Análise do sistema nacional de unidades de conservação (Lei nº de 18/07/2000) e as implicações para o turismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do sistema nacional de unidades de conservação (Lei nº 9. 985 de 18/07/2000) e as implicações para o turismo"

Transcrição

1 Análise do sistema nacional de unidades de conservação (Lei nº de 18/07/2000) e as implicações para o turismo Adalgisa Bandeira de Araújo (UnB) Resumo: Este estudo é uma análise racional e dedutível da Lei Nº 9.985/2000 que trata das Unidades de Conservação - SNUC. A finalidade é mostrar sua importância para a preservação da natureza os entraves e possibilidades de exploração do turismo consorciado com a identidade dos moradores locais, considerando sua contribuição na proteção da biodiversidade do país aliando preservação sustentável com visitações turísticas. Apesar dos avanços no que se refere à proteção ambiental, o Sistema merece críticas quanto à definição e identificação das categorias e atividades realizadas nas áreas. Como os parques nacionais, reservas biológicas e estações ecológicas, que tem características parecidas, porém estão em categorias distintas. Da mesma forma as reservas biológicas e estações ecológicas por não poderem receber visitantes nem para fins educacionais. Outro problema maior é concernente à presença de moradores tradicionais nos parques nacionais e reservas, pois a Lei foi criada sem considerar a existência deles, e hoje, sua retirada não acontecerá sem traumas. Enfim, a análise busca considerar a importância, aplicabilidade e implicações do desenho atual do Snuc para a comunidade local e para a área de turismo. Palavras-chaves: SNUC; Importância; Preservação; Implicações. 1. Introdução A atual classificação das Unidades de Conservação - UC, no Brasil, foi determinada pela Lei Federal 9.985, de que em suas disposições preliminares: [...] institui o Sistema Nacional das Unidades de Conservação - SNUC estabelece critérios e normas para sua criação, implantação e gestão das unidades de conservação. (art. 1º). A primeira grande distinção estabelecida pelo Snuc é na identificação das duas categorias de Unidades de Conservação: Unidades de Proteção Integral e Unidades de Uso Sustentável. Sendo que na Unidade de Proteção Integral, o objetivo básico é a preservação da natureza e da biodiversidade. Por isso, torna-se proibido qualquer uso direto dos recursos naturais. Mas, são permitidas atividades científicas, educacionais e recreativas. Incluindo-se nessa categoria as estações ecológicas, as reservas biológicas, os parques (nacionais, estaduais e municipais), os monumentos naturais e os refúgios de vida silvestre. Nas Unidades de Uso Sustentável, a característica é a compatibilidade entre a conservação da natureza e o uso sustentável de uma parcela dos recursos naturais existentes. Significa que, nas UCs, o desenvolvimento sócio-econômico da região fica diretamente subordinado à proteção dos ecossistemas. Nessa categoria se encontra as Áreas de Proteção Ambiental, as Áreas de Relevante Interesse Ecológico, as Florestas (nacionais, estaduais e municipais), as Reservas Extrativistas, as Reservas de Fauna, as Reservas de Desenvolvimento Sustentável e as Reservas Particulares do Patrimônio Natural. Uma categoria não se distingue em importância mais do quê a outra, mas em diferentes níveis de proteção. As combinações das diferentes unidades e suas adaptações às realidades locais, dão o caráter de sustentabilidade e conservação da natureza. 1

2 2. SNUC: características e importância O Snuc se caracteriza pelo estabelecimento de critérios e normas para a implantação e gestão das áreas de proteção ambiental. Sua contribuição para a manutenção da diversidade biológica e dos recursos genéticos no território nacional e águas da jurisdição brasileira, proteção das espécies ameaçadas de extinção, contribuição para a preservação e restauração dos ecossistemas, a promoção do desenvolvimento sustentável dos recursos naturais e utilização de práticas de conservação da natureza no processo de desenvolvimento. Neste sistema são definidas diretrizes que asseguram no conjunto das Unidades de Conservação a representação e amostras economicamente viável das diferentes populações, habitats e ecossistemas no seu perímetro; assegurando a participação efetiva das populações locais na criação, implantação e gestão das UCs, com base na concepção de participação segundo Touraine (1976) o processo mediante o qual os membros de uma sociedade tomam parte na produção, na gestão e no usufruto dos bens dessa mesma sociedade e fundamentado em seus pressupostos legais. Incentiva o apoio e cooperação de organizações não-governamentais, e/ou privadas, pessoas físicas com vistas ao desenvolvimento de estudos, pesquisas científicas, práticas de educação ambiental, atividades de lazer e de turismo ecológico, e outras ações que busque sua manutenção e sobretudo, assegurem autonomia, independência financeira e sustentabilidade da economia local. O Snuc garante sua gestão com a criação de organismos próprios como os conselhos consultivo e deliberativo, o Conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA, o Ministério do Meio Ambiente MMA e outros órgãos como o Instituto Chico Mendes e o IBAMA, nas esferas estaduais e municipais. Tais órgãos devem - entre outras ações - garantir uma alocação adequada dos recursos financeiros necessários para que, uma vez criadas, as unidades de conservação possam ser geridas de forma eficaz, ter autonomia administrativa e financeira, e ter ainda, a proteção de grandes áreas por meio de um conjunto integrado de unidades de conservação de diferentes categorias. Sendo as grandes áreas, próximas ou contíguas e suas respectivas zonas de amortecimento e corredores ecológicos, integrado às diferentes atividades de preservação da natureza, de uso sustentável dos recursos naturais e restauração dos ecossistemas, devem ser, contudo, protegidas. E que no conjunto das Unidades de Conservação nelas sejam representadas amostras, significativas e ecologicamente viáveis das diferentes populações, habitats e ecossistemas do território brasileiro, de maneira que se salvaguarde o patrimônio biológico existente (art. 5º, inciso I) e assegurem os mecanismos e procedimentos necessários ao envolvimento da sociedade no estabelecimento e na revisão das políticas nacionais de unidades de conservação para que se assegure a participação efetiva das populações locais na sua criação, implantação e gestão; além do apoio, cooperação de organizações nãogovernamentais, organizações privadas e pessoas físicas objetivando o desenvolvimento de estudos, pesquisas científicas, práticas de educação ambiental, atividades de lazer e turismo, ecológico, monitoramento, manutenção e outras atividades de gestão. A gestão do SNUC procura permitir o uso das unidades de conservação para a conservação, no local, de populações das variantes genéticas selvagens de animais e plantas domesticados e recursos genéticos silvestres (art. 5º, inciso VII); assegura que o processo de criação e a gestão das unidades de conservação sejam feitos de forma integrada com as políticas de administração das terras e águas circundantes, considerando as condições e necessidades sociais e econômicas das localidades. Considera ainda que as condições e necessidades das populações locais no desenvolvimento e adaptação de métodos e técnicas de uso sustentável dos recursos naturais, garantindo às populações tradicionais - cuja 2

3 subsistência dependa da utilização de recursos naturais existentes no interior das unidades de conservação a utilização dos meios de subsistências alternativos e/ou indenização pelos recursos perdidos. Bem como o estabelecimento de critérios e normas capazes de somar e agregar valores à nação brasileira promovendo seu desenvolvimento de maneira que atenda aos princípios primordiais da sustentabilidade. Não esquecendo que para atingir estes objetivos se faz necessário um plano de manejo adequado. Portanto, as características principais das Unidades de Conservação convergem para o desenvolvimento de uma política de conservação da biodiversidade como mecanismos de defesa das riquezas da natureza, por si apenas não se constitui uma solução definitiva, mas são peças fundamentais na luta pela preservação do ambiente natural do país. Além de zelar pela preservação da vida selvagem em si, como depositárias de recursos genéticos e farmacológicos de utilidades para a humanidade. (Agenda 21 Brasileira, 2002) 3. As categorias e as implicações para o turismo A identificação, características e distinção das categorias das Unidades de Conservação se encontram conforme as disposições da Lei /2000 que diz: As unidades de conservação integrantes do Snuc dividem-se em dois grupos com categorias específicas: I Unidades de Proteção Integral; II Unidades de Uso Sustentável. 1º O objetivo básico das Unidades de Proteção Integral é preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais, com exceção dos casos previstos nesta Lei. 2º O objetivo básico das Unidades de Uso Sustentável é compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais [...]. (Art. 7º, inciso I, II, 1º e 2º). Nela se encontra os grupos distintos em categorias conforme tabela abaixo: Tabela 1 - Categoria das Unidades de Conservação e Sistema Nacional de Unidades de Conservação Snuc (Lei de 18/07/2000). Unidades de Proteção Integral Unidades de Uso Sustentável Parque Área pública. Área de Proteção Terras públicas ou privadas. Área Nacional (PARNA) Preservação de Ambiental (APA) extensa, com certo grau de ecossistemas ocupação humana e utilização naturais de econômica. Atributos abióticos, grande relevância bióticos, estéticos ou culturais. ecológica e Busca-se proteger a diversidade beleza cênica. biológica, disciplinar o processo de Permitidas ocupação e assegurar a atividades de sustentabilidade do uso dos recursos pesquisa, naturais. educacionais e turismo Reserva Particular do Terras privadas, Área de Relevante Terras públicas ou privadas. Em 3

4 Patrimônio Natural gravadas com Interesse geral, são pequenas áreas, com (RPPN) perpetuidade, Ecológico (ARIE) pouca ou nenhuma ocupação com o objetivo de conservar a diversidade humana, mas com características naturais extraordinárias ou com espécies vegetais ou animais raras. bilógica. São Regulação de uso admissível dessas permitidas áreas, compatível com a atividades de conservação da natureza. pesquisas, educacionais e turismo. Estação Ecológica Área pública. Floresta Nacional Terra pública. Cobertura florestal de Preservação da (FLONA) espécies predominantemente natureza. Permitidas pesquisas científicas. nativas. Uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e pesquisa científica, com ênfase na exploração sustentável de florestas nativas. Reserva Biológica Área pública. Reserva Terras públicas, com concessão de Preservação da Extrativista uso às populações extrativistas natureza, sem (RESEX) tradicionais. Proteção do meio de interferência humana. Permitidas vida e da cultura dessas populações, além da agricultura de subsistência e da criação de animais de pequeno apenas a porte, assegurando-se a recuperação de sustentabilidade desses recursos ecossistemas naturais. alterados e ações de manejo para recuperar e preservar o equilíbrio natural. Monumento Natural Áreas públicas Reserva de Fauna Área pública. É voltada para estudos ou particulares. técnico-científicos sobre manejo Proteção de econômico sustentável da fauna ambientes nativa ou migratória, inclusive de naturais para a espécies aquáticas. existência ou reprodução de espécies da flora local e da fauna residente ou migratória. Refúgio de Vida Áreas públicas Reserva de Área pública. Abriga populações Silvestre ou particulares. Desenvolvimento tradicionais, cuja existência e cujo Proteção de Sustentável modo de vida baseiam-se em ambientes naturais para a sistemas sustentáveis de exploração de recursos naturais, desenvolvidos existência ou ao longo de gerações e adaptados às reprodução de condições ecológicas locais. espécies da flora local e da fauna residente ou migratória. Fonte: Atlas Ambiental do Município de São Paulo - 4

5 Em análise é importante observar que apesar da distribuição das várias áreas naturais existem outras categorias de UCs não contempladas no Snuc, criadas ao longo dos anos provenientes de normatizações. São elas: 1 os hortos florestais, jardins botânicos, estações biológicas, estações experimentais e outras. O Snuc tem sido criticado pelas categorias criadas e pela dificuldade de identificação das categorias. Por exemplo, os parques nacionais, reservas biológicas e estações ecológicas, - exceto pelo aspecto da visitação pública, que é permitida nos primeiros -, constituem-se em categorias muito parecidas. O Sistema trouxe avanços importantes no que se refere à participação das comunidades nas áreas ambientais existentes, principalmente, pela constituição de órgãos gestores como os conselhos e a aplicação nas próprias UCs de parte dos recursos gerados. Avançou ainda, na busca da regularização das terras devolutas nacionais objetivando definir novas áreas de proteção da natureza.( Na verdade, as visitações nos parques nacionais podem estar condicionadas às regras definidas no plano de manejo, significando que elas poderão ser proibidas mediante revisão deste. Quanto às reservas biológicas e estações ecológicas existem questionamentos e inconformismos pelo fato de não poderem receber visitantes mesmo que sejam para fins educacionais. Semelhantemente, as Áreas de Relevante Interesse Ecológico são definidas como áreas de uso sustentado, no entanto, apresentam praticamente os mesmos objetivos de manejo das florestas nacionais e reservas extrativistas, embora a concepção original delas sejam distintas. Além da permissão para ocupação pelas comunidades que as exploram, o extrativismo autorizado numa reserva extrativista é a mesma permitida numa floresta nacional, a diferença é que a última enfatiza a exploração pelas populações tradicionais, seus usos e costumes. Cada uma das categorias de UCs, definidas dentro do SNUC, tem seu próprio conjunto de atividades permitidas. [...] promover o desenvolvimento sustentável, educação ambiental e proteção dos recursos naturais necessários à subsistência das populações tradicionais.[...]. ( Como regra geral, as unidades de uso sustentável são muito mais permissivas quanto ao desenvolvimento de atividades econômicas no seu interior. Embora possa existir uma série de limitações sobre estas atividades, que devem ser estabelecidas nos planos de manejo, com vistas a preservação ambiental. Nas unidades de proteção integral, ao contrário, a restrição é a regra existente para cada categoria. Nas estações ecológicas e nas reservas biológicas, até mesmo a visitação pública é proibida, de forma permanente. Nos parques nacionais, por sua vez, a visitação pública é um componente importante, dado o seu caráter turístico e educativo. No entanto, as poucas atividades permitidas dentro de um parque nacional dividem-se em três grupos: pesquisa, educação ambiental e turismo. Considerando-se que toda e qualquer atividade que não se enquadre em um desses três grupos são consideradas incompatíveis com a categoria de unidade de conservação ambiental. Compreende-se que as pesquisas são componentes importantes nas UCs não apenas por tratar a natureza como fonte de informação científica para o resto da sociedade, mas porque elas retro-alimentam todo o processo de gestão dessas áreas, fornecendo indicadores importantes para uma gestão eficiente e para a própria elaboração dos planos de manejos. Da mesma forma, a idéia de educação ambiental, assentada nas ações e práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre as questões ambientais e à sua organização e 1 UCs não-classificáveis. 5

6 participação na defesa da qualidade do meio ambiente (Lei Federal nº 9.795/99) são elementos primordiais na gestão eficaz. Acredita-se que existe um consenso de que a existência de UCs e a própria idéia de preservação ambiental necessitam dessa complementação educativa, até mesmo como forma a reduzir os conflitos locais que muitas vezes são gerados a partir da transformação da área em Unidade de Conservação. O turismo, por sua vez, aparece como uma atividade de muitas possibilidades, economicamente viável, com potencial dinâmico, inovador, capaz de gerar renda com os recursos simples existentes, promover a educação ambiental, a preservação, valorização, manutenção da natureza, melhoria da qualidade de vida da comunidade local, portanto, um agente indutor de desenvolvimento de pequenas comunidades dentro de uma Unidade de Conservação. Até a década de 1980, os parques nacionais eram vistos como lugar de lazer e contemplação, por isso, tinha um forte apelo à preservação à todo custo, ainda existe porque é necessário, porém, existe a abertura de que a preservação também procede com a participação da população nativa, diminuindo consideravelmente o risco ambiental. Antes visitação e preservação apareciam como atividades antagônicas, onde o turismo era visto como um mal necessário. Hoje, a tendência é valorizar a atividade porque ela traz o desenvolvimento econômico racional, viável para a comunidade que objetivamente a preserva. Nos anos 1990, houve um fortalecimento da idéia de desenvolvimento sustentável e, dentro dela, o conceito do ecoturismo. Em lugar da beleza da paisagem, o maior atrativo dos parques passou a ser a natureza preservada. Dessa forma, o valor que era apenas ambiental passa a ser também, mercadológico. De forma geral o ecoturista - por sua preocupação preservacionista - passa a ser visto de forma diferente do turista comum, pois ele freqüenta ambientes naturais preservados não apenas em busca das belas paisagens, mas com a intenção de integrar o ambiente de preservação de maneira participativa, conforme McKercher (2002, p. 163). Sua intenção é cuidar e não somente usar. Importante ressaltar que este perfil de ecoturista está obtendo mais atenção por parte dos estudiosos do problema da sustentação financeira das Unidades de Conservação e pelos gestores de turismo por ser uma atitude sustentável que proporciona lazer, promove a localidade e desenvolve o turismo e ecoturismo consorciado com a preservação da natureza. Sem dúvida, a atividade turística ainda conserva uma série de fatores que são considerados problemáticos dentro de uma Unidade de Conservação. Como afirma Ruschmann (1997, p. 20) O turismo e o meio ambiente não têm se caracterizado por um relacionamento harmonioso. A própria presença humana nestes lugares, por mais cuidadosa que seja sempre representa interferências no ecossistema e pode não ser benéfica, e trazer muitas mazelas, mas os objetivos e incompatibilidade entre turismo e natureza são, hoje, muito menos evidentes. Porque a atividade turística poderá não ser apropriada para todas as áreas, em função dos aspectos ligados à conservação, preservação e aspectos mercadológicos, mas obterá a redução dos impactos no ambiente pelo gerenciamento racional sustentável da atividade Os Planos de Manejo O Plano de Manejo - PM é uma ferramenta muito importante. Determina as ações e diretrizes em uma Unidade de Conservação, enquanto este não estiver concluído e aprovado, serão permitidas somente atividades de conservação e fiscalização. (art. 27). Ele é considerado o documento técnico mais importante dentro de uma área de conservação ambiental. Dentre as ações definidas se encontra a autorização ou proibição de estruturas 6

7 físicas edificadas com fins de apoio à gestão e fiscalização e às relacionadas à visitação pública. Nele se encontram estabelecidos o zoneamento da área, as normas para utilização, visitação e pesquisa, além do diagnóstico e manejo dos recursos naturais. Posterior a este veio a regulamentação do assunto (Dec nº /2002 art. 12 a 16) que atribuiu ao órgão gestor da UC ou ao seu proprietário, conforme o caso, a responsabilidade por elaborar o respectivo plano. A mesma lei proibiu de forma expressa (Art. 28) quaisquer atividades ou modalidades de utilização em desacordo com o plano de manejo de cada UC. Depois de pronto, o PM deve ser aprovado pelo IBAMA (ou pelos órgãos estaduais e municipais equivalentes, no caso de UCs a estes subordinadas). No caso das Reservas Extrativistas e das Reservas de Desenvolvimento Sustentável, após a aprovação do IBAMA (ou órgão equivalente estadual ou municipal) faz-se também necessária sua aprovação pelos conselhos deliberativos de cada UC. As RPPNs, embora sejam áreas privadas, devem ter seu plano de manejo aprovados por este órgão federal. No fator viabilidade financeira o PM é o elemento chave. Não sendo suficiente a criação de novas formas de arrecadação de recursos, mas cada um deve avaliar o impacto de determinada atividade na área, autorizando-a formalmente para, só então, parte desse potencial de recursos serem revertidos em favor da Unidade de Conservação Ambiental em questão. Ocorre, entretanto, que um plano de manejo é um documento complexo. Exige alto nível de detalhamento, rigor técnico, analítico e conceitual. Além do mais, ele se desatualiza em poucos anos, devido mudanças específicas constantes de cada área, com isso, desatualizam-se os diagnósticos, se fazendo necessárias as reavaliações periódicas das condições existentes e dos eventuais impactos sofridos. Mas, nem por isso, se pode negar a necessidade, eficiência e valor do Plano de Manejo para uma Unidade de Conservação Questão fundiária e necessidades de desapropriações Um dos maiores obstáculos à implementação e à adequada gestão das Unidades de Conservação no Brasil é a situação fundiária e existência de populações residentes nestes locais. A lei que criou o Snuc estabelece que a posse e a propriedade fundiária, nas categorias mais representativas das áreas de conservação, devem pertencer integralmente ao poder público, através do seu órgão gestor. Cuja verdadeira intenção é a preservação, perpetuação das espécies nestes locais. Entretanto, no Brasil, a prática constante tem sido a de priorizar a criação de novas UCs, sem providenciar o devido cumprimento da lei para as já criadas. Com a intenção de obter os incentivos oriundos da constituição destes locais elas estão sendo criadas de forma desordenada. Com uma medida relativamente simples, - que não dependesse de dotação orçamentária específica, mas de efeitos práticos -, tornariam efetivas a implementação destas áreas dando originalidade, dignidade ao local e sua composição natural. Trata-se de atitude e vontade política, no entanto, o oportunismo criou uma situação em que inúmeras UCs foram estabelecidas ao longo dos anos, com poucos resultados práticos ao nível local. Foram criadas várias UCs com graves problemas fundiários e de desapropriação dos residentes. Até hoje, estas áreas não foram desapropriadas, seus ocupantes não foram indenizados ou removidos e continua a existir práticas incompatíveis com suas características originais, como a prática de atividades agropecuárias com fins mercadológicos, incidência humana com exploração dos recursos naturais. Em outras situações, vários moradores nativos, e até comunidades inteiras, têm a posse, mas não tem a propriedade da terra, documentada e regularizada, o que exige soluções bem mais complexas. Estes moradores, hoje chamados de ocupantes por força da lei -, passam anos a fio na incerteza da 7

8 legitimidade da terra que outrora era considerada sua. Outros proprietários, com documentação regular, contestam a criação das UCs, juridicamente, por anos a fio, sem sucesso algum. Além disso, as populações que habitavam os parques nacionais por ocasião de sua criação, são uma ameaça velada, pois mesmo sendo em número reduzido, eles se multiplicam a cada dia, e certamente, as crianças em idade adulta constituirão famílias e fixarão residência dentro do parque. 4. Considerações finais Objetivando identificar oportunidades para o Brasil no setor do turismo relacionado à natureza. Tendo em vista a situação das áreas protegidas no Brasil, cabe verificar o sistema legal que as rege, seu grau de preservação, além de formas de financiamento e gestão que aliem visitação e preservação da natureza de forma sustentável. Consideramos que o Snuc trouxe avanços importantes em relação às normas anteriores a ela, principalmente no que se refere à participação das comunidades diretamente afetadas, à constituição dos conselhos consultivos de cada unidade de proteção integral, à aplicação nas próprias UCs de parte dos seus recursos, bem como, a destinação prioritária, para preservação do ambiente. E que na equação de viabilização financeira de cada UC e do Snuc como um todo, o Plano de Manejo é o elemento chave pra seu desenvolvimento. Não basta criar novas formas de arrecadação de recursos, seja por receita de ingressos de visitantes, ou pela cobrança de outras atividades e serviços disponibilizados no interior das UCs. Convém avaliar o Plano de Manejo e o impacto dessas atividades específicas e que com autorização formal, parte desse potencial de recursos seja revertido em favor da UC. No entanto, temos a situação fundiária e a existência de populações residentes que representam um dos maiores obstáculos à implementação e à adequada gestão das unidades de conservação no Brasil. Contradizendo o que diz a lei estas áreas ainda não pertencem integralmente ao poder público através de seu órgão gestor devido à existência de permissionários e ocupantes irregulares. Mas, mesmo que as questões fundiárias das UCs sejam resolvidas, através dos mecanismos de desapropriação de propriedades e de indenizações aos moradores, acredita-se que continuarão a existir situações de anormalidade na ocupação das áreas. Como a exploração econômica de atividades dentro das unidades, e o problema social causado pelo pelas questões fundiárias e de posse da terra. Enfim, o turismo pode trazer consigo muitas vantagens e riscos quando explorado em uma área de proteção ambiental como as Unidades de Conservação da natureza. Se explorado de forma racional e sustentável, poderá promover a preservação, conservação e manutenção de todo seu ecossistema, neste caso, as atividades devem ser em conformidade com os Planos de Manejo de cada área, tendo em vista, que algumas UCs tendem a superestimar o potencial das receitas com o turismo, e subestimar os custos relacionados. Isso, em parte, pode ser explicado pela dificuldade do órgão concedente no entendimento do negócio e sua operacionalização. Ademais, a atividade turística certamente não será apropriada em todas as áreas, em função de aspectos ligados à conservação, assim como, os aspectos associados à operação comercial e demanda de mercados específicos. Em algumas áreas, a prioridade pode não ser a atividade turística, mas sim, a redução dos impactos e custos do gerenciamento, reduzindo assim as implicações negativas para a área de turismo. 8

9 Referências Anais do XXIX Congresso Brasileiro de Epeleologia de Ouro Preto MG Disponível na Internet: Acesso: 17 de novembro de 2008, às 23h30. Atlas Ambiental do Município de São Paulo Disponível na Internet: Acesso: 09 de setembro de 2007, às 14h45min. BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999, Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 28 de abril de Acesso: 04 de setembro de 2007, às 22h35min. BRASIL. Dec. nº 4.340, de 22 de agosto de Regulamenta artigos da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília 22 de agosto de Acesso: 02 de setembro de 2007, às 10h21min. BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de Regulamenta o Art. 225, 1º. Incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília 19 de julho de 2000; Acesso: 31 de agosto de 2007, às 21h12min. MCKERCHER, B. Turismo de natureza: planejamento e sustentabilidade. Tradução de Beth Honorato. São Paulo: Contexto, MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Agenda 21 Brasileira: Resultado da Consulta Nacional. Brasília: MMA/PNUD, QUEIROZ. F. A; SILVA. L. J. M. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) e a Participação Popular - A Lei n.º 9985/2000. Disponível na Internet: Acesso: 17 de novembro de 2008, às 22h30. RUSCHMANN, D. V. M. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas, SP: Papirus, TOURAINE, A. Participação, Justiça Social e Planejamento. Rio de Janeiro: Editora Graal,

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA. DECRETO LEI n 1.144 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2002. CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA. DECRETO LEI n 1.144 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2002. CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 DECRETO LEI n 1.144 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2002. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DECRETA: Dispõe sobre o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza de Rondônia - SEUC/RO e dá outras providências

Leia mais

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA José Fernando (Zéca) Bianca 1. Objetivo Informar agentes de transformação social: instituições representantes do poder público; da sociedade

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LEI No 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Regulamenta o art. 225, 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades

Leia mais

FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?)

FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?) FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?) Promotor de Jus,ça do MPDFT Promotoria de Defesa do Meio Ambiente (PRODEMA) Dr. PAULO LEITE Audiência Pública dia

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. LEI Nº 14.247, DE 29 DE JULHO DE 2002. - Vide Decreto nº 5.806, de 21-07-2003. Institui o Sistema Estadual de Unidades

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Vanylton Bezerra dos Santos 1 As áreas protegidas detêm uma contribuição vital em relação à conservação dos recursos naturais

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Mensagem de Veto Regulamenta o art. 225, 1 o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal,

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

LEI Nº 13.787, DE 8 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 13.787, DE 8 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 13.787, DE 8 DE JUNHO DE 2009. Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza SEUC, no âmbito do Estado de Pernambuco, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO:

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 11.986, de 12 de novembro de 2001 Procedência Governamental Natureza PL 203/2001 DO. 16.786 de 14/11/2001 Fonte ALESC/Div. Documentação Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da

Leia mais

Unidades de Conservação Federal, Mineração e Elaboração de Planos de Manejo

Unidades de Conservação Federal, Mineração e Elaboração de Planos de Manejo Unidades de Conservação Federal, Mineração e Elaboração de Planos de Manejo Belém-PA Dezembro/2012 Proteger o patrimônio natural e promover o desenvolvimento socioambiental Portaria MME N 882, de 25

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Série Legislação ICMBio Volume 1 Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000 Decreto nº 4.340, de 22 de agosto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza SEUC, no âmbito do Estado de Pernambuco, e dá outras providências.

Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza SEUC, no âmbito do Estado de Pernambuco, e dá outras providências. LEI Nº 13.787, DE 08 DE JUNHO DE 2009 (publicada no DOE de 09.06.09) Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza SEUC, no âmbito do Estado de Pernambuco, e dá outras providências.

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 1.560, DE 5 DE ABRIL DE 2005. Publicado no Diário Oficial nº 1.896 Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação da Natureza - SEUC, e adota outras providências. O Governador do Estado do

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves IFSC Instituto Federal de Santa Catarina DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL Política Nacional de Recursos Hídricos (LEI Nº 9.433/1997)

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

FLORESTAS NACIONAIS DO MACAUÃ E DE SÃO FRANCISCO

FLORESTAS NACIONAIS DO MACAUÃ E DE SÃO FRANCISCO GUIA DO CONSELHEIRO www.icmbio.gov.br FLORESTAS NACIONAIS DO MACAUÃ E DE SÃO FRANCISCO Contato Rua: Siqueira Campos, 220 Sena Madureira-AC Fone/Fax: 68 3612 3204 Apoio Presidenta da República Dilma Vana

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

SISTEMA MUNICIPAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE SÃO LUÍS/SISMUC

SISTEMA MUNICIPAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE SÃO LUÍS/SISMUC SISTEMA MUNICIPAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE SÃO LUÍS/SISMUC Apresentação Historicamente, pode-se afirmar que a paisagem natural do município de São Luís sofreu alterações desde o início do século XVII,

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Política Nacional do Meio Ambiente Lei 6938/81 Principais instrumentos de gestão

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil Dra. Sueli Angelo Furlan Laboratório Climatolofia e Biogeografia Departamento de Geografia Faculdade

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC).

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC). Zoneamento O Zoneamento é o instrumento de ordenação territorial usado para atingir melhores resultados no manejo de qualquer unidade territorial básica (UTB). No caso desse exercício, as UTBs de interesse

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê CIESP DISTRITAL OESTE 07/08/2014 Apresentação para Ciesp Oeste - Agosto/2014 Sumário: 1. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. PLANO DEMANEJO

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009 Mosaicos de Áreas Protegidas na Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais Clayton F. Lino - Maio/ 2009 SNUC MOSAICOS LEI FEDERAL Nº 9.985-00 Art. 26. Quando existir um conjunto

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM

IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM YGO SILVESTRE DE DEUS Biólogo/Mestrando em Ecologia ygo.deus@gmail.com Condicionantes da

Leia mais

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO 1 O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO Acadêmicos: Vogado, Leonardo Torres, Ronaldo Sousa, Sâmio Carmo, Soraya Prof. Orientador: José Lopes Soares Neto RESUMO

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-03-2010 SEÇÃO I PÁG 105-106 RESOLUÇÃO SMA- 029 DE 30 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre estudos técnicos para subsidiar alteração de limites e mudança de categorias

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Fábio França Silva Araújo Departamento de Áreas Protegidas Ministério do Meio Ambiente Unidades de conservação: Espaços territoriais

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010

Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010 Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010 ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS ROSELI SENNA GANEM Consultoras Legislativas da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Com a edição da Lei nº 6.938/81 o país passou a ter formalmente uma Política Nacional do Meio Ambiente, uma espécie de marco legal para todas as políticas públicas de

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

SÉRIE 1 - CONSERVAÇÃO E ÁREAS PROTEGIDAS Cad. 01 - A Questão Fundiária Cad. 18 - SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação

SÉRIE 1 - CONSERVAÇÃO E ÁREAS PROTEGIDAS Cad. 01 - A Questão Fundiária Cad. 18 - SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação São 3 as principais funções da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Proteção da Biodiversidade Desenvolvimento Sustentável Conhecimento Científico Caderno nº 18 2ª edição - ampliada realização: CONSELHO

Leia mais

LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013.

LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013. LEI Nº 3.739, DE 07/11/2013. ALTERA A CATEGORIA DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO RESERVA ECOLÓGICA DOS MANGUEZAIS PIRAQUÊ-AÇU E PIRAQUÊ- MIRIM PARA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL PIRAQUÊ-AÇU

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração Belo Horizonte, 26-29 setembro de 2011 Maria

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais