Para que haja a proteção da biodiversidade, se faz necessário a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para que haja a proteção da biodiversidade, se faz necessário a"

Transcrição

1 101 Unidades de Conservação no Estado de Sergipe Laura Jane Gomes * Valdineide Santana ** Genésio Tâmara Ribeiro *** Resumo Para que haja a proteção da biodiversidade, se faz necessário a criação de mecanismos de gestão, com o envolvimento de instâncias públicas e não governamentais, bem como o diálogo entre as esferas de governo. Este artigo tem por objetivo contextualizar a importância da biodiversidade existente bem como analisar as diferentes categorias de unidade de conservação criadas no estado de Sergipe. São quatro categorias de unidades de conservação criadas em Sergipe, nas diferentes esferas de governo. Porém, observa-se a necessidade de mecanismos mais efetivos de planejamento e gestão para que estas áreas sejam efetivamente consolidadas e cumpram os propósitos para as quais foram criadas. PALAVRAS-CHAVE: Biodiversidade, Áreas protegidas, Desenvolvimento Sustentável. * Professora Doutora do Departamento de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de Sergipe. ** Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente/NESA/UFS-SE, analista ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis-IBAMA Sergipe. Valdineide Santana - *** Professor Doutor do Departamento de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de Sergipe.

2 102 Laura Jane Gomes; Valdineide Santana; Genésio Tâmara Ribeiro Introdução No início do século XX, os ecossistemas naturais do Nordeste estavam em grande parte degradados, pois os remanescentes florestais já se encontravam na sua quase totalidade, constituídos por formações secundárias. Grande parte das florestas de Sergipe e da Bahia é atualmente constituída de capoeiras em diferentes estádios sucessórios (Rêgo e Hoeflich, 2001). Um dos aspectos mais graves da retirada da cobertura está diretamente relacionado à perda da biodiversidade. O termo biodiversidade é atualmente aceito como um conceito científico amplo, que envolve a diversidade de vida na terra. Esta diversidade é geralmente descrita em três níveis - diversidade de ecossistemas, diversidade de espécies nos ecossistemas e diversidade de genes na espécie. Porém, biodiversidade além de um conceito científico é um conceito político que abrange uma tríade de objetivos globalmente envolvidos: a conservação da própria biodiversidade, o uso sustentável de recursos biológicos e o compartilhamento social eqüitativo dos benefícios que surgem deste uso (Vorhies, 1999). Além do uso direto, deve-se considerar ainda os efeitos indiretos da manutenção da biodiversidade, como o seqüestro de carbono, produção de oxigênio, e, para o nordeste, o mais importante, a proteção dos recursos hídricos. Para que haja a proteção da biodiversidade, é necessária a criação de mecanismos de gestão, com o envolvimento de instâncias públicas e não governamentais, bem como o diálogo entre as esferas de governo. O estado de Sergipe não possui uma política florestal apesar da grande demanda que a sociedade tem por espécies florestais, para os mais diversos fins: geração de energia, construção civil e uso cultural. Como consumidores pode-se destacar as olarias, padarias, casas de farinha, indústrias e as festas emanadas pelas tradicionais fogueiras de São João e São Pedro. Esta demanda é suprida por madeira de plantios, de pinos e eucalipto, procedentes de outros estados ou dos remanescentes florestais das localidades próximos aos estabelecimentos. Além da lenha, verifica-se também por parte da população o uso intenso das plantas nativas para fins medicinal, cosmético e condimentar que são comercializados nos mercados populares, como também espécies que vem sendo comercializadas em escala industrial. Exemplo é o extrativismo da aroeira da praia (Schinus terebentifolius), na região do baixo São Francisco. Em 2005, esta região forneceu 40 toneladas de frutos de aroeira para compradores do estado do Espírito Santo. Apesar de ser o menor estado do país, com km 2, Sergipe possui seis bacias hidrográficas de significativa importância para o desenvolvimento interno da agricultura e turismo: São Francisco, Sergipe, Japaratuba, Vaza Barris, Piauí e Real. Devido ao intenso processo de substituição desordenada das áreas com vegetação nativa por atividades agropecuárias, cidades, estradas e indústrias, as áreas de preservação permanente do estado encontram-se quase que em sua totalidade desprotegidas, o que compromete a manutenção das nascentes e conseqüente disponibilidade de água. Outro aspecto agravante é a ausência do tratamento de efluentes industriais e domésticos, que são despejados diretamente nos cursos d água comprometendo a qualidade desse recurso. Um dos mecanismos para a conservação da biodiversidade é a criação de unidades de conservação. Entretanto, a consolidação destas áreas não é simples, pois depende de inúmeros fatores nem sempre favoráveis à sua implantação. Em comparação à outras regiões brasileiras, observa-se que Sergipe é um dos estados da federação com menor percentual de áreas de proteção integral. Por diversas vezes depara-se com setores da sociedade que não compreendem a importância da criação destas áreas e que

3 Unidades de conservação no Estado de Sergipe 103 desenvolvimento e conservação não são opostos e podem ser conciliados por meio de ferramentas de planejamento e gestão ambiental. Este artigo se propõe a discutir a importância de se criar Unidades de Conservação no estado de Sergipe dentro das categorias de uso indireto ou sustentável, segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação. 1. Unidades de Conservação no Brasil: da beleza cênica à conservação da biodiversidade A criação de Áreas Protegidas nos Estados Unidos, como o Parque Nacional de Yellowstone (1872) e Yosemite (1890), primeiros Parques Nacionais do mundo, forneceram um modelo que foi reproduzido por outros países, embora tendo sido adotado muitas vezes com diferentes significados e em diferentes circunstâncias (Mccormick, 1992). A primeira Unidade de Conservação no Brasil, na forma de Parque Nacional, foi criada em 1937, sendo coordenada e administrada pelo Serviço Florestal Brasileiro, órgão criado em 1921 e regulamentado em No Brasil, o conceito ortodoxo de Parque Nacional foi criado pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (1981): Parques Nacionais são áreas maiores de 10 km 2 com características espetaculares ou únicas, em terra ou no mar, sob controle do poder público. Eles devem conter amostras representativas de ecossistemas e ser administráveis em um estado natural. Toda atividade produtiva ou uso direto de recursos é proibida nos seus limites, a cada Parque é sujeito apenas o uso indireto de seus recursos. Os visitantes usufruem lazer contemplativo, caminhadas, piqueniques, acampamentos, escaladas; os pesquisadores científicos podem desenvolver projetos de investigação, sob o controle da administração de cada Parque. Com o passar do tempo, os critérios para seleção de áreas a serem protegidas se sofisticaram, abandonando a ênfase inicial nas paisagens espetaculares. As políticas de criação de Parques passaram a se guiar por critérios científicos, tais como a representatividade ecossistêmica, escassez relativa de paisagens, proteção à flora, fauna e recursos hídricos, defesa da biodiversidade e dos ciclos reprodutivos de espécies vegetais e animais, e por critérios sociais como a oferta de lazer, o desenvolvimento da pesquisa científica e a educação ambiental (Drummond, 1997). Tais critérios científicos passaram a ser utilizados no Brasil somente na década de 80 (Ferreira, 1999). Os fatores que estabeleceram os propósitos de criação das Unidades de Conservação apresentam uma história recente. O maior impulso foi dado na década de 70, a partir das propostas de desenvolvimento sustentável, conceito que surgiu em contraposição ao modelo de desenvolvimento econômico vigente. A partir do Relatório Brundtland, passando pela II Conferência Mundial das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Rio92), até os dias de hoje, várias ações têm contribuído para que a conservação da natureza venha a ser um fato concreto. Reconhecendo que a conservação requer alguns enfoques mais flexíveis de gestão, muitos países começaram a desenvolver meios para aumentar o leque dos Parques Nacionais estritamente protegidos (McNeely, 1993). O próprio conceito de Parque passou a ser questionado com o passar do tempo e deixou de ser visto como unidade auto-suficiente, para ser tratado como parte integrante da dinâmica da paisagem regional (Schonewald-Cox et al., 1992). Uma cadeia de áreas protegidas deve ser vista como um conjunto de esforços de uma nação, ou sociedade, para manter a biodiversidade, assegurando o bem das populações locais. Ela deve garantir inclusive a preservação de fontes de água, com a finalidade de manter o abastecimento de grandes cidades (Phillips e Sheppard, 2000). Ao conservar a biodiversidade as nações estarão garantindo a qualidade de vida das futuras gerações. Os diferentes ecossistemas florestais contêm uma vasta quantidade de recursos vivos, onde muitos foram transfor-

4 104 Laura Jane Gomes; Valdineide Santana; Genésio Tâmara Ribeiro mados, ou podem ser transformados em alimentos, produtos medicinais e comerciais de importância mundial (Stone et al, 1997). O Brasil é um dos países mais ricos dentre aqueles chamados de países da megadiversidade, e conta com 10 a 20% do total das espécies do planeta. Tem, a flora mais diversa, com 50 a 56 mil espécies descritas de plantas superiores, ou 20 a 22% do total mundial, e a fauna dispõe de pelo menos 10% dos anfíbios e mamíferos e 17% das aves do planeta. Talvez nunca se conheça com absoluta precisão toda a diversidade biológica brasileira, encontrável na área continental e na plataforma marítima, tal sua extensão e complexidade (Brasil, 1998). As áreas protegidas transformaram-se em locais essenciais para se garantir a conservação da biodiversidade. Esse fato é até mesmo mencionado no artigo 8 da Convenção da Diversidade Biológica (CDB), sendo apontado como um dos maiores desafios dessa convenção, assinada na Rio 92 por 155 países, que passou a vigorar em todo território nacional em fevereiro de exclusivamente como a preservação de espécies e áreas isoladas mediante listas de espécies e proteção de espaços. A conservação da biodiversidade deve realizar-se também em zonas manejadas pelo homem (Guillén e Jongman,1994), devendo-se levar em conta que, a diversidade genética pode aumentar ou reduzir através do sistema de gestão a que se aplica (McNeely, 1993). Diante da exposta ilustração da problemática, que envolve a proteção da biodiversidade, vários questionamentos e mecanismos têm sido criados a fim de se estabelecer estratégias de conservação. Apesar das áreas protegidas não se destacarem diretamente em valores monetários, como exige o sistema econômico vigente, ela possui uma série de atributos e gera benefícios cujos valores podem ser comparados ao que acontece com as escolas, corpo policial e hospitais. Ao converter tais áreas em partes de planos de desenvolvimento regional é possível assegurar-se um equilíbrio adequado entre custos e benefícios de um determinado local (McNeely, 1993). A falta de uma visão estratégica sobre a sua importância e a existência de um sistema econômico mal adaptado são as principais causas que contribuem para a destruição da biodiversidade. Para Léveque (1999) na maior parte dos países, os sistemas econômicos não levam em conta o meio ambiente e os recurso naturais. O valor econômico de muitos dos produtos comestíveis, e mesmo a pesca, a caça e a coleta de madeiras para lenha, madeira de lei e de plantas medicinais é freqüentemente subestimado, pois não aparece nas contas nacionais. Não há tampouco uma política elaborada para uma utilização durável dos recursos e, geralmente, privilegia-se o lucro a curto prazo, no contexto de uma economia de mercado. Consequentemente, pode parecer economicamente mais interessante abater uma floresta que conservá-la. De qualquer forma a conservação da natureza e, portanto, da biodiversidade, não pode ser entendida No Brasil, de acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC, 2000), as áreas protegidas dividem-se em dois grupos: Unidades de Proteção Integral e Unidades de Uso Sustentável. As Unidades de Proteção Integral tem por objetivo básico preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais. Neste grupo encontram-se: Estação Ecológica (ESEC), Reserva Biológica (REBIO), Parque Nacional (PARNA), o Monumento Natural e o Refúgio de Vida Silvestre. Já as Unidades de Uso Sustentável têm como objetivo básico compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais. Neste grupo incluem-se as seguintes categorias: Área de Proteção Ambiental (APA), Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE), Floresta Nacional (FLONA), Reserva Extrativista (RESEX), Reserva de fauna, Reserva de Desenvolvimento Sustentável e Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).

5 Unidades de conservação no Estado de Sergipe 105 Apesar de existir um número razoável de áreas protegidas distribuídas em várias categorias de manejo pelo Brasil, verifica-se sob o aspecto ecológico que muitos ecossistemas ainda precisam ser preservados, não somente pela diversidade biológica, mas também pelas particularidades culturais das populações que neles vivem de forma sustentável, sendo a Caatinga é um bom exemplo. 2. Unidades de Conservação no estado de Sergipe Apesar de ser o menor Estado em extensão territorial do Brasil, Sergipe apresenta peculiaridades ecossistêmicas que merecem destaque. Exemplo é o estudo realizado pelo Ministério do Meio Ambiente (Brasil, 2000; 2002; 2004), que fez um mapeamento estabelecendo áreas consideradas como de prioridade para a conservação da biodiversidade no planeta. Os estados de Sergipe e Alagoas aparecem com grandes faixas, em vermelho e amarelo, que indicam áreas extrema e alta prioridade para a conservação da biodiversidade, repectivamente (Figura 1). Os ecossistemas predominantes nestas regiões são, mata atlântica e caatinga. A mata atlântica, foi intensamente explorada desde a colonização do país, e reduzida, no estado de Sergipe a 0,1%. A caatinga tem sido intensamente explorada, com substituição de espécies vegetais nativas por cultivos e pastagens (Arruda, 2002). Em Sergipe, as faixas com prioridade extremamente alta ocupam quase que toda a região dos tabuleiros costeiros. Ao norte do estado, a faixa está em menor proporção na foz do rio São Francisco, aumentando a área no local onde ocupa grande parte da Reserva Biológica Santa Isabel, reforçando a importância desta área que abriga o Projeto Tartarugas Marinhas (TAMAR). Ao sul de Aracaju, a faixa maior corresponde ao Crasto, uma área particular, com ocorrência de mata atlântica, sendo um dos poucos fragmentos florestais de Sergipe em bom estado de conservação. A faixa amarela, que indica área de alta prioridade, está inserida a Serra de Itabaiana, onde na década de 90, passou a ser gerenciado pelo IBAMA, com o objetivo de consolidar uma unidade de conservação de proteção integral na área. Fonte: Brasil, 2002 Figura 1 - Áreas consideradas como de prioridade extremamente alta (vermelho) e alta prioridade (amarelo) para a conservação da biodiversidade nos estados de Alagoas e Sergipe.

6 106 Laura Jane Gomes; Valdineide Santana; Genésio Tâmara Ribeiro A Reserva Biológica Santa Isabel (REBIO) foi criada pelo Decreto n.º de em novembro de 1988, com a finalidade de proteger espécies das tartarugas marinhas, outrora abundantes, que procuram aqueles sítios em intervalos regulares, na estação reprodutiva. A área total da Reserva é de ha, sendo 45 km de praia limitados por duas barras dos rios Japaratuba e Barra do Funil. As invasões, poluição das praias e a perseguição às tartarugas são alguns conflitos encontrados nessa área. Ainda que criado desde 1988, não apresenta um Plano de Manejo e possui apenas 04 funcionários do IBAMA. Apesar dos conflitos, avanços já foram conquistados por meio do Projeto TAMAR que desenvolve projetos de educação ambiental com as comunidades do entorno. Segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC, 2000), a Reserva Biológica tem a finalidade de preservar a Biota, proíbe a presença de pessoas residindo na área, proíbe o uso dos recursos naturais e restringe as áreas para visitação pública. A Estação Ecológica da Serra de Itabaiana foi implantada em 1990, sob a administração do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA. Em decorrência dessa intervenção, o acesso da população à Serra, que até então acontecia sem qualquer tipo de óbice legal, passou a ser proibido (Santana, 2002). Antes da proibição, as pessoas usufruíam dos encantamentos daquela área alimentando uma tradição que passava de geração a geração. Desse modo, a Serra, mais do que uma paisagem, sempre representou uma motivação no imaginário da população, notadamente dos moradores da cidade de Itabaiana e arredores, permeando sua história e confundindo-se com ela. É exatamente essa tradição que o governo federal ignorou ao implantar naquela área uma Estação Ecológica, que, por definição, impede qualquer tipo de visitação pública, especialmente aquela destinada ao lazer (Santana, 2002). Apesar de tornar-se um local proibido, esta ação não foi suficiente para impedir a visitação à Serra, não restando outra alternativa ao IBAMA, que em 1980, reabriu a área para visitação pública. No ano de 2003, a Serra de Itabaiana recebeu cerca de 7000 visitantes procedentes de escolas de todo o Estado, além de receber visitantes que não são cadastrados (IBAMA, 2003). Santana (2002), defendeu a categoria de Parque Nacional para a área, o que veio a se consolidar em julho de 2005, via Decreto Federal. O IBAMA local tem estimulado a participação das populações locais para a criação da Associação Amigos da Serra de Itabaiana, com a finalidade de propiciar a participação e inclusão da sociedade no conselho consultivo da área. Além da Serra de Itabaiana, a área delimitada para o Parque Nacional abrange as Serras Comprida e Cajueiro, numa área total de 7.996,64 ha. Outra área de destaque é o Horto Florestal do Ibura, situado na sub-bacia do rio Cotinguiba que compõe a bacia hidrográfica do rio Sergipe (Santos, 2001). A vegetação é caracterizada por transição de mata atlântica com formação associada de manguezal, além de bosques de espécies exóticas (Eucalyptus citriodora), foi outrora, importante centro de lazer, principalmente de Aracaju e cidades circunvizinhas. Deve ser ressaltada a importância desta área, enquanto manancial para captação d água no abastecimento da região metropolitana de Aracaju. O Ibura gera mais de m 3 /dia de água, atendendo a demanda de parte dos municípios de Aracaju e Nossa Senhora do Socorro (Santos, 2001). Atualmente o sistema Ibura é o segundo maior contribuinte para o abastecimento de água da grande Aracaju, com aproximadamente 15%, beneficiando cerca de 100 mil pessoas. Deste modo, nota-se a importância do uso indireto da biodiversidade, sobretudo quando considerada a proteção da cobertura vegetal para a manutenção dos mananciais. O Horto do Ibura foi decretado como Floresta Nacional em setembro de A sua ascensão a unidade que favoreça o resgate e a valorização dos aspectos culturais, auxiliará na proteção e conserva-

7 Unidades de conservação no Estado de Sergipe 107 ção do patrimônio local que vem se deteriorando com o passar dos anos. Outro aspecto importante referese aos usos que as populações do entorno fazem dessa área. Em recente levantamento, realizado no povoado Estiva, foi indicado que esta área possui uma forte interação dos moradores do entorno. Os entrevistados afirmaram que utilizam a área para a obtenção de água para abastecimento de residências, meio de acesso, coleta de lenha, frutos, sementes, galhos e folhas para artesanato, retirada de madeira, cultivo de roça, coleta de caranguejo, incluindo a caça, sendo esta atividade citada em menor proporção o que reforça a necessidade da criação de uma unidade de conservação de modo a garantir o uso sustentável dos recursos pela população local (Silva et al, 2004). Biosfera da Mata Atlântica em outubro de Com 68 ha de Mata Atlântica, é proposto para o Parque um projeto de revitalização com recursos do Prodetur II. APA da Foz do Rio Vaza-Barris Ilha do Paraíso: Criada pela Lei Estadual N o 2795 de 30 de março de 1990, compreende área situada na foz do rio Vaza-Barris. A Ilha do Paraíso atualmente não mais se constitui em ilha uma vez que o depósito de sedimentos levaram a juntar a ilha ao continente, formando vasta planície de restinga onde predominam espécies singulares de vegetação. A área vem sofrendo forte pressão antrópica. Tais usos podem ter continuidade após a criação da Floresta Nacional (FLONA), pois segundo o SNUC (2000), esta categoria tem como objetivo básico o uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e a pesquisa científica, com ênfase em métodos para exploração sustentável das florestas nativas. Além das unidades de conservação federais acima citadas, existem outras cinco unidades de conservação criadas pelo Governo Estadual, todas Áreas de Proteção Ambiental (APA), a saber: APA do Morro do Urubu: localizada no Município de Aracaju, na área urbana, limita-se ao Norte com o rio do Sal, ao Leste com o rio Sergipe e, ao Sul e Oeste com as áreas urbanas da zona Norte do município. Trata-se de região onde originalmente predominava a Mata Atlântica e seus ecossistemas associados, além de enclaves de Cerrado. Criada e regulamentada pelos Decretos , de , e , de , a área vem sofrendo pressão urbana e se descaracterizando cada vez mais. O complexo de vegetação encontra-se hoje bastante comprometido, sobretudo pela invasão, construção e urbanização das favelas na área. Possui o único Posto Avançado do Estado O Parque José Rollemberg Leite, aprovado pela Reserva da APA do Litoral Sul: Transformada em Unidade de Conservação através do Decreto de 22 de janeiro de 1993, define a estrutura de ocupação da área compreendida entre a foz do Rio Vaza Barris e a desembocadura do Rio Real, com cerca de 55,5 km de costa e largura variável de 10 a 12 km, do litoral para o interior. Abrange os municípios de Itaporanga d Ajuda, Estância, Santa Luzia do Itanhy e Indiaroba. Insere-se nesta APA as praias mais habitadas do Estado, destacando-se a Caueira, Saco e Abais. Observa-se também as maiores áreas de Restingas arbóreas, Manguezais e manchas mais preservadas de Mata Atlântica. Dispõe de Plano de Manejo. APA do Litoral Norte: Foi criada em Caracteriza-se por apresentar uma diversificação de ambientes: Dunas, Restingas, Ilhas e Manguezais de extrema importância para a região. Tendo em vista que é localizada em área de pouco desenvolvimento e ocupação encontrase em bom estado de preservação. APA do Rio Sergipe: criada pela Lei Estadual N o 2.825, de julho de 1990, constitui-se como paisagem natural em todo o trecho do rio Sergipe que serve de divisa entre os municípios de Aracaju e Barra dos Coqueiros. Sofre

8 108 Laura Jane Gomes; Valdineide Santana; Genésio Tâmara Ribeiro pressão decorrente do desenvolvimento urbano. O Rio é ameaçado pelo lançamento de esgoto sanitário tanto de Aracaju quanto de Barra dos Coqueiros. Segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC, 2000), a APA é uma área em geral extensa, com um certo grau de ocupação humana, dotada de atributos abióticos, bióticos, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem-estar das populações humanas, e tem como objetivos básicos proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade dos uso do recursos naturais. No que se refere a criação de unidades de conservação em áreas privadas, Sergipe só dispõe de uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) efetivamente criada, a de Fonte da Bica, numa área total de 13,72 hectares com vegetação nativa, situada no município de Areia Branca, próximo ao Parque Nacional Serra de Itabaiana. As RPPNs são criadas mediante um termo de compromisso perante o IBAMA, que se configura na existência de interesse público, e averbados à margem da inscrição no Registro Publico de Imóveis. Sabe-se da necessidade em se estabelecer estratégias para a conservação do semi-árido Sergipano. As poucas áreas protegidas nessa categoria são da esfera municipal e abrangem pequenas áreas. Neste sentido, vem-se trabalhado na perspectiva de criar Unidades de Conservação nas áreas remanescentes com vegetação nativa da caatinga abrangendo os Estados de Sergipe, Alagoas e Bahia. Sergipe abriga também uma espécie de primata com risco de extinção no continente americano, o guigó (Callicebus coimbrai) que vem sendo pesquisado. A meta é adotar medidas urgentes e efetivas para a proteção dessa espécie. Outras áreas estão sendo estudadas no sentido de se criar novas unidades de conservação de modo que conciliem os propósitos de conservação com os anseios da população local. 3. Considerações finais A criação de novas unidades de conservação em Sergipe deve acontecer de forma a não transformar estas áreas desconectas do planejamento e desenvolvimento regional. Para isso, torna-se necessário o diálogo entre as esferas de governo. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação, criado em 2000, garante ampla participação da sociedade, desde a criação até a gestão da área. Deste modo, o IBAMA tem criado mecanismos de diálogo com a participação efetiva da sociedade. Deve-se lembrar que cabe ao poder público e à coletividade o dever de gestão dos recursos naturais para as presentes e futuras gerações, envidando esforços para a preservação e restauração de processos ecológicos, manejo das espécies e ecossistemas, proteção da diversidade e da integridade do patrimônio genético. Nenhuma das unidades de conservação criadas até o momento possui Plano de Manejo e parte delas nem mesmo possui uma estrutura de gestão para a articulação de ações sustentáveis. Para isso, a criação de unidades de conservação deve ser norteada por inúmeras possibilidades para o desenvolvimento de parcerias entre institutos de pesquisa, ensino e extensão além de Organizações Não Governamentais e deve ocorrer nas esferas federal, estadual e municipal. Não basta a criação de unidades de conservação na esfera federal sem que haja uma política na esfera estadual que possa garantir a extensão florestal, a restauração de áreas degradadas e o manejo sustentado dos recursos naturais (água, vegetação e solo) para dar suporte necessário ao desenvolvimento sustentável regional. A extensão rural deve acontecer de forma articulada com a questão ambiental, pois hoje está mais do que comprovado que não se pode pensar outra forma de educação que não aquela emancipadora,

9 Unidades de conservação no Estado de Sergipe 109 onde os atores envolvidos direta e indiretamente tomem consciência de que desenvolvimento e conservação não são opostos e podem ser conciliados via mecanismos de planejamento regional e local, via planos diretores e roteiro turístico de forma participativa. A criação de políticas públicas estaduais como o ICMS ecológico e a taxa de reposição florestal de acordo com as especificidades locais, também poderão contribuir para a conservação destas áreas. Portanto, desenvolvimento e conservação só serão alcançados se estabelecidos mecanismos mais efetivos de planejamento e gestão. Só assim, estas unidades de conservação serão efetivamente consolidadas e cumprirão os propósitos para as quais foram criadas.

10 110 Laura Jane Gomes; Valdineide Santana; Genésio Tâmara Ribeiro Referências Bibliográficas ARRUDA, M. B. Ecossistemas Brasileiros. Brasília: Edições IBAMA LÉVEQUE, C. A biodiversidade. Bauru: Ed. Univ. Sagrado Coração de Jesus p. BRASIL - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Primeiro Relatório Nacional para a Convenção sobre a Diversidade Biológica. Brasil: Brasília, BRASIL-MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Workshop: Avaliação e identificação de ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade do bioma caatinga BRASIL - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Biodiversidade Brasileira: avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Brasília 404p BRASIL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Áreas prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Portaria MMA nº 126: 27 de maio DRUMMOND, J. A. Devastação e preservação ambiental no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EDUFF (Coleção Antropologia e Ciência Política, 2). 306p FERREIRA, L. C. Conflitos Sociais. Texto de apoio didático da disciplina Conflitos de uso de recursos naturias do Curso de especialização Análise e Conservação de Recursos Naturais. NEPAM, UNICAMP/ PADCT, CIAMB. (1999). 9 p. GUILLÉN, M. D. F.; JONGMAN, R.H.G. Diversidade y agricultura. In: El Campo. Bilbao: Servicio del Banco Bilbáo Vizcaya. n MCCORMICK, J. Rumo ao Paraíso: a história do movimento ambientalista. Rio de Janeiro: Relume- Dumará p. MCNEELY, J. A. Los Esopacios protegidos y la biodiversidad: Un Nuevo Paradigma para el siglo XXI. Revista El Campo. Ed. Servicio de Estudios del Banco Bilbao Vizcaya: Bilbao. n PHILLIPS ; SHEPPARD. Protected areas and the Convention on Biological Diversity. Fifth Meeting of the Conference of the Parties to the Convencion on Biological Diversity. Nairoby: Kenya may RÊGO, G. M.; HOEFLINCH, V. A Contribuição da pesquisa florestal para um ecossistema em extinção: Floresta Atlântica do Nordeste do Brasil. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, p. (Embrapa Tabuleiros Costeiros. Documentos, 21). SANTANA, V. B. Serra de Itabaiana: das brumas do imaginario a cerca invisível. São Crsitóvão.: UFS. (Dissertação Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). 121p SANTOS, E. B. Influência associada da cobertura vegetal e solo sobre qualidade dos mananciais hídricos do Horto do Ibura. São Cristóvão, 2001.Monografia (Especialização em Gestão de Recursos Hídricos e Meio Ambiente) - Departamento de Agronomia, Universidade Federal de Sergipe. SCHONEWALD-COX, C.; BUECHNER, M.; SAUVAJOT, R.; WILCOX, B. A. Cross-boudary management between national parks and surrounding lands: a review and discussion. In: Environmental management. vol. 16, n.2, p

11 Unidades de conservação no Estado de Sergipe 111 SILVA, C. M.; LOBÃO, L. L.; GOMES, M. D. G.; SANTANA, V. B.; CRUZ, A. F.; SILVA, L. F.; BEZERRA, T. C.; ANJOS, R. L. C. C. dos; GOMES, L. J. Usos do horto florestal do Ibura pelas comunidades locais. In: VI Congresso de Iniciação Científica PIBIC-CNPQ/UFS, 2004, São Cristóvão. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico p SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: Decreto n , de 22 de agosto de ed. aum. Brasília: MMA/SBF, p. STONE D.; RINGWOOD, K; VORHIES, F. Business and Biodiversity: A Guide for the Private Sector. WBSCD/IUCN p. SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: lei n , de 18 de julho de VORHIES, Frank. An essay on biodiversity and globalisation p.

12

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA José Fernando (Zéca) Bianca 1. Objetivo Informar agentes de transformação social: instituições representantes do poder público; da sociedade

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL Unidades de Conservação do Estado do Maranhão Lívia Karen Ribeiro de Paula Souza Superintendente

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê CIESP DISTRITAL OESTE 07/08/2014 Apresentação para Ciesp Oeste - Agosto/2014 Sumário: 1. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. PLANO DEMANEJO

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009 Mosaicos de Áreas Protegidas na Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais Clayton F. Lino - Maio/ 2009 SNUC MOSAICOS LEI FEDERAL Nº 9.985-00 Art. 26. Quando existir um conjunto

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo:

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo: 4.4 - Unidades de Conservação Segundo PEREIRA et al., (1999) Unidades de Conservação (UCs) Costeiras e Marinhas são aquelas situadas na faixa que se estende desde o limite interior dos ambientes com influência

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 503 Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CURITIBA - DADOS GEOGRÁFICOS Área - 432,17 km2 Relevo - Levemente ondulado Extensão Norte Sul - 35 km Extensão Leste-Oeste

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC).

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC). Zoneamento O Zoneamento é o instrumento de ordenação territorial usado para atingir melhores resultados no manejo de qualquer unidade territorial básica (UTB). No caso desse exercício, as UTBs de interesse

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Nas décadas de 40, 50 e 60 (entre 1947 e 1963) a Votorantim adquire 245 títulos

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Fábio França Silva Araújo Departamento de Áreas Protegidas Ministério do Meio Ambiente Unidades de conservação: Espaços territoriais

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL OLIVEIRA, Maria Antônia Falcão de; VASCONCELOS, Mônica

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA Soraya Carvalho Pereira Rocha (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal/Universidade Aberta do Brasil Universidade de Brasília) Kátia

Leia mais

Monitoramento de Biodiversidade. Por Paulo Henrique Bonavigo

Monitoramento de Biodiversidade. Por Paulo Henrique Bonavigo Monitoramento de Biodiversidade Por Paulo Henrique Bonavigo CDB Convenção da Diversidade Biológica (Eco 92). Metas de Aichi 2020. 5 objetivos estratégicos A. Tratar das causas fundamentais de perda de

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL Kleber Santos Engenheiro Agrônomo M.Sc. Goiânia, 6 de maio de 2011 Política Ambiental Brasileira Início das discussão de políticas públicas ambientais,

Leia mais