Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia"

Transcrição

1 Introdução Atualmente no mundo internacional das redes e com o comércio eletrônico, todo sistema de computador se tornou um alvo em potencial para intrusos. O problema é que não há como saber os motivos que levam o intruso a agir e nem quando ele pode atacar, contudo é importante tentar se previnir utilizando mecanismos de proteção. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia O conhecimento dessa metodologia é antigo. Com o advento dos computadores ela se tornou uma parte indispensável da segurança moderna, sendo empregada no ambiente computacional para proteção dos dados de pessoas não autorizadas. 1.1 O que criptografar? Criptografia vem da palavra grega kryptos = "escondida" e graphia = "escrever". Criptografar significa transformar uma mensagem em outra ("escodendo" a mensagem original), usando para isso, funções matemáticas e uma senha especial, chamada chave. 1.2 Categorias Os métodos de criptografia têm sido divididos em duas categorias: as cifras de substituição e as de cifras de transposição Cifras de Substituição Cada letra ou grupo de letras é substituída por outra letra ou grupo de letras. Exemplo: Vejamos um exemplo bem simples, só para se entender a idéia. Cada uma das 26 letras do alfabeto tem seu correspondente em outra letra. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z QWERTYUIOPASDFGHJKLZXCVBNM Esse sistema é conhecido como substituição monoalfabética, sendo a chave o string de 26 letras correspondente ao alfabeto. Substituindo as letras da palavra "atacar" pela correspondente resultaria em "qzqeqk". Todavia em um texto pequeno, a cifra poderia ser descoberta facilmente. Pois o intruso começaria contando as letras mais frequentes do texto cifrado e depois disso ele atribuiria a letra "a" a letra mais comum. Em seguida ele poderia verificar os trigamas e encontrar um no formato gxi, o que poderia sugerir que X poderia ser "u". Embora a criptografia moderna utilize as mesma idéias básicas da substituição tradicional, sua ênfase atual é diferente, ela tem como objetivo tornar o algoritmo complexo e emaranhado para que o intruso não seja capaz de obter qualquer sentido da mensagem Cifras de Transposição Muda a ordem das letras. Por exemplo: Para cifrar o texto "transferir um mil" A cifra se baseia em uma chave que é uma palavra ou frase. No exemplo é "disco". A chave servirá de apoio para enumerar as colunas. Palavra chave = "d i.s c o"...( ) A mensagem é escrita abaixo da chave, de 5 em 5 letras (que é a mesma quantidade de letras da chave).

2 Palavra chave = "d i.s c o"...( )...t.r a n s...f.e r.i.r...u m m i l O texto é lido na vertical, conforme a ordem dessas colunas. Resultando em "niitfuremsrlarm" 1.3 Chave A chave consiste em um string que pode ser alterada sempre que necessário. Desse modo o algoritmo de criptografia pode ser conhecido. Quando o algoritmo se torna público, vários especialistas tentam decodificar o sistema. Se após alguns anos nenhum deles conseguirem a proeza, significa que o algoritmo é bom Tamanho da chave O fator de trabalho para decodificar o método através de uma pesquisa no espaço da chave é exponencial em relação ao tamanho da chave. Por exemplo, uma chave com um tamanho de dois dígitos significa que existem cem possibilidades, e um tamanho de chave de seis dígitos significa um milhão de possibilidades, portanto quanto maior for a chave, maior será o fator de trabalho com que o intruso terá de lidar Tipos de Chave O tipo de chave usada depende do tipo da criptografia usada. Existem dois tipos de criptografia: - Criptografia simétrica, que usa uma chave privada. - Criptografia de chave pública, que usa um par de chaves, conhecida com chaves publica e privada Criptografia Simétrica Uma única chave criptografa e decriptografa os dados. Ela é relativamente pequena e rápida, contudo como desvantagem, não só o transmissor deve conhecer a chave como também o receptor. Além disso, o volume total dos dados transmitidos é limitado pelo tamanho da chave. É mais frequentemente usada: - Nas comunicações entre duas máquinas - No armazenamento da informação em um disco rígido Exemplos resumidos de algoritmos que usam criptografia simétrica: Crypt Programa de criptografia original do Unix. O método se baseia em uma chave de variável de comprimento. IDEA(International Data Encrypton Algorithm) O método se baseia na utilização de uma chave de 128 bits, onde blocos de texto da mensagem de entrada são alterados em uma sequência de interações, produzindo blocos de saída. DES (Data Encrypton Standard) Por ser um algoritmo muito adotado na informática para uso em produtos de segurança, veremos maiores detalhes sobre ele. Algoritmo DES O DES é basicamente uma cifra de substituição que utiliza um caracter de 64 bits. Ele possui uma chave de 56 bits e seu algoritmo tem 19 estágios. O DES executa uma série de transposições, substituições, e operações de recombinação em blocos de dados de 64 bits. Inicialmente, os 64 bits de entrada sofrem uma transposição e são colocados em uma função usando tabelas estáticas de transposição e substituição (conhecidas como caixas-p e caixas-s). Exemplo do funcionamento de uma caixa-p:

3 P significa "permuta", então se forem designados 8 bits de entrada " " será efetuada uma transposição (que irá mudar a ordem dos números ). A saida dessa caixa-p será " ". Exemplo do funcionamento de uma caixa-s: S representa a substituição dos números por outros números. Supondo que o número 0 seja substituido por 2, o 1 por 4, o 2 por 5, o 3 por 0, o 4 por 6, o 5 por 7, o 6 por 1 e o 7 por 3. Para a entrada " " a substituição resultaria em " ". Os estágios são parametrizados por diferentes funções da chave. A função consiste em 4 etapas, que são executadas em sequência. Primeiro é feita uma transposição de 64 bits dos dados. Os 16 estágios restantes (ver figura como iteração) são parametrizados por diferentes funções da chave. O penútimo estágio troca os 32 bits da esquerda pelos 32 bits da direita (os 32 bits representam uma divisão dos 64 bits) O útimo estágio é o inverso da primeira transposição Em cada uma das 16 iterações, é utilizada uma chave específica. Antes de se iniciar o algoritmo, uma transposiçãode 56 bits é aplicada a chave. Antes de cada iteração, a chave é particionada em duas unidades de 28 bits, sendo que cada uma delas é roteada para a esquerda por um determinado número de bits. Em cada rodada, um subconjunto de 48 bits dos 56 bits é extraído e permutado. O algoritmo então executa a transposição final e gera 64 bits....(entrada de dados simples)...transposição inicial...iteração 1...<--chave de 56 bits...iteração 2...<--chave de 56 bits iteração 16...<--chave de 56 bits...troca dos 32 bits...transposição inversa final...(dado cifrado de 64 bits) Este algoritmo é estruturado de uma maneira que a mudança de qualquer bit de entrada surta um efeito maior em quase todos os bits de saída Criptografia de chave pública Nesse método as chaves de criptografia e decriptografia são diferentes. Quando uma chave criptografa um dado, a outra pode decriptografá-lo. O usuário tem duas chaves, uma chave pública que é usada por todo mundo que queira enviar mensagens a ele, e a chave privada que o usuário utiliza para decriptografar as mensagens recebidas. Aqui o usuário divulga sua chave publica para os outros, e mantém a sua chave privada em sigilo. Poderia também ser ao contrário, criptografar com chave privada e decriptografar com chave pública. Nesse caso, não existe uma questão de segurança, mas de identificação, certificando a origem do dado. Algumas desvantagens são que esse método é lento, volumoso, e as chaves não podem ser facilmente divididas.

4 É mais frequentemente usada: - Para certificar a origem do dado e integridade Exemplos resumidos de algoritmos que usam criptografia assimétrica: Diffie-Hellman É um método para desenvolver e trocar uma chave compartilhada sobre um canal de comunicação público utilizando transformações matemáticas. ElGamal É um método baseado na exponenciação e aritmética modular. RSA (Rivest, Shamir, Adleman) O RSA é um algoritmo largamente usado, por isso vamos entrar em maiores detalhes sobre ele. Algoritmo RSA Este algoritmo leva a inicial do nome dos seus criadores Rivest, Shamir e Adleman. O RSA usa duas chaves criptográficas, uma chave pública e uma privada. A chave pública é usada para criptografar a mensagem e a chave privada é usada para decriptografar a mensagem (pode ser vice-versa). A segurança desse método se baseia na dificuldade de fatorar números extensos. Segundo seus pesquisadores, a fatoração de um número de 200 dígitos requer 4 milhões de anos para ser processada; fatorar um número de 500 dígitos exige anos. Mesmo que os computadores se tornem mais velozes, muito tempo irá passar até que seja possível fatorar um número de 500 dígitos, e até lá poderão escolher a fatoração de um número ainda maior. Como o RSA funciona 1- São escolhidos dois números primos extensos, p e q, (geralmente maiores que ) 2- Calcula-se n = p * q... z = (p-1) * (q-1) 3- Escolhe-se um número primo d, em relação a z 4- Encontramos e de forma que (e * d ) mod z = 1 O texto simples (uma string de bits) é dividido em blocos, de modo que cada mensagem de texto simples, p, fique no intervalo 0 <= p < n. Para criptografar a mensagem, p, é calculado C = p e (mod n). Para decriptografar C, é calculado p = C d (mod n). É possível provar que, para todo P na faixa especificada, as funções de criptografia e decriptografia são inversas entre si. Para realizar a criptografia, é necessário ver o "e" e "n", ao passo que para a decriptografia, são necessários "d" e "n". Portanto a chave pública consiste no par (e,n) e a chave privada consiste em (d,n). Se pudesse fatorar o valor de n (publicamente conhecido), seria possível então encontrar d utilizandose o algoritmo de Euclides, porém fatorar números extensos é extremamente difícil. Para um melhor entendimento do algoritmo RSA, veremos resumidamente o uso do método em um exemplo. Escolheremos p = 3 e q = 11 Calculando n = p * q...e... z = (p-1) * (q-1)...n = 3 * 11...z = 2 * 10...n = 33...z = 20 O valor escolhido como número primo, em relação a z é 7, visto que 7 e 20 não possuem fatores comuns. Desse modo d = 7. Para que a equação (e * d ) mod z = 1 seja verdadeira o "e" deverá ser um número que multiplicado por 7, mod 20 seja igual a 1..Na tentativa 1 não daria certo pois (1* 7) mod 20 é diferente de 1, Com 2 também não daria certo pois (2* 7) mod 20 é diferente de 1. O número 3 se identifica pois (3 * 7) mod 20 = 1, portanto e = 3.

5 Cálculo do transmissor Cada letra do alfabeto é representada por um número: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Simbólico Numérico P P 3 C = P 3 (mod 33) R A Q U E L Cálculo do Receptor C = P 3 (mod 33) C 7 C 7 ( mod 33) Simbólico R A Q U E L Os números escolhidos para p e q, nesse exemplo são muito pequenos (geralmente os números são maiores que ). Se ao invés disso tivéssemos escolhido p e q = , teríamos n = ; portanto cada bloco de texto poderia ter até 664 bits (2 664 = ) ou 83 caracteres de 8 bits. 1.4 Vantagens da Criptografia - Proteger a informação armazenada em trânsito - Deter alterações de dados - Identificar pessoas 1.5 Desvantagens da Criptografia Não há como prevenir que um intruso: - Apague todos os seus dados, estando eles criptografados ou não. - Modifique o programa para modificar a chave. Desse modo o receptor não consigara decriptografar com a sua chave. - Acesse o seu arquivo antes dele ser criptografado. 2. SSL É um protocolo para garantir a segurança de dados em trânsito na Internet desde que o cliente e o servidor o apoiem.

6 2.1 Características Versão 2.0 desenvolvido pela Netscape e a versão 3.0 foi projetada com revisão pública e "input" da indústria. É um protocolo não proprietário. Executa uma negociação do protocolo para estabelecer a conexão Usa criptografia e é baseado em uma tecnologia de criptografia desenvolvida pela RSA. Provê privacidade e confiança na comunicação, evitando espionagem ou falsificação. Executa a negociação do protocolo para estabelecer uma conexão segura ao nível do socket. Os serviços de segurança são transparentes ao utilizador e à aplicação. Como o SSL é uma camada API de sockets de segurança (Secure Sockets Layer) ele pode ser usado com qualquer porta TCP. Por exemplo, FTP, TELNET, WWW. No transporte da mensagem incluí uma mensagem de checagem de integridade. Programadores podem desenvolver aplicações utilizando o SSL que podem trocar parâmetros criptográficos, com sucesso, sem um conhecer o código do outro. 2.2 Camadas do protocolo O Protocolo é composto de duas camadas: - SSL Record Protocol - Handshake Protocol Overview Record Protocol É o nível mais baixo e é usado no encapsulamento de vários protocolos de alto nível Handshake Protocol Uma vez encapsulado o Handshake Protocol Overview irá permitir que o servidor e o cliente opcionalmente se autentiquem e negociem um algoritmo de criptografia assim como as chaves. Isso tudo antes do protocolo de aplicação transmitir ou receber seu primeiro byte de dado. O processo da execução do protocolo resumidamente é: O cliente envia uma mensagem de hello ao servidor O servidor responde com outra mensagem de hello O hello do cliente e do servidor estabelece os seguintes atributos: o Versão do protocolo o Sessão ID o A cifra o O método de compressão dos dados O servidor pode requerer uma certificação do cliente (se for autenticado). O cliente deverá enviar a certificação (ou um alerta de não certificação). Em resposta o servidor irá enviar sua identificação. Agora eles poderão começar a troca de dados. Quando eles decidirem terminar a conversação, o cliente enviará o seu hello usando a sessão ID para finalização. O servidor irá enviar o mesmo hello com o mesmo valor da sessão ID. Nesse ponto, o cliente e o servidor devem enviar suas identificações e proceder diretamente para finalizar.

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 06 Criptografia e Esteganografia

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 06 Criptografia e Esteganografia Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício Criptografia A forma mais utilizada para prover a segurança em pontos vulneráveis de uma rede de computadores é a utilização da criptografia. A criptografia

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo 1. Introdução O envio e o recebimento de informações são uma necessidade antiga, proveniente de centenas de anos. Nos últimos tempos, o surgimento da Internet e de tantas outras tecnologias trouxe muitas

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Criptografia Digital Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Introdução 2. Aplicações 3. Criptografia e seus Conceitos 4. Tipos de Criptografia em Relação ao Uso de Chaves 5. Autenticação Comum

Leia mais

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL Segurança e SSL O que é segurança na rede? Confidencialidade: apenas remetente e destinatário pretendido devem entender conteúdo da mensagem remetente criptografa mensagem destinatário decripta mensagem

Leia mais

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T.

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T. Revisão para A1 Criptografia e Certificação Digital Legenda: A + - Chave Pública de A A - - Chave Privada de A s Chave Secreta MD5 Algoritmo de HASH MSG Mensagem de texto claro - Operação de comparação

Leia mais

Criptografia. Prof. Ricardo José Martins ricardo.martins@muz.ifsuldeminas.edu.br. IFSULDEMINAS, campus Muzambinho Curso de Ciência da Computação

Criptografia. Prof. Ricardo José Martins ricardo.martins@muz.ifsuldeminas.edu.br. IFSULDEMINAS, campus Muzambinho Curso de Ciência da Computação IFSULDEMINAS, campus Muzambinho Curso de Ciência da Computação Criptografia Prof. Ricardo José Martins ricardo.martins@muz.ifsuldeminas.edu.br Curso de Bacharelado em Ciência da Computação AED III Algoritmo

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 Índice 1. Criptografia...3 1.1 Sistemas de criptografia... 3 1.1.1 Chave simétrica... 3 1.1.2 Chave pública... 4 1.1.3 Chave pública SSL... 4 2. O símbolo

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

Criptografia assimétrica e certificação digital

Criptografia assimétrica e certificação digital Criptografia assimétrica e certificação digital Alunas: Bianca Souza Bruna serra Introdução Desenvolvimento Conclusão Bibliografia Introdução Este trabalho apresenta os principais conceitos envolvendo

Leia mais

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Segurança da Informação Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Criptografia Serviços Oferecidos Serviços Disponibilidade Integridade Controle de acesso Autenticidade da origem Não-repudiação

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Autenticação Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Resumos de mensagem (hash) Algoritmo Hash são usados quando a autenticação é necessária, mas o sigilo,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática slide 1 Capítulo 8: Esboço 8.1 O que é segurança na rede? 8.2 Princípios de criptografia 8.3 Integridade de mensagem

Leia mais

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos FTP Protocolo de Transferência de Arquivos IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para

Leia mais

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP SSL - Secure Socket Layer Protocolos criptográfico que provê comunicação segura na Internet para serviços como: Telnet, FTP, SMTP, HTTP etc. Provê a privacidade

Leia mais

Cliente/Servidor. Segurança. Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Segurança. Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Segurança Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 1-1 Política de Segurança Especifica de forma não ambígua quais itens devem ser protegidos e não como implementar esta

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança Segurança deve considerar o ambiente externo do sistema, e proteger de: Acesso não autorizado Alteração ou

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Referências. Criptografia e Segurança de Dados. Outras Referências. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques

Referências. Criptografia e Segurança de Dados. Outras Referências. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques Criptografia e Segurança de Dados Aula 1: Introdução à Criptografia Referências Criptografia em Software e Hardware Autores: Edward D. Moreno Fábio D. Pereira Rodolfo B. Chiaramonte Rodolfo Barros Chiaramonte

Leia mais

Segurança na Web. Programação para a Internet. Prof. Vilson Heck Junior

Segurança na Web. Programação para a Internet. Prof. Vilson Heck Junior Segurança na Web Programação para a Internet Prof. Vilson Heck Junior Males São inúmeros os males existentes no universo online: Vírus; Trojan; Spyware; Adware; Invasão; Keyloggers; Phishing; Golpes; Spam;

Leia mais

ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE CRIPTOGRAFIA CURITIBA 2006 2 CARLOS EDUARDO DOS SANTOS SISTEMAS

Leia mais

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais)

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais) Autenticação: mais uma tentativa Protocolo ap3.1: Alice diz Eu sou Alice e envia sua senha secreta criptografada para prová-lo. Eu I am sou Alice encrypt(password) criptografia (senha) Cenário de Falha?

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA OBJETIVO Conhecer aspectos básicos do uso da criptografia como instrumento da SIC.. Abelardo Vieira Cavalcante Filho Assistente Técnico

Leia mais

Criptografia de Chave Pública

Criptografia de Chave Pública Criptografia de Chave Pública Aplicações Privacidade, Autenticação: RSA, Curva Elíptica Intercâmbio de chave secreta: Diffie-Hellman Assinatura digital: DSS (DSA) Vantagens Não compartilha segredo Provê

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Segurança de Redes. Criptografia. Requisitos da seg. da informação. Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas

Segurança de Redes. Criptografia. Requisitos da seg. da informação. Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas Segurança de Redes Criptografia Prof. Rodrigo Rocha rodrigor@santanna.g12.br Requisitos da seg. da informação Confidencialidade Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas Integridade

Leia mais

Algoritmos criptográficos de chave pública

Algoritmos criptográficos de chave pública Algoritmos criptográficos de chave pública Histórico - A descoberta em 1976 por Diffie, Hellman e Merkle de algoritmos criptográficos assimétricos, onde a segurança se baseia nas dificuldades de 1. Deduzir

Leia mais

Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9. Quarta Edição William Stallings

Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9. Quarta Edição William Stallings Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9 Quarta Edição William Stallings Capítulo 9 - Public Key Cryptography e RSA Cada egípicio recebia dois nomes que eram conhecidos respectivamente como o nome

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade Atributos de segurança TOCI-08: Segurança de Redes Prof. Rafael Obelheiro rro@joinville.udesc.br Aula 9: Segurança de Comunicações Fundamentais confidencialidade integridade disponibilidade Derivados autenticação

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Agenda 1. Segurança da Informação 1.1.Introdução 1.2.Conceitos 1.3.Ameaças a Segurança da

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Criptografia Revisando A criptografia trata da escrita de um texto em códigos de forma a torná-lo incompreensível; A informação

Leia mais

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 Entenda o que é um certificado digital SSL (OPENSSL) fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 1. O que é "Certificado Digital"? É um documento criptografado que contém informações

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com Comentários sobre prova do TRE/PR 2009 (CESPE TRE/PR 2009 Analista Judiciário Especialidade: Análise de Sistemas) A figura acima ilustra como um sistema de gerenciamento de segurança da informação (SGSI)

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

Gerenciamento e Segurança de Dados

Gerenciamento e Segurança de Dados Prof. Wanderson Reis professor@wanderson.pro.br Gerenciamento e Segurança de Dados 04/03/2011 Informática - PDS Tópicos principais Definições básicas de segurança da informação Políticas de segurança da

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo

MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo MA14 - Aritmética Unidade 24 Resumo Introdução à Criptografia Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 4: Protocolos de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 é definido como um procedimento seguro para se regular a transmissão de dados entre computadores

Leia mais

2. SEGURANÇA COMPUTACIONAL E CRIPTOGRAFIA

2. SEGURANÇA COMPUTACIONAL E CRIPTOGRAFIA 2. SEGURANÇA COMPUTACIONAL E CRIPTOGRAFIA A segurança tornou-se um aspecto fundamental diante da quantidade de informação que nos cerca e que é transmitida continuamente por meio eletrônico. Por conseqüência,

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança na Web A Internet é considerada essencial nos Planos de Negócios das empresas para alavancar lucros O ambiente capilar

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Criptografia assimétrica Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Problema de distribuição de chaves A criptografia de chave simétrica pode manter seguros

Leia mais

Criptografia e os conteúdos matemáticos do Ensino Médio

Criptografia e os conteúdos matemáticos do Ensino Médio Clarissa de Assis Olgin Universidade Luterana do Brasil Brasil clarissa_olgin@yahoo.com.br Resumo Os pressupostos educacionais da Educação Matemática salientam a importância do desenvolvimento do processo

Leia mais

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL TchêLinux Ulbra Gravataí http://tchelinux.org/gravatai Elgio Schlemer Ulbra Gravatai http://gravatai.ulbra.tche.br/~elgio 31 de Maio de 2008 Introdução Início

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

UFF - Universidade Federal Fluminense

UFF - Universidade Federal Fluminense UFF - Universidade Federal Fluminense Unidade: PURO - Pólo Universitário de Rio das Ostras Centro Tecnológico Instituto de Computação Departamento de Ciência da Computação Disciplina: Informática I Turma:

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Segurança 5/12/2005 Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006 1 Classes de criptografia Criptografia simétrica ou de chave

Leia mais

Configuração de um servidor SSH

Configuração de um servidor SSH Configuração de um servidor SSH Disciplina: Serviços de Rede Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática SSH SSH(Secure Shell) é um padrão para comunicação e acesso remoto a máquinas Linux de forma segura,

Leia mais

Criptografia e Chave Pública. Segurança da Informação

Criptografia e Chave Pública. Segurança da Informação Criptografia e Chave Pública Segurança da Informação Ementa Visão Global O que é? Criptografia está em todo lugar; Técnicas Primitivas de Cifragem; Outras técnicas de criptografia; Criptografia Moderna;

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Software de Telecomunicações. Introdução à Cifra

Software de Telecomunicações. Introdução à Cifra Software de Telecomunicações Introdução à Cifra Prof RG Crespo Software de Telecomunicações Introdução : 1/21 Plano de estudos Parte I Definições básicas Cifras clássicas: Substituição: monoalfabética

Leia mais

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail. C.I.A. Segurança de Informação Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.com http://www.carlosserrao.net http://blog.carlosserrao.net http://www.iscte.pt

Leia mais

MECANISMOS DE SEGURANÇA EM REDES

MECANISMOS DE SEGURANÇA EM REDES MECANISMOS DE SEGURANÇA EM REDES UCSAL - Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Professor Marco Câmara AGENDA Conceitos Política Básicos de Segurança Recursos, Controles Pontos de Aplicação e TI:

Leia mais

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação Universidade do Sul de Santa Catarina Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação 1 Camada de Transporte Os serviços de transporte incluem os seguintes serviços básicos: Segmentação de dados de aplicações

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 7 1. A CAMADA DE APLICAÇÃO Parte 1 Depois de estudar todas as camadas preliminares, chegamos à camada onde são encontradas todas as aplicações. As camadas situadas abaixo da camada de aplicação

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Questionário de Estudo - P1 Criptografia

Questionário de Estudo - P1 Criptografia Questionário de Estudo - P1 Criptografia 1) A criptografia e a criptoanálise são dois ramos da criptologia. Qual a diferença entre essas duas artes? Enquanto a Criptografia é a arte de esconder dados e

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 Segurança em Redes de Computadores 2006 V1.0 Conteúdo INVASÃO AMEAÇAS RECURSOS DE PROTEÇÃO AMEAÇAS TÉCNICAS DE PROTEÇÃO

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 09 Criptografia. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 09 Criptografia. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 09 Criptografia Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Criptologia Esteganografia Criptografia Criptanálise Cifragem Chaves Assimétrica Chaves Simétrica

Leia mais

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras Eder Soares

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 2006 V1.0 Conteúdo INVASÃO AMEAÇAS AMEAÇAS INVASÃO AÇÃO CRIMINOSA DE PESSOAS OU GRUPO DE PESSOAS, VISANDO A QUEBRA DE

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Nome Número Docente: JA VA Curso: LERCM MEIC MEET MERCM Exame (responda a todas as perguntas pares) / Repetição do 1º teste Nas questões de resposta múltipla (V/F) assinale com uma cruz a resposta correta.

Leia mais

Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard

Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard Vitor Hugo Galhardo Moia Marco Aurélio Amaral Henriques {vhgmoia, marco}@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1 Segurança Sistemas Distribuídos ic-sod@mega.ist.utl.pt 1 Tópicos abordados I - Mecanismos criptográficos Cifra simétrica, cifra assimétrica, resumo (digest) Assinatura digital Geração de números aleatórios

Leia mais

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA Nome: Micaella Coelho Valente de Paula Matrícula: 201207115071 2 o Período Contents 1 Introdução 2 2 802.11 3 3 Seu Funcionamento 3 4 História 4

Leia mais

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores.

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. FTP FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. A partir do FTP usuários podem receber ou enviar arquivos de ou para outros computadores

Leia mais

Protocolos Telnet e SSH. Professor Leonardo Larback

Protocolos Telnet e SSH. Professor Leonardo Larback Protocolos Telnet e SSH Professor Leonardo Larback Protocolo Telnet O modelo de referência TCP/IP inclui um protocolo simples de terminal remoto: Telnet. O telnet é tanto um programa quanto um protocolo,

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores Nota: Seja preciso e conciso nas suas respostas. Para responder às perguntas de resposta múltipla utilize a tabela abaixo. Todas as outras perguntas devem ser respondidas em folhas de teste. Não faça letra

Leia mais

Segurança em redes de. Histórico da escrita secreta

Segurança em redes de. Histórico da escrita secreta Segurança em redes de computadores Histórico da escrita secreta Evolução da escrita secreta Mensagem oculta Fatos históricos narrados por Heródoto desde 480 a.c. Histaeucontra o rei persa Maria I Stuart,

Leia mais

Segurança na Internet partes 3 & 4. Criptografia com Chave Pública. Distribuição da Chave Secreta

Segurança na Internet partes 3 & 4. Criptografia com Chave Pública. Distribuição da Chave Secreta Segurança na Internet partes 3 & 4 Prof. Elias P. Duarte Jr., Ph.D. DInfo UFPR Itaipu 11/07/2003 Criptografia com Chave Pública Distribuição da Chave Secreta O maior problema é a chave DEIXAR de ser secreta

Leia mais

Apostila. Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2)

Apostila. Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2) Apostila Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2) Diretoria de Pessoas (DPE) Departamento de Gestão de Carreira (DECR) Divisão de Gestão de Treinamento e Desenvolvimento (DIGT) Coordenação Geral

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG ENCRYPTION: AN APPLICATION OF DISCRETE MATHEMATICS THROUGH THE IMPLEMENTATION OF CAESAR CIPHER BY

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Segurança na Internet Aula 4 Profa. Rosemary Melo Segurança na Internet A evolução da internet veio acompanhada de problemas de relacionados a segurança. Exemplo de alguns casos de falta

Leia mais

Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa

Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa Segurança da Informação Prof. Gleison Batista de Sousa Ao longo do tempo e com a evolução tecnologia surgiram uma quantidade enorme de problemas desafiadores relacionados a segurança da informação. Quais

Leia mais

Sistemas Distribuídos Segurança em Sistemas Distribuídos: Gerenciamento, Canais de Acesso e Controle de Acesso aos Dados I. Prof. MSc.

Sistemas Distribuídos Segurança em Sistemas Distribuídos: Gerenciamento, Canais de Acesso e Controle de Acesso aos Dados I. Prof. MSc. Sistemas Distribuídos Segurança em Sistemas Distribuídos: Gerenciamento, Canais de Acesso e Controle de Acesso aos Dados I Prof. MSc. Hugo Souza Após abordarmos a distribuição de responsabilidades providas

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br)

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br) Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

Conceitos básicos de criptografia

Conceitos básicos de criptografia Conceitos básicos de criptografia Criptografia Conseguir que um grupo de pessoas transmita informação entre elas que seja ininteligível para todas as outras Uma solução: ter um dialecto próprio secreto

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Introdução Conceitos básicos IP Seguro Criptografia Segurança em redes IP Associação de Segurança, Modos de funcionamento AH, ESP, Processamento de tráfego,

Leia mais

SSH Secure Shell Secure Shell SSH

SSH Secure Shell Secure Shell SSH SSH SSH Secure Shell O protocolo Secure Shell, é um popular e poderoso, software baseado na abordagem de segurança de rede. Quando os dados são enviados por um computador para a rede, SSH criptografálos

Leia mais

Gerência de Segurança

Gerência de Segurança Gerência de segurança envolve a proteção de dados sensíveis dos dispositivos de rede através do controle de acesso aos pontos onde tais informações se localizam Benefícios do processo de gerência de segurança

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais