COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: DA INFORMAÇÃO À FORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: DA INFORMAÇÃO À FORMAÇÃO"

Transcrição

1 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: DA INFORMAÇÃO À FORMAÇÃO RESUMO Juliene Maria Neves Da Silva (1) Universidade Federal De Mato Grosso Especialização em Coordenação Pedagógica Coordenar práticas pedagógicas além de se fazer presente nas situações cotidianas da escola, engloba estar atualizado com as políticas e orientações educacionais buscando colocá-las em prática na instituição de trabalho em consonância com a realidade da comunidade de inserção da escola e com o apoio do corpo docente devidamente orientado. As expectativas contempladas por diversos estudiosos citados no decorrer deste estudo, a excelência no desempenho do coordenador pedagógico é responsável pela autonomia pedagógica da escola por existir nesta a necessidade de um profissional que possa intervir e orientar na organização dos projetos como prioridade. O presente estudo traz em seu desfecho a rotina do coordenador pedagógico, seus anseios, desafios e a carência de formação continuada deste diante da política educacional. Teve por finalidade compreender a função do coordenador pedagógico e aprimorar os conhecimentos sobre suas atribuições em consonância às políticas educacionais. O ponto de partida foi a necessidade de formação sobre a postura e os procedimentos adotados na rotina de ações do coordenador e o contexto real de suas atribuições, tendo em vista as dificuldades enfrentadas pelos profissionais das escolas públicas. A metodologia utilizada contemplou pesquisa e leitura de artigos e periódicos online, via plataforma do curso, consulta em obras de autores relacionados, dados da instituição onde se realizou a pesquisa, reflexões sobre a educação pública, gestão financeira e pedagógica, políticas educacionais, avaliação, organização curricular, diversidade educacional, organização do projeto político pedagógico, práticas e espaços de comunicação na escola, aprendizagem na realidade escolar e o trabalho pedagógico. Palavras-chave: Coordenador pedagógico, educação, políticas públicas educacionais. ABSTRACT Coordinate teaching practices besides being present in everyday school situations, encompasses be updated with the educational policies and guidelines seeking to put them into practice in the institution of work in line with the reality of community inclusion school and with the support of the body properly oriented teaching. Expectations contemplated by various scholars cited throughout this study, excellence in performance pedagogical coordinator is responsible for pedagogical autonomy exist in this school by the need for a professional who can intervene and guide the organization of projects as a priority. This study brings in its outcome the routine pedagogical coordinator, their aspirations, challenges and the lack of continuing education on this educational policy. Aimed to understand the role of pedagogical coordinator and our knowledge of their duties in line with educational policies. The starting point was the need for training on posture and the procedures adopted in the routine actions of the coordinator and the real context of their duties, in view of the difficulties faced by professionals in the public schools. The methodology included research and reading articles and journals online, via travel platform query related works of authors, data from the institution where the research took place, reflections on public education, financial and educational management, educational policies, evaluating, curriculum

2 organization, educational diversity, organization of political pedagogical project, practices and spaces of communication in school, learning in school reality and pedagogical work. Keywords: Pedagogical Coordinator, education, public education politics. 1. INTRODUÇÃO Conforme as expectativas contempladas por diversos estudiosos citados no decorrer deste estudo, a excelência no desempenho do coordenador pedagógico é responsável pela autonomia pedagógica da escola por existir nesta a necessidade de um profissional que possa intervir e orientar na organização dos projetos como prioridade. Segundo Veiga (1998, p ) a autonomia pedagógica é baseada no projeto pedagógico da escola pela liberdade de propor modalidades de ensino e pesquisa ligadas à identidade, à função social, à clientela, à organização curricular, à avaliação, aos resultados. Nessa concepção o corpo docente em conjunto com os demais profissionais da educação devem ser os principais atores do desenvolvimento do Projeto Político Pedagógico (PPP) cuja finalidade é guiar as ações pedagógicas da instituição conforme o perfil da comunidade atendida. Para orientar e organizar em conjunto com a equipe as ações propostas no PPP as instituições de ensino público do Estado de Mato Grosso contam com o trabalho do coordenador Pedagógico, cujo profissional deve ser um professor eleito a cada biênio (dois anos) que tenha capacidades específicas entre as quais estão a capacidade de analisar, argumentar, criticar e propor métodos alternativos ao trabalho desenvolvido pela instituição conforme a política educacional vigente. O presente estudo traz em seu desfecho a rotina do coordenador pedagógico, seus anseios, desafios e a carência de formação continuada deste diante da política educacional e foi desenvolvido conforme o cotidiano de uma escola pública estadual situada na Região Sul na periferia da cidade de Várzea Grande-MT. Teve por finalidade compreender melhor a função do coordenador pedagógico a aprimorar os conhecimentos sobre suas atribuições em consonância às políticas educacionais. Partiu da necessidade de informações sobre a rotina de ações do coordenador e o contexto real de suas atribuições, tendo em vista as dificuldades enfrentadas pelos profissionais das escolas públicas de MT. A metodologia utilizada contemplou pesquisa e leitura de artigos e periódicos online, via plataforma do curso, leituras de livros de diversos autores relacionados, consulta de dados da instituição onde se realizou a pesquisa e reflexões sobre a educação pública, gestão financeira e pedagógica, políticas educacionais, avaliação, organização curricular, diversidade

3 educacional, organização do projeto político pedagógico, práticas e espaços de comunicação na escola, aprendizagem na realidade escolar e o trabalho pedagógico. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 O CONTEXTO ESCOLAR A Unidade Escolar pesquisada para a realização deste trabalho tem aproximadamente dez anos de existência na cidade de Várzea Grande, estado de Mato Grosso. Iniciou suas atividades como salas anexas de outra escola da região. Em 2004 foi autorizada como instituição escolar apta a ofertar a modalidade regular do Ensino Médio e atendia somente o período noturno. Em 2010 passou a ofertar o Ensino Fundamental-3º Ciclo de Formação Humana e a Educação de Jovens e Adultos, sendo a primeira modalidade no período vespertino e a segunda no período noturno. A partir do ano de 2012, continuou com as modalidades anteriores e acumulou Ensino Fundamental - 2º Ciclo de Formação Humana para alunos egressos na 3ª fase devido ao redimensionamento de alunos atendidos no sistema municipal de ensino passando a funcionar em três turnos. Inicialmente a Escola atendia cerca de aproximadamente trezentos alunos com corpo docente de 15 professores na etapa inicial, 1 apoio administrativo educacional-segurança, 1 apoio administrativo educacional-nutrição, 1 apoio administrativo educacional-manutenção e 1 técnico administrativo educacional, 1 coordenador e o diretor. Atualmente contabilizam-se mil alunos, 35 professores regentes, 3 coordenadores, 4 técnicos administrativo educacional, 8 apoio administrativo educacionalmanutenção, 2 apoio administrativo educacional-segurança, 3 apoio administrativo educacional-vigia, 1 técnico administrativo educacional-laboratório, 1 técnico administrativo educacional-biblioteca e 5 apoio administrativo educacional-nutrição além de secretário e diretor. Quanto ao Projeto Político Pedagógico uma realidade cuja construção partiu de um processo coletivo do planejar para a instituição e para a comunidade escolar como um todo e foi realizado com muita dificuldade, por um lado professores atarefados com o planejamento e a execução de suas aulas com pouco tempo para se dedicar a mais uma atividade e pais que não se consideram como partes do processo e por isso não se comprometem a comparecer às reuniões para as discussões coletivas. Diante desta situação quem fica com a maior sobrecarga nesta tarefa são o diretor, os coordenadores, o secretário, enfim a equipe gestora e o Conselho Escolar. Mesmo com toda essa problemática ainda temos algumas famílias e membros da

4 comunidade que assumem suas responsabilidades, mas seria bem melhor se a comunidade envolvesse e tivesse mais compromisso com as propostas da instituição de ensino. Para efetivar o envolvimento de todos na construção do PPP cabe aqui pensar algumas estratégias para que isso aconteça, tais como: formação de grupos de trabalho, utilização das mídias na divulgação dos encontros, esclarecer legalmente às famílias sobre seus direitos trabalhistas quando se trata de dar assistência ao processo educacional de seus filhos, fazer rodízio de participantes nas reuniões, promover encontros em horário e data alternativos. A escola pesquisada busca contemplar em consonância com o seu Projeto Político Pedagógico toda a comunidade escolar com atividades que envolvam cultura, arte e opinião. Anualmente são realizadas as comemorações cívicas dos pais, consciência negra, amostra cultural e folclórica, jogos escolares e formatura dos estudantes que concluem o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. Nas comemorações cívicas em alusão as datas comemorativas, os alunos são incentivados a refletir sobre a realidade que envolve cada data, realizando pesquisas, estudos, seminários, mesas redondas por turma de modo que todos são envolvidos no processo. Para a amostra cultural e folclórica são formados grupos de trabalho por série/ano/fase onde cada um destes, contribui na confecção dos trabalhos manuais, na gastronomia, na dança e em outras apresentações regionais. Nesta festividade os alunos também são orientados a buscar parcerias para as apresentações culturais fato que auxilia no aprendizado da mobilização e valorização dos aspectos e manifestações culturais e artísticos da comunidade em geral. Os jogos escolares dão aos discentes momentos de lazer e diversão e ao mesmo tempo contribuem para que os mesmos exercitem sua convivência com o grupo desenvolvendo melhor suas habilidades de relacionamento interpessoal, este último de extrema importância para o pleno exercício da cidadania. As festividades de formatura são uma maneira de celebrar em conjunto a todos os formandos e suas famílias a conquista de todos os envolvidos no processo educacional. As avaliações do rendimento escolar nos remetem a uma reflexão profunda das intervenções que devemos fazer para melhorar os índices da instituição, porém não é a única responsável pelas taxas demonstradas. A instituição necessita urgente de mais investimentos na sua infraestrutura, pois há diversos problemas como falta de acessibilidade e espaços educativos mais organizados e seguros. As condições de trabalho dos docentes e técnicos se esbarravam em princípio na falta de equipamentos tecnológicos em boas condições de uso e na quantidade destes. O trabalho coletivo é algo que precisa ser melhorado para que as decisões sejam tomadas com mais democracia e menos desgaste entre as partes, pois os resultados

5 apresentados pela escola, o desempenho escolar, é de responsabilidade geral dos membros da escola. Dentro do ambiente escolar muito se questiona a gestão democrática, a responsabilidade pelo exercício da gestão democrática não pode ser direcionada apenas à equipe gestora, uma vez que sem o comprometimento de todos os atores envolvidos não há como se desencadear o processo de construção coletiva e democrática. A garantia do acesso, permanência e qualidade do ensino, exercício da cidadania são de incumbência de todos os envolvidos no processo educacional por esse motivo todos tem o direito e mais ainda o dever de participar das construções coletivas. 2.2 A INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Ser coordenador pedagógico é um exercício de aprendizado constante. Como todas as profissões têm sua especificidade, ser professor é algo que envolve o exercitar o lado pacífico diariamente, concomitante aos lados inovador, exigente, perspicaz, prévio, enfim. Quando o professor opta por coordenar as atividades de ensino aprendizagem em uma unidade escolar se dá muito mais valor a importância do conviver na coletividade. Para desenvolver um bom trabalho de coordenação pedagógica torna-se necessária a formação de uma boa equipe na qual haja a facilidade de distribuir os afazeres diários que não são poucos. O trabalho do coordenador pode nortear o desenvolvimento de toda a prática pedagógica no cotidiano escolar. A ele são atribuídas funções de orientar, coordenar, propor alternativas de trabalho para melhorar o ensino e a aprendizagem, mediar conflitos, dialogar com as famílias, realizar atividades administrativas, entre outras. Com esta gama de trabalho a coordenação pedagógica perpassa algumas vezes pela falta de identidade. Em um espaço de trabalho onde há restrição na quantidade de funcionários ao número de alunos, o trabalho não é tarefa fácil. Porém ao refletir sobre a função no cotidiano escolar percebe-se a fundamental importância do coordenador nas atividades formativas para que assim seja possível levar mais reflexão sobre a prática pedagógica e a necessidade da formação continuada para melhor exercer a prática almejada. Nesta atividade laboral diária, somos cercados o tempo todo pela busca incessante de informações pedagógicas pelos professores, prestação de informações acadêmicas dos alunos aos pais, a participação nos cursos de formação para melhor compreensão e sistematização das políticas e programas educacionais, encaminhamentos relativos a problemas de relacionamento com a classe ou com o professor e o inverso, organização do Projeto Político

6 Pedagógico Escolar, reuniões pedagógicas e administrativas, preparação de material de expediente quando a escola não possui atendimento de um técnico em multimeios didáticos, entre outras atividades. Refletindo sobre essa extensa lista de atividades que compõe a rotina do coordenador pedagógico percebe-se que este é um elo essencial entre todos os atores envolvidos no processo educativo e faz a diferença na equipe quando realiza o seu trabalho com responsabilidade, interesse em melhorar o ensino e as condições de oferta do mesmo no campo pedagógico, porém para que tais mudanças atinjam êxito, o diálogo com a equipe de trabalho e com a comunidade escolar é extremamente importante. O planejamento diário e a distribuição das tarefas entre coordenadores, técnicos e professores, o diálogo constante com os pais, responsáveis e os docentes é algo que facilita o trabalho pedagógico, assim como o apoio da direção da unidade no direcionamento prévio das ações tomadas. Na maioria das formações continuadas dadas nos assuntos educacionais concebe-se a função do coordenador pedagógico como um formador de professores inserido na escola. Realmente é algo que deveria ocupar a maior parte do tempo deste profissional e com isso teríamos excelência em formação pedagógica, porém é uma situação muito distante da nossa realidade institucional. Como os problemas com a indisciplina são constantes, esta situação dificulta o trabalho do coordenador sem respaldo da legislação atual. Pouco se consegue fazer na questão disciplinar com o aluno que infringe as regras e normas estabelecidas para se ter um mínimo possível de organização na escola já que o Regimento Escolar deve ser pautado pela legislação na qual as brechas para atos infracionais são muitas. Na maioria das vezes precisamos tomar decisões mais enérgicas e para a manutenção da ordem no ambiente escolar e somos barrados por normativas, portarias, resoluções e leis em geral com condutas pré-estabelecidas. Diante desta ditadura de leis o coordenador pedagógico se vê acuado, com poucas opções seguras e legais para realmente executar o seu trabalho, já que havendo qualquer brecha legal contra a atitude tomada pela gestão pedagógica, todos os gestores da unidade poderão ser penalizados. A coordenação pedagógica é vista como multiplicadora das atividades formativas para a equipe docente. Cabe a ela buscar participar das atividades de formação e organizar os encontros semanais ou quinzenais para refletir e debater dobre o contexto de cada atividade de formação com a finalidade de qualificar o ensino dado pela instituição por meio dos professores. A dificuldade para realizar os encontros se esbarra nos horários de trabalho dos professores, há casos que o professor trabalha apenas alguns dias da semana, em apenas um turno, ou tem aulas em diversas escolas não havendo a possibilidade de reunir todos em um mesmo encontro. Nesse cenário,

7 [...] as escolas chegam a ter vários horários diferentes para atender ao objetivo de reunir seus professores, que dificilmente partilham momentos realmente coletivos em que prevaleça a reflexão, a formação, a busca de alternativas para os problemas cotidianos e, até mesmo, o desenvolvimento de projetos gestados pela própria escola (FERNANDES, 2013 p. 12) Segundo Moreira (2003, p. 35), para os sociólogos das disciplinas escolares, a história do currículo tem por meta explicar por que certo conhecimento é ensinado nas escolas em determinado momento e local e por que ele é conservado, excluído ou alterado. Os traços de currículo oculto estão presentes no sistema de ensino público, uma vez que a educação é gratuita e para todos. Esta forma de oferta dá aos educadores a possibilidade de trabalhar com diferentes realidades e cada uma delas exige do educador uma retomada constante de valores necessários ao convívio em sociedade. Não se trata de imprimir nos discentes regras morais, mas sim de dar a eles condicionantes para que consigam ter aproveitamento do processo de ensino e aprendizagem em meio a uma realidade de carência, pobreza e violência. A avaliação deve ser o acompanhamento da evolução do aluno durante o processo da busca do conhecimento, deve servir para educar não para julgar e classificar, mas para reconhecer no aluno as suas capacidades de aprendizagem dando-lha condições para que o mesmo aprenda. São apresentadas diversas formas avaliativas tendo como parâmetro essencial e avaliação diagnóstica, formativa e somativa que buscam avaliar toda a prática educativa. Dessa maneira a utilização dos registros diários do desenvolvimento individual e coletivo em caderno específico, as fichas avaliativas e conceitos que substituem as notas, realizam autoavaliação constante, envolvem a comunidade e as práticas locais com a escola e usam as atividades de campo dentro da comunidade como avaliação, criam ambientes de aprendizagem por meio de projetos, salas ambientes de aprendizagem para envolver os alunos, consideram a realidade social dos alunos e criam novas situações de aprendizagem para contemplar o individualismo do aluno. Neste processo de avaliação há a possibilidade de recuperação contínua do aluno com atividades específicas e acompanhamento individual, reunir e buscar melhorar o sistema avaliativo discutindo com os alunos e os pais e os alunos o que deu certo e o que poderia ser melhorado e com isto utilizar mecanismos avaliativos mais concretos com contextos da realidade dos alunos e não especificamente de uma lista de conteúdos da cultura livresca. 2.3 REALIDADE ESCOLAR E TRABALHO PEDAGÓGICO

8 coordenador: Para Fernandes e Freitas (2008, p.18) em seu olhar sobre a escola e o papel do [...] Se a escola é o lugar da construção da autonomia e da cidadania, a avaliação dos processos sejam eles das aprendizagens, da dinâmica escolar ou da própria instituição, não deve ficar sob a responsabilidade apenas de um ou de outro profissional, é uma responsabilidade tanto da coletividade, como de cada um, em particular. Ainda sobre as responsabilidades e habilidades, Gomes (2008, p.30) diz que conviver com a diferença é construir relações que se pautem no respeito, na igualdade social, na igualdade de oportunidades e no exercício de uma prática e postura democráticas. Rangel (2008) também conceitua a coordenação, quando diz que coordenação implica criar e estimular oportunidade de organização comum e de integração do trabalho em todas as suas etapas. Para Placco (2008) no papel do coordenador pedagógico como formador de professores ressalta-se a possibilidade de, por meio do trabalho formativo do coordenador, auxiliar o professor a tomar consciência das dimensões envolvidas na sua prática. Refletir com os demais professores e compartilhar erros e acertos, negociar significados e confrontar pontos de vista surge como algo estimulador para uma prática pedagógica comprometida. (RAUSCH e SCHLINDWEIN, 2001, p. 121). Já dizia Saviani (2008, p.7): A compreensão de que a natureza humana não é dada ao homem, mas é por ele produzida, leva ao entendimento do trabalho educativo como o ato de produzir, direta e intencionalmente, em cada indivíduo singular, a humanidade que é produzida histórica e coletivamente pelo conjunto dos homens. Moreira e Candau (2008, p. 2) defendem que são indispensáveis conhecimentos escolares que facilitem ao aluno uma compreensão da realidade em que está inserido, que possibilitem uma ação consciente no mundo e que promovam a ampliação de seu universo cultural. Conforme Isambert-Jamati (1990, p. 41), a escola é ao mesmo tempo o reflexo da sociedade e o meio de consolidar sua ordem é fácil, porém é bem mais árduo ir além das correspondências aproximativas e colocar em dia as mediações. Torres, Alcântara e Irala (2004 p. 129) salientam que, apesar de suas diferenças teóricas e práticas, os termos cooperação e colaboração derivam de dois postulados principais:

9 rejeição ao autoritarismo e promoção da socialização, não pela aprendizagem, mas na aprendizagem. O trabalho colaborativo possibilita, além disso, o resgate de valores como o compartilhamento e a solidariedade que se foram perdendo ao longo do caminho trilhado por nossa sociedade, extremamente competitiva e individualista (DAMIANI, 2008, p. 225). É no espaço concreto de cada escola, em torno de problemas pedagógicos ou educativos reais, que se desenvolve a verdadeira formação. Universidades e especialistas externos são importantes no plano teórico e metodológico. Mas todo esse conhecimento só terá eficácia se o professor conseguir inseri1-lo em sua dinâmica pessoal e articulá-lo com seu processo de desenvolvimento (NÓVOA, 2001, p. 25). Ao estudar as interações interpessoais percebemos que simplesmente colocar indivíduos em grupo e dizer então para trabalharem juntos, não promove, por si só, o sucesso no alcance dos objetivos (RAPOSO e MACIEL, 2005, p.315). Se a escola é constituída por um grupo de estudantes, outro grupo de professores e outro de funcionários administrativos que trabalham juntos são necessários que ambos estejam ligados a um objetivo em comum que é a garantia de ensino e aprendizagem de qualidade e ao mesmo tempo, que todos tenham satisfação em ensinar e aprender. Conforme Pimenta (1993 p. 79) a escola deve possibilitar que os alunos adquiram os conhecimentos da ciência e da tecnologia, desenvolvam as habilidades para operá-los, revêlos, transformá-los e redirecioná-los em sociedade e as atitudes sociais - cooperação, solidariedade, ética. Dessa forma, [...] os saberes escolares podem ser divididos em saberes de tipo alfabético, que repousam sobre uma tradição acadêmica; os saberes que privilegiam o individualismo intelectual; os saberes abstratos, que obedecem a uma lógica de estruturação independente da experiência subjetiva dos indivíduos; os saberes que se distanciaram da vida e da experiência cotidiana (YOUNG, 1973). Na visão do autor Barroso (1996, p. 186), a autonomia construída: [...] corresponde ao jogo de dependências e de interdependências que os membros de uma organização estabelecem entre si e com o meio envolvente e que permitem estruturar a sua ação organizada em função de objetivos coletivos próprios [...]. Neste sentido, a autonomia da escola resulta, sempre, da confluência de várias lógicas e interesses (políticos, gestionários, profissionais e pedagógicos) que é preciso saber articular, através de uma abordagem que podemos designar de caleidoscópica. A autonomia da escola não é a autonomia dos professores, ou a autonomia dos pais, ou a autonomia dos gestores. A autonomia, neste caso, é o resultado do equilíbrio de forças

10 numa determinada escola, entre diferentes detentores de influência (externa e interna), das quais se destacam: o governo e os seus representantes, os professores, os alunos, os pais e outros membros da sociedade local. 3. CONCLUSÃO Ao refletir sobre as metodologias do trabalho na coordenação antes desta formação de especialização percebo que planejamento diário é algo que não difere da sala de aula já o aspecto de lidar e submeter-se a orientar professores com anos de docência no ensino público, que já assumiram função de coordenadores muitos destes extremamente críticos ao sistema e resistentes à política estadual de ensino, faltas constantes de professores, a violência, o tráfico e uso de entorpecentes, as diversidades de caráter e conduta, o racismo, o bullyng que acabam interferindo na rotina educacional dos alunos e instigam o coordenador a mediar as situações de conflito oriundas dos problemas ora citados. Conforme Guerreiro (2011, p 01) o coordenador é hoje o elo a unir projeto pedagógico da escola, conteúdo programático e as pessoas envolvidas no projeto: professores, gestores, pais e alunos. Cabe ao coordenador promover a escola como local de encontro e convívio pacífico com as diversidades de formação e, além disso, demonstrar que as diversas formações ali existentes devem estar a serviço da informação do cidadão comum para que este possa conseguir concretizar seus planejamentos com conhecimento técnico e científico e ciente de seus direitos e deveres no convívio em sociedade. É importante para os coordenadores compreender que a construção de conhecimento junto aos professores não acontece porque o coordenador ensina o professor como ensinar, e sim porque existe o intercâmbio entre eles (GUERREIRO, 2011 p. 01) O coordenador não deve interferir na metodologia do professor quando este está atingindo êxito em suas aulas. Já se observada a dificuldade do profissional e comprovada mediante reclamação coletiva ou por alto índice de indisciplina nas aulas, cabe a intervenção do coordenador inicialmente em um diálogo onde a capacidade do profissional não seja posta à prova e sim as dificuldades encontradas para o sucesso da aula sejam uma fonte de pesquisa para a inserção de novas metodologias de ensino. Estas novas metodologias não devem ser impostas e sim sugestões dadas ao professor cabendo a este acatar ou buscar outras que possam contribuir para alavancar o progresso do ensino e aprendizagem da classe.

11 Como cita Guerreiro (2014) não é recomendável padronizar métodos e técnicas didáticas para serem usados entre coordenadores e professores, assim como é difícil crer que alunos aprendem e atribuem significado aos conteúdos da mesma forma. Sobre a disposição do coordenador cabe mencionar, [...] O mesmo precisa, também, conhecer os fundamentos e as teorias do processo de ensinar e aprender, relacionar princípios, teorias e normas legais a situações reais, identificar os impactos de diretrizes e medidas educacionais, objetivando a melhoria do padrão de qualidade do ensino e aprendizagem, comunicar-se com clareza com diferentes interlocutores e em diferentes situações, socializar informações e conhecimentos, conduzir democraticamente suas práticas, identificar criticamente a interferência das estruturas institucionais no cotidiano escolar, promover o desenvolvimento da autonomia da escola e o envolvimento da comunidade escolar, buscar e produzir conhecimentos relativas à formação permanente de pessoal, compreender e valorizar o trabalho coletivo no exercício profissional, além de ter disponibilidade de trabalhar em grupo, reconhecendo e respeitando as diferenças pessoais e as contribuições dos participantes (BEZERRA, 2007 p ). Segundo Rosa (2004, p ) o coordenador pedagógico deve zelar pela formação continuada dos professores na escola, promovendo a atualização, reflexão do currículo e das práticas pedagógicas dos professores frente às mudanças do sistema educacional. As atribuições do Coordenador Pedagógico ficam bastante expressas a seguir, [...] o coordenador deve desenvolver para a efetivação da formação docente em serviço, tais como: deve prestar assistência pedagógica didática aos professores, coordenar grupos de estudo, supervisionar e dinamizar o projeto pedagógico, trazer propostas inovadoras para utilização de novos recursos tecnológicos e midiáticos (LIBÂNEO, 2004, p.229). Conforme Oliveira (2014 p.08) as interações diárias com o grupo de professores e a gestão da formação docente exercida pelo coordenador pedagógico proporciona que este conheça bem seus pares, observando seus comportamentos, necessidades e limitações. Todo coordenador deve ter a capacidade de se submeter à crítica por meio de uma reflexão de seu desenvolvimento, e mediante a equipe docente para compreender em quais circunstâncias o grupo necessita de mais apoio e até mesmo de alterações em seu desempenho. Estas ações são importantes para que o coordenador possa estreitar os relacionamentos profissionais e com isso conseguir a união dos pares entre eles e consigo mesmo.

12 Sobre a visão de supervisor concebida no sistema capitalista, não se deve agir apenas como fiscal da atividade pedagógica, atitudes de superioridade e que inferiorize a docência não são bem vistas pelo grupo e despertam indignação e revolta. Afinal o coordenador é antes de tudo um professor que por sua capacidade de organização e dinâmica de equipe deve ser capaz de liderar os demais não pela imposição autoritária, mas por relacionar-se com a equipe de forma ativa e responsável. A busca por informações sobre as alterações da política educacional pelo gestor pedagógico deve ser incessante, isto porque as dúvidas apresentadas pela equipe docente sempre surgem em momentos inoportunos e devemos estar aptos a esclarecê-las. O professor que exerce a função de coordenação não pode ser alheio à estrutura e funcionamento de sua instituição que é submissa à legislação específica. Outro aspecto importante a ser levado em questão é liberdade que o coordenador pedagógico deve ter para a realização dos projetos. Se a gestão dos recursos financeiros que devem ser aplicados em material pedagógico pudesse ser gerida pela coordenação, as facilidades de realização dos projetos seriam melhores. Por mais que o Projeto Político Pedagógico contemple estas ações, ainda somos submetidos à morosidade para a aquisição dos materiais necessários, pois os recursos se concentram nas mãos do gestor escolar e este possui inúmeras outras atribuições que consomem o seu tempo deixando o pedagógico muitas vezes em segundo plano, algo que deveria ser de extrema importância em uma unidade escolar. O Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica direciona o profissional sobre sua forma de atuação, permitindo com que se tenha mais clareza nos trabalhos pedagógicos realizados junto ao corpo docente e com isso o trabalho por equipe e áreas afins flui com maior facilidade. Coordenar o trabalho pedagógico é estar junto aos docentes orientando, colaborando, avaliando as ações, incentivando novas metodologias. 4. REFERÊNCIAS BARROSO, J. O estudo da autonomia da escola: da autonomia decretada à autonomia construída. In: O estudo da escola. (org.). Portugal: Porto Editora, CHARLOT, B. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.

13 DAMIANI, M. F. Entendendo o trabalho colaborativo. Educar, Curitiba, n. 31, p , Editora UFPR. GUERREIRO, C. Profissão: articulador escolar. Disponível em: <http://revistaeducacao.uol.com.br/textos/167/profissao-articulador-escolar asp>. Acesso em 16/01/2014. FERNANDES, C.O.; FREITAS, L. C. Indagações sobre currículo: currículo e avaliação.. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ensfund/indag5.pdf. Acesso em 16/06/2013>. Acesso em: 21/01/2014. FERNANDES, M. J. S. O professor coordenador pedagógico, a articulação do coletivo e as condições de trabalho docente nas escolas públicas estaduais paulistas. Afinal, o que resta a essa função? Disponível em: <http://coordenacaoescolagestores.mec.gov.br/ufmt/file.php/1/cursos-ano-. Acesso em 10/01/2014>. Acesso em: 21/01/2014. GOMES, N. L. Indagações sobre currículo : diversidade e currículo. Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Disponível em: Acesso em 16/06/2013. HAMZE, A. Avaliação Escolar. Disponível em: <http://educador.brasilescola.com/trabalhodocente/avaliacao-escolar.htm. Acesso em 05/07/2013>. Acesso em: 21/01/2014. ISAMBERT-JAMATI, V. Les saviors scolaires; enjeux sociaux des contenus d enseignement et de leurs réformes. Paris: Éditions universitaires, LIBÂNEO, J.C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5 ed. Goiânia, Alternativa, MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. Currículo, conhecimento e cultura: indagações sobre currículo. Disponível em: Acesso em 16/06/2013. MOREIRA, A.F.B. Currículos e programas no Brasil. Campinas: Papirus (1990), 10ª ed., NÓVOA, A. (2001). Professor se forma na escola. Nova Escola. Edição 142. Maio, OLIVEIRA J. C. A função gestora do coordenador pedagógico na formação continuada docente: um estudo nas escolas públicas municipais da cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: Acesso em 18/01/2014. PIMENTA, S. G. Questões Sobre a Organização do Trabalho na Escola. Ideias, São Paulo, v. 16, p , Disponível em: <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_16_p _c.pdf>. Acesso em: 18/12/2013.

14 PLACCO, V. M. N. S. Formação de professores: o espaço de atuação do coordenador pedagógico-educacional. IN: FERREIRA, N. S. C; AGUIAR, M. A. S. Para onde vão a orientação e a supervisão educacional? 5 ed. Campinas SP: Papiros, RANGEL, M. (2008). Supervisão: do sonho à ação uma prática em transformação. IN: FERREIRA, N. S. C. (Org.). Supervisão Educacional para uma escola de qualidade. 7 ed., Cortez. São Paulo. RAPOSO, M.; MACIEL, D. A. As Interações Professor-Professor na Co-Construção dos Projetos Pedagógicos na Escola. Psicologia: Teoria e Pesquisa Set-Dez 2005, Vol. 21 n. 3, pp RAUSC, R. B.; SCHLINDWEIN, L. M. As ressignificações do pensar/fazer de um grupo de professoras das séries iniciais. Contrapontos, Itajaí, v. 1, n. 2, p , RESENDE, L.M.G. Relações de poder no cotidiano escolar. Campinas, SP: Papirus, ROSA, C. Gestão estratégica escolar. 2 ed. Petrópolis, Vozes, SAVIANI, Dermeval. Da nova LDB ao FUNDEB: por uma outra política educacional. 2. ed. Rev. e Amp. Campinas, SP: Autores Associados, SOUSA, S. M. Z. L. Avaliação da Aprendizagem: Teoria, Legislação e Prática no Cotidiano de Escolas de 1 Grau. Disponível em: Acesso em 17/07/2013. VEIGA, I. P. A. (Org.). Escola: espaço do projeto político-pedagógico. Campinas, SP: Papirus, TORRES, P. L.; ALCÂNTARA, P. R.; IRALA, E. A. F. Grupos de consenso: uma proposta de aprendizagem colaborativa para o processo de ensino-aprendizagem. Revista Diálogo Educacional,Curitiba, v. 4, n.13, p , Disponível em: Base Acesso em 18/12/2013. YOUNG, M. Les programmes scolaires consideres du point de vue de la sociologie de la connaissance (1973). In FORQUIN, J.-C. (Org.) Les sociologues de l éducation américain et britanniques; présentation et choix des textes. Paris, Bruxelles: De Boeck Université/INRP, 1997, pp

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação da Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estrutura e Funcionamento da Educação Básica I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Estudo

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu)

Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) O Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) é fruto de uma Dissertação desenvolvida no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR.

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. 1 ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. Rute Regina Ferreira Machado de Morais Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG Este texto visa refletir sobre o papel

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO MODELO PARA FOTOCÓPIA MANUAL DE ESTÁGIO 2005 AO ESTAGIÁRIO: Multiplique a carta abaixo e entregue ao responsável pela Escola CARTA DE APRESENTAÇÃO O Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG tem como

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais