30 ANOS DE IVA EM PORTUGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "30 ANOS DE IVA EM PORTUGAL"

Transcrição

1 30 ANOS DE IVA EM PORTUGAL IVA- BALCÃO ÚNICO - MOSS Regime dos serviços de telecomunicações, rádio e tv e por via eletrónica Regime 1

2 Telecomunicações Rádio e Televisão Prestador Tributáveis em Portugal Serviços prestados por via eetrónica Adquirente Sedeado em Portugal SP ou NSP sedeado em Portugal -artº 6º nº6 a) e b) SP ou NSP sedeado fora da Comunidade e se a utilização ou a exploração do serviço ocorrer em Portugal - artº 6º nº12 d) Não sedeado em Portugal SP sedeado em Portugal - artº 6º nº6 a) NSP sedeado em Portugal - artº 6º nº10 h) Tributáveis no EM X Sedeado no EM X Não Sedeado no EM X SP ou NSP sedeado no EM X SP ou NSP sedeado fora da Comunidade e se a utilização ou a exploração do serviço ocorrer no EM X SP sedeado no EM X NSP sedeado no EM X 2

3 O Mini Balcão Único (Mini One Stop Shop - MOSS) é um regime especial que tem em vista facilitar o cumprimento das obrigações respeitantes às prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão ou televisão ou serviços por via eletrónica, a pessoas que não sejam sujeitos passivos estabelecidas ou domiciliadas na Comunidade. O MOSS aplica-se a partir de 1 de janeiro de Este regime é facultativo e aplica-se aos sujeitos passivos estabelecidos na Comunidade, mas não no Estado membro de consumo (EMC), e aos sujeitos passivos que não estejam estabelecidos na Comunidade, desde que prestem serviços de telecomunicações, de radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica, a pessoas que não sejam sujeitos passivos, estabelecidas ou domiciliadas na Comunidade. Na prática, os sujeitos passivos, estabelecidos ou não em território nacional, que optem pelo regime, procedem à entrega trimestral de uma única declaração e ao pagamento do IVA relativo a todos os serviços de telecomunicações, de radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica, a pessoas que não sejam sujeitos passivos, estabelecidas ou domiciliadas na Comunidade. In Página da AT- MOOS - Mini Balcão Único 3

4 Abrangência O regime é aplicável às prestações de serviços de telecomunicações, de radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica a NSP estabelecidas ou domiciliadas na Comunidade, por SP que: serviços a que se refere a alínea h) do nº 9, a alínea h) do nº 10, a alínea d) do nº 12 e os nºs 14 e 15 do artigo 6º do CIVA disponham de sede, estabelecimento estável ou domicílio na Comunidade mas não estejam estabelecidos no EM de consumo Regime da União-RU não estabelecidos na Comunidade Regime extra-união-reu EM no qual se considera efetuada a prestação de serviços Os que não tenham sede da sua atividade no território da Comunidade, nem disponham aí de um estabelecimento estável e que, além disso, não tenha de estar registado para efeitos de IVA 4

5 Regime da União -RU Âmbito de aplicação Quando um SP tenha a sede da sua atividade económica na Comunidade a opção pelo regime da União, deve ser feita no EM em que tenha a sede artº 57º-B, 1º & do Reg 282/11 Ex: sede em Portugal- opção pelo regime especial em Portugal sede em Itália- opção pelo regime especial em Itália Quando um SP tenha a sede da sua atividade económica fora da Comunidade mas dispuser de mais do que um estabelecimento estável na Comunidade a opção pelo regime da União, pode ser feita em qualquer dos EM em que disponha de um estabelecimento estável - artº 57º-B, 2º & do Reg 282/11 - mas uma vez escolhido o EM de identificação, ele deve manter-se durante o ano da opção e nos 2 anos seguintes- artº 5º, nº 3 do DL 158/2014 Ex: sede nos EUA e estabelecimentos estáveis na França, no RU e Portugal- opção pelo regime especial na França ou no RU ou em Portugal Quando um SP tenha a sede da sua atividade económica fora da Comunidade mas só dispuser de um estabelecimento estável na Comunidade a opção pelo regime da União, deve ser feita no EM onde dispõe desse estabelecimento estável - artº 57º-B, 2º & do Reg 282/11 (a contrario) Ex: sede na China e estabelecimento estável apenas na França- opção pelo regime especial na França O regime da União não é aplicável aos serviços em causa prestados num EM em que o SP tenha a sede da sua atividade económica ou disponha de um estabelecimento estável. A prestação desses serviços é declarada às autoridades fiscais competentes desse EM nos termos gerais (na declaração periódica do IVA) 5

6 Regime da União -RU SP sedeados em Portugal e que optem pelo regime especial em Portugal Registo A efetuar eletronicamente junto da AT-- artºs 1º e 5º nº1 DL 158/201 Aplicação Duração do regime Nº de identificação fiscal O regime especial aplica-se a todos os serviços de telecomunicações, rádio e TV e por via eletrónica prestados na Comunidade a NSP nela estabelecidos, salvo os prestados no(s) EM no qual(is) o prestador disponha de um estabelecimento estável - artº 5º nº 2 DL 158/2014 Um SP que utilize um regime especial pode deixar de o utilizar, independentemente de continuar a prestar serviços que possam ser elegíveis para esse regime especial. O SP informa o EM de identificação pelo menos 15 dias antes do final do trimestre civil que precede aquele em que tenciona deixar de utilizar o regime. A cessação produz efeitos a partir do primeiro dia do trimestre civil seguinte artº 57º-G do Reg 282/2011 O utilizado em Portugal artº 6º DL 158/2014 Dedução do IVA suportado em Portugal Dedução do IVA suportado fora de Portugal Exerce-se na declaração periódica artº 7º DL 158/2014 Exerce-se mediante pedido de reembolso nos termos do DL 186/2009 artº 8º DL 158/2014 6

7 Regime da União- RU SP sedeados noutro EM e que nele optem pelo regime especial Aplicação Duração do regime Nº de identificação fiscal Dedução do IVA suportado em Portugal O regime especial aplica-se a todos os serviços de telecomunicações, rádio e TV e por via eletrónica prestados na Comunidade a NSP nela estabelecidos, salvo os prestados no(s) EM no qual(is) o prestador disponha de um estabelecimento estável Um SP que utilize um regime especial pode deixar de o utilizar, independentemente de continuar a prestar serviços que possam ser elegíveis para esse regime especial. O SP informa o EM de identificação pelo menos 15 dias antes do final do trimestre civil que precede aquele em que tenciona deixar de utilizar o regime. A cessação produz efeitos a partir do primeiro dia do trimestre civil seguinte artº 57º-G do Reg 282/2011 O utilizado no EM de registo- Exerce-se mediante pedido de reembolso nos termos do DL 186/2009 artº 9º nºs 1 e 2 DL 158/2014 No entanto, se estiver registado, para efeitos de IVA, em Portugal, o direito à dedução exerce-se na declaração periódica artº 9º, nº 3 DL 158/2014 7

8 Regime Extra-União -REU Âmbito de aplicação Quando um SP não está estabelecido na Comunidade, nem aqui esteja ou seja obrigado a registar-se, por outros motivos, para efeitos de IVA, pode optar pelo regime Extra-União, em qualquer EM artº 57º-B, 1º & do Reg 282/11 Ex: sede no Brasil - opção pelo regime especial em Portugal ou em qualquer dos outros 27 EM O regime Extra-União é aplicável a todos os serviços de telecomunicações, de radiodifusão e televisão e aos serviços eletrónicos prestados na Comunidade a NSP estabelecidos num EM ou que aí tenham o seu domicílio ou residência habitual. MAS Um SP de países terceiros registado ou que seja obrigado a registar-se na UE para efeitos do IVA, mas que não possua estabelecimento na UE não pode utilizar o regime extra-união (porque é obrigado a identificar-se para efeitos do IVA). Além disso, esse sujeito passivo tão pouco poderá utilizar o regime da União (porque não possui nenhum estabelecimento na UE). Neste caso, o sujeito passivo deve registar e liquidar o IVA em cada Estado-Membro em que tenha um cliente ao qual presta os serviços em questão 8

9 Regime Extra-União -REU SP sedeados fora da EU e que optem pelo regime especial em Portugal Registo A efetuar eletronicamente junto da AT- artºs 1º e 10º nº1 DL 158/2014 Na declaração de registo deve indicar o nome, endereço postal e eletrónico, incluindo os sítios na internet, NIF no respetivo país, se o tiver, e declarar que não se encontra registado para efeitos do IVA em qualquer outro EM - artº 12º nº1 DL 158/2014 Subsequentes alterações devem ser comunicadas no prazo de 15 dias -artº 12º nº 2 DL 158/2014 Aplicação Duração do regime Nº de identificação Dedução do IVA suportado em Portugal O regime especial aplica-se a todos os serviços de telecomunicações, rádio e TV e por via eletrónica prestados na Comunidade a NSP aí estabelecidos artº 10º nº 2 DL 158/2014 Um SP que utilize um regime especial pode deixar de o utilizar, independentemente de continuar a prestar serviços que possam ser elegíveis para esse regime especial. O SP informa o EM de identificação pelo menos 15 dias antes do final do trimestre civil que precede aquele em que tenciona deixar de utilizar o regime. A cessação produz efeitos a partir do primeiro dia do trimestre civil seguinte artº 57º-G do Reg 282/2011 O atribuído pela AT, precedido de EU artº 11º, nº 1 DL 158/2014 e Reg 815/12 Exerce-se mediante pedido de reembolso nos termos do DL 186/2009, sem aplicação das regras de reciprocidade e de nomeação de representante fiscal artº 13º DL 158/14 9

10 Obrigações dos SP que optem pelo regime especial RU ou REU Pagamento O pagamento do IVA devido deve ser feito, no momento da declaração a que se refere o artigo 16º ou o mais tardar, no termo do prazo para a apresentação da mesma - dia 20 do mês seguinte ao trimestre do ano civil a que respeitam as prestações de serviço - artº 12º nº1 DL 158/2014 Cada pagamento deve respeitar apenas a uma declaração entregue, remeter para o número de referência dessa declaração e ser efetuado mediante transferência para uma conta bancária, em euros, indicada pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública - IGCP - artº 12º nº 2 DL 158/2014 Quando a contraprestação não for expressa em euros, deve ser aplicada a taxa de câmbio em vigor no último dia do período abrangido pela declaração - artº 14º, nº 3 DL 158/2014 As taxas de câmbio a utilizar são as taxas de câmbio do dia referido no número anterior publicadas pelo BCE ou quando não haja publicação nesse dia, do dia de publicação seguinte artº 14º, nº 4 DL 158/

11 Regime serviços de telecomunicações, rádio e tv e por via eletrónica- MOSS Obrigações dos SP que optem pelo regime especial RU ou REU Declarativas via eletrónica Registo, alteração e cessação do regime especial - artº 15º, nº1 a) DL 158/2014 Declaração de IVA, trimestral, relativa aos serviços de telecomunicações, de radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica prestados a NSP, estabelecidos ou domiciliados na Comunidade - artº 15º nº1, b) DL 158/2014 As declarações obedecem aos modelos aprovados pelo Regulamento nº 815/2012, da Comissão, de 13 de setembro de 2012 artº 15º nº 2L 158/2014 Os SP não estabelecidos na Comunidade que tenham exercido a opção prevista no artigo 3º, bem como os SP estabelecidos noutros EM que se encontrem abrangidos por um regime especial equivalente noutro EM, estão dispensados do cumprimento das obrigações previstas no CIVA, relativamente às prestações de serviços de telecomunicações, radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica a NSP, estabelecidos ou domiciliados em território nacional - artº 15º, nº 3 DL 158/

12 Obrigações dos SP que optem pelo regime especial RU ou REU Declaração IVA Apresentação trimestral artº 15º nº1 b) DL 158/2014 Deve ser submetida até ao dia 20 do mês seguinte ao trimestre do ano civil a que respeitam as prestações de serviços - artº 16º nº4 DL 158/2014 A obrigação de submissão subsiste mesmo que não haja, no período correspondente, operações tributáveis em qualquer EM artº 16º nº 5 DL 158/2014 Deve mencionar o número de identificação do SP e, por cada EM de consumo em que o imposto é devido, o valor total, líquido de imposto, das prestações de serviços efetuadas durante o período de tributação, o montante de imposto correspondente discriminado por taxas, bem como a taxa ou taxas aplicáveis no EM de consumo, e o montante total do imposto devido - artº 16º, nºs 1 e 3 DL 158/2014 Quando o SP tenha um ou mais estabelecimentos estáveis a partir do qual os serviços são prestados, além do situado em Portugal, inclui ainda o valor total das prestações de serviços abrangidas pelo regime especial, relativamente a cada EM no qual disponha de um estabelecimento, bem como o número de identificação para efeitos de IVA ou o número de identificação fiscal desse estabelecimento, discriminado pelo EM de consumo - artº 16º nº 2 DL 158/

13 Regime serviços de telecomunicações, rádio e tv e por via eletrónica- MOSS Obrigações dos SP que optem pelo regime especial RU ou REU Registo contabilístico O registo contabilístico das prestações de serviços deve ser organizado de forma a possibilitar o conhecimento dos elementos necessários ao cálculo do imposto e permitir o seu controlo - artº 17º nº1 DL 158/2014 Os registos devem ser conservados por um prazo de 10 anos, a contar de 3l de dezembro do ano em que operação tiver sido efetuada artº 17º nº 2 DL 158/2014 Os registos devem ser disponibilizados eletronicamente, a pedido da AT ou de qualquer EM de consumo - artº 17º nº 3 DL 158/2014 Os SP não estabelecidos em território nacional que se encontrem abrangidos por um regime especial equivalente noutro Estado-membro e prestem serviços de telecomunicações, radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica a NSP, estabelecidos ou domiciliados em território nacional, devem disponibilizar eletronicamente, a pedido da Autoridade Tributária e Aduaneira, os registos dessas operações - artº17, nº 4 DL 158/

14 Regime serviços de telecomunicações, rádio e tv e por via eletrónica- MOSS Exclusão dos SP que optem pelo regime especial RU ou REU Motivos de exclusão A Autoridade Tributária e Aduaneira procede à exclusão oficiosa do regime especial e ao cancelamento do respetivo registo quando: os SP tenham deixado de preencher os requisitos necessários para integrar o regime especial - artº 4º a) DL 158/2014 os SP comuniquem que deixaram de prestar serviços de telecomunicações, de radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica - artº 4º b) DL 158/2014 existam indícios de que as suas atividades tributáveis abrangidos pelo presente regime especial cessaram - artº4º c) DL 158/2014 reiteradamente os sujeitos passivos não cumpram as regras relativas ao regime especial artº 4º d) DL 158/2014 A exclusão mantém-se em qualquer EM durante os 8 trimestres civis subsequentes àquele em que ocorreu a exclusão - artº 58-B do Reg 282 /11 Em todos os casos, salvo nos devidos a alteração da sede ou lugar do estabelecimento estável (efeitos imediatos), a exclusão produz efeitos no 1º dia do trimestre seguinte àquele em que a decisão foi enviada eletronicamente ao SP artº 58 do Reg 282/11 14

15 Garantias dos SP que optem pelo regime especial RU ou REU Notificações As notificações dirigidas a SP abrangidas pelo regime especial são efetuadas por via eletrónica autenticadas com assinatura eletrónica avançada nos termos previstos pelo Sistema de Certificação Eletrónica do Estado Infraestrutura de Chaves Públicas - artº 18º nº1 DL 158/2014 As notificações presumem-se feitas na data do envio, servindo de prova a cópia da mensagem de onde conste que esta foi enviada com sucesso - artº 18º nº2 DL 158/2014 Meios de defesa Da recusa do registo ou decisão de exclusão do regime especial cabe recurso hierárquico, a submeter por via eletrónica, ou impugnação judicial, nos termos do CPPT - artº19º DL 158/

16 Direito aplicável aos SP que optem pelo regime especial RU ou REU Direito aplicável O CIVA e respetiva legislação complementar em tudo o que não se revelar contrário ao disposto no regime especial, no Regulamento nº 282/2011, do Conselho, de 15 /03/2011, e no Regulamento nº 815/2012, da Comissão, de 13/09 - artº 20º DL 150/

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Decreto-Lei n.º 158/2014, de 24 de outubro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Decreto-Lei n.º 158/2014, de 24 de outubro Diploma Decreto-Lei n.º 158/2014, de 24 de outubro Estado: vigente Legislação Resumo: No uso da autorização legislativa concedida pelo artigo 237.º da Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro, altera o Código

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

IVA - Regras de localização nas prestações de serviços Artigo 6º, nºs 6 a 13

IVA - Regras de localização nas prestações de serviços Artigo 6º, nºs 6 a 13 IVA - Regras de localização nas prestações de serviços Artigo 6º, nºs 6 a 13 1 NAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Regras gerais de localização das prestações de serviços a) Efetuadas a sujeitos passivos o lugar

Leia mais

ANEXO DECLARAÇÃO PERIÓDICA (Decreto Lei n.º 347/85, de 23 de Agosto)

ANEXO DECLARAÇÃO PERIÓDICA (Decreto Lei n.º 347/85, de 23 de Agosto) BASE TRIBUTÁVEL IMPOSTO A FAVOR DO SUJEITO PASSIVO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS ANEXO DECLARAÇÃO PERIÓDICA (Decreto Lei n.º 347/85, de 23 de Agosto) R 01 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais das Empresas para o mês de DEZEMBRO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais das Empresas para o mês de DEZEMBRO DE 2015 1. OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) E DEMAIS IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES 1.1. Obrigações de Pagamento

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 6/2017

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 6/2017 ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 6/2017 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Elegibilidade de Documentos Comprovativos de Despesas Incorridas Fora do Território Nacional I.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diário da República, 1.ª série N.º 154 12 de agosto de 2013 4803 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 255/2013 de 12 de agosto A Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro, que aprovou a Lei do Orçamento do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE JULHO 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

Orientações EBA/GL/2015/

Orientações EBA/GL/2015/ EBA/GL/2015/19 19.10.2015 Orientações sobre as notificações de passaporte de intermediários de crédito que intervenham em operações de crédito abrangidas pela Diretiva de Crédito Hipotecário 1 1. Obrigações

Leia mais

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal Circular Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 81/2013 DATA: 24/09/2013 ASSUNTO: Calendário Fiscal Outubro 2013 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Outubro de 2013. Com os

Leia mais

IVA - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

IVA - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Caso Prático ( IVA) 2007 1 IVA - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Uma empresa fabricante de vestuário, com sede no Porto, sujeito passivo de IVA enquadrado no regime normal de periodicidade trimestral,

Leia mais

1 P. Descarregue gratuitamente actualizações online em Fiscal Col. Legislação ( ).

1 P. Descarregue gratuitamente actualizações online em  Fiscal Col. Legislação ( ). Porquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a PORTO

Leia mais

Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014

Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014 Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014 Quadro Comparativo após a republicação do Despacho Normativo n.º 18 A/2010, de 1de julho, alterado pelo Despacho Normativo 17/2014 de 26 de dezembro Artigo 1.º Objecto

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 3/2015, Série I, de 06/01, Páginas MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 3/2015, Série I, de 06/01, Páginas MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 2/2015, de 06 de janeiro Estado: vigente Legislação Resumo: Define

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Aprova a declaração modelo 2, o modelo do recibo eletrónico de quitação de rendas e a declaração modelo 44, previstos no Código do Imposto do Selo e no Código do IRS Portaria n.º 98-A/2015 de 31

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS TAREFAS E OBRIGAÇÕES PROFISSIONAIS DE JULHO 2014 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2014 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES PARA O ORÇAMENTO DO ESTADO DE 2017

PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES PARA O ORÇAMENTO DO ESTADO DE 2017 PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES PARA O ORÇAMENTO DO ESTADO DE 2017 A Ordem dos Contabilistas Certificados (doravante OCC), vem propor as seguintes alterações legislativas ao Orçamento de Estado de 2017: a) Opção

Leia mais

O OE 2012 EM DEBATE IVA - ALTERAÇÕES NA PROPOSTA DO OE PARA de OUTUBRO de IVA - Alterações na Proposta do OE para 2012

O OE 2012 EM DEBATE IVA - ALTERAÇÕES NA PROPOSTA DO OE PARA de OUTUBRO de IVA - Alterações na Proposta do OE para 2012 O OE 2012 EM DEBATE IVA - ALTERAÇÕES NA PROPOSTA DO OE PARA 2012 O OE 2012 EM DEBATE - IDEF 1 1 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES CÓDIGO DO IVA - CIVA Artigo 9º, nº16 Artigo 16º Artigo 27º, nº 2 Artigo 29º, nº 18

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: nº 10177

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: nº 10177 Diploma: Artigo: Assunto: CIVA; RITI FICHA DOUTRINÁRIA 1.º; 3.º; n.º 1 do art. 6.º; nº.s 8 e 9 do art. 29.º. Art.s 7º, 10.º, 14º e 23º do RITI; Enquadramento - Vendas, via internet, de peças de vestuário

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Circular nº 34/2015 15 de Setembro de 2015 Assunto: Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Caros Associados, Os sujeitos passivos de IVA (singulares

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em

Mais informações e atualizações desta obra em Título: Regime de IVA de caixa Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 15 páginas Formato: PDF (Portable Document Format) Data de edição: 03 de

Leia mais

Fiscalidade Pacote IVA. A Reforma de 2010 também abrange os impostos indirectos

Fiscalidade Pacote IVA. A Reforma de 2010 também abrange os impostos indirectos Fiscalidade A Reforma de 2010 também abrange os impostos indirectos 1 Agenda O : O que é? ODecretoLei Decreto-Lei nº 186/2009, de 12 de Agosto: o que altera? - Localização das Operações - Obrigações Declarativas

Leia mais

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1 NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/2015 1 Rev 1 [Operações públicas FEDER] 1 Não aplicável a operações enquadradas no Sistema de Incentivos às Empresas e a operações cofinanciadas pelo FSE. CONTROLO DO DOCUMENTO

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

Referência: AEN2ABT N.º 08/2014 CADERNO DE ENCARGOS

Referência: AEN2ABT N.º 08/2014 CADERNO DE ENCARGOS Referência: AEN2ABT N.º 08/2014 CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de Serviços de Transporte Escolar em Táxi para a Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes e Escola Básica António Torrado do Agrupamento

Leia mais

DECLARAÇÃO PERIÓDICA DE IVA

DECLARAÇÃO PERIÓDICA DE IVA DECLARAÇÃO PERIÓDICA DE IVA NOVAS INSTRUÇÕES E ANEXOS 40 / 41 W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com T: (+351) 231 209 530 Portugal Angola Moçambique Cabo Verde 1987-2013 CentralGest - Produção

Leia mais

Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011.

Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011. CIRCULAR Gabinete Jurídico-Fiscal N/ REFª: 39/2011 DATA: 13/04/11 ASSUNTO: Calendário Fiscal Maio 2011 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011. Com os melhores

Leia mais

Principais medidas decorrentes do Decreto-Lei 197/2012, de 24 de Agosto:

Principais medidas decorrentes do Decreto-Lei 197/2012, de 24 de Agosto: Principais medidas decorrentes do Decreto-Lei 197/2012, de 24 de Agosto: Artigo 29.º do CIVA 1 -Para além da obrigação do pagamento do imposto, os sujeitos passivos referidos na alínea a) do n.º 1 do artigo

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças e da Administração Pública PARTE C. Quinta-feira, 1 de Julho de 2010 Número 126

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças e da Administração Pública PARTE C. Quinta-feira, 1 de Julho de 2010 Número 126 II SÉRIE DIÁRIO DA REPÚBLICA Quinta-feira, 1 de Julho de 2010 Número 126 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C Ministério das Finanças e da Administração Pública Gabinete do Ministro: Despacho normativo n.º 18-A/2010:

Leia mais

Utilizamos a tecnologia para simplificar a sua vida! PRIMAVERA Comunicação de Inventários - AT

Utilizamos a tecnologia para simplificar a sua vida! PRIMAVERA Comunicação de Inventários - AT Utilizamos a tecnologia para simplificar a sua vida! PRIMAVERA Comunicação de Inventários - AT AGENDA ENQUADRAMENTO QUESTÕES FREQUENTES DEMONSTRAÇÃO PRIMAVERA LICENCIAMENTO PRIMAVERA DÚVIDAS ENQUADRAMENTO

Leia mais

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 16.º 1 4 -... 6 Consideram-se residentes não habituais em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes

Leia mais

A LGT no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting

A LGT no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Domicílio fiscal O domicílio fiscal integra a caixa postal eletrónica, nos termos do serviço público de caixa postal eletrónica (Decreto-Lei n.º 112/2006, de 9 de Junho, e

Leia mais

DECRETO N.º 36/XIII. Artigo 1.º Objeto

DECRETO N.º 36/XIII. Artigo 1.º Objeto DECRETO N.º 36/XIII Cria um regime de reembolso de impostos sobre combustíveis para as empresas de transportes de mercadorias, alterando o Código dos Impostos Especiais de Consumo, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 48 Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 48 Janeiro 2015 Nº 48 Janeiro 2015 IRS Portaria n.º 284/2014, de 31 de dezembro - Modelo RC 3048 DGSS Anexo SS Vem a presente portaria aprovar o novo Modelo RC 3048-DGSS, designado Anexo SS, e as respetivas instruções

Leia mais

Circular n.º 102/2010 Série II

Circular n.º 102/2010 Série II Proc.º 205.50.01/16-1/2010 DSIVAVA Circular n.º 102/2010 Série II Assunto: Instruções de aplicação do regime de isenção do IVA nas importações de bens em território nacional que se destinam a outro Estado-Membro

Leia mais

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231 Aprova os modelos oficiais do recibo designado de recibo verde electrónico A generalização da utilização das tecnologias da informação e da comunicação nos procedimentos administrativos é reconhecida internacionalmente

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 133/2015, Série I, 1.º Suplemento, de 10/07, Páginas 4782-(4) a 4782-(7). MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 133/2015, Série I, 1.º Suplemento, de 10/07, Páginas 4782-(4) a 4782-(7). MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 201-B/2015, de 10 de julho Estado: vigente Legislação Resumo:

Leia mais

Calendário Fiscal - Março 2012

Calendário Fiscal - Março 2012 Calendário Fiscal - Março 2012 Dia 1 de Março: IRS - DECLARAÇÃO MODELO 3 - Rendimentos da Categoria A e/ou H A partir desta data e até 30 Março de 2012, devem ser apresentadas em qualquer repartição de

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais das Empresas para o mês de JANEIRO DE 2016

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais das Empresas para o mês de JANEIRO DE 2016 1. OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) E DEMAIS IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES 1.1. Obrigações de Pagamento

Leia mais

Grupo Parlamentar PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PROPOSTA DE LEI 42/XI ORÇAMENTO DO ESTADO PARA Artigo 66.º

Grupo Parlamentar PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PROPOSTA DE LEI 42/XI ORÇAMENTO DO ESTADO PARA Artigo 66.º Grupo Parlamentar PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PROPOSTA DE LEI 42/XI ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 Artigo 66.º Alteração à Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro 1- Os artigos 4.º e 6.º da Lei n.º 110/2009, de 16

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2016 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2016 e anexos. IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MAIO DE 2016 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de março 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

CIRCULAR. Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe

CIRCULAR. Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe CIRCULAR N/ REFª: 02/15 DATA: 05/02/2015 Assunto: Síntese Legislativa Exmos. Senhores, Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe Com

Leia mais

CESSAÇÃO DE ATIVIDADE

CESSAÇÃO DE ATIVIDADE MANUAL DE OPERAÇÕES CESSAÇÃO DE ATIVIDADE Direção de Serviços de Registo de Contribuintes DSRC julho de 2015 Índice Introdução... 3 A Declaração de Cessação de Atividade... 6 Preenchimento da declaração...

Leia mais

Exmos. Senhores IVA - ORÇAMENTO DO ESTADO PARA REVOGAÇÃO DO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS GASOSOS.

Exmos. Senhores IVA - ORÇAMENTO DO ESTADO PARA REVOGAÇÃO DO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS GASOSOS. Classificação: 000.01.09 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício n.º: 30130 2011-12-30 Processo: 2011 008255 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770004407 Sua Ref.ª: Técnico: Cód. Assunto: L129A

Leia mais

Códigos Tributários ª Edição. Errata

Códigos Tributários ª Edição. Errata Códigos Tributários 2013 6ª Edição Errata 1 CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS UNIVERSITÁRIO Errata ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. Rua Fernandes Tomás nºs 76, 78, 80 3000-167 Coimbra

Leia mais

APECA Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas

APECA Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas DL 418/99, de 21.10 ARTIGO 1.º - Incidência ARTIGO 2.º - Exigibilidade do imposto ARTIGO 3.º - Opção pelas regras

Leia mais

Índice. Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas?

Índice. Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas? Índice Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas? Como efetuar uma operação de renovação da certificação? A operação de Renovação da

Leia mais

O regime fiscal dos residentes não habituais. Caracterização e novos procedimentos

O regime fiscal dos residentes não habituais. Caracterização e novos procedimentos O regime fiscal dos residentes não habituais Caracterização e novos procedimentos Os conceitos de residência fiscal para efeitos de IRS encontram-se consignados no artigo 16.º do respetivo Código. Esta

Leia mais

REGIME DE IVA DE CAIXA

REGIME DE IVA DE CAIXA REGIME DE IVA DE CAIXA TUDO O QUE PRECISA DE SABER W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com T: (+351) 231 209 530 Portugal Angola Moçambique Cabo Verde 2013 CentralGest - Produção de Software

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA DECLARAÇÃO ANUAL 0 Nº DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUS- TRIAL OU AGRÍCOLA, ENTIDADES

Leia mais

Alojamento local Alteração de dados

Alojamento local Alteração de dados A Alteração de dados Titular Nome/Insígnia do alojamento Número de título de autorização de utilização do edifício/fração Morada do alojamento de alteração toponímica) (A morada do alojamento local apenas

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), que resulta da fusão da Direção-Geral dos Impostos (DGCI), da Direção-Geral das Alfândegas e dos Impostos

Leia mais

2.º SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 Número 251

2.º SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 Número 251 I SÉRIE Sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 Número 251 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 426-A/2012: Aprova o modelo oficial de declaração para a comunicação dos elementos das

Leia mais

PROPOSTA FUNDO MANEIO. Enquadramento legal

PROPOSTA FUNDO MANEIO. Enquadramento legal FUNDO MANEIO Enquadramento legal De acordo com o POC-E a conta 118 Fundo Maneio destina-se a registar os movimentos relativos ao fundo de maneio criado pelas entidades nos termos legais, devendo ser criadas

Leia mais

Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional

Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional O princípio que norteia o quadro normativo português é o da não discriminação do

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 Até 10/07/2016 Envio da Declaração periódica acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos contribuintes do regime normal mensal,

Leia mais

LEI 42/2016 DE 28 DE DEZEMBRO O.E Artigo 190.º do OE Alteração ao Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

LEI 42/2016 DE 28 DE DEZEMBRO O.E Artigo 190.º do OE Alteração ao Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS Janeiro 2017 LEI 42/2016 DE 28 DE DEZEMBRO O.E. 2017 Artigo 190.º do OE Alteração ao Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Os artigos 3.º, 28.º, 31.º, 33.º, 41.º, 43.º, 56.º-A,

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

Perguntas Frequentes Regime de concessão de incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida 2016/2017

Perguntas Frequentes Regime de concessão de incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida 2016/2017 Perguntas Frequentes Regime de concessão de incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida 2016/2017 I - De ordem geral: 1. Em que consiste o incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida

Leia mais

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRECTO Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Cláusula 1.ª Objeto... Cláusula 2.ª Local, prazo e modo da prestação...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 23/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 23/XIII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos Ao longo de mais de uma década, as empresas de transportes internacionais têm deslocado os seus abastecimentos de combustíveis para fora de Portugal, beneficiando dos mecanismos de

Leia mais

Calendário fiscal 2017

Calendário fiscal 2017 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE ABRIL DE 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de fevereiro 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE REGISTO DA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE SIRAPA. Lígia Varandas, 23 Novembro 2010, S. João da Madeira

SISTEMA INTEGRADO DE REGISTO DA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE SIRAPA. Lígia Varandas, 23 Novembro 2010, S. João da Madeira SISTEMA INTEGRADO DE REGISTO DA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE SIRAPA Lígia Varandas, 23 Novembro 2010, S. João da Madeira Sistema Integrado de Registo da Agência Portuguesa do Ambiente SIRAPA O SIRAPA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA A UTILIZAÇÃO E EXPLORAÇÃO DO BAR DO PÊGO ESCURO - GÓIS. Processo nº A1/2015 PROGRAMA DE CONCURSO

CONCURSO PÚBLICO PARA A UTILIZAÇÃO E EXPLORAÇÃO DO BAR DO PÊGO ESCURO - GÓIS. Processo nº A1/2015 PROGRAMA DE CONCURSO CONCURSO PÚBLICO PARA A UTILIZAÇÃO E EXPLORAÇÃO DO BAR DO PÊGO ESCURO - GÓIS Processo nº A1/2015 PROGRAMA DE CONCURSO [1] PROGRAMA DE CONCURSO INDÍCE 3. Identificação e Objeto do Concurso 3. Entidade Adjudicante

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ATO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ATO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2013 3 A IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito passivo B NIF 07 NÚMERO FISCAL DE CONTRIBUINTE 08 CÓDIGO DA TABELA DE ATIVIDADES

Leia mais

Título de injunção europeu

Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Título de injunção europeu VERBO jurídico VERBO jurídico Título de injunção europeu: 2 Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Mestre em Direito pela Escola de Direito da Universidade

Leia mais

manual de correção de erros centrais da declaração modelo 22 Classificação: Segurança: P ú blic a MOD. 12.2

manual de correção de erros centrais da declaração modelo 22 Classificação: Segurança: P ú blic a MOD. 12.2 Classificação: 2 05. 0 5. 0 2 Segurança: P ú blic a manual de correção de erros centrais da declaração modelo 22 MOD. 12.2 Av. Eng. Duarte Pacheco, 28-7.º, Lisboa 1099-013 Tel: (+351) 21 383 42 00 Fax:

Leia mais

A Informação Empresarial Simplificada (IES)

A Informação Empresarial Simplificada (IES) A Informação Empresarial Simplificada (IES) - 2011 Os novos formulários da Informação Empresarial Simplificada (IES) / Declaração Anual de Informação Contabilística e Fiscal só agora ficaram disponíveis

Leia mais

Regime Especial do Ouro para Investimento

Regime Especial do Ouro para Investimento DL 362/99, de 16.09.99 ARTIGO 1.º - Regime especial do ouro para investimento ARTIGO 2.º - Alteração ao Código do IVA ARTIGO 3.º - Revogação ARTIGO 4.º - Entrada em vigor Regime Especial Aplicável ao Ouro

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO

PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2017 - PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO Suzana Fernandes da Costa formacao@sfcadvogados.com.pt 05/12/2016 Proposta de Orçamento de Estado para 2017 Alterações previstas

Leia mais

Portaria n. o 121/

Portaria n. o 121/ Portaria n. o 121/2011 30-03-2011 Assunto: Regulamenta e estabelece as condições de aplicação da contribuição sobre o sector bancário A Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro, estabeleceu no seu artigo 141.º

Leia mais

Informação aos Associados nº135.v3

Informação aos Associados nº135.v3 Data 2 de Novembro de 2012 atualizada em 25 de Novembro de 2013 Assunto: Tema: OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE FATURA REGRAS GERAIS Fiscalidade 1 É obrigatório emitir Fatura 2 Os Associados estão obrigados

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

Calendário fiscal 2016

Calendário fiscal 2016 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Legislação REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA - ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Decreto Legislativo Regional n.º 5-A/2014/M

Legislação REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA - ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Decreto Legislativo Regional n.º 5-A/2014/M Legislação Diploma Decreto Legislativo Regional n.º 5-A/2014/M Estado: Vigente Resumo: Altera o regime jurídico da derrama regional Publicação: Diário da República n.º 140, Série I, 1.º suplemento, de

Leia mais

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A.

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A. REGULAMENTO TARIFÁRIO E DE EXPLORAÇÃO DA CONCESSÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA APL -ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S.A. ANEXO II MODELO

Leia mais

MIAOE Medida de Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego Guia de Apoio ao Candidato

MIAOE Medida de Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego Guia de Apoio ao Candidato MIAOE Medida de Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego Guia de Apoio ao Candidato 15.02.10 1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? É uma medida de emprego que pretende apoiar

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2013)

QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2013) QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2013) Instruções de preenchimento: - Todas as questões dos pontos 1 e 2 são de preenchimento obrigatório. Nos casos em que o preenchimento não é aplicável à empresa,

Leia mais

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português;

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português; Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária Artigo 12.º 1 2 3 - O disposto nos números anteriores compreende, relativamente aos grandes contribuintes, a decisão antecipada, sobre a qualificação

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA PARCIAL OU ISENÇÃO TOTAL DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO, DESEMPREGADO DE LONGA DURAÇÃO E DESEMPREGADO DE MUITO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing)

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1 Princípios Gerais A Caixa Económica Montepio Geral, nos termos do Regime Geral das Instituições

Leia mais

Newsletter de Janeiro de 2016

Newsletter de Janeiro de 2016 Newsletter de Janeiro de 2016 Obrigações Fiscais do mês: Até ao dia 11, entrega da declaração, respectivos anexos e pagamento do IVA de periodicidade mensal, referente ao mês de Novembro de 2015 Até ao

Leia mais

Regime do IVA nas Transacções Intracomunitárias

Regime do IVA nas Transacções Intracomunitárias Ver tabela de correspondência dos artigos anteriores à redacção do Decreto-Lei n.º 102/2008, de 20 de Junho Decreto-Lei n.º 290/92 [Republicado e renumerado pelo Decreto-Lei n.º 102/2008, de 20 de Junho]

Leia mais

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1 ANEXO XIII PROGRAMA DE APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1. Programa e Secções 1.1. O Programa de Apoio à Distribuição Cinematográfica destina-se a comparticipar as despesas com planos de distribuição

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO

REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO Enquadramento legal De acordo com o POC-E, a conta 118 Fundo Maneio destina-se a registar os movimentos relativos ao fundo de maneio criado pelas entidades nos termos legais,

Leia mais

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO Legislação publicada: Despacho Normativo n.º 19/87, de 19 de Fevereiro: vai ser feita referência a este despacho no art. 6.º do D.L. 328/93; Decreto-Lei n.º 328/93, de 25 de Setembro: instituiu o regime

Leia mais

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro A presente portaria vem alterar as Portarias n.os 1416-A/2006, de 19 de dezembro, 1594/2007, de 17 de dezembro, 622/2008, de 18 de julho, 1513/2008, de 23 de dezembro,

Leia mais

Audiência com a Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar

Audiência com a Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar APA Associação Portuguesa de Aquacultores Audiência com a Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar Local: Assembleia da Republica em Lisboa Data e hora: 4 de Fevereiro às 14h00. Representantes da APA:

Leia mais

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC FAT revista em Março de 2008 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Deve o IVA ser incluído nos movimentos contabilísticos a efectuar nas fases de cabimento, compromisso e pagamento para registar

Leia mais

Algumas Orientações da Administração Fiscal:

Algumas Orientações da Administração Fiscal: Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda. A G O S T O - 2 0 1 2 Algumas Orientações da Administração Fiscal: O que é a Certidão de Liquidação de IRS? A certidão de IRS é um documento comprovativo

Leia mais

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se a fomentar a poupança para constituição de um complemento de reforma. Direccionado para Clientes com idade inferior

Leia mais

Informação jurídica. Assunto: Registo de hóspedes. Questões:

Informação jurídica. Assunto: Registo de hóspedes. Questões: Informação jurídica Assunto: Registo de hóspedes Questões: 1- Há alguma lei que obrigue os estabelecimentos hoteleiros a procederem ao registo dos hóspedes estrangeiros? Relativamente a hóspedes estrangeiros,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Seguro Social Voluntário Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

Condomínios enquadramento e obrigações fiscais

Condomínios enquadramento e obrigações fiscais Condomínios enquadramento e obrigações fiscais O enquadramento fiscal dos condomínios e respetivas obrigações fiscais é um tema que levanta sempre dúvidas. No presente artigo vamos abordar os principais

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais