E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS"

Transcrição

1 E-books PCNA Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS

2 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 SUMÁRIO Apresetação Capítulo Aritmética e Expressões Algébricas Ordem e Precedêcia dos Cálculos Operações com Números Fracioários Soma e Subtração Deomiadores iguais Deomiadores diferetes Multiplicação de Frações Divisão de Frações Expressões Algébricas Simplificação de Frações Algébricas Poteciação Propriedades Radiciação Propriedades Racioalização de deomiadores Logaritmo Propriedades Poliômios Adição e Subtração de Poliômios Multiplicação de Poliômios Produtos Notáveis Divisão de Poliômios Raiz de um Poliômio Fatoração de Poliômios Págia 1

3 2 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 EXERCÍCIOS PROPOSTOS GABARITO Págia 2

4 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 Apresetação Ao chegar à UFPA, você tem a possibilidade de cursar gratuitamete cursos de ivelameto em Ciêcias Básicas (Física, Química e Matemática). Assistido às aulas o próprio ambiete em que cursará sua graduação, isso auxiliará você a adquirir o cohecimeto ecessário para efretar melhor o programa curricular do seu curso. Etão seja Bem-vido ao Curso de Nivelameto em Matemática Elemetar do PCNA. Este é o primeiro de uma série de cico E-books que vão lhe acompahar durate o curso, o professor utilizará este material como apoio às suas aulas e é fudametal que você o leia e acompahe as atividades propostas. A série E-books PCNA-Matemática foi desevolvida com o propósito de apresetar o coteúdo do curso de Matemática Elemetar, forecedo também ferrametas para facilitar o esio e a apredizagem do Cálculo Diferecial e Itegral que você irá ecotrar em breve a sua graduação. Neste fascículo você irá ecotrar o coteúdo de Aritmética e Expressões Algébricas. É bom lembrar que ão se pode apreder Cálculo sem algus pré-requisitos, que muitas das vezes ão valorizamos por acharmos simples e descomplicados, todavia, ateção e compreesão se fazem ecessária. Págia

5 4 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 Capítulo 1 1. Aritmética e Expressões Algébricas O estudo de cálculo exige muito mais que o cohecimeto de limite, derivada e itegral. Para que o apredizado seja satisfatório o domíio de tópicos de aritmética e álgebra é essecial. Soma de fração, poteciação e até mesmo produtos otáveis podem passar despercebidos pelos aluos que estudaram o esio fudametal a algum tempo e ão lembram. Este capítulo aborda tais assutos de forma sitética e com exemplos detalhados para melhor etedimeto do leitor. Ao fim do capítulo o leitor será capaz de realizar as operações aritméticas e algébricas, tais como poteciação e radiciação, resolver problemas de logaritmo utilizado suas propriedades, aalisar problemas com módulo e recohecer poliômios Ordem e Precedêcia dos Cálculos Sempre que você se deparar com uma expressão umérica para resolver você deve respeitar a seguite ordem de prioridade: a) Agrupametos prévios pelo uso de traço de frações, radical, parêteses, chaves e colchetes. No caso de agrupametos com múltiplos por parêteses resolver do itero ao extero; b) Poteciação e radiciação; c) Multiplicação e divisão; d) Adição e subtração. 1) Págia 4

6 5 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO Note que este exemplo ão existem parêteses, chaves ou colchetes, portato a ordem de resolução deve ser primeiramete multiplicação e/ou divisão e depois as somas e subtrações. Nos exemplos 2 e, com a preseça de parêteses, as operações detro dos parêteses têm prioridade. De forma semelhate, o exemplo 4, com a preseça do radical, este deve ser resolvido primeiro. 2) ( 2 + 1) (5 + ) ) (( 2 + 1). 2 6 ). (5 + ) 2 ( ). 8 ( 6 ) ) Operações com Números Fracioários Soma e Subtração Para a soma ou a subtração de duas frações deve-se observar se os deomiadores são iguais ou diferetes. Os Págia 5

7 6 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 procedimetos de cálculo variam de acordo com os deomiadores apresetados Deomiadores iguais Neste caso, os umeradores devem ser somados ou subtraídos, de acordo com os siais operatórios, e o valor do deomiador matido. 1) ) ) ) Deomiadores diferetes Neste caso, deve-se determiar com atecedêcia o míimo múltiplo comum (m.m.c.) etre todos os deomiadores das frações evolvidas, de modo a igualar os deomiadores e aplicar a regra acima. Exemplo: 1) ? O MMC é obtido a partir da fatoração simultâea dos deomiadores, como segue abaixo: Págia 6

8 7 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 4, 2 2, 2 1, 1, O MMC etão é igual a 12. Prossegue-se adotado o MMC como deomiador comum para as duas frações. Novos umeradores são obtidos para ambas as frações dividido-se o MMC pelo atigo deomiador e multiplicado este resultado pelo atigo umerador, como exemplificado a seguir: 2) ? 2 9 (12 ) 2 (12 4) ,9,12 2 5,9,6 2 5,9, 5,,1 5,1,1 5 1,1, (180 5) 2 (180 9) 8 (180 12) (180 9) 8 (180 12) Págia 7

9 8 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 OBS: Para efetuar a soma de frações com deomiadores diferetes podemos utilizar qualquer múltiplo comum. A forma mais simples de ecotrar um múltiplo comum é multiplicar todos os deomiadores. ) (9. 12). 2 + (5. 12). 8 (5. 9) Multiplicação de Frações O produto de duas ou mais frações é o produto dos seus umeradores dividido pelo produto dos seus deomiadores. Observe que os exemplos abaixo ós simplesmete multiplicamos umerador por umerador e deomiador por deomiador. Em certos casos, é possível simplificar. 1 1) ) ) (5. 4) (. 4 ). 2 (. 5 ) Págia 8

10 9 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 4) 10. ( ) (5 ) ( ) Divisão de Frações No caso de divisão etre frações procede-se multiplicado a primeira fração pelo iverso da seguda: a b c a b c d a b d c a d b c d 1 1) ) ) ) Nos casos acima a primeira fração deve ser matida e é multiplicada pela iversa da seguda fração. 1.. Expressões Algébricas Recebe o ome de expressão algébrica a expressão matemática a qual se faz uso de letras, úmeros e operações Págia 9

11 10 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 aritméticas. As letras costituem a parte variável da expressão, pois elas podem assumir qualquer valor umérico. Cotiuam válidas todas as regras da aritmética. 1) 2 x 7 x x. (2 x). 7. x 2 x2 21 x 2) 2 x + y x 4 x y y. (2 x + y) x. ( 4 x) 2 x y + y2 4x 2 x. y x y Observe os exemplos que os deomiadores são diferetes, portato fazemos o MMC etre eles, como estamos em um caso algébrico o MMC é, simplesmete, a multiplicação etre eles. É comum ecessitar simplificar as expressões algébricas para a resolução de problemas. Técicas como agrupameto, evidêcia do fator comum, etc., são ormalmete adotadas para a simplificação e/ou fatoração das expressões. Utilize as técicas de agrupameto e evidêcia dos fatores comus para simplificar as expressões algébricas abaixo: 1) x + 2 y x + y (x. x) + (2. y + y) x(1 ) + y (2 + 1) 2 x + y Nesse exemplo foram agrupados todos os termos com x em um parêteses e todos os termos com y em outro. Quado as operações são algébricas podemos somar ou subtrair termos semelhates, esse caso x e x são semelhates, logo podemos subtraí-los. 2) x + 2 y (x + y) x + 2y + ( ). (x + y) Págia 10

12 11 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 x + 2 y + ( x y) (x x) + (2 y y) x(1 ) + y(2 ) 2 x y ) x (2 y x + y ) x (2 y + y x) x ( y x) x + x y 4x y 4) x + 2 (y ( x + y)) x + 2 ( y + ( 1) (x + y)) x + 2 ( y + ( x y)) x + 2 ( y y x) x + 2( x) x 6x 5x A fatoração cosiste em represetar um úmero ou uma expressão algébrica como produto, respetivamete, de outros úmeros ou de outras expressões algébricas. 1) 6 a b 12 b 6 b (a 2) 2) 9 x x y x ( y) ) a x + b x + a y + b y x(a + b) + y (a + b) (a + b) (x + y) 1..1 Simplificação de Frações Algébricas Para simplificar frações algébricas devemos seguir a seguite regra: fatorar o umerador e o deomiador e assim, dividir o umerador e deomiador em seus fatores comus. Fique ateto: Só podemos simplificar os fatores (termos) que estejam multiplicado tato o umerador quato o deomiador. Págia 11

13 12 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 2x 4y 2 (x 2y) 1) 2 2x 2 x 2 x 2y x 2y 1 x x a x + b x x (a + b) 2) a + b a + b 1.4. Poteciação x 2y x a + b x x 1 x a + b A poteciação equivale a uma multiplicação de fatores iguais. Podemos dizer também que é a quatidade de vezes que o úmero será multiplicado por ele mesmo. De um modo geral, sedo a um úmero real e um úmero atural 2 defiimos: a a a a p ( vezes o fator a) a p Ode: a base; expoete; p potêcia 1) ) ( 2) 2 ( 2) ( 2) 4 ) 27 4) ( ) ( ) ( ) ( ) 27 Um erro muito comum ocorre quado o aluo cofude e ao ivés de multiplicar o um úmero vezes por ele mesmo acaba multiplicado a base pelo expoete. Não esqueça também de fazer o jogo de siais Propriedades Cosidere a e b úmeros reais ão ulos, e m iteiros: 1) Potêcia de expoete ulo e igual a 1: 2) Potêcia de base igual a 1: a 0 1 e a 1 a Págia 12

14 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO ) Potecia de expoete egativo: a 1 a 4) Multiplicação de potêcias de mesma base: a. a m a +m 5) Divisão de potêcias de mesma base: a a m am 6) Multiplicação de potêcias de expoetes iguais: a. b (a. b) 7) Divisão de potêcias de expoetes iguais: a b (a b ) 8) Potêcia de uma potêcia: (a ) m (a).m Nos exemplos a seguir, observe o uso das propriedades da potêcia as expressões. 1) ( ) ( 4 2 ) ( ) Págia 1

15 14 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO ) ( ) 2 ( 7 ) ) x y ( x y) 2 x y (x y) 2 x y x 2 y 2 x 2 y 1 2 x 1 y 1 x y 1 ( ) 2 1 ( 7 ) 1 ( ) 2 ( 7 ) 1 ( ) 2 7 ( ) 4) ( 27 ) (x + x2 x ). x x. x + x2. x x x + x 2 ( ) x 0 + x 2 x ) 2 x x. 6x ( 2. 6) x ( 12 ) x 4 x (2 2 ) x 2 2x 6) 2 x 2x 2 x. 2x 2 x. ( 2 ) x 2 x. 9 x (2. 9) x 18 x Págia 14

16 15 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 7) ( a2 b ). a + b a.2. a + b b. a 6. a 1 b 9 + b a 5 + b b 9 b 9 a 5 + b 1 b9 + a 5. b a 5 8) a 2. ( a b ). a b 2 a 2. a b. a b 2 a 2. a. a b. b 2 a2 +1 b +2 a 0 b 1 1 b 1 b1 b Nos exemplos abaixo, determie o valor de x: 9) x 9 x 2 x 2 10) 11) 2 x + 2 x x + 2 x x ( ) 24 2 x 24 2 x 24 2x 8 2 x 2 x 6 x x 1 6 x 5 6 x x 6 6x 5 6 x x x x ( ) x ( 5) x 6 6 x 6 2 x 2 Págia 15

17 16 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO Radiciação A radiciação é uma operação matemática iversa da poteciação, ou seja, se a b etão b a Ode o símbolo é o radical; 0; a radicado; braiz; ídice. 1) 2) ) b b 4 16 b 4 (2) 4 b 2 Logo b b 27 b ( ) b logo 16 b 27 b 2 16 Como ão existe um úmero que elevado a um expoete par seja um úmero egativo etão 16 ão existe o cojuto dos úmeros reias Obs.: Não existe raiz de um radicado egativo se o ídice for par Propriedades Sejam 0 e m 0 Págia 16

18 17 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 1) Raiz de radicado ulo: 0 0 2) Raiz de ídice uitário ulo: 1 a a ) Produto de radicais de mesmo ídice: a. b. c a. b. c 4) Divisão de radicais com mesmo ídice: 5) Potêcia de uma raiz: a b a b ( a) m a m 6) Raiz elevada a expoete igual ao seu ídice: 7) Raiz de uma raiz: ( a) a m a.m a 8) Multiplicação de raiz por uma costate a b a b A raiz é apeas uma forma de represetar a poteciação com expoete fracioário. Assim, toda raiz pode ser escrita em forma de potêcia como: a m a m Págia 17

19 18 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 1) Utilizado as regras da poteciação, demostre as seguites regras da radiciação: a) b) a 1 a c) a d) a a 1 1 a 1 a. b. c a. b. c a 1. b 1. c 1 (a. b. c) 1 a. b. c ( a) m a m ( a) m (a 1 ) m a 1.m a m a m e) m a a 1.m.m a m a.m a m a 1 (a 1 m )1 a 1.1 m Nos exemplos abaixo calcule as raízes idicadas: 2) ( ) ( ) ) 6 5 ( ) Págia 18

20 19 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 Simplifique as expressões abaixo, cosiderado a > 0 4) a. a a 1 2. a 1 2 a a 1 a 5) a. a a 1. a 1 a 1 +1 a 2 a 2 6) a. a 2 a 1. a 2 a 1 +2 a a 7) ( a ) (a 2) a. 2 a 9 2 a 9 a 8. a a 4 a 1.6. Racioalização de deomiadores Racioalização de deomiadores é o processo para a obteção de uma fração com deomiador racioal equivalete a uma aterior que possuía um ou mais radicais o deomiador. Ou seja, é elimiação do radical do deomiador. A técica cosiste em multiplicar os termos desta fração por uma expressão com radical, deomiada fator racioalizate. 1 Caso: O deomiador é um radical de icide 2 (raiz quadrada) Neste caso o deomiador tem a forma a. O fator racioalizate de a é a pois: a a a 1 2 a 1 2 a a 1 a Págia 19

21 20 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 1) ) ) a a a a a a a 1 a 1 2 a 1 2 a 1 2 a5 6 6 a a5 a 2 Caso: Quado o deomiador há um úmero somado ou dimiuído à uma raiz quadrada Neste caso o deomiador tem as formas: a + b ou a b O fator itegrate de (a + b) é (a b) e o fator itegrate de (a b) é (a + b) pois: (a + b) (a b) a a a b + a b b b a 2 b 1) (4 5) ( 5 5) Págia 20

22 21 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 2) ) (2 + ) a b a + b a b a + b ( a b) ( a b) ( a + b) ( a b) a b a b a a b a b a + b2 a 2 b a + b2 ( a) 2 b 2 a b 2 Caso: O deomiador é um radical de ídice geérico Neste caso o deomiador tem a forma a. O fator racioalizate de a é a 1 a 1 pois: a a 1 a 1 a 1 a (1 + 1 ) a 1+ 1 a a 1 a Págia 21

23 22 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 1) ) ) ( ) (2 + 2) (1+ 4 ) Caso: O deomiador é um radical de icide geérico e radicado elevado a uma potêcia geérica m Neste caso o deomiador tem a forma a m com m < O fator racioalizate de a m é a m pois: a m a m a m a m a (m + m ) a m+ m a a 1 1) ( ) a m 5 7 2) Págia 22

24 2 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO (1 +2 ) Logaritmo 2 2 O logaritmo de um úmero positivo a a base b, positiva e diferete de 1, é o expoete c que se deve elevar b para obter a. ode a > 0, b > 0 e b 1. se log b a c etão c logaritmo; b base; a logaritmado. b c a A otação do logaritmo decimal, de base igual a 10, é: log a log 10 a A otação do logaritmo atural, de base igual ao úmero de Euler e , é: l a log e a Nota: Não devemos cofudir logaritmo atural e logaritmo eperiao. Algumas vezes ambos são tratados como siôimos, mas a verdade o logaritmo eperiao refere-se a um logaritmo a base 1 e. 1) log 100 x 10 x x 10 2 x 2 2) log 0,1 x 10 x 0,1 10 x 10 1 x 1 Págia 2

25 24 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ) log 2 4 x 2 x 4 2 x 2 2 x 2 4) log 2 ( 1 2 ) c 2c 1 2 2c c 2 5 c 5 5) log 1 x x 1 x 0 c 0 6) log1 4 (2 2) x ( 1 4 ) x 2 2 ( 1 2 2) x (2 2 ) x 2 (1+1 2 ) 2 2x 2 2 2x 2 x 2 7) l 1 e c ec 1 e ec e 1 c 1 8) l e c e c e e c e 1 c 1 9) Calcule o valor de log 1,4 usado a defiição de logaritmo e as aproximações: ,01 e ,845. log 1,4 x 10 x 1,4 10 x x x x 10 0, , x 10 0,01+0, x 10 0,146 x 0,146 log 1,4 0,146 Págia 24

26 25 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO Propriedades 1) Logaritmo de 1 em qualquer base b é 0. 2) Logaritmo da base é 1. ) Logaritmo de um produto 4) Logaritmo de um quociete 5) Logaritmo de uma potêcia log b 1 log b b 0 0 log b b log b b 1 1 log b (a. c) log b a + log b c log b ( a c ) log b a log b c log b a log b a 6) Mudaça da base b para a base c log b a log c a log c b 7) Igualdade de logaritmos de mesma base se log b x log b y etão x y 8) Relações etre potêcias e logaritmos de mesma base. log b b a a e b log b a a 1) log(0,1 10) log 0,1 + log 10 log log Págia 25

27 26 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 2) log 2 ( 1 16 ) log 2 1 log 2 16 log log ) 2 log ) 4 log 2 4 (2 2 ) log log log log ) e l x e l x x 6) l(a) + l(b) l (e) l ( a b e ) Resolva as equações abaixo: 7) log 2 x ( 2) x x 1 ( 2) x 1 2 x x ) l x 2 x 2 4 l x 2 e2 x x e 2 9) 2 log 2 x log 2 4 log 2 x 2 log x 2 4 x 2 ou x 2, pois ( 2) 2 (2) 2 4 Como o logaritmado x ão pode ser egativo, só x 2 é solução da equação. 10) e 4x+8 1 Págia 26

28 27 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 e 4x+8 1 Para isolar a variável x a equação é ecessário aplicar o logaritmo l os dois lados da equação, etão: 1.8. Poliômios l(e 4x+8 ) l ( 1 ) 4x + 8 l 1 l 4x l 4x 8 l 8 l x x l Defie-se um poliômio p(x) de grau a expressão algébrica a seguite forma: p(x) a x + a 1 x 1 + +a 1 x + a 0 Em que os coeficietes a, a 1,, a 1 e a 0 são úmeros reais e é um úmero iteiro. O grau do poliômio é grau de seu termo (moômio) de maior potêcia. O poliômio completo. b(x) 5x 2 + x é um poliômio de 2º grau O poliômio c(x) x x é de º grau, com coeficietes a 2 a Adição e Subtração de Poliômios Para adicioar ou subtrair dois poliômios devemos somar ou subtrair os termos de mesmo grau. Págia 27

29 28 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 1) Sejam os poliômios: p(x) 5 x 2 x + 2x q(x) 4x 2 + x 4 6x 2 a) Calcule r(x) p(x) + q(x) r(x) [ 5 x 2 x + 2x ] + [4x 2 + x 4 6x 2 ] (Orgaize por ordem decrescete do grau) r(x) [ 2 x x 2 x + 5] + [x 4 6x 2 + 4x 2] (Agrupe os termos de mesmo grau) r(x) x x x 2 6 x 2 x + 4x r(x) x 4 + 2x + ( 6)x 2 + ( 1 + 4)x + + (5 2) r(x) x 4 + 2x 9x 2 + x + b) Calcule s(x) p(x) q(x) s(x) [ 5 x 2 x + 2x ] [4x 2 + x 4 6x 2 ] s(x) [ 2 x x 2 x + 5] [x 4 6x 2 + 4x 2] s(x) 2 x x 2 x + 5 x 4 + 6x 2 4x + 2 s(x) x x x x 2 x 4x s(x) x 4 + 2x + ( + 6)x 2 + ( 1 4)x + (5 + 2) Págia 28

30 29 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 s(x) x 4 + 2x + x 2 5x + 7 2) Calcule r(x) 2 p(x) q(x), ode p(x) 2x 2 + 5x 2 q(x) x + 2x 1 r(x) 2 ( 2x 2 + 5x 2) ( x + 2x 1) r(x) 4x x 4 + 9x 6x + r(x) 9x 4x 2 + (10 6)x + ( 4 + ) r(x) 9x 4x 2 + 4x 1 No caso de adição e subtração de dois poliômios podemos orgaizar o poliômio por ordem decrescete do grau de seus moômios, e efetuar estas operações como usualmete fazemos a forma: 1) Sejam os poliômios: p(x) 2x x + 5 x 2 e q(x) 6x 2 x 4 + 4x 2 a) Calcule a Soma: p(x) + q(x) Págia 29

31 0 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO x x 2 x +5 x 4 6x 2 +4x 2 x 4 +2x 9x 2 +x + b) Calcule a Subtração: p(x) q(x) +2x x 2 x +5 x 4 6x 2 +4x 2 x 4 +2x +x 2 5x Multiplicação de Poliômios Para multiplicar dois poliômios, utiliza-se a propriedade distributiva da multiplicação: (a + b)(c + d + f) (ac) + (ad) + (af) + (bc) + (bd) + (bf) 1) Sejam os poliômios p(x) x + x e q(x) x 5 x.calcule s(x) p(x). q(x) s(x) ( x + x )(x 5 x ) s(x) ( x). (x 5 ) + ( x). ( x ) + (x )(x 5 ) + (x )( x ) s(x) x. x 5 + x. x + x. x 5 x. x Págia 0

32 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 s(x) x 6 + x 4 + x 8 x 6 s(x) x 8 + ( 1 1) x 6 + x 4 s(x) x 8 2 x 6 + x 4 2) Sejam os poliômios: p(x) 2x 1 q(x) x 2 + x Calcule r(x) p(x). q(x) r(x) (2x 1). ( x 2 + x) r(x) (2x). ( x 2 ) + (2x). (x) + ( 1). ( x 2 ) + +( 1). (x) r(x) 2. x. x x. x + 1. x 2. x r(x) 2x + 6x 2 + x 2 x r(x) 2x + 7x 2 x ) Dado a figura abaixo, expressar o poliômio que represeta a área formada as regiões I e II. A x E 5x + 1 B x I II D F C Págia 1

33 2 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 Sabemos que a área do retâgulo é dada pelo produto de seus lados. O retâgulo ABCD é formado pela soma das áreas I e II. Sua área é calculada pelo produto de AD por AB. Assim temos: x. (x + 5x + 1) x(6x + 1) 18x 2 + x Podemos efetuar a multiplicação de dois poliômios como usualmete fazemos esta operação com úmeros reais a forma: 2x 1 x 2 +x 6x 2 x 2x + x 2 2x + 7x 2 x Produtos Notáveis Algus produtos são utilizados frequetemete e são chamados de produtos otáveis. Eis algus deles: a) Produto da soma pela difereça de dois termos: (x + a). (x a) x 2 a 2 b) Quadrado da soma de dois termos: (x + a) 2 (x + a). (x + a) x 2 + 2ax + a 2 Págia 2

34 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 c) Quadrado da difereça de dois termos: (x a) 2 (x a). (x a) x 2 2ax + a 2 d) Cubo da soma de dois termos: (x + a) x + x 2 a + xa 2 + a e) Cubo da difereça de dois termos: (x a) x x 2 a + xa 2 a 1) (k 5) 2 k 2 2. k k 2 10k ) (2 t + ) 2 (2 t) (2 t). () t t + 9 ) ( 2x)( + 2x) () 2 (2x) 2 9 4x 2 4) 9y 2 + x 2 6yx ( y) 2 2. (y). (x) + (x) 2 (y x) Divisão de Poliômios Para dividir dois poliômios a(x) e b(x), o processo é semelhate ao da divisão de dois úmeros reais. Os termos do quociete q(x) são escolhidos de modo que os termos de maior grau dos dividedos ao logo da operação sejam elimiados. O resto r(x) é o dividedo que tem grau meor que o divisor. Págia

35 4 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 a(x) b(x). q(x) + r(x) a(x) r(x) q(x) + b(x) b(x) Calcule 1) f(x)/(g(x), sedo: f(x) x 2x e g(x) x + 1 Sabedo que: x 2x x + 1 x x 2 x 2 x + 1 x 2 2x +x 2 + x x +x + 1 (x 2x) ( x 2 x + 1). (x + 1) + 1 Tem-se: 1 f(x) g(x) (x 2x) (x + 1) (x2 x 1) + ( 1 x + 1 ) 2) p(x) f(x)/(g(x), sedo : f(x) x + 5x 2 + 8x + 4 e g(x) x + 2 Págia 4

36 5 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 x + 5x 2 + 8x + 4 x + 2 x 2x 2 x 2 + x + 2 x 2 + 8x + 4 x 2 6x 2x + 4 2x 4 p(x) f(x) g(x) x2 + x Raiz de um Poliômio Raízes ou zeros de um poliômio p(x) são os valores de x que toram p(x) 0, ou seja, os valores que zeram a equação. Um poliômio de grau tem raízes que podem ser reais ou complexas, distitas ou repetidas. Se x 1, x 2,, x são raízes de poliômio p(x) de grau, etão p(x 1 ) 0, p(x 2 ) 0, p(x ) 0. Um poliômio de 1 0 grau a forma p(x) ax + b tem uma raiz x 1 que pode ser calculada como ax 1 + b 0 x 1 b a Págia 5

37 6 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 Um poliômio de 2 0 grau a forma p(x) ax 2 + bx + c tem duas raízes x 1 e x 2 que podem ser calculadas pela fórmula de Bhaskara. x b ± 2 a ode b 2 4 a c Se > 0 etão x 1 e x 2 são raízes reais e distitas Se 0 etão x 1 e x 2 são raízes reais e iguais Se < 0 etão x 1 e x 2 são raízes complexas Graficamete, os zeros reais do poliômio p(x) são as iterseções do gráfico da fução p(x) com o eixo x. Caso 1: Raízes reais distitas Págia 6

38 7 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 Caso 2: Raízes reais iguais Caso : Raízes complexas Verifique se x é raiz dos poliômios abaixo: 1) p(x) x + 9 p( ). ( ) Págia 7

39 8 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 p( ) 0 Portato x é raiz de p(x). 2) r(x) x x + 9 r( ) ( ) ( ) + 9 r( ) r( ) 0 Portato x é raiz de r(x). ) s(x) x + 9x s( ) ( ) + 9( ) s( ) s( ) 0 Portato x ão é raiz de s(x). Ecotre as raízes dos poliômios abaixo: 4) p(x) x 6 p(x) x 6 0 x 6 0 x 6 x 6 x 2 Págia 8

40 9 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 5) s(t) 6 t + 18 s(t) 6t t t 18 t 18 6 t 6) g(x) x 2 x + 2 x 2 x Usado Bhaskara: a 1, b e c 2, ( ) > 0 ; raízes reais distitas ( ) ± 1 x 2.1 x x ± 1 2 7) g(x) 4x x x x Usado Bhaskara: a 4, b 16 e c 16, (16) ; raízes reais iguais Págia 9

41 40 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 (16) ± 0 x 2.4 x x ± ) p(t) t 2 2 t t 2 2 t 0 Usado Bhaskara: a 1, b 2 e c 0, ( 2) t t t ( 2) ± ± 2 2 Como o poliômio é icompleto (c 0) podemos resolvêlo diretamete a forma: t 2 2 t 0 t. (t 2) 0 zero, assim: Para um produto ser zero um dos dois fatores deve ser Págia 40

42 41 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 t 0 { ou t 2 0 t 1 0 t t 2 2 9) p(x) 4x x Usado Bhaskara: a 4, b 0 e c 16, (0) ( 16) 256 (0) ± 256 t 2.4 x x ± 16 8 ± 16 8 Como o poliômio é icompleto (b 0) podemos resolvê-lo diretamete a forma: 4x x x2 4 x 2 4 x 2 x 1 2 ou x 2 2 Págia 41

43 42 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 10) p(x) x + x 2 6x x + x 2 6x 0 x ( x 2 x 6) 0 x 0 x 1 0 { x 2 x 6 0 Usado Bhaskara para resolver a equação: x 2 x 6 0: ( 1) ( 6) 25 ( 1) ± 25 x 2.1 x x Assim: 1 ± 5 2 x 1 0 ; x 2 ; x Fatoração de Poliômios Cosidere o poliômio p(x) de grau p(x) a x + a 1 x 1 + +a 1 x + a 0 Se x 1, x 2,, x são raízes de p(x) etão, p(x) pode ser fatorado como: p(x) a (x x 1 )(x x 2 ) (x x 1 )(x x ) ode a é o coeficiete do termo de maior grau do poliômio. Págia 42

44 4 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 Se x 1, x 2,, x são raízes de p(x) etão, p(x) é divisível (resto igual a zero) por (x x i ) com i 1,,, ode x i é cada uma de suas raízes. Fatores os poliômios abaixo: 1) g(x) x 2 x + 2 Devemos primeiro ecotrar as raízes do poliômio. x ( ) ± ( ) x 1 2 ; x 2 1 x ± 1 2 Para g(x) tem-se que a 1, x 1 2 e x 2 1, etão: g(x) a (x x 1 )(x x 2 ) g(x) x 2 x + 2 (x 2)(x 1) 2) k(x) 8x + 2x Raízes: x ( 8) ± ( 8) x 1 ; x 2 1 x 8 ± 4 4 para k(x) tem-se que a 2, x 1 e x 2 1: Págia 4

45 44 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 k(x) a (x x 1 )(x x 2 ) k(x) 2x 2 8x (x )(x 1) ) Fatore e simplifique a expressão 2x 2 + 4x + 2 x + 1 Para faturar o umerador 2x 2 + 4x + 2, calculamos as raízes. x 1 1 ; x (4) ± (4) x 2 1 Tem-se que a 2, x 1 1e x 2 1 2x 2 + 4x + 2 2(x ( 1))(x ( 1)) x 4 ± 0 4 2x 2 + 4x (x + 1)(x + 1) Calculado a expressão: 2x 2 + 4x + 2 x + 1 2x2 + 4x + 2 x (x + 1)(x + 1) x + 1 2(x + 1) Págia 44

46 45 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 EXERCÍCIOS PROPOSTOS Aqui estão questões relacioadas ao capítulo estudado. É importate o esforço para resolver todas as questões. Em caso de dúvidas os moitores do programa estão protos para lhe ajudar. Bos estudos! 1) Três atletas correm uma pista circular e gastam, respectivamete, 144 s, 120 s e 96 s para completar uma volta a pista. Eles partem do mesmo local e o mesmo istate. Após algum tempo, os três atletas se ecotram, pela primeira vez, o local da largada. Nesse mometo, quatas voltas o atleta MAIS VELOZ estará completado? 2) x y Se A xy, 2 x e 5 1 y, etão determie o valor de A ) Determie. 5 2 ax x 4) Determie o valor umérico da expressão a para x a 4 a e x ) Quato devemos adicioar ao quadrado de x + 2 para ecotrarmos o cubo de x -? Págia 45

47 46 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 6) Determie a quarta parte da difereça etre os quadrados dos poliômios x 2 + 2x - 1 e x 2-2x ) Se A 5x 2-2, determie o valor de A 2 - A ) (F.Carlos Chagas) Dado o poliômio P(x) x 2x 2 + mx 1, ode m R, se P(2). P(0), etão P(m) é igual a: a) 5 b) c) 1 d) 1 e) 14 9) (Cescem-SP) Se os poliômios f 2x (p 1)x + 2 e g qx + 2x +2 são idêticos, etão o valor da expressão p 2 + q 2 é: a) 1 b) 5 c) d) 2 e) 1 10) (UFMG) O valor da expressão E(x) 1 é x para x a) 5/8 b) ½ c) /8 d) /11 e) 5/11 11) (UFMG) Os poliômios P(x) px 2 + q(x) 4 e Q(x) x 2 + px + q são tais que P(x + 1) Q(2x) para todo x real. Os valores de p e q são: a) p 1 e q -4 b) p 2 e q 4 c) p 4 e q -4 d) p 4 e q 0 e) p -4 e q 0 Págia 46

48 47 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 1) 15 voltas. GABARITO 2) 1/2. ) 14/15. 4) 5/7. 5) x 10x 2 + 2x 1. 6) x 2 (2x 1). 7) 25x 4 5x ) Letra B. 9) Letra B. 10) Letra A. 11) Letra D. Págia 47

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1 Capítulo. Aritmética e Expressões Algébricas O estudo de cálculo exige muito mais que o cohecimeto de limite, derivada e itegral. Para que o apredizado seja satisfatório o domíio de tópicos de aritmética

Leia mais

DILMAR RICARDO MATEMÁTICA. 1ª Edição DEZ 2012

DILMAR RICARDO MATEMÁTICA. 1ª Edição DEZ 2012 DILMAR RICARDO MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Dilmar Ricardo Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição DEZ 0 TODOS OS DIREITOS

Leia mais

2. Expressões Algébricas, Equações e Inequações

2. Expressões Algébricas, Equações e Inequações Capítulo 2 2. Expressões Algébricas, Equações e Inequações Como exposto no tópico 1.3, uma expressão algébrica é uma a expressão matemática na qual se faz uso de letras, números e operações aritméticas.

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS , 2 OPERAÇÕES BÁSICAS APROVA CONCURSOS MINISTÉRIO DA FAZENDA. Prof. Daniel Almeida AULA 01/20

CONJUNTOS NUMÉRICOS , 2 OPERAÇÕES BÁSICAS APROVA CONCURSOS MINISTÉRIO DA FAZENDA. Prof. Daniel Almeida AULA 01/20 CONJUNTOS NUMÉRICOS - Números Naturais (IN ) Foram os primeiros úmeros a surgir devido à ecessidade dos homes em cotar objetos. IN = { 0,,,,,, 6,... } - Números Iteiros ( Z ) Se jutarmos os úmeros aturais

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática Miistério da Educação Uiversidade Tecológica Federal do Paraá Campus Curitiba Gerêcia de Esio e Pesquisa Departameto Acadêmico de Matemática Dispositivo Prático de Briot-Ruffii: Poliômios O Dispositivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES PRÁTICAS COMO COMPONENTE CURRICULAR DISCUTIDA A PARTIR DE MÉTODOS PARA OBTENÇÃO DE FRAÇÕES GERATRIZES

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES PRÁTICAS COMO COMPONENTE CURRICULAR DISCUTIDA A PARTIR DE MÉTODOS PARA OBTENÇÃO DE FRAÇÕES GERATRIZES A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES PRÁTICAS COMO COMPONENTE CURRICULAR DISCUTIDA A PARTIR DE MÉTODOS PARA OBTENÇÃO DE FRAÇÕES GERATRIZES Guilherme de Martii Uiversidade Tecológica Federal do Paraá - Câmpus Toledo

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD.

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD. Matemática 0. Um losago do plao cartesiao oxy tem vértices A(0,0), B(,0), C(,) e D(,). A) Determie a equação da reta que cotém a diagoal AC. B) Determie a equação da reta que cotém a diagoal BD. C) Ecotre

Leia mais

Capítulo 1: Fração e Potenciação

Capítulo 1: Fração e Potenciação 1 Capítulo 1: Fração e Potenciação 1.1. Fração Fração é uma forma de expressar uma quantidade sobre o todo. De início, dividimos o todo em n partes iguais e, em seguida, reunimos um número m dessas partes.

Leia mais

A letra x representa números reais, portanto

A letra x representa números reais, portanto Aula 0 FUNÇÕES UFPA, 8 de março de 05 No ial desta aula, você seja capaz de: Saber dizer o domíio e a imagem das uções esseciais particularmete esta aula as uções potêcias; Fazer o esboço de gráico da

Leia mais

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré. 1 Sequências de números reais 1

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré.  1 Sequências de números reais 1 Matemática Essecial Sequêcias Reais Departameto de Matemática - UEL - 200 Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessecial/ Coteúdo Sequêcias de úmeros reais 2 Médias usuais 6 3 Médias versus progressões

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE ALFORNELOS

ESCOLA BÁSICA DE ALFORNELOS ESCOLA BÁSICA DE ALFORNELOS FICHA DE TRABALHO DE MATEMÁTICA 9.º ANO VALORES APROXIMADOS DE NÚMEROS REAIS Dado um úmero xe um úmero positivo r, um úmero x como uma aproximação de x com erro iferior a r

Leia mais

RESUMO DE CONTEÚDO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof. Rodrigo Neves

RESUMO DE CONTEÚDO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof. Rodrigo Neves RESUMO DE CONTEÚDO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof. Rodrigo Neves Coceitos Prelimiares: Subcojutos Reais Os subcojutos mais comus da reta real são os itervalos. Por exemplo, o itervalo aberto (a,

Leia mais

Solução Comentada Prova de Matemática

Solução Comentada Prova de Matemática 0 questões. Sejam a, b e c os três meores úmeros iteiros positivos, tais que 5a = 75b = 00c. Assiale com V (verdadeiro) ou F (falso) as opções abaixo. ( ) A soma a b c é igual a 9 ( ) A soma a b c é igual

Leia mais

Números primos, números compostos e o Teorema Fundamental da Aritmética

Números primos, números compostos e o Teorema Fundamental da Aritmética Polos Olímpicos de Treiameto Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 4 Números primos, úmeros compostos e o Teorema Fudametal da Aritmética 1 O Teorema Fudametal da Aritmética

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Números reais 1,, 3, cojuto dos úmeros aturais 0,1,,3, cojuto dos úmeros iteiros p q /p e q cojuto dos úmeros racioais a, a 0 a 1 a a, a e a i 0, 1,, 3, 4,

Leia mais

Em certas situações particulares é possível operar com raízes quadradas, raízes cúbicas,...

Em certas situações particulares é possível operar com raízes quadradas, raízes cúbicas,... Escola Secudária/, da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática A Ao Lectivo 000/0 Cojuto IR - Operações com radicais, racioalização de deomiadores e equadrametos 0º Ao Nome: Nº: Turma: NÚMEROS IRRACIONAIS

Leia mais

Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 ESTUDO DOS POLINÔMIOS. nulo.

Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 ESTUDO DOS POLINÔMIOS. nulo. Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues ESTUDO DOS POLINÔMIOS Questão 0 Dê o grau de P em cada caso: a) P() = 7 + b) P () = + + 7 c) P () = + d) P () = + e) P () = 0 f) P () = 0 Questão 0 Dado o poliômio P()

Leia mais

NOTAÇÕES. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são os cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são os cartesianos retangulares. R C : cojuto dos úmeros reais : cojuto dos úmeros complexos i : uidade imagiária: i2 = 1 z Re(z) Im(z) det A : módulo do úmero z E C : parte real do úmero z E C : parte imagiária do úmero z E C : determiate

Leia mais

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números reais ordenados.

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números reais ordenados. Cálculo I Egeharia Mecâica. Sequêcias Defiição : Sequêcia é uma lista ifiita de úmeros reais ordeados. 2º termo º termo Nome (x ) = (x, x 2, x,..., x,...) º termo º termo N R x Observação: Podemos pesar

Leia mais

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes Capítulo Séquêcias e Séries Ifiitas de Termos Costates.. Itrodução Neste capítulo estamos iteressados em aalisar as séries ifiitas de termos costates. Etretato, para eteder as séries ifiitas devemos ates

Leia mais

a = b n Vejamos alguns exemplos que nos permitem observar essas relações. = 4 4² = 16 radical radicando

a = b n Vejamos alguns exemplos que nos permitem observar essas relações. = 4 4² = 16 radical radicando Caro aluo, Com o objetivo de esclarecer as dúvidas sobre a raiz quadrada, apresetamos este material a defiição de radiciação, o cálculo da raiz quadrada e algumas propriedades de radiciação. Além disso,

Leia mais

Capítulo I Séries Numéricas

Capítulo I Séries Numéricas Capítulo I Séries Numéricas Capitulo I Séries. SÉRIES NÚMERICAS DEFINIÇÃO Sedo u, u,..., u,... uma sucessão umérica, chama-se série umérica de termo geral u à epressão que habitualmete se escreve u u...

Leia mais

Trilha da Radiciação

Trilha da Radiciação Trilha da Radiciação Material para costrução: E.V.A Tesoura Régua Cola Caetihas Papel Cartaz Folhas impressas Descrição: O jogo cosiste em um tabuleiro com 0 casas, cotedo as cores bracas, vermelhas, verdes

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv CPV O cursiho que mais aprova a fgv FGV ecoomia a Fase 0/dezembro/0 MATEMÁTICA 0. Chamaremos de S() a soma dos algarismos do úmero iteiro positivo, e de P() o produto dos algarismos de. Por exemplo, se

Leia mais

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE CURSO DISCIPLINA PROFESSOR I) Itrodução ao Limite de uma Fução UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Limite de uma Fução José Elias

Leia mais

Planificação Anual de Matemática

Planificação Anual de Matemática Direção-Geral dos Estabelecimetos Escolares Direção de Serviços da Região Cetro Plaificação Aual de Matemática Ao Letivo: 2015/2016 Domíio Coteúdos Metas Curriculares Nº de Aulas (45 miutos) TEOREMA DE

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 INTERVALOS, INEQUAÇÕES E MÓDULO

E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 INTERVALOS, INEQUAÇÕES E MÓDULO E-books PCNA Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 INTERVALOS, INEQUAÇÕES E MÓDULO 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 2 SUMÁRIO Apresentação ------------------------------------------------- 2 Capítulo 2

Leia mais

Soluções dos Exercícios do Capítulo 6

Soluções dos Exercícios do Capítulo 6 Soluções dos Eercícios do Capítulo 6 1. O poliômio procurado P() a + b + c + d deve satisfazer a idetidade P(+1) P() +, ou seja, a(+1) + b(+1) + c(+1) + d a + b + c + d +, o que é equivalete a (a 1) +

Leia mais

( 7) ( 3) Potenciação

( 7) ( 3) Potenciação Poteciação Defiição: Calcular a potêcia de um úmero real a equivale a multiplicar a, por ele mesmo, vezes. A otação da operação de poteciação é equivalete a: Eemplos: 6; 7 9 a a. a. a... a vezes Propriedades:

Leia mais

APROXIMAÇÃO POR MÍNIMOS QUADRADOS. Consideremos a seguinte tabela de valores de uma função y = f(x):

APROXIMAÇÃO POR MÍNIMOS QUADRADOS. Consideremos a seguinte tabela de valores de uma função y = f(x): APROXIAÇÃO POR ÍNIOS QUADRADOS Cosideremos a seguite tabela de valores de uma fução y = f(x): i 3 x i 6 8 y i 8 Pretede-se estimar valores da fução em potos ão tabelados. Poderíamos utilizar o poliómio

Leia mais

Transformação de similaridade

Transformação de similaridade Trasformação de similaridade Relembrado bases e represetações, ós dissemos que dada uma base {q, q,..., q} o espaço real - dimesioal, qualquer vetor deste espaço pode ser escrito como:. Ou a forma matricial

Leia mais

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL 1 Mat-15/ Cálculo Numérico/ Departameto de Matemática/Prof. Dirceu Melo LISTA DE EXERCÍCIOS INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL A aproximação de fuções por poliômios é uma das ideias mais atigas da aálise umérica,

Leia mais

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma:

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma: 07 BINÔMIO DE NEWTON O desevolvimeto da epressão a b é simples, pois eige somete quatro multiplicações e uma soma: a b a b a b a ab ba b a ab b O desevolvimeto de a b é uma tarefa um pouco mais trabalhosa,

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ao 00 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como a probabilidade do João acertar em cada tetativa é 0,, a probabilidade do João acertar as tetativas é 0, 0, 0, 0,

Leia mais

Elevando ao quadrado (o que pode criar raízes estranhas),

Elevando ao quadrado (o que pode criar raízes estranhas), A MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO, Vol. Soluções. Progressões Aritméticas ) O aumeto de um triâgulo causa o aumeto de dois palitos.logo, o úmero de palitos costitui uma progressão aritmética de razão. a a +(

Leia mais

2.2. Séries de potências

2.2. Séries de potências Capítulo 2 Séries de Potêcias 2.. Itrodução Série de potêcias é uma série ifiita de termos variáveis. Assim, a teoria desevolvida para séries ifiitas de termos costates pode ser estedida para a aálise

Leia mais

( 1,2,4,8,16,32,... ) PG de razão 2 ( 5,5,5,5,5,5,5,... ) PG de razão 1 ( 100,50,25,... ) PG de razão ½ ( 2, 6,18, 54,162,...

( 1,2,4,8,16,32,... ) PG de razão 2 ( 5,5,5,5,5,5,5,... ) PG de razão 1 ( 100,50,25,... ) PG de razão ½ ( 2, 6,18, 54,162,... Progressões Geométricas Defiição Chama se progressão geométrica PG qualquer seqüêcia de úmeros reais ou complexos, ode cada termo a partir do segudo, é igual ao aterior, multiplicado por uma costate deomiada

Leia mais

NÚMEROS REAIS E OPERAÇÕES

NÚMEROS REAIS E OPERAÇÕES Reisão de Pré-Cálclo NÚMEROS REAIS E OPERAÇÕES Prof Dr José Ricardo de Rezede Zei Departameto de Matemática, FEG, UNESP Lc Ismael Soares Madreira Júior Garatigetá, SP, Otbro, 2016 Direitos reserados Reprodção

Leia mais

Radiciação. Roberto Geraldo Tavares Arnaut. Kathleen S. Gonçalves

Radiciação. Roberto Geraldo Tavares Arnaut. Kathleen S. Gonçalves Radiciação 1 Roberto Geraldo Tavares Araut Kathlee S. Goçalves e-tec Brasil Estatística Aplicada META Apresetar o coceito de radiciação e suas propriedades. OBJETIVO PRÉ-REQUISITOS Após o estudo desta

Leia mais

Séries e aplicações15

Séries e aplicações15 Séries e aplicações5 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 5. Sequêcias 5. Séries 5. Séries especiais 5.4 Arquimedes e a quadratura da parábola 5.5 Sobre a Covergêcia de séries 5.6 Séries de Taylor

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto Itrodução

Leia mais

INSTRUÇÕES. Esta prova é individual e sem consulta à qualquer material.

INSTRUÇÕES. Esta prova é individual e sem consulta à qualquer material. OPRM 016 Nível 3 Seguda Fase /09/16 Duração: Horas e 30 miutos Nome: Escola: Aplicador(a): INSTRUÇÕES Escreva seu ome, o ome da sua escola e ome do APLICADOR(A) os campos acima. Esta prova cotém 7 págias

Leia mais

MATEMÁTICA. Determine o conjunto-solução da equação sen 3 x + cos 3 x =1 sen 2 x cos 2 x. Resolução: Fatorando a equação dada:

MATEMÁTICA. Determine o conjunto-solução da equação sen 3 x + cos 3 x =1 sen 2 x cos 2 x. Resolução: Fatorando a equação dada: MATEMÁTICA 0000 Questão 0 Determie o cojuto-solução da equação se x + cos x = se x cos x Fatorado a equação dada: se x + cos x= se x cos x ( sex + cos x)( se x sexcos x+ cos x) = ( sexcos x) ( x x)( x

Leia mais

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo Seqüêcias e Séries Notas de Aula 4º Bimestre/200 º ao - Matemática Cálculo Diferecial e Itegral I Profª Drª Gilcilee Sachez de Paulo Seqüêcias e Séries Para x R, podemos em geral, obter sex, e x, lx, arctgx

Leia mais

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária.

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária. 1.4 Determiates A teoria dos determiates surgiu quase simultaeamete a Alemaha e o Japão. Ela foi desevolvida por dois matemáticos, Gottfried Wilhelm Leibiz (1642-1716) e Seki Shisuke Kowa (1642-1708),

Leia mais

ANDRÉ REIS RACIOCÍNIO LÓGICO / MATEMÁTICA. 1ª Edição AGO 2013

ANDRÉ REIS RACIOCÍNIO LÓGICO / MATEMÁTICA. 1ª Edição AGO 2013 ANDRÉ REIS RACIOCÍNIO LÓGICO / MATEMÁTICA TEORIA QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis

Leia mais

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia.

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia. 6//000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR 00- PROVA MATEMÁTICA Prova resolvida pela Profª Maria Atôia Coceição Gouveia RESPONDA ÀS QUESTÕES A SEGUIR, JUSTIFICANDO SUAS SOLUÇÕES QUESTÃO A

Leia mais

Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciências Exatas Prof. Daniel Furtado Ferreira 1 a Aula Prática Técnicas de somatório

Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciências Exatas Prof. Daniel Furtado Ferreira 1 a Aula Prática Técnicas de somatório Uiversidade Federal de Lavras Departameto de Ciêcias Exatas Prof. Daiel Furtado Ferreira 1 a Aula Prática Técicas de somatório Notação e propriedades: 1) Variáveis e ídices: o símbolo x j (leia x ídice

Leia mais

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan.

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan. Matemática Biômio de Newto Professor Duda www.acasadococurseiro.com.br Matemática BINÔMIO DE NEWTON Defiição O biômio de Newto é uma expressão que permite calcular o desevolvimeto de (a + b), sedo a +

Leia mais

11 Aplicações da Integral

11 Aplicações da Integral Aplicações da Itegral Ao itroduzirmos a Itegral Defiida vimos que ela pode ser usada para calcular áreas sob curvas. Veremos este capítulo que existem outras aplicações. Essas aplicações estedem-se aos

Leia mais

AULA 17 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO

AULA 17 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO Processameto Digital de Siais Aula 7 Professor Marcio Eisecraft abril 0 AULA 7 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO Bibliografia OPPENHEIM, A.V.; WILLSKY, A. S. Siais e Sistemas, a edição, Pearso, 00. ISBN 9788576055044.

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química Uiversidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecologia e Ciêcias Exatas Laboratório de Física e Química Aálise de Medidas Físicas Quado fazemos uma medida, determiamos um úmero para caracterizar uma gradeza

Leia mais

CORRELAÇÃO Aqui me tens de regresso

CORRELAÇÃO Aqui me tens de regresso CORRELAÇÃO Aqui me tes de regresso O assuto Correlação fez parte, acompahado de Regressão, do programa de Auditor Fiscal, até 998, desaparecedo a partir do cocurso do ao 000 para agora retorar soziho.

Leia mais

META Suprir algumas deficiências sobre álgebra ensinada em matemática no nível médio

META Suprir algumas deficiências sobre álgebra ensinada em matemática no nível médio ÁLGEBRA BÁSICA Aula 5 META Suprir algumas deficiêcias sobre álgebra esiada em matemática o ível médio OBJETIVOS Ao fi al desta aula, o aluo deverá: defi ir coceitos matemáticos de álgebra básica; iterpretar

Leia mais

Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos Aálise de Algoritmos Aálise de Algoritmos Prof Dr José Augusto Baraauskas DFM-FFCLRP-USP A Aálise de Algoritmos é um campo da Ciêcia da Computação que tem como objetivo o etedimeto da complexidade dos

Leia mais

11. Para quais valores a desigualdade x + > x (ITA/2012) Sejam r 1. r D e m o n s t r a r q u e s e A, B, C R * + 02.

11. Para quais valores a desigualdade x + > x (ITA/2012) Sejam r 1. r D e m o n s t r a r q u e s e A, B, C R * + 02. Matemática Revisão de Álgebra Exercícios de Fixação 0. Ecotre os valores das raízes racioais a, b e c de x + ax + bx + c. 0. Se f(x)f(y) f(xy) = x + y, "x,y R, determie f(x). 0. Ecotre x real satisfazedo

Leia mais

Exercício: Mediu-se os ângulos internos de um quadrilátero e obteve-se 361,4. Qual é o erro de que está afetada esta medida?

Exercício: Mediu-se os ângulos internos de um quadrilátero e obteve-se 361,4. Qual é o erro de que está afetada esta medida? 1. Tratameto estatísticos dos dados 1.1. TEORIA DE ERROS O ato de medir é, em essêcia, um ato de comparar, e essa comparação evolve erros de diversas origes (dos istrumetos, do operador, do processo de

Leia mais

Curso Mentor. Radicais ( ) www.cursomentor.wordpress.com. Definição. Expoente Fracionário. Extração da Raiz Quadrada. Por definição temos que:

Curso Mentor. Radicais ( ) www.cursomentor.wordpress.com. Definição. Expoente Fracionário. Extração da Raiz Quadrada. Por definição temos que: Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Defiição Por defiição temos que: Radicais a b b a, N, Observação : Se é par devemos ter que a é positivo. Observação : Por defiição temos:. 0 0 Observação : Chamamos

Leia mais

[Digite texto] T U R M A D O P R O F. J E J E C A E X A M E F I N A L R E C U P E R A Ç Ã O F I N A L 9 º E. F = b) [Digite texto]

[Digite texto] T U R M A D O P R O F. J E J E C A E X A M E F I N A L R E C U P E R A Ç Ã O F I N A L 9 º E. F = b) [Digite texto] [Digite teto] I Poteciação 0. Calcule as seguites potêcias: a) 4 b) 4 0 e) (-) 4 f) g) h) 0 i) (,4) 0 j) (-0,) 0 k) 7¹ l) (,4) ¹ m) (-) ¹ ) 4 7 o) - p) (-) - q) 4 r) s) t) u) v) 4 ESTUDO DIRIGIDO: Poteciação

Leia mais

Material Didático. Matemática Elementar. Maio Universidade Federal do Pará. Equipe de Matemática: José Benício da Cruz Costa (Coordenação)

Material Didático. Matemática Elementar. Maio Universidade Federal do Pará. Equipe de Matemática: José Benício da Cruz Costa (Coordenação) Matemática Elementar Material Didático Equipe de Matemática: (PCNA - Maio de 016) José Benício da Cruz Costa (Coordenação) Maio 016 Universidade Federal do Pará Monitores: Daniel de Souza Avelar da Costa

Leia mais

DERIVADAS DE FUNÇÕES11

DERIVADAS DE FUNÇÕES11 DERIVADAS DE FUNÇÕES11 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 11.1 O cálculo diferecial 11. Difereças 11.3 Taxa de variação média 11.4 Taxa de variação istatâea e potual 11.5 Primeiros exemplos

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica Exercícios de Aprofudameto Matemática Progressão Aritmética e b. (Fuvest 05) Dadas as sequêcias a 4 4, b, c a a e d, b defiidas para valores iteiros positivos de, cosidere as seguites afirmações: I. a

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

XXXIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO XXXIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL (Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL ) E 6) C ) E 6) B ) D ) C 7) D ) C 7) A ) A ) B 8) B ) B 8) A ) B ) D 9) D ) A 9) B ) E 5) D 0) D 5) A

Leia mais

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE CAPÍTUO IV DESENVOVIMENTOS EM SÉRIE Série de Taylor e de Mac-auri Seja f ) uma fução real de variável real com domíio A e seja a um poto iterior desse domíio Supoha-se que a fução admite derivadas fiitas

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 0 Profa Maria Atôia Gouveia 6 A figura represeta um cabo de aço preso as etremidades de duas hastes de mesma altura h em relação a uma plataforma horizotal A represetação

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis:

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis: Capítulo 3 Sequêcias e Séries Numéricas 3. Sequêcias Numéricas Uma sequêcia umérica é uma fução real com domíio N que, a cada associa um úmero real a. Os úmeros a são chamados termos da sequêcia. É comum

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta Questão 1 a) O faturameto de uma empresa este ao foi 1% superior ao do ao aterior; oteha o faturameto do ao aterior, saedo que o deste ao foi de R$1.4.,. ) Um comerciate compra calças a um custo de R$6,

Leia mais

MATEMÁTICA II. 01. Uma função f, de R em R, tal. , então podemos afirmar que a, b e c são números reais, tais. que. D) c =

MATEMÁTICA II. 01. Uma função f, de R em R, tal. , então podemos afirmar que a, b e c são números reais, tais. que. D) c = MATEMÁTCA 0. Uma fução f, de R em R, tal que f(x 5) f(x), f( x) f(x),f( ). Seja 9 a f( ), b f( ) e c f() f( 7), etão podemos afirmar que a, b e c são úmeros reais, tais que A) a b c B) b a c C) c a b ab

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição SET 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição SET 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS 6 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição SET 0

Leia mais

Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Mínimos

Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Mínimos Notas de aula de Métodos Numéricos. c Departameto de Computação/ICEB/UFOP. Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Míimos Marcoe Jamilso Freitas Souza, Departameto de Computação, Istituto de Ciêcias

Leia mais

O Teorema Fundamental da Aritm etica

O Teorema Fundamental da Aritm etica 8 O Teorema Fudametal da Aritm etica Vimos, o cap ³tulo 5, o teorema 5.1, que estabelece que os primos positivos s~ao os blocos usados para costruir, atrav es de produtos, todos os iteiros positivos maiores

Leia mais

Induzindo a um bom entendimento do Princípio da Indução Finita

Induzindo a um bom entendimento do Princípio da Indução Finita Iduzido a um bom etedimeto do Pricípio da Idução Fiita Jamil Ferreira (Apresetado a VI Ecotro Capixaba de Educação Matemática e utilizado como otas de aula para disciplias itrodutórias do curso de matemática)

Leia mais

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres-

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres- MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO MÓDULO DE REFORÇO - EAD PROGRESSÕES Progressão Geométrica I) PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (P.G.) Progressão Geométrica é uma sequêcia de elemetos (a, a 2, a 3,..., a,...) tais que, a partir

Leia mais

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial.

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial. DERIVADAS INTRODUÇÃO O Cálculo Diferecial e Itegral, criado por Leibiz e Newto o século XVII, torou-se logo de iício um istrumeto precioso e imprescidível para a solução de vários problemas relativos à

Leia mais

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ Aotações sobre somatórios Rodrigo Carlos Silva de Lima Uiversidade Federal Flumiese - UFF-RJ rodrigouffmath@gmailcom Sumário Somatórios 3 Somatórios e úmeros complexos 3 O truque de Gauss para somatórios

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

01 Um triângulo isósceles tem os lados congruentes medindo 5 cm, a base medindo 8 cm. A distância entre o seu baricentro é, aproximadamente, igual a:

01 Um triângulo isósceles tem os lados congruentes medindo 5 cm, a base medindo 8 cm. A distância entre o seu baricentro é, aproximadamente, igual a: 01 Um triâgulo isósceles tem os lados cogruetes medido 5 cm, a base medido 8 cm. A distâcia etre o seu baricetro é, aproximadamete, igual a: (A) 0,1cm (B) 0,3cm (C) 0,5cm (D) 0,7cm (E) 0,9cm 02 2 2 5 3

Leia mais

Matemática 5 aula 11 ( ) ( ) COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS REVISÃO. 4a 12ab + 5b 2a 2(2a)(3b) + (3b) (2b)

Matemática 5 aula 11 ( ) ( ) COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS REVISÃO. 4a 12ab + 5b 2a 2(2a)(3b) + (3b) (2b) Matemática 5 aula 11 REVISÃO 1. Seja L a capacidade, em litros, do taque. Por regra de três simples, temos: I. Toreira 1: II. Toreira : 1 L 18 L x 1 x + xl ( x+ ) 1 = = L 1 18 xl ( x+ ) Sabedo que R 1

Leia mais

ASSOCIANDO UM POLINÔMIO A EXPRESSÕES ALGÉBRICAS E TRIGONOMÉTRICAS Marcílio Miranda, IFRN (Caicó RN)

ASSOCIANDO UM POLINÔMIO A EXPRESSÕES ALGÉBRICAS E TRIGONOMÉTRICAS Marcílio Miranda, IFRN (Caicó RN) ASSOCIANDO UM POLINÔMIO A EXPRESSÕES ALGÉBRICAS E TRIGONOMÉTRICAS Marcílio Mirada, IFRN (Caicó RN) Nível Itermediário O objetivo deste artigo é mostrar uma técica que pode ser bastate útil a hora de resolver

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Sequêcia Ifiitas Defiição 1: Uma sequêcia umérica a 1, a 2, a 3,,a,é uma fução, defiida o cojuto dos úmeros aturais : f : f a Notação: O úmero é chamado de

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Desevolvimeto Multiomial Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto 1 Desevolvimeto

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL. Conceito de derivada. Interpretação geométrica

CÁLCULO DIFERENCIAL. Conceito de derivada. Interpretação geométrica CÁLCULO DIFERENCIAL Coceito de derivada Iterpretação geométrica A oção fudametal do Cálculo Diferecial a derivada parece ter sido pela primeira vez explicitada o século XVII, pelo matemático fracês Pierre

Leia mais

A B C A e B A e C B e C A, B e C

A B C A e B A e C B e C A, B e C 2 O ANO EM Matemática I RAPHAEL LIMA Lista 6. Durate o desfile de Caraval das escolas de samba do Rio de Jaeiro em 207, uma empresa especializada em pesquisa de opiião etrevistou 40 foliões sobre qual

Leia mais

FORMA TRIGONOMÉTRICA. Para ilustrar, calcularemos o argumento de z 1 i 3 e w 2 2i AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS

FORMA TRIGONOMÉTRICA. Para ilustrar, calcularemos o argumento de z 1 i 3 e w 2 2i AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS 145 AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS FORMA TRIGONOMÉTRICA Argumeto de um Número Complexo Seja = a + bi um úmero complexo, sedo P seu afixo o plao complexo. Medido-se o âgulo formado pelo segmeto OP (módulo

Leia mais

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real.

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real. Resumo. O estudo das séries de termos reais, estudado as disciplias de Aálise Matemática da grade geeralidade dos cursos técicos de liceciatura, é aqui estedido ao corpo complexo, bem como ao caso em que

Leia mais

COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. 2. Lembrando... II. K = x K = (7 2 ) x K = x

COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. 2. Lembrando... II. K = x K = (7 2 ) x K = x Matemática aula COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Pelo algoritmo da divisão, temos: I. q + r II. + ( + 3) q + r + q+ r+ 3q + + 3q q 7 5. N 5. 8 x N 5. 3x Número de divisores ( + )(3x + ) 3x + 7 x um úmero

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Disciplina: Matemática para o Ensino Básico I Prof. Hélio Pires de Almeida Curso de Matemática UFPBVIRTUAL

Disciplina: Matemática para o Ensino Básico I Prof. Hélio Pires de Almeida Curso de Matemática UFPBVIRTUAL Disciplia: Matemática para o Esio Básico I Prof Hélio Pires de Almeida Curso de Matemática UFPBVIRTUAL helio@matufpbbr Colaboradores: Prof Edso de Figueirêdo Lima Juior (Tratameto da Iformação) Prof Leimar

Leia mais

Estudo da Função Exponencial e Função Logarítmica

Estudo da Função Exponencial e Função Logarítmica Istituto Muicipal de Esio Superior de Cataduva SP Curso de Liceciatura em Matemática 3º ao Prática de Esio da Matemática III Prof. M.Sc. Fabricio Eduardo Ferreira fabricio@fafica.br Estudo da Fução Expoecial

Leia mais

Sucessão de números reais. Representação gráfica. Sucessões definidas por recorrência. Introdução 8. Avaliação 18 Atividades de síntese 20

Sucessão de números reais. Representação gráfica. Sucessões definidas por recorrência. Introdução 8. Avaliação 18 Atividades de síntese 20 Ídice Sucessão de úmeros reais. Represetação gráfica. Sucessões defiidas por recorrêcia Itrodução 8 Teoria. Itrodução ao estudo das sucessões 0 Teoria. Defiição de sucessão de úmeros reais Teoria 3. Defiição

Leia mais

Função Logarítmica 2 = 2

Função Logarítmica 2 = 2 Itrodução Veja a sequêcia de cálculos aaio: Fução Logarítmica = = 4 = 6 3 = 8 Qual deve ser o valor de esse caso? Como a fução epoecial é estritamete crescete, certamete está etre e 3. Mais adiate veremos

Leia mais

MATEMÁTICA TEORIA. Edição 2017

MATEMÁTICA TEORIA. Edição 2017 MATEMÁTICA TEORIA 6 EXERCÍCIOS POR ASSUNTOS RESOLVIDOS 8 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS Edição 0 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial deste material, por qualquer meio

Leia mais

05 - (MACK SP) O coeficiente do termo em x -3 no BINÔMIO DE NEWTON. desenvolvimento de (UNIFOR CE) No desenvolvimento do binômio.

05 - (MACK SP) O coeficiente do termo em x -3 no BINÔMIO DE NEWTON. desenvolvimento de (UNIFOR CE) No desenvolvimento do binômio. BINÔMIO DE NEWTON 0 - (UNIFOR CE) No desevolvimeto do biômio 4 ( ) 4 8 4, o termo idepedete de é 0 - (PUC RJ) O coeficiete de o desevolvimeto 7 0 5 5 0 0 - (PUC RJ) No desevolvimeto do biômio 4 8 ( ),

Leia mais

Pré-Cálculo. Camila Perraro Sehn Eduardo de Sá Bueno Nóbrega. FURG - Universidade Federal de Rio Grande

Pré-Cálculo. Camila Perraro Sehn Eduardo de Sá Bueno Nóbrega. FURG - Universidade Federal de Rio Grande Pré-Cálculo Camila Perraro Sehn Eduardo de Sá Bueno Nóbrega Projeto Pré-Cálculo Este projeto consiste na formulação de uma apostila contendo os principais assuntos trabalhados na disciplina de Matemática

Leia mais