Programa da USAID Moçambique de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Empresarial (SPEED) Solicitação de Propostas (RFP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa da USAID Moçambique de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Empresarial (SPEED) Solicitação de Propostas (RFP)"

Transcrição

1 Prgrama da USAID Mçambique de Api a Desenvlviment Ecnómic e Empresarial (SPEED) Implementad pela DAI Slicitaçã de Prpstas (RFP) N. 046/SPEED/2014 GESTÃO DA LOGÍSTICA PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DA ANAC Data de Emissã: 13 de Agst de 2014 AVISO: Os Ptenciais Frnecedres que receberam este dcument a partir de uma fnte diferente d PROJECT SPEED DA USAID, Rua Beij da Mulata nr.98, 2º andar, devem imediatamente entrar em cntact pel e frnecerem s seus nmes e endereç para crrespndência, a fim de que as alterações a RFP u utras cmunicações pssam ser enviadas directamente para eles. Qualquer ptencial Frnecedr que nã registar seu interesse assume ttal respnsabilidade n cas em que nã receber cmunicações antes da data de encerrament. Quaisquer alterações a esta slicitaçã serã emitidas e publicadas n site Page 1 f 16

2 Sinpse da RFP RFP Nº. Data de Emissã Títul 000/SPEED/ Agst de2014 Serviçs para rganizaçã e Crdenaçã de três semináris cnsultivs na cidade de Maput, Manica e Pemba Escritóri de Emissã& /Endereç Físic para a Submissã das Prpstas Praz para a Recepçã das Perguntas Praz para Recepçã das Prpstas Pessa de Cntact Tip de Adjudicaçã Prevista Base para Adjudicaçã SPEED Prgram, Att: Directr Adjunt Bairr da Smmerschield II, Rua Beij da Mulata nr.98, 2º andar, Maput Quarta-feira, 27 Agst de 2014 para Sexta-feira, 29 Agst de 2014 entre as 08:00-11:30h Directr Adjunt Menr Preç Tecnicamente Aceitável Os cnsultres individuais u equipa de cnsultres u empresa de cnsultria será seleccinada de acrd cm s prcediments estabelecids nas directrizes da USAID. O cntract será celebrad através de uma PO (Ordem de Cmpra) a menr preç tecnicamente aceitável e pde ser alterad em funçã d tip da negciaçã na celebraçã d cntract.a submissã da prpsta em nada briga a uma subcntrataçã u PO (Ordem de Cmpra). Tdas as despesas referentes à submissã das prpstas sã da respnsabilidade ttal d prpnente e nã sã reemblsáveis pela USAID SPEED. Os prpnentes interessads pdem bter RFP detalhad a partir d endereç Page 2 f 16

3 1. Intrduçã e Objectiv 1.1 Objectiv.Garantir suprte e gestã de lgística para a Equipe de cnsultres que vai desenhar plan estratégic da ANAC em Mçambique;.Organizar s encntrs e aprvisinament para s cnvidads e cnsultres que participarã ns semináris de cnsulta em três prvíncias d pais;.organizar seminári nacinal para a discussã d plan estratégic da ANAC. 1.2 Antecedentes Durante muits ans, as áreas de cnservaçã fram geridas pela DNAC, a Direcçã Nacinal de Áreas de Cnservaçã, tutelada pel Ministéri d Turism. Recentemente, n entant, Gvern de Mçambique (GM) criu uma nva agência paraestatal, a ANAC, para assumir esta respnsabilidade. Desta frma, GM pretende que a gestã de áreas de cnservaçã seja mais prfissinal e mais rentável n futur, adptand uma abrdagem idêntica à d sectr privad. Cm rganism paraestatal, a ANAC tem cmpetência para participar em empreendiments cnjunts, assumir e gerir cncessões de turism, e uma autnmia financeira que a sua antecessra, a DNAC, nã pssuía. É imprtante bservar que a autnmia financeira para empresas paraestatais, em Mçambique, está directamente ligada à capacidade de aut- financiament. A gestã financeira ttalmente independente é cncedida pel GM apenas quand a paraestatal cnsegue um aut-financiament equivalente a 2/3 d seu rçament anual; até que a ANAC alcance este valr de referência, s recurss financeirs cntinuarã a ser garantids pel Orçament Geral d Estad. A ANAC irá gerir uma carteira cmpsta de Parques Nacinais e Reservas, Parques Marítims e Reservas Marinhas, Znas de Caça (Cutadas) e Reservas de Caça. Embra as estimativas variem, tds cncrdam que, actualmente, esta rede está extremamente sub-financiada, até a pnt de ter dificuldades em cumprir a sua missã principal, que assenta na cnservaçã de uma amstra representativa da bidiversidade em Mçambique, para as gerações futuras. As dificuldades de financiament estã relacinadas cm as questões de RH; a mair parte dessas áreas nã têm pessal suficiente (em qualidade e quantidade) para frnecer prtecçã de acrd cm s padrões e as nrmas internacinais, embra exista um quadr de prfissinais experientes e de administradres ds parques e de pessal qualificad a quem recrrer. 1.3 Tip de Adjudicações Previstas A DAI prevê adjudicar uma Ordem de Cmpra a Preç Fix. Esta adjudicaçã será emitida directamente pela DAI/SPEED Prject para cnsultr. Os requisits prevists para a empresa de cnsultria: Experiência Prfissinal Cmprvada 1. Perfil da empresa; 2. Demnstraçã de capacidade: Listagem e descriçã de pel mens 5 prjects de natureza similar realizads ns últims 3 (três) ans; 3. Pel mens 3 (três) cartas de referência u recnheciment pels serviçs prestads. Page 3 f 16

4 Cmpetência Técnica Instalada 1. Quadr técnic qualificad na área de Gestã lgística e rganizaçã de events, visad para esta cnsultria em particular cm cnheciments em Marketing, Cmunicaçã u utra área relevante. 2. CV s ds membrs da equipe que pretendem utilizar para realizar a cnsultria, incluind uma indicaçã da sua experiência específica nas áreas relevantes e quaisquer qualificações prfissinais que pssam ter. Dcumentaçã cmprvativa que habilita ficialmente a empresa a exercíci da sua actividade técnica, jurídica e fiscal: 1. Certidã de regist cmercial / Escritura pública 2. Certidã de regist cmercial/escritura publica 3. Certificad actualizad de Quitaçã das Finanças; 4. Certificads actualizads de Quitaçã d INSS; Os requisits prevists para cnsultres individuais: Experiência Prfissinal Cmprvada 4. Perfil d cnsultr; 5. Demnstraçã de capacidade: Listagem e descriçã de pel mens 5 prjects de natureza similar realizads ns últims 3 (três) ans; 6. Pel mens 3 (três) cartas de referência u recnheciment pels serviçs prestads. Cmpetência Técnica Instalada 3. Quadr técnic qualificad na área de Gestã lgística e rganizaçã de events, visad para esta cnsultria em particular cm cnheciments em Marketing, Cmunicaçã u utra área relevante. 4. CV s ds membrs da equipe que pretendem utilizar para realizar a cnsultria, incluind uma indicaçã da sua experiência específica nas áreas relevantes e quaisquer qualificações prfissinais que pssam ter. Dcumentaçã cmprvativa que habilita ficialmente cnsultr n exercici da sua actividade técnica, jurídica e fiscal: Cópia de seu bilhete de identidade u permissã de trabalh e DIRE (se nã fr nacinal), juntamente cm uma cópia d seu regist junt a Ministéri das Finanças (NUIT). Para ser cnsiderad tecnicamente aceitável, s prpnentes devem satisfazer u exceder tds s requisits. Se a prpsta nã atender a um u mais ds requisits, será cnsiderada tecnicamente inaceitável. As prpstas cnsideradas tecnicamente inaceitáveis cntêm fraquezas significativas u deficiências que nã pdem ser crrigidas sem uma grande refrmulaçã u revisã da prpsta. 2. Instruções Gerais as Prpnentes Page 4 f 16

5 2.1 Instruções Geral Os prpnentes desejem respnder a este RFP deve apresentar prpstas, em Prtuguês e em Meda Nacinal, de acrd cm as instruções a seguir. As prpstas devem ser submetidas mais tardar até 29 de Agst de 2014 ns escritóris d USAI/SPEEDPrject. As prpstas atrasadas serã rejeitadas except sb circunstâncias extrardinárias, a critéri da DAI. A DAI reserva-se direit de nã avaliar uma prpsta nã cmpreensiva u incmplet. O preenchiment de tds s requisits da RFP, de acrd cm as instruções desta RFP e submissã à DAI da prpsta cnstitui uma ferta e indicar acrd d Prpnente cm s terms e cndições desta RFP e tds s anexs da mesma. A DAI reserva-se direit de adjudicar um subcntrat sem discussã e/u negciaçã, n entant, a DAI também reserva-se direit de realizar discussões e/u negciações, que dentre utras cisas pde exigir que um prpnente reveja a sua prpsta. A emissã desta RFP, de frma nenhuma briga a DAI à atribuiçã de uma rdem de cmpra. Os prpnentes nã serã reemblsads pr quaisquer custs assciads cm a elabraçã u submissã da sua prpsta. A DAI nã será em circunstância alguma, respnsável pr esses custs. Os prpnentes sã brigads a rever cmpletamente tdas as instruções e especificações cntidas nesta RFP. Cas nã façam fica sb risc d prpnente. Os prpnentesdevem submeter prpstas em papel, envelpe selad cm um riginal incluind títul da actividade. Os prpnentes devem cnfirmar pr escrit que cmpreenderam perfeitamente que a sua prpsta/ferta deve ser válid pr um períd de 60 dias de calendári. O temp é indicad em dias de calendári, salv indicaçã em cntrári. Se a slicitaçã fr alterada, entã tds s terms e cndições nã mdificads na alteraçã permanecerã inalterads. Os prpnentes devem acusar a recepçã das emendas na carta. Os prpnentes devem: 1. Frnecer tdas as infrmações exigidas pela RFP 2. Fazer tdas as perguntas para esclarecer s requisits, se necessári 3. Assinar e enviar a carta de apresentaçã 4. Usar e submeter s frmuláris prevists ns Anexs cnfrme necessári. Prpnente, e/u Licitante refere-se a uma empresa que prpõe trabalh n âmbit desta RFP. Oferta e/u Prpsta refere-se a cnjunt de dcuments que a empresa submete para prpr trabalh. 2.2 Carta de Apresentaçã da Prpsta A carta de apresentaçã deve ser incluída cm a prpsta em papel timbrad da empresa Prpnente cm assinatura e carimb/sel da empresa devidamente autrizads usand Anex B cm um mdel para frmat. A carta de apresentaçã deve cnter s seguintes itens: O Prpnente irá garantir um períd de 60 dias de validade para s preçs frnecids. Acusar a recepçã das alterações da slicitaçã, se fr cas Page 5 f 16

6 2.3 Perguntas sbre a RFP Cada Prpnente é respnsável pr ler cuidadsamente e cmpreender integralmente s terms e cndições desta RFP. Tdas as cmunicações relativas a presente slicitaçã devem ser feitas exclusivamente através d Escritóri de SPEED u designad. A linha de assunt d u títul da carta deve incluir númer da RFP e Títul. Os pedids de esclareciments u infrmações adicinais devem ser enviads via u pr escrit para Escritóri de Emissã mais tardar na data e hra especificadas na sinpse acima. Apenas as cmunicações escritas relativas à aquisiçã serã cnsideradas. Nenhuma pergunta será respndida pr telefne. Qualquer infrmaçã verbal recebida de um funcinári da DAI u d SPEED u utra entidade nã será cnsiderada cm uma respsta ficial a qualquer pergunta relativa a esta RFP. As perguntas e pedids de esclareciment - e as respectivas respstas - que a DAI acredita que pdem ser de interesse para utrs prpnentes serã cmunicadas pr escrit a tds s destinatáris da RFP que indicaram interesse em respnder a esta RFP. Tant as perguntas cm as respstas serã distribuídas sem identificaçã d inquiridr, a tds s ptenciais Prpnentes que estã n regist cm tend recebid esta RFP. 3. Instruções para a Elabraçã das Prpstas Técnicas As prpstas técnicas devem ser seladas num envelpe separad das prpstas de cust/preç, e devemestar claramente identificadas cm VOLUME I: PROPOSTA TÉCNICA. As prpstas técnicas devem incluir seguinte cnteúd: 1. Abrdagem Técnica - Descriçã ds serviçs prpsts, que atendem u excedem as especificações técnicas u âmbit d trabalh referids. A prpsta deve mstrar a frma cm Prpnente pretende realizar trabalh e descrever uma abrdagem que demnstra a realizaçã d desempenh prtun e aceitável d trabalh. Esta secçã deve incluir: a. Abrdagem técnica e metdlgia de desenvlviment b. Tecnlgia prpsta, a platafrma, ferramentas de desenvlviment e metdlgia de licenciament (se aplicável) c. Respsta as requisits n Âmbit d Trabalh de que frma é que s requisits serã abrdads 2. Abrdagem de Gestã - Descriçã d pessal d Prpnente designad para prject. A prpsta deve descrever a frma cm s membrs da equipe prpsts têm a experiência e capacidades necessárias para realizar Âmbit d Trabalh. Esta secçã deve incluir: a. Currículs detalhads d pessal-chave d Prpnente (analista de negócis, desenvlvedres, gestres de prject, instrutr) definir claramente s papéis e respnsabilidades relacinadas cm a abrdagem e a metdlgia. Os currículs devem estabelecer a cmpetência e demnstrar qualificações em áreas relevantes desta RFP. b. Plan de gestã d prject, incluind actividades, crngrama de implementaçã e s recurss atribuíds. 3. Experiência da empresa e Desempenh Passad - esta secçã deve frnecer detalhes sbre a estrutura da rganizaçã, a capacidade/recurss rganizacinais, a experiência d prpnente e a lista de prjects/cntrats (tant cncluíds cm em curs, tant nacinal cm internacinal), que sã relacinadas u de natureza semelhante as requisits desta RFP. Esta secçã deve cnter: a. Perfil técnic e experiência d prpnente; b. O desempenh passad e experiência s prjects passads e em curs semelhantes em âmbit a esta RFP. Frnecer uma lista de pel mens três (5) adjudicações recentes de âmbit e duraçã similar. A infrmaçã deve ser apresentada numa tabela, e deve incluir nme e endereç da rganizaçã para a qual fram realizads s serviçs, uma Page 6 f 16

7 descriçã d trabalh realizad, a duraçã d trabalh e valr d cntrat, descriçã de quaisquer prblemas encntrads e a frma cm fram reslvids, e um númer actual de telefne e de um representante respnsável e cnhecedr da rganizaçã. Vide Anex F. 3.1 Serviçs Especificads Pr esta RFP, a DAI necessita ds serviçs descrits n Anex A. 3.2 Critéris Técnics de Avaliaçã O bjectiv d prcess de avaliaçã da prpsta é frnecer um mecanism para determinar quais prpstas submetidas em respsta a uma slicitaçã melhr atendem às necessidades da DAI. A avaliaçã das prpstas resulta numa avaliaçã da capacidade d prpnentede realizar cm sucess as exigências. Cada prpsta será avaliada e classificadaem funçã ds critéris de avaliaçã, que estã demnstrads na tabela abaix. As prpstas de custs nã sã atribuídas pnts, mas para fins glbais de avaliaçã desta RFP, s factres de avaliaçã técnica que nã sejam de custs, quand cmbinads, sã cnsiderads aprximadamente iguaisas factres de cust. Se as classificaçõestécnicasfremdeterminadascm iguais u quase iguais, cust será um factr determinante. Experiencia Prfissinal Cmprvada Criteri Aceitavel/ Nã Aceitavel 1. Perfil da empresa; 2. Demnstraçã de capacidade: Listagem e descriçã de prjects de natureza similar realizads ns últims 5 (cinc) ans; 3. Pelas mens 3 (três) cartas de referência u recnheciment pels serviçs prestads Cmpetência Técnica Cmprvada 1. Quadr técnic qualificad na área de Gestã lgística e rganizaçã de events, visad para esta cnsultria em particular cm cnheciments em Marketing, Cmunicaçã u utra área relevante. 2. CV s ds membrs da equipe que pretendem utilizar para realizar a cnsultria, incluind uma indicaçã da sua experiência específica nas áreas relevantes e quaisquer qualificações prfissinais que pssam ter. Decisã Dcumentaçã Cmprvativa Empresa: 5. Certificad actulizad de Quitaçã das Finanças; 6. Certificad actualizads de Quitaçã d INSS; 7. Cerificad actualizad de Quitaçã d Tribunal Ou Cnsultr: Page 7 f 16

8 Cópia de seu bilhete de identidade u permissã de trabalh e DIRE (se nã fr nacinal), juntamente cm uma cópia d seu regist junt a Ministéri das Finanças (NUIT). Decisã 4. Instruções para a Elabraçã de Prpstas de Cust/Preç 4.1 Tabela de Preçs As prpstas de cust/preç devem ser seladasnum envelpe separad da prpsta técnica, devend estar claramente identificads cm VOLUME II: PROPOSTA DE CUSTO/PREÇO. Imprta referir que Impst sbre Valr Acrescentad (IVA) deve estar incluíd numa linha separada. 4.2 Critéris de Avaliaçã d Cust/Preç Nã serã dads pnts de avaliaçã as custs. O cust será primeiramente avaliad pel realism e razabilidade. Se as classificações técnicas frem determinads cm quase iguais, cust será factr determinante e deve ser apresentad em Meticais. A DAI adjudicará uma Ordem de Cmpra a prpnente cuja prpsta represente melhr valr. A DAI pde adjudicar a um prpnente de preç mair, cas se determine que a avaliaçã técnica superir desse prpnente tem mérit para cust/preç adicinal. 4.3 Respnsabilidade Geral O SPEED/Prject nã entrará em qualquer tip de acrd cm prpnente antes de garantir a respnsabilidade d Prpnente. Será um critéri de APROVAÇÃO/REPROVAÇÃO avaliad antes da avaliaçã técnica u financeira. Na avaliaçã duma respnsabilidade dprpnente, leva-se em cnsideraçã s seguintes factres: 1. Frnecer evidências (Regist Cmercial Válid junt a Ministéri d Cmérci, a cnfrmidade legal e fiscal) das licenças de negócis necessárias para perar n país de aclhiment. 2. A fnte, rigem e nacinalidade ds prduts u serviçs nã sejam de um País Pribid (explicad abaix). 3. Ter recurss financeirs adequads para financiar e executar a bra u entregar bens u a capacidade de bter recurss financeirs sem receber funds adiantads da DAI e/u USAID/SPEED Prject 4. Capacidade de cumprir prazs de entrega u desempenh prpsts. 5. Ter um regist de desempenh passad satisfatóri. 6. Ter um regist satisfatóri de integridade e ética ns negócis. 7. Ter a rganizaçã, experiência, cntabilidade e cntrl peracinal e as habilidades técnicas necessárias. 8. Estar qualificad e elegível para executar trabalh cnfrme as leis e regulaments aplicáveis. Page 8 f 16

9 5. Base de Adjudicaçã e Prcess de Selecçã 5.1 Base de Adjudicaçã A adjudicaçã será feita a um prpnente respnsável, cuja prpsta ferece melhr valr para a DAI e USAID/SPEED Prject, usand s regulaments Federais ds Estads Unids (FAR 15, Prcess de cmpensações) cm guia. A DAI irá analisar tdas as prpstas, utilizand s critéris de avaliaçã técnica acima referids. A DAI vai analisar as cmpensações entre cust u preç e s factres de avaliaçã técnica. A DAI pde aceitar uma prpsta que nã seja a prpsta de menr preç e que nã seja a prpsta técnica melhr classificada. A DAI pretende adjudicar um cntrat resultante desta slicitaçã a prpnente respnsável cuja prpsta representa melhr valr após a avaliaçã de acrd cm s factres expresss na slicitaçã. A DAI também pde determinar que um prpnente nã é respnsável, u seja, que nã tem a gestã e s recurss financeirs em tds s aspects para realizar trabalh necessári. A DAI pde adjudicar a um prpnente sem discussã cm prpnente. Prtant, a ferta inicial deve cnter melhr preç e cndições técnicas d Prpnente. 5.2 Prcess de Selecçã Tdas as prpstas devem ser recebidas e permanecerem fechadas até a data de venciment. Tdas as prpstas devem ser armazenadas num lcal segur e trancad. Na data de venciment, tdas as prpstas serã abertas pel Oficial de Prcurement e serã testemunhadas pr pel mens um utr funcinári d prject. Será analisada a plenitude inicial de tdas as prpstas. Uma Cmissã de Avaliaçã cmpsta pr um mínim de três (3) pessas será estabelecida, e cada membr da cmissã receberá uma cópia ds requisits da slicitaçã e deverá assinar um frmulári da Declaraçã de Nã-Revelaçã/Cnflit de Interesse. As prpstas técnicas serã avaliadas primeir pr membrs individuais da cmissã antes da reuniã da cmissã. A cmissã técnica deve incluir pessal técnic. A Cmissã de Avaliaçã deve primeir individualmente, em seguida, através de cnsens, analisar e classificar as prpstas técnicas, cm base ns critéris de avaliaçã estabelecids e s seus respectivs pess. O cmité irá depis classificar as prpstas pr cnsens tecnicamente a partir da mair classificaçã ttal para a menr. O Oficial de Prcurement da DAI e um presidente sem direit avt pdem estabelecer interval técnic cmpetitiv das prpstas mais bem classificadas. A DAI pde entrar em cntact cm s prpnentes que sejam cnsiderads cmpetitivs (u seja, na faixa de cmpetitivs) para pedir esclareciments das prpstas submetidas que sejam insuficientes u puc claras. Os Prpnentes da faixa cmpetitiva pdem ser cntactads para respnder às perguntas, negciar e discutir prpstas e, ptencialmente slicitads a submeterem uma Melhr Oferta Final. A receber tdas as Melhres Ofertas e Finais (cas se slicite uma Oferta Melhr e Final), a Cmissã de Avaliaçã irá reunir-se para classificar as prpstas tecnicamente cm as crrespndentes classificações técnicas. O Oficial de Prcurement deve, entã, realizar umacmpensaçã de cust e técnica. Antes de cnsiderar s custs desta análise, ficial de prcurement deve analisar s custs para garantir que sejam realístics, dada a abrdagem técnica prpsta. O ficial de prcurement pderá discutir as prpstas de custs cm s membrs da cmissã de avaliaçã técnica para verificar a razabilidade ds custs assciads cm a abrdagem técnica. A análise de cmpensações leva em cnsideraçã a classificaçã técnica e s custs prpsts. A classificaçã técnica alta também pde implicar custs mais elevads. O ficial de Prcurement deve determinar se prémi técnic prpst vale s custs adicinais. Page 9 f 16

10 5.3 Fnte, Origem, e Nacinalidade Sb códig gegráfic autrizad para seu cntrat a DAI só pde adquirir bens e serviçs ds seguintes países. Códig Gegráfic 935: Os bens e serviçs a partir de qualquer área u país, incluind país de cperaçã, mas excluind Países Pribids. A DAI deve verificar a fnte e nacinalidade e rigem de bens e serviçs e garantir (na medida d pssível) que a DAI nã adquira quaisquer bens u serviçs de países pribids listads pel Escritóri de Cntrl de Activs Estrangeirs (OFAC), tais cm países sancinads, que pdem ser prcurads n Sistema de Gestã de Adjudicações (SAM) em A actual lista de países sb sanções abrangentes inclui: Cuba, Irã, Creia d Nrte, Sudã e Síria. Os bens nã pdem transitar e ser mntadsem países de rigem u nacinalidade sb sanções abrangentes nem pde frnecedr ser de prpriedade u cntrlad pr um país pribid. A DAI está pribida de facilitar qualquer transacçã pr terceirs, se tal transacçã seria pribida se fsse realizada pela DAI. A submeter uma prpsta em respsta a esta RFP, s Prpnentes cnfirmam que nã estã a vilar s requisits de fnte, de rigem e de nacinalidade ds bens u serviçs que estã a ferecer e que s bens e serviçs estã em cnfrmidade cm Códig Gegráfic e as exclusões para s países pribids descritas acima. 6. Resultads Prevists Pós-Adjudicaçã Após a adjudicaçã será celebrad um PO (Ordem de Cmpra), de acrd cm s prazs estabelecids pela CTA, DAI e prpnente seleccinad. Os resultads servem cm prva u cnfirmaçã de que as actividades fram cncluídas cm êxit. O prpnente deve detalhar s custs prpsts pr resultad na Tabela de Preçs. Tds s resultads devem ser submetids e aprvads pel tecnic antes d pagament ser prcessad. 7. Inspecçã e Aceitaçã CTA e USAID/SPEED inspeccinará de vez em quand s serviçs que estã a ser realizads para determinar se as actividades estã a ser realizadas de frma satisfatória, e que tds s resultads sã de qualidade e padrões aceitáveis. O cnsultr será respnsável pr quaisquer cntra medidas u acções crrectivas, n âmbit desta RFP, que pssam ser exigidas pela CTA u USAID/SPEED. 8. Ética de Prcurement Nem pagament nem a preferência devem ser feitas quer pel Prpnente cm pr qualquer funcinári da DAI, numa tentativa de influenciar s resultads da adjudicaçã. A DAI trata tdas as denúncias de pssível fraude/abus de frma muit séria. Os acts de fraude u crrupçã nã serã tlerads, e s funcináris da DAI e/u subempreiteirs/cncessináris/frnecedres que se dedicam a essas actividades vã enfrentar sérias cnsequências. Tal prática cnstitui uma prática antiética, ilegal e crrupta e quer prpnente cm funcinári da DAI pdem reprtar vilações à Linha Grátis Anónima de Ética e Cumpriment pel , através d site da DAI, u via para A DAI garante annimat e uma séria revisã imparcial e tratament das infrmações frnecidas. Tal prática pde resultar n cancelament da licitaçã e desqualificaçã da participaçã d prpnente neste e futurs cntrats. Os infractres serã relatads a IPEME, Os Prpnentes devem frnecer infrmações cmpletas e precisas em respsta a esta slicitaçã. A penalidade para respstas materialmente falsas está prescrita na Secçã 1001 d Títul 18 d Códig ds Estads Unids. Page 10 f 16

11 Além diss, a DAI leva muit a séri pagament de funds da USAID para pagar Terrristas u grups que apiam terrristas, u utras partes em trca de prtecçã. Se s terrristas, grups u utras partes tentarem extrquir/exigir pagament a sua rganizaçã vcê está cnvidad a infrmar imediatamente incidente à Equipa de Prevençã e Investigaçã de Fraude da DAI pels cntacts acima. A submeter uma ferta, s prpnentes garante que nã tentaram/nã irã tentar subrnar u fazer quaisquer pagaments as funcináris da DAI em trca de preferências, nem tentaram qualquer pagament cm terrristas u grups que apiam terrristas. Anex A: Terms de Referencia GESTÃO DA LOGÍSTICA PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DA ANAC Titul da psiçã: Gestr de lgística & events Períd de trabalh: 4 semanas Ttal em dias: 22 Nme d cnsultr: Pr definir 1.Objectivs:.Garantir suprte e gestã de lgística para a Equipe de cnsultres que vai desenhar plan estratégic da ANAC em Mçambique;.Organizar s encntrs e aprvisinament para s cnvidads e cnsultres que participaram ns semináris de cnsulta em três prvíncias d pais;.organizar seminári nacinal para a discussã d plan estratégic da ANAC. 2.Antecedentes: Durante muits ans, as áreas de cnservaçã fram geridas pela DNAC, a Direcçã Nacinal de Áreas de Cnservaçã, tutelada pel Ministéri d Turism. Recentemente, n entant, Gvern de Mçambique (GM) criu uma nva agência paraestatal, a ANAC, para assumir esta respnsabilidade. Desta frma, GM pretende que a gestã de áreas de cnservaçã seja mais prfissinal e mais rentável n futur, adptand uma abrdagem idêntica à d sectr privad. Cm rganism paraestatal, a ANAC tem cmpetência para participar em empreendiments cnjunts, assumir e gerir cncessões de turism, e uma autnmia financeira que a sua antecessra, a DNAC, nã pssuía. É imprtante bservar que a autnmia financeira para empresas paraestatais, em Mçambique, está directamente ligada à capacidade de aut- financiament. A gestã financeira ttalmente independente é cncedida pel GM apenas quand a paraestatal cnsegue um aut-financiament equivalente a 2/3 d seu rçament anual; até que a ANAC alcance este valr de referência, s recurss financeirs Page 11 f 16

12 cntinuarã a ser garantids pel Orçament Geral d Estad. A ANAC irá gerir uma carteira cmpsta de Parques Nacinais e Reservas, Parques Marítims e Reservas Marinhas, Znas de Caça (Cutadas) e Reservas de Caça. Embra as estimativas variem, tds cncrdam que, actualmente, esta rede está extremamente sub-financiada, até a pnt de ter dificuldades em cumprir a sua missã principal, que assenta na cnservaçã de uma amstra representativa da bidiversidade em Mçambique, para as gerações futuras. As dificuldades de financiament estã relacinadas cm as questões de RH; a mair parte dessas áreas nã têm pessal suficiente (em qualidade e quantidade) para frnecer prtecçã de acrd cm s padrões e as nrmas internacinais, embra exista um quadr de prfissinais experientes e de administradres ds parques e de pessal qualificad a quem recrrer. 3.Tarefas : 1. A ANAC prcura s serviçs de um gestr de lgística e events para prver suprte a equipe de cnsultres que vai levar acab a elabraçã d plan estratégic da ANAC ns meses de Agst e Setembr de 2014 em varias prvíncias de Mcambique. As datas exactas dependerã de váris factres, incluind a dispnibilidade lcal e s hráris ds principais participantes. O númer aprximad de participantes é de 100. O gestr de lgística será respnsável pels seguintes resultads: 2. Preparara prpsta de trabalh em crdenaçã cm a ANAC e a equipe de cnsultres, rçament incluind as ctações despesa cm equipament, lcal, pessal, a lgística, etc. 3. Definir lcal cm base na sua experiência negciar preç e trabalhar cm a administraçã d lcal d encntr em tdas as questões das viagens e semináris reginais. 4. Gerir e crdenar as refeições (café da manhã, cffee breaks e almç ). 5. Crdenaçã de vs, transprte e reservas de htel para alguns ds participantes. Gestã e crdenaçã de tdas as actividades e implementaçã de tds s equipaments necessáris a partir da sala de cnferências, assents, pódi, sistema de sm, prjectr, tela, ftcópias, etc, incluind trabalh administrativ cm a USAID SPEED. 6. Respnsável pela cnfirmaçã das presenças ds cnvidads. 7. Organizar a lgística cm a empresa de transprte para s hóspedes que necessitam deste serviç, crdenar cm s htéis para frete d lcal da cnferência nacinal u seminári reginal para s htéis e vice-versa. 8. Organizar e gerir s tradutres quand necessári. 9. Gerir Prtcl em crdenaçã cm a agenda de trabalh das partes envlvidas. 10. Gerir utras tarefas, se necessári, antes e durante a cnferência para garantir a qualidade e bjectivs definids. 4.Os resultads e indicadres de desempenh sã: Page 12 f 16

13 1. quatr semináris reginais e uma cnferencia Nacinal bem sucedidas em númer, assiduidade e qualidade ds participantes. 2. O event crrer cnfrme planead e sem atrass. 3. Obter máxim de participaçã pr pessas-chave ligadas a cnservaçã em Mçambique. 5.Pssíveis próxims passs : Organizar uma cnferência nacinal para lançament d plan estratégic da ANAC. 6.Crngrama de implementaçã : Este é um crngrama preliminar cm a data final da cnferência ainda nã fi finalizada : Semana # 1: determinar as datas exactas para wrkshp (dispnibilidade e hráris ds participantes chave Semana # 2: Envi de cnvites, refinar a lista de cnvidads e gestã. Iniciar a lgística de viagens e reservas de acmdaçã. Semana # 3: Semináris participativs em Maput, Manica e Cab Delgad. Semana # 4: Seminári Nacinal em Maput. 7.Orcament: Pr definir. Page 13 f 16

14 8.1 Anex B: Carta de Apresentaçã da Prpsta [N papel timbrad da Empresa] <Inserir data> PARA: Clicar aqui para intrduzir text. Clicar aqui para intrduzir text. Nós, abaix assinads, frnecems a prpsta em anex, de acrd cm a RFP- Clicar aqui para inserir text. - Clicar aqui para intrduzir text. datads Clicar aqui para intrduzir text.a nssa prpsta em anex é para valr ttal da <Valr pr Extens ($0.00 Valr em Algarisms) >. Garant um períd de 60 dias de validade para s preçs prevists na Tabela de Preçs/Mapa de Quantidades em anex. A nssa prpsta será vinculativa para nós estand sujeita às mdificações resultantes de quaisquer discussões. Oprpnente irá verificar aqui s itens especificads n presente dcument da RFP. Cmpreendems que a DAI nã se briga a aceitar qualquer prpsta que esta reveber. Atencisamente, Assinatura Autrizada: Nme e Carg d Signatári: Clique aqui para intrduzir text. Nme da empresa: Clique aqui para intrduzir text. Endereç: Clique aqui para intrduzir text. Telefne: Clique aqui para intrduzir text. Clique aqui para intrduzir text. Sel/Carimb da Empresa: Page 14 f 16

15 8.2 Anex C: Tabela de Preçs Actividade Resultad Cust em Dólares Reclha ds requisits Temp necessári Ntas (Pr favr frnecer númer e qualificações d recursnecessári para cada resultad) Númer de funcináris necessáris: Qualificações: Númer de pessal necessári: Qualificações: Númer de pessal necessári: Qualificações: Númer de pessal necessári: Qualificações: Númer de pessal necessári: Qualificações: Númer de pessal necessári: Qualificações: Númer de pessal necessári: Qualificações: Númer de pessal necessári: Qualificações: Pr favr frnecer cust pr frmand para cada grup de frmaçã: N/D N cas de sluçã persnalizada, Prpnente deve frnecer s custs detalhads d licenciament relacinads cm us plan d aplicativ da base de dads (ist pde incluir licenciament da base de dads, d aplicativ u d u cidente, se aplicável) Page 15 f 16

16 Page 16 f 16

Solicitação de Cotações (RFQ)

Solicitação de Cotações (RFQ) Slicitaçã de Ctações (RFQ) RFQ/055/SPEED/2014 Serviçs para Criaçã de Material Gráfic e Publicitári para a 2ª Ediçã da Feira e Cnferencia Nacinal de Empreendedrism - F.CNEI/2014-Maput Data de Emissã: 12

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2º semestre / 2012 O Prgrama de Educaçã Cntinuada da trna públic, para cnheciment

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Solicitação de Propostas. Análise da Sustentabilidade e Eficácia da Lei de Fortificação de Alimentos

Solicitação de Propostas. Análise da Sustentabilidade e Eficácia da Lei de Fortificação de Alimentos Slicitaçã de Prpstas RFP033/SPEED/2014 Análise da Sustentabilidade e Eficácia da Lei de Frtificaçã de Aliments Data de Emissã: 25 de Julh de 2014 AVISO: Os Ptenciais Frnecedres que receberam este dcument

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril Sã Paul, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS 1. Cmitê Organizadr Lcal Cmitê Paralímpic Brasileir (CPB) 1.1. Cntats Nme: Ricard Mel Fernand Partelli Email:

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Programa da USAID Moçambique de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Empresarial (SPEED)

Programa da USAID Moçambique de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Empresarial (SPEED) Programa da USAID Moçambique de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Empresarial (SPEED) Implementado pela DAI Solicitação de Propostas (RFP) No. 001/SPEED/2015 Gestão de Logística e Coordenação de um

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Programa da USAID Moçambique de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Empresarial (SPEED +)

Programa da USAID Moçambique de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Empresarial (SPEED +) n Prgrama da USAID Mçambique de Api a Desenvlviment Ecnómic e Empresarial (SPEED +) Implementad pela DAI Slicitaçã de Prpstas (RFP) N. 003/SPEED/2016 Aluguer de viaturas Data de Emissã: 28 de Outubr de

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 1º semestre / 2015 O FGV Law Prgram da Escla

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Solicitação de Cotações

Solicitação de Cotações n Slicitaçã de Ctações RFQ 004/SPEED/2016 Frneciment de uma Máquina Ftgráfica Data de Emissã: 17 de Març de 2016 AVISO: Os Ptenciais frnecedres que receberam este dcument a partir de uma fnte diferente

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais