Direito dos Seguros. José Caramelo Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito dos Seguros. José Caramelo Gomes"

Transcrição

1 Direito dos Seguros José Caramelo Gomes 1

2 Plano 1. Introdução 1.1 Definição de Direito dos Seguros 1.2 Autonomia do Direito dos Seguros 1.3 Fontes de Direito dos Seguros 2. O Mercado Interno 2.1 Direito de estabelecimento e livre prestação de serviços 2.2 O Direito Comunitário dos seguros As Directivas de primeira geração As Directivas de segunda geração As directivas de terceira geração 3. O regime jurídico da actividade seguradora 3.1 As condições de acesso à actividade seguradora O estabelecimento Condições formais Condições substantivas A livre prestação de serviços Livre prestação de serviços no território de outros Estados-membros por empresas com sede em Portugal Livre prestação de serviços em Portugal por empresas com sede no território de outros Estados-membros 3.2 As condições de exercício da actividade seguradora As garantias financeiras Provisões técnicas Margem de solvência Fundo de garantia A fiscalização das garantias financeiras Ramos de seguro e supervisão de contratos e tarifas Supervisão prudencial da actividade seguradora Sigilo profissional 2

3 3.2.6 Regime fiscal O endividamento das empresas de seguros O regime sancionatório da actividade seguradora 4. Actividade seguradora e Direito da Concorrência 5. Seguros e defesa do consumidor 6. Do contrato de seguro em geral Bibliografia Anexo A: Extractos do Código Comercial Anexo B: Decreto-lei 94-B/98 (RJAS) Anexo C: Decreto-lei 251/97 (Estatuto do ISP) Anexo D: Decreto-lei 176/95 (Regras de transparência) Anexo E: Decreto-lei 388/91 (Mediação seguradora) Anexo F: Cláusulas Contratuais Gerais Anexo G: Decreto-lei 522/85 (Seguro obrigatório RC automóvel) Anexo H: Lei 100/97 (Seguro acidentes de trabalho) Anexo I: Extractos do Tratado que institui a Comunidade Europeia Anexo J: Lei de Defesa da Concorrência Anexo L: Regulamento sobre concentrações Anexo M: Princípios gerais da actividade actuarial Índice 3

4

5 1. Introdução O seguro surgiu entre os finais do século XIV e princípios do século XV, como consequência natural do desenvolvimento da viagens marítimas e dos riscos que lhes eram inerentes. A primeira regulamentação seguradora em Portugal data de , tendo como objecto a cobertura de navios de peso bruto superior a 50 toneladas. Nesta época surgiram regulamentações idênticas em França e em Inglaterra. Apenas no século XVII surgiram novos tipos de seguro, por influência do grande incêndio de Londres de 1666, aparecendo o seguro de incêndio, a que se seguiram, no século XVIII, os primeiros seguros de vida. A partir do século XIX a actividade seguradora desenvolveu-se extrordinariamente, aparecendo o seguro agrícola, o seguro de acidentes pessoais, o seguro de acidentes de trabalho e o seguro automóvel entre tantos outros. O contrato de seguro precedeu o aparecimento da seguradora, enquanto pessoa autónoma diferente do conjunto de indivíduos que as constituiam. Com efeito, esta realidade apenas surge nos séculos XVII e XVIII. As primeiras regras conformadoras da actividade seguradora em Portugal datam do final do século XIX e início do século XX, consagrando desde 1 Paula Maia Fernandes, O novo regime segurador 5

6 logo alguns dos princípios fundamentais que ainda hoje se encontram consagrados, tais como o princípio da tipicidade, da exclusividade e da supervisão dos poderes públicos, considerados indispensáveis para garantia da solidez das instituições seguradoras e da estabilidade do sector. A primeira sistematização do regime jurídico da actividade seguradora consta do Código Comercial de 1888, nos artigos 425 e sgs, a que se seguiu o Decreto de 21 de Outubro de 1907, sobre o acesso e exercício da actividade seguradora, a Lei 2/71, lei de bases do sector segurador, a Lei 46/77, lei dos sectores da economia que interditou a actividade seguradora à iniciativa privada, Lei 11/83 e Decreto-lei 406/83, que abriram este sector à iniciativa privada, Decreto-lei 102/94 que estebalece o regime actual de acesso à actividade seguradora e Decreto-lei 176/95, sobre a transparência da actividade seguradora e o regime jurídico do contrato de seguro. O actual regime da actividade seguradora em Portugal é fortemente marcado pela adesão às Comunidades Europeias e pelas consequentes obrigações comunitárias, principalmente no sentido da liberalização e realização do mercado interno dos serviços, capitais e direito de estabelecimento. O esforço das Comunidades Europeias nesta matéria 2 desenvolveu-se através de Directivas, normalmente agrupadas em três gerações. Através 2 Ver Infra 6

7 das Directivas de primeira geração promoveu-se o direito de estabelecimento dos operadores económicos, nas de segunda geração a liberdade de prestação de serviços pelos operadores e nas de terceira geração promoveram-se aspectos relativos ao controle prudencial das empresas envolvidas na actividade. 1.1 Definição de Direito dos Seguros 1.2 Autonomia do Direito dos Seguros 1.3 Fontes de Direito dos Seguros 7

8

9 2.1 Direito de estabelecimento e livre prestação de serviços O Direito de estabelecimento, artigos 52º a 58º CE, e a livre prestação de serviços, artigos 59º a 66º CE, pertencem aos fundamentos, ao acervo, da Comunidade. Em conjugação com a livre circulação de trabalhadores, artigos 48º a 51º CE, asseguram a livre circulação de pessoas singulares e colectivas no mercado comum. Pelo essencial, o direito de estabelecimento e a livre prestação de serviços asseguram aos naionais comunitários o direito de exercer uma profissão ou actividade não assalariada no conjunto do território comunitário. O Direito de estabelecimento comporta, em todos os Estados-membros, o acesso e exercício de actividades económicas não assalariadas, incluindo o direito de constituição e gestão de empresas ou sociedades, de acordo com a legislação relevante do Estado-membro de acolhimento, por parte dos nacionais comunitários artigos 52º a 58º do Tratado CE, nos mesmos termos em que essa actividade seja proporcionada aos seus nacionais. Existem duas modalidades de exercício deste direito: a transferência ou criação de um centro de actividade principal, direito de estabelecimento a título principal e a criação de agências, sucursais ou filiais, direito de estabelecimento a título secundário. O Direito de estabelecimento pode ser exercido por pessoas singulares ou colectivas nacionais de um Estado-membro da Comunidade. 9

10 Se no que respeita às pessoas singulares o critério apontado não suscita quaisquer dificuldades, o mesmo não acontece no que respeita às pessoas colectivas. O artigo 58º CE determina que um duplo vinculo deve ligar uma pessoa colectiva à Comunidade Europeia por forma a que ela possa considerar-se nacional de um Estado-membro para efeitos de beneficiar do direito de estabelecimento previsto no tratado: o ter-se constituido de acordo com a legislação de um Estado-membro e ter a sua sede estatutária ou a sua administração principal ou o seu estabelecimento principal no território comunitário. A livre prestação de serviços na Comunidade Europeia compreende, de acordo com a jurisprudência do Tribunal de Justiça 3, três vertentes distintas: a possibilidade do prestador de serviços exercer a sua actividade no Estado-membro onde a prestação deverá realizar-se, nas mesmas condições em que os naionais desse estado (deslocação do prestador de serviços), a possibilidade de realizar prestações de serviços em benefício de um sujeito com sede em Estado-membro diverso daquele onde o prestador tem a sua sede e sem deslocação do prestador (deslocação da prestação) e a possibilidade do prestador receber, na sua sede, o beneficiário da prestação (deslocação do beneficiário). 3 Ac. Manfred Sager, de 25 de Julho de 1991, P. C-76/90, C. 1991, p. I-4221; Ac. Luisi e Carbone, de 31 de Janeiro de 1984, P. 286/82 e 26/83, C. 1984, p. 377; Ac. Gauchard, de 8 de Dezembro de 1987, P. 20/87, C. 1987, p. 4879, entre outros. 10

11 A livre prestação de serviços abrange qualquer actividade comercial, industrial e artesanal, exercidas por pessoas singulares ou colectivas, bem como o exercício de profissões liberais, desde que essa actividade seja desempenhada a título oneroso e desde que a situação concreta não seja abrangida pela livre circulação de mercadorias, de pessoas ou de capitais, relativamente às quais a liberdade de prestação de serviços é subsidiária. 2.2 O Direito Comunitário dos seguros A criação de um mercado interno dos seguros é uma preocupação antiga da Comissão e tem em vista a realização de um duplo objectivo: a possibilidade das companhias de seguros exercerem a sua actividade no conjunto da Comunidade sem entraves e a possibilidade dos tomadores do seguro escolherem o produto que se mostre mais adequado às suas necessidades. As medidas comunitárias desenvolveram-se em várias gerações de Directivas, cada uma delas com um objectivo claro e determinado, sempre segundo uma aproximação dualista entre ramos vida e não vida 4. 4 A actividade seguradora desenvolve-se em diversas áreas designadas por ramos. Esta classificação assenta num critério material que atende ao objecto do contrato ou contratos de seguros que virão a ser propostos pelo operador. A classificação assenta numa divisão básica entre ramos vida e não vida. O legislador optou por enumerar taxativamente quais os objectos contratuais incluídos numa e noutra categoria considerando-se que integram o ramo vida os contratos e operações que incidam sobre a morte, a vida, sobre a morte e a vida, a vida com 11

12 2.2.1 As Directivas de primeira geração As directivas de primeira geração tiveram como objecto conciliar o direito de estabelecimento com as necessidades de controle e regulamentação tradicionais ao mercado segurador. Com efeito, os diversos Estados-membros submetiam, há longo tempo, a actividade seguradora a regimes de supervisão e controle mais ou menos apertados, pelo que a liberalização não poderia efectuar-se sem que tal contra-seguro, a renda, os seguros contra danos corporais, tais como a invalidez por acidente ou doença, incapacidade para o trabalho profissional, morte por acidente, nupcialidade ou natalidade, seguros ligados a fundos de investimento, quando ligados a qualquer um dos seguros anteriores, operações de capitalização e de gestão de fundos colectivos de reforma, artigo 115º do Decreto-lei 102/94. O ramo não vida inclui os contratos de seguro e as operações que tenham por objecto acidentes de trabalho, acidentes pessoais e acidentes de pessoas transportadas, doença, veículos terrestres, aeronaves, embarcações, mercadorias transportadas, incêndio, raio explosão, tempestades, outros elementos da natureza, energia nuclear, aluimento de terras, riscos agricolas, pecuários e roubo, responsabilidade civil de veículos terrestres, de aeronaves e de embarcações, responsabilidade civil geral, risco de crédito à insolvência geral declarada ou presumida, de crédito à exportação, de vendas a prestações, de crédito hipotecário e de crédito agrícola, de caução directa ou indirecta e de perdas pecuniárias, tais como emprego, insuficiência de receitas, perda de lucro, persistência de despesas gerais, despesas comerciais imprevisiveis, perda de valor venal, perdas de rendas ou de rendimentos, perdas comerciais indirectas, perdas pecuniárias não comerciais, protecção jurídica e assistência a pessoas, artigo 114º do Decreto-lei 102/94. 12

13 controle se mantivesse 5. Liberalização deveria significar, antes de mais, harmonização dos procedimentos de controle e supervisão prudencial 6, com um elevado nivel de controle e eliminação de qualquer descriminação em razão da nacionalidade. As primeiras directivas nesta matéria datam de e visaram a realização do direito de estabelecimento nos ramos não vida. No que respeita ao acesso à actividade seguradora, estas directivas estabeleceram um regime de autorização pelas autoridades do Estadomembro de acolhimento, quer se tratasse de estabelecimento a título principal quer de estabelecimento a título secundário, quer ainda de uma extensão territrorial da sua actividade. A autorização era concedida por 5 Os regimes nacionais agupavam-se essencialmente em duas grande categorias: controle do conjunto da actividade das companhias de seguros ou controle de apenas algumas actividades das companhias de seguros.. Em qualquer dos casos, havia ainda uma dupla variante: Estados-membros que exerciam esse controle apenas sobre os aspectos financeiros da actividade controlada e Estados-membros que exerciam esse controlo sobre os aspectos financeiros e sobre os aspectos juridicos da actividade controlada. 6 A supervisão prudencial é o principal obreiro da realização do princípio da confiança do utente no sistema financeiro, considerado indispensável para o bom funcionamento das instituições abrangidas, designadamente, instituições de crédito e seguradoras. 7 Directiva 73/239/CEE de 24 de Julho de 1973, L 228 p.3 e Directiva 73/240/CEE de 24 de Julho de 1973, L 228 p.20 13

14 ramo de actividade e válida apenas para o território do Estado-membro concedente, o que em termos práticos determinava a necessidade de solicitar tantas autorizações quantos os Estados-membros em que a seguradora desejava instalar-se. A autorização ficava submetida a um conjunto harmonizado de condições: a adopção de uma forma societária determinada por cada Estado-membro; o cumprimento do princípio da exclusividade; a apresentação de um programa de actividades enunciando a natureza dos riscos, as condições gerais e especiais das apólices e as tarifas aplicáveis; apresentação de garantias de solvência, nela se incluindo a constituição de um fundo de garantia e um conjunto de regras sobre provisões e reservas técnicas 8. Os Estados-membros podiam exigir condições suplementares tais como qualificações especiais dos administradores, aprovação dos estatutos, condições imperativas das apólices de seguro e tarifários entre outras. Interdito ficava a possibilidade de exame do processo segundo critérios fundados na análise do mercado, dessa forma se afastando os comportamentos proteccionistas dos Estados-membros. A decisão sobre a autorização deveria ser susceptível de recurso jurisdicional. 8 Provisões técnicas são conjuntos de activos móveis ou imóveis, equivalentes e congruentes, que constituem patrimónios especiais garantes dos créditos emergentes dos contratos de seguro 14

15 As condições de exercício da actividade seguradora ficaram submetidas à supervisão do Estado-membro de acolhimento. Este controle, no entanto, passou a incidir sobre aspectos harmonizados: situação financeira das seguradoras, designadamente, a constituição em cada território e actividade, de provisões técnicas suficientes representadas por activos equivalentes e congruentes e a manutenção de uma margem de solvência 9 relativa ao conjunto das suas actividades. No que respeita ao controle das condições de exercício aparece uma solução dual, na medida em que se estabelece, no controle da margem de solvência, um sistema de colaboração entre as diversas autoridades de supervisão, sendo que a autoridade do Estado-membro da sede ficava incumbida do controle da margem de solvência e obrigada a reportar o resultado às suas congéneres, que por sua vez deveriam informar a autoridade da sede do conjunto de actividades da seguradora no respectivo território. O controle das condições de exercício passou a incidir também sobre a gestão da seguradora: fiscalização anual baseada na contabilidade e fiscalização sobre o conteudo dos contratos e tarifas. As directivas previam também disposições sancionatórias, tendo em vista a revogação da autorização e a correcção de irregularidades, bem como 9 Veremos adiante em que consiste a margem de solvência. Adiante-se apenas que a margem de solvência de uma empresa de seguros corresponde, ao seu património livre de toda e qualquer obrigação previsível e deduzido dos elementos incorpóreos. 15

16 disposições especiais relativas ao estabelecimento de sucursais de companhias de seguros com sede em países terceiros. O ramo vida foi objecto de regulamentação comunitária em , mediante uma transposição, com as necessárias adaptações, do regime estabelecido para os ramos não vida pelas Directivas de Como novidade surge o princípio da especialização do ramo vida, que impõe às seguradoras a interdição de acumular a exploração de ramos vida e não vida. Esta proibição não teve, no entanto, efeitos retractivos, salvaguardando-se os direitos adquiridos, desde que as empresas abrangidas mantivessem uma gestão separada para as duas actividades e duas margens de solvência distintas As Directivas de segunda geração As Directivas de segunda geração têm como objecto a realização da livre prestação de serviços na actividade seguradora dentro do mercado comum. O problema fundamental que se colocava era o de saber se uma companhia de seguros poderia exercer a sua actividade no território de um Estado-membro sem nele se instalar, a partir do território onde os seus serviços se localizavam, submetida, por isso, à legislação do Estadomembro onde a sede se encontrava localizada. 10 Directiva 79/267/CEE de 5 de Março de 1979, L 63 p. 1 16

17 A questão principal nesta matéria é de natureza económica. Com efeito, a disparidade entre o Direito dos Seguros nos diversos Estados-membros, na altura, era de molde a criar situações de desigualdade e, consequentemente, distorções à concorrência. Por este facto, a liberalização do mercado da prestação de serviços de seguros foi bem mais complexa que a liberalização do direito de estabelecimento, fundamentalmente pela alegada necessidade de harmonização prévia das legislações nacionais em sede de contrato de seguro. O marco fundamental determinante da liberalização da actividade seguradora nesta matéria assenta na jurisprudência do Tribunal de Justiça de 4 de Dezembro de Estavam em causa cinco acções por incumprimento e um reenvio prejudicial 12 onde basicamente se questionava a compatibilidade dos 11 Ac. Comissão c. França, de 4 de Dezembro de 1986, P. 220/83, C. 1986, p. 3663; Ac. Comissão c. Dinamarca, de 4 de Dezembro de 1986, P. 252/83, C. 1986, p. 3713; Ac. Comissão c. Alemanha, de 4 de Dezembro de 1986, P. 205/84, C. 1986, p. 3755; Ac. Comissão c. Irlanda, de 4 de Dezembro de 1986, P. 206/84, C. 1986, p. 3817; Ac. Holanda c. Federatie Nederlandse Vakbeweging, de 4 de Dezembro de 1986, P. 71/85, C. 1986, p.3855 e Ac Comissão c. Alemanha, de 4 de Dezembro de 1986, P. 179/85, C. 1986, p Sobre a acção por incumprimento e o reenvio prejudicial, entre outros, Gomes, José Caramelo & Fernandes, José Augusto, Enquadramento Jurídico da União Europeia, Petrony, Lisboa, 1994; Gomes, José Caramelo, A eficácia interna do Direito 17

18 artigos 59º e 60º CE com a exigência de estabelecimento imposta às companhias de seguros para o exercício ocasional da sua actividade noutro Estado-membro que não o da sua sede. O Tribunal de Justiça, recordou a sua jurisprudência relativa às exigências para o exercício da livre prestação de serviços, salientando que a sua imposição apenas poderia fundamentar-se em razões imperiosas de interesse geral. Da análise efectuada, o Tribunal de Justiça concluiu que a actividade seguradora constituia um dominio com características próprias que levaram os Estados-membros a legislar de forma imperativa no que respeita à situação financeira das empresas de seguros e às condições contratuais, bem como à fiscalização do seu cumprimento, pelo que existiam, nesta área, razões imperiosas de interesse geral que poderiam justificar a limitação à liberdade de prestação de serviços. Perante esta situação, o Tribunal de Justiça examinou as Directivas da primeira geração concluindo que o nivel de harmonização obtido não assegurava a equivalência das condições de exercício da actividade seguradora na Comunidade Europeia por forma a poderem ser suprimidas as restricções estaduais impostas aos prestadores de serviços. Comunitário, UCP, Lisboa, 1995 e Gomes, José Caramelo, O exercício da autoridade jurisdicional nacional na jurisprudência do Tribunal de Justiça da Comunidade Europeia, UCP,

19 Com efeito, apesar das Directivas conterem disposições detalhadas sobre a situação financeira das empresas e o seu controle pelas autoridades do Estado-membro da sede, não existiam quaisquer disposições que permitissem ao Estado-membro de acolhimento proceder a qualquer controle. Além disso, as Directivas em causa não haviam procedido a qualquer harmonização das regras nacionais relativas às provisões técnicas, pelo que aos Estados-membros seria licito exigir às seguradoras o respeito pelas suas próprias regras nesta matéria, da mesma forma que o poderiam fazer no tocante às condições contratuais. O Tribunal de Justiça, verificada que foi a possibilidade de serem impostas limitações, procedeu à analise em concreto das diversas limitações. Assim, relativamente à autorização de exercício, o Tribunal de Justiça considerou que a solução, a encarar de iure condendum, passaria pela harmonização de legislações, por forma a instituir o princípio do controle pela autoridade do Estado-membro de origem. Esta solução seria, no entanto, impraticável à data da pronúncia, pelo que se teria que admitir, transitoriamente, a solução de autorização pelo Estado-membro de acolhimento, desde que tal regime não constituisse uma solução descriminatória. No relativo à exigência de um estabelecimento estável no Estado-membro de acolhimento, o Tribunal considerou que se estaria perante a própria negação da liberdade de prestação de serviços e, consequentemente, rejeitou-a liminarmente. 19

20 Estes acórdãos estabeleceram um conjunto de princípios que facilitou enormemente a tarefa legislativa da Comunidade, que ficou claramente dotada de um objectivo: a instauração de um regime unico de autorização e controle pelo Estado-membro de origem. A tramitação subsequente reflectiu a decisão de aproximações sucessivas tomada pela Comunidade: numa primeira fase os princípios aplicar-seiam apenas na actividade seguradora em regime de livre prestação de serviços apenas nas áreas em que, de acordo com a jurisprudência do TJCE, não se suscitam necessidades de protecção especial nem se coloca a necessidade de harmonizar os direitos internos relativos às provisões técnicas e às condições contratuais; numa segunda fase alargaria este regime a todas as áreas da actividade seguradora, mediante uma coordenação das diversas legislações nacionais. A harmonização comunitária de segunda geração iniciou-se, tal como na primeira geração, pelos ramos não vida com a Directiva 88/357/CEE, de 22 de Junho de 1988, L 172, p. 1, que fixou as condições de exercício da actividade seguradora nos ramos não vida em livre prestação de serviços. O exercício da actividade seguradora em regime de livre prestação de serviços foi definido como sendo a cobertura de um risco localizado num Estado-membro diferente daquele em que a seguradora tem a sua sede. A liberalização assenta numa classificação dos riscos de acordo com um critério fundado na necessidade de protecção específica, o que levou à criação de duas categorias de riscos: os grandes riscos e os riscos de massa, os primeiros dispensando uma protecção específica ao tomador do 20

21 seguro e os segundos, pelo contrário, exigindo-a. A categoria dos grandes riscos foi definida em termos taxativos e a dos riscos de massa em termos residuais. São grandes riscos os riscos de transporte, de crédito e caução, quando tomados no exercício de uma actividade industrial, comercial ou profissional liberal e, bem assim, quaisqer outros riscos quando o tomador ultrapasse alguns valores numéricos determinados pela directiva, em função do valor do risco, do volume de negócios ou do pessoal empregado. Todos os riscos que não são definidos como grandes riscos são riscos de massa. O regime aplicável aos grandes riscos funda-se no princípio da autorização única e do controle da actividade da empresa de seguros pelo Estado-membro de origem. As seguradoras estabelecidas num Estadomembro da Comunidade que desejem desenvolver actividades em regime de prestação de serviços noutro Estado-membro devem notificá-lo previamente, podendo iniciar actividades a partir da data da notificação. O Estado-membro de acolhimento não pode submeter essa actividade à obtenção de uma autorização emitida pela sua própria autoridade. As regras aplicáveis ao montante das provisões técnicas, a sua representação e localização ficam submetidas ao controle do Estadomembro de origem de acordo com o seu direito interno. Os Estados-membros de prestação não podem não podem exigir a aprovação prévia ou a comunicação sistemática dos contratos e tarifas que a seguradora tenha a intenção de utilizar. Pode, no entanto, exigir comunicações pontuais, sem que tal possa constituir uma condição prévia 21

22 ao exercício da actividade, seja a título de estabelecimento seja de livre prestação de serviços. O Estado-membro da prestação mantém poderes alargados de controle sobre a prestação de serviços no âmbito dos seguros de massas. Pode submeter o seu exercício à concessão de uma autorização administrativa e pode submeter a sua concessão a um conjunto de condições: a entrega de um certificado de solvência emitido pelo Estado-membro de origem, o depósito de um programa de actividades indicando a natureza dos riscos cobertos, bem como a indicação das condições contratuais gerais e especiais e tarifas, quando tal exigência seja igualmente formulada para as empresas de seguros com sede naquele território. O prestador de serviços deverá constituir provisões técnicas relativas aos contratos concluídos no âmbito da prestação de serviços, representandoas e localizando-as nos termos das regras do Estado-membro da prestação, que pode ainda submeter ao controle o conteúdo dos documentos contratuais, quando as regras do Estado-membro de estabelecimento não determinem um nivel de protecção adequada aos tomadores do seguro. A lei aplicável ao contrato de seguro foi o objecto de um projecto de directiva em discussão a partir de Esta ideia acabou por ser abandonada, face às dificuldades existentes e na segunda directiva (Directiva 88/357/CEE) a solução é abordada em termos de Direito Internacional Privado, estabelecendo-se algumas regras e critérios tendo em vista a determinação da legislação aplicável ao contrato de seguro. 22

23 O texto da directiva é bastante prudente e comedido nesta matéria e a distinção entre grandes riscos e riscos de massa é, neste caso, destítuida de consequências directas. Os critérios fundamentais para a determinação da lei aplicável são o domicilio do tomador e o local do risco, em detrimento da lei ddo domicilio do segurador ou ainda do foro convencionado. Assim, quando o Estado-membro de residência do tomador coincida com o local do risco, a lei aplicável será necessariamente a desse estado; quando esses locais se encontrem em Estados-membros diferentes, incumbe às partes a escolha, de entre os dois, qual o direito aplicável; quando o tomador exerça uma actividade industrial, comercial ou liberal e o contrato cubra diversos riscos, localizados em diferentes Estadosmembros, a lei aplicável ao contrato poderá ser escolhida de entre as leis dos variados Estados-membros do risco e do Estado-membro da residência do tomador. As regras anteriores são excepcionadas quando se verifiquem algumas situações previstas na directiva. Assim, será aplicável a lei nacional da jurisdição quando esta seja imperativa, bem como será aplicável a lei do estado onde o risco está situado, quando essas normas sejam imperativas ou quando nesse estado o seguro em causa seja obrigatório. A livre prestação de serviços no ramo vida foi estabelecida nos termos da Directiva 90/619/CEE de 8 de Novembro de 1990, L 330 p. 50. A solução encontrada foi diferente da utilizada para os ramos não vida, 23

24 pese embora se prevejam ainda dois regimes distintos. Pelo essencial, o critério objectivo da importância do risco foi abandonado porque de dificil aplicação ao seguro de vida e foi adoptado um novo critério fundado na actividade ou passividade da prestação de serviços, consoante o contrato de seguro é concluído pela iniciativa do segurador ou do tomador. A ideia subjacente ao critério é de que o tomador que decide tomar um contrato de seguro fora do território do seu Estado-membro age voluntariamente e, em consciência, dispensa a sua protecção. Nos termos da directiva existe livre prestação de serviços passiva quando o tomador do seguro tem a iniciativa de contactar a seguradora, ainda que através de um intermediário estabelecido no Estado-membro e mandatado expressamente para esse efeito. O regime aplicável ao exercicio da liberdade de prestação de serviços passiva é idêntico ao regime estabelecido para os grandes riscos não vida enquanto o regime da prestação de serviços activa segue as regras aplicáveis aos riscos de massa dos seguros não vida. A segunda directiva contém ainda regras sobre a lei aplicável ao contrato de seguro: na ausência de estipulação das partes, quando o direito do Estado-membro em causa a permita, aplicar-se-á o direito d Estadomembro de residência do tomador As directivas de terceira geração 24

25 A terceira geração de directivas comunitárias sobre o mercado interno dos seguros assenta em dois documentos principais: a Directiva 92/49/CEE de 18 de Junho de 1992, L 228, p. 1, ramos não vida e Directiva 92/96/CEE de 10 de Novembro de 1998, L 360, p. 1, para o ramo vida. Pode ainda incluir-se nesta geração a Directiva 91/674/CEE, de 19 de Dezembro, relativa às contas anuais das empresas de seguros e a Directiva 95/26/CEE de 29 de Junho de 1995, relativa à supervisão prudenacial e ao reforço dos poderes das autoridades competentes especialmente no que respeita à troca de informações relativas às empresas supervisionadas. A terceira geração de directivas comunitárias completou o quadro legislativo comunitário necessário para o estabelecimento do chamado passaporte europeu das companhias de seguros. O esquema determinado assenta numa coordenação das principais regras relativas à supervisão prudencial e financeira das companhias de seguros, tendo em vista a realização da proteção dos tomadores e a estabilidade dos mercados financeiros. Com efeito, a actividade de seguro directo passou a estar submetida em todo o território comunitário ao regime de autorização única, válida para toda a Comunidade, emitida pelo Estado-membro de origem, segundo o princípio do home control, e habilitando a empresa a exercer a sua actividade, em regime de direito de estabelecimento ou de livre prestação de serviços, em qualquer Estado-membro. 25

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 5/2010

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 5/2010 Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 5/2010 ANEXO I Informações gerais Secção I - Informação sobre o proposto adquirente A - Pessoas Singulares 1 - Deverá ser fornecida a seguinte informação pessoal

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Autorização para o exercício da actividade de seguros

Autorização para o exercício da actividade de seguros Autorização para o exercício da actividade de seguros Entidade competente: Seguros (AMCM DSG) Autoridade Monetária de Macau Departamento de Supervisão de Endereço :Calçada do Gaio, N 24 e 26, Macau Telefone

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL A recente crise financeira internacional em que vivemos e os seus efeitos no sector financeiro suscitaram uma profunda reflexão internacional sobre

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento. Preâmbulo

Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento. Preâmbulo Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento Preâmbulo O presente diploma transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a Directiva 2004/39/CE do Parlamento

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015 NOTA INFORMATIVA MERCADO DE CAPITAIS NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO Foi recentemente publicada, no dia 4 de Março, a Lei n.º 18/2015, o Regime Jurídico do Capital de Risco (RJCR) a qual procedeu à transposição

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA 16.12.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia C 310/261 7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO QUE, ao abrigo do artigo III 434.

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II O Gabinete de S.E. a Ministra de Estado e das Finanças consultou em 13 de março de 2015 a Comissão do Mercado

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

ACTIVIDADE SEGURADORA NOS PAÍSES LUSÓFONOS CONDIÇÕES DE ACESSO

ACTIVIDADE SEGURADORA NOS PAÍSES LUSÓFONOS CONDIÇÕES DE ACESSO Versão actualizada Setembro de 2004 ACTIVIDADE SEGURADORA NOS PAÍSES LUSÓFONOS CONDIÇÕES DE ACESSO Trabalho desenvolvido por ANA PAULA MATEUS DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS INSTITUTO DE SEGUROS

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 ASSUNTO: GARANTIAS PARA FINS PRUDENCIAIS Considerando a importância do correcto enquadramento das garantias recebidas,

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Preâmbulo O mercado financeiro, e em especial o mercado especializado no crédito ao consumo, exige por parte

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna-se indispensável actualizar princípios e normas até ao momento vigentes

Leia mais

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho REGISTO COMERCIAL Isabel Quinteiro Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho Outubro de 2010 Introdução IRN, IP É um instituto público integrado na administração

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

Iniciativas Legislativas

Iniciativas Legislativas 2015 Iniciativas Legislativas Este documento enumera as iniciativas legislativas que envolvem o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros () ou que podem implicar o parecer do, ainda que incidam sobre

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º Prestação de Serviços de telemarketing Processo: nº 3109, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-18. Conteúdo:

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS TEXTO ACTUALIZADO DOS ESTATUTOS DA SCOIEDADE ANÓNIMA PORTUCEL, S.A., ELABORADO NOS TERMOS DO Nº 2 DO ARTIGO 59º DO CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL, EM CONSEQUÊNCIA DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL EFECTUADA

Leia mais

BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS

BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS VICENTE MENDES GODINHO* * Departamento de Autorizações e Registo 1. INTRODUÇÃO Em 27 de Janeiro de 2007 entrou em vigor o Decreto-Lei

Leia mais

Decreto-Lei n.º 222/99 de 22 de Junho *

Decreto-Lei n.º 222/99 de 22 de Junho * Decreto-Lei n.º 222/99 de 22 de Junho * Com o presente decreto-lei é criado o Sistema de Indemnização aos Investidores, transpondo-se para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 97/9/CE, do Parlamento

Leia mais

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou:

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou: Independência dos membros do Conselho de dministração da Portugal Telecom, SGPS, S., com excepção dos membros da respectiva Comissão de uditoria Considerando as alterações ao Código das Sociedades Comerciais

Leia mais

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito)

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito) Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente diploma regula a introdução no território nacional, de capitais, bens, de equipamento e outros,

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora)

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título IV Ofertas públicas de transacção CAPÍTULO I D isposições Gerais Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) Compete ao Banco de Cabo Verde, através da Auditoria

Leia mais

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO A prestação de serviços ao exterior por docentes com contrato em funções públicas, em regime de dedicação exclusiva,

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e apreciação por parte de entidades

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto Proposta de Lei n.o.... Anteprojecto de Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. [...] Foi ouvido, a título facultativo, Banco de Portugal. Assim: No uso da autorização legislativa concedida pelos artigos [...] da

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n.

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n. PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.8.2010 COM(2010) 459 final 2010/0240 (NLE) Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros Conselho de Ministros Book 1.indb 43 10-05-2010 11:52:06 Book 1.indb 44 10-05-2010 11:52:06 DECRETO N.º 25/98 DE 7 DE AGOSTO Conselho de Ministros Publicado na Iª Série do Diário da República n.º 34 de

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 1436 Diário da República, 1.ª série N.º 48 7 de Março de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 38/2008 de 7 de Março A aprovação da Lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de

Leia mais

1706-(8) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 90 17-4-1998 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

1706-(8) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 90 17-4-1998 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 1706-(8) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 90 17-4-1998 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 94-B/98 de 17 de Abril 1 O Decreto-Lei n. o 102/94, de 20 de Abril, procedeu à reformulação dos aspectos

Leia mais

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS Relatório Final sobre a Consulta Pública n.º 3/2007 relativa à BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL 1 1. Introdução Entre

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR OBTENÇÃO E ELABORAÇÃO DOS DADOS ACTUARIAIS E ESTATÍSTICOS DE BASE NO CASO DE EVENTUAIS DIFERENCIAÇÕES EM RAZÃO DO SEXO NOS PRÉMIOS E PRESTAÇÕES INDIVIDUAIS DE SEGUROS E DE

Leia mais

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS ÍNDICE CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros ANEXO REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS Artigo 1º.- Definições Artigo 2º.- Âmbito de aplicação Artigo 3º.-

Leia mais

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março Publicado no Diário da República, I Série, nº 60, de 28 de Março AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março ASSUNTO: DEVERES GERAIS DE INFORMAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS FINANCEIROS Considerando a necessidade

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012 PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO que, nos termos do artigo 343.

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 335/X

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 335/X Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 335/X REGULA O ACESSO E PERMANÊNCIA NA ACTIVIDADE DAS SOCIEDADES DE CONSULTORIA PARA INVESTIMENTO E DOS CONSULTORES AUTÓNOMOS Exposição de Motivos

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

CAPÍTULO III Estrutura orgânica SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 7.º Órgãos do ISP São órgãos do ISP o conselho directivo, o conselho consultivo e

CAPÍTULO III Estrutura orgânica SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 7.º Órgãos do ISP São órgãos do ISP o conselho directivo, o conselho consultivo e CAPÍTULO III Estrutura orgânica SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 7.º Órgãos do ISP São órgãos do ISP o conselho directivo, o conselho consultivo e a comissão de fiscalização. Artigo 8.º Quórum e regras

Leia mais

Decreto-Lei n.º 94-B/98, de 17 de Abril *

Decreto-Lei n.º 94-B/98, de 17 de Abril * Decreto-Lei n.º 94-B/98, de 17 de Abril * Versão republicada pelo Decreto-Lei nº 2/2009, de 05/01, rectificado pela Declaração de Rectificação nº 17/2009, de 03/03, com as alterações introduzidas pela

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA I A SUMÁRIO. Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2002 Número 9 2. o SUPLEMENTO. Ministério das Finanças

DIÁRIO DA REPÚBLICA I A SUMÁRIO. Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2002 Número 9 2. o SUPLEMENTO. Ministério das Finanças Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2002 Número 9 2. o SUPLEMENTO I A S É R I E DIÁRIO DA REPÚBLICA Sumario9A Sup 2 2. o SUPLEMENTO SUMÁRIO Ministério das Finanças Decreto-Lei n. o 8-A/2002: Transpõe para o

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011 Regula o exercício da actividade dos profissionais de informação turística na Região

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL 1 I - ENQUADRAMENTO 1. A iniciativa de Better Regulation

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais