PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA ESTRATÉGIA E A FÍSICA QUÂNTICA ARTIGO CIENTÍFICO RENATO RIBEIRO DOS SANTOS GOIÂNIA, GO 2010

2 2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA RENATO RIBEIRO DOS SANTOS ESTRATÉGIA E A FÍSICA QUÂNTICA Artigo cientifico apresentado como egresso do curso de Especialização em Gestão Financeira. Professor Orientador: Ricardo Resende Dias (Msc). GOIÂNIA, GO 2010

3 3 LISTAS DE FIGURAS. Figura 1: Quadro de Estratégias Mistas Pág. 20 Figura 2: Percepção de Cenário Estratégico Pág. 22

4 4 RESUMO O desafio dos empresários e estrategistas em negócios de hoje é parecido com o dos físicos do inicio do século: colocar em marcha suas empresas e suas vidas ao mesmo tempo em quem lidam criativamente com o caos e a incerteza do planeta. O mundo empresarial está à procura de um novo caminho que dê resultados nesse futuro que estamos vivendo esse futuro das respostas mágicas e rápidas. Um mundo no qual as noções que formaram nossas cabeças deixaram de ser válidas. Como os físicos há mais de 90 anos, os empresários vão ter que construir uma linguagem diferente para lidar com seu mundo e obter resultados positivos criando uma antecipação ao mercado que está em constante metamorfose. Com esse estudo mostraremos como a ciência pode ajudar a atingir metas e analisar indicadores, fazendo uso de um estilo simples e direto, tornando esses ensinamentos acessíveis e claros. O paradoxo e a incerteza que foram incorporados à maneira dos cientistas verem o mundo, são as chaves para revolução intelectual da ciência e dos negócios: a necessidade de abandonar totalmente um modo afinco de pensar que até então estava dando certo, para poder continuar avançando. A Física Quântica em comunhão com modelos estratégicos trarão respostas a indagações acerca de decisões financeiras e mercadológicas dentro e fora da organização. Palavras-chave: Estratégicos, Mercado, Paradoxo, Incerteza e Resultados.

5 5 TEMA Estratégia e a Física Quântica. INTRODUÇÃO Os objetivos específicos desse estudo evidenciam as relações e aplicabilidades da Física Quântica como chave de modelos estratégicos definidos a partir de aplicações econômicas e financeiras no âmbito empresarial e estratégico. Para a ciência a Física Quântica funciona como objeto de investigação e analise de pequenas partículas com o intuito de desvendar os segredos do Universo e da matéria, o estudo da estratégia não é diferente, temos que desvendar primordialmente as chaves de administração para definirmos uma estratégia ideal ao qual estaremos seguindo uma trajetória a partir de pequenos (quantum) dados coletados e analisados. A Física Quântica como modelo estratégico estuda decisões em situação interativas, analisando os agentes envolvidos, suas decisões individuais e as reações geradas por cada um, modelando a situação de forma a encontrar um esboço inovador e ideal a fim de manter o movimento e estruturar novos conceitos e desafios. A estratégia nos permitirá posicionar os dados e os jogadores possibilitando que os resultados e objetivos previamente determinados (ou indeterminados) sejam atingidos. A contribuição da análise da Física Quântica em decisões e simulações dessas realidades, garantem sua aplicação não só na estratégia e na Administração, como também em outras ciências e em diversificadas situações. Especificamente, neste estudo, aplicaremos e provaremos sua autenticidade como modelo estratégico.

6 6 MÉTODO Para a classificação da pesquisa, toma-se como base a taxionomia apresentada por Vergara (2004), que a qualifica em relação a dois aspectos: quanto aos fins e quanto as meios. Quanto aos fins a pesquisa é exploratória e descritiva onde nos mostra que não se há existência de estudos que abordem o uso da Física Quântica em fusão com a Estratégia Empresarial criando uma nova forma de pensar e agir dentro e fora das organizações. Quanto aos meios, a pesquisa é bibliográfica e teórica. Bibliográfica porque foi necessária uma revisão dos livros e teorias relacionados à Estratégia e suas aplicações, e da Física Quântica enquanto ciência. Baseado nesta analise precisei coletar e cruzar dados matemáticos e estratégicos a fim de provar a inovação do raciocínio lógico e estratégico voltado às organizações com o objetivo de obter uma nova visão do mercado e suas inserções, das empresas e seus paradigmas, de causa e efeito, de inicio e possivelmente um fim.

7 7 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA Paradoxalmente, assim como os mágicos, nós nos tornaremos viciados em manipulação. Nos últimos três séculos, de acordo com WHEATLEY (2006), [...] nós quebramos, planejamos, predizemos, e analisamos o mundo. Estamos viciados em causa e efeito. A Física Quântica revolucionou o pensamento cientifico humano [...] (Wheatley, 2006, p.28). 1 - Física Quântica 1.1. Uma breve história da Mecânica Quântica O êxito preditivo e descritivo da Mecânica de Newton, da Termodinâmica e do Eletromagnetismo, geraram, entre o século XVII e o século XX, a expectativa do homem de poder reduzir todas as predições e explicações dos fenômenos físicos do universo ao que hoje se denomina de Física Clássica. A concepção determinística extremada (o mecanicismo), em particular, foi tomada como modelo para as ciências sociais. O matemático e astrônomo Laplace foi o porta voz mais destacado daqueles que tentaram universalizar o esquema preditivo e descritivo da Mecânica Clássica. Uma expectativa, como se sabe hoje, não concretizada, levando em conta que esta teoria científica nem sequer dá conta do movimento dos átomos de uma molécula do cérebro de um ser humano. (FREIRE E CARVALHO, 1997, p.20). Uma das mais radicais crises na História da Ciência, contudo, tomou conta da comunidade dos físicos nos primeiros anos do século XX e desfez, de maneira contundente, a idéia de uma Física concluída, finalizada e acabada. Nos anos de 1905 e 1916, Albert Einstein publicou as Teorias da Relatividade Especial e Geral respectivamente, imaginando conceitos de espaço, tempo e gravitação de forma muito diferente dos concebidos pela Mecânica de Newton, ainda que a gênese da teoria da relatividade restrita tenha suas raízes no Eletromagnetismo. Entre 1900 e 1927, outra invenção científica, conhecida como Mecânica Quântica introduziu idéias ainda mais radicais do que as da Teoria da Relatividade, especialmente no período entre 1925 e Neste intervalo de tempo de dois

