CUSTEIO DO E-COMMERCE: UM CASO EM UMA EMPRESA DE SEGUROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CUSTEIO DO E-COMMERCE: UM CASO EM UMA EMPRESA DE SEGUROS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Sidney Leone CUSTEIO DO E-COMMERCE: UM CASO EM UMA EMPRESA DE SEGUROS Dissertação submetida ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção Orientador: Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Itajubá 2004

2 LEONE, Sidney Custeio do e-commerce: um caso em uma empresa de seguros / Sidney Leone Itajubá: Universidade Federal de Itajubá, p. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Itajubá, Orientador: Edson de Oliveira Pamplona I. II. CDD

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Sidney Leone CUSTEIO DO E-COMMERCE: UM CASO EM UMA EMPRESA DE SEGUROS Dissertação aprovada por banca examinadora em de de 2004, conferindo ao autor o título de Mestre em Engenharia de Produção Banca Examinadora: Prof. Dr. Edson de Oliveira Pamplona (Orientador) Prof. Nome do Examinador 2 Prof. Nome do Examinador 3 Itajubá 2004

4 ii DEDICATÓRIA Dedico este trabalho especialmente aos meus pais Irene e Francisco (in memoriam). Agradeço de coração por tudo que vocês fizeram por mim durante toda a minha vida. Através dos vossos ensinamentos, exemplos, amor e carinho recebidos ao longo dos anos, tenho agora a oportunidade de poder retribuir um pouco com toda a minha gratidão e amor que sinto por vocês. Não poderia esquecer de mencionar Izidora (in memoriam), Domingos (in memoriam) Rubens (in memoriam) e Waldemar (in memoriam) que Deus os abençoe. Muito obrigado.

5 iii AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por me fazer vivo e poder realizar este trabalho, me abençoando e protegendo em todos os momentos de minha vida, pois sem Ele nada poderia ser feito. Agradeço a minha mãe, Irene Affonso Leone, que tanto me incentivou para a realização desta dissertação, contribuindo com seu exemplo de perseverança, luta e paciência; minha irmã, Sueli, que vibrou e lutou junto comigo durante todo este tempo, me acompanhando principalmente nos momentos difíceis desta jornada. A minha irmã Silvana, sobrinhas Bruna e Giovanna e ao meu cunhado Robinson Romancini, pelo apoio e incentivo durante todo o desenvolver do meu trabalho. Agradeço especialmente ao Professor Dr. Edson de Oliveira Pamplona, orientador desta dissertação pela confiança depositada em mim, demonstrando acreditar na realização desta pesquisa desde o seu início, pelo incentivo e apoio, sem os quais eu não teria conseguido chegar ao fim. O senhor é um exemplo de profissional, extremamente competente e acima de tudo humilde - muito obrigado por tudo o que aprendi ao longo desta convivência. Aos meus Professores do Programa de Pós Graduação de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Itajubá, Dr. Dagoberto Alves de Almeida, Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. Luis Gonzaga Mariano, Dr. João Roberto Ferreira, Dr. José Leonardo Noronha e Dr. João Batista Turrioni o meu muito obrigado pelos ensinamentos e estímulo que me proporcionaram. A todos os colegas do Programa de Pós Graduação de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Itajubá pelo incentivo e colaboração ao longo do curso, não poderia deixar de agradecer a Débora, Secretária do Programa de Pós-Graduação de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Itajubá. Ao amigo e mestre Aparecido José Martins Lopes, Rogério Mariano de Sousa e a amiga Rosana Daniballe Gonzáles pela demonstração de amizade, carinho e estímulo durante a realização deste trabalho. E finalmente um muito obrigado a Patrícia Martins Carvalho pelo trabalho de revisão.

6 iv RESUMO O presente trabalho tem por objetivo aprofundar e decompor os conceitos de custos utilizados em uma empresa de seguros, tendo como foco principal uma única área, a de prestação de serviços eletrônicos - a Internet / E-Commerce. A pesquisa faz uma análise do cenário setorial de seguros, mostrando o seu desenvolvimento ao longo dos anos, no Brasil e no mundo. A seguir, apresentou-se uma revisão histórica acerca dos avanços tecnológicos ocorridos nos últimos séculos - desde a revolução industrial até o surgimento do produto virtual. Observa-se que as empresas de seguros, inseridas neste contexto de constantes mudanças, têm vivenciado um novo desafio: como controlar os seus custos em ambientes de alta tecnologia. Diversos trabalhos literários demonstram o quão obsoletos são os sistemas de custos existentes. No caso específico de empresas de seguros, este tema além de obsoleto é muito escasso, especialmente no que se refere a custo e tecnologia da informação. Baseado nesta nova realidade, o estudo apresentado neste trabalho, procurou aperfeiçoar o sistema de custeio ABC Custeio Baseado em Atividades adaptando-o às necessidades da empresa em questão, mais especificamente ao departamento de Internet / E-Commerce. Este trabalho procura demonstrar que, ao custear os seus produtos, utilizando-se dos métodos tradicionais, a empresa em análise vem obtendo resultados distorcidos dos custos de seus produtos, concluindo-se que com a utilização do custeio ABC Custeio Baseado em Atividades tais distorções poderiam ser minimizadas.

7 v ABSTRACT The proposal of this project is to analyze the costing system of an insurance company in the use of eletronic services as Internet / E-Commerce. In other to accomplish the established goal, some points were observed. The first one is an analysis of the insurance sector in Brazil and all over the world. In addition, the project presents a historical view of the technological evolution, from the Industrial Revolution to the virtual product. Due to the quick changes in technological development, it becomes difficult to identify and control the costing system. The resource shows that there are many studies which prove how obsolete are the costing systems. In case of insurance companies the question is even worst. Besides of being obsolete, there are very few studies. Based on this new reality, this study tries to make use of the concept of Activity-Based Costing (ABC) applying to the needs of the case study company Internet /E-Commerce departament. It is known that the traditional costing system does not provide accurate results. Therefore, this study tries to demonstrate that the Activity-Based Costing (ABC) would be the best tool to meet better and more accurate established costing results, if applied to the case study company.

8 vi LISTA DE FIGURAS Figura Participação do capital estrangeiro no prêmio total do mercado de seguros Figura Relação entre valor de mercado / receita e investimentos em TI / empregados Figura Participação da receita da Schwab Corretora Figura Wells Fargo: usuários on-line que acessam o site freqüentemente Figura Canal de preferências dos clientes Figura Tempo médio gasto pelos clientes de seguros na Internet Figura Negócio digital agrega valor Figura Ranking das preferências de compras de produtos e serviços on-line Figura Fluxo do sistema de custos tradicional Figura Evolução dos componentes do valor agregado Figura Atribuição de custos no sistema ABC Figura Organograma da empresa Figura Estrutura de alocação de custos: Seguradora Segura Figura Despesas Indiretas Overhead critério de rateio de custos Figura Análise estratégica de custos e o ABC Figura Estrutura do E-Commerce na Seguradora Segura Figura Organograma da Superintendência Internet / E-Commerce Figura Recursos utilizados

9 vii LISTA DE QUADROS Quadro Demonstração do Resultado em Legislação Societária Quadro Relatório de entrevistas Quadro Descrição de atividades Quadro Associação atividades / direcionadores Quadro Comparação dos métodos de Custeio Tradicional X Custeio Baseado em Atividades

10 viii LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Distribuição da população e riqueza no mundo Tabela 2.2 Distribuição dos prêmios de seguro: volume e quota Tabela 2.3 Distribuição: penetração e prêmio per capita Tabela 2.4 Penetração e prêmio per capita : países selecionados Tabela 2.5 Prêmio / PIB do Brasil (em volume e participação do setor) Tabela 2.6 Mercado brasileiro de seguros- ranking Tabela 5.1 Volume de Transações e Tempo de Processamento Tabela 5.2 Apropriação do CIP com base no volume Tabela 5.3 Apropriação dos CIP com base no modelo ABC Tabela Despesas administrativas (período junho/2003 a abril/2004) Tabela Dedicação de funcionários às atividades Superintendência Internet/ E-Commerce Tabela 6.3 Dedicação dos funcionários às atividades (R$) Tabela 6.4 Agrupamento despesas não pessoal / atividades Tabela 6.5 Despesas baseadas em atividades (Pessoal e não Pessoal) Tabela 6.6 Despesas baseadas em atividades (Pessoal e não Pessoal) - Common Facilities Tabela 6.7 Despesas baseadas em atividades (Pessoal e não Pessoal) - Filiais Tabela 6.8 Despesas baseadas em atividades (Pessoal e não Pessoal) - Canal Tabela 6.9 Despesas baseadas em atividades (Pessoal e não Pessoal) - Produtos Tabela 6.10 Despesas baseadas em atividades (Pessoal e não Pessoal) -Consolidado. 107

11 ix SUMÁRIO DEDICATÓRIA... ii AGRADECIMENTOS... iii RESUMO... iv ABSTRACT... v LISTA DE FIGURAS... vi LISTA DE QUADROS... vii LISTA DE TABELAS... viii 1 INTRODUÇÃO Considerações Iniciais Proposta do Trabalho Objetivos Justificativas Limitações do Trabalho Metodologia de Pesquisa Estrutura do Trabalho Considerações Finais CENÁRIO SETORIAL EM SEGUROS Considerações Iniciais História do Seguro, no Mundo e no Brasil O Cenário Setorial O Mercado Brasileiro As Empresas do Setor Entendendo a Contabilidade de Seguros, uma Introdução Didática Considerações Finais INTERNET NO SETOR FINANCEIRO Considerações Iniciais Da Revolução Industrial ao Produto Virtual Conceito de Virtualidade, Modelo de Administração Virtual e a Internet A Internet em Empresas de Serviços Financeiros Tendências Iniciais Antecipando os Movimentos Como Realinhar a Organização Projeto de Negócio Digital Agrega Valor Considerações Finais ANÁLISE DAS METODOLOGIAS DE CUSTEIO APLICÁVEIS AO SETOR DE SEGUROS Considerações Iniciais Definição de Custos Definição de Custos em Empresas de Seguros A Contabilidade Gerencial Os Métodos de Custeio Custeio por Absorção Custeio Variável Custeio Padrão Custeio ABC (Activity-Based Costing) Cálculo de Custos em uma Empresa de Seguros Modelo Atual Como as Seguradoras alocam os seus custos... 57

12 4.7.1 Respostas das Entrevistas Análise das Respostas das Entrevistas Considerações Finais ANÁLISE DA METODOLOGIA DE CUSTEIO NA SEGURADORA SEGURA Considerações Iniciais Metodologia Proposta A Empresa O Sistema Atual de Custos da Seguradora Segura Diferença entre o Sistema de Custeio Tradicional e o Baseado em Atividades Considerações Finais APLICAÇÃO PRÁTICA: AVALIAÇÃO DOS CUSTOS RELEVANTES NA IMPLANTAÇÃO DO E-COMMERCE Considerações Iniciais A Estrutura do E-Business A Tecnologia por trás da Internet e os Principais Centros Geradores de Custos de Infra-Estrutura Redes Locais Teleprocessamento Protocolos de Comunicação WWW World Wide Web Correio Eletrônico Endereços na Internet Barreiras de segurança Custos de Operacionalização Custo das Áreas de Apoio Custo de Depreciação Conteúdo Prático Análise dos resultados Análise dos resultados das principais atividades Análise dos resultados dos principais objetos de custo Comparação dos Resultados Obtidos utilizando-se os Sistemas de Custeio Tradicional e o ABC Considerações Finais CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES Consideração Inicial Sinopse do Trabalho Considerações Finais Sugestão de Continuidade REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS x

13 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 Considerações Iniciais Este capítulo apresenta uma breve introdução sobre a prestação de serviços eletrônicos ao cliente via Internet, em uma empresa Seguradora. São abordados os objetivos, as justificativas, a metodologia científica e a estrutura do trabalho. 1.2 Proposta do Trabalho O segmento de Seguros no Brasil, de acordo com Westenberger e Fassbender (1997), vem registrando uma série de mudanças nos últimos anos, tais como a liberação das tarifas, aumento significativo do faturamento no setor, a maior facilidade de entrada de capital estrangeiro, a possível quebra do monopólio do IRB (Instituto de Resseguros do Brasil), a expectativa de aprovação da Reforma da Seguridade Social, o aumento constante de investimentos em novas tecnologias, dentre outros. Neste cenário, tem sido observado um acirramento da concorrência, fazendo com que as empresas procurem adotar medidas no sentido de obterem maior eficiência operacional, para garantir a própria sobrevivência. Além destes fatos, a estabilização da economia, com a implantação do Plano Real, a partir do segundo semestre de 1994, fez com que as seguradoras sofressem uma significativa queda na receita de suas aplicações financeiras, evidenciando-se a necessidade de uma maior eficiência nas atividades inerentes ao próprio negócio.

14 Capítulo 1 Introdução 2 Com isso, as empresas de seguros foram inseridas em uma nova economia, em que a informação em todas as suas formas torna-se digital, reduzida em bits armazenados nas memórias dos computadores e correndo na velocidade da luz através das redes. Este novo cenário está criando tendências conflitantes, conforme Albertin (1998), exigindo que as empresas repensem suas missões. Ambientes virtuais e vários outros fatores estão pressionando as estruturas de custos das grandes empresas. O tempo para alcançar o mercado é exíguo, principalmente quando os produtos têm uma vida competitiva de um ano, um mês, uma semana ou algumas horas, como no caso dos produtos de seguros. O resultado final desta dissertação realça o aperfeiçoamento do sistema de custeio de uma empresa de Seguros, infiltrando-se em temas relacionados à tecnologia digital, telecomunicação, computadores, software ociosidade de equipamentos de prestação de serviços, depreciação, demanda de serviços eletrônicos e análise competitiva de custos. 1.3 Objetivos O principal objetivo desta dissertação de mestrado é contribuir para a investigação e organização dos conceitos de custos em empresas de seguros focadas em áreas de prestação de serviços eletrônicos via Internet. Ao precisar, especificamente, o custo das principais transações da Internet / E- Commerce, este estudo colabora para uma administração adequada de custos e para renovação dos modelos de custeio existentes. Para que seja possível o alcance deste objetivo, o estudo será desdobrado nas seguintes etapas:? Levantar os conceitos das metodologias de custeio aplicáveis ao setor de seguros existentes na literatura.

15 Capítulo 1 Introdução 3? Apresentar a conceituação da metodologia de custeio proposta, fazendo uma comparação apontando as vantagens e desvantagens com as metodologias apresentadas.? Implementar a metodologia proposta e analisar os resultados obtidos. São estas, pois, as fontes que guiam as linhas de raciocínio deste trabalho de pesquisa e investigação. 1.4 Justificativas Nakagawa (1990, p. 1) relata [...] que, especialmente, nas duas últimas décadas o recrudescimento da competição global tem sido de tal ordem que as empresas vêm sendo compelidas a se comprometerem seriamente com a chamada Filosofia de Excelência Empresarial. De acordo com Wernke (2000), a Inovação Tecnológica, mais que o acesso a recursos ou capital, tem se tornado imprescindível. Os clientes têm mudado suas necessidades, criando a expectativa de que as empresas precisam prover melhor qualidade, produtos adequados, rapidez, menor preço, com melhores serviços e garantia de responsabilidade social. A Internet apresenta uma série de possibilidades interessantes para as empresas realizarem negócios e melhorarem sua performance e lucratividade. Cada vez mais empresas buscam, na Internet, auxílio para otimizar a divulgação de seus produtos e serviços, atendendo a um maior número de possíveis clientes. Paralelamente a essa atividade básica de divulgação de produtos e serviços, diversos setores têm procurado estabelecer pontos de venda na Internet, através do Comércio Eletrônico (Ecommerce). A introdução da Internet no ambiente empresarial altera radicalmente o meio em que as

16 Capítulo 1 Introdução 4 empresas se encontram inseridas, num fenômeno também conhecido como e-volução (ALSOP, 1999). Além da constante evolução tecnológica, conforme Fleury (2000), [...] o mercado em que as mesmas atuam passou a evoluir. As cadeias produtivas existentes tendem a ser alteradas, com o surgimento de novos elos e o desaparecimento de outros. Segundo as palavras de Puterman (1999), [...] não existem mais possibilidades de mágicas administrativas ou burocráticas que revigorem negócios e empresas estabelecidas. O momento é de revisão de estratégias e de investimento num futuro que está sendo rapidamente reconstruído. Todavia, o que se tem constatado é que esta verdadeira revolução na organização das empresas através da utilização destas tecnologias avançadas tem encontrado um forte obstáculo, que tem inviabilizado o seu sucesso continuado. Muitas empresas, segundo Pamplona (1997), utilizam-se de conceitos e sistemas de custeio desenvolvidos há quase um século quando a natureza da competição e as demandas por informações internas eram muito diferentes das existentes atualmente. Os sistemas de custeio tradicionais foram desenvolvidos para avaliação de inventários. Tendo em vista a necessidade de se elaborar demonstrações contábeis e fiscais, têm sido continuamente aperfeiçoados através do tempo. Entretanto, tais sistemas não proporcionam aos gestores, que buscam a eficiência e a eficácia das operações, a informação precisa e oportuna de que eles necessitam para a gestão e mensuração dos custos, em ambiente de tecnologia avançada. 1.5 Limitações do Trabalho Vários desafios se impõem a este trabalho. A começar pelo acesso às informações de outras companhias; outro ponto importante diz respeito à contabilidade de custos tradicional,

17 Capítulo 1 Introdução 5 desenvolvida na primeira metade do século XX, e que, como conseqüência, não acompanha as exigências por uma demanda de informações mais precisas e rápidas. Outra limitação é o modelo de depreciação contábil, sobre o qual é necessário um estudo aprofundado em termos de utilização dos equipamentos - efetiva e potencial - ao contrário do tratamento simplista que é dado pela legislação em vigor. Somados a esses desafios, poder-se-ia acrescentar a estrutura de telecomunicações brasileira. Sob a ótica do que se chama Custo Brasil, a expansão de uma tecnologia mais efetiva e eficaz, por todo o território nacional, encareceria demais o custo final do seguro. Por último, a maior limitação do presente estudo é a participação direta do cliente no processo, em substituição aos modelos de atendimento tradicionais. Essas características serão tratadas no decorrer da pesquisa. 1.6 Metodologia de Pesquisa O método de pesquisa adotado baseou-se em restringir ao máximo o tema, focando essencialmente as áreas de atuação tecnológica e o mercado segurador, com base em uma revisão da bibliografia existente e dados disponíveis sobre o assunto. De acordo com Eco (1993, p ), um estudo científico: 1) [... aborda] um objeto reconhecível e definido de tal maneira que seja reconhecível igualmente pelos outros [...] 2) [...] deve dizer algo que ainda não foi dito ou rever sob uma ótica diferente o que já se disse [...] 3) [...] deve ser útil aos demais 4) [...] deve fornecer elementos para a verificação e constatação das hipóteses apresentadas e, portanto, para uma continuidade pública. Segundo Bryman (apud ABENSUR, 1997, p.6), [...] existem duas abordagens para pesquisa: qualitativa e quantitativa. A principal diferença entre elas está na posição do indivíduo como observador. Na abordagem qualitativa o indivíduo é o sujeito ativo e

18 Capítulo 1 Introdução 6 interage junto ao ambiente na qual está inserida. A abordagem quantitativa faz diferenciações oriundas da literatura ou das teorias. A abordagem qualitativa tem as seguintes características, segundo Nakano e Fleury (1996, p. 5) citando Bryman:? O pesquisador observa os fatos sob a ótica de alguém interno à organização.? A pesquisa busca uma profunda compreensão do contexto da situação.? A pesquisa enfatiza o processo dos acontecimentos, isto é, a seqüência dos fatos ao longo do tempo.? O enfoque da pesquisa é mais desestruturado, não há hipóteses fortes no início da pesquisa. Isso confere à pesquisa bastante flexibilidade.? A pesquisa emprega mais de uma fonte de dados. Conforme os mesmos autores (1996, p. 2), também citando Bryman: [...] a abordagem quantitativa reforça os seguintes aspectos:? A hipótese deve conter conceitos que possam ser medidos para sua verificação. O processo de transformar conceitos em medidas é chamado de operacionalização.? A hipótese também deve demonstrar uma relação de causa-efeito, seja de forma explícita ou implícita.? A pesquisa deve se preocupar com a generalização, isto é, devem-se buscar conclusões que possam ser generalizadas ultrapassando os limites restritos da pesquisa.? A pesquisa deve se preocupar com a replicação dos fenômenos pesquisados, ou seja, deve ser possível a um outro pesquisador, utilizando os mesmos procedimentos, verificar a validade dos resultados encontrados. De acordo com Bryman (apud ABENSUR, 1997, p.8), [...] os principais métodos de pesquisa são: pesquisa experimental, a pesquisa de avaliação, a pesquisa-ação e o estudo de caso. Regra geral a pesquisa experimental e a pesquisa de avaliação são usadas na abordagem quantitativa, já a pesquisa-ação e o estudo de caso são relacionados à abordagem qualitativa. Apresentar-se-á, a seguir, de forma resumida, os quatro métodos de pesquisa : Pesquisa Experimental (TURRIONI, 2004) O pesquisador tem facilidade para estabelecer relações causais entre variáveis independentes e dependentes. O experimento busca testar algo e observar as conseqüências da ação promovida através de controle, eliminando explicações alternativas para relações de causa e efeitos.

19 Capítulo 1 Introdução 7 Contudo, em sistemas organizacionais que têm diversas variáveis em um amplo campo de atuação, o controle sobre estas relações causais fica restrito. Pesquisa de Avaliação (ABENSUR, 1997, p.8) A pesquisa de avaliação associa um tratamento estatístico e subseqüentes análises e interpretações através de uma composição de questionários autoaplicáveis por entrevistas estruturadas. A coleta é estabelecida para um conjunto de variáveis reconhecidas para um determinado momento. Este método estabelece como pré-requisito, amostras estatísticas representativas nem sempre possíveis de serem levantadas. Estudo de caso (TURRIONI, 2004) O estudo de caso é o exame detalhado de uma ou mais unidades de análise, com ênfase do ponto de vista de seus integrantes com o objetivo de expandir e generalizar teorias. É uma pesquisa investigando-se um fenômeno atual dentro do contexto real, com fronteiras não claramente definidas e utilizando-se de várias fontes de evidências. Pesquisa-ação (TURRIONI, 2004) Neste método o pesquisador atua e também intervém no objeto de estudo, com o objetivo de resolver um problema específico e construir conhecimento, além disso, o pesquisador acompanha a repercussão das atitudes feitas sobre a organização. Em suma é um método de apoio que pode ser aplicado em auxílio aos outros métodos descritos. Definição do Método de Pesquisa (NAKANO; FLEURY, 1996, p. 7) A Engenharia utiliza amplamente os métodos de pesquisa quantitativos. Porém dentro do escopo da Engenharia de Produção, principalmente nos estudos organizacionais, o uso de métodos qualitativos, ou de um método misto deve ser considerado, tomando-se os cuidados necessários de rigor metodológico. Tendo em vista a abordagem qualitativa ser a mais apropriada, concluí-se que o método de estudo de caso é o mais adequado para o ambiente analisado.

20 Capítulo 1 Introdução Estrutura do Trabalho No capítulo 1, são feitas as considerações iniciais a respeito do trabalho a ser desenvolvido. São apresentados os Objetivos, Justificativas, Limitações, a Metodologia da Pesquisa e a Estrutura do Trabalho. O capítulo 2 discorre sobre o cenário atual, história, evolução e o desempenho do setor de seguros, no mundo e no Brasil, suas particularidades e os principais grupos de contas de uma empresa de Seguros. Serão abordados, no capítulo 3, os principais conceitos teóricos referentes à evolução tecnológica desde a Revolução Industrial até os dias de hoje, conceito de modelo de administração virtual, a Internet em ambientes financeiros (bancos, corretoras e seguradoras) e a conceituação do sistema analisado, como ela será utilizada na empresa. O capítulo 4 traz uma breve análise das metodologias de custeio aplicáveis ao setor de seguros, definição de custos, definição de custos em empresas de seguros, contabilidade gerencial, os métodos de custeio: Absorção, Custeio Direto ou Variável, Custeio Padrão e o Custeio ABC (Activity-Based Costing). No capítulo 5, é apresentada a conceituação da metodologia de custeio utilizada na companhia analisada. Far-se-á uma comparação apontando as vantagens e desvantagens da metodologia utilizada pela empresa e a apresentada como modelo. Já no capítulo 6 apresentar-se-á o caso prático: custeio de serviços em empresas de seguros por meio eletrônico. Neste capítulo é apresentada detalhadamente a formação de todas as variáveis de custeio desenvolvidas para os ambientes de inovação tecnológica. E, no capítulo 7, as recomendações e conclusões finais.

21 Capítulo 1 Introdução Considerações Finais Embora muito tenha sido dito a respeito de metodologias de custeio, a particularidade do presente trabalho está concentrada na abordagem de custos em uma empresa de seguros referentes aos serviços eletrônicos via Internet. Este estudo procura aprimorar os sistemas de custeio existentes neste segmento, introduzindose em temas relacionados a: informática, telecomunicação, depreciação, recursos gastos em áreas de suporte, canais de distribuição e filiais, e finalizando com uma análise competitiva de custos. Entre outros tópicos, o próximo capítulo discorrerá sobre o cenário atual, história, evolução e o desempenho do setor de seguros, no mundo e no Brasil.

22 CAPÍTULO 2 CENÁRIO SETORIAL EM SEGUROS 2.1 Considerações Iniciais Tendo concluído a apresentação inicial do trabalho, neste capítulo serão analisadas, através de um breve relato, a história e as terminologias da atividade seguradora, apontando as evoluções ocorridas no setor nos últimos tempos no mundo e no Brasil, apresentando os seus principais produtos, sua produção econômica, expectativas do setor, entender um pouco como é a sua contabilidade e a apuração de seus custos em algumas das principais empresas do setor. 2.2 História do Seguro, no Mundo e no Brasil A fim de expressar melhor o significado da palavra seguro, Ferreira (1985) define seguro como tudo aquilo livre de risco; protegido, acautelado, garantido. Segundo Luccas Filho (2000), a própria palavra seguro já traz a idéia de proteção, prevenção, previdência. Ainda de acordo com Ferreira (1985), a necessidade de segurança parece ser própria do ser humano. Na Babilônia, 23 séculos a.c., os condutores de camelos que atravessavam o deserto em caravanas para comercializar animais nas cidades vizinhas, temendo o risco de morte ou desaparecimentos de animais durante a viagem, acordavam entre si que, em caso da concretização do evento, se cotizariam para entregar outro animal ao membro do grupo prejudicado.

23 Capítulo 2 Cenário Setorial em Seguros 11 Povos da antiguidade, como hebreus e fenícios, também faziam acordos semelhantes para garantir a reposição das embarcações se acontecesse alguma adversidade na travessia entre os mares Egeu e Mediterrâneo. Na Idade Média, de acordo com a Superintendência de Seguros Privados SUSEP (2004), organizou-se a proteção coletiva em termos de socorros mútuos, que compreendiam os montepios, confrarias, misericórdias e associações de artes e ofícios. Desde então, a Igreja Católica reconhece a importância da doutrina moral e social baseada na solidariedade que se articula em torno das formas de mutualismo (repartição do prejuízo pelo total de participantes de um mesmo grupo). Os Papas destaque para Leão X no século XVI referem-se à atividade seguradora (lato sensu) de proteção e assistência moralmente recomendável. Seu fundamento era próximo da caridade e os reis católicos Dom João I, de Portugal, entre eles demonstravam seu apreço pelo mutualismo. Foi esse monarca o criador do Compromisso Marítimo de Faro em 1432, para assistir e conceder pensões de sobrevivência a associados que perdiam a capacidade laboral ou contributiva. Nesse estágio de desenvolvimento, o mutualismo chegou ao Brasil, nas primeiras décadas após o descobrimento. Alinhando-se entre as mais antigas atividades econômicas regulamentadas em nosso país, o seguro e a previdência foram criação de jesuítas e, em especial, do Padre José de Anchieta, incentivador do mutualismo ligado à assistência. A regulamentação mais remota da atividade seguradora data de 1791, quando foram promulgadas as Regulações da Casa de Seguros de Lisboa, que foram mantidas em vigor até a proclamação da independência em Anos antes, em 1808, com a abertura dos portos brasileiros, tivera início a exploração de seguros marítimos, através da Companhia de Seguros Boa Fé, sediada na Bahia. Foi a primeira seguradora a funcionar no país.

CUSTEIO DO E-COMMERCE: UM CASO EM UMA EMPRESA DE SEGUROS

CUSTEIO DO E-COMMERCE: UM CASO EM UMA EMPRESA DE SEGUROS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Sidney Leone CUSTEIO DO E-COMMERCE: UM CASO EM UMA EMPRESA DE SEGUROS Dissertação submetida ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção como requisito parcial

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

NÚMEROS DO MERCADO DE SEGUROS ALTERAÇÕES DE CONCEITOS NÚMEROS SUSEP SES

NÚMEROS DO MERCADO DE SEGUROS ALTERAÇÕES DE CONCEITOS NÚMEROS SUSEP SES NÚMEROS DO MERCADO DE SEGUROS ALTERAÇÕES DE CONCEITOS NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 Curitiba, 2 de julho de 2014. Ilmos. Senhores, Presidentes de Seguradoras, Previdência

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Siscorp Serviços e Informática Ltda. Alameda Ministro Rocha Azevedo, 38 Cj.1202 - Ciragan Office - CEP: 01410-000 Cerqueira Cesar - São Paulo - SP -

Siscorp Serviços e Informática Ltda. Alameda Ministro Rocha Azevedo, 38 Cj.1202 - Ciragan Office - CEP: 01410-000 Cerqueira Cesar - São Paulo - SP - EVOLUÇÃO DO MERCADO DE SEGUROS NO BRASIL PROJEÇÕES PARA 2009 A 2012 CRITÉRIOS UTILIZADOS Este trabalho foi desenvolvido com o cenário de que no início do quadriênio 2009 a 2012 haverá uma redução moderada

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

R isk O ffice PGBL E VGBL RANKING DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO

R isk O ffice PGBL E VGBL RANKING DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO PGBL E VGBL RANKING DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO ELABORADO PELO RISK OFFICE EM JULHO DE 2005 Este relatório apresenta os resultados do trabalho realizado pelo Risk Office ("Relatório Risk Office"), em consonância

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO (cultura do seguro) www.sindsegsc.org.br A história do seguro remonta a séculos antes de Cristo, quando as caravanas atravessavam os desertos do Oriente para comercializar camelos.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Projeto APAS Affinity Auto

Projeto APAS Affinity Auto Projeto APAS Affinity Auto Índice Objetivo Parceiros Produto Estrutura de Atendimento Preços Por Amostragem Objetivo Desenvolver produtos de seguros e benefícios para funcionários, dirigentes e sócios

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D.

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. CATEGORIA:

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Thais Pereira Teixeira

Thais Pereira Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Thais Pereira Teixeira ESTRATÉGIA COMPETITIVA E COMÉRCIO ELETRÔNICO: ESTUDOS

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Institui regras e procedimentos para o cálculo do patrimônio líquido ajustado exigido das sociedades supervisionadas.

Institui regras e procedimentos para o cálculo do patrimônio líquido ajustado exigido das sociedades supervisionadas. Quadro comparativo entre Resolução CNSP 085/02 e a Minuta de Resolução, com as alterações propostas Resolução 085/2002 Minuta de Resolução Minuta de Resolução Dispõe sobre o Patrimônio Líquido Ajustado

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais