Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise"

Transcrição

1 Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise

2 Sebrae/RJ Diretor superintendente Sergio Malta Diretores Cezar Vasquez Evandro Peçanha IETS Editor responsável André Urani Adriana Fontes Luisa Azevedo

3 APRESENTAÇÃO Caro leitor, A publicação que você acaba de receber reúne boletins mensais sobre o mundo do trabalho no Estado do Rio de Janeiro com foco, em especial, na situação das micro e pequenas empresas. Resultado de uma parceria entre o Sebrae/RJ e o Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS), essas análises constituem mais uma ferramenta para acompanhar, sob a ótica conjuntural, estrutural e prospectiva, as micro e pequenas empresas (MPE) do estado, e vêm juntar-se à já tradicional pesquisa Indicadores das Micro e Pequenas Empresas (IMPE), desenvolvida mensalmente pelo Sebrae/RJ e pela Fundação Getulio Vargas. O Sebrae/RJ acredita que, com conhecimento dos cenários e a análise dos impactos das principais variáveis macroeconômicas nos pequenos negócios, é possível tomar decisões mais acertadas e eficientes para se estabelecer políticas públicas a favor de um ambiente favorável às MPE, assim como para desenvolver um melhor planejamento dos empreendimentos. Por isso, é com satisfação que apresentamos os três primeiros boletins elaborados pelo IETS, que abordam a crise internacional, a flexibilização dos contratos de trabalho e a formalização. Boa leitura! Cezar Vasquez Diretor do Sebrae/RJ

4 ÍNDICE Conjuntura e Análise nº 1 : A Crise Internacional e a Micro e Pequena Empresa 7 Conjuntura e Análise nº 2 : Flexibilização dos Contratos de Trabalho e as MPE 14 Conjuntura e Análise nº 3 : Formalização das Micro e Pequenas Empresas no Rio de Janeiro 2008: Balanço Positivo, mas com Sinais de Crise 21

5 Conjuntura e Análise nº 1 A CRISE INTERNACIONAL E A MICRO E PEQUENA EMPRESA Da euforia aos primeiros sintomas da crise Após quase duas décadas de relativa estagnação, o mercado de trabalho do Rio de Janeiro demonstrou uma extraordinária vitalidade nos últimos cinco anos. Seja em termos de quantidade como de qualidade dos postos de trabalho, os principais indicadores do mercado de trabalho evoluíram de forma extremamente positiva. Segundo a Pesquisa Mensal do Emprego do IBGE (PME/IBGE): A taxa de desemprego na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ) reduziu dois pontos percentuais entre 2003 e 2007, passando de uma média anual de 9,2% para 7,2% (Gráfico 1); Neste mesmo período, apesar da corrosão registrada em 2003 e 2004, houve um aumento dos rendimentos reais médios do trabalho de 10% na RMRJ - um índice superior até ao registrado no conjunto das seis regiões metropolitanas (Gráfico 2); A participação dos empregados com carteira de trabalho assinada na ocupação total da RMRJ passou de 41% em 2003 para 44,5% em 2007 (Gráfico 3). Gráfico 1 Gráfico 2 5

6 Gráfico 3 Esta evolução positiva do mundo do trabalho na RMRJ é corroborada pelos registros administrativos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). De acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) 1, entre 2003 e 2007: Foram criados 555 mil empregos formais, o que representa um crescimento do nível de emprego de 23%; e Houve um crescimento de 5% no número de empresas formais, 97% das quais micro e pequenas empresa (MPE) que absorvem quase 40% dos postos de trabalho. Até meados de 2008, havia fortes indícios de continuidade desta tendência. Segundo a PME/IBGE, o saldo líquido dos dez primeiros meses deste ano é altamente positivo: o desemprego continuou caindo (ficou em 6,8%, em média, contra 7,3% no mesmo período do ano passado como mostra o Gráfico 4) e o rendimento real médio do trabalho aumentando (5% - como se vê no gráfico 5). Nos últimos meses, entretanto, foi possível perceber os primeiros sinais de que a crise financeira internacional está desembarcando por aqui, em nossa região metropolitana: sempre segundo a PME/ IBGE, a taxa de desemprego em outubro foi 0,5 ponto percentual superior à do mesmo mês do ano passado, ao passo que o rendimento real médio do trabalho tem registrado queda ao longo dos últimos dois meses (embora ainda esteja em patamares superiores aos registrados no mesmo período de 2007). Gráfico 4 1 A definição de micro e pequena empresa é a mesma do Sebrae, seguindo o critério de número de empregados. Microempresa são os estabelecimentos com até 9 empregados nos setores comércio, serviços e agropecuária e com até 19 empregados na indústria. Pequena empresa são os estabelecimentos com 10 a 49 empregados nos setores comércio, serviços e agropecuária e com 20 até 99 empregados na indústria. 6

7 Gráfico 5 É mais do que natural, portanto, que surjam incerteza e temores em relação ao que poderá acontecer num futuro próximo, seja em relação ao desempenho do mercado de trabalho, seja, em particular, à dinâmica das micro e pequenas empresas. Possíveis desdobramentos da crise As políticas econômicas e o ambiente macroeconômico afetam o nível de rendimentos e emprego nos diferentes setores da economia. Para analisar os efeitos da atual conjuntura econômica sobre as micro e pequenas empresas (MPE) é preciso, primeiramente, fazer uma breve caracterização destas atividades. As micro e pequenas empresas têm um papel extremamente relevante na economia e, principalmente, na quantidade de postos de trabalho do Estado do Rio de Janeiro. Embora exista uma parcela de MPE que produza bens destinados à exportação, a imensa maioria das micro e pequenas empresas produz bens e serviços que não são transacionados com outros países, i.e., pertencem ao setor de bens não-comercializáveis 2. Da mesma forma, a maior parte do setor informal está alocada no universo das micro e pequenas empresas, seja em termos de informalidade das empresas ou da relação de trabalho, incluindo os trabalhadores por conta própria, menor unidade de produção. Assim, quando falamos em impactos do cenário macroeconômico nos trabalhadores informais e no setor de bens não-comercializáveis, estamos nos referindo à grande maioria das MPE. A história brasileira recente mostra que as condições macroeconômicas têm efeitos diferenciados nas micro e pequenas empresas. É possível distinguir os impactos das três variáveis-chave da economia (taxas de inflação, câmbio e juros) nas MPE e exemplos na história recente. Um cenário de alta inflação prejudica mais os rendimentos dos trabalhadores do setor formal do que os dos informais. Nos anos 80, os sucessivos planos de estabilização não conseguiram manter a inflação baixa por muito tempo. Os trabalhadores brasileiros tiveram perdas expressivas de renda real. Entretanto, os diferenciais de rendimentos foram favoráveis aos trabalhadores informais confirmando a maior capacidade destes trabalhadores de preservar seus rendimentos frente a pressões inflacionárias (Urani e Winograd, 1994). Os rendimentos dos empregados com carteira de trabalho assinada, mais presentes no setor de bens comercializáveis, são regulados por políticas salariais e, portanto, mais rígidos. Como o salário 2 Segundo a composição setorial das MPE formais, 51% são empresas de serviços, 38% de comércio e apenas 7% atuam nos ramos industriais, segundo a RAIS/2006. A maior parte destas não comercializa com outros países. 7

8 neste setor é determinado por mecanismos institucionais, há uma defasagem no reajuste que faz com que, em períodos de inflação, os trabalhadores deste setor tenham perdas mais acentuadas. Já os rendimentos do setor informal são mais flexíveis, permitindo ajustes mais rápidos. Os trabalhadores informais, principalmente os trabalhadores por conta-própria, cujos rendimentos são determinados pela livre negociação do preço dos serviços ou produto final, podem reajustar seus preços mais freqüentemente em períodos de inflação. Uma valorização no câmbio tende a favorecer os rendimentos dos trabalhadores no setor não-comercializável em detrimento dos rendimentos no setor de bens comercializáveis. Com o processo de estabilização econômica iniciado em 1994, finalmente foi possível acabar com o imposto inflacionário que corroia os rendimentos dos trabalhadores, sobretudo, dos mais pobres. Há grande elevação do consumo das classes de renda mais baixas. A política de valorização cambial aliada à abertura comercial provocou uma mudança nos preços relativos em favor do setor de bens não comercializáveis. O aumento no custo de produção em dólares não pode ser repassado para o produto final em virtude da maior concorrência de produtos importados no mercado doméstico (Machado e Machado, 1998). Há um acréscimo na participação dos ocupados no setor não-comercializável, que não está exposto à concorrência internacional. Como o rendimento dos trabalhadores informais não está sujeito a nenhum tipo de mecanismo institucional de reajuste dos rendimentos, face ao aquecimento da demanda agregada, esse grupo reajusta o preço dos seus serviços. Assim, o aumento na taxa de desemprego e na participação do setor informal na absorção de mão-de-obra ocorrido no período foi acompanhado de uma queda nos diferenciais de rendimentos em favor dos trabalhadores do setor de bens não comercializáveis. Por fim, uma elevação na taxa de juros e conseqüente queda no nível de atividade da economia afeta mais os trabalhadores informais, cujos rendimentos são mais vulneráveis a oscilações da demanda. O fluxo de renda desses trabalhadores, principalmente dos trabalhadores por conta própria, é determinado mais pelo nível de atividade e pela demanda do que por mecanismos institucionais de reajuste. Assim, em momentos de aquecimento da demanda esses trabalhadores tendem a se beneficiar mais do que os trabalhadores formais, mas, quando há recessão, os efeitos negativos são mais severos. No momento atual, vivemos um cenário de crise internacional que começou com uma crise de crédito nos Estados Unidos, mas que já afeta o lado real da economia. Ainda há muita incerteza sobre os efeitos da crise na economia brasileira e nas micro e pequenas empresas, em particular. Mas podemos tirar algumas lições a partir desta história recente. No início do ano, as pressões inflacionárias levaram à adoção, por parte do Banco Central, de uma elevação da taxa de juros. Com o agravamento da crise internacional no segundo semestre, a questão da inflação perdeu importância e há uma tendência de queda da taxa de juros. A princípio, elevação dos preços e redução dos juros, por razões já citadas anteriormente, poderiam favorecer as micro e pequenas empresas. No entanto, as grandes conseqüências da crise são retração do crédito, redução da liquidez e desaquecimento da demanda que têm efeitos negativos sobre o lado real da economia e, em especial, sobre as micro e pequenas empresas. O efeito líquido vai depender da magnitude do impacto da crise na atividade econômica. Um dos principais problemas enfrentados pelas MPE no Brasil e no mundo é a escassez de crédito fundamental para o financiamento do capital de giro dessas empresas. No cenário atual, este problema será agravado. O crédito está ainda mais caro e a análise de crédito, mais rigorosa. Ainda que não se saiba a magnitude dos efeitos da crise sobre a demanda por bens de consumo não comercializáveis, a falta de crédito pode impedir o funcionamento das MPE de forma mais imediata. 8

9 Mais do que nunca é necessário o fortalecimento das micro e pequenas empresas através de políticas voltadas a esse grupo tendo em vista sua importância na geração de renda para as camadas mais pobres da população. No curto prazo, pode-se pensar em instrumentos de política fiscal, como o aumento ou, pelo menos, a manutenção das compras do governo e a desoneração de tributos nos setores de maior geração de empregos, e linhas de crédito voltadas para esses setores. No longo prazo, é necessário construir as bases para uma política de adensamento de cadeia. Bibliografia: Machado, A. F. e Machado, D. C. Análise de dois setores no mercado de trabalho: os efeitos do Plano Real. Revista de Economia Política, vol. 18, Nº 4 (72), outubro-dezembro/1998. Urani, A. e Winograd, C. D. Distributional effects of stabilization policies in a dual economy: the case of Brazil Revista Brasileira de Economia, Vol. 48, Nº 1,

10 Opinião de especialista Fernando Cardim Professor do Instituto de Economia da UFRJ No segundo semestre de 2008, a crise financeira, iniciada nos Estados Unidos no ano anterior, mudou de natureza. O pânico financeiro que ocupou as manchetes dos jornais até recentemente deu lugar a uma fase menos espetacular, mas muito mais dramática: a recessão no setor produtivo. Agora são as empresas industriais e comerciais americanas que estão exibindo os sintomas do estrangulamento financeiro a que estão sendo submetidas, com a falta de crédito bancário, a paralisia dos mercados de títulos, a retração dos clientes, eles próprios incapazes de obter crédito para financiar suas compras. Além disso, os consumidores estão assustados com as perspectivas sombrias que se abrem para a economia americana, mesmo com o otimismo gerado pela eleição do Presidente Obama e o prenúncio das medidas que tomará para combater a recessão e recuperar o nível de atividades. Prever os impactos de uma crise desta magnitude sobre outros países, como o Brasil, é sempre arriscado. Isto porque embora os impactos diretos sejam relativamente fáceis de se identificar, como a contração da demanda externa por produtos exportados pelo país, são os impactos indiretos que podem, em certos momentos, ser mais importantes. Na verdade, o Brasil já sofreu alguns desses impactos diretos e indiretos, concretos e subjetivos. A contração da oferta de crédito às exportações é um exemplo de impacto direto, causado pela interrupção de empréstimos em dólares para bancos que financiam o setor. Em parte, a contração do próprio crédito doméstico que se tem visto nos últimos meses é também resultado da seca de empréstimos externos, fonte usual de recursos para os bancos que operam no país. A escala da retração de crédito, contudo, e a fuga de depositantes de bancos médios e pequenos para os grandes, só podem ser entendidas como um fenômeno de contágio subjetivo. Nada justificaria esta fuga de depositantes senão o temor irracional de que o pânico visto nos Estados Unidos se repita aqui. Em um quadro como o atual, o que podem esperar para o futuro mediato e imediato as pequenas e médias empresas do Rio de Janeiro? Eu arriscaria três possíveis efeitos. O impacto mais importante provavelmente será sentido pelas empresas ligadas ao setor de turismo. O alívio provocado pela desvalorização cambial deste ano, que pode ter estimulado a vinda de um número maior de turistas americanos, já se encontra relativamente esgotado, com a estabilização do dólar recentemente. Por outro lado, a profundidade da recessão nos Estados Unidos certamente fará com que o turismo para o exterior sofra uma redução significativa. À medida em que a recessão também contagia a Europa ocidental, essa contração pode se tornar mais marcada. Naturalmente, a redução do fluxo de turistas atinge diretamente os setores de hotelaria e alimentação, mas também pode criar problemas para a comercialização de produtos especialmente de artesanato que tem nos turistas estrangeiros um mercado importante. Um segundo impacto pode ser mais positivo. A contração do crédito deve levar a uma desaceleração da compra de bens de consumo durável, especialmente os de valor mais elevado, inclusive automóveis. Isto implicará um aumento da demanda por serviços de reparo que possam prolongar a vida útil dos bens existentes. Naturalmente, o vigor dessa demanda dependerá da evolução da renda especialmente dos trabalhadores do setor formal. No caso de um contágio mais intenso da economia brasileira pela crise internacional, a demanda para o setor de serviços de manutenção pode também se enfraquecer. 10

11 Finalmente, um terceiro impacto tem a ver com a ainda grande importância do funcionalismo público na população do estado e, mais especificamente, da cidade do Rio de Janeiro. É ainda uma incógnita como o governo vai reagir à provável desaceleração da economia brasileira. Por enquanto, várias medidas foram tomadas de estabilização do sistema financeiro e amenização da contração de crédito. Há uma probabilidade não-desprezível de que uma contração da economia, ao reduzir as receitas do governo, possam forçá-lo a uma postura fiscal mais austera, inclusive com relação aos salários do funcionalismo. Se isso ocorrer, é mais uma fonte de demanda para produtos locais que se enfraquecerá. Este último fator serve, na verdade, para nos lembrar que um elemento crucial de qualquer cenário futuro será a estratégia de política macroeconômica adotada pelo governo federal, cuja definição todos aguardamos. 11

12 Conjuntura e Análise nº 2 FLEXIBILIZAÇÃO DOS CONTRATOS DE TRABALHO E AS MPE Os reflexos da crise financeira internacional foram sentidos na economia brasileira em Queda da produção industrial, demissões em empresas ligadas à exportação de commodities e férias coletivas na indústria automobilística são alguns sinais da desaceleração da economia brasileira citados nos principais meios de comunicação. As estatísticas do Ministério do Trabalho também apontam para uma perda de dinamismo do mercado de trabalho brasileiro. O gráfico 1 apresenta a variação do nível de empregos formais obtida através do saldo entre o número de admitidos e de desligados, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego (Caged/MTE). Gráfico 1 A partir de outubro, o saldo líquido do nível de emprego ficou sensivelmente abaixo do ano anterior e, em dezembro, o número de demissões superou o de admissões com um saldo líquido negativo de 655 mil postos de trabalho (ver tabela 1 no anexo estatístico). Devido ao resultado do último trimestre, a variação do nível de emprego em 2008 foi 10% inferior ao ano anterior, conforme o gráfico 2. Gráfico 2 No Estado do Rio de Janeiro, os sinais de desaceleração da economia são mais fracos. No consolidado de 2008, o saldo do nível de empregos no estado foi de cerca de 155 mil postos de trabalho, 7% superior ao ano anterior (gráfico 3). Mas, como mostra o gráfico 4, a partir de outubro o saldo líquido do nível de emprego ficou abaixo do ano anterior. Enquanto de outubro a dezembro de 2007 foram criados 42 mil empregos, em 2008, a variação foi de 12,5 mil, 71% inferior. Vale destacar o desempe- 12

13 nho negativo de dezembro (destruição de 20 mil postos de trabalho) em relação aos anos anteriores, principalmente se comparado a 2007, que não registrou variação negativa do nível de emprego em nenhum dos doze meses. Gráfico 3 Neste contexto de redução do ritmo das contratações e aumento das demissões, retoma-se o debate sobre flexibilização dos contratos de trabalho, que surgiu no Brasil nos anos 90, mas, com o crescimento econômico dos últimos anos, havia sido deixado de lado. Com a chegada da crise este ano, o tema ressurge através de discussões de propostas para mudanças na legislação trabalhista e acordos entre empresários e trabalhadores para flexibilizar direitos trabalhistas, dentro das possibilidades já permitidas por lei, de modo a preservar o número de postos de trabalho. A principal proposta discutida por empresários, sindicalistas e políticos que buscam alternativas para amenizar os impactos no nível de empregos é a suspensão temporária do contrato de trabalho 1. Nas grandes empresas, empresários e trabalhadores começam a fechar os primeiros acordos para redução de jornada de trabalho e salários para evitar as demissões. Nos setores menos organizados, como as micro e pequenas empresas (MPE), onde não há instâncias que representem os trabalhadores mas que são sujeitos às regras de contratação e demissão impostas por lei, é mais difícil a manutenção do emprego. Na ausência de espaço para negociação, a única alternativa frente à crise é a demissão dos trabalhadores. Como mostra o gráfico 5, a variação do nível de emprego nas MPE acompanhou a retração do mercado de trabalho formal brasileiro do último trimestre, sendo que no último mês foram destruídos quase 300 mil postos de trabalho nestas empresas (45% do total de postos de trabalho fechados em dezembro) 2. Já no Estado do Rio de Janeiro, a retração do nível de emprego nas MPE foi menos acentuada, conforme o gráfico 6. Em dezembro, foram destruídos 6,8 mil postos de trabalho em MPE do estado, 35% da queda total do nível de emprego (tabela 1). 1 Essa proposta prevê a possibilidade de suspensão temporária do contrato de trabalho pelo prazo máximo de dez meses. Após esse período, a empresa recontrataria os trabalhadores temporariamente afastados ou então promoveria a rescisão definitiva. O trabalhador cujo contrato fosse suspenso teria direito a receber o benefício do seguro-desemprego e possibilidade de participar de programas de treinamento específico ou de educação geral, com o objetivo de aprimorar sua qualificação para o trabalho enquanto seu contrato estiver suspenso. A proposta sugere que a possibilidade de suspensão do contrato de trabalho seja instituída em caráter transitório, valendo apenas para o exercício de 2009 a princípio. 2 A definição de micro e pequenas empresas (MPE) é a mesma do Sebrae, seguindo o critério de número de empregados. Microempresa são os estabelecimentos com até 9 empregados nos setores comércio, serviços e agropecuária e com até 19 empregados na indústria. Pequena empresa são os estabelecimentos com 10 a 49 empregados nos setores comércio, serviços e agropecuária e com 20 até 99 empregados na indústria. 13

14 Gráfico 4 Gráfico 5 O fato é que, apesar da geração de empregos formais nos últimos cinco anos, a legislação trabalhista ainda está longe de proteger metade das pessoas ocupadas. A grande maioria dos trabalhadores às margens da legislação, excluídos de qualquer tipo de direito trabalhista, são ligados à micro e pequenas empresas, que estão submetidas às mesmas regras de contratação que qualquer outra empresa. Apesar dos avanços na simplificação da burocracia e redução dos impostos com a instituição do Simples Nacional ou Super Simples, pouco se avançou em direção a um tipo de contratação mais condizente com a realidade das micro e pequenas empresas. Gráfico 6 Neste momento de crise, o desafio é manter o bem-estar no emprego, sabendo que alguns setores serão fatalmente atingidos pela crise internacional, tipicamente os ligados à exportação de commo- 14

15 dities. A transição para outros setores na economia que possam ser dinamizados através de políticas macroeconômicas que aqueçam a demanda doméstica é necessária e deve-se buscar minimizar os custos do ponto de vista do emprego. As saídas para a crise devem ser alcançadas através diálogo entre empresários e trabalhadores. A falta de negociação significa, neste momento, a demissão do trabalhador. Para que haja uma negociação legítima, entretanto, é necessário avançar na reforma do sistema sindical brasileiro. O aumento do espaço de negociação passa por sindicatos livres, fortes e representativos dos interesses coletivos. Isto não apenas nos setores mais organizados como no ABC, mas também em outros segmentos menos estruturados, como nas MPE. É preciso rever o sistema em busca de relações de trabalho mais genuínas no nosso país. 15

16 Opinião de especialista João Saboia Professor titular e diretor do Instituto de Economia da UFRJ Vamos discutir o Simples do Trabalho? ano de 2008 foi excepcional para o mercado de trabalho. A taxa de desemprego apresentou O seu menor nível desde o início do governo Lula. O nível de renda continuou sua trajetória ascendente. A geração de empregos com carteira assinada prometia bater novo recorde. Tudo mudou, entretanto, nos meses finais do ano, quando o país foi atingido pela crise internacional. A partir daí, o cenário se inverteu. Segundo o CAGED, o mês de dezembro apresentou a maior queda de empregos com carteira assinada de todos os tempos, só não sendo ainda pior devido às empresas que deram férias coletivas a seus trabalhadores. Os milhares de trabalhadores temporários contratados ao longo de 2008, cuja expectativa era a renovação de seus contratos, se frustraram com as dispensas em massa. Os empregos permanentes também estão em risco. O medo do desemprego está no ar e as perspectivas do mercado de trabalho para 2009 são bastante desfavoráveis. Dentro deste contexto, a questão da flexibilização do mercado de trabalho volta à ordem do dia. Não seria o caso de se modificar a legislação, reduzindo direitos e encargos, como forma de manutenção dos empregos? Não seria o momento de se aproveitar a atual situação para modernizar a atual legislação do trabalho? Tal discussão é importante, mas deve-se ter cuidado para não misturar questões conjunturais com estruturais. A atual crise, apesar de sua dimensão, será passageira, e mais cedo ou mais tarde sairemos dela. Para enfrentá-la devemos desenvolver mecanismos de curta duração, que procurem amenizar os efeitos da crise sobre o mercado de trabalho. Outra questão são as mudanças estruturais que podem ser propostas e discutidas para a regulação do mercado de trabalho no futuro, quando os efeitos da crise atual tiverem sido superados. No momento atual, qualquer negociação que possa ser realizada entre as partes, com data de início e de fim, que possa manter os empregos ou reduzi-los minimamente, com ou sem redução da jornada de trabalho e de salários, é muito bem vinda. É melhor um emprego que gere alguma renda do que o desemprego puro e simples com renda zero. É importante, que se aproveite o atual período de dificuldades para que se aprofundem as discussões sobre as mudanças que poderiam ser feitas na atual legislação do trabalho, que se mostra superada e desatualizada. Assim, terminados os efeitos da crise atual, a sociedade teria avançado para implementar as modificações estruturais desejáveis. O caso do Simples é um exemplo de avanço realizado na legislação fiscal beneficiando milhares de empresas de pequeno porte. Em recente dissertação de mestrado defendida na UFRJ em janeiro deste ano, Anna Simão mostrou que no período 1999/2007 os estabelecimentos optantes pelo Simples apresentaram um maior crescimento do número de vínculos empregatícios do que os não optantes, embora possuam em média um número bem menor de trabalhadores (ver tabela). Certamente, as vantagens fiscais do Simples ajudaram na obtenção de tal resultado. Não seria o caso de se criar um Simples para a legislação do trabalho? Se as empresas optantes pelo Simples apresentaram uma performance relativamente favorável em termos de geração de emprego no passado quando comparadas às demais, com a criação do Simples do Trabalho os resultados poderiam ser ainda melhores. 16

17 De qualquer forma, é preciso deixar claro que a condição necessária para a recuperação do mercado de trabalho será a retomada do crescimento da economia. O Simples do Trabalho seria apenas um elemento adicional de incentivo à geração de emprego nas MPE. Variação Percentual do Número de Vínculos Empregatícios e de Estabelecimentos Declarantes da GFIP/MPAS. Posição em Setembro. Brasil: Fonte: MPAS/GFIP. 17

18 Anexo estatístico tabela 1: Variação do Nível de Emprego Formal Brasil Estado do Região Metropolitana Rio de Janeiro do Rio de Janeiro Total MPE's Total MPE's Total MPE's 01_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Fonte: Caged/MTE. 18

19 Conjuntura e Análise nº 3 FORMALIZAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO RIO DE JANEIRO 2008: BALANÇO POSITIVO, MAS COM SINAIS DE CRISE Segundo os dados da Pesquisa Mensal do Emprego (PME/IBGE), apesar dos primeiros sinais da crise no último trimestre, 2008 pode ser considerado um bom ano para o mercado de trabalho metropolitano brasileiro em termos de médias anuais. O desemprego, em queda desde 2003, apresentou a maior redução do período, passando de 9,4% em 2007 para 7,9% em Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, a queda do desemprego foi inferior à das outras regiões metropolitanas pesquisadas (-0,3 ponto percentual), perdendo a posição de menor taxa de desemprego de 2007 para Porto Alegre e Belo Horizonte. Gráfico 1 O comportamento do desemprego se deve em grande parte ao dinamismo da ocupação. Entre 2007 e 2008, o nível de ocupação no total das seis maiores regiões metropolitanas cresceu 3,8%, maior crescimento dos últimos cinco anos. Na RMRJ, a variação foi de 2,5%, inferior à das outras regiões metropolitanas do Sul e Sudeste. Além da ocupação no Rio de Janeiro não ter acompanhado o ritmo das demais regiões metropolitanas, o setor que apresentou maior crescimento foi a Administração Pública. Este aumento não está diretamente relacionado a movimentos do mercado, e sim a decisões políticas e administrativas por parte do governo. A indústria obteve a maior queda na participação dos setores da RMRJ. A informalidade é que tem segurado as pontas A redução do desemprego foi acompanhada de um aumento do rendimento médio real do trabalho habitualmente recebido. Neste indicador, ao contrário do que ocorreu com a taxa de desemprego, o Rio de Janeiro evoluiu mais do que as demais regiões metropolitanas com um crescimento de mais de 5% em relação a 2007, com exceção de Salvador que cresceu 6,7%. Como podemos observar no gráfico, a renda real média da RMRJ superou a média do Brasil Metropolitano em Este crescimento se deve principalmente ao crescimento dos rendimentos dos trabalhadores informais, sobretudo na RMRJ. O aumento da renda real média dos trabalhadores por conta própria na região metropolitana do Rio de Janeiro entre 2007 e 2008 (6,7%) foi o mais expressivo quando comparado com as demais regiões metropolitanas. Em termos dos rendimentos dos trabalhadores 19

20 sem carteira assinada, o crescimento observado na RMRJ (5%) foi quatro vezes maior do que no Brasil Metropolitano. Assim como observado para os trabalhadores por conta própria, os rendimentos dos empregados no setor público entre 2007 e 2008 tiveram sua maior variação positiva na RMRJ (6,5%), mais de dois pontos percentuais acima do mesmo crescimento para o Brasil Metropolitano, de 4,1%. Este foi o único grupo cuja renda cresceu em todas as regiões metropolitanas consideradas pela PME. Os trabalhadores com carteira assinada apresentaram aumento pouco significativo dos rendimentos na RMRJ entre os anos de 2007 e 2008 (2,4%). Gráfico 2 Gráfico 3 Já em termos de formalização, tema deste número, a PME permite identificar o percentual de empregados com carteira de trabalho assinada. Houve um aumento deste percentual entre 2007 e 2008 em todas as regiões metropolitanas, mas, no caso da do Rio de Janeiro, este incremento foi menor (0,3 ponto percentual). O percentual de empregados com carteira assinada na RMRJ só é mais alto do que o de Recife e praticamente igual ao da Região Metropolitana de Salvador (gráfico 4). 20

21 Gráfico 4 Por que há tanta informalidade no Rio de Janeiro? No tocante à informalidade das empresas, o único dado disponível é o da Pesquisa da Economia Informal e Urbana (Ecinf/IBGE), que foi a campo em 1997 e Como pode ser observado no gráfico 5, em 2003, apenas 5% das empresas com até cinco empregados na RMRJ possuíam constituição jurídica, percentual bem abaixo da média do Brasil Metropolitano, do Sudeste e da região metropolitana de São Paulo (RMSP). Além de ter o índice mais baixo, enquanto no Sudeste metropolitano e na RMSP há um aumento na formalização das empresas, na RMRJ, entre 1997 e 2003, há uma redução no percentual de negócios com até 5 empregados com constituição jurídica. Assim como a constituição jurídica, a licença municipal ou estadual também é menos presente na RMRJ (Gráfico 6). Neste indicador, há uma redução na formalização em todas as áreas entre 1997 e Em suma, de acordo com esses indicadores, podemos afirmar que a formalidade no Rio de Janeiro é metade do que a média metropolitana. Gráfico 5 Mas porque a informalidade é maior no Rio de Janeiro? Primeiramente pode-se dizer, a partir do gráfico 7, que há menor disposição por parte dos microempreendedores de regularizar seus negócios. Em 76,7% dos negócios na RMRJ não houve tentativa de regularização, percentual superior às médias da RMSP, do Sudeste e do Brasil metropolitanos. Com relação aos microempreendedores que tentam regularizar seus negócios, as dificuldades encontradas referem-se principalmente à burocracia e ao custo da regularização, como pode ser visto no gráfico 8. Nota-se, entretanto, que na RMRJ a burocracia é menos significativa que nos outros lugares, enquanto o custo e a falta de informação 21

22 Gráfico 6 sobressaem-se. O desejo de não querer pagar impostos também é um fator mais relevante no Rio de Janeiro do que nos outros lugares. Conclui-se, por um lado, que a informalidade no Rio de Janeiro é mais alta em parte pela cultura da informalidade estabelecida. Por outro lado, há maior precariedade dos negócios no Rio de Janeiro identificada pelas dificuldades mais básicas em termos de falta de informação, custo dos impostos ou da formalização dos negócios. Políticas que visem o aumento da formalização devem contemplar tanto ações que busquem a simplificação da burocracia e desoneração dos tributos como melhoria do ambiente de negócios no Rio de Janeiro. O setor informal, neste momento de crise, pode ajudar a amortecer os efeitos da crise, mas, estruturalmente, é um obstáculo para o desenvolvimento de longo prazo do Rio de Janeiro. Por isso, convidamos Paulo Ferraz para discutir uma estratégia de formalização das micro e pequenas empresas em favelas do Rio de Janeiro. Gráfico 7 Gráfico 8 22

23 Opinião de especialista Paulo Ferraz / Luisa Azevedo Formalização e Favelas formalização das micro e pequenas empresas (MPE) na cidade do Rio de Janeiro está diretamente associada ao enfrentamento desta questão nas favelas. Uma vez que o poder público A não apenas foi leniente com a formação e o estabelecimento das favelas, como também incorreu em um grande volume de gastos com a provisão de serviços públicos de infraestrutura urbana básicos (urbanização das favelas), devemos aceitar que estas comunidades já são parte constitutiva da cidade. Concordando ou não com as decisões tomadas pelos governos anteriores, as favelas foram a maneira informal e posteriormente institucionalizada de se contornar o déficit habitacional na metrópole. Os negócios nas favelas cariocas são caracterizados pelo pequeno porte e informais - segundo o censo realizado nas favelas de Vigário Geral e Parada de Lucas, 93% dos negócios são informais. Ademais, de acordo com Urani (2008): O empreendedorismo carioca (...) pode ser considerado de subsistência. Em grande medida, os empreendedores cariocas são pequenos comerciantes e prestadores de serviços que se estabelecem, na informalidade e com nenhum acesso a serviços produtivos, nas favelas da cidade. Os argumentos a favor da legalização das MPE nas favelas são vários e de natureza diversa. Um dos principais pontos levantados são os custos financeiros da informalidade para o governo. Como na ilegalidade não há obrigação de pagar impostos, a formalização aumentaria a arrecadação e, consequentemente, traria a possibilidade de melhoria na oferta de serviços públicos, tanto em quantidade como em qualidade. Outro argumento está embasado na idéia de que da mesma forma que todo cidadão deve ter um documento de identidade, toda empresa deveria tê-lo também, pois a existência de um grande número de empresas/pessoas informais/irregulares dificulta a fiscalização e a construção e implementação de políticas públicas. Seguindo esta linha de raciocínio, a informalidade das MPE pode ser o ponto de partida de um ciclo que levaria a todo tipo de desordem e corrupção. Assim, o desafio que se coloca é: como fazer a transição do informal para o formal nas favelas? O primeiro passo é a retomada dos territórios dominados pela força de grupos armados de traficantes ou milicianos pelo poder público oficial, com a presença de efetivo policial que possa patrulhar estas áreas. A segurança e a legalidade - ao lado de um patamar mínimo de qualidade nas áreas de educação e saúde, no intuito de garantir mão-de-obra saudável e qualificada - são estímulos e précondições para o desenvolvimento econômico. A retomada funcionaria como um sinal de ordem para a sociedade, inclusive os moradores da favela, e a partir de então várias ações conjugadas para possibilitar e estimular a formalização das MPE poderiam ser postas em prática. De que forma combater a informalidade é um ponto que merece reflexão para que se possa organizar o processo de formalização. Já que diferentes formas de ilícito têm diferentes penalidades (ex; tráfico, pirataria, jogo do bicho, contrabando etc.), devemos ter diferentes níveis de tolerância com a informalidade ou não? A dificuldade reside em definir o que seria uma contravenção pequena ou tolerável. Considerando a possibilidade de haver dois tipos de arranjos na informalidade, o negócio informal com atividade lícita (ex: camelô não registrado vendendo latinha de refrigerante) e o informal com atividade ilícita (ex: traficante, camelô vendendo produtos piratas/contrabandeados ou roubados), uma idéia para a transição do informal para o formal seria focar primeiro nos que são informais e 23

24 trabalham com serviços ou produtos lícitos. Deste modo, os que não se legalizassem poderiam então passar a ser classificados como ilegais. Outra ação cujo escopo não está limitado ao microempreendorismo, mas que é de suma importância para que se proceda à formalização nas favelas, é a regularização fundiária. De acordo com o censo realizado em Vigário Geral e Parada de Lucas, 58% das MPE funcionam na própria residência do dono do negócio. Os entraves para levar a cabo a regularização fundiária nas favelas envolvem a criação de uma nova legislação urbana (na Rocinha isto foi feito através do PAC) para regularizar as unidades residenciais e comerciais existentes nas favelas, visto que o atual plano urbanístico do Rio de Janeiro não leva em consideração a realidade já constituída. Outras questões que surgem associadas ao processo de regularização fundiária nas favelas dizem respeito à adaptação ou não das unidades já existentes previamente ao estabelecimento das regras e ao tempo que deve ser despendido neste sentido, antes que elas sejam consideradas ilegais; à tolerância zero ao crescimento horizontal das favelas; e à necessidade de se chegar a algum acordo em relação ao crescimento vertical das mesmas. Voltando ao tema mais específico das MPE, uma discussão importante e muitas vezes negligenciada gira em torno dos incentivos econômicos à formalização, ou seja, como fazer para que o custo de formalizar seja próximo de zero e, portanto, não haja vantagens em ser informal. Segundo o mesmo censo citado anteriormente, 74% dos nano, micro e pequenos empresários nas favelas de Vigário Geral e Parada de Lucas não querem se formalizar. Desta forma, a informalidade ainda parece ser mais lucrativa para os nano, micro e pequenos empreendedores nas favelas, mesmo que implique no funcionamento dos negócios em estabelecimentos com má infraestrutura, na falta de segurança pública (ambos relacionados ao déficit de serviços públicos) e em ocupações de baixa qualificação e remuneração. Para reverter este quadro e criar incentivos à formalização é necessário baixar substancialmente o custo e a burocracia de se legalizar. Em relação à regulamentação fundiária, alguns incentivos à formalização poderiam ser a isenção temporária ou permanente de IPTU e a redução das tarifas de luz, água e coleta de lixo. No caso dos empreendedores de favelas, a legislação existente já facilita a legalização a custos relativamente baixos. Até pouco tempo, entretanto, esta legislação não havia sido incorporada às políticas públicas dos agentes que deveriam atuar sobre estes territórios. 24

25

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais André M. Biancarelli IE-Unicamp Seminário O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro AKB; Centro do Novo Desenvolvimentismo, EESP-FGV São Paulo,

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015 1 PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015 COMO SURGIU A IDEIA 2 Na crise internacional de 2008, um grupo de sindicalistas, empresários e representantes do governo, preocupados com os poucos instrumentos

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Gráfico 1: Goiás - Saldo de empregos formais, 2000 a 2013

Gráfico 1: Goiás - Saldo de empregos formais, 2000 a 2013 O perfil do mercado de trabalho no estado de Goiás reflete atualmente as mudanças iniciadas principalmente no final da década de 1990, em que se destacam o fortalecimento do setor industrial e sua maior

Leia mais

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2012 17 2012

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais