Tempo do crime art. 4º do CP: considera-se praticado o crime, o momento da ação ou omissão mesmo que outro seja o momento do resultado.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tempo do crime art. 4º do CP: considera-se praticado o crime, o momento da ação ou omissão mesmo que outro seja o momento do resultado."

Transcrição

1 Tempo do crime art. 4º do CP: considera-se praticado o crime, o momento da ação ou omissão mesmo que outro seja o momento do resultado. (utilizado como critério para inimputabilidade do menor de 18 anos). Teoria adotada: teoria da ação ou da atividade. Lugar do crime art. 6º do CP: considera-se lugar do crime o local onde ocorreu a ação ou omissão, bem como onde se produziu ou deveria se produzir o resultado. (utilizado para determinar a competência de países). Teoria adotada: teoria da ubiquidade ou mista. Crime permanente: É aquele em que sua consumação se prolonga no tempo, neste caso, se no momento da ação o agente for menor e completar a sua maioridade durante o crime, ele responderá. Ex. art. 159 do CP (extorsão mediante seqüestro).

2 Iter criminis caminho do crime ou fases do crime. I Cogitação. II Preparação. III Execução. IV Resultado. Obs.: Prova: de regra a cogitação e a preparação não constituem crime, salvo a preparação quando por si só constituir crime autônomo. Ex. - formação de quadrilha art. 288 do CP. - porte ilegal de arma de fogo etc. Crime tentado: Conceito: ocorrerá à tentativa quando iniciada a execução, o resultado não se produzir por circunstâncias alheias a vontade do agente. Modalidades de tentativa

3 ESPÉCIES DE TENTATIVA

4 Crimes que não admitem a tentativa. Crimes culposos, salvo a culpa imprópria (dolo tratado como culpa). Crimes preterdolosos: dolo na conduta antecedente + culpa no resultado consequente. (dolo + culpa). Crimes unissubsistentes: aquele realizado por apenas um só ato. Crimes omissivos próprios ou puros (omissão de socorro). Crimes de perigo abstrato Contravenções penais Os crimes que a sua tentativa é punida como crime autônomo, ex. art. 353 do CP (evasão mediante violência contra a pessoa). Crime impossível. Não é permitida a tentativa dos crimes do art. 3º da lei de abuso de autoridade lei 4898/65. Crimes habituais (há divergência doutrinária).

5 Desistência voluntaria e arrependimento eficaz. (Art. 15) Desistência voluntaria: ocorre quando o agente dá início aos atos de execução, porém desiste voluntariamente de dá prosseguimento. Arrependimento eficaz: é aquele em que o agente dá início aos atos de execução e dá prosseguimento, porém impede a consumação do resultado. Desistência posterior. (Art. 16) Somente será permitido nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça, desde que reparado o dano ou restituída a coisa antes do recebimento da denuncia, a pena será reduzida de 1/3 a 2/3.

6 CONSIDERAÇÕES QUANTO AO ARREPENDIMENTO E A DESISTÊNCIA

7 Crime impossível. (Art. 17) Não há crime cuja preparação do flagrante pela autoridade policial (flagrante preparado), torna impossível a sua consumação na formula da sumula 145 do STF. Conceito: não se pune a tentativa quando pela ineficácia absoluta do meio, ou pela impropriedade absoluta do objeto torna impossível a sua consumação. Obs.: o CP adotou a teoria objetiva temperada, que estabelece que a ineficácia ou a impropriedade tanto do meio quanto do objeto devem ser absolutas, caso sejam relativas estaremos diante da tentativa.

8 Crime doloso. (Art. 18, I) Diz ser doloso quando o agente quis ou assumiu o risco pela produção do resultado. Teorias do dolo: Teoria da vontade: ocorre quando o agente quer praticar o crime de forma direta. Teoria do assentimento: ocorre quando o agente prevê a ocorrência do resultado, porém continua praticando a conduta assumindo o risco pela produção do resultado.

9 Modalidade de dolo: Dolo direto: ocorre quando o agente quer praticar o resultado de forma direta. Pode ser: Dolo direto em 1º grau: é aquele que ocorre em relação aos meios escolhidos e ao fim proposto. Dolo direto em 2º grau: é aquele que ocorre com relação aos efeitos obtidos como necessários. Dolo geral: ocorre quando o agente acredita ter consumado o resultado em uma primeira conduta, contudo o resultado somente vem a ocorrer em razão de uma segunda conduta praticada pelo agente para garantir a sua impunidade. Dolo indireto ou eventual: ocorre quando o agente prevê a ocorrência do resultado, contudo continua praticando a conduta sendo para ele o resultado indiferente, por isso assume o risco pela produção do resultado.

10 Crime culposo. (Art. 18, II) É aquele em que o agente dá causa ao resultado por imperícia, imprudência ou negligência. Negligência: é a falta de cuidado necessário. Ex. dirigir com pneu careca ou sem os equipamentos de segurança exigidos. Imprudência: ocorre quando o agente atua acima dos limites permitidos pela lei. Ex. excesso de velocidade. Imperícia: falta de habilitação técnica. Que é diferente de erro profissional, pois este decorre da falibilidade das regras cientificas. (Imperícia = Erro Profissional)

11 Espécies de culpa: Culpa consciente, (com previsão): é aquela em que o agente prevê a ocorrência do resultado, mas continua praticando a conduta, pois acredita sinceramente que o resultado não irá ocorrer, em razão de suas habilidades especiais. Culpa inconsciente, (sem previsão): é aquela em que o resultado é previsível, mas não foi previsto pelo agente. Culpa própria: É a que se verifica quando o agente não quer o resultado nem assume o risco de produzi-lo. É, pó assim dizer, a culpa propriamente dita.

12 Culpa imprópria: É aquela em que o sujeito, após prever o resultado, realiza a conduta por erro inescusável (indesculpável) quanto à ilicitude do fato. Cuida-se, em verdade, de dolo, eis que o agente quer a produção do resultado. Por motivos de política criminal, no entanto, o Código Penal aplica a um crime doloso a punição correspondente a um crime culposo. O erro quanto à ilicitude do fato, embora inescusável, proporciona esse tratamento diferenciado. Obs.: diante do caráter híbrido da culpa imprópria (dolo tratado como culpa), revela-se como única modalidade de crime culposo que comporta a tentativa.

13 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES: Obs.¹: Entende o STF que o crime de racha ou pega é dolo eventual. Obs.²: O direito penal não admite a compensação de culpa. Obs.³: O direito penal permite a concorrência de culpa.

14 Crimes omissivos. Omissivos próprios ou puros Não será permitida nestes crimes a modalidade culposa nem a tentativa. Terá como consequência o crime de omissão de socorro, art. 135 do CP. Omissivos impróprios ou impuros. São também denominados pela doutrina como crimes comissivos por omissão. Estes crimes admitem a modalidade culposa, bem como a tentativa. Obs.: Esses crimes dizem respeito ao agente garantidor previsto no art. 13 2º do CP.

15 O dever de agir se aplica a quem: Tenha por lei obrigação de cuidado, proteção ou vigilância. Ex. Salva-vidas, bombeiro, pai, mãe, policial etc. Quem assumiu a responsabilidade. Ex. Babá que descuida dos cuidados da criança, para ficar ao telefone com seu namorado. Quem com seu comportamento anterior criou o risco do resultado. Ex. Nadador exímio que convida outro, não tão experiente, para atravessar um rio de larga extensão, e não presta socorro quando este não mais consegue prosseguir, vindo a afogar-se.

16 Excludente de ilicitude: Estado de necessidade Considera-se em estado de necessidade aquele que atua para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia por outro meio evitar, a direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se Obs.¹: Entende a doutrina majoritária que o estado de necessidade será aplicado tanto no perigo atual quanto no iminente. Obs.²: Entende a doutrina majoritária que poderá ser alegado o estado de necessidade mesmo que o agente tenha dado causa ao resultado a titulo de culpa.

17 Obs.³: Teoria unitária: o estado de necessidade é causa de exclusão de ilicitude, desde que o bem jurídico sacrificado seja de igual valor ou de valor inferior ao bem jurídico preservado. Exige, assim, somente a razoabilidade na conduta do agente. Foi à teoria adotada pelo Código Penal. Teoria diferenciadora: Para essa teoria, há estado de necessidade justificante (excludente da ilicitude) somente se o bem jurídico agredido for de valor menor ao bem protegido. Ex. destruição do patrimônio alheio para salvar a vida humana. Por sua vez, configura-se o estado de necessidade exculpante (excludente da culpabilidade) nas hipóteses em que o bem jurídico sacrificado for de valor igual ou superior ao do bem jurídico agredido. Constitui-se em causa supralegal de exclusão da culpabilidade, em face da inexigibilidade de conduta diversa. Está teoria não é adotada pelo CP nem pela doutrina majoritária.

18 Não poderá alegar o estado de necessidade quem tem o dever legal de enfrentar o perigo, na forma do art. 24 2º do CP. Contudo, poderá ser alegado se o agente garantidor estiver pondo em risco de forma concreta a sua vida.

19 Legítima defesa. (art. 25) Atua em legítima defesa aquele que repele agressão injusta atual ou iminente a direito próprio ou de terceiro usando moderadamente dos meios necessários. Agressão injusta é aquela proveniente do homem. Se o animal feroz voluntariamente atacar alguém estará presente o estado de necessidade. Se terceira pessoa utiliza o animal como meio de ataque estaremos diante da legitima defesa

20 Meios necessários e moderados: entende a doutrina que meio necessário é aquele pertinente para fazer cessar a agressão, contudo deve ser usado de forma moderada sobre pena de excesso. Obs.¹: Será permitida a legítima defesa contra a agressão de inimputáveis, desde que o bem utilizado seja aquele que cause a menor lesão possível ao inimputável. Obs.²: Será admitida a legitima defesa sucessiva quando: A vítima se excede nos meios de legítima defesa, passando a se tornar o agressor. Exemplo: A profere palavras de baixo calão contra B, o qual. Para calá-lo, desfere-lhe um soco. Em seguida, com A já em silêncio, B continua a agredi-lo fisicamente, autorizando o emprego de força física pelo primeiro para defender-se.

21 É possível essa legítima defesa, pois o excesso sempre representa uma agressão injusta. Obs.³: Será admitida a legítima defesa de terceiro quando: O bem jurídico protegido for indisponível, não haverá necessidade do consentimento do ofendido. Exemplo: um homem agride cruelmente sua esposa, com o propósito de matá-la. Aquele que presenciar poderá, sem a anuência da mulher, protegê-la, ainda que para isso tenha que lesionar ou mesmo eliminar a vida do covarde marido. Diversa será a conclusão quando tratar-se de bem jurídico disponível. Nessa hipótese, impõe-se o consentimento do ofendido, se for possível a sua obtenção. Exemplo: um homem ofende com impropérios a honra de sua mulher. Por mais inconformado que um terceiro possa ficar com a situação, não poderá protegê-la sem o seu assentimento.

22 A legítima defesa é compatível com a vingança? Sim. Não exclui a legítima defesa a circunstância de o agente unir ao fim de defender-se uma finalidade diversa, tal como a vingança, desde que objetivamente não exceda os requisitos da necessidade (uso dos meios necessários) e da moderação (emprego moderado de tais meios). Exemplo: A, com o desejo de matar B, em razão de brigas pretéritas, aproveita-se do ataque injustificado de seu desafeto para eliminar a sua vida.

23 Estrito cumprimento do dever legal. É aquele em que o agente atua amparado pela lei. Ex. Prisão em flagrante feita pelo policial. Obs.: Se o policial matar o criminoso não responderá pelo crime em razão da legítima defasa própria ou de terceiro. Caso lesione o criminoso para prender estará amparado pelo estrito cumprimento do dever legal.

24 Exercício regular de direito. Ocorre quando o agente atua através de uma conduta permitida pelos costumes ou aceita pela sociedade. Ex. Particular que prende em flagrante, médico que realiza cirurgias, correições moderadas dos pais, lesões esportivas etc. Causa supralegal de excludente da ilicitude: Consentimento do ofendido. Requisitos: O consentimento deve ser anterior ao fato. O bem jurídico deve ser disponível. O agente deve ser capaz

25 Obs.¹: Se o bem agredido for insignificante poderá ocorrer à atipicidade do crime para quem adota o conceito da tipicidade conglobante. Obs.²: Ofendículos: Constituem todo e qualquer meio de defesa do patrimônio. Deve ser visível ou avisado, não podendo constituir armadilha. Obs.: Caso o agente esteja violando o domicilio e neste momento se lesione no ofendículo, estaremos diante da legitima defesa preordenada. Caso não ocorra lesão ao patrimônio estaremos diante do exercício regular de direito. Ex. Cerca elétrica, arame farpado, cão etc.

26 Culpabilidade. Elementos: Imputabilidade: Considera-se isento de pena quem, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. Na forma do art. 26 do CP único: caso o agente seja doente, como na hipótese acima, porém relativamente capaz responderá pelo crime com a pena reduzida de 1/3 a 2/3. Obs.: O Código Penal adotou o critério biopsicológico para a determinação da imputabilidade.

27 Para o menor de idade bastará à prova documental, contudo quanto ou doente mental ou desenvolvimento mental retardado será necessário o laudo pericial. Doente mental: a expressão doença mental deve ser interpretada em sentido amplo, englobando os problemas patológicos e também os de origem toxicológica. São pessoas que sofrem tratamento pela psiquiatria. Ex.: Esquizofrênicos, maníacos depressivos, transtorno bipolar, psicopata, etc. Desenvolvimento mental incompleto: o desenvolvimento mental incompleto abrange os menores de 18 anos e os silvícolas (aquele que nasce ou vive nas selvas), assim como os surdos mudo, desde que não integrados a sociedade

28 Atenção!!!: Os silvícolas nem sempre serão inimputáveis. Depende do grau de assimilação dos valores sociais, a ser revelado pelo exame pericial. Deste modo, dependendo da conclusão da pericia, o silvícola pode ser: b.1) imputável: se integrado à vida em sociedade; b.2) semi-imputável: no caso de estar dividido entre o convívio na tribo e na sociedade; b.3) inimputável: quando completamente incapaz de viver em sociedade, desconhecendo as regaras que lhes são inerentes

29 Desenvolvimento mental retardado: desenvolvimento mental retardado é o que não se compatibiliza com a fase da vida em que se encontra determinado indivíduo, resultando de alguma condição que lhe seja peculiar. A pessoa não se mostra em sintonia com os demais indivíduos que possuem sua idade cronológica (idiotice, imbecilidade e debilidade mental propriamente dita). Ex.: pessoas portadoras de necessidade especiais. Obs.¹: caso as pessoas acima mencionadas, excluindo o menor de idade, sejam absolutamente incapaz o juiz deverá absolver o acusado (sentença absolutória imprópria), sendo-lhe decretada medida de segurança, que consiste em: tratamento ambulatorial ou em hospital psiquiátrico. Caso seja relativamente capaz responderá pelo crime com a pena reduzida de 1/3 a 2/3, ou seja, poderá ocorrer a condenação.

30 Salvo em algumas hipóteses poderá o juiz, na forma do art. 98 do CP, substituir a pena privativa de liberdade pelo tratamento ambulatorial. Obs.²: Caso seja doente e capaz responderá pelo crime podendo ser condenado sem redução de pena. Art. 28 do CP Não excluem a culpabilidade: I - A emoção ou a paixão. Emoção: Se o agente praticar o crime logo após injusta provocação da vitima sob o domínio de violenta emoção terá a sua pena reduzida. Ex.: Art º do CP (homicídio privilegiado). Se o agente praticar o fato em razão de influência da violenta emoção terá a pena atenuada mediante art. 65, III letra C do CP.

31 Paixão: Não existe causa no CP expressa para redução de pena, contudo pode ser atenuada de forma genérica a pena do acusado na forma do art. 66 do CP. Obs.: Alguns autores entendem que a paixão doentia é equiparada a uma espécie de doença mental, sendo assim será tratada mediante o art. 26 do CP. II - A embriaguez voluntaria ou culposa, pelo álcool ou substância de efeitos análogos.

32 Modalidades: Embriaguez dolosa É aquela em que o agente ingere bebida alcoólica com a finalidade de se embriagar. Embriaguez culposa É aquela em que o agente ingere a bebida alcoólica, porém em razão de fraqueza do organismo acaba se embriagando. Consequência: Nas duas hipóteses acima o agente responderá pelo crime sem nenhuma redução de pena. Embriaguez proveniente de caso fortuito ou força maior. Caso fortuito: É o efeito inesperado (sem a vontade do agente). Força maior: É oriundo da ação do homem, também sem a vontade do agente que ingere a substância.

33 Obs.: Estão previstos no art. 28, II, 1º e 2º do CP. Se o agente estiver no momento da ação em razão destas modalidades de embriaguez absolutamente incapaz será isento de pena. Caso seja relativamente incapaz será reduzida a pena de 1 a 2/3. Embriaguez pré-ordenada É aquela em que o agente ingere a substância entorpecente com a intenção de praticar crime. Esta, além do agente responder pelo crime terá a sua pena agravada na forma do art. 61, II letra L do CP. Embriaguez patológica Trata-se do dependente químico. Alcoólatra: Será tratado na forma do art. 26 do CP. Vicio em drogas: Será tratado pela lei de drogas /06 art. 45 e 46.

34 Obs.: Estão previstos no art. 28, II, 1º e 2º do CP. Se o agente estiver no momento da ação em razão destas modalidades de embriaguez absolutamente incapaz será isento de pena. Caso seja relativamente incapaz será reduzida a pena de 1 a 2/3. Embriaguez pré-ordenada É aquela em que o agente ingere a substância entorpecente com a intenção de praticar crime. Esta, além do agente responder pelo crime terá a sua pena agravada na forma do art. 61, II letra L do CP. Embriaguez patológica Trata-se do dependente químico. Alcoólatra: Será tratado na forma do art. 26 do CP. Vicio em drogas: Será tratado pela lei de drogas /06 art. 45 e 46.

35 Absolutamente incapaz será isento de pena, já o relativamente incapaz terá sua pena reduzida. Potencial conhecimento da ilicitude: Obs.: São todos os exemplos de erro de proibição. Exigibilidade de conduta diversa: Coação física irresistível: Nesta, o agente emprega a força física na vítima excluindo a conduta da vítima. Tendo em vista a exclusão da conduta será excluído o fato típico.

36 Coação moral irresistível: Nesta hipótese quem pratica a conduta é a vítima, dessa forma houve o fato típico, ilícito, porém será excluída a culpabilidade pela inexigibilidade de conduta diversa. Tanto a coação moral física como a coação moral resistíveis haverá o crime, porém será atenuada a pena na forma do art. 65, III, letra C do CP. Obediência a ordem hierárquica não manifestadamente ilegal Obs¹.: O conceito de hierarquia somente existe no direito público e não em direito privado. Obs².: Quando ocorrer coação irresistível, bem como obediência a ordem hierárquica não manifestadamente ilegal somente responderá o autor da ordem ou o autor da coação, na forma do art. 22 do CP.

37 PECULATO ESPÉCIES: PECULATO-APROPRIAÇÃO. CP: 312, caput, primeira parte. PECULATO-DESVIO. CP: 312, caput, segunda parte. PECULATO-FURTO. CP: 312, par. 1º. PECULATO-CULPOSO. CP: 312, par. 2º. PECULATO-ESTELIONATO. CP: 313. PECULATO ELETRÔNICO. CP: 313-A e 313-B.

38 PECULATO-APROPRIAÇÃO: Funcionário público. Apropriar-se : inverter a posse, agindo como se dono fosse. De dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel : bem móvel é todo aquele que pode ser transportado de um local a outro, não necessariamente coincidente com direito civil. Público ou particular : particular como vítima mediata. PECULATO DE USO: existe o crime?

39 MOMENTO DE CONSUMAÇÃO. Consuma-se no momento em que o funcionário se apropria do objeto de que tem a posse em razão do cargo, agindo como se dono fosse (vendendo, retendo, destruindo etc.). Admite-se tentativa (plurissubsistente). PECULATO-DESVIO: segue a análise do peculato-apropriação, com exceção do segundo elemento, sendo substituído apropriarse por DESVIAR. PECULATO-FURTO (ou IMPRÓPRIO). BEM JURÍDICO: moralidade administrativa. Sujeitos:

40 PECULATO CULPOSO (CP: 312, par. 2º, Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem: Pena - detenção, de três meses a um ano ). BEM JURÍDICO: moralidade administrativa BENEFÍCIO LEGAL CABÍVEL AO PECULATO CULPOSO, exclusivamente. CP: 312, par. 3º, No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à sentença irrecorrível, extingue a punibilidade; se lhe é posterior, reduz de metade a pena imposta. Assim, reparação do dano até trânsito em julgado leva à extinção da punibilidade; após, o juiz da execução pode diminuir a pena..

41 Lembre-se que a reparação do dano em peculato doloso pode STJ: se oferecido até o recebimento da inicial, aplica-se o CP: 16; se entre o recebimento da inicial.

42 PECULATO ESTELIONATO CP: 313, Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que, no exercício do cargo, recebeu por erro de outrem: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. Tipo objetivo: apropriar-se, agindo como se dono fosse. O erro do ofendido deve ser espontâneo, pois, se provocado pelo funcionário, poderá configurar estelionato

43 PECULATO ELETRÔNICO CP: 313-A, Inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a inserção de dados falsos, alterar ou excluir indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados ou bancos de dados da Administração Pública com o fim de obter vantagem indevida para si ou para outrem ou para causar dano: Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. Exemplo: pedir para funcionário retirar pontos de carteira. O crime é formal, pois se consuma com a inserção, facilitação, exclusão ou alteração dos dados, independentemente de o sujeito ter conseguido ou não obter a vantagem ilícita, ou causar o dano que pretendia.

44 : 313-B, Modificar ou alterar, o funcionário, sistema de informações ou programa de informática sem autorização ou solicitação de autoridade competente: Pena detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos, e multa. Parágrafo único. As penas são aumentadas de um terço até a metade se da modificação ou alteração resulta dano para a Administração Pública ou para o administrado. OBS: PENA. Em regra, o CP: 313-B é mais grave, mas o CP: 313-A pode ser mais grave. No entanto, há clara desproporção entre as penas dos dois tipos: CP: 313-A sancionado com 2 a 12 anos; CP: 313-B, punido com 3 meses a dois anos. Essa diferença não se justifica.

45 PECULATO ELETRÔNICO POR OUTROS AGENTES. Se o agente for funcionário não autorizado, qual o crime? Equiparase a particular; os dados constituem documento público, configurando sua alteração FALSIDADE IDEOLÓGICA. O crime é MATERIAL, apesar de se consumar com a modificação ou alteração dos DADOS. O resultado causação de dano somente serve para o aumento de pena. O único resultado previsto no artigo 313B é a modificação ou alteração, não havendo qualquer outro resultado naturalístico previsto no tipo penal, por isso é considerado CRIME MATERIAL.

46 ART. 314 EXTRAVIO, SONEGAÇÃO OU INUTILIZAÇÃO DE LIVRO OU DOCUMENTO Extraviar livro oficial ou qualquer documento, de que tem a guarda em razão do cargo; sonegá-lo ou inutilizá-lo, total ou parcialmente: Pena reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, se o fato não constitui crime mais grave Essa conduta encontra tipicidade, em conflito aparente entre normas penais, em outros artigos. Ex. quando o documento consistir em autos de processo judicial, a hipótese poderá ser típica do crime contra a administração da justiça, dependendo da natureza do sujeito ativo (art. 356 do CP). Já quando o documento for relativo à cobrança de tributo, o crime será específico, especial, do art. 3, I, da lei 8137/90 crime funcional contra a ordem tributária.

47 O extravio (que é perder) poderia conduzir falsamente à idéia de que a conduta culposa seria punível. A excepcionalidade do crime culposo (art. 18) exige que seja expressamente prevista no tipo penal a modalidade culposa. Assim, o extravio previsto no artigo 314 é a perda querendo perder, ou seja, querendo extraviar o documento ou livro. As modalidades ativas extraviar, inutilizar configuram hipóteses de crime MATERIAL, portanto, admitem tentativa, o que não ocorre na sonegação que, por ser crime omissivo próprio, o crime é de MERA CONDUTA, não admitindo tentativa. Ou se sonega ou se devolve, não havendo meio termo.

48 ART. 315 EMPREGO IRREGULAR DE VERBAS OU RENDAS PÚBLICAS Dar às verbas ou rendas públicas aplicação diversa da estabelecida em lei: Pena detenção, de 1 (um) a 3 (três) meses, ou multa

49 Se o funcionário público desviar o dinheiro em proveito próprio, estará cometendo o crime de peculato desvio. O crime é doloso, e o dolo é simples, abrangendo o conhecimento claro da destinação específica da verba. Trata-se de norma penal em branco homogênea, porque a lei referida no tipo é a lei no sentido formal. O dolo nas normas penais em branco abrange o conhecimento do complemento da norma referida na norma penal em branco. O crime é formal, pois se consuma com o ato de o sujeito dar a destinação, independentemente de ele conseguir que a verba seja desviada. O crime se consuma com a ordem que o sujeito dá para que a verba seja aplicada de forma diversa da prevista em lei.

50 ART. 316 CONCUSSÃO Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumí-la, mas em razão dela, vantagem indevida: Pena reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos, e multa. Excesso de Exação 1 o Se o funcionário exige tributo ou contribuição social que sabe ou deveria saber indevido, ou, quando devido, emprega na cobrança meio vexatório ou gravoso, que a lei não autoriza: Pena reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa. 2 o Se o funcionário desvia, em proveito próprio ou de outrem, o que recebeu indevidamente para recolher aos cofres públicos: Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa

51 O crime de concussão é crime FORMAL, que se consuma com a conduta de EXIGIR, independentemente de o sujeito obter ou não a vantagem exigida. Se o sujeito obtiver a vantagem indevida, haverá um exaurimento da conduta. É admitida a TENTATIVA, desde que o ato de exigir possa ser fracionado, ou seja, só haverá tentativa se a exigência for feita por escrito, porque o crime somente vai se consumar quando o sujeito passivo vier a tomar conhecimento da exigência. Se a exigência for verbal, não há a possibilidade de fracionamento da conduta. OBS: As prisões em flagrante, noticiadas pelas TV, ocorridas nas hipóteses de combinação de pagamento de exigência a funcionário público representam, na realidade, prisões preventivas, pois o crime consumou-se bem antes, ou seja, quando houve a exigência. Não há flagrante portanto.

52 1 o EXCESSO DE EXAÇÃO No parágrafo primeiro, o legislador estabeleceu a previsão de punição de uma conduta que não guarda qualquer relação como o caput que trata do crime de concussão. Enquanto a concussão é a exigência para que o funcionário que a exigiu obtenha uma vantagem indevida, ou seja, a vantagem na concussão reverte em benefício do próprio funcionário, no crime de excesso de exação, previsto no parágrafo primeiro do art. 316, há uma situação completamente diferente.

53 CORRUPÇÃO PASSIVA CP: 317, Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem: Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. Note-se que todos os núcleos focam a mercancia da função pública, a comercialização de um ato de ofício, sendo imprescindível, portanto, que esse ato esteja entre as atribuições do agente. Vantagem : pode ser em favor próprio ou alheio, inclusive familiares. Pode ser de qualquer natureza, desde que indevida.

54 CLASSIFICAÇÃO: Corrupção passiva PRÓPRIA: o ato de ofício comercializado é ILEGÍTIMO. Exemplos: solicitar vantagem para liberar objeto apreendido; solicitar vantagem para facilitar fuga de preso. Corrupção passiva IMPRÓPRIA: o ato de ofício comercializado é legítimo. Exemplo: solicitar vantagem para permitir entrega de alimentos para preso. Corrupção passiva ANTECEDENTE: o agente solicita/ recebe/ aceita promessa para depois realizar ato de ofício. É a CORRUPÇÃO ATIVA (CP: 333). Corrupção passiva SUBSEQÜENTE: o agente primeiro realiza o ato de ofício e depois solicita/ recebe/ aceita promessa. Esta conduta é ATÍPICA. Corrupção passiva MILITAR: CPM: 308. Inclui receber e aceitar. Militar não solicita apenas o funcionário público comum.

55 CONSUMAÇÃO: em regra, o crime é formal. Solicitar : crime formal; aceitar : crime material (só se consuma com vantagem indevida); aceitar promessa : formal. TENTATIVA: perfeitamente possível a tentativa. Exemplo: a carta que solicita vantagem interceptada. OBS: CORRUPÇÃO PASSIVA PRIVILEGIADA.

56 ART. 318 FACILITAÇÃO DE CONTRABANDO OU DESCAMINHO Facilitar, com infração do dever funcional, a prática de contrabando ou descaminho (art. 334): Pena reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa. A facilitação mencionada no tipo penal deve implicar em infração de dever funcional. Dessa necessidade de o agente, ao facilitar, infringir o dever funcional extrai-se a conclusão lógica de que somente pode ser sujeito ativo do crime aquele funcionário público responsável pela repreensão da prática de contrabando ou descaminho, ou seja, os funcionários da polícia federal ou da receita federal. Só essas pessoas que estarão infringindo o dever funcional ao facilitar a prática do contrabando ou descaminho.

57 O crime é FORMAL, porque se consuma com a conduta de facilitação dolosa, em que se adere subjetivamente ao contrabando ou descaminho, independentemente de o contrabando ou descaminho se consumarem. Logo, o ato de facilitar já consuma o crime, sem que haja necessidade de consumação do crime de contrabando. A facilitação do contrabando ou descaminho implicará na necessidade de se comprovar o injusto nesses crimes e, se o contrabando consiste na exportação e importação de mercadoria proibida, é possível vislumbrar a hipótese de uma mercadoria proibida cuja importação ou exportação facilitada não enseja a tipificação pelo art. 318, qual seja, SUBSTÂNCIA ENTORPECENTE, o que, se ocorrer, a conduta do funcionário pública consubstanciará crime de tráfico, na modalidade de participação

58 PREVARICAÇÃO PREVISÃO LEGAL: CP: 319, Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. CONCEITO: trata-se de uma espécie de AUTOCORRUPÇÃO, daí a natureza de norma penal em branco, devendo-se, na denúncia, constar expressamente a parte infringida da norma., daí ato de ofício. Havendo certa discrição quanto à conveniência ou oportunidade, inexiste prevaricação

59 PREVARICAÇÃO IMPRÓPRIA PREVISÃO LEGAL: CP: 319-A, Deixar o Diretor de Penitenciária e/ ou agente público, de cumprir seu dever de vedar ao preso o acesso a aparelho telefônico, de rádio ou similar, que permita a comunicação com outros presos ou com o ambiente externo: Pena: detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano. DENOMINAÇÃO prevaricação imprópria foi dado pela doutrina, em virtude de ter o legislador

60 Lembrar que o preso que recebe o aparelho NÃO é co-autor ou partícipe do crime de prevaricação imprópria, mas autor de falta gra ve, LEP: 50, VII Art. 349-A. Ingressar, promover, intermediar, auxiliar ou facilitar a entrada de aparelho telefônico de comunicação móvel, de rádio ou similar, sem autorização legal, em estabelecimento prisional. (Incluído pela Lei nº , de 2009). Pena: detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano. (Incluído pela Lei nº , de 2009).

61 ART. 320 CONDESCENDÊNCIA CRIMINOSA Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente: Pena detenção, de 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa. O crime do art. 320 tipifica duas condutas omissivas próprias, por isso se trata de CRIME OMISSIVO PRÓPRIO.

62 O que interessa para a caracterização do tipo é a omissão do superior hierárquico de não punir ou deixar de responsabilizar o subordinado, com o especial fim de agir, ou seja, por indulgência. Se o superior deixou de punir seu subordinado porque este é parente de um outro funcionário mais graduado que pediu para que não houvesse a punição, não haverá condescendência criminosa, mas sim corrupção passiva prevista no 2º do art. 317, porque não estará caracterizada uma mera indulgência.

63 ART. 321 ADVOCACIA ADMINISTRATIVA Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário: Pena detenção, de 1 (um) a 3 (três) meses, ou multa. Parágrafo único. Se o interesse é ilegítimo: Pena detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, além da multa O patrocínio de interesse por parte do sujeito ativo, que é funcionário público, perante a Administração Pública não é por si só proibido, porque se fosse, o funcionário público seria inferior ao cidadão, pois o cidadão comum poderia pleitear interesses próprios, privados perante a Administração, enquanto o funcionário público não.

64 O interesse privado pode ser do próprio funcionário ou de terceiros, não fazendo diferença se o interesse é legítimo ou ilegítimo. O patrocínio, perante a Administração Pública, de interesse legítimo, mas mediante utilização da qualidade de funcionário público será punido na forma do caput, ou seja, de maneira mais branda, enquanto o patrocínio de interesse ilegítimo será punido conforme o parágrafo único, de forma mais severa. O crime é FORMAL, pois se consuma com a ação, que é PATROCINAR, independente de o interesse ser satisfeito ou não pela Administração.

65 É especial também a advocacia administrativa vinculada a licitações e contratos públicos, que é punida de acordo com o art. 91 da Lei 8666/93 (pena detenção de 6 meses a 2 anos, e multa). Quando o interesse patrocinado for ilegítimo, mas mesmo assim for acolhido pela Administração Pública, com a obtenção de vantagem patrimonial, a hipótese será a de concurso entre o estelionato e a advocacia administrativa. Esta não é absorvida pelo estelionato.

66 ART. 322 VIOLÊNCIA ARBITRÁRIA Praticar violência, no exercício de função ou a pretexto de exercêla: Pena detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos, além da pena correspondente à violência A violência arbitrária é tipo que foi revogado pela Lei 4898/65. O crime de abuso de autoridade é considerado revogador do tipo do Código Penal do art. 322 violência arbitrária.

67 Abandono de função Art Abandonar cargo público, fora dos casos permitidos em lei: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. 1º - Se do fato resulta prejuízo público: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. 2º - Se o fato ocorre em lugar compreendido na faixa de fronteira: Pena - detenção, de um a três anos, e multa.

68 Exercício funcional ilegalmente antecipado ou prolongado Art Entrar no exercício de função pública antes de satisfeitas as exigências legais, ou continuar a exercê-la, sem autorização, depois de saber oficialmente que foi exonerado, removido, substituído ou suspenso: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. Violação de sigilo funcional Art Revelar fato de que tem ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo, ou facilitar-lhe a revelação: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa, se o fato não constitui crime mais grave. 1 o Nas mesmas penas deste artigo incorre quem: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) I - permite ou facilita, mediante atribuição, fornecimento e

69 1 o Nas mesmas penas deste artigo incorre quem: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) I - permite ou facilita, mediante atribuição, fornecimento e empréstimo de senha ou qualquer outra forma, o acesso de pessoas não autorizadas a sistemas de informações ou banco de d a d o s d a A d m i n i s t r a ç ã o P ú b l i c a ; (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) II - se utiliza, indevidamente, do acesso restrito. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) 2 o Se da ação ou omissão resulta dano à Administração Pública ou a outrem: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

70 Violação do sigilo de proposta de concorrência Art Devassar o sigilo de proposta de concorrência pública, ou proporcionar a terceiro o ensejo de devassá-lo: Pena - Detenção, de três meses a um ano, e multa. Funcionário público Art Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública. 1º - Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) 2º - A pena será aumentada da terça parte quando os autores dos

71 1º - Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) 2º - A pena será aumentada da terça parte quando os autores dos crimes previstos neste Capítulo forem ocupantes de cargos em comissão ou de função de direção ou assessoramento de órgão da administração direta, sociedade de economia mista, empresa pública ou fundação instituída pelo poder público. (Incluído pela Lei nº 6.799, de 1980)

Lição 5. Crimes contra a administração pública

Lição 5. Crimes contra a administração pública Lição 5. Crimes contra a administração pública 5.1. CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS PECULATO Artigo 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Capítulo I Dos Crimes Praticados por Funcionário Público contra a Administração em Geral Peculato Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública 1 de 6 14/02/2015 21:13 Curtir Compartilhar 6 mil Tweet Seguir 91.4Mil seguidores PROGRAMA DO CONCURSO Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública Peculato TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: (...) TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA 1 Certas práticas, sejam cometidas por agentes públicos ou por particulares, afetam negativamente a gestão pública. Algumas são consideradas crimes pelo Código Penal Brasileiro (Decreto-Lei n. 2.848, de

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública Prezados(as) concurseiros(as), Espero que todos estejam bem! Divirtam-se! 5º Simulado de Ética na Administração Pública 1. (CESPE/ACE/TCE-AC/2009) Suponha que Fábio, auditor-fiscal da Receita Federal do

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO)

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) O direito protegido é o funcionamento da administração pública, ou seja, a normalidade, prestígio da administração em geral.

Leia mais

1. DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Inserção de dados falsos em sistema de informações

1. DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Inserção de dados falsos em sistema de informações 1. DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Inserção de dados falsos em sistema de informações Art. 313-A. Inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a inserção de dados falsos, alterar ou excluir

Leia mais

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65)

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65) 1 PONTO 1: Crimes contra Administração Pública PONTO 2: Introdução aos crimes em espécie PONTO 3: Crimes em espécie 1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo Art. 316 CONCUSSÃO 1. CONCEITO Reza o artigo 316, caput, do Código Penal: Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função, ou antes, de assumi-la, mas em razão dela, vantagem

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Teoria Parte 09. Direito Penal. Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10. Prof. Lísias Data de impressão: 19/01/2011

Teoria Parte 09. Direito Penal. Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10. Prof. Lísias Data de impressão: 19/01/2011 PF Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10 Teoria Parte 09 Data de impressão: 19/01/2011 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL DIDÁTICO

Leia mais

O crime de peculato mediante erro de outrem exige como sujeito ativo o FUNCIONÁRIO PÚBLICO, portanto é crime PRÓPRIO.

O crime de peculato mediante erro de outrem exige como sujeito ativo o FUNCIONÁRIO PÚBLICO, portanto é crime PRÓPRIO. ART. 313 PECULATO MEDIANTE ERRO DE OUTREM A p r o p r i a r - s e d e d i n h e i r o o u q u a l q u e r u t i l i d a d e q u e, n o e x e r c í c i o d o c a r g o r e c e b e u p o r e r r o d e o

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira Saudações aos amigos concurseiros que realizaram a prova do TRE PB. Analisei as questões de Direito Penal (área judiciária e área administrativa) e estou disponibilizando o comentário das mesmas. Na minha

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 1ª Fase OAB/FGV Aula 5 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a honra Crimes contra o patrimônio; Crimes contra a dignidade sexual; Crimes praticados

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 EXTORSÃO Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter

Leia mais

TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL

TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL Peculato Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1. Conceito de Funcionário Público (intraneus): Art. 327 - Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração,

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIR. PENAL CURSO BÁSICO PROFESSOR JÚLIO MARQUETI

CURSOS ON-LINE DIR. PENAL CURSO BÁSICO PROFESSOR JÚLIO MARQUETI Agora iniciaremos um trabalho peculiar, passaremos a cuidar dos crimes em espécie. Para sermos eficientes, necessário que estabeleçamos um método prático. Para fazê-lo, primeiramente, devemos nos recordar

Leia mais

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável.

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável. CRIMES DE INFORMÁTICA Introdução O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável Introdução O QUE É CRIME - Tipicidade: perfeito enquadramento da conduta ao

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri Caros concurseiros, é com imensa satisfação que hoje trago os comentários da prova de Direito Penal do cargo de Analista de Controle Externo do TCU, aplicada pelo CESPE/UnB no último fim de semana. Tenha

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC. por Siomara Pantarotto. siomara@planalto.gov.

Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC. por Siomara Pantarotto. siomara@planalto.gov. Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC por Siomara Pantarotto siomara@planalto.gov.br Identificar e refletir acerca dos aspectos jurídicos e éticos relacionados

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado Direito Penal Professor Rafael Machado A Furto art. 155/156 do CP. Conceito: Subtração de coisa alheia móvel para si ou para outrem sem a prática de violência ou grave ameaça ou qualquer espécie de constragimento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador DEMÓSTENES TORRES PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 Altera dispositivos do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Código Penal, para agravar penas e determinar

Leia mais

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET ESTUDO CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas 1 www.oxisdaquestao.com.br A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas Texto de CARLOS CHAPARRO A transcrição jornalística de conversas telefônicas violadas é, sem dúvida, uma questão complicada.

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1-Fundação Pública Federal contrata o técnico de informática

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social.

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social. DIREITO PENAL O Direito Penal é o conjunto de princípios e normas que disciplinam o crime, as contravenções, a pena e a medida de segurança. Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários...

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... Sumário Prefácio... 15 Introdução... 19 PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23 Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... 25 1. Infração tributária e crime contra a ordem tributária...

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia Crimes contra a Administração da Justiça e Denunciação caluniosa Art. 339. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito

Leia mais

Coordenação Pedagógica Fiscal - Dezembro de 2014. Prof. Darlan Barroso. FUNDAMENTOS PARA RECURSOS Escrevente Técnico Judiciário TJ/SP

Coordenação Pedagógica Fiscal - Dezembro de 2014. Prof. Darlan Barroso. FUNDAMENTOS PARA RECURSOS Escrevente Técnico Judiciário TJ/SP Coordenação Pedagógica Fiscal - Dezembro de 2014 Prof. Darlan Barroso FUNDAMENTOS PARA RECURSOS Escrevente Técnico Judiciário TJ/SP Orientações de interposição do recurso O candidato poderá apresentar

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - CÓDIGO PENAL BRASILEIRO

DECRETO-LEI Nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - CÓDIGO PENAL BRASILEIRO DECRETO-LEI Nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - CÓDIGO PENAL BRASILEIRO Art. 14 - Diz-se o crime: Tentativa II - tentado, quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstâncias alheias à vontade

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES

QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES 01. Funcionário público da fiscalização em transportes, no exercício da sua função, que adverte um amigo seu de uma fiscalização itinerante

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais