REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS"

Transcrição

1 REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Nível de prioridade das necessidades formativas dos Cursos de Educação e Formação de Adultos face à dinâmica de emprego, por região (NUT III) e por área de educação e formação NUT III / Cód. AEF Minho-Lima Área de Educação e Formação Modalidade: Cursos de Educação e Formação de Adultos 541 Indústrias Alimentares X 624 Pescas X X X 840 Serviços de Transporte X Página 1 de 24

2 NUT III / Cód. AEF Cávado Ave Área de Educação e Formação Modalidade: Cursos de Educação e Formação de Adultos 624 Pescas X Página 2 de 24

3 725 Tecnologias de Diagnóstico e Terapêutica X X 762 Trabalho Social e Orientação X 813 Desporto X 840 Serviços de Transporte X 850 Protecção do Ambiente X Grande Porto Página 3 de 24

4 623 Silvicultura e Caça X 624 Pescas X X 725 Tecnologias de Diagnóstico e Terapêutica X X 813 Desporto X Tâmega 225 História e Arqueologia X Página 4 de 24

5 861 Protecção de Pessoas e Bens X Entre Douro e Vouga Página 5 de 24

6 623 Silvicultura e Caça X 861 Protecção de Pessoas e Bens X Douro 225 História e Arqueologia X 850 Protecção do Ambiente X Página 6 de 24

7 861 Protecção de Pessoas e Bens X Alto Trás-os-Montes 542 Indústrias do Têxtil, Vestuário, Calçado e Couro X 623 Silvicultura e Caça X 624 Pescas X 850 Protecção do Ambiente X 861 Protecção de Pessoas e Bens X Baixo Vouga Página 7 de 24

8 624 Pescas X X Baixo Mondego 225 História e Arqueologia X Página 8 de 24

9 623 Silvicultura e Caça X 624 Pescas X X 861 Protecção de Pessoas e Bens X Pinhal Litoral Página 9 de 24

10 624 Pescas X 840 Serviços de Transporte X Pinhal Interior Norte 622 Floricultura e Jardinagem X Página 10 de 24

11 850 Protecção do Ambiente X 861 Protecção de Pessoas e Bens X Dão-Lafões 622 Floricultura e Jardinagem X 762 Trabalho Social e Orientação X Página 11 de 24

12 861 Protecção de Pessoas e Bens X Pinhal Interior Sul 213 Áudiovisuais e Produção dos Media X 523 Electrónica e Automação X 541 Indústrias Alimentares X 622 Floricultura e Jardinagem X 762 Trabalho Social e Orientação X 850 Protecção do Ambiente X 861 Protecção de Pessoas e Bens X Serra da Estrela 541 Indústrias Alimentares X Página 12 de 24

13 544 Indústrias Extractivas X 622 Floricultura e Jardinagem X 623 Silvicultura e Caça X 850 Protecção do Ambiente X 861 Protecção de Pessoas e Bens X Beira Interior Norte 213 Áudiovisuais e Produção dos Media X 541 Indústrias Alimentares X Página 13 de 24

14 850 Protecção do Ambiente X Beira Interior Sul 346 Secretariado e Trabalho Administrativo X 622 Floricultura e Jardinagem X 762 Trabalho Social e Orientação X Cova da Beira 523 Electrónica e Automação X 524 Tecnologia dos Processos Químicos X Página 14 de 24

15 622 Floricultura e Jardinagem X 624 Pescas X Oeste Página 15 de 24

16 623 Silvicultura e Caça X 624 Pescas X Grande Lisboa 343 Finanças, Banca e Seguros X 624 Pescas X X Página 16 de 24

17 762 Trabalho Social e Orientação X 813 Desporto X 840 Serviços de Transporte X Península de Setúbal 623 Silvicultura e Caça X 624 Pescas X X 813 Desporto X Página 17 de 24

18 840 Serviços de Transporte X Médio Tejo 343 Finanças, Banca e Seguros X 840 Serviços de Transporte X Lezíria do Tejo Página 18 de 24

19 624 Pescas X Alentejo Litoral 213 Áudiovisuais e Produção dos Media X Página 19 de 24

20 541 Indústrias Alimentares X 542 Indústrias do Têxtil, Vestuário, Calçado e Couro X 624 Pescas X 762 Trabalho Social e Orientação X 861 Protecção de Pessoas e Bens X Alto Alentejo 322 Biblioteconomia, Arquivo e Documentação (BAD) X 522 Electricidade e Energia X 523 Electrónica e Automação X Página 20 de 24

21 861 Protecção de Pessoas e Bens X Alentejo Central 225 História e Arqueologia X 541 Indústrias Alimentares X 624 Pescas X 762 Trabalho Social e Orientação X 813 Desporto X Página 21 de 24

22 Baixo Alentejo 225 História e Arqueologia X 322 Biblioteconomia, Arquivo e Documentação (BAD) X 624 Pescas X 762 Trabalho Social e Orientação X Algarve Página 22 de 24

23 343 Finanças, Banca e Seguros X 623 Silvicultura e Caça X 624 Pescas X X 813 Desporto X Agência Nacional para a Qualificação I.P., Junho de 2011 Fontes: Dados dos Quadros de Pessoal disponibilizados pelo GEP do MTSS e ficheiro relativo às necessidades formativas identificadas pelos Centros Novas Oportunidades. Página 23 de 24

24 Nota: Prioridade 1 (-) Prioridade 2 Prioridade 3 Prioridade 4 (+) Modalidade: Cursos de Educação e Formação de Adultos Página 24 de 24

25 Nota metodológica O quadro resulta da comparação entre o nível de prioridade associado à dinâmica de emprego e o nível de prioridade associado às necessidades formativas. Ao nível da dinâmica de emprego, foi calculada a taxa de progressão das pessoas ao serviço entre 1999 e 2009 (Saldo entre as pessoas ao serviço em 2009 e as pessoas ao serviço de 1999 / Pessoas ao serviço em 2009 x 100) e posteriormente foi feita a classificação num de 10 níveis de prioridade (entre -5 e 5). No que se refere às necessidades formativas, os dados provêm de um levantamento realizado pelos Centros Novas Oportunidades, tendo sido atribuídos níveis de prioridade de acordo com o número total de candidatos interessados em integrar aos Cursos de Educação e Formação de Adultos. Existiam 6 níveis de prioridade, que variavam entre 0 e 5. Foi, posteriormente, construído um indicador agregado de acordo com os seguintes critérios: 1) Sempre que a prioridade associada à dinâmica de emprego era negativa foi classificado na prioridade mais baixa (1); 2) Sempre que a prioridade associada à dinâmica de emprego tinha a classificação de 4 ou 5 e que a prioridade associada às necessidades formativas era igual ou superior a 3 foi classificado na prioridade máxima (4); 3) Sempre que a prioridade associada à dinâmica de emprego tinha a classificação de 4 ou 5 e que a prioridade associada às necessidades formativas era inferior a 3 foi classificado na prioridade 3; 4) Os restantes casos foram classificados na prioridade 2.

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Junho de 2014 Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP ÍNDICE GERAL Nota introdutória 3 Pág. 1. Identificação dos elementos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 356 Diário da República, 1.ª série N.º 13 18 de janeiro de 2013

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 356 Diário da República, 1.ª série N.º 13 18 de janeiro de 2013 356 Diário da República, 1.ª série N.º 13 18 de janeiro de 2013 Declaração de Retificação n.º 4/2013 Nos termos das disposições conjugadas da alínea r) do n.º 2 do artigo 2.º e do artigo 11.º do Decreto

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e Serviços do cluster da Saúde e de Bem-estar. Versão de 08 Outubro de 2011

Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e Serviços do cluster da Saúde e de Bem-estar. Versão de 08 Outubro de 2011 Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e s do cluster da Saúde e de Bem-estar Versão de 08 Outubro de 2011 Versão: Junho 2012 Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e s do cluster

Leia mais

Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV

Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV THINK TANK 30 de abril de 2013 POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Situação População 15-24 anos- Taxas Dezembro2012 NEETs 18,6 Abando.E.P

Leia mais

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino Conceição Rego Maria Filomena Mendes José Rebelo Graça Magalhães Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

O Sector Cultural e Criativo em Portugal

O Sector Cultural e Criativo em Portugal O Sector Cultural e Criativo em Portugal Apresentação Pública do Estudo para o Ministério da Cultura / GPEARI Augusto Mateus 1 de Março de 2010 ÍNDICE Medir pela primeira vez a relevância da Cultura na

Leia mais

Apoios ao Investimento em Portugal

Apoios ao Investimento em Portugal Apoios ao Investimento em Portugal AICEP Abril 2015 FINANÇAS Índice Investimento Produtivo Auxílios Estatais Máximos Incentivos Financeiros Incentivos Fiscais Investimento em I&D Empresarial Incentivos

Leia mais

ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS E TÉCNICAS DO ESTUDO

ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS E TÉCNICAS DO ESTUDO ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS E TÉCNICAS DO ESTUDO Quadro 1. Inquérito ao Consumo de Substâncias Psicoactivas na População Geral CEOS/IDT 2007: Distribuição da Amostra por Região NUTS II -A- População Total

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Alojamentos Cablados por Regiões

Alojamentos Cablados por Regiões 10 R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O P O R C A B O Penetração das Redes de Distribuição por Cabo Regiões(Dec-Lei nº 244/2002) Assinantes TV em % do total de alojamentos 1 Aloj. cablados em % do total

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 2013 (atualizada em 2013-03-15)

Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 2013 (atualizada em 2013-03-15) Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 201 (atualizada em 201-0-15) Guarda 0 21 - Audiovisuais e Produção dos Media Técnico/a de Desenho Gráfico Guarda 2-Set-1 Médio Tejo 2 21 - Audiovisuais

Leia mais

Número de. Gabinete de Planeamento e Políticas. Inspecção-Geral da Agricultura e Pescas. 11 851 Tecnologia de protecção do ambiente

Número de. Gabinete de Planeamento e Políticas. Inspecção-Geral da Agricultura e Pescas. 11 851 Tecnologia de protecção do ambiente MADRP Entida Promotora Autorida Gestão do Programa Desenvolvimento Rural do Continente Autorida Gestão do PROMAR Autorida Florestal Nacional Direcção-Geral Veterinária Direcção Regional das Florestas Lisboa

Leia mais

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2011

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2011 Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 20 de abril de 204 Em 20, o índice sintético de desenvolvimento regional de seis das 0 sub-regiões NUTS III situava-se acima da média nacional: a rande Lisboa,

Leia mais

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores A FRUTICULTURA NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos ao setor da fruticultura no âmbito do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

Teste Key for Schools Resultados 2014. Sumário Executivo

Teste Key for Schools Resultados 2014. Sumário Executivo Teste Key for Schools Resultados 2014 Sumário Executivo Página 1 de 14 Ficha Técnica SUMÁRIO EXECUTIVO Teste Key for Schools Resultados 2014 DIREÇÃO E COORDENAÇÃO Helder Sousa Sandra Pereira AUTORIA Helder

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores Organização I Parte Informação sobre o Ponto de Acesso do INE no Instituto Politécnico de Beja II Parte Pesquisa de informação estatística Como

Leia mais

Circular nº 1/ANQEP/2015

Circular nº 1/ANQEP/2015 Circular nº 1/ANQEP/2015 O ajustamento da oferta de qualificações às necessidades da economia e do mercado de trabalho é um objetivo estratégico para o desenvolvimento económico e social do país. Consciente

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 906-() Diário da República,.ª série N.º 56 de Março de 00 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 7-A/00 de de Março O Decreto -Lei n.º 8/00, de 9 de Março, prevê, no seu artigo

Leia mais

RELATÓRIO ÚNICO DA ACTIVIDADE SOCIAL DA EMPRESA TODAS AS PERGUNTAS E RESPOSTAS

RELATÓRIO ÚNICO DA ACTIVIDADE SOCIAL DA EMPRESA TODAS AS PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATÓRIO ÚNICO DA ACTIVIDADE SOCIAL DA EMRESA TODAS AS ERGUNTAS E RESOSTAS ATUALIZAÇÃO I : Relatório Anual da Formação Contínua O, Relatório Anual da Formação Contínua, é de apresentação obrigatória a

Leia mais

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 2013 Rui Nuno Baleiras Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Centro

Leia mais

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE 2011/2012 Divisão de Estatísticas da Saúde e Monitorização Direção de Serviços de Informação e Análise

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE 2011/2012 Divisão de Estatísticas da Saúde e Monitorização Direção de Serviços de Informação e Análise ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE 2011/2012 Divisão de Estatísticas da Saúde e Monitorização Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação

Leia mais

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - Ano de 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

Índice. Ficha Técnica NEWS. Apresentação LETTER Nº 9. Junho 2011

Índice. Ficha Técnica NEWS. Apresentação LETTER Nº 9. Junho 2011 Junho 2011 Índice Novidades Tema em Destaque Resultados Preliminares dos Censos 2011 Principais Resultados A População e as Famílias A Habitação Pág.2 Pág.3 Pág.4 Pág.9 Apresentação A Newsletter dos Censos

Leia mais

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME de Formação CIME e Sub- de Formação CIME Sub- 09. Desenvolvimento Pessoal 090. Desenvolvimento Pessoal 14.Formação de Professores/Formadores e Ciências da Educação 141.Formação de Professores e Formadores

Leia mais

IV CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL Nível III

IV CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL Nível III Apresentação O Ensino Profissional é uma modalidade especial de educação que visa, essencialmente, o desenvolvimento da formação profissional qualificante dos jovens. Dado o facto de dedicarem grande parte

Leia mais

OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER. Alguns Indicadores

OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER. Alguns Indicadores OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos à Ação 1.1.3 - Instalação de Jovens Agricultores

Leia mais

A Qualificação de Jovens e Adultos

A Qualificação de Jovens e Adultos A Qualificação de Jovens e Adultos Na região do Algarve, a rede de oferta formativa tem vindo a ser construída, alargada e consolidada com a colaboração e empenho de um número crescente de entidades públicas

Leia mais

Habitação em Portugal: evolução e tendências.

Habitação em Portugal: evolução e tendências. Habitação em Portugal: evolução e tendências João Branco Lisboa http://portugalfotografiaaerea.blogspot.pt/search/label/arcos%20de%20valdevez Sumário Introdução 1. Publicação 2. Estrutura e conteúdo da

Leia mais

Relatório Técnico de Avaliação 1º Período de Candidaturas (3.Dez.07 a 3.Jan.08) Programa Porta 65 Jovem

Relatório Técnico de Avaliação 1º Período de Candidaturas (3.Dez.07 a 3.Jan.08) Programa Porta 65 Jovem Relatório Técnico de Avaliação 1º Período de Candidaturas (3.Dez.07 a 3.Jan.08) Programa Porta 65 Jovem 03 de Março de 2008 Ficha Técnica O presente relatório avalia o 1º período de candidaturas do programa

Leia mais

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS

ELEMENTOS ESTATÍSTICOS ELEMENTOS ESTATÍSTICOS SAÚDE / 2009_2010 Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Divisão de Epidemiologia e Estatística Elementos Estatísticos: Informação Geral:

Leia mais

RECENSEAMENTO ESCOLAR 06/07

RECENSEAMENTO ESCOLAR 06/07 RECENSEAMENTO ESCOLAR 06/07 Coordenação: Equipa Técnica: Alexandre Paredes Carlos Malaca Carmo Proença Céline Ambrósio Filomena Ramos Joaquim Santos José Rafael Manuela de Brito Nuno Cunha Piedade Galrito

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários Título da Apresentação Publicação Periódica Dados Editoriais sobre o Número de Utentes Inscritos nos Dados Editoriais Dados Cuidados Editoriais de Saúde Primários 16 de fevereiro de 2015 Nota introdutória

Leia mais

Transporte Terrestre de Passageiros

Transporte Terrestre de Passageiros 19 de dezembro de 2014 Transporte Terrestre de Passageiros 2013 Modo rodoviário mantém peso maioritário de 63,2% no transporte terrestre de passageiros O transporte rodoviário de passageiros correspondeu

Leia mais

Teste Key for Schools Resultados 2014. Sumário Executivo

Teste Key for Schools Resultados 2014. Sumário Executivo Teste Key for Schools Resultados 2014 Sumário Executivo Ficha Técnica SUMÁRIO EXECUTIVO Teste Key for Schools Resultados 2014 DIREÇÃO E COORDENAÇÃO Helder Sousa Sandra Pereira AUTORIA Helder Sousa João

Leia mais

Breve enquadramento no Sistema Estatístico Nacional. - O INE, Serviços disponíveis, Ligações, Contacte-nos

Breve enquadramento no Sistema Estatístico Nacional. - O INE, Serviços disponíveis, Ligações, Contacte-nos Serviço de Difusão Portal do INE CENSOS 2011 (ao abrigo do projeto RIIBES) Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior dezembro 2012 Itinerário Breve enquadramento no Sistema Estatístico

Leia mais

Onde e como se vive em Portugal 2011

Onde e como se vive em Portugal 2011 Onde e como se vive em Portugal 2011 25 de junho de 2013 Onde e como se vive em Portugal 2011 De acordo com os resultados definitivos dos Censos 2011 na região de Lisboa regista-se a maior densidade populacional,

Leia mais

Revisão Intercalar do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Vendas Novas PEDVN

Revisão Intercalar do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Vendas Novas PEDVN Revisão ntercalar do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Vendas Novas PEDVN O Ponto de partida Câmara Municipal de Vendas Novas Novembro de 2006 ALENTEJO CENTRAL - O PONTO DE PARTDA O no ranking da

Leia mais

EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt

EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt Este documento está preparado para impressão em frente e verso EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt Errata ao Relatório da Qualidade de Serviço

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação Neste processo de inquirição foram convidadas a participar todas as escolas públicas e privadas de Portugal continental (807 escolas,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013)

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013) POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013 QREN 2007-2013 No período 2007-2013, são principalmente os instrumentos financeiros, Fundos Estruturais (FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

PORTUGAL: AGRAVAM-SE AS ASSIMETRIAS REGIONAIS

PORTUGAL: AGRAVAM-SE AS ASSIMETRIAS REGIONAIS As graves assimetrias entre as diferentes regiões tornam Portugal um país muito desigual Pág. 1 PORTUGAL: AGRAVAM-SE AS ASSIMETRIAS REGIONAIS RESUMO O INE divulgou já em 2011 as Contas Regionais Preliminares

Leia mais

Rede de Oferta Qualificante Proposta para a Região do Algarve - 2012/2013

Rede de Oferta Qualificante Proposta para a Região do Algarve - 2012/2013 Rede de Oferta Qualificante Proposta para a Região do Algarve - 0/03 Território A - "Terras do Infante" A. E. Gil Eanes 53 - Metalurgia e Metalomecânica Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Técnico

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

Jorge Sobrado, CCDR-N/ON.2

Jorge Sobrado, CCDR-N/ON.2 Jorge Sobrado, CCDR-N/ON.2 O ON.2_contexto ON.2_contexto ON.2_contexto O ON.2 representa 1/3 dos financiamentos do QREN aprovados na Região Norte itário (Milhões de Euros) 1800 1 600 1 400 1 200 1 000

Leia mais

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro 2006 a 2010 DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira Outubro de 2011 Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro ÍNDICE: 1. Enquadramento e apreciação dos resultados.. pág. 2 2. Estatísticas dos candidatos,

Leia mais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais Sumário Atribuições e competências dos vários níveis de Competências e financiamento das Autarquias locais Níveis de administração Administração Central/Nível Nacional Administração Local/Nível Municipal

Leia mais

Programa Diz não a uma seringa em 2ª mão Carla Caldeira PTS/Programa Nacional para a Infeção VIH/sida Serviços Partilhados do Ministério da Saúde

Programa Diz não a uma seringa em 2ª mão Carla Caldeira PTS/Programa Nacional para a Infeção VIH/sida Serviços Partilhados do Ministério da Saúde Programa Diz não a uma seringa em 2ª mão Carla Caldeira PTS/Programa Nacional para a Infeção VIH/sida Serviços Partilhados do Ministério da Saúde 21 novembro 2013 INTRODUÇÃO A Direção-Geral da Saúde/Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor DESPACHO N.º 014/R/39 1. Nos termos dos Despachos n.ºs 17/007 e 18/007, de 0 de julho, as vagas para os Concursos Especiais de Acesso e para Regimes de Mudança de Curso e Transferência, 1.º ano, 1.º semestre,

Leia mais

Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal

Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal Anuários Estatísticos Regionais 213 19 de dezembro de 214 Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal O INE divulga os Anuários Estatísticos Regionais, que constituem

Leia mais

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 -

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas de Mediação Imobiliária Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2009

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2009 Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2009 10 de abril de 2012 Os resultados do índice global de desenvolvimento regional para 2009 evidenciam que quatro sub-regiões se situavam acima da média nacional:

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA)

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA) SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJETOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS (RETIFICADA) 1.

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

04 - MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA

04 - MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA 04 - MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA Curso / Habilitação Grau Condições especiais Engenharia Agronómica ramo: Hortofruticultura Da Universidade do Algarve Engenharia Civil Da Universidade Fernando Pessoa

Leia mais

CEGOT Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território, rgama@fl.uc.pt

CEGOT Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território, rgama@fl.uc.pt DINÂMICA EMPRESARIAL E INOVAÇÃO EM PORTUGAL: ANÁLISE DO COMMUNITY INNOVATION SURVEY 2008 Rui Gama 1 e Ricardo Fernandes 2 RESUMO Num contexto marcado, quer por rápidas mudanças tecnológicas e sociais quer

Leia mais

movimentos migratórios regionais do interior português: quem saiu e quem entrou?

movimentos migratórios regionais do interior português: quem saiu e quem entrou? movimentos migratórios regionais do interior português: quem saiu e quem entrou? Ana Rita Jacinto Pedro Nogueira Ramos Resumo: Palavras-chave população Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes 71 estudos

Leia mais

AVEIRO. vagas colocados Engenharia Geográfica L1 30 7 ALGARVE. Engenharia Geológica L1 20 8 Física L1 22 8 Finanças (regime pós-laboral) L1 20 6 UBI

AVEIRO. vagas colocados Engenharia Geográfica L1 30 7 ALGARVE. Engenharia Geológica L1 20 8 Física L1 22 8 Finanças (regime pós-laboral) L1 20 6 UBI AÇORES Ciências da Engenharia Civil L1 20 1 Património Cultural L1 20 6 Ciências Agrárias L1 10 10 Informática - Redes e Multimédia L1 25 8 Engenharia e Gestão do Ambiente L1 20 0 ALGARVE Engenharia Civil

Leia mais

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte 10 S E R V I Ç O T E L E F Ó N I C O M Ó V E L Tráfego de roaming in 2008 Var. Trimestral Var. Homóloga 2º Trim. (+/-) % (+/-) % Chamadas em roaming in 32 617 8 525 35,4% 1 646 5,3% Nº de minutos em roaming

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS ASSIMETRIAS REGIONAIS

EVOLUÇÃO DAS ASSIMETRIAS REGIONAIS EVOLUÇÃO DAS ASSIMETRIAS REGIONAIS 1. INTRODUÇÃO Assiste-se hoje a uma mudança de paradigma das políticas regionais, a qual é fruto, por um lado, da globalização e da entrada no mercado mundial de novos

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas ESCOLA CURSO GRAU ESPECIALIDADE NORMAS REGISTO OBS. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E G ÁGUEDA Engenharia Electromecânica B Mecânica a) do n.º 2 Universidade de Aveiro Engenharia Electrotécnica B ESP a)

Leia mais

Oferta Educativa no Ensino Secundário

Oferta Educativa no Ensino Secundário Oferta Educativa no Ensino Secundário G-Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) A-Cursos Científico- Humanísticos B-Cursos Profissionais F-Ensino Recorrente Ensino Secundário C-Cursos Artísticos

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO DE 2013 RESULTADOS DA 2.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO DE 2013 RESULTADOS DA 2.ª FASE 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 10 1 1 10 127,3 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição (Preparatórios)

Leia mais

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 27 de Outubro de 2008

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 27 de Outubro de 2008 Cursos EFA e Formação Modular Linhas de orientação 27 de Outubro de 2008 1 1. Cursos EFA 2 Cursos EFA - Destinatários EFA Básico EFA Secundário >= 18 anos Diurno ou tempo integral >= 23 anos Pós-laboral

Leia mais

Áreas de Educação e Formação e Saídas Profissionais Prioritárias, de Nível 4, para constituição da oferta de Nível 5

Áreas de Educação e Formação e Saídas Profissionais Prioritárias, de Nível 4, para constituição da oferta de Nível 5 Áreas de Educação e Formação e Saídas Profissionais Prioritárias, de Nível 4, para constituição da oferta de Nível 5 Conselho Setorial para a Nacional de Saída - Catálogo Nacional de Curso Saída - Curso

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS

NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS MAIO 2015 2 NUTS 2013 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. O REGULAMENTO DA NOMENCLATURA

Leia mais

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Geografia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 719/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE Nome da Nome do Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 11 130,8 4 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

Ficha técnica para os perfis regionais de cuidados paliativos. Observatório Português dos Cuidados Paliativos

Ficha técnica para os perfis regionais de cuidados paliativos. Observatório Português dos Cuidados Paliativos Ficha técnica para os perfis regionais de cuidados paliativos Observatório Português dos Cuidados Paliativos Acerca do Observatório Português dos Cuidados Paliativos O OPCP foi criado dia 1 de Dezembro

Leia mais

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE Mapa de IM - 2011 A - FE Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, EPE Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE 1 1 Centro Hospitalar

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

Nome da instituição Nome do curso Grau Vagas iniciais de 2013

Nome da instituição Nome do curso Grau Vagas iniciais de 2013 Nome da instituição Nome do Grau na 1.ª fase de pelo 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) Prep. Mestrado Integrado 15 15 155,8 0110 8085 Universidade

Leia mais

GUIÃO RELATIVO À TRANSIÇÃO DE COMUNIDADES INTERMUNICIPAIS Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro

GUIÃO RELATIVO À TRANSIÇÃO DE COMUNIDADES INTERMUNICIPAIS Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro GUIÃO RELATIVO À TRANSIÇÃO DE COMUNIDADES INTERMUNICIPAIS Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro Introdução Para algumas das questões relativas à transição de CIMs e Regimes importa distinguir as seguintes

Leia mais

TOTAL DE MERCADO Unidade 1T07

TOTAL DE MERCADO Unidade 1T07 8 S E R V I Ç O T E L E F Ó N I C O M Ó V E L Tráfego de roaming in 1 2007 Var. Trimestral Var. Homóloga 1º Trim. (+/-) % (+/-) % Chamadas em roaming in 20 878-3 976-16,0% 2 413 13,1% Nº de minutos em

Leia mais

Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 2009-2012 Escolas Profissionais Privadas - Intenções

Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 2009-2012 Escolas Profissionais Privadas - Intenções Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 009-01 Escolas Profissionais Privadas - Intenções Família Curso Portaria Escola Profissional Localidade Turmas Actividades Agrícolas

Leia mais

O SECTOR CULTURAL E CRIATIVO EM PORTUGAL. Sumário Executivo. Janeiro de 2010

O SECTOR CULTURAL E CRIATIVO EM PORTUGAL. Sumário Executivo. Janeiro de 2010 O SECTOR CULTURAL E CRIATIVO EM PORTUGAL Sumário Executivo Janeiro de 2010 Estudo desenvolvido para: Realizado por: O presente estudo baseia-se na construção de um modelo conceptual próprio para medir,

Leia mais

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 26 de Fevereiro 2008

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 26 de Fevereiro 2008 Cursos EFA e Formação Modular Linhas de orientação 26 de Fevereiro 2008 1 1. Cursos EFA 2 Cursos EFA - Destinatários EFA Básico EFA Secundário >= 18 anos Diurno ou tempo integral >= 23 anos Pós-laboral

Leia mais

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010 Disciplina de Geografia 7ºano Portugal Continental localiza-se no extremo Sudoeste da Europa, a Oeste do continente Asiático a Norte do continente

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+);

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+); MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS Sabugal, 9 de Abril de 2013 Medidas de Emprego Contrato Emprego Inserção (CEI); Contrato Emprego Inserção + (CEI+); CEI Património; Medida Estímulo 2013; Estágios

Leia mais

ÁGUA E SANEAMENTO EM PORTUGAL - O MERCADO E OS PREÇOS -

ÁGUA E SANEAMENTO EM PORTUGAL - O MERCADO E OS PREÇOS - A fim de ajudar a proteger a sua privacidade, o PowerPoint bloqueou a transferência automática desta imagem. COLÓQUIO ÁGUA E SANEAMENTO EM PORTUGAL - O MERCADO E OS PREÇOS - Porto 28 de Novembro de 2012

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE da Nome da Nome Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 10 134,0 5 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Licenciamento de Obras Dezembro de 2005 1 09 de Fevereiro de 2006 ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Em Dezembro de 2005, atenuou-se a tendência decrescente da variação

Leia mais

INTERREG V-A 2014-2020. Elena de Miguel Gago Diretora, Secretariado Conjunto 1

INTERREG V-A 2014-2020. Elena de Miguel Gago Diretora, Secretariado Conjunto 1 INTERREG V-A 2014-2020 BASES DA PRIMEIRA CONVOCATÓRIA Elena de Miguel Gago Diretora, Secretariado Conjunto 1 I. EIXOS E PRIORIDADES DE INVESTIMENTO As propostas deverão enquadrar-se numa das seguintes

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS GRUPO 2 CURSOS DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA REGISTADOS MAS AINDA NÃO ANALISADOS PELA ANET COLÉGIO DE ENGENHARIA CIVIL. Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

IVCURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL - Nível III

IVCURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL - Nível III APRESENTAÇÃO O Ensino Profissional é uma modalidade especial de educação que visa, essencialmente, o desenvolvimento da formação profissional qualificante dos jovens. Dado o facto de dedicarem grande parte

Leia mais

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Isabel Breda Vázquez Paulo Conceição Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Porto 4.07.14 Estudo Prospetivo do Mercado

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISOS N. OS 33 E 34 / SI/ 2009 CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Índice. Apresentação 2. Importância da Escolha 3. Sistema Educativo Português 8. 1. Ensino Não Qualificante 10. 1.1. Curso Científico-Humanístico 11

Índice. Apresentação 2. Importância da Escolha 3. Sistema Educativo Português 8. 1. Ensino Não Qualificante 10. 1.1. Curso Científico-Humanístico 11 Agora escolho eu! DOSSIER DE ORIENTAÇÃO DE TURMA Intervenção Vocacional no 9º Ano (3º Ciclo do Ensino Básico) Maio de 2009 Desenvolvido por: Diana Teixeira e Fátima Raquel Costa (Estagiárias do Serviço

Leia mais

Indicadores de localização, especialização e diversificação e análise. shift share: uma aplicação às NUT III da Região Norte no período 1986-1998

Indicadores de localização, especialização e diversificação e análise. shift share: uma aplicação às NUT III da Região Norte no período 1986-1998 Indicadores de localização, especialização e diversificação e análise shift share: uma aplicação às NUT III da Região Norte no período 1986-1998 Ricardo Sousa Departamento de Economia Escola de Economia

Leia mais