ANEXO I (Tabela tipologias licenciamento)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I (Tabela tipologias licenciamento)"

Transcrição

1 CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE ANEXO I (Tabela tipologias licenciamento) RAMO RAMO_DESCRICAO UNIDADE DE MEDIDA POTENCIAL POLUIDOR IRRIGAÇÃO SUPERFICIAL Hectares (ha) ALTO IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO/LOCALIZADA Hectares (ha) MÉDIO 50 MÍNIMO PEQUENO MÉDIO GRANDE 50,0001 a DRENAGEM AGRICOLA Hectares (ha) MÉDIO 1 1,01 a 5 PORTE EXCEPCIONAL BARRAGEM / AÇUDE PARA IRRIGAÇÃO - APENAS PARA FORNECIMENTO DE ÁGUA Área alagada ALTO CRIAÇÃO DE AVES DE CORTE Nº cabeças MÉDIO CRIAÇÃO DE AVES DE POSTURA Nº cabeças MÉDIO CRIAÇÃO DE MATRIZES E OVOS Nº cabeças MÉDIO INCUBATÓRIO Nº pintos/mês MÉDIO CUNICULTURA E OUTROS Nº cabeças MÉDIO CRIAÇÃO DE SUÍNOS - CICLO COMPLETO - COM MANEJO DEJETOS LÍQUIDOS 14000,01 a ,01 a ,01 a ,01 a 0 0,01 a ,01 a ,01 a ,01 a ,01 a ,01 a 1 Nº matrizes ALTO 10 10,01 a 50 50,01 a ,01 a ,01 a CRIAÇÃO DE SUÍNOS - UNIDADE PRODUTORA DE LEITÕES ATE 21 DIAS - COM MANEJO DEJETOS LÍQUIDOS nº matrizes ALTO 70 70,01 a ,01 a CRIAÇÃO DE SUÍNOS - UNIDADE PRODUTORA DE LEITÕES ATE 63 DIAS - COM MANEJO DEJETOS LÍQUIDOS Nº matrizes ALTO 50 50,01 a ,01 a CRIAÇÃO DE SUÍNOS - TERMINAÇÃO - COM MANEJO DEJETOS LÍQUIDOS nº cabeças ALTO 100,01 a ,01 a CRIAÇÃO DE SUÍNOS - CRECHE - COM MANEJO DEJETOS LÍQUIDOS CRIAÇÃO DE SUÍNOS - CENTRAL DE INSEMINACAO - COM MANEJO DEJETOS LÍQUIDOS CRIAÇÃO DE SUÍNOS - CICLO COMPLETO - COM MANEJO DE DEJETOS SOBRE CAMAS CRIAÇÃO DE SUÍNOS - UNIDADE PRODUTORA DE LEITÕES ATE 21 DIAS - COM MANEJO DE DEJETOS SOBRE CAMAS CRIAÇÃO DE SUÍNOS - UNIDADE PRODUTORA DE LEITÕES ATE 63 DIAS - COM MANEJO DE DEJETOS SOBRE CAMAS nº cabeças ALTO 400 nº cabeças ALTO ,01 a 130,01 a 390,01 a 0 390,01 a 780 nº matrizes MÉDIO 10 10,01 a 40 40,01 a 75 nº matrizes MÉDIO 70 70,01 a 280 nº matrizes MÉDIO 50 50,01 a ,01 a ,01 a CRIAÇÃO DE SUÍNOS - TERMINAÇÃO - COM MANEJO DE DEJETOS SOBRE CAMAS nº cabeças MÉDIO ,01 a CRIAÇÃO DE SUÍNOS - CRECHE - COM MANEJO DE DEJETOS SOBRE CAMAS nº cabeças MÉDIO ,01 a ,01 a CRIAÇÃO DE SUÍNOS - CENTRAL DE INSEMINAÇÃO - COM MANEJO DE DEJETOS SOBRE CAMAS nº cabeças MÉDIO ,01 a ,01 a CRIAÇÃO DE OVINOS DE CORTE EM SISTEMA EXTENSIVO A CAMPO nº cabeças a a CRIAÇÃO DE OUTROS ANIMAIS DE MÉDIO PORTE CONFINADOS nº cabeças MÉDIO 45 45,01 a CRIAÇÃO DE BOVINOS CONFINADOS nº cabeças ALTO 50 50,01 a CRIAÇÃO DE OUTROS ANIMAIS DE GRANDE PORTE CONFINADOS nº cabeças ALTO CRIAÇÃO DE BOVINOS (SEMI-EXTENSIVO) nº cabeças ALTO 50 50,01 a AÇUDE PARA DESSEDENTAÇÃO ANIMAL CENTRAIS DE BENEFICIAMENTO DE DEJETOS SECOS DE CRIAÇÕES DE ANIMAIS CONFINADOS m2 pátio compostagem 0,01 a MÉDIO,1 a 450,01 a ,01 a ,01 a 200,01 a 400,1 a a CENTRAIS DE BENEFICIAMENTO DE DEJETOS LÍQUIDOS DE CRIAÇÕES DE ANIMAIS CONFINADOS m2 pátio compostagem MÉDIO,1 a,1 a PISCICULTURA DE ESPÉCIES NATIVAS PARA ENGORDA EM SISTEMA INTENSIVO PISCICULTURA DE ESPÉCIES EXÓTICAS PARA ENGORDA EM SISTEMA INTENSIVO MÉDIO 2

2 PISCICULTURA DE ESPÉCIES NATIVAS PARA ENGORDA EM SISTEMA SEMI-INTENSIVO PISCICUTURA DE ESPÉCIES EXÓTICAS (SISTEMA SEMI- INTENSIVO) MÉDIO PISCICULTURA DE ESPÉCIES NATIVAS PARA ENGORDA EM SISTEMA EXTENSIVO PISCICULTURA DE ESPÉCIES EXÓTICAS PARA ENGORDA EM SISTEMA EXTENSIVO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS MINERADAS LAVRA DE GEMAS (ÁGATA/AMETISTA/ETC) - A CÉU ABERTO E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA LAVRA DE ROCHA PARA USO IMEDIATO NA CONSTRUÇÃO CIVIL - A CÉU ABERTO, COM USO DE EXPLOSIVOS, COM BRITAGEM E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA. área total em MÉDIO 2 Médio té 5 Médio té 5 Alto té LAVRA DE ROCHA PARA USO IMEDIATO NA CONSTRUÇÃO CIVIL - A CÉU ABERTO, SEM USO DE EXPLOSIVOS, COM BRITAGEM E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA. Alto té LAVRA DE ROCHA PARA USO IMEDIATO NA CONSTRUÇÃO CIVIL - A CÉU ABERTO, COM USO DE EXPLOSIVOS, SEM BRITAGEM E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA. LAVRA DE ROCHA PARA USO IMEDIATO NA CONSTRUÇÃO CIVIL - A CÉU ABERTO, SEM USO DE EXPLOSIVOS, SEM BRITAGEM E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA. LAVRA DE SAIBRO - A CÉU ABERTO E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA LAVRA DE ARGILA - A CÉU ABERTO E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA LAVRA DE AREIA - A CÉU ABERTO, FORA DE RECURSO HÍDRICO E COM RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA. BENEFICIAMENTO DE MINERAIS NÃO METÁLICOS, COM TINGIMENTO. Alto té 5 médio té 5 Médio té 5 Médio té 5 Médio té BENEFICIAMENTO DE MINERAIS NÃO METÁLICOS, SEM TINGIMENTO.,01 a,01 a BRITAGEM FABRICAÇÃO DE CAL VIRGEM/ HIDRATADA OU EXTINTA área útil em Médio 0 a FABRICAÇÃO DE TELHAS/TIJOLOS/OUTROS ARTIGOS DE BARRO COZIDO, COM TINGIMENTO. té FABRICAÇÃO DE TELHAS/TIJOLOS/OUTROS ARTIGOS DE BARRO COZIDO, SEM TINGIMENTO.,01 a FABRICAÇÃO DE MATERIAL CERÂMICO EM GERAL FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE PORCELANA FABRICAÇÃO DE MATERIAL REFRATÁRIO FABRICAÇÃO DE PEÇAS/ORNATOS/ESTRUTURAS/PRÉ-MOLDADOS DE CIMENTO, CONCRETO, GESSO FABRICAÇÃO DE ARGAMASSA USINA DE PRODUÇÃO DE CONCRETO FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE VIDRO E CRISTAL FABRICAÇÃO DE LÃ DE VIDRO E ASSEMELHADOS FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE FIBRA DE VIDRO FABRICAÇÃO DE ESPELHOS METALURGIA DOS METAIS PRECIOSOS PRODUÇÃO DE FUNDIDOS DE FERRO E AÇO/FORJADOS/ARAMES/RELAMINADOS PRODUÇÃO DE FUNDIDOS DE OUTROS METAIS PRODUÇÃO DE FUNDIDOS DE ALUMÍNIO PRODUÇÃO DE FUNDIDOS DE CHUMBO METALURGIA DO PÓ, INCLUSIVE PEÇAS MOLDADAS. área útil em Baixo 250 Médio 250 Médio 250 Médio 250 Alto 250 Alto 250 Alto 250 Médio 250 Alto 250 Alto 250 Alto 250 Alto 250 Médio 250,01 a,01 a,01 a,01 a FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS/ ARTEFATOS/ RECIPIENTES/ OUTROS METÁLICOS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA. Alto FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS/ ARTEFATOS/ RECIPIENTES/ OUTROS METÁLICOS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E SEM PINTURA. Alto 250 2

3 FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS/ ARTEFATOS/ RECIPIENTES/ OUTROS METÁLICOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA (EXCETO A PINCEL). Médio FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS/ ARTEFATOS/ RECIPIENTES/ OUTROS METÁLICOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA A PINCEL. Médio FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS/ ARTEFATOS/ RECIPIENTES/ OUTROS METÁLICOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E SEM PINTURA. Médio 250,01 a FUNILARIA, ESTAMPARIA E LATOARIA, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Alto FUNILARIA, ESTAMPARIA E LATOARIA, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Alto FUNILARIA, ESTAMPARIA E LATOARIA, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA (EXCETO A PINCEL). Médio FUNILARIA, ESTAMPARIA E LATOARIA, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA A PINCEL. Médio FUNILARIA, ESTAMPARIA E LATOARIA, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Médio 250,01 a FABRICAÇÃO DE TELAS DE ARAME E ARTEFATOS DE ARAMADOS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Alto FABRICAÇÃO DE TELAS DE ARAME E ARTEFATOS DE ARAMADOS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Alto FABRICAÇÃO DE TELAS DE ARAME E ARTEFATOS DE ARAMADOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA (EXCETO A PINCEL). Médio FABRICAÇÃO DE TELAS DE ARAME E ARTEFATOS DE ARAMADOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA A PINCEL. Médio FABRICAÇÃO DE TELAS DE ARAME E ARTEFATOS DE ARAMADOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Médio 250,01 a FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE CUTELARIA E FERRAMENTAS MANUAIS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Alto FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE CUTELARIA E FERRAMENTAS MANUAIS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Alto FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE CUTELARIA E FERRAMENTAS MANUAIS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA (EXCETO A PINCEL). Médio FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE CUTELARIA E FERRAMENTAS MANUAIS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA A PINCEL. Médio FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE CUTELARIA E FERRAMENTAS MANUAIS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE Médio 250,01 a FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, COM TRATAMENTO Alto FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, COM TRATAMENTO Alto FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, COM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, COM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, SEM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, SEM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, SEM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE MAQUINAS E APARELHOS, SEM TRATAMENTO,01 a FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, COM COM FUNDIÇÃO 3

4 FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, COM COM FUNDIÇÃO FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, COM SEM FUNDIÇÃO FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, COM SEM FUNDIÇÃO FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, SEM COM FUNDIÇÃO FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, SEM SEM FUNDIÇÃO FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, SEM COM FUNDIÇÃO FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, SEM SEM FUNDIÇÃO FABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOS, PEÇAS E ACESSÓRIOS, COM MICROFUSÃO. FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, COM TRATAMENTO,01 a FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, COM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, COM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, COM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, SEM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, SEM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, SEM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE AUTOPEÇAS/MOTOPEÇAS, SEM TRATAMENTO FABRICAÇÃO DE MATERIAL ELÉTRICO- ELETRÔNICO/EQUIPAMENTOS PARA COMUNICAÇÃO/INFORMÁTICA, COM TRATAMENTO SUPERFÍCIE.,01 a FABRICAÇÃO DE MATERIAL ELÉTRICO- ELETRÔNICO/EQUIPAMENTOS PARA COMUNICAÇÃO/INFORMÁTICA, SEM TRATAMENTO SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE APARELHOS ELÉTRICOS E ELETRODOMÉSTICOS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE. FABRICAÇÃO DE APARELHOS ELÉTRICOS E ELETRODOMÉSTICOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE AUTOMÓVEIS/CAMIONETES (INCLUSIVE CABINE DUPLA) FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE CAMINHÕES, ÔNIBUS FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE MOTOS, BICICLETAS, TRICICLOS, ETC FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE REBOQUES E/OU TRAILLERS FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE TRENS, LOCOMOTIVAS, VAGÕES MANUTENÇÃO E ABASTECIMENTO DE LOCOMOTIVAS FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE AERONAVES FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE EMBARCAÇÕES/ ESTRUTURAS FLUTUANTES. FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE BARCOS DE FIBRA DE VIDRO. FABRICAÇÃO, MONTAGEM E REPARAÇÃO DE TRATORES E MAQUINAS DE TERRAPLANAGEM SERRARIA E DESDOBRAMENTO COM TRATAMENTO DE MADEIRA,01 a 4

5 SERRARIA E DESDOBRAMENTO SEM TRATAMENTO DE MADEIRA PRESERVAÇÃO DE MADEIRA SECAGEM DE MADEIRA OUTROS BENEFICIAMENTOS E/OU TRATAMENTOS DE MADEIRA,01 a,01 a FABRICAÇÃO DE PLACAS/ CHAPAS MADEIRA AGLOMERADA/ PRENSADA/ COMPENSADA COM UTILIZACAO DE RESINAS (MDF, MDP E OUTRAS) FABRICAÇÃO DE PLACAS/ CHAPAS MADEIRA AGLOMERADA/ PRENSADA/ COMPENSADA SEM UTILIZACAO DE RESINAS FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS/ ESTRUTURAS DE MADEIRA (EXCETO MÓVEIS) FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE CORTIÇA área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE BAMBU/ VIME/ JUNCO/ PALHA TRANÇADA (EXCETO MÓVEIS) área útil em Baixo 0,01 a,01 a,01 a COM ACESSÓRIOS DE METAL, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA (EXCETO A PINCEL) COM ACESSÓRIOS DE METAL, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE COM ACESSÓRIOS DE METAL, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA (EXCETO A PINCEL) COM ACESSÓRIOS DE METAL, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E COM PINTURA A PINCEL COM ACESSÓRIOS DE METAL, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE,01 a SEM ACESSÓRIOS DE METAL, COM PINTURA (EXCETO A PINCEL). SEM ACESSÓRIOS DE METAL, COM PINTURA A PINCEL. SEM ACESSÓRIOS DE METAL, SEM PINTURA. FABRICAÇÃO DE MÓVEIS DE METAL, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS DE METAL, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS DE METAL, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS DE METAL, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS MOLDADOS DE MATERIAL PLÁSTICO, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE. FABRICAÇÃO DE MÓVEIS MOLDADOS DE MATERIAL PLÁSTICO, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE COLCHÕES FABRICAÇÃO DE ESTOFADOS área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE PAPEL/ PAPELÃO/ CARTOLINA/ CARTÃO, COM OPERAÇÕES MOLHADAS. FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE PAPEL/ PAPELÃO/ CARTOLINA/ CARTÃO, COM OPERAÇÕES SECAS, COM IMPRESSÃO GRÁFICA.,01 a,01 a,01 a,01 a FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE PAPEL/ PAPELÃO/ CARTOLINA/ CARTÃO, COM OPERAÇÕES SECAS, SEM IMPRESSÃO GRÁFICA. área útil em Baixo 0,01 a FABRICAÇÃO DE ARTIGOS/ ARTEFATOS DIVERSOS DE BORRACHA FABRICAÇÃO DE LAMINADOS E FIOS DE BORRACHA FABRICAÇÃO DE ESPUMA DE BORRACHA/ ARTEFATOS DE ESPUMA DE BORRACHA, INCLUSIVE LATEX RECUPERAÇÃO DE SUCATA DE BORRACHA RECONDICIONAMENTO DE PNEUMÁTICOS SECAGEM E SALGA DE COUROS E PELES (SOMENTE ZONA RURAL) área útil em Médio CURTIMENTO DE PELES BOVINAS/ SUÍNAS/ CAPRINAS E EQUINAS - CURTUME COMPLETO CURTIMENTO DE PELES BOVINAS/ SUÍNAS/ CAPRINAS E EQUINAS - ATE WET BLUE OU ATANADO 0,01 a 5

6 CURTIMENTO DE PELE OVINA ACABAMENTO DE COUROS, A PARTIR DE WET BLUE OU ATANADO ACABAMENTO DE COUROS, A PARTIR DE COURO SEMI-ACABADO FABRICAÇÃO DE COLA ANIMAL FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DIVERSOS DE COUROS E PELES (EXCETO CALÇADO) FABRICAÇÃO DE OSSOS PARA CÃES PRODUÇÃO DE SUBSTANCIAS QUÍMICAS PRODUÇÃO DE GASES INDUSTRIAIS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE LIMPEZA/ POLIMENTO/ DESINFETANTE MISTURA DE FERTILIZANTES FABRICAÇÃO DE ÁLCOOL ETÍLICO, METANOL E SIMILARES FRACIONAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS RECUPERAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS,01 a RECUPERAÇÃO DE METAIS USINA DE ASFALTO E CONCRETO ASFÁLTICO, A QUENTE USINA DE ASFALTO E CONCRETO ASFÁLTICO, A FRIO. 250,01 a,01 a PRODUÇÃO DE ÓLEO/ GORDURA/ CERA VEGETAL/ ANIMAL/ ESSENCIAL E OUTRO PRODUTO DA DESTILAÇÃO DA MADEIRA MISTURA DE GRAXAS LUBRIFICANTES,01 a 0 0,01 a FABRICAÇÃO DE RESINAS/ ADESIVOS/ FIBRAS/ FIOS ARTIFICIAIS E SINTÉTICOS FABRICAÇÃO DE TINTA ESMALTE/ LACA/ VERNIZ/ IMPERMEABILIZANTE/ SOLVENTE/ SECANTE FABRICAÇÃO DE TINTA COM PROCESSAMENTO A SECO FABRICAÇÃO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL DESCARTÁVEIS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE PERFUMARIA FABRICAÇÃO DE COSMÉTICOS FABRICAÇÃO DE SABÕES, COM EXTRAÇÃO DE LANOLINA FABRICAÇÃO DE SABÕES, SEM EXTRAÇÃO DE LANOLINA FABRICAÇÃO DE SEBO INDUSTRIAL FABRICAÇÃO DE DETERGENTES FABRICAÇÃO DE VELAS área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE MATERIAL PLÁSTICO, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE. FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE MATERIAL PLÁSTICO, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE. FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE MATERIAL PLÁSTICO, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE, COM IMPRESSÃO GRÁFICA. FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE MATERIAL PLÁSTICO, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE, SEM IMPRESSÃO GRÁFICA. área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE CANOS, TUBOS E CONEXÕES PLÁSTICAS. área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE PRODUTOS ACRÍLICOS FABRICAÇÃO DE LAMINADOS PLÁSTICOS área útil em Baixo BENEFICIAMENTO DE FIBRAS TÊXTEIS VEGETAIS BENEFICIAMENTO DE FIBRAS TÊXTEIS ARTIFICIAIS/ SINTÉTICAS BENEFICIAMENTO DE MATERIAS TÊXTEIS DE ORIGEM ANIMAL, COM LAVAGEM DE LÃ.,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a BENEFICIAMENTO DE MATERIAS TÊXTEIS DE ORIGEM ANIMAL, SEM LAVAGEM DE LÃ.,01 a FIAÇÃO E/OU TECELAGEM, COM TINGIMENTO. 6

7 FIAÇÃO E/OU TECELAGEM, SEM TINGIMENTO FABRICAÇÃO DE TECIDOS ESPECIAIS, COM TINGIMENTO FABRICAÇÃO DE TECIDOS ESPECIAIS, SEM TINGIMENTO FABRICAÇÃO DE ESTOPA/ MATERIAL PARA ESTOFO área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE CALÇADOS FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS/COMPONENTES PARA CALÇADOS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE. FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS/COMPONENTES PARA CALÇADOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE ATELIER DE CALÇADOS área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE VESTUÁRIO área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE ROUPAS CIRÚRGICAS E PROFISSIONAIS DESCARTÁVEIS MALHARIA (SOMENTE CONFECÇÃO) área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE COLCHAS, ACOLCHOADOS E OUTROS ARTIGOS DE DECORAÇÃO EM TECIDO. área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE TECIDO, COM TINGIMENTO FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE TECIDO, SEM TINGIMENTO. área útil em Baixo TINGIMENTO DE ROUPA/ PEÇA/ ARTEFATOS DE TECIDO ESTAMPARIA/ OUTRO ACABAMENTO EM ROUPA/ PEÇA/ TECIDOS/ ARTEFATOS DE TECIDO, EXCETO TINGIMENTO. área útil em Baixo SECAGEM DE ARROZ SECAGEM DE OUTROS GRÃOS MOAGEM DE GRÃOS MOINHO DE TRIGO E/OU MILHO MOINHO DE OUTROS GRÃOS TORREFAÇÃO E MOAGEM DE CAFÉ ENGENHO DE ARROZ COM PARBOILIZAÇÃO ENGENHO DE ARROZ SEM PARBOILIZAÇÃO OUTRAS OPERAÇÕES DE BENEFICIAMENTO DE GRÃOS MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE BOVINOS, COM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES. MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE BOVINOS, SEM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES. MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE SUÍNOS, COM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES. MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE SUÍNOS, SEM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES.,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE AVES E/OU COELHOS, COM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE AVES E/OU COELHOS, SEM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE BOVINOS E SUÍNOS, COM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE BOVINOS E SUÍNOS, SEM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE OUTROS ANIMAIS, COM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES MATADOUROS/ ABATEDOUROS DE OUTROS ANIMAIS, SEM FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS OU INDUSTRIALIZAÇÃO DE CARNES FABRICAÇÃO DE DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL E FRIGORÍFICOS SEM ABATE FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS PREPARAÇÃO DE CONSERVAS DE CARNE PRODUÇÃO DE BANHA E GORDURAS ANIMAIS COMESTÍVEIS 7

8 BENEFICIAMENTO DE TRIPAS ANIMAIS FABRICAÇÃO DE RAÇÃO BALANCEADA/ FARINHA DE OSSO/ PENA/ ALIMENTOS PARA ANIMAIS, COM COZIMENTO E/OU COM DIGESTÃO FABRICAÇÃO DE RAÇÃO BALANCEADA/ FARINHA DE OSSO/ PENA/ ALIMENTOS PARA ANIMAIS, SEM COZIMENTO E/OU SEM DIGESTÃO (SOMENTE MISTURA).,01 a PREPARAÇÃO DE PESCADO/ FABRICAÇÃO DE CONSERVAS DE PESCADO SALGAMENTO DE PESCADO ARMAZENAMENTO DE PESCADO área útil em Baixo BENEFICIAMENTO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE LEITE E SEUS DERIVADOS FABRICAÇÃO DE QUEIJOS PREPARAÇÃO DE LEITE, INCLUSIVE PASTEURIZAÇÃO POSTO DE RESFRIAMENTO DE LEITE FABRICAÇÃO DE AÇUCAR REFINADO FABRICAÇÃO DE DOCES EM PASTA, CRISTALIZADOS, EM BARRA FABRICAÇÃO DE SORVETES/ BOLOS E TORTAS GELADAS/ COBERTURAS FABRICAÇÃO DE BALAS/ CARAMELOS/ PASTILHAS/ DROPES/ BOMBONS/ CHOCOLATES/ GOMAS ENTREPOSTO/DISTRIBUIDOR DE MEL área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE MASSAS ALIMENTÍCIAS (INCLUSIVE PÃES), BOLACHAS E BISCOITOS PADARIA, CONFEITARIA, PASTELARIA. área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE CONDIMENTOS área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE VINAGRE PREPARAÇÃO DE SAL DE COZINHA área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE FERMENTOS E LEVEDURAS FABRICAÇÃO DE CONSERVAS, EXCETO DE CARNE E PESCADO.,01 a,01 a,01 a,01 a FABRICAÇÃO DE PROTEÍNA TEXTURIZADA E HIDROLISADA DE SOJA FABRICAÇÃO DE PROTEINA TEXTURIZADA DE SOJA FABRICAÇÃO DE PROTEINA HIDROLISADA DE SOJA SELEÇÃO E LAVAGEM DE OVOS SELEÇÃO E LAVAGEM DE FRUTAS LAVAGEM DE LEGUMES E/OU VERDURAS PASTEURIZAÇÃO DE OVO LIQUIDO PREPARAÇÃO DE REFEIÇÕES INDUSTRIAIS FABRICAÇÃO DE ERVA-MATE área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE CHÁS E ERVAS PARA INFUSÃO área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS DA MANDIOCA REFINO/ PREPARAÇÃO DE ÓLEO/ GORDURA VEGETAL/ ANIMAL ATRAVÉS DE EXTRAÇÃO POR SOLVENTES REFINO/ PREPARAÇÃO DE ÓLEO/ GORDURA VEGETAL/ ANIMAL ATRAVÉS DE PROCESSO FÍSICO FABRICAÇÃO DE GELATINA,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a FABRICAÇÃO DE OUTROS PRODUTOS ALIMENTARES NÃO ESPECIFICADOS FABRICAÇÃO DE CERVEJA/ CHOPE/ MALTE FABRICAÇÃO DE VINHOS FABRICAÇÃO DE AGUARDENTE/ LICORES/ OUTROS DESTILADOS FABRICAÇÃO DE OUTRAS BEBIDAS ÁLCOOLICAS 8

9 FABRICAÇÃO DE REFRIGERANTES CONCENTRADORAS DE SUCO DE FRUTAS FABRICAÇÃO DE OUTRAS BEBIDAS NÃO ÁLCOOLICAS ENGARRAFAMENTO DE BEBIDAS, INCLUSIVE ENGARRAFAMENTO E GASEIFICAÇÃO DE ÁGUA MINERAL, COM OU SEM LAVAGEM DE GARRAFAS. PREPARAÇÃO DO FUMO/ FABRICAÇÃO DE CIGARRO/ CHARUTO/ CIGARRILHAS/ ETC CONSERVAÇÃO DO FUMO CONFECÇÃO DE MATERIAL IMPRESSO 1-10 FABRICAÇÃO DE JOIAS/ BIJUTERIAS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE JOIAS/ BIJUTERIAS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE ENFEITES DIVERSOS, COM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE FABRICAÇÃO DE ENFEITES DIVERSOS, SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE. área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE PRECISÃO NAO ELÉTRICOS 3-20 FABRICAÇÃO DE APARELHOS PARA USO MÉDICO, ODONTOLÓGICO E CIRÚRGICO FABRICAÇÃO DE APARELHOS ORTOPÉDICOS FABRICAÇÃO DE APARELHOS E MATERIAIS FOTOGRÁFICOS E/OU CINEMATOGRÁFICOS FABRICAÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS E FITAS MAGNÉTICAS 3-41 INDÚSTRIA FONOGRÁFICA 3-50 FABRICAÇÃO DE EXTINTORES 3-60 FABRICAÇÃO DE OUTROS APARELHOS E INSTRUMENTOS NÃO ESPECIFICADOS 4-00 FABRICAÇÃO DE ESCOVAS PINCEIS, VASSOURAS, ETC FABRICAÇÃO DE CORDAS/ CORDÕES E CABOS área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE GELO (EXCETO GELO SECO) área útil em Baixo LAVANDERIA PARA ROUPAS E ARTEFATOS INDUSTRIAIS 7-20 LAVANDERIA PARA ROUPAS E ARTEFATOS DE USO DOMESTICO 8-00 FABRICAÇÃO DE ARTIGOS ESPORTIVOS 9-00 LABORATÓRIO DE TESTES DE PROCESSOS/ PRODUTOS INDUSTRIAIS SERVIÇOS DE GALVANOPLASTIA,01 a,01 a SERVIÇOS DE FOSFATIZAÇÃO/ ANODIZAÇÃO/ DECAPAGEM/ ETC, EXCETO GALVANOPLASTIA SERVIÇOS DE USINAGEM SERVIÇOS DE TORNEARIA/ FERRARIA/ SERRALHERIA área útil em Baixo PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM FORNOS volume produção em m³/dia SECADOR DE FUMO área útil em Baixo FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE TECIDO E METAL SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE área útil em Baixo Baixo TRIAGEM E ARMAZENAMENTO DE RESÍDUO SÓLIDO INDUSTRIAL CLASSE II A área útil em Médio ,01 a,01 a,01 a TRIAGEM E ARMAZENAMENTO DE RESÍDUO SÓLIDO INDUSTRIAL CLASSE II B área útil em Baixo ,01 a,01 a,01 a 0 0,01 a PROCESSAMENTO DE RESÍDUO SÓLIDO INDUSTRIAL CLASSE II A toneladas/mês Médio 18 18,01 a PROCESSAMENTO DE RESÍDUO SÓLIDO INDUSTRIAL CLASSE II B toneladas/mês Baixo 18 18,01 a 35 35,01 a BERÇÁRIO MICRO-EMPRESA área útil em Baixo 750,01 a ,01 a CEMITÉRIO área útil (ha) 2 2,01 a 5 5,01 a 10 10,01 a 25 25,01 A CAMPUS UNIVERSITÁRIO (inclusão da ETE se couber) área total (ha) ALTO 5 5,01 a 10 10,01 a SÍTIOS DE LAZER área total em MÉDIO 5 9

10 PARCELAMENTO DO SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS: LOTEAMENTOS OU DESMEMBRAMENTO - UNIFAMILIAR (INCLUSÃO DA ETE, QUANDO COUBER, E SUAS LICENÇAS CORRESPONDENTES) área total em MÉDIO 5 5,01 a PARCELAMENTO DO SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS: LOTEAMENTOS OU DESMEMBRAMENTO PLURIFAMILIAR PRÉDIOS DE APARTAMENTOS (INCLUSÃO DA ETE, QUANDO COUBER, E SUAS LICENÇAS CORRESPONDENTES) área total em ALTO CONDOMÍNIOS POR UNIDADE AUTÔNOMA/FRAÇÃO IDEAL HORIZONTAL (INCLUSÃO DA ETE QUANDO COUBER) área total em MÉDIO 5 5,01 a 10 10,01 a CONDOMÍNIOS POR UNIDADE AUTÔNOMA/FRAÇÃO IDEAL VERTICAL PRÉDIOS DE APARTAMENTOS -(INCLUSÃO DA ETE QUANDO COUBER); DISTRITO/ LOTEAMENTO INDUSTRIAL/ POLO INDUSTRIAL MONTAGEM OU RECUPERAÇÃO DE MÓVEIS SEM TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE E SEM PINTURA RODOVIA MUNICIPAL PONTES VIADUTO FERROVIA / METROVIA RAMAL FERROVIÁRIO área total em área útil em hectares (há) área útil () ALTO 5 ALTO 5 5,01 a 10 ALTO MÉDIO 10 10,01 a 25 25,01 a 50 MÉDIO 100 ALTO ESTACIONAMENTO COM MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS área útil () MÉDIO AÇUDE OBRAS DE URBANIZAÇÃO (MUROS / CALÇADA / ACESSO / ETC) E VIA URBANA (ABERTURA, CONSERVAÇÃO, REPARAÇÃO OU AMPLIAÇÃO) CANALIZAÇÃO PARA DRENAGEM PLUVIAL URBANA CANALIZAÇÃO DE CURSOS D'ÁGUA EM ÁREA URBANA PRODUÇÃO DE ENERGIA TERMELÉTRICA (USINA TERMELÉTRICA) LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA até34, 5KV LINHAS DE TRANSMISSÃO COM TENSÃO A PARTIR DE 34,5 KV GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DE ENERGIA EÓLICA (edificações sustentáveis exceto parques eólicos) GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DE FONTE SOLAR (SOMENTE edificações sustentáveis) SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM BARRAGEM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SEM BARRAGEM LIMPEZA DE CANAIS URBANOS DESASSOREAMENTO DE CURSO D'ÁGUA DORMENTE (EXCETO ATIVIDADE AGROPECUÁRIA) DESASSOREAMENTO DE CURSO D'ÁGUA CORRENTE - limpeza e dragagem (EXCETO ATIVIDADE AGROPECUÁRIA) CENTRAL DE RECEBIMENTO DE RESÍDUOS DE PODA ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDO S CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO - RSCC área inundada (ha) potência em MW potência em MW potência em MW área alague (ha) população atendida (nº habitante) MÉDIO a 501 a,01 a MÉDIO 5 5,01 a 10 MÉDIO ALTO té 2 ALTO 0,5 MÉDIO 10 10,01 a 20 0,0001 a 1 1,01 a 10 0,0001 a 1 1,01 a 10 ALTO 10 MÉDIO 0,0001 a a a m³ ALTO Até 50 m³ ALTO ATÉ 50 quantida resíduo ton./dia,01 a 1001 a 1 1 a 5 20 a 50 m³/dia até 25 25,01 a CENTRAL DE TRIAGEM DE RSCC m³/dia até 25 25,01 a CENTRAL DE TRIAGEM COM ATERRO DE RSCC m³/dia até 25 25,01 a ESTAÇAO DE TRANSBORDO DE RSCC m³/dia até 25 25,01 a OUTRA FORMA DE DESTINAÇAO DE RSCC SEM BENEFICIAMENTO NÃO ESPECIFICADA m³/dia até 25 25,01 a REMEDIAÇAO DE ÁREA DEGRADADA POR DISPOSIÇAO DE RSCC área útil () até 25 25,01 a MONITORAMENTO DE ÁREA REMEDIADA POR DISPOSIÇÃO DE RSCC área útil () até 25 25,01 a ,01 a a,01 a a 0 50 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a,01 a a a a a a a a CLASSIFICAÇÃO/SELEÇÃO DE RESÍDUO SÓLIDO URBANO (inclusive Transbordo) - RSU área útil () MÉDIO DISTRIBUIDORA DE PRODUTOS QUÍMICOS/ FARMACÊUTICOS e/ou fertilizantes área útil () MÉDIO 100,01 a COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS SEM MANIPULAÇÃO área útil () 50 50,01 a SHOPPING CENTER / SUPERMERCADO área útil (),01 a 0 0,01 a 10

11 COMÉRCIO EM GERAL - a ser disciplinado por resolução do Conselho Municipal Meio Ambiente ATRACADOURO / PIER / TRAPICHE área útil () MÉDIO MARINA área útil () MÉDIO ANCORADOUROS MOLHE / DIQUE / QUEBRA-MAR HELIPONTO área útil () MÉDIO TELEFÉRICOS MÉDIO 50 MÉDIO 0,1 MÉDIO 0, TERMINAL DE MINÉRIOS área útil em MÉDIO DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP (sem manipulação) (código ONU 1075) área útil () MÉDIO POSTO DE ABASTECIMENTO PRÓPRIO COM TANQUES AÉREOS (DEPÓSITOS DE COMBUSTÍVEIS) > 15m³ área útil em MÉDIO té COMPLEXO LOGÍSTICO área útil () MÉDIO DEPOSITO EM GERAL área útil () DEPOSITO/ COMÉRCIO ATACADISTA DE COMBUSTÍVEIS GASOSOS (BASES DE DISTRIBUIÇÃO) SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES INSTALAÇÃO DE LINHA TELEFÔNICA INSTALAÇÃO DE LINHA TELEFÔNICA SUBFLUVIAL INSTALAÇÃO DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE/ANTENA PARA TELEFONIA MÓVEL / ESTAÇÃO RÁDIO-BASE área útil em Médio valor único por local HOTEL / POUSADA área útil () 45,01 até 90,0001 a 0 90,01 até 135,01 a 0,0001 a 135,01 até 180,01 a 0,0001 a 0 180,01 a RESTAURANTE / REFEITÓRIO / LANCHONETE / QUIOSQUE / TRAILER FIXO área útil () SERVIÇOS DE REPARAÇÃO E MANUTENÇÃO DE MAQUINAS/ APARELHOS / UTENSÍLIOS / PEÇAS / ACESSÓRIOS área útil () OFICINA MECÂNICA/CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) /CHAPEAÇÃO E PINTURA área útil () MÉDIO ESTOFARIA - REFORMAS DE ESTOFADOS EM GERAL ESTOFARIA área útil () SERVIÇOS DIVERSOS DE REPARAÇÃO E CONSERVAÇÃO área útil () ESCOLA / CRECHE área útil () LABORATÓRIOS DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS /BIOLÓGICAS/CLÍNICAS/TOXICOLÓGICAS área útil () MÉDIO 51 50,01 a ÁREA DE LAZER (CAMPING / BALNEÁRIO / PARQUE TEMÁTICO) área total (ha) MÉDIO AUTÓDROMO / KARTÓDROMO / PISTA DE MOTOCROSS área total (ha) MÉDIO PARQUE DE EXPOSIÇÕES / PARQUE DE EVENTOS área total (ha) MÉDIO MUSEU /ANFITEATRO / JARDIM BOTÂNICO área total () MÉDIO ESTABELECIMENTO PRISIONAL área total (ha) MÉDIO 5 5,01 a 10 10,01 a HOSPITAIS SEM PROCEDIMENTOS COMPLEXOS Nº DE LEITOS CLÍNICAS MÉDICASCOM PROCEDIMENTOS COMPLEXOS área útil () MÉDIO CLÍNICAS MÉDICASSEM PROCEDIMENTOS COMPLEXOS área útil () MÉDIO HOSPITAIS/CLÍNICAS VETERINÁRIOS área útil () INSTITUIÇÃO RELIGIOSA / TEMPLO / CAPELA área útil () MÉDIO a a CENTRO ESPORTIVO E/OU RECREATIVO / ESTÁDIO área útil () HÍPICA / CANCHA RETA área total (ha) PISCINA DE USO COLETIVO área útil () SAUNA área útil () OUTRAS ATIVIDADES DE IMPACTO LOCAL - a ser disciplinado por resolução do Conselho Municipal Meio Ambiente área útil (),01 a,01 a,01 a 150 a 299,01 a 0,01 a 0 a 0,01 a 0,01 a 11

12 ANEXO II (Licenciamento florestal) ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DA ATIVIDADE PORTE PARA IMPACTO LOCAL, conforme limites LISTADAS NO ANEXO 1 RESOLUÇÃO CONAMA PARA IMPACTO LOCAL estabelecidos na legislação. 237/97 Bioma Pampa Bioma Mata Atlântica GRAU DE POLUIÇÃO Manejo dos Recursos Naturais Não se aplica Mediante convênio com a SEMA- RS para compartilhamento competência, observadas as restrições da Lei /2006 e do Decreto 6.660/2008. Supressão vegetação nativa em estágio inicial regeneração para atividas uso alternativo do solo. Zona urbana Todos os portes. Mediante convênio com a SEMA-RS para compartilhamento competência, observadas as restrições da Lei /2006 e do Decreto 6.660/2008. Alto Uso Recursos Naturais Supressão vegetação nativa em estágio médio regeneração Interesse Social - AM Não se aplica Até 2 ha manejo para o pequeno produtor rural e populações tradicionais. Mediante convênio com a SEMA-RS para compartilhamento competência, observadas as restrições da Lei /2006 e do Decreto 6.660/2008. Alto Exploração espécies da flora nativa provenientes formações naturais por meio do corte eventual, sem propósito comercial direto ou indireto, para consumo nas propriedas rurais, posses das populações tradicionais ou pequenos produtores rurais - Interesse Social. Não se aplica Mediante convênio com a SEMA- RS para compartilhamento competência, observadas as restrições da Lei /2006 e do Decreto 6.660/2008. Limites estabelecidos no Decreto n /2008, Art. 2º, 1º, I e II. Médio Exploração econômica da maira ou lenha e subprodutos florestais Exploração florestas comprovadamente plantadas com espécies nativas fora Área Preservação Permanente - AM Aproveitamento árvores tombadas em casos calamida pública comprovadamente causada por fenômenos naturais Todos os portes Todos os portes Médio Todos os portes. Todos os portes. Alto Obras civis e mais empreendimentos Supressão vegetação nativa para a implantação ou ampliação loteamentos e edificações, obras ou atividas citadas nesta resolução AT. Zona Urbana. Para intervenções em área preservação permanente APP requer anuência prévia do DEFAP. Deverão ser observados os limites e restrições da Lei /2006 e do Decreto 6.660/2008. Para intervenções em área preservação permanente APP requer anuência prévia do DEFAP. Mediante convênio com a SEMA- RS para compartilhamento competência, observadas as 12 Alto

13 restrições da Lei /2006 e do Decreto 6.660/

..:: FEPAM - Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis... http://www.fepam.rs.gov.br/central/licenc_munic_ativ.asp?municipio...

..:: FEPAM - Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis... http://www.fepam.rs.gov.br/central/licenc_munic_ativ.asp?municipio... ..:: FEPAM - Fundação Estadual Proteção Ambiental Henrique Luis... http://www.fepam.rs.gov.br/central/licenc_munic_ativ.asp?municipio... 1 8 /10/01 13:36 CONVÊNIOS POR MUNICÍPIO E PORTE MUNICÍPIO: CANOAS

Leia mais

LEI Nº 1.299, 13 de dezembro de 2005.

LEI Nº 1.299, 13 de dezembro de 2005. LEI Nº 1.299, 13 de dezembro de 2005. Institui a Taxa de Licenciamento Ambiental e dá Outras Providências. FREDOLINO RODRIGUES, Prefeito Municipal de Ciríaco, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas

Leia mais

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações (continua) B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 05 EXTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL 05.0 Extração de carvão mineral 05.00-3 Extração de carvão mineral 06 EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 06.0 Extração de petróleo e gás

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA ATIVIDADE PARA IMPACTO LOCAL INDÚSTRIA DE MINERAIS NÃO- METÁLICOS. fabricação de telhas/tijolos/outros artigos barro cozido - A

CARACTERÍSTICAS DA ATIVIDADE PARA IMPACTO LOCAL INDÚSTRIA DE MINERAIS NÃO- METÁLICOS. fabricação de telhas/tijolos/outros artigos barro cozido - A Anexo Único da Resolução CONSEMA N 05/98, de 19/08/1.998 CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES DE IMPACTO LOCAL SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO RS LEGENDA A área útil (m²) NV n veículos/embarcações/aeronaves

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EFLUENTES LÍQUIDOS IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento RAPP FORMULÁRIO EFLUENTES

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) PRODUTOS E SUBPRODUTOS INDUSTRIAIS VERSÃO 3 IBAMA JANEIRO, 2016 Produtos e Subprodutos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº 006/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº 006/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº 006/2015 Altera o Anexo Único da Instrução Normativa CPRH nº 005/2014. A Diretora Presidente da AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - CPRH, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Setor produtivo G03 - Borracha e Plástico. Contém estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE /01 Confecção de roupas profissionais, exceto sob

Setor produtivo G03 - Borracha e Plástico. Contém estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE /01 Confecção de roupas profissionais, exceto sob Setor produtivo G03 - Borracha e Plástico. Contém 1114186 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 1413-4/01 Confecção de roupas profissionais, exceto sob medida 1413-4/02 Confecção, sob medida, de roupas

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual os órgãos ambientais, em sua área de competência, autorizam: a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente

Secretaria do Meio Ambiente 44 DIÁRIO OFICIAL Porto Alegre, sexta-feira, 03 outubro 2014 Secretaria do Meio Ambiente Secretaria do Meio Ambiente Secretário Estado: NEIO LÚCIO FRAGA PEREIRA End: Avenida Borges Meiros, nº 261 Porto

Leia mais

ANEXO III COMPOSIÇÃO DOS GRUPAMENTOS DE ATIVIDADE AGRÍCOLA

ANEXO III COMPOSIÇÃO DOS GRUPAMENTOS DE ATIVIDADE AGRÍCOLA ANEXO III COMPOSIÇÃO DOS GRUPAMENTOS DE ATIVIDADE CÓDIGO DENOMINAÇÕES Agricultura, pecuária e serviços relacionados com estas atividades 01101 Cultivo de arroz 01102 Cultivo de milho 01103 Cultivo de outros

Leia mais

lista setores 3 dig Lerner 3 dig IHH 3 dig correlação Aço Açúcar Açúcar e Álcool

lista setores 3 dig Lerner 3 dig IHH 3 dig correlação Aço Açúcar Açúcar e Álcool lista setores 3 dig Lerner 3 dig IHH 3 dig correlação Aço 0.260629942 0.100597642 0.219608483 Açúcar 0.055219472 0.258237853 Açúcar e Álcool Integradas 0.063122945 0.02834294 Administração de Imóveis Próprios

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005.

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. Dispõe sobre os critérios para o exercício da competência do Licenciamento Ambiental Municipal, no âmbito do Estado do

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 51 DE

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 51 DE RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 51 DE 12.12.1980 Dispõe sobre a identificaçã o de empresas cuja atividade básica está na área da Química, bem como as empresas que prestem serviços a terceiros, também na área da

Leia mais

Setor produtivo G08 - Metalurgia (3). Contém estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE /99 Extração de outros minerais não-metálicos não

Setor produtivo G08 - Metalurgia (3). Contém estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE /99 Extração de outros minerais não-metálicos não Setor produtivo G08 - Metalurgia (3). Contém 1393107 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0899-1/99 Extração de outros minerais não-metálicos não especificados anteriormente 1091-1/01 Fabricação de

Leia mais

ANEXO XIV CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS SUMÁRIO

ANEXO XIV CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS SUMÁRIO - Sumário ANEXO XIV CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS SUMÁRIO Seção Divisões Descrição CNAE A 01-03 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA B 05-09 INDÚSTRIAS EXTRATIVAS

Leia mais

Produtos Químicos, Médico- 14 Atacadista Hospitalares, Farmacêuticos e Explosivos, fogos de artifícios, artigos pirotécnicos; munição.

Produtos Químicos, Médico- 14 Atacadista Hospitalares, Farmacêuticos e Explosivos, fogos de artifícios, artigos pirotécnicos; munição. Código Uso Tipo Descrição 1 Atacadista Produtos Agrícolas 2 Atacadista Animais e Carnes 3 Atacadista Produtos Derivados de Animais 4 Atacadista Alimentos em Geral Café e açúcar; soja em grão e seus derivados;

Leia mais

LEI Nº , DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI Nº , DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI Nº 13.361, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais e a Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental

Leia mais

Dessa forma estão sujeitas ao Cadastro Técnico Federal - CTF todas as pessoas físicas e jurídicas que desenvolvam atividades sujeitas ao:

Dessa forma estão sujeitas ao Cadastro Técnico Federal - CTF todas as pessoas físicas e jurídicas que desenvolvam atividades sujeitas ao: Cadastro Técnico Federal CTF 1. O que é Cadastro Técnico Federal CTF e qual a sua finalidade? O Cadastro Técnico Federal - CTF é um dos instrumentos da Política Nacional de Meio Ambiente (Art. 9º da Lei

Leia mais

Lei Nº DE 29/11/2011 (Estadual - São Paulo)

Lei Nº DE 29/11/2011 (Estadual - São Paulo) Lei Nº 14626 DE 29/11/2011 (Estadual - São Paulo) Data D.O.: 30/11/2011 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais, e dá providências

Leia mais

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016.

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. INCLUI TIPOLOGIAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ANEXO ÚNICO DA LEI Nº 2821/2007, ALTERADA PELAS LEIS 2843/2008, 3084/2010 E 3568/2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

PROJETO DE ACOMPANHAMENTO MENSAL DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL DE ARACAJU E DA PESQUISA NACIONAL DA CESTA BÁSICA DO DIEESE

PROJETO DE ACOMPANHAMENTO MENSAL DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL DE ARACAJU E DA PESQUISA NACIONAL DA CESTA BÁSICA DO DIEESE PROJETO DE ACOMPANHAMENTO MENSAL DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL DE ARACAJU E DA PESQUISA NACIONAL DA CESTA BÁSICA DO DIEESE TABELA 2 Trabalhadores admitidos e desligados em Aracaju Janeiro de 2008 Setor

Leia mais

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM.

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM. INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METÁLICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, com Tingimento Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento Beneficiamento

Leia mais

Considerando a necessidade de regulamentar o art. 45, VIII da Lei /06, resolve:

Considerando a necessidade de regulamentar o art. 45, VIII da Lei /06, resolve: Salvador, Bahia sexta - Feira 13 de Julho de 2012 Ano XCVI N o 20.897 RESOLUÇÃO N o 4260, de 15 de Junho de 2012. Dispõe, no âmbito do licenciamento ambiental, sobre os procedimentos e as atividades ou

Leia mais

ANEXO I TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS

ANEXO I TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS Legenda de cobrança de TCFA: EM BRANCO - SIM conforme Anexo VIII da Lei nº 6.938, de 1981; ANEXO I TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS AMARELO - SIM* conforme

Leia mais

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12 Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de 2013 Luiz Dias Bahia Nº 12 Brasília, julho de 2013 ASPECTOS DO COMPORTAMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA LB% ATIVIDADE ECONÔMICA Comércio a varejo de automóveis, camionetas e utilitários novos

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA LB% ATIVIDADE ECONÔMICA Comércio a varejo de automóveis, camionetas e utilitários novos GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA ANEXO ÚNICO À PORTARIA SEFAZ N o 1799, de 30 de dezembro de 2002. (Redação dada pela Portaria nº 011 de 11.01.07). CÓDIGO CÓDIGO 1.0 2.0 LB% ATIVIDADE

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5438, DE 17 DE ABRIL DE 2009. INSTITUI O CADASTRO TÉCNICO ESTADUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS OU UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS E A TAXA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL NO

Leia mais

Outubro de 2013 IGP-M registra variação de 0,86% em outubro Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) IGP-M IGP-M

Outubro de 2013 IGP-M registra variação de 0,86% em outubro Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) IGP-M IGP-M IGP-M registra variação de 0,86% em outubro O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,86%, em outubro. Em setembro, o índice variou 1,50%. Em outubro de 2012, a variação foi de 0,02%. A variação

Leia mais

Princípio de Relevância: o grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações da instituição, conforme Resolução CMN 4.327/14.

Princípio de Relevância: o grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações da instituição, conforme Resolução CMN 4.327/14. I. OBJETIVO Esta Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA), tem como objetivo estabelecer os princípios e as diretrizes compatíveis com a natureza e complexidade das atividades e produtos da Instituição,

Leia mais

Indústria Metalúrgica. Indústria Mecânica. Indústria de Material Elétrico, Eletrônico e Comunicações. Indústria de Material de Transporte

Indústria Metalúrgica. Indústria Mecânica. Indústria de Material Elétrico, Eletrônico e Comunicações. Indústria de Material de Transporte ANEXO I TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS Legenda de cobrança de TCFA: EM BRANCO conforme Anexo VIII da Lei nº 6.938, de 1981; AMARELO conforme Anexo

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE ESTÍMULO À CIDADANIA FISCAL. Mês/Ano - Código de Nacional de Atividade Econômica - CNAE

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE ESTÍMULO À CIDADANIA FISCAL. Mês/Ano - Código de Nacional de Atividade Econômica - CNAE CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE ESTÍMULO À CIDADANIA FISCAL Mês/Ano - Código de Nacional de Atividade Econômica - CNAE OUTUBRO/2007 5611_2/01 - RESTAURANTES E SIMILARES NOVEMBRO/2007 4721_1/01

Leia mais

LEI 1250, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI 1250, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. ANEXO II ATIVIDADES E EMPREENDIMENTOS DE IMPACTO LOCAL, SUJEITOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL (de acordo com Resolução CONSEMA 102/2005, alterada pelas Resoluções 111/2005 e 168/2007) CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES

Leia mais

Torrefação e moagem de café C Fabricação de produtos à base de café C Fabricação de produtos de panificação C-2 10.

Torrefação e moagem de café C Fabricação de produtos à base de café C Fabricação de produtos de panificação C-2 10. QUADRO III Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (versão 2.0), com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA 05.00-3 Extração de carvão mineral 1 06.00-0 Extração

Leia mais

superfície e com pintura ( exceto a pincel ) superfície e com pintura a pincel

superfície e com pintura ( exceto a pincel ) superfície e com pintura a pincel ATIVIDADES POTENCIAL POLUIDOR MÉDIO Atividades Agropecuárias* Irrigação por Aspersão/Localizada Drenagem Agrícola Criação de Aves de Corte Criação de Aves de Postura Criação de Matrizes e Ovos Incubatório

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em abril, o conjunto

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

Cronograma de validações do GTIN na Nota Fiscal. Descrição Detalhada de CNAE

Cronograma de validações do GTIN na Nota Fiscal. Descrição Detalhada de CNAE Cronograma de validações do GTIN na Nota Fiscal Data (a partir de) Setores (por CNAE) 01/09/2017 I - grupo CNAE 324 01/10/2017 II - grupo CNAE 121 a 122 01/11/2017 III - grupo CNAE 211 e 212 01/12/2017

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #3 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Mar.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2017, CONFORME DEC. Nº 28.

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2017, CONFORME DEC. Nº 28. ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2017, CONFORME DEC. Nº 28.226/2016 CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #8 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

Fiscalização dos Conselhos Regionais na Modalidade de Engenharia Química

Fiscalização dos Conselhos Regionais na Modalidade de Engenharia Química Fiscalização dos Conselhos Regionais na Modalidade de Engenharia Química Resolução nº 473-26 de novembro de 2002 Grupo: Engenharia / Modalidade: Química Profissionais de nível superior: Engenheiro de Alimentos

Leia mais

R$ R$ R$ R$ AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO A

R$ R$ R$ R$ AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO A ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2011, CONFORME DEC. Nº 21.517/10 I - ATIVIDADES DE PESSOAS JURÍDICAS CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

Alvará de Licença para a Realização de Operação de Gestão de Resíduos N.º 00029/2012 emitido pela CCDR-LVT.

Alvará de Licença para a Realização de Operação de Gestão de Resíduos N.º 00029/2012 emitido pela CCDR-LVT. Alvará de Licença para a Realização de Operação de Gestão de Resíduos N.º 00029/2012 emitido pela CCDR-LVT. Código LER Designação 01 - Resíduos da prospeção e exploração de minas e pedreiras, bem como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

TABELA DE VALOR ANUAL DA TAXA DE LOCALIZAÇÃO INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO

TABELA DE VALOR ANUAL DA TAXA DE LOCALIZAÇÃO INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EXERCICIO 2015 EXERCICIO 2016 EXERCICIO 2017 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA 1 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS 01.1 Produção de lavouras temporárias 01.11-3

Leia mais

Pernambuco estabelece calendário de obrigatoriedade para a emissão de NFC-e

Pernambuco estabelece calendário de obrigatoriedade para a emissão de NFC-e Pernambuco estabelece calendário de obrigatoriedade para a emissão de NFC-e Informamos que o estado de Pernambuco, através da Portaria SF nº 192, de 27.09.2017, instituiu cronograma de obrigatoriedade

Leia mais

ANEXO 03 Atividades Industriais

ANEXO 03 Atividades Industriais ANEXO 03 Atividades Industriais ATIVIDADE INDUSTRIAL INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METALICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento e com Britagem

Leia mais

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #2 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Fev.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

IBAMA LEI Nº , DE 27 DE DEZEMBRO DE 2000.

IBAMA LEI Nº , DE 27 DE DEZEMBRO DE 2000. IBAMA LEI Nº 10.165, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2000. Altera a Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional de Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação,

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Fevereiro de 2017 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

ANEXO I REPERTÓRIO DE ATIVIDADES ARTESANAIS

ANEXO I REPERTÓRIO DE ATIVIDADES ARTESANAIS ANEXO I REPERTÓRIO DE ATIVIDADES ARTESANAIS Grupo 01 - Artes e Ofícios Têxteis 13101 01.01 Preparação e Fiação de Fibras Têxteis 13102 13103 13105 13201 01.02 Tecelagem 13202 13203 01.03 Arte de Estampar

Leia mais

PORTARIA INTERSETORIAL Nº 01/92

PORTARIA INTERSETORIAL Nº 01/92 1 PORTARIA INTERSETORIAL Nº 01/92 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA TECNOLOGIA ENERGIA E MEIO AMBIENTE e o DIRETOR GERAL DA FUNDAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto no art. 35, II, c, da Lei nº 5.089,

Leia mais

Rendimento Medio nos Empregos nas Industrias (ano 2005) Região Administrativa de Franca

Rendimento Medio nos Empregos nas Industrias (ano 2005) Região Administrativa de Franca Rendimento Medio nos Empregos nas Industrias (ano 2005) Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria 740,14 647,67 Indústria Extrativa 848,98 X Indústria de Transformação 739,97 647,52 Extração

Leia mais

Resolução CONSEMA Nº 3 DE 08/07/2013

Resolução CONSEMA Nº 3 DE 08/07/2013 Resolução CONSEMA Nº 3 DE 08/07/2013 Publicado no DOE em 11 jul 2013 Define os critérios básicos e a tipologia das atividades sujeitas ao Licenciamento Ambiental promovido pelos Municípios. O Conselho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 31, DE 3 DE DEZEMBRO 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 31, DE 3 DE DEZEMBRO 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 31, DE 3 DE DEZEMBRO 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, nomeado pela Portaria nº 382, de 02 de junho de 2008,

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul Julho registrou o quinto mês consecutivo com redução de postos de trabalho na Indústria sul-matogrossense. No mês, o saldo negativo para

Leia mais

ATIVIDADES PELA DELIBERAÇÃO CONSEMA 01/2014 EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL

ATIVIDADES PELA DELIBERAÇÃO CONSEMA 01/2014 EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL ATENÇÃO Com a publicação da Deliberação Normativa CONSEMA nº 01/2014 foram estabelecidas as diretrizes para o licenciamento ambiental municipal de empreendimentos ou atividades de potencial impacto local.

Leia mais

Núcleo Estadual de Ações Transversais nos APLs

Núcleo Estadual de Ações Transversais nos APLs DELIMITAÇÃO - ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECÂNICO E AUTOMOTIVO DA SERRA GAÚCHA DESCRIÇÃO DAS CLASSES DAS ATIVIDADES INDUSTRIAIS, SEGUNDO AS CNAES 2.0, CONTEMPLADAS NO APL METALMECÂNICO E AUTOMOTIVO DA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 46.088, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008. (publicado no DOE nº 246, de 18 de dezembro de 2008) Modifica o Regulamento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL O que será apresentado nesta aula: O que é o licenciamento ambiental A quem compete o licenciamento Quais são os tipos de licenças ambientais Quais são os principais estudos ambientais envolvidos: Prof.

Leia mais

LEI Nº DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009

LEI Nº DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 LEI Nº 1.776 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 Dá nova redação ao artigo 161; acrescenta o artigo 164-A, e altera os artigos 165, 166 e a TABELA VII do art. 169, todos da Lei Municipal nº 1.508 de 08 de dezembro

Leia mais

E Vias Modificação de Vias e Logradouros. E Demais Espécies de Logradouros E.2.2 Criação de Faixas de E.2.2.

E Vias Modificação de Vias e Logradouros. E Demais Espécies de Logradouros E.2.2 Criação de Faixas de E.2.2. Anexo A.04 MUNICÍPIO DE ATIBAIA LEI COMPLEMENTAR N.º /, de de de ORDENAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EMPREENDIMENTOS CLASSIFICAÇÃO A.04-1 E.1 Intervenções E.1.1 Na Composição e E.1.1.1 Desmatamento Morfologia

Leia mais

REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2012

REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2012 REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2012 EXPORTAÇÃO BÁSICOS 108,050 122,457-11,8 INDUSTRIALIZADOS 123,620 128,317-3,7 - Semimanufaturados 32,800 36,026-8,9 - Manufaturados 90,820 92,291-1,6 OPERAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Decreto nº , (DOE de 06/06/09 - Retificado no DOE de 10/06/09)

Decreto nº , (DOE de 06/06/09 - Retificado no DOE de 10/06/09) Decreto nº 54.422, (DOE de 06/06/09 - Retificado no DOE de 10/06/09) Introduz alterações no Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Novembro de 2016 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

Lamas do tratamento local de efluentes Outros resíduos não anteriormente especificados Materiais impróprios para consumo

Lamas do tratamento local de efluentes Outros resíduos não anteriormente especificados Materiais impróprios para consumo 01 01 01 Resíduos da extração de minérios metálicos 01 01 02 Resíduos da extração de minérios não metálico 01 03 06 Rejeitados não abrangidos em 01 03 04 e 01 03 05 01 03 08 Poeiras e pós não abrangidos

Leia mais

Região Norte. Regional Maio 2015

Região Norte. Regional Maio 2015 Regional Maio 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte

Leia mais

- LEI MUNICIPAL N 737/2008, DE 12 DE SETEMBRO DE 2008 -

- LEI MUNICIPAL N 737/2008, DE 12 DE SETEMBRO DE 2008 - - LEI MUNICIPAL N 737/2008, DE 12 DE SETEMBRO DE 2008 - REESTRUTURA A TAXA DE CENCIAMENTO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE UNIÃO DA SERRA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. AMARILDO LUIZ SABADINI, Prefeito Municipal de

Leia mais

Região Sul. Regional Abril 2015

Região Sul. Regional Abril 2015 Regional Abril 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Sul engloba a Fiemg Regional Sul. Região Sul GLOSSÁRIO Setores que fazem parte

Leia mais

Atividades Sujeitas ao Licenciamento Ambiental - conforme Decreto de 17/08/2007.

Atividades Sujeitas ao Licenciamento Ambiental - conforme Decreto de 17/08/2007. A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA PESCA E AQÜICULTURA Pesca Pesca em água doce 0312-4/04 Atividades de apoio à pesca em água doce 2.41.15.6 REPARAÇÃO DE MATERIAL DE CAÇA

Leia mais

Resolução CONSEMA N.º 288/2014.

Resolução CONSEMA N.º 288/2014. CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Resolução CONSEMA N.º 288/2014. Atualiza e fine as tipologias, que causam ou que possam causar impacto âmbito local, para o exercício da competência Municipal para o

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires LEI Nº 5.571, DE 07 DE OUTUBRO DE 2014 Regulamenta no a Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental TCFA, prevista na Lei Federal nº 6.938, de 31 de agosto de 1981 e Lei Estadual RS n 13.761, de 15 de julho

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul 2017 1) Setembro 2017: Fechamento de 185 postos de trabalho na indústria estadual. Resultado de 4.823 contratações e 5.008 demissões;

Leia mais

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Centro- Oeste engloba a Regional Fiemg Centro-Oeste. Região Centro-Oeste GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Setores - Produtos Importado

Setores - Produtos Importado Dados Setor Soma de 1996 Soma de 2007 Sementes 782,500.00 92,212,831.00 Cereais 34,227,662.00 9,718,570.00 Carnes - 9,364,400.00 Resíduos Metálicos 279,675.00 4,695,119.00 Leveduras 3,500.00 4,508,636.00

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

ANEXO OPERAÇÕES INTERESTADUAIS RESTIÇÕES AO CRÉDITO

ANEXO OPERAÇÕES INTERESTADUAIS RESTIÇÕES AO CRÉDITO ANEXO OPERAÇÕES INTERESTADUAIS RESTIÇÕES AO CRÉDITO RELAÇÃO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS SUJEITOS À GLOSA DE CRÉDITOS FISCAIS BENEFÍCIOS CONTESTADOS EM AÇÕES DIRETAS DE INCONSTITUCIONALIDADE PROPOSTAS PELO ESTADO

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

CADASTRO COMERCIAL. Regime de inscrição no cadastro dos estabelecimentos comerciais. Decreto-Lei nº 48/2011, de 1 de abril Artigo 14º

CADASTRO COMERCIAL. Regime de inscrição no cadastro dos estabelecimentos comerciais. Decreto-Lei nº 48/2011, de 1 de abril Artigo 14º CADASTRO COMERCIAL Regime de inscrição no cadastro dos estabelecimentos comerciais Decreto-Lei nº 48/2011, de 1 de abril Artigo 14º SUBSECÇÃO III Cadastro comercial Artigo 14.º Regime de inscrição no cadastro

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA Resolução Consema nº 86/13 Cuiabá, 02 de outubro de 2013. DEFINE AS ATIVIDADES, OBRAS E EMPREENDIMENTOS QUE CAUSAM OU POSSAM

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Lei nº 3.049, de 10 de dezembro de 2009.

Lei nº 3.049, de 10 de dezembro de 2009. Lei nº 3.049, de 10 de dezembro de 2009. Altera o anexo da Lei nº 2.953, 27 de abril de 2009, e dá outras providências. IVO DOS SANTOS LAUTERT, Prefeito Municipal de Taquari, Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

Acidentes de Trabalho no Setor de Atividade Econômico Transformação 2007.

Acidentes de Trabalho no Setor de Atividade Econômico Transformação 2007. Acidentes de Trabalho no Setor de Atividade Econômico Transformação 2007. Estatísticas de Acidente de Trabalho no Brasil BLOG DIESAT: Leia notícias atualizadas sobre Acidente de Trabalho: http://diesat.blogspot.com/search/label/acidente%20de%20trabalho

Leia mais

315,57 441,80 631, , Atividades de apoio à pecuária

315,57 441,80 631, , Atividades de apoio à pecuária I - ATIVIDADES DE PESSOAS JURÍDICAS CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF PARA VIGÊNCIA EM 2009 (EM REAL) A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO

Leia mais

Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM

Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM Governo dos Açores Direção Regional do Ambiente Operador de Gestão de Resíduos Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM NIF 509620515 E-Mail teramb@gmail.com Instalação Aterro Intermunicipal

Leia mais

Setor produtivo G04 - Confecção e Têxtil. Contém estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE /00 Preparação e fiação de fibras de algodão

Setor produtivo G04 - Confecção e Têxtil. Contém estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE /00 Preparação e fiação de fibras de algodão Setor produtivo G04 - Confecção e Têxtil. Contém 1937980 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 1311-1/00 Preparação e fiação de fibras de algodão 1312-0/00 Preparação e fiação de fibras têxteis naturais,

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,33% em abril

IGP-M registra variação de 0,33% em abril Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,33% em abril O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,33%, em abril. Em março, o índice variou 0,51%. Em abril de 2015, a variação foi

Leia mais

AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA

AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2013 CONFORME DEC. Nº 23.496/12 I - ATIVIDADES DE PESSOAS JURÍDICAS CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

LegisWeb - Legislação - Instrução Normativa IBAMA Nº 1 DE 25/01/2013

LegisWeb - Legislação - Instrução Normativa IBAMA Nº 1 DE 25/01/2013 Page 1 of 12 Instrução Normativa IBAMA Nº 1 DE 25/01/2013 (Federal) Data D.O.: 30/01/2013 Regulamenta o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos (CNORP), e dá outras providências. O Presidente

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul A indústria voltou a registrar saldo positivo na geração de empregos. Até o momento, em 2016, o saldo das contratações nas atividades

Leia mais

ATIVIDADES POTENCIALMENTE CAUSADORAS DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL PARÂMETRO TÉCNICO

ATIVIDADES POTENCIALMENTE CAUSADORAS DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL PARÂMETRO TÉCNICO ATIVIDADES POTENCIALMENTE CAUSADORAS DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL PARÂMETRO TÉCNICO 00 - EXTRAÇÃO DE MINERAIS 00.01.00 - Pesquisa mineral de qualquer natureza com uso de guia de utilização. AU(1): área útil

Leia mais

Instrução Normativa IBAMA nº 01, de 25 de janeiro de 2013

Instrução Normativa IBAMA nº 01, de 25 de janeiro de 2013 Instrução Normativa IBAMA nº 01, de 25 de janeiro de 2013 Regulamenta o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos (CNORP), estabelece sua integração com o Cadastro Técnico Federal de Atividades

Leia mais

TABELA 1 Estoque de emprego formal em Aracaju 2008

TABELA 1 Estoque de emprego formal em Aracaju 2008 PROJETO DE ACOMPANHAMENTO MENSAL DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL DE ARACAJU E DA PESQUISA NACIONAL DA CESTA BÁSICA DO DIEESE TABELA Estoque de emprego formal em Aracaju 28 Setor IBGE Empregados em 3/2/28

Leia mais

QUADRO Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Versão 2.0)

QUADRO Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Versão 2.0) QUADRO I (Alterado pela Portaria SIT n.º 76, de de novembro de 008) Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Versão.0)*, com correspondente Grau de Risco - GR para fins de dimensionamento

Leia mais

Região Norte. Regional Abril 2014

Região Norte. Regional Abril 2014 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte GLOSSÁRIO Setores

Leia mais

Regional Junho 2015 Triângulo Mineiro

Regional Junho 2015 Triângulo Mineiro Triângulo Mineiro O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais