O VESTIBULAR COMO INSTRUMENTO DE EXCLUSÃO SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O VESTIBULAR COMO INSTRUMENTO DE EXCLUSÃO SOCIAL"

Transcrição

1 O VESTIBULAR COMO INSTRUMENTO DE EXCLUSÃO SOCIAL ROSSI *, Edy Carla Este estudo pretende discutir a evolução do vestibular no Brasil, a partir da necessidade do Estado de resolver o problema dos excedentes, transformando-o por isso, em instrumento de exclusão. Uma vez que a oferta de vagas nas universidades públicas é muito inferior ao número de estudantes que pleiteiam essas vagas, há muito tempo ocorre uma grande pressão social para que ela seja ampliada, o que nem sempre é possível ou interessante ao Estado e às elites. Se considerarmos o ensino superior como um caminho para a inclusão social, a partir da possibilidade do estudante atuar de forma mais direta e preparada no mercado de trabalho ou como cidadão, formando uma sociedade civil mais participativa e atuante, poderemos concluir que é importante para as elites dirigentes manter uma certa reserva de mercado não só sobre o ensino público, ficando também assim excluída a grande massa sem recursos financeiros para o ingresso no ensino privado, como também sobre algumas carreiras concentradas nas universidades públicas, que permaneceriam restritas somente a uma pequena parcela da sociedade, mantendo assim o status quo. Nesse contexto, o vestibular sai da condição de mais uma forma de avaliação, para se transformar em peça-chave desse processo de exclusão que, aliado à crescente privatização do ensino superior ocorrida ao longo dos últimos 40 anos, delineou as atuais políticas públicas para o setor, interferindo inclusive nas formas de concepção dos currículos do ensino médio que, principalmente no setor privado, estão muito mais preocupados em instrumentalizar o educando para o vestibular, do que prepara-lo para a prática da cidadania. Palavras-chave: Vestibular; Ensino superior; Políticas públicas; * ORIENTADORA PROFESSORA DOUTORA IVANISE MONFREDINI MESTRANDA DO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DO PROGRAMA DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO, UNINOVE Av. FRANCISCO MATARAZZO, 612 CEP SÃO PAULO SP

2 VESTIBULAR AS AN EXCLUSION INSTRUMENT This study intends to discuss the evolution of the vestibular in Brazil, from the State necessity to resolve the problem of the remaining, therefore transforming it in an exclusion instrument. Since the vacancy offer in public universities is much inferior than the number of students who strive these vacancies, for long there is a great social pressure to wide them, what is not always possible or interesting to the State and elite. Considering college as a way to social inclusion, providing the student the possibility of acting in straight and prepared condition in the work market or as a citizen, forming a civil society more participant and acting, we may conclude that it is important to the leading elite to maintain a certain market reserve, not only in the public school, which also excludes the great masses of students without financial resources to enter the private school, but also in some careers concentrated in the public universities, which remain restrict to a small part of the society, preserving the status quo. In this context, the vestibular leaves the condition of one more way of evaluating, to be transformed in a key part of this excluding process, which associated with the growing privatization of the college occurred within the latest 40 years, delimited the current public politics to the sector, also interfering in the curriculum concepts of the High School, which mainly in the private sector, is much more worried in giving instruments to the student to the vestibular than prepare him to citizenship. Keywords: Vestibular; Graduation teaching; Public policies;

3 I INTRODUÇÃO O ensino superior brasileiro há muito tempo tem sido alvo de diferentes pesquisas sobre questões como oferta e demanda, qualidade, privatização e seu uso pelas elites como instrumento de controle social ou formação de dirigentes. Porém, ao analisa-las, nos deparamos com um dado importante: o vestibular foi praticamente esquecido nesses estudos e, quando aparece, é citado apenas no contexto histórico, aliado ao crescimento do ensino superior privado, como respostas ao problema dos excedentes, o que nos possibilita levantar algumas questões a esse respeito. O vestibular, sob a forma praticada hoje pela maior parte das universidades públicas do país, se transformou num instrumento de exclusão social, uma vez que, ao se basear em conteúdos cada vez mais específicos dentro das diversas disciplinas, acaba impedindo o acesso da grande massa da população a esse setor do ensino. Não podemos então afirmar que o vestibular faria parte das políticas públicas, como instrumento de manutenção do status quo dentro da sociedade neoliberal brasileira? Como não foi encontrada uma bibliografia específica sobre o tema que possa subsidiar diretamente este pressuposto, partiremos da análise dos estudos já feitos sobre a exclusão no ensino superior brasileiro, recorrendo ao contexto histórico específico de cada período, sempre que for necessário justificar a utilização do vestibular como forma de exclusão. Conjuntamente, utilizaremos os próprios vestibulares como objeto de análise e alguns índices fornecidos pelos órgãos públicos. II DESENVOLVIMENTO Durante o Império e o início da República, ocorreu a formação das primeiras universidades brasileiras, focadas no objetivo de formar as elites que comandariam o país. À medida que o país se industrializava e se urbanizava, maior era a demanda pelo ensino superior, principalmente por parte dos setores médios da sociedade que viam nesse diploma, uma forma de ascensão e inclusão numa sociedade até então, extremamente oligárquica. Mas será, a partir das décadas de 50 e 60, graças à industrialização alcançada pelo Brasil através da bandeira do desenvolvimentismo, que de fato começará a ocorrer o crescimento do ensino superior. Isto se dará devido às necessidades econômicas e às pressões sociais no sentido da sua democratização baseada no aumento da oferta de vagas. Nesse período, evidencia-se que cada vez mais a universidade pública atendia a parcelas mínimas da população, sobretudo os setores médio e alto, o que passará a provocar o problema dos excedentes, ou seja, estudantes que mesmo aprovados no vestibular, não conseguiam vagas nas universidades chegando em 1960, à cerca de 21,6% do total de aprovados. Diante disso, como poderia o Estado ampliar as vagas nas universidades, atendendo a essa demanda cada vez maior e, ao mesmo tempo, manter um ensino superior público de qualidade, mas ainda reservado às elites? A resposta para essa questão era a privatização e a instituição de um vestibular classificatório. A partir de 1961, seriam aprovadas diversas leis que agiriam nesse sentido. A LDB/61 consagrou um padrão centralizador vertical de controle que, aliado à ausência de um projeto nacional para a educação, provocou a multiplicidade e a segmentação de instâncias burocráticas, além de propiciar uma expansão quantitativa do ensino superior que não foi acompanhada de condições mínimas de funcionamento. 1

4 Essa lei irá, na verdade, consolidar as políticas públicas de ampliação do ensino superior de massa atendendo, ainda que parcialmente, às pressões sociais sem, no entanto, democratizar a universidade pública, que se tornará ainda mais elitizada graças à reserva de cursos que irá oferecer e à estratégia do vestibular. Mas a concretização desse processo se dará realmente a partir da lei 5540/68, que promoverá a expansão efetiva do ensino superior privado, com contenção de despesas para o Estado, atingindo como alvo a classe média. Em relação à estruturação educacional, a legislação propôs medidas para diminuir os custos e aumentar o atendimento ao mercado. Implantou mudanças no vestibular, que passou a ser classificatório para todo o país, eliminando-se a figura do excedente. (...) 2 É interessante destacar o papel que vai sendo dado ao vestibular pela própria lei. Na verdade, nota-se que sua ação aos poucos vai sendo normatizada de tal forma que, fica cada vez mais clara sua função junto à universidade pública, a medida que o setor privado passa a crescer. Usando como justificativa a questão dos excedentes e da demanda por vagas que o Estado seria incapaz de suprir, o vestibular é incorporado às políticas públicas, que tornam ideologicamente velada a sua função social de garantir a exclusão, separando o joio do trigo, entre os estudantes que ingressarão no setor público ou no privado. Intrinsicamente ligada à questão da elitização da universidade pública e seu principal instrumento de manutenção, o vestibular está a divisão dos cursos oferecidos pelas instituições públicas e privadas, principalmente a partir da década de 70. Verifica-se então que cursos que necessitariam de menores investimentos e, portanto, poderiam ser oferecidos a custos menores, ficariam concentrados nas mãos do setor privado, que atenderia assim a uma demanda de massa. Já os cursos mais onerosos, como engenharia, odontologia e medicina, ficariam a cargo do setor público. A questão a ser discutida aqui é até que ponto isso não funciona como uma espécie de reserva de mercado para determinadas carreiras, que só poderiam ser acessadas por uma minoria, pois na verdade, a restrição desse acesso se dá através do vestibular, na maioria das vezes ininteligível a um educando oriundo do ensino médio público e quase sempre, sem recursos financeiros para pagar um curso pré-vestibular. Criou-se assim, a partir de um exame que não avalia as diversas habilidades do estudante, mas sim conhecimentos cada vez mais específicos dentro das diversas disciplinas, uma verdadeira cultura do vestibular. Sua ação se baseia na exclusão das camadas inferiores da população, elitizando as instituições públicas de ensino superior e algumas carreiras por elas oferecidas e ainda, abrindo as portas para a expansão cada vez maior do ensino superior privado, de cursinhos pré-vestibulares e de materiais apostilados para o ensino médio que tem por base curricular, os conteúdos cobrados nos vestibulares das grandes universidades públicas. Junte-se a isso o fato de que determinados cursos, como medicina, mesmo quando oferecidos pelo setor privado, apresentam mensalidades tão elevadas que acabam se tornando tão inatingíveis quanto os oferecidos pelo setor público. Nas décadas de 80 e 90, essa discussão será ampliada no sentido da qualidade. A expansão do setor privado com anuência do Estado, com o objetivo de atender as camadas inferiores da população, provocará uma queda na qualidade do ensino oferecido por essas instituições. (...), atingidos os objetivos postos para os setores médios e satisfeitas em termos quantitativos as reivindicações desses setores, as instituições de ensino superior privadas vêem-se obrigadas a se reorganizarem no novo contexto e se adequarem à nova demanda emergente, constituída pelos extratos sociais mais baixos, o que fez diminuir seu padrão acadêmico(...). 3

5 Entretanto, é importante ressaltar que apesar das discussões sobre a qualidade do ensino superior, não aparecem nas propostas do Estado, mudanças no sentido de se democratizar o acesso às universidades públicas através, por exemplo, de uma reformulação mais profunda na elaboração do vestibular. III CONSIDERAÇÔES FINAIS Se considerarmos os números apresentados pelo INEP, a respeito da evolução do ensino superior brasileiro entre 1962 e 1998, perceberemos que realmente houve um crescimento do número de inscrições e matrículas, principalmente a partir de De fato ocorreu uma expansão do ensino superior no Brasil, porém atrelada ao capital privado e não como fruto de reais investimentos públicos. Isto excetuando-se é claro, a isenção de impostos dada à maioria dessas instituições pelo Estado, o que muito contribuiu não só para a sua expansão, como também para uma grande acumulação de capital por esse setor. Além disso, a maior parte dessas instituições localiza-se no Sudeste do país, região que apresenta maior concentração populacional e de renda e onde a exigência de um diploma superior seria maior para o ingresso no mercado de trabalho. Qual seria então o papel assumido pelo vestibular e pelo Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio, implantado pelo Ministério da Educação em 1998, para avaliar as competências e habilidades dos estudantes, diante desse crescimento quantitativo das vagas no ensino superior? Apesar das anunciadas mudanças nos vestibulares públicos, como é o caso do praticado pela Unicamp - que privilegiaria mais a interpretação de textos e outras habilidades e competências-, no que tange principalmente à Fuvest, as provas continuariam conteudistas, salvo algumas exceções na sua segunda fase de seleção. Já com relação ao Enem, a crítica recai sobre o índice de aproveitamento de sua nota que é, no caso da Fuvest, de apenas 20%, e somente para a parte objetiva do vestibular. O que ocorre então é que, assim como o processo seletivo é de competência de cada instituição de ensino, o índice de aproveitamento da nota do Enem também é, o que acaba provocando distorções como essa, se considerarmos que as universidades públicas são as que menos utilizam sua nota. Diante desse quadro, não é possível fechar os olhos para o fato de que existe uma elitização do setor público superior de ensino, claramente descrita anteriormente. E, ao que parece, o Enem seria mais uma ação pública para facilitar o acesso das massas ao ensino superior privado, setor que mais aceita sua nota em seus processos seletivos. O que é mais preocupante, além da própria questão da exclusão, é o efeito que toda essa organização de seleção dos estudantes tem sobre os currículos escolares do ensino médio, pois não podemos esquecer que a organização dos currículos depende de uma série de fatores e pressões sociais que atuam dentro e fora da escola. Resta saber, no entanto, se a influência do vestibular conteudista poderá ser superada pela proposta do Enem, que, ao que parece, estaria mais próxima da visão dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Mas esta é uma outra hipótese, que ainda precisa ser melhor pesquisada e discutida.

6 IV REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CUNHA, Luiz Antonio. A universidade temporã. 2 a ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1980 GUIMARÃES, Maria Helena de Oliveira. Avaliação: impactos sobre o ensino superior.belo Horizonte: FUMEC FACE, C/ Arte, 2003 MENDONÇA, Ana Walesca P.C.. A universidade no Brasil. Revista Brasileira de Educação,Editora Autores Associados. No.14, 2000 RANIERI, Nina Beatriz. Educação superior, direito e Estado: nova lei de Diretrizes e Bases(Lei. 9394/96) São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1992 (Coleção Base, v.2) SILVA JUNIOR, João dos Reis; SGUISSARD, V. Novas faces da educação superior no Brasil. 2 a. ed..são Paulo: Cortez; Bragança Paulista: USF-IFAN, RANIERI,p.49 2 GUIMARÃES,p.30 3 SILVA JUNIOR, p.190

A produção de Discursos Periféricos: A comunicação como instrumento de luta contra a exclusão

A produção de Discursos Periféricos: A comunicação como instrumento de luta contra a exclusão Departamento de Sociologia A produção de Discursos Periféricos: A comunicação como instrumento de luta contra a exclusão Sandra Faustino Coelho Tese submetida como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Butterflies are cool!

Butterflies are cool! Text 1 1 What do you know about butterflies? Butterflies are cool! Hi! My name s Cláudia Valéria. I m 37 years old and a psychologist. I love butterflies. They are my favorite animals. My favorite butterfly

Leia mais

MECANISMOS DE SELEÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

MECANISMOS DE SELEÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR MECANISMOS DE SELEÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Isabel Silveira da Silva Leite (1); Amanda Gonçalves da Silva (2) Universidade Federal Fluminense, isabelleite@id.uff.br

Leia mais

Aquecimento global Rise of temperature

Aquecimento global Rise of temperature Aquecimento global Rise of temperature Drop by drop. Comenius project What is Global warming? Aquecimento global é o aumento da temperatura média dos oceanos e do ar perto da superfície da Terra ocorrido

Leia mais

EGAN. FUNDAMENTOS DA TERAPIA RESPIRATÓRIA (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CRAIG L. SCANLAN

EGAN. FUNDAMENTOS DA TERAPIA RESPIRATÓRIA (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CRAIG L. SCANLAN RESPIRATÓRIA (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CRAIG L. SCANLAN DOWNLOAD EBOOK : EGAN. FUNDAMENTOS DA TERAPIA BY CRAIG L. SCANLAN PDF Click link below and free register to download ebook: EGAN. FUNDAMENTOS

Leia mais

MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM

MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM CADERNO DE QUESTÕES NOTA FINAL MASTER S DEGREE IN INTELLECTUAL PROPERTY ADMISSION EXAM Before reading the text, pay attention to these important and essential remarks. All the answers must be written in

Leia mais

CAPÍTULO. Barbosa, Aline Pereira do Nascimento 1 *; Andreata, Mauro Antonio 1. Universidade Federal de Goiás, Departamento de Física Regional Catalão

CAPÍTULO. Barbosa, Aline Pereira do Nascimento 1 *; Andreata, Mauro Antonio 1. Universidade Federal de Goiás, Departamento de Física Regional Catalão 20 CAPÍTULO EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NO ENSINO DE FÍSICA NA EDUCAÇÃO Barbosa, Aline Pereira do Nascimento 1 *; Andreata, Mauro Antonio 1 1 Universidade Federal de Goiás, Departamento de Física Regional

Leia mais

Dedico este trabalho a todos os meus professores, aos meus alunos, à minha família

Dedico este trabalho a todos os meus professores, aos meus alunos, à minha família Dedico este trabalho a todos os meus professores, aos meus alunos, à minha família e a quem sempre me apoiou nos momentos mais difíceis. ELE sabe quem é! Agradecimentos Agradeço a todos aqueles que, de

Leia mais

Cenários. Cenários são situações

Cenários. Cenários são situações Fáceis de enteder (escritos na linguagem do problema) Ajuda a unificar critérios Estimula o pensamento Ajuda no treinamento Ajuda no rastreamento Ajuda na identificação de requisitos nãofuncionais. Cenários

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA A SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA A SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA A SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PROVA DE SELEÇÃO AO CURSO DE DOUTORADO EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE PROVA DE INGLÊS O objetivo desta prova é avaliar

Leia mais

Implementation of BE requirements: Brazilian Experience

Implementation of BE requirements: Brazilian Experience 13 th ICDRA Implementation of BE requirements: Brazilian Experience RODRIGO CRISTOFOLETTI Head of Department of Bioequivalence Brazilian National Health Surveillance Agency (ANVISA) Historical view Future

Leia mais

Da Emoção à Lesão: um Guia de Medicina Psicossomática (Portuguese Edition)

Da Emoção à Lesão: um Guia de Medicina Psicossomática (Portuguese Edition) Da Emoção à Lesão: um Guia de Medicina Psicossomática (Portuguese Edition) Geraldo José Ballone, Ida Vani Ortolani, Eurico Pereira Neto Click here if your download doesn"t start automatically Download

Leia mais

Como Falar no Rádio - Prática de Locução Am e Fm (Portuguese Edition)

Como Falar no Rádio - Prática de Locução Am e Fm (Portuguese Edition) Como Falar no Rádio - Prática de Locução Am e Fm (Portuguese Edition) Cyro César Click here if your download doesn"t start automatically Como Falar no Rádio - Prática de Locução Am e Fm (Portuguese Edition)

Leia mais

Trajetórias Educacionais no Brasil e o Novo Enem. Reynaldo Fernandes INEP/MEC

Trajetórias Educacionais no Brasil e o Novo Enem. Reynaldo Fernandes INEP/MEC Trajetórias Educacionais no Brasil e o Novo Enem Reynaldo Fernandes INEP/MEC São Paulo - SP - 2009 Sistema de Ensino Desenho Todo sistema educacional maduro se inicia com letramento e numeramento e finaliza

Leia mais

GILSON BARBOSA DOURADO

GILSON BARBOSA DOURADO CORREÇÃO DE VIÉS DO ESTIMADOR DE MÁXIMA VEROSSIMILHANÇA PARA A FAMÍLIA EXPONENCIAL BIPARAMÉTRICA GILSON BARBOSA DOURADO Orientador: Klaus Leite Pinto Vasconcellos Área de concentração: Estatística Matemática

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

CHOQUE ELÉTRICO - BARRASHOPPINGSUL

CHOQUE ELÉTRICO - BARRASHOPPINGSUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NUCLEAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO CHOQUE ELÉTRICO - BARRASHOPPINGSUL por

Leia mais

ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CHOO HYUNG KIM

ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CHOO HYUNG KIM Read Online and Download Ebook ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CHOO HYUNG KIM DOWNLOAD EBOOK : ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS Click link bellow

Leia mais

Basic SharePoint Server 2013 Branding (55081)

Basic SharePoint Server 2013 Branding (55081) Basic SharePoint Server 2013 Branding (55081) Formato do curso: Presencial Preço: 850 Nível: Avançado Duração: 12 horas Este curso de 2 dias, destina-se a todos os interessados em customizar o aspecto

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

Churrasco - Dando nome aos bois (Portuguese Edition)

Churrasco - Dando nome aos bois (Portuguese Edition) Churrasco - Dando nome aos bois (Portuguese Edition) István Wessel Click here if your download doesn"t start automatically Churrasco - Dando nome aos bois (Portuguese Edition) István Wessel Churrasco -

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE MATEMÁTICA

DIAGNÓSTICO DE MATEMÁTICA Não esqueça de se cadastrar no site. Não utilize nenhum rascunho, deixe todas as suas anotações registradas e informe o tempo utilizado na resolução. NOME: TEL: TEMPO UTILIZADO NA RESOLUÇÃO: 1. Macey is

Leia mais

King s Research Portal

King s Research Portal King s Research Portal Document Version Publisher's PDF, also known as Version of record Link to publication record in King's Research Portal Citation for published version (APA): Botelho Correa, F. (2014).

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476 Cep 88040-900 Florianópolis SC Brasil Fones: (048) 3721-6525, 331-6649 Fax (048) 3721-6649 MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Table of Contents. Lucas Nülle GmbH Página 1/5

Table of Contents. Lucas Nülle GmbH Página 1/5 Table of Contents Table of Contents Automação with UniTrain-I Course - Automation Technology 7: Sensors for automation 1 2 2 3 4 Lucas Nülle GmbH Página 1/5 www.lucas-nuelle.com.br Automação Acquire practical

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática A VISITA TÉCNICA EM USINAS HIDRELÉTRICAS COMO ESPAÇO ALTERNATIVO PARA O ENSINO DE FÍSICA Vagno

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas Mestrado EDITAL EXTERNO N O 02/2015

Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas Mestrado EDITAL EXTERNO N O 02/2015 Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas Mestrado EDITAL EXTERNO N O 02/2015 O Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul torna público

Leia mais

ENEM: seleção e inclusão Como melhorar? Ariane Norma de Menezes Sá Coordenadora do COGRAD/ANDIFES

ENEM: seleção e inclusão Como melhorar? Ariane Norma de Menezes Sá Coordenadora do COGRAD/ANDIFES ENEM: seleção e inclusão Como melhorar? Ariane Norma de Menezes Sá Coordenadora do COGRAD/ANDIFES Nova proposta do ENEM Haverá mudanças na estrutura pedagógica, científica, metodológica e de medida da

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº de 07/jul/1972

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº de 07/jul/1972 EDITAL DA 03/2016 INSTAURA O VESTIBULAR 2017 PARA INGRESSO NAS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DA FCLBP E DO ISEBP A Diretora Acadêmica da Faculdade de Ciências e Letras de Bragança Paulista (FCLBP) e do Instituto

Leia mais

Creating a Technical Corpus

Creating a Technical Corpus Creating a Technical Corpus Summer School of Linguistics PER-FIDE 2013 pg22760@alunos.uminho.pt Agenda Introduction Thesis Abstracts ECTS Sources Vertical Alignment Sources Linking the Pages Examples Introduction

Leia mais

ABRE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO PARA

ABRE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO PARA EDITAL NPL 36/2016 ABRE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ANÁLISES CLÍNICAS, NO CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, NO 2º SEMESTRE

Leia mais

ORE REKO PORÃ: NOSSO BOM MODO DE SER GUARANI ORE REKO PORÃ: OUR GOOD WAY OF BEING GUARANI. Toni Juliano Bandeira 1

ORE REKO PORÃ: NOSSO BOM MODO DE SER GUARANI ORE REKO PORÃ: OUR GOOD WAY OF BEING GUARANI. Toni Juliano Bandeira 1 ORE REKO PORÃ: NOSSO BOM MODO DE SER GUARANI ORE REKO PORÃ: OUR GOOD WAY OF BEING GUARANI Toni Juliano Bandeira 1 RESUMO: Este ensaio fotográfico tem como principal objetivo demonstrar cenas cotidianas

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013 00211 A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013 Resumo: Marileide Gonçalves França Rosângela Gavioli Prieto (Orientadora) Universidade de São Paulo A última década tem se

Leia mais

LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO

LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO Definição Podemos definir o livro didático como um material impresso, intencionalmente produzido para ser utilizado em um processo de ensino

Leia mais

Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 49/2013

Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 49/2013 TEXTO Brazilian Central Bank Increases Interest Rates Third Consecutive Time In another step to combat high inflation, yesterday the Brazilian Central Bank raised interest rates for the third time in a

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. v LISTA DE TABELAS Página TABELA 1 - Categorias de IMC...13 TABELA 2 - Valores do teste Shapiro Wilks... 20 TABELA 3 - Distribuição dos praticantes e não praticantes de futsal segundo calssificação de

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº de 07/jul/1972

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº de 07/jul/1972 EDITAL DA 07/2016 INSTAURA O VESTIBULAR VAGAS REMANESCENTES 2017 PARA INGRESSO NAS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DA FCLBP E DO ISEBP A Diretora Acadêmica da Faculdade de Ciências e Letras de Bragança Paulista

Leia mais

Inglês 8 Pronomes Interrogativos.

Inglês 8 Pronomes Interrogativos. Inglês 8 Pronomes Interrogativos. Estes pronomes são freqüentemente usados para formação de perguntas e também podem ser usados na conexão de sentenças. Vejame aprendam a série de exemplos selecionados.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRO-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 30/16 PROEN/DE, DE 03 DE JUNHO DE 2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRO-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 30/16 PROEN/DE, DE 03 DE JUNHO DE 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRO-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 30/16 PROEN/DE, DE 03 DE JUNHO DE 2016 RESULTADO FINAL SELEÇÃO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE MONITORIA - ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Erros que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese Edition)

Erros que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese Edition) Erros que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese Edition) Ciro Sanches Zibordi Click here if your download doesn"t start automatically Erros que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese Edition) Ciro Sanches

Leia mais

Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese Edition)

Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese Edition) Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese Edition) Ciro Sanches Zibordi Click here if your download doesn"t start automatically Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar (Portuguese

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino da Educação Básica (PPGEEB) Curso de Mestrado NOTA DE RETIFICAÇÃO

Programa de Pós-Graduação em Ensino da Educação Básica (PPGEEB) Curso de Mestrado NOTA DE RETIFICAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Ensino da Educação Básica (PPGEEB) Curso de Mestrado Aprovado pelas Resoluções 1000/2013 e 1152/2014 CONSEPE NOTA DE RETIFICAÇÃO A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS

PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS Natalia Fedorova; Maria Helena de Carvalho; André M. Gonçalves; Eliane P. Alves; Elizabeth Signorini; Gilsane M. C. Pinheiro; Júlio R. Q. Marques; Vladair

Leia mais

PT02_2ºRPS_0008 A onda da Nazaré: um estimulo para a aprendizagem

PT02_2ºRPS_0008 A onda da Nazaré: um estimulo para a aprendizagem PT02_2ºRPS_0008 A onda da Nazaré: um estimulo para a aprendizagem MOTIVAÇÃO: No âmbito das atividades de outreach promovidas pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, a apresentação A Onda

Leia mais

PONTES DE MADEIRA DE PEQUENO E MÉDIO VÃO. MENIN,Bruna Fernanda FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

PONTES DE MADEIRA DE PEQUENO E MÉDIO VÃO. MENIN,Bruna Fernanda FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva PONTES DE MADEIRA DE PEQUENO E MÉDIO VÃO MENIN,Bruna Fernanda FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva SANTOS,Ivan Rodrigues FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CHOO HYUNG KIM

ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CHOO HYUNG KIM Read Online and Download Ebook ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY CHOO HYUNG KIM DOWNLOAD EBOOK : ATLAS DE ACUPUNTURA VETERINáRIA. CãES E GATOS Click link bellow

Leia mais

A evolução do Cursinho Pré-Vestibular Ferradura a partir dos índices de aprovações nos vestibulares

A evolução do Cursinho Pré-Vestibular Ferradura a partir dos índices de aprovações nos vestibulares A evolução do Cursinho Pré-Vestibular Ferradura a partir dos índices de aprovações nos vestibulares Helena Maria Salla¹ (helenamsalla@yahoo.com.br), Beatriz S.C.Cortela¹ (biacortela@fc.unesp.br), Fernanda

Leia mais

Reestruturação do Exame Nacional do Ensino Médio - Enem

Reestruturação do Exame Nacional do Ensino Médio - Enem INISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Proposta: Reestruturação do Exame Nacional do Ensino Médio - Enem Novas funcionalidades para o Exame Brasília,

Leia mais

Como o mundo avança. Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários. Destaques Futuros Opções.

Como o mundo avança. Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários. Destaques Futuros Opções. AGRICULTURA Julho 215 Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários Destaques Futuros Opções Como o mundo avança Revisão Mensal de Agricultura DESTAQUES DAS NEGOCIAÇÕES

Leia mais

COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA REDAçãO NOTA (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR

COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA REDAçãO NOTA (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR Read Online and Download Ebook COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA REDAçãO NOTA 1.000 (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR DOWNLOAD EBOOK : COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA SALVADOR

Leia mais

We are the World - com legendas

We are the World - com legendas We are the World - com legendas We Are The World (Lionel Richie) There comes a time when we hear a certain call (Lionel Richie & Stevie Wonder) When the world must come together as one (Stevie Wonder)

Leia mais

Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de Almeida Albuquerque, Neyval Costa Reis Junior. São Paulo, 2013

Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de Almeida Albuquerque, Neyval Costa Reis Junior. São Paulo, 2013 COMPARATIVE STUDY OF THE ATMOSPHERIC DISPERSION MODELS AND THROUGH THE ANALYSIS OF AIR QUALITY IN THE METROPOLITAN REGION OF GRANDE VITÓRIA Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de

Leia mais

Key Words. Palavras-chave. Introduction 1

Key Words. Palavras-chave. Introduction 1 i ii iii iv TABLE OF CONTENTS Abstract Key Words Resumo Palavras-chave page vii vii viii viii Introduction 1 Chapter 1 Background regarding Bulgarian Yes-No Questions 5 1.1. Dali-questions 5 1.2 Nali-questions

Leia mais

FUTURO DA DEFESA COMERCIAL

FUTURO DA DEFESA COMERCIAL FUTURO DA DEFESA COMERCIAL Heloísa Pereira Diretora Substituta do Departamento de Defesa Comercial DECOM Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Brasília 12 de novembro de 2014 O FUTURO

Leia mais

CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE

CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE INLAND WATERWAY TRANSPORT IN TIMES OF GLOBALISATION PREPARATORY WORKSHOP AND SIDE EVENT PARAGUAY PARANÁ INLAND WATERWAY MARSEILLE (France), 13 MARCH 2012

Leia mais

O ENSINO DA FÍSICA DO 6º AO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O ENSINO DA FÍSICA DO 6º AO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O ENSINO DA FÍSICA DO 6º AO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Laurinete dos Santos Pinheiro, laurysp@yahoo.com.br¹ Ednei Rodrigues de Oliveira, edbzinho@hotmail.com.br² Márcio Gomes da Silva, mgomes@ifam.edu.br³

Leia mais

EDITAL DA 07/2017 INSTAURA O VESTIBULAR 2018 PARA INGRESSO NAS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DA FCLBP E DO ISEBP 1 REGULAMENTAÇÃO

EDITAL DA 07/2017 INSTAURA O VESTIBULAR 2018 PARA INGRESSO NAS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DA FCLBP E DO ISEBP 1 REGULAMENTAÇÃO EDITAL DA 07/2017 INSTAURA O VESTIBULAR 2018 PARA INGRESSO NAS PRIMEIRAS SÉRIES DOS CURSOS DA FCLBP E DO ISEBP A Diretora Acadêmica da Faculdade de Ciências e Letras de Bragança Paulista (FCLBP) e do Instituto

Leia mais

UNlVERSIDADEESTADUALPAULISTA

UNlVERSIDADEESTADUALPAULISTA unesp.*;:.'" UNlVERSIDADEESTADUALPAULISTA DISPÕE SOBRE TRANSFERÊNCIA PARA OS CURSOS DE ENGENHARIAS, FíSICA (Licenciatura e Bacharelado) e LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA FACULDADE DE ENGENHARIA - o Diretor

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal da Saúde Hospital Materno Infantil Presidente Vargas

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal da Saúde Hospital Materno Infantil Presidente Vargas 2 0 1 2 Diretor Geral Dra. Maria Isabel de Bittencourt Diretor Administrativo Carlos Jorge Fernandes da Rosa Diretora Técnica Dra. Ângela Smagiotto Dr. André Campos da Cunha Presidente da COREME Comissão

Leia mais

Como o mundo avança. Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários. Destaques Futuros Opções.

Como o mundo avança. Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários. Destaques Futuros Opções. AGRICULTURA Outubro 216 Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários Destaques Futuros Opções Como o mundo avança Revisão Mensal de Agricultura DESTAQUES DAS NEGOCIAÇÕES

Leia mais

PRIMEIRO TERMO ADITIVO - CONTRATO Nº: 11/2014

PRIMEIRO TERMO ADITIVO - CONTRATO Nº: 11/2014 PRIMEIRO TERMO ADITIVO - CONTRATO Nº: 11/2014 Pelo presente instrumento, de um lado a CAMARA MUNICIPAL DE ARAXA - CNPJ n.º 20.056.610.0001/14, situado na Av. João Paulo II nº: 1200 bairro Guilhermina Vieira

Leia mais

Definições de Categorias Fundos de Investimento Regulamentados no Brasil

Definições de Categorias Fundos de Investimento Regulamentados no Brasil ? Definições de Categorias Fundos de Investimento Regulamentados no Brasil Morningstar Research 28 de abril de 2017 Ações Ações Large Cap Os fundos Large Cap investem principalmente em ações de empresas

Leia mais

Como o mundo avança. Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários. Destaques Futuros Opções.

Como o mundo avança. Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários. Destaques Futuros Opções. AGRICULTURA Janeiro 217 Resumo Global das Negociações dos Mercados de Grãos, Oleaginosas e Agropecuários Destaques Futuros Opções Como o mundo avança Revisão Mensal de Agricultura DESTAQUES DAS NEGOCIAÇÕES

Leia mais

Semana 4 Quarta Feira L.E. To Have IV. Auxiliary HAVE

Semana 4 Quarta Feira L.E. To Have IV. Auxiliary HAVE L.E. Semana 4 Quarta Feira To Have IV Auxiliary HAVE To Have IV Qual a diferença entre verbo auxiliar e verbo principal? To Have IV a) My friend a videogame. (imcompreensível) Meu amigo um videogame. b)

Leia mais

HISTOLOGIA E BIOLOGIA CELULAR. UMA INTRODUçãO À PATOLOGIA (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY ABRAHAM L. KIERSZENBAUM

HISTOLOGIA E BIOLOGIA CELULAR. UMA INTRODUçãO À PATOLOGIA (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY ABRAHAM L. KIERSZENBAUM Read Online and Download Ebook HISTOLOGIA E BIOLOGIA CELULAR. UMA INTRODUçãO À PATOLOGIA (EM PORTUGUESE DO BRASIL) BY ABRAHAM L. KIERSZENBAUM DOWNLOAD EBOOK : HISTOLOGIA E BIOLOGIA CELULAR. UMA INTRODUçãO

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Manhã)

Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) 1. O processo indicado no gráfico demonstra um aumento significativo da população urbana em relação à população rural no Brasil.

Leia mais

COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA REDAçãO NOTA (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR

COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA REDAçãO NOTA (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR Read Online and Download Ebook COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA REDAçãO NOTA 1.000 (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR DOWNLOAD EBOOK : COMO ESCREVER PARA O ENEM: ROTEIRO PARA UMA SALVADOR

Leia mais

INFORMATICA PARA CONCURSOS PDF

INFORMATICA PARA CONCURSOS PDF INFORMATICA PARA CONCURSOS PDF ==> Download: INFORMATICA PARA CONCURSOS PDF INFORMATICA PARA CONCURSOS PDF - Are you searching for Informatica Para Concursos Books? Now, you will be happy that at this

Leia mais

Transistor TJB. Modelo pequenos sinais Modelo alta frequência

Transistor TJB. Modelo pequenos sinais Modelo alta frequência Transistor TJB Modelo pequenos sinais Modelo alta frequência Modelagem do Transistor TBJ Resposta ac do TBJ para pequenos sinais; Modelos utilizados de representação do TBJ. Amplitude do sinal de entrada:

Leia mais

ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA

ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA JOSÉLIA RIBEIRO ADVÉRBIOS ASPECTUALIZADORES NO TEXTO DISSERTATIVO PRODUZIDO NA ESCOLA Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Língüística, Curso de Pósgraduação em

Leia mais

GUIÃO F. Grupo: Minho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO F. Grupo: Minho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades GUIÃO F Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Minho Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM MERCADOS B2B: CASO DO SETOR CORTICEIRO PORTUGUÊS.

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM MERCADOS B2B: CASO DO SETOR CORTICEIRO PORTUGUÊS. Universidade de Aveiro 2014 Instituto superior de Contabilidade e Administração de Aveiro Marcos Paulo de Almeida Braga da Costa FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM MERCADOS B2B: CASO DO SETOR CORTICEIRO PORTUGUÊS.

Leia mais

Agradecimentos. aumentasse os meus conhecimentos, bem como o meu interesse pela Cognição Social.

Agradecimentos. aumentasse os meus conhecimentos, bem como o meu interesse pela Cognição Social. ii Resumo Os comunicadores que descrevem comportamentos de outras pessoas são vistos como tendo o traço implicado no comportamento que descreveram - Transferência Espontânea de Traços (TET) (e.g. Carlston,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE AGRONOMIA EDITAL DE INSCRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE AGRONOMIA EDITAL DE INSCRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE AGRONOMIA EDITAL DE INSCRIÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSAMENTO PÓS-COLHEITA DE GRÃOS E SEMENTES A coordenação

Leia mais

Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria

Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria Henrique Matos Associate Professor with Habiliation (henrimatos@tecnico.ulisboa.pt) CERENA / Chemical Eng. Department / IST/ ULisboa Instrumentos

Leia mais

ESCREVER MELHOR: GUIA PARA PASSAR OS TEXTOS A LIMPO (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR, DAD SQUARISI

ESCREVER MELHOR: GUIA PARA PASSAR OS TEXTOS A LIMPO (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR, DAD SQUARISI Read Online and Download Ebook ESCREVER MELHOR: GUIA PARA PASSAR OS TEXTOS A LIMPO (PORTUGUESE EDITION) BY ARLETE SALVADOR, DAD SQUARISI DOWNLOAD EBOOK : ESCREVER MELHOR: GUIA PARA PASSAR OS TEXTOS A DAD

Leia mais

Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados

Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados Deuxièmes rencontres Franco - Brésiliennes de la Société de Législation Comparée Contractual Renegotiation with Public Entities June - 2010 Index Principles

Leia mais

NEGOCIOS FINANCEIROS INTERNACIONAIS PDF

NEGOCIOS FINANCEIROS INTERNACIONAIS PDF NEGOCIOS FINANCEIROS INTERNACIONAIS PDF ==> Download: NEGOCIOS FINANCEIROS INTERNACIONAIS PDF NEGOCIOS FINANCEIROS INTERNACIONAIS PDF - Are you searching for Negocios Financeiros Internacionais Books?

Leia mais

dão palestras em inglês é falar sem essa variação, tornando, por consequência, a apresentação mais difícil para a plateia.

dão palestras em inglês é falar sem essa variação, tornando, por consequência, a apresentação mais difícil para a plateia. Inglês para palestras dão palestras em inglês é falar sem essa variação, tornando, por consequência, a apresentação mais difícil para a plateia. Variação sistemática Ao ler (e escutar) a palestra, note

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA - RIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO - CCE/FAED MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CULTURA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO - CCE/FAED MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO - CCE/FAED MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CULTURA A LÍNGUA INGLESA COMO MARCA DA PÓS-MODERNIDADE: CONSIDERAÇÕES SOBRE SEU USO COMERCIAL

Leia mais

EDITAL NPL 42/2016 E D I T A L

EDITAL NPL 42/2016 E D I T A L EDITAL NPL 42/2016 ABRE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CAMPUS CAMPINAS UNIDADE CAMBUÍ DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017.

Leia mais

2ª AVALIAÇÃO/ º ANO / PRÉ-VESTIBULAR PROVA 1-25/04/2015 PROVA DISCURSIVA

2ª AVALIAÇÃO/ º ANO / PRÉ-VESTIBULAR PROVA 1-25/04/2015 PROVA DISCURSIVA 2ª AVALIAÇÃO/ 2015 3º ANO / PRÉ-VESTIBULAR PROVA 1-25/04/2015 PROVA DISCURSIVA ATENÇÃO! w Consulte a tabela abaixo para identificar a prova discursiva específica ao curso de sua opção. Curso com códigos

Leia mais

Letra da música Californication do Red Hot Chili Peppers em português:

Letra da música Californication do Red Hot Chili Peppers em português: Letra da música Californication do Red Hot Chili Peppers em português: Letra da música Californication do Red Hot Chili Peppers em português: Californificação Espiões psíquicos da China Tentam roubar a

Leia mais

Luís Miguel Pereira Freitas. Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo

Luís Miguel Pereira Freitas. Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo Universidade do Minho Instituto de Educação e Psicologia Luís Miguel Pereira Freitas Mudança Conceptual no Tema Terra no Espaço com base na Interdisciplinaridade em Ciências Físicas e Naturais no 3º Ciclo

Leia mais

Lesson 47: like better, like the best. much more, more and more. Lição 47: gostar mais, gostar mais que todos, muito mais, mais e mais

Lesson 47: like better, like the best. much more, more and more. Lição 47: gostar mais, gostar mais que todos, muito mais, mais e mais Lesson 47: like better, like the best much more, more and more Lição 47: gostar mais, gostar mais que todos, muito mais, mais e mais Reading (Leituras) Which do you like better, English or Spanish? I like

Leia mais

A Holografia Artística como tipologia pertencente às artes virtualmente tridimensionais

A Holografia Artística como tipologia pertencente às artes virtualmente tridimensionais UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS INSTITUTO DE HISTÓRIA DA ARTE A Holografia Artística como tipologia pertencente às artes virtualmente tridimensionais Nuno Miguel José Janardo Mestrado em Arte,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA TEORIA E EXPLICAÇÃO NA FILOSOFIA DE DAVID HUME: UMA ABORDAGEM FALIBILISTA? Erickson Cristiano dos Santos

Leia mais

Stages da I Etapa do Ranking de IPSC e I Etapa de LIGHT. Tiro 4 Porto Alegre RS

Stages da I Etapa do Ranking de IPSC e I Etapa de LIGHT. Tiro 4 Porto Alegre RS Stages da I Etapa do Ranking de IPSC e I Etapa de LIGHT Tiro 4 Porto Alegre RS 13 de março de 2016. Composição da Prova Stages Tiros % Stage 1 22 9,65% Stage 2 24 10,53% Stage 3 32 14,04% Stage 4 12 5,26%

Leia mais

Av. Prof. Gama Pinto, Lisboa ff.ul.pt t f

Av. Prof. Gama Pinto, Lisboa ff.ul.pt t f Eleição do Diretor artº 26 º e seguintes do Estatuto da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, aprovado por Despacho nº.698/2014/2014, de 3 de janeiro, publicado no Diário da República, 2ª série,

Leia mais