Tendências do Mercado Nuclear na Europa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tendências do Mercado Nuclear na Europa"

Transcrição

1 Tendências do Mercado Nuclear na Europa Johannes Höbart Diretor Executivo AREVA NP Brasil AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 1

2 Apresentação da AREVA Tendências do Mercado Nuclear na Europa Novos Reatores da 3ª 3 Geração AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

3 AREVA: Oferta Integrada Energia é a base de nossos negócios Enrichment Fuel fabrication Chemistry Reactors Renewable energies Mining Recycling MOX fuel fabrication Used fuel treatment Services Transmission OTHER SOURCES OF ELECTRIC POWER Distribution Front End Division Reactors and Services Division Back End Division Transmission & Distribution Divison AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

4 Organização do Grupo FRONT END Divisão REATORES E SERVIÇOS Divisão BACK END Divisão TRANSMISSÃO & DISTRIBUIÇÃO Divisão Mineração Química Enriquecimento Combustível Construção Equipamento Serviços Nucleares Medição Nuclear Sistemas de Consultoria & Informações AREVA TA Tratamento Reciclagem Logística Limpeza Engenharia Produtos Serviços Sistemas Automação AREVA NP AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

5 Estrutura da AREVA ~ 11 bilhões em vendas ~ colaboradores»cogema AREVA NC»FRAMATOME AREVA NPANP AREVA T&D AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

6 AREVA no mundo 41 países: produção & fabricação 100 países: marketing & vendas 67 % de todas as vendas vem do exterior EUROPA & CIS 63% das vendas - Nuclear: 77% -T&D:23% 43,279 colaboradores AMERICA do NORTE & SUL 18% das vendas - Nuclear: 74% -T&D:26% 7,912 colaboradores AFRICA & ORIENTE MÉDIO 7% das vendas - Nuclear: 12% -T&D:88% 1,745 colaboradores ASIA-PACIFICO 12% das vendas - Nuclear: 45% -T&D:55% 5,824 colaboradores Produção & Fabricação AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 6

7 Apresentação da AREVA Tendências do Mercado Nuclear na Europa Novos Reatores da 3ª 3 Geração AREVA NP NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 7

8 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 8

9 Momento do Renascimento da Energia Nuclear O que mudou? 1. Taxas do custo de produção de eletricidade revisadas (w/o C0 2 Tax) /MWh Combustível O&M + inf.complementares Investimento 0 Nuclear Gas Carvão PC Nuclear Gas Carvão PC Nuclear Gas Carvão PC Nuclear Gas Carvão PC Nuclear Gas Carvão PC Carvão CFB Carvão IGCC França 03 Bélgica 00 Alemanha 01 Finlândia 01 Reino Unido 04 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 9

10 Momento do Renascimento da Energia Nuclear O que mudou? 2. Grande instabilidade dos preços da energia primária Preço do gás natural Preço do Petróleo Bruto Carvão AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 10

11 Preço do Carvão, Europa do norte Carvão Generic CIF ARA Steam Coal Forward Price First Month ($/tonne) 17 - outubro record $ 110 $110 $100 $90 $80 $70 $60 $50 nov.-05 fev.-06 maio-06 ago.-06 nov.-06 fev.-07 maio-07 ago.-07 Fonte: Bloomberg AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 11

12 Momento do Renascimento da Energia Nuclear O que mudou? 4.a- A crescente preocupação com a emissão de gases («Efeito Estufa») CO 2 CH 4 NO 2 12 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 12

13 Momento do Renascimento da Energia Nuclear O que mudou? 4.b- isto irá levar a uma nova compensação econômica 20/t 4/t 13 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 13

14 Recursos de gás (Gm 3 ) ao redor da Europa Source : CEDIGAZ 14 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 14

15 As usinas da Europe estão envelhecendo Fonte IAE 15 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 15

16 A geração entra no ciclo de reinvestimento após período de sobrecapacidade na Europa Installed capacities GW The European thermal and nuclear fleet retirements Others Fuel oil Gas Coal and brown coal Nuclear Mais de 100 GW de capacidade nuclear precisa ser substituída entre 2010 e 2030 Fontes: Eurelectric and EDF 16 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 16

17 Livro Verde da Comissão Européia de Energia, Março 2006 Aumento da dependência de importação. As reserva de gás concentram-se em poucos países. Aumento do preço do petróleo e gás. Os preços altos do petróleo e do gás permanecerão. Há uma necessidade urgente de investimentos. Somente na Europa, serão necessários, nos próximos 20 anos, investimentos em torno de um trilhão de Euros, para suprir a demanda de energia e para subsitituir a infraestrutura envelhecida. 17 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 17

18 Um terço da eletricidade da Europa é gerada por 155 reatores nucleares EU-25 Power Shares 2002 Oil 6% Other 3% Hydro 11% Nuclear 32% Gas 18% Coal 30% Fonte: Eurostat 18 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 18

19 Modernização das Usinas: Economise seu Dinheiro! maximum life-time in years Suíca USA França Finlândia Netherlands as long as technically OK 60 years license for 49 units 40 years + 10 years + 10 years 60 years for EPR 60 years Suéçia Espanha Alemanha 40+ years 40 years 32 years modernization projects ongoing applications ongoing German utilities have a clear competitive disadvantage in the liberalized electricity market AREVA NP 19 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 19

20 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Bretanha Eslováquia Mundo Finlândia: 3 OL em construção. Construção de um 6º reator em discussão. FINLÂNDIA 20 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 20

21 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo França: A EDF comecou o primeiro EPR com series-forerunner em Flamanville. Suez-Electrabel está avaliando a possibilidade de construir um EPR na França. FRANÇA 21 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 21

22 Site do Flamanville 22 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 22

23 Flamanville 3, França Abril AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 23

24 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo Holanda: Aumento da vida útil da Usina de Borssele até 2033, está sendo avaliada a construção de uma nova usina nuclear. HOLANDA 24 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 24

25 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo Grã Bretanha: GRÃ BRETNHA Preparação para novo programa nuclear com a experiência das antigas usinas Magnox devido a queda da disponibilidade de gás. O EPR da AREVA está na fase da pré-licença no Reino Unido. Favorecendo o apoio de alianças das empresas interessadas como EDF, Iberdrola, RWE, E.ON, Suez- Tractebel, Vattenfal, etc. 25 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 25

26 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo ITÁLIA Itália: ENEL: É a maior proprietária das NPPs da Eslováquia Adquire 3400 MW das NPPs da Espanha. Pretende adquirir 15% do 1º reator GEN3 da França. 26 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 26

27 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo BULGÁRIA Bulgária: Conclusão de Belene 1 e construção de Belene 2 27 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 27

28 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo Suíça: A Suíça participa do Fórum Internacional de IV Geração. Em discussão o projeto para a substituição das antigas usinas nucleares de Muehleberg e Beznau em Todas as empresas suíças da área nuclear começam a se preparar para realizar as próprias construções. SUÍÇA 28 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 28

29 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo SUÉCIA Suécia: Os operadores estão modernizando as usinas e querem estender a vida útil em até 60 anos. A maioria do público em geral é contra o phaseout da energia nuclear. 29 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 29

30 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo Lituânia e Países Bálticos: LITUÂNIA A Construção de uma NPP com o projeto ocidental está sendo considerada para substituir Ignalina (RBMK, 2x1500 MW). 30 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 30

31 Energia Nuclear na Europa Finlândia França Holanda Grã Bretanha Itália Bulgária Suíça Suécia Lituânia Eslováquia Mundo ESLOVÁQUIA Enel, principal acionista da Slovenske Elektrarne, está interessada na conclusão da Mochovce 3 & 4 (2x440 MW VVER) ESLOVÁQUIAEslováquia: 31 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 31

32 Perspectivas para novas NPPs Forças Propulsoras Aumento da demanda de eletricidade e/ou necessidade de substituição de antigas usinas nucleares e fósseis Instabilidade no mercado internacional de combustíveis fósseis Continuação do compromisso de preservar o meio ambiente e combater a mudança de clima Necessidade de geração básica confiável Custos competitivos da produção de energia 32 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 32

33 Perspectivas para novas NPPs Pré requisitos Usinas Nucleares competitivas Aumento de segurança (CDF < 10-6 /a) Vendedores de reatores nucleares no mundo com compromisso a longo prazo Base de sub-fornecedores viável Continuação de R&D e educação/formação na área de tecnologia nuclear Depósito e tratamento de resíduos com alta tecnologia Aceitação Pública 33 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 33

34 Apresentação da AREVA Situação da Geração de Energia Nuclear Tendências do Mercado Nuclear na Europa Novos Reatores da 3ª 3 Geração + 34 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 34

35 Advanced Gen-III+ Reactors Generation I Early Early Prototype Prototype Reactors Reactors Chronology of Reactor Generations Generation II II Commercial Commercial Power-Reactors Power-Reactors PWR, PWR, BWR, BWR, CANDU, CANDU, VVER/RBMK VVER/RBMK incl. incl. modernization, modernization, uprating uprating and and plant plant life life extension extension Generation III, III, Generation III+ Progressive Progressive Reactors: Reactors: Advanced Advanced Water Water Cooled Cooled Reactors Reactors e.g. e.g. EPR, EPR, SWR-1000, SWR-1000, ABWR, ABWR, AP1000, AP1000, ACR1000, ACR1000, VVER91 VVER91 Generation IV IV Future Future Additional Additional Reactor Reactor Concepts Concepts e.g. e.g. (V)HTR, (V)HTR, FR FR Fusion ITER, ITER, SSTR SSTR Time Now AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 35

36 Terceira geração de reatores: Aumento da segurança, a, melhoria da relação custo-benef benefício SWR 1000 EPR (Evolutionary Power Reactor) Um avançado design baseado em tecnologia testada 36 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 36

37 Geração ão-iii + Reatores da AREVA NP EPR & SWR-1000 SWR-1000 Próxima Geração Tamanho Médio BWR 37 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 37

38 Geração ão-iii+ Reatores da AREVA NP Parceria Internacional SWR-1000 EPR EPR & SWR-1000 Usinas alemãs e AREVA NP com contribuições de: Finlândia: França: Suíç íça: Alemanha: Teollisuuden Voima Oy (TVO) Technical Research Center of Finland (VTT) Electricité de France (EdF( EdF) Paul Scherrer Institut (PSI) Research Center Jülich (FZJ) Holanda: Dutch Utilities (NRG) 38 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 38

39 Geração ão-iii+ Reatores da AREVA NP EPR & SWR-1000 Design Goals Segurança Introdução de sistemas de segurança a com atributos passivos Alto grau de diversidade tanto quanto a redundância dos sistemas e componentes Redução da probabilidade de fusão do núcleon core meltdown postulado sem acoes da emergencia Maior período de tempo antes da necessidade de intervenção manual (> 3 Dias) SWR-1000 EPR Operação e Economia Desenho do sistema operacional baseado no sistemas de operação de outras usinas para alcançar ar alta eficácia cia Alta eficácia cia e pequena espera Pouco custo de manutenção devido ao simples design de manutenção Ciclos de recarga flexíveis (12 a 24 meses) e alta eficácia cia de combustível/ burn-up up (até 65 GWd/t) 60 anos de operacao projetado Menor tempo de construção de 48 meses SWR-1000 Os custos de produção de energia são As metas de segurança a cumprem competitivos com as usinas nucleares os padrões de segurança maiores tanto quanto as Internacionais da NRC usinas de combustível fóssilf 39 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 39

40 Geração ão-iii + Reatores da AREVA NP Contenção SWR-1000 Proteção contra Aviões EPR EPR & SWR-1000 Reactor building Main control room Emergency control room building Diesel & Cooling water system building Earth quake Protection against Full Protection Airplane crash Phys. Sep., Wreckage, Fire 40 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 40

41 Operação e Economia SWR-1000 Gen-III+ BWR Baixo custo de investimento, baixo custo de O&M e alta disponibilidade das usinas. Pouco custo de manutenção devido ao simples design de manutenção O SWR-1000 foi projetado para alcançar ar alta disponibilidade com pequenas paradas. 60 anos de operacao projetado Menor tempo de construção de 48 meses Ciclos de recarga flexíveis (12 a 24 meses) e alta eficácia de combustível/ burn-up (até 65 GWd/t) Esta usina nuclear de médio m porte está pronta para implementar! 41 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 41

42 Geração ão-iii + Reatores da AREVA NP EPR (Evolutionary Power Reactor) Advanced PWR AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS EPR & SWR-1000 AREVA NP

43 Geração ão-iii + Reatores da AREVA NP Parceria Internacional SWR-1000 EPR EPR & SWR-1000 Full members French Utility EDF German Producer Federation VDEW Finnish Producers Fortum & TVO Spanish Nuclear Utilities Belgian Utilities Italian Nuclear Facilities Dutch Utilities Tractebel NRG DTN SOGIN UK Nuclear Producer British Energy / Nuclear Electric Swedish Producers Vattenfall / FKA Associated Member Swiss Producer Federation UAK Russian Nuclear Utility REA 43 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 43

44 Geração ão-iii+ Reatores da AREVA NP Design Goals SWR-1000 EPR EPR & SWR-1000 Segurança O EPR cumpre com as Regras e Regulamentações de licenciamento tanto das autoridades alemãs quanto das francesas. Redundante múltiplo m e diversos sistemas de segurança. a. Redução da probabilidade de acidentes graves. Uso de instrumentação digital e tecnologia controlada. Aperfeiçoamento na interface entre seres humanos e máquinas. Tratamento do accidentes graves a core meltdown postulado O sistema de segurança a cumpre rigorosas exigências definidas internacionalmente. Operação e Economia Design de última geração de 1600 MW el Conceito de desenvolvimento evolucionário para sistemas e componentes na base de trabalho e experiência de projetos para minimizar os riscos para investidores e operação da empresa. Alta eficácia cia no combustível do burn- up e alto grau de eficiência Alta disponibilidade e curto período para recarga de combustível. Manutenção simplificada devido a acessibilidade fácil f e a padronização. Vida útil do design de 60 anos Período de construção menor. Os custos de produção de energia com o EPR são aproximadamente 10% menores do que os das mais modernas NPPs hoje. AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

45 EPR Um design evolucionário, desenvolvido com a experiência dos reatores mais recentes EPR N4 AREVA Konvoi Siemens Chooz 1+2 Civaux 1+2 Isar 2 Emsland Neckar 2 Energia Térmica MWth Energia Elétrica MWe Capacidade Número de loops primários % Número de elementos combustível Vida útil anos ~ , AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

46 EPR Aumento da Segurança Principais Sistemas de Segurança do EPR Double containment with ventilation and filtration Melt core cooling area Water reserves inside the containment Containment heat dispersion system Spreading Area protection of the basemat Four redundant safety systems AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

47 EPR Mitigation of Severe Accidents Short and long-term confinement function of the Containment Leaktight double containment with steel liner Postulated core melt down is safely stabilized within the containment 47 Areva NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 47

48 Post 9/11 aircraft crash resistance Reinforced Concrete Shield Building Annulus 1,8 m Prestressed Concrete Containment Building Steel Liner 1,86m thick Outside Inside BASEMAT EPR Reactor, Fuel and two Safeguard Buildings are plane crash resistant: No supplementary cost or licensing delay S A 1-1 Bolstering public and political acceptance 48 Areva NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 48

49 Concepção EPR 3ª Geração UM REATOR MAIS COMPETITIVO ALTO NÍVEL DE SEGURANÇA Medidas adicionais para prevenir a ocorrência de eventos tais como danos ao núcleo An extremely robust, leak tight containment Redução da exposição de pessoas na operação e manutenção MAIOR PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE Redução do uso de urânio, menor produção de plutônio e redução da geração de rejeitos de longa duração Energia Elétrica por volta de 1600 Mwe, Aumento da eficiência energética, Melhor uso do combustível, Duração ampliada para 60 anos, Aumento da disponibilidade do reator mais de 90% Manutenção simplificada AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

50 ATMEA new medium sized Gen III+ PWR > ATMEA - Joint Venture AREVA and Mitsubishi, located in Paris. > ATMEA - Develop, market, license and sell an advanced Generation III PWR with 1100 MW. > ATMEA 1 to be ready for licensing in less than 3 years. > ATMEA 1 will complete AREVA s portfolio for all kinds different sizes/demands of new reactors. AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 50

51 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS

52 Considerando a experiência da Finlândia 52 52

53 Progresso da Construção Civil Prédio do Reator Prédio do combustível Prédio da Segurança Prédio da turbina 53 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 53

54 Prédio do Reator Lifting Containment Liner Section +12.0m Junho 07, AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 54

55 Dezembro 20, 2006 Pressurizador Sipping test 55 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 55

56 Vaso do Reator Forjamento em Muroran, Japan Steel Works (JSW) (Japão) Fabricação em Kobe, Mitsubishi Heavy Industries (MHI) (Japão) Montagem final realizada Agosto 2007 AREVA NP 56 56

57 Setembro 2007 Reactor Coolant Pump Primeiro Invólucro após o trabalho mecânico na AREVA JSPM (França) 57 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 57

58 Três tarefas para a Energia Nuclear, Hoje e Amanhã Cobrir parte do crescimento da demanda de energia nos países industrializados e em desenvolvimento Substituir as usinas nucleares que serão descomissionadas, iniciando por volta de 2010 Evolução da energia nuclear em novas áreas além da geração de eletricidade baseada em novos tipos de reatores ( Generation IV ) Nós estamos prontos para enfrentar estes desafios! 58 AREVA NP AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 58

59 59 AREVA NP Johannes Höbart Junho/ 2008 LAS ANS 59

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Brasília, 14 junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Roteiro Observações iniciais Energia nuclear no mundo Energia nuclear

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Tendências do Setor Energético Mundial Aumento da demanda global Elevação no preço da energia Pressão para o uso de fontes renováveis Aumento da complexidade

Leia mais

Mudança Climática Nuclear não é a solução!

Mudança Climática Nuclear não é a solução! Mudança Climática Nuclear não é a solução! O futuro do clima do planeta e a vida e a subsistência de bilhões de pessoas dependem do modelo de geração de energia que vamos definir hoje. Temos a oportunidade

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis 1 2 Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis Portaria nº 3-A/2007 de 2 de Janeiro Promoção da utilização de biocombustíveis nos transportes foi objecto do Decreto - Lei nº 62/2006 Decreto - Lei nº

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral Imprensa São Paulo, 16 de junho de 2015 Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral O estudo foi baseado em uma pesquisa realizada

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012 JOINT VENTURE MPX / E.ON Rio de Janeiro Janeiro 2012 AVISO LEGAL Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

ATMEA1: Desenvolvido em conjunto pela AREVA e pela Mitsubishi

ATMEA1: Desenvolvido em conjunto pela AREVA e pela Mitsubishi ATMEA1: Desenvolvido em conjunto pela AREVA e pela Mitsubishi ANDREAS GOEBEL, PRESIDENTE E CEO DA ATMEA - DEZEMBRO 2014 COPYRIGHT @ 2014 BY THE AMERICAN NUCLEAR SOCIETY O reator ATMEA1 é um reator evolucionário

Leia mais

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu GENERAL ELECTRIC A General Electric Company é uma empresa diversificada, atuando em vários segmentos, sempre com o compromisso declarado de alcançar liderança mundial em cada um de seus negócios. Atualmente,

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

PANORAMA DA ENERGIA NUCLEAR NO MUNDO Edição Outubro 2009

PANORAMA DA ENERGIA NUCLEAR NO MUNDO Edição Outubro 2009 PANORAMA DA ENERGIA NUCLEAR NO MUNDO Edição Outubro 2009 1 Angra 1 e 2 - Brasil 2 Diablo Canyon USA 4 Fukushima Dai Japão 3 Flammanville - França 5 - Qinshan 3 - China 1 Conteúdo I - Destaques II - Geração

Leia mais

INAC 2013, Recife, 27 de novembro de 2013 New Technologies for Nuclear Power. Leonam Guimarães, Diretor Técnico-Comercial da AMAZUL SA

INAC 2013, Recife, 27 de novembro de 2013 New Technologies for Nuclear Power. Leonam Guimarães, Diretor Técnico-Comercial da AMAZUL SA INAC 2013, Recife, 27 de novembro de 2013 New Technologies for Nuclear Power Leonam Guimarães, Diretor Técnico-Comercial da AMAZUL SA O estado-da-arte da tecnologia de geração elétrica nuclear é o resultado

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM A Utilização da Energia Eólica e o Desenvolvimento Energético da Sociedade Rio de Janeiro, 2 de outubro de 2002 Substituição da força motriz humana e animal nas atividades agrícolas China 2000 A.C. A Evolução

Leia mais

AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL. Marcio Soares Dias

AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL. Marcio Soares Dias AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL Marcio Soares Dias Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear- CNEN Tel. (031) 3499

Leia mais

Soluções Inteligentes de Energia de um Líder Global. Fevereiro de 2015

Soluções Inteligentes de Energia de um Líder Global. Fevereiro de 2015 Soluções Inteligentes de Energia de um Líder Global Fevereiro de 2015 Agenda 1. Quem é SunEdison? 2. O mercado de energia mundial hoje 3. Nossa Estratégia Para onde nos encaminhamos? 4. TerraForm Power

Leia mais

Energia nuclear em. Carlos Pimenta. Centro de Estudos em Economia da Energia, dos Transportes e do Ambiente

Energia nuclear em. Carlos Pimenta. Centro de Estudos em Economia da Energia, dos Transportes e do Ambiente Energia nuclear em Portugal? Carlos Pimenta Centro de Estudos em Economia da Energia, dos Transportes e do Ambiente A matriz energética portuguesa Gas Natural 10 % Hidroelectricidade 5 % Biomassa 11 %

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Answers for energy. Turbina Francis, gerador síncrono e unidade hidráulica Cubículos de média tensão Transformadores de distribuição Uma completa

Leia mais

Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia -

Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia - Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia - 6ª EXPO ENERGIA 8 Novembro 2011 Painel Mercados emergentes nas energias renováveis:

Leia mais

O Futuro da Energia Nuclear no Mundo e no Brasil

O Futuro da Energia Nuclear no Mundo e no Brasil O Futuro da Energia Nuclear no Mundo e no Brasil Roberto C. A. Travassos ELETROBRAS Energia em Foco: Estratégias e Desafios para o Futuro Assessor Técnico da Diretoria de Planejamento, Gestão e Meio Ambiente

Leia mais

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Siemens Power Generation 2005. All Rights Reserved SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Eder Saizaki - Energy Fossil Instrum. e Elétrica A história do SDCD SIEMENS em Plantas de Geração

Leia mais

Energia Nuclear. J.G. Marques IST/ITN. Perspectivas Energéticas para o Século XXI. Instituto para a Investigação Interdisciplinar, 12 Junho 2013 1

Energia Nuclear. J.G. Marques IST/ITN. Perspectivas Energéticas para o Século XXI. Instituto para a Investigação Interdisciplinar, 12 Junho 2013 1 Energia Nuclear J.G. Marques IST/ITN Perspectivas Energéticas para o Século XXI Instituto para a Investigação Interdisciplinar, 12 Junho 2013 1 Sumário Introdução Recursos Naturais Resíduos Radioactivos

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

PERSPECTIVAS DA COMPONENTE NUCLEAR DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA. A disponibilidade de energia deixou de ser um processo cuja análise leva em

PERSPECTIVAS DA COMPONENTE NUCLEAR DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA. A disponibilidade de energia deixou de ser um processo cuja análise leva em PERSPECTIVAS DA COMPONENTE NUCLEAR DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Rex Nazaré Alves 1, Maysa Joppert Coelho 2 e Silvio Ari Kerscher 2 1. INTRODUÇÃO A disponibilidade de energia deixou de ser um processo

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso,

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu de 22 de maio de 2013 Novas realidades do mercado mundial da energia Impacto da crise

Leia mais

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Energias Alternativas e as atividades do Ideal Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Contexto Internacional Crescimento de investimento em renovável no mundo (Frankfurt School- UNEP Centre/BNEF) 17%

Leia mais

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Carlos Henrique Mariz Seminário Tecnologia Tropical - Energia Pernambuco PE Brasil 31 de agosto de 2012 Energia Elétrica - Visão do Mundo 15 Maiores geradores

Leia mais

DEPPE Consultoria em Engenharia Ltda ------------------------------------------------------------------------- -

DEPPE Consultoria em Engenharia Ltda ------------------------------------------------------------------------- - CENTRAIS NUCLEARES DO NORDESTE QUE SEJAM CÓPIAS DE ANGRA 3 Lothario Deppe Engenheiro Nuclear LAS/ANS 2010 SYMPOSIUM, Junho de 2010 O QUE ESTÁ ACONTECENDO PROPOSTA ALTERNATIVA: COPIESE ANGRA 3 ALGUNS COMENTÁRIOS

Leia mais

Indústria de construção naval brasileira. Cenário Mundial

Indústria de construção naval brasileira. Cenário Mundial Indústria de construção naval brasileira Apresentação ao BNDES Cenário Mundial Paulo de Tarso Rolim de Freitas Julho de 2003 1 Situação da frota mundial Frota mundial: 825 milhões de TPB. Novas construções

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO. Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil

Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO. Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil Organização AREVA Renewables Unidades de negócios AREVA Mineração Front End Reatores

Leia mais

Xerox Remote Services

Xerox Remote Services Xerox Remote Services Solicitação automática de toners Benefícios para o cliente Automatize as encomendas de consumíveis Parabéns por se registrar para a Solicitação automática de toners Vai de encontro

Leia mais

engenharia inteligente em soluções integradas CERTIFICADO/CERTIFIED

engenharia inteligente em soluções integradas CERTIFICADO/CERTIFIED www.device.com.br engenharia inteligente em soluções integradas CERTIFICADO/CERTIFIED CONHEÇA A DEVICE Em um momento de grandes realizações e amplo crescimento, a Device Automation é uma empresa com sólida

Leia mais

Energia Nuclear: mitos, realidade e o futuro

Energia Nuclear: mitos, realidade e o futuro por Manuel Collares Pereira Energia Nuclear: mitos, realidade e o futuro Energia Nuclear Fissão (ou cisão)(i) O que é? Que contribuição? Que custo? Que segurança? Que futuro? Mitos e realidade Fusão (II)

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON

MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON Rio de Janeiro, 18 de abril de 2012 MPX Energia S.A. ( MPX ou Companhia

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR III ENIN 28 de Novembro de 2013 Wilson Jorge Montalvão Assistente do Presidente SUMÁRIO CENTRAL NUCLEAR ALMIRANTE ÁLVARO ALBERTO (Hoje)

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS ALTERNATIVAS ENERGÉTICAS QUANTO ÀS EMISSÕES DIRETAS E INDIRETAS DE CO 2

ANÁLISE COMPARATIVA DAS ALTERNATIVAS ENERGÉTICAS QUANTO ÀS EMISSÕES DIRETAS E INDIRETAS DE CO 2 ANÁLISE COMPARATIVA DAS ALTERNATIVAS ENERGÉTICAS QUANTO ÀS EMISSÕES DIRETAS E INDIRETAS DE CO 2 M. Sc. FRANCISCO RONDINELLI Presidente da ABEN M. Sc. EDSON KURAMOTO Diretor de Comunicação da ABEN Muito

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net WEG Depto Negócios em Energia Solar Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net Autoprodução Solar: Vale a pena? Visão mundial Visão Brasil Evolução Mercado Energia Solar Europa Potencial

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

2011 2009 2013 2010 2012

2011 2009 2013 2010 2012 2009 2011 2012 2013 2010 Fonte: ONS MW med Marços Alívio 1 ~5 GWmed Alívio 2 ~2 GWmed Fonte: ONS MWh/h Jan/14 Fev/12 Fev/10 Fonte: ONS Fonte: Elaboração própria a partir de dados históricos da operação

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL Fernando Luiz Zancan Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Assembléia Legislativa de Santa Catarina Florianópolis/SC - 09

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear 1 FUNCIONAMENTO DE UMA USINA NUCLEAR 2 BARREIRAS FÍSICAS MÚLTIPLAS CONTRA A LIBERAÇÃO DE PRODUTOS RADIOATIVOS

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Produção Distribuída e Energias Renováveis (Setembro de 2005) J. A.

Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Produção Distribuída e Energias Renováveis (Setembro de 2005) J. A. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Produção Distribuída e Energias Renováveis (Setembro de 2005) J. A. Peças Lopes Introdução Kyoto e a Directiva das Energias Renováveis na Europa:

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Um equipamento confiável

Um equipamento confiável Totally Integrated Power Um equipamento confiável Painel de média tensão isolado a gás 8DJH 36 www.siemens.com/8djh36 Totally Integrated Power (TIP) fornecemos a corrente elétrica certa À esquerda: São

Leia mais

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica Cenário e Perspectivas para o Segmento de Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva ABEEólica 84 Associados 2 84 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking Mundial 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3

Leia mais

Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities...

Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities... Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities... Pedro Nobre Schneider Electric Lisboa, Porto Maio 2014 A complexidade começa aqui... 2 E vai além

Leia mais

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015 Eficiência Energética em tempos de COP-21 Nov 2015 1 Schneider Electric, o especialista global em gerenciamento de energia e automação 25 bilhões receita em 2014 ~5% das receitas aplicadas em P&D ~170,000

Leia mais

Press Release. Voith promove constantes mudanças 2014-12-10

Press Release. Voith promove constantes mudanças 2014-12-10 Press Release Voith promove constantes mudanças 2014-12-10 Reversão da tendência em pedidos recebidos se estabiliza: volume de pedidos aumenta em 7% no ano fiscal de 2013/14 Vendas consolidadas e lucro

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Avaliação de Empresas do Setor Elétrico no mundo

Avaliação de Empresas do Setor Elétrico no mundo levinglobal.com Avaliação de Empresas do Setor Elétrico no mundo METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS E INTANGÍVEIS ENVOLVIDOS NAS TRANSAÇÕES Março 2012 Balanço Geral da empresa Ativos Passivo e Patrimônio

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

EN3435: Introdução a Engenharia Nuclear

EN3435: Introdução a Engenharia Nuclear EN3435: Introdução a Engenharia Nuclear AULA 07- Geração de Potência Nuclear: Reatores geração III e IV PROF. DR. JOSÉ RUBENS MAIORINO Engenharia de Energia-CECS Reatores de Geração III As características

Leia mais

Maria da Graça a de Carvalho. Repensar a Energia. XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias Universidade Lusíada

Maria da Graça a de Carvalho. Repensar a Energia. XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias Universidade Lusíada A Investigação Científica e Tecnológica na Área da Energia Maria da Graça a de Carvalho Repensar a Energia Políticas e Inovação Tecnológica XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS E SERVIÇOS

LINHA DE PRODUTOS E SERVIÇOS LINHA DE PRODUTOS E SERVIÇOS Usados nos sistemas de geração, transmissão e distribuição das concessionárias de energia elétrica e das empresas dos mais diversos ramos de atividade, com aplicações convencionais

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Press-release. Voith consegue superar conjuntura difícil 12/12/2012

Press-release. Voith consegue superar conjuntura difícil 12/12/2012 Press-release Voith consegue superar conjuntura difícil 12/12/2012 Terceiro melhor resultado operacional na história da empresa, apesar de mercado difícil para a Voith Paper Volume de negócios cresceu

Leia mais

Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 Impacto no Desenvolvimento do Nordeste. Energia Solar. Gilberto Schaefer Recife, 19 de novembro de 2010

Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 Impacto no Desenvolvimento do Nordeste. Energia Solar. Gilberto Schaefer Recife, 19 de novembro de 2010 Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 Impacto no Desenvolvimento do Nordeste Energia Solar Gilberto Schaefer Recife, 19 de novembro de 2010 Page 1 Page 2 Radiação A Energia para a Geração Solar Page

Leia mais

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Um estudo de caso da Fair Finance Guide International 5 de novembro

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Case Study. Wireless como uma rede de comunicações alternativa em Parques Eólicos

Case Study. Wireless como uma rede de comunicações alternativa em Parques Eólicos Wireless como uma rede de comunicações alternativa em Parques Eólicos Cliente A Vestas foi fundada em 1979, ganhando uma posição de líder de mercado com mais de 58 GW de turbinas eólicas instaladas, o

Leia mais

PLANTAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS HELICOIDAIS. Soluções sob medida com benefícios mensuráveis para o cliente

PLANTAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS HELICOIDAIS. Soluções sob medida com benefícios mensuráveis para o cliente PLANTAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS HELICOIDAIS Soluções sob medida com benefícios mensuráveis para o cliente SMS GROUP Líder na fabricação de equipamentos e máquinas Sob o amparo da SMS Holding GmbH, o SMS

Leia mais