8 8 anos, Werner Heisenberg ( ), Max Born ( ) e Pascual Jordan ( ) formularam a Mecânica Quântica, representando-a em forma de matrizes. P.A. Dirac ( ), através de uma outra representação, formulou, de forma independente, a nova teoria. Schrödinger, também de forma independente, obteve a equação que leva seu nome e que constitui um dos postulados da Mecânica Quântica, fornecendo a função do estado ψ em função do tempo. Outros físicos de destaque do século XX, entre os quais Planck, Einstein, De Broglie, Pauli, e Feynman, têm o nome, de algum modo, associado à Mecânica Quântica (FREIRE E CARVALHO, 1997). Segundo Planck, cada um desses quanta tem energia proporcional à freqüência ν da radiação eletromagnética emitida ou absorvida. Planck insistiu que este foi apenas um aspecto dos processos de absorção e emissão de radiação e não tinha nada a ver com a realidade física da radiação em si. No entanto, naquele tempo isso parecia não explicar o efeito fotoelétrico (1839), ou seja, que a luz brilhante em certos materiais pode ejetar elétrons do material. Em 1905, baseando seu trabalho na hipótese quântica de Planck, Albert Einstein postulou que a própria luz é formada por quantas individuais. Em meados da década de 1920, a evolução da mecânica quântica rapidamente fez com que ela se tornasse a formulação padrão para a física atômica. No verão de 1925, Bohr e Heisenberg publicaram resultados que fechavam a "Antiga teoria quântica". Quanta de luz vieram a ser chamados fótons (1926). Da simples postulação de Einstein nasceu uma enxurrada de debates, teorias e testes e, então, todo o campo da física quântica, levando à sua maior aceitação na quinta Conferência de Solvay em Trata-se da teoria física mais bem sucedida e a mais fundamental entre as criadas pelo homem. Dentre as inovações conceituais, incluem-se a dualidade ondapartícula, o princípio da incerteza, o princípio da superposição, além da propriedade

9 9 conhecida como não localidade. Todas essas mudanças, de algum modo, implicaram outra visão de mundo acerca da objetividade da Física. Desde 1927, o desenvolvimento da Mecânica Quântica e suas aplicações à Física Molecular, ao estado sólido, aos líquidos e aos gases, à Mecânica Estatística, bem como à Física Nuclear demonstraram a impressionante generalidade de seus métodos e resultados. Efetivamente nunca antes uma teoria física tinha fornecido a chave para a explicação e cálculo de um grupo tão heterogêneo de fenômenos e atingido uma concordância tão perfeita com a experiência. (MAX JAMMER, 1966, p. 65). Mesmo no domínio macroscópico é preciso recorrer à Mecânica Quântica para compreender certas propriedades, a exemplo da estabilidade da matéria. A interação da radiação eletromagnética com a matéria é fenômeno que remete, em geral, à Mecânica Quântica. O efeito fotoelétrico, explicado em 1905, ilustra esta afirmação, quando Einstein propõe os quanta de luz, uma hipótese considerada por ele como revolucionária. A Medicina e a Engenharia foram áreas, dentre outras, que muito se beneficiaram das aquisições da nanotecnologia, que, em última análise, remete à Mecânica Quântica. No terreno da informática, as perspectivas são promissoras, com a idéia de criptografia e emaranhamento quânticos. Acrescente-se, ainda, que essa teoria tem sido utilizada para descrição do desenvolvimento do universo em larga escala, auxiliando, assim, a Cosmologia. Basta imaginar as reduzidas dimensões iniciais do Big-Bang para as quais as predições clássicas seriam inadequadas. Há ainda que se registrar a influência da Mecânica Quântica na Filosofia, e, em particular, na Epistemologia. Filósofos da ciência como Popper, Kuhn, Feyerabend, Bachelard, dentre outros, dedicaram-se às questões suscitadas por esta teoria. A escolha pela interpretação da complementaridade no ensino de Mecânica Quântica decorreu, primariamente, de razões históricas. Essa interpretação ganhou sustentação tanto no domínio não relativístico como relativístico, tendo sobrevivido à tentativa de ser substituída pela teoria das variáveis escondidas, de David Bohm,

10 10 proposta na década de Estudos históricos apontam que razões estritamente científicas levaram à não aceitação do programa de Bohm (FREIRE JR. 1995). A coerência da interpretação da complementaridade foi reconhecida até mesmo pelo brilhante crítico Albert Einstein, o físico mais influente do século XX. Em 1936, referindo-se à complementaridade, sustentou: Acreditar nisso é possível, sem contradição lógica; mas é tão contrário ao meu instinto científico que eu não posso abandonar a procura de uma concepção mais completa (Einstein, 1936, in EINSTEIN, 1973, p. 310 apud. FREIRE Jr., 1991, p.53). Segundo o brilhante físico BOHR: Quanto mais claramente percebemos que é impossível formular o conteúdo da teoria quântica com a ajuda de um único tipo de representação clássica, mais admiramos a feliz intuição de Planck ao cunhar o termo Quantum de ação que de modo tão direto indica a insuficiência do princípio de mínima ação, princípio cuja posição central na descrição clássica da natureza ele mesmo sublinhou mais de uma vez. Este princípio simboliza, por assim dizer, a peculiar relação de simetria recíproca que se dá entre a descrição espaço-temporal e as leis de conservação da energia e da quantidade de movimento (BOHR, 1961, p. 93 apud FREIRE Jr., 1995, p. 27). Apenas para contrastar o pensamento de Bohr com o pensamento tipicamente positivista de Max Born registre-se que este último declarou: A Física Moderna tem atingido seus maiores sucessos pela aplicação do princípio metodológico segundo o qual conceitos que se referem a distinções fora do alcance de experiências possíveis não têm significado físico e devem ser eliminados. (BORN, 1955, p. 4 apud FREIRE, 1995, p ).

11 Princípios da Física Quântica Primeiro principio. Na mecânica quântica, o estado de um sistema físico é definido pelo conjunto de todas as informações que podem ser extraídas desse sistema ao se efetuar alguma medida. Todos os estados são representados por vetores em um espaço vetorial complexo: o Espaço de Hilbert H. Assim, cada vetor no espaço H representa um estado que poderia ser ocupado pelo sistema. Portanto, dados dois estados quaisquer, a soma algébrica (superposição) deles também é um estado. Como a norma (matemática) dos vetores de estado não possui significado físico, todos os vetores de estado são preferencialmente normalizados. Na notação de Dirac, os vetores de estado são chamados Kets e são representados como aparece a seguir: Usualmente, na matemática, são chamados funcionais todas as funções lineares que associam vetores de um espaço vetorial qualquer a um escalar. É sabido que os funcionais dos vetores de um espaço também formam um espaço, que é chamado espaço dual. Na notação de Dirac, os funcionais - elementos do Espaço Dual - são chamados "Bras" e são representados como aparece a seguir: Segundo principio. a) Para toda grandeza física A é associado um operador linear autoadjunto  pertencente a A:  é o observável (autovalor do operador) representando a grandeza A. b) Seja o estado no qual o sistema se encontra no momento onde efetuamos a medida de A. Qualquer que seja os autovalores de a α do observável Â., os únicos resultados possíveis são

12 12 c) Sendo o projetor sobre o subespaço associado ao valor próprio a α, a probablidade de encontrar o valor a α em uma medida de A é: onde d) Imediatamente após uma medida de A, que resultou no valor a α, o novo estado do sistema é Terceiro principio. Seja o estado de um sistema ao instante t. Se o sistema não é submetido a nenhuma observação, sua evolução, ao longo do tempo, é regida pela equação de Schrödinger: Onde é o hamiltoniano do sistema.

13 13 2 Estratégia Defini-se estratégia como sendo o conjunto de ações a ser executado ao longo do jogo, que resultará em respostas dos adversários e implicará em um plano estratégico para cada ação e reação do opositor, compondo um complexo conjunto de alternativas (estratégias) e uma diversidade de lances. 2.1 Definições. A estratégia é um termo que vem do grego strategia, significando o "generalship". Nas forças armadas, a estratégia se refere a manobrar as tropas na posição antes que o inimigo esteja realmente posicionado. Neste sentido, a estratégia consiste na distribuição das tropas. Uma vez que o inimigo está preparado, a atenção desloca às táticas. As estratégias militares serviram como fonte de conhecimento também para o mundo dos negócios. STEINER (1997) observa que a estratégia se incorporou na literatura da alta gerência como uma maneira de consultar o que fazer para se opor a um concorrente real ou prever seus movimentos (Equilíbrio de Nash). TREGOE E ZIMMERMAN (1980), definem a estratégia como a estrutura que guia as escolhas que determinam a natureza e o sentido de uma organização. Serve para selecionar os produtos (ou os serviços) a oferecer e os mercados onde os oferecer. Os autores incitam executivos a basear suas decisões em uma única driving force (força impulsionadora) do negócio. Embora haja nove forças possíveis, somente uma pode servir de base para a estratégia para um dado negócio. As nove possibilidades são listadas abaixo: Os produtos oferecidos; Capacidade de produção; Recursos naturais; Necessidades do mercado; Método da venda; Tamanho/crescimento do mercado; Tecnologia; Método de distribuição;

14 14 Retorno/Lucratividade O autor salienta ainda que a reorientação estratégica aconteça em rápidos e pequenos movimentos, onde as mudanças radicais raramente ocorrem onde períodos distintos de estabilidade e mudanças podem ser identificados. Desta forma é necessário, em períodos de mudanças, separar no tempo as forças básicas para mudança e para estabilidade. Muitas falhas estratégicas ocorrem por mistura das duas forças ou por obsessão por uma das forças em detrimento da outra. Segundo NASH (1950): Nenhum jogador tem a ganhar mudando sua estratégia Unilateralmente. Gerenciar estratégia é elaborá-la através do pensamento, ação, controle, aprendizagem, estabilidade e mudança. Mintzberg conclui que para assegurar estabilidade, cabe promover mudanças elaboradas ou emergentes através da sensibilidade, participação e criatividade. Para descrever o processo no qual as estratégias são desenvolvidas, Mintzberg (1987) utiliza a metáfora Crafiting em vez de Planejar, com o objetivo de enfatizar a importância de um sentimento de intimidade e harmonia com os materiais, desenvolvido por uma longa experiência e comprometimento, ao invés do controle racional por meio de análises sistemáticas do mercado e competidores e as forças e fraquezas da empresa. De acordo com esta perspectiva, a formulação e a implementação da estratégia merge into a fluid process of learning through which creative strategies evolve, ou seja, a formulação e implementação se dão de forma implícita, emergindo de um processo criativo. O autor define a estratégia realizada como patterns in action - padrões em ação, que não são necessariamente explícitos ou resultados de um plano (MINTZBERG, 1987, p. 110). Esse posicionamento conflita com a perspectiva tradicional segundo a qual a estratégia é sempre um processo deliberado, onde: primeiro pensa-se (formulação),

15 15 depois se age (implementação). Na realidade não existem estratégias puramente deliberadas e nem puramente emergentes. De acordo com MINTZBERG (1987), o fato de tornar a estratégia explícita criaria uma resistência à mudança estratégica. Pesquisando mais sobre estratégia corporativa, ANDREWS (1987) apresenta a seguinte definição de estratégia: "A estratégia Corporativa é a amostra das decisões em uma companhia, que determinam e revelam seus objetivos e finalidades, produzindo as políticas e os planos principais para conseguir tais objetivos, definindo a escala do negócio que a companhia deve perseguir, o tipo da organização econômica e humana que é ou pretende ser, e a natureza da contribuição que pretende fazer a seus acionistas, empregados, clientes, e comunidades econômicas e nãoeconômicas (pp ). A definição de Andrews atrai a atenção de Mintzberg ao objetivo, ao plano, e à perspectiva. Andrews extrai também uma distinção entre a estratégia corporativa, que determina os negócios em que uma companhia competirá, e estratégia do negócio, que define a base da competição para um dado negócio. Assim, antecipou também o "posicionamento" como uma forma de estratégia. A questão da estratégia como a base para a competição leva aos trabalhos de um outro professor da escola de negócios de Harvard, Michael Porter, o consagrado guru da estratégia competitiva. Em um artigo de 1996 da Harvard Business Review e em seu livro Competitive Strategy (1998), Porter observa que a estratégia do competidor é sobre ser diferente. Ele adiciona: Significa escolher deliberadamente um jogo diferente de atividades e entregar uma mistura original de valor" (PORTER, 1996, p. 45). PORTER (1985) nota, ademais, que a estratégia diz respeito à posição do competidor, como se diferenciar nos olhos do cliente, ao valor agregado, por meio

16 16 de um conjunto de atividades diferentes daquelas usadas por concorrentes. Define estratégia competitiva como uma combinação de objetivos que fazem com que a firma lute para atingir seus objetivos. Assim, Porter assemelha estratégia a um plano e a um posicionamento (PORTER, 1985). Ainda segundo PORTER (1980), a empresa alcança uma vantagem competitiva sustentável quando consegue desempenhar atividades organizacionais e produtivas com custos menores do que a concorrência, ou de forma diferente e única, gerando valor para os compradores a ponto de levá-los a pagar mais caro pelo produto (preço premium). Define o posicionamento estratégico, portanto, em função da capacidade e empenho da empresa em realizar suas funções de forma diferente da concorrência ou de produzir algo diferente, que seja reconhecido pelos compradores de forma única, diferenciada. A Positioning School ao avaliar as forças competitivas e as variáveis ambientais, prioriza os aspectos externos à organização. Embora considere as atividades internas na proposta da cadeia de valor da empresa (PORTER, 1986), não está voltada para suas competências e conhecimentos..como disse HAMEL (1998): É preciso ter sempre o foco na inovação, sabendo criar sempre novas estratégias e modelos para uma boa análise das mesmas. À medida que as empresas descobrem o quanto a estratégia é um fator crítico de sucesso, surge a necessidade de se avaliar a adequação estratégica na gestão das empresas empreendedoras. 2.2 Estratégia Empresarial As definições do conceito de estratégia são tão numerosas quanto os autores que as referem e embora exista alguma convergência em alguns aspectos que estão na base do conceito, o conteúdo e os processos de formação da estratégia são objetos de abordagens muito diversas que assentam na forma como os autores concebem a

17 17 organização e entendem o seu funcionamento. Assim, o conceito de estratégia é multidimensional e situacional e isso dificulta uma definição de consenso. Mas qual a origem e recente evolução da definição ou conceito de estratégia? Um dos primeiros usos do termo estratégia foi feito há aproximadamente anos pelo estrategista chinês SUN TZU, que afirmava: Todos os homens podem ver as tácticas pelas quais eu conquisto, mas o que ninguém consegue ver é a estratégia a partir da qual grandes vitórias são obtidas. O vocábulo teve sua origem na Grécia Antiga, significando, inicialmente, arte do general, adquirindo, posteriormente, uma conotação voltada para a guerra, significando a arte e a ciência de conduzir um exército por um caminho. O termo estratégia assumiu o sentido de habilidade administrativa na época de Péricles (450 a.c.), quando passou a significar habilidades de gestão (administrativas, liderança, oratória, poder). Mais tarde, no tempo de Alexandre (330 a.c.), adquiria o significado de habilidades empregadas para vencer um oponente e criar um sistema unificado de governo global. Estratégia significava inicialmente a ação de comandar ou conduzir exércitos em tempo de guerra um esforço de guerra. Representava um meio de vencer o inimigo, um instrumento de vitória na guerra, mais tarde estendido a outros campos do relacionamento humano: político, econômico e ao contexto empresarial, mantendo em todos os seus usos a raiz semântica, qual seja, a de estabelecer caminhos. Origina-se assim como um meio de um vencer o outro, como uma virtude de um general de conduzir seu exército à vitória, utilizando-se para isso de estratagemas e instrumentos que assegurassem a superioridade sobre o inimigo. A estratégia teve várias fases e significados, evoluindo de um conjunto de ações e manobras militares para uma disciplina do Conhecimento da Gestão. Não existe um conceito único, definitivo de estratégia. O vocábulo teve vários significados, diferentes na sua amplitude e complexidade, no decorrer do desenvolvimento da Gestão Estratégica.

18 18 O conceito de estratégia apresenta um paradoxo, pois exige a integração de uma série de teorias e enfoques, o que impede o completo registro dos seus conceitos e abordagens. Dependendo do contexto no qual é empregada, a estratégia pode ter o significado de políticas, objetivos, tácticas, metas, programas, entre outros. O conceito de estratégia vem sendo utilizado de maneira indiscriminada na área da Gestão, podendo significar desde um curso de ação formulado de maneira precisa, todo o posicionamento no seu ambiente, até toda a alma, a personalidade e a razão existencial de uma organização. De entre os muitos conceitos de estratégia, um dos mais utilizados aquele que a define como o conjunto de planos da alta administração de uma empresa para alcançar resultados consistentes com a missão e os objetivos gerais da organização. Apresentam-se, de seguida, de forma a dar uma perspectiva geral deste conceito, algumas definições de estratégia vários autores ao logo dos tempos: "Estratégia é o padrão de objetivos, fins ou metas e principais políticas e planos para atingir esses objetivos, estabelecidos de forma a definir qual o negócio em que a empresa está e o tipo de empresa que é ou vai ser." LEARNED CHRISTENSEN, ANDREWS, GUTH (1965) ANDREWS (1971). Segundo PORTER (1980): "Estratégia competitiva são ações ofensivas ou defensivas para criar uma posição defensável numa indústria, para enfrentar com sucesso as forças competitivas e assim obter um retorno maior sobre o investimento." Em face destas definições é lógico afirmar que o pensamento estratégico tem evoluído em sintonia com as tendências do meio envolvente e com a própria natureza das organizações. Ao longo dos tempos este acompanhamento das tendências do meio envolvente permitiu o aparecimento de novos negócios, novas oportunidades comerciais e novas formas de competição.

19 Análise de Estratégias Uma das abordagens para analisar um jogo se faz por meio da análise das estratégias que conduzem aos seus possíveis equilíbrios. Sob este aspecto, existem dois tipos de equilíbrio básicos: o equilíbrio de estratégias dominantes e o equilíbrio de NASH. RASMUSEN (1989, p.47) define dominante como sendo, estritamente a melhor resposta para qualquer estratégia que tenha sido escolhida pelos outros jogadores, e que proporciona sempre o maior payoff. Quando estratégias adotadas por jogadores permanecem inalteradas, diz-se que um equilíbrio de estratégias foi montado. Um equilíbrio de estratégias dominantes é único e representa a combinação das estratégias dominantes de cada jogador. TAVARES (1995, p. 45) define o Equilíbrio Nash como sendo a combinação de estratégias ótimas de cada jogador, ou seja, a melhor resposta às estratégias dos outros jogadores. Uma vez atingido o equilíbrio, nenhum jogador tem incentivo para desviar-se dele, dado que os outros jogadores também não desviam. Nesse sentido, todo equilíbrio de estratégias dominantes é um equilíbrio de Nash, mas nem todo equilíbrio de Nash é um equilíbrio de estratégias dominantes. Estratégias Mistas Embora a solução maximin (mista) pareça razoável para jogos de soma constante, quando não há uma um ponto de sela ou a soma é diferente de zero, será necessário fazer uma mistura que diminua os riscos de perdas ou promova outro ponto de equilíbrio que não pode ser alcançado apenas como recurso de estratégias puras ou estritas - aquelas que são listadas nas matrizes básicas. Quando os interesses não são totalmente opostos ou coincidentes, é possível achar estratégias mistas que ofereçam um melhor saldo para ambos os jogadores, em equilíbrio de Nash. Na próxima matriz, as circunstâncias não são plenamente competitivas ou de mera coordenação das ações. Os agentes devem buscar um consenso sobre quais os resultados mostrados se encontrarão, a fim de evitar os piores resultados.

20 20 Quadro 1: Estratégias mistas. À primeira vista, uma rodada de comunicação prévia poderia solucionar o problema, não fosse à tentação de um deles ameaçar jogar sua estratégia favorita, cortando, em seguida, a ligação entre os dois. Linha, por exemplo, caso falasse primeiro, afirmaria a disposição de jogar alto, e ponto final. Sem deixar à Coluna outra opção além de seguir pela esquerda, pois ganhar um seria melhor do que nada. Imaginar o inverso disso faria com que Coluna dissesse direita, obrigando Linha jogar baixo. Tem-se, então, a situação interpretada como uma Batalha dos Sexos, onde um casal teria de decidir qual programa para a noite: ir ao balé ou assistir uma luta de boxe. A senhorita Linha prefere ir ao Balé com o senhor Coluna, em primeiro lugar. Sua segunda preferência é ir ao Boxe com ele. Ao contrário, o senhor Coluna prefere esta última possibilidade antes de tudo, sendo seu plano B ir ao Balé com ela. Neste comparativo, nenhuma estratégia pura garante uma solução para o jogo. Ainda que alguém ameace seguir sua estratégia favorita, não raro a retaliação do outro ocorre na escolha de sua própria estratégia preferida, com intuito de preservar a reputação de pessoa firme que não se curva a ameaças. Apenas o recurso a uma mistura de suas estratégias estritas permite encontrar um resultado que pareçam satisfatórios para ambos os jogadores. O teorema maximin, ofereceu como solução para essas circunstâncias a aplicação das estratégias disponíveis segundo uma taxa de freqüência determinada. A fim de obter-se a melhor mistura, que garanta, ao menos, o mais alto ganho entre os piores, o método simples para jogos 2 x 2, descrito por Rapoport consiste em encontrar a diferença entre as notações das duas estratégias Alto e Baixo, para o jogador da linha, fazendo depois a razão da segunda diferença em relação à primeira. Para descobrir sua mistura maximin, a Linha deve subtrair zero de um na estratégia "Alto" e zero de dois na estratégia "Baixo", cuja razão em relação à primeira produz 2:1, o que leva a uma proporção de (2/3 Alto, 1/3 Baixo). Por sua vez, Coluna diminui zero de dois e zero de um, à esquerda e à

21 21 direita, gerando 1:2 e, em conseqüência, (1/3 Esquerda, 2/3 Direita). Agora, ambos os jogadores podem calcular o valor esperado para a situação em que se encontram. Linha multiplica a proporção de Alto com a probabilidade de a Coluna fornecer-lhe dois ou zero, somando a proporção de Baixo e multiplicando as chances de obter zero ou um, do seguinte modo. v(l) = 2/3(1/3 2) + 2/3(2/3 0) + 1/3(1/3 0) + 1/3(2/3 1) = 2/3 2/3 + 1/3 2/3 = 4/9 + 2/9 = 6/9 = 2/3 E conclui que seu valor será de 0.66 úteis (unidade padrão da utilidade, na teoria dos jogos; pural utiles). Menos do que o útil certo que ganharia em Baixo-Direita. Fazendo as contas de seu valor, Coluna chega à conclusão semelhante, mas simétrica: v(c) = 1/3(2/3 1) + 1/3(1/3 0) + 2/3(2/3 0) + 2/3(1/3 2) = 1/3 2/3 + 2/3 2/3 = 2/9 + 4/9 = 6/9 = 2/3 Devido à simetria do jogo, as misturas de estratégias garantem aos dois jogadores os mesmos resultados conjuntos (0.66, 0.66). O sucesso que a maxmin oferece em jogos de soma zero, ao reduzir ao mínimo as perdas de cada parte, nem sempre é garantia de boa escolha em jogos de soma variante. A estratégia não é um jogo de soma constante e soluções melhores podem ser encontradas, como se verá quando os jogos forem analisados. Quando se trata de ganhar ou perder, o equilíbrio pode vir a ser o único conselho a sugerir.

22 22 Em razão do teorema minimax, o jogo geral de duas pessoas, soma-zero, tem boa base teórica. Mas, sendo jogo de informação perfeita, raramente surge na prática. A dificuldade está no requisito de o jogo ser soma-zero em situações prescritas. A presunção essencial sobre que se assenta a teoria é a oposição de interesses de dois jogadores. Na medida em que a presunção não seja válida, a teoria será irrelevante e desorientadora. Quadro 2: Percepção do Cenário Estratégico.

23 23 DISCUSSÃO Aplicação da Física Quântica em decisões Estratégicas. Uma ilustração COURTNEY,1997, diz: Os gestores devem evitar o clamor por atuar apenas com base em instinto. Ao invés disso, gestores devem catalogar sistematicamente o que sabem e o que é possível saber. Mesmo que seja impossível desenvolver um set de resultados significativamente prováveis ou mesmo possíveis em situações de nível 4, os gestores poderão ganhar com essa perspectiva estratégica valiosa. Usualmente eles conseguem identificar pelo menos um subset de variáveis que determinarão como o mercado evoluirá no tempo por exemplo, penetração no mercado consumidor ou atributos de performance tecnológica (COURTNEY, 1997). MINTZBERG (2004) manifesta toda sua insatisfação com o fato de que pouco havia mudado na maneira de trabalhar do principal executivo em todos os anos que se passaram desde seu primeiro estudo, quando afirma: I was struck during my study by the fact that the executives I was observing all very competent by any standard- are fundamentally indistinguishable from their counterparts of a hundred years ago (or a thousand years ago, for that matter). The information they need differs, but they seek it in the same way by word of mouth. Their decisions concern modern technology, but the procedures they use to make them are the same as the procedures of the nineteenth century manager. In fact, the manager is in a kind of loop, with increasingly heavy work pressures but no aid forthcoming from managerial science. (MINTZBERG, 1975). A tese de MINTZBERG (1975), de que as ciências gerenciais pouco evoluíram para facilitar o trabalho do executivo principal por não captarem a real natureza do seu

24 24 trabalho, associada aos estudos de TONELLI E ALCADIPANI (2004), que afirmam não haver diferenças significativas entre o observado no Brasil e a literatura consagrada, somando-se a frustração de MINTZBERG (2004), quando demonstra surpresa pelo fato de tão pouco ter sido feito em proveito do gestor. Com isso julgamos possível obter uma melhor compreensão do trabalho do gestor principal, preocupados em indicar como ele poderia melhor lidar com a carga cada vez mais volumosa, complexa e imprevisível do trabalho com a qual ele se defronta no seu dia-a-dia. No estudo de MINTZBERG (1975) e em literatura voltada às ciências gerenciais encontra-se, na incerteza, um ponto de partida. Aparentemente o aumento do poder computacional a partir dos avanços tecnológicos, somados a modelos probabilísticos cada vez mais modernos que buscam explicitar o funcionamento do mercado que impõe um volume de trabalho com o qual o gestor contemporâneo é confrontado. Se não é possível parar o tempo, tampouco se pode afetar a evolução tecnológica e os inúmeros benefícios oriundos dela. O problema aparece na forte influência que o paradigma mecanicista exerce ainda hoje nas ciências da administração. Ao invés de lidar com a incerteza de forma produtiva, ainda vez por outra, tenta-se manipular uma infinidade de causas absolutamente incontroláveis no anseio irreal de garantir o efeito final. Será então que não é o modelo mental que deve mudar? Um maior enlace entre as ciências gerenciais e as ciências da complexidade caos, quantum - poderá ser útil, tanto na compreensão do universo em que a organização opera, quanto no trabalho do gestor. Se ao invés de se preocupar com o conflito, o executivo conseguir compreender que a desordem aparente pode ser útil na resolução de problemas, ou ainda que o gestor compreenda que o melhor momento para se mudar é quando tudo está bem pois a mudança é inevitável.

25 25 A essência Física Quântica e da Estratégia é a forma de pensar do gestor, entender seus modelos mentais e como eles podem ser aprimorados para maior compreensão do universo da organização. A grande questão aqui colocada: se boa parte dos temas já foram abordados, porque é que não surtem efeito? É necessário usar como pano de fundo o paradigma quântico, e o caminho escolhido está na mudança dos modelos mentais dos gestores, na tentativa de responder a MINTZBERG (1975) e tantos outros teóricos a concretamente apontarem saídas que ampliem as possibilidades do gestor na condução do seu trabalho. No mundo dos negócios onde a obtenção de resultados é crucial para a empresa, seus colaboradores e sócios/acionistas, um modelo estratégico errôneo ou precipitado pode culminar na insolvência e na falta de obtenção de bons indicadores. O estudo da Estratégia Quântica pode facilitar o processo de tomada de decisão com uma boa ótica das estratégias mercadológicas e financeiras. (RENATO RIBEIRO, 2010). As empresas tendem a estarem em um ciclo onde a preponderância da competitividade é capaz de assumir a principal gama de situações positivas ou negativas dentro da organização, visto que é através de estratégias que elas obtém dividendos e rentabilidade necessária para alcançarem um bom patamar de desenvolvimento. Através do estudo quântico, as empresas podem melhor entender a importância da estratégia para um modelo cognitivo real em relação ao seu retorno financeiro. O que isso tem a ver com nossas empresas? A essência da atividade do administrador tem sido desenhar e implementar sistemas de trabalho, organizar fluxos e processos, para que a empresa, estruturada internamente possa competir no mercado. Mas no momento em que o meio

26 26 ambiente no qual a empresa atua muda drasticamente em tudo, como esta acontecendo hoje, mudando tão rapidamente que não conseguimos nem entender o processo de mudança, então nossa lógica de atuação terá de mudar também, e será uma mudança muito mais radical, a chamada reengenharia. A lógica da complexidade muda à essência do que de fato interessa para a empresa: estratégias e inovações. A empresa é vista como um organismo competindo por recursos em um meio muito mais hostil do que aquele com o qual nos acostumamos, no qual um certo talento para truques de marketing bastava para nos tornar gestores de sucesso. A ciência da complexidade sinaliza que o que está ocorrendo no mundo empresarial guarda uma analogia com eventos que ocorreram em outros domínios e pegaram os protagonistas despreparados para a avalanche de novidades e surpresas que se seguiram. A dinâmica é tal que as fronteiras da edge of chaos passaram a se mover rápido, e o sistema só tem uma chance se quiser sobreviver: acompanhar a mudança, passo a passo reagindo em sintonia com ela. A empresa tem que agir como um sistema que auto-organiza. Sistema inteligente que sabe processar a informação que chega de fora e usá-la para se auto renovar. Saber lidar com a informação é o ingrediente vital para a sobrevivência. Nas escalas de tempo que caracterizam as inovações, tanto em física como em tecnologia, observa-se a mesma dinâmica; o mesmo padrão básico que Einstein notou: variação, seguida de seleção, nova variação. A ciência se interessa em descobrir padrões comuns entre coisas tão diferentes como a Física e a Empresa. Estamos interessados em sistemas que, para evoluir e sobreviver, precisa aprender a jogar com seu meio ambiente. Como as pequenas empresas, que estão constantemente jogando, barganhando com suas concorrentes, em busca de uma única recompensa, um único payoff: o direito de continuar no jogo. Toda essa nova lógica inspirada nas analogias com o processo do aprendizado, da evolução, da física, é o corpo de idéias mais poderoso para inspirar as empresas neste inicio de século.

27 27 A lógica quântica. A forma de ver a natureza inspirada no insight quântico diz também que quanto mais determinado estiver o sistema em um aspecto, menos determinado ele estará no aspecto complementar. Fixar um aspecto significa que o outro terá de estar completamente livre, Partícula e onda. Em diferentes contextos, as coisas podem oscilar entre atributos partícula e atributos onda. A verdade da realidade quântica é ambígua. Ela nos obriga a conviver com a possibilidade de outras possibilidades, mas toda essa incerteza pode ser altamente prática e geradora de resultados. As empresas também possuem estes aspectos, quanto mais observamos a vida das empresas, mas percebemos como ela nos dois contextos está ainda distante de uma concepção como as que estão sugerindo. Somos instintivamente mecanicistas. Enfatizamos o ponto de vista certo. Único. Apenas uma maneira de olhar as coisas e interpretá-las. Uma afirmação é verdadeira ou falsa, não conseguimos obter um equilíbrio (NASH). Nada de nuance ou paradoxo. O contexto quântico é oposto de tudo isso. Ele é fluído. Nele não há lugar para formulas e checklists. Nada de faça isso, este é o caminho. O engajamento participativo com as coisas, com as pessoas, com os eventos, é que cria a realidade. O sucesso só pode emergir de um contexto que seja rico em relações. Nós criamos a realidade. Nada existe sem nossa presença para fazer com que uma realidade se atualize. Nada se torna real sem nossa participação como autores. Engajamento sim, controle não. Segundo DAHMA ZOHAR,1981,(The Quantum Society): Acredito que em nossa vida consciente sejamos parteiros da realidade. Somos a ponte entre o domínio das potencialidades e o das atualidades. Através de nossa imaginação, entramos em contato com o mundo das potencialidades, e escolhendo um foco para nosso pensamento..., escolhemos um das muitas possibilidades. A física disso pode ser a seguinte: o ato de focar, concentrar-se em alguma coisa, faz a função

28 28 de onda do pensamento colapsar. Transmuta de possibilidades em uma só. Na empresa hoje, não há mais problema isolado. Todo problema interage com outros, sendo efeito e causa ao mesmo tempo. Todo problema é, portanto, parte de um conjunto de problemas inter-relacionados. Um sistema de problemas interagindo em muitos níveis. É isso que identifica a complexidade no nível da empresa. Heisenberg (1915) confessa sua dificuldade de lidar com as novas realidades que estavam surgindo. Heisenberg era um gênio e teve dificuldades. Einstein que muitos consideram como a mente mais poderosa que jamais existiu, não conseguiu lidar totalmente com o avanço de novas realidades, com tal velocidade com que elas surgiram, mesmo sendo parte do contexto de mudanças e inovações, teve dificuldades em assimilar tão rapidamente. Por que gestores comuns têm que ser cobrados por não conseguir desvendar os labirintos da complexidade atual. Grandes sucessos de marketing são essencialmente modos de falar de empresas e produtos. Empresas morrem quanto perdem a capacidade de criar vocabulários quem possibilitem a continuação do dialogo com o mercado. O fracasso de grandes empresas e produtos está sempre associado a duas coisas e somente as duas: falta de capacidade de inovar, ou falta de capacidade de dialogar com o mercado de novos tipos de linguagem. Mesmo em ciência exata foi ficando claro que o que nós sabemos da realidade está refletindo nos símbolos que usamos para descrevê-la, e nas linguagens das quais esses símbolos são parte. Física Quântica é o exemplo. A Empresa Quântica A empresa eficaz para um futuro próximo precisará ter também outras características não tão pragmáticas. Lucro é condição necessária, não suficiente. Lucro só garante quem você pode continuar no jogo, mas no pode ser a finalidade do jogo. É apenas a primeira hipótese a testar. Haverá outras. A empresa quântica terá de ser também mais feliz, terá de saber superar as neuroses do poder, terá de reconhecer mais e se apoiar mais nas verdades individuais, terá de ser mas flexível, operar segundo bases menos autoritárias, menos esquemáticas, terá de ser mais baseada em inteligência e sensibilidade do

29 29 que em hierarquia e poder, terá de ser mais organismo coletivo, em que o conhecimento compartilhado e a capacidade de aprender continuamente serão mais importantes que o controlar e o dominar. Menos estrutura mais fluxo. Menos Newtoniana. Menos maquina mais coração. Menos estrutura e mais fluxo. Menos burocracia e mais processo. O papel do gestor é reconhecer essa tendência como parte de um planejamento estratégico e facilitar sua instauração. Permitir que ela acontecesse. É possível construirmos a empresa quântica, a empresa que vai emergir em resposta ao desafio da complexidade no mundo empresarial. Empresas quânticas darão resultados baseados em outra forma de ver o mundo, também como ocorreu, analogamente, no mundo da ciência. Creio firmemente que toda essa proliferação de modismos e soluções salvadoras hoje, só tocam de leve o problema maior do mundo empresarial, que é o de tentar lidar com a complexidade do mundo no inicio do século XXI segundo o mental que dirigia a lógica das organizações na década de 20, noventa anos atrás. Nossos modelos de empresas não reconhecem essa complexidade. Ainda esperamos soluções salvadoras. Especialistas em marketing, finanças, estratégias para resolver nossos problemas. Para quebrar esses paradigmas precisamos primordialmente acreditar no inacreditável e testar novas maneiras de fazer onde a imaginação poderá quebrar barreiras e modismos, ver como Einstein e Born viram, entender que o desafio da empresa do século XXI é o mesmo que os físicos tiveram para elaborar o composto quântico, e que o fizeram brilhantemente. O tecido da realidade mais intima das coisas não é Newtoniano. É quântico. (RENATO RIBEIRO, 2010). O desenvolvimento de estratégias baseadas na versatilidade desse composto determinará o sucesso financeiro e uma antecipação a estratégias dos possíveis concorrentes gerando assim uma maior competitividade em relação a outras possíveis estratégias.

30 30 CONSIDERAÇÕES FINAIS Nesse estudo observamos que existem pontos comuns entre a lógica das estratégias empresariais e da física quântica estudada no inicio do século XX, demonstrando que sua capacidade explicativa, descritiva, analítica e prescritiva pode dar um importante suporte à tomada de decisões. Os gestores atuais têm as mesmas dificuldades e os mesmos desafios que os físicos encontraram no inicio do século, porém essa quebra de paradigma está mais formulada estrategicamente e empiricamente. Tomadas de decisões podem ser importantes modos estratégicos a serem adotados, visando sempre um processo moderno e inovador onde a visão e a missão vão estar como primórdios dos objetivos dentro da organização. No entanto, essa prática não tem sido muito comum, em razão até das controvérsias geradas por alguns autores em relação a essa contribuição na Administração estratégica, que decorrem devido a Física Quântica representar escolhas simultâneas relacionadas com um conjunto maior de variáveis, para eles as distintas posições competitivas. Uma visão de mundo baseada nessas suposições requer aptidões de pensamentos lógicos e lineares. O foco total nessas habilidades é essencial. Precisamos de uma visão quântica de mundo, isto é, ver o universo como um sistema dinâmico, imprevisível, subjetivo e auto-organizador e não como uma máquina previsível e objetiva. Nesta concepção, é preciso que os gestores se deixem guiar pelas habilidades quânticas. Apesar dessas limitações teóricas e que ainda estão sendo estudadas cientificamente através de testes empíricos, pode-se constatar a efetividade no entendimento do comportamento e interações estratégicas do mercado, considerar a resposta do jogador já leva a uma abrangência maior de planejamento estratégico e preparação para as várias situações decorrentes de determinada decisão. Por isso, muitos empresários têm buscado esses conceitos quânticos como forma de expandir a visão em relação ao mundo dos negócios, compreendendo que suas decisões afetam o mercado concorrente e podem provocar resultados opostos aos desejados.

31 31 Organizações bem sucedidas rastreiam o ambiente em busca de mudanças e inovações que lhe dêem vantagens competitivas, conhecer e aplicar ferramentas que propiciem o desenvolvimento de estratégias eficazes é papel fundamental para o bom administrador, porém essa teoria já partiria para um estudo científico mais aprofundando do tema em questão para aplicação ampla dos conceitos expostos às estratégias econômicas, financeiras e quânticas como um todo.

32 32 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS Guilherme Marques de Azevedo; E. E. Dissuasão de Entrada, Teoria dos Jogos e Michael PORTER - Convergências Teóricas, diferenças e aplicações à Administração Estratégica, Rio de Janeiro: Setembro de N.Gregory Mankiw, E. E. Introdução à Economia, São Paulo. 200 AZEVEDO.G.M.Carvalho, A Teoria dos Jogos na Estratégia de Negócios. GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira 7ª edição São Paulo: Harbra, MERRILL,Flood e DRESHER, Melvin. The Mathematics of Games of Strategy: Theory and Applications RUBINSTEIN, Ariel e OSBORNE, Martin J. A Course in game Theory RASMUSSEN, U.W. Estratégia Mercadológica 2ª Edição TAVARES, Furtado S. Equilíbrio em posição Estratégica e Dinâmica 3ª Edição MEHRA, J; RECHENBERG, H. The historical development of quantum theory (em inglês) - Springer-Verlag, KUHN, T.S. Black-body theory and the quantum discontinuity (em inglês)). Oxford: Clarendon Press, Nota: O "Princípio da Incerteza" BOHR, Niels. Can Quantum Mechanical Description of Physical Reality Be Considered Complete? Tradução C. Abramo. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas-SP, n. 2, p, , FREIRE JR., Olival; CARVALHO NETO, Rodolfo Alves de. O Universo dos Quanta: uma breve história da Física Moderna. São Paulo: FTD, 1997.

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento CONNER, Daryl. Gerenciando na velocidade da mudança: como gerentes resilientes são bem sucedidos e prosperam onde os outros fracassam. Rio de Janeiro: Infobook, 1995. PESSOAS RESILIENTES: suas características

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

GEGIES. DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração. Antonio VICO Mañas

GEGIES. DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração. Antonio VICO Mañas GEGIES DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração Antonio VICO Mañas Prever Coordenar ou Dirigir Organizar Controlar Prever Coordenar ou Dirigir Organizar Controlar Moral Satisfação Motivação

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Jogos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Jogos Neste curso, queremos olhar para redes a partir de duas perspectivas: 1) uma estrutura subjacente dos links de conexão 2) o comportamentos

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

MARKETING E A NATUREZA HUMANA

MARKETING E A NATUREZA HUMANA MARKETING E A NATUREZA HUMANA Prof. Franklin Marcolino de Souza, M.Sc. Slide 07 Introdução O que é preciso para que algo faça sucesso? Dito de outra forma: o que é preciso para que algo (uma idéia, uma

Leia mais

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 Organização Realização O QUE É COACHING? É um PROCESSO no qual um profissional

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais