Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça"

Transcrição

1 Acórdãos STJ Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Processo: 200/06.0JAAVR.C1.S1 Nº Convencional: 3ª SECÇÃO Relator: SANTOS CABRAL Descritores: ADMISSIBILIDADE DE RECURSO DECISÃO QUE NÃO PÕE TERMO À CAUSA QUESTÃO INTERLOCUTÓRIA DUPLA CONFORME DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO DOCUMENTAÇÃO DA PROVA NULIDADE INAUDIBILIDADE DA PROVA COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MATÉRIA DE DIREITO VÍCIOS DO ART. 410º Nº 2 DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL CONHECIMENTO OFICIOSO FUNDAMENTAÇÃO HOMICÍDIO PRIVILEGIADO COMPAIXÃO DIMINUIÇÃO SENSÍVEL DA CULPA COMPREENSÍVEL EMOÇÃO VIOLENTA DESESPERO CO-ARGUIDO GRAVIDEZ MORTE FETO ATENUAÇÃO ESPECIAL DA PENA ILICITUDE CULPA IMAGEM GLOBAL DO FACTO DIREITO À VIDA MEDIDA CONCRETA DA PENA PREVENÇÃO GERAL PREVENÇÃO ESPECIAL PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE BEM JURÍDICO PROTEGIDO DOLO DIRECTO Nº do Documento: SJ Data do Acordão: Votação: UNANIMIDADE Texto Integral: S Privacidade: 1 Meio Processual: RECURSO PENAL Decisão: NEGADO PROVOIMENTO Sumário : I - Havendo uma decisão que não pôs termo à causa está abrangida pela regra da irrecorribilidade imposta pela al. c) do n.º 1 do art. 400., por referência da al. b) do art. 432., ambos do CPP. É evidente que o acórdão recorrido contém outras decisões que puseram termo à causa e susceptíveis de recurso para o STJ. Todavia, tratando-se, sem dúvida, de uma questão interlocutória, a circunstância de não ter sido objecto de recurso autónomo não lhe confere recorribilidade fundamentada na circunstância de as restantes poderem ser objecto de recurso para o STJ. Como se considerou, por exemplo, no Ac. de , Proc. n.º 1752/05-5.ª, embora a questão interlocutória acompanhe a decisão final, pode e deve ser dela cindida, sendo que sobre ela até já se formou dupla conforme. II - Este entendimento, respeitando a garantia constitucional do duplo grau de jurisdição, está em perfeita consonância com o regime dos recursos traçados pela Reforma de 98 para o STJ que obstou, de forma clara, ao segundo grau de recurso, terceiro grau de jurisdição, relativo a questões processuais ou que não tenham posto termo à causa. A excepção é a prevista na al. c) do art do CPP, à qual não é subsumível a hipótese em apreço. III - Por igual forma, a reforma introduzida pela Lei 48/87 consagra no art. 432.º, n.º 1, al. d), a 1/38

2 regra de que as decisões interlocutórias que devem ser apreciadas pelo STJ são unicamente as que devam subir com as als. b) e c). IV - Nos termos do art. 363.º do CPP, as declarações prestadas oralmente na audiência são sempre documentadas na acta sob pena de nulidade art. 363.º do CPP. No caso vertente, as declarações prestadas encontram-se devidamente documentadas e a patologia situa-se a um outro nível, resultando da circunstância de não poderem ser percebidos, ou entendíveis, os registos relativos às perguntas formuladas pelo mandatário da recorrente. O que se passa não é uma deficiência, ou irregularidade de funcionamento do equipamento utilizado, com consequência a nível do produto final a documentação mas algo que lhe é exógeno, ou seja, as próprias características do som emitido e que deve ser documentado. V - A questão não é a existência de qualquer vicio na documentação da prova mas sim, e a montante, o facto de não terem sido criadas as condições para a melhor gravação de um segmento especifico prova, devido às características próprias de voz de quem declarava, do emitente, e isto por circunstâncias alheias ao acto material em que a mesma se consubstancia. A deficiente audição da prova que se encontra gravada só poderá constituir um vicio processual desde que a mesma seja substancial ao mesmo acto, e não a seu montante ou jusante, e, ainda, que se concretize na impossibilidade técnica do seu reaproveitamento pelos meios técnicos existentes. Aliás, a partir do momento, em que as declarações estejam documentadas a sua percepção é tão-somente uma questão de tecnologia empregue, nomeadamente da maior ou menor sofisticação que a mesma encerra. VI - O recurso para o STJ visa exclusivamente o reexame das questões de direito, sem prejuízo do conhecimento oficioso dos vícios referidos no art. 410.º, n.º 2, do CPP. Assim, precisando conceitos sedimentados em relação ao invocado vício da sentença importa precisar que o CPP 87 trata os vícios previstos no art. 410.º, n.º 2, do CPP como vícios da decisão, e não de julgamento. Nesta disposição estamos em face de vícios da decisão recorrida, umbilicalmente ligado aos requisitos da sentença previstos no art. 374.º, n.º 2, do CPP, concretamente à exigência de fundamentação que consta da enumeração dos factos provados e não provados, bem como uma exposição tanto quanto possível completa, ainda que concisa, dos motivos de facto e de direito que fundamentam a decisão, com indicação das provas que serviram para fundamentar a convicção do Tribunal. VII - Consubstancia-se, assim, o mesmo recurso num recurso de revista ampliada configurando a possibilidade que é dada ao tribunal de recurso de conhecer a insuficiência para a decisão da matéria de facto provada quando a decisão de direito não encontre na matéria de facto provada uma base tal que suporte um raciocínio lógico subsuntivo; de verificar uma contradição insanável da fundamentação sempre que através de um raciocínio lógico conclua que da fundamentação resulta precisamente a decisão contrária ou que a decisão não fica suficientemente esclarecida dada a contradição entre os fundamentos aduzidos; de concluir por um erro notório na apreciação da prova sempre que para a generalidade das pessoas seja evidente uma conclusão contrária à exposta pelo tribunal. VIII - Questão distinta, a abordar em sede própria, é a da discordância da recorrente em relação à valoração da prova. Porém, o juízo sobre tal valoração exorbita o âmbito do presente recurso. IX - A recorrente invoca a compaixão como fundamentador de um privilegiamento resultante da aplicação do tipo legal de crime previsto no art. 133.º do CP. Numa primeira abordagem sobre a matéria do referido normativo importa desde logo traçar a fronteira entre os diversos fundamentos do homicídio privilegiado. É certo que todos os elementos elencados no referido normativo estão sujeitos a um critério fundamental de afirmação de uma diminuição sensível da culpa o que, sob a aparência de uma linear limpidez, tem dado origem a divergência em termos doutrinais. X - Em nosso entender a actual redacção do art. 133.º retira qualquer margem de dúvida na afirmação de que estamos perante uma diminuição do grau de culpa e, consequentemente, do nível de exigibilidade. Como refere o Professor Figueiredo Dias, o referido art consagra hipóteses de homicídio privilegiado em função, em último termo, de uma cláusula de exigibilidade diminuída legalmente concretizada. A emoção violenta compreensível, a compaixão, o desespero ou um motivo de relevante valor social ou moral privilegiam o homicídio como se tomou definitivamente claro na redacção de 95: "que diminuam" e não, como anteriormente, "que diminua" quando e apenas quando "diminuam sensivelmente" a culpa do agente. Esta diminuição não pode ficar a dever-se nem a uma imputabilidade diminuída, nem a uma diminuída consciência do ilícito, mas unicamente a uma exigibilidade diminuída de comportamento diferente. XI - Do que se trata, em último termo, é, ainda na opinião de Figueiredo Dias, que 2/38

3 subscrevemos, da verificação no agente de um hoje dogmaticamente chamado, em geral, estado de afecto. Estado que pode, naturalmente, ligar-se a uma diminuição da imputabilidade ou da consciência do ilícito, mas que, independentemente de uma tal ligação, opera sobre a culpa ao nível da exigibilidade. XII - Não há, por isso, na opinião do mesmo Mestre, que se subscreve, razão bastante para distinguir no preceito dois grupos de hipóteses um que englobaria a compreensível emoção violenta, a compaixão e o desespero, outro que abarcaria os motivos de relevante valor social ou moral. Porventura para considerar que este último grupo, diversamente do primeiro, ganharia ainda um qualquer relevo ao nível do tipo de ilícito. Ou, de um outro ponto de vista, para considerar que seriam diferentes, num caso e noutro, os fundamentos do privilegiamento: no primeiro a diminuição da capacidade psicológica do agente, no segundo o princípio da exigibilidade. XIII - Na verdade, também a compreensível emoção violenta, a compaixão e o desespero privilegiam, não quando afectam o poder de resistência do agente à pulsão interior (o indiferenciado "poder de agir de outra maneira"), mas apenas quando diminuem de forma sensível a exigibilidade de outro comportamento e são por conseguinte, tal como o motivo de relevante valor social ou moral, elementos exclusivamente atinentes à culpa (ou, se se quiser, ao tipo de culpa) do agente. XIV - Tal qual como sucede com a ideia da exigibilidade como componente da culpa jurídico-penal, o efeito diminuidor da culpa ficar-se-á a dever ao reconhecimento de que, naquela situação (endógena e exógena), também o agente normalmente "fiel ao direito" ("conformado com a ordem jurídico-penal ") teria sido sensível ao conflito espiritual que lhe foi criado e por ele afectado na sua decisão, no sentido de lhe ter sido estorvado o normal cumprimento das suas intenções. XV - Assumido que, em qualquer um dos fundamentos do referido artigo, a diminuição do grau de culpa é o critério essencial importa agora precisar que os estados, ou motivos, assinalados pela lei não funcionam por si e em si mesmos (no sentido de automaticamente), mas só quando conexionados com uma concreta situação de exigibilidade diminuída por eles determinada; neste sentido é expressa a lei ao exigir que o agente actue "dominado" por aqueles estados ou motivos. Estamos em crer que em função da actual redacção do normativo é liminar a conclusão de que o fundamento do tratamento privilegiado resulta da circunstância de o agente matar em função de um estado de coisas que permite concluir que a sua capacidade de determinação de acordo com a lei está sensivelmente afectada, uma vez que a sua vontade está condicionada por qualquer um daqueles estados. XVI - A partir desta convergência de denominador comum irradiam, num segundo momento, as diferenças sobre a forma como se projectam os diversos pressupostos do privilegiamento o que, aliás, é evidente na equação do requisito da compreensibilidade. Na verdade, este requisito representa uma exigência adicional relativamente ao puro critério de menor exigibilidade subjacente a todo o preceito. Sem deverem ser omitidas as dificuldades desta concepção deve considerar-se que a compreensibilidade assume ainda um qualquer cunho objectivo de "participação" do julgador nas conexões objectivas de sentido que moveram o agente. Fica deste modo ainda espaço autónomo de funcionamento do critério de menor exigibilidade ("sensível diminuição da culpa"). Que se exija da emoção violenta que seja compreensível, mas já não se exija o mesmo da compaixão ou do desespero, é coisa que se aceita quando se considere que aquela exigência adicional vale para estados de afecto esténicos, mas já não para estados de afecto asténicos. XVII - A compaixão está prevista como forma de privilegiamento por ser reveladora de um certo altruísmo do agente em relação à vítima, o que torna o seu facto menos censurável. Este sentimento traduz uma atitude de piedade para com a vítima o agente actua como que por um acto de misericórdia, mostrando-se solidário com a situação da vítima. Esta ideia pressupõe que o agente interiorize o sofrimento daquela, e se deixe motivar com pena dela, ao matar está a fazê-lo num intuito de aliviar a vítima da pressão do sofrimento em que esta se encontre. Está subjacente a esta causa de privilegiamento o interiorizar da situação de outra pessoa, a actuação envolve um certo aliviar de sofrimento em que a vítima se encontra, mas também para o agente, pelo que representa para si aquele sofrimento. Ele deixa-se influenciar por esse facto, e é levado a matar como forma de aliviar toda a situação. Ao contrário da primeira circunstância, a compaixão não surge como uma emoção, não advém de um estado de perturbação, mas como uma razão. Todo este contexto pressupõe uma certa proximidade e mesmo intimidade entre o agente e a vítima. XVIII - Para que se possa aceitar a menor exigibilidade causada pela compaixão, o comportamento em que o agente se encontra tem de ser dominado por essa atitude de 3/38

4 compaixão, e tem de afectar o seu estado normal de compreensão de forma a motivar a diminuição da culpa. Não estamos em presença de um simples acto de dó para com a vítima, é necessário, para que possamos falar de menor exigibilidade, que a situação seja para o agente suficientemente forte para se tornar para ele intolerável, por sofrer ele próprio com a situação do outro. O sentimento de compaixão é sempre manifestado para com a própria vítima, e pretende constituir solução para fazer cessar o estado de sofrimento em que aquela se encontra. Não basta, portanto, um simples acto de pena, é necessário que o seu sentimento tenha força suficiente para tornar o facto menos exigível. Em última análise falamos da profunda pena; do imenso desgosto com a dor do outro, o qual é por tal forma intenso que impele a vontade no sentido de que a morte da vítima é o único caminho para terminar com o seu sofrimento. XIX - No caso vertente não se provou que a actuação da arguida fosse pautada por qualquer um dos motivos invocados. À indeterminação da génese da sua vontade não pode equivaler uma especulação infundamentada, e sem consistência, sublinhando uma diminuição de culpa que não se demonstra. Na verdade, no ponto fundamental dos factos provados, considerou-se que em circunstâncias não apuradas, as arguidas acordaram entre si pôr fim a uma gravidez, o que a arguida A já pretendia desde que tomara conhecimento da concepção, mas que não concretizara por falta de meios económicos. Assim, após prévio e comum acordo, as arguidas decidiram esperar pelo final de um dia de trabalho da arguida A, em que ela ali ficasse sozinha para, no estabelecimento, provocarem o parto e matarem o feto. Aonde, perguntamos nós, se vislumbra o estado de alma afectivo da recorrente em relação à situação da co-arguida? Manifestamente que inexiste qualquer fundamento que permita integrar a conduta da recorrente no privilegiamento do normativo citado. XX - O facto de se afastar a integração nos elementos constitutivos do crime de homicídio privilegiado não afasta a consideração sobre uma eventual aplicação do regime de atenuação especial. Como refere Figueiredo Dias a questão é ainda saber se, sempre que o juiz considere verificados os pressupostos de que depende o privilegiamento, deve necessariamente renunciar a uma atenuação especial da pena. O princípio geral de proibição de dupla valoração de que o disposto no proémio do art. 71, n.º 2, constitui apenas uma manifestação, proíbe que o mesmo substrato considerado para integração do art seja de novo valorado para efeito de atenuação especial da pena. Mas é evidente que, para além dos elementos descritos no art. 133., podem no caso convergir outros e diferentes elementos relevantes para efeito dos arts. 71. e 72. (v.g., o do art. 72.º, n.º 2). Nada impede nestes casos que, determinada a medida da pena face ao art. 133., aquela seja depois especialmente atenuada face às regras especiais de determinação da pena contidas nos arts. 72. e 73.. XXI - Acrescentaremos nós que, por igual forma, o facto de inexistirem factos configuradores do privilegiamento não impede que os factos provados apontem no sentido da atenuação especial. Importa, porém, acentuar que o instituto em causa tem por fundamento o facto de que o legislador, ao dispor sobre a moldura penal para certo tipo de crime, ter de prever as mais diversas formas e graus de realização do facto, desde os de menor até casos de maior gravidade. Porém, para ter em conta situações pessoais do agente em que a prevenção geral não imponha, e a prevenção especial não exija, uma pena a encontrar nos limites da moldura penal do tipo e em que se verifique um afastamento crítico entre o modelo formal de integração de uma conduta em determinado tipo legal e as circunstâncias específicas que façam situar a ilicitude ou a culpa aquém desse modelo, a lei dispõe de um instituto que funciona como instrumento de segurança do sistema: a atenuação especial da pena com os pressupostos do art. 72.º do CP. XXII - Pressuposto material da atenuação da pena, autónomo ou integrado pela intervenção valorativa das situações exemplificativamente enunciadas, é a acentuada diminuição da culpa ou das exigências de prevenção. Mas, acentuada diminuição significa casos extraordinários ou excepcionais, em que a imagem global do facto se apresenta com uma gravidade tão específica ou diminuída em relação aos casos para os quais está prevista a fórmula de punição, que possa razoavelmente supor-se que o legislador não pensou em tais hipóteses quando estatuiu os limites normais da moldura do tipo respectivo. XXIII - A atenuação especial da pena só pode, pois, ser decretada (mas se puder deve sêlo) quando a imagem global do facto revele que a dimensão da moldura da pena prevista para o tipo de crime não poderá realizar adequadamente a justiça do caso concreto, quer pela menor dimensão e expressão da ilicitude ou pela diminuição da culpa, com a consequente atenuação da necessidade da pena vista a necessidade no contexto e na realização dos fins das penas. No caso vertente não vislumbramos onde se possa alcançar 4/38

5 uma conclusão sobre aquela diminuição. Na verdade, não existem factos que a suportem. XXIV - Não se ignora uma profunda transformação de valores que informaram a sociedade nos últimos anos, na qual a defesa de direitos absolutos, como é o direito à vida, começou a fazer-se em fronteiras cada vez mais recuadas, admitindo-se mesmo, em certas circunstâncias, um balanceamento de direitos que é inadmissível para quem considere o respeito pela vida humana como valor absoluto e inquestionável. Porém, o pairar desta nova ambiência, portadora de uma ideia de relatividade de valores que, em alguns casos, não é mais que a anomia, não pode ignorar o facto de que, no caso vertente, nasceu um ser humano. XXV - Se o mesmo sobreviveu um segundo, ou horas, é perfeitamente indiferente para a afirmação da existência de um bem intocável a vida sobre o qual nenhuma das arguidas podia ter outra a atitude que não ajudar a viver. Não foi essa a opção e se, no caso da recorrente, é uma atitude sem sentido de violação do Direito, no caso da co-arguida acresce, ainda, a sua posição de mãe. Não existe motivo para qualquer atenuação especial da pena. XXVI - Relativamente à agora convocada dissensão em matéria de medida de pena importa precisar em primeiro lugar que a fixação da pena dento dos limites do marco punitivo é uma acto de discricionariedade judicial. Sem embargo, esta discricionariedade não é livre, mas sim vinculada aos princípios individualizadores que, em parte, não estão escritos, mas que radicam na própria finalidade da pena. XXVII - Nunca é demais acentuar o papel da culpa como critério fundamentador da medida da pena, ao invés da preponderância que alguns, outorgam à prevenção geral, colocando-a acima da retribuição da culpa pelo delito quando é esta, na realidade, que justifica a intervenção penal. Na verdade, as normas deveriam ser reafirmadas na sua própria existência como um fim em si mesmas enquanto o agente, pelo contrário, tem direito a esperar, e espera, sobretudo uma resposta ao facto injusto e culposo que cometeu. Realçando-se a prevenção como critério fundamental desvanece-se, com prejuízo da justiça individual, a orientação que o Direito penal faz da responsabilidade do agente pela sua acção. XXVIII - Sem embargo, a culpa e a prevenção residem em planos distintos. A culpa responde à pergunta de saber de se, e em que medida, o facto deve ser reprovado pessoalmente ao agente, assim como qual é a pena que merece. Só então se coloca a questão, totalmente distinta da prevenção. Aqui há que decidir qual a sanção que parece apropriada para introduzir de novo o agente na comunidade e para influir nesta num sentido social-pedagógico. A culpa é a razão de ser da pena e, também, o fundamento para estabelecer a sua dimensão. A prevenção é unicamente a finalidade da mesma. XIX - Torna-se fundamental a necessidade de ponderação entre a gravidade da culpa expressa no facto e a gravidade da pena. Ao cometer um crime, o agente incorre na sanção do Estado, no exercício do seu direito de punir e esta sanção poderá importar uma limitação de sua liberdade. Uma das principais ideias presentes no princípio da proporcionalidade é justamente, invadir o menos possível a esfera de liberdade do indivíduo, isto é, invadir na medida do estritamente necessário à finalidade da pena que se aplica porquanto se trata de um direito fundamental que será atingido. XXX - É certo que a determinação da concreta medida definitiva da pena tem sempre presente pontos de vista preventivos. Dado que o parâmetro da culpa representa um estádio na determinação da medida definitiva da pena, a sua dimensão final fixa-se, também, de acordo com critérios preventivos dentro dos limites impostos pela culpa. Também neste contexto a proibição de excesso tem uma importância determinante. Segundo o mesmo, importa eleger a forma de intervenção menos gravosa que ofereça perspectivas de êxito e, assim, é possível que a dimensão concreta da pena varie dentro dos limites da culpa segundo a forma como se apresenta a concreta imagem de prevenção do autor. XXXI - Na verdade, as penas têm de ser proporcionadas à transcendência social mais que ao dano social que assume a violação do bem jurídico cuja tutela interessa prever. O critério principal para valorar a proporção da intervenção penal é o da importância do bem jurídico protegido porquanto a sua garantia é o principal fundamento da referida intervenção. A necessidade de proporcionalidade constitui também uma exigência do Estado democrático: um direito penal democrático deve ajustar a gravidade das penas à transcendência que para a sociedade têm os factos a que se ligam. Exigir uma proporção entre delitos e penas não é, com efeito, mais que pedir que a dureza da pena não exceda a gravidade que para a sociedade possui o facto punido. XXXII - Em termos redutores dir-se-á que a proporcionalidade entre a medida da pena e o 5/38

6 Decisão Texto Integral: crime que implica uma retribuição pelo mal praticado pelo arguido é uma exigência da comunidade que só assim pode, e deve, aceitar a justiça encontrada no caso concreto. XXXIII - Voltando ao caso dos autos, e ponderando esta lógica, a pena aplicada à co arguida B não é exemplo e muito menos o será quando pensamos numa culpa intensa desenhada pela sua condição de mãe. Aliás, em termos de prevenção geral, a sobrevalorização de razões menores com factor de menorização da culpa é um poderoso incentivo para que obstáculos menores sejam vistos quase como justificantes da conduta e exclusão da culpa do crime de homicídio. XXXIV - Considerando a culpa como sendo critério fundamental na determinação da medida da pena, e no que concerne aos factores de medida da pena no caso concreto, estão os mesmos devidamente inscritos na pena aplicada. Estas equacionam devidamente a determinação do fim das penas no caso vertente e na sua tríplice dimensão de justa retribuição da culpa, de contribuição para a reinserção social do arguido em sede de prevenção especial, e neutralização dos efeitos negativos da prática do crime em sede de prevenção. Para todos os efeitos a arguida cometeu o crime mais grave do ordenamento jurídico e ofendeu o mais precioso dos bens: a própria vida. O desmerecimento e a relatividade de valores que atravessam a sociedade não atingiram ainda a consideração que a vida do ser humano merece por parte da sociedade (pelo menos após o nascimento). XXXV - Tal ofensa processou-se em relação ao mais desprotegido dos seres o recémnascido, incapaz de qualquer gesto de defesa e lutando pela sobrevivência. E se em relação à mãe se poderá colocar, em abstracto, a questão da patologia da formação da personalidade que leva a valorizar a sua consideração social e familiar perante o instinto materno, o certo é que em relação à recorrente tal questão não se coloca. À mesma nem sequer se exige que colocasse o seu conhecimento de vida ao serviço de uma tentativa de desviar a co-arguida do seu impulso homicida, mas tão só que não actuasse em conjunção de esforços, matando um ser em relação ao qual nenhuma relação existia. XXXVI - Ao actuar por tal forma as duas arguidas trataram um ser humano, pois que é disso que falamos, como um objecto sem valor e descartável. Quer na forma de execução do crime quer no comportamento exterior negando a prática do crime não vislumbramos qualquer razão para uma compressão ou atenuação da pena aplicada. XXXVII - Em sede de tipo de culpa salientou-se a forma acabada de dolo directo. A intensidade da culpa na relevância para a medida da pena é, por alguma forma indicada na forma como a arguida coadjuvou e integrou o processo executivo, assumindo um papel essencial. No processo de formação da vontade que conduziu à tentativa de homicídio nenhum elemento existiu que pudesse provocar uma perturbação intelectual ou volitiva nas faculdades mentais da arguida. É grande a intensidade da ilicitude evidenciada pelos actos praticados e a mais grave possível a sua consequência. A pena aplicada à arguida de 9 anos de prisão não merece qualquer crítica. Acordam no Supremo Tribunal de Justiça AA veio interpor recurso da decisão do Tribunal da Relação de Coimbra que manteve a sua condenação, como co-autora material, pela prática de um crime de homicídio simples, p.e p. pelo artigo 131. do C. Penal, na pena de 9 (nove) anos de prisão. São as seguintes as razões de discordância expressas nas conclusões da respectiva motivação de recurso: Da nulidade decorrente da deficiente documentação da prova Da inconstitucionalidade do art. 363 do CPP( interpretado e aplicado como o faz o Douto Tribunal da Relação de Coimbra) Da nulidade do Acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra por omissão de pronúncia 1ª) Nos termos do disposto no art. 363 do Código de Processo Penal, as declarações prestadas oralmente na audiência são 6/38

7 sempre documentadas na acta, sob pena de nulidade. 2ª ) Esta nulidade verifica-se não apenas quando tal documentação tenha sido omitida, mas também nos casos em que essa documentação de mostra deficiente, ao menos quando essa deficiência comprometa seriamente o sentido e a compreensão do teor daquelas declarações. 3ª) No caso dos autos, por dificuldades técnicas na gravação, encontra-se seriamente comprometida a documentação do depoimento do Exmo. Sr. perito-médico, Dr. BB, inquirido em sessão de audiência do dia 14 de Janeiro de ª ) Esta deficiência na gravação põe em causa, no entender da arguida, ora Recorrente, um seu direito fundamental - o direito ao recurso em matéria de facto - e constitui uma nulidade ( cfr. art do Código de Processo Penal) que expressamente e para todos os efeitos legais, deixou arguida junto do Tribunal da Relação de Coimbra. Sucede. no entanto que 5ª ) Reconhecendo não ser possível perceber, em toda a sua extensão, o que foi dito, aquando da inquirição em causa, particularmente as intervenções do Ilustre Mandatário da arguida, ora Recorrente, o entretanto infelizmente falecido, Dr. CC, não admite, porém, o Douto Tribunal a quo a existência da invocada nulidade- decisão esta, tomada em 1a Instância pelo Tribunal da Relação, com a qual não se conforma a Recorrente Na verdade 6ª ) Ouvidos os suportes digitais da gravação da audiência de julgamento, verifica-se que resultam imperceptíveis praticamente todas as questões colocadas a tal perito-médico pela defesa da arguida, ora Recorrente 7ª ) Esta deficiência da gravação coloca em causa, salvo devido respeito por diferente opinião, o direito de defesa da arguida, limitando-a no que diz respeito, designadamente, ao recurso em matéria de facto, verificando-se, sem dúvida, a suscitada nulidade. 8ª ) Decidindo de forma diversa violou o Douto Tribunal da Relação de Coimbra a disposto no art. 363 do Código de Processo Penal. 9ª ) Tratando-se aquela de uma nulidade parcial, deverá ser repetida a produção da prova no que diz respeito ao mencionado depoimento, deficientemente documentado (cfr. art. 122, nº1 do Código de Processo Penal). 10ª ) Termos em que deverão os autos baixar ao Tribunal de Primeira Instância - devendo ser ordenada a repetição da inquirição do identificado perito- médico - o que desde já se requer. 11ª ) A norma do art. 363 do Código de Processo Penal, 7/38

8 interpretada e aplicada no sentido em que o faz o douto Tribunal da Relação de Coimbra, isto é, de que não é nula a documentação das declarações prestadas oralmente em audiência de julgamento. mesmo quando de tal documentação, resulta não ser possível perceber. em toda a sua extensão o que foi dito, sempre seria materialmente inconstitucional, por violação do disposto no art. 32, nº 1 da Constituição da República Portuguesa, isto é, por violação do direito constitucionalmente consagrado ao recurso, mormente em matéria de facto - inconstitucionalidade esta que aqui expressamente, e para todos os efeitos legais, se deixa arguida. Acontece Que 12ª ) No ponto 19 da sua fundamentação de recurso suscitava a Recorrente, junto do Tribunal da Relação de Coimbra, a questão inconstitucionalidade material- questão essa replicada e invocada novamente na conclusão 48 das reformuladas conclusões de fls. 13ª ) Sobre esta questão não se pronunciou, em momento algum, ou Douto Tribunal a quo. 14ª ) É, pois, nulo o douto acórdão recorrido, por omissão de pronúncia, nos termos do disposto no art. 379, nº 1, alínea c) do Código de Processo Penal - nulidade que expressamente e para todos os efeitos legais aqui se deixa arguida. Do erro notório na apreciação da prova (art. 410, nº 2, alínea c) do CPP) 15ª ) Por acórdão proferido em 18 de Maio de com um voto de vencido, diga-se- pelo Tribunal de 1ª Instância, foi a arguida, ora Recorrente, condenada como co-autora material, pela prática de um crime de homicídio simples, p. e p. pelo art. 131 do Código Penal, na pena de 9 ( nove),anos de prisão, decisão esta confirmada, em recurso, pelo Tribunal da Relação de Coimbra. 16ª ) Com esta decisão não se conforma a arguida - de onde o presente recurso. De facto 17ª) Do próprio texto do douto acórdão de 1ªinstância,conjugado com as regras da experiência comum e critérios de normalidade, decorre que os factos considerados provados nunca poderiam ter acontecido como descritos naquele mesmo texto. Com efeito 18ª ) Conjugando os factos dos pontos 8, 9, 10, 11, 12 e 15 - dados como provados - e o próprio texto da motivação daquele acórdão ( cfr. fls. 8, 10 e 13 ), verifica-se que deu Tribunal de 1a Instância por assente que todo o processo de desencadeamento do trabalho de parto, o próprio parto, e todos os actos subsequentes, destinados à ocultação do mesmo ocorreram num período de 8/38

9 1h30 minutos (entre as 17h30 e as 19 horas do dia 9/9/2006- o que, segundo as regras da experiência comum e critérios e normalidade, não é possível. 19ª ) Ao decidir desta forma, incorreu tal Douto Tribunal num erro notório na apreciação da prova (cfr. art. 410, nº 2, alínea c) do Código de Processo Penal), erro este que é do conhecimento do Supremo Tribunal de Justiça ( cfr. art. 434 do mesmo diploma legal). 20ª ) Termos em que, verificado tal erro, deverão os presentes autos ser reenviados para novo julgamento - o que desde já se requer, ao abrigo do disposto no art. 426, nº 1 e 2 do Código de Processo Penal. Da determinação da medida concreta da pena Da ( in ) iustiça relativa das penas aplicadas às arguidas Da atenuação especial da pena aplicada à Recorrente 21ª ) Por acórdão proferido pelo Douto Tribunal Colectivo de 1a Instância foram ambas as arguidas condenadas como co-autoras materiais de um crime de homicídio simples, p. e p. pelo art. 131 do Código Penal. Sucede que 22ª ) Tendo a pena da arguida DD sido especialmente atenuada, ao abrigo do disposto nos arts. 72, nº 1 e 73, nº 1, alíneas a) e b) do mesmo diploma legal, foi a mesma condenada na pena de Quatro anos de prisão, suspensa por igual período de tempo. 23ª ) Já a arguida AA, ora Recorrente, não beneficiando da mesma atenuação especial, foi condenada na pena de nove anos de prisão. 24a ) Em mais do dobro da pena aplicada á arguida DD, portanto 25ª ) Ancorou-se tal decisão, designadamente, no facto de a DD ser uma jovem de 27 anos, algo perdida, solteira, que escondeu a gravidez a familiares e amigos, que se sentia desamparada e sem apoio, designadamente do pai da criança, e sem capacidade para assumir sozinha a gravidez perante os seus familiares, designadamente o seu pai, que não aprovava a relação da arguida com o pai da criança. 26ª ) Valorou ainda o Tribunal Colectivo o facto de esta arguida ter confessado os factos praticados e ter mostrado arrependimento. 27ª ) Já quanto à arguida AA, resultou provado da audiência de / julgamento tratar-se de uma senhora com 60 anos de idade, primária, não lhe sendo conhecido qualquer comportamento criminoso ou sequer desviante. Na verdade 28ª ) Apurou tratar-se de uma senhora doméstica, mãe de duas filhas e avó de três netos, de modesta condição económico-social, 9/38

10 mas perfeitamente inserida no seu meio de residência, local onde todos a conhecem e onde todos a estimam, vivendo com o marido, reformado por invalidez, do qual é a exclusiva prestadora de cuidados, tendo ela própria uma saúde fragilizada, padecendo de problemas ósseos e neurológicos, com alguma tendência para a depressão, motivo pelo qual leva uma vida caseira, raras vezes saindo à rua ( cfr. designadamente, o relatório social de tis. 633 e seguintes ). Acontece Que 29ª ) Se se pode, de alguma forma, atender às razões subjacentes ao comportamento da arguida DD, o certo é que era ela, e não a AA, ora Recorrente, a mãe da criança morta. 30ª ) Significa isto que recaía sobre a DD um dever jurídico de garante relativamente à pessoa da sua filha que não recaía (que não recai) sobre a arguida AA. 31ª ) Daí que o desvalor da conduta daquela seja muitíssimo mais elevado, por comparação com o desvalor da conduta imputada à arguida AA. 32ª ) Razão desde logo para condenar a DD em pena mais grave que a pena aplicada à AA, ou, no mínimo, para não condenar esta última em pena mais gravosa do que a aplicada à primeira. 33ª ) Condenando-as, respectivamente, a quatro e nove anos de prisão, violou assim o Tribunal ad quem, designadamente, o disposto no art. 71 e 72 do Código Penal. Por outro lado 34ª) Decorre, no entanto, do ponto 6 de tal fundamentação que a AA não terá agido por motivações económicas. 35ª ) Segundo o Ilustre Procurador da República junto do Tribunal de 1a Instância, na sua resposta ao recurso interposto pela arguida, a fls. 885 dos autos, parece, aliás, manifesto que a sua motivação não era o dinheiro que pediu mas de que prescindiu quando a arguida DD lhe disse que não tinha possibilidades de pagar, mas sim a missão de ajudar/salvar a arguida DD, o que explica que lhe tenha dado o crucifixo que recebera da avó com o fim específico de a proteger e salvar (negrito e sublinhado nossos). 36ª ) Afigura-se, pois, evidente que a arguida AA, ora Recorrente terá agido por compaixão, a pedido e por solicitação da DD. 37ª ) Se é certo que, no caso dos autos, a ilicitude do seu comportamento é elevada, também é certo que, pelas razões apontadas, se deve reconhecer uma acentuada diminuição de culpa da arguida AA, que justificaria, por si só, a atenuação especial da pena aplicável (cfr. art. 72, nº 1 e nº 2, alínea b) do Código Penal). Acresce ainda que 38ª ) Atento tudo quanto acima fica exposto e que resultou 10/38

11 provado em audiência de julgamento, afigura-se manifestamente REDUZIDA A NECESSIDADE DA PENA. 39ª ) Face a um caso como os dos autos, há, evidentemente, que restabelecer a confiança da comunidade na vigência e validade das normas jurídicas violadas, restaurando, dessa forma, a paz jurídica. 40ª ) E se entendemos que o ponto óptimo da medida da pena, atentas as necessidades de prevenção geral que, no caso, se fazem sentir, se deva fixar nos nove anos de prisão em que a arguida AA foi condenada, também não esquecemos que a pena concreta deve ser determinada dentro de uma moldura da prevenção, moldura que, no seu limite máximo, será determinada por aquele ponto óptimo mas que, no seu limite mínimo, será determinada por aquela pena ainda capaz de satisfazer aquelas necessidades de prevenção geral que julgamos dever ser fixada nos quatro anos de prisão ( pena concreta aplicada à arguida DD ). 41ª ) Será então, no interior desta moldura da prevenção, com o limite mínimo de quatro anos e com o limite máximo de 9 anos, que será fixada a pena concreta a aplicar à arguida, atentas agora as necessidades de prevenção ESPECIAL do caso em apreço. Ora 42ª ) Atento tudo quanto resultou provado relativamente à arguida AA, ora Recorrente, tais necessidades de prevenção especial serão poucas ou nenhumas. Com efeito 43ª ) A arguida viveu, até à data da prática dos factos a que se reportam os presentes autos, 60 anos de uma vida impoluta, encontrando-se perfeitamente integrada familiar e socialmente. 44ª ) Só circunstâncias absolutamente extraordinárias e fora do vulgar a levaram a praticar os factos dos autos. 45ª ) É de acreditar, com razoável grau de previsibilidade que, até ao fim dos seus dias, não voltará a cometer qualquer crime. 46ª ) De onde, dentro da mencionada moldura penal, a pena concreta deva ser fixada muito próximo do seu ponto mínimo, justificando-se, também quanto a esta arguida, uma ATENUACÃO ESPECIAL DA PENA, a qual deverá ser fixada, em concreto, em montante idêntico ao da pena aplicada à DD, e, à semelhança do decidido quanto a esta arguida, SUSPENSA NA SUA EXECUCÃO. Com efeito 47ª ) Face aos 60 anos de vida impoluta da arguida AA - uma vida devotada à família, ao marido, às filhas, aos netos - não será difícil formular, quanto à mesma, um JUIZO DE PROGNOSE FAVORÁVEL,ou concluir que a simples censura do 11/38

12 facto e ameaça da prisão realizariam. neste caso concreto. de forma adequada. as finalidades da punição. 60ª ) Não o tendo feito, violou o Tribunal a quo o disposto nos arts. 40, Nº 1 e 2, 71, nº 1 e 2, 72, nº 1 e 2 e, bem assim, nos arts. 50 e seguintes e 40, nº 1 e 2, todos do Código Penal. Respondeu o Ministério Público advogando a manutenção da decisão recorrida. Nesta instância o ExºMº Sr. Procurador-geral adjunto emitiu proficiente parecer constante de fls 1074 e seguintes advogando a improcedência do recurso. Os autos tiveram os vistos legais Cumpre decidir Em sede de decisão recorrida encontra-se provada a seguinte factualidade: 1. No período compreendido entre Dezembro de 2005 e finais de Fevereiro de 2006, a arguida DD e EE mantiveram relações sexuais de cópula completa, em número de vezes não apurado. 2. Em consequência das relações de sexo mantidas com o EE, aquela arguida veio a engravidar, tendo tomado conhecimento dessa gravidez durante o mês de Abril de A arguida DD escondeu a sua gravidez de familiares e amigos e, quando a barriga começou a crescer, passou a dizer a quem a questionava acerca de uma possível gravidez que tinha uma doença do foro oncológico que lhe provocava aquele crescimento. 4. Em finais de Julho ou inícios do mês de Agosto de 2006, a DD começou a trabalhar num estabelecimento comercial denominado Loja dos.../..., situado na Av..., n...., na Gafanha da Nazaré, pertencente a FF, à qual também escondeu a sua gravidez. 5. Por sua vez, a arguida AA era cliente habitual daquele estabelecimento, onde passou a contactar com a DD tendo-lhe, também perguntado se ela estava grávida, ao que esta terá respondido afirmativamente. 6. Então, em circunstâncias não apuradas, as arguidas acordaram entre si pôr fim àquela gravidez o que a arguida DD já pretendia desde que tomara conhecimento da concepção, mas que não concretizara por falta de meios económicos. 7. Assim, após prévio e comum acordo, as arguidas decidiram esperar pelo final de um dia de trabalho da arguida DD, em que ela ali ficasse sozinha para, no estabelecimento, provocarem o parto e matarem o feto. E, sabendo que a proprietária da loja estaria ausente, para um casamento, no dia , e sabendo ainda que o termo normal de gestação estava próximo, as arguidas combinaram que provocariam o parto naquele dia, como veio a acontecer. 12/38

13 8. Então, cerca das 17:30 horas, do dia , a arguida AA dirigiu-se ao estabelecimento comercial, Loja dos.../... na Av..., na Gafanha da Nazaré, área desta comarca, onde aguardou que os clientes que ali estavam saíssem. 9. Posto isto, quando estavam as duas arguidas sozinhas no estabelecimento, fecharam a porta e a AA deu um comprimido à DD, que esta tomou, e aplicou-lhe uma injecção no braço esquerdo, ambos os medicamentos não identificados e que provocaram sangramento vaginal à arguida DD, ficando ela com as cuecas e as calças que vestia sujas de sangue. 10. De seguida foram as duas para a casa de banho do estabelecimento e, por meios não concretamente apurados, a AA provocou o parto à DD, que ali mesmo deu à luz uma criança, de termo, do sexo feminino, com 2250 Kg; 38 cm de comprimento; 29 cm de perímetro torácico, 30 cm de comprimento céfalo caudal, 32 cm de perímetro cefálico, cabelos escuros e íris cinzenta. 11. A recém-nascida nasceu com vida, tendo respirado após o parto e, com o consentimento e conforme o acordado com a DD, a AA por forma não concretamente apurada comprimiu as vias respiratórias da menina, asfixiando-a e provocando-lhe a morte, como era propósito de ambas as arguidas. 12. Após isto, a arguida AA reuniu todas as peças de vestuário que a DD tinha usado e que estavam sujas, e demais objectos que se sujaram com sangue daquela intervenção, bem como a criança e a placenta e colocou tudo dentro de 3 sacos de plástico, de lixo, de cor preta, colocando um deles dentro de um balde de plástico, de cor vermelha com asa branca, posto o que foi atirar tudo para dentro de um contentor do lixo situado na Av..., próximo da Loja dos.../ Aqueles sacos continham o seguinte: Um deles continha o cadáver do recém-nascido, do sexo feminino; um saco/embalagem de seis sacos plásticos de 100 L de capacidade, vazio, da marca Sibina; uma calça de criança, tamanho 4, nas cores branco e rosa, com debruado azul e motivo na perna direita em bordado azul com lantejoulas; duas flores artificiais; e diversos toalhetes; Outro saco continha, um saco da Loja dos.../... contendo uma cruzeta plástica branca; urna espiga seca (flor decorativa); uma embalagem plástica com conjunto de roupa de criança AeBAI fashion, tamanho XL, com nota manuscrita colada com os dizeres "guardado até 1 de Junho, juntar chinelos n. 29, menino"; uma embalagem aberta de toalhetes da marca Salustar Baby Clean; um cartão interior de rolo de papel higiénico; um calção em malha de algodão com motivos florais em tons verdes ou azuis; uma pantufa infantil, tamanho 20/21, da marca Velero, de cor branca com cabeça de rato em peluche; 13/38

14 O terceiro saco continha, um tapete de casa de banho em cruzeta plástica, de fibra 100%, polipropilene, de cor rosa, ref." com as letras 'Gran..."; uma camisa de noite, tamanho M "Peng Di", n. U45B, em cor branca, com dizeres, decote e cavas, cor-de-rosa; diversos toalhetes; papel higiénico; penso diário; papel de cozinha; umas calças de ganga azul, marca Salsa, tamanho 30, sujas de sangue entiepemas; uma blusa de alças, marca Gruppo Lu -, tamanho L, com bordados de motivos infantis na frente; duas toalhas de bidé, cor salmão, com etiqueta "100% coton/ Made in U.E."; uma blusa de manga comprida, carcela no peito com três botões, com bordados de motivos florais à frente e atrás, cor branca, marca Blue Fashion, tamanho L, com etiqueta de preço (3,50 ) colada no interior na aba direita; uma t-shirt de cor amarela, marca Líber Fashion com dizeres a preto; uma cueca em xadrez preto/branco, marca Poko Pano, com pedaços de papel higiénico na zona vulvar. 14. Todos aqueles objectos apresentavam vestígios de origem hemática e/ou biológica. 15. A AA lavou a maior parte do sangue que se encontrava no local onde procedeu ao parto e aguardou juntamente com a DD que os pais desta a fossem buscar de carro ao local de trabalho, dizendo ao pai dela que a levasse ao hospital pois a DD estava a sentir-se mal e tinha perdido sangue, o que esta recusou. 16. Antes dos pais da DD chegarem ao estabelecimento, a AA deu àquela um crucifixo metálico, com 4 cm de altura, com figura e argola fixa no topo e disse-lhe para o trazer com ela junto ao peito, -conforme viria a ser encontrado na posse desta. 17. Em exame efectuado ao estabelecimento comercial Loja dos ".../...", pela Polícia Judiciária ali viriam a ser recolhidos os vestígios biológicos descritos no relatório de fls. 47, que aqui se dá por reproduzido para os efeitos legais, e foi verificada a existência de artigos de igual natureza aos encontrados dentro do contentor do lixo. 18. Nos vestígios hemáticos, e tecido biológico, recolhidos nos objectos encontrados no contentor do lixo e na casa de banho, que foram submetidos a exame pericial, melhor descritos e examinados no relatório de fls. 217 a 224, que aqui damos por reproduzido para os efeitos legais; foi detectada a presença de perfil genético da arguida DD e do recém-nascido encontrado morto no contentor do lixo. 19. As arguidas agiram ambas após prévio acordo, de forma livre, deliberada e consciente, sabedoras que as suas condutas eram proibidas e punidas por lei. 20. As arguidas pensaram cuidadosa e ponderadamente no modo de execução daquele plano, aguardando o momento próprio para concretização do mesmo por cerca de quinze dias. 14/38

15 21. A arguida DD sentiu-se durante a gravidez desamparada e sem apoio, designadamente do pai da criança, e sem capacidade para assumir sozinha a gravidez perante os seus familiares, designadamente o seu pai, que não aprovava a relação da arguida com o pai da criança. 22. A arguida DD mostra-se arrependida dos factos praticados e sofrida pela sua vivência, revelando-se hoje uma pessoa mais "madura". 23 A arguida DD é bem considerada por aqueles que com ela privam. 24. As arguidas não têm antecedentes criminais. 25. As arguidas são de modesta condição económica e social. 26. A arguida DD Carol tem o 12 ano incompleto, vive com os pais e trabalha no apoio domiciliário a uma idosa, auferindo mensalmente 430, A arguida DD tem o apoio dos pais e encontra-se inserida socialmente. 28. A arguida AA tem a 4" classe, é doméstica, vive com o marido da reforma deste no montante de cerca de 650,006 mensais, tem duas filhas maiores, ambas com família constituída. 29. A arguida AA é bem considerada, por aqueles que com ela privam, tida como boa mãe e avó. Foram estes os factos provados e mais nenhum outro se provou, com relevância para a decisão da causa, designadamente não se provou: a)- que a AA agiu daquela forma, de modo frio e apenas pelo prazer de matar. I A primeira questão suscitada pela recorrente prende-se com a nulidade decorrente da deficiente documentação da prova Fundamentando tal invocação refere a recorrente na motivação de recurso que:18 - Reconhecendo não ser possível perceber, em toda a sua extensão, o que foi dito, aquando da inquirição em causa, particularmente as intervenções do Ilustre Mandatário da arguida, ora Recorrente, o entretanto infelizmente falecido, Dr. CC, não admite, porém, o Douto Tribunal a quo a existência da invocada nulidade, por no seu entender, as partes que não são perceptíveis respeitarem a algumas intervenções sobrepostas comuns a qualquer gravação de audiência e sem significado no conjunto de depoimento do perito médico, que é, sem margem para dúvidas, bem explícito Com esta decisão não se conforma a Recorrente. Na verdade 20 - Ouvidos os suportes digitais da gravação da audiência de julgamento, verifica-se que resultam imperceptíveis praticamente todas as questões colocadas a tal perito-médico pela defesa da arguida, ora Recorrente, consequência, quiçá, do reconhecido" 15/38

16 vozeirão" do seu malogrado defensor, Ilustre Causídico que foi o Dr. CC Esta deficiência da gravação coloca em causa, salvo devido respeito por diferente opinião, o direito de defesa da arguida, Limitando-a no que diz respeito, designadamente, ao recurso em matéria de facto, 22 - Não podendo, de forma alguma, o tribunal de recurso conformar-se, como faz, com o facto de não ser completamente impossível entender aquilo que aí foi dito pela pessoa em causa. Com efeito, 23 - A prova só se encontra suficientemente documentada quando, da documentação da mesma, seja possível entender completamente tudo aquilo que é dito por qualquer pessoa ouvida em audiência de julgamento 24 - Não já quando, da mesma documentação, não seja completamente impossível de entender o teor do seu depoimento. Entendemos que, na parte que recaiu sobre esta matéria, o acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra é insusceptível de recurso. Com efeito, trata-se de decisão que não pôs termo à causa e, como tal, abrangida pela regra da irrecorribilidade imposta pela alínea c) do nº 1 do art 400, por referência da alínea b) do art 432, ambos do CPP. É evidente que o acórdão recorrido contém outras decisões que puseram termo à causa e susceptíveis de recurso para o Supremo Tribunal de Justiça. Todavia, tratando-se, sem dúvida, de uma questão interlocutória, a circunstância de não ter sido objecto de recurso autónomo não lhe confere recorribilidade fundamentada na circunstância de as restantes poderem ser objecto de recurso para este Tribunal. Como se considerou, por exemplo, no Ac. de 22.09,05, p. nº 1752/05-5, embora a questão interlocutória acompanhe a decisão final, pode e deve ser dela cindida, sendo que sobre ela até já se formou dupla conforme. Este entendimento, respeitando a garantia constitucional do duplo grau de jurisdição, está em perfeita consonância com o regime dos recursos traçados pela Reforma de 1998 para o Supremo Tribunal de Justiça que obstou, de forma clara, ao segundo grau de recurso, terceiro grau de jurisdição, relativo a questões processuais ou que não tenham posto termo à causa. A excepção é a prevista na alínea c) do art 432 do Código de Processo Penal, á qual não é subsumível a hipótese em apreço. Por igual forma a reforma introduzida pela Lei 48/87 consagra no artigo 432 nº1 alínea d) a regra de que as decisões interlocutórias que devem ser apreciadas pelo Supremo Tribunal de Justiça são unicamente as que devam subir com as alíneas b) e c). Lateralmente importa, ainda salientar que, nos termos do artigo 363 do Código de Processo Penal, as declarações prestadas oralmente 16/38

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão:

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: 2015-5-28 (Autos em recurso penal) Assuntos: prática de novo crime no período de pena suspensa corrupção activa art.º 54.º, n.º 1, alínea b), do Código Penal revogação

Leia mais

Exame de Prática Processual Penal

Exame de Prática Processual Penal Exame de Prática Processual Penal I No dia 20/02/06 António foi surpreendido na sua caixa do correio com uma notificação do Tribunal ali colocada nesse dia que, recebendo a acusação que contra si era deduzida

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS PROVA ESCRITA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS PROVA ESCRITA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS PROVA ESCRITA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PROVA VIA PROFISIONAL 1ª CHAMADA CRITÉRIOS DE CORRECÇÃO 1. Relatório e saneamento. 2. Descrição dos factos provados

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Penal Programa I O Processo Penal O Advogado no âmbito do processo penal II Requerimentos 1 Requerimentos escritos e orais (em diligência) 1.1

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC)

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Revogou a Sentença nº 5/2016 - SRATC ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Descritores: Extinção do procedimento por responsabilidades sancionatórias /prescrição/ artigo

Leia mais

OS LIMITES OBJECTIVOS DO NE BIS IN IDEM

OS LIMITES OBJECTIVOS DO NE BIS IN IDEM HENRIQUE SALINAS OS LIMITES OBJECTIVOS DO NE BIS IN IDEM (DISSERTAÇÃO DE DOUTORAMENTO) ORIENTADOR: PROFESSOR DOUTOR GERMANO MARQUES DA SILVA Fevereiro de 2012 Os limites Objectivos do ne bis in idem ÍNDICE

Leia mais

Sumário: I - A decisão do incidente de suspeição de juiz, suscitado na Relação, não é passível de recurso.

Sumário: I - A decisão do incidente de suspeição de juiz, suscitado na Relação, não é passível de recurso. ECLI:PT:STJ:2016:4751.04.2TVLSB.L1.B.S1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2016:4751.04.2tvlsb.l1.b.s1 Relator Nº do Documento Olindo Geraldes Apenso Data do Acordão 07/12/2016 Data de decisão

Leia mais

PAPEL DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NA ORIENTA- ÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA: PROCEDIMENTOS DE UNIFOR- MIZAÇÃO BREVES NOTAS

PAPEL DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NA ORIENTA- ÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA: PROCEDIMENTOS DE UNIFOR- MIZAÇÃO BREVES NOTAS PAPEL DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NA ORIENTA- ÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA: PROCEDIMENTOS DE UNIFOR- MIZAÇÃO BREVES NOTAS 1. Estrutura judiciária - Tribunais Judiciais (1) Supremo Tribunal de Justiça (com

Leia mais

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários:

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários: CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL Proposta de programa a desenvolver em sumários: I Do inicio do processo o crime e sua natureza. - Crimes públicos, semi-públicos e particulares;

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-2353/94 (A6) DATA: 1999-09-30 Assunto: Efeito

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 155/11.9YRGMR I - RELATÓRIO Vem o presente incidente na sequência de dois despachos judiciais, transitados em julgado, proferidos pelo Sr. Juiz actual titular do Juízo de Execução de Guimarães pelo

Leia mais

Notificada a recorrente da participação apresentada, veio pronunciar-se por escrito nos termos que constam de fls. 11, dizendo o seguinte:

Notificada a recorrente da participação apresentada, veio pronunciar-se por escrito nos termos que constam de fls. 11, dizendo o seguinte: > Conselho Superior > Acórdão CS n.º R-09/2007, de 25 de Maio de 2007 Vem o presente recurso interposto de um acórdão do Conselho Distrital de, que em sessão plenária de 21 de Setembro de 2006, aprovou

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 458/2013. Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal Constitucional

ACÓRDÃO N.º 458/2013. Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal Constitucional Página 1 de 5 [ TC > Jurisprudência > Acordãos > Acórdão 458/2013 ] ACÓRDÃO N.º 458/2013 Processo n.º 420/13 3.ª Secção Relator: Conselheira Catarina Sarmento e Castro Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal

Leia mais

Relatório e Saneamento (0,5 valores) ou (4,0 valores no caso de o candidato ter optado pela solução 1 cf. C infra)

Relatório e Saneamento (0,5 valores) ou (4,0 valores no caso de o candidato ter optado pela solução 1 cf. C infra) PROVA PROFISSIONAL 1ª CHAMADA PROPOSTA DE SOLUÇÃO 1 (20 Valores) Relatório e Saneamento (0,5 valores) ou (4,0 valores no caso de o candidato ter optado pela solução 1 cf. C infra) A - Referência ao requerimento

Leia mais

Assunto: Erro notório na apreciação. Droga. Tráfico de estupefaciente. Juízes: Viriato Manuel Pinheiro de Lima (Relator), Sam Hou Fai e Chu Kin.

Assunto: Erro notório na apreciação. Droga. Tráfico de estupefaciente. Juízes: Viriato Manuel Pinheiro de Lima (Relator), Sam Hou Fai e Chu Kin. Processo n.º 59/2010. Recurso jurisdicional em matéria penal. Recorrente: A. Recorrido: Ministério Público. Assunto: Erro notório na apreciação. Droga. Tráfico de estupefaciente. Data do Acórdão: 17 de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 452/XII/3.ª

PROJECTO DE LEI N.º 452/XII/3.ª PROJECTO DE LEI N.º 452/XII/3.ª Altera o Código de Processo Penal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 78/87, de 17 de Fevereiro, eliminando a possibilidade de julgamentos em processo sumário para crimes puníveis

Leia mais

Projecto de Lei n.º 409/XIII. Garante o acesso ao Direito e aos Tribunais introduzindo alterações ao Regulamento das Custas Processuais

Projecto de Lei n.º 409/XIII. Garante o acesso ao Direito e aos Tribunais introduzindo alterações ao Regulamento das Custas Processuais Projecto de Lei n.º 409/XIII Garante o acesso ao Direito e aos Tribunais introduzindo alterações ao Regulamento das Custas Processuais Exposição de motivos O artigo 20.º da Constituição da República Portuguesa

Leia mais

Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: S U M Á R I O

Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: S U M Á R I O Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: 2008-01-31 Assuntos: - art.º 1200.º do Código de Processo Civil - divórcio - conservatória do registo civil - revisão formal S U M Á R I O Caso no exame dos autos

Leia mais

V - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO (ACR) :

V - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO (ACR) : Nº CNJ : 0007251-75.2001.4.02.5001 RELATOR : ANDRÉ FONTES EMBARGANTE : CELSO LUIZ COVRE ADVOGADO : HEGNER CASTELO BRANCO DE SANTANA EMBARGADO : JULGADO DE FL. 677 ORIGEM : 1ª VARA FEDERAL CRIMINAL DE VITÓRIA/ES

Leia mais

Acórdão n.º 10 / ª Secção-PL. P. n.º 5 ROM-SRM/2013. P. de Multa n.º 6/2012-SRM

Acórdão n.º 10 / ª Secção-PL. P. n.º 5 ROM-SRM/2013. P. de Multa n.º 6/2012-SRM Não transitado em julgado Recurso para o Tribunal Constitucional Acórdão n.º 10 /2013-3.ª Secção-PL. P. n.º 5 ROM-SRM/2013 P. de Multa n.º 6/2012-SRM 1. RELATÓRIO. 1.1. O Ministério Público junto da Secção

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 909/08-1 Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: I - RELATÓRIO O Digno Magistrado do M.ºP.º junto deste Tribunal requereu a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes da 2ª

Leia mais

Descritores doença profissional; requerimento; junta médica; incapacidade; caixa nacional de pensões;

Descritores doença profissional; requerimento; junta médica; incapacidade; caixa nacional de pensões; ECLI:PT:TRE:2003:2348.03.3 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:tre:2003:2348.03.3 Relator Nº do Documento Apenso Data do Acordão 18/11/2003 Data de decisão sumária Votação unanimidade Tribunal

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 36/09 15.Set. -1ª S/PL

ACÓRDÃO N.º 36/09 15.Set. -1ª S/PL ACÓRDÃO N.º 36/09 15.Set. -1ª S/PL Recurso Ordinário n.º 4/2009-R (Processo de fiscalização prévia nº 1294/2008) DESCRITORES: Aclaração de Acórdão / Esclarecimento Suplementar / Indeferimento do Pedido

Leia mais

Decisão Integral: ACORDAM OS JUÍZES, EM CONFERÊNCIA, NA 1ª SUBSECÇÃO CRIMINAL DO TRIBUNAL DA RELAÇÂO DE ÉVORA:

Decisão Integral: ACORDAM OS JUÍZES, EM CONFERÊNCIA, NA 1ª SUBSECÇÃO CRIMINAL DO TRIBUNAL DA RELAÇÂO DE ÉVORA: ECLI:PT:TRE:2014:233.10.1PALGS.E1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:tre:2014:233.10.1palgs.e1 Relator Nº do Documento Fernando Pina Apenso Data do Acordão 25/02/2014 Data de decisão sumária

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO JURISDICIONAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO JURISDICIONAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO JURISDICIONAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE GOLFE RELATÓRIO D.O. veio recorrer da decisão proferida pelo Conselho Disciplinar da Federação Portuguesa de Golfe no Processo Disciplinar

Leia mais

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*)

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) Proc. n.º 267/2009-CS/R Relator: António A. Salazar Relatório

Leia mais

Crime público desde Lei 7/2000 de Denúncia para além dos seis meses Lei aplicável: vigente no momento prática do último ato Tribunal

Crime público desde Lei 7/2000 de Denúncia para além dos seis meses Lei aplicável: vigente no momento prática do último ato Tribunal 1 Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais: a) Ao cônjuge ou ex-cônjuge; b) A pessoa de outro ou

Leia mais

a) Aprecie a responsabilidade penal de Ananias, Ventura e Zacarias

a) Aprecie a responsabilidade penal de Ananias, Ventura e Zacarias 33.º Curso Via Académica 2.ª Chamada GRELHA DE VALORAÇÃO E CORREÇÃO em fundamentos consistentes. GRUPO I a) Aprecie a responsabilidade penal de Ananias, Ventura e Zacarias Ananias: - 1 (um) Crime de Corrupção

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM ASSUNTO: Parecer Projecto de Lei n.º64/xiii (PCP); Projecto de Lei n.º 68/XIII (BE); Projecto de Lei n.º 72/XIII

Leia mais

MÓDULO: CP 5 Deontologia e Princípios Éticos Formadores: Dra. Sandra Ferreira / Dr. Manuel Leite

MÓDULO: CP 5 Deontologia e Princípios Éticos Formadores: Dra. Sandra Ferreira / Dr. Manuel Leite ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: CP 5 Deontologia e Princípios Éticos Formadores: Dra. Sandra Ferreira / Dr. Manuel Leite 21/07/2009 1 A EUTANÁSIA PRINCÍPIOS ÉTICOS Após leitura de dois textos

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO Nº 8-SRM/2015. (Processo n.º (4/2014/JRF-SRMTC) ACORDÃO Nº 16/2016-3ªSECÇÃO

RECURSO ORDINÁRIO Nº 8-SRM/2015. (Processo n.º (4/2014/JRF-SRMTC) ACORDÃO Nº 16/2016-3ªSECÇÃO Não transitado em julgado Interposto recurso para o Tribunal Constitucional RECURSO ORDINÁRIO Nº 8-SRM/2015 (Processo n.º (4/2014/JRF-SRMTC) ACORDÃO Nº 16/2016-3ªSECÇÃO Acordam, em Conferência, os Juízes

Leia mais

ENQUADRAMENTO PENAL CÓDIGO PENAL

ENQUADRAMENTO PENAL CÓDIGO PENAL ENQUADRAMENTO PENAL CÓDIGO PENAL Violência Doméstica 1 Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais:

Leia mais

TÍTULO I DO RECURSO ESPECIAL

TÍTULO I DO RECURSO ESPECIAL ÍNDICE SISTEMÁTICO Obras do Autor... XIII Abreviaturas e Siglas Usadas... XV Apresentação da 7ª edição... XVII Exposição Preliminar... 1 TÍTULO I DO RECURSO ESPECIAL Capítulo I Dos Recursos e seu Desdobramento

Leia mais

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica Prática Processual Penal e Direito Constitucional e Direitos Humanos (8 Valores) 22 de Julho de 2011 Responda a todas

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL (12.1.2016) - Duração 2 h 30 m I. LEIA o seguinte ac. RL 16-1-2014/Proc. 4817/07.7TBALM.L2-6 (ANTÓNIO MARTINS):

Leia mais

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto:

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto: PARECER Nº 8/PP/2011-P CONCLUSÕES: 1. O simples acto de indicação de um advogado como testemunha em determinado processo judicial, tendo o mesmo recusado a depor sob a invocação do segredo profissional,

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO Questões de Prática Processual Penal

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da.

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da. REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º /2004 (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da Criminalidade A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea

Leia mais

TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 1.º Curso Estágio 2007 e 2º Curso Estágio 2006 (Repetição)

TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 1.º Curso Estágio 2007 e 2º Curso Estágio 2006 (Repetição) TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 1.º Curso Estágio 2007 e 2º Curso Estágio 2006 (Repetição) Analise a seguinte hipótese e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 140/11.0YRGMR I - RELATÓRIO Vem o presente incidente na sequência de dois despachos judiciais, transitados em julgado, proferidos pelo Sr. Juiz actual titular do Tribunal Judicial de Caminha e pela

Leia mais

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento Deliberação Remetido do Tribunal Judicial da Comarca de Gondomar, datado de 28/04/2010 e subscrito pela Exma. Senhora Juíza de Direito Presidente daquele Tribunal, foi recebido neste Conselho Distrital,

Leia mais

O juiz e os auxiliares da justiça

O juiz e os auxiliares da justiça O juiz e os auxiliares da justiça Direito Processual Civil I Prof. Leandro Gobbo 1 Introdução Art. 139. O juiz dirigirá o processo [...] Juiz é diferente de juízo. O juiz decide o pedido, aplicando a lei

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO HORTA, 7 DE MAIO DE 2004 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO A Comissão de

Leia mais

Exmº Senhor Presidente do Tribunal Constitucional Palácio Ratton Rua de O Século, Lisboa

Exmº Senhor Presidente do Tribunal Constitucional Palácio Ratton Rua de O Século, Lisboa Exmº Senhor Presidente do Tribunal Constitucional Palácio Ratton Rua de O Século, 111 1250 Lisboa Os Deputados à Assembleia da República abaixo-assinados, nos termos do art. 281º, nº 1, al. a), e nº 2,

Leia mais

Professor Rogerio Licastro Torres de Mello

Professor Rogerio Licastro Torres de Mello Professor Rogerio Licastro Torres de Mello Doutor e Mestre em Direito Direito Processual Civil pela PUC / SP Facebook: Rogerio Licastro NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Recurso de apelação, agravo e outros

Leia mais

INTRODUÇÃO E ÂMBITO DESTE TRABALHO. Breve comentário à evolução da sanção PARTE I ILÍCITO CONCORRENCIAL CAPÍTULO I ASPECTOS GERAIS

INTRODUÇÃO E ÂMBITO DESTE TRABALHO. Breve comentário à evolução da sanção PARTE I ILÍCITO CONCORRENCIAL CAPÍTULO I ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO E ÂMBITO DESTE TRABALHO Breve comentário à evolução da sanção PARTE I ILÍCITO CONCORRENCIAL CAPÍTULO I ASPECTOS GERAIS DIVISÃO I A QUESTÃO NOS DIREITOS ITALIANO E FRANCÊS Secção I 1. A Susceptibilidade

Leia mais

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO:

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: A Para o advogado, a matéria de conflito de interesses é uma questão de consciência, competindo-lhe ajuizar se a relação de confiança que estabeleceu com um seu antigo

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES a) Não está vedado ao advogado, genericamente e em abstracto, exercer o patrocínio contra anterior cliente, impondo-se apenas verificar se tal patrocínio configurará

Leia mais

8/2010: 7.500,01 AO CRIME DE ABUSO DE D

8/2010: 7.500,01 AO CRIME DE ABUSO DE D Novembro 2010 O ACÓRDÃO DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE FIXAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N.º N 8/2010: A INAPLICABILIDADE DO LIMITE MÍNIMO DE 7.500,01 8/2010: 7.500,01 AO CRIME DE ABUSO DE D CONFIANÇA CONTRA

Leia mais

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Rui Duarte Morais 1 QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Compensação por Iniciativa do Contribuinte 2 Artigo 90º n.º 1 C.P.P.T. A compensação com créditos

Leia mais

PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL

PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL 1. Apreciação na generalidade O presente diploma vem

Leia mais

O CRIME DE INFRACÇÃO DE REGRAS DE CONSTRUÇÃO

O CRIME DE INFRACÇÃO DE REGRAS DE CONSTRUÇÃO PERSPECTIVAS ACTUAIS DA SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO O CRIME DE INFRACÇÃO DE REGRAS DE CONSTRUÇÃO Artigo 277º do Código Penal (Infracção de regras de construção, dano em instalações e perturbação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 8ª T U R M A Cinto de segurança é EPI que deve proteger o empregado, proteção esta que deve ocorrer, inclusive, quando realiza movimentos inesperados, já que se utiliza cinto quando o equilíbrio

Leia mais

S. R. CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA PARECER

S. R. CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA PARECER PARECER 01. O Conselho Superior da Magistratura é um órgão de Estado com consagração constitucional (a artigos 217º e 218º da Lei Fundamental), ao qual incumbe a nomeação, a colocação, a transferência

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 54/2008 Exame de processo judicial artigo 74º do EOA & 1 Dos factos O Senhor Advogado..., titular da cédula profissional n.º, com domicílio profissional sito na..., veio solicitar a pronúncia

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª Altera o Código de Processo Penal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 78/87, de 17 de Fevereiro, eliminando a possibilidade de julgamentos em processo sumário para crimes puníveis

Leia mais

Nª Ref. 03 /15 C.Istambul Lisboa, 26 de Março de

Nª Ref. 03 /15 C.Istambul Lisboa, 26 de Março de Ex.ma Sr.ª Coordenadora do Grupo de Trabalho - Implicações Legislativas da Convenção de Istambul, Dr.ª Carla Rodrigues, c/c Ex.mo Sr. Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata, Ex.mo

Leia mais

Intervenção para o Debate Público Nacional para a Reforma do Sistema de Recursos em Processo Civil

Intervenção para o Debate Público Nacional para a Reforma do Sistema de Recursos em Processo Civil Intervenção para o Debate Público Nacional para a Reforma do Sistema de Recursos em Processo Civil Em primeiro lugar quero agradecer em nome do Conselho Distrital de Coimbra da Ordem dos Advogados (CDCOA)

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 047740 Data do Acordão: 12/12/2002 Tribunal: 2 SUBSECÇÃO DO CA Relator: ANTÓNIO MADUREIRA Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo RESPONSABILIDADE CIVIL

Leia mais

ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.:

ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: Processo nº (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 29 de Novembro de 2012 Recorrente: A (embargante) Recorridos: B (embargado) Banco Luso Internacional, S.A. (exequente) ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL

Leia mais

Processo n.º 6/2014 Data do acórdão: 2014-3-13

Processo n.º 6/2014 Data do acórdão: 2014-3-13 Processo n.º 6/2014 Data do acórdão: 2014-3-13 (Autos em recurso penal) Assuntos: insuficiência para a decisão da matéria de facto provada art.º 400.º, n.º 2, alínea a), do Código de Processo Penal contradição

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 2-A/2010

RECOMENDAÇÃO n.º 2-A/2010 Sua Excelência O Ministro da Justiça Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Sua referência Sua comunicação Nossa referência Proc. P-3333/09 (A5) Assunto: Requisitos relativos à concessão de nacionalidade portuguesa;

Leia mais

PN ; Ap.: Tc. Lamego, 1º J. ); Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

PN ; Ap.: Tc. Lamego, 1º J. ); Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 1926.04-5; Ap.: Tc. Lamego, 1º J. ); Ap.e1: Ap.o2: Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. Introdução: (a) A Ap.e não se conforma com a sentença d e conversão em divór cio da separação de pessoas

Leia mais

Teoria geral dos recursos e apelação. 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação

Teoria geral dos recursos e apelação. 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação 1. Normais fundamentais: Duração razoável : rol AI, IRDR, RE e REsp repetitivos. Isonomia: Vinculação dos precedentes;

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 64/03.5TBCBT-C.G1 F. veio reclamar do despacho do Sr. Juiz do Tribunal Judicial de Celorico de Basto, datado de 24.03.2011, que não lhe admitiu o recurso por si interposto, por falta de fundamento

Leia mais

Texto Informativo CONFLITOS DE COMPETÊNCIA Fase de Inquérito

Texto Informativo CONFLITOS DE COMPETÊNCIA Fase de Inquérito CONFLITOS DE COMPETÊNCIA Autor: Alexandre Silva 1 CONFLITOS DE COMPETÊNCIA ÍNDICE Nota Introdutória 3 Competência Material e Funcional 4 Competência Territoral 5 Competência por Conexão 5 Conflitos de

Leia mais

Recurso Independente em Separado - Processo n 5012/10.3TXLSB-M - Tribunal de Execução das Penas de Lisboa - 1 Juízo

Recurso Independente em Separado - Processo n 5012/10.3TXLSB-M - Tribunal de Execução das Penas de Lisboa - 1 Juízo Sumário: 1. Em caso de execução sucessiva de penas de prisão, em que uma seja igual ou inferior a 6 anos de prisão e outra corresponda a remanescente resultante de revogação da liberdade condicional anteriormente

Leia mais

Processo n.º 178/2008 Data do acórdão: S U M Á R I O

Processo n.º 178/2008 Data do acórdão: S U M Á R I O Processo n.º 178/2008 Data do acórdão: 2008-05-08 Assuntos: - art.º 1200.º do Código de Processo Civil - divórcio - revisão formal S U M Á R I O Caso no exame dos autos não tenha detectado nenhuma desconformidade

Leia mais

ACÓRDÃO nº85 /04-1.Jun 1ªS/SS

ACÓRDÃO nº85 /04-1.Jun 1ªS/SS Transitou em julgado em 23/06/04 ACÓRDÃO nº85 /04-1.Jun 1ªS/SS Processo nº 356/04 1. A Câmara Municipal do Fundão (CMF) remeteu para fiscalização prévia deste Tribunal o contrato de abertura de crédito,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : MINISTRO RIBEIRO DANTAS : EMERSON SILVA RODRIGUES (PRESO) : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA PROCESSUAL

Leia mais

OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Tribunal Constitucional, seminário 2013

OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Tribunal Constitucional, seminário 2013 OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL S Plano de apresentação S I. INTRODUÇÃO S II. RECURSO ORDINÁRIO DE INCONSTITUCIONALIDADE S III. RECURSO EXTRAORDINÁRIO S IV. REGIME COMPARADO

Leia mais

PARECER Nº 41/PP/2014

PARECER Nº 41/PP/2014 PARECER Nº 41/PP/2014 SUMÁRIO: Impedimento para o exercício de mandato por parte de Advogada, que é arguida em processo de inquérito, para exercer a defesa de seu marido que também é arguido no âmbito

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Conselho Constitucional. Acórdão nº 07/CC/2009 de 24 de Junho. Acordam os Juízes Conselheiros do Conselho Constitucional:

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Conselho Constitucional. Acórdão nº 07/CC/2009 de 24 de Junho. Acordam os Juízes Conselheiros do Conselho Constitucional: REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Conselho Constitucional Acórdão nº 07/CC/2009 de 24 de Junho Processo nº 04 /CC/2009 Acordam os Juízes Conselheiros do Conselho Constitucional: I Relatório O Tribunal Administrativo,

Leia mais

Código de Processo do Trabalho

Código de Processo do Trabalho DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código de Processo do Trabalho 2013 9ª Edição Actualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO Actualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março

Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março (não dispensa a consulta do Diário da República) Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março A Lei n.º 57/98, de 18 de Agosto, e o Decreto-Lei n.º 381/98, de 27 de Novembro, vieram operar uma profunda renovação

Leia mais

A AUDIÇÃO DA CRIANÇA NOS PROCEDIMENTOS QUE CORREM NAS CONSERVATÓRIAS DO REGISTO CIVIL

A AUDIÇÃO DA CRIANÇA NOS PROCEDIMENTOS QUE CORREM NAS CONSERVATÓRIAS DO REGISTO CIVIL A AUDIÇÃO DA CRIANÇA NOS PROCEDIMENTOS QUE CORREM NAS CONSERVATÓRIAS DO REGISTO CIVIL A Lei n.º 5/2017, de 2 de Março, veio estabelecer o regime de regulação do exercício das responsabilidades parentais

Leia mais

Processo n. 182/ 14.4TTFUN.L1 Apelação. Acordam na Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa

Processo n. 182/ 14.4TTFUN.L1 Apelação. Acordam na Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa Processo n. 182/ 14.4TTFUN.L1 Apelação. Acordam na Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa A Ré, Q - Gestão e Exploração Hoteleira, Lda no seu requerimento de interposição do recurso, requereu o

Leia mais

PARECER N.º 79/CITE/2006

PARECER N.º 79/CITE/2006 PARECER N.º 79/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º

Leia mais

Juizados Especiais Criminais

Juizados Especiais Criminais Direito Processual Penal Juizados Especiais Criminais Constituição Federal Art. 98. A União, no Distrito Federal e nos Territórios, e os Estados criarão: I - juizados especiais, providos por juízes togados,

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Barbara Rosa Direito Constitucional Recurso Especial e Extraordinário RECURSO ESPECIAL: Competência do STJ. Art. 104, III da CF. RECURSO EXTRAORDINÁRIO: Competência do STF. Art. 102, III da CF. RECURSO

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

(Termo eletrónico elaborado por Escrivão Auxiliar José Coelho)

(Termo eletrónico elaborado por Escrivão Auxiliar José Coelho) Tribunal Judicial de Santa Maria da Feira 10065903 CONCLUSÃO - 13-08-2013 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão Auxiliar José Coelho) =CLS= Requerimento de 8 de Agosto (subscrito pelo Sr. Mandatário

Leia mais

DECISÃO N.º 4/2009 SRTCA. Processo n.º 14/2009

DECISÃO N.º 4/2009 SRTCA. Processo n.º 14/2009 DECISÃO N.º 4/2009 SRTCA Processo n.º 14/2009 1. Foi presente, para fiscalização prévia da Secção Regional dos Açores do Tribunal de Contas, o contrato de empreitada de construção do Pólo Escolar das Lajes

Leia mais

TEORIA GERAL DA PROVA II

TEORIA GERAL DA PROVA II TEORIA GERAL DA PROVA II MEIOS DE PROVA E SUA ADMISSIBILIDADE - MEIO DE PROVA: é tudo quanto possa servir, direta ou indiretamente, à comprovação da verdade que se procura no processo. - CPP prevê: exame

Leia mais

Parecer nº 36/PP/2010-P n/entrada nº /09/2010. Relator: Senhor Dr. Rui Assis

Parecer nº 36/PP/2010-P n/entrada nº /09/2010. Relator: Senhor Dr. Rui Assis Parecer nº 36/PP/2010-P n/entrada nº 4635 16/09/2010 Relator: Senhor Dr. Rui Assis O Exmo. Senhor Dr. F, advogado da comarca de V, em ofício que dirigiu à Comissão de Direitos Liberdades e Garantias do

Leia mais

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE...

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... 19 1. Primeiro passo: identificar qual a peça ou instituto o caso concreto apresenta ou requer... 19 1.1.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 353/XIII/2ª. Afirma a necessidade de regulação urgente das responsabilidades parentais em situações de violência doméstica

PROJETO DE LEI N.º 353/XIII/2ª. Afirma a necessidade de regulação urgente das responsabilidades parentais em situações de violência doméstica PROJETO DE LEI N.º 353/XIII/2ª Afirma a necessidade de regulação urgente das responsabilidades parentais em situações de violência doméstica Exposição de motivos Em 21 de Janeiro de 2013 a Assembleia da

Leia mais

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL Nº 8785/2004 CLASSE II COMARCA DE SINOP APELANTE: BRASIL TELECOM S. A.

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL Nº 8785/2004 CLASSE II COMARCA DE SINOP APELANTE: BRASIL TELECOM S. A. APELANTE: BRASIL TELECOM S. A. APELADO: STELA MARIS SCHUTZ Número do Protocolo : 8785/2004 Data de Julgamento : 29-6-2004 EMENTA APELAÇÃO CÍVEL DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO TELEFÔNICO COMBINADA

Leia mais

Acórdão n.º 5/CC/2016. de 13 de Setembro

Acórdão n.º 5/CC/2016. de 13 de Setembro Acórdão n.º 5/CC/2016 de 13 de Setembro Processo n.º 4/CC/2016 Fiscalização concreta de constitucionalidade Acordam os Juízes Conselheiros do Conselho Constitucional: I Relatório A Secção Criminal do Tribunal

Leia mais

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação Código Penal Ficha Técnica Código Penal LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO - Princípios gerais TÍTULO II - Do facto CAPÍTULO I - Pressupostos da punição CAPÍTULO II - Formas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

Conteúdo Edital PMGO

Conteúdo Edital PMGO Direito Penal Parte Geral Professor Samuel Silva Conteúdo Edital PMGO 1. Princípios constitucionais do Direito Penal. 2. A lei penal no tempo. A lei penal no espaço. Interpretação da lei penal. 3. Infração

Leia mais

CONSULTA N.º 13/2007

CONSULTA N.º 13/2007 CONSULTA N.º 13/2007 Relator: SANDRA BARROSO E RUI SOUTO Requerente: Discussão: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Aprovação: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Assunto: Honorários no âmbito de uma

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

1.º Curso de Estágio de de Janeiro de 2009 Teste de Deontologia Profissional

1.º Curso de Estágio de de Janeiro de 2009 Teste de Deontologia Profissional 1.º Curso de Estágio de 2008 19 de Janeiro de 2009 Teste de Deontologia Profissional Analise a seguinte hipótese e responda, depois, às questões que lhe são colocadas, justificando as respostas com as

Leia mais

Normas Fundamentais do Novo Código de Processo Civil Fábio Victor da Fonte Monnerat

Normas Fundamentais do Novo Código de Processo Civil Fábio Victor da Fonte Monnerat Normas Fundamentais do Novo Código de Processo Civil Fábio Victor da Fonte Monnerat Procurador Federal Diretor da Escola da Advocacia-Geral da União em São Paulo Coordenador Nacional de Direito Processual

Leia mais