Histórico da construção do Sistema de Incentivo aos Serviços Ambientais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Histórico da construção do Sistema de Incentivo aos Serviços Ambientais"

Transcrição

1 Oficina Capacitação para Liranças Indígenas Sistema Incentivos a Serviços Ambientais SISA Rio Branco Acre 01 Fevereiro 2012 Histórico da construção do Sistema Incentivo aos Serviços Ambientais 1999 Lei Chico Mens 2001 ZEE Estudos conversão da dívida em Serviços Ambientais 2007 Primeiro conjunto idéias no chamado Pacto do Clima (apoio GTZ) 2008 Analise da potencialida um mecanismo REDD no Acre (GTZ, IUCN, WWF) 2009 inicio dos trabalhos para elaborar uma proposta REDD para um Acre a partir um Plano Ação (GTZ, IUCN, WWF, IPAM, CPWH) 2010 Consulta Pública - SISA 1

2 Lei novembro 2010 Cria o Sistema Estadual Incentivo a Serviços Ambientais SISA, O Programa Incentivos por Serviços Ambientais ISA Carbono e Demais Programas Serviços Ambientais e Produtos Ecossistêmicos Do Estado do Acre e dá outras providências Objetivo Fomentar a manutenção e a ampliação da oferta serviços e produtos ecossistêmicos 4 4 2

3 Serviços Ambientais I. o sequestro, a conservação, manutenção e aumento do estoque e a diminuição do fluxo carbono; VII. a conservação e o melhoramento do solo. II. a conservação da beleza cênica natural; VI. a valorização cultural e do conhecimento tradicional ecossistêmico; III. a conservação da sociobiodiversida; V. a regulação do clima; IV. a conservação das águas e dos serviços hídricos; Diretrizes a) Uso dos recursos naturais com responsabilida e sabedoria; b) Reconhecimento ao conhecimento e direitos dos povos indígenas, populações tradicionais e extrativistas bem como o os direitos humanos; c) Fortalecimento da intida e respeito à diversida cultural, combate à pobreza e elevação da qualida vida da população; D) Utilização incentivos econômicos objetivando o fortalecimento da economia base florestal sustentável; e) Transparência e participação social na formulação e execução políticas públicas; f) Repartição justa e equitativa dos benefícios econômicos e sociais oriundos das políticas públicas senvolvimento sustentável. 3

4 Provedores e Beneficiários Aqueles que promovam ações legítimas preservação, conservação, recuperação e uso sustentável recursos naturais Provedor serviços ambientais Integrado a um dos Programas do SISA Instrumentos Participação, Gestão, Controle e Registro I. o Instituto Mudanças Climáticas e Regulação Serviços Ambientais; II. a Comissão Estadual Validação e Acompanhamento; III. o Comitê Científico; e IV. a Ouvidoria do SISA. 4

5 Atribuições Institucionais INSTITUTO Estabelecer as normas complementares, aprovar e homologar as metodologias projetos, efetuar o pré-registro e o registro dos subprogramas, planos ação e projetos especiais, emissão e registro dos serviços e produtos ecossistêmicos, o controle e o monitoramento da redução emissões COMISSÃO Analisar e aprovar propostas normatização dos programas, analisar os resultados da auditoria inpennte e recomendar o permanente aperfeiçoamento do Sistema COMITÊ CIENTÍFICO Opinar sobre questões técnicas, científicas, jurídicas e metodológicas COMPANHIA fomentar a elaboração planos ação e projetos, senvolver estratégias voltadas à captação recursos financeiros e investimentos assessorar a concepção e a execução projetos, gerir e alienar, os ativos e créditos resultantes dos serviços e produtos ecossistêmicos oriundos das atividas que senvolve CEMACT, CEF, CDRFS Arranjo Institucional Ouvidoria Grupo trabalho indígena Comissão Instituto IMC Companhia Comitê Cientifico Fundo 5

6 Instrumentos Planejamento CARBONO SOCIO BIODIVERSID ADE RECURSOS HIDRICOS CONSERVAÇ ÃO DO SOLO VALORIZAÇÃO DA CULTURA E CONHECIMENTO TRADICIONAL BELEZA CÊNICA SUBS Plano Ação PROJETO PROJETO PROJETO PROJETO PROJETO PROJET O PROJET O 11 Instrumentos Planejamento Projeto Plano ação Programas subprogramas especialmente senvolvidos para atenr áreas prioritárias, provedores/beneficiários específicos ou terminados setores da economia Subprograma Programa 12 6

7 Programa ISA- Carbono Promover a redução progressiva, consistente e longo prazo das emissões gases efeito estufa oriundas smatamento e gradação florestal, bem como o seqüestro resultante atividas reflorestamento Funcionamento do SISA Elaboração das normas e procedimentos Elaboração dos Planos Ação e Projetos Implementação dos Planos e Projetos associados ao processo Verificação Registro dos Planos e Projetos a Certificar Gestão dos certificados Regulamentação Criação Execução e Monitoramento Registro e Certificação Gestão e Transação Estamos aqui 7

8 O Desafio! Encontrar novas Perspectivas, Novos Molos!!! Construir em conjunto... Oficina Capacitação para Liranças Indígenas Obrigada! Sistema Incentivos a Serviços Ambientais SISA Rio Branco Acre 01 Fevereiro

Sistema de Incentivos a Servicios Ambientales - SISA

Sistema de Incentivos a Servicios Ambientales - SISA Sistema de Incentivos a Servicios Ambientales - SISA Taller Mejores prácticas de REDD+: entendiendo los desafíos, oportunidades y herramientas clave para el diseño de los marcos nacionales y sub-nacionales

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PORTO ALEGRE, 31 de Outubro de 2016

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PORTO ALEGRE, 31 de Outubro de 2016 VI FÓRUM INTERNACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PORTO ALEGRE, 31 de Outubro de 2016 Marcia Silva Stanton Fonte: tripadvisor Pousada Flor de Açucena SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS

Leia mais

Linha do tempo do SISA

Linha do tempo do SISA Linha do tempo do SISA 2001 2003-2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 ZEE Primeiros estudos de PSA Primeiros estudos sobre mititigção das mudanças climáticas (GTZ) Política de valorização dos ativos ambientais

Leia mais

Salvaguardas Socioambientais. Para o desenvolvimento e implementação de programas e projetos na Amazônia brasileira = SISA. O que é Salvaguardas?

Salvaguardas Socioambientais. Para o desenvolvimento e implementação de programas e projetos na Amazônia brasileira = SISA. O que é Salvaguardas? Salvaguardas Socioambientais Para o desenvolvimento e implementação de programas e projetos na Amazônia brasileira = SISA O que é Salvaguardas? Salvar - Guardar 1 Salvaguardas Socioambientais Mecanismo

Leia mais

5/9/2013. Pior seca dos últimos 40 anos, o nível do rio Acre chegou a 1,57 m

5/9/2013. Pior seca dos últimos 40 anos, o nível do rio Acre chegou a 1,57 m Pior seca dos últimos 40 anos, o nível do rio Acre chegou a 1,57 m Rio Acre em Rio Branco, Acre, Brasil 1 de Setembro 2011 1 a maior inundação da história chegou a 17,64m±4cm Rio Acre em Rio Branco, Acre,

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVO A SERVIÇOS AMBIENTAIS - SISA E REDD + NO ESTADO DO ACRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA 1

SISTEMA DE INCENTIVO A SERVIÇOS AMBIENTAIS - SISA E REDD + NO ESTADO DO ACRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA 1 SISTEMA DE INCENTIVO A SERVIÇOS AMBIENTAIS - SISA E REDD + NO ESTADO DO ACRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA 1 Rodrigo Fernandes das Neves 2 RESUMO Este artigo apresenta descrição

Leia mais

Sistema Estadual de REDD+ de Mato Grosso

Sistema Estadual de REDD+ de Mato Grosso Sistema Estadual de REDD+ de Mato Grosso Minuta do Anteprojeto de Lei Diálogos Setoriais OAB, 19 de abril de 2011 Grupo de Trabalho de REDD do Fórum Estadual de Mudanças Climáticas de MT Laurent Micol

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DO TERRITÓRIO DO POVO PAITER SURUÍ

PLANO DE GESTÃO DO TERRITÓRIO DO POVO PAITER SURUÍ PLANO DE GESTÃO DO TERRITÓRIO DO POVO PAITER SURUÍ 1 er. Encuentro REDD+ Indigena Amazonico Rio Branco, Acre (Brasil) 20 de mayo 2014 Almir Narayamoga Surui Lider Maior do Povo Paiter Surui PAITER SURUÍ

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Rumo ao REDD+ Jurisdicional:

Rumo ao REDD+ Jurisdicional: Rumo ao REDD+ Jurisdicional: Pesquisa, Análises e Recomendações ao Programa de Incentivos aos Serviços Ambientais do Acre (ISA Carbono) Pesquisa, Análises e Recomendações 11 Figura 1. Zonas

Leia mais

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU)

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Índice da Apresentação Lições aprendidas Projeto Proteção da Mata Atlântica II (2009 a 2012)

Leia mais

Desmatamento anual na Amazônia Legal ( )

Desmatamento anual na Amazônia Legal ( ) Setembro 2016 4.571 7.464 7.000 6.418 5.891 5.012 5.831 11.030 11.651 13.730 13.786 13.227 12.911 14.896 14.896 14.286 16.531 17.770 18.161 17.383 17.259 18.226 18.165 19.014 21.050 21.651 25.396 27.772

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA

DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA Alto Jacuí Taquari-Antas Pardo Caí Sinos Vacacaí- Vacacaí Mirim Baixo Jacuí Lago Guaíba Gravataí População:

Leia mais

AÇÕES DE MATO GROSSO PARA A PROTEÇÃO DO CLIMA

AÇÕES DE MATO GROSSO PARA A PROTEÇÃO DO CLIMA AÇÕES DE MATO GROSSO PARA A PROTEÇÃO DO CLIMA Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento e Queimadas do Estado de Mato Grosso PPCDQ/MT 14000 12000 10000 8000 6000 4000 6543 6963 6466 5271 11814 10405

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL

ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Cuiabá, MT, 23 de agosto de 2012 Estrutura da

Leia mais

RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO. Agosto de 2016

RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO. Agosto de 2016 RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO Agosto de 2016 SOBRE A COALIZÃO BRASIL ESTRUTURA ORGANIZACIONAL O QUE FAZEMOS NOSSO FOCO EM 2016 SOBRE A COALIZÃO BRASIL objetivo Criar uma agenda viável e pragmática para

Leia mais

Jailson Bittencourt de Andrade Secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo, SP, 21 de Março de 2017

Jailson Bittencourt de Andrade Secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo, SP, 21 de Março de 2017 SEPED Secretaria de Mudança do e Segurança Hídrica Reflexos e Impactos para a Sociedade Estratégias e InstrumentosEconômicos Aplicados à Política de Mudança do no Brasil Jailson Bittencourt de Andrade

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

Floresta, Clima e Negociaçõ. ções Internacionais rumo a Copenhagen

Floresta, Clima e Negociaçõ. ções Internacionais rumo a Copenhagen Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Colóquio Mudanças Climáticas e Convenções Internacionais sobre o Meio Ambiente Floresta, Clima e Negociaçõ ções Internacionais rumo a Copenhagen Carlos Rittl

Leia mais

IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE

IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE Guilherme Franco Netto Diretor do Departamento

Leia mais

Giselle Monteiro Técnica do IMC. Local: Sítio da CPI Rio Branco - AC, 01 de fevereiro de 2012

Giselle Monteiro Técnica do IMC. Local: Sítio da CPI Rio Branco - AC, 01 de fevereiro de 2012 OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA LIDERANÇAS INDÍGENAS CONSULTA PÚBLICA REFERENTE À PROPOSTA PRELIMINAR DOS INDICADORES ACREANOS RELATIVOS AO PROGRAMA ISA CARBONO DO ACRE Giselle Monteiro Técnica do IMC Local:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIAR A EQUIPE DO PROJETO SIMULAÇÃO DO POTENCIAL DOS IMPACTOS DE UMA GAMA DE CENÁRIOS SOCIOECONÔMICOS

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Estrutura da apresentação Contexto Brasileiro Plano de Energia e Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Índice

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 Portaria CTPI 23/2013 Atribuições: I Propor diretrizes e ações de Educação Ambiental relacionadas aos recursos hídricos

Leia mais

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRÂNSITO Ação do Governo Federal, lançada em 11/05/2011 pelos Ministérios da Saúde e das Cidades; Resposta brasileira à demanda

Leia mais

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima Edição nº 69 Outubro 215 submete suas INDCs à Convenção do Clima A vigésima Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 2) foi uma etapa essencial no processo negociador

Leia mais

O Estado de Mato Grosso

O Estado de Mato Grosso Logística e Meio Ambiente no Estado de Mato Grosso Governo do Estado de Mato Grosso 6º Seminário Internacional em Logística Agroindustrial Abril 2009 O Estado de Mato Grosso 3 Biomas : Amazônia; Cerrado;

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS - A ÁGUA É UM BEM DE DOMÍNIO PÚBLICO; - O RECONHECIMENTO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA; - USO PRIORITÁRIO PARA CONSUMO

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento De Capital

Estrutura de Gerenciamento De Capital Estrutura de Gerenciamento De Capital Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo do documento 4 3. Aspectos regulamentares 5 4. Responsabilidades 6 4.1 Comitê

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Roberto Schaeffer (PPE/COPPE/UFRJ) Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, 23 de maio de 2013 Objetivo

Leia mais

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010)

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade,

Leia mais

Iniciativas CCBA para projetos privados de carbono e programas jurisdicionais de REDD+

Iniciativas CCBA para projetos privados de carbono e programas jurisdicionais de REDD+ Iniciativas CCBA para projetos privados de carbono e programas jurisdicionais de REDD+ Climate, Community and Biodiversity Alliance (CCBA) A Aliança para o Clima, Comunidade e Biodiversidade (CCBA) é uma

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA Modalidade Recursos Não Reembolsáveis. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA Modalidade Recursos Não Reembolsáveis. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA Modalidade Recursos Não Reembolsáveis REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 Avaliação da Modalidade de Recursos não reembolsáveis Amostra de temas e parcerias, combinando entrevistas

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO Esta Política de Sustentabilidade ( Política ) tem por objetivo estabelecer os princípios e diretrizes que norteiam as práticas socioambientais da Fibria Celulose

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.861, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. Cria a Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN), no âmbito do Sistema Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem Stanley Arguedas Mora, Coordenador Tecnico ELAP Márcia Regina Lederman, especialista Áreas Protegidas GIZ Marcos Roberto Pinheiro, consultor Áreas

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP)

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP) AKVO = Água I - Projeto Akvolernigi (Material preparado para o Curso) LERNIGI = Ensinar, I - Aspectos Legislativos e Instrumentos de Gestão Aprender e Fazer a) Princípios Gerais do Direito Ambiental b)

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA. Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009

Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA. Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009 Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009 Histórico 1981 Lei 6938/81 Política do Meio Ambiente, criação do SISNAMA e do SINIMA como

Leia mais

Acordo de Paris é aprovado

Acordo de Paris é aprovado Acordo de Paris é aprovado Durante a COP 21, os 195 países membros da Convenção do Clima aprovaram, por consenso, o texto do novo acordo climático que substituirá o Protocolo de Quioto e passará a valer

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

MRV de REDD+ do Brasil:

MRV de REDD+ do Brasil: Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudança do Clima e Florestas Departamento de Florestas e de Combate ao Desmatamento MRV de REDD+ do Brasil: Experiência e lições aprendidas Monique Ferreira Primeiro

Leia mais

Indústria Brasileira de Árvores (IbÁ)

Indústria Brasileira de Árvores (IbÁ) Indústria Brasileira de Árvores (IbÁ) A Iniciativa Brasil Florestas Sustentáveis Apresentação para o Encontro Nacional do Diálogo Florestal O contexto: mudança do clima e o valor do carbono O contexto:

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador JORGE VIANA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador JORGE VIANA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 428, de 2015, do Senador Valdir Raupp,

Leia mais

Soc o i c o i - o B - io i d o i d v i e v r e si s da d de do Brasil

Soc o i c o i - o B - io i d o i d v i e v r e si s da d de do Brasil Socio-Biodiversidade do Brasil Megabiodiversidade Brasileira BRASIL: Principais Estatísticas Ano Base 2008 População total 184 milhões Área total 851 milhões ha Área florestal por habitante 2,85 ha Proporção

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas

Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas DIRETRIZES PARA POLI TICAS PU BLICAS E PRA TICAS EMPRESARIAIS PARA INSTALAC A O E OPERAC A O

Leia mais

Comitê de Bacia Hidrográfica

Comitê de Bacia Hidrográfica Comitê de Bacia Hidrográfica ENCONTROS REGIONAIS PARA RENOVAÇÃO DO CSBH BAIXO JAGUARIBE 2016-2020 O QUE É UM COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA: É o instrumento de participação da sociedade na gestão dos recursos

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima FEED Mudanças

Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima FEED Mudanças Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima FEED 2011 Mudanças Agricultura e Florestas REDD plus após a decisão da COP16: como fomentar projetos

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO A parceria do UFF inclui ONGs, institutos de setores de salvaguarda ambiental e social, peritos do sector financeiro e consultores

Leia mais

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE EDERSON ALVES DA SILVA Vice-Presidente Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais conselhoestadualdesaudemg@gmail.com O Sistema

Leia mais

2/13/2012. O que entendemos por mudanças climáticas?

2/13/2012. O que entendemos por mudanças climáticas? O que entendemos por mudanças climáticas? 1 Alguns pensamentos Insatisfação da natureza; Reação á ação do homem; Mudanças no ciclo de produção; Mudanças no ciclo das estações; Chuvas exageradas; Secas,

Leia mais

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Como transmitir o conhecimento às Assistência Técnica: pessoas

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL

AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL 2012-2015 Brasília DF Julho de 2011 1 A Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial e a SEPPIR Essa Política tem como objetivo principal

Leia mais

Tópicos da apresentação

Tópicos da apresentação Tópicos da apresentação Metodologia utilizada; Resultados de Vulnerabilidade e Potencialidade; Classificação final das Zonas; Classificação das bacias do perímetro urbano de Campo Grande; Carta de gestão

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

BIOTA-BIOEN-Climate Change Joint Workshop: Science and Policy for a Greener Economy in the context of RIO+20

BIOTA-BIOEN-Climate Change Joint Workshop: Science and Policy for a Greener Economy in the context of RIO+20 BIOTA-BIOEN-Climate Change Joint Workshop: Science and Policy for a Greener Economy in the context of RIO+20 REDD/REDD+ como mecanismo de mitigação das mudanças climáticas e conservação da biodiversidade

Leia mais

Lei Nº , de 26 de junho de 2009

Lei Nº , de 26 de junho de 2009 Lei Nº 11.958, de 26 de junho de 2009 Altera as Leis nos 7.853, de 24 de outubro de 1989, e 10.683, de 28 de maio de 2003; dispõe sobre a transformação da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

Visão Nacional. Sistema Nacional de CT&I em Biodiversidade

Visão Nacional. Sistema Nacional de CT&I em Biodiversidade Visão Nacional. Sistema Nacional de CT&I em Biodiversidade Visão Nacional Mais de 20% da biodiversidade do planeta O Brasil é usuário e provedor de ativos da biodiversidade Mais de 305 etnias indígenas

Leia mais

Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade.

Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade. INCLINE workshop interdisciplinaridade FEA-USP - 10 de Março de 2015 Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade. Natália G. R. Mello, PROCAM-USP

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

MRV de REDD+ do Brasil:

MRV de REDD+ do Brasil: Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudança do Clima e Florestas Departamento de Florestas e de Combate ao Desmatamento MRV de REDD+ do Brasil: Experiência e lições aprendidas Monique Ferreira Primeiro

Leia mais

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano 2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan 2010 Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas 16/março/2010 Foz

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social.

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Inventário e neutralização das emissões de carbono das obras da Arena Pantanal Parceria: Instituto Ação Verde (convênio

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS PRODUTO INTERNO BRUTO PIB Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Amapá Instituto Estadual de Florestas do Amapá Diversidade Ambiental INDICADORES ECONÔMICOS Área de floresta 77%

Leia mais

TEEB para o setor de negócios. Integrando a biodiversidade aos negócios

TEEB para o setor de negócios. Integrando a biodiversidade aos negócios TEEB para o setor de negócios Integrando a biodiversidade aos negócios TEEB para o setor de negócios Plano 1. Abordagem do TEEB para negócios 2. Projeto TEEB para o setor de negócios brasileiro TEEB para

Leia mais

DECRETO Nº DE 25 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº DE 25 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 12.024 DE 25 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta o Fundo Estadual de Recursos Hídricos da Bahia - FERHBA, em face do disposto na Lei Estadual nº 11.612, de 08 de outubro de 2009, e dá outras providências.

Leia mais

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS 23 a 26/10/2006, FIRJAN Emissões per capita de CO 2 (1990) *Middle East & North Africa **Centrally Planned Asia & China Source:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 37/2017_REPUBLICAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 37/2017_REPUBLICAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 37/2017_REPUBLICAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANALISTA JUNIOR DO COMPONENTE 1 MONITORAMENTO DO DESMATAMENTO NO ÂMBITO DO PROJETO FIP-MCTIC. SUMÁRIO Objetivo da contratação...

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

REDD no Brasil: um enfoque amazônico.

REDD no Brasil: um enfoque amazônico. REDD no Brasil: um enfoque amazônico. Seminário: Economia Verde na Amazônia: Desafios e Oportunidades Rumo à Rio + 20 Manaus, 27 de Outubro de 2011 Bernhard J. Smid BJSmid@ipam.org.br www.ipam.org.br Twitter:

Leia mais

Proposta de Minuta de Decreto

Proposta de Minuta de Decreto Proposta de Minuta de Decreto Regulamenta o inciso II e o parágrafo único do art. 51 e o art. 53 da Lei Estadual nº 11.520, de 23 de agosto de 2000 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA RODOLFO JOAQUIM PINTO DA LUZ PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Treze Tílias, 10 a 12 de maio de 2017. PAPEL DO ESTADO NA GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

Restauração de paisagens e florestas

Restauração de paisagens e florestas Restauração de paisagens e florestas Desenvolvimento de estratégias subnacionais e integração de agendas globais Marco Terranova Um conceito com enfoque na funcionalidade dos ecossistemas A restauração

Leia mais

Início e Estruturação

Início e Estruturação CRÉDITOS DE CARBONO Início e Estruturação Convenção - Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC, em inglês), durante a ECO-92, no Rio de Janeiro; 1997 Protocolo de Quioto no Japão, critérios

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA. Adaptado de Devanir Garcia dos Santos Agência Nacional de Águas Gerência de Uso Sustentável de Água e Solo

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA. Adaptado de Devanir Garcia dos Santos Agência Nacional de Águas Gerência de Uso Sustentável de Água e Solo PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA Adaptado de Devanir Garcia dos Santos GESTÃO COMPARTILHADA Harmonizar a relação entre produtor a montante da bacia hidrográfica e usuário a jusante Através do reconhecimento econômico

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2016 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ENGENHARIA AMBIENTAL PADRÃO DE RESPOSTA O estudante deve redigir um texto dissertativo, em que: a) aborde pelo menos duas das seguintes consequências: aumento da emissão de poluentes

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental 1.0 PROPÓSITO A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ) do Banco CNH Industrial Capital S.A. tem, como finalidade, estabelecer princípios e diretrizes que norteiem as ações da Instituição

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 28 DE OUTUBRO DE 2009

PORTARIA Nº 22, DE 28 DE OUTUBRO DE 2009 PORTARIA Nº 22, DE 28 DE OUTUBRO DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Art. 22, do

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

Aspectos Jurídicos do Licenciamento Ambiental

Aspectos Jurídicos do Licenciamento Ambiental ABINEETEC 2007 26 de abril Palácio das Convenções do Anhembi Aspectos Jurídicos do Licenciamento Ambiental Antonio Fernando Pinheiro Pedro Pinheiro Pedro Advogados Direito ao Desenvolvimento Sustentável

Leia mais