Contabilidade Introdutória

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilidade Introdutória"

Transcrição

1 Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Avaliação de Estoques CPC 16 Caracterização do Estoque Estoques são ativos: a)mantidos para venda no curso normal dos negócios; b)em processo de produção para essa venda; ou c)na forma de materiais ou suprimentos, a serem consumidos ou transformados no processo de produção ou na prestação de serviços. Pronunciamento CPC -16 (Comitê de Pronunciamentos Contábeis) Definição de Estoques 8. Os estoques compreendem bens adquiridos e destinados à venda, incluindo, por exemplo, mercadorias compradas por um varejista para revenda ou terrenos e outros imóveis para revenda. Os estoques também compreendem produtos acabados e produtos em processo de produção pela entidade e incluem matériasprimas e materiais aguardando utilização no processo de produção, tais como: componentes, embalagens e material de consumo. 2 1

2 Avaliação de Estoques CPC 16 Mensuração dos Estoques Os Estoques devem ser apresentados no Balanço Patrimonial pelo menor entre os seguintes valores: a) Valor de custo; ou b) Valor realizável líquido (*) (*) Valor realizável líquido é o preço de venda estimado no curso normal dos negócios deduzido dos custos estimados para sua conclusão e dos gastos estimados necessários para se concretizar a venda. 3 Avaliação de Estoques CPC 16 Pronunciamento CPC -16 (Comitê de Pronunciamentos Contábeis) Mensuração de Estoques 10. O valor de custo dos estoques deve incluir todos os custos de aquisição e de transformação, bem como outros custos incorridos para trazer os estoques à sua condição e localização atuais. 11. O custo de aquisição dos estoques compreende o preço de compra, os impostos de importação e outros tributos (desde que não sejam posteriormente recuperáveis pela entidade), bem como os custos de transporte, seguro, manuseio e outros diretamente atribuíveis à aquisição de produtos acabados, materiais e serviços. Descontos comerciais, abatimentos e outros itens semelhantes são deduzidos na determinação do custo de aquisição. 7. O valor realizável líquido refere-se à quantia líquida que uma entidade espera realizar com a venda do estoque no curso normal dos negócios. 4 2

3 Avaliação de Estoques CPC 16 Critérios de valoração dos estoques 23. O custo dos estoques de itens que não são normalmente intercambiáveis e de bens ou serviços produzidos e segregados para projetos específicos deve ser atribuído pelo uso da identificação específica dos seus custos individuais. 24. A identificação específica do custo significa que são atribuídos custos específicos a itens identificados do estoque. Este é o tratamento apropriado para os itens que sejam segregados para um projeto específico, independentemente de eles terem sido comprados ou produzidos. Porém, quando há grandes quantidades de itens de estoque que sejam geralmente intercambiáveis, a identificação específica de custos não é apropriada. Em tais circunstâncias, um critério de valoração dos itens que permanecem nos estoques deve ser usado. 25. O custo dos estoques, que não sejam os tratados nos itens 23 e 24, deve ser atribuído pelo uso do critério Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair (PEPS) ou pelo critério do custo médio ponderado. Uma entidade deve usar o mesmo critério de custeio para todos os estoques que tenham uma natureza e um uso semelhantes para a entidade. Para os estoques que tenham outra natureza ou uso, poderão justificar-se diferentes critérios de valoração. 5 Avaliação de Estoques ü Operações com Mercadorias ü Sistema de Controle de Estoques Inventário Periódico Inventário Permanente 6 3

4 Operações de compra e venda de Mercadorias 1. APURAÇÃO DO RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS (RCM) RCM = RV - CMV onde: RCM = Resultado Bruto com Mercadorias / Lucro Bruto RV = Receita de Vendas CMV = Custo das Mercadorias Vendidas 7 Operações de compra e venda de Mercadorias Exemplo: A Barapuã Com. comprou um lote de 30 unidades de geladeiras por R$ 400,00 cada uma e as vendeu por R$700,00 cada uma. Qual foi o resultado da empresa? Receita de Vendas Custos das Mercadorias (12.000) Lucro Custo pelo preço específico da mercadoria - identificação 8 4

5 Operações de compra e venda de Mercadorias 2. A Barapuã Com. realizou as seguintes operações: Comprou um lote de 15 unidades de geladeiras por R$ 400,00 cada uma Comprou um lote de 15 unidades de geladeiras por R$ 500,00 cada uma Vendeu 15 unidades por R$ 700,00 cada uma Qual foi o resultado da empresa? Receita de Vendas Custos das Mercadorias (6.000) Lucro (7.500) (6.750) Sistema de Controle de Estoques ü Inventário Periódico ü Inventário Permanente 10 5

6 Controle de Estoques Inventário Permanente Inventário Permanente Controle contínuo sobre as entradas e saídas de mercadorias (em quantidades e valores). Vantagens desta forma de inventário: A gerência possui posição atualizada dos estoques para planejamento de compras e vendas. Controle do nível dos estoques. Proporciona um melhor acompanhamento da evolução dos custos. 11 Controle de Estoques Inventário Permanente O controle do estoque de mercadoria pode ser simplificado com o uso de uma ficha de controle. Exemplo de registro das movimentações: Dia 1/6/19x7 - Estoque inicial de mercadorias (ventiladores) - 10 unidades compradas a $1.000,00 cada, no total de $10.000,00. 2/6/19x7 - Vendas de 6 unidades por $8.000,00. 3/6/19x7 - Compra de 4 unidades a $1.000,00 cada. 3/6/19x7 - Vendas de 6 unidades por $

7 Controle de Estoques Inventário Permanente FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Mercadoria: Ventiladores Operação ENTRADA SAÍDA SALDO QTD UNIT TOTAL QTD UNIT TOTAL QT D UNIT TOTAL Saldo , ,00 Venda , , , ,00 Compra , , , ,00 Venda , , , ,00 Saldo , , , ,00 13 Tipos de Custeio de Estoques FORMAS DE CUSTEIO ü PEPS ou FIFO (First In - First Out); ü MPM (Média Ponderada Móvel). 14 7

8 Exemplo Custeio de Estoques A COM. SÓ SAPATOS LTDA tinha um estoque inicial, em x7, de 30 unidades de pares de sapatos, adquiridos por $40,00 cada um. No decorrer do mês, houve a seguinte movimentação: 2/9 - compra de 10 unidades por $42,00 cada. 3/9 - venda de 3 unidades por $50,00 cada. 4/9 - venda de 28 unidades por $45,00 cada. 5/9 - compra de 5 unidades por $41,00 cada. 6/9 - vendas de 10 unidades por $48,00 cada. 15 PEPS ou FIFO (FIRST IN FIRST OUT) FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Espécie: Sapatos Unidade: Par Operação ENTRADA SAÍDA SALDO QTD UNIT TOTAL QTD UNIT TOTAL QTD UNIT TOTAL 30 40, ,00 Compra 10 42,00 420, , , ,00 420,00 Venda 3 40,00 120, , , ,00 420,00 Venda 27 40, , ,00 378, ,00 42,00 Compra 5 41,00 205, ,00 378, ,00 205,00 Venda 9 42,00 378, ,00 164, ,00 41,00 SALDO , , ,00 164,

9 PEPS ou FIFO (FIRST IN FIRST OUT) O CMV total do período (01 a 06/09) será portanto de $1.661,00 e o valor do estoque de $164,00. Com base nesse critério teremos, sempre, um valor de estoque baseado nas compras mais recentes e o valor do CMV baseado nas compras mais antigas. 17 Média Ponderada Móvel Chama-se Ponderada Móvel pois o valor médio de cada unidade em estoque se altera pela compra de outras unidades por um preço diferente. Assim, ele será apurado dividindo-se o custo total do estoque pelas unidades existentes. Fazendo-se o controle por esse critério de movimentação com os dados anteriormente utilizados, temos: 18 9

10 Média Ponderada Móvel FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Espécie: Sapatos Unidade: Par Operação ENTRADA SAÍDA SALDO QTD UNIT TOTAL QTD UNIT TOTAL QTD UNIT TOTAL 30 40, ,00 Compra 10 42,00 420, , ,00 Venda 3 40,50 121, , ,50 Venda 28 40, , ,50 364,50 Compra 5 41,00 205, ,68 569,50 Venda 10 40,68 406, ,68 162,72 SALDO , , ,68 162,72 O CMV apurado agora foi de $1.662,28 e o estoque final de $162, Comparação dos Resultados Comparando-se os resultados obtidos pelos critérios apresentados, temos: PEPS OU FIFO Vendas 1.890,00 (-) CMV 1.661,00 RCM 229,00 Média Ponderada Móvel Vendas 1.890,00 (-) CMV 1.662,28 RCM 227,72 Est. Final 164,00 Est. Final 162,

11 Comparação dos Resultados Vendendo o estoque remanescente por $200,00, tem-se: PEPS OU FIFO Vendas 200,00 (-) CMV 164,00 RCM 36,00 Média Ponderada Móvel Vendas 200,00 (-) CMV 162,72 RCM 37,28 Est. Final 0,00 Est. Final 0,00 Resultado acumulado: PEPS OU FIFO Vendas 2.090,00 (-) CMV 1.825,00 RCM 265,00 Média Ponderada Móvel Vendas 2.090,00 (-) CMV 1.825,00 RCM 265,00 Est. Final 0,00 Est. Final 0,00 21 Sistema de Controle de Estoques Sistema de Inventário Periódico Nesse sistema, o valor dos estoques, bem como o custo das mercadorias vendidas não são apurados a cada operação. Essa apuração é efetuada somente no encerramento do exercício. No final de cada exercício é feito um inventário físico para apuração do estoque final

12 Controle de Estoques Inventário Periódico O valor do custo das vendas é encontrado pela equação: Custo das mercadorias vendidas = Estoque inicial + Compras - Estoque final Ou seja: CMV = EI + C - EF 23 Considerações sobre Inventário Físico O inventário deve abranger todas as mercadorias de propriedade da empresa em seu poder ou sob custódia de terceiros (conceito de propriedade prevalece sobre o de posse) Exemplo: Mercadorias em trânsito 24 12

13 Controle de Estoques Inventário Periódico Exemplo: Supondo que uma companhia com um estoque inicial de $ , em 19X7, tenha efetuado compras durante o exercício no valor de $ , e tenha apurado um estoque final de $ , o CMV encontrado seria: CMV = = Controle de Estoques Inventário Periódico Contabilização Exemplo: 1. O estoque inicial em X7 era de $ Compras de mercadorias: $ $ $ Estoque Final em 31/03/19X7 era de $ Vendas de mercadorias: 12/01 $ /03 $ Qual o resultado obtido? 26 13

14 Controle de Estoques Inventário Periódico Mercadorias SI (10.01) (20.03) (30.03) Vendas (12.01) (18.03) (1) SF (1) CMV Fornecedores (10.01) (20.03) (30.03) Clientes (12.01) (18.03) Controle de Estoques Inventário Periódico Vendas (-) Custo das mercadorias vendidas ( ) (=) Lucro Bruto

15 Custo x Despesa Custo: critério de mensuração de ativos e passivos. Despesa: consumo de recursos com a finalidade de obter receitas. Custo das Mercadorias vendidas: conceitualmente incorreto, pois na DRE há a confrontação entre Receitas e Despesas para a apuração do resultado. 29 Exercício 30 15

16 Avaliação de Estoques ü Itens que afetam o Valor dos Estoques ü Itens que afetam o valor da Receita de Vendas 31 Avaliação de Estoques Estoques: 1. Devolução de Compras 2. Abatimento e descontos sobre compras 3. Gastos adicionais (frete, seguros, impostos) 32 16

17 Avaliação de Estoques 1. Devolução e abatimento sobre Compras Diminuem o valor dos estoques Registradas na ficha de controle como um estorno (entrada negativa ). Abatimentos reduzem apenas o valor dos estoques, pois não há devolução de mercadorias; Obs.: nunca devem ser consideradas como saída de mercadoria pois, desta forma, haveria alteração do valor do CMV. Contabilização: Débito - Fornecedores/ Bancos Crédito Estoques 33 Exemplo: Cia. Atenas A Cia. Atenas S.A. possuía um saldo inicial de 40 unidades ao custo unitário de $250 por unidade. Efetuou uma compra a prazo de 70 unidades por $300 por unidade. Em seguida, efetuou devolução de 30 unidades desta compra por apresentarem fora do padrão de qualidade requerido. FICHA DE ESTOQUES MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO Operações Quant. Preço Total Quant. Preço Total Quant. Preço Total Saldo inicial , ,00 1. Compra , , , ,00 2. Devolução (30) 300,00 (9.000,00) , ,00 Lançamento Contábil Devolução de Compras 34 Fornecedores a Estoques $

18 Avaliação de Estoques Devolução de Compras Estoques (SI) (2) (1) Fornecedores (2) (1) 35 Exemplo: Cia. Atenas A Cia. Atenas obteve um abatimento sobre as compras efetuadas anteriormente, de 10% sobre as unidades remanescentes. FICHA DE ESTOQUES MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO Operações Quant. Preço Total Quant. Preço Total Quant. Preço Total Saldo inicial , ,00 1. Compra , , , ,00 2. Devolução (30) 300,00 (9.000,00) , ,00 3. Abatimento (1.200,00) , ,00 Lançamento Contábil Abatimento s/ Compras 36 Fornecedores a Estoques $

19 Avaliação de Estoques Abatimento sobre Compras Estoques (SI) (2) (2) (1) (3) (3) Fornecedores (1) 37 Avaliação de Estoques 2. Gastos adicionais (fretes, seguros, impostos e outros) Aumentam o valor das compras, pois são considerados custo de aquisição das mercadorias; Contabilização: Débito Estoques Crédito Caixa ou Contas a Pagar Devem ser registrados na coluna de entrada, na parte relativa apenas a valores, acrescendo apenas o preço total, já que as quantidades de mercadorias permanecem inalteradas

20 Exemplo: Cia. Atenas A Cia. efetuou pagamento de frete sobre as compras efetuadas anteriormente, no valor de $ FICHA DE ESTOQUES MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO Operações Quant. Preço Total Quant. Preço Total Quant. Preço Total Saldo inicial , ,00 1. Compra , , , ,00 2. Devolução (30) 300,00 (9.000,00) , ,00 3. Abatimento (1.200,00) , ,00 4. Frete 1.000, , ,00 Lançamento Contábil Fretes s/ Compras Estoques a Contas a pagar $ Avaliação de Estoques Fretes sobre Compras Estoques (SI) (2) (2) (1) (3) (3) (4) Fornecedores (1) Contas a pagar (4) 40 20

21 Itens que afetam o Valor das Receitas Receitas: 1. Devolução de Vendas 2. Abatimento e descontos sobre vendas 3. Gastos adicionais (frete, seguros, impostos) 41 Itens que afetam o Valor das Receitas 1. Devolução de Vendas Registrada na coluna de saída, com valor negativo, estornando o valor de custo pelo qual foram baixadas

22 Itens que afetam o Valor das Receitas Contabilização 1. Relativo à receita de vendas Débito Devoluções de vendas (Resultado) Crédito Bancos/ Clientes 2. Relativo ao Custo das Mercadorias Vendidas Débito Estoques Crédito Custo das Mercadorias Vendidas 43 Exemplo: Cia. Atenas A Cia. efetuou vendas a prazo de 30 unidades por $350 cada uma. Posteriormente, recebeu 10 unidades em devolução por problemas técnicos. FICHA DE ESTOQUES MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO Operações Quant. Preço Total Quant. Preço Total Quant. Preço Total Saldo inicial , ,00 1. Compra , , , ,00 2. Devolução (30) 300,00 (9.000,00) , ,00 3. Abatimento (1.200,00) , ,00 4. Frete 1.000, , ,00 5. Venda , , , ,00 6. Devolução (10) 272,50 (2.725,00) , ,00 Lançamentos Contábeis Devolução de Vendas a Clientes $ Estoques a CMV $

23 Itens que afetam o Valor das Receitas Devoluções de Vendas Estoques (SI) (2) (1) (3) (4) (5a) (6a) Rec. Vendas (5) Devoluções de Vendas (6) Clientes CMV (5) (6) (5a) (6a) 45 Itens que afetam o Valor das Receitas 2. Abatimento sobre vendas Não são registrados na ficha de controle, pois alteram apenas os valores de vendas. Observação: na Ficha de Estoques temos controle do estoque e do custo das mercadorias vendidas e esses valores não se alteram com os abatimentos sobre vendas

24 Itens que afetam o Valor das Receitas Abatimento sobre vendas Contabilização: 1. Relativo à receita de vendas Débito Abatimento s/ vendas (Resultado) Crédito Caixa ou Clientes 2. Relativo ao Custo das Mercadorias Vendidas nenhum lançamento contábil (não há alteração dos estoques e do CMV) Exemplo: Cia. Atenas A Cia Atenas concedeu um abatimento s/ a venda anterior de 20% sobre as unidades remanescentes. FICHA DE ESTOQUES MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO Operações Quant. Preço Total Quant. Preço Total Quant. Preço Total Saldo inicial , ,00 1. Compra , , , ,00 2. Devolução (30) 300,00 (9.000,00) , ,00 3. Abatimento (1.200,00) , ,00 4. Frete 1.000, , ,00 5. Venda , , , ,00 6. Devolução (10) 272,50 (2.725,00) , ,00 Lançamento Contábil Abatimento s/ Vendas a Clientes $

25 Itens que afetam o Valor das Receitas Abatimento sobre Vendas Clientes Rec. Vendas (5) (6) (7) (5) Abatimentos s/ Vendas (7) Itens que afetam o Valor das Receitas 3. Gastos adicionais (fretes, seguros e outros) são considerados despesas de vendas Contabilização Débito Despesas de Vendas Crédito Caixa ou Contas a Pagar 50 25

26 51 Exemplo: Cia. Atenas A Cia Atenas pagou $100 referente ao frete sobre as vendas efetuadas anteriormente. FICHA DE ESTOQUES MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO Operações Quant. Preço Total Quant. Preço Total Quant. Preço Total Saldo inicial , ,00 1. Compra , , , ,00 2. Devolução (30) 300,00 (9.000,00) , ,00 3. Abatimento (1.200,00) , ,00 4. Frete 1.000, , ,00 5. Venda , , , ,00 6. Devolução (10) 272,50 (2.725,00) , ,00 Lançamentos Contábeis Fretes s/ Vendas (despesas de vendas) a Contas a pagar $ 100 Itens que afetam o Valor das Receitas Fretes sobre Vendas Contas a pagar (4) 100 (8) Fretes s/ Vendas (8)

27 Exemplo: Cia. Atenas Encerramento da Operação FICHA DE ESTOQUES MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO Operações Quant. Preço Total Quant. Preço Total Quant. Preço Total Saldo inicial , ,00 1. Compra , , , ,00 2. Devolução (30) 300,00 (9.000,00) , ,00 3. Abatimento (1.200,00) , ,00 4. Frete 1.000, , ,00 5. Venda , , , ,00 6. Devolução (10) 272,50 (2.725,00) , ,00 TOTAL , , ,00 53 Exemplo: Cia. Atenas Apuração do Custo das Mercadorias Vendidas - CMV Custo das Mercadorias Vendidas Estoque inicial ,00 (+) Compras ,00 Menos Devolução 9.000,00 Abatimento 1.200,00 (10.200,00) Mais Fretes 1.000, ,00 (=) Mercadoria Disponível no período ,00 (-) Estoque final (16.350,00) 5.450,

28 Exemplo: Cia. Atenas - Razonetes Estoques Fornecedores SI (2) (2) (1) (1) (3) (3) (4) (6A) (5A) Contas a pagar Caixa Clientes xxx (5) (6) (4) (7) (8) (8) CMV Vendas Brutas (5A) (6A) (5) (A) (D) Abatimentos s/ Vendas Devoluções s/ Vendas (7) (6) (C) (B) 55 Fretes s/ Vendas A.R.E. (8) 100 (B) (A) 100 (E) (C) (D) (E) Exemplo: Cia. Atenas Apuração do Resultado Receita Bruta de Vendas Menos: Devoluções Abatimentos Vendas líquidas (-) CMV (=) Resultado Bruto (lucro bruto) (-) Despesas Operacionais (-) Fretes s/ Vendas (=) Lucro Operacional (3.500,00) (1.400,00) ,00 (4.900,00) 5.600,00 (5.450,00) 150,00 (100,00) 50,

29 Descontos Comerciais sobre Compras e Vendas Descontos comerciais são os concedidos pelo vendedor a favor do comprador, ou vice e versa, no ato da compra ou da venda, em função de vários motivos: Quantidade comprada; Clientes especiais; Outros motivos específicos. É REGISTRADO O VALOR LÍQUIDO DA TRANSAÇÃO 57 Descontos Comerciais x Abatimentos Descontos comerciais Ø Contratados no ato da transação (compra ou venda). Abatimentos Ø São concedidos após a venda (ou compra)

30 DESCONTOS FINANCEIROS Referem-se aos descontos dados para o pagamento/ recebimento antecipado de dívidas assumidas/direitos a receber com transação de mercadorias. Devem ser abertas contas especiais para os descontos financeiros obtidos e concedidos. São considerados na Demonstração do Resultado, como receita/despesa financeira, depois do resultado bruto do exercício. 59 DESCONTOS FINANCEIROS EXEMPLO: Supondo que a Cia. B, em 19x2, efetue as seguintes operações: 1. Vendas, a prazo, no valor de $10.000, com CMV de $7.000; 2. Antecipação de pagamentos a fornecedores obtendo descontos de $ Concessão de desconto por pagamento antecipado de clientes $

31 DESCONTOS FINANCEIROS Vendas (-) CMV (7.000) (=) Resultado com mercadorias (-) Despesas Operacionais (-/+) Resultado financeiro (-) Descontos financeiros concedidos (240) (+) Descontos financeiros obtidos 340 Lucro líquido

Exercício Contabilidade Básica Maratona 02

Exercício Contabilidade Básica Maratona 02 Sumário I Operações com Mercadorias... 2 1. CVM - Analista (ESAF- 2010) - Componentes do Custo... 2 2. BR Distribuidora - Técnico (Cesgranrio- 2009) - Apuração do CMV... 2 3. TCM/PA - Analista (FGV- 2008)

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administração TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 05. Estoque Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Seção 7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Ramo da contabilidade aplicada cujo objetivo é adequar as demonstrações financeiras contábeis e a

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 3. Inventários e Activos Biológicos Consideram-se inventários todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa equesedestinamàvendaouaseremincorporadosnaprodução.

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes Curso de Contabilidade Básica Professor André Gomes Dispuseste todas as coisas, com peso, número e medida Livro da sabedoria, XI,21 CONCEITO Contabilidade é a ciência que estuda o patrimônio do ponto de

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01- FCC 2014 A Cia. Investidora adquiriu 90% das ações da Cia. Gama por R$ 5.000.000,00. Na data da aquisição, o Patrimônio Líquido da Cia. Gama era de R$ 3.500.000,00 e o valor justo líquido dos ativos

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

Aula 14. sobre todas as fases do circuito. Contabilidade Financeira I Francisco Antunes

Aula 14. sobre todas as fases do circuito.  Contabilidade Financeira I Francisco Antunes Aula 14 http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Início IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o consumo (embora sejam as empresas as entidades que têm de entregar o imposto ao Estado, quem o suporta

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos 4 Apuração Instantânea de Resultados Econômicos Se observarmos bem, os contadores estão utilizando o computador para elaborar, não só o balancete como também outras demonstrações financeiras como a Demonstração

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

Sumário. Prefácio à 10ª Edição, xxi. Prefácio à 1ª Edição, xxiii. Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1

Sumário. Prefácio à 10ª Edição, xxi. Prefácio à 1ª Edição, xxiii. Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1 Sumário Prefácio à 10ª Edição, xxi Prefácio à 1ª Edição, xxiii Parte I Introdução à Contabilidade Comercial, 1 1 Noções de Comércio e de Instituições Comerciais, 3 1.1 Conceito de comércio, 3 1.2 Origens

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

Contabilidade Financeira e IFRS

Contabilidade Financeira e IFRS Contabilidade Financeira e IFRS Objetivos de aprendizagem: Depois de ler e discutir este tópico você será capaz entender As Principais causas da variação do Patrimônio Líquido; O Período contábil As Normas

Leia mais

Comentários da prova Auditor SEFAZ MA Disciplina: Contabilidade Geral e Avançada Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova Auditor SEFAZ MA Disciplina: Contabilidade Geral e Avançada Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova Auditor SEFAZ MA Disciplina: Professor: Feliphe Araújo CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA SEFAZ MARANHÃO Olá amigos, Trago para vocês os comentários da prova do concurso para Auditor Fiscal

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC 2013.2 43. Uma sociedade empresária contratou um seguro anual, em 1º de agosto de 2013, para cobertura de incêndio, avaliado no valor de R$180.000,00, com vigência a partir da assinatura

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13 Exercício Nº 13 1 Exercício Nº 13 - Contabilidade em nível geral de preços Elaboração do Balanço Patrimonial de em ATIVO na Ativo circulante 150.000 78.341,9444 164.518 Caixa 20.000 20.000 10.000,0000

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Adiantamento de Salários 200,00 Aluguéis a Pagar 250,00 Caixa 1.050,00 Capital Social 12.000,00 Clientes 3.200,00 Contas a Pagar 350,00 Depósitos Judiciais (LP)

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA. 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização.

ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA. 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização. ADM 1 ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização. (V) Permite a visualização das responsabilidades e

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1º SEMESTRE / 2016

SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1º SEMESTRE / 2016 SELEÇÃO PARA ESTAGIÁRIOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1º SEMESTRE / 2016 Nome: Período: Data: Nota: OBSERVAÇÕES: A prova deverá ser feita com caneta esferográfica preta ou azul. A prova terá a duração de 01 (uma)

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

Prova: Disciplina: Gabarito Provisório: CONHECIMENTOS ESPECIFICOS CONTABILIDADE CONTABILIDADE G1=2 D PARECER

Prova: Disciplina: Gabarito Provisório: CONHECIMENTOS ESPECIFICOS CONTABILIDADE CONTABILIDADE G1=2 D PARECER CONHECIMENTOS ESPECIFICOS G1=2 D Os candidatos recorerram da questão alegando que o item E também estaria incorreto, tornando a questão nula, pois as despesas com terceirização de mão de obra para substituir

Leia mais

Métodos de Custeio. Prof. Alan S. Fonseca. Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il.

Métodos de Custeio. Prof. Alan S. Fonseca. Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il. Métodos de Custeio F676m Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 19 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Contabilidade

Leia mais

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 CONTABILIDADE X CUSTOS Contabilidade é a ciência que

Leia mais

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.8 IT.01 ENTIDADES COOPERATIVAS Esta Interpretação Técnica (IT) visa esclarecer critérios e procedimentos específicos de avaliação, de

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 T20 TEMA

Leia mais

Demonstrações Contábeis Decifradas

Demonstrações Contábeis Decifradas RESOLUÇÃO A resolução dessa questão demanda a capacidade de classificação dos elementos patrimoniais e do resultado como componentes dos fluxos de caixa das atividades operacionais, de investimento e de

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) 1 de 8 31/01/2015 14:50 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e

Leia mais

Balanço patrimonial da Holding S.A. antes da cisão parcial: Ativos $ Passivos $

Balanço patrimonial da Holding S.A. antes da cisão parcial: Ativos $ Passivos $ CISÃO 1 INTRODUÇÃO A cisão é um processo no qual uma companhia transfere parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse fim ou já existentes, extinguindo-se a companhia

Leia mais

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores:

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª.: Márcia

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

QUESITOS PARA APURAÇÃO DE HAVERES DE SÓCIO

QUESITOS PARA APURAÇÃO DE HAVERES DE SÓCIO QUESITOS PARA APURAÇÃO DE HAVERES DE SÓCIO 1. Sócio vivo 2. Sócio falecido No caso do sócio vivo, ou se retirando da firma, os pontos que reputamos importantes para determinação do valor real e justo da

Leia mais

Comentários da prova de Contador do Tribunal de Justiça (TJ) do Piauí Disciplina: Contabilidade Geral e de Custos Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova de Contador do Tribunal de Justiça (TJ) do Piauí Disciplina: Contabilidade Geral e de Custos Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova de Contador do Tribunal de Justiça (TJ) do Piauí Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova TJ Piauí ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL E DE CUSTOS

Leia mais

Prova Comentada de Contabilidade Geral Analista Judiciário - Contabilidade

Prova Comentada de Contabilidade Geral Analista Judiciário - Contabilidade Prova Comentada de Contabilidade Geral Analista Judiciário - Contabilidade Contabilidade Geral p/ TRT-MG Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista Judiciário do TRT-MG. Tomei

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO 3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO O Balanço Orçamentário é a Demonstração sintética do confronto entre a Receita Prevista, a Despesa Fixada e o que foi realizado no exercício, tanto em receitas

Leia mais

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Análise do Capital de Giro Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Ciclos da Empresa Compra de Matéria Prima Recebimento Venda CICLO OPERACIONAL Venda Período Médio de Estoques Período

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE EXERCICIO RESOLVIDO Nº DATA FATO 1 9/12/X1 Constituição da empresa com Capital Inicial de R$ 75.000,00, sendo R$ 50.000,00 em dinheiro e o restante em Mercadorias p/revenda. 2 19/12/X1 Compra de um Veículo

Leia mais

Comentários da prova de Contador da SMF de Niterói Disciplina: Contabilidade Geral e Societária Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova de Contador da SMF de Niterói Disciplina: Contabilidade Geral e Societária Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova de Contador da SMF de Niterói Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova SMF Niterói ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL E SOCIETÁRIA Olá amigos, Trago para vocês

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II Profª Leossania Manfroi, Msc. Material de apoio a Disciplina de Contabilidade Introdutória II no Curso de Ciências Contábeis da Uceff Faculdades. Chapecó SC, Julho de 2016.

Leia mais

Contabilidade Geral Questões da FCC

Contabilidade Geral Questões da FCC Olá pessoal!!! Contabilidade Geral Questões da FCC Abaixo seguem duas questões comentadas da FCC cobradas no concurso do TRF da 2ª e 3ª região, ambos para o cargo de Analista Contador. Bons estudos, Roberto

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE 2 SUMÁRIO. INTRODUÇÃO... 3 2. CRIANDO UMA NOVA DRE... 4 3. CONFIGURANDO UMA DRE... 5 4. VINCULANDO UMA CONTA DO BALANCETE/PLANO

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis. Setembro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis. Setembro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

PREPARATÓRIO CFC PROVA Prof. Mauricio Pocopetz

PREPARATÓRIO CFC PROVA Prof. Mauricio Pocopetz PREPARATÓRIO CFC PROVA 1-2016 Prof. Mauricio Pocopetz Questão 01 - Contabilidade 1. Assinale a opção que representa a CORRETA associação entre o fato contábil e o seu registro no Balanço Patrimonial. a)

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Prof. Felipe Mascara

Prof. Felipe Mascara 01 - Considere as afirmativas a seguir, com relação aos Princípios Fundamentais de (PFC), do Conselho Federal de (CFC). I. COMPETÊNCIA: As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Exercício 3.1 A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão S/A, em janeiro/x2

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0 1. Cenário: 1 A Empresa sec 5fabrica somente o produto. O processo orçamentário começa em outubro, antes do final do período contábil a 31 de Dezembro. Os resultados esperados no ano corrente, a se encerrar

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo I Conceitos Iniciais Luiz Eduardo Contabilidade Conceito Contabilidade é a ciência (atividade rigorosa de estudo) que tem por: campo a azienda (qualquer ente que possa vir

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA 1 - RESPONDA TODOS OS EXERCICIOS UTILIZANDO OS TRÊS MÉTODOS DE CONTROLE DO ESTOQUE INVENTARIO PERMANENTE.

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA 1 INSTRUÇÕES Você está recebendo uma prova com 40 (quarenta) questões numeradas sequencialmente. Você receberá, também, a Folha de Respostas personalizada para transcrever as respostas das questões da

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

Nome do aluno: Nota:

Nome do aluno: Nota: CAMPUS NOVA CRUZ PROCESSO SELETIVO PARA TUTORIA DE APRENDIZAGEM EM LABORATÓRIO TAL ETAPA 1 PROVA ESCRITA DISCIPLINA: CONTABILIDADE DATA: 15/02/2013 HORÁRIO 10:30h.às 12:00h. Nome do aluno: Nota: QUESITO

Leia mais