O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como"

Transcrição

1 SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada à Equipa Técnica IAPMEI durante a execução do Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial (SISCOOP) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. O DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DE OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE 2.1. O MODELO DE AVALIAÇÃO E DIMENSÕES DE ANÁLISE 2.2. DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS PARA O DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DE OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE 3. CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA 1. INTRODUÇÃO O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como uma iniciativa pública que permite induzir a dinamização da cooperação entre empresas, enquanto instrumento de competitividade resultante da convergência da definição de estratégias de mercado. Promovendo o desenvolvimento de cadeias de valor relacionadas entre si centradas no ajustamento de sinergias sectoriais e inter sectoriais, o Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP deverá actuar desde a detecção, à indução passando pelo apoio ao desenvolvimento de redes de cooperação. Enquadrado no âmbito da Medida 6 - Apoiar as Parcerias Empresariais do PRIME reflecte como objectivo central promover a dinamização e a progressiva consolidação de um efectivo sistema nacional de cooperação empresarial. Tal como já aqui foi referido, a estrutura do programa integra um conjunto de actividades distintas, existindo hoje, como resultado um conjunto de oportunidades de cooperação em rede identificadas e em fase de avaliação do seu potencial de desenvolvimento.

2 Tendo em consideração os factos acima referidos e presente a necessidade de uma adequada afectação dos recursos do Estado, a avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede já identificadas torna-se imprescindível para a execução de uma política de desenvolvimento eficaz e eficiente. Assim, o presente documento visa apresentar um contributo para a definição de um instrumento de diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento de oportunidades de cooperação em rede identificadas no âmbito do Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial, integrando, por um lado, os critérios essenciais para a validação das oportunidades de cooperação em rede e por outro um conjunto de indicadores que constituirão um instrumento, embora que meramente qualitativo, de avaliação do seu potencial de desenvolvimento. Assim, será apresentado em primeiro lugar as dimensões de análise subjacente ao modelo de avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede identificadas, para depois passarmos a apresentar o sistema de avaliação em si. Neste âmbito, serão sistematizados todos os critérios básicos e suplementares de avaliação, assim como os indicadores que consideramos meramente auxiliares para a tomada da decisão acerca da validação das oportunidades de cooperação em rede no âmbito do Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial. 2. O DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE 2.1. O MODELO CONCEPTUAL E AS DIMENSÕES DE ANÁLISE O diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede é suportado pelo conceito dinâmica de rede e o qual se materializa na integração de um conjunto de dimensões de análise distintas Actividades, Intervenientes, Recursos e Envolvente. Pretende-se, assim, que o modelo conceptual que teve subjacente ao Programa de Dinamização para a Cooperação Inter Empresarial e ao Programa de Reforço da Cooperação Empresarial, tal como o próprio conceito de cooperação em rede presida como suporte ao diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede. Neste contexto, o modelo de avaliação enquadrará as dimensões consideradas importantes para o desenvolvimento de processos de cooperação em rede. Assim, temos:

3 FIGURA Nº 1 - MODELO DE AVALIAÇÃO Critérios Básicos Critérios Critérios Critérios Básicos Entenda-se que as actividades desenvolvidas pelos diversos intervenientes não ocorrem isoladamente, até porque muitas das vezes estas são vistas como elos de ligação em longas cadeias de valor. Contudo, quando se fala em actividades existe a necessidade de estabelecer à partida a distinção entre actividade global em cooperação e actividade específica, na medida em que se tratam de actividades de natureza distinta. A actividade global da rede, abarca as actividades desenvolvidas por um conjunto de intervenientes que prosseguem objectivos comuns e para os quais todos contribuem, podendo estes situar-se no âmbito de projectos da mais variada natureza (comerciais, produção, qualidade, etc...) visando a prossecução de objectivos de cada um deles. A actividade específica, integra as actividades que cada um dos intervenientes desenvolve internamente e que contribuem para a actividade global em cooperação, e às quais estão associados os recursos disponibilizados. Estas actividades específicas podem ser complementares ou comuns. No primeiro caso, existe uma situação de baixo nível de concorrência entre os cooperantes, com o intuito de atingir objectivos complementares; a segunda situação é caracterizada pela existência de actividades com elevado nível de concorrência entre os cooperantes, visando estas o alcance de objectivos comuns ou divergentes. Relativamente ao tipo de actividades que são desenvolvidas globalmente, estas podem ou não ser formalizadas. Como tal, formalmente estas poderão assumir variadíssimas formas: protocolos, consórcios, contratos ou sociedades com personalidade jurídica, assim como sociedade por quotas, anónima, agrupamento complementar de empresas ou outras, enquanto que informalmente as actividades podem assumir o carácter de meros acordos verbais e cuja distinção se encontra directamente relacionada com a necessidade e o grau de formalização da gestão dos recursos envolvidos em todo o processo de cooperação.

4 Neste contexto, compreende-se pela dimensão actividades, o âmbito e a extensão das actividades desenvolvidas no seio das oportunidades de cooperação em rede identificadas. Assim, as actividades desenvolvidas através da implementação destas oportunidades de cooperação em rede corresponderão à materialização das competências e capacidades subjacentes aos diversos intervenientes integrados no processo de cooperação em rede. A percepção sobre os benefícios que o desenvolvimento da actividade em cooperação proporciona a cada um dos intervenientes do processo de cooperação em rede assume assim, um carácter fundamental, devendo a mesma ser expressa não só em função da utilidade e dos resultados que o processo proporciona, mas também em função dos recursos que cada um disponibilizou ao sistema. No que concerne à dimensão intervenientes podemos considerar que são todos os elementos do grupo de agentes económicos envolvidos empresas, associações empresariais e instituições que participam na rede de cooperação. Dado a cooperação ser um instrumento complexo, as razões que levam os intervenientes a integrar processos destra natureza são muito variados, nomeadamente: Ameaças ou Oportunidades de Carácter Horizontal ou de Natureza Estrutural, assume-se a título de exemplo como a obtenção de novas oportunidades de negócio, promoção de barreiras á entrada de possíveis concorrentes ou da estabilidade dos preços, etc... Ameaças ou Oportunidades Específicas, traduzem-se na maximização de capacidades instaladas, na obtenção de economias de escala ou na especialização do produto, etc... Ameaças ou Oportunidades Pontuais, resultam da necessidade de capital, da obtenção de incentivo financeiro, etc... Assim, sabemos que os intervenientes nos processos de cooperação desenvolvem determinadas actividades específicas e controlam certos recursos, o que implica a existência de determinadas conexões entre estes. Teoricamente todos os intervenientes têm à sua disposição oportunidades de cooperação. Contudo, somente algumas são identificadas, sendo mesmo poucas aquelas que são ponderadas e uma pequena fracção as que não são na realidade experimentadas. Como tal consideram-se intervenientes todas as empresas de carácter industrial que facilitam ou potenciam a materialização de um conjunto de capacidades e competências, quer de carácter técnico, instrumental e social conducentes ao desenvolvimento de actividades em cooperação. Isto significa que os intervenientes estão directamente relacionados com as capacidades que a rede deve deter para desenvolver as suas actividades e alcançar o sucesso no futuro. A existência ou ausência de determinadas competências e capacidades por parte dos intervenientes constitui um factor determinante para a identificação do potencial de desenvolvimento da oportunidade de cooperação em rede. Relativamente à dimensão recursos. No desenvolvimento das actividades em cooperação são necessários recursos bens e serviços os quais podem ser disponibilizados pelo interveniente na rede de cooperação ou podem ser obtidos como resultado do investimento feito pela rede no seu

5 conjunto. A sua importância é tão elevada que o mais simples recurso, como é o caso de um recurso humano ou de um simples equipamento específico poderá ter um impacto considerável no design da rede. No caso de uma empresa podem ser identificados vários tipos de recursos, os quais estão directa ou indirectamente relacionados com a envolvente: recursos humanos, recursos financeiros, recursos tecnológicos, etc... Estes recursos podem assumir uma natureza comum ou complementar. A primeira encontra-se relacionada coma tipologia de abordagem e exploração dos recursos onde se destacam objectivos comuns por parte de todos os intervenientes e um alto nível de concorrência para a exploração dos recursos, dado que a actividade desenvolvida em comum depende da exploração conjunta de um determinado recurso específico. Por sua vez os recursos assumem uma natureza complementar quando o desenvolvimento da actividade global exige um baixo nível de concorrência ao nível da exploração dos recursos, dado que a mesma é feita por parte dos intervenientes de uma forma complementar. Desta forma entende-se que a dimensão recursos constituem tudo aquilo que permita potenciar o desenvolvimento das actividades em cooperação e cuja monitorização é resultante de contínuos processos de aprendizagem e acumulação de conhecimentos por parte dos intervenientes. Significa isto, que os recursos potenciam a materialização das actividades e, logo encontram-se subjacentes a cada um dos intervenientes no processo de cooperação em rede. Trata-se de um ciclo virtuoso onde o grau de dependência e integração de cada uma das dimensões de análise é absolutamente essencial e imprescindível para a existência de um processo de cooperação em rede. Por fim, entenda-se que qualquer actividade empresarial uma vez que se constitui como um sistema aberto, está condicionada por um conjunto de factores externos, sobre os quais poderá ter alguma capacidade de controlo ou não. No entanto, no desenvolvimento normal da sua actividade as empresas, têm a necessidade de prever e antecipar alterações no mercado, de forma a poderem adaptar as suas actuações a novas tendências. Tratando-se do desenvolvimento de actividades em cooperação, a envolvente é uma dimensão de grande relevância em todo o processo não só pela influência directa, mas também indirecta que esta possa ter sobre estas actividades. Por outras palavras, não só pela influência da envolvente na rede, como também pelo comportamento activo da rede à envolvente, a qual pode condicionar a actuação dos restantes agentes económicos existentes no mercado. Tendo em consideração que uma rede de cooperação é constituída por diversos intervenientes que não vivem isoladamente e que actuam num determinado contexto, sugere-se que a análise de uma rede de cooperação e a construção de todo o modelo conceptual subjacente à mesma comporte a dimensão envolvente. Assim, a envolvente traduz-se naquilo que influencia ou pode influenciar o comportamento dos intervenientes inseridos em contextos de dinâmica de rede, nomeadamente o próprio mercado para o qual as actividades desenvolvidas em cooperação são direccionadas. Significará, isto que as características, as competências e as capacidades que se encontrarão

6 associadas aos intervenientes dos processos de cooperação em rede deverão ser dimensionadas em função das necessidades e oportunidades proporcionadas pelo mercado DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS PARA O DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Considerando os aspectos anteriormente referidos, destacaremos de seguida os critérios metodológicos chave para o diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede. Antes, porém, abordaremos de forma global alguns procedimentos e formalizações processuais inerentes ao diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede. Na globalidade, os intervenientes devem reunir à partida um conjunto de requisitos para poderem integrar uma rede de cooperação apoiada no âmbito do Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial (SISCOOP), nomeadamente: Situação económica-financeira equilibrada, com um rácio de autonomia financeira superior a 25% (Modelo 22 do último exercício); Situação regularizada face à Administração Fiscal, à Segurança Social e ao IAPMEI - Instituto de Apoio a Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento. Por outro lado, é imprescindível que a formalização da identificação da oportunidade de cooperação em rede seja realizada por uma entidade facilitadora ao IAPMEI/UC PME G através do preenchimento de formulário próprio para o efeito e anexando as seguintes informações adicionais: Relativamente ao Cooperante Líder": "Oportunidade de Cooperação - Formulário da Cooperante Líder"; Declaração de situação regularizada face à Segurança Social; Declaração de situação regularizada face à Administração Fiscal; Declaração de regularização de "Legalização de Estabelecimento" ; Declaração de Rendimentos "Modelo 22" para o exercício de 2002; Declaração do Cooperante em como aceita ser Cooperante Líder; Cartão de Pessoa Colectiva; Estatutos da Empresa; DR (Diário da República que formaliza a constituição da empresa). No que concerne a cada interveniente da oportunidade da rede de cooperação:

7 "Oportunidade de Cooperação - Formulário da Cooperante Líder"; Declaração de situação regularizada face à Segurança Social; Declaração de situação regularizada face à Administração Fiscal; Declaração de regularização de "Legalização de Estabelecimento"; Declaração de Rendimentos "Modelo 22" para o exercício de 2002; Declaração da Cooperante em como aceita ser Cooperante Líder; Cartão de Pessoa Colectiva; Estatutos da Empresa; DR (Diário da República que formaliza a constituição da empresa). Para além dos aspectos acima referidos, a formalização da identificação da oportunidade de cooperação em rede deverá vir igualmente acompanhada por uma caracterização da consultoria especializada necessária, destacando-se os seguintes aspectos: Objectivo; Intervenção; Metodologia; Calendário de execução; Validade da proposta; Curricula do Consultor/Conselheiro; Proposta do montante global da comparticipação: Custos com honorários de consultoria (custo/hora e total de horas) discriminados; Custo com estudo(s); Declaração de aceitação do Consultor (Anexo do Contrato de Comparticipação Financeira). As conclusões sobre o potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede resultam da definição de um conjunto de factores críticos imprescindíveis para a realização de actividades em cooperação. Para identificar se as oportunidades de cooperação em rede são detentoras desses factores críticos essencialmente associados às capacidades dos seus intervenientes, foi delineado um conjunto de indicadores de performance. O potencial de desenvolvimento de uma oportunidade de cooperação em rede é, desta forma, encontrado através da

8 sua colocação relativamente aos três níveis de indicadores de performance num modelo que se pode analisar sinteticamente na figura seguinte: FIGURA Nº 3 - MODELO DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO Por outro lado, os indicadores de performance das oportunidades de cooperação em rede e seus factores críticos estão associados a cada uma das dimensões de análise já aqui apresentadas neste documento. Não querendo no entanto, deixar a análise apenas ao critério dos indicadores, cada dimensão é complementada com uma análise global qualitativa por parte da equipa de especialistas em diagnóstico e avaliação das oportunidades de cooperação em rede que levarão em consideração as variáveis de caracterização e factores intangíveis que não estão expressos nos indicadores chave de desempenho ou nos factores críticos de sucesso. Em resultado deste enquadramento, podemos começar por identificar que um dos critérios para a definição do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede é a existência de um conjunto de indicadores de performance determinantes, que constituem aqueles que são condição necessária para a validação da oportunidade de cooperação em rede identificada. Assim, os indicadores de performance determinantes para a avaliação do potencial de desenvolvimento encontram-se directamente associados ao conceito de dinâmica de rede e às diferentes dimensões de análise já aqui identificadas.

9 Neste contexto, entenda-se dinâmica de rede como o ajustamento sistémico entre as competências e os recursos subjacentes aos intervenientes e as actividades desenvolvidas através do processo de cooperação em rede. Significa isto, que as dimensões de análise conduzir-nos-ão a um conjunto de informação sobre os recursos utilizados e disponibilizados por cada interveniente no processo de cooperação em rede. Paralelamente, refere as actividades a desenvolver em cooperação, assim como os intervenientes que contribuem para o seu desenvolvimento. Por fim, proporcionam informação sobre o enquadramento do projecto no contexto actual assim como, a importância que assume, quer em termos sectoriais, regionais, ou até mesmo nacionais. Destaca-se contudo, que a percepção sobre os resultados produzidos e associados ao desempenho de cada um dos intervenientes é essencial. A indicação sobre a forma como a gestão de recursos será realizada e a importância que os mesmos envolvem no âmbito do processo de cooperação assume também ele um critério básico para a validação da oportunidade de cooperação em rede. É ainda importante realçar que os potenciais resultados advenientes das oportunidades de cooperação em rede identificadas devem ser observados não só no seu impacto directo sobre a envolvente em que se inserem, mas principalmente no impacto directo que produzem para cada um dos intervenientes do processo. De facto, a relação estabelecida entre os resultados e os recursos utilizados, assim como, as competências e capacidades dos intervenientes que contribuem para o desenvolvimento das actividades em cooperação permite concluir acerca da potencial eficiência do sistema. Tendo presente que o conceito de dinâmica de rede está associado à produção de sinergias e consecutivamente ao desempenho do sistema em si, a constatação do grau de interacção das diferentes dimensões e a percepção dos recursos com que cada um contribuiu e participa no processo, associado aos benefícios que os mesmos proporcionam, quer como sistema, quer individualmente de e para cada um dos intervenientes constituiu o critério determinante e fundamental à validação de qualquer oportunidade de cooperação em rede identificada. Em relação aos indicadores complementares e auxiliares para diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede, destacamos que estes constituem, tal como o nome indica, indicadores meramente complementares e auxiliares para a tomada de decisão, embora representem o segundo critério para definição do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede identificadas. De notar, que estes indicadores assumem na maioria das vezes um carácter qualitativo. Assim, seguidamente apresentamos, a título de exemplo, alguns indicadores que permitem fazer um acompanhamento do processo de avaliação das oportunidades de cooperação em rede, a saber: Grau de adequação dos intervenientes face à actividade a desenvolver em cooperação Diversidade das competências e capacidades em função da actividade em cooperação Grau de adequação da actividade em cooperação às necessidades e oportunidades do mercado

10 Grau de adequação dos recursos face à actividade a desenvolver em cooperação Grau de relação dos recursos/resultados/intervenientes Tipologia de intervenientes Estas recentes constatações em relação ao modelo de diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento vem tornar ainda mais clara a relação que se estabelece entre os indicadores de performance das oportunidades de cooperação em rede, os seus factores críticos e cada uma das dimensões de análise conforme se pode corroborar pela análise do quadro abaixo: QUADRO 1 VARIÁVEIS DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE INTERVENIENTES FACTORES CRÍTICOS Capacidade para potenciar os objectivos da oportunidade de cooperação em rede e de proporcionar um envolvimento de equidade entre os intervenientes INDICADORES DE PERFORMANCE DETERMINANTES COMPLEMENTARES AUXILIARES Relevância dos Potencial de objectivos e da crescimento da própria relevância dos actividade em objectivos da cooperação para oportunidade de cada um dos cooperação face intervenientes do ao posicionamento processo do interveniente no mercado

11 Capacidade de percepção e selecção das competências e capacidades fundamentais à materialização da actividade em cooperação e adequadas face aos objectivos definidos Tipologia de intervenientes Grau de adequação dos intervenientes face à actividade a desenvolver em cooperação: competências e capacidades ACTIVIDADES Capacidade de gestão e maximização da actividade a desenvolver em cooperação Relação entre a capacidade dos intervenientes dada a tecnologia disponível a sua relevância para o desenvolvimento da actividade e oportunidade de desenvolvimento Potencial grau de apropriabilidade dos resultados face aos recursos e intervenientes envolvidos no processo de cooperação Tipologia de actividade em cooperação Relevância da actividade em cooperação para cada um dos intervenientes Capacidade para potenciar projectos susceptíveis de serem integrados em negócios de compensação tendo em conta os diferentes tipo de características dos mesmos Potencial grau de dinamização da indústria local Identificação de potenciais intervenientes do sistema de inovação susceptíveis de integrar redes de cooperação que participem em processos de contrapartidas Análise da causalidade e valor acrescentado Cooperação vs Competitividade Análise da cadeia de valor e do valor acrescentado Relação entre mercado e remuneração dos factores produtivos

12 RECURSOS Capacidade para gerir, potenciar e partilhar os recursos afectos à actividade em cooperação Partilha e cedência de recursos Grau de adequação dos recursos face aos objectivos e a actividade a desenvolver em cooperação ENVOLVENTE Capacidade para delinear uma estratégia para a oportunidade de cooperação em rede em função dos objectivos e as condicionantes locacionais e nacionais ao desenvolvimento da actividade Grau de adequação das estratégias apresentadas face aos objectivos definidos Grau de adequação das estratégias apresentadas face ás oportunidades e necessidades do mercado Ao longo deste capítulo apresentamos as linhas gerais do instrumento de diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento de oportunidades de cooperação em rede. Do ponto de vista puramente técnico, facilmente se constata que o sistema assenta no modelo conceptual subjacente ao Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial e ao conceito de cooperação em rede. Neste contexto, as dimensões de análise, assim como os indicadores de performance para avaliação constituem um conjunto de etapas metodológicas, as quais se encontram sujeitas à respectiva reformulação e aperfeiçoamento em função da actividade e do processo de cooperação em análise. Este contributo para a definição do sistema de diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede constituiu um instrumento de suporte e acompanhamento do processo de validação das oportunidades de cooperação já identificadas no âmbito do Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial. Obviamente, que sempre que possível e necessário recorrer-se-á ao desenvolvimento de estudos de benchmarking relativamente a outras redes de cooperação já em funcionamento de forma a poder identificar as melhores práticas e a suportar a decisão de validação com a máxima garantia técnica de que a mesma será conducente ao aparecimento de um processo de cooperação que garanta vantagem competitiva. 3. CONCLUSÃO Ao longo do documento apresentamos um primeiro contributo para a definição de um instrumento de diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento de oportunidades de cooperação em rede. O sistema assenta no modelo conceptual subjacente ao Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial e ao conceito de cooperação em rede. Neste contexto, as dimensões de análise, assim como os critérios básicos e suplementares de avaliação constituem um conjunto de etapas metodológicas, as quais se encontram sujeitas à respectiva reformulação e aperfeiçoamento em função da actividade e do processo de cooperação em análise.

13 Este contributo para a definição de um instrumento de diagnóstico e avaliação do potencial de desenvolvimento das oportunidades de cooperação em rede constituiu um instrumento de suporte e acompanhamento do processo de validação das oportunidades de cooperação já identificadas no âmbito do Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial. Obviamente, que sempre que possível e necessário recorrer-se-á ao desenvolvimento de estudos de benchmarking relativamente a outras redes de cooperação já em funcionamento de forma a poder identificar as melhores práticas e a suportar a decisão de validação com a máxima garantia técnica de que a mesma será conducente ao aparecimento de um processo de cooperação de sucesso. BIBLIOGRAFIA ITEC (1998); Diagnóstico e Avaliação das Redes de Cooperação Apoiadas no âmbito do PEDIP I ; Rolo, T. (2001); Contributo para a Análise dos Factores Críticos de Sucesso para a Dinamização da Cooperação Inter Empresarial ; Dissertação para a Obtenção de Grau de Mestre em Engenharia e Gestão de Tecnologia (IST UTL)

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA AVISO N.º 05/ SI/ 2011 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO A metodologia de cálculo para selecção e hierarquização dos prs é baseada no indicador de Mérito do Pr

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

O Conceito de Cluster

O Conceito de Cluster O Conceito de Cluster Conjunto de empresas, relacionadas entre si, que desenvolvem competências específicas, formando um pólo produtivo especializado e com vantagens competitivas. Antecedentes As empresas

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL No ano de 2000, o Conselho Europeu, reunido em Lisboa, fixou o objectivo de na próxima década, tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento I.1. Incentivos Directos e Indirecto às Empresas Tipologia de Investimento CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010)

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) Foi prorrogado o prazo para apresentação de candidaturas no âmbito do Aviso N.º 03/SI/2010,

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 O parceiro das PME 2 Missão Visão Produtos e Serviços Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais