Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2014/2015 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2014/2015 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial"

Transcrição

1 Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2014/2015 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

2 Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas Outras fontes Oferta Agregada Nível de preços e custos Produto potencial Capital, trabalho, tecnologia Ciclos Económicos Expansão / Recessão Causas externas / Causas internas Procura Agregada Moeda Modelo do acelerador-multiplicador (modelo keynesiano) Como as variações na despesa se traduzem em variações do produto e do emprego Curto prazo Ciclos político-eleitorais Oferta Agregada Ciclos económicos reais inovação/choques de produtividade Choques de oferta por exemplo, preço do petróleo 2

3 Ciclos Económicos Características habituais de uma recessão Compras dos consumidores caem, existências em armazém crescem, produção diminui, investimento diminui, horas extraordinárias diminuem, aumento do nº de empresas a fechar, desemprego sobe, inflação desce, lucros descem, acções descem, taxas de juro descem Teorias de ciclos exógenos Causas dos ciclos são guerras, revoluções, eleições, preços do petróleo, descobertas científicas, progressos tecnológicos (ciclo económico real) Teorias internas É o próprios sistema económico que gera os ciclos Expansões geram contracções e vice-versa Previsões macroeconómicas e dos ciclos com recurso à Macroeconometria Boa utilização da Macroeconomia pode impedir que os choques se transformem em recessões e as recessões em depressões 3

4 Modelo Macroeconómico Modelo de funcionamento do mercado de bens e serviços (o mercado do produto) Modelo de ajustamento para um equilíbrio macroeconómico Admite-se inicialmente que os salários, preços e as taxas de juro estão fixos e que existem recursos não utilizados Exclui-se reacções dos mercados financeiros Caracterizar o funcionamento do mercado do produto através de equações de comportamento das diferentes componentes da procura agregada, em especial o consumo e o investimento Analisar o impacto da política governamental Como aumentos numa despesa exógena podem levar a uma sucessão decrescente de aumentos na despesa (um euro amplificado em mais de um euro) 4

5 Procura Agregada AD = C + I + G + NX Produto e Procura Agregada Em equilíbrio a quantidade produzida é igual à quantidade procurada: Y = AD Ou: Rendimento é igual a Despesa Processo de ajustamento através de alterações não desejadas no nível de existências 5

6 Componentes da Procura Agregada 6

7 Componentes da Procura Agregada Contributos brutos para o crescimento do PIB Em pontos percentuais 7

8 Função Consumo À medida que rendimento disponível sobe, diminui a proporção gasta em alimentação e aumenta a gasta em vestuário, lazer, automóveis, saúde Poupança também aumenta O comportamento do consumo e da poupança são fundamentais para compreender os ciclos económicos (curto prazo, consumo) e o crescimento económico (longo prazo, poupança) Determinantes do Consumo Teoria do rendimento permanente Consumidores consomem grande parcela dos aumentos permanentes do rendimento (ex: promoção), mas poupam grande parcela de um aumento temporário(ex: prémio de desempenho) Teoria do ciclo de vida Consumidores consomem e poupam ao longo da vida de forma a ter sempre um padrão de consumo estável Efeito riqueza Quanto maior a riqueza, maior o consumo; quebras grandes na riqueza (ex: crash bolsista) reduzem o consumo 8

9 Função Consumo C Consumo C = C + cy Consumo autónomo (ordenada na origem) C > 0 Propensão marginal a consumir (inclinação da função consumo) 0 < c < 1 Propensão marginal a poupar s = 1 c 9

10 Decomposição da variação real do consumo privado Contributos, em pontos percentuais 10

11 Consumo, rendimento disponível e taxa de poupança Taxa de variação anual, em percentagem Fonte: INE e Banco de Portugal. Nota: (p) projetado. A taxa de poupança é expressa em percentagem do rendimento disponível 11

12 Rendimento, Consumo e Poupança 12

13 Casos e Exercícios Assinale a alínea correta. O consumo das famílias varia inversamente com a taxa de juro porque quando a taxa de juro aumenta a) as famílias não precisam de se endividar. b) aumenta o custo de oportunidade do endividamento. c) as famílias diminuem a propensão a poupar. d) Nenhuma das anteriores. Assinale a alínea correta. A diminuição da propensão marginal a consumir na função consumo significa que a) as famílias passaram a consumir mais. b) as famílias passaram a poupar mais. c) as expectativas relativamente ao futuro melhoraram. d) Nenhuma das anteriores. 13

14 Assinalar se verdadeiro ou falso e explicar: Casos e Exercícios a) A diminuição da propensão marginal a consumir na função consumo significa que as famílias passaram a poupar mais. b) A função consumo relaciona o nível de consumo com o nível de rendimento disponível. A função poupança relaciona a poupança com a riqueza. Dado que o que se poupa é igual ao que não se consome, as curvas da poupança e do consumo são como o reverso uma da outra. c) A propensão marginal ao consumo é o montante de consumo adicional gerado por uma unidade monetária adicional de rendimento disponível. A propensão marginal à poupança é definida de igual forma mas para o montante de poupança adicional. d) O consumo pode ser dividido em três categorias: bens duráveis, bens não duráveis e serviços. Com o aumento do rendimento disponível, é de esperar que aumente o peso dos bens duráveis e dos serviços no total do consumo das famílias. 14

15 Assinalar se verdadeiro ou falso e explicar: Casos e Exercícios a) A explicação do comportamento do consumo assenta em três teorias: rendimento disponível; rendimento permanente e modelo de consumo do ciclo de vida. Adicionalmente, considera-se que a riqueza não influência o comportamento do consumo. Estas teorias explicam porque jovens profissionais pedem um empréstimo para comprar casa; ou porque os sistemas de segurança social públicos podem levar a uma descida da poupança; ou porque um prémio salarial não deverá alterar padrões de consumo. Assinale a alínea correta. A propensa marginal a consumir representa a) a diferença entre o consumo autónomo e o consumo verificado. b) o peso da poupança no total do rendimento. c) o peso do consumo no total do rendimento. d) Nenhuma das anteriores. 15

16 I. Modelo sem Estado e sem trocas comerciais com o exterior 1) Definição da Procura Agregada 2) Comportamento do Consumo AD = C + C = C + I cy 3) Comportamento do Investimento 4) Equilíbrio na Economia I = Y = I AD As quatro equações anteriores representam a estrutura da economia modelo na forma estrutural 16

17 I. Modelo sem Estado e sem trocas comerciais com o exterior Produto de equilíbrio - modelo na forma reduzida ( C I ) 1 Y = + 1 c Multiplicador (do consumo autónomo e do investimento) 1 > 1 1 c Multiplicador: impacto da variação de 1 de despesas exógenas sobre o produto total Qualquer variação no consumo autónomo ou no investimento irá provocar um aumento do produto de equilíbrio num montante superior a essa mesma variação Quanto maior a propensão marginal a consumir, c, maior o multiplicador 17

18 I. Modelo sem Estado e sem trocas comerciais com o exterior O equilíbrio de produto igual a procura (equação 4), Y = AD é equivalente a poupança igual a investimento S = I 18

19 Poupança O gráfico evidencia a elevada desigualdade na distribuição da poupança em Portugal Cerca de 87% do total da poupança é gerada pelos dois decis superiores da distribuição do rendimento 19

20 Poupança 20

21 Poupança, investimento e excedente/défice de financiamento Sociedades não financeiras Fontes: INE e Banco de Portugal. 21

22 Função Investimento Determinantes do Investimento Receitas Nível do PIB Variação do PIB princípio do acelerador Custos de investimento Preço do bem de capital Taxa de juro Impostos Expectativas (ex: euforia da internet no final dos anos 90) Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) + Variação de Existências I Investimento I = I bi Investimento autónomo (ordenada na origem) I > 0 Propensão marginal a investir b > 0 22

23 Deslocações da função de procura de investimento 23

24 Investimento 24

25 Investimento Evolução real da formação bruta de capital fixo por tipo de investimento 25

26 Investimento e capacidade produtiva Baixo nível de utilização da capacidade produtiva 26

27 Casos e Exercícios Assinale a alínea correta. O investimento das empresas varia inversamente com a taxa de juro porque quando a taxa de juro aumenta a) diminui o custo de oportunidade de deter moeda. b) os investimentos a realizar necessitam de uma rendibilidade superior. c) as famílias compram mais casas em vez de investir. d) Nenhuma das anteriores. Assinale a alínea correta. O investimento das empresas varia directamente com o produto (ou com a taxa de crescimento do produto) porque quando o produto aumenta a) o custo de investimento diminui. b) as famílias diminuem propensão a poupar. c) melhoram as perspectivas de negócios futuros. d) Nenhuma das anteriores. 27

28 Casos e Exercícios Assinalar se verdadeiro ou falso e explicar: a) O investimento das empresas varia inversamente com a taxa de juro porque quando a taxa de juro aumenta os investimentos a realizar necessitam de uma rendibilidade inferior. Assinale a alínea correta. A curva de procura de investimento apresenta a) uma relação inversa entre a taxa de reserva legal e o investimento, tudo o resto constante. b) uma relação directa entre a taxa de reserva legal e o investimento, tudo o resto constante. c) uma relação inversa entre a taxa de juro real e o investimento, tudo o resto constante. d) uma relação directa entre a taxa de juro real e o investimento, tudo o resto constante. 28

29 II. Modelo com todas as componentes da AD Introduzir o Sector público e as trocas comerciais com o exterior Tal como anteriormente, o equilíbrio será dado pela igualdade entre a produção e a procura A existência do Estado leva à introdução de Despesas do Estado - consumo público (G) e transferências para as famílias (TR) Receitas do Estado - impostos (TA) 29

30 O Governo Central e o Orçamento O comportamento do Estado o governo central será caracterizado por: G = G TR = TR TA = ty 0 < t < 1 A função imposto TA define impostos proporcionais ao rendimento através da aplicação de uma taxa de imposto, t, constante (independente do nível de rendimento) O Orçamento do Estado será SO = TA G TR Substituindo, SO = ty G TR 30

31 Principais indicadores orçamentais Em percentagem do PIB 31

32 Contas das administrações públicas: execução no primeiro semestre Em percentagem do PIB Fontes: INE e Ministério das Finanças. Notas: a) As taxas de variação homóloga para o ano completo são calculadas de acordo a anterior versão do Sistema Europeu de Contas Nacionais e Regionais (SEC 1995), e tendo em conta a informação da segunda alteração ao Orçamento do Estado para

33 Carga fiscal e despesa primária estruturais Em percentagem do PIB 33

34 Casos e Exercícios Assinale a alínea correta. Um aumento das transferências do Estado, tudo o resto constante, a) origina um agravamento do saldo orçamental (aumento do défice orçamental). b) origina uma diminuição da procura agregada e um agravamento do saldo orçamental (aumento do défice orçamental). c) não influencia a procura agregada. d) Nenhuma das anteriores. Os impostos directos incidem sobre a) a despesa na aquisição de equipamento informático destinado à educação. b) a despesa na aquisição pouco mineralizada. c) o rendimento das famílias e das empresas. d) Nenhuma das anteriores. 34

35 Trocas comerciais com o exterior Exportações líquidas = exportações importações Determinantes das importações/exportações: rendimento interno/externo, preços relativos face ao exterior, taxa de câmbio 35

36 Exportações 36

37 Exportações 37

38 Exportações e intensidade tecnológica 38

39 Exportações Principais mercados 39

40 Importações Num contexto de continuada contração da procura interna, as importações voltaram a registar uma queda em 2012 Traduziu-se numa nova descida da taxa de penetração das importações na procura global Não obstante, ainda subsiste uma variação acumulada significativamente positiva desde o início da área do euro Em termos gerais, a taxa de penetração das importações apresenta uma relação com o grau de integração económica internacional, tendo uma evolução negativa nos períodos de recessão, nomeadamente pelo facto das componentes mais sensíveis ao ciclo terem um maior conteúdo importado. 40

41 41

42 Importações de Serviços 42

43 II. Modelo com todas as componentes da AD 1) Definição da Procura Agregada AD = C + I + G + NX 2) Comportamento do Consumo C = C + cy D onde Y D = Y + TR ty 3) Comportamento do Investimento, Gastos Públicos e Exportações Líquidas I = I bi G = G NX = NX 4) Equilíbrio na Economia Y = AD 43

44 II. Modelo com todas as componentes da AD Produto de equilíbrio modelo na forma reduzida Y 1 = 1 c + ( ) ( C + ctr + I bi + G NX ) 1 t Neste caso, o multiplicador (da parte autónoma da AD) será 1 1 c ( 1 t) > 1 Em particular, o multiplicador dos gastos públicos será Y G 1 = 1 c ( 1 t) Ou seja, qualquer variação nos gastos terá um efeito multiplicador sobre o rendimento de equilíbrio 44

45 II. Modelo com todas as componentes da AD O multiplicador das transferências será Y TR c = 1 c ( 1 t) Apesar de ser positivo, será sempre menor que o efeito multiplicador dos gastos públicos De igual forma, o multiplicador dos impostos é menor que o multiplicador da despesa. O efeito positivo dos gastos públicos e das transferências sobre o rendimento, indica que a política orçamental pode ser utilizada para aumentar a produção de equilíbrio É necessário ter uma noção da grandeza dos multiplicadores para prescrever políticas macroeconómicas 45

46 II. Modelo com todas as componentes da AD O equilíbrio de produto igual a procura (equação 4), Y = AD é equivalente a investimento igual a poupança mais o saldo orçamental menos as exportações líquidas I = S + ( TA G TR) NX Nota: O produto de equilíbrio passa a estar relacionado com a taxa de juro 46

47 Casos e Exercícios Assinalar se verdadeiro ou falso e explicar: a) O comportamento da curva de procura agregada é em tudo semelhante ao comportamento da curva de procura de um bem ou serviço em particular. Identifique e explique as componentes da procura agregada. 47

48 Casos e Exercícios Considere a seguinte economia (com preços e taxas de juro constantes). C = C + NX = NX cy D my I = I bi + dy TR = TR TA = TA + G = G ty a) Determine o produto de equilíbrio nesta economia. b) Qual o multiplicador dos gastos do Estado? c) Qual o multiplicado das transferências? d) Explique o significado da designação de modelo do multiplicador. e) Qual o efeito da alteração da taxa de imposto? f) Suponha que quer reduzir os gastos do Estado em 4 mil milhões. Qual o efeito no saldo orçamental e no produto de equilíbrio? g) Suponha que a parte autónoma da exportações líquidas aumenta. O que pode justificar tal alteração? 48

49 Casos e Exercícios Considere as seguintes funções. C = C + c1y D c2i NX = NX my I = I d1 i + d2y TR = TR + b ( Y Y ) P TA = TA + G = G ty a) Explique cada uma das funções apresentadas. b) O que necessita de definir antes de encontrar o produto de equilíbrio? c) Encontre o produto de equilíbrio nesta economia, explicando os passos necessários para lá chegar. d) Interprete o equilíbrio encontrado na alínea anterior. e) Explique como a economia se ajusta quando o produto não é igual ao produto de equilíbrio e represente graficamente (gráfico AD-Y). f) Demonstre como a política orçamental pode ser utilizada para contrariar o ciclo económico e represente graficamente (gráfico AS-AD). g) Como analisar o possível conflito entre investimento privado e gastos públicos no contexto deste modelo? Explique. 49

50 Considere as seguintes funções. Casos e Exercícios C = C + c1y D c2i NX = NX I = I d1 i + d2y TR = TR by TA = TA + G = G ty a) Explique cada uma das funções apresentadas. b) Quais as funções adicionais necessárias para completar a estrutura da economia? Explique. c) Encontre o produto de equilíbrio nesta economia e explique a expressão encontrada. d) Qual a utilidade na construção deste tipo de modelos macroeconómicos? Qual a origem da recente polémica com os valores encontrados pelo FMI? e) Represente graficamente o equilíbrio (gráfico AD-Y) e explique o mecanismo de ajustamento para o equilíbrio. f) Demostre que o equilíbrio é equivalente I = S (TA G - TR) NX a e explique. g) Como poderia ser representado o equilíbrio no gráfico AS-AD (admitindo inflação zero)? Neste contexto, como representar nas funções acima e no gráfico AS-AD uma melhoria da expectativas das famílias e das empresas relativamente ao futuro. 50

51 Casos e Exercícios O governo pode aumentar o rendimento e melhorar o saldo orçamental, recorrendo ao aumento simultâneo dos gastos públicos e dos impostos, num modelo de economia aberta com Estado (com preços e taxas de juro constantes). Demonstre se a frase é verdadeira ou falsa. Construa o modelo usando as equações seguintes e admita que os gastos públicos e os impostos aumentam no mesmo montante (igual variação da parte autónoma dos gastos e dos impostos). C = C + cy D I = I di TA = TA + ty NX = NX TR = TR by G = G 51

52 Bibliografia Samuelson, cp (cp na 18ª ed. ou anteriores) Banco de Portugal: Relatórios Anuais e Boletim Económico Tendo caracterizado todas as componentes da procura agregada (AD), qual a razão para a relação negativa com o nível de preços? 52

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Oferta Agregada Nível de preços e custos Produto potencial Capital,

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

Macroeconomia. Casos e Exercícios. Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial 2º ano, 1º semestre

Macroeconomia. Casos e Exercícios. Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial 2º ano, 1º semestre Macroeconomia Casos e Exercícios Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial 2º ano, 1º semestre IST, Departamento de Engenharia e Gestão Outubro 2015 Francisco Lima Índice Cap. 1 a 4 do Programa...

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

O Mercado Real Exercícios

O Mercado Real Exercícios O Mercado Real Exercícios Exercícios de exemplificação e esclarecimento do funcionamento do mercado real nos modelos keynesianos a dois setores, três setores e quatro setores. Estes exercícios destinam-se

Leia mais

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MACROECONOMIA KEYNESIANA Nesta aula, estudaremos que variáveis determinam

Leia mais

12 Flutuações de Curto Prazo

12 Flutuações de Curto Prazo 12 Flutuações de Curto Prazo Flutuações Econômicas de Curto Prazo A atividade econômica flutua de ano para ano. Em quase todos os anos, a produção aumenta. Nem toda flutuação é causada por variação da

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos 1. Considere uma família que decide vender a casa onde vivia há 2 anos. Na venda, a

Leia mais

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP)

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) Hildo Meirelles de Souza Filho PIB Produto Interno Bruto (PIB) é o valor total do fluxo de produção atual de bens e serviços finais obtido dentro do território

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2005/2006. LEC 201 Macroeconomia I. A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo Keynesiano Simples

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2005/2006. LEC 201 Macroeconomia I. A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo Keynesiano Simples Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2005/2006 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo Keynesiano Simples Introdução Introdução No curto prazo, a Macroeconomia preocupa-se

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 1ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 1ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 1ª época Ana Balcão Reis 2 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

MACROECONOMIA CADERNO DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA CADERNO DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA CADERNO DE EXERCÍCIOS Ano Letivo 2016/2017 1 A Macroeconomia consiste no estudo do modo como uma economia, no seu todo, afeta recursos, produz riqueza e decide sobre a utilização do rendimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME:

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME: Notas: Apresente o seu documento de identificação. Coloque o nome em todas as folhas. Leia atentamente cada questão antes de iniciar a sua resposta. Grupo 1 [10 VALORES] Relativamente a cada questão, assinale

Leia mais

Exercícios de Macroeconomia

Exercícios de Macroeconomia Exercícios de Macroeconomia 1. Explique porque o PIB é tanto uma variável que mede tanto renda agregada, quanto a despesa agregada e produção. Por que PIB não mede riqueza? Qual a diferença entre PIB real

Leia mais

Inflação e Desemprego

Inflação e Desemprego Inflação e Desemprego Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 6 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia. Universidade Aberta.

Leia mais

Segundo Período, Prof. Dr. Wilson Luiz Rotatori Corrêa. Lista de Exercícios II GABARITO RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO JUSTIFICANDO A SUA RESPOSTA:

Segundo Período, Prof. Dr. Wilson Luiz Rotatori Corrêa. Lista de Exercícios II GABARITO RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO JUSTIFICANDO A SUA RESPOSTA: Segundo Período, 2017 Prof. Dr. Wilson Luiz Rotatori Corrêa Lista de Exercícios II GABARITO RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO JUSTIFICANDO A SUA RESPOSTA: 1) Suponha que esteja tramitando no Congresso uma emenda

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Segunda Prova Dia 01 de julho (quinta-feira) - 19:00 hs. Dúvidas 01/06 à tarde. Dia 24 e 25 de junho não haverá aula. Prova para os que faltaram

Leia mais

[80] O efeito multiplicador em questão pressupõe que a economia esteja em desemprego.

[80] O efeito multiplicador em questão pressupõe que a economia esteja em desemprego. 1. (EBC, Analista de Empresa de Comunicação Pública Economia, 2011, CESPE) Considerando o fato de que um aumento do gasto governamental provoca um aumento proporcional da renda nacional e sabendo que a

Leia mais

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 Exercícios: IS-LM economia fechada ou grande economia aberta EXERCÍCIO 1: Considere as seguintes equações comportamentais representativas do funcionamento do mercado

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO Ano Letivo 2017-2018 TEMAS/ CONTEÚDOS Módulo 1 A Economia e o Problema Económico

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

Fig. 1-1 Procura e oferta agregadas no longo prazo. Produto (Y)

Fig. 1-1 Procura e oferta agregadas no longo prazo. Produto (Y) 1. INTRODUÇÃO 1. A macroeconomia 1.1. Estuda o comportamento da economia como um todo as expansões e as recessões, o produto total da economia em bens e serviços, o crescimento do produto, as taxas de

Leia mais

Faculdade de Direito Universidade Nova de Lisboa. MACROECONOMIA Teste intermédio 11/4/08. Nome n.º. Grupo I (14 valores)

Faculdade de Direito Universidade Nova de Lisboa. MACROECONOMIA Teste intermédio 11/4/08. Nome n.º. Grupo I (14 valores) Faculdade de Direito Universidade Nova de Lisboa MACROECONOMIA Teste intermédio 11/4/08 Nome n.º Duração: 1 hora e 30 minutos Responda a todas as perguntas no enunciado de exame. Use as costas como folha

Leia mais

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA Licenciatura em Comunicação Social, 2 ano 2002/2003 PROGRAMA de ECONOMIA 1. UNIDADE LECTIVA PRELIMINAR 1.1 Conceitos matemáticos 1.1.1 Conceito de função; funções lineares 1.1.2 Construção e leitura de

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

O ORÇAMENTO DE ESTADO EM ANÁLISE

O ORÇAMENTO DE ESTADO EM ANÁLISE O ORÇAMENTO DE ESTADO EM ANÁLISE Conferência Anual da Ordem dos Economistas Fundação Calouste Gulbenkian, 13 Novembro 2012 Manuel Caldeira Cabral Universidade do Minho Três Ideias sobre a execução orçamental

Leia mais

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia?

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Aula Teórica nº 1 Sumário: Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar os principais problemas abordados pela Macroeconomia.

Leia mais

Introdução à Economia

Introdução à Economia Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial Universidade de Aveiro Introdução à Economia 2º Semestre Ano Lectivo 2010/2011 Caderno de Apoio Nº. 9 Mercado do Produto e Equilíbrio Macroeconómico

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA

TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA José A. Ferreira Machado Inácia Pimentel Duração: 90 minutos Versão A (Responda no enunciado.) TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA 2013-04-11 1. Ao longo das últimas décadas, os cidadãos dos países desenvolvidos

Leia mais

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 Exercícios Esta compilação de exercícios foi gentilmente cedida pelo Prof. Doutor João Loureiro EXERCÍCIO 1 Os dados que se seguem dizem respeito ao PIB observado

Leia mais

Economia Pública. Cálculo Financeiro

Economia Pública. Cálculo Financeiro Economia Pública 1º Semestre 2010/11 Cálculo Financeiro Só se podem somar valores monetários que se reportem ao mesmo momento do tempo. Para isso deveremos actualizar todos os valores ou capitaliza-los

Leia mais

Componente Específica de Economia

Componente Específica de Economia PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014 Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo Licenciaturas em Gestão, Gestão Hoteleira e Marketing

Leia mais

Relatório do Orçamento do Estado para 2014 Errata

Relatório do Orçamento do Estado para 2014 Errata Relatório do Orçamento do Estado para 2014 Errata Nota Prévia: Foi introduzida na secção do Sumário Executivo a versão final da intervenção da Senhora Ministra de Estado e das Finanças, conforme proferida

Leia mais

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB Introdução à Macroeconomia Mensuração do PIB Microeconomia vs. Macroeconomia Microeconomia: O estudo de como famílias e empresas tomam decisões e de como interagem nos mercados. Macroeconomia: O estudo

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 5 Maio 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

1 Aula 4 - Prática IS-LM

1 Aula 4 - Prática IS-LM Aula 4 - rática IS-LM. Análise do Modelo IS-LM Relação LM: Equilíbrio no mercado monetário)igualdade entre a oferta real de moeda e a procura real de moeda. Relação IS: Equilíbrio no mercado do produto)igualdade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA II Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/2º S CADERNO EXERCÍCIOS Nº 5 Modelo Mundell-Fleming

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo IS-LM Introdução Introdução MKS: nível de produto/rendimento é um múltiplo do nível

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época Ana Balcão Reis 2 de Julho de 2011 Erica Marujo Guilherme Oliveira João Almeida Marques Margarida Rodrigues Duração Total:

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G =

Leia mais

Macroeconomia. 4. Medição da atividade económica. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 4. Medição da atividade económica. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 4. Medição da atividade económica Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Introdução O Produto Componentes da Procura Índices de Preços

Leia mais

GRUPO I (7 valores) 3. Identifique uma das principais características do sistema de economia mista.

GRUPO I (7 valores) 3. Identifique uma das principais características do sistema de economia mista. INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Unidade Orgânica: Escola Superior de Ciências Empresariais Prova de de acesso ao Regime Especial Maiores de 23 anos para o ano letivo 2016/2017 Junho 2016 Leia

Leia mais

O Modelo IS-LM ou Modelo a Preços Constantes Exercícios

O Modelo IS-LM ou Modelo a Preços Constantes Exercícios O Modelo IS-LM ou Modelo a Preços Constantes Exercícios Exercícios de exemplificação e esclarecimento do funcionamento do modelo IS-LM. Estes exercícios destinam-se ao estudo do tema 4 da UC Macroeconomia

Leia mais

O Mercado Real. Macroeconomia Maria do Rosário Matos Bernardo fevereiro de 2015 (atualizado em abril de 2015)

O Mercado Real. Macroeconomia Maria do Rosário Matos Bernardo fevereiro de 2015 (atualizado em abril de 2015) O Mercado Real Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 2 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia. Universidade Aberta. Lisboa.

Leia mais

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico Economia e Sociologia Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

Introdução à Macroeconomia

Introdução à Macroeconomia Introdução à Macroeconomia Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 1 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia. Universidade

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 3 de Junho de 2002 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

PROVA-MODELO DE EXAME 2

PROVA-MODELO DE EXAME 2 Prova-modelo de Exame 191 PROVA-MODELO DE EXAME I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinale -a com uma cruz sobre a letra correspondente

Leia mais

(AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO)

(AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina: Economia A Módulo 1,2,3 (Um, Dois, Três) ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS

Leia mais

RI Análise Macroeconômica

RI Análise Macroeconômica Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2010 RI 406 - Análise Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/177/

Leia mais

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta.

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. 29 de junho de 2012 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2012 Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. No ano terminado

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Teodora Cardoso Conferência Investimento em Portugal, Fundação Calouste Gulbenkian, 15 Março 2017 Princípios básicos: investimento

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios 18.02.2015 O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente macroeconómico?

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente macroeconómico? a)

Leia mais

conomia e Finanças FATEC-SP 2012 FATEC-SP 2011 Justificativa para atualização curricular do curso de TI

conomia e Finanças FATEC-SP 2012 FATEC-SP 2011 Justificativa para atualização curricular do curso de TI Economia e Finanças FATEC-SP 2012 conomia e Finanças TI da FATEC-SP Justificativa para atualização curricular do curso de TI Profissional fazer estudos de necessidades e viabilidade técnico-econômica TI

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Marketing Unidade Curricular Macroeconomia Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Maria Dolores Ferreira Nunes Cabral Assistente Carga

Leia mais

CAPÍTULO. Progresso tecnológico, salários e desemprego. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO. Progresso tecnológico, salários e desemprego. Olivier Blanchard Pearson Education Progresso tecnológico, salários e desemprego Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 13 Progresso tecnológico, salários e desemprego Há visões otimistas e pessimistas sobre o progresso tecnológico.

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais

O Modelo IS-LM ou Modelo a Preços Constantes

O Modelo IS-LM ou Modelo a Preços Constantes O Modelo IS-LM ou Modelo a Preços Constantes Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 4 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 29 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em:

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: www.bcstp.st/publicações Banco Central de S. Tomé e Príncipe Índice 1. SITUAÇÃO MONETÁRIA

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa em 2016

Projeções para a economia portuguesa em 2016 Projeções para a economia portuguesa em 2016 95 Projeções para a economia portuguesa em 2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma desaceleração do PIB, de 1,6 por cento em 2015 para

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 10/14/17 4:40 PM 13.10.2017 1 CRESCIMENTO, EMPREGO E CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL Défice 2016 2,0 2017 1,4 1 2018 1,0 0.9 0.8 0.7 0.6 0.5 Dívida Pública

Leia mais

GRUPO I (7 valores) Complete os espaços em branco da frase, com a seguinte sequência de palavras:

GRUPO I (7 valores) Complete os espaços em branco da frase, com a seguinte sequência de palavras: INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Unidade Orgânica: Escola Superior de Ciências Empresariais Prova de de acesso ao Regime Especial Maiores de 23 anos para o ano letivo 2014/2015 (Realizada em 2014)

Leia mais

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia Lista 1 Prof: Danilo Igliori Questão 1 Qual das seguintes manchetes de jornal é mais estreitamente relacionado com o que microeconomistas estudam (e menos relacionado

Leia mais

Modelo IS-LM. Exercícios e Questões

Modelo IS-LM. Exercícios e Questões Modelo IS-LM Exercícios e Questões Prof. Waldery Rodrigues Júnior waldery.rodrigues@yahoo.com.br Tópicos: Equilíbrio no Mercado de Bens Demanda por Moeda Oferta de Moeda Equilíbrio no Mercado Monetário

Leia mais

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas Sessão de Homenagem ao Dr. Silva Lopes Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas VÍTOR CONSTÂNCIO Maio de 2003 ÍNDICE I. Recessões e crises passadas de Balança de Pagamentos II. Problemas

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 30-10-2013 Nº 7 Orçamentos 2011-2014: destruição duradoura Em três anos 2011, 2012 e 2013 os governos quiseram cortar à despesa pública 10 mil milhões de euros e aumentar a receita

Leia mais

A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes

A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes Dr. Antony P. Mueller Professor de Economia Universidade Federal de Sergipe www.continentaleconomics.com John Maynard Keynes (1883-1946) Teoria Geral do Emprego,

Leia mais

Exame de Economia. de zero a esta. questão.

Exame de Economia. de zero a esta. questão. Provas de Acesso ao Ensino Superiorr Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2011 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios Miguel St. Aubyn, 18.Fev.2009 O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

NOME COMPLETO:... Nº DE PROCESSO:.TURMA:. PARTE A. (Duração: 60 m. Cotação 10 valores)

NOME COMPLETO:... Nº DE PROCESSO:.TURMA:. PARTE A. (Duração: 60 m. Cotação 10 valores) 1 Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG 1 de Fevereiro de 2013 Duração da prova: 2:00 h NOME COMPLETO:........ Nº DE PROCESSO:.TURMA:. PARTE A (Duração: 60 m. Cotação 10 valores) 1.

Leia mais

Maria João Pais Maria da Luz Oliveira Maria Manuela Góis Belmiro Gil Cabrito

Maria João Pais Maria da Luz Oliveira Maria Manuela Góis Belmiro Gil Cabrito Maria João Pais Maria da Luz Oliveira Maria Manuela Góis Belmiro Gil Cabrito Economia ATUALIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS outubro de 2017 Todos os slides são transversais, podendo ser utilizados em qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA II Licenciaturas: Economia, Gestão º A/º S CADERNO EXERCÍCIOS Nº O CONSUMO Docentes:

Leia mais

Prova escrita de conhecimentos específicos de ECONOMIA

Prova escrita de conhecimentos específicos de ECONOMIA Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2010 Prova escrita de conhecimentos

Leia mais

Macroeconomia Equilíbrio Geral

Macroeconomia Equilíbrio Geral Macroeconomia 2 FEP, Licenciatura em Economia 8. Equilíbrio Geral 8.2. Equilíbrio geral com rigidez nominal Álvaro Almeida, Maio de 2007 8.2.1. Determinação do equilíbrio geral em economias Rigidez nominal:

Leia mais

Capítulo ) Resolução por escrito dos exercícios da página 24 do livro-texto.

Capítulo ) Resolução por escrito dos exercícios da página 24 do livro-texto. Capítulo 1 1.1) Resolução por escrito dos exercícios da página 24 do livro-texto. 1.2) Consulte o FMI (www.imf.org), o Banco Mundial (www.worldbank.org) e/ou IPEADATA (www.ipeadata.gov.br) e atualize,

Leia mais

Economia Florestal. Agentes e Circuito Económico

Economia Florestal. Agentes e Circuito Económico Economia Florestal Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

Políticas económicas e sociais do Estado português

Políticas económicas e sociais do Estado português Políticas económicas e sociais do Estado português Políticas Conjunturais Políticas (exemplos): Fiscal Orçamental Monetária De preços De combate ao desemprego De redistribuição dos rendimentos Social Política

Leia mais

A Cruz Keynesiana. Antony Mueller UFS Agosto 2011

A Cruz Keynesiana. Antony Mueller UFS Agosto 2011 A Cruz Keynesiana Antony Mueller UFS Agosto 2011 Demanda macroeconômica Economia fechada sem estado Z = C + I Economia fechado com estado Z = C + I + G Economia aberta com estado Z = C + I + G + EX IM

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 Duração: 120 minutos

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 Duração: 120 minutos Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 1. Responda às seguintes questões: a) Analise de que forma as funções da moeda são actualmente desempenhadas pelo euro.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Prova Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

O mercado de bens em uma economia aberta CAPÍTULO 19. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens em uma economia aberta CAPÍTULO 19. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens em uma economia aberta Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 19 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard 19.1 A relação IS numa Agora precisamos saber distinguir

Leia mais

1G202 - MACROECONOMIA I

1G202 - MACROECONOMIA I LICENCIATURA EM GESTÃO (2008-09) 1G202 - MACROECONOMIA I Avaliação Distribuída 3º Teste (8 de Janeiro de 2009) Duração: 60 minutos. Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis deverão ser

Leia mais

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 4º Trimestre de 2011 e Ano 2011 30 de março de 2012 A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Em 2011,

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Índice ECONOMIA E NEGÓCIOS PARTE I. Índice de caixas, figuras e tabelas 13. Prefácio para os estudantes 19. Prefácio para os professores 21

Índice ECONOMIA E NEGÓCIOS PARTE I. Índice de caixas, figuras e tabelas 13. Prefácio para os estudantes 19. Prefácio para os professores 21 Índice Índice de caixas, figuras e tabelas 13 Prefácio para os estudantes 19 Prefácio para os professores 21 PARTE I ECONOMIA E NEGÓCIOS Capítulo 1 Ambiente empresarial 1.1. Âmbito da economia empresarial

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior

Provas de Acesso ao Ensino Superior Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 05 Exame de Economia Tempo para a realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: material de escrita, caneta

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC /08

MACROECONOMIA I LEC /08 MACROECONOMIA I LEC201 2007/08 CAP. 3 A MACROECONOMIA NO CURTO PRAZO 3.3.5. MODELO IS-LM EM ECONOMIA ABERTA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIO DA AULA Considere os seguintes dados relativos à economia A, que

Leia mais