O VESTIBULAR COMO INSTRUMENTO DE EXCLUSÃO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O VESTIBULAR COMO INSTRUMENTO DE EXCLUSÃO SOCIAL"

Transcrição

1 O VESTIBULAR COMO INSTRUMENTO DE EXCLUSÃO SOCIAL ROSSI *, Edy Carla Este estudo pretende discutir a evolução do vestibular no Brasil, a partir da necessidade do Estado de resolver o problema dos excedentes, transformando-o por isso, em instrumento de exclusão. Uma vez que a oferta de vagas nas universidades públicas é muito inferior ao número de estudantes que pleiteiam essas vagas, há muito tempo ocorre uma grande pressão social para que ela seja ampliada, o que nem sempre é possível ou interessante ao Estado e às elites. Se considerarmos o ensino superior como um caminho para a inclusão social, a partir da possibilidade do estudante atuar de forma mais direta e preparada no mercado de trabalho ou como cidadão, formando uma sociedade civil mais participativa e atuante, poderemos concluir que é importante para as elites dirigentes manter uma certa reserva de mercado não só sobre o ensino público, ficando também assim excluída a grande massa sem recursos financeiros para o ingresso no ensino privado, como também sobre algumas carreiras concentradas nas universidades públicas, que permaneceriam restritas somente a uma pequena parcela da sociedade, mantendo assim o status quo. Nesse contexto, o vestibular sai da condição de mais uma forma de avaliação, para se transformar em peça-chave desse processo de exclusão que, aliado à crescente privatização do ensino superior ocorrida ao longo dos últimos 40 anos, delineou as atuais políticas públicas para o setor, interferindo inclusive nas formas de concepção dos currículos do ensino médio que, principalmente no setor privado, estão muito mais preocupados em instrumentalizar o educando para o vestibular, do que prepara-lo para a prática da cidadania. Palavras-chave: Vestibular; Ensino superior; Políticas públicas; * ORIENTADORA PROFESSORA DOUTORA IVANISE MONFREDINI MESTRANDA DO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DO PROGRAMA DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO, UNINOVE Av. FRANCISCO MATARAZZO, 612 CEP SÃO PAULO SP

2 VESTIBULAR AS AN EXCLUSION INSTRUMENT This study intends to discuss the evolution of the vestibular in Brazil, from the State necessity to resolve the problem of the remaining, therefore transforming it in an exclusion instrument. Since the vacancy offer in public universities is much inferior than the number of students who strive these vacancies, for long there is a great social pressure to wide them, what is not always possible or interesting to the State and elite. Considering college as a way to social inclusion, providing the student the possibility of acting in straight and prepared condition in the work market or as a citizen, forming a civil society more participant and acting, we may conclude that it is important to the leading elite to maintain a certain market reserve, not only in the public school, which also excludes the great masses of students without financial resources to enter the private school, but also in some careers concentrated in the public universities, which remain restrict to a small part of the society, preserving the status quo. In this context, the vestibular leaves the condition of one more way of evaluating, to be transformed in a key part of this excluding process, which associated with the growing privatization of the college occurred within the latest 40 years, delimited the current public politics to the sector, also interfering in the curriculum concepts of the High School, which mainly in the private sector, is much more worried in giving instruments to the student to the vestibular than prepare him to citizenship. Keywords: Vestibular; Graduation teaching; Public policies;

3 I INTRODUÇÃO O ensino superior brasileiro há muito tempo tem sido alvo de diferentes pesquisas sobre questões como oferta e demanda, qualidade, privatização e seu uso pelas elites como instrumento de controle social ou formação de dirigentes. Porém, ao analisa-las, nos deparamos com um dado importante: o vestibular foi praticamente esquecido nesses estudos e, quando aparece, é citado apenas no contexto histórico, aliado ao crescimento do ensino superior privado, como respostas ao problema dos excedentes, o que nos possibilita levantar algumas questões a esse respeito. O vestibular, sob a forma praticada hoje pela maior parte das universidades públicas do país, se transformou num instrumento de exclusão social, uma vez que, ao se basear em conteúdos cada vez mais específicos dentro das diversas disciplinas, acaba impedindo o acesso da grande massa da população a esse setor do ensino. Não podemos então afirmar que o vestibular faria parte das políticas públicas, como instrumento de manutenção do status quo dentro da sociedade neoliberal brasileira? Como não foi encontrada uma bibliografia específica sobre o tema que possa subsidiar diretamente este pressuposto, partiremos da análise dos estudos já feitos sobre a exclusão no ensino superior brasileiro, recorrendo ao contexto histórico específico de cada período, sempre que for necessário justificar a utilização do vestibular como forma de exclusão. Conjuntamente, utilizaremos os próprios vestibulares como objeto de análise e alguns índices fornecidos pelos órgãos públicos. II DESENVOLVIMENTO Durante o Império e o início da República, ocorreu a formação das primeiras universidades brasileiras, focadas no objetivo de formar as elites que comandariam o país. À medida que o país se industrializava e se urbanizava, maior era a demanda pelo ensino superior, principalmente por parte dos setores médios da sociedade que viam nesse diploma, uma forma de ascensão e inclusão numa sociedade até então, extremamente oligárquica. Mas será, a partir das décadas de 50 e 60, graças à industrialização alcançada pelo Brasil através da bandeira do desenvolvimentismo, que de fato começará a ocorrer o crescimento do ensino superior. Isto se dará devido às necessidades econômicas e às pressões sociais no sentido da sua democratização baseada no aumento da oferta de vagas. Nesse período, evidencia-se que cada vez mais a universidade pública atendia a parcelas mínimas da população, sobretudo os setores médio e alto, o que passará a provocar o problema dos excedentes, ou seja, estudantes que mesmo aprovados no vestibular, não conseguiam vagas nas universidades chegando em 1960, à cerca de 21,6% do total de aprovados. Diante disso, como poderia o Estado ampliar as vagas nas universidades, atendendo a essa demanda cada vez maior e, ao mesmo tempo, manter um ensino superior público de qualidade, mas ainda reservado às elites? A resposta para essa questão era a privatização e a instituição de um vestibular classificatório. A partir de 1961, seriam aprovadas diversas leis que agiriam nesse sentido. A LDB/61 consagrou um padrão centralizador vertical de controle que, aliado à ausência de um projeto nacional para a educação, provocou a multiplicidade e a segmentação de instâncias burocráticas, além de propiciar uma expansão quantitativa do ensino superior que não foi acompanhada de condições mínimas de funcionamento. 1

4 Essa lei irá, na verdade, consolidar as políticas públicas de ampliação do ensino superior de massa atendendo, ainda que parcialmente, às pressões sociais sem, no entanto, democratizar a universidade pública, que se tornará ainda mais elitizada graças à reserva de cursos que irá oferecer e à estratégia do vestibular. Mas a concretização desse processo se dará realmente a partir da lei 5540/68, que promoverá a expansão efetiva do ensino superior privado, com contenção de despesas para o Estado, atingindo como alvo a classe média. Em relação à estruturação educacional, a legislação propôs medidas para diminuir os custos e aumentar o atendimento ao mercado. Implantou mudanças no vestibular, que passou a ser classificatório para todo o país, eliminando-se a figura do excedente. (...) 2 É interessante destacar o papel que vai sendo dado ao vestibular pela própria lei. Na verdade, nota-se que sua ação aos poucos vai sendo normatizada de tal forma que, fica cada vez mais clara sua função junto à universidade pública, a medida que o setor privado passa a crescer. Usando como justificativa a questão dos excedentes e da demanda por vagas que o Estado seria incapaz de suprir, o vestibular é incorporado às políticas públicas, que tornam ideologicamente velada a sua função social de garantir a exclusão, separando o joio do trigo, entre os estudantes que ingressarão no setor público ou no privado. Intrinsicamente ligada à questão da elitização da universidade pública e seu principal instrumento de manutenção, o vestibular está a divisão dos cursos oferecidos pelas instituições públicas e privadas, principalmente a partir da década de 70. Verifica-se então que cursos que necessitariam de menores investimentos e, portanto, poderiam ser oferecidos a custos menores, ficariam concentrados nas mãos do setor privado, que atenderia assim a uma demanda de massa. Já os cursos mais onerosos, como engenharia, odontologia e medicina, ficariam a cargo do setor público. A questão a ser discutida aqui é até que ponto isso não funciona como uma espécie de reserva de mercado para determinadas carreiras, que só poderiam ser acessadas por uma minoria, pois na verdade, a restrição desse acesso se dá através do vestibular, na maioria das vezes ininteligível a um educando oriundo do ensino médio público e quase sempre, sem recursos financeiros para pagar um curso pré-vestibular. Criou-se assim, a partir de um exame que não avalia as diversas habilidades do estudante, mas sim conhecimentos cada vez mais específicos dentro das diversas disciplinas, uma verdadeira cultura do vestibular. Sua ação se baseia na exclusão das camadas inferiores da população, elitizando as instituições públicas de ensino superior e algumas carreiras por elas oferecidas e ainda, abrindo as portas para a expansão cada vez maior do ensino superior privado, de cursinhos pré-vestibulares e de materiais apostilados para o ensino médio que tem por base curricular, os conteúdos cobrados nos vestibulares das grandes universidades públicas. Junte-se a isso o fato de que determinados cursos, como medicina, mesmo quando oferecidos pelo setor privado, apresentam mensalidades tão elevadas que acabam se tornando tão inatingíveis quanto os oferecidos pelo setor público. Nas décadas de 80 e 90, essa discussão será ampliada no sentido da qualidade. A expansão do setor privado com anuência do Estado, com o objetivo de atender as camadas inferiores da população, provocará uma queda na qualidade do ensino oferecido por essas instituições. (...), atingidos os objetivos postos para os setores médios e satisfeitas em termos quantitativos as reivindicações desses setores, as instituições de ensino superior privadas vêem-se obrigadas a se reorganizarem no novo contexto e se adequarem à nova demanda emergente, constituída pelos extratos sociais mais baixos, o que fez diminuir seu padrão acadêmico(...). 3

5 Entretanto, é importante ressaltar que apesar das discussões sobre a qualidade do ensino superior, não aparecem nas propostas do Estado, mudanças no sentido de se democratizar o acesso às universidades públicas através, por exemplo, de uma reformulação mais profunda na elaboração do vestibular. III CONSIDERAÇÔES FINAIS Se considerarmos os números apresentados pelo INEP, a respeito da evolução do ensino superior brasileiro entre 1962 e 1998, perceberemos que realmente houve um crescimento do número de inscrições e matrículas, principalmente a partir de De fato ocorreu uma expansão do ensino superior no Brasil, porém atrelada ao capital privado e não como fruto de reais investimentos públicos. Isto excetuando-se é claro, a isenção de impostos dada à maioria dessas instituições pelo Estado, o que muito contribuiu não só para a sua expansão, como também para uma grande acumulação de capital por esse setor. Além disso, a maior parte dessas instituições localiza-se no Sudeste do país, região que apresenta maior concentração populacional e de renda e onde a exigência de um diploma superior seria maior para o ingresso no mercado de trabalho. Qual seria então o papel assumido pelo vestibular e pelo Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio, implantado pelo Ministério da Educação em 1998, para avaliar as competências e habilidades dos estudantes, diante desse crescimento quantitativo das vagas no ensino superior? Apesar das anunciadas mudanças nos vestibulares públicos, como é o caso do praticado pela Unicamp - que privilegiaria mais a interpretação de textos e outras habilidades e competências-, no que tange principalmente à Fuvest, as provas continuariam conteudistas, salvo algumas exceções na sua segunda fase de seleção. Já com relação ao Enem, a crítica recai sobre o índice de aproveitamento de sua nota que é, no caso da Fuvest, de apenas 20%, e somente para a parte objetiva do vestibular. O que ocorre então é que, assim como o processo seletivo é de competência de cada instituição de ensino, o índice de aproveitamento da nota do Enem também é, o que acaba provocando distorções como essa, se considerarmos que as universidades públicas são as que menos utilizam sua nota. Diante desse quadro, não é possível fechar os olhos para o fato de que existe uma elitização do setor público superior de ensino, claramente descrita anteriormente. E, ao que parece, o Enem seria mais uma ação pública para facilitar o acesso das massas ao ensino superior privado, setor que mais aceita sua nota em seus processos seletivos. O que é mais preocupante, além da própria questão da exclusão, é o efeito que toda essa organização de seleção dos estudantes tem sobre os currículos escolares do ensino médio, pois não podemos esquecer que a organização dos currículos depende de uma série de fatores e pressões sociais que atuam dentro e fora da escola. Resta saber, no entanto, se a influência do vestibular conteudista poderá ser superada pela proposta do Enem, que, ao que parece, estaria mais próxima da visão dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Mas esta é uma outra hipótese, que ainda precisa ser melhor pesquisada e discutida.

6 IV REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CUNHA, Luiz Antonio. A universidade temporã. 2 a ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1980 GUIMARÃES, Maria Helena de Oliveira. Avaliação: impactos sobre o ensino superior.belo Horizonte: FUMEC FACE, C/ Arte, 2003 MENDONÇA, Ana Walesca P.C.. A universidade no Brasil. Revista Brasileira de Educação,Editora Autores Associados. No.14, 2000 RANIERI, Nina Beatriz. Educação superior, direito e Estado: nova lei de Diretrizes e Bases(Lei. 9394/96) São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1992 (Coleção Base, v.2) SILVA JUNIOR, João dos Reis; SGUISSARD, V. Novas faces da educação superior no Brasil. 2 a. ed..são Paulo: Cortez; Bragança Paulista: USF-IFAN, RANIERI,p.49 2 GUIMARÃES,p.30 3 SILVA JUNIOR, p.190

EDUCAÇÃO SUPERIOR: O DEBATE SOBRE Acesso, Permanência, Inclusão, Democratização, Cotas, SISU...

EDUCAÇÃO SUPERIOR: O DEBATE SOBRE Acesso, Permanência, Inclusão, Democratização, Cotas, SISU... EDUCAÇÃO SUPERIOR: O DEBATE SOBRE Acesso, Permanência, Inclusão, Democratização, Cotas, SISU... Acesso à educação Superior: Categorias - Acesso / Democratização do acesso - Ações afirmativas - Cotas sociais

Leia mais

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Cenários contemporâneos em Educação Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Composição de cenários Avaliação e Regulação da Educação Ações planejadas de reposicionamento Reflexos e movimentos culturais Educação

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS ALUNOS DO CURSO DE ENGENHARIA: UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS ALUNOS EGRESSOS DAS ESCOLAS PÚBLICA E PARTICULAR

ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS ALUNOS DO CURSO DE ENGENHARIA: UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS ALUNOS EGRESSOS DAS ESCOLAS PÚBLICA E PARTICULAR ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS ALUNOS DO CURSO DE ENGENHARIA: UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS ALUNOS EGRESSOS DAS ESCOLAS PÚBLICA E PARTICULAR Eliete M. Gonçalves 1 ; Vanilda M. M. Chueiri 2 ; Lauro H. M.

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA NO CONTEXTO DAS AVALIAÇÕES DO MEC: uma reflexão

A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA NO CONTEXTO DAS AVALIAÇÕES DO MEC: uma reflexão PÔSTER EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Biblioteconomia baseada em evidências A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA NO CONTEXTO DAS AVALIAÇÕES DO MEC: uma reflexão BAPTISTA, R. 1 RUEDA, D. 2 SANTOS,

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RAMOS, Alaína dos S. 1 SANTOS, Jéssica 2 PETITTO, Sonia 3 PERRI, Ricardo Alves 4 RESUMO Sabe-se que, hoje em dia, existe um grande aumento

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 O Instituto de Ensino Superior João Alfredo de Andrade, por sua Comissão Organizadora do Processo Seletivo, instituída em caráter permanente pela Portaria

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Indicadores de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) em Software e Serviços de TI: o Caso da Lei do Bem (nº 11.196/05)

Indicadores de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) em Software e Serviços de TI: o Caso da Lei do Bem (nº 11.196/05) Universidade de Brasília Indicadores de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) em Software e Serviços de TI: o Caso da Lei do Bem (nº 11.196/05) Rafael Henrique Rodrigues Moreira BRASÍLIA 2014 Universidade

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE Bruno Morche 1 Clarissa Eckert Baeta Neves 2 A educação superior possui grande destaque no rol de discussões na sociedade

Leia mais

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP VERSÃO: 03-04-2008 2 O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP 1. Apresentação do Programa O Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP) foi concebido a partir da preocupação

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO NEUZA APARECIDA GIBIM PONÇANO Presidente Prudente SP

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria Estadual de Educação de São Paulo UF: SP ASSUNTO: Aplicação do regime de intercomplementaridade à Educação

Leia mais

SIMULAÇÃO DO IMPACTO DA ADOÇÃO DO SISU PARA OS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFES

SIMULAÇÃO DO IMPACTO DA ADOÇÃO DO SISU PARA OS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFES SIMULAÇÃO DO IMPACTO DA ADOÇÃO DO SISU PARA OS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFES Etereldes Gonçalves Jr. etereldes@gmail.com UFES, Departamento de Matemática Klaus Fabian Côco klaus@ele.ufes.br Alessandro Mattedi

Leia mais

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza 33 Desafios da reflexão sociológica PARA análise Do ensino médio no BRASil* Marilia Pontes Sposito Raquel Souza O ensino médio se constitui em uma etapa da educação básica brasileira que tem mobilizado

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

Palavras-chave: cotas universitárias; ensino superior; curso pré-vestibular, acesso à universidade.

Palavras-chave: cotas universitárias; ensino superior; curso pré-vestibular, acesso à universidade. NED NÚCLEO DE ESTUDOS DIRIGIDOS Ano Letivo: 2012/2 ED 2 / ED Comunicação e Expressão Habilidade: Compreender e Expressar Professor: Cleuber Cristiano de Sousa Caro(a) aluno(a), Esta atividade discursiva

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Sistema socioeducativo e investimento público federal: metodologia inovadora na década.

Sistema socioeducativo e investimento público federal: metodologia inovadora na década. Texto de contribuição para o encontro executivo da RENADE. Tocantins, Palmas, janeiro de 2013. Daniel Adolpho Daltin Assis Sistema socioeducativo e investimento público federal: metodologia inovadora na

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Andresa Léia de Andrade 1 e Daniela Pereira dos Reis de Almeida 2 1 Aluna do Curso de Arquivologia

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O DESEMPENHO NO VESTIBULAR E O RENDIMENTO ACADÊMICO DOS ESTUDANTES NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UFSCAR

RELAÇÕES ENTRE O DESEMPENHO NO VESTIBULAR E O RENDIMENTO ACADÊMICO DOS ESTUDANTES NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UFSCAR RELAÇÕES ENTRE O DESEMPENHO NO VESTIBULAR E O RENDIMENTO ACADÊMICO DOS ESTUDANTES NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UFSCAR Walter Libardi libardi@power.ufscar.br Pedro Ferreira Filho

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO EDUCACIONAL DO DEFICIENTE VISUAL PARA SUA INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO

OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO EDUCACIONAL DO DEFICIENTE VISUAL PARA SUA INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO EDUCACIONAL DO DEFICIENTE VISUAL PARA SUA INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO Leni Aparecida da SILVA(PG-UENP/Jac.) leniapsilva@bol.com.br Sonia Maria Dechandt Brochado (Orientadora-UENP/Jac.)

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Pais e Mestres do Colégio

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil

Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil Soares, José Francisco; Júdice, Renato A AUTO-EXCLUSÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS PÚBLICAS

Leia mais

Avaliação ENEM/SiSU Série Histórica

Avaliação ENEM/SiSU Série Histórica Avaliação ENEM/SiSU Série Histórica Prof. Miguel Franklin Responsável Institucional pelo SiSU Universidade Federal do Ceará Objetivos Avaliar o impacto do sistema integrado de avaliação (Enem) e de seleção

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO. Silvana Santos Almeida 1 RESUMO

VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO. Silvana Santos Almeida 1 RESUMO VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Silvana Santos Almeida 1 RESUMO A proposta desse artigo é elencar as possíveis causas para a existência das vagas ociosas nas instituições de ensino superior

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR E VESTIBULAR: PENSANDO CONTRADIÇÕES E PROPOSTAS DE DEMOCRATIZAÇÃO

EDUCAÇÃO SUPERIOR E VESTIBULAR: PENSANDO CONTRADIÇÕES E PROPOSTAS DE DEMOCRATIZAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR E VESTIBULAR: PENSANDO CONTRADIÇÕES E PROPOSTAS DE DEMOCRATIZAÇÃO ARANTES, João Henrique Magri 1 NASCIMENTO, Antônio Luiz do 2 Este trabalho resulta da pesquisa de mestrado intitulada

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS TRIBUTAÇÃO DAS ESTRUTURAS E DOS NEGÓCIOS SOCIETÁRIOS 2º SEMESTRE DE 2015 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com o objetivo de preparar profissionais

Leia mais

PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA ARTS TEACHER : EDUCATIONAL POLICY IN VIÇOSA

PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA ARTS TEACHER : EDUCATIONAL POLICY IN VIÇOSA PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA Fernanda Ribeiro de Nardi Bastos (UFV) i Prof. Ms. Rosana Aparecida Pimenta (UFV) ii RESUMO: O presente trabalho foi desenvolvido no município de Viçosa,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Proposta Edital nº. 61/2013 Número da proposta 128395 ID Projeto - UFU Instituição de Ensino Superior Nome UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU Código INEP 17 CNPJ 25.648.387/0001-18 Categoria administrativa

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA

REFORMA UNIVERSITÁRIA Comentários da Profa. Dra. MARIA BEATRIZ LUCE (Coord. Núcleo Política Gestão Educação - UFRGS e membro CNE/ Brasil) Conferência DESAFIOS DA REFORMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ACESSO, EXPANSÃO E RELAÇÕES

Leia mais

Rede Nacional Primeira Infância

Rede Nacional Primeira Infância Rede Nacional Primeira Infância O lugar da Educação Infantil nas políticas para a primeira infância Seminário Nacional Currículo e Avaliação da Educação Infantil: Políticas para a primeira infância. Rio

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com. RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.br FERREIRA, Silvana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas

Leia mais

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009 POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA Por Dentro da UFOP Ouro Preto 25 de abril de 2009 Debate sobre as ações afirmativas no ensino superior Democratização do acesso a este importante nível de ensino. Está diretamente

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Simone Maria da Silva Rodrigues 1 Mário Jorge Campos dos Santos 2 RESUMO

Simone Maria da Silva Rodrigues 1 Mário Jorge Campos dos Santos 2 RESUMO EDUCAÇÃO ESPECIAL NA GRADUAÇÃO: MAPEAMENTO DA QUANTIDADE DE ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS MATRICULADOS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA NO BRASIL Simone Maria da Silva Rodrigues

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE ENSINO

A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE ENSINO A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE ENSINO NOGUEIRA, Lays Almeida - FAP lays.matematica.fap@gmail.com OMODEI, Leticia B. Celeste - FAP leticia. celeste@fap.com Agência

Leia mais

Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire. acervo.paulofreire.org

Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire. acervo.paulofreire.org Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire acervo.paulofreire.org RENATA GHELLERE PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO NA SALA DE AULA DO CCBEU CURITIBA Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

SEMINÁRIO EVASÃO NO ENSINO SUPERIOR

SEMINÁRIO EVASÃO NO ENSINO SUPERIOR SEMINÁRIO EVASÃO NO ENSINO SUPERIOR Aspectos a Considerar O que é Evasão? Perda: implica a admissão de uma responsabilidade da escola e de tudo que a cerca por não ter mecanismos de aproveitamento e direcionamento

Leia mais

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Edson Klug Bartz (Acadêmico de Licenciatura em Ciências Biológicas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense/IFSul Bolsista

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO/XXXX

EDITAL PROCESSO SELETIVO/XXXX EDITAL PROCESSO SELETIVO/XXXX O Diretor da Faculdade de Ciências Odontológicas do Norte de Minas - FACIONORTE, tendo em vista a legislação vigente, faz saber aos interessados que estarão abertas as inscrições

Leia mais

Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria.

Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria. Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria. II CONAE 2014 Adércia Bezerra Hostin Coordenadora de assuntos educacionais Eixos i. Mercantilização ii. Financeirização

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o próprio INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade básica,

Leia mais

O FUTURO MÉDICO OU O MÉDICO DO FUTURO? - REFLEXÕES SOBRE FORMAÇÃO, ENSINO E PROFISSÃO. PALAVRAS-CHAVE: Educação em Saúde; Ensino; Capacitação

O FUTURO MÉDICO OU O MÉDICO DO FUTURO? - REFLEXÕES SOBRE FORMAÇÃO, ENSINO E PROFISSÃO. PALAVRAS-CHAVE: Educação em Saúde; Ensino; Capacitação O FUTURO MÉDICO OU O MÉDICO DO FUTURO? - REFLEXÕES SOBRE RESUMO FORMAÇÃO, ENSINO E PROFISSÃO ALMEIDA, Rui M. S. Almeida 1 A Medicina tem sofrido enormes mudanças nas últimas décadas, em função de avanços

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO: impasses e desafios

POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO: impasses e desafios POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO: impasses e desafios Gizelda Moura Rodrigues 1 Klivia de Cássia Silva Nunes 2 Resumo O presente artigo traz reflexões sobre os impasses e desafios do Ensino Médio

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL MÁRCIA MARQUES DE CARVALHO 1 E GRAZIELE DOS SANTOS CERQUEIRA 2 As políticas de ação afirmativa no acesso

Leia mais

EDUCAÇÃO FISÍCA ESCOLAR: INCLUSÃO / EXCLUSÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS MOTORES 1

EDUCAÇÃO FISÍCA ESCOLAR: INCLUSÃO / EXCLUSÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS MOTORES 1 EDUCAÇÃO FISÍCA ESCOLAR: INCLUSÃO / EXCLUSÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS MOTORES 1 Vitor Mário Girdwood 1 Marcela Mota Freitas 2 1 Graduando em Educação Física pela Faculdade UNIME 2 Docente da Faculdade de

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25 Planejamento Estratégico GT Educação 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 26 INTRODUÇÃO O tema e nome do Grupo do Trabalho: Educação A educação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Questões fundamentadas Lei 9.394/96 - LDB

Questões fundamentadas Lei 9.394/96 - LDB Para adquirir apostila digital de 500 Questões Fundamentadas da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Lei 9.394/96 (LDB) acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br OBS.: ESSA APOSTILA DIGITAL SERÁ

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Hélio Rosetti Júnior Instituto Federal do Espírito Santo e Faculdade de Tecnologia FAESA Brasil heliorosetti@cetfaesa.com.br Juliano Schimiguel

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Fórum Estadual da Undime MA Gabriela Moriconi Diretoria de Estudos Educacionais INEP A Prova Docente: Breve Histórico O potencial dos concursos

Leia mais

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014.

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014. UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO PORTO DE SUAPE PARA A OFERTA DA EDUCAÇÃO PROFISSINAL NOS MUNICÍPIOS DE IPOJUCA E CABO DE SANTO AGOSTINHO Lígia Batista de Oliveira Thayane Maria

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais