PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA 1 - OBJETIVO Criar e manter o presente programa de proteção respiratória no âmbito da CP SOLUÇÕES., estabelecendo mecanismos padronizados relacionados à prevenção e ao controle da exposição a poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, entre os trabalhadores, nos ambientes industriais, durante o desempenho das suas atividades normais, bem como em situações emergenciais. 2 - REFERÊNCIAS NR 6 PPR- Ministério do Trabalho e Emprego 3 DEFINIÇÕES Atmosfera Perigosa: Atmosfera que contém um ou mais contaminantes em concentração superior ao Limite de Exposição, ou que é deficiente de oxigênio Contaminante: Agente químico ou biológico, em suas diversas formas (gases, vapores, outros) presente em um determinado ambiente que tenha algum potencial de causar efeito adverso. Fator de Proteção Requerido: quociente entre a concentração do contaminante no ambiente e seu limite de exposição IPVS (Imediatamente Perigoso à Vida ou Saúde): Refere-se à exposição respiratória aguda, que supõe uma ameaça direta de morte ou conseqüências adversas irreversíveis à saúde Limite de Exposição: máxima concentração permitida de um contaminante no ar à qual um indivíduo pode estar exposto Máscara Autônoma: Equipamento de proteção respiratória no qual o usuário carrega seu próprio suprimento de ar respirável, ou oxigênio. Respirador: Equipamento que visa a proteção do usuário contra a inalação de ar contaminado ou de ar com deficiência de oxigênio. 1

2 4 RESPONSABILIDADES A Diretoria de Recursos Humanos, através da Gerência de Recursos Humanos Industrial, detém a responsabilidade sobre a implantação, manutenção e o controle dos resultados do Programa de Proteção Respiratória (PPR) na CP SOLUÇÕES. a) Gerente de Recursos Humanos Responde pela implantação, manutenção e resultados do PPR das Unidades. b) Responsável pela Unidade: Busca meios tecnológicos de engenharia e processo, no âmbito de sua área de atuação, visando auxiliar na inibição da dispersão dos contaminantes atmosféricos, nas áreas de produção, tendo em vista não apenas a qualidade dos produtos, como também a melhoria das condições de saúde dos empregados envolvidos; Participa da análise dos resultados das auditorias e avaliações ambientais realizadas; Determina e cobra a aplicação de ações corretivas no controle das situações críticas de dispersão de contaminantes no ar; Determina e solicita a realização de análise preliminar de riscos, bem como antecipação de riscos relacionados aos agentes químicos previstos no presente programa, sempre que houver modificações físicas ou tecnológicas do processo, matérias primas e/ou maquinário, com possível impacto na qualidade do ar nos ambientes de trabalho; Prevê a alocação de recursos financeiros necessários ao controle da dispersão dos contaminantes atmosféricos, diante de novos projetos nas Unidades; Solicita elaboração de projeto técnico de engenharia para controle das situações críticas de dispersão de contaminantes no ar. Cabe ao SESMT: Auxilia as áreas operacionais a executar as ações necessárias à implantação e manutenção do Programa de Proteção Respiratória. Aplica os conhecimentos de Engenharia de Segurança, Higiene e Saúde Ocupacional, visando: 2

3 Seleção da proteção respiratória adequada a cada risco detectado. Aplicação, em conjunto com os Supervisores, dos ensaios de selagem dos protetores respiratórios. Aplicação dos treinamentos e reciclagens necessárias ao desenvolvimento do Sistema de Proteção Respiratória, abrangendo no mínimo: Limpeza, guarda e manutenção dos Equipamentos de Proteção Respiratória (EPR). Monitoramento do uso. Cabe ao colaborador : Utilizar os respiradores fornecidos de acordo com as instruções e treinamentos recebidos Guardar o respirador quando não estiver em uso, de modo conveniente para que não danifique ou deforme Se observar que o respirador não está funcionando bem, deverá deixar imediatamente a área contaminada e comunicar o defeito à área de segurança e saúde ocupacional Comunicar ao supervisor qualquer alteração do seu estado de saúde que possa influir na capacidade de uso do respirador de modo seguro OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA O QUE QUEM a) Avaliação Qualitativa dos Contaminantes Ambientais através do SESMT Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) b) Avaliação quantitativa dos agentes químicos ambientais composição SESMT do mapeamento de risco respiratório da Unidade. c) Mapeamento pontual das concentrações dos contaminantes e das SESMT fontes geradoras. d) Medições pontuais e/ou pessoais, informações atualizadas sobre a SESMT concentração do contaminante no ambiente de trabalho, identificando as áreas de risco e estabelecendo procedimentos de controle de ordem coletiva e/ou individual adequados, quando necessário, conforme parâmetros de avaliação e conduta abaixo discriminados. e) Definição dos tipos de EPR a serem aplicados. SESMT f) Definição da população exposta aos riscos químicos ocupacionais, SESMT segundo avaliação técnica. g) Avaliação médica, do pessoal exposto aos riscos ocupacionais e SESMT obrigados a utilização da proteção respiratória, com anotação no prontuário médico. Quando o médico do trabalho detectar restrições ao uso de EPR, em empregado obrigado ao uso do mesmo, informará o fato à área de engenharia de segurança trabalho e ao RH para as providências cabíveis. 3

4 h) Definição da necessidade de monitorização de exposição através de SESMT espirometria. (Monitorização tem o objetivo de aferir o estado de saúde respiratória dos trabalhadores expostos às áreas de risco, constituindo item de controle em relação à aplicação e resultados das medidas de proteção e segurança). i) Ajuste da proteção respiratória através dos EPR apropriados. SESMT j) Aplicação de treinamento apropriado sobre o controle do risco e a SESMT utilização correta, manutenção e guarda dos Equipamentos de Proteção Respiratória. Esse treinamento deve possuir registro adequado, incluindo comprovação por meio de assinatura de lista de presença. k) Execução dos testes individuais de selagem dos EPR. SESMT l) Registros de treinamento e testes de selagem. Quando se tratar de SESMT protetor respiratório do tipo purificador de ar equipado com filtro químico, deve ser anotado no corpo do próprio filtro, com letra legível e à tinta, a data do rompimento do seu lacre. Isso é necessário para monitorização da vida útil do mesmo. m) Acompanhamento do uso correto e manutenção da proteção SESMT respiratória. n) Auditoria SESMT o) Monitorização periódica dos contaminantes ambientais. SESMT 5 - APLICAÇÃO Em todas as Unidades da CP SOLUÇÕES, inclusive terceiros. 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS 6.1 Seleção de Respiradores Para a seleção de respiradores devemos considerar: A atividade do usuário e a sua localização na área de risco. Exemplo: Se o trabalhador permanece continuamente ou não na área de risco durante o turno de trabalho é leve, médio ou pesado. Em caso de extremo esforço, a autonomia de uma máscara autônoma fica reduzida pela metade. O tempo de permanência do trabalhador na área que apresenta o risco Característica físicas e funcionais dos respiradores, bem como suas limitações Utilizar somente respiradores com certificado de aprovação A seleção do respirador exige o conhecimento de cada operação, para determinar os riscos que possam estar presentes e assim selecionar o tipo e a classe do EPI que proporcione proteção adequada 4

5 Etapas para a identificação do risco Determinar o contaminante que pode estar presente no ambiente de trabalho Verificar se existe limite de tolerância, ou qualquer outro limite de exposição, ou estimar a toxidez do contaminante. Verificar se existe concentração IPVS para o contaminante Verificar se existem regulamentos ou legislação específica para o contaminante. Se existir, a seleção do respirador dependerá destas indicações Medir o teor de oxigênio no ambiente Solicitar laudo técnico com a concentração do contaminante no ambiente determinando o estado físico da substância Verificar se o contaminante é irritante e/ou corrosivo para olhos e pele. Se o contaminante é vapor ou gás, verificar se é conhecido o limiar de odor, de paladar ou de irritação da pele Dividir a concentração medida ou estimada do contaminante pelo limite de exposição ou valor de orientação para obter o Fator de Proteção Requerido. Se mais de uma substância estiver presente, considerar os efeitos combinados em vez de considerar o efeito isolado de cada substância. Se o contaminante for somente gás ou vapor, escolher o filtro químico apropriado ESPECIFICAÇÃO DE PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO E CONDUTA PARÂMETRO CONDUTA 1. Concentração do contaminante ambiental menor que o Nível de Ação (½ do valor do A priori, nenhuma ação de controle se faz Limite de Tolerância). necessária. 2. Concentração do contaminante ambiental De acordo com as características igual ou maior que o Nível de Ação e Menor que toxicológicas do contaminante ambiental e o Limite de Tolerância. a forma da exposição ocupacional, as ações de controle podem variar desde a simples monitorização periódica do contaminante a intervenções na exposição ou na dispersão. A conduta será sempre indicada no laudo técnico de avaliação ambiental. Aceitável o controle da exposição por meio de proteção respiratória individual, do tipo purificadores de ar com peça semi-facial. 5

6 3. Concentração do contaminante ambiental até cinco vezes maior que o valor do limite de tolerância. 4. Concentração do contaminante ambiental entre cinco e dez vezes o valor do limite de tolerância. 5. Concentração do contaminante ambiental entre dez e cinqüenta vezes o valor do limite de tolerância. 6. Concentração do contaminante ambiental entre 50 e 100 vezes o valor do limite de tolerância. 7. Concentração do contaminante ambiental entre 100 e 500 vezes o valor do limite de tolerância. Implantação imediata de proteção respiratória adequada. Tolerável o controle da exposição por meio de proteção respiratória individual, do tipo purificadores de ar com peça semi-facial. Quando possível é indicada a interferência nas fontes de emissão dos contaminantes. Implantação imediata de proteção respiratória adequada como medida provisória de controle. Não é aceitável o controle da exposição unicamente por meio de proteção respiratória individual, do tipo purificador de ar com peça semi-facial. Aceitável o controle da exposição por meio de proteção respiratória do tipo ar mandado ou autônomos com peça semi-facial. Tolerável o controle da exposição por meio de proteção respiratória individual do tipo purificadores de ar com peça facial inteira. Necessidade a priori de intervenção nas fontes de dispersão dos contaminantes. Aceitável o controle da exposição por meio de proteção respiratória do tipo ar mandado ou autônomos com peça facial inteira. Tolerável o controle temporário da exposição por meio de proteção respiratória individual do tipo purificadores de ar com peça facial inteira. Dependendo das características da exposição e dos aspectos toxicológicos do contaminante ambiental, pode haver a obrigatoriedade de interferência nas fontes de emissão dos contaminantes. Isso é definido em laudo técnico de avaliação ambiental. Tolerável o controle temporário da exposição por meio de proteção respiratória do tipo ar mandado ou autônomos com peça facial inteira. Dependendo das características da exposição e dos aspectos toxicológicos do contaminante ambiental, pode haver a obrigatoriedade de interferência nas fontes de emissão dos contaminantes. Isso é definido em laudo técnico de avaliação ambiental. Não deve ser permitida a exposição sem proteção respiratória autônoma ou ar mandado, ambas com pressão positiva. Quando viável, devem ser tomadas medidas de controle de dispersão dos contaminantes, nas suas fontes de dispersão. 6

7 8. Concentração do contaminante ambiental maior que 500 vezes o valor do limite de tolerância. Não é permitida a exposição. 6.2 AÇÕES COMPLEMENTARES No caso de implantação ou modificação da proteção individual, todas as instruções sobre os tipos de protetores aprovados e disponibilizados, procedimentos sobre o uso, guarda e manutenção, serão tratados sempre através de documentação formal com título de "ORDEM DE SERVIÇO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL". Essa ORDEM DE SERVIÇO ficará exposta, em quadro de aviso, durante um tempo aproximado de 45 dias e será sempre relembrada por ocasião dos treinamentos ou reciclagem dos trabalhadores, sendo também mantida em arquivo específico no RH, SESMT ou na própria Área. Por ocasião da entrega de EPR aos empregados, o SESMT preencherá a FICHA DE CONTROLE DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL, a qual será assinada pelo empregado e mantida em arquivo, por período de 20 anos após o desligamento do mesmo. Nessa ficha serão também registradas novas substituições e manutenções do EPR. 6.3 TREINAMENTO Devem ser ministrados treinamentos e reciclagem periódica (no mínimo uma vez ao ano) aos funcionários, com a finalidade de garantir o uso correto do EPI. No mínimo devem receber treinamento a Supervisão, o usuário, os funcionários da Brigada de Emergência e da Equipe de Resgate e Primeiros Socorros Funcionário que distribui o respirador: A pessoa que distribui os respiradores deve receber treinamento adequado, a fim de garantir que o trabalhador receba o respirador adequado para a tarefa, definido pelos procedimentos operacionais aqui descritos. Equipe de Resgate e Primeiros Socorros e Brigada de Emergência: As equipes de atendimento para casos de emergência e de salvamento, como brigadas de incêndio, devem ser criadas pelo SESMT, e treinadas sobre o uso de respiradores. Deve ser estabelecido um programa conveniente de treinamento que inclua a simulação de emergências para assegurar a eficiência e a familiaridade dos membros da equipe, no uso de respiradores, durante as tarefas realizadas nas operações de emergência e salvamento. 7

8 Usuário do Protetor Respiratório: O usuário deve ser instruído e treinado sobre o uso correto do respirador, bem como sobre suas características e limitações. Os supervisores também devem ser instruídos. O treinamento deve proporcionar ao usuário a oportunidade de manusear o respirador, ajustá-lo corretamente, fazer a verificação de vedação, usá-lo em ambiente não contaminado, durante o tempo suficiente para se familiarizar com ele, e finalmente em uma atmosfera de teste. Cada usuário deverá receber instruções sobre a vedação e o treinamento para o ensaio de vedação, onde o usuário receberá instruções práticas de como se deve colocar, ajustar, e avaliar se o equipamento está ajustado corretamente. Os respiradores não devem ser colocados, quando algumas condições possam impedir uma boa vedação como barba crescida, costeletas, abas de capuzes ou roupas que cheguem até ao respirador, hastes de óculos, etc.. O ensaio de vedação consiste em confirmar, se um respirador que já passou no teste de pressão negativa ou positiva, realmente se adapta bem ao rosto de um dado indivíduo. Esse ensaio é feito em uma sala, fora da área de risco e geralmente usa-se um agente químico ao redor do rosto observando a reação do usuário. Os agentes químicos utilizados nos ensaios qualitativos são: Acetato de Isoamila (óleo de banana); Sacarina; Fumos Irritantes. Os trabalhadores da Unidade que necessitem usar respiradores devem ser orientados a fazer a barba diariamente, sendo proibido o uso de barba. O empenho dos trabalhadores na observação desses cuidados deve ser avaliado por verificações periódicas. Para garantir a proteção adequada, a vedação do respirador deverá ser verificada cada vez que o usuário for usá-lo, obedecendo as instruções do fabricante. Cada trabalhador deverá receber, quando viável, um respirador para uso exclusivo. Todo usuário deve receber treinamento inicial, quando é designado para uma atividade que exija o uso de respirador, e a cada 12 meses o treinamento se repete. Para cada usuário, deve ser mantido registro no qual conste a data, o tipo de treinamento recebido, a avaliação do resultado obtido e o nome do instrutor. No final do treinamento, o usuário deverá receber um Certificado de Participação no Treinamento de Usuário de Protetor Respiratório. 8

9 6.4 Ensaios de Vedação Todo usuário de respirador com vedação facial deve ser submetido a um ensaio de vedação qualitativo, ou quantitativo, para determinar se o respirador se ajusta bem ao rosto Devem ser mantidos registros dos ensaios de vedação que devem conter as seguintes informações; Procedimento operacional escrito sobre o ensaio de vedação, incluindo critério de aceitação/rejeição Equipamento e instrumentação utilizado para o ensaio Calibração, manutenção e reparo nos equipamentos e instrumentos usados, se necessário Nome e identificação do operador do ensaio Identificação completa do respirador ensaiado Nome e identificação do funcionário usuário do respirador Data do ensaio Resultado do ensaio Ensaio de vedação no respirador escolhido Esse ensaio deverá ser feito na presença de pessoal técnico especializado em Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e/ou Auxiliar de Enfermagem do Trabalho. A pessoa submetida ao teste deve colocar e ajustar o respirador sem assistência de ninguém, usando aproximadamente 10 minutos antes do início do ensaio. A pessoa não deve comer, beber ou mascar goma, pelo menos 15 minutos antes do ensaio de vedação. Usar um segundo nebulizador, para nebulizar a solução dentro do capuz. Deve estar marcado de modo visível para distinguí-lo do usado durante o ensaio preliminar. Preparar a solução dissolvendo-se 83g de sacarina em 100ml de água morna. Como antes, a pessoa deve respirar com a boca aberta e a língua para fora. Colocar o nebulizador no orifício do capuz e nebulizar a solução para o ensaio de vedação, usando a mesma técnica do ensaio preliminar de acuidade de paladar, e o mesmo número de bombadas necessárias para obter a resposta naquele ensaio. Após a geração do aerossol, ler as instruções para a pessoa que usa o respirador. Cada exercício deve ser realizado durante 1 minuto: Respire normalmente. 9

10 Respire profundamente. Esteja consciente que sua respiração seja profunda e regular. Vire a cabeça completamente para um lado e para outro. Inale em cada lado. Esteja certo de que os movimentos foram completos. Não deixe o respirador bater nos ombros. Movimente a cabeça para cima e para baixo. Inale enquanto a cabeça estiver voltada para cima. Esteja certo de que os movimentos foram completos. Não deixe o respirador bater no peito. Durante alguns minutos leia em voz normal o texto indicado (aproximadamente 20 palavras). Ande sem sair do lugar. No início de cada exercício, bombear o nebulizador a metade do número de vezes empregada no ensaio de acuidade de paladar. A pessoa deve avisar ao operador do ensaio o instante em que sentir o gosto de sacarina, significando que a vedação não foi satisfatória; neste caso, procurar outro respirador e repetir o processo. Pessoas aprovadas neste ensaio podem usar respiradores com peça semifacial em ambientes com concentração até 5 vezes o limite de tolerância. Se a pessoa sentir dificuldade para respirar, durante a realização do ensaio de vedação, deverá ser encaminhada a um médico especialista em moléstias pulmonares para verificar se tem condições de executar o trabalho previsto. 6.5 INFORMAÇÕES TÉCNICAS CLASSIFICAÇÃO DOS FILTROS MECÂNICOS CLASSE DO FILTRO PENETRAÇÃO MÁXIMA PERMITIDA RESISTÊNCIA MÁXIMA Á RESPIRAÇÃO P1 20% 6 21 P2 6% 7 24 P3 0,05% FUNCIONAMENTO DO FILTRO MECÂNICO O filtro mecânico é constituído por fibras que retém partículas. As fibras deixam entre si espaços vazios que denominamos poros, através dos quais escoase o ar. A dimensão dos poros depende do diâmetro das fibras: Fibras finas deixam poros pequenos Fibras grossas deixam poros grandes 10

11 A camada de fibras tem cerca de 4mm de espessura. As partículas ficam presas nos filtros porque foram captadas pelos mecanismos de: Impacto direto (peneiração) Atração Eletrostática Inércia entre outros MECANISMO DE CAPTURA DE PARTÍCULAS NOS RESPIRADORES COM FILTRO MECÂNICO Impacto Direto: Se o raio da partícula é menor que o diâmetro, ela toca a fibra e fica presa; Se a distância entre duas fibras é menor que o diâmetro da partícula, ela fica retida. É o efeito peneiração. O Filtro de fibras de vidro classe P2 e P3, funciona segundo esse mecanismo de captura. Ação Eletrostática: O campo elétrico da fibra carregada de eletricidade induz cargas elétricas de sinal contrário, nas partículas de algodão que se aproximam, atraindo as partículas. Assim capturadas, elas não se deslocam mais, resultando na filtragem do ar. Os formatos usuais de filtros energizados podem ser planos (circular e formato de oito) ou ondulados (circular). 90% dos filtros usados no mundo pertencem à categoria dos filtros energizados; estes, geralmente são de classe P1 e P MANUTENÇÃO DO PROTETOR RESPIRATÓRIO Os respiradores devem ser limpos e desinfetados regularmente. Aqueles usados por um só trabalhador devem ser limpos, após cada jornada de trabalho. Aqueles respiradores usados por mais de um usuário devem ser limpos, antes que outro utilize. O gerente da área deve providenciar local e meios para a limpeza e manutenção, e providenciar instruções escritas e detalhadas sobre como efetuar a limpeza, inspeção e manutenção. Os respiradores limpos devem ser guardados em local limpo e com boas condições de higiene, no próprio local onde se faz a limpeza e manutenção INSPEÇÃO E RECICLAGEM Com a finalidade de verificar se o respirador está em boas condições, o usuário deve inspecioná-lo, imediatamente, antes de cada uso. Após cada limpeza e higienização, cada respirador deve ser inspecionado para verificar se está em condições de uso, se necessita de substituição de partes, reparos ou se deve ser jogado fora. Os respiradores guardados para emergência ou resgates devem ser inspecionados, no mínimo, uma vez por mês. 11

12 A inspeção deve incluir: Condições da cobertura das vias respiratórias, tirantes, tubos, correias e filtros; Datas de vencimento nas prateleiras; Indicadores de vida útil; Todo componente de borracha ou de outro elastômero deve ser inspecionado para verificar a sua elasticidade e sinais de deterioração; Em respiradores de resgate e emergência devem constar registros com data de cada manutenção; Os que não satisfazem os critérios da inspeção devem ser imediatamente retirados de uso, enviados para reparo ou substituição. A substituição é feita por pessoas treinadas na manutenção e montagem de respiradores. Somente devem ser usadas peças de substituição indicadas GUARDA Os respiradores devem ser guardados de modo a estarem protegidos contra agentes físicos e químicos, tais como: vibração, choque, luz solar, externo, umidade excessiva ou agentes químicos agressivos. Não devem ser colocados em gavetas ou caixas de ferramentas, a menos que estejam protegidos contra contaminação, distorção e outros danos. Os equipamentos utilizados para emergências e resgates, que permaneçam na área de trabalho, devem ser facilmente acessíveis, durante todo o tempo, e devem estar em armários ou estojos marcados, de modo que sua identificação seja imediata. A eficiência do programa deve ser verificada por inspeções regulares e por uma auditoria anual feita pelo sistema de auditoria interno AUDITORIA Itens relevantes a serem auditados: Existência da avaliação ambiental atualizada; Interpretação dos resultados; Aplicação da medidas de controle recomendadas; Aplicação de EPR: Registro da sua indicação e especificação; Registro de indicação dessa especificação a área de compras; Fornecimento do EPR; Treinamentos dos usuários dos EPR; Registros da realização dos ensaios de vedação dos EPR; Monitorização da vida útil dos EPR; Condições de higienização e guarda dos EPR; Registro nos cartuchos químicos dos EPR (quando for o caso) da data do rompimento dos seus lacres; Registro nas fichas e controle de fornecimento de EPI dos EPR aos seus usuários. 12

13 Local: Área: Unidade: Responsável: TESTE DE SELAGEM DE PROTETOR RESPIRATÓRIO KIT UTILIZADO / MARCA MODELO Em cumprimento ao que determina a Instrução Normativa n.º 1/94 do Ministério do Trabalho e Emprego executamos os testes de selagem dos protetores respiratórios no trabalhador abaixo identificado, utilizando o seguinte procedimento: Teste de sensibilidade, utilizando o capuz e nebulizador n. 0 1, para que o trabalhador possa detectar o sabor da solução de teste na versão bastante diluída para o ensaio de vedação Ajuste do protetor respiratório no trabalhador Colocação do capuz no trabalhador com o protetor respiratório Injeção de solução para ensaio no interior do capuz, utilizando o nebulizador n Após a injeção do aerossol, o trabalhador executou os seguintes exercícios durante o tempo de sessenta segundos cada: a) respiração normal parado. b) respiração profunda - inspiração/expiração profunda. c) virar a cabeça de um lado para o outro - o movimento foi executado ao ritmo de um giro da cabeça a cada dois segundos. d) inclinar a cabeça para baixo e para cima - o movimento foi executado ao ritmo de uma inclinação da cabeça a cada dois segundos. e) o trabalhador pronunciou as seguintes palavras: Ana, Céu, Botas, Luvas, Garrafa, Aura, Quadrado, Novidade, Respiratória e Pele. PROTETOR RESPIRATÓRIO MARCA - MODELO RESULTADO DO TESTE: VEDAÇÃO SATISFATÓRIA VEDAÇÃO INSATISFATÓRIA PARECER FINAL Protetor (es) Respiratório (os) Indicado (s): MARCA/MODELO TÉCNICO RESPONSÁVEL ASSINATURA DRT OU DOCUMENTO IDENTIDADE LOCAL E DATA Declaro que nesta data me submeti ao teste de selagem do(s) protetor(es) respiratório(s) acima descrito(s), estando ciente do resultado obtido. Declaro também estar ciente de que a continuidade do resultado satisfatório, depende da correta adaptação do protetor respiratório, de sua manutenção e da ausência de barba durante sua utilização diária. NOME DO EMPREGADO DRT: ASSINATURA LOCAL E DATA: 13

14 14

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores.

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores. protrespsimples.doc Um guia para os usuários de respiradores, escrito de forma simples e de fácil entendimento. Mantenha este guia sempre à mão, releia-o periodicamente e conte sempre com a ajuda do seu

Leia mais

PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA EM ESPAÇOS CONFINADOS SITUAÇÕES IPVS MAURÍCIO TORLONI

PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA EM ESPAÇOS CONFINADOS SITUAÇÕES IPVS MAURÍCIO TORLONI PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA EM ESPAÇOS CONFINADOS SITUAÇÕES IPVS MAURÍCIO TORLONI 2010 Manual de Proteção Respiratória Uma publicação da ABHO Maurício Torloni e Antonio Vladimir Vieira PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M5 D2 HIGIENE DO TRABALHO IV GUIA DE ESTUDO PARTE II AULA 57 PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PROFESSOR AUTOR: Engº Josevan Ursine Fudoli

Leia mais

XXXXXX PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PPR REVISÃO DE 15 DE MARÇO DE 2003 EMPRESA: XXXXXXXXX

XXXXXX PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PPR REVISÃO DE 15 DE MARÇO DE 2003 EMPRESA: XXXXXXXXX REVISÃO DE 15 DE MARÇO DE 2003 EXERCÍCIO: NOV 2002 À OUT 2003 EMPRESA: XXX ELABORAÇÃO: PhD Thomas Eduard Stockmeier MEDICO DO TRABALHO CRM-SP 112490-S CRM-BA 12158-P CRM-MG 20542-S TITULO DE ESPECIALISTA

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA. Recomendações Seleção e uso de respiradores

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA. Recomendações Seleção e uso de respiradores PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA Recomendações Seleção e uso de respiradores FUNDACENTRO Presidente José Carlos Seixas Superintendente Jorge da Rocha Gomes Coordenador de Publicações Agostinho Ferreira

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS

FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS Por: David S. Luther, Q.S.S.P. - Gerente de apoio ao produto, North Safety Products Adaptado por: Daniela

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

Vale Fertilizantes DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA (PPR)

Vale Fertilizantes DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA (PPR) Vale Fertilizantes DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA (PPR) Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Manarte Coordenação Técnica de Saúde e Higiene Ocupacional. Público-alvo: Empregados

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6 1 OBJETIVO PÁG: 1 de 6 Estabelecer os princípios básicos para o uso de protetores auditivos na CP SOLUÇÕES. Facilitar a administração de todas as etapas para atender ao disposto no PCA Programa de Conservação

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA RECOMENDAÇÕES SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA RECOMENDAÇÕES SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA RECOMENDAÇÕES SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Paulo Jobim Filho FUNDACENTRO PRESIDENTE DA

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI URETANO AR ENDURECEDOR Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere,

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

3M Proteção Respiratória

3M Proteção Respiratória 3M Proteção Respiratória Mais segurança. Mais conforto. Mais produtividade. 3Inovação 3M Respiradores de Pressão Positiva Tecnologia traduzida em proteção e conforto que você só conhece depois de experimentar

Leia mais

Protege. proteção : : saúde : : inovação. Respirador 3M Aura MR

Protege. proteção : : saúde : : inovação. Respirador 3M Aura MR Número 6 Novembro 2012 Protege proteção : : saúde : : inovação Respirador 3M Aura MR o novo perfil da proteção Com seu exclusivo sistema de três painéis, o respirador 3M Aura MR proporciona ajuste aos

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

Kits para Ensaio de Vedação Qualitativo FT-10 (Sacarina)

Kits para Ensaio de Vedação Qualitativo FT-10 (Sacarina) 3 Kits para Ensaio de Vedação Qualitativo FT-10 (Sacarina) Dados Técnicos Janeiro/2005 Substitui: Descrição Geral O ensaio de vedação facial é um método capaz de assegurar uma selagem inicial adequada

Leia mais

RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS OS PROBLEMAS DA. Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências graves.

RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS OS PROBLEMAS DA. Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências graves. www.racconet.com.br n 32 seu informativo de segurança Infoseg n 32 OS PROBLEMAS DA RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Respiradores sem Manutenção 9920 Dobrável (PFF-2)

Respiradores sem Manutenção 9920 Dobrável (PFF-2) 3 Respiradores sem Manutenção 9920 Dobrável (PFF-2) Dados Técnicos Descrição Geral Julho/2006 Substitui: CA 16366 O respirador 3M 9920, tipo peça semifacial filtrante para partículas PFF-2, modelo dobrável,

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MODULO 3 1 EQUIPAMENTOS DE USO OBRIGATÓRIO 2 EQUIPAMENTO DE USO DE ACORDO COM A ATIVIDADE

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MODULO 3 1 EQUIPAMENTOS DE USO OBRIGATÓRIO 2 EQUIPAMENTO DE USO DE ACORDO COM A ATIVIDADE TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MODULO 3 1 EQUIPAMENTOS DE USO OBRIGATÓRIO 2 EQUIPAMENTO DE USO DE ACORDO COM A ATIVIDADE 3 RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 RESPONSABILIDADE DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103. Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho. PALESTRA Parte 3

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103. Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho. PALESTRA Parte 3 Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho PALESTRA Parte 3 Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho Colaborador

Leia mais

ROBERT BOSCH LIMITADA

ROBERT BOSCH LIMITADA F0LHA...: 1 de 5 1 _ Identificação do Produto e Fabricante Nome do Produto: Acumulador elétrico de energia Nome do Fabricante sob licença da Robert Bosch Ltda.: Enertec do Brasil Ltda. Endereço: Av. Independência,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico AMINA TERCIÁRIA C12 FISPQ 014 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: AMINA TERCIÁRIA C12 Fornecedor: Multichemie Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda. R. Howard Archibald

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Propósito (Objetivo) do Programa O propósito (objetivo) do programa de Conservação

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI Equipamento de Proteção Individual EPI Enquadramento NR 06 Anexo I A PROTEÇÃO DA CABEÇA Proteção da cabeça contra: A.1.1. Impactos de objetos sobre o crânio;

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

Suprimark Brasil Com de tintas e Papeis ltda

Suprimark Brasil Com de tintas e Papeis ltda Produto: Sistema Escrita Prima Amarelo FISPQ: 0005 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sistema Escrita PDVmais Prima amarela Suprimark Brasil de Com. De tintas e Papeis Ltda Rua : Augusto Tolle,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4 Página 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA LATEX ACRILICO PLUS Empresa INDUSTRIA E COMERCIO DE TINTAS FERRAZ LTDA RODOVIA INDIO TIBIRIÇA 2520 RAFFO SUZANO SP CEP 008776-960 SAC- (11) 4749-1566

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

DOCUMENTO BASE PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA ANO DE [ ]

DOCUMENTO BASE PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA ANO DE [ ] DOCUMENTO BASE DO PPR Anexo 11 do PGS-3209-46-47 Pág.: 1 de 19 DOCUMENTO BASE PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA ANO DE [ ] Neste anexo está estruturado dados gerais constantes no PGS-3209-46-47 - DIRETRIZES

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO Nome do Produto: Nome da Empresa: SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa CITIMANTA CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISQP n o 24 15/11/10 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Contato/emergência: Centro de Atendimento Toxicológico do Espírito Santo (Toxcen-ES) Telefone: 0800-283-9904

Leia mais

todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1;

todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1; Item nº TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 13.2.1 a) todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1; todos os equipamentos enquadrados como caldeiras conforme item 13.4.1.1 e 13.4.1.2;

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão anual conforme Norma Regulamentadora 33 Alteração nos envolvidos para análise e aprovação. Demais envolvidos na análise

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL)

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) OBJETIVO DO ICP : Implantação do programa de saúde ocupacional (Decreto 5.757/2003) para os servidores do Hospital Materno Infantil. Conquistas de 2010

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

MÁSCARA DE SOLDA COM ESCURECIMENTO AUTOMÁTICO

MÁSCARA DE SOLDA COM ESCURECIMENTO AUTOMÁTICO MÁSCARA DE SOLDA COM ESCURECIMENTO AUTOMÁTICO MANUAL DO USUÁRIO MUITA ATENÇÃO PARA RESGUARDAR E LER ESSE MANUAL CUIDADOSAMENTE ENQUANTO INSTALANDO OU OPERANDO ESSE PRODUTO. Máscara de Soldagem de Escurecimento

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Rebrilhar Classic Alto Tráfego

Rebrilhar Classic Alto Tráfego 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Rebrilhar ClassicAltoTráfego Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do

Leia mais

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS DEZ/2014 1 ÍNDICE Objetivo Definição... 04 Oque É Espaço Confinado... 05 Onde É Encontrado O Espaço Confinado... 06 Quais São Os Tipos De Trabalhos

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

ENDURIT PISO A.N. COMPONENTE A

ENDURIT PISO A.N. COMPONENTE A ENDURIT PISO A.N. COMPONENTE A 1 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: ENDURIT PISO AN COMPONENTE A FABRICANTE: POLIPISO DO BRASIL ENDEREÇO: AVENIDA GERALDO ANTÔNIO TRALDI, Nº 400. DISTRITO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Pág. 1/6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: REVESTIMENTO FOSFATADO PÓ Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Fosfato Dissódico Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone:

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caldeiras a Vapor São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior á atmosférica,

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Descontaminação de equipamentos Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB DEFINIÇÃO CONTAMINAÇÃO: contato

Leia mais

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS Em 2009 a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através do Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho

Leia mais

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO I. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Antes de operar o compressor de ar elétrico com vaso de pressão, assegure-se de que sua instalação tenha sido executada

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401 Código: FSP-250 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TAR 1401 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais