XVI Congresso sobre Estilos de Vida e Comportamentos Aditivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XVI Congresso sobre Estilos de Vida e Comportamentos Aditivos"

Transcrição

1 XVI Congresso sobre Estilos de Vida e Comportamentos Aditivos Aspectos Culturais e de Adaptação Social e Familiar Populações em Risco de Exclusão Lisboa, 8 de Novembro de 6 PROSALIS Contra a Exclusão Social Maria Helena Patrício Paes Dora Pinto FLAD - Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento

2 «Projecto Santa Maria» - POEFDS PROSALIS UM PROJECTO PARA A IGUALDADE

3 Apresentação do Projecto Santa Maria Em 994 a PROSALIS assina um protocolo com a Direcção Geral dos Serviços Prisionais, que possibilita o desenvolvimento, desde essa altura, de um trabalho continuado em 8 Estabelecimentos Prisionais. Iniciámos esta intervenção no Estabelecimento Prisional de Lisboa através de um projecto transnacional com parceiros de Espanha, Itália, Bélgica e Alemanha, financiado com fundos comunitários. Esta intervenção incluía uma formação destinada a um grupo de 7 jovens reclusos, com um passado ligado à toxicodependência e com comportamentos desviantes, pelo que sentimos necessidade de incluir estratégias de comportamento nos módulos do curso, como Dinâmica de Grupo, Psicodrama e Desenvolvimento Pessoal e Social.

4 O sucesso desta experiência piloto permitiu alargar a nossa intervenção a todo o país. O Projecto Santa Maria, foi financiado nos últimos 6 anos pelo POEFDS Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social, a nível nacional e pelo PORLVT Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo, na região de Lisboa. 4

5 Todos estes projectos possibilitaram um desenvolvimento da nossa intervenção, alargando o número de Estabelecimentos Prisionais, como mostra o gráfico seguinte 5

6 PROSALIS PROJECTO DE SAÚDE EM LISBOA É UMA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL, CONHECIDA PELO SEU TRABALHO DESENVOLVIDO NA ÁREA SOCIAL SAÚDE E SOLIDARIEDADE. TRABALHA COM TOXICODEPENDENTES E GRUPOS DESFAVORECIDOS NA ÁREA DA PREVENÇÃO, TRATAMENTO, E REINSERÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL. A PROSALIS assinou um protocolo com a Direcção Geral dos Serviços Prisionais em 997 o qual nos permitiu desenvolver desde essa data, acções de formação em 8 Estabelecimentos Prisionais. Iniciámos a nossa intervenção em 998 no Estabelecimento Prisional de Lisboa. O Projecto Santa Maria nasceu desta parceria e está ainda em crescimento ao nível nacional, promovendo acções de formação para reclusos. DESDE 997 Formação Profissional e Educacional Projecto Santa Maria Total de 686 Formandos Total de Horas de Formação 55 Acções de Formação Existe um elevado número de formandos com problemas de toxicodependência, que estão relacionados, na maioria dos casos com a causa da detenção. A situação do recluso não é condição de determinação para parar com os consumos. Chegámos à conclusão que a última componente We have came to the conclusion that this last component has allowed the acquisition of important skills for the individual growing and interpersonal relationships, the self-steem, the sensibility, the motivation, also trying to establish the concrete basis of a personal project outside with autonomy. The increased knowledge about reclusion condition has turned possible to perspectivate new ways of action in this area. The professional training pattern since now used is not only composed by a technical/professional component part, but also by a component related with personal and social skills. IDT - Drug Addiction Institute POEFDS Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social YEAR/P.E TRAINING AREA N.º HOURS TRAINEES Primary Prevention in Prisional Context Prison Without Risk Project ( / 4) R.P.E. Coimbra Prisional Guards Training Inter-Peers Counselors Training Consultation and Guiding Center (per week) In partnership with the Regional P.E. of Coimbra and at the level of IDT Drug Addiction Institute (PQP II Prevention Programme) we are since providing training in that Establishment for Prisional guards and inter-peer training for recluse. On the other side, we give support to the recluse in the context of a Consultation and Guiding Centre, where we evaluate the cases related with drug addiction consumptions, trying to motivate them for the treatment and guiding them to competent services and Therapeutically Programmes. It also provides a psychological support to some of them. 6

7 Total de 686 Formandos Total de Horas de Formação ANO-ESTABELECIMENTO PRISIONAL 55 Acções de Formação ÁREA DE FORMAÇÃO HORAS S ANO-ESTABELECIMENTO PRISIONAL 997 E. P. Lisboa 998 E. P. Tires E. P. R. Vila Real E. P. Porto E. P. R. Aveiro E. P. Coimbra E. P. Coimbra ÁREA DE FORMAÇÃO Artes Gráficas/Fotografia Informática Costura/Tecelagem Cabeleireiro Artesanato/Cerâmica Encadernação Tapeçaria Horas 7 4 E.P. Tires 4 E. P. Linhó 4 E. P. Carregueira 4 E.P. R. Vila Real 4 E. P. R. Braga 4 E. P. Paços Ferreira 4 E.P. Porto 4 E. P. R. Guarda Apoio Familiar e à Comunidade Pastelaria/Panificação Jardinagem e Espaços Verdes Serralharia Civil/Alumínios Canalizador Pastelaria/Panificação Pastelaria/Panificação Electricista E. P. Leiria Jardinagem/Horticultura 4 E. P. R. Coimbra Artesanato Urbano/Tapeçaria E. P. Leiria Carpintaria 4 E. P. R. Elvas Pedreiro 84 E. P. R. Setúbal Micro Informática 9 4 E. P. Pinheiro Cruz Pintura da Construção Civil E. P. R. Odemira Serviços Pessoais e à Comunidade 5 E. P. Sintra Canalizador 5 E. P. Paços Ferreira Canalizador 5 E. P. Vale Judeus Serralharia Civil E. P. R. Guarda Assistente de Manutenção Condomínios 5 E. P. R. Vila Real Pintura da Construção Civil 8 E. P. R. Covilhã Informática 5 E. P. E. S. C. Bispo Jardinagem e Espaços Verdes 8 E. P. R. C. Branco Ajudante de Cabeleireira 5 E. P. E. S.C. Bispo Ajudante de Cabeleireiro 4 E. P. R. Coimbra Artesanato Urbano/Tapeçaria 5 E. P. R. Guarda Electricista 75 E. P. Pinheiro Cruz Carpintaria 5 E. P. R. Coimbra Produção Agrícola 95 E. P. R. Évora Jardinagem/Horticultura 5 E. P.R. Beja Jardinagem e Espaços Verdes 8 E. P. Paços Ferreira Electricista 5 E. P. R. Beja Tapeçaria Artesanal 675 E. P. Porto E. P. R. Vila Real E. P. R. Lamego E. P. R. Covilhã E. P. Coimbra E. P. Pinheiro Cruz E. P.R. Beja Pastelaria/Panificação Fotografia Serralharia Civil/Alumínios Informática Canalizador Canalizador Artesanato Urbano/Tapeçaria E. P. R. Faro 6 E. P. R. Vila Real 6 - E. P. E. S.C. Bispo 6 E. P. Paços Ferreira 6 E. P. R. Coimbra 6 E. P. R. Guarda 6 E. P. R. Aveiro Empregado de Bar Tapeçaria Artesanal Apoio Familiar e à Comunidade Pintura da Construção Civil Jardinagem e Espaços Verdes Pintura da Construção Civil Olaria E. P. R. Silves Informática 8 6 E. P. R.. Beja Instalação e Reparação de Computadores 8

8 Formação em Contexto Prisional Alguns números Estabelecimentos Prisionais Acções de Formação Horas de Formação Formandos Desde Cursos EFA (EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS) Dupla Certificação Níveis de Certificação obtidos: º Ciclo (º, º, º e 4º anos) 4 º Ciclo (5º e 6º anos) 8 º Ciclo (7º, 8º e 9º anos)

9 Acreditamos que as competências profissionais e sociais implementadas pelos nossos cursos de formação, têm contribuído para o desenvolvimento pessoal, relacionamento interpessoal, aumento da auto-estima, sensibilidade e motivação, enquanto base concreta, para um projecto pessoal autónomo, preparando-os para a Inserção Social. Desde o início assumimos que esta motivação é prioritária para a promoção de um regresso á vida activa com sucesso. Actualmente encontramos nos formandos problemas com uso de drogas relacionados directa ou indirectamente com a sua reclusão. 9

10 A instabilidade e inadaptação sublinhadas por um baixo nível de escolaridade, abandono e/ou insucesso escolar, inadequada inserção familiar, expectativas imediatas, uma fraca autoorganização, disciplina e controlo, baixos níveis de motivação, de competências sociais, familiares e psicológicas, contribuem para caracterizar a vida prisional. O aumento da informação acerca do fenómeno prisional, tornou possível o desenvolvimento de novas estratégias nesta área.

11 Ao mesmo tempo, através destas intervenções, conseguimos encontrar novas respostas, com o objectivo de melhorar os serviços que prestamos a este grupo - alvo. Todo este trabalho é apoiado pela Direcção Geral dos Serviços Prisionais, pelos Directores dos Estabelecimentos Prisionais, pelos Guardas Prisionais e restantes serviços prisionais, que colaboram com a Prosalis no dia-a-dia, numa parceria baseada em confiança mútua. Sem este apoio e parceria, a concretização deste projecto, não seria possível, uma vez que temos de ultrapassar algumas dificuldades relacionadas com este contexto tão específico.

12 Os formandos reclusos revelam falhas ao nível dos hábitos de trabalho, que conduzem a deficits consideráveis de competências profissionais, expondo este grupo alvo a riscos elevados de exclusão social e pobreza. O nosso objectivo principal, é motivar os formandos que, quer pela sua personalidade, quer pela sua vivência social e cultural e estilo de vida, poderão ter abandonado o seu percurso escolar ou mesmo uma conduta normativa. O compromisso profissional e as regras para para uma experiência interpessoal com sucesso, foram há muito abandonadas. Todas estas situações, contribuem para o aumento das dificuldades em lidar com esta população. A implementação de uma estratégia integrada na intervenção em sistema prisional, tem que ter em consideração os problemas acima descritos e a especificidade de cada Estabelecimento Prisional.

13 Variações de humor, problemas relacionados com drogas, sentimentos de apatia e revolta, comportamentos agressivos e auto-infligidos, desobediência e transgressão face às normas, confrontando o sistema, e outras condutas desviantes, podem ser encontradas no contexto formativo, reflectindo por vezes a postura geral adoptada por estes indivíduos no meio prisional. O contexto de formação, numa fase inicial, em vez de diluir estas incapacidades individuais, tende a aumentá-las, principalmente porque obriga a mais estratégias de coping de modo a assegurar uma melhor adaptação a uma nova situação, com graus de exigência e regras específicas, e graus de compromisso e motivação mantidos.

14 A um nível mais prático, para além dos saberes curriculares, sociais e profissionais, tentamos que os formandos sejam indivíduos mais responsáveis e implicados nas tarefas práticas, valorizando as suas competências pessoais, a sua dedicação, a sua confiança e auto-estima; reforçamos igualmente as suas interacções interpessoais, centrando-as na cooperação e no respeito mútuo, integrando os novos comportamentos e atitudes, que favorecem a coesão de grupo, e a aquisição de novas estratégias de funcionamento social. Acreditar na efectivação destes programas de formação e educação, com estas realidades de base, muitas vezes investidas negativamente, representa, por si só, um Desafio. 4

15 Durante o desenvolvimento das acções de formação, a Prosalis sempre elegeu uma abordagem holística, que tem em consideração o crescimento pessoal e humano de cada formando, dando ênfase às suas aptidões sociais e reforçando a sua progressão saudável; facilitando portanto, o desenvolvimento de performances psicológicas, sociais e culturais. A mudança estrutural é, na maioria dos casos, um processo lento, daí que a intervenção educacional comece por ser um processo motivacional gradual, onde só a persistência do formador e do formando, assim como o envolvimento de toda a equipa pedagógica, é responsável pelo reforçar e alicerçar a futura reintegração. Consequentemente, o formando deverá implicar-se nas actividades formativas, aumentando o seu interesse e participação nas mesmas. A principal mudança começa a acontecer. 5

16 Fazendo face a iliteracia no contexto prisional, sempre considerámos como necessidade implícita o investimento no aumento das habilitações académicas num conceito de Aprendizagem ao Longo da Vida, como ponto de partida para a construção de percursos de aprendizagem pessoais e habilitações progressivas, adaptadas ao perfil de cada indivíduo. Ao longo desta formação educacional e profissional, a PROSALIS, enquanto entidade formativa, aumenta o nível de habilitações académicas dos formandos, com o objectivo de promover/facilitar a sua integração. Estas acções de formação irão permitir, a longo prazo, o fortalecer a motivação individual, a concretização e definição dos seus Projectos de Vida, enquanto promotores das suas competências profissionais e educacionais, consolidando assim a esperança no futuro. 6

17 Apresentação das Medidas Integrativas. Todos os projectos de formação promovidos pela PROSALIS, são objecto de um trabalho articulado em rede e em parceria com diferentes entidades (externas e internas ao contexto prisional), com o objectivo de facilitar a reintegração social desta população.. A PROSALIS implementou igualmente a RAIS Rede Apoio à Inserção Social com o objectivo de realizar um diagnóstico das reais necessidades da inserção social/familiar dos nossos formandos. 7

18 A partir do momento em que iniciamos cada projecto, a equipa desloca-se a cada Estabelecimento Prisional, no sentido de fazer a caracterização do grupo e analisar a sua situação socioprofissional, nomeadamente em parâmetros como: Identificação nome, idade, morada anterior à detenção, estado civil; Situação Jurídica Preventivo, Condenado, Á espera de sentença, Anos de sentença, Quando iniciou e quando termina a pena; Situação Sócio-Familiar Estrutura Familiar, Suporte Familiar, Frequência das visitas e telefonemas da família e amigos e com quem pretende morar no futuro. Situação Académica e Socioprofissional Habilitações académicas, Frequência de outros cursos de formação profissional, Actividades profissionais desempenhadas antes da detenção, e também dentro do Estabelecimento Prisional, Áreas profissionais de interesse, Projectos de trabalho para o futuro; Situação Clínica Doenças ou deficits existentes, apoio médico na prisão; Toxicodependência Duração, tratamento e doenças associadas. 8

19 Gostaríamos de apresentar alguns dados do Projecto Santa Maria V 5 a partir da RAIS. Número de Formandos Motivo da Desistência Situação Final / CERTIFICAÇÃO Estabelecimento Prisional N.º inicial N.º Final Não Concluíram Liberdade Comportame nto/ Castigo Razões Pessoais º Ciclo º Ciclo º Ciclo VILA REAL 9 8 ST.ª CRUZ BISPO (Ajudante de Cabeleireiro) 6 ST.ª CRUZ BISPO (Jardinagem e Espaços Verdes) COIMBRA 9 7 GUARDA BEJA (Jardinagem e Espaços Verdes) 4 BEJA (Tapeçaria Artesanal) 4 8 FARO Total ,65% dos formandos concluíram a formação 47,5% dos desistentes saíram em liberdade (8 no total de 7) Dos 87 formandos que concluíram a formação educacional e profissional, 7,6% foram Certificados com o º ou º Ciclos. 9

20 Situação Pessoal e Familiar: Estabelecimento Prisional -4 anos 5- anos -5 anos 6-4 anos Idades 4-45 anos 46-5 anos 5-55 anos 56-6 anos Solteiro Casado Estado Civil Vive marital mente Divorciado Separado Viúvo Suporte Familiar Frequente Com Sem VILA REAL 9 ST.ª CRUZ BISPO (Ajudante de Cabeleireiro) ST.ª CRUZ BISPO (Jardinagem e Espaços Verdes) 5 COIMBRA 4 8 GUARDA 4 4 BEJA (Jardinagem e Espaços Verdes) 5 BEJA (Tapeçaria Artesanal) FARO Total Nota: Os resultados referem-se ao número de formandos entrevistados (N = 9) Mais de 54,94 % dos formandos têm idades entre os e os 45 anos. 4,86 % dos formandos são solteiros. Só 5,5% dos formandos referem que não têm suporte familiar regular.

21 Gabinete de Apoio aos Formandos Na sede da Prosalis em Lisboa, uma equipa multidisciplinar fornece apoio aos formandos que procuram emprego, actividades de formação, questões relacionadas com a frequência nas acções de formação nas prisões (certificados e declarações de frequência) ou enviados pelo Instituto de Reinserção Social. No sentido de uma melhor cooperação, esta equipa promove a sensibilização junto das entidades empregadoras, comunidade local e nacional e sociedade em geral, facilitando uma articulação com os serviços de saúde, de emprego e de educação, ou mesmo sociais, ou outros que se considerem necessários em cada situação específica.

22 Métodos de Avaliação Relativamente à evolução, todos os projectos desenvolvidos pela PROSALIS, são objecto de uma avaliação intermédia e sequencial referente à eficácia de todo o plano de formação. São também realizadas reuniões periódicas com todas as entidades envolvidas (Direcção do Estabelecimento Prisional, Serviços Clínicos, Serviços de Educação, Vigilância, Serviços de Reinserção), no sentido de verificar o grau de satisfação e corrigir possíveis desvios. As reuniões são realizadas mensalmente com a Equipa Pedagógica, com o objectivo de organizar as actividades de formação e avaliar a progressão da aprendizagem. O projecto também contempla supervisões clínicas mensais. No final de cada acção de formação são realizadas avaliações qualitativas e quantitativas.

23 AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA FORMAÇÃO Follow up OBJECTIVO Perceber o contributo das acções de formação ministradas nos processos de integração social e profissional dos formandos, numa dupla perspectiva: - Ajustar / corrigir eventuais falhas detectadas - Permitir a melhoria contínua do serviço prestado e a criação de novas respostas DOIS MODELOS DE QUESTIONÁRIO Formandos em contexto prisional Formandos em liberdade Perceber o contributo da formação recebida no quotidiano prisional (p. ex.: ocupação laboral na área da formação), bem como projectos de vida futuros. Perceber os factores relacionados com a integração social e profissional, nomeadamente através da descrição das dificuldades enfrentadas e da rede de suporte encontrada ao nível da actuação de diversas entidades.

24 AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA FORMAÇÃO Follow up AMOSTRA: Formandos em contexto prisional Formandos em liberdade FORMANDOS QUE TERMINARAM ACÇÕES DE FORMAÇÃO ENTRE OS ANOS DE E ENVIO DOS QUESTIONÁRIOS DE FOLLOW UP : - INTERMÉDIO DO E. P. - CARTA ENVELOPE DE RSF Agosto de 6 Outubro de 6 RESPOSTAS OBTIDAS ATÉ AO MOMENTO 65 4

25 AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA FORMAÇÃO Follow up ALGUMAS DIFICULDADES ENCONTRADAS: ESTRATÉGIAS: Formandos em contexto prisional Formandos em liberdade Alteração da Situação Jurídico- Penal Mudança de Estabelecimento Prisional Desactualização dos endereços postais - Verificação do motivo das não respostas: > Nova localização do recluso (DGSP) > Procura de endereços alternativos (Equipas do IRS) e reexpedição do questionário (RSF) > Incentivo à resposta 5 (reforço através de uma.ª abordagem)

26 CENTRO DE NOVAS OPORTUNIDADES SANTA MARIA Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências Todos nós somos portadores de saberes e competências que adquirimos ao longo da vida, com a família, no trabalho, no convívio com os outros, enquanto cidadãos, alargando a nossa experiência de vida. Objectivo - Dar oportunidade a pessoas adultas maiores de 8 anos, sem a escolaridade básica de 4, 6 ou 9 anos, de verem reconhecidas, validadas e certificadas as suas competências e conhecimentos adquiridos ao longo da vida, em contextos não-formais e informais, promovendo e facilitando percursos de educação e formação com certificação escolar, adequados à especificidade da população adulta com baixos níveis de habilitações. (brevemente, este processo será alargado ao nível secundário, em alguns Centros)

27 CENTRO DE NOVAS OPORTUNIDADES SANTA MARIA Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências Como funciona? Encaminhamento para outras ofertas de educação e formação Inscrição Acolhimento, Informação e Aconselhamento Reconhecimento de Competências (Sessões de Balanço de Competências, individuais e colectivas) Formação Complementar (se necessário) Júri de Validação Follow up Emissão de Certificado Nível B, B ou B aprendizagem ao longo da vida

28 CENTRO DE NOVAS OPORTUNIDADES SANTA MARIA Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências VANTAGENS E BENEFÍCIOS DO PROCESSO DE RVCC: - Processo flexível e de curta duração; - Dá visibilidade / valorização às competências dos adultos; - Permite enriquecer o património pessoal e profissional do adulto; - Permite apoiar o desenvolvimento e a promoção da autonomia do adulto, de forma a que seja capaz de conduzir de forma consciente a sua trajectória pessoal e profissional. Permite concorrer a empregos que exigem níveis de escolaridade superiores ao que detém; Permite obter formação complementar; Valorizar-se perante si próprio, a família, os amigos e a Sociedade.

29 Para concluir consideramos que o Projecto Santa Maria se constitui como uma experiência útil e rica contribuindo, para além da formação, para a redução do consumo de medicamentos e diminuição dos conflitos interpessoais e consequente melhoria de estratégias individuais de adaptação. Podemos também sentir uma atmosfera muito positiva à volta da formação com a presença diária do Mediador Pessoal e Social, dos formadores e de todos os técnicos e entidades externas envolvidas. Como recomendou o Provedor da Justiça, é possível um trabalho complementar entre instituições públicas e privadas, desde que as prisões revelem os problemas sociais. Em nome da PROSALIS, aproveito a oportunidade de agradecer a toda a equipa envolvida, pelo seu interesse, esforço e dedicação ao Projecto Santa Maria. Sem eles, seria impossível alcançar todas estas actividades. 9

30 Queremos também expressar a nossa gratidão à entidade que financia o projecto POEFDS, e a todos os parceiros envolvidos, especialmente à Direcção Geral dos Serviços Prisionais. Os nossos formandos ficarão também no nosso pensamento e no nosso coração, com o sentimento que valeu a pena o investimento nesta população, tendo contribuído para melhorar a sua qualidade de vida e o seu bem estar! Obrigado pela vossa atenção!

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

5º Painel: Construindo o caminho da (re)inserção

5º Painel: Construindo o caminho da (re)inserção 5º Painel: Construindo o caminho da (re)inserção A Privação da Liberdade como caminho para a Reinserção Direcção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais Regina Branco Chefe de Equipa Multidisciplinar

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (cursos EFA) são um instrumento fundamental para a qualificação da população adulta. Os Cursos EFA são destinados a

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANO INDIVIDUAL DE TRANSIÇÃO (PIT) O Decreto-Lei nº3/ 2008, de 7 de janeiro

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign.

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign. Design www.craveirodesign.com COMPETIR Formação e Serviços, S.A. www.competiracores.com CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO Quem Somos A Competir-Açores está integrada no Grupo COMPETIR e estamos

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO O papel da Assistência Empresarial do IAPMEI António Cebola Sines, 11 de Dezembro de 2009 MISSÃO DO IAPMEI Promover a inovação e executar políticas de estímulo

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial Marisa Carvalho (Psicóloga escolar, Agrupamento de Escolas de Toutosa) Maria Céu Taveira (Professora Auxiliar, Universidade do Minho)

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Curso de Formação 2011 Índice PROPOSTA FORMATIVA... 3 Introdução... 3 Objectivo geral... 3 Estrutura... 3 Metodologias... 3

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica

Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica Conferência Nacional sobre Educação Profissional e Tecnológica 5 a 8 de Novembro de 2006 Sistemas de Educação e de Formação em Portugal ENSINO

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

SEMINÁRIOS INFORMAR.PT

SEMINÁRIOS INFORMAR.PT Se não conseguir visualizar esta Newsletter por favor clique aqui NOTÍCIAS: EVENTOS: Feira Internacional de Negócios para PME Congresso Mundial das Empresas do Sector Privado de Emprego Conferência - O

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Email: engiarea@mail.telepac.pt site: www.engiarea.com

Email: engiarea@mail.telepac.pt site: www.engiarea.com Endereço: Rua Professor Pinto Peixoto, 6C 1600-820 Lisboa Tel: 21 757 74 30/21 757 35 31 Fax: 21 755 09 35 Email: engiarea@mail.telepac.pt site: www.engiarea.com IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA DESIGNAÇÃO SOCIAL:

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014 Medidas Ativas de Emprego Leiria 19.09.2014 Formação em TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO Formação VIDA ATIVA GARANTIA JOVEM MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: Apoios à contratação Estágios Emprego Emprego Jovem

Leia mais

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos?

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE I. DIREITO DE

Leia mais

FAQ Frequently Asked Questions (Perguntas mais frequentes) 1.1 - O que são os cursos EFA de nível secundário e dupla certificação?

FAQ Frequently Asked Questions (Perguntas mais frequentes) 1.1 - O que são os cursos EFA de nível secundário e dupla certificação? FAQ Frequently Asked Questions (Perguntas mais frequentes) Índice de assuntos: 1. Objectivos 2. Condições de acesso 3. Dupla certificação 4. Prosseguimento de estudos 5. Regime pós-laboral 6. Percurso

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis.

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis. CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012 SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO Maria Helena Patrício Paes mhpaes@prosalis.pt Unidos por uma causa, por causa de quem precisa! Introdução

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Guião de Entrevista N.º1

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Guião de Entrevista N.º1 Guião de Entrevista N.º1 Apresentação e objectivo da Entrevista. Contextualização Institucional e Académica do Estudo. Relevância/Contributo Científico da Pesquisa. Consentimento Informado. A presente

Leia mais

Competir na Economia do Conhecimento

Competir na Economia do Conhecimento Competir na Economia do Conhecimento Formação Outdoor 17 de Outubro de 2007 S. Pedro de Moel Nesta acção de formação outdoor, de cariz comportamental, será dada ênfase ao trabalho em equipa, muito importante

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Instrumento de avaliação A. Projecto da escola A.1. Apresentação do Projecto da escola Caros colegas da Comissão, No âmbito do processo de monitorização,

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais