Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum"

Transcrição

1 Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Nome: Turma: Nº Data: / / Questão - problema A publicidade anuncia adubos e produtos de limpeza amoniacais: o que terão de comum estes materiais? A presença de amoníaco e de compostos de amónio é comum em produtos de limpeza domésticos e em adubos. A identificação destes compostos é feita através da adição de uma base forte a qual favorece a formação de amoníaco, possível de identificar através de testes laboratoriais. Objeto de ensino Identificação laboratorial da presença de amoníaco e de compostos de amónio Esta atividade permite ao aluno saber: Reconhecer o laboratório como um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de material e de equipamentos Adotar atitudes e comportamentos de segurança adequados à manipulação de produtos amoniacais comerciais Identificar compostos de amónio e amoníaco usando testes químicos específicos Inferir a presença de compostos de amónio em materiais de uso diário (adubos e produtos de limpeza domésticos) Pesquisar informação relativa à composição e à segurança na manipulação de alguns produtos contendo amoníaco e compostos de amónio (tais como adubos e produtos de limpeza amoniacais), por análise das especificações contidas nos rótulos das embalagens respetivas; Planificar e realizar alguns testes laboratoriais em pequena escala com vista à identificação do amoníaco e de compostos de amónio; Interpretar as reações de identificação, nomeadamente a identificação de compostos de amónio por recurso à formação de amoníaco. AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 1/10

2 Fundamento Teórico Tendo em vista a conclusão sobre se determinada amostra tem ou não amoníaco ou compostos de amónio na sua composição, realizam-se quatro testes, sendo os resultados obtidos nesses testes objeto de análise. Teste A - Pesquisa de Amoníaco com Ácido Clorídrico Este ensaio tem como intenção produzir cloreto de amónio (sólido) a partir do amoníaco e do cloreto de hidrogénio, em fase gasosa. Serve para identificar a presença do amoníaco ou, indiretamente, a do ião amónio, já que este na presença de bases fortes origina amoníaco: NH + 4 (aq) + OH - (aq) NH 3 (aq) + H 2 O(l) (*) Aproximar da boca do tubo de ensaio com a amostra alcalinizada com uma base forte, uma vareta de vidro mergulhada em ácido clorídrico concentrado. Se a amostra tiver na sua composição amoníaco ou o catião amónio (*), formar-se-ão fumos brancos de cloreto de amónio: NH 3 (g) + HCl(g) NH 4 Cl(s) Teste B - Pesquisa de Amoníaco com Indicador vermelho de tornesol Trata-se de um ensaio que comprova o carácter alcalino de uma solução, o que acontece se a amostra ensaiada contiver amoníaco ( se a amostra contiver apenas compostos de amónio é necessário proceder à sua alcalinização). Aproximar da boca do tubo de ensaio, que contém a amostra devidamente alcalinizada, a fita de papel vermelho de tornesol previamente humedecida. Aquecer ligeiramente. A alteração da cor do indicador para azul indica a formação de amoníaco gasoso a partir da amostra, e o carácter alcalino da sua solução aquosa, segundo as equações: NH 3 (aq) NH 3 (g) (ΔH >0) NH 3 (g) + H 2 O(l) NH + 4 (aq) + OH - (aq) Teste C Pesquisa de Amoníaco com o reagente de Nessler Este teste, realizado em solução aquosa, serve para identificar o amoníaco, por formação do composto aminado contendo iodo e mercúrio, utilizando o Reagente de Nessler (solução alcalina de tetraiodomercurato (II) de potássio). No caso de existir amoníaco ou catião amónio transformado em AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 2/10

3 amoníaco, formar-se-á um sólido de cor amarelo acastanhado, de cor mais intensa no caso de concentrações mais elevadas. Aproximar da boca do tubo de ensaio, contendo a amostra, um pedaço de papel de filtro humedecido com algumas gotas de reagente de Nessler. O aparecimento da cor amarelo acastanhado indica a presença de amoníaco. Outro processo alternativo é realizar o ensaio direto, adicionando três gotas de reagente de Nessler a 1 cm 3 da amostra a analisar (no caso de sólidos, dissolver previamente em água). A presença do amoníaco leva ao aparecimento de um precipitado de cor amarelo acastanhado, no caso de soluções diluídas, e de cor vermelho acastanhado no caso de soluções concentradas. Teste D - Pesquisa de Amoníaco através da formação de um ião complexo Este teste realizado em solução aquosa, processa-se em duas etapas: - 1ª etapa haverá formação de um precipitado azul claro de hidróxido de cobre (II) Cu 2+ (aq) + 2 OH - (aq) Cu(OH) 2 (s) - 2ª etapa só ocorre se a amostra contiver amoníaco haverá formação de um ião complexo, tetraaminacobre (II), de cor azul intensa, segundo as equações: Cu(OH) 2 (s) + 4 NH 3 (aq) Cu(NH 3 ) 2+ 4 (aq) + 2 OH - (aq) O diagrama seguinte apresenta uma possível organização da catividade laboratorial: AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 3/10

4 Execução Experimental Teste A - Pesquisa de Amoníaco com o cloreto de hidrogénio, HCl (g) MATERIAL: Tubo de ensaio Vareta Pipeta de Pasteur REAGENTES: Solução de NAOH(aq) Solução concentrada de HCl(aq) Amostras (solução de amoníaco, água com sabão, adubo e limpa vidros) Procedimento Experimental: 1) Colocar 10 gotas de amostra num tubo de ensaio pequeno 2) Alcalinizar a amostra adicionando-se 2 gotas de hidróxido de sódio 3) Aproximar-se da boca do tubo de ensaio uma vareta molhada em HCl(aq) concentrado. Registo e tratamento de dados: Amostra padrão: Solução de amoníaco Amostra de controlo: Água com sabão Adubo Limpa vidros Observação Positivo Formação de fumos brancos Negativo Não se formam fumos brancos Completa: Se a amostra contiver amoníaco, este pode ser identificado pela produção de cloreto de amónio, por reação com cloreto de hidrogénio, de acordo com a seguinte equação química: Interpretação/Conclusão + fumos brancos Tanto para o adubo como para o limpa vidros o resultado do teste foi, pois houve AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 4/10

5 , logo conclui-se que ambas azoto amoniacal Teste B - Pesquisa de Amoníaco com Indicador vermelho de tornesol MATERIAL: Placa de aquecimento Gobelé Pinça de madeira Garrafa de esguicho Vidro de relógio Pinça Pipeta de Pasteur REAGENTES: Solução de NAOH(aq) Amostras (solução de amoníaco, água com sabão, adubo e limpa vidros) Papel de tornesol Procedimento Experimental: 1) Colocar 10 gotas de amostra num tubo de ensaio pequeno 2) Alcalinizar a amostra adicionando-se 2 gotas de hidróxido de sódio 3) Aquecer a solução em banho de água 4) Aproximar da boca do tubo de ensaio, um pouco de papel vermelho de tornesol humedecido com água Registo e tratamento de dados: Observação Amostra padrão: Solução de amoníaco Amostra de controlo: Água com sabão Adubo Limpa vidros Positivo Papel fica azul Negativo Papel permanece vermelho AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 5/10

6 Completa: O amoníaco reage com a água e os iões hidróxidos formados, por sua vez, reagem com os iões H 3 O + presentes na solução de indicador ácido-base. (g) + (l) (aq) + OH - (aq) OH - (aq) + (aq) H 2 O (l) Assim sendo, atendendo ao Princípio de Le Chatelier, de H 3 O +, presente na solução do indicador fará deslocar o equilíbrio Hind (aq) + H 2 O (l) Solução com Coloração vermelha Ind- (aq) + H 3 O + (aq) solução com coloração azul no sentido da reação e consequentemente a concentração de HInd enquanto que a concentração de Ind -, observando-se a mudança de coloração do papel indicador de para. Interpretação/Conclusão: Tanto para o adubo como para o limpa vidros o resultado do teste foi, pois logo conclui-se que ambas azoto amoniacal Questões pós-laboratorial: 1) Por que motivo não se deve tocar nos bordos do tubo com o papel de tornesol? 2) Caso quiséssemos detetar apenas amoníaco (e não o ião amónio), o que teria de ser alterado no procedimento? AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 6/10

7 Teste C - Pesquisa de Amoníaco com o reagente de Nessler MATERIAL: Tubo de ensaio Vareta Conta-gotas REAGENTES: Reagente de Nessler Amostras (solução de amoníaco, água com sabão, adubo e limpa vidros) Procedimento Experimental: 1) Colocar 10 gotas de amostra num tubo de ensaio pequeno 2) Alcalinizar a amostra adicionando-se 2 gotas de hidróxido de sódio 3) Aquecer a solução em banho de água 4) Aproximar da boca do tubo de ensaio, um pouco de papel vermelho de tornesol humedecido com água Registo e tratamento de dados: Observação Amostra padrão: Solução de amoníaco Amostra de controlo: Água com sabão Adubo Limpa vidros Positivo precipitado amarelo/vermelho acastanhado Negativo Não há mudança de cor Completa: Se existir amoníaco ou iões amónio na amostra formar-se-á um sólido de cor, mais intensa no caso de concentrações. (aq) + K 2 [HgI 4 ] (aq) + OH - (aq) Hg 2 O(NH 2 )I (s) + I - (aq) + H 2 O (l) + K + (aq) Ou (aq) + Reagente de Nessler [HgI 4 ] 2- (aq) + OH - (aq) Reagente de Nessler Hg 2 O(NH 2 )I (s) + I - (aq) + H 2 O (l) AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 7/10

8 Interpretação/Conclusão Tanto para o adubo como para o limpa vidros o resultado do teste foi, pois, logo conclui-se que, tanto o adubo como o limpa vidros azoto amoniacal, sendo o mais concentrado em amoníaco Questões pós-laboratorial: 1. Por que motivo não é necessário adicionar hidróxido de sódio neste ensaio, apesar de se pretender determinar o azoto amoniacal? Teste D - Pesquisa de Amoníaco através da formação de um ião complexo MATERIAL: Tubo de ensaio Conta-gotas REAGENTES: Solução de CuSO 4 (aq) Hidróxido de sódio Amostras (solução de amoníaco, água com sabão, adubo e limpa vidros) Procedimento Experimental: 1) Alcalinizar a amostra adicionando-se 2 gotas de hidróxido de sódio 2) Adicionar à amostra alcalinizada, solução de sulfato de cobre, gota-a-gota registou-se as observações. 3) Continuar a adicionar à amostra, a solução de sulfato de cobre observou-se e registou-se as alterações se observadas. AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 8/10

9 Registo e tratamento de dados: Observação Amostra padrão: Solução de amoníaco Amostra de controlo: Água com sabão Adubo Limpa vidros Positivo Há dissolução do precipitado e a solução adquire cor azul escura intensa Negativo A solução não adquire cor azul escura Completa: Em solução aquosa, o amoníaco é uma base, logo em solução liberta iões ( ) NH 3 (g) + H 2 O (l) (aq) + (aq) Após a adição, gota a gota, de uma solução aquosa de sulfato de cobre (II) diluída, na amostra alcalinizada, CuSO 4 (aq) (aq) + (aq) verifica-se a formação de um precipitado azul-claro que corresponde a precipitação do hidróxido de cobre (II), que ocorre se a solução for alcalina. Cu 2+ (aq) + 2OH - (aq) (s) Precipitado gelatinoso azul-claro Por adição continuada de gotas da sulfato de cobre forma-se o ião complexo tetraaminocobre (II),, e a solução adquire a cor azul intensa. (s) + (aq) (aq) + (aq) Nota: Os resultados obtidos comprovam a presença de amoníaco ou compostos de amónio na amostra só no caso que se verifique a mudança de cor da solução para azul intensa, devido a formação do ião complexo, tetraaminocobre (II). AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 9/10

10 Interpretação/Conclusão Tanto para o como para o o resultado do teste foi, pois, logo conclui-se que, tanto o adubo como o limpa vidros azoto amoniacal. Questões pós-laboratorial: 1. Nos ensaios anteriores há sempre mudança de cor, mas tal não significa sempre um resultado positivo. Explique porquê. AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Página 10/10

Escola Secundária / 3º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO. Ano de Escolaridade : 11

Escola Secundária / 3º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO. Ano de Escolaridade : 11 Escola Secundária / º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO Ano de Escolaridade : 11 AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso

Leia mais

UTILIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES FORMADOR: Vitor Duarte Teodoro FORMANDA: Ana Maria Costa Veloso Azevedo Julho 2010 Actividade Laboratorial Química 11º ano Amoníaco

Leia mais

AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM

AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM O que se preten Pesquisar a presença e compostos em produtos comerciais utilizados no quotidiano, através testes laboratoriais análise qualitativa.

Leia mais

APL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais comuns NH 4 + NH 3 + H +

APL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais comuns NH 4 + NH 3 + H + APL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais comuns Grupo de Trabalho: Classificação Professor Certos produtos «lava-tudo» ou limpa-vidros e alguns adubos mencionam a presença de azoto amoniacal

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

ACTIVIDADE Nº Q 1 _ MODELOS MOLECULARES. Modelo Molecular Geometria da Molécula Fórmula de Estrutura

ACTIVIDADE Nº Q 1 _ MODELOS MOLECULARES. Modelo Molecular Geometria da Molécula Fórmula de Estrutura ACTIVIDADE Nº Q 1 _ MODELOS MOLECULARES 1. Constrói alguns modelos moleculares, de modo a representares a geometria de algumas moléculas. Para isso usa plasticina (branca, vermelha, azul e preta) e liga

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS REAGENTES E PRODUTOS DE REAÇÃO

REAÇÕES QUÍMICAS REAGENTES E PRODUTOS DE REAÇÃO REAÇÕES QUÍMICAS Os materiais podem sofrer transformações químicas ou transformações físicas. As transformações químicas são aquelas em que ocorre a formação de novas substâncias com propriedades diferentes

Leia mais

ALQ1.3 - Efeito da variação de temperatura e da variação de concentração na progressão global de uma reação

ALQ1.3 - Efeito da variação de temperatura e da variação de concentração na progressão global de uma reação ALQ1.3 - Efeito da variação de temperatura e da variação de concentração na progressão global de uma reação A situação de equilíbrio de um sistema químico pode alterar-se quando lhe provocamos uma perturbação:

Leia mais

Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2

Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2 Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2 Na, K e NH 4 São os maiores cátions do período que pertencem, possuem carga pequena e estrutura de gás nobre. O íon amônio está incluído porque apresenta

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

Ficha Informativa n.º 2 Tipos de Reações Químicas

Ficha Informativa n.º 2 Tipos de Reações Químicas FÍSICO-QUÍMICA 8º ANO DE ESCOLARIDADE Ficha Informativa n.º 2 Tipos de Reações Químicas Nome: Data: / /20 INTRODUÇÃO TEÓRICA Reações Químicas Nas reações químicas, uma ou várias substâncias iniciais (reagentes)

Leia mais

Trabalho Prático nº 3. Metais, cor de chamas e solubilidade de sais

Trabalho Prático nº 3. Metais, cor de chamas e solubilidade de sais Trabalho Prático nº 3 Metais, cor de chamas e solubilidade de sais 1. Introdução A cor de uma chama é afectada pela presença de um metal, uma vez que o átomo metálico é excitado, e essa cor é característica

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL

DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL Nome dos participantes: Ana Brígido, Chen Lin, João Costa e Tiago Inácio Professor responsável: Filipa Batalha Escola: Colégio Vasco

Leia mais

R E L A T Ó R I O D A A C T I V I D A D E L A B O R A T O R I A L

R E L A T Ó R I O D A A C T I V I D A D E L A B O R A T O R I A L 1 R E L A T Ó R I O D A A C T I V I D A D E L A B O R A T O R I A L ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3 Efeitos da temperatura e da concentração na progressão global de uma reacção de equilíbrio com iões de cobalto

Leia mais

GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS

GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS O grupo 2 compreende o berílio (Be), magnésio (Mg), cálcio (Ca), estrôncio (Sr), bário (Ba) e rádio (Ra) e são chamados metais alcalinos terrosos. Estes elementos formam

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO O que se pretende Realizar laboratorialmente a síntese do sal sulfato de tetraaminacobre (II) monohidratado, uma substância usado como fungicida

Leia mais

Experimento 03: Cinética Química

Experimento 03: Cinética Química Experimento 03: Cinética Química 1 OBJETIVO - Verificar alguns fatores que influenciam na velocidade das reações químicas: temperatura, superfície de contato e efeito do catalisador. 2 INTRODUÇÃO A cinética

Leia mais

Representar através de equações, as principais reações químicas inorgânicas. Nomenclatura dos compostos. Reações Químicas

Representar através de equações, as principais reações químicas inorgânicas. Nomenclatura dos compostos. Reações Químicas AULA 3 Reações químicas inorgânicas OBJETIVOS Identificar as principais reações químicas inorgânicas; Representar através de equações, as principais reações químicas inorgânicas. Dica para o acompanhamento

Leia mais

Ácido nítrico concentrado: R: 8-35; S: Ácido sulfúrico concentrado: R: ; S: /37/ Realizar na hotte. Usar luvas.

Ácido nítrico concentrado: R: 8-35; S: Ácido sulfúrico concentrado: R: ; S: /37/ Realizar na hotte. Usar luvas. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Verificar e interpretar a ocorrência de reacções químicas de ácido-base. Verificar e interpretar a ocorrência de reacções químicas de oxidação-redução. Interpretar as

Leia mais

Esta actividade laboratorial será realizada à microescala utilizando uma folha de laboratório e utilizando pequenas quantidades de reagentes.

Esta actividade laboratorial será realizada à microescala utilizando uma folha de laboratório e utilizando pequenas quantidades de reagentes. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Esta actividade laboratorial será realizada à microescala utilizando uma folha de laboratório e utilizando pequenas quantidades de reagentes. Objectivos Caracterizar o equilíbrio

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. LOURENÇO EM PORTALEGRE ACTIVIDADE LABORATORIAL QUÍMICA 11º ANO TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE. Versão professor. Algumas notas prévias

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. LOURENÇO EM PORTALEGRE ACTIVIDADE LABORATORIAL QUÍMICA 11º ANO TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE. Versão professor. Algumas notas prévias ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. LOURENÇO EM PORTALEGRE ACTIVIDADE LABORATORIAL QUÍMICA 11º ANO TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Versão professor O que se pretende: Conhecer processos para neutralizar resíduos de ácidos/bases

Leia mais

A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM

A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM QUÍMICA 11.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA A publicidade anuncia adubos e produtos de limpeza amoniacais: o que terão de comum estes materiais? A

Leia mais

Trabalho Prático nº 4. Complexos de metais de transição

Trabalho Prático nº 4. Complexos de metais de transição Trabalho Prático nº 4 Complexos de metais de transição 1. Introdução Um ião complexo pode ser definido como um ião que contém um átomo central ao qual se ligam outros átomos, os ligandos, em que na maior

Leia mais

O que se pode fazer com amoníaco?

O que se pode fazer com amoníaco? Nome :.. 11º Ano Turma: Classificação: Professora:... Disciplina de Física e Química A Ano 2 (Susana Vieira) AL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado Questão - problema O que se pode

Leia mais

Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão

Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão 1 Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão 1. INTRODUÇÃO 1.1. EQUILÍBRIO QUÍMICO As reações estudadas em química não resultam de uma conversão completa de reagentes em produtos, pois todas

Leia mais

Solução aquosa de tiossulfato de sódio 0,100 moldm. Ácido clorídrico concentrado: R: ; S: /37/ Realizar na hotte. Usar luvas.

Solução aquosa de tiossulfato de sódio 0,100 moldm. Ácido clorídrico concentrado: R: ; S: /37/ Realizar na hotte. Usar luvas. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Avaliar a velocidade da reacção química entre ácido clorídrico e o tiossulfato de sódio a diferentes concentrações, através do tempo que demora a formar-se uma determinada

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

Produto de solubilidade de sais

Produto de solubilidade de sais Produto de solubilidade de sais Nos sais pouco solúveis (solubilidade menor que 0,01mol/L) o produto da concentração molar de íons é uma constante a uma determinada temperatura, esse produto (Kps) é chamado

Leia mais

Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação

Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro 14 janeiro 2014 Objetivos - Dinamização de uma sessão de leitura de excertos de um livro. - A partir

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS ÁCIDOS E DAS BASES

CARACTERÍSTICAS DOS ÁCIDOS E DAS BASES E S C O L A BÁSICA 3/S A N T E R O DE QUENTAL Nome: Nº Turma Data / / CARACTERÍSTICAS DOS ÁCIDOS E DAS BASES Ácidos As soluções ácidas apresentam um conjunto de propriedades comuns que fazem com que as

Leia mais

2NO 2 (g) (castanho avermelhado) (incolor)

2NO 2 (g) (castanho avermelhado) (incolor) Título do Vídeo: O Princípio de Le Châtelier e o Equilíbrio 2NO 2 (g) N 2 O 4 (g) Nome dos participantes: Marta Sousa dos Reis e Nuno Miguel Salvado Silva Professor responsável: Paulo Ernesto E-mail: paulo.ernesto@gustaveeiffel.pt

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE ACTIVIDADE LABORATORIAL QUÍMICA 11º ANO TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE O que se pretende: Conhecer processos para neutralizar resíduos de ácidos/bases no laboratório. Realizar tecnicamente uma titulação. Seleccionar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Bobadela Escola EBI de Bobadela. Preparação de soluções aquosas de sulfato de cobre

Agrupamento de Escolas de Bobadela Escola EBI de Bobadela. Preparação de soluções aquosas de sulfato de cobre Agrupamento de Escolas de Bobadela Escola EBI de Bobadela Ano letivo 2013/2014 C. Físico-Químicas 7º ano Relatório da actividade experimental: Preparação de soluções aquosas de sulfato de cobre Elaborado

Leia mais

Exercícios Equilíbrio Iônico

Exercícios Equilíbrio Iônico Exercícios Equilíbrio Iônico 1. O ph tem uma importância significativa nos processos de laboratório, da indústria e dos organismos vivos. Ele pode ser avaliado de forma simples, usando-se substâncias chamadas

Leia mais

Programa de Física e Química A

Programa de Física e Química A MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO Programa de Física e Química A 11.º ano Autores Componente de Química Isabel P. Martins (Coordenadora) José Alberto L. Costa José Manuel G. Lopes

Leia mais

Programa de Física e Química A

Programa de Física e Química A MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO Programa de Física e Química A 11º ou 12º anos Autores Componente de Química Isabel P. Martins (Coordenadora) José Alberto L. Costa José Manuel

Leia mais

Cinco gobelés de 50 ml Quatro tubos de ensaio Suporte para tubos de ensaio Cinco conta-gotas Pipeta de transferência Material.

Cinco gobelés de 50 ml Quatro tubos de ensaio Suporte para tubos de ensaio Cinco conta-gotas Pipeta de transferência Material. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivo Reconhecer que existem reacções químicas incompletas, reversíveis, ou seja, que podem ocorrer nos dois sentidos da reacção (o directo e o inverso). Duração Tempo de realização

Leia mais

Laboratório de Química dos Elementos QUI

Laboratório de Química dos Elementos QUI ÁGUA DURA A dureza da água pode ter origem natural por contato da água com o solo, onde a presença de dióxido de carbono dissolvido na água provoca a solução de sais pouco solúveis. Em depósitos subterrâneos,

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA Parte I Produção do óxido de cobre Ponto de Partida 1- Preparar uma amostra de 300 mg de cobre a partir de um fio de cobre ou de uma folha de cobre. 2- Colocar a

Leia mais

APL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado

APL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado APL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado Grupo de Trabalho: Classificação Professor Existe uma crença de que os produtos naturais são necessariamente bons ou menos nocivos que os

Leia mais

PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES

PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 1- INTRODUÇÃO Análise volumétrica refere-se a todo procedimento no qual o volume de um reagente necessário para reagir com um constituinte em análise é medido. - Em

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE. Versão aluno

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE. Versão aluno ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. LOURENÇO EM PORTALEGRE ACTIVIDADE LABORATORIAL QUÍMICA 11º ANO TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Versão aluno O que se pretende: Conhecer processos para neutralizar resíduos de ácidos/bases

Leia mais

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Reacções de precipitação

Reacções de precipitação Escola Básica do 2º e 3º ciclo de Santo António Ciências Físico-Química Ano lectivo: 2010/2011 Reacções de precipitação Docente: Eugénia Temtem Relatório elaborado por: Antonela Pereira nº1 Funchal, 28

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

EXERCÍCIOS. Química 11. e problemas Exames Testes intermédios Professor Luís Gonçalves

EXERCÍCIOS. Química 11. e problemas Exames Testes intermédios Professor Luís Gonçalves Química 11 EXERCÍCIOS e problemas Exames 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Testes intermédios 2008 2009 2010 2011 Escola Técnica Liceal Salesiana do Estoril Professor Luís Gonçalves 2 3 Unidade 1 Controlo

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Aspectos adicionais dos equilíbrios aquosos David P. White O efeito do íon comum A solubilidade de um sal parcialmente solúvel diminui quando um íon comum é adicionado.

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 )

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 ) Padronização Folha : 1 de 6 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Aparelhagem 4_ Procedimento 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação prescreve o método de fatoração da solução de azul de metileno utilizada

Leia mais

TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS

TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS Tipos de Reações químicas 1 TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS Introdução Várias reações da química inorgânica podem ser classificadas em uma das quatro categorias: combinação, decomposição, deslocamento simples

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

Transformações Químicas A reação entre a solução de nitrato de prata e o fio de cobre

Transformações Químicas A reação entre a solução de nitrato de prata e o fio de cobre Escola de Educação Básica Olavo Bilac Professora: Eliane Sandra H. Plucinscki Bolsistas: Fernanda Raulino e Solyane Fraga Transformações Químicas A reação entre a solução de nitrato de prata e o fio de

Leia mais

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Soluções 1 Propriedades gerais das soluções Os materiais são feitos geralmente de misturas de substâncias mais simples. Ex.: ar, sangue, água do mar, ligas metálicas, perfumes, etc As composições precisam

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. OBJETIVOS No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Dada a equação química de um equilíbrio, escrever a expressão para a constante

Leia mais

Tratamento e descarte de Resíduos Químicos dos laboratórios da Unipampa Itaqui

Tratamento e descarte de Resíduos Químicos dos laboratórios da Unipampa Itaqui Unipampa 1 OBJETIVO Fornecer informações acerca do armazenamento, tratamento e descarte final dos resíduos químicos gerados nas fontes gerados do campus. 2 APLICAÇÃO Procedimento operacional de estocagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO.

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. Aula 11 Glauber Silva Godoi META Desenvolver no aluno a capacidade de avaliar

Leia mais

1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol e dióxido de carbono:

1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol e dióxido de carbono: EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I Capítulo 4. Reacções químicas II Ficha de exercícios 1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

PRÁTICA N o. 01 SOLUBILIDADE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

PRÁTICA N o. 01 SOLUBILIDADE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS PRÁTICA N o. 01 SOLUBILIDADE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a determinação da solubilidade de compostos orgânicos através de um estudo sequencial com solventes situando

Leia mais

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola?

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola? Física e Química A 11ºAno - Química AL.2.3. Neutralização: uma reacção de ácido-base Ano lectivo: 2010/2011 Nomes: N.º s : T.ª: PARTE I - Introdução Questão problema Como identificar se os resíduos são

Leia mais

MODELO ou MODELO DE QUESTÕES DA PROVA ESPECÍFICA DE QUÍMICA

MODELO ou MODELO DE QUESTÕES DA PROVA ESPECÍFICA DE QUÍMICA Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores dos Maiores de 23 Anos (M23) Ano Letivo 2017/2018 MODELO ou MODELO DE QUESTÕES DA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1. Soluções básicas servem para a dissolução de gorduras sólidas que obstruem tubulações das cozinhas. O hidróxido de sódio é um exemplo, pois reage com gorduras e gera produtos solúveis. Qual a massa

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 273,15 R = 8,314

Leia mais

Leia com atenção as questões do teste. Apresente na folha de teste todos os cálculos, expressões que utilizar nas resoluções dos exercícios.

Leia com atenção as questões do teste. Apresente na folha de teste todos os cálculos, expressões que utilizar nas resoluções dos exercícios. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS Física e Química A 11º ANO ANO LECTIVO 2010/2011 Ficha de Avaliação Sumativa nº 5 Física e Química A Duração da Prova: 90 minutos 02.06.2011 11º ano de Escolaridade

Leia mais

Ligar cuidadosamente a fonte de alimentação.

Ligar cuidadosamente a fonte de alimentação. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Interpretar as reacções químicas que ocorrem quando se efectua a electrólise de uma solução aquosa de cloreto de cobre (II) com eléctrodos de grafite, ferro e zinco.

Leia mais

1.1. A partir de 10 mol de ácido nítrico qual é a massa de nitrato de amónio que se obtém?

1.1. A partir de 10 mol de ácido nítrico qual é a massa de nitrato de amónio que se obtém? Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Ficha de Trabalho 5 Cálculos estequiométricos 1. O ácido nítrico é uma das mais importantes substâncias inorgânicas industriais.

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL 1- Objetivo 1. Estimar o ph de água destilada e de soluções aquosas usando indicadores ácidobase. 2. Diferenciar o comportamento de uma solução tampão. 2 Introdução Eletrólitos

Leia mais

Teste de Avaliação 5 A - 30/04/2013

Teste de Avaliação 5 A - 30/04/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 5 A - 30/04/2013 Nome Nº Turma 1. Observa as informações da figura ao

Leia mais

Produto de solubilidade de sais. Produto de solubilidade de sais

Produto de solubilidade de sais. Produto de solubilidade de sais Produto de solubilidade de sais Nos sais pouco solúveis (solubilidade menor que 0,01mol/L) o produto da concentração molar de íons é uma constante a uma determinada temperatura, esse produto (Kps) é chamado

Leia mais

Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES. Eliana Midori Sussuchi Danilo Oliveira Santos. META Obter halogênios e avaliar suas propriedades

Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES. Eliana Midori Sussuchi Danilo Oliveira Santos. META Obter halogênios e avaliar suas propriedades Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES META Obter halogênios e avaliar suas propriedades OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Obter cloro por decomposição do cloreto de hidrogênio;

Leia mais

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO 1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO I. INTRODUÇÃO Solução é uma mistura homogênea de uma ou mais substâncias. A substância presente em maior quantidade é denominada solvente, e as outras substâncias na

Leia mais

Componente de Química

Componente de Química Componente de Química 1.5 Controlo da produção industrial Alteração do estado de equilíbrio de um sistema O carácter dinâmico do equilíbrio (num sistema em equilíbrio, a uma dada temperatura, as velocidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA INSTRUMENTAL II CQ122 Prática 1 Profa. Iara Messerschmidt Prof. Claudio

Leia mais

Cinética de Reações Químicas

Cinética de Reações Químicas Experiência 4: Cinética de Reações Químicas 1. Introdução A Cinética Química é a área da química que está relacionada com as velocidades das reações. A velocidade de uma reação química representa a variação

Leia mais

MINERALIZAÇÃO E DESMINERALIZAÇÃO DA ÁGUA

MINERALIZAÇÃO E DESMINERALIZAÇÃO DA ÁGUA MINERALIZAÇÃO E DESMINERALIZAÇÃO DA ÁGUA Dissolução; Solubilidade; Produto de solubilidade; Precipitação; Mineralização e desmineralização das águas. Água do Mar Ó mar salgado, Quanto do teu sal são lágrimas

Leia mais

Interpretar as reacções químicas que ocorrem quando se efectua a electrólise da água com eléctrodos de grafite, ferro e zinco.

Interpretar as reacções químicas que ocorrem quando se efectua a electrólise da água com eléctrodos de grafite, ferro e zinco. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivo Interpretar as reacções químicas que ocorrem quando se efectua a electrólise da água com eléctrodos de grafite, ferro e zinco. Duração Tempo de realização 45 minutos.

Leia mais

1. O amoníaco é uma base, segundo a teoria de Brönsted-Lowry, sendo a sua reação de ionização em água traduzida pela seguinte equação:

1. O amoníaco é uma base, segundo a teoria de Brönsted-Lowry, sendo a sua reação de ionização em água traduzida pela seguinte equação: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS FQA FICHA DE EXERCÍCIOS DE EXAME UNIDADE 2 - QUÍMICA 10.março. 2016 11.º Ano Turma B Professor: Duração da prova: 90 minutos. NOME: Nº 1 1. O amoníaco é uma base, segundo

Leia mais

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Profª Simone Noremberg Kunz 2 Mol Medidas em química analítica É a quantidade de uma espécie química que contém 6,02x10 23 partículas

Leia mais

1) A principal caracterís0ca de uma solução é:

1) A principal caracterís0ca de uma solução é: 1) A principal caracterís0ca de uma solução é: a) possuir sempre um líquido com outra substância dissolvida. b) ser um sistema com mais de uma fase. c) ser homogênea ou heterogênea, dependendo das condições

Leia mais

PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios)

PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios) PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios) Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Dr. Fabio da Silva Miranda Revisores: Prof. Dra. Maria Domingues Vargas, Bsc. Eloisa Borges e Borges Última

Leia mais

Identifique a alternativa que apresenta dois produtos caseiros com propriedades alcalinas (básicas):

Identifique a alternativa que apresenta dois produtos caseiros com propriedades alcalinas (básicas): Atividade extra Questão 1 Adaptado de FUVEST - SP Identifique a alternativa que apresenta dois produtos caseiros com propriedades alcalinas (básicas): a. sal e coalhada. b. detergente e vinagre. c. bicarbonato

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS AULA PRÁTICA Nº - 08 05 / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca FUNDAMENTO: DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS Este método baseia-se na propriedade que alguns açúcares apresentam em reduzir o Cu+2 (Íon Cúprico)

Leia mais

Fuvest 2009 (Questão 1 a 8)

Fuvest 2009 (Questão 1 a 8) (Questão 1 a 8) 1. Água pode ser eletrolisada com a finalidade de se demonstrar sua composição. A figura representa uma aparelhagem em que foi feita a eletrólise da água, usando eletrodos inertes de platina.

Leia mais

FUVEST 1999 Prova de Química. Magnésio e seus compostos podem ser produzidos a partir da água do mar, como mostra o esquema a seguir:

FUVEST 1999 Prova de Química. Magnésio e seus compostos podem ser produzidos a partir da água do mar, como mostra o esquema a seguir: Q.01 Magnésio e seus compostos podem ser produzidos a partir da água do mar, como mostra o esquema a seguir: a) Identifique X, Y e Z, dando suas respectivas fórmulas. b) Escreva a equação que representa

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

8ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Equilíbrio de Solubilidade

8ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Equilíbrio de Solubilidade Pg. 1/6 1 a Questão De acordo com as equações abaixo, a 25 ºC, faça o que se pede. BaF 2 (s) Ba 2+ (aq) + 2F - (aq) K ps (BaF 2 ) = 1,7 x 10-6 BaSO 4 (s) Ba 2+ (aq) + SO 2-4 (aq) K ps (BaSO 4 ) = 1,0 x

Leia mais

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados.

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados. Prova de Acesso de Química Maiores de 23 Anos Candidatura 2016-2017 14 de Junho de 2017 10h00 12h30 Nome CCnº ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados.

Leia mais

CQ136 Química Experimental I. Água Dura e Halogênios - Diagrama de Latimer

CQ136 Química Experimental I. Água Dura e Halogênios - Diagrama de Latimer 1 CQ136 Química Experimental I Água Dura e Halogênios - Diagrama de Latimer Introdução: Os elementos do grupo 2 são tipicamente metálicos, porém menos reativos que os metais alcalinos. Magnésio é um elemento

Leia mais

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água.

Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. PRECIPITAÇÃO SELECTIVA INTRODUÇÃO Para compreender o conceito de reacção de precipitação é necessário considerar as noções básicas de dissolução e de solubilidade de sais em água. O fenómeno de dissolução

Leia mais

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS Exercício 1. (UFMG, Adapt.) O rótulo de uma garrafa de vinagre indica que a concentração de ácido acético (CH3COOH) é 42g/L. A fim de verificar se a concentração da solução ácida corresponde à indicada

Leia mais

h) óxido de magnésio b) CO

h) óxido de magnésio b) CO Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química III Trimestre 1ºAno ROTEIRO DE ESTUDO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO 1- Complete a Reação de Neutralização Total: a)naoh + HCl b)hcl + Mg(OH)2 c)ca(oh)2 + HCl

Leia mais

INTRODUÇÃO. Podem ocorrer também modificações só perceptíveis a sensores colocados no meio reacional:

INTRODUÇÃO. Podem ocorrer também modificações só perceptíveis a sensores colocados no meio reacional: REAÇÕES INORGÂNICAS INTRODUÇÃO Uma reação química ocorre quando uma ou mais substâncias interagem de modo a formar novas substâncias. A ocorrência de uma reação pode ser detectada através de evidências

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

Reações químicas. Soluções ácidas e básicas Indicadores ácido-base Escala de ph Reacções ácido-base

Reações químicas. Soluções ácidas e básicas Indicadores ácido-base Escala de ph Reacções ácido-base Reações químicas Soluções ácidas e básicas Indicadores ácido-base Escala de ph Reacções ácido-base Soluções ácidas e básicas Ciências Físico-Químicas O que são soluções ácidas? E soluções básicas? Algumas

Leia mais

Pacheco Disciplina: Química III Trimestre 1ºAno Lista de Exercício

Pacheco Disciplina: Química III Trimestre 1ºAno Lista de Exercício Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química III Trimestre 1ºAno Lista de Exercício 1- Complete a Reação de Neutralização Total: a)naoh + HCl b)hcl + Mg(OH)2 c)ca(oh)2 + HCl d)h3po4 + NaOH e)h2so4 + Al(OH)3

Leia mais

Título do vídeo: Síntese de sulfato de tetraminocobre (II) mono-hidratado

Título do vídeo: Síntese de sulfato de tetraminocobre (II) mono-hidratado Título do vídeo: Síntese de sulfato de tetraminocobre (II) mono-hidratado Nome dos participantes: Luís Amores; Melanie Matos; Miguel Sousa; Paulo Caldeira Professor responsável: Dina Albino E-mail: f188@esjd.pt

Leia mais

PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA

PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 008 09/2014 T 008 pg 1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico ARTERIS

Leia mais

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax.

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax. PRÁTICA 3 GRUPO 13 Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Fabio da Silva Miranda Revisado: 04/05/2017 1. Introdução O presente procedimento experimental pretende abordar alguns aspectos

Leia mais

Química Geral I. Química - Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks

Química Geral I. Química - Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks Química Geral I Química - Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks Conteúdo 04/04/2017 Rendimento Determinar Fórmulas Moleculares Reações em Solução aquosa Propriedades dos Compostos em Solução Aquosa, Reações

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior para maiores de 23 anos

Provas de Acesso ao Ensino Superior para maiores de 23 anos Provas de Acesso ao Ensino Superior para maiores de 23 anos Duração: 1h30min.; Tolerância: 30 minutos Parte I - Seleccione a única opção que permite obter uma afirmação correcta nas seguintes questões:

Leia mais