ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO E TEORIA DA MULTIMODALIDADE: UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO VISUAL/CRÍTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO E TEORIA DA MULTIMODALIDADE: UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO VISUAL/CRÍTICO"

Transcrição

1 ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO E TEORIA DA MULTIMODALIDADE: UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO VISUAL/CRÍTICO Derli Machado de Oliveira 1 (UFRN) INTRODUÇÃO Nas práticas sociais pós-modernas os cidadãos estão cada vez mais sendo expostos à leitura de textos que misturam escrita, layout, imagens, som e objetos 3D. É, portanto, nessa era visual, em que as imagens também produzem e reproduzem relações sociais, criam e reproduzem valores, crenças e ideologias (KRESS & VAN LEEUWEN, 2001), que os alunos convivem. Para atender as demandas sociais desse mundo visual, a sociedade atual precisa de cidadãos críticos, que além de observarem as realidades sociais, saibam também analisá-las criticamente, bem como sejam capazes de organizar ações para intervir nessa realidade. Entretanto, apesar do uso intensivo da imagem fora do ambiente escolar, ainda é insuficiente a sistematização do uso dessas imagens para fins pedagógicos. Nesse sentido, nas últimas décadas, pesquisas realizadas no campo das ciências humanas, em áreas como a educação, a linguística aplicada, psicolinguística, sociolinguística e diferentes correntes de análise do discurso, têm dedicado parte de seus estudos ao que se refere às práticas de letramento como instrumento do exercício da cidadania. Entendemos que os eventos de letramento no contexto escolar, como qualquer ação no mundo, se dão a partir do discurso, o qual veicula significações e ideologias que constroem a realidade. Essas práticas podem favorecer as transformações, ao veicular um sentido fortalecedor e emancipatório ou pode ratificar o poder e a hegemonia. Na tentativa de contribuir na direção emancipatória, com base na Teoria da Multimodalidade (KRESS & VAN LEEUWEN, [1996] 2006, 2001), que olha para além da linguagem verbal e examina os vários modos de comunicação e construção de significados, nesse trabalho apresentamos a metodologia de análise de imagem proposta por Kress e van Leeuwen (2006), a Gramática do Design Visual, doravante GDV. A GDV busca descrever como os produtores de textos multimodais representam pessoas, coisas e lugares em uma estrutura visual. Seguindo este modelo é possível analisar três modos de representação (metafunção) de um texto não-verbal: representacional, interativa e composicional. Buscaremos mostrar ainda, fundamentados na Análise Crítica do Discurso (ACD), que concebe o discurso como um momento das práticas sociais, aspectos relacionados à ideologia e o poder (FAIRCLOUGH 2001, 2003, 2006). O corpus em que baseamos a nossa pesquisa é constituído pelos cartazes promocionais dos filmes de Harry Potter. A saga do bruxinho Harry Potter e seus amigos da escola de magia e bruxaria de Hogwarts na luta contra as forças do mal, lideradas pelo cruel Voldemort, da escritora britânica J.K. Rowling, que começou nas livrarias em 1997 com A Pedra Filosofal, e chegou ao final em 2007, com a publicação do livro Harry Potter e as Relíquias da Morte, colecionou impressionantes recordes 1 Bolsista CAPES

2 editoriais 2. Os sete livros publicados deram origem a oito filmes. No cinema, o fenômeno Harry Potter teve sua estreia em 2001, com o lançamento de Harry Potter e a Pedra Filosofal. Depois de 10 anos, a franquia cinematográfica mais rentável da história despediu- se dos seguidores da série (pottermaníacos) com a versão para o cinema do último título escrito por J. K. Rowling em dois filmes. Com uma fórmula que mistura magia e aventura, o tema mais recorrente ao longo da série é a morte. Mas é também retratado o amor, o preconceito, a amizade, a lealdade, dentre outros. Entre os vários fatores que contribuíram para o grande sucesso dos filmes do bruxinho estão as estratégias de marketing. Entre as peças de campanha estão os cartazes. Desde o começo da sétima arte, a campanha de divulgação impressa dos filmes (cartazes e pôsteres) tem exercido papel fundamental para o sucesso das produções cinematográficas. Um dos principais objetivos dos produtores ao criarem uma peça de design é atingirem o seu público-alvo. No caso do filme Harry Potter, o público infanto-juvenil. Com elementos sofisticados de design (imagens, títulos, cores) e diversos outros elementos gráficos, as peças publicitárias servem para atrair a atenção dos espectadores. Alguns cartazes de divulgação são tão impactantes que se tornam um marco da identidade visual de determinada produção. Dessa forma, quando o espectador se lembra do filme a primeira imagem que lhe vem à mente é a do cartaz. Diante desse contexto, partindo do conceito de letramento como prática social (KLEIMAN, 1995), o objetivo deste trabalho é apresentar, uma proposta de letramento visual/crítico de modo que os alunos aprendam a ler textos multimodais e adotem um posicionamento crítico ao lerem textos visuais. Este trabalho está dividido da seguinte forma. Apresentamos, inicialmente, as características e funções do gênero cartaz promocional de filmes (BAKHTIN, 1997; NUNES, 2006) e o conceito de texto e leitura (FARACO, 2002). Em seguida enfatizamos alguns conceitos e pressupostos teóricos da Semiótica Social (KRESS e van LEEUWEN, [1996] 2006, 2001) e da Análise Crítica de Discurso (FAIRCLOUGH, 2008; MEURER 2005; HEBERLE, 2000; ORMUNDO, 2010), estabelecendo relação com o letramento (SOARES, 2006; TFOUNI, 1995; KLEIMAN, 1995; MARCUSCHI, 2007), multiletramento (DIONÍSIO, 2006) e letramento visual/crítico. Em seguida apresentamos as categorias de análise e interpretação da linguagem visual de Kress e van Leeuwen ([1996] 2006). 1. Gênero cartaz promocional de filmes: características e funções Antes de discorrer sobre o nosso objeto de estudo, convém aqui destacar a definição de gênero discursivo em Bakhtin, feita a partir do caráter social da linguagem, cujo conhecimento suscitou novos caminhos para o trabalho pedagógico com a linguagem verbal, demandando uma nova abordagem para o ensino de Língua. A utilização da língua efetua-se em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos que emanam dos integrantes duma ou doutra esfera da atividade humana. O enunciado reflete as condições específicas e as finalidades de cada uma das esferas, não só por seu conteúdo (temático) e por seu estilo verbal, ou seja, para seleção operada nos recursos da língua recursos lexicais, fraseológicos e gramaticais -, mas também, e sobretudo, por sua construção composicional. Estes três elementos (conteúdo temático, estilo e construção composicional) fundem-se indissoluvelmente no todo do enunciado e todos eles são marcados pela especificidade de uma esfera 2 Ao todo, os seis primeiros volumes da saga venderam 2,5 milhões de exemplares no Brasil e mais de 325 milhões em 64 línguas, em todo mundo. Disponível em <www.gazetadopovo.com.br/cadernog/conteudo.phtml?id=711687>. Acesso em 15 de set 2011.

3 de comunicação. Qualquer enunciado considerado isoladamente, é, claro, individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, sendo isso que denominamos gêneros do discurso (BAKHTIN, 1997, p.279). O gênero, enquanto uma prática social, deve orientar a ação pedagógica com a língua, privilegiando o contato real do estudante com a multiplicidade de textos produzidos e que circulam socialmente. Os conceitos de texto e de leitura abrangem a integração da linguagem verbal (textos escritos e falados) com as outras linguagens (as artes visuais, a música, o cinema, a fotografia, a semiologia gráfica, o vídeo, a televisão, o rádio, a publicidade, os quadrinhos, as charges, a multimídia e todas as formas infográficas ou qualquer outro meio linguageiro criado pelo homem), percebendo seu chão comum (são todas práticas sociais, discursivas) e suas especificidades (seu diferentes suportes tecnológicos, seus diferentes modos de composição e de geração de significados) (FARACO, 2002, p.101, destaques do autor). Os cartazes promocionais de filmes, geralmente exibidos em salas de cinema, locadoras, revistas e outdoors, possuem aspectos estruturais relativamente estáveis que relacionam o texto verbal (título, ficha técnica etc.) e o texto imagético (cores, fotografias, desenhos etc.), podendo haver predomínio de uma delas. A função principal do gênero cartaz promocional de filmes é persuadir o público. Numa pesquisa em que realizou sobre a história dos cartazes de cinema, Nunes (2006, p.18) destaca que O cartaz foi uma das primeiras e continua sendo uma das principais formas de se fazer publicidade em mídia impressa. Segundo Moles (1978 p.21, apud NUNES, 2006, p. 18), ele [ ] nasceu da vontade de difundir o anúncio impresso e o cartaz publicitário [...] do texto que se desejou ilustrar [ ]. Citando Ribeiro (2003), Nunes (2006) ressalta que apesar do primeiro cartaz a ser produzido com finalidades publicitárias ter sido criado no ano de 1482, somente a partir do século XIX, com a evolução da impressão, a produção de cartazes ganhou relevância para a publicidade. No final do século XIX e nas primeiras décadas do século XX, quando ainda não existiam o rádio e a televisão, o cartaz era o principal meio de comunicação para as massas. O ápice de sua utilização ocorreu durante a Segunda Guerra Mundial, usado para difundir principalmente ideologias políticas. Atualmente, mesmo com o avanço tecnológico nos meios de comunicação, o cartaz é considerado um elemento publicitário da maior importância (RIBEIRO, 2003 p.239, apud NUNES, 2006, p. 19). Os primeiros cartazes de cinema de que se tem notícia foram criados em 1892 (POOLE, 2003, apud NUNES, 2006, p. 20). Nessa época a imagem já assumia um papel fundamental na construção de cartazes. Durante várias décadas as ilustrações feitas por artistas renomados foram a principal maneira de se agregar imagens ao cartaz, tornando assim o principal elemento de persuasão do olhar dos espectadores. O cartaz é lançado meses antes do próprio filme, afixado de forma que seja visível em locais públicos para informar e despertar a curiosidade dos espectadores. Além das imagens, estão presentes no cartaz o título e os créditos do filme. Com a ascensão do cinema em Hollywood, a partir da década de 1920 e 1930, começou a surgir uma maior demanda por cartazes publicitários e as artes dos cartazes

4 também passaram a acompanhar esta evolução, incorporando agora imagens com muita ação, em sua maioria imagens de cenas dos filmes. Com as novas tecnologias, o cartaz de cinema tem evoluído. Hoje os designers contam com a computação gráfica como a ferramenta principal, principalmente para elaborar imagens de ficção e aventura. Os cartazes 3 promocionais dos filmes de Harry Potter, objeto deste trabalho, constituem um texto eminentemente multimodal, pois apresentam imagens e palavras que coexistem, significando e se complementando entre si. Os cartazes nacionais do último filme, "Harry Potter e as relíquias da morte, parte 2", trazem os personagens Harry, Rony, Hermione, Neville, Voldemort, Snape, Draco e Bellatrix com a frase Tudo termina escrita abaixo. 2. Teoria da Multimodalidade, Análise Crítica do discurso e letramento (crítico) Além da palavra escrita, um enorme aparato semiótico tem desempenhado importante papel constitutivo nos textos pós-modernos, principalmente nos textos midiáticos como jornais, revistas, livros, cartazes publicitários, dentre outros. Dionísio (2006, p. 160) chama a atenção para o fato de que nossa sociedade está cada vez mais visual, mostrando que os textos multimodais são textos especialmente construídos que revelam as nossas relações com a sociedade e com o que a sociedade representa. Em virtude disso, o conceito de multimodalidade torna-se imprescindível para analisar a inter-relação entre texto escrito, imagens e outros elementos gráficos, além de possibilitar a compreensão dos sentidos sociais construídos por esses textos. Na teoria da Semiótica Social organizada por van Leeuween (2005) e Kress e van Leeuween (2001, 2006), a multimodalidade focaliza a inter-relação de diferentes modos de significação ou modos semióticos, que incluem a linguístico, o visual, o gestual. Um texto multimodal é aquele que admite mais de um modo de representação semiótica como a oralidade, a escrita, a imagem estática ou em movimento, o som, dentre outros. Segundo Kress e van Leeuwen (2006), assim como a linguagem verbal, a visual também: representa o mundo de maneira concreta e abstrata; constrói relações sócio-interacionais e constituem relações de significado a partir de sua composição; produz conhecimento, formas de pensar e de agir no e com o mundo; é meio eficaz para o convencimento e o controle do leitor-consumidor; é portadora de sentidos que direcionam comportamentos; é ideologicamente construída representa um importante papel na construção de identidades, de valores, de crenças e da própria realidade. Ainda segundo os autores, os gêneros da escrita compõem um conjunto integrado que combinam a linguagem escrita, imagens e gráficos, por isso são multimodais. No caso de nosso objeto de estudo, os cartazes promocionais dos filmes da série Harry Potter, constitui-se a partir da combinação dos elementos verbais e nãoverbais. 3 Foram capturados no site <http://veja.abril.com.br/multimidia/galeria-fotos/slideshow/cartazes-dosfilmes-de-harry-potter>, em 20 de agosto de 2011.

5 Desse modo, o trabalho com a Teoria da Multimodalidade (KRESS & VAN LEEUWEN, 2006), que olha para além da linguagem verbal e examina os vários modos de comunicação e construção de significados, tem ganhado cada vez mais espaço nos estudos linguísticos nas últimas décadas. Isto ocorre devido ao fato de que nas práticas sociais pós-modernas tem sido bastante recorrente a utilização de textos multimodais. Nesse sentido, o estudo da comunicação contemporânea numa abordagem Semiótica Social representa um avanço ao estudo da linguagem. Da mesma forma, é quase impossível falar sobre as práticas sociais e discursivas sem recorrer à Análise de Crítica do Discurso (ACD), haja vista que essa teoria metodológica concebe a linguagem como prática social e leva em consideração o contexto do uso da linguagem, relações de poder e sua conexão com a linguagem no discurso como uma dimensão crucial (FAIRCLOUGH, 2008). Na concepção da ACD, o discurso é uma prática ideológica que estrutura as relações de poder na sociedade e é por elas estruturado, mantendo ou transformando identidades e relações sociais. Segundo Heberle (2000, p. 291), Em estudos de ACD há a preocupação com a desconstrução ideológica dos textos, com as relações complexas entre texto, conversa, cognição social, poder, sociedade e cultura [...]. Consideram-se aspectos sócio-culturais que vão além de estudos tradicionais de descrição e explicação de elementos linguisticos, mostrando como o discurso reforça e ao mesmo tempo é reforçado pelo status quo, pela estrutura social. De acordo com Fairclough (2008, p. 121), [...] as práticas discursivas são investidas ideologicamente à medida que incorporam significações que contribuem para manter ou reestruturar as relações de poder. Admitindo que sua posição assemelha-se à de Thompson (1984, 1990), a de que determinados usos da linguagem e de outras formas simbólicas são ideológicos, isto é, os que servem, em circunstâncias específicas para estabelecer ou manter relações de dominação, Fairclough entende que as ideologias são significações/construções da realidade (o mundo físico, as relações sociais, as identidades sociais) que são construídas em várias dimensões da forma/sentidos das práticas discursivas e que contribuem para a produção, a reprodução ou a transformação das relações de dominação (FAIRCLOUGH, 2008, p. 117). Dessa maneira, os eventos de letramento devem ser tratados como discurso e consequentemente como prática social que estão conectados com relações de ideologia e de poder, podendo configurar novos sentidos de mudança para as relações das identidades. O termo letramento surgiu no contexto das grandes transformações culturais, sociais, políticas, econômicas e tecnológicas, ampliando o sentido do que tradicionalmente se conhecia por alfabetização (SOARES, 2006). No Brasil, o termo letramento foi usado pela primeira vez por Mary Kato, em 1986, na obra No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. Depois dessa referência, o vocábulo letramento aparece em 1988, no livro Adultos não alfabetizados: o avesso do avesso, de Leda Verdiani Tfouni, a qual dedica boa parte da obra à definição de letramento e busca distinguir letramento de alfabetização. Mais recentemente, o verbete passou a figurar em títulos de livros, por exemplo: Os significados do letramento, organizado por Ângela Kleiman (1995), e Alfabetização e letramento (TFOUNI, 1995).

6 Por ser um termo complexo, estudiosos de várias áreas (linguística, educação, psicolinguística, sociolinguística) buscam conceituar e entender o letramento. Surgiram, então, conceitos como letramento autônomo e letramento ideológico (STREET, 1984), letramento crítico (MCLAUGHLIN e DEVOOGD, 2004), multiletramento (COPE e KALANTZIS, 2000). Tradicionalmente, o conceito de letramento sempre esteve associado ao domínio das habilidades de leitura e escrita aprendidas por indivíduos na escola. Ultimamente passou a alargar-se e é concebido como um conjunto de práticas sociais. Nesta concepção, todo indivíduo que nasce e cresce numa sociedade letrada, independentemente de saber ler, é letrado latu sensu. Sobre isso, Kleiman (1995, p. 18,19) afirma: Podemos definir hoje o letramento como um conjunto de práticas sociais que usam a escrita, como sistema simbólico e como tecnologia, em contextos específicos, para objetivos específicos [...]. As práticas específicas da escola, que forneciam o parâmetro de prática social segundo a qual o letramento era definido, e segundo a qual os sujeitos eram classificados ao longo da dicotomia alfabetizado ou nãoalfabetizado, passam a ser, em função dessa definição, apenas um tipo de prática de fato, dominante que desenvolve alguns tipos de habilidades mas não outros, e que determina uma forma de utilizar o conhecimento sobre a escrita. Nas sociedades letradas, os indivíduos não alfabetizados vivenciam diariamente eventos e práticas de letramento. Acerta disto Marcuschi (2007, p. 25) comentou: O letramento [...] envolve as mais diversas práticas da escrita (nas suas variadas formas) na sociedade e pode ir desde uma apropriação mínima da escrita, tal como o indivíduo que é analfabeto, mas letrado na medida em que identifica o valor do dinheiro, identifica o ônibus que deve tomar, consegue fazer cálculos complexos, sabe distinguir as mercadorias pelas marcas etc., mas não escreve cartas nem lê jornal regularmente, até uma apropriação profunda, como no caso do indivíduo que desenvolve tratados de Filosofia e Matemática ou escreve romances. Letrado é o indivíduo que participa de forma significativa de eventos de letramento e não apenas aquele que faz um uso formal da escrita. (destaques do autor). Nessa visão, as práticas de leitura e escrita estão em diferentes contextos e exercem diferentes funções. Além da escola, há outras agências de letramento, como a família, a igreja, a rua, o lugar de trabalho, dentre outras. Desse modo, não basta apenas dominar os conhecimentos escolares, é preciso relacioná-los com o mundo. A partir da constatação de uma crescente mudança nas formas de interação humana, influenciadas pelo desenvolvimento tecnológico, Dionísio (2006) propõe uma revisão do conceito de letramento sugerindo o termo multiletramento para designar a capacidade de atribuir e produzir sentidos a mensagens multimodais. Na concepção da autora, uma pessoa letrada deve ser uma pessoa capaz de atribuir sentidos a mensagens oriundas de múltiplas fontes de linguagem (DIONÍSIO, 2006, p. 131).

7 A respeito do Letramento Visual, Gunther Kress e van Leuween (2006) fazem as seguintes considerações: a) As imagens visuais podem ser lidas como um texto; b) A multiplicidade de significados dos textos multimodais deve estar pautada nos seus contextos sociais; c) As imagens visuais, como a linguagem e todos os modos semióticos, é socialmente construída. Segundo os autores, o desprezo pelo letramento visual na escola acaba gerando iletrados visuais. De acordo com Kress e van Leewen (2006), a multimodalidade é uma característica de todos os gêneros textuais, já que congregam, no mínimo, dois modos de representação, como imagens e palavras e palavras e tipografias. Dessa forma, o empoderamento semiótico depende da compreensão das diferentes semioses presentes em cada gênero. No gênero discursivo cartaz promocional de filmes, que constitui o material de análise para este trabalho, os elementos imagéticos exercem um papel importante. Seguindo a mesma perspectiva da Semiótica Social, dentro do campo de investigação da Análise Crítica do Discurso busca-se prioritariamente a compreensão de textos que incluem além do código escrito, fotografias, imagens e outras formas de semioses como outro modo de representação da realidade que permite a construção de significados. No livro Discurso e mudança social, o autor britânico Norman Fairclough (2008, p. 23) ressalta que é muito apropriado estender a noção de discurso a outras formas simbólicas, tais como imagens visuais e textos que são combinações de palavras e imagens por exemplo, na publicidade. Ao discorrer sobre a obra de Fairclough de 2003, Analysing discourse: Textual analysis for social research (ainda sem tradução para o português), Ormundo (2010, p. 22, grifo nosso) enfatiza que a ACD está também interessada nas escolhas dos elementos semióticos que são apresentados nas produções e nas recepções de textos e nas suas formas de interações, além de investigar o modo (estilo) como as escolhas são combinadas nos gêneros para atingir determinados objetivos e consolidar o propósito da argumentação. Assim, o crescente empreendimento da Análise Crítica do Discurso busca mostrar como os discursos aparentemente neutros podem veicular atitudes ideológicas, da mesma maneira como os discursos mais explicitamente editados para esse determinado fim; e como a linguagem não-verbal é usada para transmitir poder e status na interação social contemporânea. Em suma, para a ACD imagens são códigos providos de significados ideológicos, podendo, portanto, serem investigadas sob uma perspectiva crítico-social. Meurer (2005, p. 106) incentiva a incorporação dos princípios e métodos da ACD ao ensino numa perspectiva crítica de letramento, sugerindo três perguntas que exploram de forma prática no texto o poder constitutivo da linguagem: Em termos de aplicação prática de ensino, com base na ACD, os[as] professores[as] podem envolver os[as] alunos[as] em práticas que promovam o que Fairclough chama de conscientização quanto à linguagem, em especial quanto ao papel constitutivo do discurso. Por exemplo, os professores[as] podem utilizar com bons resultados três perguntas gerais explorando o princípio de que a linguagem tem o poder de constituir formas de conhecimento e crenças, relações e

8 identidades: (1) Como esse texto representa, em termos de conhecimentos e crenças, a realidade específica a que está relacionado? (2) Que tipo de relações sociais esse texto reflete ou estabelece? (3) Quais as identidades ou os papéis sociais envolvidos nesse texto? (MEURER, 2005, p. 105,106). Ainda segundo Meurer (2005, p. 106), a ACD é uma ferramenta que permite aos professores encorajar seus alunos a observar que tipos de texto precedem e seguem o uso de determinado gênero específico e como poêm em ação formas de ver o mundo, identidades, relações, maneiras de construir e distribuir textos, refletindo ideologias e formas de poder. 3. Gramática do Design Visual: importante ferramenta crítico-analítica para a análise da composição imagética de textos Alinhada com o campo teórico-metodológico da Linguística Sistêmico- Funcional de Hallyday, a Gramática do Design Visual (doravante GDV), proposta por Gunther Kress e Theo van Leeuwen (2006), tem se apresentado como uma importante ferramenta crítico-analítica para a análise da composição imagética de textos e seus contextos de uso. Partindo da concepção de que as imagens são um modo distinto de produzir significado e devem ser vistas como complementação da informação verbal e não somente como uma ilustração, o método de análise da GDV busca descrever como os produtores de textos multimodais representam pessoas, coisas e lugares em uma estrutura visual. Ao discorrer sobre a Gramática de Design Visual, Fernandes e Almeida (2008, p. 11,12) ressaltam: Diferentemente dos teóricos tradicionais, que costumam basear-se em aspectos lexicais das imagens, Kress e van Leeuwen (2000) trabalham uma análise gramatical das imagens. Pautam-se nas teorias gramaticais verbais, em especial nas metafunções da Gramática Sistêmico Funcional de Halliday, que procuraram regularidades para compreender de que forma os diferentes modos de representação visual e de relações entre si se tornam padrões. Eles propõem uma gramática do design visual, que é hoje um dos estudos mais importantes na descrição da estrutura que organiza a informação visual nos textos. Segundo Almeida (2008, p.9), [...] o que a Gramática Visual de Kress e van Leeuwen advoga é a conscientização das imagens não como veículos neutros desprovidos de seu contexto social, político e cultural, mas enquanto códigos dotados de significado potencial, imbuídos de estruturas sintáticas próprias. Corroborando essa diretriz, Fernandes e Almeida (2008, p.11) afirmam que imagens produzem e reproduzem relações sociais, comunicam fatos, divulgam eventos e interagem com seus leitores com uma força semelhante à de um texto formado por palavras. Nesta mesma linha de pensamento, Câmara (2008, p.73) ressalta que

9 Existe na imagem uma mensagem simbólica, vinculada à sociedade, à história, à ideologia de quem a produz e de quem a vê, o que retrata um universo simbólico, favorecendo a construção de significados, conhecimentos e valores, cuja diversidade de temas oferece espaço para a reorganização e construção de conceitos. A estrutura básica da GDV de Kress e van Leewen ([1996] 2006, 2001) contempla a análise de três metafunções: a representacional, a interativa e a composicional. Neste trabalho a análise ficará restrita aos aspectos que dizem respeito à metafunção interativa. 3.1 As ferramentas de análise da gramática visual exemplificada na análise do corpus Esta subseção organiza-se do seguinte modo: primeiramente apresentamos, com exemplos, os quatro aspectos da GDV que estão relacionados à interação entre participantes, ou seja, as estratégias de aproximação/afastamento do produtor do texto para com o leitor. Em seguida fazemos um breve comentário. Antes de descrevermos esses aspectos, convém ressaltarmos dois conceitos elaborados por Kress e van Leeuwen (2006), que aqui serão úteis: são os de participantes interativos e participantes representados (doravante, respectivamente, PI e PR), que entram em uma relação de comunicação por meio do texto e apresentam diferentes graus de envolvimento, definidos pelas estratégias de aproximação ou distanciamento. Os PI são aqueles que produzem e consomem o texto; os PR são as pessoas, lugares e coisas presentes no texto. O primeiro recurso, denominado contato, é determinado pelo vetor que se forma, ou não, entre as linhas do olho do PR (personagem humano ou personificado) e o leitor. O sistema de contato pode ocorrer de duas formas: através da demanda e da oferta. Na primeira, o PR olha diretamente para o observador, convidando-o à interação. Nessa configuração ele é o sujeito do ato de olhar. Na segunda, o PR não olha diretamente para o observador. Nesse modelo ele deixa de ser o sujeito do ato de olhar para se tornar objeto. O participante da imagem é oferecido ao observador como elemento de informação ou objeto de contemplação, de forma impessoal. O observador passa a ser o sujeito deste olhar. Os cartazes a seguir (figuras 01 e 02) exemplificam de que maneira essas configurações se apresentam 4. 4 Figura 1: Cartaz do filme Harry Potter e a Ordem da Fênix, de 2007 Figura 2: Cartaz do filme Harry Potter e a Pedra Filosofal, de 2001 Figura 1 - Imagem de DEMANDA Figura 2 - Imagem de OFERTA

10 O segundo aspecto, denominado distância social, está vinculado à dimensão do enquadramento. É a exposição do participante representado perto ou longe do leitor. Relação imaginária de maior ou menor distância social, que pode ser de caráter: 1) Íntimo. Plano fechado (close shot) - inclui a cabeça e o ombro do participante representado; 2) Pessoal. Plano médio (medium shot) - exposição do participante até a cintura ou o joelho; 3) Social. Plano aberto (Long shot) - os participantes são apresentados de forma distanciada, expondo todo o corpo. Vejamos essas configurações nos cartazes abaixo 5 : O terceiro aspecto, denominado perspectiva ou poder, refere-se ao ângulo em que os participantes são retratados. Ocorre por meio dos ângulos frontais, oblíquos e verticais: 1) Frontal: Grande envolvimento do leitor com a imagem. Imprime ao leitor (espectador) uma identificação com a imagem como se ela fizesse parte de seu mundo. Quando a imagem está no nível do olhar, a relação de poder é igualitária (FERNANDES e ALMEIDA, 2008, p. 21). 2) Oblíquo: apresenta o participante em perfil provocando no leitor um sentido de desprendimento da cena observada; Envolvimento imparcial. Não fazem parte do mundo do leitor. Transmite a ideia de distanciamento do participante representado em relação aos leitores. 5 Figura 3: Cartaz do filme Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, de 2004 Figura 4: Cartaz do filme Harry Potter e a Câmara Secreta, de 2002 Figura 5: Cartaz do filme Harry Potter e o Cálice de Fogo, de 2005

11 Vejamos os exemplos 6 : 3) Vertical: possui seus variantes: baixo, de nível ocular (direto) ou alto, que assinalam distintas Figura 6 relações - ângulo FRONTAL de poder. No ângulo baixo Figura o leitor 7 ângulo está embaixo da imagem. Este tipo de imagem causa uma sensação de poder ao PR, colocando o leitor em uma posição inferior. No ângulo direto existe uma posição de igualdade entre o leitor e o PR. No ângulo alto, em que a câmara capta o objeto de cima para baixo, o leitor está em posição de poder (obs. nenhuma imagem com ângulo alto nos cartazes analisados). Vejamos os exemplos 7 : O quarto aspecto, denominado modalidade, codifica o nível de realidade que a imagem representa. Pode ser categorizada em naturalista ou sensorial. As imagens naturalistas normalmente possuem alta saturação de cores, cores moduladas e diversificadas. A modalidade sensorial da imagem é retratada numa configuração que produz um impacto sensorial, ou um efeito que ultrapassa a realidade, provocando emoções subjetivas no leitor. Quanto maior a equivalência entre o que é mostrado na imagem e o que é considerado real para o leitor, mais alta é a modalidade. Os mecanismos modalizadores das imagens são (FERNANDES e ALMEIDA, 2008): i) utilização da cor (saturação/diferenciação/modulação da sombra à cor plena; ii) contextualização (sugestão de profundidade técnicas de perspectiva da ausência de cenário ao cenário mais detalhado); iii) iluminação (grande luminosidade até quase a ausência dela); iv) brilho (luminosidade em ponto específico nível máximo de brilho até os tons de cinza). Os cartazes 8 a seguir são um exemplo de como estes mecanismos de modalização ocorrem: 6 Figura 6: Cartaz do filme Harry Potter e as Relíquias da Morte, parte 2, de 2011 Figura 7: Cartaz do filme Harry Potter e o Enigma do Príncipe, de Figura 8: Cartaz do filme Harry Potter e as Relíquias da Morte, de 2010 Figura 9: Cartaz do filme Harry Potter e a Câmara Secreta, de Figura 10: Cartaz do filme Harry Potter e a Pedra Filosofal, de 2001

12 3.2 Fig. Analisando 10 Utilização a modalidade cor - visual Fig. 11 Brilho luminosidade Fig. 12 Contextualização Neste trabalho, procurou-se analisar, com base na Gramática do Design Visual, quais estratégias são utilizadas pelos produtores dos cartazes promocionais dos filmes Harry Potter para estabelecer relação com o leitor/consumidor. Observou-se que quanto à função interativa contato, dos oito cartazes analisados houve o predomínio da demanda (seis casos): quando o vetor parte do olho do Participante Representado, e acaba nos olhos do Participante Interativo. Nesse caso, o intuito da representação seria a de aproximação, de colocar o participante representado em uma posição que é a mesma em que o leitor se encontra. Na função interativa distância social, o plano médio (pessoal) e o aberto (social) foram mais utilizados (três vezes cada). O plano fechado (íntimo), no qual o participante interativo pode capturar minuciosamente as expressões faciais, proporcionando a descoberta da personalidade do participante representado, foi utilizado duas vezes. Observa-se, dessa forma, um convite ao leitor a se tornar mais íntimo desse participante. Quanto à função interativa perspectiva ou poder, predominou a ângulo frontal (sete ocorrências), o qual sugere o envolvimento do observador. A imagem está no nível do olhar do PI. Nesse caso a relação de poder é representada como igualitária. Esse ponto de vista torna o observador parte do mundo do participante representado. No que diz respeito ao uso das cores, que inclui cores extremamente escuras, é possível dizer que as imagens apresentam baixa modalidade naturalista. As imagens estão descontextualizada da realidade, exigindo do observador uma percepção sensorial. Ao ser mostrado no vazio (nenhum cenário real), o participante representado torna-se genérico, ou seja, um símbolo, um tipo (KRESS E VAN LEEWEN, 2006). Essa redução da modalidade natural (fundo neutro, sem profundidade; pouca iluminação; utilização de brilho em pontos específicos) confere abstração nesse tipo de representação, além de uma essência intemporal ao participante representado. Em suma, podemos inferir que nos cartazes promocionais da série Harry Potter analisados, o que se pretende é uma identificação entre participante interativo (leitor) e o participante representado. Nessa representação o participante representado passa a ser o portador de atributos que convida o observador a juntar-se a ele em seu mundo: mundo dos bruxos. O que só vai acontecer com a compra da ideia por parte do PI e consequentemente da compra do ingresso para assistir ao filme. CONCLUSÕES Figura 11: Cartaz do filme Harry Potter e a Câmara Secreta, de 2002 Figura 12: Cartaz do filme Harry Potter e as Relíquias da Morte, parte 2, de 2011

13 Na cultura comunicativa visual predominante na sociedade atual, em que os textos estão se tornando altamente multimodais, é imprescindível não só conhecer o funcionamento do sistema de escrita (conhecimento dos signos verbais), como também poder interpretar as imagens (signos imagéticos), cada vez mais incorporadas aos textos verbais. Segundo Kress e van Leeuwen (2006, p.41) 9, a multimodalidade dos textos escritos tem sido ignorada, de modo geral, no contexto educacional, na teoria linguística ou no senso comum popular. Hoje, na era da multimídia, pode repentinamente ser percebida de novo (tradução nossa). Neste trabalho, que tratou da multimodalidade no gênero discursivo cartaz promocional de filmes, procuramos apresentar a Gramática de Design Visual sistematizada por Kress e van Leeween (2006) com parâmetros para descrever e analisar os elementos visuais presentes em um texto. Atemo-nos aqui a ilustrar os quatro aspectos da metafunção interpessoal, relacionados à interação entre os participantes representados e interativos. No gênero cartaz de divulgação de filmes, é possível observar que a transmissão de mensagens e a construção de sentidos acontecem principalmente com a utilização da imagem. Nesse caso, propomos um roteiro de análise considerando todas as complexas relações que se estabelecem entre os elementos verbais (título, ficha técnica etc) e nãoverbais (desenhos, fotos, cores, cenário etc.) desse gênero. Procuramos apresentar também a análise de textos sob o escopo da Análise Crítica do Discurso, que concebe a linguagem enquanto prática social. Segundo o analista crítico Meurer (2005, p. 81), ao analisar textos criticamente não est[amos] interessados apenas nos textos em si, mas em questões sociais que incluem maneiras de representar a realidade, manifestação de identidades e relações de poder no mundo contemporâneo. Considerando todas essas questões apresentadas e, partindo do pressuposto de que ser um leitor/escritor proficiente significa não só saber codificar/decodificar aspectos linguísticos do texto verbal (estruturas internas) e saber lidar com todas as características do contexto de produção e recepção dos textos, mas também saber interpretar todos os modos semióticos presentes no texto, entendemos que o gênero cartaz promocional de filmes, se bem trabalhado em sala de aula, é uma excelente oportunidade para o aluno ter contato com texto que tem grande poder de persuasão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, Daniele Barbosa Lins de (org.). Perspectivas em análise visual: do fotojornalismo ao blog. João Pessoa: Editora da UFPB, 2008 BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997 CÂMARA, Mônica. Urubu rei: uma imagem fotojornalística e suas multimodalidades. In: ALMEIDA, Daniele Barbosa Lins de (Org.). Perspectivas em análise visual: do fotojornalismo ao blog. João Pessoa: Editora da UFPB, 2008 COPE, B., & KALANTZIS, M. (2000). Multiliteracies: The beginning of an idea. In B. Cope & M. Kalantzis (Eds.), Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures (pp. 3-8). London: Routledge. 9 Yet, the multimodality of written texts has, by and large, been ignored, whether in educational contexts, in linguistic theorizing or in popular common sense. Today, in the age of multimedia I can suddenly be perceives again.

14 DIONISIO, Ângela P. Gêneros multimodais e multiletramento. In: KARWOSKI, A. M.;. GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (Orgs.). Gêneros textuais reflexões e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006 FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008 [1992].. Analysing discourse: textual analysis for social research. London; New York: Routledge, Language and globalization. London: Routledge, FARACO, Carlos Alberto. Área de Linguagem: algumas contribuições para sua organização. In: KUENZER, A. (Org.) Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. 3.ed. São Paulo: Cortez, FERNANDES, José David Campos; ALMEIDA, Danielle Barbosa Lins de. Revisitando a Gramática Visual nos cartazes de guerra. In: ALMEIDA, Daniele Barbosa Lins de (Org.). Perspectivas em análise visual: do fotojornalismo ao blog. João Pessoa: Editora da UFPB, 2008 HEBERLE, Viviane. Análise Crítica do Discurso e estudos de gênero (Gender): subsídios para a leitura e interpretação de textos. In: FORTKAMP, M.B.M.; TOMITCH, L.M.B. (Org.) Aspectos da lingüística aplicada. Florianópolis: Insular, p KLEIMAN, Ângela B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In:. (Org.) Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, Mercado das Letras, KRESS, G. R. e van LEEUWEN, T. Reading Images: a Grammar of Visual Design. Londres: Routledge, KRESS, Gunther R. e van LEEUWEN, Theo. Multimodal Discourse: the modes and media of contemporary communication. London: Arnold, MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In:. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 8. Ed. São Paulo: Cortez, MCLAUGHLIN, M.; DEVOOGD, G Critical Literacy as Comprehension: Expanding Reader Response Critical Literacy Helps Teachers and Students Expand Their Reasoning, Seek out Multiple Perspectives, and Become Active Thinkers Journal article by Maureen Mclaughlin, Glenn Devoogd; Journal of Adolescent & Adult Literacy, Vol. 48, Disponível em: <www.questia.com/googlescholar.qst?docid= >. Acesso em 13 de set MEURER, José Luiz. Gêneros textuais na análise crítica de Fairclough. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.). In: Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, p NUNES, Rafaella Ferreira Lopes Arrais. O Pai dos cartazes modernos de cinema : uma análise do design dos cartazes de Robert Peak. Monografia. Centro de ciências Humanas, Universidade de Fortaleza. Fortaleza, ORMUNDO, Joana. Análise Social, Linguagem e Globalização: uma abordagem transdisciplinar da Análise de Discurso Crítica. In: VIEIRA, Josenia Antunes; BENTO, André Lúcio; ORMUNDO, Joana da Silva (Orgs.) Discursos nas Práticas Sociais: perspectivas em multimodalidade e em gramática sistêmico-funcional. São Paulo: Annablume, pp , SANTOS, José Miguel dos. A influência da diagramação e da manipulação de imagens na leitura. In: VIEIRA, Josenia Antunes; BENTO, André Lúcio; ORMUNDO, Joana da Silva (Orgs.) Discursos nas Práticas Sociais: perspectivas em multimodalidade e em gramática sistêmico-funcional. São Paulo: Annablume, pp , 2010.

15 SCLIAR-CABRAL, Leonor. Letramento e as perspectivas para o próximo milênio. In CABRAL, Loni Grimm; GORSKI, Edair (Org.) Lingüística e ensino: Reflexões para a prática pedagógica da língua materna. Florianópolis: Insular, SILVA, Luzia Rodrigues da. Análise de Discurso Crítica, Letramento e Gênero Social. Signótica Especial, n. 2, p , 2006 SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, STREET, V. B. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, TFOUNI, Leda Verdiani. Adultos não alfabetizados: o avesso do avesso. Editora Pontes, Letramento e alfabetização. São Paulo, Cortez, VAN LEEUWEN, Theo. Introducing Social Semiotics. London, New York: Routledge, 2005

Como analisar a multimodalidade no livro didático de Biologia baseado na teoria de Baldry e Thibault (2006)

Como analisar a multimodalidade no livro didático de Biologia baseado na teoria de Baldry e Thibault (2006) Como analisar a multimodalidade no livro didático de Biologia baseado na teoria de Baldry e Thibault (2006) Informações para professores de Ciências e Biologia Material desenvolvido pela mestranda Daniella

Leia mais

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira *

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira * Resenha Instrumento COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. Mariângela Maia de Oliveira * Tomando por base os novos conceitos subjacentes ao processo de

Leia mais

MULTILETRAMENTOS X O LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA INGLESA

MULTILETRAMENTOS X O LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA INGLESA MULTILETRAMENTOS X O LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA INGLESA Juliana Schinemann (ICV-UNICENTRO), Luciane Baretta (Orientador), e- mail: barettaluciane@gmail.com, Terezinha Marcondes Diniz Biazi (coorientador)

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS

ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) lia_morais.jta@hotmail.com Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) linduarte.rodrigues@bol.com.br

Leia mais

GÊNEROS MULTIMODAIS E MULTILETRAMENTOS: NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA NA SALA DE AULA

GÊNEROS MULTIMODAIS E MULTILETRAMENTOS: NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA NA SALA DE AULA GÊNEROS MULTIMODAIS E MULTILETRAMENTOS: NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA NA SALA DE AULA Derli Machado de Oliveira (PROFLETRAS/UFS) 1 INTRODUÇÃO Este artigo faz parte dos trabalhos que temos desenvolvido na Universidade

Leia mais

GÊNERO DO DISCURSO/TEXTUAL E MULTIMODALIDADE: ANÁLISE CRÍTICA DOS TESTEMUNHOS PUBLICADOS NA FOLHA UNIVERSAL

GÊNERO DO DISCURSO/TEXTUAL E MULTIMODALIDADE: ANÁLISE CRÍTICA DOS TESTEMUNHOS PUBLICADOS NA FOLHA UNIVERSAL GÊNERO DO DISCURSO/TEXTUAL E MULTIMODALIDADE: ANÁLISE CRÍTICA DOS TESTEMUNHOS PUBLICADOS NA FOLHA UNIVERSAL Derli Machado de Oliveira (UFRN) 1 derli_machado@hotmail.com Introdução Com o avanço das tecnologias,

Leia mais

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS INTRODUÇÃO Este plano foi criado para trabalhar com uma turma de 2º ano do Ensino Fundamental, com alunos que possuem em torno de 7 a 8 anos de idade, para que se aprofundem

Leia mais

Mestre em Educação, Professora de Língua Portuguesa SEED-PDE/ UEPG- DEMET

Mestre em Educação, Professora de Língua Portuguesa SEED-PDE/ UEPG- DEMET 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DESENVOLVENDO HABILIDADES DE

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução 1 Introdução Um estudo de doutorado é, a meu ver, um caso de amor, e em minha vida sempre houve duas grandes paixões imagens e palavras. Escolhi iniciar minha tese com o poema apresentado na epígrafe porque

Leia mais

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA Daiane de Abreu Ribeiro Jeane Silva Freire Jucilene Aparecida Ribeiro da Silva Procópio Daiane de Abreu Ribeiro Faculdade Sumaré Ex-aluna de Pós-Graduação Jeane Silva

Leia mais

A MULTIMODALIDADE NA LITERATURA INFANTOJUVENIL: BUSCANDO ESTRATÉGIAS DE LEITURA PELA EXPLORAÇÃO DA LINGUAGEM VISUAL

A MULTIMODALIDADE NA LITERATURA INFANTOJUVENIL: BUSCANDO ESTRATÉGIAS DE LEITURA PELA EXPLORAÇÃO DA LINGUAGEM VISUAL A MULTIMODALIDADE NA LITERATURA INFANTOJUVENIL: BUSCANDO ESTRATÉGIAS DE LEITURA PELA EXPLORAÇÃO DA LINGUAGEM VISUAL Derli Machado de Oliveira (UFS) Introdução Nas últimas décadas, diferentes estudos linguísticos

Leia mais

Cartaz: VI Feira do Livro 1. Alan CASAES 2 Daniela Costa RIBEIRO 3 Faculdade Anísio Teixeira, Feira de Santana, BA

Cartaz: VI Feira do Livro 1. Alan CASAES 2 Daniela Costa RIBEIRO 3 Faculdade Anísio Teixeira, Feira de Santana, BA Cartaz: VI Feira do Livro 1 Alan CASAES 2 Daniela Costa RIBEIRO 3 Faculdade Anísio Teixeira, Feira de Santana, BA Resumo O trabalho apresentado tem como objetivo divulgar a VI Feira do Livro, Festival

Leia mais

METÁFORA E MULTIMODALIDADE: O SENTIDO RESULTANTE DA INTERAÇÃO VERBAL/IMAGÉTICO* 1

METÁFORA E MULTIMODALIDADE: O SENTIDO RESULTANTE DA INTERAÇÃO VERBAL/IMAGÉTICO* 1 METÁFORA E MULTIMODALIDADE: O SENTIDO RESULTANTE DA INTERAÇÃO VERBAL/IMAGÉTICO* 1 Autora: Natália Elvira Sperandio Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO: Presenciamos, cada dia mais, textos que utilizam

Leia mais

Artefatos culturais e educação...

Artefatos culturais e educação... Artefatos culturais e educação... USO DAS TDIC NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROFª. JOICE ARAÚJO ESPERANÇA Vídeos: artefatos culturais? Vídeos Filmes Desenhos animados documentários Propagandas Telenovelas

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin Resumo: O objetivo deste artigo é tecer questões acerca da Semiótica, relacionando-a com o curso Artes Visuais.

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES Anderson Menezes da Silva Willame Santos de Sales Orientadora: Dra. Maria da Penha Casado Alves Departamento de Letras UFRN RESUMO A charge é um gênero recorrente nos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL 00604 Resumo A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL Célia Aparecida Bettiol Arliete Socorro Da Silva Neves O presente texto faz parte de um trabalho em andamento e se constitui em pesquisa documental,

Leia mais

LETRAMENTO EM MARKETING ou A FORMAÇÃO DE LEITORES-CONSUMIDORES CRÍTICOS NAS ESCOLAS. Instância textual. PÚBLICO-ALVO da ação. Instância discursiva

LETRAMENTO EM MARKETING ou A FORMAÇÃO DE LEITORES-CONSUMIDORES CRÍTICOS NAS ESCOLAS. Instância textual. PÚBLICO-ALVO da ação. Instância discursiva LETRAMENTO EM MARKETING ou A FORMAÇÃO DE LEITORES-CONSUMIDORES CRÍTICOS NAS ESCOLAS L E I T U R A abc Instância textual OBJETIVOS da ação de comunicação PÚBLICO-ALVO da ação Instância discursiva Estratégias

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

PRÁTICA DE ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL I E FORMAÇÃO DO PROFESSOR: DA TEORIA À PRÁTICA PEDAGÓGICA

PRÁTICA DE ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL I E FORMAÇÃO DO PROFESSOR: DA TEORIA À PRÁTICA PEDAGÓGICA PRÁTICA DE ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL I E FORMAÇÃO DO PROFESSOR: DA TEORIA À PRÁTICA PEDAGÓGICA Resumo Tatiana Dias Ferreira (PPGFP/ UEPB) thatdf@hotmail.com Nos dias atuais, no meio educacional, muito

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

Projeto de curso: Elaboração de Multimeios

Projeto de curso: Elaboração de Multimeios Universidade de Brasília Instituto de Letras-IL Departamento de Linguística, Português e Línguas clássicas-lip Projeto de curso: Elaboração de Multimeios Brenda Paula Marinho Alves 12/0111951 Brasília

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: LINGUÍSTICA I Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 2 Semestre: 2015.1 Carga Horária:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA 1) ASSESSORIA E CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO O mapeamento do campo de atuação em assessoria e consultoria em comunicação, baseado na

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

Sugestão de Atividades Escolares Que Priorizam a Diversidade Sociocultural 1

Sugestão de Atividades Escolares Que Priorizam a Diversidade Sociocultural 1 Sobre gênero e preconceitos: Estudos em análise crítica do discurso. ST 2 Ana Queli Tormes Machado UFSM Palavras-chave: gênero discursivo/textual, diversidade sociocultural, ensino de Língua Portuguesa

Leia mais

SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012.

SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012. Resenhas 112 SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012. Fernanda Cristina Ferreira* nandacferreira@hotmail.coml * Aluna

Leia mais

III. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

III. OBJETIVOS ESPECÍFICOS CURSO: Licenciatura em Matemática MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: Leitura e Produção de Textos CÓDIGO: PROFESSOR: Hugo dos Santos Konkel CARGA HORÁRIA MANAL/MESTRAL: 0 ou - 80h/a ou 60h/r MESTRE/ANO:

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Lauro Rafael Lima² Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. Resumo O trabalho apresenta uma análise

Leia mais

O conceito de competência comunicativa revisitado

O conceito de competência comunicativa revisitado O conceito de competência comunicativa revisitado O construto da Competência Comunicativa (doravante CC) foi utilizado pela primeira vez por Dell Hymes, em uma palestra para pais de crianças especiais.

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

BOXE INFORMATIVO NO LIVRO DIDÁTICO: UM SUPORTE PARA OS DIVERSOS FINS

BOXE INFORMATIVO NO LIVRO DIDÁTICO: UM SUPORTE PARA OS DIVERSOS FINS BOXE INFORMATIVO NO LIVRO DIDÁTICO: UM SUPORTE PARA OS DIVERSOS FINS Erica Poliana Nunes de Souza Cunha (UFRN) 1 ericapolianan.s.c@hotmail.com Orientadora: Profa. Dra. Maria da Penha Casado Alves (UFRN)

Leia mais

O GÊNERO VIDEO TOUR COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E DE VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL

O GÊNERO VIDEO TOUR COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E DE VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL O GÊNERO VIDEO TOUR COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E DE VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL Jaqueline de Andrade Borges (Colégio Estadual Prof. Dulce Mashio/Paraná) Terezinha Marcondes Diniz

Leia mais

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. 1º TEXTO: PRODUZIDO PARA LEITOR- PROFESSOR COM O OBJETIVO DE ESCLARECER O SIGNIFICADO DE LETRAMENTO. Letramento

Leia mais

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Maria Inês Batista Campos maricamp@usp.br 24/09/2013 Universidade Estadual de Santa Cruz/UESC Ilhéus-Bahia Objetivos Compreender o livro didático

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino/aprendizagem. Pragmática. Extensão. Gênero Textual.

PALAVRAS-CHAVE Ensino/aprendizagem. Pragmática. Extensão. Gênero Textual. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ABREU, A. S. A Arte de Argumentar: gerenciando razão e emoção. Cotia: Ateliê Editorial, 2009. AMARANTE, R. C. Heróis de Papel: a imagem do jornalista em notícias de guerra

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

Oficina de Leitura e Produção de Textos

Oficina de Leitura e Produção de Textos Oficina de Leitura e Produção de Textos Aula I Apoio Pedagógico ao Núcleo Comum: Programa de Monitorias Professora Sabriny Santos aluna do programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade

Leia mais

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 1 INTRODUÇÃO 1.3. Os fundamentos pedagógicos da BNCC Compromisso com a formação e o desenvolvimento humano global (dimensões

Leia mais

A Gramática Visual e o livro didático

A Gramática Visual e o livro didático A Gramática Visual e o livro didático Cristina Helena Evelyn Tinoco Teixeira PUC-Rio 10.17771/PUCRio.PDPe.9741 Este trabalho examina o uso de imagens em um livro didático de ensino de inglês como língua

Leia mais

Um olhar reflexivo sobre os gêneros digitais.

Um olhar reflexivo sobre os gêneros digitais. Um olhar reflexivo sobre os gêneros digitais. Assessoria de Informática Marileusa Guimarães Educativa... mgsouza@positivo.com.br Ottilia M. da Silva... ottilias@positivo.com.br Rodrigo Fornalski Pedro...

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Esta linha de pesquisa objetiva o exame dos processos de construção do conhecimento docente do professor de línguas, com ênfase no papel da linguagem

Leia mais

LEITURA MULTIMODAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA

LEITURA MULTIMODAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA LEITURA MULTIMODAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA Clara Regina Rodrigues de SOUZA (UFCG/ POSLE/UEPB) clararegina.r.s@gmail.com Daniel Gouveia da Silva Graciano e LUZ (UFCG) dandan.craig.bonne@gmail.com Mariana

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

Linguagem Cinematográfica. Myrella França

Linguagem Cinematográfica. Myrella França Linguagem Cinematográfica Myrella França I. Termos Básicos TOMADA - Filmagem contínua de cada segmento específico da ação do filme. "TAKE" - Tomada; começa no momento em que se liga a câmara até que é

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL

SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL SUBSÍDIOS DE LÍNGUA MATERNA NA PRODUÇÃO ESCRITA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL Silvana Maria Mamani 1 1 Universidade Federal de Minas Gerais/ Faculdade de Letras/ Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos/

Leia mais

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores.

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. ATIVIDADES PERMANENTES COM GÊNEROS TEXTUAIS Aula 8 META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o

Leia mais

Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin

Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin Infográfico como linguagem na divulgação científica estudo na perspectiva da análise dialógica do discurso (ADD) de Bakhtin Elisangela S. M. Marques 1 Marcia Reami Pechula 2 O presente texto propõe uma

Leia mais

Da fala para a escrita: atividades de retextualização

Da fala para a escrita: atividades de retextualização Da fala para a escrita: atividades de retextualização Luiz Antônio Marcuschi, professor titular da Universidade Federal do Pernambuco, pós-doutor pela Universitat Freiburg na Alemanha e Doutor em Letras

Leia mais

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as 1 Introdução No nosso dia-a-dia, estamos a todo momento emitindo opiniões, defendendo ideias. Opinamos em casa, no trabalho, na escola, na rua, em todos os lugares. Opinar, argumentar, persuadir o outro

Leia mais

Descobrindo a intertextualidade a partir de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Descobrindo a intertextualidade a partir de Harry Potter e a Pedra Filosofal Descobrindo a intertextualidade a partir de Harry Potter e a Pedra Filosofal Juliane de Souza Nunes de Moura A presente proposta foi elaborada para o 6o ano do Ensino Fundamental e pressupõe um trabalho

Leia mais

Usos e funções: código oral e código escrito

Usos e funções: código oral e código escrito 3ª Objeto de estudo A linguagem como espaço de interação. A linguagem como espaço de interação. A linguagem e a formação para a cidadania A linguagem e a formação para a cidadania Língua Portuguesa 1º

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre O que é gênero? São as características peculiares a cada tipo de texto ou fala, ou seja, a maneira como

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso Cinqüentenário de um discurso cultural fundador WILLIAMS, R. Culture and society 1780-1950. [Londres, Longman, 1958]. Cultura e sociedade. São Paulo, Cia. Editora Nacional, 1969. Agenealogia dos Estudos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

TECNOLOGIA NA SALA DE AULA: VIVÊNCIAS E EXPERIÊNCIAS COM A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS/ EJA

TECNOLOGIA NA SALA DE AULA: VIVÊNCIAS E EXPERIÊNCIAS COM A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS/ EJA TECNOLOGIA NA SALA DE AULA: VIVÊNCIAS E EXPERIÊNCIAS COM A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS/ EJA Rosa Maria Lima Guimarães rosamaria-guimaraes@hotmail.com https://wwws.cnpq.br/cvlattesweb/pkg_menu.menu?f_cod=5773d282d213241ca55eb354e5466fff#

Leia mais

A MAGIA DAS LETRAS E.E. PROFº TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Sala 01 / Sessão 1

A MAGIA DAS LETRAS E.E. PROFº TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Sala 01 / Sessão 1 A MAGIA DAS LETRAS E.E. PROFº TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Sala 01 / Sessão 1 Professor(es) Apresentador(es): Marcos Vinicius de Andrade Steidle Márika Utiike Realização: Foco O DESAFIO DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR:

Leia mais

GEPLIS GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM LINGUAGEM E IDENTIDADES SOCIAIS

GEPLIS GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM LINGUAGEM E IDENTIDADES SOCIAIS 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. Maria Lúcia Santaella Braga (Catanduva, 13 de agosto de 1944). Pesquisadora brasileira e professora titular

Leia mais

A REPORTAGEM E SUAS DIMENSÕES ENSINÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA DO ALUNO

A REPORTAGEM E SUAS DIMENSÕES ENSINÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA DO ALUNO A REPORTAGEM E SUAS DIMENSÕES ENSINÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA DO ALUNO Cássio Henrique CENIZ (G Unespar/Fecilcam) cassioceniz@gmail.com Samara Batistas dos REIS (G- Unespar/Fecilcam) samy_batista@hotmail.com

Leia mais

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais.

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais. ANEXO I I. EIXOS COGNITIVOS a) Dominar linguagens: dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa. b) Compreender

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

Filme: Enquanto a tristeza não vem

Filme: Enquanto a tristeza não vem Filme: Enquanto a tristeza não vem Gênero: Documentário Diretor: Marco Fialho Elenco: Sérgio Ricardo Ano: 2003 Duração: 20 min Cor: Colorido Bitola: vídeo País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=2677

Leia mais

1 Representação Gráfica Aula 15/Prof. Luciano

1 Representação Gráfica Aula 15/Prof. Luciano 1 Representação Gráfica Aula 15/Prof. Luciano ELEMENTOS SEMÂNTICOS REQUADROS E SARJETAS Representam o aspecto estrutural básico da HQ, caracterizando não apenas as formas de diagramação, como também a

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA - PGD

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA - PGD UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN CAMPUS AVANÇADO PROFª. MARIA ELISA DE A. MAIA - CAMEAM DEPARTAMENTO DE LETRAS DL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS PPGL Curso de Mestrado Acadêmico

Leia mais

METODOLOGIA DA ALF L A F BE B TI T ZA Z ÇÃ Ç O

METODOLOGIA DA ALF L A F BE B TI T ZA Z ÇÃ Ç O METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO Prof. Tiago S. de Oliveira Faculdade Polis das Artes psicoptiago@gmail.com www.faculdadepolis.com.br www.professortiago.jimdo.com www.greatlive.jimdo.com Como você foi alfabetizado?

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

Título: Campanha para a Semana da Comunicação Unisal 1

Título: Campanha para a Semana da Comunicação Unisal 1 Título: Campanha para a Semana da Comunicação Unisal 1 André Vitor de Macedo 2 Arlei Servidone Lovitchinovisky 3 Gleick Renan da Silva 4 Leonardo Ferrari Lopes da Silva 5 Paulo Sérgio Tomaziello 6 Centro

Leia mais

A TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA DO GÊNERO BILHETE: UM CAMINHO DE APRENDIZAGEM PARA O ALUNO SURDO

A TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA DO GÊNERO BILHETE: UM CAMINHO DE APRENDIZAGEM PARA O ALUNO SURDO A TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA DO GÊNERO BILHETE: UM CAMINHO DE APRENDIZAGEM PARA O ALUNO SURDO RESUMO Sonia Maria Deliberal Professora da rede estadual Mestranda de língua portuguesa PUC SP e-mail: Kamilio.deliberal@terra.com.br

Leia mais

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE NOÇÃO DE TEXTO Texto ou discurso é uma ocorrência linguística falada ou escrita, de qualquer extensão. Para ser considerada um texto, uma ocorrência linguística precisa ser percebida

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

Novas velhas histórias: releitura e recriação de contos na escola

Novas velhas histórias: releitura e recriação de contos na escola Novas velhas histórias: releitura e recriação de contos na escola TEIXEIRA, Juçara Moreira Centro Pedagógico EBAP/UFMG Resumo: Este trabalho consiste na apresentação de livros de contos produzidos por

Leia mais

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Ariel Novodvorski UFU Mestre em Estudos Linguísticos, Linguística Aplicada UFMG Fone: (34)3087-6776 E-mail: ariel_novodvorski@yahoo.com.br Data de recepção:

Leia mais

senhor texugo e dona raposa a confusão

senhor texugo e dona raposa a confusão projeto pedagógico senhor texugo e dona raposa a confusão Uma História em Quadrinhos Senhor Texugo e Dona Raposa 2. A CONFUSÃO Série Premiada Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar

Leia mais

Letramentos sociais: abordagens. críticas do letramento no. desenvolvimento, na etnografia e na. educação. BARROS, Raquel de Maria Queiroz.

Letramentos sociais: abordagens. críticas do letramento no. desenvolvimento, na etnografia e na. educação. BARROS, Raquel de Maria Queiroz. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação BARROS, Raquel de Maria Queiroz. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento,

Leia mais

Palavras-chave: evento comunicativo; multimodalidade; pôster acadêmico.

Palavras-chave: evento comunicativo; multimodalidade; pôster acadêmico. PÔSTER ACADÊMICO: UM EVENTO MULTIMODAL Andréa Moraes * Universidade Federal de Pernambuco Resumo As seções de pôster estão presentes no contexto acadêmico como uma forma recorrente de apresentação de trabalhos

Leia mais

Objetivos - Conceituar as terminologias gênero textual, tipologia textual e suporte textual;

Objetivos - Conceituar as terminologias gênero textual, tipologia textual e suporte textual; XXII Semana de Pedagogia X Encontro de Pesquisa em Educação 05 a 08 de Julho de 2016 OS GÊNEROS TEXTUAIS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA POSSIBILIDADE PARA O LETRAMENTO Elsa Midori Shimazaki (DTP/UEM) Viviane

Leia mais

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. 1º texto: produzido para leitorprofessor com o objetivo de esclarecer o significado de letramento. Letramento

Leia mais

Guia de carreiras Newton Publicidade e Propaganda 11

Guia de carreiras Newton Publicidade e Propaganda 11 Guia de carreiras Newton Publicidade e Propaganda 11 Introdução O curso de Publicidade e Propaganda é voltado para o conhecimento de como a comunicação pode ser trabalhada para que alguém seja convencido,

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

Criar e desenvolver projetos grafico- visuais, utilizando tecnicas de desenho manual ou eletronico.

Criar e desenvolver projetos grafico- visuais, utilizando tecnicas de desenho manual ou eletronico. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001639 - ARTES VISUAIS-BACHARELADO EM DESIGN GRAFICO Nivel: Superior Area Profissional: 0009 - DESIGN Area de Atuacao: 0240 - ARTE PROJ.DESENHO/DESIGN

Leia mais

OS GÊNEROS DIGITAIS NAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO ESCOLAR

OS GÊNEROS DIGITAIS NAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO ESCOLAR OS GÊNEROS DIGITAIS NAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO ESCOLAR Roviane Oliveira Santana (1) Universidade do Estado da Bahia - PPGESA, roviane.oliveira@gmail.com RESUMO: O uso cada vez mais intenso de tecnologias

Leia mais

GRADES E COLUNAS PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO VISUAL PROFESSOR JORGE FELZ. segunda-feira, 17 de junho de 13

GRADES E COLUNAS PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO VISUAL PROFESSOR JORGE FELZ. segunda-feira, 17 de junho de 13 GRADES E COLUNAS PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO VISUAL PROFESSOR JORGE FELZ A essência do design multipágina (impressos) ou multiimpressão (web) é a repetição rítmica de um padrão básico que dê à publicação sua

Leia mais

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009 Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p. 187-191, jan./abr. 2009 RESENHA DE INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM: DISCURSO E TEXTUALIDADE [ORLANDI, E.P.; LAGAZZI- RODRIGUES, S. (ORGS.) CAMPINAS, SP:

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 1 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Souzana Mizan Universidade de São Paulo

Souzana Mizan Universidade de São Paulo A IDENTIDADE INDIGENA NO JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO: : A CONSTRUÇÃO VISUAL E VERBAL DE SENTIDOS Souzana Mizan Universidade de São Paulo souzana@usp.br A Mídia tem poder na vida das pessoas pode fortalecer

Leia mais