º do Decreto Presidencial Nr. 265/10; nestes casos, o pedido deve merecer consenso do Ministério do Comércio e do Serviços Nacional das Alfândegas. 5. Nos casos em que houver discrepância de mais de 5% do valor inicialmente licenciado comparativamente ao valor da factura, o representante do declarante, deverá solicitar ao MINCO, um novo licenciamento. 6. Devem ser aceites sem licenciamento das facturas, todas as declarações aduaneiras de mercadorias com valor inferior a USD 5.000,00 (Cinco mil, dólares americanos). 7. Para os casos supracitados, se as mercadorias em causa estiverem sujeitas a inspecção pré-embarque com base no Decreto 41/06 de 17 de Julho, as empresas de inspecção préembarque podem efectuar a inspecção sem a apresentação de licença. 8. Os declarantes das mercadorias importadores, têm a liberdade de eleger os seus representantes Despachantes, para a tramitação do DU provisório (Licenciamento) e outro ou o mesmo representante para a tramitação do DU definitivo (Declaração aduaneira para a Alfândega). 9. As facturas licenciadas elo Minco, podem ser tramitados em qualquer estância Aduaneira do país. ATÉ QUANTO TEMPO APÓS A CHEGADA DA MERCADORIA POSSO DAR ENTRADA DA DOCUMENTAÇÃO A ALFÂNDEGA SEM QUAISQUER CONSTRANSGIMENTOS? 60 dias para o Porto (Mercadoria por via marítima) e 30 dias para (Mercadoria por via aérea), após os quais, a entrada acarreta multas. QUANTO TEMPO TEM O CLIENTE PARA PAGAR UMA NOTA DE LIQUIDAÇÃO? 10 Dias úteis.

TABELA 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO COMPLETO DE DESALFANDEGAMENTO 1) PREPARAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS.

TABELA 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO COMPLETO DE DESALFANDEGAMENTO 1) PREPARAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS. TABELA 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO COMPLETO DE DESALFANDEGAMENTO 1) PREPARAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS a) LICENCIAMENTO Para que uma mercadoria seja legalizada o primeiro passo a tomar deverá

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 Na sequência da aprovação do Decreto Presidencial n.º 265/10, de 26 de Novembro, sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas PROCEDIMENTOS À CIRCULAR Nº /DESP/DTA/DNA/07 (Anexo A a que se referem os pontos 13º e 16º da circular) REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

Leia mais

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-. REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS DE ANGOLA CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS ASSUNTO: Legalização das Embarcações Importadas. Nº. /26/ DESP / DTA -.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de mercadorias INSTRUTIVO N.08/99 de 21 de Maio Com vista a estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das operações de mercadorias, em conformidade com o

Leia mais

Ministério das Finanças Serviço Nacional das Alfândegas Procedimentos Aduaneiros de Importação de Mercadorias

Ministério das Finanças Serviço Nacional das Alfândegas Procedimentos Aduaneiros de Importação de Mercadorias Ministério das Finanças Serviço Nacional das Alfândegas Procedimentos Aduaneiros de Importação de Mercadorias Nickolas G. da Silva Neto (DPP) 10/07/12 INDICE As Alfândegas Instrumentos Legais Os Regimes

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1. a série 4765 da CPLP, incluindo a República de Angola, tenham depositado na sede da CPLP, junto ao seu Secretariado Executivo, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS ASSUNTO: MEDIDAS PARA ADMINISTRAÇÃO DE REEMBOLSO DO IVA SOBRE MATERIAIS E SERVIÇOS COMPRADOS

Leia mais

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias Politica Cambial AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias 1 AGENDA 1. AVISO N.º 19/12 PAGAMENTOS DE IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS. 2. REGISTO

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes I - De ordem geral: 1 - Em que consiste o incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida previsto na lei da fiscalidade verde (Lei n.º 82-D/2014, de 31 de dezembro) Consiste

Leia mais

Luanda 16 Outubro 2006

Luanda 16 Outubro 2006 SESSÃO ESCLARECIMENTO Implementação novo Regime de Inspecções Pré-Embarque (REGIPE) Luanda 16 Outubro 2006 Parceiro nas Rotas do Desenvolvimento SUMÁRIO 1 Decreto 41/06 2 Decreto Executivo 124/06 3 Bureau

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO TERMINAL DE VIATURAS DA MULTIPARQUES.

Leia mais

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Questões de âmbito geral - Os novos procedimentos adotados pela FFCUL aplicam-se a que tipologias de projeto? Os novos procedimentos implementados

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA O DESEMBARAÇO DE VIATURAS. Da Submissão do Manifesto/Memorando de Carga

PROCEDIMENTOS PARA O DESEMBARAÇO DE VIATURAS. Da Submissão do Manifesto/Memorando de Carga Importação de Viaturas A) Aplicável aos Terminais Internacionais Automóveis PROCEDIMENTOS PARA O DESEMBARAÇO DE VIATURAS 1. Modo de Transporte 1.1 Marítimo: Da Submissão do Manifesto/Memorando de Carga

Leia mais

VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA. e Residência, com assinatura reconhecida no Notário e visado por este Consulado;

VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA. e Residência, com assinatura reconhecida no Notário e visado por este Consulado; VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Carta do requerente, devidamente fundamentada, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Fixação R G I IRO e

Leia mais

DECRETO 55/00 de 10 de Novembro

DECRETO 55/00 de 10 de Novembro DECRETO 55/00 de 10 de Novembro Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei n.º 5/97, de 27 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO

VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Tratamento Médico, com assinatura R G I reconhecida

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Procedimentos para utilizar a tramitação de Desalfandegamento Prévio

Procedimentos para utilizar a tramitação de Desalfandegamento Prévio Procedimentos para utilizar a tramitação de Desalfandegamento Prévio Esta iniciativa serve para reduzir a sobrecarga das instalações de armazenamento no Porto e no Aeroporto, devendo ser concedida às entidades

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 17/2013 TAX FREE

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 17/2013 TAX FREE INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 17/2013 TAX FREE A presente informação técnica substitui a informação n.º 12/208. Índice 1.Introdução... 1 2.Quem tem direito?... 2 3.Supressão do sistema de Dupla Venda... 2 4.Sistema

Leia mais

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, R G I com assinatura

Leia mais

Visto de Permanência Temporária

Visto de Permanência Temporária Visto de Permanência Temporária Documentos necessários: Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, com assinatura reconhecida no Notário

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo nº 75/00 de 10 de Novembro Convindo complementar e actualizar a legislação vigente aplicável ao processo de importação e exportação de mercadorias por forma a adequá

Leia mais

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA Edição Online e Coordenação Técnica: Icep Portugal/Unidade Conhecimento de Mercado Elaboração: Delegação do Icep Portugal em Luanda Data:

Leia mais

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas 1 de 7 13/07/2015 12:00 Menu Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa por Subsecretaria de Aduana e Relações Internacionais publicado 22/05/2015 16h36, última modificação 18/06/2015 15h00 Remessas

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo Pela Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), foi criado um regime excecional de atribuição

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças Taxas e Licenças Perguntas Frequentes Como posso pedir a carta de caçador? Como posso renovar a carta de caçador? Como posso pedir a 2ª via da carta de caçador? Como devo proceder ao registo de exploração

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas 1. Legislação e Regulamentos Aplicáveis Decreto-Lei n.º 38/2007, de 19 de Fevereiro, do

Leia mais

VISTO ORDINÁRIO (Pessoas Singulares ou Colectivas)

VISTO ORDINÁRIO (Pessoas Singulares ou Colectivas) VISTO ORDINÁRIO (Pessoas Singulares ou Colectivas) Documentos necessários: R G I ESTRNG e O Ã E Ç IRO Passaporte com validade superior a 9 meses e 2 folhas seguidas livres para a aposição do visto; S Duas

Leia mais

Condições Legais de Acesso ao Mercado

Condições Legais de Acesso ao Mercado Condições Legais de Acesso ao Mercado Página 1/10 Índice 1. Regime Geral de Importação 2 2. Regime de Investimento Estrangeiro 6 3. Quadro Legal 7 Página 2/10 1. Regime Geral de Importação No contexto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 5 Introdução A Portaria n.º 363/2010 de

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA 1. LEGISLAÇÃO PERTINENTE: ORGÂNICA DO Tribunal de Contas (LEI Nº 5/96, de 12 de Abril)

Leia mais

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

DESPACHO DATA SUBSTITUIÇÃO DE CERTIFICADO DE MATRÍCULA HOMOLOGAÇÃO CERTIDÃO APREENSÃO NIF EMISSOR ASSINATURA. Marca

DESPACHO DATA SUBSTITUIÇÃO DE CERTIFICADO DE MATRÍCULA HOMOLOGAÇÃO CERTIDÃO APREENSÃO NIF EMISSOR ASSINATURA. Marca DESPACHO ÁREA RESERVADA AOS SERVIÇOS DATA ano mês dia (RUBRICA) OS DADOS RECOLHIDOS SÃO DE PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO E PROCESSADOS AUTOMATICAMENTE DESTINANDO-SE À PROSSECUÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES LEGALMENTE

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição 1. Quais as instruções a seguir pelos técnicos que pretendam exercer

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 5 Introdução A Portaria n.º 363/2010 de

Leia mais

PROCEDIMENTOS DO REGISTO DA MARCA EM MOÇAMBIQUE.

PROCEDIMENTOS DO REGISTO DA MARCA EM MOÇAMBIQUE. PROCEDIMENTOS DO REGISTO DA MARCA EM MOÇAMBIQUE. Os procedimentos do registo da marca encontram-se dispostos no Código da Propriedade Industrial adiante (CPI), artigos 110 à 135; o registo é igualmente

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA Vistos de Privilegiado Documentos necessários: Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o visto, com assinatura reconhecida pelo Notário e visado por este Consulado; Formulário

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior

Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior Disposições gerais I-Viajantes Com Permanência No Exterior Superior A Um Ano Que Retornam Definitivamente Ao Brasil Ii - Viajantes Com

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais:

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais: S. R. EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR Fevereiro/2015 VISTOS DE ESTUDO 2015/16 Informações Gerais: Fases do processo 1. Envio de listas com indicação dos candidatos: Enviadas até 10 de Julho;

Leia mais

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission Manual de Procedimentos AIG 1 Apólice Procedimentos em caso de Sinistro (Todo o mundo) Sempre que se torne necessário activar as garantias da apólice e, especialmente, em caso de emergência, as Pessoas

Leia mais

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora.

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. CAE Rev_3: 49310, 49391 e 49392 TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A T R A D U T O R J U R A M E N T A D O E I N T E R P R E T E C O M E R C I A L

L A E R T E J. S I L V A T R A D U T O R J U R A M E N T A D O E I N T E R P R E T E C O M E R C I A L SERVIÇOS CONSULARES LEGALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS Para que serve a legalização de documentos? Quais documentos podem ser legalizados no Consulado-Geral? Como faço para legalizar documentos no Consulado-Geral?

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. O que é o regime especial de Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI)? O regime de ARI

Leia mais

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 LEGAL FLASH I ANGOLA Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 I. REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

Decreto-Lei n.º 17/98/M

Decreto-Lei n.º 17/98/M Decreto-Lei n.º 17/98/M de 4 de Maio A reprodução ilícita e em grande escala de programas de computador, fonogramas e videogramas, bem como o respectivo comércio, lesam de forma inaceitável os direitos

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 196/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas as entidades exploradoras dos armazéns e das redes e ramais

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

VISTO DE TURISMO. Autorização de Viagem por parte dos tutores, com assinaturas reconhecidas; G O

VISTO DE TURISMO. Autorização de Viagem por parte dos tutores, com assinaturas reconhecidas; G O VISTO DE TURISMO Documentos necessários: ESTRNG e O Ã E Ç Formulário e ficha devidamente preenchidos, com letra de imprensa ou dactilografados com tinta preta e assina- R G I dos pelo requerente, sem rasuras

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119-----

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119----- REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇAS DE TAXAS E LICENÇAS E RESPECTIVA TABELA DA JUNTA DE FREGUESIA DE VALONGO DO VOUGA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Aprovação 1 - É aprovado o Regulamento de

Leia mais

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual.

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou

Leia mais

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro Havendo necessidade de se regulamentar o funcionamento das sociedades de cessão financeira (factoring), com vista a desenvolver a matéria estabelecida no Decreto Presidencial

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

Parceiro Logístico para

Parceiro Logístico para Parceiro Logístico para A logística no evento Maio de 2012 www.porlogis.pt Agenda ENQUADRAMENTO CALENDÁRIO LOGÍSTICO DOCUMENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E EMBALAGEM PLATAFORMAS PARA RECEPÇÃO DOS PRODUTOS CONTACTOS

Leia mais

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

Leia mais

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros.

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros. ÁREA TEMÁTICA DESIGNAÇÃO CONTEÚDO COMÉRCIO ESPECIAL Sistema de comércio que inclui nas entradas, as chegadas, as importações em regime normal e as mercadorias importadas para aperfeiçoamento activo e após

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 BRASIL - BOLÍVIA APROVADO PELO DECRETO N os 2.240 DE 17/12/1.996 E 4.161 DE 12/03/2.002 1 Notas Explicativas 1. Declaração 1.1. A

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Circular n.º 37/2011 Série II

Circular n.º 37/2011 Série II Proc.º 205.15.03.01-01/2011 DSIVAVA Circular n.º 37/2011 Série II Assunto: Facturas comercias (Ref.ª às circulares n.ºs 14/2004 e 31/2008, Série II) De harmonia com o Despacho Conjunto de 12 de Maio de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 14º;29º Exportações - Comprovativo da isenção nas operações bens em segunda mão Processo: nº 3092, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo PROCEDIMENTOS GERAIS PARA O REGISTO DE EMPRESAS EM PORTUGAL As sociedades estrangeiras podem praticar as suas actividades em Portugal através da constituição de uma representação permanente no território

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 19 de Novembro de 2010 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO INTERNO DE ATRIBUIÇÃO DE EQUIVALÊNCIA DE HABILITAÇÕES ESTRANGEIRAS AO GRAU DE LICENCIADO

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações:

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações: Certificação de Programas Informáticos de Facturação Alterações: Lei nº 64 B/2011 de 30 de Dezembro (OE 2012) Portaria nº 22-A/2012 de 24 de Janeiro Ofício circulado nº 50.000/2012 de 26 de Janeiro 1 O

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Despacho Presidencial nº 265/10 de 26 de Novembro

Despacho Presidencial nº 265/10 de 26 de Novembro Publicado no Diário da República n.º 224, I série de 26 de Novembro Despacho Presidencial nº 265/10 de 26 de Novembro Havendo necessidade de tornar mais eficientes os procedimentos administrativos utilizados

Leia mais

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1.

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1. Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos Artigo 1.º (Objecto) O presente Protocolo tem por objecto a criação de um mecanismo

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

ORIENTAÇÕES IMPORTAÇÃO Versão nº 01 (21/10/2010)

ORIENTAÇÕES IMPORTAÇÃO Versão nº 01 (21/10/2010) ORIENTAÇÕES IMPORTAÇÃO Versão nº 01 (21/10/2010) 1) O servidor interessado na aquisição de bens importados deverá encaminhar ao Setor de Compras do Centro a seguinte documentação: a) A solicitação de compra

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento Tanto o exportador como o importador devem evitar os riscos de natureza comercial a que estão sujeitas as transacções internacionais. Ao

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE NOTA JUSTIFICATIVA Art.º 1.º DEFINIÇÃO No âmbito das actividades de interesse municipal, compete às câmaras municipais prestar apoio

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

Regime de bens em circulação e SAF-T

Regime de bens em circulação e SAF-T Regime de bens em circulação e SAF-T Novas regras Julho 2013 Legislação Quem está abrangido Emissão de documentos transporte Comunicação de documentos à AT SAF-T Oportunidades comerciais Sage Portugal

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais