EDUCAÇÃO, TRABALHO E JUVENTUDE:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO, TRABALHO E JUVENTUDE:"

Transcrição

1 III Congresso Consad de Gestão Pública EDUCAÇÃO, TRABALHO E JUVENTUDE: O PROGRAMA JOVEM CIDADÃO Bianca Briguglio Emily Hozokawa Laís Schalch

2 Painel 42/165 Sistema de avaliação das políticas de inserção no mercado de trabalho: resultados e opções metodológicas EDUCAÇÃO, TRABALHO E JUVENTUDE: O PROGRAMA JOVEM CIDADÃO Bianca Briguglio Emily Hozokawa Laís Schalch RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar os dados preliminares da pesquisa quantitativa realizada com os jovens egressos de 2006 a 2008 do Programa Jovem Cidadão: Meu Primeiro Emprego. Esta pesquisa foi realizada pela Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap) a pedido da SERT a fim de apreender os resultados do Programa relacionados ao estágio realizado nas empresas que foram mediados pela SERT. O objetivo central da pesquisa concentra-se na percepção dos jovens sobre o mundo do trabalho e, especialmente, as transformações em suas trajetórias pessoais em função da vivência no trabalho e conhecer como se deu o estágio, no sentido de captar desvios de pressupostos presentes no Programa. Da mesma forma, busca-se apresentar a importância da escolarização para esse segmento da população e a intencionalidade em dar prosseguimento aos estudos formais. Avaliar as formas de atendimento do programa, também constitui objetivo específico desta pesquisa, com ênfases nos aspectos: aprendizados e motivação gerados para a busca de ocupação, emprego e/ou renda.

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVOS METODOLOGIA O JOVEM E O MERCADO DE TRABALHO QUEM SÃO OS PARTICIPANTES? INSERÇÃO EM ATIVIDADES GERADORAS DE RENDA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 23

4 3 INTRODUÇÃO A minha vontade de estudar e trabalhar aumentou, eu antes não tinha consciência do valor das coisas, hoje sou mais controlado. (jovem participante do Programa) A estruturação de políticas públicas voltadas ao emprego e à formação profissional tem sido um eixo orientador da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do estado de São Paulo, doravante denominada SERT, desde Tal construção tem visado abarcar políticas específicas para setores da economia, a exemplo das câmaras setoriais, em um período marcado pela reorganização da produção e da economia, mas também programas de qualificação profissional e outros ainda capazes de possibilitar a inserção no mercado de trabalho. No âmbito desta última modalidade inscreve-se o Programa Jovem Cidadão: Meu Primeiro Trabalho, voltado para a intermediação de estágios de jovens oriundos das escolas públicas do estado de São Paulo. Instituído em 27 de abril de 2000, por meio do Decreto n o e reformulado em 11 de dezembro de 2008 pelo decreto n o , o Programa tem seus pressupostos pautados pelos dados sobre desemprego, reveladores das contradições presentes no mercado de trabalho que, por um lado, demanda experiência profissional prévia e, por outro, privilegia a contratação de pessoas cada vez mais jovens. O Programa é destinado aos estudantes com idade entre 16 a 21 anos, regularmente matriculados e que apresentem frequência comprovada no ensino médio ou nos cursos médios técnicos, ambos vinculados ao sistema público de ensino estadual. O escopo desta política é proporcionar a este jovem a primeira oportunidade de experiência profissional no mercado de trabalho. Concretizado em 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo, seus objetivos convergem para a captação de vagas no mercado de trabalho para esse segmento da população. Para além desta função, a SERT concede bolsa auxílio individual mensal também denominada de bolsa estágio com valor equivalente a R$ 65,00, além de seguro de acidentes pessoais e de vida. Do lado da empresa, a bolsa é complementada mediante ao pagamento de R$ 1,89/hora, transporte diário integral e jornadas diárias compreendidas entre 4 e 6 horas.

5 4 Os contratos são firmados pelo período de 6 meses, com possibilidades de ser estendido por igual período. É parte integrante dos objetivos do Programa abarcar a dimensão do aprendizado didático-pedagógico, bem como da prática profissional. Estes são previstos em documento especialmente gerado para esse fim, via a assinatura das partes do Termo de Compromisso, além da interveniência obrigatória da instituição de ensino a qual o estudante estiver vinculado.

6 5 OBJETIVOS A Aline de antes era imatura, não tinha planos, hoje eu sou mais madura, mais dedicada à família, ao trabalho, estou mais preparada com mais experiência em enfrentar o mercado de trabalho. (jovem participante do Programa) A pesquisa realizada visava conhecer a caracterização socioeconômica dos jovens participantes ou não do Programa e, fundamentalmente, coletar dados referentes às relações de trabalho por eles vivenciadas durante o estágio, bem como saber se o estágio realizado guardava relação com o curso realizado e ou grau de escolaridade. A intenção era conhecer em que medida as empresas fazem uso da força de trabalho vinculada ao estágio como forma de reduzir custos com pessoal ou se nestas há uma dimensão formativa do jovem, via vivência no trabalho.

7 6 METODOLOGIA Antes eu era mais triste e inseguro para procurar emprego, hoje sou uma pessoa mais segura. (jovem participante do Programa) A partir de (2004) constata-se que o termo juventude permite margens de compreensão muito diversas, estas também transformadas pela própria dinâmica social e econômica no mundo. Convencionalmente, no Brasil, adota-se o grupo etário compreendido entre 15 e 24 anos e observa-se que em outros países há uma tendência para ampliar tal arco, dadas as dificuldades enfrentadas pelos jovens para ingresso no mercado de trabalho. Assim, a compreensão do termo é estendida visando considerar ainda jovem os estudantes universitários. Contudo, Abramo ressalta a premência em inscrever dentro do conceito as histórias pessoais destes jovens, as quais podem alterar o sentido de um termo: Diversas instituições de pesquisa (como IBGE e IPEA), (...) têm usado esse recorte, sem deixar de alertar para a necessidade de sempre relativizar tais marcos, uma vez que as histórias pessoais, condicionadas pelas diferenças e desigualdades sociais de muitas ordens, produzem trajetórias diversas para os indivíduos concretos (Abramo, 2004, p.45) Nesta pesquisa o termo jovem é atrelado à presença na escola, mais especificamente no ensino médio, posto que o Programa visa intermediar a colocação de jovens em empresas disponíveis a abrigar programas de estágio, de caráter formativo para esse público. A metodologia de pesquisa que informa os dados aqui apresentados foi de caráter quantitativo, aplicada por meio de questionário padronizado, via entrevistas domiciliares realizadas por profissionais especialmente capacitados para esse fim. As amostras foram subdivididas em dois grupos, que totalizaram entrevistas, quais sejam: Jovens que permaneceram 6 meses no Programa, entre 2006 e 2008; e Jovens que permaneceram 12 meses no Programa, no mesmo período. Além desses grupos amostrais foram, ainda, realizadas entrevistas junto aos jovens cadastrados no Programa, que, contudo, não foram selecionados para o estágio. A esse grupo deu-se o nome de grupo de controle.

8 7 Somaram-se a estes outros dados coletados: 371 jovens foram entrevistados por telefone. Estes pertenciam a um grupo de desistentes do estágio em período inferior a 180 dias. Objetivava-se, junto a este grupo, analisar, especialmente, as razões de abandono do Programa.

9 8 O JOVEM E O MERCADO DE TRABALHO Antes eu não trabalhava e agora trabalho com carteira assinada, antes eu não fazia porque não sabia e não tinha interesse em aprender. (jovem participante do Programa) É possível afirmar que há um desafio permanente no âmbito do Programa Jovem cidadão: meu primeiro emprego, qual seja: realizar a colocação de jovens no mercado de trabalho sem, contudo, fazer dessa inserção uma forma de flexibilizar as relações de trabalho existentes no Brasil. Isso porque as empresas, frente às necessidades de competitividade no mercado, fazem uso do estágio, dos processos de terceirização etc como forma de redução de custos com pessoal. Dessa forma, a dimensão da primeira vivência no mundo do trabalho pode ficar comprometida face às urgências do sistema produtivo. Nesse sentido, a presente pesquisa procurou captar a visão dos jovens sobre o uso de expedientes contrários aos pressupostos vigentes no Programa, ou seja, em que medida a dimensão formativa do trabalho esteve presente nas atividades laborais exercidas. Tratando-se de segmento que convive com índices elevados de desemprego, cabe aqui procurar elucidar tal fenômeno, bem como as causas desta situação. Segundo o DIEESE e Fundação SEADE, na Região Metropolitana de São Paulo em 2005, a taxa de participação no mercado de trabalho do jovem entre 16 e 24 anos, em 2005, era de 77% em contraposição à população acima de 25 anos que era de 69%. Entretanto, a taxa de desemprego era mais de duas vezes superior entre os jovens quando comparada à taxa de desemprego para os demais desempregados com faixa etária superior a 25 anos (Tabela 1). Tabela 1: Distribuição das taxas de participação e de desemprego dos jovens de 16 a 24 anos e da população total acima de 25 anos de 2005 (em %) Região metropolitana Taxas de participação Jovens de 16 a 24 anos População total acima de 25 anos Taxas de desemprego Jovens de 16 a 24 anos População total acima de 25 anos São Paulo Fonte: Convênio DIEESE/Seade, MTE/FAT e convênios regionais. PED Pesquisa de Emprego e Desemprego Elaboração própria

10 9 Estes dados já respondem que não é apenas a elevação da escolaridade que impulsiona esta entrada, pois, como já apresentado, os jovens apresentam taxas de escolaridade mais elevadas. Fatores como condição familiar deste segmento da população também devem ser considerados nas políticas públicas voltadas à inclusão no mercado de trabalho, aspecto destacado pelo Programa Jovem Cidadão em suas diretrizes, direcionando suas ações à população de jovens em situação de vulnerabilidade social. Os dados supracitados evidenciam que os jovens procuram uma ocupação no mercado assim como o grupo da População Economicamente Ativa (PEA). No entanto, apreende-se que estes se encontram em situação de desvantagem em relação às demais frações etárias, na busca por oportunidades. Isto em decorrência da demanda, por parte das empresas, por profissionais com maior experiência profissional e vivência no mundo do trabalho. Dados da pesquisa realizada reforçam tal percepção, posto que este dado surge de forma significativa entre parcela significativa dos jovens: estes alegam que buscaram o programa a fim de adquirir experiência de trabalho. O programa Jovem Cidadão: meu primeiro emprego parte do pressuposto que a principal causa do emprego juvenil seja a falta de experiência profissional e sua ação se dá no sentido de auxiliar no processo de agregar aprendizado profissional, não somente de caráter técnico, mas também sobre as relações no ambiente de trabalho, ganho responsabilidade nas ações tomadas, aprender a trabalhar em equipe, relacionar-se com os colegas de trabalho, aprender a organizar e a dimensionar o tempo na realização de múltiplas tarefas, aprender a planejar e compreender instruções. Diversos são os saberes compreendidos na chamada experiência, somado ao conhecimento adquirido sobre as funções que se vai exercer. Os processos de escolarização não podem ser desconectados da conjuntura mais geral da sociedade brasileira. Frigotto (2001) ao analisar as articulações entre a educação e a estrutura de classes reafirma a tendência que os filhos da classe trabalhadora frequentam a escola pública e estas configuram situações bastante diferenciadas das vivenciadas pelos filhos da classe média. O debate crítico sobre a desqualificação do ensino deve permear as análises sobre os jovens, posto que estes enfrentam as dificuldades na obtenção de postos de trabalho mais estáveis, marcados pela precariedade nas relações de trabalho.

11 10 QUEM SÃO OS PARTICIPANTES? As pessoas tinham muita paciência para me ensinar, tive muita atenção de todos e eles me tratavam como se eu estivesse há muito tempo lá dentro por isso foi muito bom. (jovem participante do Programa) Dados da pesquisa realizada informam que o público do Programa Jovem Cidadão é majoritariamente feminino, sendo que mais de 50% são mulheres, considerando os grupos amostrais de egressos do programa que permaneceram 6 ou 12 meses. No entanto, apreende-se que a evasão das mulheres é mais expressiva entre os egressos de 6 meses do programa: 63% feminino e 37% masculino (Tabela 2). Tabela 2: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo sexo (em %) Sexo Egressos: participação de 6 meses Egressos: participação de 12 meses Feminino Masculino Total A evasão feminina deve ser aspecto de interesse particular por parte das políticas públicas, levantando-se a hipótese que esta se dá, em grande medida, em função da gravidez precoce. A despeito deste tema não ter sido objeto específico da presente pesquisa, registra-se um número expressivo de jovens que declararam ao longo da pesquisa hoje sou mais madura porque hoje tenho minha filha para criar. As informações obtidas indicam novos objetos de pesquisa no que tange às relações sociais de sexo e à construção do feminino, no caso expressa pela maternidade. Um deles diz respeito à observação de um aspecto, nesta pesquisa, que reforça as conclusões de inúmeras outras: a responsabilidade pela maternidade surge apenas entre as meninas e não há registro nos dados coletados da mesma manifestação por parte dos jovens. Apreende-se que há uma lacuna importante para o exercício de políticas públicas integradas, no que tange à orientação sobre a maternidade entre os jovens.

12 11 Pesquisa realizada pelo DIEESE em 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos, constatou que a inserção de jovens no mercado de trabalho se dá de forma distinta entre os gêneros. A desigualdade de oportunidades é verificada entre as mulheres, em todas as regiões metropolitanas analisadas pelo DIEESE (São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador) e também no Distrito Federal, na qual a proporção de jovens ocupadas é inferior à dos homens da mesma faixa etária de 16 a 24 anos. Tal dado pode ser explicado por fatores econômicos, sociais e culturais. Observando esses mesmos dados apenas a cidade de São Paulo, constata-se que a distribuição dos jovens ocupados é de 55% e 45%, respectivamente do gênero masculino e feminino. A partir dessa distribuição indicada pelo DIEESE é possível explicar a razão pela qual as jovens constituem a maioria no público do Programa Jovem Cidadão. Devido a menores chances de absorção pelo mercado, estas buscam alternativas de inserção, via estágio oferecido pelo programa, a fim de ampliar sua experiência profissional, adquirir uma renda e ter oportunidade de conciliar trabalho e estudos. Ficando claro que a desigualdade para os jovens na entrada no mercado de trabalho depende de diversos fatores como as relações sociais (de classe, de gênero, de etnia, geracional) e os de escolaridade e qualificação profissional (Segnini, 2000). Entre os jovens que participaram do programa, mais de 60% declararam que não estão estudando atualmente, tanto os egressos que participaram 6 meses quanto aqueles que participaram 12 meses (Tabela 3). Tabela 3: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo Situação de Estudo (em %) Estudando Atualmente? Egressos: participantes 6 meses Egressos: participantes 12 meses Sim Não Total

13 12 Dentre os que responderam afirmativamente sobre estar estudando no momento da entrevista 33% dos egressos participantes 6 meses e 34% dos egressos participantes 12 meses é interessante observar que há uma diferença significativa entre os dois grupos de entrevistados. Enquanto que entre os egressos que participaram por 6 meses do programa 45% estavam cursando o ensino médio regular. Esse percentual cai para 28% entre os que participaram 12 meses do programa. Estas proporções são invertidas ao observar que apenas 29% dos egressos de 6 meses estão, hoje, cursando o ensino superior, ao passo que 51% dos egressos de 12 meses estão cursando o ensino superior, vale dizer que ambas as porcentagens referem-se à escola privada (Tabela 4). Tabela 4: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo Escolaridade entre aqueles que estão estudando atualmente (em %) Escolaridade Egressos: participantes 6 meses Egressos: participantes 12 meses Ensino médio regular Ensino médio profissionalizante ou técnico Cursinho pré-vestibular (1) (1) Ensino superior / 3 o grau escola 5 (1) pública Ensino superior / 3 o grau escola privada Não sabe / não respondeu (1) 0 Total (1) A amostra não comporta a desagregação para essa categoria. A maioria dos jovens que participaram do programa e que declararam não estar trabalhando no momento da realização da pesquisa praticamente 7 em cada 10 egressos nos dois grupos amostrais, concluíram o ensino médio regular, ambos perfazem um total de 59%, conforme pode ser observado na Tabela 5.

14 13 Tabela 5: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo Escolaridade entre aqueles que não estão estudando atualmente (em %) Escolaridade Egressos participantes de 6 meses Egressos participantes de 12 meses Ensino médio regular completo Ensino médio regular incompleto 4 (1) Ensino médio profissionalizante ou técnico completo/incompleto 3 (1) Cursinho pré-vestibular 0 0 Ensino superior / 3 o grau escola pública (1) (1) ou privada completo/incompleto Total (1) A amostra não comporta a desagregação para essa categoria. De acordo com a Pesquisa de Condições de Vida (PCV) de 2006, realizada pela Fundação SEADE, 65% dos jovens, com idade entre 18 e 24 anos, concluíram o ensino médio, 17% ainda frequentavam o ensino fundamental e 18% estavam fora da escola com no máximo o fundamental completo. Em contrapartida 14% destes jovens nessa faixa etária frequentavam o ensino superior, ou seja, uma parcela significativa (51%) não ingressou no ensino superior, apesar de concluído o ensino médio. Os números da presente pesquisa indicam que o público do Programa Jovem Cidadão: Meu Primeiro Emprego são ligeiramente superiores em relação aos da PCV: entre os que permaneceram por 6 meses no Programa 34% cursam o ensino superior, seja ele privado ou público, enquanto que o outro grupo (12 meses) apresenta um total de 51% cursando o nível superior de ensino. Já a PCV indica que a média nacional é de que apenas 14% dos jovens entre 16 e 24 anos cursam o ensino superior. Este pode ser um indicativo de que o estágio realizado no programa incentivou uma parcela, ainda que pequena, lembrando que apenas 33 e 34% dos participantes estão estudando hoje a continuar os estudos.

15 14 Renda familiar A presente pesquisa constatou que os jovens participantes do Programa Jovem Cidadão, em ambos os grupos amostrais, apresentam, majoritariamente, renda familiar equivalente a até três salários mínimos (Tabela 6). Somado a este dado, apreende-se que metade dessas famílias é composta por quatro ou mais pessoas, agravando, ainda, o sustento familiar. Esse dado é relevante para o debate da sociedade de classes, cujos filhos das classes mais favorecidas se inscrevem no mercado de trabalho de forma diferenciada em relação aos das classes populares. Estes últimos não possuem o mesmo acesso à educação, além dos cursos extracurriculares, que viabilizam a obtenção de postos de trabalho melhor remunerados e de maior prestígio social (Venco, 2009). Tabela 6: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu Primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo Renda Familiar (em %) Egressos: Participação de 6 meses Egressos: Participação de 12 meses Até R$1.530,00 (3 SMs) Mais de R$ 1531 (mais de 3 SM) Total Valor do salário mínimo nacional (R$510,00) vigente a partir de dezembro de 2009.

16 15 INSERÇÃO EM ATIVIDADES GERADORAS DE RENDA Adquiri experiência profissional e consegui ser efetivado no mesmo local de trabalho do estagio. Dentre os entrevistados mais da metade obteve emprego após o estágio realizado, via o Programa Jovem Cidadão: um percentual de 53% entre os participantes até 6 meses e 60% entre os que permaneceram por 1 ano estavam trabalhando no momento da realização da entrevista. No entanto, é importante ressaltar que estavam fora do mercado de trabalho 42% dos egressos que participaram por 6 meses do programa e 37% dos egressos que participaram 12 meses do programa. Tabela 7: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo situação atual de trabalho (em %) Está trabalhando Egressos: participantes 6 meses Egressos: participantes 12 meses Sim Não Total Vale dizer que a inserção destes jovens no mercado de trabalho se deu de maneira bastante positiva, ou seja, observa-se, em ambos os grupos, que 7 em cada 10 jovens inscreveram-se em relações formais de trabalho (Tabela 8). Tabela 8: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo tipo de trabalho (em %) Tipo de Trabalho Egressos: participantes 6 meses Egressos: participantes 12 meses Empregado assalariado com carteira assinada Empregado assalariado sem carteira assinada Empregado do setor público (1) (1) Trabalhador por conta própria para empresa ou para 3 3 população em geral Outros 3 7 Total 100% 100% A despeito de a inserção ocorrer de maneira formal, os salários recebidos por 60% da população é de 1,5 salário mínimo. (Tabela 9)

17 16 Tabela 9: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo Rendimentos Mensal do Trabalho (em %) Faixa salarial Egressos: Participação de 6 meses Egressos: Participação de 12 meses até 510,00 (1) de 511,00 a 766,00 (de 1 a 1 e meio) de 767,00 a 1020,00 (1 e meio a 2) mais de 1022,00 (mais de 2) 4 4 Não sabe/ não respondeu Total

18 17 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA Antes eu era um molecão, irresponsável, chegava sempre atrasado em escola e no estagio. Hoje aprendi o que é responsabilidade e quero correr atrás do que é melhor para mim. (Participante do Programa) A pesquisa buscou realizar uma avaliação do Programa, uma vez que desde sua criação não houve qualquer estudo capaz de mensurar o alcance de determinados objetivos, especialmente ouvindo aqueles que usufruem desta política pública. A percepção dos jovens sobre o Programa é bastante satisfatória, uma vez que pouco mais de 9 em cada 10 o consideraram bom e ótimo (91% entre os jovens que ficaram no Programa por 6 meses) e praticamente a totalidade entre aqueles que permaneceram por 1 ano no programa: 96%. As respostas ruim ou regular não chegam a totalizar 10% do total das respostas entre as duas amostras, o que indica uma avaliação excelente do Programa, assim como grande satisfação por parte dos egressos (Tabela 10). Tabela 10: Distribuição dos Egressos Participantes do Jovem Cidadão: Meu primeiro Emprego por 6 e 12 meses, segundo Avaliação do Estágio (em %) Avaliação do Estágio Egressos: participação de 6 meses Egressos: participação de 12 meses Ruim 2 1 Regular 7 3 Bom Ótimo Não sabe / Não respondeu (1) (1) Total Dentre os motivos pelos quais o jovem procurou o Programa Jovem Cidadão, mais de 50%, tanto entre os egressos 6 quanto os de 12 meses afirmam que foi por estar em busca de uma experiência de trabalho.

19 18 Os jovens conheceram o Programa, principalmente, por meio de parentes e amigos (43%) e, em segundo lugar, por meio da escola (32%). Este último veículo preferencial de divulgação do Programa. Tabela 11: Como soube do Programa (em %) Pela escola 32 Pelo site 7 Por intermédio de parentes / amigos 43 Por meio de outros Programas 6 Outro meio * Não sabe / não respondeu * * Valores inferiores a 1% Grande parte dos participantes revela conhecimento sobre o órgão implementador do Programa: 75% reconhecem o governo do estado de São Paulo como promotor do Programa; 7% atribuem o Programa diretamente à Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho; 3% ao Ministério do Trabalho e Emprego, 7% à Prefeitura Municipal. Ou seja, aglutinando as respostas apreende-se que os jovens atribuem ao poder público a iniciativa de intermediar o estágio profissionalizante e às empresas 1%. Tabela 12: Órgão promotor do Programa (em %) Governo do Estado de São Paulo 75 Secretaria do Emprego e Relações do 7 Trabalho SERT Governo Federal / Ministério do 3 Trabalho / Educação e ou o Prefeitura 6 Empresas 1 Outros 3 Não sabe / não respondeu 5 Total 100 Buscou-se avaliar a qualidade do atendimento ao cidadão, via informações prestadas e contatos estabelecidos. Observa-se que o Programa é melhor avaliado no que diz respeito ao primeiro contato e aos esclarecimentos sobre o mesmo, conforme pode ser verificado nas Tabelas 13 e 14:

20 19 Tabela 13: Avaliação: primeiro contato com o Programa (em %) Ótimo 36 Muito bom 24 Bom 40 Ruim * Muito ruim * Não se aplica * Não sabe/não respondeu * Total 100 *valores inferiores a 1% Tabela 14: Avaliação: esclarecimentos sobre o Programa (em %) Ótimo 34 Muito bom 26 Bom 37 Ruim 2 Muito ruim * Não se aplica * Não sabe/não respondeu * Total 100 Segundo os entrevistados, o Programa poderia fornecer informações mais precisas no que diz respeito à vaga propriamente dita. Essa constatação é baseada na avaliação boa, mas decrescendo o número de respostas mais positivas, à medida que o assunto é relativo aos detalhes do posto de trabalho, especialmente direitos intrínsecos à vaga e ou orientações relativas à entrevista (Tabela 15). Tabela 15: Avaliação: procedimentos comportamentais na entrevista e direito ao seguro acidentes pessoais (em %) Ótimo Entrevista Seguro Muito bom Bom Ruim Muito ruim 5 7 Não se aplica * * Não sabe/não respondeu 1 1 Total

21 20 Configurava-se como parte da avaliação do Programa na presente pesquisa, conhecer as alterações individuais em relação ao trabalho, apreendidas pelos próprios. É possível afirmar que nestes quesitos os jovens lograram um maior grau de autonomia e sentem-se melhor preparados para a busca de um novo emprego. Tal constatação apóia-se pelos expressivos percentuais relativos às seguintes situações: Tabela 16: Ganhos de autonomia, após o estágio (em %) Busca por emprego Atitudes no ambiente de trabalho Formas de gerar renda Elaboração do currículo Direitos como cidadão Atitudes nos processos de seleção Conheço totalmente Conheço Muito Conheço Pouco Desconheço totalmente * * 9 * 3 * Constata-se por meio da observação dos dados contidos na Tabela 16 que a percepção sobre as atitudes a serem empreendidas nos processos de seleção são as que apresentam maior conhecimento por parte dos entrevistados: praticamente 8 em cada 10 declararam conhecer totalmente o procedimento nessas situações. Os dados revelam que o Programa pode incorporar novos tipos de ação junto a essa população, como oferecer formação específica, particularmente no que diz respeito aos direitos vinculados ao estágio, a exemplo dos esclarecimentos relativos à lei do estágio. Praticamente 1/3 declarou conhecer pouco ou desconhecer o tema. Exemplo de tal constatação ilustra a reformulação baseada na veiculação de informações relativas à lei do estágio: entre os entrevistados 52% declararam trabalhar acima de 30 horas semanais.

22 21 CONSIDERAÇÕES FINAIS O programa ofereceu uma oportunidade para conhecer o mercado de trabalho e hoje posso procurar uma outra oportunidade de trabalho que me acrescente muito mais e fazer uma faculdade. A análise da política pública referente à inserção no mercado de trabalho por jovens oriundos das escolas públicas estaduais paulistas constituiu o objeto desta pesquisa. As categorias analíticas privilegiadas para este artigo visaram retratar a caracterização socioeconômica desse segmento da população; o papel do estágio profissionalizante como fator de alteração das dinâmicas pessoais desses jovens; as relações de trabalho que se estabelecem em situações de vínculos empregatícios efêmeros; e a avaliação do Programa. Reafirmando os estudos sobre escolarização e busca por programas públicos de diversas naturezas, as mulheres estiveram à frente também deste programa: praticamente 6 em cada 10 participantes do programa eram do sexo feminino. A perspectiva da escolarização futura foi enfocada nessa pesquisa e reforça debates acerca do ensino público. Pelo lado da oferta e do acesso aos cursos universitários, persiste, ainda, o ingresso de um segmento da população oriunda do ensino privado. E, por outro lado, o debate sobre o direito ao ensino básico de qualidade. Esta pesquisa revelou que mais de 6 em cada 10 jovens participantes do Programa Jovem cidadão não dá continuidade aos estudos em função de: precisar trabalhar e não tenho recursos financeiros para custear os estudos. Ambas as respostas indicam a percepção dos jovens quanto à necessidade de precisar pagar pelo ensino superior. Vale ressaltar que menos de 2% dos entrevistados responderam que não tinham interesse em dar continuidade aos estudos. Pelo lado do trabalho, os jovens entrevistados lograram inserção no mercado de trabalho com índices elevados: 39% integram o mercado formal de trabalho, outros 10% trabalham sem a carteira assinada e pouco menos de 2% exercem atividade autônoma.

23 22 Foi possível observar que o estágio pode se constituir como ferramenta importante para os jovens vivenciarem a dinâmica do mercado de trabalho, relativa mais estritamente aos processos de seleção. Os dados obtidos revelam que este segmento da população encontrou na vivência profissional informações relativas às atitudes importantes no momento da entrevista, como preparar um currículo e, de forma não tão unânime, sobre seus direitos como cidadão que teve acesso a uma vaga de estágio.

24 23 REFERÊNCIAS ABRAMO, Helena Wendel. Condição juvenil no Brasil contemporâneo. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, Juventude, trabalho e educação no Brasil: perplexidades, desafios e perspectivas. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, POCHMANN, Marcio. Juventude em busca de novos caminhos no Brasil. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, SEGNINI, Liliana Rolfsen Petrilli. Educação e trabalho: uma relação tão necessária quanto insuficiente. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 2, Jun Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 fev TANGUY, Lucie. Les promoteurs de la formation en entreprise. Travail et Emploi, n o 86. Paris, abr VENCO, Selma. As engrenagens do telemarketing: vida e trabalho na contemporaneidade. Campinas: Arte escrita, 2009.

25 24 AUTORIA Bianca Briguglio Mestranda do Programa de Ciências Sociais Aplicadas à Educação, Faculdade de Educação da Universidade de Campinas. Bacharel em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Assistente técnica da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho. Endereço eletrônico: Emily Hozokawa Graduanda do Programa de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo. Consultora da Fundação do Desenvolvimento Administrativo (FUNDAP). Endereço eletrônico: Laís Schalch Socióloga, mestranda do Programa de Literatura da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Consultora da Fundação do Desenvolvimento Administrativo (FUNDAP). Endereço eletrônico:

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 Nos últimos anos, o Brasil experimentou expressiva

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nº 5 Fevereiro 2011 O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL O desenvolvimento capitalista no Brasil alcançou um impulso formidável no século passado, dotando, em curto espaço de tempo, uma economia

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em alusão ao Dia da

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP VERSÃO: 03-04-2008 2 O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP 1. Apresentação do Programa O Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP) foi concebido a partir da preocupação

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

A Contribuição da Educação para o Desenvolvimento Social

A Contribuição da Educação para o Desenvolvimento Social A Contribuição da Educação para o Desenvolvimento Social Setembro 2010 Wanda Engel Superintendente Executiva Desenvolvimento Humano Sujeito Sujeito Objeto Desenvolvimento Social Desenvolvimento Econômico

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende) Dispõe sobre atendimento diferenciado à mulher chefe de família nos programas habitacionais populares, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL

DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL Novembro de 2013 Taxas de participação e desemprego total, segundo cor e sexo Regiões Metropolitanas

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 24 setembro de 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos No Brasil, as profundas transformações pelas quais

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa Coordenação Técnica Agosto/2010 Iniciativa FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL NOSSA CAUSA O Itaú, por meio da Fundação Itaú Social, se dedica a formular, implantar e disseminar metodologias voltadas à melhoria de políticas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Objetivo da Pesquisa Coletar informações para diagnosticar a demanda dos jovens das Comunidades Real Parque e Jardim Panorama, quanto

Leia mais

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO *

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * COSTA, Marcia de Souza 1, PAES, Maria Helena Rodrigues 2 ; Palavras-chave: Pré-vestibular

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable Previdência Privada no Mercado Brasileiro Nobody s Unpredictable Objetivos e Características 2 Objetivos e metodologia Metodologia Quantitativa, por meio de pesquisa amostral com questionário estruturado

Leia mais

Economista pela UFU e mestra em economia pela UFPE.

Economista pela UFU e mestra em economia pela UFPE. O Trabalho Autônomo e a Política de Inclusão Previdenciária dos Microempreendedores Individuais MEI 1 Juliana Bacelar de Araújo Milena A. P. Prado Introdução O desenvolvimento econômico brasileiro notabilizou-se

Leia mais

Florianópolis, 17 de agosto de 2011.

Florianópolis, 17 de agosto de 2011. PROXIMIDADE DO FIM DE ANO IMPACTA A PERSPECTIVA DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS CATARINENSES EM SETEMBRO O forte crescimento mensal da perspectiva de consumo das famílias catarinenses, de 12,7%, foi o principal

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões NOVEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego permaneceu relativamente estável

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - AUXILIO TRANSPORTE APROVADO PELA RESOLUÇÃO N.º 022/2011 DO CONSELHO SUPERIOR/IFMA

PROCESSO SELETIVO PARA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - AUXILIO TRANSPORTE APROVADO PELA RESOLUÇÃO N.º 022/2011 DO CONSELHO SUPERIOR/IFMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO CAMPUS ALCÂNTARA NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA AO EDUCANDO PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015 Manual do Candidato

PROCESSO SELETIVO 2015 Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO 2015 Manual do Candidato O cursinho pré-vestibular comunitário VestJr O cursinho pré-vestibular VestJr surgiu em 2003 seguindo a ideia já em curso da política de implementação de cursinhos

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

Estratégias de Procura do Trabalho, Uso do Seguro- Desemprego e Qualificação Profissional na Região Metropolitana de Porto Alegre

Estratégias de Procura do Trabalho, Uso do Seguro- Desemprego e Qualificação Profissional na Região Metropolitana de Porto Alegre INFORMAÇÕES PARA O SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Estratégias de Procura do Trabalho, Uso do Seguro- Desemprego e Qualificação Profissional na Região Metropolitana de Porto Alegre Desde o

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO RACIAL PRECONCEITO DE COR NO BRASIL

DISCRIMINAÇÃO RACIAL PRECONCEITO DE COR NO BRASIL DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL Fundação Perseu Abramo Fundação Rosa Luxemburgo DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL TRABALHO REMUNERADO PARTICIPAÇÃO NA PEA POSIÇÃO NA

Leia mais